O populismo no brasil

9.008 visualizações

Publicada em

0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.008
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
53
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
646
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O populismo no brasil

  1. 1. Profª. – Fatima Freitas
  2. 2.  Na segunda metade do século XX, o Brasil passava por um crescimento urbano e industrial  O país havia participado na 2ª. Guerra combatendo o nazifascismo, portanto evidenciou que o regime ditatorial do Estado Novo era contraditório com a democracia defendida pelos Aliados.  No final de 1944 cresciam no Brasil os movimentos políticos que exigiam o fim do regime ditatorial e o retorno da democracia e das liberdades civis.  Assim a UNE, órgãos da imprensa, grupos liberais que se opunham a Vargas começam a se articular lançando o nome do brigadeiro Eduardo Gomes à sucessão presidencial.
  3. 3.  Pressionado Vargas se antecipou e decretou um novo código eleitoral, onde haveria eleições para presidente e também a elaboração de uma nova Constituição em dezembro de 1945.  Foi permitida a reorganização dos partidos políticos, sendo criados a UDN, grupo de oposição liberal formada pelas oligarquias estaduais.  PSD e PTB, representados por grupos ligados ao governo de Vargas.  O PCB retornou à legalidade e apóia Vargas.  Nesse momento o ditador representava o nacionalismo, única força capaz de conter a ascenção dos liberais da UDN, associados aos interesses norte-americanos.  O PCB passou a apoiar a sua permanência no poder até a aprovação da nova Constituição.
  4. 4. • A propaganda do Estado Novo influenciava as camadas populares e estimulava o Queremismo, movimento favorável à permanência de Vargas no poder. • A palavra de ordem era: “Queremos Getúlio” • Esse apoio gerava apreensão entre os políticos liberais, a elite, fora a pressão do governo norte-americano pela redemocratizações e suas críticas ao populismo de Vargas. • O nacionalismo econômico de Vargas desagradava os interesses norte-americanos e os dos liberais brasileiros, após o governo decretar leis contra a formação de trustes e cartéis punindo as empresas até com a desapropriação. • Vargas perdeu o apoio da alta cúpula militar, que articulou um golpe de estado, e em novembro de 1945, os mesmos líderes militares que apoiaram Vargas em 1937, comandaram o cerco ao palácio do governo, obrigando-o a renunciar.
  5. 5.  Em dezembro de 1945 foram realizadas eleições para presidente e para a Assembléia Constituinte.  Concorreram o general Dutra (PSD-PTB), que tinha o apoio de Vargas, o brigadeiro Eduardo Gomes (UDN) e o engenheiro Yedo Fiúza (PCB)  Eduardo Gomes obteve 35% dos votos, Fiúza obteve 10% e Dutra venceu com 55%.
  6. 6. A nova constituição foi promulgada em 16 de setembro de 1946, tendo como pontos principais:  Forma de governo: República Federativa;  Eleições gerais e diretas para todos os cargos;  O mandato presidencial seria de cinco anos;  Interdependência entre os poderes;  Liberdade de expressão, pensamento e locomoção;  As prisões seriam efetuadas somente em flagrante delito ou por ordem escrita;  Voto direto e secreto para ambos os sexos (somente para alfabetizados);  Proibição de greve  Manutenção da política trabalhista de Vargas.
  7. 7. Na política externa: • fortalecimento dos laços políticos com os EUA. • Alinhamento com os EUA quanto à política anticomunista; • Apoio aos EUA na Guerra Fria e rompimento dos laços diplomáticos com a URSS; • O PCB foi novamente colocado na ilegalidade e os partidários tiveram seus mandatos cassados, os funcionários públicos suspeitos foram demitidos e passaram a sofrer perseguições. Política econômica da 1ª. Fase (1946-47)  Abertura para o capital estrangeiro e a redução das tarifas alfandegárias e o consequente aumento das importações;  Estagnação da indústria nacional. 2ª. Fase (1947)  Restrição às importações;  Aumento da produção industrial brasileira voltada para o mercado interno.  Essas medidas não foram suficientes para controlar a inflação e melhorar as condições de vida das camadas populares.  Baixos salários que não eram reajustados desde 1942.
  8. 8. Dutra e Kennedy Dutra e Eisenhower
  9. 9. • Vargas retornou ao poder com uma votação maciça, eleito numa campanha que enfatizava os interesses nacionais uniu PTB e PSD. • Com Getúlio, volta a política de nacionalismo e intervenção estatal e são impulsionadas a produção siderúrgica e a petroquímica. • Foi criado o BNDE em 1951 com o objetivo de dar apoio aos projetos do governo; • Criação da PETROBRÀS em 1953, que estabelecia o monopólio estatal da exploração e refino do petróleo no Brasil. • Dobrou o valor do salário mínimo e procurou controlar os sindicatos. • Essa postura nacionalista não agradou aos liberais brasileiros e nem aos interesses dos capitalistas norte-americanos. • A oposição torna-se implacável e exigem a renúncia de Vargas. • Em agosto de 1954, o jornalista opositor, Carlos Lacerda (UDN) sofre um atentado na Rua Toneleros, e as investigações apontavam o chefe da segurança de Vargas, Gregório Fortunato. • Esse episódio fez aumentar as pressões pela renúncia e Vargas não admitia nova deposição, e no dia 24 de agosto de 1954, escreveu uma carta testamento e suicidou-se com um tiro no peito.
  10. 10. • Após a morte de Vargas, o vice Café Filho assumiu a presidência. • No seu governo as divergências entre conservadores e progressistas se acentuaram, provocando acirradas disputas partidárias. • Realizou-se eleições presidenciais em 1955 tendo como vencedores os candidatos:  Juscelino Kubischek (PSD-PTB) para presidente e;  João Goulart (Jango) (PSD-PTB) para vice-presidente. • Um grupo de militares e civis conservadores articulam um golpe para impedir a posso de JK e Jango temendo que a política nacional fosse mantida. • Militares preocupados com em manter a ordem democrática prepararam um contragolpe liderado pelo marechal Lott que estabeleceu o estado de sítio e garantiu a posse em janeiro de 1955.
  11. 11. • O governo estabeleceu um plano de metas que trazia a frase: “cinquenta anos em cinco”. • Para financiar o desenvolvimento, o governo recorreu ao capital estrangeiro, estimulando a indústria automobilística, com instalações da Ford, General Motors, Volksvagem e Willys. • O marco definitivo foi a construção de Brasília, projetada por Lúcio costa e Oscar Niemeyer. • Muitos trabalhadores nordestinos (candangos) foram atraídos para a obra e no final sem condições de voltar ou de pagar aluguel foram para a periferia contribuindo para a formação das cidades-satélites. • A política de desenvolvimento de JK trouxe aumento da inflação que levou o Brasil para uma crise econômica que seria empurrada para os governos futuros.
  12. 12. Benefícios  Estimulou o estabelecimento de multinacionais barateando o preço de alguns bens de consumo, até então raros;  Construção de várias estradas por todo o país colaborando para integrar as diversas regiões aumentando o fluxo de carros e caminhões;  A política voltada à industrialização gerou novos empregos nos meios urbanos. Problemas  Não criou mecanismos que limitassem a remessa de lucros para o exterior;  Para executar as obras o governo emitiu uma grande quantidade de papel-moeda, acarretando enorme inflação;  As ferrovias, sistema de transporte de baixo custo foram abandonadas, e o país ficou dependente da importação de combustíveis derivados do petróleo;  Falta de políticas voltadas para os camponeses aumentou o êxodo rural, provocando o crescimento desordenado das cidades.
  13. 13.  Candidato do PSD-PTB com o apoio da UDN, Jânio foi eleito com 48% dos votos derrotando o marechal Lott.  Para vice venceu João Goulart (Jango) da mesma chapa de Lott.  Tomaram posse em Brasília no dia 31 de janeiro de 1961.  Jânio tinha o apoio das classes médias e das lideranças militares, em sua campanha defendeu a moralização das instituições políticas e o combate à corrupção.  Seu símbolo de campanha era uma vassoura.  Sua política interna foi conservadora e repleta de polêmicas como proibição de corridas de cavalos em dias úteis, uso de biquinis nas praias, lança perfumes, brigas de galo, etc.  Instalou inquéritos presididos por militares para investigar todos os níveis da administração pública e os atos do governo anterior.
  14. 14. • Enfrentou uma inflação de 30% ao ano devido a política emissionista de JK. • A dívida externa atingia 3,8 bilhões de dólares e para controlá-la Jânio adotou corte nos gastos públicos, restringiu o crédito, cancelou subsídios dados pelo governo às importações e congelou os salários, medidas essas que desagradaram o FMI e trouxe grande descontentamento popular. • Externamente tentou assumir uma posição de liderança entre os países do 3º. Mundo e de não alinhamento aos EUA como:  Reatar relações diplomáticas com a China comunista;  Aproximou-se de outros países socialistas;  Condecorou o líder da revolução cubana Che Guevara com a cruz de ferro e o jornalista Carlos Lacerda o acusou de abrir as portas do Brasil ao comunismo e de liderar um golpe;  Mostrou-se favorável à independência das colônias européias na África e na Ásia.  Num gesto inesperado renuncia em 25 de agosto de 1961 declarando que “forças terríveis” o obrigavam a deixar a presidência.  Até hoje se discute essa renúncia, alguns acreditam que a frase era somente uma estratégia para conseguir o apoio dos militares e da população.  O certo é que Jânio nunca deixou claro quem fazia parte dessas “forças”.
  15. 15.  Após a renúncia de Jânio, o presidente da câmara Ranieri Mazzili assume interinamente, pois o vice João Goulart estava em visita oficial à China.  Como Jango havia sido ministro do trabalho de Vargas e era acusado de ser “comunista”, tanto os opositores de Vargas como os anticomunistas não queriam que ele assumisse.  Leonel Brizola, governador do RS, liderou um movimento para garantir o cumprimento da Constituição que previa a posse do vice em caso de renúncia do presidente, foi a “Campanha da Legalidade”.  Os golpistas perceberam que o impasse poderia provocar uma guerra civil e a solução encontrada pelo Congresso foi promulgar o Ato Adicional de 1961, estabelecendo o sistema “Parlamentarista no Brasil”, enquanto isso Jango aguardava a solução no Uruguai.
  16. 16.  Jango assumiu em sete de setembro de 1 961, com poderes reduzidos pela participação de um primeiro-ministro indicado pelo Congresso.  Durante o período parlamentar, ele conseguiu convocar um plebiscito para 6 de janeiro de 1964 que o povo escolhesse o sistema de governo, vencendo o presidencialismo.  Com os poderes de volta Jango decretou o monopólio do estado para importação de petróleo e passou a controlar os lucros que as empresas estrangeiras enviavam para fora do Brasil.  O presidente anunciou um programa de reformas em um grande comício no RJ em 13 de março de 1964, destacando as seguintes medidas:  Estatização de todas as refinarias de petróleo;  Desapropriação de propriedades com mais de 100 hectares;  Direito de voto aos analfabetos;  Ampliação do nº de vagas em universidades públicas.
  17. 17.  Os generais Luis Carlos Guedes e Mourão Filho, apoiados por políticos como Magalhães Pinto, governador de MG e membro da UDN deflagaram um movimento político e militar para depor o presidente.  Prepara-se um golpe para depor o presidente com os pretextos de manter a legalidade “ameaçada” por Jango, e impedir o avanço comunista no país.  Desistindo de uma possível reação contra o golpe militar e a consequente guerra civil, Jango retira-se em 1º. De abril de 1964 para Porto Alegre e de lá vai para o exílio no Uruguai em 4 de abril.  O presidente da câmara Ranieri Mazzili assume a presidência mais uma vez em caráter interino.  O Alto Comando decreta o Ato Institucional nº. 01, dando ao Congresso a função de eleger o novo presidente da república.  Iniciava-se a Ditadura Militar no Brasil
  18. 18.  Coleção História Novo Olhar – Marco Pellegrini – Editora FTD  Apostilado de História – Profº. Adelino de Mello  História Global – Gilberto Cotrim – Editora Saraiva  Imagens google

×