Indicações de leitura

266 visualizações

Publicada em

Projeto de Pesquisa - Indicação de leitura
UERN

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
266
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
55
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Indicações de leitura

  1. 1. GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE. Secretaria de Educação, da Cultura e dos Desportos – SECD. UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE-UERN. CAMPUS CAICÓ - CAC. CURSO DE FILOSOFIA Rua André Sales, n. 667, Bairro Paulo VI, CEP 59300-000, Caicó-RN. PROJETO DE PESQUISA INSTITUCIONAL: “FILOSOFIA NA INFÂNCIA: PERSPECTIVAS PARA O DEBATE” TEXTO INDICADO PARA FUNDAMENTAÇÃO INICIAL (Também pode acessado em www.filosofianainfância.blogspot.com, no link “Indicações de leitura”)Disponível em: http://www.cbfc.org.br/stc_filosofiacrianca.aspAcesso em 15/04/2009 1 O QUE É FILOSOFIA À primeira vista, entendemos a filosofia como algo enigmático, profundamente abstrato e distante da realidade. Essa visão da filosofia decorre dos complexos trabalhos de pensadores que, ao longo da história, refletiram e buscaram diferentes respostas sobre questões que continuamente fazemos ao longo de nossa existência. Indagações sobre o conhecimento, sobre os valores, sobre a natureza, sobre a beleza, sobre o homem. Essas inquietações decorrem da necessidade que todo ser humano tem de compreender o significado do mundo e de si mesmo. Na busca dessa compreensão criamos novos significados, questionando e tecendo uma teia de relações cada vez mais abrangentes que nos indiquem respostas, mesmo que provisórias. Desta forma, o primeiro passo para a filosofia é a inquietação que conduz ao questionamento. O objeto da filosofia é a reflexão, o movimento do pensamento que nos permite recuar, nos distanciarmos dos fatos aparentemente banais para buscarmos seus fundamentos. Se é verdade que continuamente refletimos, nem sempre refletimos com radicalidade, ultrapassando as fronteiras da superficialidade para buscarmos as raízes de nossa forma de pensar e agir no mundo. A reflexão radical requer um caminho que nos garanta esse aprofundamento, ela deve ser organizada, ciente dos princípios e dos objetivos que almeja. Radicalidade, sistematização e abrangência são as marcas da Filosofia que nasce da experiência humana, da tentativa do ser humano de compreender a si mesmo e tudo que o cerca, valendo-se da autonomia da razão para criar e recriar conscientemente o mundo em que vivemos. A complexidade da filosofia está na enigmática e surpreendente aventura de idéias que nos identifica e nos diferencia de outros seres. Portanto, a filosofia está presente na ciência, na arte, no mito, na religião, no cotidiano. Embora possamos afirmar que a filosofia esteja presente nas diversas manifestações do humano, ela não se confunde com nenhuma dessas formas de conhecimentos específicos, mas as fundamenta. Essa busca de fundamentos faz da história da filosofia uma história sem fim, porque diz
  2. 2. respeito a todos em todas as épocas. Por isso, nunca é cedo ou tarde demaispara iniciarmos essa aventura do filosofar.2 O QUE É FILOSOFIA PARA CRIANÇAS O contexto do mundo atual impõe um grande desafio aoseducadores: a formação de pessoas com as habilidades necessárias paratransformar informação em conhecimento e conhecimento em açõesconsequentes. A velocidade com que são produzidas e repassadas asinformações exigem uma forma mais elaborada de apreensão, possibilitando,assim, relacioná-las e delas extrair tudo aquilo que está implícito. Além disso,os indivíduos desta sociedade em rápida transformação terão êxito e serãoatuantes na medida em que conseguirem interagir autonomamente com omeio em que vivem. Neste sentido, uma vez mais, a Educação tem papel de destaque naformação deste novo indivíduo. A simples transmissão de informaçõesproduzidas ao longo da história já não basta. Cabe à Educação, agora, dar osinstrumentos necessários para que, a partir do que já foi construído, aspessoas possam elaborar novos conhecimentos, desenvolver seu potencialcriativo, enfrentar novos desafios, relacionar as informações e tirar suaspróprias conclusões. Diante desse panorama, o Centro Brasileiro de Filosofia paraCrianças salienta a necessidade de se aprender a pensar melhor e a pensar porsi mesmo. Quando a Filosofia é ensinada através do diálogo investigativo,como é proposto no Programa de Filosofia para Crianças e, especialmente,quando os estudantes ainda são crianças, a tendência é que eles saiam de seuscursos mais críticos, mais criativos e mais sensíveis ao contexto em quevivem. A experiência tem nos mostrado que crianças e adolescentes queestão expostos à esse Programa desenvolvem: maior autonomia depensamento, uma percepção ética mais aguçada, autocorreção, respeito porpensamentos diferentes do seu, respeito à opinião de outras pessoas,capacidade de dar boas razões para seus argumentos, entre outras habilidades.2.1 Principais objetivos O Programa Filosofia para Crianças - Educação para o Pensar é umprograma educacional que visa três objetivos intercomplementares:  iniciação filosófica de crianças e jovens;  educação para o pensar;  preparação para uma cidadania responsável.2.1.1 Iniciação Filosófica: Crianças, jovens e adultos colocam, para si próprios, questões quedemandam não só um esforço explicativo a respeito de aspectos relevantes darealidade, mas, também, um esforço de constituição de sentidos destarealidade e de si mesmos nela.Os sentidos, constituídos historicamente pelosseres humanos, alimentam suas vidas e os vão constituindo como
  3. 3. pessoas.Essas referências significativas são uma necessidade: as pessoaspodem participar do esforço da sua constituição ou podem receber prontos ossentidos produzidos por alguns poucos que acabam se tornando os donos dasreferências!... Filosofia para Crianças pretende iniciar crianças e jovens na luta pelaconstituição autônoma e co-participada dos sentidos. O objetivo é auxiliá-losa se tornarem cidadãos que sejam capazes de oferecer contribuição pessoalenriquecedora na construção continuada das necessárias referênciasorientadoras das vidas humanas. Pensar, reflexiva e criticamente sobre as questões que dizem respeitoà constituição dos sentidos, é estar iniciando-se no próprio processo dofilosofar, antes mesmo de ter acesso à produção daqueles que sãoreconhecidos, pela qualidade de suas reflexões, como os grandes filósofos.2.1.2 Educação para o Pensar: O pensar é recurso humano imprescindível, tanto para a produção deexplicações, quanto para a constituição dos sentidos. Exercitá-lo, noenfrentamento das questões envolvidas na busca da construção designificados, pode resultar no seu próprio aprimoramento.E talaprimoramento ocorrerá se o exercício do pensar merecer atenção e cuidadosespeciais por parte dos educadores e dos próprios educandos. O Programa Filosofia para Crianças - Educação para o Pensaroferece indicações para tanto, fundamentação teórica consistente,metodologia adequada e materiais de apoio para uso dos educandos e doseducadores. O aspecto central da metodologia do Programa é a realização dodiálogo investigativo que transforma os grupos de educandos em pequenascomunidades de investigação. Nelas, os participantes expõem suas idéias,escutam-se uns aos outros, questionam-se mutuamente, comparam seuspontos de vista, complementando-os e eventualmente, corrigindo-os. Trata-sede um verdadeiro processo de cooperação intelectual, afetiva e criativa. As interações sócio-linguísticas que aí ocorrem, devidamenteobservadas, cuidadas e orientadas por educadores preparados, são promotorasdo desenvolvimento das condições cognitivas: um verdadeiro processo deEducação para o Pensar.2.1.3 Preparação para uma cidadania responsável: A participação produtiva numa pequena comunidade de investigaçãoexige comportamentos e atitudes de cooperação, respeito mútuo, interesse porobjetivos comuns, avaliação crítica, que são, dentre outros, elementosimportantes para o exercício democrático na sociedade. A ocupação dosespaços da cidadaniarequer das pessoas tais comportamentos e atitudes quepodem decorrer ou ser reforçados quando se aprende desde cedo:  a respeitar os pontos de vista dos outros;  que o próprio ponto de vista tem o mesmo valor e peso do dos outros;  a respeitar a vez dos outros e a exigir respeito pela própria vez;  a respeitar regras combinadas;
  4. 4.  que as regras podem ser discutidas e modificadas, mas que são necessárias para a vida em comum;  que todos somos iguais;  que todos somos igualmente dignos de respeito. Tais aprendizados são elementos éticos necessários às relaçõessociais e o domínio dos mesmos, só é possível, no seu exercício práticoacompanhado da atenção intelectual que o examina cuidadosamente.Tudo oque é feito é pensado e repensado crítica e criativamente possibilitando pesar(ponderar) justificativas, motivos e possíveis conseqüências. Quando sepondera, res-ponde-se: torna-se responsável.Realizar este exercício, naspequenas comunidades de investigação com crianças e jovens, pode ensejar asua continuação na vida adulta.3 UM POUCO DA HISTÓRIA DO PROGRAMA FILOSOFIA PARACRIANÇAS No final da década de 60, o Professor norte-americano Dr. MatthewLipman, preocupado com o desempenho insuficiente de seus alunos,concebeu o Programa Filosofia para Crianças, visando cultivar odesenvolvimento das habilidades cognitivas mediante discussões de temasfilosóficos e visando, com tais discussões, a iniciação filosófica de crianças ejovens. Há 34 anos, lançava, assim, as bases do Programa de Filosofia paraCrianças, inaugurando um novo paradigma educacional que tem por meta odesenvolvimento do pensamento crítico, criativo e cuidadoso. Em 1974, auxiliado pela Dra. Ann Margareth Sharp, fundou oInstitute for the Advancementof Philosophy for Children (IAPC), instituiçãovinculada à Universidade Estadual de Mont Clair, New Jersey – EUA, com oobjetivo de estruturar melhor o currículo de Filosofia para Crianças, preparareducadores para o trabalho em sala de aula, realizar pesquisas acadêmicassobre o Programa e oferecer suporte e preparação para os Centros deFilosofia em outros países. Já na década de 70, o Programa Filosofia para Crianças demonstrouser uma abordagem promissora para o aprimoramento das habilidadescognitivas e, a partir de 1976, espalhou-se pelo mundo, sendo traduzido etrabalhado em vários países. Atualmente, mais de 50 países trabalham com esta proposta. Entreeles: Argentina, Armênia, Austrália, Áustria, Bélgica, Brasil, Bulgária, Chile,Costa Rica, Finlândia, Hungria, Islândia, Israel, Itália, Quênia, Lituânia,Malta, México, Holanda, Canadá, Nova Zelândia, Nigéria, Filipinas, Polônia,Portugal, China, Romênia, Rússia, Singapura, África do Sul, Coréia do Sul,Espanha, Suécia, Turquia, Inglaterra, Uruguai. Lipman acredita ser a filosofia a disciplina, por excelência, capaz defavorecer o desenvolvimento da capacidade das crianças de fazer juízoslogicamente corretos, estimular atitudes éticas e o pensamentoreflexivo.Assim como os filósofos, as crianças se perguntam sobre osfundamentos dos valores e dos conhecimentos humanos. Propiciar o processode investigação filosófica de forma sistemática com crianças é fornecer asferramentas e um método eficiente para aperfeiçoar o pensamento, pois é nafilosofia que se edificam as questões sobre o significado da realidade e sobre
  5. 5. o próprio processo do pensar. Em 1998, a UNESCO ofereceu ajuda para disseminação deFilosofia para Crianças através de sua rede mundial.No Brasil, o ProgramaFilosofia para Crianças foi trazido pelas mãos da Professora CatherineYoung Silva, que fundou o Centro Brasileiro de Filosofia para Crianças(CBFC), em janeiro de 1985.3.1 Metodologia Neste paradigma educacional não cabe à escola ensinar o produtodas investigações, mas ensinar o procedimento investigativo. A meta édesenvolver as habilidades cognitivas dentro de um contexto significativo enão de forma fragmentada e automatizada. O diálogo cumpre um papel fundamental neste contexto. É o diálogoque, por um lado, motiva o exercício de um pensar criterioso, criativo,autocorretivo, sensível ao contexto e, por outro, ensina o exercício decidadania enquanto respeito ao outro, às opiniões divergentes, à diversidadecultural. Ao colocar os temas filosóficos presentes em textos narrativos(novelas filosóficas), Matthew Lipman não quer apenas aproximar asdiscussões filosóficas do cotidiano de crianças e jovens, mas pretendeaproximar o processo educacional do filosofar, o que implica em buscarmeios para transformar as salas de aula em pequenas comunidades deinvestigação. O conceito de comunidade de investigação de MatthewLipman envolve a necessidade de um espaço educacional onde os envolvidosse sintam membros de uma comunidade, onde possam apossar-se de idéiasconjuntamente, construir sobre as idéias dos outros, pensar com autonomiaexplorando suas pressuposições e possam trazer para suas vidas a percepçãodo que é descobrir, inventar, analisar e criticar coletivamente.3.2 Novelas filosóficas Preocupado em tornar o conteúdo filosófico compreensível esignificativo para crianças, Lipman escreveu uma série de "novelasfilosóficas", histórias cujos personagens estão procurando entender e resolveros problemas que cercam o cotidiano.Tais personagens não são os grandespensadores colocados num passado remoto, mas crianças e jovens intrigadoscom as questões essenciais presentes em toda a história do pensamento. Oque é verdade? O que é beleza? Como conhecemos? O que é justo? As questões clássicas da filosofia ganham sentido na narrativa,tornando o filosofar um exercício lúdico e fascinante de descoberta domundo, dos conceitos e do próprio processo do pensar.As novelas filosóficaspercorrem diferentes temas relacionados às áreas da investigação filosófica deforma adequada às crianças.4 CIDADANIA E FILOSOFIA PARA CRIANÇAS São inúmeros os sentidos atribuídos à palavra cidadania. Oenvolvimento e comprometimento com ações coletivas fundadas naconstrução da identidade e na ampliação dos direitos básicos é um desafio a
  6. 6. ser alcançado. O acesso às manifestações da arte e da cultura, o acesso àsinovações tecnológicas, programas de profissionalização de crianças eadolescentes, programas de saneamento e saúde preventiva têm alcançadoresultados bastante significativos. No entanto, é preciso considerar que as ações se fundamentam numexercício de reflexão capaz de estabelecer relações entre o indivíduo e omundo alicerçadas em raízes profundas dispersas na multiplicidade deinformações. O contato com essas raízes se faz pela filosofia e pelo pensarconsciente das relações que estabelece. É a trama do tecido que se escondeatrás de estampas que permitirá a construção de novas teias do pensar e doagir. A construção de uma cidadania responsável através da iniciaçãofilosófica de crianças e jovens e da proposta de uma educação para o pensar éum tema que contém os princípios norteadores do Programa de Filosofiapara Crianças - Educação para o Pensar. O Programa de Filosofia para Crianças propõe o envolvimento dealunos, de forma reflexiva, com temas comprovadamente formativos dosubstrato humanístico necessários a todas as pessoas, particularmenteenquanto cidadãs. Tais temas dizem respeito aos valores (especialmente osmorais), à convivência social racional, à importância do bem pensar e dopensar autônomo. O Projeto de Filosofia para Crianças é uma das ações que tornaviável a concretização de uma proposta educacional voltada para a cidadaniaresponsável. Numa postura filosófica, o conceito de cidadania não se limita àreivindicação de direitos e cumprimento de deveres, mas entende-se ocidadão como aquele que tem pensamento crítico, criterioso, ético eestético.Neste sentido, a implantação do Programa de Filosofia para Criançascontempla o conceito de cidadania em uma perspectiva mais ampla, uma vezque:  Permite a aproximação de crianças e jovens do pensamento reflexivo, global e sistemático, próprios do filosofar, o que possibilita seu reconhecimento no mundo de valores e conhecimentos da humanidade, a análise crítica dos mesmos e a busca de formas alternativas para propor problemas e soluções. Em suma, a reflexão transforma-se em ação concreta na construção efetiva da cidadania.  A metodologia específica do Programa de Filosofia para Crianças, fundamentada na investigação dialógica, e o uso de um material estruturado permitem o uso de estratégias de intervenção educativa intencionais visando o desenvolvimento das habilidades cognitivas, que são instrumentos necessários do bem pensar. Tais habilidades, quando desenvolvidas, não apenas se transferem ao desempenho escolar nas diversas áreas curriculares, mas contribuem na formação de cidadãos capazes de equacionar problemas e encontrar soluções criativas e éticas, nos diferentes contextos em que vivem.  O Programa de Filosofia para Crianças tem se configurado como um dos alicerces para uma proposta educacional que atenda aos anseios de uma sociedade multiculturalista e com transformações econômicas
  7. 7. e sociais dinâmicas. Um dos grandes desafios pedagógicos atuais é a conquista da autonomia intelectual, tanto pessoal quanto coletiva, de educadores e educandos. A melhoria da qualidade de ensino indica a necessidade de formação global, não só de educandos, mas também dos educadores. Neste sentido, o exercício do filosofar dá a oportunidade de Educadores e Educandos, juntos, numa Comunidade de Investigação, pensarem autonomamente em suas vidas e práticas, ampliando o universo cultural através do diálogo investigativo. O respeito à diversidade cultural e intelectual no esforço de construção conjunta do conhecimento impõe uma nova concepção do educar e provoca mudanças no próprio ambiente socialDesta forma, a implantação do Programa de Filosofia para Crianças,contempla aqui três dimensões da cidadania:  A cidadania enquanto busca sistematizada dos significados e referências da comunidade, através do processo do filosofar.  A cidadania enquanto esforço educativo que desenvolva um pensar crítico, criativo e sensível ao contexto, através do desenvolvimento das condições cognitivas.  A cidadania enquanto construção de um paradigma de conhecimento alicerçado no diálogo e na investigação, através da formação de uma Comunidade de Investigação que envolva educadores e educandos.

×