ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE JORNAIS ESTUDANTIS
NA CIDADE DE SÃO LUÍS NO PERÍODO OITOCENTISTA.
VII Encontro Maranhense de His...
A imprensa chegou ao Brasil somente em 1808,
com D. João VI fugindo das forças de Napoleão
Bonaparte, que invadiam Lisboa....
Conforme observado por Martins (2010, p. 2)
“Um fator muito decisivo para a consolidação da
atividade letrada no Maranhão ...
O jornal O Conciliador transformou-se no
primeiro documento da história da imprensa
maranhense e do seu jornalismo, além d...
O Maranhão enriqueceu particularmente
a fortuna dos senhores fazendeiros no ultimo
quartel do século XVIII com a abertura ...
Os Jornais educacionais e literários maranhenses
analisados neste trabalho desempenharam papel
importante no desenvolvimen...
Dos jornais em estudo se destaca o Jornal de
Instrução e Recreio criado no ano de 1845, criado pela
Associação Literária M...
Sociedade Philomáthica, que designa uma
sistematização de conhecimentos gerais, havia sido
criada em 03 de maio de 1845 co...
Semanário Maranhense (1867-1868), importante
periódico literário da segunda metade do século 19,
responsável pela publicaç...
Periódico literário importância para a
consolidação do mundo literário no Maranhão
oitocentista no período de (1864-1865),...
Por fim podemos ressaltar que a imprensa
oitocentista foi de suma importância para a sociedade no
seu contexto social.
E q...
TEIXEIRA, Nísio. Jornais. In:___. Introdução às fontes de informação. Belo
Horizonte: Autêntica Editora, 2008. p. 67-88.
P...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Analise comparativa entre jornais estudantis na cidade de São Luís no período oitocentista

341 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Analise comparativa entre jornais estudantis na cidade de São Luís no período oitocentista

  1. 1. ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE JORNAIS ESTUDANTIS NA CIDADE DE SÃO LUÍS NO PERÍODO OITOCENTISTA. VII Encontro Maranhense de História da Educação Infância, escola e família na História da Educação
  2. 2. A imprensa chegou ao Brasil somente em 1808, com D. João VI fugindo das forças de Napoleão Bonaparte, que invadiam Lisboa. (TEIXEIRA, 2008, p. 74) A leitura era considerada crime e algumas oficinas de impressão brasileiras acabavam sendo fechadas e destruídas. Assim, para entrar no Brasil, os livros tinham que ser contrabandeados da Europa. (TEIXEIRA, 2008, p. 74)
  3. 3. Conforme observado por Martins (2010, p. 2) “Um fator muito decisivo para a consolidação da atividade letrada no Maranhão foi o jornalismo literário e político que surgiu, sobretudo em São Luís, decorrente da intensa atividade tipográfica que ali se instalou em começos do século XIX”.
  4. 4. O jornal O Conciliador transformou-se no primeiro documento da história da imprensa maranhense e do seu jornalismo, além de tornar-se referência sobre as mudanças políticas ocorridas no território e no Brasil. (PINHEIRO, 2003, p. 15)
  5. 5. O Maranhão enriqueceu particularmente a fortuna dos senhores fazendeiros no ultimo quartel do século XVIII com a abertura dos portos e do comércio para o mercado mundial, tornando-se o quarto maior porto do país em importância comercial.
  6. 6. Os Jornais educacionais e literários maranhenses analisados neste trabalho desempenharam papel importante no desenvolvimento político e cultural da província, seus artigos eram principalmente voltados para a crítica literária, a divulgação e ao estímulo dos talentos locais e nacionais. Apresentavam conteúdo partidário ou literário, suas atuações no cenário local exerceram forte influência sobre a opinião pública e o meio intelectual, sobretudo na capital, São Luís.
  7. 7. Dos jornais em estudo se destaca o Jornal de Instrução e Recreio criado no ano de 1845, criado pela Associação Literária Maranhense, organizada e elaborada pelos estudantes do Liceu Maranhense, entre editores os quais constavam inicialmente Luís Antônio Vieira da Silva, Antônio Henriques Leal, Pedro Guimarães, Augusto Frederico Colin, Augusto César dos Reis Raiol, entre outros.
  8. 8. Sociedade Philomáthica, que designa uma sistematização de conhecimentos gerais, havia sido criada em 03 de maio de 1845 com o objetivo declarado de contribuir para o progresso material e moral da província do Maranhão. Reunia parte da elite local da época – econômica, política e social – tinha a pretensão de se deter sobre as mais diversas áreas do conhecimento: artes, ciências, letras e higiene pública.
  9. 9. Semanário Maranhense (1867-1868), importante periódico literário da segunda metade do século 19, responsável pela publicação e reconhecimento da copiosa produção de toda uma nova e importante geração de intelectuais e literatos maranhenses, após o desaparecimento de Gonçalves Dias, Odorico Mendes, João Francisco Lisboa, Gomes de Sousa e Trajano Galvão de Carvalho.
  10. 10. Periódico literário importância para a consolidação do mundo literário no Maranhão oitocentista no período de (1864-1865), “publicação dedicada à litteratura” que reuniu um conjunto menos expressivo de literatos que ocupavam o cenário das belas-letras maranhenses, entre os quais se destacava a professora e escritora Maria Firmina dos Reis, autora do romance de tema abolicionista Úrsula (1859), considerado a primeira ficção do gênero escrita por uma brasileira e um dos primeiros romances de autoria feminina no Brasil.
  11. 11. Por fim podemos ressaltar que a imprensa oitocentista foi de suma importância para a sociedade no seu contexto social. E que os jornais possuíam um espirito capaz de alterar toda a rotina do meio ao qual estava inserido, como também força para incentivar certas práticas e fortalece-las.
  12. 12. TEIXEIRA, Nísio. Jornais. In:___. Introdução às fontes de informação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008. p. 67-88. PINHEIRO, Roseane Arcarnjo. Nas linhas de O Conciliador do: jornalismo e política no primeiro jornal do Maranhão. Disponivel em <http://www.slideshare.net/ Pic huluco/nas-linhas-de-o-conciliador>. Acessado em 20 de jan. de 2013. MARTINS, Ricardo André Ferreira. Breve panorama histórico da imprensa literária no maranhão oitocentista. Disponível em: < http://cascavel.ufsm.br/revistas/ojs- 2.2.2/index.php/animus/article/view/2442>. Acessado em: 12 de jan. de 2013.

×