The Foundation Of Modern Architecture

1.505 visualizações

Publicada em

Seminário sobre o cap. 5 do livro The foundation of modern architecture de Dalibor Vesely, 2006.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.505
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

The Foundation Of Modern Architecture

  1. 1. IC09 – Metodologia do Projeto Arquitetônico | Luciano Dias Lourenço | Maria Cláudia Oliveira The Foundations of Modern Architecture Os fundamentos da arquitetura moderna
  2. 2. DALIBOR VESELY , Praga 1934 – Estudos de arquitetura, engenharia, história da arte e filosofia em Praga e Munique. Diretor do curso de arquitetura do Emanuel College | Universidade de Cambridge. Essex University, Architectural Association of London, University of Pennsylvania. Prêmio Annie Spink Award for Excellence in Architectural Education – Royal Institute of British Architects 2006. 1 | Modernity, freedom and destiny 2 | The nature of communicative space 3 | The perspectival transformation of the medieval world 4 | The age of divided representation 5 | The foundations of modern architecture 6 | Creativity in the shadow of modern technology 7 | The rehabilitation of fragment 8 | Toward a poetics of architecture Architecture in the Age of Divided Representation | The Question of Creativity in the Shadow of Production Arquitetura na era da representação por partes | A questão da criatividade à sombra da produção
  3. 3. CONTEXTO E ANTECEDENTES HISTÓRICOS | Renascimento (1300 -1650) CARACTERÍSTICAS GERAIS:   * Racionalidade  * Rigor Científico  * Ideal Humanista  * Revalorização das artes greco-romanas NAS ARTES E ARQUITETURA:   * Ordens Arquitetônicas  * Arcos de Volta-Perfeita  * Simplicidade na construção * Autonomia da pintura e escultura MAIS IMPORTANTES INVENÇÕES   * Imprensa  * Pólvora   * Perspectiva * Instrumentos de navegação Mundo pensado como uma realidade a ser compreendida cientificamente, e não apenas admirada. ISAAC NEWTON | cientista inglês (físico, matemático, astronônomo, alquimista, filósofo natural e teólogo). Sua obra mais influente foi Philosophiae Naturalis Principia Mathematica, de 1687. OBJETIVO DA CIÊNCIA É DESCOBRIR AS LEIS UNIVERSAIS E ENUNCIÁ-LAS DE FORMA PRECISA E RACIONAL Valorização do HOMEM e da NATUREZA em oposição ao sobrenatural e divino.
  4. 4. Apesar da UNIDADE DA CULTURA BARROCA ainda sustentar-se em vários lugares (norte da Itália e Europa Central), Inglaterra, França e Alemanha no início do séc. XVIII estavam envolvidas numa transformação onde a REPRESENTAÇÃO POR PARTES viria a concretizar-se. Passo decisivo para que a REPRESENTAÇÃO POR PARTES fosse exteriorizada foi a EMANCIPAÇÃO DA NOVA CIÊNCIA MATEMÁTICA DO CONTEXTO DO MUNDO NATURAL. MATEMATIZAÇÃO DO MUNDO FÍSICO As leis de Newton são as leis que descrevem o comportamento de corpos em movimento, formuladas em 1687. Inércia Princípio fundamental da mecânica Ação e Reação Fonte: http://www. scientiaestudia .org. br/arquivo/2sem . asp PREENCHEM UM VELHO DESEJO SOBRE A INCOMPREENSIBILIDADE SOBRE A ORDEM DO UNIVERSO. O paradigma newtoniano é APENAS UM MÉTODO PARA EXPLICAR CERTOS ASPECTOS DA REALIDADE , um método, que deve ser mais tarde melhorado e complementado.
  5. 5. FRACIONAMENTO DO MUNDO EM DOIS: MUNDO DA VIDA: Qualidades, sentidos, percepção. Lugar de viver, amar e morrer. MUNDO DA CIÊNCIA: Mundo da quantidade, da geometria que tudo pode explicar. Há lugar para tudo mas não ha lugar para o homem. A consolidação e expansão do modelo newtoniano introduziu novos critérios de inteligibilidade, verdade e relevância que tranformaram e silenciaram vastas áreas da cultura e da criatividade em irrelevantes ou desatualizadas. A MAIOR CONSEQUENCIA: DESINTEGRAÇÃO DAS ESTRUTURAS COMUNICATIVAS E A UNIDADE DO MUNDO COMUM. <ul><li>Separação das idéias e conceitos do corpo da linguagem. </li></ul><ul><li>Separação da linguagem em si do mundo prático. </li></ul>CRENÇA NO PODER E NA AUTONOMIA DA NOVA REPRESENTAÇÃO DA REALIDADE CENTRADA NO USO DA LÓGICA FORMAL E DA RAZÃO
  6. 6. Fonte: www.knowledgehunter.blogspot.com , 2009 . Le cabinet physique de M. Bonnier de la Mosson, pintado por Jacques la Joue em 1752.
  7. 7. OCASIÃO QUE EVIDENCIA AS NOVAS IDÉIAS: QUERELLE | Charles Perrault em 1687 | Le Siécle de Louis Le Grand e Paralelle TEMA PRINCIPAL : questionar a VENERAÇÃO CEGA DE UM PASSADO que sacrifica o PRESENTE . <ul><li>Encorajar resultados nas ciências experimentais. </li></ul><ul><li>Supremacia cultural e política da França no final do séc. XVII. </li></ul><ul><li>Certeza CARTESIANA (modelo matemático na condução do pensamento humano) </li></ul>ESTA NOÇÃO DE CONHECIMENTO ACUMULADO É APLICÁVEL APENAS PARA EXPERIÊNCIAS QUE PODEM SER APROPRIADAS E ENSINADAS DE FORMA MATEMÁTICA. MODERNOS UTILIZAVAM-SE DESSE EXPEDIENTE PARA AFERIR O PROGRESSO CULTURAL COMO UM TODO. Investigações experimentais conduzidas com conhecimento prévio sobre quais deveriam ser os resultados. Ligada a uma nova noção de tempo e espaço. APRENDIZADO DA HUMANIDADE ESTA EM CONSTANTE EVOLUÇÃO. Charles Perrault 1628 – 1703 Poeta e ensaísta francês. Líder intelectual durante o reinado de Luis XIV. René Descartes 1596 – 1650 Físico e matemático francês. Figura chave da revolução científica. Geometria analítica e sistema de coordenadas .
  8. 8. Memoires pour servir à l´histoire naturelle des animaux | Memórias para a história natural dos animais. Fonte: http://digital. library . wisc . edu/1711 . dl/HistSciTech . Perrault Escrita a partir de estudos de anatomia de diversos animais (dissecados) feito pela Royal Academy of Sciences de Paris. Claude Perrault 1613 – 1688 Naturalista, médico e arquiteto. Irmão de Charles Perrault. Projeto da fachada leste do Louvre.
  9. 9. <ul><li>ARQUITETURA é vista como a maior contribuição à grandiosidade do Grand Siécle* </li></ul><ul><li>(1594-1715 estabilidade social e prosperidade econômica). </li></ul><ul><li>GRANDIOSIDADE = não apenas pela imitação da antiga arquitetura mas pelo esforço em perfeccioná-la e superá-la --- Versalhes é representante dessa conquista. </li></ul><ul><li>O 2o. diálogo do livro Paralelle é devotado à ARQUITETURA e ecoa muito do que fora colocado por Claude Perrault alguns anos antes: </li></ul><ul><ul><ul><li>1673: Le dix livres dárchitecture de Vitruve. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>1683: Ordonnance des cinq especes de colonnes selon la méthod des anciens. </li></ul></ul></ul><ul><li>Livros da antiguidade eram para se aprender sobre PROPORÇÕES E ARQUITETURA. </li></ul><ul><li>Não eram os originais mas CÓPIAS COM VARIAÇÕES E CONTRADIÇÕES. </li></ul><ul><li>Era necessário procurar dentre as obras aprovadas algo de CORRETO E CONCRETO. </li></ul><ul><li>Proporcionalidade na perspectiva </li></ul><ul><li>Proporcionalidade projetiva </li></ul><ul><li>Metáfora proporcional (analogia) na tradição retórica </li></ul>GUARINI Lembrar: séc. XV – XVIII: MODO DOMINANTE DE REPRESENTAÇÃO ARQUITETÔNICA em toda sua plenitude era o TRATAMENTO DAS PROPORÇÕES .
  10. 10. GUARINO GUARINI, matemático italiano, 1624 – 1683 | Santa Sindone, Turim 1667-1690 Influenciado pelos projetos radicais de Borromini. Uso e elaboração intensiva da geometria. Complexidade e inventividade, sentimento para as cores e a luz.
  11. 11. O mundo representado pelas PROPORÇÕES é reduzido a uma experiência denominada GOSTO ( bon gout ) baseada em PRECONCEITO E COSTUME . Posição defendida por PERRAULT e os modernos : BELEZA ARBITRÁRIA = POSITIVA E NATURAL E DEVE AGRADAR A TODOS POIS É BASEADA EM RAZÕES CONVINCENTES . Dicotomia na obra de Perrault: arbitrariedade da beleza e a representação numérica da verdadeira ordem . <ul><li>PARADIGMA CÓSMICO SUBSTITUIDO PELO HISTÓRICO. </li></ul>NOVOS INTERESSES: A questão das origens, estilos históricos, especulações sobre o papel das culturas precedentes, utopias etc. CARACTERÍSTICA: Crescimento da dependência do conhecimento TEORÉTICO. Combinação entre conhecimento teorético + novas formas de representação = Arquitetura como disciplina altamente FORMALIZADA. <ul><li>NA NOVA EPOCA: </li></ul><ul><li>ARQUITETURA tratada como uma disciplina EMANCIPADA DA COSMOLOGIA E DA METAFISICA. </li></ul><ul><li>DOMÍNIO DO INTROSPECTIVO </li></ul><ul><li>Edificios projetados segundo CRITÉRIOS PESSOAIS de julgamento e GOSTO . </li></ul><ul><li>CONSTRUÇÕES ANÔNIMAS que preenchem as necessidades e expectativas técnicas. </li></ul>
  12. 12. FORMA E FORMALIZAÇÃO VIERAM PARA DOMINAR A ARQUITETURA MODERNA. A natureza da FORMALIZAÇÃO esta intimamente ligada à história e ao significado da FORMA – esta um termo muito VAGO Por um lado a FORMA participa SENSAÇÕES e pode parecer a ESSÊNCIA DA REALIDADE e por outro apresenta-se INVISÍVEL. REAL ABSTRATO IMAGINAÇÃO Origem do termo remete ao conhecimento Aristotélico da criatividade (poiesis): Matéria (hyle) é tudo que pode ser formado | Forma é vista como uma IDÉIA (eidos) Na esfera da realidade visual aparece como um ÌCONE. POSSÍVEL CONCRETO IMAGINADO TORNA O CONCEITO DE FORMA PODEROSO E AO MESMO TEMPO VAGO E DIFÍCIL. Termos usados para designar FORMA: paradigma, tipo, símbolo, alegoria, emblema, esquema, figura. Cada qual revelando um aspecto da realidade transcedental (ORDEM DIVINA, MUNDO DAS IDÉIAS....) TERMOS participam do poder formativo da REALIDADE INVISÍVEL por propriedade estrutural ou morfológica --- REPRESENTAÇÃO SIGNIFICATIVA E RECONHECIDA --- ASPECTO FISIONÔMICO OU ICÔNICO. Elemento crítico --- tendência à IDEALIZAÇÃO
  13. 13. A influência mais importante na IDEALIZAÇÃO da arquitetura ---- emergência da ciência moderna ---- verdadeira ordem da realidade era matemática ---- LINGUAGEM MATEMÁTICA + adequada REPRESENTAÇÃO da REALIDADE. Lembrar --- ARTE, ARQUITETURA E CIÊNCIA compartilhavam da mesma visão cósmica da REALIDADE. REALIDADE IDEAL E EMPÍRICA tratadas rigorosamente COMO MATEMÁTICA levou a REPRESENTAÇÃO a um ponto de profunda AMBIGUIDADE E CONFUSÃO. Versalhes. Geometrização da paisagem. Fonte: Vesely, 2006. Como INSTRUMENTO MODERNO O PENSAMENTO começa a ultrapassar A REPRESENTAÇÃO SIMBÓLICA TRADICIONAL baseada na cosmologia. ILUSÃO de que O VAGO E INDETERMINADO – substituído por um equivalente matemático PRECISO E CLARO. Redução da distância entre o DIVINO E O HUMANO. CIÊNCIA MODERNA É EXPERIMENTAL E HIPOTÉTICA. No pensamento científico moderno o EXPERIMENTO assenta-se sobre o pressuposto de que a REALIDADE É ESSENCIALMENTE MATEMÁTICA. A VERDADE É SIMPLESMENTE UM MÉTODO. NATUREZA REDUZIDA A DIVERSIDADE MATEMÁTICA. Edmund Husserl, filósofo alemão | fenomenologista
  14. 14. Se a ciência é orientada para o CONHECIMENTO PRODUTIVO – dominação e controle da realidade Qual o papel da REPRESENTAÇÃO ? --- problema recorrente na maior parte das ciências abstratas AUTONOMIA DA CIÊNCIA É UMA FICÇÃO QUE TODO CIENTISTA GENUINO DEVE REPUDIAR! CIÊNCIA É APENAS PARCIALMENTE A REPRESENTAÇÃO DA REALIDADE! Dá conta apenas daquilo que é suscetível de ser compreendido matematicamente. REPRESENTAÇÃO INSTRUMENTAL DA REALIDADE é parte da essência da TECNOLOGIA MODERNA REPRESENTAÇÃO INSTRUMENTAL E REPRESENTAÇÃO SIMBÓLICA SÃO OPOSTAS. RI = agressiva e funciona como instrumento de autonomia, dominação e controle RS = reconciliatória, funciona como veículo de participação, compreensão e significado global. O PENSAMENTO CONTEMPORÂNEO ESTA AMEAÇADO PELA IMAGEM DA NATUREZA TRAÇADA PELA CIÊNCIA. Werner Heisenberg | físico alemão. A representação da Ciência é determinada pela natureza do conhecimento científico e pelas condições hermenêuticas (interpretação) | CONTEXTO CULTURAL DADO E APREENDIDO. A completa eliminação do sentido das impressões é impossível. CONHECIMENTO DIRETO DO ABSOLUTO ESTA FORA DE QUESTÃO . MAX PLANCK | físico alemão CONFLITO não reconhecido é tido como a principal ORIGEM DA CRISE contemporânea do sentido (significado) e DA CULTURA CONTEMPORÂNEA!
  15. 15. CONFLITO: Em disciplinas como a Arquitetura ainda se acredita que a INSTRUMENTALIDADE SERÁ HARMONIZADA COM O SIMBOLISMO Equilibrio entre elas Instrumentalidade irá produzir deu próprio simbolismo Existência independente de ambas. Tradição anterior: INSTRUMENTALIDADE ( T echne) subordinada << REPRESENTAÇÃO SIMBÓLICA ( P oiesis). T =pequeno fragmento da realidade e P =realidade como um todo. ABSURDO Tecne como instrumentalidade auto-suficiente – crescimento da influência da ciência moderna na arquitetura: Além da influência da geometria, estereotomia, teoria dos materiais, mecânica etc...veio a fascinação com o enciclopedismo, taxonomia, estudos comparativos, medidas de observação --- FASCINAÇÃO COM TUDO QUE APOIA A CERTEZA E O PODER DA CIÊNCIA MODERNA. Na École Plytechnique (perído Napolêonico) ARQUITETURA era ensinada como CIÊNCIA. O MODELO de aplicação para o campo da cultura foi formado pelo grupo de Auteuil – IDEOLOGIA a base metodologica para qualquer ciência. DESTUTT DE TRACY, filosofo francês. A noção de IDEOLOGIA deriva da abstração na INTERPRETAÇÃO DAS SENSAÇÕES = ciência das idéias. A ciência que era MODA estudar era a FÍSICA EXPERIMENTAL .
  16. 16. Crença numa INTELIGÊNCIA UNIVERSAL que cada um tem acesso foi articulada sucintamente por Laplace, físico e matemático francês. Culminação lógica da visão newtoniana da REALIDADE. Alto grau de confiança criou o PODER PERSUASIVO DA REPRESENTAÇÃO MATEMÁTICA e sua promessa de UNIVERSALIDADE. Claude-Nicolas ledoux | Cemitério de Chaux (1804). Desejo de REPRESENTAR O MUNDO MATEMATICAMENTE sem a necessidade de uma REFERÊNCIA EXPLICITA DO MUNDO NATURAL. no entanto a VERDADEIRA TAREFA : a partir da análise de material comparativo e da definição de princípios e elementos primários criar um MECANISMO UNIVERSAL DE COMPOSIÇÃO . Recueil e Precis de Jean-Nicolas Durand: Primeiro a criar a FUNDAÇÃO DA ORDEM ARQUITETÔNICA sem dirigir-se às tradições existentes
  17. 17. GOTTFRIED SEMPER , arquiteto alemão | assinala os limites da atuação de DURAND SÓ TERIA EXITO NUMA CULTURA QUE TIVESSE ESQUECIDO SUA PRÓPRIA TRADIÇÃO E HISTÓRIA ---- veículo ideal para o ECLETISMO mas era inútil em face da história viva (que é claro nunca para!). OBJETIVO de criar uma CIÊNCIA COMPLEXA DA CONCEPÇÃO ARQUITETÔNICA. Pouca influência sobre seus contemporâneos: Berlage, Otto Wagner, Adolf Loos, Werkbund Mudança das circunstâncias: DOUTRINAS CIENTÍFICAS ----- TECNOLOGIA Desenvolvimento da OBJETIVIDADE CIENTÍFICA OBJETIVIDADE é produto da subjetividade humana SUBJETIVIDADE = tudo aquilo que não pode ser matematizado: qualidades, percepções, imaginação, sentimentos e fantasia. Influenciado pela crença contemporânea da arte como expressão de um MISTÉRIO e de poderes desconhecidos da natureza ---- ARQUITETURA DEVE REFERIR-SE AO SEU PASSADO Adoção da CABANA PRIMITIVA como MATRIZ GERADORA da ordem arquitetônica --- FORMA ARTÍSTICA em conformidade com HISTÓRIA DE SUA ORIGEM e todas as condições e circunstâncias de sua criação.
  18. 18. LEIBNIZ , filósofo, matemático, defensor do racionalismo | afirma que nossos SENTIDOS revelam (de um modo particular) a NATUREZA E A VERDADE DO MUNDO . “ A beleza do UNIVERSO poderia ser aprendida em cada alma e alguém poderia desatar todas as suas pregas que se desenvolveria sensivelmente com o tempo. Cada alma conhece o infinito, conhece tudo mas de um modo confuso.” Trouxe o INEXPLICÁVEL para o domínio da SUBJETIVIDADE. “ CADA MENTE COMO UMA PEQUENA DIVINDADE EM SEU PRÓPRIO DEPARTAMENTO.” LIMIAR de uma época onde HARMONIA E BELEZA são reveladas gradualmente NUM PROCESSO DIALÉTICO --- RAMO DA EXPERIÊNCIA ESTÉTICA ---- subordinada ao CULTIVO DO GOSTO. DISTÂNCIA ENTRE COISAS E EVENTOS --- FORMAÇÃO DA ESTÉTICA MODERNA E DO HISTORICICMO --- ESTETIZAÇÃO EM SI LIGADA À RELATIVIDADE DO GOSTO E DA FORMALIZAÇÃO DE EXPERIÊNCIAS. FISCHER VON ERLACH , arquiteto austríaco.Em 1721 monta a primeira história da arquitetura: era uma interpretação pessoal, baseada em reconstruções históricas e arqueológicas e de certa forma em INVENÇÕES. Fischer von Erlach , história da arquitetura, 1721.
  19. 19. As qualidades pictóricas e cenográficas desenvolveram-se a um alto grau de perfeição na pintura Ilusionista do Barroco tardio. ILUSIONISMO E CENOGRAFIA DO drama BARROCO são ainda MUITO DISCUTIDAS . Não há dúvida de que o ilusionismo torna a representação TÃO AMBIGUA que sua FUNÇÃO POSITIVA e imaginativa na TRANSCENDÊNCIA PARA A REALIDADE COTIDIANA torna-se INSUSTENTÁVEL e este (ilusionismo) passa a ter vida própria. Abadia de Zwiefalten , monastério beneditino, considerado um modelo do Barroco, afrescos e balustradas ricamente decoradas. REPRESENTAÇÃO PARTICIPATIVA ----- REPRESENTAÇÃO EMANCIPATATIVA Mundo transformado numa imagem reificada com alto grau de autonomia e significado.
  20. 20. EMANCIPAÇÃO DA ESTRUTURA LÓGICA DA LINGUAGEM IMAGEM PERDE CONEXÃO COM SEU FUNDAMENTO E TORNA-SE UM FENOMENO VISUAL RECIPROCIDADE ENTRE IMAGEM E LINGUAGEM torna possível UTILIZAR A IMAGEM de forma tão LIVRE quanto usamos CONCEITOS ABSTRATOS. O mais importante é a EMANCIPAÇÃO DA REPRESENTAÇÃO ESTÉTICA , seguida pela REPRESENTAÇÃO ESTILÍSTICA no período dos revivalismos históricos, REPRESENTAÇÕES CONCEITUAIS no movimento moderno e SIMULAÇÃO OU REPRESENTAÇÃO VIRTUAL nos dias de hoje. IMPORTÂNCIA DO PAPEL DA PERSPECTIVA NESTES DESENVOLVIMENTOS FOI CRUCIAL. FERNANDO GALLI DA BIBIENA , arquiteto italiano, inventou no séc. XVIII a perspectiva DIAGONAL chamada VEDUTA PER ANGOLO . PERSPECTIVA TRADICIONAL propõe uma extensão ilusória do espaço PERSPECTIVA DIAGONAL adota a DESCONTINUIDADE DO ESPAÇO. DESTRUIÇÃO DA UNIDADE DA ILUSÃO BARROCA Fernando Galli da Bibiena, perspectiva diagonal.
  21. 21. Bibliografia consultada: Imagens: http://digital.library.wisc.edu/1711.dl/HistSciTech.Perrault http://www.britannica.com/EBchecked/topic/452539/Charles-Perrault http://knowledge-hunter.blogspot.com/ http://www.italian-architecture.info/TU/TU-006.htm VESELY, Dalibor. The architecture in the age of divided representation . Cambridge, Mass. ; London : MIT, 2006. ZEVI, Bruno. Saber ver arquitetura . São Paulo, Martins Fontes, 1989. Sites acessados: http://www.enotes.com/literary-criticism/perrault-charles http://mitpress.mit.edu/catalog/item/default.asp?ttype=2&tid=11072 http://en.wikipedia.org/wiki/Dalibor_Vesely http://www.nalanda.nitc.ac.in/resources/english/etext-project/history/progress/chapter6.html http://arquiteorias.blogspot.com/2007/12/evolucion-racionalista-de-las-teorias.html

×