Pará apresenta o melhor desempenho na                                                             geração de empregos na R...
Em termos de variação absoluta, o Pará registrou o terceiro melhor resultado de todaa série histórica do CAGED para o perí...
Quadro 1. Comportamento do emprego no Pará por setor de atividade econômicaagosto/2011                                    ...
 Administração Pública: este setor registrou um saldo positivo de 33 novos postos,decorrente da admissão de 49 pessoas co...
Evolução do emprego no Pará em 2011 e nos últimos doze meses.       No acumulado do ano, a variação percentual do emprego ...
Indústria de Transformação (212 postos de trabalho), conforme especificado no quadro 2 aseguir.Quadro 2. Comportamento do ...
O município de Marituba, por sua vez, foi o décimo entre os que apresentaram os melhoresresultados quanto à criação de emp...
35 postos de trabalho, puxado pela queda de postos de trabalho nos setores da Construção Civil (-40empregos), Indústria de...
por Prazo Determinado             por Prazo Determinado       Total de Admissões        32.381 Total de Desligamentos   25...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Mercado trabalhoagosto2011

328 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
328
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mercado trabalhoagosto2011

  1. 1. Pará apresenta o melhor desempenho na geração de empregos na Região Norte, pelo segundo mês consecutivo. MERCADO DE TRABALHO FORMAL DO ESTADO DO PARÁ EM AGOSTO DE 2011 O emprego no mês de agosto. De acordo com os resultados apresentados no Cadastro Geral dos Empregados eDesempregados (CAGED) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), no mês de agostode 2011, foram criados 190.446 empregos com carteira assinada em todo país, o que elevouo estoque de postos de trabalho celetistas em 0,51%, acumulando no ano um saldo de1.825.382 novos postos de trabalho formais. Acompanhando a tendência de expansão do mercado de trabalho brasileiro, a regiãoNorte e o estado do Pará registraram a geração de 13.485 e 6.663 ocupações formais, comvariações de 0,84% e 1,01%, respectivamente. Gráfico 1. Empregos Formais. Brasil, Região Norte e Pará Agosto de 2011 2.000.000 1.800.000 1.600.000 Trabalhadores 1.400.000 1.200.000 1.000.000 800.000 600.000 400.000 200.000 0 Brasil Região Norte Pará Admissões 1.830.321 81.325 32.381 Desligamentos 1.639.875 67.840 25.718 Saldo 190.446 13.485 6.663 Fonte: MTE - CAGED. Elaboração: Núcleo de Análise conjuntural – IDESP
  2. 2. Em termos de variação absoluta, o Pará registrou o terceiro melhor resultado de todaa série histórica do CAGED para o período de agosto, ficando atrás apenas dos 7.852 postosgerados em 2006 e dos 7.204 gerados em 2009. Cabe ressaltar ainda que, com esse resultado, o Pará apresenta pelo segundo mêsconsecutivo, o melhor desempenho na criação de novos empregos formais na Região Norte,embora no acumulado do ano (de janeiro a agosto de 2011), essa posição ainda sejaocupada pelo estado do Amazonas, com um saldo positivo de 39.774 empregos, mantendoo Pará, o segundo lugar com um saldo de 33.281 empregos. Gráfico 2. Empregos formais. Região Norte – Janeiro a Agosto de 2011 179.998 Amazonas 140.224 39.774 238.883 Pará 205.602 33.281 121.431 Rondonia 107.964 13.467 Admitidos 55.543 Tocantis 49.111 Desligados 6.432 26.486 Saldo Acre 22.128 4.358 23.217 Amapá 19.386 3.831 15.761 Roraima 15.039 722 0 50.000 100.000 150.000 200.000 250.000 Fonte: MTE - CAGED. Elaboração: Núcleo de Análise conjuntural – IDESPO comportamento do emprego segundo Setores de Atividade Econômica: O comportamento do emprego por setor de atividade econômica (Quadro 1)demonstra que, o setor que mais contribuiu para obtenção do significativo saldo deempregos formais no Estado foi o da Construção Civil (3.364 postos), seguido pelos setoresde Serviços (1.146 postos), Agropecuária (743 postos), Indústria de Transformação (641postos) e Comércio (639 postos). A Extrativa Mineral e a Administração Pública tambémapresentaram variações positivas, embora menores, de 210 e 33 postos, respectivamente. Osetor de Serviços Industriais de Utilidade Pública foi o único a registrar saldo negativo, como fechamento de 133 postos de trabalho.
  3. 3. Quadro 1. Comportamento do emprego no Pará por setor de atividade econômicaagosto/2011 Total de Total de Variação do Setores de Atividade Saldo Admissões Desligamentos emprego (%)Extrativa Mineral 383 173 210 1,35Indústria de Transformação 3.905 3.264 641 0,71Serviço Indust. de Util. Pública 103 216 -113 -1,28Construção Civil 8.231 4.867 3.364 4,72Comércio 7.491 6.852 639 0,36Serviços 8.547 7.401 1.146 0,52Administração Pública 49 16 33 0,12Agropecuária 3.672 2.929 743 1,47Total 32.381 25.718 6.663 1,01Fonte: MTE - CAGED.Elaboração: Núcleo de Análise conjuntural – IDESP  Construção Civil: devido à ampliação de obras privadas e públicas no Estado, osetor da Construção Civil segue aquecido, o que explica a manutenção do bomdesempenho registrado neste mês de agosto. Na Região Metropolitana de Belém (RMB),mais especificamente na capital paraense, a construção de edifícios residenciais ecomerciais impulsionou o emprego com carteira assinada do setor e foi responsável pelamaioria dos postos de trabalho criados no Estado e o segundo na geração de empregosformais na área metropolitana.  Serviços: as maiores contribuições originaram-se dos subsetores “Comércio eAdministração de Imóveis e Serviços Técnico-profissionais” (368 postos), “Ensino (303postos), “Alojamento, alimentação, reparo e manutenção” (257 postos) e “Transportes eComunicações (238 postos).  Agropecuária: neste setor, as atividades ligadas a Agricultura, Pecuária e Serviçosrelacionados, criaram 1.116 novos postos de trabalho formal, enquanto que as atividadesvinculadas a Produção Florestal e a Pesca e Aqüicultura eliminaram, respectivamente, 298 e76 postos de trabalho durante o mês analisado.  Indústria de Transformação: o crescimento dos empregos na Indústria deTransformação, com saldo de 641 postos gerados, foi impulsionado pelos subsetores“Indústria de Madeira e Mobiliários” (450 postos), “Indústria de Produtos Alimentícios eBebidas” (147 postos) e “Indústria de Produtos Minerais Não Metálicos” (138 postos).  Comércio: este setor, que apresentou o quinto maior saldo de postos de trabalho (639postos), teve como destaque o Comércio Varejista com 578 postos de trabalho, contra 61postos do Comércio Atacadista.  Extrativa Mineral: o saldo de 210 postos de trabalho decorreu majoritariamente dasatividades ligadas a Extração de minerais metálicos, responsáveis pela geração de 203postos.
  4. 4.  Administração Pública: este setor registrou um saldo positivo de 33 novos postos,decorrente da admissão de 49 pessoas contra o desligamento (espontâneo ou pelo fim decontrato por prazo determinado) de 16 funcionários.  Serviços Industriais de Utilidade Pública: este setor foi o único que apresentousaldo negativo decorrente, sobretudo, do fechamento de postos de trabalho em serviços deCaptação, Tratamento e Distribuição de água (-11 postos), Eletricidade, Gás e Outrasatividades (-21 postos) e serviços de Esgoto e Atividades relacionadas (-38 postos).Ocupações com maiores saldos de emprego no mês de agosto de 2011. No quadro 2, a seguir são apresentadas as trinta ocupações que mais contribuírampara o resultado positivo do emprego registrado no mês em análise. Em conjunto, essasocupações somaram um total de 5.425 novos empregos, o equivalente a 81,4% dos 6.663postos gerados no mês de agosto no mercado de trabalho paraense. Quadro 2. Ocupações com maiores saldos de emprego em agosto Ocupações Saldo Ocupações Saldo1. Servente de obras 1.423 16.Auxiliar geral de conservação de 107 vias permanentes2. Trabalhador agropecuário em geral 458 17.Técnico em segurança no 103 trabalho3. Montador de andaime (edificações) 275 18.Ajudante de motorista 994. Pedreiro 266 19.Embalador, a mão 895. Faxineiro 263 20.Zelador de edifício 886. Trabalhador volante da agricultura 216 21.Operador de escavadeira 837. Motorista de caminhão (rotas regionais e 205 22.Almoxarife 76internacionais)8. Auxiliar de escritório, em geral 192 23.Eletricista de manutenção 73 eletroeletrônica9. Carpinteiro 189 24.Lagareiro 6810.Alimentador de linha de produção 187 25.Vigia 6511.Vendedor de comércio varejista 150 26.Operador de motosserra 5412.Contínuo 132 27.Empregado doméstico nos 54 serviços gerais13.Trabalhador de cultura de especiarias 124 28.Funileiro industrial 5114.Motorista de carro de passeio 119 29.Assistente administrativo 5015.Motorista operacional de guincho 113 30.Operador de trator de lâmina 50
  5. 5. Evolução do emprego no Pará em 2011 e nos últimos doze meses. No acumulado do ano, a variação percentual do emprego formal paraense foi de5,20% em relação ao estoque do iníicio de 2011, acima da variação nacional (5,08%) e abaixoda variação regional (6,56%). Em termos absolutos equivale a à criação de 33.281 postosformais de trabalho, destacando-se os setores de Serviços (11.897 postos) e Construção Civil(9.371 postos), seguido por Comércio (5.877 postos), Agropecuária (2.863 postos) e ExtrativaMineral (2.116 postos) como os que mais contribuíram para esse resultado. Nos últimos 12meses, a geração de 46.232 postos de trabalho, o melhor na Região Norte, implicou noacréscimo de 7,37% no nível de emprego no Estado. Gráfico 3. Saldo de empregos formais por setores econômicos 3.290 Agropecuária 2.863 598 Administ. Pública 661 Serviços 11.897 17.284 Comércio 5.877 12.871 Construção Civil 8.641 9.371 -447 Serv. Indust. de Util. Púb. -428 1.057 Ind. de transformação 924 Extrativa mineral 2.938 2.116 -2.000 0 2.000 4.000 6.000 8.000 10.00012.00014.00016.00018.00020.000 Número de empregos formais Em 12 meses No ano Fonte: MTE - CAGED. Elaboração: Núcleo de Análise conjuntural – IDESPComportamento do emprego na RMB e municípios, no mês de agosto. A Região Metropolitana de Belém alcançou, no mês de agosto, a geração de 1.910novos empregos celetistas, o equivalente a 29% do total gerado em todo o Estado. Este é osegundo melhor resultado do ano para a RMB, sendo superado apenas pelo saldo de 2.899empregos formais assinalados no mês anterior. Os setores de atividade com maior destaqueforam Serviços com (910 postos), Construção Civil (542 postos), Comércio (322 postos) e
  6. 6. Indústria de Transformação (212 postos de trabalho), conforme especificado no quadro 2 aseguir.Quadro 2. Comportamento do emprego na RMB e demais municípios Demais Setores de Atividade Econômica RMB Estado do Pará Municípios Extrativa Mineral -8 218 210 Indústria de Transformação 212 429 641 Serv. Industriais de Utilidade Pública 542 2.822 3.364 Construção Civil 322 317 639 Comércio 910 236 1.146 Serviços -8 751 743 Administração Pública -64 -49 -113 Agropecuária 4 29 33 Total 1.910 4.753 6.663 Fonte: MTE - CAGED. Elaboração: Núcleo de Análise conjuntural – IDESP No ranking dos municípios paraenses com maior saldo de emprego no mês de agosto,Parauapebas fica na primeira posição, gerando 1.568 postos de trabalho, no qual se destaca aConstrução Civil (1.386 postos), refletindo o aquecimento da construção de modo geral (ProjetoSalobo, Programa Minha Casa minha Vida, construção denovo Hhospital, etc.), seguida por Serviçose Extrativa Mineral, com respectivos 145 e 142 postos de trabalho. O município de Belém ocupa a segunda posição, com 1.270 postos, impulsionado pelo setorde Serviços, com 544 postos, ; Construção Civil, com saldo de 423 postos, ; Comércio, com 290postos e pela Indústria de Transformação, com 106 postos. Altamira, que ocupou o terceiro lugar no ranking, também se destacou em saldo de empregonum total 991 postos, no qual a Construção Civil foi o setor de atividade que gerou maior saldo, com904 postos, em grande medida relacionados às construções da Usina de Belo Monte. O município de Ananindeua, com 546 postos, apresenta-se como o quarto município noranking, com destaque para Serviços, responsável pela geração de 407 postos de trabalho eConstrução Civil, que gerou 111 postos. Vigia, por sua vez, ocupa o quinto lugar com 271 postos,tendo o setor da Agropecuária como carro chefe na criação de empregos formais no município (270postos). Em Tailândia, o saldo de 189 empregos formais é explicado pela variação positiva nos setoresda Agropecuária (105 postos), Indústria de Transformação (64 postos) e Comércio (26 postos). Naseqüênciasequência, o município de Castanhal apresentou saldo de 181 empregos, sendo que ossetores que mais contribuíram para este resultado foram Agropecuária (88 postos), Construção Civil(58 postos), Indústria de Transformação (19 postos), Serviços (11 postos) e Comércio (5 postos). Na oitava posição no ranking, Tomé-Açú gerou saldo de 169 postos de trabalho neste mês,puxado pelos seguintes setores de atividade: Agropecuária (149 postos), Indústria de Transformação(59 postos), Construção Civil (40 postos) e Extrativa Mineral (4 postos). Em penúltima colocação,aparece o município de Alenquer com saldo 162 postos de trabalho, cabendo este resultado ao setorda Construção Civil (162 postos).
  7. 7. O município de Marituba, por sua vez, foi o décimo entre os que apresentaram os melhoresresultados quanto à criação de empregos formais no Pará, apresentando variação de 103 postos,devido a à geração de 73 postos na Indústria de Transformação, 40 no Comércio, 17 na ConstruçãoCivil e 2 postos na Agropecuária. Gráfico 5. Ranking do saldo de emprego formais por Municípios. Pará – Agosto de 2011. Parauapebas 1.568 Belém 1.270 Altamira 991 Ananindeua 546 Vigia 271 Tailândia 189 Castanhal 181 Tomé-Açu 169 Alenquer 162 Marituba 103 Igarapé-Açu -20 Juruti -23 Benevides -24 Mojú -31 Santarém -35 Barcarena -35 Dom Eliseu -38 Paragominas -68 Almerin -75 Marabá -320 -500 0 500 1.000 1.500 2.000 Fonte: MTE - CAGED. Elaboração: Núcleo de Análise conjuntural – IDESP No outro extremo, entre os municípios que tiveram os piores saldos no mês, Marabá encabeçaa relação, com saldo negativo de 320 postos de trabalho em decorrência, principalmente, dasvariações negativas assinaladas pela Construção Civil (254 postos) e pela Indústria deTransformação (117 postos). Na seqüênciasequência, Almerim apresentou saldo negativo de 75postos de trabalho, em função do desempenho da Agropecuária (65 postos) e da sua Indústria deTransformação (25 postos). Quanto ao município de Paragominas, o saldo negativo de 68 empregos formais se deu,especialmente, em decorrência da variação negativa de 168 postos de trabalho na Agropecuária,seguida por Serviços (31 postos) e Comércio (13 postos). Dom Eliseu, por sua vez, respondeu pelosaldo negativo de -38 postos em virtude dos setores Agropecuários e Serviços, ambos com variaçãonegativa de 98 e 8 postos de trabalho, respectivamente. Barcarena respondeu pelo saldo negativo de -35 postos em virtude dos setores Indústria deTransformação, Serviços, Comércio, Extrativa Mineral, Administração Pública, com variaçãonegativa de -72, -29, -18, -17 e -1 respectivamente. O município de Santarém, que no mês anteriorencontrava-se entre os 10 com os maiores saldos de emprego, também apresentou saldo negativo de -
  8. 8. 35 postos de trabalho, puxado pela queda de postos de trabalho nos setores da Construção Civil (-40empregos), Indústria de Transformação (-19 empregos), Comércio (-2 empregos) e Extrativa Mineral(-1 emprego). Moju é o sétimo município entre os 10 com piores saldos, embora, no mês julho, tenhaestados no grupo dos 10 primeiros em termos de geração de empregos formais. Neste mês, Mojuapresentou saldo negativo de -31 postos, devido ao maior volume de demissões frente às admissõesnos setores de Serviços (-31 postos), Construção Civil (-30 postos) e Indústria de Transformação (-3postos). Em seguida, aparece Benevides com saldo de -24 postos de trabalho, com destaque paraComércio (-36 postos), Serviços (-11 postos) e Construção Civil (-9 postos). Ainda no ranking dos municípios com os piores saldos no mês, Juruti aparece na nonaposição com variação negativa de -23 postos de trabalho por conta dos setores de Serviços (-15postos), Construção Civil (-7 postos) e Comércio (-1 posto), sendo que os demais setoresapresentaram saldo nulo em agosto (sem admissões e sem demissões). Por fim, Igarapé-Açu aparecena décima posição com saldo negativo de -20 empregos formais, cabendo destaque ao setor deServiços (-16 postos), Agropecuária (-12 postos) e Indústria de Transformação (-2 postos). Conforme a tabela 1, que mostra o demonstrativo de emprego do Estado para o mês deagosto, entre as admissões, o tipo de admissão que mais se destacou foi o de Reemprego, com23.493, seguido por Primeiro Emprego (8.222), Contrato de Trabalho por Prazo Determinado (647) eReintegração (19), equivalente ao total de 32.381 admissões. Na contramão, entre os desligamentos,16.983 trabalhadores foram dispensados sem justa causa, 5.273 se desligaram espontaneamente,2.689 por término do contrato de trabalho e 390 com prazo determinado, 307 por justa causa, 62 pormorte e 14 por aposentadoria, resultando no total de 25.718 desligamentos. Tabela 1. Demonstrativo do Emprego no Estado do Pará – em Agosto de 2011. Período: Agosto de 2011 Admissões Desligamentos Dispensados Sem Justa Causa 16.983 Primeiro Emprego 8.222 Dispensados Por Justa Causa 307 À Pedido 5.273 Reemprego 23.493 Aposentados 14 Mortos 62 Reintegração 19 Término Contrato de Trabalho 2.689 Contrato de Trabalho 647 Término Contrato de Trabalho 390
  9. 9. por Prazo Determinado por Prazo Determinado Total de Admissões 32.381 Total de Desligamentos 25.718 Saldo 6.663Fonte: MTE - CAGED.Elaboração: Núcleo de Análise conjuntural – IDESP.

×