Museologia e inovação social

323 visualizações

Publicada em

O artigo tem como objectivo analisar a relação entre a museologia social e a inovação social. A partir da interrogação sobre o que é a museologia deve propor como leitura das principais transformações que estão a ocorrer nas sociedades contemporâneas, procuramos articular os desafios de construção de uma museologia inovadora. A partir da museologia social como proposta de encontro, analisamos as possibilidades de construção da inclusão social, a produção de novas narrativas socias inclusivas e as oportunidades de criação de iniciativas emancipatória no campo do empreendorismo social.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
323
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Museologia e inovação social

  1. 1. Museologia e Inovação social Pedro Pereira Leite Patrimonialização e Sustentabilidade do património: Reflexão e prospectiva FCSH-IHC – novembro 2014
  2. 2. Roteiro Museologia Social Inovação Social Museologia e Inovação social Espaço de Encontro
  3. 3. Museologia social Campo das heranças patrimoniais
  4. 4. Museologia Para que serve a museologia ? – Lugares de encontro A função social – paradigma participativo Novas formas de fazer museologia Da museologia tradicional à nova museologia Novos objetos museológicos e novos processos museológicos : A comunidade e o território A cadeia operatória da museologia Conservação preventiva e conservação participativa Comunicação: processos de participação e empoderamento da comunidade
  5. 5. Novas narrativas na museologia Novos objetos: escutar o pulsar do mundo Os territórios: a cidade como espaço de cidadania A comunidade como ator social A curadoria é feita na comunidade através de processos participativos A construção da narrativa é feita no encontro As luta pela memória como campo de tensão social
  6. 6. Inovação social Campo da organização social e económica …. e também cultura
  7. 7. Inovação social O paradigma assistencialista A caritas (a tradição judaica, cristã, islão) entreajuda para crescimento O paradigma desenvolvimentista  A ajuda ao desenvolvimento O microcrédito Iniciativas locais de desenvolvimento O empoderamento O mutualismo A tradição libertária no século XIX Comunidades, escolas populares, montepios, associativismo O terceiro setor - emergência dum ator social ONG
  8. 8. Transição ? Movimentos sociais e movimentos de transição
  9. 9. Mudança de paradigma Novos movimentos sociais Queda do muro de Berlim Emergência da China (dois sistemas) Primavera Árabe Occupay Revoltas urbanas América /Europa Regresso da Guerra Fria no leste Grandes questões civilizacionais Ambiente (alterações climáticas, água, Novos atores políticos O fim dos estados nações (?) Constelações de organizações políticas Financiarização das Relações Internacionais Novas formas de organização social •Hibridas •que instituições ? Que lugar para a museologia ? Onde e como fazer?
  10. 10. Museologia e Inovação Emergência dum novo paradigma para a museologia a museologia como espaço de encontro indivíduo, sociedade e objetos do real •A emergência da intersubjetividade a museologia como laboratório social a museologia como espaço de empreendorismo
  11. 11. 5 domínios teóricos para a museologia Pensamento Sistémico Paradigma mental Objetivos comuns Aprendizagem em grupo Domínio pessoal
  12. 12. Objetivos gerais da sociomuseologia Responder às questões: Quem sou? Como posso ser feliz? Onde quero ir? Que caminhos tenho? Como vou e com quem vou?
  13. 13. Chave do posicionamento do museólogo Passar duma museologia clássica O que é que deve ser o museu/exposição Para um museologia inovadora O que é que sucede quando me encontro Quando encontro o outro e se liberta a espontaneidade. Memoria-inovação A museologia deve produzir transformação Deve marear A sensação de encantar, seduzir, afetar
  14. 14. Obrigado pela atenção
  15. 15. Domínio Pessoal Trata-se de aprender a expandir as capacidades pessoais de cada indivíduo. Para isso é necessário criar no espaço museológico condições para que todos os participantes se sintam estimulados a participar. A motivação de cada um é essencial para se atinjam os objetivos definidos por todos. Para isso é necessário estimular um ambiente de experimentação e de livre expressão.
  16. 16. Domínio do paradigma mental O paradigma mental consiste no processo de produção do pensamento. Existe em cada comunidade, em cada unidade social um modelo geral de produção de pensamento. Pensar é um processo de reflexão e esclarecimento sobre o real. Através do pensamento cada um cria imagens do mundo e comunicação com ele através dos seus processos de comunicação. A adequação dos papéis ao real confere a validade dos atos e decisões tomados e adequa a posição de cada um ao conjunto das solicitações da comunidade.
  17. 17. Criação do Objetivos Comuns A partir dos objetivo individuais e dos processos de produção de pensamento que adequa os papeis de cada indivíduo, formam-se os objetivos do grupo. Nesta disciplina é necessário motivar e estimular o compromisso com o grupo. Através do compromisso definem-se as utopias. Os caminhos a alcançar num ponto de futuro. É através da criação dos objetivos comuns que se pode ter uma visão das opções e escolhas de caminhos. É necessário agir no agora
  18. 18. Aprendizagem em grupo Através do desenvolvimento dos processos de construção coletiva torna- se possível desenvolver a comunicação entre os membros de grupo. Através da comunicação entre os membros do grupos, de experiencias e da prática individual, supera-se a soma dos talentos individuais.
  19. 19. Pensamento sistémico Trata-se de analisar e compreender os problemas como um todo. Os sistemas são integrados e interativos. O pensamento desagrega os fenómenos para resolver os problemas, torna-se necessário integrá-los para os reanalisar na sua integralidade. E necessário de compreender as interações presentes

×