Estudos CACD - História do Brasil Aula07.1 - PEB durante a Ditadura Militar

3.093 visualizações

Publicada em

Estudos para o CACD
missaodiplomatica.blogspot.com.br

História do Brasil
Política Externa durante a Ditadura Militar

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.093
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.334
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
56
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estudos CACD - História do Brasil Aula07.1 - PEB durante a Ditadura Militar

  1. 1. História do Brasil Aula 7.1 Política Externa durante a Ditadura Militar (1964 a 1985)
  2. 2. Aula 07.1 – PEB durante Ditadura (1964 a 1985)
  3. 3. Aula 07.1 – PEB durante Ditadura (1964 a 1985) 1 Contexto antes do Golpe de 64 2 Castelo Branco (1964 a 1967): Interdependência 3 Costa e Silva (1967 a 1969): Diplomacia da Prosperidade 4 Médici (1969 a 1974): Diplomacia do Interesse Nacional 5 Geisel (1974 a 1979): Pragmatismo Ecumênico e Responsável 6 Figueiredo (1979 – 1985): Universalismo
  4. 4. 1 Contexto antes do Golpe de 64 . Aprofundamento da Política Externa Independente (PEI) . Santiago Dantas no MRE e aprofundamento da PEI - reatamento de relações com URSS (1962) - posição contrária à expulsão de Cuba da OEA - defesa da autonomia da África, mas manutenção de ambiguidade na relação de apoio à Portugal - discurso mais moderado e equilibrado de Jango - defesa da soberania, não intervenção, globalismo e multilateralismo - Prioridade para o desenvolvimento e para América Latina Aula 07.1 – PEB durante Ditadura (1964 a 1985)
  5. 5. Aula 07.1 – PEB durante Ditadura (1964 a 1985)
  6. 6. 2.1 Castelo Branco (1964 a 1967): Interdependência . Vasco Leitão da Cunha no MRE - desmonte do Globalismo da PEI . Conceito dos Círculos Concêntricos - prioridades regionais perante plano global . Alinhamento automático aos EUA - Apoio dos EUA ao Golpe - Capitalismo moderno como forma de conter ameaça comunista - Ajuda do governo americano e FMI (Aliança para o progresso – Kennedy) - política de segurança hemisférica (preocupação com o comunismo) - rompimento de relações com Cuba (1964) - envio de tropas para apoio ao golpe em Granada - Criação da Força Interamericana de Paz (FIP) – “polícia ideológica continental” Aula 07.1 – PEB durante Ditadura (1964 a 1985)
  7. 7. 2.2 Castelo Branco (1964 a 1967): Interdependência . Tensões com Argentina - aproximação do Brasil com o Paraguai de Strossner - inauguração da Ponte da Amizade em Foz do Iguaçu - assinatura da Ata das Cataratas (1966) – acordo Brasil e Paraguai para uso do potencial hidrelétrico . Relações com África - relações comerciais perdem prioridade - foco na segurança contra perigo comunista (proteção da costa atlântica) - Posição ambígua do Brasil no apoio a Portugal (descolonização) e manutenção de relações com África do Sul (Apartheid) . Mundo Comunista - Brasil rompe relações com Cuba mas mantém relações com URSS - Distanciamento da China . Europa - Melhora nas relações com países da Europa Ocidental (França e Alemanha) Aula 07.1 – PEB durante Ditadura (1964 a 1985)
  8. 8. Aula 07.1 – PEB durante Ditadura (1964 a 1985)
  9. 9. 3.1 Costa e Silva (1967 a 1969): Diplomacia da Prosperidade . Mudanças na PEB - descontentamento com fracos resultados no relacionamento com EUA - maior nacionalismo do novo grupo no poder - prioridade para o desenvolvimento nacional sobre as questões ideológicas . Magalhães Pinto no MRE - retomada dos valores da UDN e do PTB: desenvolvimento como política de Estado . Posição contrária ao TNP - assinatura do Tratado de Tlatelolco (Proscrição de Armas Nucleares na América Latina e Caribe) utilizada como “escudo moral” para não assinatura do TNP - posição nacionalista: direito de desenvolver tecnologia nuclear Aula 07.1 – PEB durante Ditadura (1964 a 1985)
  10. 10. 3.2 Costa e Silva (1967 a 1969): Diplomacia da Prosperidade . Reaproximação com América Latina - Tratado da Bacia do Prata (1969): promover desenvolvimento regional com Argentina, Bolívia, Paraguai e Uruguai - mudança de posição em relação à Força Interamericana de Paz (FIP) – Brasil passa a priorizar segurança interna . Reaproximação com África - Início dos “Anos Dourados” das relações com a África - abandona-se ideia de segurança contra comunismo e priorizam-se as relações comerciais - apesar de reaproximação, Brasil mantém ambiguidade em relação à questão colonial e ao Apartheid . Ampliação de comercio exterior (Europa, Mundo Comunista, Índia) - Acordo Geral de Cooperação com Alemanha (tecnologia e cooperação nuclear) - primeiro Acordo de Comércio entre Brasil e Índia Aula 07.1 – PEB durante Ditadura (1964 a 1985)
  11. 11. Aula 07.1 – PEB durante Ditadura (1964 a 1985)
  12. 12. 4.1 Médici (1969 a 1974): Diplomacia do Interesse Nacional . Milagre Econômico (Delfim Neto) - Independência do FMI (distanciamento dos EUA) - forte dependência do comercio exterior (e de investimentos/empréstimos) . Mario Gibson Barboza no MRE - prioridade no projeto de desenvolvimento econômico - foco no comércio exterior (crescimento de 5X durante o Milagre) . Aumento de tensões com EUA - manutenção da oposição à assinatura do TNP - declaração de aumento do mar territorial brasileiro para 200 milhas - apesar das tensões é assinado acordo de construção da Usina Nuclear de Angra com a Westinghouse, porém sem transferência de tecnologia Aula 07.1 – PEB durante Ditadura (1964 a 1985)
  13. 13. 4.2 Médici (1969 a 1974): Diplomacia do Interesse Nacional . Aumento de tensões com América Latina - apesar de discurso nacionalista brasileiro permanece preocupação de “sub-imperialismo” - intervenção brasileira nos vizinhos americanos - acusação de participação no golpe da Bolívia (Hugo Banzer) - participação do SNI com militares chilenos no golpe contra Salvador Allende (1973) . Aumento de tensões com Argentina - avanço das posições nacionalistas brasileiras - alinhamento da Argentina com os EUA - questões do aproveitamento hidrelétrico na região do Prata (Itaipu e usina de Corpus) - avanço na liderança brasileira no cone sul - Conferência de Estocolmo para o Meio Ambiente: proposta argentina sobre “necessidade de consulta prévia para utilização de recursos naturais compartilhados” . Aumento de relações com África - necessidade de aumentar comércio e desenvolver alternativas para fornecimento de petróleo (Nigéria e Angola) - visita do chancelar Gibson Barboza a 9 países africanos - Gibson Barboza defende necessidade de mudar postura em relação a Portugal e o colonialismo - Médici apóia Gibson, e Portugal reage de forma ríspida contra a posição do Brasil Aula 07.1 – PEB durante Ditadura (1964 a 1985)
  14. 14. Aula 07.1 – PEB durante Ditadura (1964 a 1985)
  15. 15. 5.1 Geisel (1974 a 1979): Pragmatismo Ecumênico e Responsável . Crise econômica - esgotamento do Milagre - 1ª crise do petróleo força Brasil procurar novos fornecedores (Nigéria e Angola) . Antonio Azeredo da Silveira no MRE - postura expansiva - foco no comércio exterior e desenvolvimento . PEB como política de governo - postura de potência emergente - compromisso com independência dos Estados - autodeterminação, soberania e igualdade das nações - não interferência nos assuntos internos - identificação com o 3º Mundo Aula 07.1 – PEB durante Ditadura (1964 a 1985)
  16. 16. 5.2 Geisel (1974 a 1979): Pragmatismo Ecumênico e Responsável . Aumento das tensões com os EUA - cancelamento do acordo com a americana Westinghouse e assinatura de Acordo Nuclear com Alemanha com transferência de tecnologia - críticas dos EUA sobre violação dos direitos humanos no Brasil - denúncia pelo Brasil do Acordo de Cooperação Militar de 1952 . América Latina - aliança do governo militar brasileiro com os regimes ditatoriais latino-americanos (Plano Condor de colaboração contra o comunismo) - assinatura do Tratado de Cooperação Amazônica (1978) com Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela – desenvolvimento econômico, integração política e segurança regional . Aumento de tensões com Argentina - chanceler Azeredo da Silveira entende que Brasil deve ser mais firme com Argentina (não representaria mais ameaça concreta) - avanço na liderança regional com aproximação do Brasil com Bolívia, Paraguai, Uruguai - apesar das tensões políticas, o comércio cresce com Argentina – Pragmatismo de Azeredo da Silveira Aula 07.1 – PEB durante Ditadura (1964 a 1985)
  17. 17. 5.3 Geisel (1974 a 1979): Pragmatismo Ecumênico e Responsável . Anos Dourados com a África - fim da postura contraditória no relacionamento com a África - posicionamento a favor das independências nacionais, apoio à Angola e reconhecimento do novo governo - Brasil vota a favor da condenação do Apartheid na África do Sul - posição brasileira fortalece imagem perante países do 3º Mundo Aula 07.1 – PEB durante Ditadura (1964 a 1985)
  18. 18. Aula 07.1 – PEB durante Ditadura (1964 a 1985)
  19. 19. 6.1 Figueiredo (1979 a 1985): Universalismo . Manutenção do processo de abertura e do Pragmatismo Ecumênico e Responsável . Ramiro Saraiva Guerreiro no MRE - ênfase no multilateralismo, diálogo e não intervenção . “Distanciamento Consciente” com os EUA - política de Reagan não privilegia relacionamento com países emergentes - manutenção das divergências sobre os direitos humanos, porém tanto Brasil quanto EUA evitam deliberadamente a discussão sobre o assunto - Brasil se nega a apoiar as sanções contra URSS pela invasão do Afeganistão (1979) - Figueiredo e o Itamaraty criticam política intervencionista dos EUA (Granada, 1983) - Neoliberalismo considerado como nova forma de colonialismo - aprofundamento da questão nuclear com a aproximação brasileira com Alemanha Aula 07.1 – PEB durante Ditadura (1964 a 1985)
  20. 20. 6.2 Figueiredo (1979 a 1985): Universalismo . Reaproximação com Argentina - prioridade brasileira para o relacionamento com América Latina e em particular com a Argentina - Figueiredo visita Argentina (1979) e são assinados acordos de cooperação econômica, comercial, militar e em energia nuclear - assinatura do Acordo Tripartite (cooperação hidrelétrica de Itaipu e Corpus) - apoio do Brasil à Argentina na Guerra das Malvinas (material bélico, aviões) - Brasil reitera posição de que Malvinas pertence à Argentina . Relações com África - manutenção do apoio às novas nações africanas, porém de forma mais cautelosa - comércio com África atinge seu maior nível histórico (7% de todas as exportações brasileiras) - Aumento de embaixadas: de 12 (em 1974) para 21 (em 1985) - Figueiredo faz primeira viagem de um presidente brasileiro para a África - chanceler Saraiva Guerreiro visita vários países - destaque para relações com Angola: apoio ao governo do MPLA nas lutas contra grupos revolucionários (UNITA+ grupos da África do Sul) Aula 07.1 – PEB durante Ditadura (1964 a 1985)
  21. 21. missaodiplomatica.blogspot.com.br

×