Direção defensiva

3.068 visualizações

Publicada em

Treinamento de DIREÇÃO DEFENSIVA

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.068
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
339
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Direção defensiva

  1. 1. DIREÇÃO DEFENSIVA TREINAMENTO PARA MOTORISTAS PROFISSIONAIS 1
  2. 2. DIREÇÃO DEFENSIVA DEFINIÇÃO: É dirigir de modo a evitar acidentes de trânsito apesar das ações incorretas dos outros e das condições adversas 2
  3. 3. DIREÇÃO PERFEITA OU DIRIGIR COM PERFEIÇÃO Significa que você realiza viagem sem ACIDENTES, sem INFRAÇÕES de trânsito sem ABUSOS do veículo sem ATRASOS de horários, e, sem faltar com a CORTESIA devida. 3
  4. 4. OS DEZ MANDAMENTOS DO MOTORISTA DEFENSIVO • Conheça as leis de Trânsito. • Use sempre o cinto de segurança. • Conheça detalhadamente o veículo. • Mantenha seu veículo sempre em boas condições de funcionamento. • Faça a previsão da possibilidade de acidentes e seja capaz de evita-los. 4
  5. 5. OS DEZ MANDAMENTOS DO MOTORISTA DEFENSIVO • • • • • Tome decisões corretas com rapidez, nas situações de perigo. Não aceite desafios e provocações. Não dirija cansado, sob efeito de álcool e drogas. Veja e seja visto. Não abuse da auto-confiança 5
  6. 6. RISCOS DEFINIÇÃO: • Risco é uma circunstância que pode não se caracterizar em acidente. • É uma possibilidade de perigo. • Pode ser contornado, sinalizado e evitado 6
  7. 7. PERIGO DEFINIÇÃO: • É uma circunstância de risco iminente, capaz de causar danos e prejuízo, muitas vezes irreparáveis ou fatais; ocorre quando ignoramos ou menosprezamos as situações de riscos. 7
  8. 8. ACIDENTE DEFINIÇÃO: É todo acontecimento desagradável, infeliz, inesperado ou não, que causa danos tanto materiais, quanto ecológicos e/ou humanos. 8
  9. 9. ACIDENTES CAUSAS: O acidente é desencadeado por uma seqüência de fatos críticos e circunstâncias que, cumulativamente, vão agravando perigos inerentes ao cotidiano do trânsito: 9
  10. 10. CAUSAS DOS ACIDENTES CAUSAS: • FATORES HUMANOS: Stress, pressa, sono, cansaço, problemas familiares, estado de saúde, efeitos de drogas, álcool, outros; • AS CONDIÇÕES ADVERSAS: de tempo, luz, via, trânsito, veículos e passageiros 10
  11. 11. ACIDENTE EVITÁVEL • Todo acidente pode ser evitável: por você motorista, pelos 3 níveis de governo, entidade ou órgãos que cuidam do transito, escolas, centro de formação, outros. 11
  12. 12. MÉTODO BÁSICO DE PREVENÇAO DE ACIDENTES • Preveja o perigo • Descubra o que fazer • Aja a tempo 12
  13. 13. CONDIÇÕES ADVERSAS • Condições adversas de LUZ; • Condições adversas de TEMPO; • Condições adversas de VIA • Condições adversas de TRANSITO • Condições adversas de VEÍCULOS • Condições adversas de MOTORISTA • Condições adversas de CARGA ou PASSAGEIRO 13
  14. 14. CONDIÇÕES ADVERSAS DE LUZ • Incidência direta de raios solares. • Reflexos de luz solar em vidros, espelhos, janelas. • Luz alta em sentido contrário. • luz altas nos retrovisores. • Penumbra, lusco-fusco ou meia-luz. • Ausência total de luz solar. 14
  15. 15. CONDIÇÕES ADVERSAS DE TEMPO (Chuva, granizo, Neblina, ventos, fumaça, poeiras) • Manter as palhetas do limpador de pára-brisa em bom estado. • Manter os vidros desembaçados. limpos, desengordurados e • Redobra a atenção e diminuir a velocidade. • Aumentar a distância de seguimento. • Redobrar os cuidados em curvas e nas frenagens. • Dependendo da visibilidade, acender as luzes de posição e o farol baixo 15
  16. 16. CONDIÇÕES ADVERSAS DE TEMPO Aquaplanagem ou Hidropalnagem • Ocorre quando os pneus não conseguem remover a lâmina d’água e perdem o contato com a pista. • A combinação de pneus com sulcos gastos, velocidade alta e o volume de água na pista, são as principais causas da hidroplanagem. • O fenômeno acontece pela combinação de vários fatores: alta velocidade do veículo, pneus mal calibrados com sulcos gastos e o volume de água na pista de rolamento. 16
  17. 17. CONDIÇÕES ADVERSAS DE VIA • Sinalização inadequada ou deficiente; • Pista defeituosa, mal conservadas com buracos. • Aclives de declives muito acentuado. • Faixas de rolamento com largura inferior à ideal. • Curvas em nível mal projetadas ou mal construídas. • Lombadas, ondulações e desníveis. • Inexistência de acostamento. • Má conservação, buracos, falhas e irregularidades • Pista escorregadias ou com drenagem deficiente. • Vegetação muito próxima da pista. 17
  18. 18. CONDIÇÕES ADVERSAS DE TRÂNSITO • Trânsito lento ou congestionado. • Área de aglomeração ou com grande circulação de pessoas. • Presença de motociclistas, ciclistas e outros veículos não motorizados. • Transito intenso de veículos pesados, lento e compridos. • Comportamento agressivo, demais motoristas. imprudente dos 18
  19. 19. CONDIÇÕES ADVERSAS DE VEÍCULOS • Suspensão desalinhada, rodas desbalanceadas . • Limpadores de pára-brisa, retrovisores e freios defeituosos; • Pneus gastos e ou mal calibrados. • Falta ou deficiência de um ou mais equipamentos obrigatório. • Freios deficientes, etc. • Lâmpadas queimadas e faróis desregulados. 19
  20. 20. CONDIÇÕES ADVERSAS DE CARGAS • Carga mal distribuída, mal arrumada ou acondicionada inadequadamente. • Falhas na imobilização e amarração dos volumes dentro do compartimento da carga. • Desconhecimento do tipo da carga e das suas características. • Volume, tamanho e o peso da carga. 20
  21. 21. CONDIÇÕES ADVERSAS DOS MOTORISTAS FATORES HUMANOS FÍSICOS • Fadiga, sono • Deficiência visual ou auditiva. • Efeito de bebidas alcoólicas. • Estado de saúde debilitado • Uso de droga lícitas e ilícitas PSÍQUICOS • Stress. • Pressa. • Desajustes sociais e familiares • Preocupação. • Medo. • Ansiedade. • Agressividade 21
  22. 22. ABSORVIÇÃO DO ÁLCOOL PELO ORGANISMO HUMANO • O processo de absorção do álcool relativamente rápido (90% em uma hora). é • Já a eliminação, demora de 6 (seis) a 8 (oito) horas e é feita através do fígado (90%), da respiração (8%) e da transpiração (2%). 22
  23. 23. VERDADES SOBRE O USO DE BEBIDAS ALCÓOLICAS • "O certo é que, quem bebe, diminui os reflexos e não pode de maneira alguma, dirigir. • Pelo CTB, o motorista que for pego dirigindo alcoolizado (mais de 0,6 mg/l de sangue) está cometendo um crime, punível com pena que varia de 6 meses a 3 anos de prisão. 23
  24. 24. CONSEQÜÊNCIAS DA EMBRIAGUÊS AO VOLANTE • PENA: varia de 6 meses a 3 anos de prisão; • INFRAÇÃO GRAVÍSSIMA: Punível com multa de cinco vezes e suspensão do direito de dirigir • MEDIDA ADMINISTRATIVA: Retenção do veículo e recolhimento do documento de habilitação. 24
  25. 25. TABELA DE MULTAS INFRAÇÕES VALOR PONTOS CNH Gravíssimas R$ 191,54 07 pontos Grave R$ 127,69 05 pontos Média R$ 85,13 04 pontos Leves R$ 53,20 03 pontos 25
  26. 26. CONSEQÜÊNCIAS JURÍDICAS DA EMBRIAGUÊS AO VOLANTE CBT - Art. 291 • Aos crimes cometidos na direção de veículos automotores, previstos neste Código, aplicamse as normas gerais do Código Penal e do Código de Processo Penal, se este Capítulo não dispuser de modo diverso, bem como a Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995, no que couber. 26
  27. 27. CONSEQÜÊNCIAS JURÍDICAS DA EMBRIAGUÊS AO VOLANTE CBT - Art. 291 • Aos crimes cometidos na direção de veículos automotores, previstos neste Código, aplicamse as normas gerais do Código Penal e do Código de Processo Penal, se este Capítulo não dispuser de modo diverso, bem como a Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995, no que couber. 27
  28. 28. CONSEQÜÊNCIAS JURÍDICAS DA EMBRIAGUÊS AO VOLANTE CBT - Art. 291 • Parágrafo único. Aplicam-se aos crimes de trânsito de lesão corporal culposa, de embriaguez ao volante, e de participação em competição não autorizada o disposto nos Arts. 74, 76 e 88 da Lei nº 9.099, de 26 de setembro de 1995. 28
  29. 29. CONSEQÜÊNCIAS JURÍDICAS DA EMBRIAGUÊS AO VOLANTE CBT - Art. 297. • A penalidade de multa reparatória consiste no pagamento, mediante depósito judicial em favor da vítima, ou seus sucessores, de quantia calculada com base no disposto no § 1º do Art. 49 do Código Penal, sempre que houver prejuízo material resultante do crime. 29
  30. 30. ELEMENTOS DE DIREÇÃO DEFENSIVA • Conhecimento • Atenção • Previsão • Decisão • Habilidade 30
  31. 31. POR QUE USAR O CINTO DE SEGURANÇA As estatísticas comprovam que em acidentes, 30% dos motoristas morrem por causa de choque violento contra o volante e 40% dos passageiros que viajam no banco ao lado, morrem batendo contra o painel ou o pára-brisa. 31
  32. 32. COMO USAR O CINTO DE SEGURANÇA • Nunca deixe uma folga maior do que um punho ou 5 cm entre o corpo e o cinto. • Nunca coloque o cinto retorcido • Nunca passe a diagonal do cinto de 3 pontos por baixo do braço, ele deve ser passado entre o ombro e o pescoço. 32
  33. 33. COMO PRATICAR A DIREÇÃO DEFENSIVA Mantenha sempre uma distância segura em relação ao veículo da frente: 02 segundos se automóveis 04 segundos se ônibus ou caminhão; 06 segundos se articulados ou carretas. 33
  34. 34. COMO PRATICAR A DIREÇÃO DEFENSIVA • Fique atento a tudo que se passa ao seu redor, às condições da estrada e aos espelhos retrovisores. • Já que o perigo chega sem avisar, pense sempre no que pode acontecer,com a maior antecedência possível. 34
  35. 35. PRATICANDO A DIREÇÃO DEFENSIVA • Aja imediatamente, não espere que outra pessoa tome a iniciativa. • O tempo de indecisão é a diferença entre o acidente e a manobra defensiva. 35
  36. 36. PRATICANDO A DIREÇÃO DEFENSIVA • Observe sempre os sinais do motorista à sua frente e os veículos que estão à sua volta. 36
  37. 37. PRATICANDO A DIREÇÃO DEFENSIVA • Defina com antecedência, o trajeto que será percorrido, localizando pontos de parada, postos de gasolina, hotéis, restaurantes, etc. 37
  38. 38. PRATICANDO A DIREÇÃO DEFENSIVA • Verifique sempre o nível de combustível e a distância a ser percorrida até o próximo posto de abastecimento. • Deixar acabar o combustível na via é Infração de Trânsito,sujeita a penalidade. 38
  39. 39. PRATICANDO A DIREÇÃO DEFENSIVA • Mantenha os pneus em perfeito estado de conservação, verificando a calibragem correta, sem esquecer do estepe. • Faça o rodízio de acordo com as recomendações do fabricante. 39
  40. 40. PRATICANDO A DIREÇÃO DEFENSIVA • Evite o uso de pneus carecas e recauchutados. • Conserve o balanceamento e o alinhamento da direção. 40
  41. 41. PRATICANDO A DIREÇÃO DEFENSIVA • O motor bem regulado tem menos riscos de apresentar problemas durante a viagem, além de economizar combustível e diminuir a emissão de poluentes. 41
  42. 42. PRATICANDO A DIREÇÃO DEFENSIVA • Verifique as correias e as mangueiras do sistema de arrefecimento. Leve sempre correias e mangueiras extras no caso de ter que substituí-las. 42
  43. 43. PRATICANDO A DIREÇÃO DEFENSIVA • Verifique o sistema elétrico, teste todos os faróis, luzes, setas e inspecione o nível de água da bateria, caso não seja selada. 43
  44. 44. PRATICANDO A DIREÇÃO DEFENSIVA • Mantenha a água do radiador no nível indicado no reservatório de seu veículo. • Verifique o funcionamento do limpador de pára-brisa, o nível do reservatório de água e o estado das palhetas. 44
  45. 45. PRATICANDO A DIREÇÃO DEFENSIVA • Mantenha o fluido de freios sempre no nível recomendado, verifique também o desgaste das pastilhas e dos discos de freio. • Verifique constantemente as indicações das luzes do painel 45
  46. 46. EVITANDO COLISÃO COM O VEÍCULO DA FRENTE: • Trafegar em velocidade compatível. • Avaliar todas condições adversas. • Manter a distância de segurança do carro da frente. • Tentar perceber o que se passa nas laterais e além do carro que segue. • Estar prevenido contra parada bruscas do carro da frente. 46
  47. 47. EVITANDO COLISÃO COM O VEÍCULO DE TRAZ: • usar os retrovisores com freqüência. • Quando alguém “colar” atrás do veículo, não tentar fugir dele acelerando. • Tire o pé do acelerador e apóie no freio para alertá-lo. • Se ele continuar colado, diminui a velocidade, sinalize e facilite a ultrapassagem. • Guardar distância do veículo da frente, para ter espaço para manobras. • Seja previsível, sinalize e antecipe suas intenções. • Evite frear bruscamente, essa manobra pode surpreendêlo. • As luzes de freio devem estar limpas e em perfeito funcionamento. 47
  48. 48. EVITANDO COLISOES COM VEICULOS EM SENTIDO CONTRÁRIO • Não fazer ultrapassagens mal feitas. • Falta de perícia para fazer curvas. • Falta de habilidade para sair de situações críticas. • Reações inadequadas adversas. frente a condições • Conversões mal realizadas, principalmente à esquerda 48
  49. 49. EVITANDO COLISÕES EM ULTRAPASSAGENS • Se tiver alguém iniciando uma manobra para ultrapassar, facilitar e aguardar outro momento. • Se todas as condições forem favoráveis, incluindo potência suficiente para realizar a manobra, sinalizar e ultrapassar. • Como alerta, utilizar sinal de luz ou 2 breves toques na buzina. • Para retornar à faixa, conferir pelo retrovisor da direita, sinalizar e entrar, procurando não obstruir a via. • Jamais ultrapassar em curvas, túneis, viadutos, aclives, lombadas, cruzamentos e outros pontos que não ofereçam segurança. 49
  50. 50. EVITANDO COLISÕES EM ULTRAPASSAGENS • Ultrapassar somente em locais onde isso seja permitido, em plenas condições de segurança e visibilidade. • Ultrapassar somente pela esquerda. • Antes de ultrapassar, não “colar” no veículo da frente para não perder o ângulo de visão. • Certificar-se de que há espaço suficiente para executar a manobra. • Conferir, pelos retrovisores, a situação do tráfego atrás do veículo. • Verificar os pontos cegos do veículo. 50
  51. 51. EVITANDO COLISÕES EM CURVAS: • Adote velocidade compatível com a curva antes de entra nela. • Acelere suavemente ao realizar a manobra, a tração compensa à ação da força centrifuga. • Evite frear dentro da curva, essa manobra pode desequilibrar o veículo. 51
  52. 52. EVITANDO COLISÕES NO CRUZAMENTOS: • Obedecer a sinalização e, na dúvida. parar. • Conhecer e respeitar o direito de preferência. • Aproximar-se com cuidado, mesmo tendo a preferência. • Cuidar dos procedimentos de convergência, principalmente à esquerda. • Não ultrapassar na zona dos cruzamentos. 52
  53. 53. EVITANDO COLISÕES COM PEDESTRE: • Tomar cuidado especial com crianças, idosos, embriagados e deficientes físicos; • Na proximidade de pedestres, velocidade e redobrar a atenção. reduzir a • Lembre-se de que a maioria dos pedestres desconhecem as regras de circulação de trânsito. 53
  54. 54. EVITANDO COLISÕES COM MOTOCICLISTAS e CICLISTAS: • Manter uma distância lateral e frontal segura. • Tomar cuidado em conversões, pois os motociclistas costumam transitar nos “pontos cegos”. • Observar pelos retrovisores antes de abrir a porta do após parar lateralmente a faixa de rolamento. 54
  55. 55. EVITANDO COLISÕES COM ANIMAIS: • Reduzir a velocidade assim que avistar o animal. • Evitar buzinar, para não assustá-lo. • Ficar atentos ao passar por fazendas ou locais abertos, principalmente à noite. • Nunca passar na frente do animal que cruza a pista. 55
  56. 56. EVITANDO COLISÕES EM MACHA À RÉ: • Antes de manobrar, verificar se há espaço para a manobra e se não há obstáculos • Se necessário, peça auxilio a outra pessoa. • Não entrar de ré em esquinas ou lugares de pouca visibilidade. • Evitar sair de ré de garagens e estacionamentos. • Cuidado com animais e crianças 56
  57. 57. O QUE SÃO "VIAS URBANAS" • São as ruas, avenidas, vielas ou caminhos e similares abertos para a circulação pública, nas áreas urbanas das cidades. 57
  58. 58. CLASSIFICAÇÃO DAS VIAS URBANAS VELOCIDADE PERMITIDA: • Vias de Trânsito Rápido = 80 km/h • Vias Arteriais = 60 km/h • Vias Coletoras = 40 km/h • Vias Locais = 30 km/h 58
  59. 59. O QUE SÃO "VIAS RURAIS": As vias Rurais classificam-se • em: Rodovias: são as vias pavimentadas • Estradas: são as vias não pavimentadas 59
  60. 60. VELOCIDADE NAS VIAS RURAIS • Dependem da regulamentação do órgão que administra a via. Quando não houver sinalização contraria: RODOVIAS: • Automóveis, caminhonetas e motocicletas =110 Km/h. • Ônibus e Caminhões = 90 km/h • Demais veículos = 80 km/h NAS ESTRADAS é de 60 km/h 60
  61. 61. REGRAS GERAIS DE CIRCULAÇÃO • A CIRCULAÇÃO deve ser feita pelo lado direito da via, sendo admitidas exceções devidamente regulamentadas. 61
  62. 62. REGRAS GERAIS DE CIRCULAÇÃO NAS ULTRAPASSAGENS • A ultrapassagem de outro veículo deve ser feita somente pela esquerda, exceto em situações devidamente regulamentadas 62
  63. 63. CUIDADOS NAS ULTRAPASSAGENS Antes de entrar em outra via, você precisa: • Verificar o trânsito em sentido contrário • sinalizar a suas intenções; • Verificar se não existe outro veículo tentando lhe ultrapassar; • Ir para a faixa da esquerda, acelerar e retornar a sua mão de direção. 63
  64. 64. DIREITO DE PREFERÊNCIA NOS CRUZAMENTOS • Nos cruzamentos não sinalizados, a preferência de passagem é do veículo que vem a sua direita. 64

×