SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
CARINA CRISLAI TEIXEIRA DE MATOS
DANILO TONIOLI D’ ALMEIDA
LAÍS GIOVANNA PASCHOAL
TACIANA FERREIRA CARAPEBA PANINI
WESLEY DENILSON ALGARVE
FUNDAMENTOS EM BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO
PROF.ª LUCIANA GRACIOSO
SÃO CARLOS
23/05/2014
ORIGENS DOS MUSEUS
 GRÉCIA ANTIGA (ANTIGUIDADE CLÁSSICA): MOUSEION (TEMPLO DAS 9 MUSAS);
 FILHAS DE ZEUS E MNEMOSINE (DIVINDADE DA MEMÓRIA);
 LOCAIS RESERVADOS À CONTEMPLAÇÃO E AOS ESTUDOS CIENTÍFICOS, LITERÁRIOS E ARTÍSTICOS;
 AS NOVE MUSAS ERAM:
1. Calíope (bela voz), a primeira entre as irmãs, era a musa da eloquência;
2. Clio (a que confere fama) era a musa da História;
3. Érato (a que dá júbilo) era a musa da poesia lírica;
4. Tália (a festiva) era a musa da comédia;
5. Melpômene (a cantora) era a musa da tragédia;
6. Terpsícore (a que adora dançar) era a musa da dança;
7. Euterpe (a que desperta desejo) era a musa do verso erótico;
8. Polímnia (a de muitos hinos) era a musa dos hinos sagrados e da narração de histórias;
9. Urânia (celeste) era a musa da astronomia.
HISTÓRIA
 IDADE MÉDIA: TERMO POUCO UTILIZADO;
 IDADE MODERNA: COLECIONISMO, GABINETE DE CURIOSIDADES E COLEÇÕES CIENTÍFICAS;
 COLEÇÕES PRINCIPESCAS: objetos e obras de arte da antiguidade; tesouros e curiosidades advindas das Américas
e da Ásia e produção de artistas da época.
 GABINETES DE CURIOSIDADES E COLEÇÕES CIENTÍFICAS: buscavam simular a natureza em gabinetes, reuniam
grande quantidade de espécies variadas, objetos e seres exóticos vindos de terras distantes, em arranjos quase
sempre caóticos
 não estavam abertas ao público e destinavam-se à fruição exclusiva de seus proprietários e de pessoas que lhes
eram próximas.
 IDADE CONTEMPORÂNEA (acepção moderna de museu): GRANDES MUSEUS NACIONAIS E MUSEUS ENCICLOPÉDICOS
 GRANDES MUSEUS NACIONAIS: afirmação de identidades nacionais; preservar a totalidade e diversidade de um
patrimônio;
 MUSEUS ENCICLOPÉDICOS: pesquisa em ciências naturais, etnografia, arqueologia e paleontologia.
 Métodos para inventariar e gerir.
GABINETE PRESERVAR
CÂMARA
CONHECER PALÁCIO
TEMPLO
FÓRUM
OLHAR MUSEUS:
SATISFAZER A CURIOSIDADE
ARMAZÉM
IMAGINAR ciberespaço ESTUDAR
Cofre
FRUIÇÃO PESQUISAR
caixa simular
armário
território
MUSEUS HOJE
 A definição de Museus hoje: The International Council of Museums- ICOM
“o museu é uma instituição permanente, sem fins lucrativos, a
serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, aberta ao público, que
adquire, conserva, estuda, expõe e transmite o patrimônio material e
imaterial da humanidade e do seu meio, com fins de estudo, educação
e deleite”(DESVALLÉES; MAIRESSE. 2013, p. 64)
 De acordo com a Lei nº 11.904, de 14 de janeiro de 2009, que instituiu o Estatuto de Museus, “Consideram-se
museus, para os efeitos desta Lei, as instituições sem fins lucrativos que conservam, investigam, comunicam,
interpretam e expõem, para fins de preservação, estudo, pesquisa, educação, contemplação e turismo,
conjuntos e coleções de valor histórico, artístico, científico, técnico ou de qualquer outra natureza cultural,
abertas ao público, a serviço da sociedade e de seu desenvolvimento.”
TIPOS DE MUSEUS
 1. MUSEUS DE ARTE (conjunto: belas artes, artes aplicadas, arqueologia);
 2. MUSEUS DE HISTORIA NATURAL EM GERAL (coleções de botánica, zoología, geología, paleontología,
antropología, etc.);
 3. MUSEUS DE ETNOGRAFIA E FOLCLORE;
 4. MUSEUS HISTÓRICOS;
 5. MUSEUS DE CIÊNCIA E TÉCNICA (oceanografía, medicina, cirurgia, manufaturas, industria, etc.);
 6. MUSEUS DE CIÊNCIAS SOCIAIS E SERVIÇOS SOCIAIS (pedagogía, ensino, educação, política e justiça);
 7. MUSEUS DE COMÉRCIO E DE COMUNICAÇÕES (moeda, sistema bancário, transporte e correios);
 8. MUSEUS DE AGRICULTURA E PRODUTOS DO SOLO;
Museu de
Arte de
Milwaukee
EUA
Museu de Arte Contemporânea de Castilla y
Leon, Espanha
Museu de Arte do RJ
Museu de Arte Contemporânea, Rio de Janeiro
Museu de Nanjing, China
Museu de História Natural
de Viena
Museu Etnográfico
de Portugal
Museu Folclórico
de Penápolis, SP
Museu Histórico Nacional, Rio de Janeiro
Museu de Ciência e Técnica da Escola
de Minas da UFOP
Museu da Escola, Belo
Horizonte
Museu do Comércio de Caxias do Sul,
RS
Museu do Burro, Ladoeiro,
Portugal
Museu de Tratores
Agromen - Orlândia,
SP
MUSEOLOGIA
 propiciar o desenvolvimento dos museus e daqueles que trabalham nesse campo
através da investigação, observação e da difusão das correntes museológicas;
 conjunto de tentativas de teorização ou reflexão crítica sobre o campo museal, ou
ainda como a ética ou a filosofia do museal;
 tem a natureza de uma ciência social, proveniente das disciplinas científicas
documentais e mnemônicas, e ela contribui à compreensão do homem no seio da
sociedade.
MUSEOLOGIA NO BRASIL
 ENSINO INICIADO A PARTIR DA CRIAÇÃO DO MUSEU HISTÓRICO NACIONAL EM 1922;
 CURSO TÉCNICO DE MUSEUS (PRIMEIRO DO TIPO NA AMÉRICA);
 DISCIPLINAS MINISTRADAS PELO ARQUIVO NACIONAL, BIBLIOTECA NACIONAL E O MUSEU HISTÓRICO NACIONAL;
 INCLUIA AS DISCIPLINAS DE: História Política e Administrativa do Brasil, Cronologia e Diplomática (Arquivo Nacional); História Literária,
Bibliografia, Paleografia, Epigrafia, Iconografia e Cartografia (Biblioteca Nacional); Arqueologia e História da Arte, Numismática e
Sigilografia (recém criado Museu Histórico Nacional);
 TORNA-SE CURSO UNIVERSITÁRIO EM 1951 (CONVÊNIO COM A UNIVERSIDADE DO BRASIL – HOJE UFRJ);
 SEGUNDO CURSO INSTITUIDO EM 1969 NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA;
 TERCEIRO CURSO SURGE EM 2004 NO CENTRO UNIVERSITÁRIO BARRRIGA VERDE – SC;
 HOJE: UnB, UFPA, UFBA, UFRRGS, UFSC, UFMG, UNIRIO, UFG, UFPE, UFS, UFRB, UNIBAVE, UFPEL, UFOP
REFERÊNCIAS
BRANDÃO, J. S. Mitologia Grega. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2002.
CARLAN, C. U. O museu e o patrimônio histórico: uma relação complexa. História. São Paulo, v. 27, n. 2, p. 75-88,
2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010190742008000200005&lang=pt>.
Acesso em: 20 maio 2014.
DESVALLES, A.; MAIRESSE, F. Conceitos-chave de Museologia. São Paulo: Comitê Brasileiro do Conselho
Internacional de Museus: Pinacoteca do Estado de São Paulo: Secretaria de Estado da Cultura, 2013.
GÓIS, A. Das musas greco-romanas aos museus. Museus de Salvador. Disponível em:
<http://museusdesalvador.blogspot.com.br/p/das-musas-greco-romanas-aos-museus.html> Acesso em: 17 maio
2014.
CONHECENDO Museus - Episódio 51: Instituto Inhotim. Direção: Amauri Mauro. Disponível em:
<https://www.youtube.com/watch?v=uDhGvq BAPBQ>. Acesso em: 22 maio 2014.
JULIÃO, L. Apontamentos sobre a História do Museu. In: Caderno de Diretrizes Museológicas I. Brasília: MinC/
IPHAN/ DEMU, Belo Horizonte: Secretaria de Estado de Cultura/ Superintendência de Museus, 2006. 2.ed.
Disponível em: <http://www.cultura.mg.gov.br/arquivos/Museus/File/caderno-
diretrizes/cadernodiretrizes_segundaparte.pdf> Acesso em: 16 maio 2014.
REFERÊNCIAS
MUSEU. In: Wikipedia, a encicliopédia livre. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Museu>. Acesso em: 20
maio 2014.
O QUE FAZ UM BIBLIOTECÁRIO? In: Biblioteca Digital. Disponível em:
<http://www.bibliotecavirtual.sp.gov.br/especial/200703-bibliotecario.php>. Acesso em: 19 maio 2014.
PORTAL DO INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS. Disponível em: <www.museus.gov.br>. Acesso em: 12 maio 2014.
RAPOSO, L. Uma viagem aos museus. 31 slides: color. Disponível em:
<http://home.fa.utl.pt/~jaguiar/MIARQ/Luis%20RaposoAula3MIARQ.pdf>. Acesso em: 19 maio 2014.
SOUZA, E. L. L. de. As origens do museu. Revista Museu. Rio de Janeiro, abr 2013. Disponível em:
<http://www.revistamuseu.com.br/artigos/art_.asp? id=36031>. Acesso em: 17 maio 2014.
SUANO, Marlene. O que é museu? São Paulo: Brasiliense, 1990.
TANUS, G. F. de S. C. A trajetória do ensino da Museologia no Brasil. Museologia e Interdisciplinaridade, v. 2, p.
76-88, 2013. Disponível em: <http://seer.bce.unb.br/index.php/museologia >. Acesso em: 16 maio 2014.
OBRIGADO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Módulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura RenascentistaMódulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura RenascentistaCarla Freitas
 
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]glauci coelho
 
Rococó - Artes Decorativas
Rococó - Artes DecorativasRococó - Artes Decorativas
Rococó - Artes Decorativashcaslides
 
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.Hca Faro
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoCarla Freitas
 
Módulo 1 escultura grega regular
Módulo 1   escultura grega regularMódulo 1   escultura grega regular
Módulo 1 escultura grega regularCarla Freitas
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidadeAna Barreiros
 
3 períodos da arte grega.
3 períodos da arte grega.3 períodos da arte grega.
3 períodos da arte grega.Estudantil
 
Cultura da Ágora - Escultura grega
Cultura da Ágora - Escultura gregaCultura da Ágora - Escultura grega
Cultura da Ágora - Escultura gregaCarlos Vieira
 
A cultura do salão neoclássico
A cultura do salão   neoclássicoA cultura do salão   neoclássico
A cultura do salão neoclássicocattonia
 
Historia Da Arquitetura
Historia Da ArquiteturaHistoria Da Arquitetura
Historia Da Arquiteturamelins
 
O mundo helénico no séc. V a. C. - A arte grega
O  mundo helénico no séc. V a. C.  - A arte gregaO  mundo helénico no séc. V a. C.  - A arte grega
O mundo helénico no séc. V a. C. - A arte gregaCarlos Pinheiro
 
História da Arte - Antiguidade Clássica - Gregos
História da Arte - Antiguidade Clássica - GregosHistória da Arte - Antiguidade Clássica - Gregos
História da Arte - Antiguidade Clássica - GregosMaiara Giordani
 
Aula de História da Arte - Arte Atual
Aula de História da Arte - Arte AtualAula de História da Arte - Arte Atual
Aula de História da Arte - Arte AtualGabriel Ferraciolli
 
6o. ano texto- arte na grécia -1-
6o. ano  texto- arte na grécia -1-6o. ano  texto- arte na grécia -1-
6o. ano texto- arte na grécia -1-ArtesElisa
 

Mais procurados (20)

Arte medieval
Arte medievalArte medieval
Arte medieval
 
Módulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura RenascentistaMódulo 5 - Pintura Renascentista
Módulo 5 - Pintura Renascentista
 
A Arte Rococó
A Arte RococóA Arte Rococó
A Arte Rococó
 
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
 
Rococó - Artes Decorativas
Rococó - Artes DecorativasRococó - Artes Decorativas
Rococó - Artes Decorativas
 
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
Caso prático 3 - O vaso Pronomos, 410-400 a.C.
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 
Módulo 1 escultura grega regular
Módulo 1   escultura grega regularMódulo 1   escultura grega regular
Módulo 1 escultura grega regular
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
 
3 períodos da arte grega.
3 períodos da arte grega.3 períodos da arte grega.
3 períodos da arte grega.
 
Pintura romana
Pintura romanaPintura romana
Pintura romana
 
Cultura da Ágora - Escultura grega
Cultura da Ágora - Escultura gregaCultura da Ágora - Escultura grega
Cultura da Ágora - Escultura grega
 
A cultura do salão neoclássico
A cultura do salão   neoclássicoA cultura do salão   neoclássico
A cultura do salão neoclássico
 
Historia Da Arquitetura
Historia Da ArquiteturaHistoria Da Arquitetura
Historia Da Arquitetura
 
A arte grega parte 1
A arte grega parte 1A arte grega parte 1
A arte grega parte 1
 
Arte romana
Arte romanaArte romana
Arte romana
 
O mundo helénico no séc. V a. C. - A arte grega
O  mundo helénico no séc. V a. C.  - A arte gregaO  mundo helénico no séc. V a. C.  - A arte grega
O mundo helénico no séc. V a. C. - A arte grega
 
História da Arte - Antiguidade Clássica - Gregos
História da Arte - Antiguidade Clássica - GregosHistória da Arte - Antiguidade Clássica - Gregos
História da Arte - Antiguidade Clássica - Gregos
 
Aula de História da Arte - Arte Atual
Aula de História da Arte - Arte AtualAula de História da Arte - Arte Atual
Aula de História da Arte - Arte Atual
 
6o. ano texto- arte na grécia -1-
6o. ano  texto- arte na grécia -1-6o. ano  texto- arte na grécia -1-
6o. ano texto- arte na grécia -1-
 

Destaque

Workshop I – A importância dos Museus como Lugares de Aprendizagem
Workshop I – A importância dos Museus como Lugares de AprendizagemWorkshop I – A importância dos Museus como Lugares de Aprendizagem
Workshop I – A importância dos Museus como Lugares de AprendizagemCIDAADS
 
Apresentacao museu museologia
Apresentacao museu museologiaApresentacao museu museologia
Apresentacao museu museologiacarinacrislai
 
Colecionismo - História dos Museus
Colecionismo - História  dos MuseusColecionismo - História  dos Museus
Colecionismo - História dos MuseusTeresa Bock
 
A Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de Arte
A Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de ArteA Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de Arte
A Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de ArteDavid Cardoso
 
Museus e museologia II - O conceito de Museologia
Museus e museologia II - O conceito de Museologia Museus e museologia II - O conceito de Museologia
Museus e museologia II - O conceito de Museologia Teresa Cristina Bock
 

Destaque (11)

Workshop I – A importância dos Museus como Lugares de Aprendizagem
Workshop I – A importância dos Museus como Lugares de AprendizagemWorkshop I – A importância dos Museus como Lugares de Aprendizagem
Workshop I – A importância dos Museus como Lugares de Aprendizagem
 
Apresentacao museu museologia
Apresentacao museu museologiaApresentacao museu museologia
Apresentacao museu museologia
 
Para que servem os museus
Para que servem os museusPara que servem os museus
Para que servem os museus
 
Museu e museologia bci 11
Museu e museologia bci 11Museu e museologia bci 11
Museu e museologia bci 11
 
Museus e centros de ciencias
Museus e centros de cienciasMuseus e centros de ciencias
Museus e centros de ciencias
 
Colecionismo - História dos Museus
Colecionismo - História  dos MuseusColecionismo - História  dos Museus
Colecionismo - História dos Museus
 
A Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de Arte
A Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de ArteA Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de Arte
A Arquitetura dos Museus Conteporâneos como Agentes do Sistema de Arte
 
Museu
MuseuMuseu
Museu
 
Patrimônio histórico
Patrimônio histórico Patrimônio histórico
Patrimônio histórico
 
Museus e museologia II - O conceito de Museologia
Museus e museologia II - O conceito de Museologia Museus e museologia II - O conceito de Museologia
Museus e museologia II - O conceito de Museologia
 
Tipologia de museus
Tipologia de museusTipologia de museus
Tipologia de museus
 

Semelhante a Apresentacao museu museologia

Museologia - Marcos Referenciais
Museologia - Marcos ReferenciaisMuseologia - Marcos Referenciais
Museologia - Marcos ReferenciaisBruna Carolina
 
Daiane
DaianeDaiane
DaianeDAIANE
 
A RelevâNcia Do Museu Nos Dias Atuais
A RelevâNcia Do Museu Nos Dias AtuaisA RelevâNcia Do Museu Nos Dias Atuais
A RelevâNcia Do Museu Nos Dias AtuaisDAIANE
 
A RelevâNcia Do Museu Nos Dias Atuais
A RelevâNcia Do Museu Nos Dias AtuaisA RelevâNcia Do Museu Nos Dias Atuais
A RelevâNcia Do Museu Nos Dias AtuaisDAIANE
 
Fonte de informações em Museus
Fonte de informações em MuseusFonte de informações em Museus
Fonte de informações em MuseusIngridy Dias
 
Guia did+ítico museu nacional ufrj
Guia did+ítico museu nacional ufrjGuia did+ítico museu nacional ufrj
Guia did+ítico museu nacional ufrjGuiaDidatico
 
Apostila plano museológico
Apostila plano museológicoApostila plano museológico
Apostila plano museológicolpcufpe
 
História da Arte (Ana Cecília Soares) (Z-Library).pdf
História da Arte (Ana Cecília Soares) (Z-Library).pdfHistória da Arte (Ana Cecília Soares) (Z-Library).pdf
História da Arte (Ana Cecília Soares) (Z-Library).pdfliliruizm
 
Slide africa brasil 2
Slide africa brasil 2Slide africa brasil 2
Slide africa brasil 2machadogui
 
Exposição: "O desenvolvimento da informação e os desafios da Biblioteca"
Exposição: "O desenvolvimento da informação e os desafios da Biblioteca"Exposição: "O desenvolvimento da informação e os desafios da Biblioteca"
Exposição: "O desenvolvimento da informação e os desafios da Biblioteca"Adriana Barreiros
 
Conhecer para preservar
Conhecer para preservar Conhecer para preservar
Conhecer para preservar bigmu
 

Semelhante a Apresentacao museu museologia (20)

Museologia - Marcos Referenciais
Museologia - Marcos ReferenciaisMuseologia - Marcos Referenciais
Museologia - Marcos Referenciais
 
Museologia
MuseologiaMuseologia
Museologia
 
Inf historia 6
Inf historia 6Inf historia 6
Inf historia 6
 
Daiane
DaianeDaiane
Daiane
 
Imersão na prática ed. patrimonial
Imersão na prática   ed. patrimonialImersão na prática   ed. patrimonial
Imersão na prática ed. patrimonial
 
A RelevâNcia Do Museu Nos Dias Atuais
A RelevâNcia Do Museu Nos Dias AtuaisA RelevâNcia Do Museu Nos Dias Atuais
A RelevâNcia Do Museu Nos Dias Atuais
 
A RelevâNcia Do Museu Nos Dias Atuais
A RelevâNcia Do Museu Nos Dias AtuaisA RelevâNcia Do Museu Nos Dias Atuais
A RelevâNcia Do Museu Nos Dias Atuais
 
Fonte de informações em Museus
Fonte de informações em MuseusFonte de informações em Museus
Fonte de informações em Museus
 
Museu...Programa de Criança?
Museu...Programa de Criança?Museu...Programa de Criança?
Museu...Programa de Criança?
 
Guia did+ítico museu nacional ufrj
Guia did+ítico museu nacional ufrjGuia did+ítico museu nacional ufrj
Guia did+ítico museu nacional ufrj
 
Apostila plano museológico
Apostila plano museológicoApostila plano museológico
Apostila plano museológico
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
 
História da Arte (Ana Cecília Soares) (Z-Library).pdf
História da Arte (Ana Cecília Soares) (Z-Library).pdfHistória da Arte (Ana Cecília Soares) (Z-Library).pdf
História da Arte (Ana Cecília Soares) (Z-Library).pdf
 
Livro Museus de Maceió.pdf
Livro Museus de Maceió.pdfLivro Museus de Maceió.pdf
Livro Museus de Maceió.pdf
 
Slide africa brasil 2
Slide africa brasil 2Slide africa brasil 2
Slide africa brasil 2
 
Visita ao museu
Visita ao museu Visita ao museu
Visita ao museu
 
Exposição: "O desenvolvimento da informação e os desafios da Biblioteca"
Exposição: "O desenvolvimento da informação e os desafios da Biblioteca"Exposição: "O desenvolvimento da informação e os desafios da Biblioteca"
Exposição: "O desenvolvimento da informação e os desafios da Biblioteca"
 
291 922-1-pb
291 922-1-pb291 922-1-pb
291 922-1-pb
 
Conhecer para preservar
Conhecer para preservar Conhecer para preservar
Conhecer para preservar
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalErikOliveira40
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 

Último (20)

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 

Apresentacao museu museologia

  • 1. CARINA CRISLAI TEIXEIRA DE MATOS DANILO TONIOLI D’ ALMEIDA LAÍS GIOVANNA PASCHOAL TACIANA FERREIRA CARAPEBA PANINI WESLEY DENILSON ALGARVE FUNDAMENTOS EM BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO PROF.ª LUCIANA GRACIOSO SÃO CARLOS 23/05/2014
  • 2. ORIGENS DOS MUSEUS  GRÉCIA ANTIGA (ANTIGUIDADE CLÁSSICA): MOUSEION (TEMPLO DAS 9 MUSAS);  FILHAS DE ZEUS E MNEMOSINE (DIVINDADE DA MEMÓRIA);  LOCAIS RESERVADOS À CONTEMPLAÇÃO E AOS ESTUDOS CIENTÍFICOS, LITERÁRIOS E ARTÍSTICOS;  AS NOVE MUSAS ERAM: 1. Calíope (bela voz), a primeira entre as irmãs, era a musa da eloquência; 2. Clio (a que confere fama) era a musa da História; 3. Érato (a que dá júbilo) era a musa da poesia lírica; 4. Tália (a festiva) era a musa da comédia; 5. Melpômene (a cantora) era a musa da tragédia; 6. Terpsícore (a que adora dançar) era a musa da dança; 7. Euterpe (a que desperta desejo) era a musa do verso erótico; 8. Polímnia (a de muitos hinos) era a musa dos hinos sagrados e da narração de histórias; 9. Urânia (celeste) era a musa da astronomia.
  • 3.
  • 4. HISTÓRIA  IDADE MÉDIA: TERMO POUCO UTILIZADO;  IDADE MODERNA: COLECIONISMO, GABINETE DE CURIOSIDADES E COLEÇÕES CIENTÍFICAS;  COLEÇÕES PRINCIPESCAS: objetos e obras de arte da antiguidade; tesouros e curiosidades advindas das Américas e da Ásia e produção de artistas da época.  GABINETES DE CURIOSIDADES E COLEÇÕES CIENTÍFICAS: buscavam simular a natureza em gabinetes, reuniam grande quantidade de espécies variadas, objetos e seres exóticos vindos de terras distantes, em arranjos quase sempre caóticos  não estavam abertas ao público e destinavam-se à fruição exclusiva de seus proprietários e de pessoas que lhes eram próximas.  IDADE CONTEMPORÂNEA (acepção moderna de museu): GRANDES MUSEUS NACIONAIS E MUSEUS ENCICLOPÉDICOS  GRANDES MUSEUS NACIONAIS: afirmação de identidades nacionais; preservar a totalidade e diversidade de um patrimônio;  MUSEUS ENCICLOPÉDICOS: pesquisa em ciências naturais, etnografia, arqueologia e paleontologia.  Métodos para inventariar e gerir.
  • 5.
  • 6. GABINETE PRESERVAR CÂMARA CONHECER PALÁCIO TEMPLO FÓRUM OLHAR MUSEUS: SATISFAZER A CURIOSIDADE ARMAZÉM IMAGINAR ciberespaço ESTUDAR Cofre FRUIÇÃO PESQUISAR caixa simular armário território
  • 7. MUSEUS HOJE  A definição de Museus hoje: The International Council of Museums- ICOM “o museu é uma instituição permanente, sem fins lucrativos, a serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, aberta ao público, que adquire, conserva, estuda, expõe e transmite o patrimônio material e imaterial da humanidade e do seu meio, com fins de estudo, educação e deleite”(DESVALLÉES; MAIRESSE. 2013, p. 64)  De acordo com a Lei nº 11.904, de 14 de janeiro de 2009, que instituiu o Estatuto de Museus, “Consideram-se museus, para os efeitos desta Lei, as instituições sem fins lucrativos que conservam, investigam, comunicam, interpretam e expõem, para fins de preservação, estudo, pesquisa, educação, contemplação e turismo, conjuntos e coleções de valor histórico, artístico, científico, técnico ou de qualquer outra natureza cultural, abertas ao público, a serviço da sociedade e de seu desenvolvimento.”
  • 8. TIPOS DE MUSEUS  1. MUSEUS DE ARTE (conjunto: belas artes, artes aplicadas, arqueologia);  2. MUSEUS DE HISTORIA NATURAL EM GERAL (coleções de botánica, zoología, geología, paleontología, antropología, etc.);  3. MUSEUS DE ETNOGRAFIA E FOLCLORE;  4. MUSEUS HISTÓRICOS;  5. MUSEUS DE CIÊNCIA E TÉCNICA (oceanografía, medicina, cirurgia, manufaturas, industria, etc.);  6. MUSEUS DE CIÊNCIAS SOCIAIS E SERVIÇOS SOCIAIS (pedagogía, ensino, educação, política e justiça);  7. MUSEUS DE COMÉRCIO E DE COMUNICAÇÕES (moeda, sistema bancário, transporte e correios);  8. MUSEUS DE AGRICULTURA E PRODUTOS DO SOLO;
  • 9. Museu de Arte de Milwaukee EUA Museu de Arte Contemporânea de Castilla y Leon, Espanha Museu de Arte do RJ Museu de Arte Contemporânea, Rio de Janeiro Museu de Nanjing, China
  • 10. Museu de História Natural de Viena
  • 11. Museu Etnográfico de Portugal Museu Folclórico de Penápolis, SP
  • 12. Museu Histórico Nacional, Rio de Janeiro
  • 13. Museu de Ciência e Técnica da Escola de Minas da UFOP
  • 14. Museu da Escola, Belo Horizonte
  • 15. Museu do Comércio de Caxias do Sul, RS
  • 16. Museu do Burro, Ladoeiro, Portugal Museu de Tratores Agromen - Orlândia, SP
  • 17. MUSEOLOGIA  propiciar o desenvolvimento dos museus e daqueles que trabalham nesse campo através da investigação, observação e da difusão das correntes museológicas;  conjunto de tentativas de teorização ou reflexão crítica sobre o campo museal, ou ainda como a ética ou a filosofia do museal;  tem a natureza de uma ciência social, proveniente das disciplinas científicas documentais e mnemônicas, e ela contribui à compreensão do homem no seio da sociedade.
  • 18. MUSEOLOGIA NO BRASIL  ENSINO INICIADO A PARTIR DA CRIAÇÃO DO MUSEU HISTÓRICO NACIONAL EM 1922;  CURSO TÉCNICO DE MUSEUS (PRIMEIRO DO TIPO NA AMÉRICA);  DISCIPLINAS MINISTRADAS PELO ARQUIVO NACIONAL, BIBLIOTECA NACIONAL E O MUSEU HISTÓRICO NACIONAL;  INCLUIA AS DISCIPLINAS DE: História Política e Administrativa do Brasil, Cronologia e Diplomática (Arquivo Nacional); História Literária, Bibliografia, Paleografia, Epigrafia, Iconografia e Cartografia (Biblioteca Nacional); Arqueologia e História da Arte, Numismática e Sigilografia (recém criado Museu Histórico Nacional);  TORNA-SE CURSO UNIVERSITÁRIO EM 1951 (CONVÊNIO COM A UNIVERSIDADE DO BRASIL – HOJE UFRJ);  SEGUNDO CURSO INSTITUIDO EM 1969 NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA;  TERCEIRO CURSO SURGE EM 2004 NO CENTRO UNIVERSITÁRIO BARRRIGA VERDE – SC;  HOJE: UnB, UFPA, UFBA, UFRRGS, UFSC, UFMG, UNIRIO, UFG, UFPE, UFS, UFRB, UNIBAVE, UFPEL, UFOP
  • 19. REFERÊNCIAS BRANDÃO, J. S. Mitologia Grega. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2002. CARLAN, C. U. O museu e o patrimônio histórico: uma relação complexa. História. São Paulo, v. 27, n. 2, p. 75-88, 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010190742008000200005&lang=pt>. Acesso em: 20 maio 2014. DESVALLES, A.; MAIRESSE, F. Conceitos-chave de Museologia. São Paulo: Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Museus: Pinacoteca do Estado de São Paulo: Secretaria de Estado da Cultura, 2013. GÓIS, A. Das musas greco-romanas aos museus. Museus de Salvador. Disponível em: <http://museusdesalvador.blogspot.com.br/p/das-musas-greco-romanas-aos-museus.html> Acesso em: 17 maio 2014. CONHECENDO Museus - Episódio 51: Instituto Inhotim. Direção: Amauri Mauro. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=uDhGvq BAPBQ>. Acesso em: 22 maio 2014. JULIÃO, L. Apontamentos sobre a História do Museu. In: Caderno de Diretrizes Museológicas I. Brasília: MinC/ IPHAN/ DEMU, Belo Horizonte: Secretaria de Estado de Cultura/ Superintendência de Museus, 2006. 2.ed. Disponível em: <http://www.cultura.mg.gov.br/arquivos/Museus/File/caderno- diretrizes/cadernodiretrizes_segundaparte.pdf> Acesso em: 16 maio 2014.
  • 20. REFERÊNCIAS MUSEU. In: Wikipedia, a encicliopédia livre. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Museu>. Acesso em: 20 maio 2014. O QUE FAZ UM BIBLIOTECÁRIO? In: Biblioteca Digital. Disponível em: <http://www.bibliotecavirtual.sp.gov.br/especial/200703-bibliotecario.php>. Acesso em: 19 maio 2014. PORTAL DO INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS. Disponível em: <www.museus.gov.br>. Acesso em: 12 maio 2014. RAPOSO, L. Uma viagem aos museus. 31 slides: color. Disponível em: <http://home.fa.utl.pt/~jaguiar/MIARQ/Luis%20RaposoAula3MIARQ.pdf>. Acesso em: 19 maio 2014. SOUZA, E. L. L. de. As origens do museu. Revista Museu. Rio de Janeiro, abr 2013. Disponível em: <http://www.revistamuseu.com.br/artigos/art_.asp? id=36031>. Acesso em: 17 maio 2014. SUANO, Marlene. O que é museu? São Paulo: Brasiliense, 1990. TANUS, G. F. de S. C. A trajetória do ensino da Museologia no Brasil. Museologia e Interdisciplinaridade, v. 2, p. 76-88, 2013. Disponível em: <http://seer.bce.unb.br/index.php/museologia >. Acesso em: 16 maio 2014.