República oligárquica 1889 1930

8.499 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.499
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
146
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
62
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

República oligárquica 1889 1930

  1. 1. Primeira parte: análise e debate daorganização republicana; política do café com leite, revoltas e descontentamentos da população, café e a política de valorização, campo e cidade em mutações. Que País era esse?
  2. 2.  Muitos membros da elite dominante se colocavam contra a excessiva centralização política e administrativa O Partido Republicano (1870) convivia com as contradições da sociedade brasileira da época (proprietários de escravos, fazendeiros) que dificultava seu posicionamento claro frente a escravidão e a abolição Recusa do Imperador em acatar a bula papal de 1864, que proibia a relação de católicos com a maçonaria (Recife-Olinda expulsam maçons das irmandades) Respeitaram a decisão do Papa, mas descumpriram a decisão do Imperador. Ambos foram condenados a quatro anos de prisão com trabalhos forçados Pedro II foi pressionado e resolveu rever a pena, concedendo anistia aos bispos. Questão Religiosa
  3. 3.  Questão Militar – Defesa de uma Republica Militar –Positivismo – Benjamin Constant O governo tomou medidas que contrariou muito os militares: Proibiu a discussão pública de assuntos que dissessem respeito a eles O governo continuava apoiando a Guarda Nacional, ligada aos grupos mais conservadores Deve-se ressaltar, porém, que os grupos mais conservadores, o alto escalão do exército, continuava apoiando a monarquia
  4. 4. Os militares se sentiam frustrados, malrecompensados, desprestigiados pelo governo. Tudofavorecia a atitude de indisciplina e revolta.Pelotas, umdos chefes militares mais prestigiosos confessava em1886 que num efetivo de 13 mil homens tinham ocorrido7 526 prisões por indisciplina. Além disso o exércitorepresentava para as classes médias um meio deascensão. O exército seria, sob certo aspecto, orepresentante das classes médias, mas envolvendo-seem questões políticas e sociais os militares nãoabandonavam nunca o espírito de corpo que é a base daorganização militar. Por isso, conflitos que entre civisseriam somenos pareciam, quando envolviam um civil eum militar, uma ameaça grave a segurança dopaís.(Emilia Viotti)
  5. 5.  Visando realizar reformas e contornar a crise, foi nomeado em 1889 um gabinete liberal, chefiado pelo Visconde de Ouro Preto Este organizou um programa de reformas que visava atender a muitas das reivindicações feitas pelos republicanos: prometia maior incentivo à imigração, liberdade de culto, maior autonomia para as províncias e municípios e a nomeação de ministros militares para as pastas da Marinha e da Guerra. Baile da Ilha Fiscal – Oferecido um luxuosíssimo baile para os oficiais chilenos no Clube da Ilha Fiscal Dos episódios tiveram importância decisiva: Gaspar Silveira nomeado para presidência do RGS e Cunha Matos para o MT, ambos desafeto do Marechal Deodoro da Fonseca O Golpe fora marcado para o 20 de novembro Boatos da iminente prisão de Deodoro no 15, levaram ele unir-se a Benjamim Constant e sua tropas A deposição do gabinete de Ouro Preto oficializou a queda da Monarquia
  6. 6. Permanecendo o Brasil como um país essencialmenteagrário, a centralização existente no regime monárquicocontinuou sob nova roupagem, agoraestadualista, dirigida pela burguesia rural e financeira. ARepública,assim, atendeu, a uma nova repartição depoder, onde permaneceram as antigas oligarquias e seintroduziram as novas, representadas, em SãoPaulo, pela composição entre os antigos proprietários deterra, banqueiros e comissários de café. (Maria deLourdes Janotti)
  7. 7. Alegoria daRepública – Acoroa doImperador aochão, sendorecuperadapor um civil, abandeira, símbolo da Nação eao Fundo oExército prontopra ocupar otrono
  8. 8. Alegoria do fim do século XIX Em outra alegoria da época, a repúblicaunia a república francesa à argentina e a futura república brasileira seproposta república brasileira cumprimentavam, sob inspiração francesa
  9. 9. Alegoria sobre aConstituiçãoBrasileira, inspiradanos ideais francesese estadunidensesA primeira CartaMagna da Repúblicaseria a segunda doPaís, após a de 1824.
  10. 10. Assembléia Constituinte reunida, no Rio de Janeiro A primeira Constituição da República seria promulgada em 24 de fevereiro de 1891.
  11. 11. Sessão da Assembléia Nacional Constituinte, em 1890 Prudente de Morais presidindo a assembléia, tendo ao seu lado direito (portanto, no lado esquerdo da imagem), em seqüência, Deodoro da Fonseca, Cesário Alvim, Floriano Peixoto, José Simeão de Oliveira e Júlio de Castilhos. À esquerda de Prudente de Morais (portanto, no canto superior direito da imagem), também em seqüência a partir do centro, o grupo de quatro secretários dos trabalhos: Paes de Carvalho (E), Mata Machado, o coronel João Soares Neiva e Mendes Gonçalves (D). À frente da mesa, no fundo do grupo visto na esquerda da imagem, vê-se Francisco Glicério, tendo à frente três pessoas: o pintor Pedro Américo (E), Pinheiro Machado (C) e Bernardino de Campos (D).
  12. 12. A República velha é o período que vai da proclamação da República (1889) ao golpe civil de 1930. Resultado da Aliança entre os cafeicultores paulistas e o exército. Entre 1889-1894 - Rep. da Espada - militares dos marechais Deodoro da Fonseca (1889-91) e Floriano Peixoto(1891-94). Três projetos Republicanos: LIBERAL, Jacobina e Positivista
  13. 13. LIBERAL: Defendido pelos cafeicultores paulistas, pregava a descentralizaçãopolítica, concedendo autonomia aos Estados dentro de uma Rep.FederativaJACOBINA: defendido por setores da pop. urbana, que incluíam a baixaclasse média (pequenos comerciantes, funcionários) e setores intelectualizado(jornalistas, profissionais liberais, como médicos, advogados e professores).Defendiam a liberdade pública e não privada, de reunião e discussão, dedecidir coletivamente os destinos da nação. Participação popular naadministração pública, requisito importante de um regime fundado na liberdadee na vontade geral. Eram sensíveis a medidas que tinham alcance social. Osradicais eram xenófobos, principalmente anti lusitanos, se não na prática pelomenos no discurso.POSITIVISTA: Promoção do progresso, dentro de um espírito ordeiro, nãorevolucionário, por isso o destacado papel do Estado. Cabia ao Estado, pormeio da administração científica, racional, de seus líderes, zelar pelaordem, proteger cidadão e garantir seus direitos de uma forma quase tutelar. OEstado promove o Progresso. A idéia de um gov. forte, inteiramentecentralizado, uma verdadeira ditadura republicana, sustentava o ideáriopositivista.
  14. 14.  Definição O positivismo é uma corrente filosófica que surgiu na França no começo do século XIX. Os principais idealizadores do positivismo foram os pensadores Augusto Comte e John Stuart Mill. Esta escola filosófica ganhou força na Europa na segunda metade do século XIX e começo do XX, período em que chegou ao Brasil. O positivismo defende a idéia de que o conhecimento científico é a única forma de conhecimento verdadeiro. De acordo com os positivistas somente pode-se afirmar que uma teoria é correta se ela foi comprovada através de métodos científicos válidos. Os positivistas não consideram os conhecimentos ligados as crenças, superstição ou qualquer outro que não possa ser comprovado cientificamente. Para eles, o progresso da humanidade depende exclusivamente dos avanços científicos. O positivismo teve muita influência na literatura. No Brasil, por exemplo, influenciou escritores naturalistas como Aluísio de Azevedo e Raul Pompéia.
  15. 15.  O Governo provisório da  Floriano Peixoto - República foi chefiado por Hostilizado pelo Deodoro da Fonseca. Congresso, Deodoro O decretou o seu “Encilhamento”, Política fechamento, decretou econômica se estruturou estado de sítio, mas uma na emissão desenfreada onda de protestos de moeda que deu constrangeu-o à renúncia. origem a uma onda  Floriano assumiu ignorou especulativa, foi o a lei sofreu forte oposição acontecimento marcante na área militar (levante do início da República. da Armada), mas teve Constituição de 1891 – êxito na repressão. elimina o voto Censitário
  16. 16.  Isolados, sem apoio popular 6 Liderados pelo Almirante Saldanha meses depois a Revolta se extinguia e parte dos revoltosos da Gama, oficiais da Marinha de seguem para o Rio Grande do Sul Guerra (Armada) de tradicionais – Revolução Federalista 1893- 1895. veículos com a elite imperial  Júlio de Castilho – PRRG 1882, assume o poder do tornaram-se a principal oposição Estado. Oposição – P. Federalista liderado por Gaspar Em 06 de Set. 1893 posicionaram Silveira  Os Federalistas defendiam o os canhões para o RJ e Niterói e Parlamentarismo e a União federativa, já os Republicanos dispararam para ambas as eram presidencialistas e defendiam autonomia dos cidades. Início da Revolta Estados. A guerra envolveu o Paraná e Santa Catarina. Morreram entre 10 a 12 mil pessoas, considerando que o RG tinha 900 mil habitantes.
  17. 17.  Guerra de Canudos (1896-1897) O primeiro Presidente civil foi o paulista Prudente de • Nordeste da Bahia, no Vale do rio Morais, republicano histórico eleito por Vaza-Barris. O desencadear do voto direto em 1894. movimento está diretamente Deve-se a seu sucessor Campos Sales, a organização da República ligado às condições econômicas Oligárquica, que, na prática nada do Nordeste. mais era que uma República voltada • Exploração, seca, miséria: para os interesses dos grandes fazendeiros, particularmente os Cangaceiros, jagunços, seitas cafeicultores. místicas.O Arraial de canudos O principal mecanismo dessa • Por volta de 1893, já se reunia no República oligárquica foi a “Política dos Governadores”. arraial de canudos um núcleo Essa política consistiu numa troca de crescente de fiéis seguidores do apoio entre governo federal e governos beato Antonio Conselheiro. Em locais, com a finalidade de sempre 1896 o arraial possuía mais de manter no poder os representantes dos grandes fazendeiros. 20.000 pessoas que viviam de Os dois instrumentos dessa política modo semelhante aos da eram, de um lado, a Comissão de comunidade primitiva. Verificação (que oficializava os resultados eleitorais), e, de outro, o • Após 4 expedições e vários meses Coronelismo através do “voto de de batalha as forças do governo cabresto”. federal e local massacraram toda uma população.
  18. 18.  Governo Campos Sales (1898-1902) Representante da Oligarquia Paulista. Os aspectos econômicos estavam voltados para a importação de mercadorias e não industrialização. Sua intenção era manter o Brasil especializado em exportação de produtos agrícolas. Suspende o auxílio a industria nacional. Firma o acordo do Funding Loan.* Protegida pelo governo, a produção cafeeira cresceu num ritmo maior que a expansão do mercado internacional. Surgiu então a crise de superprodução e a conseqüente ameaça de queda de preço. Para evitar essa queda, os cafeicultores decidiram, no Convênio de Taubaté (1906)*, que o governo adquiriria o excedente mediante empréstimos no exterior. Essa política artificial de valorização do café apenas adiou o desfecho da crise de 1929/30.
  19. 19. Acordo com credores internacionais Todas as dívidas brasileiras foram transformadas em uma única, e o credor era a casa bancária britânica dos Rothschild. Pelo acordo, o Brasil recebeu como empréstimo 10 milhões de libras esterlinas, oferecendo com garantias as rendas da alfândega do RJ. O governo se comprometeu a realizar ainda uma política econômica deflacionária, retirando papel-moeda do mercado, o que gerou recessão, falências e desempregos.
  20. 20. Latifundiário paulista, apoiado pelo PRP, e pelo PRM, ex-ministro da Fazendado Governo de Prudente de Morais. Investimentos no setor público; Na cidadedo Rio de Janeiro o governador Pereira Passos investiu na reurbanização dacidade, jogando a população pobre para as regiões mais afastadas docentro, “higienização urbana”. (ler O Cortiço – Aluisio de Azevedo)Revolta da Vacina: Médico Sanitarista Oswaldo cruz procurava sanear acidade combatendo a varíola e a febre amarela, instituindo a vacinaobrigatória.A população rebelou-se mostrando seu desagrado por meio da não aceitaçãoda vacina. Durante 4 dias a população do Rio enfrentou os policiais embarricadas nas principais ruas.Os militares favoráveis ao florianismo, opositores de RodriguesAlves, aproveitaram a insatisfação popular e tentaram um golpe, liderado porLauro Sodré. O governador decretou estado de Sítio e, apoiado por tropasde Minas Gerais e São Paulo, reprimiu e perseguiu violentamente osrevoltosos. O regulamento da vacina foi modificado, tornando facultativa suaaplicação.Política de Valorização do café: Convênio de Taubaté* 1906
  21. 21. O personagem de bigodes ao centro, montado em uma seringa. Nascido em5 de agosto de 1872, em São Luís do Paraitinga (SP), Oswaldo Cruz médicoespecializado em saúde pública. Em 1903, foi escolhido pelo governo federalpara o cargo de Diretor de Saúde Pública. Morreu em 11 de fevereiro de1917, em Petrópolis (RJ).
  22. 22. “O Rio de Janeiro durante a Revolta da Vacina. Em 1904, a cidade era a capital dopaís e vivia os primeiros anos da República. Ela passava então por uma intensareforma para ficar mais bonita e agradável de se viver. Nos portos do Rio, muitasnegociações eram feitas, mas os estrangeiros que desembarcavam não ficavamcom uma boa impressão: encontravam uma cidade feia, com esgoto a céuaberto, famílias vivendo juntas em casas muito pequenas e doenças graves comoa varíola. A saúde pública era um dos principais problemas do país. Porisso, algumas medidas precisavam ser tomadas para melhorar a situação, entreelas, campanhas de vacinação, como a sugerida por Oswaldo Cruz.”
  23. 23.  Borracha da  Em 1900 – 24 milhões Amazônia de toneladas ou Auge entre 1890 e quase 30% das 1910 exportações – 110 mil Em 1852 o Brasil pessoas trabalhando exportava 1.600 no seringais. toneladas de borracha  Expansão urbana em (2,3% das Belém e Manaus exportações  1910 – concorrência nacionais) com a Borracha de origem asiática
  24. 24. O Governo de Afonso Pena (1906-1909)Indicação do PRM: Poder da burguesia cafeeira: novos empréstimos àInglaterra.Em 1907 o Brasil participou da Segunda Conferência de Paz de Haia, naHolanda, tendo sido representado por Rui Barbosa. Afonso Pena morreuantes do fim de seu mandato.O Governo de Nilo Peçanha (1909-1910)Substitui Afonso Pena: Criação do Serviço de proteção ao índio (CandidoRondon).Campanha eleitoral: SP rompe com MG: Uma parcela da oligarquia paulistalançou como candidato Rui Barbosa, de comum acordo com a Bahia. Minasem aliança com o RS apoiava Marechal Hermes da Fonseca.
  25. 25. • O Governo de Hermes da Fonseca (1910-1914)Política Salvacionista: intervenção política nos estadosRevoltas contra essa atitude: Rebelião em Juazeiro: Padre Cícero (Ceará) –1889-1931. (1892) – População se revolta a favor de Padre Cícero.A Revolta da Chibata 1910: a arbitrariedade do código disciplinar damarinha: violenta repressão, liderança João Cândido. “Há muito tempo naságuas da Guanabara, o dragão do mar reapareceu...”• O Governo de Venceslau Brás (1914-1918)A disputa presidencial. Primeira Guerra Mundial: Impulso a industrializaçãoA Revolta do Contestado: Guerra Santa do Contestado: líder o monge JoséMaria. Os confrontos foram violentos. Após algumas expediçõesfracassadas, organizou-se uma força de 7000 homens que destroçou oreduto.
  26. 26. O que vocês E por milenarismo? entendem por Messianismo?O que isso tem a ver com a República no Brasil? Atualmente localizamos tal fenômeno?
  27. 27.  Messianismo –  Canudos pode ser crença na vinda de considerado um messias para messiânico ou salvar a humanidade. milenarista? Milenarismo – crença  Contestado e na instauração do Juazeiro do Norte? reino de Deus na Sobre s dois Terra, que duraria mil movimentos podemos anos considerar:
  28. 28.  Padre Cícero após ser  Articulador de um pacto considerado pela entre os coronéis do população Cariri. santo, passa, então a ser idolatrado (1889)  Rico fazendeiro da região 1892 – Foi impedido de pregar e ouvir em  Acolheu Lampião por confissão; dois anos diversas vezes depois a Congregação para a Doutrina da Fé  Até sua morte aos 90 decretou falsidade do anos lutou para provar milagre em Juazeiro do que o milagre havia Norte. ocorrido Em 1911 o padre é eleito Prefeito
  29. 29. Caricatura naRevistaIlustrada, retratando AntônioConselheiro, com umséquito debufõesarmados comantigosbacamartes, tentando"barrar" aRepública
  30. 30.  Disputa de terras entre as  Muitos dos seguidores do regiões contestadas de movimento eram SC e Paraná. pequenos proprietários José que haviam sido expulsos Maria, beato, padre, preg da região por causa da ador da palavra de Deus construção de uma Se dizia seguidor do ferrovia, a Brazil Railway Monge João Maria, que Company (ligaria SP ao se dizia contra a RG). Republica e acreditava  Tropas estaduais atacam que somente a lei da a comunidade em Monarquia era 1912, José Maria foi verdadeira. morto.  Novo agrupamento em 1913 em Taguaruçu, com 12 mil integrantes.
  31. 31.  Difundiu-se a crença que José Maria regressaria à frente de um exército encantado para vencer as forças do mal e implantar o paraíso na terra. Em fina de 1916, forças do exército e das policiais estaduais, com o apoio de aviões, destroçaram os rebeldes matando milhares de fiéis
  32. 32. O poder dos mongesA figura dos monges teve valor fundamental para a questão doContestado, sendo mais destacado o José Maria. O primeiro monge foiJoão Maria, de origem italiana, que peregrinou entre 1844 e 1870 quandomorre em Sorocaba. João Maria levava uma vida extremamente humilde, eserviu para arrebanhar milhares de crentes, porém não exerceu influêncianos acontecimentos que viriam a ocorrer, mas serviu para reforçar omessianismo coletivo.O segundo monge, que também se chamava João Maria surge com aRevolução Federalista de 1893 ao lado dos maragatos. De começo vaimostrar sua posição messiânica, fazendo previsões a respeito dos fatospolíticos. Seu verdadeiro nome era Atanás Marcaf, provavelmente deorigem Síria. João Maria vai exercer forte influência sobre os crentes, quevão esperar pela sua volta após seu desaparecimento em 1908.
  33. 33. Essa espera vai ser preenchida em 1912 pela figura do terceiro monge: JoséMaria. Surgiu como curandeiro de ervas, apresentando-se com o nome deJosé Maria de Santo Agostinho. Ninguém sabia ao certo qual a sua origem,seu verdadeiro nome era Miguel Lucena Boaventura e, de acordo com umlaudo da polícia da Vila de Palmas/PR, tinha antecedentes criminais e eradesertor do exército.Dentre as façanhas que deram fama ao monge José Maria, podemosdestacar a ressurreição de uma jovem, provavelmente vítima de catalepsia, ea cura da esposa do coronel Francisco de Almeida, acometida por umadoença incurável. O coronel ficou tão agradecido que ofereceu terras e umagrande quantidade de ouro, mas o monge não aceitou, o que ajudou aindamais a aumentar a sua fama, pois passou a ser considerado santo, que veio àterra apenas para curar e tratar os doentes e necessitados.José Maria não era um curandeiro vulgar, sabia ler e escrever, anotandopropriedades medicinais em seus cadernos. Montou a "farmácia do povo" norancho de um capataz do coronel Almeida, onde passou a atenderdiariamente até tarde da noite.
  34. 34. DISPUTAS ENTRE AS OLIGARQUIAS MODERNISMOS• O Governo de Delfim  A disputa sucessória. Início Moreira (1918-1919) e de Epitácio Pessoa (1919-1922) da dependência aos A política do “Café com Leite” Estados Unidos. elegeu pela segunda vez  A Semana de Arte Moderna Rodrigues Alves, que, no entanto, faleceu no início de de 1922. sua gestão. Assumiu o vice- presidente Delfim Moreira, que segundo a constituição tinha que convocar novas eleições. A disputa sucessória. Início da dependência aos Estados Unidos. A Semana de Arte Moderna de 1922.
  35. 35. Resumo República Velha (1889 – 1930)Os treze presidentes. Ao longo da República Velha, que é a denominaçãoconvencional para a história republicana que vai da proclamação (1889) até aascensão de Getúlio Vargas em 1930, o Brasil conheceu uma seqüência detreze presidentes. O traço mais saliente dessa primeira fase republicanaencontra-se no fato de que a política esteve inteiramente dominada pelaoligarquia cafeeira, em cujo nome e interesse o poder foi exercido.Desses treze presidentes, três foram vices que assumiram o poder: FlorianoPeixoto, em virtude da renúncia de Deodoro da Fonseca; Nilo Peçanha, pelamorte de Afonso Pena; e, finalmente, Delfim Moreira, pela morte de RodriguesAlves, ocorrida logo após a sua reeleição.
  36. 36. O voto de cabresto, charge de Storni, revista Careta Rio deJaneiro, 1927.
  37. 37. Desenho deAngeloAgostini, AntônioConselheirorechaçaaRepública, inRevistaIlustrada, 1896.
  38. 38. A vida dos trabalhadores da indústria e dos transportes no começodo século XX era penoso e sofrida. A maior parte de seu tempo eradedicado ao trabalho. As jornadas de trabalho eram de 12 a 16horas por dia. Ao salários eram mínimos e não correspondiamas necessidades dos trabalhadores.Em geral toda a família trabalhava, inclusive as crianças, quesofriam até espancamentos nos locais de trabalho. Nas fábricas, porexemplo, ocorria o emprego maciço de mão-de-obra infantil, maisbarata que a adulta. Muitas crianças empregadas acabavam commembro mutilados pelas máquinas e, assim como os demaistrabalhadores, não tinham direito a tratamento médico, seguro poracidentes de trabalho, etc.
  39. 39.  Essa situação levou os trabalhadores a reagir. Ainda no século XIX, surgiram associações de auxílio, com o objetivo de prestar socorro a seus membros. Na década de 1870, trabalhadores imigrantes europeus começaram a criar ligas operárias, destinadas a lutar por reivindicações trabalhistas. Nascia assim o movimento operário no Brasil. Nesse contexto, surgiram as primeiras manifestações sob influência das idéias socialistas e anarquistas, que moviam as lutas operárias internacionais, mas, sobretudo, o anarcosindicalismo. A diminuição da jornada de trabalho para oito horas foi a grande bandeira de luta do movimento operário brasileiro.
  40. 40. Socialismo – no Brasil, os socialistas defendiam a participaçãodos trabalhadores na luta legal como caminho para a conquista dedireitos.Anarquismo – os anarquistas lutavam pela libertação dostrabalhadores por meio da eliminação do Estado e da propriedadeprivada.Anarcosindicalismo – corrente do anarquismo que propunha autilização dos sindicatos como instrumento de mobilização políticae para a destruição do Estado e da sociedade burguesa.Comunismo – os comunistas almejavam a destruição da sociedadecapitalista, propondo a substituição do Estado burguês peladitadura do proletariado como via para se chegar ao socialismo.
  41. 41. Panfletocomunista, cortandoos males do Estado.
  42. 42. A organização dos trabalhadores resultou na fundação de associaçõessindicais e de jornais operários, tornando o movimento mais fortepara enfrentar as inúmeras dificuldades. Seguindo o exemplo dostrabalhadores de outros países, surgiram manifestações e greves emvários estados, destacadamente em São Paulo, onde se concentrava omaior número de indústrias.Em 1907, a cidade de São Paulo foi paralisada por uma greve quereivindicava: jornada de oito horas diárias de trabalho, direito aférias, proibição do trabalho infantil, proibição do trabalho noturno para asmulheres, aposentadoria e assistência médica hospitalar. A manifestaçãoiniciada por trabalhadores da construção civil, da indústria de alimentos emetalúrgicos acabou contagiando outras categorias e atingindo diversascidades do estado.Em junho de 1917, outra grande greve também se iniciou em SãoPaulo. A greve de 1917 teve início em duas fábricas têxteis. Omovimento se espalhou rapidamente e paralisou a cidade, contandocom a adesão dos trabalhadores do serviço público. Cerca de 50.000pessoas aderiram ao movimento. Os patrões deram um aumentoimediato de salário e prometeram estudar as demais exigências. Agrande vitória foi o reconhecimento do movimento operário como instância
  43. 43. Cavalarianosda ForçaPublicadispersamoperários nagreve de1917, SãoPaulo.Questãosocial eracaso depolicia.
  44. 44. Tenentismo foi o nome dado ao movimento político-militar e àsérie de rebeliões de jovens oficiais (na maioria, tenentes) doExército Brasileiro no início da década de 1920, descontentescom a situação política do Brasil. Não declaravam nenhumaideologia, eram inspirados pela revolução comunista, osmovimentos políticos-militares, propunham reformas naestrutura de poder do país, entre as quais se destacam o fimdo voto de cabresto, instituição do voto secreto e a reforma naeducação pública.Os movimentos tenentistas foram: a Revolta dos 18 do Fortede Copacabana em 1922, a Revolta Paulista e a ColunaPrestes.Em 4 de julho de 1922 ocorre a primeira revolta que tem umaforte influência dos tenentes, conhecida como os 18 doForte, que se opunha à posse do presidente eleito ArthurBernardes. Deste movimento participaram o Capitão Hermesda Fonseca Filho, o Tenente Eduardo Gomes, o TenenteSiqueira Campos entre outros.
  45. 45. Debelada a revolta ressurge o movimento armado em 5 de julho de 1924em São Paulo. O qual consegue dominar a capital do estado e é dirigidopelo General Isidoro Dias Lopes. Essas tropas tenentistas retiram-se dacapital de São Paulo, mas de armas na mão.A Coluna Prestes, como passou a ser chamada, após dois anos de lutaenfrentando tropas governistas e tropas de Polícias Estaduais, além de“Provisórios” armados às pressas no sertão do nordeste. Passaram doisanos, sempre se deslocando de um lugar para outro e terminaram seinternando na Bolívia.O movimento tenentista não conseguiu produzir resultados imediatos naestrutura política do país, já que nenhuma de suas tentativas tevesucesso, mas conseguiu manter viva a revolta contra o poder dasoligarquias, representada na Política do café com leite. No entanto, otenentismo preparou o caminho para a Revolução de 1930, que alteroudefinitivamente as estruturas de poder no país.
  46. 46. „Operários‟, de Tarsila do Amaral, 1933.
  47. 47. Panfleto da Semana de arte moderna de 1922.

×