SlideShare uma empresa Scribd logo
Um Projeto de e-marketing: Metodologia e Colaboração de Áreas
“   Oficina de Webdesign – Lecom ”
Índice Minicurso de PHP ,[object Object],[object Object]
Sintaxe SQL básica
Funções do PHP para interagir com o MySQL
“  Modelo Relacional ” 1  – 2 – 3 - 4
Modelo Relacional ? ,[object Object]
A idéia é extremamente funcional: os dados correlatos devem estar contidos na mesma tabela e utilizamos relacionamentos entre tabelas para agruparmos dados menos correlatos. PHP + MySQL
Modelo Relacional ,[object Object]
Os relacionamentos baseiam-se em tipos específicos de campos na tabela. Estes tipos são as chaves primárias e as chaves estrangeiras. PHP + MySQL
Modelo Relacional ,[object Object]
Uma chave em uma tabela fornece um meio rápido e eficaz do gerenciador de banco de dados localizar rapidamente informações específicas.
Apesar destas chaves não significarem informações válidas ao usuário do banco de dados, internamente ela é de vital importância e nela se baseia os relacionamentos. PHP + MySQL
Modelo Relacional ,[object Object]
Chaves Primárias - São chaves que tem como função identificar um certo registro. Tem como característica ser não nula e única na tabela. Geralmente é utilizada com o nome de ID. Por exemplo, na tabela de transações, sua chave primária seria transacao_ID . PHP + MySQL
Modelo Relacional ,[object Object],PHP + MySQL
Modelo Relacional ,[object Object]
Um para um: Implementa uma relação estreita e de unicidade. Um registro na tabela A deve ter um registro na tabela B. Se houver um registro na tabela B deve existir um correspondente na tabela A.
Exemplo: Em uma aplicação de controle de pedidos em uma loja talvez exista um relacionamento entre a tabela pedido e a tabela transacao. Para cada pedido há uma transação e para cada transação há um pedido. PHP + MySQL
Modelo Relacional ,[object Object]
Exemplo: Na mesma aplicação anterior, um registro na tabela cliente pode estar relacionada à vários registros na tabela pedido. Porém cada pedido só pode estar relacionado a um cliente. PHP + MySQL
“  O tal MySQL ” 1  –  2  – 3 - 4

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

XML - Introdução
XML - IntroduçãoXML - Introdução
XML - Introdução
Neide Nascimento
 
Introdução ao XML
Introdução ao XMLIntrodução ao XML
Introdução ao XML
Romualdo Andre
 
XML - eXtensible Markup Language
XML - eXtensible Markup LanguageXML - eXtensible Markup Language
XML - eXtensible Markup Language
elliando dias
 
Banco de Dados XML
Banco de Dados XMLBanco de Dados XML
Banco de Dados XML
Tiago R. Sampaio
 
Apostila XML, DTD, XSD e XSLT
Apostila XML, DTD, XSD e XSLTApostila XML, DTD, XSD e XSLT
Apostila XML, DTD, XSD e XSLT
Ricardo Terra
 
eXtensible Markup Language (XML)
eXtensible Markup Language (XML)eXtensible Markup Language (XML)
eXtensible Markup Language (XML)
Carlos Henrique Martins da Silva
 
Conceitos de xml
Conceitos de xmlConceitos de xml
Conceitos de xml
Anderson Zardo
 
Aula 5 - Modelo de Entidade e Relacionamento - MER
Aula 5 - Modelo de Entidade e Relacionamento - MER Aula 5 - Modelo de Entidade e Relacionamento - MER
Aula 5 - Modelo de Entidade e Relacionamento - MER
Vitor Hugo Melo Araújo
 
Modelos de banco de dados
Modelos de banco de dadosModelos de banco de dados
Modelos de banco de dados
Edgar Stuart
 
Mer - Modelo Entidade Relacionamento
Mer - Modelo Entidade RelacionamentoMer - Modelo Entidade Relacionamento
Mer - Modelo Entidade Relacionamento
Rademaker Siena
 
Xml pucminas2013
Xml pucminas2013Xml pucminas2013
Xml pucminas2013
Leonardo Grandinetti Chaves
 
A e xtensible markup language (xml)
A e xtensible markup language (xml)A e xtensible markup language (xml)
A e xtensible markup language (xml)
Liliana Costa
 
Tp 4 xml
Tp 4   xmlTp 4   xml
Tp 4 xml
Joana Costa
 
Aplicando Transformação em XML usando XSLT e XSL-FO - 3
Aplicando Transformação em XML usando XSLT e XSL-FO - 3Aplicando Transformação em XML usando XSLT e XSL-FO - 3
Aplicando Transformação em XML usando XSLT e XSL-FO - 3
Vivian Motti
 
Banco de dados - Mapeamento MER - Relacional
Banco de dados - Mapeamento MER - RelacionalBanco de dados - Mapeamento MER - Relacional
Banco de dados - Mapeamento MER - Relacional
Daniel Brandão
 
Aula 10 banco de dados
Aula 10   banco de dadosAula 10   banco de dados
Aula 10 banco de dados
Jorge Ávila Miranda
 
Introdução à XML - Serviço de Biblioteca da EEFE-USP
Introdução à XML - Serviço de Biblioteca da EEFE-USPIntrodução à XML - Serviço de Biblioteca da EEFE-USP
Introdução à XML - Serviço de Biblioteca da EEFE-USP
Universidade de São Paulo
 
15
1515
XML: Uma Introdução Prática (2001)
XML: Uma Introdução Prática (2001)XML: Uma Introdução Prática (2001)
XML: Uma Introdução Prática (2001)
Helder da Rocha
 
Aplicando Transformação em XML usando XSLT e XSL-FO - 1
Aplicando Transformação em XML usando XSLT e XSL-FO - 1Aplicando Transformação em XML usando XSLT e XSL-FO - 1
Aplicando Transformação em XML usando XSLT e XSL-FO - 1
Vivian Motti
 

Mais procurados (20)

XML - Introdução
XML - IntroduçãoXML - Introdução
XML - Introdução
 
Introdução ao XML
Introdução ao XMLIntrodução ao XML
Introdução ao XML
 
XML - eXtensible Markup Language
XML - eXtensible Markup LanguageXML - eXtensible Markup Language
XML - eXtensible Markup Language
 
Banco de Dados XML
Banco de Dados XMLBanco de Dados XML
Banco de Dados XML
 
Apostila XML, DTD, XSD e XSLT
Apostila XML, DTD, XSD e XSLTApostila XML, DTD, XSD e XSLT
Apostila XML, DTD, XSD e XSLT
 
eXtensible Markup Language (XML)
eXtensible Markup Language (XML)eXtensible Markup Language (XML)
eXtensible Markup Language (XML)
 
Conceitos de xml
Conceitos de xmlConceitos de xml
Conceitos de xml
 
Aula 5 - Modelo de Entidade e Relacionamento - MER
Aula 5 - Modelo de Entidade e Relacionamento - MER Aula 5 - Modelo de Entidade e Relacionamento - MER
Aula 5 - Modelo de Entidade e Relacionamento - MER
 
Modelos de banco de dados
Modelos de banco de dadosModelos de banco de dados
Modelos de banco de dados
 
Mer - Modelo Entidade Relacionamento
Mer - Modelo Entidade RelacionamentoMer - Modelo Entidade Relacionamento
Mer - Modelo Entidade Relacionamento
 
Xml pucminas2013
Xml pucminas2013Xml pucminas2013
Xml pucminas2013
 
A e xtensible markup language (xml)
A e xtensible markup language (xml)A e xtensible markup language (xml)
A e xtensible markup language (xml)
 
Tp 4 xml
Tp 4   xmlTp 4   xml
Tp 4 xml
 
Aplicando Transformação em XML usando XSLT e XSL-FO - 3
Aplicando Transformação em XML usando XSLT e XSL-FO - 3Aplicando Transformação em XML usando XSLT e XSL-FO - 3
Aplicando Transformação em XML usando XSLT e XSL-FO - 3
 
Banco de dados - Mapeamento MER - Relacional
Banco de dados - Mapeamento MER - RelacionalBanco de dados - Mapeamento MER - Relacional
Banco de dados - Mapeamento MER - Relacional
 
Aula 10 banco de dados
Aula 10   banco de dadosAula 10   banco de dados
Aula 10 banco de dados
 
Introdução à XML - Serviço de Biblioteca da EEFE-USP
Introdução à XML - Serviço de Biblioteca da EEFE-USPIntrodução à XML - Serviço de Biblioteca da EEFE-USP
Introdução à XML - Serviço de Biblioteca da EEFE-USP
 
15
1515
15
 
XML: Uma Introdução Prática (2001)
XML: Uma Introdução Prática (2001)XML: Uma Introdução Prática (2001)
XML: Uma Introdução Prática (2001)
 
Aplicando Transformação em XML usando XSLT e XSL-FO - 1
Aplicando Transformação em XML usando XSLT e XSL-FO - 1Aplicando Transformação em XML usando XSLT e XSL-FO - 1
Aplicando Transformação em XML usando XSLT e XSL-FO - 1
 

Semelhante a Oficina WEB Design Lecom - PHP e MySQL

Modelo Relacional, Rede e Hierárquico
Modelo Relacional, Rede e HierárquicoModelo Relacional, Rede e Hierárquico
Modelo Relacional, Rede e Hierárquico
rosimaracorsino
 
Banco de dados
Banco de dadosBanco de dados
Banco de dados
marcyorafael
 
Sql - introdução
Sql -  introduçãoSql -  introdução
Sql - introdução
Samuel Novais, MBA
 
Aula_17-18_Modelo_Relacional_parte_III_BD_FMM.pdf
Aula_17-18_Modelo_Relacional_parte_III_BD_FMM.pdfAula_17-18_Modelo_Relacional_parte_III_BD_FMM.pdf
Aula_17-18_Modelo_Relacional_parte_III_BD_FMM.pdf
nosbisantos
 
Modelos de base de dados
Modelos de base de dadosModelos de base de dados
Modelos de base de dados
Daiana de Ávila
 
01 banco de dados-basico
01 banco de dados-basico01 banco de dados-basico
01 banco de dados-basico
Amadeo Santos
 
Arquitetura e sgbd de um banco de dados
Arquitetura e sgbd de um banco de dadosArquitetura e sgbd de um banco de dados
Arquitetura e sgbd de um banco de dados
diogocbj
 
Apresentação Modelo de Gestão de dados para sistemas Colaborativos
Apresentação Modelo de Gestão de dados para sistemas ColaborativosApresentação Modelo de Gestão de dados para sistemas Colaborativos
Apresentação Modelo de Gestão de dados para sistemas Colaborativos
Mozart Dornelles Claret
 
Banco de Dados.pptx
Banco de Dados.pptxBanco de Dados.pptx
Banco de Dados.pptx
BrunoWuo
 
Conceitos essenciais de bases de dados
Conceitos essenciais de bases de dadosConceitos essenciais de bases de dados
Conceitos essenciais de bases de dados
Patrícia Morais
 
1º trabalho base dados
1º trabalho base dados1º trabalho base dados
1º trabalho base dados
essa
 
Bancos de Dados para Bibliotecários
Bancos de Dados para BibliotecáriosBancos de Dados para Bibliotecários
Bancos de Dados para Bibliotecários
Luciano Ramalho
 
Mapeamento Objeto Relacional em PHP com Outlet ORM
Mapeamento Objeto Relacional em PHP com Outlet ORMMapeamento Objeto Relacional em PHP com Outlet ORM
Mapeamento Objeto Relacional em PHP com Outlet ORM
Fábio Rehm
 
Capítulo 05 - Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e...
Capítulo 05 - Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e...Capítulo 05 - Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e...
Capítulo 05 - Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e...
Everton Souza
 
Data WareHOuse
Data WareHOuseData WareHOuse
Data WareHOuse
Sérgio Falco
 
Introdução ao Banco de dados - Prof. Daniel Brandão
Introdução ao Banco de dados - Prof. Daniel BrandãoIntrodução ao Banco de dados - Prof. Daniel Brandão
Introdução ao Banco de dados - Prof. Daniel Brandão
Daniel Brandão
 
Algumas das principais características do NoSQL
Algumas das principais características do NoSQLAlgumas das principais características do NoSQL
Algumas das principais características do NoSQL
Eric Silva
 
Aula de SQL - Básico
Aula de SQL - BásicoAula de SQL - Básico
Aula de SQL - Básico
Airton Zanon
 
Atps de banco de dados rel 1 3-4 atualizado formato ok
Atps de banco de dados rel 1 3-4  atualizado formato okAtps de banco de dados rel 1 3-4  atualizado formato ok
Atps de banco de dados rel 1 3-4 atualizado formato ok
Thyvis Kalevi
 
Modelo conceitual fisico_logico_er[1]
Modelo conceitual fisico_logico_er[1]Modelo conceitual fisico_logico_er[1]
Modelo conceitual fisico_logico_er[1]
Miguel Aquino
 

Semelhante a Oficina WEB Design Lecom - PHP e MySQL (20)

Modelo Relacional, Rede e Hierárquico
Modelo Relacional, Rede e HierárquicoModelo Relacional, Rede e Hierárquico
Modelo Relacional, Rede e Hierárquico
 
Banco de dados
Banco de dadosBanco de dados
Banco de dados
 
Sql - introdução
Sql -  introduçãoSql -  introdução
Sql - introdução
 
Aula_17-18_Modelo_Relacional_parte_III_BD_FMM.pdf
Aula_17-18_Modelo_Relacional_parte_III_BD_FMM.pdfAula_17-18_Modelo_Relacional_parte_III_BD_FMM.pdf
Aula_17-18_Modelo_Relacional_parte_III_BD_FMM.pdf
 
Modelos de base de dados
Modelos de base de dadosModelos de base de dados
Modelos de base de dados
 
01 banco de dados-basico
01 banco de dados-basico01 banco de dados-basico
01 banco de dados-basico
 
Arquitetura e sgbd de um banco de dados
Arquitetura e sgbd de um banco de dadosArquitetura e sgbd de um banco de dados
Arquitetura e sgbd de um banco de dados
 
Apresentação Modelo de Gestão de dados para sistemas Colaborativos
Apresentação Modelo de Gestão de dados para sistemas ColaborativosApresentação Modelo de Gestão de dados para sistemas Colaborativos
Apresentação Modelo de Gestão de dados para sistemas Colaborativos
 
Banco de Dados.pptx
Banco de Dados.pptxBanco de Dados.pptx
Banco de Dados.pptx
 
Conceitos essenciais de bases de dados
Conceitos essenciais de bases de dadosConceitos essenciais de bases de dados
Conceitos essenciais de bases de dados
 
1º trabalho base dados
1º trabalho base dados1º trabalho base dados
1º trabalho base dados
 
Bancos de Dados para Bibliotecários
Bancos de Dados para BibliotecáriosBancos de Dados para Bibliotecários
Bancos de Dados para Bibliotecários
 
Mapeamento Objeto Relacional em PHP com Outlet ORM
Mapeamento Objeto Relacional em PHP com Outlet ORMMapeamento Objeto Relacional em PHP com Outlet ORM
Mapeamento Objeto Relacional em PHP com Outlet ORM
 
Capítulo 05 - Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e...
Capítulo 05 - Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e...Capítulo 05 - Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e...
Capítulo 05 - Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e...
 
Data WareHOuse
Data WareHOuseData WareHOuse
Data WareHOuse
 
Introdução ao Banco de dados - Prof. Daniel Brandão
Introdução ao Banco de dados - Prof. Daniel BrandãoIntrodução ao Banco de dados - Prof. Daniel Brandão
Introdução ao Banco de dados - Prof. Daniel Brandão
 
Algumas das principais características do NoSQL
Algumas das principais características do NoSQLAlgumas das principais características do NoSQL
Algumas das principais características do NoSQL
 
Aula de SQL - Básico
Aula de SQL - BásicoAula de SQL - Básico
Aula de SQL - Básico
 
Atps de banco de dados rel 1 3-4 atualizado formato ok
Atps de banco de dados rel 1 3-4  atualizado formato okAtps de banco de dados rel 1 3-4  atualizado formato ok
Atps de banco de dados rel 1 3-4 atualizado formato ok
 
Modelo conceitual fisico_logico_er[1]
Modelo conceitual fisico_logico_er[1]Modelo conceitual fisico_logico_er[1]
Modelo conceitual fisico_logico_er[1]
 

Mais de Raphael Donaire Albino

Métricas ágeis obtenha melhores resultados em sua equipe
Métricas ágeis obtenha melhores resultados em sua equipeMétricas ágeis obtenha melhores resultados em sua equipe
Métricas ágeis obtenha melhores resultados em sua equipe
Raphael Donaire Albino
 
Os desafios de desenvolver uma cultura ágil: eficácia, eficiência e economia
 Os desafios de desenvolver uma cultura ágil: eficácia, eficiência e economia Os desafios de desenvolver uma cultura ágil: eficácia, eficiência e economia
Os desafios de desenvolver uma cultura ágil: eficácia, eficiência e economia
Raphael Donaire Albino
 
The Developers Conference POA 2017 - Como dosar métricas de produto e processo
The Developers Conference POA 2017 - Como dosar métricas de produto e processoThe Developers Conference POA 2017 - Como dosar métricas de produto e processo
The Developers Conference POA 2017 - Como dosar métricas de produto e processo
Raphael Donaire Albino
 
[Lean kanban brazil 2017] Workshop de métricas
[Lean kanban brazil 2017] Workshop de métricas[Lean kanban brazil 2017] Workshop de métricas
[Lean kanban brazil 2017] Workshop de métricas
Raphael Donaire Albino
 
Workshop de métricas Agile Brazil 2017
Workshop de métricas Agile Brazil 2017Workshop de métricas Agile Brazil 2017
Workshop de métricas Agile Brazil 2017
Raphael Donaire Albino
 
Como dosar métricas de produto e processo em equipes que trabalham com soluçõ...
Como dosar métricas de produto e processo em equipes que trabalham com soluçõ...Como dosar métricas de produto e processo em equipes que trabalham com soluçõ...
Como dosar métricas de produto e processo em equipes que trabalham com soluçõ...
Raphael Donaire Albino
 
3 P's Pessoas, Processo e Produto
3 P's Pessoas, Processo e Produto3 P's Pessoas, Processo e Produto
3 P's Pessoas, Processo e Produto
Raphael Donaire Albino
 
Gerenciamento ágil e o aprendizado a partir de indicadores ágeis project lab
Gerenciamento ágil e o aprendizado a partir de indicadores ágeis   project labGerenciamento ágil e o aprendizado a partir de indicadores ágeis   project lab
Gerenciamento ágil e o aprendizado a partir de indicadores ágeis project lab
Raphael Donaire Albino
 
Desenvolvimento ágil e seus benefícios
Desenvolvimento ágil e seus benefíciosDesenvolvimento ágil e seus benefícios
Desenvolvimento ágil e seus benefícios
Raphael Donaire Albino
 
Mãos nas métricas uma abordagem prática na avaliação de processos - scr...
Mãos nas métricas  uma abordagem prática na avaliação de processos - scr...Mãos nas métricas  uma abordagem prática na avaliação de processos - scr...
Mãos nas métricas uma abordagem prática na avaliação de processos - scr...
Raphael Donaire Albino
 
Metrificar para prever e não prever para metrificar. O aprendizado a partir ...
Metrificar para prever e não prever para metrificar. O aprendizado a partir ...Metrificar para prever e não prever para metrificar. O aprendizado a partir ...
Metrificar para prever e não prever para metrificar. O aprendizado a partir ...
Raphael Donaire Albino
 
Qual o papel do gerente de projetos em um time ágil?
Qual o papel do gerente de projetos em um time ágil?Qual o papel do gerente de projetos em um time ágil?
Qual o papel do gerente de projetos em um time ágil?
Raphael Donaire Albino
 
Oficina de Web Design Lecom - PHP e JavaScript
Oficina de Web Design Lecom - PHP e JavaScriptOficina de Web Design Lecom - PHP e JavaScript
Oficina de Web Design Lecom - PHP e JavaScript
Raphael Donaire Albino
 
SOA, BPM e Agilidade em Negócios
SOA, BPM  e Agilidade em NegóciosSOA, BPM  e Agilidade em Negócios
SOA, BPM e Agilidade em Negócios
Raphael Donaire Albino
 
Gerenciando Projetos De Software De Forma áGil Utilizando Scrum
Gerenciando Projetos De Software De Forma áGil Utilizando ScrumGerenciando Projetos De Software De Forma áGil Utilizando Scrum
Gerenciando Projetos De Software De Forma áGil Utilizando Scrum
Raphael Donaire Albino
 

Mais de Raphael Donaire Albino (15)

Métricas ágeis obtenha melhores resultados em sua equipe
Métricas ágeis obtenha melhores resultados em sua equipeMétricas ágeis obtenha melhores resultados em sua equipe
Métricas ágeis obtenha melhores resultados em sua equipe
 
Os desafios de desenvolver uma cultura ágil: eficácia, eficiência e economia
 Os desafios de desenvolver uma cultura ágil: eficácia, eficiência e economia Os desafios de desenvolver uma cultura ágil: eficácia, eficiência e economia
Os desafios de desenvolver uma cultura ágil: eficácia, eficiência e economia
 
The Developers Conference POA 2017 - Como dosar métricas de produto e processo
The Developers Conference POA 2017 - Como dosar métricas de produto e processoThe Developers Conference POA 2017 - Como dosar métricas de produto e processo
The Developers Conference POA 2017 - Como dosar métricas de produto e processo
 
[Lean kanban brazil 2017] Workshop de métricas
[Lean kanban brazil 2017] Workshop de métricas[Lean kanban brazil 2017] Workshop de métricas
[Lean kanban brazil 2017] Workshop de métricas
 
Workshop de métricas Agile Brazil 2017
Workshop de métricas Agile Brazil 2017Workshop de métricas Agile Brazil 2017
Workshop de métricas Agile Brazil 2017
 
Como dosar métricas de produto e processo em equipes que trabalham com soluçõ...
Como dosar métricas de produto e processo em equipes que trabalham com soluçõ...Como dosar métricas de produto e processo em equipes que trabalham com soluçõ...
Como dosar métricas de produto e processo em equipes que trabalham com soluçõ...
 
3 P's Pessoas, Processo e Produto
3 P's Pessoas, Processo e Produto3 P's Pessoas, Processo e Produto
3 P's Pessoas, Processo e Produto
 
Gerenciamento ágil e o aprendizado a partir de indicadores ágeis project lab
Gerenciamento ágil e o aprendizado a partir de indicadores ágeis   project labGerenciamento ágil e o aprendizado a partir de indicadores ágeis   project lab
Gerenciamento ágil e o aprendizado a partir de indicadores ágeis project lab
 
Desenvolvimento ágil e seus benefícios
Desenvolvimento ágil e seus benefíciosDesenvolvimento ágil e seus benefícios
Desenvolvimento ágil e seus benefícios
 
Mãos nas métricas uma abordagem prática na avaliação de processos - scr...
Mãos nas métricas  uma abordagem prática na avaliação de processos - scr...Mãos nas métricas  uma abordagem prática na avaliação de processos - scr...
Mãos nas métricas uma abordagem prática na avaliação de processos - scr...
 
Metrificar para prever e não prever para metrificar. O aprendizado a partir ...
Metrificar para prever e não prever para metrificar. O aprendizado a partir ...Metrificar para prever e não prever para metrificar. O aprendizado a partir ...
Metrificar para prever e não prever para metrificar. O aprendizado a partir ...
 
Qual o papel do gerente de projetos em um time ágil?
Qual o papel do gerente de projetos em um time ágil?Qual o papel do gerente de projetos em um time ágil?
Qual o papel do gerente de projetos em um time ágil?
 
Oficina de Web Design Lecom - PHP e JavaScript
Oficina de Web Design Lecom - PHP e JavaScriptOficina de Web Design Lecom - PHP e JavaScript
Oficina de Web Design Lecom - PHP e JavaScript
 
SOA, BPM e Agilidade em Negócios
SOA, BPM  e Agilidade em NegóciosSOA, BPM  e Agilidade em Negócios
SOA, BPM e Agilidade em Negócios
 
Gerenciando Projetos De Software De Forma áGil Utilizando Scrum
Gerenciando Projetos De Software De Forma áGil Utilizando ScrumGerenciando Projetos De Software De Forma áGil Utilizando Scrum
Gerenciando Projetos De Software De Forma áGil Utilizando Scrum
 

Último

Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Jonathas Muniz
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 

Último (7)

Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 

Oficina WEB Design Lecom - PHP e MySQL

  • 1. Um Projeto de e-marketing: Metodologia e Colaboração de Áreas
  • 2. Oficina de Webdesign – Lecom ”
  • 3.
  • 5. Funções do PHP para interagir com o MySQL
  • 6. “ Modelo Relacional ” 1 – 2 – 3 - 4
  • 7.
  • 8. A idéia é extremamente funcional: os dados correlatos devem estar contidos na mesma tabela e utilizamos relacionamentos entre tabelas para agruparmos dados menos correlatos. PHP + MySQL
  • 9.
  • 10. Os relacionamentos baseiam-se em tipos específicos de campos na tabela. Estes tipos são as chaves primárias e as chaves estrangeiras. PHP + MySQL
  • 11.
  • 12. Uma chave em uma tabela fornece um meio rápido e eficaz do gerenciador de banco de dados localizar rapidamente informações específicas.
  • 13. Apesar destas chaves não significarem informações válidas ao usuário do banco de dados, internamente ela é de vital importância e nela se baseia os relacionamentos. PHP + MySQL
  • 14.
  • 15. Chaves Primárias - São chaves que tem como função identificar um certo registro. Tem como característica ser não nula e única na tabela. Geralmente é utilizada com o nome de ID. Por exemplo, na tabela de transações, sua chave primária seria transacao_ID . PHP + MySQL
  • 16.
  • 17.
  • 18. Um para um: Implementa uma relação estreita e de unicidade. Um registro na tabela A deve ter um registro na tabela B. Se houver um registro na tabela B deve existir um correspondente na tabela A.
  • 19. Exemplo: Em uma aplicação de controle de pedidos em uma loja talvez exista um relacionamento entre a tabela pedido e a tabela transacao. Para cada pedido há uma transação e para cada transação há um pedido. PHP + MySQL
  • 20.
  • 21. Exemplo: Na mesma aplicação anterior, um registro na tabela cliente pode estar relacionada à vários registros na tabela pedido. Porém cada pedido só pode estar relacionado a um cliente. PHP + MySQL
  • 22. “ O tal MySQL ” 1 – 2 – 3 - 4
  • 23.
  • 24. Tem como características mais marcantes a estabilidade e agilidade. PHP + MySQL
  • 25.
  • 26. “ Sintaxe SQL Básica ” 1 – 2 – 3 - 4
  • 27.
  • 28. Criação dos esquemas (estrutura das tabelas, definição de visões...), exclusão, criação de índices, modificação nos esquemas...
  • 29. Lista das principais Sentenças:
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34. Inserção, exclusão e alteração;
  • 35. Incorporação em linguagens imperativas (ex.: pascal, ...)
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39. “ Funções do PHP para interagir com o MySQL ” 1 – 2 – 3 - 4
  • 40.
  • 41. mysql_select_db – Seleciona um banco de dados MySQL.
  • 42. mysql_query – Envia uma consulta ao banco de dados MySQL.
  • 43. mysql_num_rows – Retorna o número de linhas de uma consulta. PHP + MySQL
  • 44.
  • 45. mysql_fetch_assoc – Retorna o resultado de uma consulta como um array mantendo os indices de cada cédula como o nome do campo na tabela.
  • 46. mysql_close – Fecha a conexão com o banco de dados MySQL. PHP + MySQL