Successfully reported this slideshow.

Ação Cultural em bibliotecas públicas e escolares - Prof. Maria Helena T.C. de Barros

3.048 visualizações

Publicada em

Autoria e apresentação: Prof. Maria Helena T.C. de Barros - Livre-docente em Disseminação da Informação (UNESP) - 2010

  • Seja o primeiro a comentar

Ação Cultural em bibliotecas públicas e escolares - Prof. Maria Helena T.C. de Barros

  1. 1. Ação Culturalem bibliotecas públicas e escolares Maria Helena T.C. de Barros Livre-docente em Disseminação da Informação (UNESP) 2010
  2. 2. Distinção entre termos afinsConceituação:- atividade cultural: “qualquer ação ou trabalho específico” na área cultural;- programação cultural: ligada ao “ato de programar, de estabelecer um programa; seqüência de etapas” na área cultural;- ação cultural: processo pedagógico informacional-cultural que envolve um projeto, constituído por três ações articuladas: informar, debater e criar conhecimento.
  3. 3. Dimensão da Ação Cultural“ Para o propósito de uma ação cultural, as duas posiçõesdiante da cultura – acervo e contexto – devem serconstantemente consideradas, pois ação cultural é basicamentemediação e criação de acervo, inseridas em contexto culturalbem definido” (Flusser)
  4. 4. Possibilidades da Ação Cultural“ (...) acervos passivos ante o público pouco significam. É necessário ultrapassar essa passividade e buscar formas alternativas para criar na gramática social mais pontos de interrogação e menos ponto final”. (MILANESI, L. Centro de cultura: forma e função,p.88)“ A direção do centro de cultura, captando interesses, percebendo os movimentos da história, faz através das atividades dele uma forma de interferir no cotidiano da cidade. Não há discursos definitivos e nem estados permanentes na vida social. A mutabilidade é intensa e o centro de cultura deve ter um papel fundamental na ação de reescrever a história. Sem repeti-la.” (MILANESI, L. Centro de cultura: forma e função, p.81-82)“ A busca necessária dos conflitos inerentes ao próprio campo cultural passaria a ocorrer de forma clara a partir das relações interpessoais, sem as quais não é possível existir ação cultural. Um espaço que seja a simbiose, o amálgama torturado das relações humanas, parece ser próprio à cultura e desejável como proposta,” (MILANESI, L. Centro de cultura: forma e função, p. 73).
  5. 5. O âmbito da Ação Cultural“ (...) a ação cultural espera ativar três esferas da vida doindivíduo e do grupo (...):1- a imaginação, onde a consciência reflete sobre si mesma,inventa a si mesma, se abre para as possibilidades, libertando-sedo ser e do dever ser para aceitar o desafio do poder ser (...);2- a ação, quando o sujeito, ativamente pronto, sem tensão oudistração, penetra no tempo presente e viabiliza aquilo que suaimaginação pré-sentiu, pré-dispôs – ligando-se assim ao processocultural concreto;3- a reflexão, que lhe permite fazer a si mesmo uma proposta decontinuidade de si próprio, de sua consciência e de sua ação, numaintegração com o passado capaz de permitir-lhe o exercícioteórico, isto é, a previsão do futuro, a predeterminação dopossível. Neste instante o círculo se fecha e a imaginação é denovo ativada.” (TEIXEIRA COELHO, J. O que é ação cultural, p.93-94).
  6. 6. Diagrama da Ação cultural informar ACcriar debater
  7. 7. A Intervenção sócio-cultural no ambiente dos centros de informaçãoPrimórdios, circunstâncias e processo:1. A biblioteca, ao se transmutar em centro de informação (um dos), teve o seu ambiente bastante mudado. Foi grande a mudança observada no status do usuário e nas necessidades e demandas de informação apresentadas por ele, que passou historicamente de leitor a consulente e eventualmente a cliente.2. Passou-se a um estoque multimídia, ainda comportando textos impressos, mas já em convívio com os audiovisuais. O acervo informacional deixou de ser apenas real, presente, tangível in loco para assumir uma forma virtual ( na tensão entre ausente- presente). A tecnologia foi o grande diferencial, em que pese ser o mundo dinâmico.3. Assim, mudaram o lay out e o ambiente, os acervos e os estoques informacionais, o usuário da informação e a demanda, os meios e a mediação informacional. O conhecimento se ampliou e, com ele, a capacidade e a competência para aprender e compreender.
  8. 8. 4. Entretanto, ainda hoje, convivem diferentes condições sócio- econômicas-culturais, na vida cotidiana em que estamos inseridos profissionalmente.5. A informação bem direcionada pode ser o instrumento de uma intervenção sócio-cultural abrangente, com atuação interna e externa, de importantes reflexos na realidade.6. Entretanto, essa intervenção para a mudança deve ser, prudentemente, conseqüência de um diagnóstico formal.7. Com a segurança e o respaldo de um diagnóstico bem feito, é possível o planejamento de uma intervenção sócio-cultural a partir do ambiente do(s) centro(s) de informação ao(s) qual(is), como pressuposto, estivermos ligados.8. Em termos de disseminação da informação, procedimento em que estaremos apoiados como estratégia pré-definida, preferimos optar pela prática da Ação Cultural, por ser de fácil aceitação e retorno.
  9. 9. 9. Entretanto, é preciso ponderar que qualquer tipo de intervenção, em qualquer circunstância, demanda sensibilidade e planejamento, a partir das fragilidades e dos problemas postos à luz pelo diagnóstico.10. Será preciso entender que o profissional (eu, você, nós) não é um super-herói e não pode agir sozinho, como se fosse o único agente. Para isso, pode ser formada uma equipe, proporcionando mais cabeças pensantes e uma distribuição de energia e de tarefas mais equilibrada.11. Na outra ponta, temos a comunidade que passará pelo processo de intervenção. Ela deverá estar acompanhando todos os movimentos, para que possa entendê-los e aderir a eles, criando-se uma parceria harmoniosa, até mesmo por meio de suas entidades representativas e/ou formadores de opinião.
  10. 10. 12. Em termos de forma, esse processo dependeria de cada comunidade, de suas características; em termos de conteúdos, também especiais e específicos, estaria direcionada sempre para atingir a meta de um patamar mais elevado de conhecimento, voltado para o bem-estar social. De qualquer maneira, é um procedimento de fora para dentro, intencional, para afetar a condição cultural e, em decorrência, a social do grupo em questão.13. Assim, entende-se que a informação organizada e disseminada liga-se ao conhecimento, ao desenvolvimento e ao bem-estar social; mas, que também há uma inércia em meio a tudo isso e que são precisos uma ação e um agente para que se deflagre o processo dinâmico em busca dos resultados almejados.14. Portanto, o tempo das bibliotecas estáticas não mais existe e os profissionais da informação – os bibliotecários – têm hoje mais um importante papel a desempenhar. Mais do que nunca!
  11. 11. Ação Cultural - possibilidadesVariações:Informar – filmes Debater/discutir – foruns palestras debates livros mesasredondas artigos blogs clips desafios painéis, etc. avaliações, etc. Criar – oficinas ateliês concursos certames competições, etc.
  12. 12. Oportunidades:1- biblioteca pública - público variado - interesses variados (exemplos)2 – biblioteca escolar (pós Lei nº 1244, de 24/05/2010) - público – estudantes professores corpo técnico-administrativo familiares comunidade próxima - interesses – apoio e complementação pedagógica atualização do conhecimento lazer educativo (memória, raciocínio e vocabulário) participação em projetos e certames
  13. 13. ReferênciasFLUSSER, V. A biblioteca como instrumento de ação cultural. In:CONGRESSO BRASILEIRO DE BIBLIOTECONOMIA E DOCUMENTAÇÃOII, João Pessoa, 1982. Anais... João Pessoa, APBB, 1982. v.2.MILANESI, L. Centro de cultura: forma e função. São Paulo:Brasiliense, 2000.TEIXEIRA COELHO, J. O que é ação cultural. São Paulo:Brasiliense, 2001.
  14. 14. Agradecimentos Maria Helena T.C. de Barros m_helenabarros@hotmail.com

×