Estudos CACD Missão Diplomática - Geografia Aula 03 - Geografia Econômica

1.133 visualizações

Publicada em

Estudos para o CACD
Missão Diplomática

Geografia
Geografia Econômica

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.133
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
549
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
50
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estudos CACD Missão Diplomática - Geografia Aula 03 - Geografia Econômica

  1. 1. Geografia Aula 03: Geografia Econômica
  2. 2. Aula 03 – Geografia Econômica 1. Globalização e Divisão Internacional do Trabalho (DIT) 2. Blocos Econômicos 3. Reordenamento Territorial – importância da Logística e TI 4. Disparidades regionais no Brasil
  3. 3. Aula 03 – Geografia Econômica 1.1 Globalização – fluxos financeiros . Marcos da Globalização - Mercado financeiro global (intensa desregulamentação a partir déc. 1980) - Afiliadas de transnacionais - Criação da OMC (1993) . Economia global continua consistida de comércio, agronegócios, indústria e recursos naturais . A partir de 1980 Finanças e Serviços passaram a ser os principais componentes das transações internacionais - dados de 2004: . circulação global de mercadorias US$ 11 trilhões . PIB mundial US$ 52 trilhões . Fluxos financeiros globais US$ 262 trilhões
  4. 4. Aula 03 – Geografia Econômica 1.2 Globalização – Desafios . Protecionismos - interesses geopolíticos - estratégias de desenvolvimento - questões sociais e de política interna . Fracasso da rodada de Doha (fórum de liberalização comercial da OMC) - impasses quanto à liberalização dos mercados internos - defesa dos interesses nacionais pelos Estados . Taxa de câmbio desvalorizada como modelo de desenvolvimento (ex. China) . Regulação e restrição da circulação global de trabalhadores
  5. 5. Aula 03 – Geografia Econômica 1.3 Divisão Internacional do Trabalho (DIT) . Regulação e restrição da circulação global de trabalhadores . Mão de obra é um recurso global . Empresas se instalam em diferentes países p/ utilizar trabalhadores em termos de: - especialização - custos ou controle social . Recrutamento Seletivo internacional, envolve profissionais altamente especializados . Maior importância para os mercados financeiros e menor importância para fábricas - produção industrial não é mais o coração da economia global - mudança do conceito sobre países industrializados e países não industrializados
  6. 6. Aula 03 – Geografia Econômica 2.1 Formação dos blocos econômicos – vantagens e desvantagens . Blocos econômicos não representam novidade na história (ex. Zollverein na Alemanha em 1834) . Aceleração da formação de blocos a partir da 2ª Guerra - Comunidade Européia de Carvão e Aço (CECA - 1951) – embrião da UE - Conselho p/ Assistência Econômica Mútua (COMECOM – 1949) papel de liderança econômica e política de Moscou em sua área de influência . Vantagens dos blocos econômicos: 1) Estabilidade das instituições 2) Maior escala de produção 3) Redução de custos de transação 4) Eficiência produtiva (aproveitamento do potencial regional) 5) Maior poder de negociação nos Fóruns Internacionais 6) Redução nas desigualdades regionais . Desvantagens dos blocos econômicos 1) Redução do grau de liberdade para condução de políticas externas 2) Possibilidade de crises sociais devido à assimetrias das economias envolvidas (competição com economias mais desenvolvidas podem desestabilizar setores internos)
  7. 7. Aula 03 – Geografia Econômica 2.2 Papel dos blocos econômicos . Papel dos blocos econômicos extrapola o campo econômico stricto sensu - política e economia definem a composição dos blocos - transformação institucional dos países envolvidos - reestruturação de setores produtivos - contribuição para estabilidade regional - desenvolvimento de colaboração e interdependência regional - neutraliza tendências à fragmentação
  8. 8. Aula 03 – Geografia Econômica 2.3 Tipos de blocos econômicos 1) Zona de preferência tarifária . tarifas são reduzidas mas não abolidas . Exemplo: ALADI (associação latino americana de integração - 1980) obs: anteriormente ALALC - 1960 2) Zona de Livre-Comércio . eliminação de tarifas internas mas sem adotar tarifa externa comum . Exemplo: NAFTA 3) União Aduaneira . Eliminação de tarifas internas e também implementação de política externa comum . Exemplo: MERCOSUL 4) Mercado Comum . União aduaneira e livre circulação dos fatores de produção (trabalho e capital) . Esforço para unificação das políticas macroeconômicas (necessidade de mudanças institucionais mais profundas nos países participantes 5) União Econômica . Para além de Mercado Comum, envolve alto grau de harmonização das políticas econômicas . Criação de instituições supra-nacionais para gerir questões comunitárias (podendo chegar à criação de banco central e moeda única . Exemplo: UNIÃO EUROPÉIA
  9. 9. Aula 03 – Geografia Econômica 3.1 Energia, Logística e o reordenamento territorial . Até década de 1970 o modelo fordista verticalizado era o predominante . Modelo de produção Fordista: - produção em escala - concentração verticalizada das etapas de produção - imobilização de capitais fixos em larga escala e por longo prazo . Modelo fordista começou a perder força devido ao novo contexto internacional e à aceleração das mudanças nas demandas de mercado
  10. 10. Aula 03 – Geografia Econômica 3.2 Energia, Logística e o reordenamento territorial . Novo contexto - alta variação na demanda e alta competitividade internacional - possibilidade de redução de custos pela transferência de localização de plantas industriais para países com melhores incentivos e custos de mão de obra - necessidade de maior liquidez para transferência rápida de investimentos . Conseqüências do processo de reordenamento territorial: . Fortalecimento de cidades globais “hubs” de oferta de serviços avançados (logística, comunicações) . Dispersão da produção industrial . Produção em rede, terceirização . Fortalecimento do setor de serviços em detrimento do setor industrial . Conectividade e Logística passam a ser conceitos-chave neste novo contexto . Logística e Tecnologia da Informação são condições impulsionadoras de nova DIT
  11. 11. Aula 03 – Geografia Econômica 4.1 Disparidades regionais no Brasil . PIB % por regiões brasileiras (Censo IBGE 2010) 1) SE - 56,8% 2) S - 16,3% 3) N - 13,1% 4) N+CO: 13,8% . Planejamento com bases territoriais no Brasil (1947 a 1979) - Plano Salte (1947): priorizava saúde, educação, transporte e energia com recursos do orçamento, privados e empréstimos internacionais - Plano de Metas (1956): priorizava energia e transporte, indústrias e a construção de Brasília - I PND (1972 a 1974): programa de substituição de importações, grandes projetos de integração nacional, expansão de fronteiras de desenvolvimentos - II PND (1975 a 1979): priorizou indústria de base e busca de autonomia em insumos básicos (petróleo, energia nuclear, pro-álcool, hidrelétricas – Itaipu)
  12. 12. Aula 03 – Geografia Econômica 4.2 Disparidades regionais no Brasil . Somente após constituição de 1988 foram retomados planos regionais, porém o Brasil não conseguiu ainda alterar de forma estrutural os padrões de desigualdades nas suas diferentes regiões . Alguns planos: - Planos Plurianuais PPA) - Política Nacional de Desenvolvimento Regional - Política Nacional de Ordenamento Territorial - Programa de Aceleração do Crescimento - Plano Amazônia Sustentável . Foram recriadas as Superintendências do Nordeste (Sudene) e da Amazônia (Sudam)
  13. 13. missaodiplomatica.blogspot.com.br

×