A chegada do livro espírita ao Maranhão

177 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
177
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A chegada do livro espírita ao Maranhão

  1. 1. A CHEGADA DO LIVRO ESPÍRITA NO MARANHÃO NO FIM DO SÉCULO XIX Djada M uniz
  2. 2.  A chegada do livro espírita ao Maranhão no final do século XIX. Estuda  Reação da sociedade e suas formas de resistências que foram de encontro à disseminação do livro espírita.  O contexto social da época;  Impactos nos meios de comunicação da época e seus efeitos na sociedade maranhense INTRODUÇÃO Objeto de Estudo Trabalha
  3. 3.  que “Livro dos Espíritos” tenha feito parte da bagagem de viajantes e imigrantes que aportavam no Brasil, vindos da França.” (GIUMBELLI, 1997).  “[...] foram trazidas principalmente por franceses que moravam no Rio de Janeiro ou pessoas ricas e instruídas da alta sociedade que tinham contato com o estrangeiro [...]” (FERNANDES, 2008). A C H E G A DA D O L I V RO E S P Í R I TA A O B R A S I L Hipóteses da chegada do livro espírita ao Brasil Outra hipótese é:
  4. 4. AS OBRAS ESPÍRITAS IMPRESSAS NO BRASIL As primeiras obras espíritas nacionais foram publicadas quando Kardec escrevia ainda os seus principais títulos doutrinários. A famosa Livraria Garnier, casa editorial do Rio de Janeiro, lançou “O livro dos Espíritos” em 1875. A reação da imprensa Nacional foi de repúdio à impressão e venda das obras kardecistas (MACHADO, 1983 apud STOLL, 2004)
  5. 5. O LIVRO ESPÍR ITA NO MA R A NHÃ O  Deduzimos com a pesquisa que tenha chegado através dos jovens estudantes e de intelectuais da alta sociedade maranhense que retornavam da Corte ou da Europa, em especial da França, trazendo consigo por volta de 1880 os ideais kardecistas, que irrompeu na sociedade maranhense amplamente católica, causando um furdunço digno de noticiário jornalístico.
  6. 6. CONCLUSÃ O  Percebemos que a chegada livro do espírita ao Maranhão e, por conseguinte, a doutrina espírita foi duramente criticada e sofreram ataques durante os últimos anos do século XIX;  com as constantes repressões da Igreja Católica, conhecidas como ultramontaníssimo (CARVALHO NETTO, 2011) tratando o espiritismo pelo clero como loucura, charlatanismo, coisa do demônio e prejudicial ao cristão e a qualquer pessoa sã.
  7. 7. BIBLIOGR A FIA  A CIVILIZAÇÃO. São Luís: n.81-?, 04 mar./16 set.1882.  A GAZETINHA. Rio Grande do Sul: p.1, 6 fev. 1896.  CARVALHO NETTO, Carlos Alberto de. A ciência do Espírito: aspectos da identidade espírita no Maranhão. In: CARNEIRO, Gamaliel da Silva; FERRETI, Sergio Figueiredo; SANTOS, Lyndon de Araújo (Org.). Religião & Religiosidades no Maranhão. São Luís: EDUFMA. 2011.  EVOLUÇÃO. São Luís: ano 1, n. 4, maio. 1937.  FERNANDES, Paulo César da Conceição. As origens do espiritismo no Brasil: razão, cultura e resistência no brasil de uma experiência (1850-1914). 2008. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Universidade de Brasília. Brasília. 2008.  GIUMBELLI, Emerson. O cuidado dos mortos: uma história da condenação e legitimação do espiritismo. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional. 1997.  KARDEC, Allan. O que é espiritismo. 38 ed. Rio de Janeiro: FEB, 1997.  LARA, Eugenio. História ilustrada do espiritismo no Brasil. São Vicente, CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação Espírita. 2002.  O REFORMADOR. Libertação pelo Evangelho. Rio de Janeiro: FEB, 1944.  STOLL, Sandra Jacqueline. Espiritismo à brasileira. São Paulo: Edusp/Orion. 2004.

×