Ecologia de riachos CURSO DE VERÃO EM LIMNOLOGIA

1.665 visualizações

Publicada em

Introdução sobre Ecologia de Riachos, com definição, caracterização de riachos e suas principais teorias ecológicas

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.665
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
279
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
57
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ecologia de riachos CURSO DE VERÃO EM LIMNOLOGIA

  1. 1. ECOLOGIA DE RIACHOS Jéssica da Rosa Pires jessica.rosap@hotmail.com
  2. 2. Ecologia de Riachos • Definição • Caracterização • Classificação • Teorias Ecológicas • Estudos LIMNOS
  3. 3. • Ecol ogi a: Estudo de como os organismos se relacionam com o meio e com outros organismos. • Ecol ogi a de r i achos: ECOLOGIA DE RIACHOSECOLOGIA DE RIACHOS ????????
  4. 4. RI OS E RI ACHOSRI OS E RI ACHOS For ma l i near , f l uxoFor ma l i near , f l uxo uni di r eci onal , vazãouni di r eci onal , vazão osci l ant e e l ei t ososci l ant e e l ei t os i nst ávei s.i nst ávei s. I nt i mament e l i gados aoI nt i mament e l i gados ao ambi ent e t er r est r e doambi ent e t er r est r e do ent or noent or no ( ecossi st ema aber t o)( ecossi st ema aber t o) stivenart.wordpress.com
  5. 5. Riacho, Córrego, Ribeirão, Arroio, Regato, Ribeira??? • Rio de pequena ordem, canalizado durante a estação chuvosa e com áreas de inundação não persistentes • Curso de água de porte relativamente pequeno, incluindo os trechos de água corrente de suas cabeceiras
  6. 6. Foto: reusmachado.com RI OS E RI ACHOS 0, 006 % da água mundi al
  7. 7. gire3.com ferias.tur.b r Gentedeopiniao.com.brJie.itaipu.com.br I mpact os desde o i ní ci o daI mpact os desde o i ní ci o da ci vi l i zação. . .ci vi l i zação. . .
  8. 8. INFLUÊNCIAS Característica do entorno que pode influenciar o ciclo da água nos rios: •Topografia •Cobertura vegetal •Estrutura do solo
  9. 9. INFLUÊNCIAS • TOPOGRAFIA OROGRAFIA DECLIVIO
  10. 10. INFLUÊNCIAS • COBERTURA VEGETAL DESMATAMENTODESMATAMENTO Escoamento, infiltração e retençãoEscoamento, infiltração e retenção FORMAÇÕES FLORESTAISFORMAÇÕES FLORESTAIS Penetração de raízesPenetração de raízes +Penetra = + Retenção de Água+Penetra = + Retenção de Água
  11. 11. Zona Ripária Zona de transição do ecótono terra-água, ocupada por mata ciliares Abastecimento do corpo d’água com material orgânico (fonte de alimento, substrato para fixação de perifíton, material para a formação de microhabitats); Atenuação da radiação solar, favorecendo o equilíbrio térmico. Estabilização das margens...  ENTRE OUTRAS FUNÇÕES...
  12. 12. INFLUÊNCIAS • ESTRUTURA DO SOLO
  13. 13. Características FISÍCAS Correnteza Tamanho das partículas do substrato Disponibilidade de recursos alimentares Adaptações morfológicas e comportamentais Substrato Características granulométricas Presença de detritos e matéria orgânica Temperatura Limites de ocorrência da espécie (distribuição) Oxigênio
  14. 14. Características QUIMÍCAS Variação espacial em função da: precipitação, geologia do terreno, vegetação circundante, tipo de uso da terra, áreas urbanas. Variação sazonal Materiais transportados Matéria inorgânica em suspensão; Matéria orgânica em suspensão e dissolvida; Íons e nutrientes dissolvidos; Gases (oxigênio, dióxido de carbono, nitrogênio); Metais
  15. 15. Cl assi f i cação Hi dr ol ógi caCl assi f i cação Hi dr ol ógi ca St hr al er , 1963St hr al er , 1963
  16. 16. Classificação dos Habitats Aquáticos • Curso superior = “rios de montanha” alta declividade e correnteza forte força de erosão vale em “V” ou em “garganta” • Curso inferior = “rios de planície” redução na declividade e correnteza aumento na acumulação formação de vales de fundo chato ou côncavo
  17. 17. MONTANHA • > declividade; • > velocidade da corrente; • > teor de oxigênio; • > transparência da água; • < temperatura; • substrato de fundo grosseiro • < declividade; • < velocidade da corrente; • < transparência da água; • substrato de fundo menos irregular; • retirada da mata de galeria (pastagem e agricultura). PLANICIE
  18. 18. TEORIAS ECOLÓGICAS DE RIOS Os estudos em ecossistemas lóticos têm como objetivos entender os processos que regem o movimento e as transformações de energia e materiais dentro dos diferentes sistemas.
  19. 19. As teorias ecológicas visam construir uma estrutura sintética para descrever o ambiente lótico da nascente à foz, além de ajustar as variações entre áreas com diferentes características. No entanto, retratar a realidade de um rio é difícil Apesar disso, as teorias ecológicas devem ser consideradas porque são conceitos estruturais úteis para descrever ecologicamente como funcionam as variáveis ao longo do ecossistema lótico.
  20. 20. • TEORIA DO RIO CONTINUO (RCC) • TEORIA DA DESCONTINUIDADE SERIAL • TEORIA DO PULSO DE INUNDAÇÃO • TEORIA DO DOMÍNIO DE PROCESSOS • TEORIA DA IMPARIDADE COM O DESCONTÍNUO FLUVIAL TEORIAS ECOLÓGICAS DE RIOS
  21. 21. Teor i as Ecol ógi cas de Ri achosTeor i as Ecol ógi cas de Ri achos Vanot t e et al . , 1980Vanot t e et al . , 1980 http://files.dnr.state.mn.us/
  22. 22. Vanot t e et al . , 1980Vanot t e et al . , 1980 Ri os de Cabecei r aRi os de Cabecei r a ( 1ª - 3ª or dem)( 1ª - 3ª or dem) •Sombreado •Pouca luz solar atinge a água •Energia derivada da matéria orgânica terrestre •Muitos insetos aquáticos que podem quebrar e digerir a matéria orgânica terrestre. FRAG •A água é fria e tem + oxigênio. • Inclinação mais acentuada, com as corredeiras, corredeiras e quedas.
  23. 23. Vanot t e et al . , 1980Vanot t e et al . , 1980 Médi o cur sosMédi o cur sos ( 4ª - 6ª or dem)( 4ª - 6ª or dem) • Menos corredeiras e quedas • A luz solar atinge a água • A queda de folhas é proporcionalmente menos importante como fonte de energia. • Insetos se alimentam de algas e plantas vivas. • As temperaturas são mais quentes de fluxo, com maiores flutuações diárias e sazonais. • À medida que o tamanho do fluxo aumenta, o mesmo acontece com a diversidade de invertebrados e peixes
  24. 24. Vanot t e et al . , 1980Vanot t e et al . , 1980 Bai xo cur soBai xo cur so ( Aci ma de 6ª or dem)( Aci ma de 6ª or dem) • Matéria orgânica terrestre é insignificante; • Turbidez; • A energia é fornecida por material orgânico dissolvido e ultrafino deriva de trechos a montante. • Acumulação de fitoplâncton e zooplâncton contribuem para a base alimentar; • Energia também é fornecido durante pulso de inundação que trazem matéria orgânica da várzea para o canal principal; • Peixes são onívoros.
  25. 25. Teoria da Descontinuidade Serial • Ward & Stanford, 1983 • Alterações no (RCC) provocadas por fatores naturais ou antrópicos • Represamentos, alagamentos, charcos, queda d’água (cachoeira) ou fontes de poluição rompem o gradiente proposto pela teoria anterior produzindo mudanças longitudinais e determinando novos comportamentos em trechos específicos dos rios, originando novos gradientes. • Bacias hidrográficas impactadas resultando na perda de heterogeneidade espacial e temporal do curso d’água.
  26. 26. Teoria do Pulso de Inundação • Junk et al. (1989) • Interações laterais entre o canal e as planícies de inundação condicionam a estrutura e o funcionamento desses sistemas. • O pulso de inundação constitui a principal força responsável pela existência, produtividade e interações da maior parte da biota em sistemas lóticos de planícies de inundação. • Esta teoria é particularmente útil em muitos ecossistemas tropicais.
  27. 27. Teoria do Domínio de Processos • Montgomery (1999) • Alternativa à RCC • Considera a influência dos processos geomorfológicos na variação espacial e temporal que existe nos ecossistemas aquáticos. • Baseia-se na importância destas condições locais e nos distúrbios da paisagem, sendo aplicável em bacias hidrográficas localizadas em regiões com relevo íngreme, clima variável e geologia complexa.
  28. 28. Teoria da Imparidade com o Descontínuo Fluvial •Poole (2002) •Baseia-se no fato de que os rios são sistemas ímpares. •Uma bacia é formada por manchas que são características da vegetação, sedimentos, fluxo, solo, etc., e a dinâmica dessas manchas ao longo do sistema é que caracteriza o rio. •Assim cada bacia possui seu próprio mosaico de manchas denominadas de meta estrutura e elas se comportam de modo bastante desigual no contexto.
  29. 29. TRABALHOSTRABALHOS ECOLOGI A DE RI ACHOSECOLOGI A DE RI ACHOS

×