SlideShare uma empresa Scribd logo
Manual de Especificação Técnica
dos Espaços Físicos Escolares
Escolas Municipais da Cidade do Rio de Janeiro
Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro
Secretaria municipal de obras públicas - RIO urbe
Conservando
escolas
2010
Materiais de Construção
Placas Cerâmicas
Fachadas – Cozinha – Banheiros – Áreas de Serviços
Pisos & Paredes
2010
Conservandoescolas
Placas Cerâmicas
•Requer o estudo da temperatura, características climáticas, durabilidade, bom
desempenho e aderência;
• Segundo as normas internacionais, a vida útil de um revestimento cerâmico
deve atingir, no mínimo, metade da vida útil da edificação.
• Deverá ser apropriada para uso externo
com as seguintes características:
-baixa expansão por umidade;
-não desbotar com a ação da luz do sol;
-ter superfície de fácil limpeza;
2010
Conservandoescolas
Placas Cerâmicas
2010
Conservandoescolas
Placas Cerâmicas - Onde podemos aplicar ?
Nos espaços físicos escolares as placas cerâmicas deverão ser utilizadas
apropriadamente nos seguintes ambientes:
I. Cozinhas e Banheiros: (classe A – TIPO EXTRA – Anti derrapante)
• Paredes - azulejos brancos 15 x 15 cm,junta reta e rejunte na cor
branca;
• Piso – cerâmica PEI 5,medindo 45 x 45 cm na cor cinza claro, linha
granilite da Portobello ® – carga pesada e rejunte cinza médio;
II. Corredores e Foyer de pavimentos:
. Paredes – cerâmica PEI 5,medindo
9,5 X 9,5 cm, linha Arquiteto neutra,
acabamento fosca e rejunte na cor
branca – altura 2,10 m;
. Piso - cerâmica PEI 5, 45 x 45 cm
na cor Bianco , linha Mármore
Bianco,Portobello ® – carga pesada
rejunte cinza médio, Anti derrapante;
2010
Conservandoescolas
Placas Cerâmicas
Corredores ,halls e Foyers: altura até 150,0 cm
Linha Arq. Design Portobello ®9,5 x 9,5 cm.
Mesclar com murais .
Paredes dos Banheiros e da Cozinha:
Azulejos brancos tipo extra A – formato 15 x 15 cm;
Linha Arq Design Portobello ® 9,5 x 9,5 cm,cor azul;
Piso:
Linha Laser Portobello ® PEI 5 –alto trafego –
anti derrapante – formato 43 x 43 cm;
2010
Conservandoescolas
Placas Cerâmicas
Evite usar cerâmica nas salas de
aula , pois este material é de
alta
dureza,prejudicando a
acústica
do ambiente.
Nos ambientes de Cozinha e banheiro:
- Utilize sempre os azulejos brancos tipo extra A – formato 15 x 15 cm;
Apresentam as vantagens:
- fácil manutenção;
- reposição de peças de fácil aquisição no mercado e preço acessível;
- padrão oficial e perpetuado no mercado,não saí de linha;
2010
Conservandoescolas
Tipos de Base
Cada tipo de cerâmica exige uma técnica de execução e uma argamassa colante
flexível, capaz de dissipar as deformações diferenciais que poderão ocorrer entre
a camada de acabamento e a base.
2010
Conservandoescolas
Argamassa de Placas Cerâmicas
• Argamassas de Placas cerâmicasArgamassas de Placas cerâmicas
Um perfeito assentamento depende da escolha da qualidade da argamassa colante ,que
deve ser executada com desempenadeira denteada formando cordões e sulcos;
2010
Conservandoescolas
Preparo das Bases – Placas Cerâmicas
2010
Conservandoescolas
Pisos - Placas Cerâmicas
2010
Conservandoescolas
Cuidados especiais – Placas cerâmicas
Fachadas
Obs.:
Devemos ter cuidado ao aplicar
este tipo de revestimento nas
fachadas, dependendo
das dimensões a serem cobertas,
o ideal é ser executado
com projeto executivo;
Especificação Técnica:
As placas cerâmicas de utilização
em fachadas,serão do tipo Portobello ®
Linha Arquiteto dimensões 9,5 x 9,5 cm,
cores de padrão PCRJ :
- Branca , azul escura e azul claro;
2010
Conservandoescolas
Cuidados especiais – Placas cerâmicas
Fachadas
2010
Conservandoescolas
Cuidados especiais – Placas cerâmicas
Fachadas
Necessita de uma correta compatibilização de todos os seus componentes,
tais como: chapisco, emboço, telas de reforço, argamassa colante e de
rejunte, materiais de juntas e a própria cerâmica.
• Todos os tamanhos das peças de cerâmica são suscetíveis a problemas,
porém quanto menor a peça, maior a quantidade de juntas para dissipar as
tensões internas do revestimento;
• Quanto maiores as placas maiores os esforços de cisalhamento induzidos
na interface de aderência tornando maiores os riscos de desplacamento.
2010
Conservandoescolas
Placas cerâmicas
Fachadas
2010
Conservandoescolas
Placas cerâmicas
2010
Conservandoescolas
Materiais Vinílicos
Placas Vinílicas
Auditórios – Laboratórios - Salas de Informática – Berçários – Administração
2010
Conservandoescolas
Pisos Vinílicos
• Ao optar pelo piso vinílico, o especificador precisa conhecer as características do material
que melhor responde às exigências do ambiente.
•
É um revestimento vinílico flexível heterogêneo para piso, fabricante FADEMAC ®
disponível em mantas de 2 x 20m, com base pigmentada na cor do produto,
composto por resina de PVC,manda de fibra de vidro,plastificante e cargas minerais.
Sugestões de aplicação:
indicado para todo tipo de área coberta,
salas de administração,berçários ,
creches ,auditório,laboratórios,salas de
Informática.
Linha Absolute ®
2010
Conservandoescolas
Placas Vinílicas
Paviflex® é a melhor tecnologia para pisos e
revestimentos de ambientes internos, possui baixo
índice de rugosidade diminuindo acúmulo de sujeira.
Prático e versátil, apresenta uma diversidade de
acabamentos e cores, além da alta durabilidade e
resistência a abrasão.
Apresentação: Revestimento vinílicos semiflexível,
apresentado em placas de 30 x 30cm e 60 x 60cm,
composto por resinas de PVC, plastificantes, cargas
minerais, pigmentos e isento de amianto em sua
formulação, normalizado pela NBR 7374 da ABNT.
Massa de preparação à base de PVA e cimento.
Adesivo para piso vinílico.
Sugestões de aplicação: indicado para todo tipo de
área coberta,salas de administração,berçários
,creches .
2010
Conservandoescolas
Pisos Vinílicos
• Pavifloor® - Com fungicida incorporado em sua massa, o piso tem resistência a fungos e bactérias. A linha Eclipse PUR permite um
melhor aproveitamento da manta, por não ter desenho direcional, e a linha Tivoli PUR TOP possui acabamento em poliuretano reforçado
de última geração, que facilita a conservação e não requer polimento.
Apresentação: Revestimento vinílico flexível homogêneo para piso, disponível em mantas e placas, composto de resina de PVC,
plastificantes, pigmentos, cargas minerais e acabamento de proteção em poliuretano na superfície de uso.
Sugestões de aplicação: indicado para todo tipo de área coberta,laboratórios,auditórios,salas de administração,berçários ,creches
2010
Conservandoescolas
Placas Vinílicas - Linhas & Padrões
2010
Conservandoescolas
Placas Vinílicas -Benefícios
2010
Conservandoescolas
Placas Vinílicas
Linha
Classic
2010
Conservandoescolas
Placas Vinílicas
Linha Chroma
2010
Conservandoescolas
Placas Vinílicas
Linha Dinamic
2010
Conservandoescolas
Placas Vinílicas
Linha Intensity
2010
Conservandoescolas
Placas Vinílicas - Durabilidade
A vida útil do piso vinílico está relacionada às questões de qualidade da aplicação
do produto, qualidade do contra piso e cuidados de conservação e limpeza.
“Temos casos de pisos no Brasil que foram aplicados há 30 anos. Além de o piso
ter garantia contra defeito de fabricação, sua durabilidade quando aplicado e
conservado corretamente é superior a 20 anos”.
Durabilidade
Linha Absolute
2010
Conservandoescolas
Manta Vinílica
Piso vinílico homogêneo em mantas de 2 m de largura por 25 m de
comprimento, e 2 mm de espessura. Pigmentação colorida com partículas de
PVC transparente na massa dando o efeito de 3D.
Possui em sua composição iQ Unique Surface Restauration (única superfície
restaurável) que dispensa o uso de cera por toda a vida do piso, a recuperação
da superfície é feita apenas com polimento. Oferece excelente resistência à
abrasão e a produtos químicos.
Indicado para trânsito intenso, classe de uso EN 685- Classe 34.
Teste de limpeza ASTM F51/00 - Classe A. As mantas são fundidas a quente
com cordão de solda vinílica de aproximadamente 4 mm, tornando o piso
monolítico e impermeável. Disponível em 30 opções de cores.
2010
Conservandoescolas
Manta Vinílica
Linha Absolute
2010
Conservandoescolas
Manta Vinílica
Linha Absolute
2010
Conservandoescolas
Pisos Monolíticos - moldados in loco
Pisos Monolíticos
Cozinhas – Banheiros – Corredores – Salas de aula - Calçadas
2010
Conservandoescolas
Piso Monolítico – Piso Granilite
Ideal para a aplicação em grandes áreas sociais, o piso de granilite caracteriza-se
por ser um produto de fácil limpeza, possibilitando criar belos mosaicos com a
resistência de pedras nobres e a custo reduzido. O granilite é constituído por
pedaços de mármore e granito, cimento, água e areia, aplicado sobre uma
regularização (contra-piso). Dessa forma, pode compor o piso inteiro ou apenas o
rodapé. O granilite é aplicado por empresa especializada.Deve ser executado
após a delimitação das juntas de dilatação – em madeira, metais ou plástico
colorido.
Onde aplicar?
-Cozinhas;
-Banheiros;
-Corredores;
-Salas de aula;
-Foyer;
-
Com a adição de quartzo diábase torna-se um produto
mais resistente, sendo adequado para a aplicação em
ambientes de grande tráfego .
2010
Conservandoescolas
Piso Monolítico – Calçadas
Uma maneira rápida e econômica de fazer o piso da calçada é usar uma
camada de concreto de 5 cm de espessura. Nas entradas de carro, essa
camada deve ter 7 cm.
Coloque ripas de madeira no sentido da largura da calçada, a cada 1,50 m.
Essas ripas devem ficar aparentes na calçada e vão funcionar como juntas,
evitando rachaduras.
2010
Conservandoescolas
Pisos Cimentados –Área Externa
Concrete Epoxy é um produto desenvolvido através de resina epóxi com micro
agregados minerais que reproduzem as nuances, cores e texturas de um piso de
“cimento queimado”, com as vantagens de não trincar e de dispensar juntas.
Pode ser moldado in loco ou em placas de tamanhos variados para própria
instalação. Seu uso é recomendado em shoppings, lojas, quadras, escolas,
escritórios, hospitais, hotéis, residências, garagens, indústrias, salas limpas,
cozinhas, restaurantes, áreas de alto tráfego, etc.
2010
Conservandoescolas
Pisos Quadra de Esporte
Lisolac é um piso flexível de poliuretano sem juntas ou emendas, moldado no
local. Seu contra piso pode ser uma base cimentada nivelada, ou outra que ofereça
segurança e estabilidade. Utilizado em ginásios multiuso, salas de ginástica, áreas
de musculação e condicionamento físico entre outros. Lisonda ®
Piso Asfáltico Lisonda ®
O Piso Asfáltico Lisonda Poli é composto de base
asfáltica e revestimento acrílico de alta durabilidade e
estabilidade de cor. Possui secagem rápida e de baixa
manutenção. Seu contra piso pode ser de base de
concreto ou asfálitca, já sua sub-base deve ser de
terreno compactado, preparado com declividade
adequada. Indicado para quadras poliesportivas,
streetball, peteca badmington, pista de Cooper e etc.
2010
Conservandoescolas
Pisos Quadra de Esporte
Quadras externas Recoma ®
Quadras externas são uma das grandes preocupações de proprietários de
chácaras, sítios, locadoras e clubes esportivos. A Recoma® oferece uma
opção para quem se preocupa em possuir ou oferecer aos usuários,
quadras esportivas com pisos seguros, de baixa manutenção e resistentes
aos agentes atmosféricos tais como chuva, poluição e raios UV.
2010
Conservandoescolas
Pisos Quadra de Esporte
Monolith PU Floor NS Brazil ®
Monolith PU Floor é um piso decorativo autonivelante com acabamento em
poliuretano de alta performance, monolítico e sem juntas, que com suas
características de alta resistência aliado a maior flexibilidade e elasticidade
dos poliuretanos, resulta em um piso de estética valorizada, com
características de resistência a riscos e desgastes superficiais. Resistente
a impactos é indicado para áreas de grande circulação, comércio,
supermercados, bancos, salas de montagens, quadras esportivas, etc.
2010
Conservandoescolas
Pisos Poliuretano
P.U Color Tinta Polipiso do Brasil ®
P.U Color Tinta é um sistema de pintura a base de poliuretano alifático que
pode ser utilizado em áreas internas e externas, em locais onde se exige
alta resistência química e aspecto agradável. De fácil aplicação, boa
resistência e flexibilidade, o produto é utilizado em instalações comerciais,
hangares, laboratórios, estacionamentos, usinas, entre outros locais. P.U
Color Tinta também proporciona facilidade de limpeza e manutenção.
Lisocrete Lisonda ®
Lisocrete é um piso flexível de poliuretano sem
juntas ou emendas, moldado no local. Além de
altamente resistente, garante um nível superior de
assepsia e oferece facilidade de manutenção e
limpeza. Outra grande vantagem deste piso é a
resistência aos raios UV, o que mantém a
estabilidade da cor. Utilizado em ginásios multiuso,
salas de ginástica.
2010
Conservandoescolas
Pisos Poliuretano
Os sistemas SOLEDUR QC Solepoxy® são revestimentos compostos de
resinas sintéticas epóxi, poliuretano ou metacrílicas e cargas minerais de alta
dureza. Seu acabamento é composto de quartzo colorido policromático, selado
por resinas translúcidas de alta transparência.
Sua composição possui uma relação de resina / agregado que permite alta
resistência em menores espessuras.
Possui uma camada de acabamento,
é mais antiderrapante e resistente
a abrasão.
Alta resistência à compressão, à abrasão e química. Não riscam.
Suportam umidade ascendente; Rodapé integrado ao piso –
sem emendas; Espessura variando de 3 a 6mm;
Policromático; Acabamento brilhante ou fosco
2010
Conservandoescolas
Pisos Poliuretano
2010
Conservandoescolas
Pisos Poliuretano
A linha de revestimentos Soledur FLAKES Solepoxy® foi especialmente
desenvolvida para as áreas comercial, administrativa, hospitalar, pública,
laboratório e cozinha. Conciliando uma estética inigualável com a alta
resistência das resinas epóxi e o poliuretano, este revestimento é a solução
ideal quando se deseja beleza, confiabilidade e resistência.
Os revestimentos SOLEDUR FLAKES podem ser aplicados em todas as áreas
do comércio onde se deseja uma combinação de estética com resistência.
É particularmente recomendado para laboratórios, escolas, escritórios,
hospitais, cozinhas, supermercados, residências, shoppings e lojas.
2010
Conservandoescolas
Proteção e Tratamentos de Pisos
Paviflex e mantas vinílicas, mármores e granitos, cerâmicas, granilites e
cimentados, emborrachados, pisos de madeira e outras superfícies.
2010
Conservandoescolas
Proteção e Tratamentos de Pisos
• Um sistema antiderrapante de limpeza,
proteção, recuperação e revitalização de
pisos novos tratáveis, e/ou pisos
desgastados, com produtos à base de
polímeros acrílicos e aplicação
profissional e mecanizada. Agregados
especiais para o acabamento de pisos
antiderrapantes
Anchortec ®
• Agregados especiais para o acabamento de
pisos antiderrapantes AS500, AS750 e
AS1000 são selecionados, graduados e
isentos de materiais orgânicos e
impurezas. Os produtos são adequados
para serem adicionados ou aspergidos à
tintas ou vernizes com o objetivo de
compor um produto com características
antiderrapantes para pisos de concreto.
2010
Conservandoescolas
Proteção e Tratamentos de Pisos - Antiderrapante
Antiderrapante  
• Podendo ser aplicado em diversos materiais e ambientes, o Tratamento Aderis ®
interage com o piso, aumentando todos os coeficientes de atrito.
•
Quando aplicado, o antiderrapante torna a superfície dos pisos escorregadios mais
segura. O “Tratamento Aderis“ interage com o piso, criando uma camada
microscópica, invisível, não o alternando visualmente e gerando um aumento de
atrito de mais de 400% quando molhado. O produto é destinado a pisos de diversos
materiais como, por exemplo: lajotas, ladrilhos, mármores, granitos, porcelanato,
cimentados e pedras naturais.
2010
Conservandoescolas
Proteção e Tratamentos de Pisos - Antiderrapante
Antiderrapante  
• SPECCHIO 50
Cera impermeabilizante HS à base de resinas acrílicas. Fórmula especialmente desenvolvida para pisos laváveis como mármores,
lajotas, cerâmicas, pisos emborrachados, etc. Produto com autobrilho, antiderrapante e alta resistência ao tráfego. Pode ser
aplicada diretamente ou sobre uma base seladora da RZK.
Aceita polimento com enceradeira High Speed.
2010
Conservandoescolas
Pintura
Tintas
2010
Conservandoescolas
Tintas para Paredes
• As paredes das salas de aula devem ser revestidas com reboco e pintadas com tinta acrílica;
• Conjunto de tintas de acabamento + massas + fundos;
• Emprego de materiais específicos p/base de fundos;
• Película aderente;
• Baixa espessura < 0,5 mm;
Funções - proteção do substrato:
• madeira – minimizar a absorção de umidade
• alvenaria aparente – melhorar a estanque idade
• revestimento de argamassa – protege contra esfarela mento ,bolor e umidade
• decorativa – sensações na ótica e percepção humana
•
2010
Conservandoescolas
Tintas para Paredes
Requisitos básicos:
- correto preparo da base;
- adequação das tintas as solicitações da base;
- adoção de procedimentos de execução adequados;
- qualidade da tinta ,fundos,massa e equipamentos;
- qualificação de mão de obra;
•
Tintas são ótimos revestimentos para as paredes.
São apropriadas para as tipologias de escolas e creches;
Vantagens - fácil limpeza e durabilidade;
- material monolítico s/juntas (s/acúmulo sujidades);
- renovação fácil e selador de película protetora c/fungos ;
Tintas plásticas emulsionáveis ( fácil de aplicar – s/odor -n/inflamável)
A norma técnica exige que a boa tinta desempenhe os requisitos de:
- poder de cobertura de tinta seca;
- poder de cobertura de tinta úmida;
- resistência 'a abrasão úmida s/pasta abrasiva;
2010
Conservandoescolas
Tintas para Paredes
• Base – massa corrida
•
•
• Revestimento:
•
•
•
•
• Acabamentos :
. selador
•
•
•
•tinta acrílica – paredes
•tinta PVA (látex) – tetos
Látex
Acrílica
2010
Conservandoescolas
Tintas para Paredes
2010
Conservandoescolas
Cores - Tintas para Paredes
As cores são vistas e definidas através da limitação que os corpos sólidos
oferecem à presença da luz, aos seus raios luminosos, devido a sua maior ou
menos absorção. Sabemos que da decomposição da luz, resultam as sete cores
do arco-íris. Que nos mostra que a luz branca é a mistura dessas sete cores.
 A cor preta, por sua vez, na verdade não é uma cor, sendo assim chamada
apenas por conveniência. É, enfim, a ausência de todas as cores, pois absorve
( o corpo, um carvão por exemplo ) todas as radiações solares ou luminosas. Já a
cor branca é o resultado de não absorção, pelo corpo, de nenhuma radiação.
Provocando nesse caso, a dispersão de todos os raios luminosos sobre a
superfície, o que dá origem à cor, devido à mistura de todos os raios.
Cores Primárias 
São as cores que não podem ser formadas por nenhuma mistura.
São cores puras : Azul, amarelo e vermelho.
2010
Conservandoescolas
Cores - Tintas para Paredes
Cores Secundárias
As cores secundárias são 3 : o laranja, o verde e o violeta.
Chamam-se cores secundárias porque se conseguem obter a partir da
mistura de duas cores primárias.
Mistura de cores Primárias = Secundárias
Vermelho + Amarelo = Laranja
Amarelo + Azul = Verde
Azul + Vermelho = Violeta
2010
Conservandoescolas
Cores - Tintas para Paredes
Cores Terciárias
Cores terciárias são todas aquelas que resultam da mistura das três cores
primárias.
Mistura de cores primárias + secundárias = terciárias
Laranja + Violeta = Marrom
Violeta + Verde = Oliva
Verde + laranja = Ocre
Mistura com as cores neutras
Branco + Preto = Cinza
Branco + Vermelho = Rosa
Branco + Vermelho = Canário
Preto + Vermelho = Marrom
Preto + Amarelo = Verde Azeitonado
Preto + Azul = Azul escuro
Lembre-se que as cores escuras deverão ser acrescidas às
cores claras em proporções bem inferiores.
2010
Conservandoescolas
Cores - Tintas para Paredes
Cores Frias e Quentes
                       Frias Quentes
Cores Complementares
Cores complementares são as cores opostas no disco de cores. são as que
mais contrastes entre si oferecem
Ex: o vermelho é complementar do verde. O azul é complementar do laranja. O
amarelo é complementar do Violeta .
Então se quisermos destacar um amarelo, devemos colocar junto dele um
violeta e assim para as outras cores acima citadas
As cores complementares são usadas para dar
força e equilíbrio a um trabalho criando contrastes.
Evitar usar apenas cores complementares em
um trabalho, o efeito pode não ser
muito favorável.
2010
Conservandoescolas
Cores - Tintas para Paredes
Significado das Cores
2010
Conservandoescolas
Cores - Tintas para Paredes
Cores que Contrastam ou Contrastantes
São cores que, quando usadas próximas umas das outras, produzem uma sensação
de choque. Dão a impressão de extrema saturação. Não devem ser usadas juntas.
As cores contrastantes são diretamente opostas no disco das cores. Quando mais
forte forem elas, maior será esse impacto.
2010
Conservandoescolas
Cores - Tintas para Paredes
Cores Análogas
Cores Análogas são as que aparecem lado a lado no disco de cores. São análogas,
porque há nelas uma mesma cor básica.
Pôr exemplo o amarelo-ouro e o laranja –avermelhado tem em comum a cor laranja.
Elas são usadas para dar a sensação de uniformidade.A composição em cores
análogas são consideradas elegantes, e podem ser equilibradas com uma cor
complementar.
2010
Conservandoescolas
Cores - Tintas para Paredes
Tom
O termo tom refere-se a maior ou menor quantidade de luz aplicada à determinada
cor. Quando se adiciona preto ele se torna gradualmente mais escuro e essas
graduações são chamadas escalas tonais. Para obter escalas tonais mais claras
acrescenta-se branco.
2010
Conservandoescolas
Cores - Tintas para Paredes
Temperatura das Cores
A temperatura das cores designa a capacidade que a cores tem de parecer quentes
ou frias
2010
Conservandoescolas
Cores - Tintas para Paredes
Contrastes
Cores Contrastantes: São cores que quando usadas próximas umas das outras,
produzem uma sensação de choque. As cores contrastantes são diretamente
opostas no disco das cores. O resultado nem sempre é satisfatório, porém, é usado
quando se quer explorar a sensação de choque. Quanto mais forte forem elas, maior
será o impacto.
2010
Conservandoescolas
Cores - Tintas para Paredes
Contrastes de limite
A cor central é uma mistura das cores laterais. Observe que a faixa central é
clareada por cada uma das outras cores, mas do lado oposto.
No limite da faixa vermelha, o violeta é clareado pelo azul, e no limite da faixa azul,
o vermelho é clareado pelo azul, o violeta é clareado pelo vermelho.
2010
Conservandoescolas
Cores - Tintas para Paredes
Cores Acromáticas ou Neutras
Cores acromáticas são cores chamadas neutras, o branco, o preto, os
cinzas e os marfim.
2010
Conservandoescolas
Cores - Tintas para Paredes
Aspectos das cores
As cores podem parecer diferentes em função da cor de fundo:
2010
Conservandoescolas
Cores - Tintas para Paredes
Dicas de combinações
Tríade - É um esquema que usa três cores
secundárias eqüidistantes. Por exemplo: verde, violeta,
laranja ou então violeta azulado, laranja avermelhado,
verde amarelado. A tríade é considerada como um dos
esquemas mais harmoniosos na roda de cores. Forma
um triângulo isósceles na Roda de Cores.
• Esquema de Cores Primárias
– As cores primárias são cores
puras e que merecem atenção
e cuidado quando usadas.
Complemente com cores
neutras
2010
Conservandoescolas
Cores - Tintas para Paredes
Esquema de Cores Frias - Você combina as cores
e tonalidades consideradas frias: azul, verde e violeta.
• Esquema de Cores Quentes -
Você combina as cores e
tonalidades consideradas
quentes: amarelo, laranja,
vermelho e marrom
Dicas de Combinações
2010
Conservandoescolas
Cores - Tintas para Paredes
• Esquema de Cores
Diretamente
Complementares - Combinar
duas cores diretamente opostas
na roda. Uma intensifica a
outra. É uma forma de dar
início a um esquema. Por
exemplo: Laranja é diretamente
complementar ao azul, então,
comece com azul e laranja e
complemente com as
tonalidades (claro, médio e
escuro), podendo balancear
com cores neutras e os bons
vizinhos.
•
Dicas de Combinações
2010
Conservandoescolas
Cores - Tintas para Paredes
• Quadricolor - É um esquema que
usa duas cores complementares
separadas por duas cores
adjacentes a elas. É um esquema
considerado harmônico, porque
contém duas cores diretamente
complementares. Por exemplo:
Azul, vermelho violeta, laranja,
verde amarelado.
Formam um retângulo na Roda de
Cores.
•
Dicas de Combinações
2010
Conservandoescolas
Cores - Tintas para Paredes
Dicas de Combinações
• Esquema Complementar Dividido –
É um esquema com 3 cores, sendo que duas são
análogas ou adjacentes e a terceira é uma
diretamente complementar.Por exemplo: amarelo
(complementar) com azul violeta e vermelho
violeta (adjacentes).
•
2010
Conservandoescolas
Cores - Tintas para Paredes
Dicas de Combinações
• Esquema Duplo Complementar Dividido - É um esquema onde
duas cores diretamente complementares se juntam a duas outras
cores separadas mutuamente por uma adjacente. Neste esquema
forma-se um retângulo na roda de cores. Por exemplo: verde,
vermelho, amarelo e violeta
2010
Conservandoescolas
Cores - Tintas para Paredes
Dicas de Combinações
Esquema policromático: Usam-se
muitas cores da roda de cores.
É uma combinação charmosa e alegre.
2010
Conservandoescolas
Laminados Melamínicos
paredes & detalhes de acabamentos
2010
Conservandoescolas
Laminados Melamínicos
• Os laminados melamínicos são materiais de fácil limpeza e excelente
durabilidade.
• São possíveis de serem personificados em temas de interesse pedagógico
ou lúdico;
•
Conservandoescolas
2010
Laminados Melamínicos
• São excelentes como opção de revestimento de banheiros e cozinha;
• Ótimos para revestir portas ;
• Ótimos como opção para revestir paredes até 1,20 m /meia barra nas salas
de aula;
Conservandoescolas
2010
Elementos Complementares
COMPONENTES
2010
Conservandoescolas
Esquadrias de janelas
Janelas de: abrir, basculante, reversível, pivotante, correr, guilhotina, Maxim-AR
2010
Conservandoescolas
Báscula
Pivotante
Elementos de cozinha
2010
Conservandoescolas
Sempre instale bancadas de trabalho em material de aço inox;
As cubas devem possuir profundidade de 25 cm;
As torneiras devem ser de sistema de alavanca e com arejador e
Regulador de vazão constante;
Elementos de cozinha
2010
Conservandoescolas
As despensas devem possuir prateleiras de material monolítico ,isto é ,sem juntas;
Recomendamos :
- moldadas in loco;
- mármore ;
- aço inox;
Em toda a área de produção
deverá existir instalado
- ventilador exaustor do tipo axial;
Elementos de banheiro
2010
Conservandoescolas
Instale metais da linha anti - vandalismo e de regulador de vazão;
Economia de até 70% no
consumo de água
Equipe Técnica
Coordenação
Arquiteta Isabel Cristina Guerreiro Ferreira
Equipe de consultores especialistas
Engenheira eletricista Beatriz Pamplona
Engenheiro mecânico José Antonio P. Gomes
Equipe Conservando Escolas:
Arquiteta Anna Christina G. Merege
Arquiteto Amarillo Secco Gastal
Arquiteto Marcio Bentes
Engenheiro José Carlos Novello Pinheiro
Engenheiro Renato Lepsch
Fiscais colaboradores do Programa
Arquiteta Adriana Hart
Arquiteta Bianca Gil
Arquiteta Gloria Moraes
Engenheira Léa Almeida
Arquiteta Valéria Reis
Arquiteta Vanessa Bergman
Engenheira Elaine Monsores
Engenheiro Pedro Santos
Engenheira Sylvia Arakaki
Engenheira Sonia Miquelotti
Estagiários
Danilo Borges
Karina Machado dos Santos
•
2010
Conservandoescolas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho Técnicas Construtivas II parte 02
Trabalho Técnicas Construtivas II parte 02Trabalho Técnicas Construtivas II parte 02
Trabalho Técnicas Construtivas II parte 02
TobiasAndrade
 
Tecnologia dos Materiais: revestimentos
Tecnologia dos Materiais: revestimentosTecnologia dos Materiais: revestimentos
Tecnologia dos Materiais: revestimentos
Wagner Rezende
 
Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados
Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevadosPapel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados
Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados
antoniocgnoatto
 
Apresentação pastilhas
Apresentação pastilhasApresentação pastilhas
Apresentação pastilhas
Kamillaarndt
 
Revestimentos cerâmicos apresentação correção
Revestimentos cerâmicos apresentação correçãoRevestimentos cerâmicos apresentação correção
Revestimentos cerâmicos apresentação correção
Felipeforest
 
Marcenaria dicas profissionais como colar madeira
Marcenaria dicas profissionais  como colar madeiraMarcenaria dicas profissionais  como colar madeira
Marcenaria dicas profissionais como colar madeira
Minerin Das Gerais
 
Revestimentos
RevestimentosRevestimentos
Revestimentos
Sofia Medeiros
 
Revestimentos em argamassa
Revestimentos em argamassaRevestimentos em argamassa
Revestimentos em argamassa
Daniela Barboza Brito
 
Metodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
Metodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologiasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
Metodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
argamassasantarita
 
Manual mdf
Manual mdfManual mdf
Manual mdf
Henrique Filho
 
Apresentação ceramica
Apresentação ceramica Apresentação ceramica
Apresentação ceramica
Henriqued
 
Dicas
DicasDicas
Marcela, Rafael e Thais - Arquitetura residencial vertical.pdf
Marcela, Rafael e Thais - Arquitetura residencial vertical.pdfMarcela, Rafael e Thais - Arquitetura residencial vertical.pdf
Marcela, Rafael e Thais - Arquitetura residencial vertical.pdf
diogenesfm
 
Manual mdf 1
Manual mdf 1Manual mdf 1
Manual mdf 1
fernandobocao
 
Detalhamento - Madeiras Transformadas
Detalhamento - Madeiras TransformadasDetalhamento - Madeiras Transformadas
Detalhamento - Madeiras Transformadas
danilosaccomori
 
Votorantim
VotorantimVotorantim
Votorantim
Biela_123456
 
Argamassas
ArgamassasArgamassas
Argamassas
Augusto Magalhães
 
Slides
SlidesSlides

Mais procurados (18)

Trabalho Técnicas Construtivas II parte 02
Trabalho Técnicas Construtivas II parte 02Trabalho Técnicas Construtivas II parte 02
Trabalho Técnicas Construtivas II parte 02
 
Tecnologia dos Materiais: revestimentos
Tecnologia dos Materiais: revestimentosTecnologia dos Materiais: revestimentos
Tecnologia dos Materiais: revestimentos
 
Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados
Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevadosPapel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados
Papel-de-parede, revestimentos granílicos e pisos elevados
 
Apresentação pastilhas
Apresentação pastilhasApresentação pastilhas
Apresentação pastilhas
 
Revestimentos cerâmicos apresentação correção
Revestimentos cerâmicos apresentação correçãoRevestimentos cerâmicos apresentação correção
Revestimentos cerâmicos apresentação correção
 
Marcenaria dicas profissionais como colar madeira
Marcenaria dicas profissionais  como colar madeiraMarcenaria dicas profissionais  como colar madeira
Marcenaria dicas profissionais como colar madeira
 
Revestimentos
RevestimentosRevestimentos
Revestimentos
 
Revestimentos em argamassa
Revestimentos em argamassaRevestimentos em argamassa
Revestimentos em argamassa
 
Metodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
Metodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologiasMetodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
Metodologia de aplicação de argamassas colantes e suas patologias
 
Manual mdf
Manual mdfManual mdf
Manual mdf
 
Apresentação ceramica
Apresentação ceramica Apresentação ceramica
Apresentação ceramica
 
Dicas
DicasDicas
Dicas
 
Marcela, Rafael e Thais - Arquitetura residencial vertical.pdf
Marcela, Rafael e Thais - Arquitetura residencial vertical.pdfMarcela, Rafael e Thais - Arquitetura residencial vertical.pdf
Marcela, Rafael e Thais - Arquitetura residencial vertical.pdf
 
Manual mdf 1
Manual mdf 1Manual mdf 1
Manual mdf 1
 
Detalhamento - Madeiras Transformadas
Detalhamento - Madeiras TransformadasDetalhamento - Madeiras Transformadas
Detalhamento - Madeiras Transformadas
 
Votorantim
VotorantimVotorantim
Votorantim
 
Argamassas
ArgamassasArgamassas
Argamassas
 
Slides
SlidesSlides
Slides
 

Semelhante a Manual de especificação do espaço escolar

novo treinamento revestimento
novo treinamento revestimentonovo treinamento revestimento
novo treinamento revestimento
DaniloPrado27
 
novo treinamento revestimento 2023.pptx
novo treinamento revestimento 2023.pptxnovo treinamento revestimento 2023.pptx
novo treinamento revestimento 2023.pptx
EstefaniLare
 
5. apresentação pastilhas
5. apresentação pastilhas5. apresentação pastilhas
5. apresentação pastilhas
Kamillaarndt
 
5. apresentação pastilhas
5. apresentação pastilhas5. apresentação pastilhas
5. apresentação pastilhas
Kamillaarndt
 
Piso industrial em Granilite
Piso industrial em GranilitePiso industrial em Granilite
Piso industrial em Granilite
Elis Fernandes Narciso de Matos
 
Revestimento epoxi wrm_pisos_2012-com audio
Revestimento epoxi wrm_pisos_2012-com audioRevestimento epoxi wrm_pisos_2012-com audio
Revestimento epoxi wrm_pisos_2012-com audio
WRM Pisos
 
Informaçõ..
Informaçõ..Informaçõ..
Informaçõ..
Informaçõ..Informaçõ..
Informaçõ.. (1)
Informaçõ.. (1)Informaçõ.. (1)
Informaçõ.. (1)
Informaçõ.. (1)Informaçõ.. (1)
Folder cimenticios-2012
Folder cimenticios-2012Folder cimenticios-2012
Folder cimenticios-2012
Hilrocha
 
Piso multilayer
Piso multilayerPiso multilayer
Piso multilayer
Fernando Dias
 
PaviAIRES, Lda
PaviAIRES, LdaPaviAIRES, Lda
PaviAIRES, Lda
frd2ires
 
Apresentação esquadrias de ferro e de madeira 2012
Apresentação esquadrias de ferro e de madeira  2012Apresentação esquadrias de ferro e de madeira  2012
Apresentação esquadrias de ferro e de madeira 2012
A M
 
Pisos de alta resistência
Pisos de alta resistênciaPisos de alta resistência
Pisos de alta resistência
Fernando Dias
 
Treinamento sobre laminção e revestimento com fibra de.pptx
Treinamento sobre laminção e revestimento com fibra de.pptxTreinamento sobre laminção e revestimento com fibra de.pptx
Treinamento sobre laminção e revestimento com fibra de.pptx
OtavioLacerda4
 
2011 pisovinílico luizamassaro
2011 pisovinílico luizamassaro2011 pisovinílico luizamassaro
2011 pisovinílico luizamassaro
Ambiente Construído II
 
Pavimentação
PavimentaçãoPavimentação
Pavimentação
Augusto Magalhães
 
curso manutencao de tratamento de piso_1.pdf
curso manutencao de tratamento de piso_1.pdfcurso manutencao de tratamento de piso_1.pdf
curso manutencao de tratamento de piso_1.pdf
RicardoJunior411152
 
08b - Revestimento Cerâmico aula completa.pdf
08b - Revestimento Cerâmico aula completa.pdf08b - Revestimento Cerâmico aula completa.pdf
08b - Revestimento Cerâmico aula completa.pdf
AnneCaroline961498
 

Semelhante a Manual de especificação do espaço escolar (20)

novo treinamento revestimento
novo treinamento revestimentonovo treinamento revestimento
novo treinamento revestimento
 
novo treinamento revestimento 2023.pptx
novo treinamento revestimento 2023.pptxnovo treinamento revestimento 2023.pptx
novo treinamento revestimento 2023.pptx
 
5. apresentação pastilhas
5. apresentação pastilhas5. apresentação pastilhas
5. apresentação pastilhas
 
5. apresentação pastilhas
5. apresentação pastilhas5. apresentação pastilhas
5. apresentação pastilhas
 
Piso industrial em Granilite
Piso industrial em GranilitePiso industrial em Granilite
Piso industrial em Granilite
 
Revestimento epoxi wrm_pisos_2012-com audio
Revestimento epoxi wrm_pisos_2012-com audioRevestimento epoxi wrm_pisos_2012-com audio
Revestimento epoxi wrm_pisos_2012-com audio
 
Informaçõ..
Informaçõ..Informaçõ..
Informaçõ..
 
Informaçõ..
Informaçõ..Informaçõ..
Informaçõ..
 
Informaçõ.. (1)
Informaçõ.. (1)Informaçõ.. (1)
Informaçõ.. (1)
 
Informaçõ.. (1)
Informaçõ.. (1)Informaçõ.. (1)
Informaçõ.. (1)
 
Folder cimenticios-2012
Folder cimenticios-2012Folder cimenticios-2012
Folder cimenticios-2012
 
Piso multilayer
Piso multilayerPiso multilayer
Piso multilayer
 
PaviAIRES, Lda
PaviAIRES, LdaPaviAIRES, Lda
PaviAIRES, Lda
 
Apresentação esquadrias de ferro e de madeira 2012
Apresentação esquadrias de ferro e de madeira  2012Apresentação esquadrias de ferro e de madeira  2012
Apresentação esquadrias de ferro e de madeira 2012
 
Pisos de alta resistência
Pisos de alta resistênciaPisos de alta resistência
Pisos de alta resistência
 
Treinamento sobre laminção e revestimento com fibra de.pptx
Treinamento sobre laminção e revestimento com fibra de.pptxTreinamento sobre laminção e revestimento com fibra de.pptx
Treinamento sobre laminção e revestimento com fibra de.pptx
 
2011 pisovinílico luizamassaro
2011 pisovinílico luizamassaro2011 pisovinílico luizamassaro
2011 pisovinílico luizamassaro
 
Pavimentação
PavimentaçãoPavimentação
Pavimentação
 
curso manutencao de tratamento de piso_1.pdf
curso manutencao de tratamento de piso_1.pdfcurso manutencao de tratamento de piso_1.pdf
curso manutencao de tratamento de piso_1.pdf
 
08b - Revestimento Cerâmico aula completa.pdf
08b - Revestimento Cerâmico aula completa.pdf08b - Revestimento Cerâmico aula completa.pdf
08b - Revestimento Cerâmico aula completa.pdf
 

Mais de Isa Guerreiro

Acessibilidade
AcessibilidadeAcessibilidade
Acessibilidade
Isa Guerreiro
 
11411694
1141169411411694
11411694
Isa Guerreiro
 
Guia pratico fiscalizacao
Guia pratico fiscalizacaoGuia pratico fiscalizacao
Guia pratico fiscalizacao
Isa Guerreiro
 
Consumo de material
Consumo de materialConsumo de material
Consumo de material
Isa Guerreiro
 
Cobertura
CoberturaCobertura
Cobertura
Isa Guerreiro
 
Como calcular a quantidade de material para alvenaria
Como calcular a quantidade de material para alvenariaComo calcular a quantidade de material para alvenaria
Como calcular a quantidade de material para alvenaria
Isa Guerreiro
 
Art
ArtArt
149[1]
149[1]149[1]
86138340 aula-desenho-para-engenharia-aspectos-gerais-do-desenho-tecnico
86138340 aula-desenho-para-engenharia-aspectos-gerais-do-desenho-tecnico86138340 aula-desenho-para-engenharia-aspectos-gerais-do-desenho-tecnico
86138340 aula-desenho-para-engenharia-aspectos-gerais-do-desenho-tecnico
Isa Guerreiro
 
Aula desenho de projeto de edificações
Aula desenho de projeto de edificaçõesAula desenho de projeto de edificações
Aula desenho de projeto de edificações
Isa Guerreiro
 
Uva selo
Uva seloUva selo
Uva selo
Isa Guerreiro
 
Planejamento urbano isaferreira modulo ii
Planejamento urbano isaferreira modulo iiPlanejamento urbano isaferreira modulo ii
Planejamento urbano isaferreira modulo ii
Isa Guerreiro
 
Manual conservando escolas
Manual conservando escolas Manual conservando escolas
Manual conservando escolas
Isa Guerreiro
 
Aula 06082007
Aula 06082007Aula 06082007
Aula 06082007
Isa Guerreiro
 
Engenharia urbana modulo ii avaliação
Engenharia urbana modulo ii avaliaçãoEngenharia urbana modulo ii avaliação
Engenharia urbana modulo ii avaliação
Isa Guerreiro
 
Apresentaçãoescolas1
Apresentaçãoescolas1Apresentaçãoescolas1
Apresentaçãoescolas1
Isa Guerreiro
 
Aula 3 introducao urbanismo no brasil
Aula 3 introducao urbanismo no brasilAula 3 introducao urbanismo no brasil
Aula 3 introducao urbanismo no brasil
Isa Guerreiro
 
Apresentaçãourbano souza marques
Apresentaçãourbano souza marquesApresentaçãourbano souza marques
Apresentaçãourbano souza marques
Isa Guerreiro
 

Mais de Isa Guerreiro (18)

Acessibilidade
AcessibilidadeAcessibilidade
Acessibilidade
 
11411694
1141169411411694
11411694
 
Guia pratico fiscalizacao
Guia pratico fiscalizacaoGuia pratico fiscalizacao
Guia pratico fiscalizacao
 
Consumo de material
Consumo de materialConsumo de material
Consumo de material
 
Cobertura
CoberturaCobertura
Cobertura
 
Como calcular a quantidade de material para alvenaria
Como calcular a quantidade de material para alvenariaComo calcular a quantidade de material para alvenaria
Como calcular a quantidade de material para alvenaria
 
Art
ArtArt
Art
 
149[1]
149[1]149[1]
149[1]
 
86138340 aula-desenho-para-engenharia-aspectos-gerais-do-desenho-tecnico
86138340 aula-desenho-para-engenharia-aspectos-gerais-do-desenho-tecnico86138340 aula-desenho-para-engenharia-aspectos-gerais-do-desenho-tecnico
86138340 aula-desenho-para-engenharia-aspectos-gerais-do-desenho-tecnico
 
Aula desenho de projeto de edificações
Aula desenho de projeto de edificaçõesAula desenho de projeto de edificações
Aula desenho de projeto de edificações
 
Uva selo
Uva seloUva selo
Uva selo
 
Planejamento urbano isaferreira modulo ii
Planejamento urbano isaferreira modulo iiPlanejamento urbano isaferreira modulo ii
Planejamento urbano isaferreira modulo ii
 
Manual conservando escolas
Manual conservando escolas Manual conservando escolas
Manual conservando escolas
 
Aula 06082007
Aula 06082007Aula 06082007
Aula 06082007
 
Engenharia urbana modulo ii avaliação
Engenharia urbana modulo ii avaliaçãoEngenharia urbana modulo ii avaliação
Engenharia urbana modulo ii avaliação
 
Apresentaçãoescolas1
Apresentaçãoescolas1Apresentaçãoescolas1
Apresentaçãoescolas1
 
Aula 3 introducao urbanismo no brasil
Aula 3 introducao urbanismo no brasilAula 3 introducao urbanismo no brasil
Aula 3 introducao urbanismo no brasil
 
Apresentaçãourbano souza marques
Apresentaçãourbano souza marquesApresentaçãourbano souza marques
Apresentaçãourbano souza marques
 

Último

Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
marcosmpereira
 
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
carlos silva Rotersan
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
Vilson Stollmeier
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
Consultoria Acadêmica
 

Último (7)

Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
 
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
Grau TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO I - LEGISLAÇÃO APLICADA À SAÚDE E SEGUR...
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
 

Manual de especificação do espaço escolar

  • 1. Manual de Especificação Técnica dos Espaços Físicos Escolares Escolas Municipais da Cidade do Rio de Janeiro Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria municipal de obras públicas - RIO urbe Conservando escolas 2010
  • 2. Materiais de Construção Placas Cerâmicas Fachadas – Cozinha – Banheiros – Áreas de Serviços Pisos & Paredes 2010 Conservandoescolas
  • 3. Placas Cerâmicas •Requer o estudo da temperatura, características climáticas, durabilidade, bom desempenho e aderência; • Segundo as normas internacionais, a vida útil de um revestimento cerâmico deve atingir, no mínimo, metade da vida útil da edificação. • Deverá ser apropriada para uso externo com as seguintes características: -baixa expansão por umidade; -não desbotar com a ação da luz do sol; -ter superfície de fácil limpeza; 2010 Conservandoescolas
  • 5. Placas Cerâmicas - Onde podemos aplicar ? Nos espaços físicos escolares as placas cerâmicas deverão ser utilizadas apropriadamente nos seguintes ambientes: I. Cozinhas e Banheiros: (classe A – TIPO EXTRA – Anti derrapante) • Paredes - azulejos brancos 15 x 15 cm,junta reta e rejunte na cor branca; • Piso – cerâmica PEI 5,medindo 45 x 45 cm na cor cinza claro, linha granilite da Portobello ® – carga pesada e rejunte cinza médio; II. Corredores e Foyer de pavimentos: . Paredes – cerâmica PEI 5,medindo 9,5 X 9,5 cm, linha Arquiteto neutra, acabamento fosca e rejunte na cor branca – altura 2,10 m; . Piso - cerâmica PEI 5, 45 x 45 cm na cor Bianco , linha Mármore Bianco,Portobello ® – carga pesada rejunte cinza médio, Anti derrapante; 2010 Conservandoescolas
  • 6. Placas Cerâmicas Corredores ,halls e Foyers: altura até 150,0 cm Linha Arq. Design Portobello ®9,5 x 9,5 cm. Mesclar com murais . Paredes dos Banheiros e da Cozinha: Azulejos brancos tipo extra A – formato 15 x 15 cm; Linha Arq Design Portobello ® 9,5 x 9,5 cm,cor azul; Piso: Linha Laser Portobello ® PEI 5 –alto trafego – anti derrapante – formato 43 x 43 cm; 2010 Conservandoescolas
  • 7. Placas Cerâmicas Evite usar cerâmica nas salas de aula , pois este material é de alta dureza,prejudicando a acústica do ambiente. Nos ambientes de Cozinha e banheiro: - Utilize sempre os azulejos brancos tipo extra A – formato 15 x 15 cm; Apresentam as vantagens: - fácil manutenção; - reposição de peças de fácil aquisição no mercado e preço acessível; - padrão oficial e perpetuado no mercado,não saí de linha; 2010 Conservandoescolas
  • 8. Tipos de Base Cada tipo de cerâmica exige uma técnica de execução e uma argamassa colante flexível, capaz de dissipar as deformações diferenciais que poderão ocorrer entre a camada de acabamento e a base. 2010 Conservandoescolas
  • 9. Argamassa de Placas Cerâmicas • Argamassas de Placas cerâmicasArgamassas de Placas cerâmicas Um perfeito assentamento depende da escolha da qualidade da argamassa colante ,que deve ser executada com desempenadeira denteada formando cordões e sulcos; 2010 Conservandoescolas
  • 10. Preparo das Bases – Placas Cerâmicas 2010 Conservandoescolas
  • 11. Pisos - Placas Cerâmicas 2010 Conservandoescolas
  • 12. Cuidados especiais – Placas cerâmicas Fachadas Obs.: Devemos ter cuidado ao aplicar este tipo de revestimento nas fachadas, dependendo das dimensões a serem cobertas, o ideal é ser executado com projeto executivo; Especificação Técnica: As placas cerâmicas de utilização em fachadas,serão do tipo Portobello ® Linha Arquiteto dimensões 9,5 x 9,5 cm, cores de padrão PCRJ : - Branca , azul escura e azul claro; 2010 Conservandoescolas
  • 13. Cuidados especiais – Placas cerâmicas Fachadas 2010 Conservandoescolas
  • 14. Cuidados especiais – Placas cerâmicas Fachadas Necessita de uma correta compatibilização de todos os seus componentes, tais como: chapisco, emboço, telas de reforço, argamassa colante e de rejunte, materiais de juntas e a própria cerâmica. • Todos os tamanhos das peças de cerâmica são suscetíveis a problemas, porém quanto menor a peça, maior a quantidade de juntas para dissipar as tensões internas do revestimento; • Quanto maiores as placas maiores os esforços de cisalhamento induzidos na interface de aderência tornando maiores os riscos de desplacamento. 2010 Conservandoescolas
  • 17. Materiais Vinílicos Placas Vinílicas Auditórios – Laboratórios - Salas de Informática – Berçários – Administração 2010 Conservandoescolas
  • 18. Pisos Vinílicos • Ao optar pelo piso vinílico, o especificador precisa conhecer as características do material que melhor responde às exigências do ambiente. • É um revestimento vinílico flexível heterogêneo para piso, fabricante FADEMAC ® disponível em mantas de 2 x 20m, com base pigmentada na cor do produto, composto por resina de PVC,manda de fibra de vidro,plastificante e cargas minerais. Sugestões de aplicação: indicado para todo tipo de área coberta, salas de administração,berçários , creches ,auditório,laboratórios,salas de Informática. Linha Absolute ® 2010 Conservandoescolas
  • 19. Placas Vinílicas Paviflex® é a melhor tecnologia para pisos e revestimentos de ambientes internos, possui baixo índice de rugosidade diminuindo acúmulo de sujeira. Prático e versátil, apresenta uma diversidade de acabamentos e cores, além da alta durabilidade e resistência a abrasão. Apresentação: Revestimento vinílicos semiflexível, apresentado em placas de 30 x 30cm e 60 x 60cm, composto por resinas de PVC, plastificantes, cargas minerais, pigmentos e isento de amianto em sua formulação, normalizado pela NBR 7374 da ABNT. Massa de preparação à base de PVA e cimento. Adesivo para piso vinílico. Sugestões de aplicação: indicado para todo tipo de área coberta,salas de administração,berçários ,creches . 2010 Conservandoescolas
  • 20. Pisos Vinílicos • Pavifloor® - Com fungicida incorporado em sua massa, o piso tem resistência a fungos e bactérias. A linha Eclipse PUR permite um melhor aproveitamento da manta, por não ter desenho direcional, e a linha Tivoli PUR TOP possui acabamento em poliuretano reforçado de última geração, que facilita a conservação e não requer polimento. Apresentação: Revestimento vinílico flexível homogêneo para piso, disponível em mantas e placas, composto de resina de PVC, plastificantes, pigmentos, cargas minerais e acabamento de proteção em poliuretano na superfície de uso. Sugestões de aplicação: indicado para todo tipo de área coberta,laboratórios,auditórios,salas de administração,berçários ,creches 2010 Conservandoescolas
  • 21. Placas Vinílicas - Linhas & Padrões 2010 Conservandoescolas
  • 27. Placas Vinílicas - Durabilidade A vida útil do piso vinílico está relacionada às questões de qualidade da aplicação do produto, qualidade do contra piso e cuidados de conservação e limpeza. “Temos casos de pisos no Brasil que foram aplicados há 30 anos. Além de o piso ter garantia contra defeito de fabricação, sua durabilidade quando aplicado e conservado corretamente é superior a 20 anos”. Durabilidade Linha Absolute 2010 Conservandoescolas
  • 28. Manta Vinílica Piso vinílico homogêneo em mantas de 2 m de largura por 25 m de comprimento, e 2 mm de espessura. Pigmentação colorida com partículas de PVC transparente na massa dando o efeito de 3D. Possui em sua composição iQ Unique Surface Restauration (única superfície restaurável) que dispensa o uso de cera por toda a vida do piso, a recuperação da superfície é feita apenas com polimento. Oferece excelente resistência à abrasão e a produtos químicos. Indicado para trânsito intenso, classe de uso EN 685- Classe 34. Teste de limpeza ASTM F51/00 - Classe A. As mantas são fundidas a quente com cordão de solda vinílica de aproximadamente 4 mm, tornando o piso monolítico e impermeável. Disponível em 30 opções de cores. 2010 Conservandoescolas
  • 31. Pisos Monolíticos - moldados in loco Pisos Monolíticos Cozinhas – Banheiros – Corredores – Salas de aula - Calçadas 2010 Conservandoescolas
  • 32. Piso Monolítico – Piso Granilite Ideal para a aplicação em grandes áreas sociais, o piso de granilite caracteriza-se por ser um produto de fácil limpeza, possibilitando criar belos mosaicos com a resistência de pedras nobres e a custo reduzido. O granilite é constituído por pedaços de mármore e granito, cimento, água e areia, aplicado sobre uma regularização (contra-piso). Dessa forma, pode compor o piso inteiro ou apenas o rodapé. O granilite é aplicado por empresa especializada.Deve ser executado após a delimitação das juntas de dilatação – em madeira, metais ou plástico colorido. Onde aplicar? -Cozinhas; -Banheiros; -Corredores; -Salas de aula; -Foyer; - Com a adição de quartzo diábase torna-se um produto mais resistente, sendo adequado para a aplicação em ambientes de grande tráfego . 2010 Conservandoescolas
  • 33. Piso Monolítico – Calçadas Uma maneira rápida e econômica de fazer o piso da calçada é usar uma camada de concreto de 5 cm de espessura. Nas entradas de carro, essa camada deve ter 7 cm. Coloque ripas de madeira no sentido da largura da calçada, a cada 1,50 m. Essas ripas devem ficar aparentes na calçada e vão funcionar como juntas, evitando rachaduras. 2010 Conservandoescolas
  • 34. Pisos Cimentados –Área Externa Concrete Epoxy é um produto desenvolvido através de resina epóxi com micro agregados minerais que reproduzem as nuances, cores e texturas de um piso de “cimento queimado”, com as vantagens de não trincar e de dispensar juntas. Pode ser moldado in loco ou em placas de tamanhos variados para própria instalação. Seu uso é recomendado em shoppings, lojas, quadras, escolas, escritórios, hospitais, hotéis, residências, garagens, indústrias, salas limpas, cozinhas, restaurantes, áreas de alto tráfego, etc. 2010 Conservandoescolas
  • 35. Pisos Quadra de Esporte Lisolac é um piso flexível de poliuretano sem juntas ou emendas, moldado no local. Seu contra piso pode ser uma base cimentada nivelada, ou outra que ofereça segurança e estabilidade. Utilizado em ginásios multiuso, salas de ginástica, áreas de musculação e condicionamento físico entre outros. Lisonda ® Piso Asfáltico Lisonda ® O Piso Asfáltico Lisonda Poli é composto de base asfáltica e revestimento acrílico de alta durabilidade e estabilidade de cor. Possui secagem rápida e de baixa manutenção. Seu contra piso pode ser de base de concreto ou asfálitca, já sua sub-base deve ser de terreno compactado, preparado com declividade adequada. Indicado para quadras poliesportivas, streetball, peteca badmington, pista de Cooper e etc. 2010 Conservandoescolas
  • 36. Pisos Quadra de Esporte Quadras externas Recoma ® Quadras externas são uma das grandes preocupações de proprietários de chácaras, sítios, locadoras e clubes esportivos. A Recoma® oferece uma opção para quem se preocupa em possuir ou oferecer aos usuários, quadras esportivas com pisos seguros, de baixa manutenção e resistentes aos agentes atmosféricos tais como chuva, poluição e raios UV. 2010 Conservandoescolas
  • 37. Pisos Quadra de Esporte Monolith PU Floor NS Brazil ® Monolith PU Floor é um piso decorativo autonivelante com acabamento em poliuretano de alta performance, monolítico e sem juntas, que com suas características de alta resistência aliado a maior flexibilidade e elasticidade dos poliuretanos, resulta em um piso de estética valorizada, com características de resistência a riscos e desgastes superficiais. Resistente a impactos é indicado para áreas de grande circulação, comércio, supermercados, bancos, salas de montagens, quadras esportivas, etc. 2010 Conservandoescolas
  • 38. Pisos Poliuretano P.U Color Tinta Polipiso do Brasil ® P.U Color Tinta é um sistema de pintura a base de poliuretano alifático que pode ser utilizado em áreas internas e externas, em locais onde se exige alta resistência química e aspecto agradável. De fácil aplicação, boa resistência e flexibilidade, o produto é utilizado em instalações comerciais, hangares, laboratórios, estacionamentos, usinas, entre outros locais. P.U Color Tinta também proporciona facilidade de limpeza e manutenção. Lisocrete Lisonda ® Lisocrete é um piso flexível de poliuretano sem juntas ou emendas, moldado no local. Além de altamente resistente, garante um nível superior de assepsia e oferece facilidade de manutenção e limpeza. Outra grande vantagem deste piso é a resistência aos raios UV, o que mantém a estabilidade da cor. Utilizado em ginásios multiuso, salas de ginástica. 2010 Conservandoescolas
  • 39. Pisos Poliuretano Os sistemas SOLEDUR QC Solepoxy® são revestimentos compostos de resinas sintéticas epóxi, poliuretano ou metacrílicas e cargas minerais de alta dureza. Seu acabamento é composto de quartzo colorido policromático, selado por resinas translúcidas de alta transparência. Sua composição possui uma relação de resina / agregado que permite alta resistência em menores espessuras. Possui uma camada de acabamento, é mais antiderrapante e resistente a abrasão. Alta resistência à compressão, à abrasão e química. Não riscam. Suportam umidade ascendente; Rodapé integrado ao piso – sem emendas; Espessura variando de 3 a 6mm; Policromático; Acabamento brilhante ou fosco 2010 Conservandoescolas
  • 41. Pisos Poliuretano A linha de revestimentos Soledur FLAKES Solepoxy® foi especialmente desenvolvida para as áreas comercial, administrativa, hospitalar, pública, laboratório e cozinha. Conciliando uma estética inigualável com a alta resistência das resinas epóxi e o poliuretano, este revestimento é a solução ideal quando se deseja beleza, confiabilidade e resistência. Os revestimentos SOLEDUR FLAKES podem ser aplicados em todas as áreas do comércio onde se deseja uma combinação de estética com resistência. É particularmente recomendado para laboratórios, escolas, escritórios, hospitais, cozinhas, supermercados, residências, shoppings e lojas. 2010 Conservandoescolas
  • 42. Proteção e Tratamentos de Pisos Paviflex e mantas vinílicas, mármores e granitos, cerâmicas, granilites e cimentados, emborrachados, pisos de madeira e outras superfícies. 2010 Conservandoescolas
  • 43. Proteção e Tratamentos de Pisos • Um sistema antiderrapante de limpeza, proteção, recuperação e revitalização de pisos novos tratáveis, e/ou pisos desgastados, com produtos à base de polímeros acrílicos e aplicação profissional e mecanizada. Agregados especiais para o acabamento de pisos antiderrapantes Anchortec ® • Agregados especiais para o acabamento de pisos antiderrapantes AS500, AS750 e AS1000 são selecionados, graduados e isentos de materiais orgânicos e impurezas. Os produtos são adequados para serem adicionados ou aspergidos à tintas ou vernizes com o objetivo de compor um produto com características antiderrapantes para pisos de concreto. 2010 Conservandoescolas
  • 44. Proteção e Tratamentos de Pisos - Antiderrapante Antiderrapante   • Podendo ser aplicado em diversos materiais e ambientes, o Tratamento Aderis ® interage com o piso, aumentando todos os coeficientes de atrito. • Quando aplicado, o antiderrapante torna a superfície dos pisos escorregadios mais segura. O “Tratamento Aderis“ interage com o piso, criando uma camada microscópica, invisível, não o alternando visualmente e gerando um aumento de atrito de mais de 400% quando molhado. O produto é destinado a pisos de diversos materiais como, por exemplo: lajotas, ladrilhos, mármores, granitos, porcelanato, cimentados e pedras naturais. 2010 Conservandoescolas
  • 45. Proteção e Tratamentos de Pisos - Antiderrapante Antiderrapante   • SPECCHIO 50 Cera impermeabilizante HS à base de resinas acrílicas. Fórmula especialmente desenvolvida para pisos laváveis como mármores, lajotas, cerâmicas, pisos emborrachados, etc. Produto com autobrilho, antiderrapante e alta resistência ao tráfego. Pode ser aplicada diretamente ou sobre uma base seladora da RZK. Aceita polimento com enceradeira High Speed. 2010 Conservandoescolas
  • 47. Tintas para Paredes • As paredes das salas de aula devem ser revestidas com reboco e pintadas com tinta acrílica; • Conjunto de tintas de acabamento + massas + fundos; • Emprego de materiais específicos p/base de fundos; • Película aderente; • Baixa espessura < 0,5 mm; Funções - proteção do substrato: • madeira – minimizar a absorção de umidade • alvenaria aparente – melhorar a estanque idade • revestimento de argamassa – protege contra esfarela mento ,bolor e umidade • decorativa – sensações na ótica e percepção humana • 2010 Conservandoescolas
  • 48. Tintas para Paredes Requisitos básicos: - correto preparo da base; - adequação das tintas as solicitações da base; - adoção de procedimentos de execução adequados; - qualidade da tinta ,fundos,massa e equipamentos; - qualificação de mão de obra; • Tintas são ótimos revestimentos para as paredes. São apropriadas para as tipologias de escolas e creches; Vantagens - fácil limpeza e durabilidade; - material monolítico s/juntas (s/acúmulo sujidades); - renovação fácil e selador de película protetora c/fungos ; Tintas plásticas emulsionáveis ( fácil de aplicar – s/odor -n/inflamável) A norma técnica exige que a boa tinta desempenhe os requisitos de: - poder de cobertura de tinta seca; - poder de cobertura de tinta úmida; - resistência 'a abrasão úmida s/pasta abrasiva; 2010 Conservandoescolas
  • 49. Tintas para Paredes • Base – massa corrida • • • Revestimento: • • • • • Acabamentos : . selador • • • •tinta acrílica – paredes •tinta PVA (látex) – tetos Látex Acrílica 2010 Conservandoescolas
  • 51. Cores - Tintas para Paredes As cores são vistas e definidas através da limitação que os corpos sólidos oferecem à presença da luz, aos seus raios luminosos, devido a sua maior ou menos absorção. Sabemos que da decomposição da luz, resultam as sete cores do arco-íris. Que nos mostra que a luz branca é a mistura dessas sete cores.  A cor preta, por sua vez, na verdade não é uma cor, sendo assim chamada apenas por conveniência. É, enfim, a ausência de todas as cores, pois absorve ( o corpo, um carvão por exemplo ) todas as radiações solares ou luminosas. Já a cor branca é o resultado de não absorção, pelo corpo, de nenhuma radiação. Provocando nesse caso, a dispersão de todos os raios luminosos sobre a superfície, o que dá origem à cor, devido à mistura de todos os raios. Cores Primárias  São as cores que não podem ser formadas por nenhuma mistura. São cores puras : Azul, amarelo e vermelho. 2010 Conservandoescolas
  • 52. Cores - Tintas para Paredes Cores Secundárias As cores secundárias são 3 : o laranja, o verde e o violeta. Chamam-se cores secundárias porque se conseguem obter a partir da mistura de duas cores primárias. Mistura de cores Primárias = Secundárias Vermelho + Amarelo = Laranja Amarelo + Azul = Verde Azul + Vermelho = Violeta 2010 Conservandoescolas
  • 53. Cores - Tintas para Paredes Cores Terciárias Cores terciárias são todas aquelas que resultam da mistura das três cores primárias. Mistura de cores primárias + secundárias = terciárias Laranja + Violeta = Marrom Violeta + Verde = Oliva Verde + laranja = Ocre Mistura com as cores neutras Branco + Preto = Cinza Branco + Vermelho = Rosa Branco + Vermelho = Canário Preto + Vermelho = Marrom Preto + Amarelo = Verde Azeitonado Preto + Azul = Azul escuro Lembre-se que as cores escuras deverão ser acrescidas às cores claras em proporções bem inferiores. 2010 Conservandoescolas
  • 54. Cores - Tintas para Paredes Cores Frias e Quentes                        Frias Quentes Cores Complementares Cores complementares são as cores opostas no disco de cores. são as que mais contrastes entre si oferecem Ex: o vermelho é complementar do verde. O azul é complementar do laranja. O amarelo é complementar do Violeta . Então se quisermos destacar um amarelo, devemos colocar junto dele um violeta e assim para as outras cores acima citadas As cores complementares são usadas para dar força e equilíbrio a um trabalho criando contrastes. Evitar usar apenas cores complementares em um trabalho, o efeito pode não ser muito favorável. 2010 Conservandoescolas
  • 55. Cores - Tintas para Paredes Significado das Cores 2010 Conservandoescolas
  • 56. Cores - Tintas para Paredes Cores que Contrastam ou Contrastantes São cores que, quando usadas próximas umas das outras, produzem uma sensação de choque. Dão a impressão de extrema saturação. Não devem ser usadas juntas. As cores contrastantes são diretamente opostas no disco das cores. Quando mais forte forem elas, maior será esse impacto. 2010 Conservandoescolas
  • 57. Cores - Tintas para Paredes Cores Análogas Cores Análogas são as que aparecem lado a lado no disco de cores. São análogas, porque há nelas uma mesma cor básica. Pôr exemplo o amarelo-ouro e o laranja –avermelhado tem em comum a cor laranja. Elas são usadas para dar a sensação de uniformidade.A composição em cores análogas são consideradas elegantes, e podem ser equilibradas com uma cor complementar. 2010 Conservandoescolas
  • 58. Cores - Tintas para Paredes Tom O termo tom refere-se a maior ou menor quantidade de luz aplicada à determinada cor. Quando se adiciona preto ele se torna gradualmente mais escuro e essas graduações são chamadas escalas tonais. Para obter escalas tonais mais claras acrescenta-se branco. 2010 Conservandoescolas
  • 59. Cores - Tintas para Paredes Temperatura das Cores A temperatura das cores designa a capacidade que a cores tem de parecer quentes ou frias 2010 Conservandoescolas
  • 60. Cores - Tintas para Paredes Contrastes Cores Contrastantes: São cores que quando usadas próximas umas das outras, produzem uma sensação de choque. As cores contrastantes são diretamente opostas no disco das cores. O resultado nem sempre é satisfatório, porém, é usado quando se quer explorar a sensação de choque. Quanto mais forte forem elas, maior será o impacto. 2010 Conservandoescolas
  • 61. Cores - Tintas para Paredes Contrastes de limite A cor central é uma mistura das cores laterais. Observe que a faixa central é clareada por cada uma das outras cores, mas do lado oposto. No limite da faixa vermelha, o violeta é clareado pelo azul, e no limite da faixa azul, o vermelho é clareado pelo azul, o violeta é clareado pelo vermelho. 2010 Conservandoescolas
  • 62. Cores - Tintas para Paredes Cores Acromáticas ou Neutras Cores acromáticas são cores chamadas neutras, o branco, o preto, os cinzas e os marfim. 2010 Conservandoescolas
  • 63. Cores - Tintas para Paredes Aspectos das cores As cores podem parecer diferentes em função da cor de fundo: 2010 Conservandoescolas
  • 64. Cores - Tintas para Paredes Dicas de combinações Tríade - É um esquema que usa três cores secundárias eqüidistantes. Por exemplo: verde, violeta, laranja ou então violeta azulado, laranja avermelhado, verde amarelado. A tríade é considerada como um dos esquemas mais harmoniosos na roda de cores. Forma um triângulo isósceles na Roda de Cores. • Esquema de Cores Primárias – As cores primárias são cores puras e que merecem atenção e cuidado quando usadas. Complemente com cores neutras 2010 Conservandoescolas
  • 65. Cores - Tintas para Paredes Esquema de Cores Frias - Você combina as cores e tonalidades consideradas frias: azul, verde e violeta. • Esquema de Cores Quentes - Você combina as cores e tonalidades consideradas quentes: amarelo, laranja, vermelho e marrom Dicas de Combinações 2010 Conservandoescolas
  • 66. Cores - Tintas para Paredes • Esquema de Cores Diretamente Complementares - Combinar duas cores diretamente opostas na roda. Uma intensifica a outra. É uma forma de dar início a um esquema. Por exemplo: Laranja é diretamente complementar ao azul, então, comece com azul e laranja e complemente com as tonalidades (claro, médio e escuro), podendo balancear com cores neutras e os bons vizinhos. • Dicas de Combinações 2010 Conservandoescolas
  • 67. Cores - Tintas para Paredes • Quadricolor - É um esquema que usa duas cores complementares separadas por duas cores adjacentes a elas. É um esquema considerado harmônico, porque contém duas cores diretamente complementares. Por exemplo: Azul, vermelho violeta, laranja, verde amarelado. Formam um retângulo na Roda de Cores. • Dicas de Combinações 2010 Conservandoescolas
  • 68. Cores - Tintas para Paredes Dicas de Combinações • Esquema Complementar Dividido – É um esquema com 3 cores, sendo que duas são análogas ou adjacentes e a terceira é uma diretamente complementar.Por exemplo: amarelo (complementar) com azul violeta e vermelho violeta (adjacentes). • 2010 Conservandoescolas
  • 69. Cores - Tintas para Paredes Dicas de Combinações • Esquema Duplo Complementar Dividido - É um esquema onde duas cores diretamente complementares se juntam a duas outras cores separadas mutuamente por uma adjacente. Neste esquema forma-se um retângulo na roda de cores. Por exemplo: verde, vermelho, amarelo e violeta 2010 Conservandoescolas
  • 70. Cores - Tintas para Paredes Dicas de Combinações Esquema policromático: Usam-se muitas cores da roda de cores. É uma combinação charmosa e alegre. 2010 Conservandoescolas
  • 71. Laminados Melamínicos paredes & detalhes de acabamentos 2010 Conservandoescolas
  • 72. Laminados Melamínicos • Os laminados melamínicos são materiais de fácil limpeza e excelente durabilidade. • São possíveis de serem personificados em temas de interesse pedagógico ou lúdico; • Conservandoescolas 2010
  • 73. Laminados Melamínicos • São excelentes como opção de revestimento de banheiros e cozinha; • Ótimos para revestir portas ; • Ótimos como opção para revestir paredes até 1,20 m /meia barra nas salas de aula; Conservandoescolas 2010
  • 75. Esquadrias de janelas Janelas de: abrir, basculante, reversível, pivotante, correr, guilhotina, Maxim-AR 2010 Conservandoescolas Báscula Pivotante
  • 76. Elementos de cozinha 2010 Conservandoescolas Sempre instale bancadas de trabalho em material de aço inox; As cubas devem possuir profundidade de 25 cm; As torneiras devem ser de sistema de alavanca e com arejador e Regulador de vazão constante;
  • 77. Elementos de cozinha 2010 Conservandoescolas As despensas devem possuir prateleiras de material monolítico ,isto é ,sem juntas; Recomendamos : - moldadas in loco; - mármore ; - aço inox; Em toda a área de produção deverá existir instalado - ventilador exaustor do tipo axial;
  • 78. Elementos de banheiro 2010 Conservandoescolas Instale metais da linha anti - vandalismo e de regulador de vazão; Economia de até 70% no consumo de água
  • 79. Equipe Técnica Coordenação Arquiteta Isabel Cristina Guerreiro Ferreira Equipe de consultores especialistas Engenheira eletricista Beatriz Pamplona Engenheiro mecânico José Antonio P. Gomes Equipe Conservando Escolas: Arquiteta Anna Christina G. Merege Arquiteto Amarillo Secco Gastal Arquiteto Marcio Bentes Engenheiro José Carlos Novello Pinheiro Engenheiro Renato Lepsch Fiscais colaboradores do Programa Arquiteta Adriana Hart Arquiteta Bianca Gil Arquiteta Gloria Moraes Engenheira Léa Almeida Arquiteta Valéria Reis Arquiteta Vanessa Bergman Engenheira Elaine Monsores Engenheiro Pedro Santos Engenheira Sylvia Arakaki Engenheira Sonia Miquelotti Estagiários Danilo Borges Karina Machado dos Santos • 2010 Conservandoescolas

Notas do Editor

  1. 1
  2. 1
  3. 1
  4. 1
  5. 1
  6. 1
  7. 1
  8. 1
  9. 1
  10. 1
  11. 1
  12. 1
  13. 1
  14. 1
  15. 1
  16. 1
  17. 1
  18. 1
  19. 1
  20. 1
  21. 1
  22. 1
  23. 1
  24. 1
  25. 1
  26. 1
  27. 1
  28. 1
  29. 1
  30. 1
  31. 1
  32. 1
  33. 1
  34. 1
  35. 1
  36. 1
  37. 1
  38. 1
  39. 1
  40. 1
  41. 1
  42. 1
  43. 1
  44. 1
  45. 1
  46. 1
  47. 1
  48. 1
  49. 1
  50. 1
  51. 1
  52. 1
  53. 1
  54. 1
  55. 1
  56. 1
  57. 1
  58. 1
  59. 1
  60. 1
  61. 1
  62. 1
  63. 1
  64. 1
  65. 1
  66. 1
  67. 1
  68. 1
  69. 1
  70. 1
  71. 1
  72. 1
  73. 1
  74. 1
  75. 1
  76. 1
  77. 1