SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Ação Cultural
em bibliotecas públicas
       e escolares

         Maria Helena T.C. de Barros
         Livre-docente em Disseminação da Informação
                          (UNESP)



            2010
Distinção entre termos afins

Conceituação:

-   atividade cultural: “qualquer ação ou trabalho específico” na
    área cultural;

-   programação cultural: ligada ao “ato de programar, de
    estabelecer um programa; seqüência de etapas” na área
    cultural;

-   ação cultural: processo pedagógico informacional-cultural que
    envolve um projeto, constituído por três ações articuladas:
    informar, debater e criar conhecimento.
Dimensão da Ação Cultural


“ Para o propósito de uma ação cultural, as duas posições
diante da cultura – acervo e contexto – devem ser
constantemente consideradas, pois ação cultural é basicamente
mediação e criação de acervo, inseridas em contexto cultural
bem definido” (Flusser)
Possibilidades da Ação Cultural

“ (...) acervos passivos ante o público pouco significam. É
   necessário ultrapassar essa passividade e buscar formas
   alternativas para criar na gramática social mais pontos de
   interrogação e menos ponto final”. (MILANESI, L. Centro de
   cultura: forma e função,p.88)

“ A direção do centro de cultura, captando interesses, percebendo
   os movimentos da história, faz através das atividades dele uma
   forma de interferir no cotidiano da cidade. Não há discursos
   definitivos e nem estados permanentes na vida social. A
   mutabilidade é intensa e o centro de cultura deve ter um papel
   fundamental na ação de reescrever a história. Sem repeti-la.”
   (MILANESI, L. Centro de cultura: forma e função, p.81-82)

“ A busca necessária dos conflitos inerentes ao próprio campo
   cultural passaria a ocorrer de forma clara a partir das relações
   interpessoais, sem as quais não é possível existir ação
   cultural. Um espaço que seja a simbiose, o amálgama torturado
   das relações humanas, parece ser próprio à cultura e desejável
   como proposta,” (MILANESI, L. Centro de cultura: forma e função,
   p. 73).
O âmbito da Ação Cultural


“ (...) a ação cultural espera ativar três esferas da vida do
indivíduo e do grupo (...):

1- a imaginação, onde a consciência reflete sobre si mesma,
inventa a si mesma, se abre para as possibilidades, libertando-se
do ser e do dever ser para aceitar o desafio do poder ser (...);

2- a ação, quando o sujeito, ativamente pronto, sem tensão ou
distração, penetra no tempo presente e viabiliza aquilo que sua
imaginação pré-sentiu, pré-dispôs – ligando-se assim ao processo
cultural concreto;

3- a reflexão, que lhe permite fazer a si mesmo uma proposta de
continuidade de si próprio, de sua consciência e de sua ação, numa
integração com o passado capaz de permitir-lhe o exercício
teórico, isto é, a previsão do futuro, a predeterminação do
possível. Neste instante o círculo se fecha e a imaginação é de
novo ativada.” (TEIXEIRA COELHO, J. O que é ação cultural, p.93-
94).
Diagrama da Ação cultural



               informar




                   AC


criar                           debater
A Intervenção sócio-cultural no ambiente dos
              centros de informação
Primórdios, circunstâncias e processo:


1.   A biblioteca, ao se transmutar em centro de informação (um dos),
     teve o seu ambiente bastante mudado. Foi grande a mudança
     observada no status do usuário e nas necessidades e demandas de
     informação apresentadas por ele, que passou historicamente de
     leitor a consulente e eventualmente a cliente.

2.   Passou-se a um estoque multimídia, ainda comportando textos
     impressos, mas já em convívio com os audiovisuais. O acervo
     informacional deixou de ser apenas real, presente, tangível in
     loco para assumir uma forma virtual ( na tensão entre ausente-
     presente). A tecnologia foi o grande diferencial, em que pese
     ser o mundo dinâmico.

3.   Assim, mudaram o lay out e o ambiente, os acervos e os estoques
     informacionais, o usuário da informação e a demanda, os meios e
     a mediação informacional. O conhecimento se ampliou e, com ele,
     a capacidade e a competência para aprender e compreender.
4.   Entretanto, ainda hoje, convivem diferentes condições sócio-
     econômicas-culturais, na vida cotidiana em que estamos
     inseridos profissionalmente.

5.   A informação bem direcionada pode ser o instrumento de uma
     intervenção sócio-cultural abrangente, com atuação interna e
     externa, de importantes reflexos na realidade.

6.   Entretanto, essa intervenção para a mudança deve ser,
     prudentemente, conseqüência de um diagnóstico formal.

7.   Com a segurança e o respaldo de um diagnóstico bem feito, é
     possível o planejamento de uma intervenção sócio-cultural a
     partir do ambiente do(s) centro(s) de informação ao(s)
     qual(is), como pressuposto, estivermos ligados.

8.   Em termos de disseminação da informação, procedimento em que
     estaremos apoiados como estratégia pré-definida, preferimos
     optar pela prática da Ação Cultural, por ser de fácil
     aceitação e retorno.
9.   Entretanto, é preciso ponderar que qualquer tipo de
     intervenção, em qualquer circunstância, demanda sensibilidade
     e planejamento, a partir das fragilidades e dos problemas
     postos à luz pelo diagnóstico.

10. Será preciso entender que o profissional (eu, você, nós) não é
    um super-herói e não pode agir sozinho, como se fosse o único
    agente. Para isso, pode ser formada uma equipe, proporcionando
    mais cabeças pensantes e uma distribuição de energia e de
    tarefas mais equilibrada.

11. Na outra ponta, temos a comunidade que passará pelo processo
    de intervenção. Ela deverá estar acompanhando todos os
    movimentos, para que possa entendê-los e aderir a eles,
    criando-se uma parceria harmoniosa, até mesmo por meio de suas
    entidades representativas e/ou formadores de opinião.
12. Em termos de forma, esse processo dependeria de cada
    comunidade, de suas características; em termos de conteúdos,
    também especiais e específicos, estaria direcionada sempre
    para atingir a meta de um patamar mais elevado de
    conhecimento, voltado para o bem-estar social. De qualquer
    maneira, é um procedimento de fora para dentro, intencional,
    para afetar a condição cultural e, em decorrência, a social
    do grupo em questão.

13. Assim, entende-se que a informação organizada e disseminada
    liga-se ao conhecimento, ao desenvolvimento e ao bem-estar
    social; mas, que também há uma inércia em meio a tudo isso e
    que são precisos uma ação e um agente para que se deflagre o
    processo dinâmico em busca dos resultados almejados.

14. Portanto, o tempo das bibliotecas estáticas não mais existe e
    os profissionais da informação – os bibliotecários – têm hoje
    mais um importante papel a desempenhar. Mais do que nunca!
Ação Cultural - possibilidades

Variações:
Informar – filmes            Debater/discutir – foruns
             palestras                          debates
             livros                             mesasredondas
             artigos                            blogs
             clips                              desafios
             painéis, etc.                      avaliações, etc.


                         Criar – oficinas
                                 ateliês
                                 concursos
                                 certames
                                 competições, etc.
Oportunidades:

1- biblioteca pública
        - público variado
        - interesses variados
        (exemplos)

2 – biblioteca escolar (pós Lei nº 1244, de 24/05/2010)
        - público – estudantes
                     professores
                    corpo técnico-administrativo
                     familiares
                     comunidade próxima

        - interesses – apoio e complementação pedagógica
                       atualização do conhecimento
                       lazer educativo (memória, raciocínio e vocabulário)
                       participação em projetos e certames
Referências


FLUSSER, V. A biblioteca como instrumento de ação cultural. In:
CONGRESSO BRASILEIRO DE BIBLIOTECONOMIA E DOCUMENTAÇÃO
II, João Pessoa, 1982. Anais... João Pessoa, APBB, 1982. v.2.

MILANESI, L. Centro de cultura: forma e função. São Paulo:
Brasiliense, 2000.

TEIXEIRA COELHO, J. O que é ação cultural. São Paulo:
Brasiliense, 2001.
Agradecimentos




                 Maria Helena T.C. de Barros
                 m_helenabarros@hotmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação emsal 2010
Apresentação emsal 2010Apresentação emsal 2010
Apresentação emsal 2010Escola Emsal
 
Semana EducaçãO 2009
Semana EducaçãO 2009Semana EducaçãO 2009
Semana EducaçãO 2009Perseu Silva
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Viegas Fernandes da Costa
 
Projeto educação patrimonial espno pps
Projeto educação patrimonial espno ppsProjeto educação patrimonial espno pps
Projeto educação patrimonial espno ppsMARCIA GOMES FREIRE
 
Apresentação do mestrado
Apresentação do mestradoApresentação do mestrado
Apresentação do mestradoGlauco Ricciele
 
Funções da biblioteca escolar
Funções da biblioteca escolarFunções da biblioteca escolar
Funções da biblioteca escolarpirosario
 
Palestra sobre educação patrimonial
Palestra sobre educação patrimonialPalestra sobre educação patrimonial
Palestra sobre educação patrimonialJunior Lima
 
Biblioteca da escola - Direito de Ler
Biblioteca da escola - Direito de LerBiblioteca da escola - Direito de Ler
Biblioteca da escola - Direito de Lerecoleitura
 
História, memória, patrimônio e identidade
História, memória, patrimônio e identidadeHistória, memória, patrimônio e identidade
História, memória, patrimônio e identidadeViegas Fernandes da Costa
 
Poster Educação Ciêntifica
Poster Educação Ciêntifica Poster Educação Ciêntifica
Poster Educação Ciêntifica auromorais
 
Biblioteca escolar
Biblioteca escolarBiblioteca escolar
Biblioteca escolarelzirene
 
Projetos e Práticas educacionais II
Projetos e Práticas educacionais IIProjetos e Práticas educacionais II
Projetos e Práticas educacionais IIUesliane Mara Santos
 
Projeto Preservação do bem Material e Imaterial
Projeto Preservação do bem Material e ImaterialProjeto Preservação do bem Material e Imaterial
Projeto Preservação do bem Material e Imaterialwansineydtavares
 
Poster Educação Ciêntifica
Poster Educação Ciêntifica Poster Educação Ciêntifica
Poster Educação Ciêntifica auromorais
 

Mais procurados (20)

Apresentação emsal 2010
Apresentação emsal 2010Apresentação emsal 2010
Apresentação emsal 2010
 
Memória escolar
Memória escolar Memória escolar
Memória escolar
 
Imersão na prática ed. patrimonial
Imersão na prática   ed. patrimonialImersão na prática   ed. patrimonial
Imersão na prática ed. patrimonial
 
Re leitura
Re leituraRe leitura
Re leitura
 
Semana EducaçãO 2009
Semana EducaçãO 2009Semana EducaçãO 2009
Semana EducaçãO 2009
 
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
Aula Patrimônio material e imaterial (com foco em Santa Catarina)
 
Projeto educação patrimonial espno pps
Projeto educação patrimonial espno ppsProjeto educação patrimonial espno pps
Projeto educação patrimonial espno pps
 
Projeto Patrimônio
Projeto PatrimônioProjeto Patrimônio
Projeto Patrimônio
 
Apresentação do mestrado
Apresentação do mestradoApresentação do mestrado
Apresentação do mestrado
 
Funções da biblioteca escolar
Funções da biblioteca escolarFunções da biblioteca escolar
Funções da biblioteca escolar
 
Palestra sobre educação patrimonial
Palestra sobre educação patrimonialPalestra sobre educação patrimonial
Palestra sobre educação patrimonial
 
Biblioteca da escola - Direito de Ler
Biblioteca da escola - Direito de LerBiblioteca da escola - Direito de Ler
Biblioteca da escola - Direito de Ler
 
História, memória, patrimônio e identidade
História, memória, patrimônio e identidadeHistória, memória, patrimônio e identidade
História, memória, patrimônio e identidade
 
Poster Educação Ciêntifica
Poster Educação Ciêntifica Poster Educação Ciêntifica
Poster Educação Ciêntifica
 
Aula Biblioteca Escolar
Aula Biblioteca EscolarAula Biblioteca Escolar
Aula Biblioteca Escolar
 
Biblioteca escolar
Biblioteca escolarBiblioteca escolar
Biblioteca escolar
 
Projetos e Práticas educacionais II
Projetos e Práticas educacionais IIProjetos e Práticas educacionais II
Projetos e Práticas educacionais II
 
Projeto Preservação do bem Material e Imaterial
Projeto Preservação do bem Material e ImaterialProjeto Preservação do bem Material e Imaterial
Projeto Preservação do bem Material e Imaterial
 
Poster Educação Ciêntifica
Poster Educação Ciêntifica Poster Educação Ciêntifica
Poster Educação Ciêntifica
 
Cultura - Sociologia
Cultura - SociologiaCultura - Sociologia
Cultura - Sociologia
 

Destaque

Roda de Conversa sobre: “Para além do trabalho: vivendo em biblioteca”
Roda de Conversa sobre: “Para além do trabalho: vivendo em biblioteca”Roda de Conversa sobre: “Para além do trabalho: vivendo em biblioteca”
Roda de Conversa sobre: “Para além do trabalho: vivendo em biblioteca”Suelybcs .
 
2 Desenvolvimento de coleções: política
2 Desenvolvimento de coleções: política2 Desenvolvimento de coleções: política
2 Desenvolvimento de coleções: políticaLeticia Strehl
 
Gestao De Conhecimento Em Bibliotecas Universitarias
Gestao De Conhecimento Em Bibliotecas UniversitariasGestao De Conhecimento Em Bibliotecas Universitarias
Gestao De Conhecimento Em Bibliotecas UniversitariasElisabeth Dudziak
 
O trabalho do Coordenador Interconcelhio para as Bibliotecas Escolares no ter...
O trabalho do Coordenador Interconcelhio para as Bibliotecas Escolares no ter...O trabalho do Coordenador Interconcelhio para as Bibliotecas Escolares no ter...
O trabalho do Coordenador Interconcelhio para as Bibliotecas Escolares no ter...João Paulo Proença
 
Nomenclatura e peças de container
Nomenclatura  e peças de containerNomenclatura  e peças de container
Nomenclatura e peças de containerelliando dias
 

Destaque (7)

Erp Crm E Ref – Epusp
Erp Crm E Ref – EpuspErp Crm E Ref – Epusp
Erp Crm E Ref – Epusp
 
Roda de Conversa sobre: “Para além do trabalho: vivendo em biblioteca”
Roda de Conversa sobre: “Para além do trabalho: vivendo em biblioteca”Roda de Conversa sobre: “Para além do trabalho: vivendo em biblioteca”
Roda de Conversa sobre: “Para além do trabalho: vivendo em biblioteca”
 
Nova Geração de Sistemas para Bibliotecas (2013)
Nova Geração de Sistemas para Bibliotecas (2013)Nova Geração de Sistemas para Bibliotecas (2013)
Nova Geração de Sistemas para Bibliotecas (2013)
 
2 Desenvolvimento de coleções: política
2 Desenvolvimento de coleções: política2 Desenvolvimento de coleções: política
2 Desenvolvimento de coleções: política
 
Gestao De Conhecimento Em Bibliotecas Universitarias
Gestao De Conhecimento Em Bibliotecas UniversitariasGestao De Conhecimento Em Bibliotecas Universitarias
Gestao De Conhecimento Em Bibliotecas Universitarias
 
O trabalho do Coordenador Interconcelhio para as Bibliotecas Escolares no ter...
O trabalho do Coordenador Interconcelhio para as Bibliotecas Escolares no ter...O trabalho do Coordenador Interconcelhio para as Bibliotecas Escolares no ter...
O trabalho do Coordenador Interconcelhio para as Bibliotecas Escolares no ter...
 
Nomenclatura e peças de container
Nomenclatura  e peças de containerNomenclatura  e peças de container
Nomenclatura e peças de container
 

Semelhante a Ação Cultural em bibliotecas públicas e escolares - Prof. Maria Helena T.C. de Barros

[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alliAndréia De Bernardi
 
Colecção públicos Serviços Educativos
Colecção públicos  Serviços EducativosColecção públicos  Serviços Educativos
Colecção públicos Serviços EducativosJoão Lima
 
Valor actual da be fundamentação
Valor actual da be fundamentaçãoValor actual da be fundamentação
Valor actual da be fundamentaçãoesperancasantos
 
Ação cultural na bpe niterói.
Ação cultural na bpe niterói.Ação cultural na bpe niterói.
Ação cultural na bpe niterói.Elisângela Morais
 
A importância do ensino da libras para a formação do bibliotecário joice di...
A importância do ensino da libras para a formação do bibliotecário   joice di...A importância do ensino da libras para a formação do bibliotecário   joice di...
A importância do ensino da libras para a formação do bibliotecário joice di...Joice Dias Costa
 
Formacao de Alfabetizadores da EJA_Encontro 02.pptx
Formacao  de Alfabetizadores  da EJA_Encontro 02.pptxFormacao  de Alfabetizadores  da EJA_Encontro 02.pptx
Formacao de Alfabetizadores da EJA_Encontro 02.pptxJaquelinePeixoto10
 
Educomunicacao o que_e_isto
Educomunicacao o que_e_istoEducomunicacao o que_e_isto
Educomunicacao o que_e_istomarcaldeira
 
Ação cultural e a formação da consciência política na biblioteca escolar.
Ação cultural e a formação da consciência política na biblioteca escolar.Ação cultural e a formação da consciência política na biblioteca escolar.
Ação cultural e a formação da consciência política na biblioteca escolar.Diana Carla Mendonça
 
E se a Biblioteca da minha escola fechasse. Isso notava-se muito?
E se a Biblioteca da minha escola fechasse. Isso notava-se muito? E se a Biblioteca da minha escola fechasse. Isso notava-se muito?
E se a Biblioteca da minha escola fechasse. Isso notava-se muito? João Paulo Proença
 
Transicoes para futuros_desejaveis_das_be_1_
Transicoes para futuros_desejaveis_das_be_1_Transicoes para futuros_desejaveis_das_be_1_
Transicoes para futuros_desejaveis_das_be_1_Teresa Gonçalves
 
Transicoes para futuros_desejaveis_das_be_1_
Transicoes para futuros_desejaveis_das_be_1_Transicoes para futuros_desejaveis_das_be_1_
Transicoes para futuros_desejaveis_das_be_1_gigilu
 
A Biblioteca Escolar e a Literacia do Século
A Biblioteca Escolar e a Literacia do SéculoA Biblioteca Escolar e a Literacia do Século
A Biblioteca Escolar e a Literacia do SéculoVale Rodrigues
 
JORNADA O SOM COMO MATÉRIA PARA PROCESSOS COLETIVOS
JORNADA O SOM COMO MATÉRIA PARA PROCESSOS COLETIVOSJORNADA O SOM COMO MATÉRIA PARA PROCESSOS COLETIVOS
JORNADA O SOM COMO MATÉRIA PARA PROCESSOS COLETIVOSDiogo de Moraes
 
Desenvolver projetos e_organizar
Desenvolver projetos e_organizarDesenvolver projetos e_organizar
Desenvolver projetos e_organizarUEM
 

Semelhante a Ação Cultural em bibliotecas públicas e escolares - Prof. Maria Helena T.C. de Barros (20)

[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
 
Colecção públicos Serviços Educativos
Colecção públicos  Serviços EducativosColecção públicos  Serviços Educativos
Colecção públicos Serviços Educativos
 
Formacao humanas bncc
Formacao humanas   bnccFormacao humanas   bncc
Formacao humanas bncc
 
Valor actual da be fundamentação
Valor actual da be fundamentaçãoValor actual da be fundamentação
Valor actual da be fundamentação
 
Ação cultural na bpe niterói.
Ação cultural na bpe niterói.Ação cultural na bpe niterói.
Ação cultural na bpe niterói.
 
slides.ppe2
slides.ppe2slides.ppe2
slides.ppe2
 
Sociedade da aprendizagem
Sociedade da aprendizagemSociedade da aprendizagem
Sociedade da aprendizagem
 
A importância do ensino da libras para a formação do bibliotecário joice di...
A importância do ensino da libras para a formação do bibliotecário   joice di...A importância do ensino da libras para a formação do bibliotecário   joice di...
A importância do ensino da libras para a formação do bibliotecário joice di...
 
Formacao de Alfabetizadores da EJA_Encontro 02.pptx
Formacao  de Alfabetizadores  da EJA_Encontro 02.pptxFormacao  de Alfabetizadores  da EJA_Encontro 02.pptx
Formacao de Alfabetizadores da EJA_Encontro 02.pptx
 
Educomunicacao o que_e_isto
Educomunicacao o que_e_istoEducomunicacao o que_e_isto
Educomunicacao o que_e_isto
 
Ação cultural e a formação da consciência política na biblioteca escolar.
Ação cultural e a formação da consciência política na biblioteca escolar.Ação cultural e a formação da consciência política na biblioteca escolar.
Ação cultural e a formação da consciência política na biblioteca escolar.
 
O primeiro caderno 3 ae
O primeiro caderno 3 aeO primeiro caderno 3 ae
O primeiro caderno 3 ae
 
E se a Biblioteca da minha escola fechasse. Isso notava-se muito?
E se a Biblioteca da minha escola fechasse. Isso notava-se muito? E se a Biblioteca da minha escola fechasse. Isso notava-se muito?
E se a Biblioteca da minha escola fechasse. Isso notava-se muito?
 
Transicoes para futuros_desejaveis_das_be_1_
Transicoes para futuros_desejaveis_das_be_1_Transicoes para futuros_desejaveis_das_be_1_
Transicoes para futuros_desejaveis_das_be_1_
 
Transicoes para futuros_desejaveis_das_be_1_
Transicoes para futuros_desejaveis_das_be_1_Transicoes para futuros_desejaveis_das_be_1_
Transicoes para futuros_desejaveis_das_be_1_
 
A Biblioteca Escolar e a Literacia do Século
A Biblioteca Escolar e a Literacia do SéculoA Biblioteca Escolar e a Literacia do Século
A Biblioteca Escolar e a Literacia do Século
 
Tecnologias da informação
Tecnologias da informaçãoTecnologias da informação
Tecnologias da informação
 
Tecnologias da informação -
Tecnologias da informação  -Tecnologias da informação  -
Tecnologias da informação -
 
JORNADA O SOM COMO MATÉRIA PARA PROCESSOS COLETIVOS
JORNADA O SOM COMO MATÉRIA PARA PROCESSOS COLETIVOSJORNADA O SOM COMO MATÉRIA PARA PROCESSOS COLETIVOS
JORNADA O SOM COMO MATÉRIA PARA PROCESSOS COLETIVOS
 
Desenvolver projetos e_organizar
Desenvolver projetos e_organizarDesenvolver projetos e_organizar
Desenvolver projetos e_organizar
 

Mais de Regina Fazioli

Curadoria de Conhecimento no Mundo Digital
Curadoria de Conhecimento no Mundo DigitalCuradoria de Conhecimento no Mundo Digital
Curadoria de Conhecimento no Mundo DigitalRegina Fazioli
 
Comportamentos Mobile e ações em Bibliotecas e Centros de Informação
Comportamentos Mobile e ações em Bibliotecas e Centros de InformaçãoComportamentos Mobile e ações em Bibliotecas e Centros de Informação
Comportamentos Mobile e ações em Bibliotecas e Centros de InformaçãoRegina Fazioli
 
Webnar tecnologia mobile
Webnar tecnologia mobileWebnar tecnologia mobile
Webnar tecnologia mobileRegina Fazioli
 
"O Futuro da Biblioteconomia no Brasil"
"O Futuro da Biblioteconomia no Brasil""O Futuro da Biblioteconomia no Brasil"
"O Futuro da Biblioteconomia no Brasil"Regina Fazioli
 
Apresentação - Evento em Menção ao dia do Bibliotecário!
Apresentação - Evento em Menção ao dia do Bibliotecário!Apresentação - Evento em Menção ao dia do Bibliotecário!
Apresentação - Evento em Menção ao dia do Bibliotecário!Regina Fazioli
 
Capacitação em informação: um diferencial à atuação em salas de leitura.
Capacitação em informação: um diferencial à atuação em salas de leitura.Capacitação em informação: um diferencial à atuação em salas de leitura.
Capacitação em informação: um diferencial à atuação em salas de leitura.Regina Fazioli
 
Inteligências Múltiplas
Inteligências MúltiplasInteligências Múltiplas
Inteligências MúltiplasRegina Fazioli
 
Apresentação Dissertação
Apresentação DissertaçãoApresentação Dissertação
Apresentação DissertaçãoRegina Fazioli
 

Mais de Regina Fazioli (9)

Curadoria de Conhecimento no Mundo Digital
Curadoria de Conhecimento no Mundo DigitalCuradoria de Conhecimento no Mundo Digital
Curadoria de Conhecimento no Mundo Digital
 
Comportamentos Mobile e ações em Bibliotecas e Centros de Informação
Comportamentos Mobile e ações em Bibliotecas e Centros de InformaçãoComportamentos Mobile e ações em Bibliotecas e Centros de Informação
Comportamentos Mobile e ações em Bibliotecas e Centros de Informação
 
Webnar tecnologia mobile
Webnar tecnologia mobileWebnar tecnologia mobile
Webnar tecnologia mobile
 
"O Futuro da Biblioteconomia no Brasil"
"O Futuro da Biblioteconomia no Brasil""O Futuro da Biblioteconomia no Brasil"
"O Futuro da Biblioteconomia no Brasil"
 
Aula Projeto TCC
Aula Projeto TCCAula Projeto TCC
Aula Projeto TCC
 
Apresentação - Evento em Menção ao dia do Bibliotecário!
Apresentação - Evento em Menção ao dia do Bibliotecário!Apresentação - Evento em Menção ao dia do Bibliotecário!
Apresentação - Evento em Menção ao dia do Bibliotecário!
 
Capacitação em informação: um diferencial à atuação em salas de leitura.
Capacitação em informação: um diferencial à atuação em salas de leitura.Capacitação em informação: um diferencial à atuação em salas de leitura.
Capacitação em informação: um diferencial à atuação em salas de leitura.
 
Inteligências Múltiplas
Inteligências MúltiplasInteligências Múltiplas
Inteligências Múltiplas
 
Apresentação Dissertação
Apresentação DissertaçãoApresentação Dissertação
Apresentação Dissertação
 

Ação Cultural em bibliotecas públicas e escolares - Prof. Maria Helena T.C. de Barros

  • 1. Ação Cultural em bibliotecas públicas e escolares Maria Helena T.C. de Barros Livre-docente em Disseminação da Informação (UNESP) 2010
  • 2. Distinção entre termos afins Conceituação: - atividade cultural: “qualquer ação ou trabalho específico” na área cultural; - programação cultural: ligada ao “ato de programar, de estabelecer um programa; seqüência de etapas” na área cultural; - ação cultural: processo pedagógico informacional-cultural que envolve um projeto, constituído por três ações articuladas: informar, debater e criar conhecimento.
  • 3. Dimensão da Ação Cultural “ Para o propósito de uma ação cultural, as duas posições diante da cultura – acervo e contexto – devem ser constantemente consideradas, pois ação cultural é basicamente mediação e criação de acervo, inseridas em contexto cultural bem definido” (Flusser)
  • 4. Possibilidades da Ação Cultural “ (...) acervos passivos ante o público pouco significam. É necessário ultrapassar essa passividade e buscar formas alternativas para criar na gramática social mais pontos de interrogação e menos ponto final”. (MILANESI, L. Centro de cultura: forma e função,p.88) “ A direção do centro de cultura, captando interesses, percebendo os movimentos da história, faz através das atividades dele uma forma de interferir no cotidiano da cidade. Não há discursos definitivos e nem estados permanentes na vida social. A mutabilidade é intensa e o centro de cultura deve ter um papel fundamental na ação de reescrever a história. Sem repeti-la.” (MILANESI, L. Centro de cultura: forma e função, p.81-82) “ A busca necessária dos conflitos inerentes ao próprio campo cultural passaria a ocorrer de forma clara a partir das relações interpessoais, sem as quais não é possível existir ação cultural. Um espaço que seja a simbiose, o amálgama torturado das relações humanas, parece ser próprio à cultura e desejável como proposta,” (MILANESI, L. Centro de cultura: forma e função, p. 73).
  • 5. O âmbito da Ação Cultural “ (...) a ação cultural espera ativar três esferas da vida do indivíduo e do grupo (...): 1- a imaginação, onde a consciência reflete sobre si mesma, inventa a si mesma, se abre para as possibilidades, libertando-se do ser e do dever ser para aceitar o desafio do poder ser (...); 2- a ação, quando o sujeito, ativamente pronto, sem tensão ou distração, penetra no tempo presente e viabiliza aquilo que sua imaginação pré-sentiu, pré-dispôs – ligando-se assim ao processo cultural concreto; 3- a reflexão, que lhe permite fazer a si mesmo uma proposta de continuidade de si próprio, de sua consciência e de sua ação, numa integração com o passado capaz de permitir-lhe o exercício teórico, isto é, a previsão do futuro, a predeterminação do possível. Neste instante o círculo se fecha e a imaginação é de novo ativada.” (TEIXEIRA COELHO, J. O que é ação cultural, p.93- 94).
  • 6. Diagrama da Ação cultural informar AC criar debater
  • 7. A Intervenção sócio-cultural no ambiente dos centros de informação Primórdios, circunstâncias e processo: 1. A biblioteca, ao se transmutar em centro de informação (um dos), teve o seu ambiente bastante mudado. Foi grande a mudança observada no status do usuário e nas necessidades e demandas de informação apresentadas por ele, que passou historicamente de leitor a consulente e eventualmente a cliente. 2. Passou-se a um estoque multimídia, ainda comportando textos impressos, mas já em convívio com os audiovisuais. O acervo informacional deixou de ser apenas real, presente, tangível in loco para assumir uma forma virtual ( na tensão entre ausente- presente). A tecnologia foi o grande diferencial, em que pese ser o mundo dinâmico. 3. Assim, mudaram o lay out e o ambiente, os acervos e os estoques informacionais, o usuário da informação e a demanda, os meios e a mediação informacional. O conhecimento se ampliou e, com ele, a capacidade e a competência para aprender e compreender.
  • 8. 4. Entretanto, ainda hoje, convivem diferentes condições sócio- econômicas-culturais, na vida cotidiana em que estamos inseridos profissionalmente. 5. A informação bem direcionada pode ser o instrumento de uma intervenção sócio-cultural abrangente, com atuação interna e externa, de importantes reflexos na realidade. 6. Entretanto, essa intervenção para a mudança deve ser, prudentemente, conseqüência de um diagnóstico formal. 7. Com a segurança e o respaldo de um diagnóstico bem feito, é possível o planejamento de uma intervenção sócio-cultural a partir do ambiente do(s) centro(s) de informação ao(s) qual(is), como pressuposto, estivermos ligados. 8. Em termos de disseminação da informação, procedimento em que estaremos apoiados como estratégia pré-definida, preferimos optar pela prática da Ação Cultural, por ser de fácil aceitação e retorno.
  • 9. 9. Entretanto, é preciso ponderar que qualquer tipo de intervenção, em qualquer circunstância, demanda sensibilidade e planejamento, a partir das fragilidades e dos problemas postos à luz pelo diagnóstico. 10. Será preciso entender que o profissional (eu, você, nós) não é um super-herói e não pode agir sozinho, como se fosse o único agente. Para isso, pode ser formada uma equipe, proporcionando mais cabeças pensantes e uma distribuição de energia e de tarefas mais equilibrada. 11. Na outra ponta, temos a comunidade que passará pelo processo de intervenção. Ela deverá estar acompanhando todos os movimentos, para que possa entendê-los e aderir a eles, criando-se uma parceria harmoniosa, até mesmo por meio de suas entidades representativas e/ou formadores de opinião.
  • 10. 12. Em termos de forma, esse processo dependeria de cada comunidade, de suas características; em termos de conteúdos, também especiais e específicos, estaria direcionada sempre para atingir a meta de um patamar mais elevado de conhecimento, voltado para o bem-estar social. De qualquer maneira, é um procedimento de fora para dentro, intencional, para afetar a condição cultural e, em decorrência, a social do grupo em questão. 13. Assim, entende-se que a informação organizada e disseminada liga-se ao conhecimento, ao desenvolvimento e ao bem-estar social; mas, que também há uma inércia em meio a tudo isso e que são precisos uma ação e um agente para que se deflagre o processo dinâmico em busca dos resultados almejados. 14. Portanto, o tempo das bibliotecas estáticas não mais existe e os profissionais da informação – os bibliotecários – têm hoje mais um importante papel a desempenhar. Mais do que nunca!
  • 11. Ação Cultural - possibilidades Variações: Informar – filmes Debater/discutir – foruns palestras debates livros mesasredondas artigos blogs clips desafios painéis, etc. avaliações, etc. Criar – oficinas ateliês concursos certames competições, etc.
  • 12. Oportunidades: 1- biblioteca pública - público variado - interesses variados (exemplos) 2 – biblioteca escolar (pós Lei nº 1244, de 24/05/2010) - público – estudantes professores corpo técnico-administrativo familiares comunidade próxima - interesses – apoio e complementação pedagógica atualização do conhecimento lazer educativo (memória, raciocínio e vocabulário) participação em projetos e certames
  • 13. Referências FLUSSER, V. A biblioteca como instrumento de ação cultural. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE BIBLIOTECONOMIA E DOCUMENTAÇÃO II, João Pessoa, 1982. Anais... João Pessoa, APBB, 1982. v.2. MILANESI, L. Centro de cultura: forma e função. São Paulo: Brasiliense, 2000. TEIXEIRA COELHO, J. O que é ação cultural. São Paulo: Brasiliense, 2001.
  • 14. Agradecimentos Maria Helena T.C. de Barros m_helenabarros@hotmail.com