UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO  DEPARTAMENTO DE FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO                    Disciplina:  ...
Professora:          RACHEL COLACIQUE                Alunos: Renan Ribeiro Moutinho – 20072423023Marcos Luiz Mendes Feitos...
Mas afinal: o que é música? O que é ruído?     Diferenças entre música e ruído.
As Quatro Estações              Sinfonia nº 9          Tubarão     (Antonio Vivaldi)         (Ludwig van Beethoven)   (Joh...
Um tambor produz música ou produz barulho?  Improvisos de bateria, por Douglas Tognoni.
- Em filmes de suspense, como Psicose de Alfred Hitchcock (1960) ouTubarão (1975), como é a trilha quando aparece uma situ...
Breve História da Música e Conceitos Importantes         A História da Música não pode ser restrita unicamente amúsica pra...
A música temperada é uma tentativa de ordenar os sons,considerando-os   notas   musicais   e   definindo-lhes   as   altur...
Além disso, um tom (intervalo entre duas notas de alturasdefinidas) pode ser divido entre nove comas, que não é nada além ...
Instrumentos Temperados                    Piano                                        Saxofone         GuitarraTrompa   ...
Instrumentos Não TemperadosViolino                             Voz Humana          Flauta de Êmbolo                       ...
No final do século XIV e início do século XX, com o advento damúsica dodecafônica e com o compromisso dos compositores em ...
Na década de 50, inicia-se o Movimento de Musique Concrète,através de Pierre Schäeffer e seus seguidores. Valendo-se do qu...
A música utilizada no Cinema, em Teatros e em outrasmanifestações artísticas enriquece artisticamente em sua gama de sonsa...
Atividades1) Ditado de sons e ruídos: a partir da exposição a diferentesfrequências de alturas definidas (sons) e de altur...
2) Composição livre: cada aluno ou grupos de três a quatro alunos sãoconvidados a elaborar uma música de caráter instrumen...
Referências BibliográficasCAGE, John. Silence. Hanover: Wesleyan University Press, 1973GRIFFITHS, Paul. Enciclopédia da Mú...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A música e o ruído (aula interativa)

3.785 visualizações

Publicada em

Aula interativa sobre som, música e ruído, produzida por Renan Moutinho e Marcos Feitosa, alunos de música da UNIRIO, como trabalho final para a matéria DIDÁTICA, professora Rachel Colacique.

Publicada em: Educação
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.785
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
37
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A música e o ruído (aula interativa)

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO Disciplina: DIDÁTICA
  2. 2. Professora: RACHEL COLACIQUE Alunos: Renan Ribeiro Moutinho – 20072423023Marcos Luiz Mendes Feitosa – 20081434002
  3. 3. Mas afinal: o que é música? O que é ruído? Diferenças entre música e ruído.
  4. 4. As Quatro Estações Sinfonia nº 9 Tubarão (Antonio Vivaldi) (Ludwig van Beethoven) (John Williams)Elektronische Musik Studie I Ionisation 4’33’’ (Karlheinz Stockhausen) (Edgar Varèse) (John Cage)
  5. 5. Um tambor produz música ou produz barulho? Improvisos de bateria, por Douglas Tognoni.
  6. 6. - Em filmes de suspense, como Psicose de Alfred Hitchcock (1960) ouTubarão (1975), como é a trilha quando aparece uma situação de perigoiminente? É satisfatório, para a música, utilizar apenas de notasmusicais para aclimatar determinadas situações?
  7. 7. Breve História da Música e Conceitos Importantes A História da Música não pode ser restrita unicamente amúsica praticada no Ocidente. Desta forma, ao estudarmos aevolução da Música pelos séculos, verificamos um inícioteoricamente desordenado através da música essencialmentereligiosa das mais diferentes vertentes; com o passar dos tempos, aisso seguiu-se uma progressiva necessidade de maior ordenamentomelódico e harmônico, culminando no que hoje chamamos deSistema temperado.
  8. 8. A música temperada é uma tentativa de ordenar os sons,considerando-os notas musicais e definindo-lhes as alturas(frequências) previamente de forma a possibilitar uma divisão de 12sons (semitons) em uma escala, conhecida como oitava e que viria ser abase da Música Tonal, tipicamente praticada no Ocidente. O problemadesse sistema é que quando um corpo vibra ele emite, de formabastante simples, outros sons subsequentes, conhecidos comoharmônicos. Estas ondas subsequentes não são facilmente identificadase definidas.
  9. 9. Além disso, um tom (intervalo entre duas notas de alturasdefinidas) pode ser divido entre nove comas, que não é nada além deum intervalo musical. Nos instrumentos temperados, em queexistem trastes que delimitam matematicamente o espaço de umsemitom, a coma vale 4,5. Já nos instrumentos que não sãotemperados, pode ser obter harmonicamente o intervalo de 4 ou 5comas (compondo um tom), de forma a possibilitar uma verdadeiraharmonia entre as notas musicais.
  10. 10. Instrumentos Temperados Piano Saxofone GuitarraTrompa Clarinete Trompete
  11. 11. Instrumentos Não TemperadosViolino Voz Humana Flauta de Êmbolo Trombone
  12. 12. No final do século XIV e início do século XX, com o advento damúsica dodecafônica e com o compromisso dos compositores em repensarquestões de tonalidade, combinações harmônicas, timbres e o SistemaTonal, a diferenciação entre som e ruído começa a ficar em evidência. Em1913, no contexto do Modernismo e de uma série de outros movimentosque buscavam os “elementos típicos do futuro” – como o futurismo, omúsico italiano Luigi Russolo escreve “L’arte dei rumori” (A arte doruído) e sublinha a natureza sonora do ruído. O ruído passa a serconsiderado um componente, enquanto ordenado na proposta de uma obramusical, sob as perspectivas e motivações de um artista.
  13. 13. Na década de 50, inicia-se o Movimento de Musique Concrète,através de Pierre Schäeffer e seus seguidores. Valendo-se do que hojechamamos de música eletroacústica e paisagem sonora, este movimentopropunha a manipulação de sons através de meios eletrônicos e autilização destes na composição musical. Músicos eruditos comoStockenhausen, Pierre Boulez e Iannis Xenakis utilizam-se destes novosconceitos e os transferem para suas novas propostas composicionais.
  14. 14. A música utilizada no Cinema, em Teatros e em outrasmanifestações artísticas enriquece artisticamente em sua gama de sonsao passar a utilizar ruídos e barulhos, de frequência não-determinada,para a caracterização de situações, ambientes e quaisquer propostas aque se destine.
  15. 15. Atividades1) Ditado de sons e ruídos: a partir da exposição a diferentesfrequências de alturas definidas (sons) e de alturas indefinidas(ruídos), esta atividade se propõe a incitar os alunos a diferenciá-los einstigá-los a pensar em quais situações tais sons poderiam serutilizados;
  16. 16. 2) Composição livre: cada aluno ou grupos de três a quatro alunos sãoconvidados a elaborar uma música de caráter instrumental ou vocal, com afinalidade de ilustrar determinado tipo de situação. A música pode ter curtaduração mas deve mesclar sons e ruídos;3) Paisagem sonora (ao ar livre): esta atividade propõe a conscientização dossons a que estamos submetidos e que, muitas vezes, passam despercebidos.Desta forma, o professor propõe uma observação sonora livre (de olhosvendados) de dois a três minutos e convida os alunos a anotar, de formacronológica, todos os eventos sonoros que ocorrem. Ao final do trabalho, oprofessor analisa e compara os resultados com os alunos.
  17. 17. Referências BibliográficasCAGE, John. Silence. Hanover: Wesleyan University Press, 1973GRIFFITHS, Paul. Enciclopédia da Música do Século XX. Trad. MarcosSantarrita e Alda Porto. São Paulo: Martins Fontes, 1995KIRBY, Michael e Victoria Nes Kirby. Performance Futurist. Nova York: PajPublications, 1986SCHAEFFER, Pierre. Traité des objets musicaux. Paris: Seuil, 1966.SCHAFER, R. Murray. A afinação do mundo. São Paulo: Editora UNESP, 2001.WISNIK, José Miguel. O som e o sentido. Uma outra história das músicas. SãoPaulo, Companhia das Letras, 1999, 285 pp.

×