A ANATOMIA E FISIOLOGIA DA
MAMA
Harriane Rangel
A MAMA NORMAL
 Na infância, as meninas apresentam discreta elevação na região
mamária
puberdade: produção de estrogênios pelos ovários,...
 A DOR MAMÁRIA : Alteração Funcional Benigna da
Mama (AFBM)
 A DESCARGA PAPILAR
 OS NÓDULOS: O nódulo mamário (tumor) é...
 O câncer de mama é o carcinoma mais comum em
mulheres, respondendo por 22% do total de casos
novos a cada ano no Brasil,...
 O MECANISMO DE FORMAÇÃO:
 Iniciação: um fenômeno genético, decorre de alterações nos
genes, determinando a produção de ...
.
 Desde o início da formação do câncer até a fase em que ele pode ser
descoberto pelo exame físico (fase subclínica), is...
OS FATORES DE RISCO
 RISCO AUMENTADO:
 - Sexo feminino;
 - Menarca precoce (antes dos 11 anos);
 - Menopausa tardia (após os 55 anos);
- N...
RISCO DIMINUÍDO:
- Sexo masculino;
- Menarca após os 14 anos;
- Menopausa antes dos 45 anos;
Primeira gestação a termo e a...
OS FATORES DE PREVENÇÃO
 dieta saudável que inclua quantidades
 adequadas de proteínas,
 carboidratos e gorduras;
 muitas frutas, verduras,
 ...
 O AUTO-EXAME- 7º ao 10º dia após a menstruação
deve ser feito no mesmo dia de cada mês,
deve ser feito em duas etapas:
...
Palpação
 No autoexame de mamas a mulher deverá estar atenta à
presença de:
 - Nódulos mamilares ou auxiliares;
 - Abaulamentos ...
O ECM é realizado pelo profissional de saúde (médico ou
enfermeiro) rotineiramente durante sua consulta. Ele
evidencia alt...
Palpação
 A mamografia é um exame radiológico realizado em aparelho
de alta resolução, o mamógrafo, onde, por meio dos raios X,
po...
 Mulheres com lesões previamente diagnosticadas como
hiperplasia atípica ou neoplasia lobular insitu, ou câncer de
mama p...
 O tratamento irá depender do tipo de tumor,
se é benigno ou maligno e a conduta
terapêutica adotada pelo oncologista.
 ...
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.

1.692 visualizações

Publicada em

O câncer da mama, como outras neoplasias malígnas, é uma doença de origem celular que se caracteriza por uma multiplicação incontrolável de células anormais. À medida que essas células se dividem, desenvolvem maior agressividade para o organismo, pois novas células são geradas (sub-populações tumorais) e essas adquirem modificações genéticas com capacidade de disseminação para outros órgãos, podendo matar por invasão destrutiva órgãos normais, por ocupação do espaço funcional.
O que resulta desse processo desordenado de crescimento celular é uma produção em excesso dos tecidos do corpo (podendo ser processos inflamatórios, infecciosos ou mesmo o crescimento de células benígnas), formando um tumor.
Quanto mais rápido e precoce o diagnóstico, menor é a chance de comprometimento em outros órgãos (gânglios linfáticos, ossos, pulmão, medula, fígado, rins, intestino, dentre outros) e maior a possibilidade de cura da paciente.
Várias classificações já foram propostas para as neoplasias. A mais utilizada leva em conta dois aspectos básicos: o comportamento biológico e a histogênese do tumor. Segundo o comportamento biológico, os tumores podem ser agrupados em três tipos: benígnos, limítrofes e malígnos. Um dos pontos mais importantes no estudo das neoplasias é estabelecer os critérios de diferenciação entre cada uma dessas lesões, o que, algumas vezes, torna-se difícil.
Os tumores benígnos tendem a apresentar crescimento lento e expansivo, determinando a compressão dos tecidos vizinhos, o que leva à formação de uma pseudocápsula fibrosa.
Já nos casos dos tumores malígnos, o crescimento rápido, desordenado, infiltrativo e destrutivo não permite a formação dessa pseudocápsula; esse sim é tratado como tecido malígno.
Assim sendo, todas as mulheres, e não só aquelas que podem possuir fatores de risco, devem ser estimuladas à realização de exame clínico e mamografia como exame de rotina após os 35 anos de idade.

Prevenção

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Câncer de mama, aspectos anatômicos e fisiológicos.

  1. 1. A ANATOMIA E FISIOLOGIA DA MAMA Harriane Rangel
  2. 2. A MAMA NORMAL
  3. 3.  Na infância, as meninas apresentam discreta elevação na região mamária puberdade: produção de estrogênios pelos ovários, as mamas começam a se desenvolver  vida adulta: mamas túrgidas  período pré-menstrual: retenção de líquidos aumento de volume, endurecimento e dor  Menopausa: atrofia glandular, substituição do tecido parenquimatoso por gordura.  A plenitude funcional das mamas ocorre durante a amamentação AÇÃO HORMONAL SOBRE A MAMA
  4. 4.  A DOR MAMÁRIA : Alteração Funcional Benigna da Mama (AFBM)  A DESCARGA PAPILAR  OS NÓDULOS: O nódulo mamário (tumor) é uma área definida, de consistência variada, de limites precisos ou não, cuja consistência pode ser cística ou sólida. exame clínico, ultrasonografia e/ou mamografia, punção aspirativa por agulha fina(exame citológico) e a punção por agulha grossa ou “core-biopsia” (exame histopatológico). A ALTERAÇÕES DA MAMA
  5. 5.  O câncer de mama é o carcinoma mais comum em mulheres, respondendo por 22% do total de casos novos a cada ano no Brasil, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca). Estimativa do instituto aponta que o país registrou 52.680 novos casos da doença apenas em 2012.  Os dados mais recentes de óbitos divulgados pelo instituto apontam que, em 2010, morreram no Brasil 12.852 pessoas devido ao câncer de mama, sendo 147 homens e 12.705 mulheres.
  6. 6.  O MECANISMO DE FORMAÇÃO:  Iniciação: um fenômeno genético, decorre de alterações nos genes, determinando a produção de substâncias que favorecem a multiplicação das células ou a falta de síntese de outras substâncias inibidoras da divisão celular.  Promoção: representa a atuação de fatores de crescimento e multiplicação celular(como é o caso de certos hormônios) sobre células geneticamente alteradas, ou seja, “iniciadas”.  Progressão: período em que as células alteradas multiplicam-se descontroladamente, procura atingir vênulas e linfáticos para se disseminar O CÂNCER DE MAMA
  7. 7. .  Desde o início da formação do câncer até a fase em que ele pode ser descoberto pelo exame físico (fase subclínica), isto é, a partir de 01 cm de diâmetro passam-se, em média, 10 anos. Estima-se que o tumor de mama duplique de tamanho a cada período de 3-4 meses, ou seja, no início na fase subclínica impalpável tem-se a impressão de crescimento lento, porque as dimensões das células são mínimas. Porém, depois que o tumor se torna palpável, a duplicação é facilmente perceptível. Se não for tratado, o tumor desenvolve metástases (focos de tumor em outros órgãos), mais comumente para os ossos, pulmões e fígado. A HISTÓRIA NATURAL
  8. 8. OS FATORES DE RISCO
  9. 9.  RISCO AUMENTADO:  - Sexo feminino;  - Menarca precoce (antes dos 11 anos);  - Menopausa tardia (após os 55 anos); - Nuliparidade; - Primeira gestação a termo após os 30 anos; - Mãe ou irmã com história de câncer de mama; - Dieta rica em gordura animal; - Dieta pobre em fibras; - Obesidade (principalmente após a menopausa) IMC > 30; - Radiação ionizante; - Ciclos menstruais menores que 21 dias; - Padrão sócio-econômico elevado; -Ausência de atividade sexual; - Residência em área urbana; - Cor branca; - Vide modelo de Gail.
  10. 10. RISCO DIMINUÍDO: - Sexo masculino; - Menarca após os 14 anos; - Menopausa antes dos 45 anos; Primeira gestação a termo e amamentação precoces(idade inferior a 30 anos); Atividade física regular; Hábitos alimentares saudáveis (baixo teor de gordura, sal e açúcar; aumento de grãos integrais, tubérculos, vegetais e frutas).
  11. 11. OS FATORES DE PREVENÇÃO
  12. 12.  dieta saudável que inclua quantidades  adequadas de proteínas,  carboidratos e gorduras;  muitas frutas, verduras,  legumes e grãos  integrais;  assim como pouco sal e açúcar
  13. 13.  O AUTO-EXAME- 7º ao 10º dia após a menstruação deve ser feito no mesmo dia de cada mês, deve ser feito em duas etapas: • observação • palpação. O EXAME DAS MAMAS
  14. 14. Palpação
  15. 15.  No autoexame de mamas a mulher deverá estar atenta à presença de:  - Nódulos mamilares ou auxiliares;  - Abaulamentos ou retrações;  - Desvio mamilar;  - Presença de secreção ou sangue à expressão dos mamilos;  - Alterações de coloração ou formato mamário;  - Dor unilateral. Sinais de alerta observáveis ao auto- exame das mamas
  16. 16. O ECM é realizado pelo profissional de saúde (médico ou enfermeiro) rotineiramente durante sua consulta. Ele evidencia alterações macroscópicas identificáveis na inspeção, palpação das mamas e regiões axilares e supraclaviculares. O EXAME CLÍNICO DAS MAMAS
  17. 17. Palpação
  18. 18.  A mamografia é um exame radiológico realizado em aparelho de alta resolução, o mamógrafo, onde, por meio dos raios X, podem-se visualizar imagens tumorais, calcificações, etc. MAMOGRAFIA
  19. 19.  Mulheres com lesões previamente diagnosticadas como hiperplasia atípica ou neoplasia lobular insitu, ou câncer de mama prévio em qualquer idade: deverão fazer o exame anual;  Uma mamografia basal deverá ser realizada aos 35 anos de idade e se não houver risco para Cá de mama, deverá ser realizada anualmente após 40 anos de idade;  Mulheres com 40 anos ou mais de idade, com história familiar de câncer de mama na mãe ou irmã ocorrida na pré-menopausa: deverão fazer o exame anual Quem deve fazer a mamografia ?
  20. 20.  O tratamento irá depender do tipo de tumor, se é benigno ou maligno e a conduta terapêutica adotada pelo oncologista.  Por isso se você observar alguma alteração em suas mamas, procure imediatamente um médico ou enfermeiro do posto de saúde. Tratamento

×