Hidrologia e Bacias
Hidrográficas
Ecologia de Populações
Pantanal
Conceito
A hidrologia é a ciência que trata da
água da Terra, sua ocorrência,
circulação e distribuição, suas
propriedades...
Distribuição relativa de água na
superfície da Terra
O movimento contínuo de água é chamado de
ciclo hidrológico que é aci...
A renovação das águas
envolve:
A atmosfera até cerca de 15 km;
As águas superficiais ( rio, lagos, mares,
oceanos, calotas...
Um ciclo hidrológico curto é comumente
designado de ciclo anual da água e
caracteriza-se pela precipitação, escoamento,
ev...
O Balanço Hidrológico
Toda água do ciclo anual do rio faz parte da
entrada ou da saída da mesma;
Entradas Saídas
Precipita...
Temperatura: geralmente esta associada à
precipitação e relaciona-se com a evaporação.
Umidade relativa: a uma determinada...
As condições climáticas são essenciais para a origem do
escoamento fluvial e para as características que
adquirem os regim...
As partes do balanço hidrológico podem ser medidos de
diferentes maneiras:
Precipitação:
- Para estimar a precipitação med...
a) Regiões polares (> 65o latitude): dificilmente
encontra-se a água no estado líquido. As
precipitações são em forma de n...
d) Regiões mediterrâneas (25º - 40º latitude) têm chuva
predominando no inverno, quando a temperatura á baixa.
Evaporação ...
Aparelhos utilizados:
A precipitação pode ser analisada por grandezas
características como:
a) altura pluviométrica
b) int...
Média aritmética: soma-se as precipitações observadas
num certo intervalo de tempo simultaneamente em todos
os postos ( 1 ...
Evapotranspiração
A evaporação é o processo pelo qual a água é transferida
do solo e massas aquáticas para a atmosfera
A t...
A Evapotranspiração Real (ER): é a quantidade de
evapotranspiração real ou observada e diminui
em proporção à medida que s...
E= P/ (0,9+P2/L2)1/2
E= déficit de escoamento médio anual, em mm.
P= precipitação média anual, em mm.
L= 300+25T+0.05T3 ( ...
Outro cálculo pode ser feito quando se conhece a
(vazão), pela fórmula: E= P-Q
P= 2000 mm (precipitação)
Vazão 100m3/s
Áre...
O déficit de escoamento ( evapotranspiração real ) =
1790mm)
Obs.: q= Q* área/ número de segundos por ano.
1.600 mm - 888....
Quando a intensidade da precipitação ultrapassa a
capacidade de infiltração ocorre o escoamento superficial
e a altura das...
As chuvas de longa duração podem produzir
escoamento superficial elevado, mesmo que a
intensidade seja moderada;
Para as c...
Para as chuvas uniformemente distribuídas sobre
a bacia, à intensidade de infiltração não excederá
em parte alguma a capac...
Influem na capacidade de infiltração e
acréscimo da água no solo;
Quando o teor de umidade do solo é alto, a
capacidade de...
Descarga diária = a média aritmética das diversas
medições feitas no decorres do dia;
Descarga mensal = a média aritmética...
Débito absoluto (m3) = o volume de água que
passa por uma determinada seção, num período de
tempo. São geralmente determin...
ÁGUAS EM ESCOAMENTO
SUPERFICIAL
Tipos de escoamento ou fluxo superficial:
a) escoamento em manto;
b) escoamento em sulcos;...
ÁGUAS EM ESCOAMENTO
SUPERFICIAL
Formação das águas de escoamento
superficial:
a) retenção superficial;
b) charcos em depre...
ÁGUAS EM ESCOAMENTO
SUPERFICIAL
Erosão:
a) fatores: vegetação, precipitação,
comprimento da vertente, declividade,
capacid...
-.
-.
-.
-.
-.
-.
Os rios podem possuir regimes hídricos
efluentes: quando recebem água do
subsolo; e influentes: quando perdem
água para o ...
O fluxo de um rio pode ser laminar,
turbulento corrente e turbulento
encachoeirado.
A determinação para se verificar se o ...
Velocidade: é o maior logo abaixo do
centro da superfície ( 1/3 da
profundidade a partir da superfície), e
menos próximo a...
Morfologia e Fluxo dos
Canais
Transporte e Erosão
Trabalho dos rios consiste em erosão,
transporte e posição dos sedimento...
Evorsão: movimento turbilhonar gerando
marmitas de gigante; (seixos redondos)
Cavitação: velocidade elevada da água
gerand...
Cargas de transporte de um
rio:Solução: varia com o clima, pedologia, vegetação
e deposita quando ocorre a saturação;
Susp...
Depósitos de carga
sedimentar de um rio:
Deltas: perde a capacidade de transporte
devido a diminuição da declividade;
(for...
Divisões da hidrologia:
Distribuição das águas na Terra:
A maior parte da água está nos oceanos;
A Terra (ainda) é o úni...
Os Rios
Um rio é um canal de escoamento de agua mais
ou menos caudaloso que eventualmente deságua
no oceano, lago ou em ou...
O regime fluvial é a variação do nível das
águas fluviais no decorrer do ano;
O regime dos rios significa o estudo do
ritm...
Os regimes pluviais estáveis: estendem-se
por toda a zona tropical e subtropical
úmida. Distingue-se:
- O regime tropical ...
Os rios podem possuir regimes
hídricos efluentes quando recebem
água do subsolo, e influentes quando
perdem água para o su...
Classificação dos rios em
relação a inclinação das
camadas geológicas.
consequentes, subsequentes,
obsequentes, resequente...
Classificação dos rios
Arranjo Espacial e Tipos de
Canais Fluviais
Meandrante; colo esporão separa os braços com
tendência de estrangular o banco...
Fluxo do rio
O fluxo de um rio pode ser laminar,
turbulento corrente e turbulento
encachoeirado.
A determinação para se ve...
F= V/((g*D)1/2)
Número de Froude
V= velocidade média
g= gravidade
D= profundidade da água
F>1 = encachoeirado
F<1 = corren...
Velocidade:
é maior logo
abaixo do
centro da
superfície,
e menor
próximo ao
fundo e
paredes
laterais.
Fluxo do rio
Tipos de Leitos Fluviais
(Planícies de Inundação e Várzeas)
Evolução Vital de um Rio
Juventude; (aprofundamento, garganta ...
Geometria Hidráulica.
Estuda as relações de débito, forma do
canal, carga de sedimentos, declividade e
velocidade a partir...
Morfologia dos Canais e
Fluxo
Atividades de Tranporte
O trabalho dos rios consiste em erosão,
transporte e deposição dos sedimentos.
•
Processos de erosão:
corrosão: química;
corrasão: desgaste pelo atrito mecânico
das partículas carregadas pela água;
evors...
Cargas de transporte de um
rio
Solução: varia com o clima, pedologia,
vegetação e deposita quando ocorre a
saturação;
Susp...
A capacidade de carga da corrente de um
rio é o transporte de detritos em
suspensão e carga de fundo.
Competência;
Cargas ...
Depósitos de carga
sedimentar de um rio
Deltas: perde a capacidade de transporte
devido a diminuição da declividade;
Cones...
Tipos de leitos Fluviais
Tipos de Canais Fluviais
conforme o Arranjo Espacial
Meandrante;
Anastomosado;
Reticulado;
Ramificado;
Reto
Evolução da vida de um rio
Juventude;
Maturidade;
Senelenidade.
Bacias hidrográficas.
Uma bacia hidrográfica é a área drenada
por um rio ou uma rede de drenagem.
Classificação de Bacias
Hidrográficas.
Exorréica: quando o escoamento das águas
se faz de modo contínuo até o mar ou
ocean...
Arréicas: quando não há nenhuma estruturação
em bacias hidrográficas, como nas áreas
desérticas onde a precipitação é negl...
A análise geométrica das formas de relevo
e da drenagem fluvial: morfometria e
topologia de bacias fluviais.
Morfometria F...
Rede fluvial ou rede de canais: é o
padrão que inter-relaciona o drenagem
formado por um conjunto de rios em
determinada á...
Confluência ou junção: é onde dois canais se
encontram. Na análise morfométrica e
topológica não são permitidas junções
tr...
Ligações são trechos de/ou segmentos de canais que não
recebem afluentes, estendendo-se entre uma fonte e a
primeira confl...
O processo de se estabelecer a
classificação de determinado curso de
água (ou da área drenada que lhe
pertence) no conjunt...
Análise da rede hidrográfica.
A relação de bifurcação proposto por Horton (1945)
consiste do número total de segmentos de ...
Ordem do Rio (m) Segmentos do
Rio (Nm)
Relação da
Bifurcação, Rb
1 139 3,02
2 36 4,18
3 11 3,66
4 3 3,00
5 1
Análise da re...
Análise da rede hidrográfica.
Ordem do Segmento, u
NúmerodeSegmentos,N
O número de segmentos de ordem
sucessivamente inferiores de uma bacia
tende a formar uma progressão
geométrica, que começa...
Podemos expressar matematicamente
através da seguinte fórmula:
Nu = Rb
(k-u)
k = ordem do canal principal
O número total d...
Análise Alométrica das
Bacias Fluviais
Relação do comprimento dos canais: A definição de
relação do comprimento dos canais...
“Em uma bacia determinada, os
comprimentos médios (acumulativos) dos
canais de cada ordem ordenam-se segundo
uma série geo...
A regra de Horton relacionado ao
comprimento dos canais se expressa
matematicamente com a seguinte equação
Lu=L1*RL
(m-1)
...
O comprimento do rio principal pode ser
estabelecido por vários critérios:
O critério de Horton, pois o canal de ordem mai...
Relação de áreas das bacias
de ordem sucessivas:
Ra = Am/Am-1
Au = área média das bacias de ordem m
A regra de Horton para...
Por analogia com a regra do comprimento dos canais, a
regra da área das bacias pode ser expressada como:
Au = A1 * R L
(u-...
Análise Areal das Bacias
Hidrográficas:
Área: Toda a área drenada pelo conjunto do sistema
fluvial, projetada em plano hor...
Densidade dos cursos de água: é o numero de cursos de
água por Km2
D= N/A
D= densidade dos cursos d’água
N= número total d...
Bacias
Bacias
Bacias
Bacias
Bacias
Bacias
Bacias
Bacias
Bacias
Bacias
Bacias
Bacias
Bacias
Bacias
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Bacias

621 visualizações

Publicada em

Geomorfologia e hidrologia dos rios

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
621
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Bacias

  1. 1. Hidrologia e Bacias Hidrográficas Ecologia de Populações Pantanal
  2. 2. Conceito A hidrologia é a ciência que trata da água da Terra, sua ocorrência, circulação e distribuição, suas propriedades físicas e químicas, e suas reações com o meio ambiente, incluindo suas relações com a vida” (United States Federal Council of Science and Tecnology, Committee for Scientific Hydrology, 1962).
  3. 3. Distribuição relativa de água na superfície da Terra O movimento contínuo de água é chamado de ciclo hidrológico que é acionado pelo calor da energia do Sol. O ciclo hidrológico implica um incessante e constante movimento e forma um ciclo fechado. Os fluxos da água são por meio da: • Evaporação; • Precipitação; • Fluxo superficial ( rios). Os reservatórios são sistemas não isolados (abertos ou fechados).
  4. 4. A renovação das águas envolve: A atmosfera até cerca de 15 km; As águas superficiais ( rio, lagos, mares, oceanos, calotas polares, geleiras, etc.) As águas subterrâneas até cerca de alguns quilômetros
  5. 5. Um ciclo hidrológico curto é comumente designado de ciclo anual da água e caracteriza-se pela precipitação, escoamento, evaporação. Um ciclo hidrológico longo é a água que cai e fica retida algum tempo, sem voltar de imediato à atmosfera como: Água dos glaciais; Água de rochas sedimentares; e Água juvenil.
  6. 6. O Balanço Hidrológico Toda água do ciclo anual do rio faz parte da entrada ou da saída da mesma; Entradas Saídas Precipitação - P Evapotranspiração - E Água armazenada - R Escamento para o mar - Q Infiltração (água armazenada no solo) - IR Entradas = Saídas P+R = Q + E + IR Se IR é semelhante a R, temos P = Q+E ou E= P-Q ou Q= P-E
  7. 7. Temperatura: geralmente esta associada à precipitação e relaciona-se com a evaporação. Umidade relativa: a uma determinada condição de temperatura, o ar pode ter um determinado limite de umidade. Insolação: também está associada à evaporação das superfícies de água, à transpiração das plantas e à evaporação do solo. Todos estes fatores relacionados determinam o clima de uma região e influenciam no débito hídrico dos rios
  8. 8. As condições climáticas são essenciais para a origem do escoamento fluvial e para as características que adquirem os regimes estacionais, sendo que os fatores topográficos, litológicos e fisiográficos intervêm introduzindo somente diferenças menores ou internas dentro de uma bacia hidrográfica. Os fatores climáticos que se relacionam com o escoamento fluvial podem ser: a) precipitação: tipos e formas; b) Orográfica frontal e convectiva; c) Chuva, neve, granizo, orvalho e geada.
  9. 9. As partes do balanço hidrológico podem ser medidos de diferentes maneiras: Precipitação: - Para estimar a precipitação media em uma superfície qualquer é necessário utilizar as observações das estações dentro dessa superfície e nas suas vizinhanças. Os dados pluviométricos podem ser obtidos através de vários institutos: Instituto Agronômico de Campinas da Secretaria da Agricultura do Estado de São Paulo (IAC); Departamento Nacional de Meteorologia ( Ministério da Agricultura); Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo (DAEE); Agência Nacional de Águas (ANA)
  10. 10. a) Regiões polares (> 65o latitude): dificilmente encontra-se a água no estado líquido. As precipitações são em forma de neve - O acúmulo de neve forma os glaciais continentais. - O degelo ocorre apenas na periferia; b) Regiões frias (55º - 65º latitude): predominam ainda as precipitações em forma sólida. Há maior degelo que se prolonga por tempo maior, quando então há ocorrência da água em estado líquido; c) Regiões de latitudes médias (40º - 55º latitude): Há alternância de precipitações em forma líquida e sólida. Os rios têm duas fontes de alimentação: a água direta da chuva e a do degelo;
  11. 11. d) Regiões mediterrâneas (25º - 40º latitude) têm chuva predominando no inverno, quando a temperatura á baixa. Evaporação é reduzida o que favorece a permanência da água. O verão é quente e seco. Os débitos dos rios apresentam uma curva acentuada no inverno; e) Regiões desérticas (40º - 25º latitude): a água é superficial e escassa porque chove com certa raridade. Além de a quantidade ser reduzida ela é concentrada. A água aproveitável nessa região é essencialmente subterrânea, que caminha por milhares de km; f) Regiões tropicais (10º – 25º latitude): estação seca definida no inverno, com chuvas no verão. É o oposto do Mediterrâneo. No meio do ano os débitos são menores; g) Regiões equatoriais (0º - 10º latitude ): temperatura elevada e chuvas abundantes.
  12. 12. Aparelhos utilizados: A precipitação pode ser analisada por grandezas características como: a) altura pluviométrica b) intensidade da precipitação c) duração Para se computar a precipitação media em uma superfície qualquer, é necessário utilizar as observações das estações dentro dessa superfície e nas suas vizinhanças.
  13. 13. Média aritmética: soma-se as precipitações observadas num certo intervalo de tempo simultaneamente em todos os postos ( 1 mês, 1 trimestre ou 1 ano) e dividi-se o resultado pelo número delas. Esse método deve ser usado apenas para bacias menores que 5.000 Km2 com relevo suave. Nos outros casos usam-se os dois outros métodos que se seguem: Método de Thiessem ( médias ponderadas ): Consiste em dar pesos aos totais precipitados em cada aparelho. Proporcionais à área de influência de cada um. Método de isioetas: pode dar maior precisão se bem utilizado. Medem-se as áreas entre as isioetas sucessivas e verifica-se o valor médio.
  14. 14. Evapotranspiração A evaporação é o processo pelo qual a água é transferida do solo e massas aquáticas para a atmosfera A transpiração é a perda de vapor de água das plantas para a atmosfera através dos poros das folhas pelo processo de transpiração A evapotranspiração é a combinação da evaporação com e transpiração em uma área considerada. A Evapotranspiração Potencial (EP) “é a altura de água que seria evaporada por uma extensa superfície de água pura, livremente exposta ás condições atmosféricas reinantes no local.” (Tubelis e Nascimento, 1984).
  15. 15. A Evapotranspiração Real (ER): é a quantidade de evapotranspiração real ou observada e diminui em proporção à medida que se esgota a umidade do solo: E= P-Q O déficit de escoamento à diferença P - Q Utiliza-se a fórmula empírica de TURC para calcular a evapotranspiração real em função da temperatura e precipitação
  16. 16. E= P/ (0,9+P2/L2)1/2 E= déficit de escoamento médio anual, em mm. P= precipitação média anual, em mm. L= 300+25T+0.05T3 ( constante) T= temperatura média anual do ar Exemplo: P= 1.600 mm; T= 18ºC; e L= 300+25T+0.05T3 = 300+25(18)+0.05(18)3 = 300+25(18) + 0.05(5832) = 300+450+291.6 = 1041.6 E= P/ (0,9+P2/L2)1/2 = 1.600/ (0.9+ (1.600) 2/1.041.62)1/2 = 1.600/ (0.9+2.560.000/1.084.930)1/2 = 1.600/ (0.9+2.35)1/2= 1.600/ ( 3.25)1/2 = 1.600/1.80= 888.88mm
  17. 17. Outro cálculo pode ser feito quando se conhece a (vazão), pela fórmula: E= P-Q P= 2000 mm (precipitação) Vazão 100m3/s Área da bacia = 15.000Km2 Um ano equivale a 31.536.000 segundos Q= q* total de segundos em um ano/ área da bacia Q= 100m3 * 31.536.000/15.000.000.000m2 = 0.210mm Portanto: E= P-Q =2.000 -210 mm = 1.790 mm
  18. 18. O déficit de escoamento ( evapotranspiração real ) = 1790mm) Obs.: q= Q* área/ número de segundos por ano. 1.600 mm - 888.88 mm = 711.12 mm 100.000.0000m2*0.71112m/31536000s= 2.25m3/s ( débito médio anual) Coeficiente de escoamento (CE) CE= Q/P O Balanço Hídrico Mensal tem importância para o índice de escoamento e aproveitamento das águas as atividades agrícolas. (Thornthwaite)
  19. 19. Quando a intensidade da precipitação ultrapassa a capacidade de infiltração ocorre o escoamento superficial e a altura das águas aumenta rapidamente, e vice-versa; Portanto, ultrapassada a capacidade de infiltração o escoamento superficial crescerá rapidamente com o aumento da intensidade e produzirá inundação, e vice e versa; A capacidade de infiltração decresce durante a chuva. Intensidade da Chuva
  20. 20. As chuvas de longa duração podem produzir escoamento superficial elevado, mesmo que a intensidade seja moderada; Para as chuvas de duração mais longa, o período de escoamento superficial aumenta. Duração da Chuva
  21. 21. Para as chuvas uniformemente distribuídas sobre a bacia, à intensidade de infiltração não excederá em parte alguma a capacidade de infiltração; A coeficiente de distribuição pode ser calculada para qualquer tempestade, dividindo a precipitação máxima em cada ponto pela média da bacia. Quanto maior for o coeficiente, maior será o escoamento superficial. Distribuição da precipitação em uma bacia
  22. 22. Influem na capacidade de infiltração e acréscimo da água no solo; Quando o teor de umidade do solo é alto, a capacidade de infiltração é baixa e a drenagem é passível de inundações; Precipitação antecedente e umidade do solo
  23. 23. Descarga diária = a média aritmética das diversas medições feitas no decorres do dia; Descarga mensal = a média aritmética dos débitos ocorridos em cada dia do mês; Descarga anual = a média aritmética das 12 descargas mensais; Débito médio diário = média aritmética dos débitos diários de um mesmo dia nos 30 anos considerados; Débito médio mensal = a media aritmética dos débitos mensais de um mesmo mês, nos 30 anos considerados; Débito anual: idem. Medidas Temporais do Débito Fluvial
  24. 24. Débito absoluto (m3) = o volume de água que passa por uma determinada seção, num período de tempo. São geralmente determinadas através de curvas de taragem; Débito específico ou relativo: débito = débito absoluto/A; Exemplo.: 100m3/s/500Km2 = 1000l/s/5km2 = 200l/seg/km2 CMD = débito absoluto mensal/débito anual Outras Medidas do Débito Fluvial
  25. 25. ÁGUAS EM ESCOAMENTO SUPERFICIAL Tipos de escoamento ou fluxo superficial: a) escoamento em manto; b) escoamento em sulcos; c) escoamento em canais (rios).
  26. 26. ÁGUAS EM ESCOAMENTO SUPERFICIAL Formação das águas de escoamento superficial: a) retenção superficial; b) charcos em depressões; quantidade de escoamento = precipitação - infiltração;
  27. 27. ÁGUAS EM ESCOAMENTO SUPERFICIAL Erosão: a) fatores: vegetação, precipitação, comprimento da vertente, declividade, capacidade de infiltração; b) formas de erosão: laminar, em sulcos e voçorocas; Medidas de vazão em rios; Relações da vazão com a precipitação: a) hidrograma; b) fluxo basal e superficial; c) medidas de proteção contra as enchentes.
  28. 28. -.
  29. 29. -.
  30. 30. -.
  31. 31. -.
  32. 32. -.
  33. 33. -.
  34. 34. Os rios podem possuir regimes hídricos efluentes: quando recebem água do subsolo; e influentes: quando perdem água para o subsolo. (O volume de um rio em escala temporal varia conforme a precipitação, vegetação, solo, drenagem subterrânea) No Amazonas = 175.000 m³/s e representa 18% do total de todos os rios que deságuam nos oceanos). A geometria hidráulica estuda as relações de débito, forma de canal, carga sedimentos, declividade e velocidade a partir de algumas mensurações.
  35. 35. O fluxo de um rio pode ser laminar, turbulento corrente e turbulento encachoeirado. A determinação para se verificar se o fluxo é corrente e encachoeirado é dado pelo número de FROUDE F=V gD V= velocidade média; g= gravidade; D= profundidade da água; F>1 = encachoeirado F<1 = corrente
  36. 36. Velocidade: é o maior logo abaixo do centro da superfície ( 1/3 da profundidade a partir da superfície), e menos próximo ao fundo e paredes laterais. Energia do canal de escoamento: potenciale cinética.
  37. 37. Morfologia e Fluxo dos Canais Transporte e Erosão Trabalho dos rios consiste em erosão, transporte e posição dos sedimentos. Processo de erosão: - corrosão: química - corrosão: desgaste pelo atrito mecânico das partículas carregadas pela a água; (o material abrasivo é fornecido pelas vertentes e aluvião são sedimentos ou detritos de qualquer natureza carregado e depositado pelos rios).
  38. 38. Evorsão: movimento turbilhonar gerando marmitas de gigante; (seixos redondos) Cavitação: velocidade elevada da água gerando aumento de pressão sobre as paredes do canal facilitando a fragmentação das rochas.
  39. 39. Cargas de transporte de um rio:Solução: varia com o clima, pedologia, vegetação e deposita quando ocorre a saturação; Suspensão: silte e argila (diâmetro de argila 0, 002 mm, silte 0, 002 à 0,05 mm areia 0,05 à 1 mm areia > 1 mm seixos e cascalhos. Carga de fundo: areia e cascalhos e movimentam-se por saltação, rolamento ou arrastamento. A capacidade de carga da corrente de um rio é o transporte de detritos em suspensão e carga de fundo; (equivale a velocidade elevada a terceira ou a quarta potência no Brasil predomina o transporte da carga em suspensão)
  40. 40. Depósitos de carga sedimentar de um rio: Deltas: perde a capacidade de transporte devido a diminuição da declividade; (formando diques marginais ao lado dos canais, pelas enchentes transborda e relacionados com a sedimentação primeiro o material mais grosseiro e depois e o mais fino mais adiante) Cones de dejeção ou leque aluvial: deposito em canais efêmeros em terrenos de alta declividade;
  41. 41. Divisões da hidrologia: Distribuição das águas na Terra: A maior parte da água está nos oceanos; A Terra (ainda) é o único planeta do sistema solar que possui água superficial em quantidade suficiente para formar oceanos e mares; O único outro grande reservatório está nas calotas e geleiras polares; Os outros constituem uma porção muito pequena da reserva total de água.
  42. 42. Os Rios Um rio é um canal de escoamento de agua mais ou menos caudaloso que eventualmente deságua no oceano, lago ou em outro rio. (toponímia de riacho, arroio, ribeira, ribeirão). Os fluxos de água temporários dos rios podem ser classificados como efêmeros, intermitentes e perenes. Precipitação + escoamento + evapotranspiração (1/8 escoa diretamente e 7/8 se infiltra)
  43. 43. O regime fluvial é a variação do nível das águas fluviais no decorrer do ano; O regime dos rios significa o estudo do ritmo sazonal apresentado pelos débitos dos diversos regimes fluviais; Cheia = altas água Vazante = baixas águas O regime dos rios
  44. 44. Os regimes pluviais estáveis: estendem-se por toda a zona tropical e subtropical úmida. Distingue-se: - O regime tropical clássico ou simples: com cheias de verão, estação chuvosa e vazantes de inverno; - O regime pluvial tropical com dois máximos: corresponde aos cursos de água que drenam as bacias a zona intertropical úmida ou (equatorial), com dois máximos; O regime dos rios
  45. 45. Os rios podem possuir regimes hídricos efluentes quando recebem água do subsolo, e influentes quando perdem água para o subsolo. Fluxo do rio
  46. 46. Classificação dos rios em relação a inclinação das camadas geológicas. consequentes, subsequentes, obsequentes, resequentes e insequentes.
  47. 47. Classificação dos rios
  48. 48. Arranjo Espacial e Tipos de Canais Fluviais Meandrante; colo esporão separa os braços com tendência de estrangular o banco de solapamento de erosão na parte côncava ou de maior velocidade. Anastomosado; volta ao mesmo canal devido a diminuição da declividade Reticulado; cones de dejeção ou leque aluvial importante para as populações se estabelecerem em poços de água Ramificado; forma-se uma bifurcação como o rio Araguaia na ilha do bananal Reto devido a estrutura geologia não ultrapassa 10 vezes que o comprimento da largura.
  49. 49. Fluxo do rio O fluxo de um rio pode ser laminar, turbulento corrente e turbulento encachoeirado. A determinação para se verificar se o fluxo é corrente ou encachoreirado é dado pelo Número de Froude.
  50. 50. F= V/((g*D)1/2) Número de Froude V= velocidade média g= gravidade D= profundidade da água F>1 = encachoeirado F<1 = corrente
  51. 51. Velocidade: é maior logo abaixo do centro da superfície, e menor próximo ao fundo e paredes laterais. Fluxo do rio
  52. 52. Tipos de Leitos Fluviais (Planícies de Inundação e Várzeas) Evolução Vital de um Rio Juventude; (aprofundamento, garganta ou cânion, não navegável com cascatas, correntezas e cachoeiras) Maturação; (predomina o transporte do material rochoso dos afluentes e das vertentes) alargamento pela erosão lateral. Senilidade; (planície de inundação é 5 vezes mais larga que o diâmetro do meandro, perde-se a capacidade de transporte)
  53. 53. Geometria Hidráulica. Estuda as relações de débito, forma do canal, carga de sedimentos, declividade e velocidade a partir de algumas mensurações
  54. 54. Morfologia dos Canais e Fluxo
  55. 55. Atividades de Tranporte O trabalho dos rios consiste em erosão, transporte e deposição dos sedimentos. •
  56. 56. Processos de erosão: corrosão: química; corrasão: desgaste pelo atrito mecânico das partículas carregadas pela água; evorsão; movimento turbilhonar gerando marmitas de gigante; cavitação: velocidade elevada da água gerando aumento de pressão sobre as paredes do canal facilitando a fragmentação das rochas.
  57. 57. Cargas de transporte de um rio Solução: varia com o clima, pedologia, vegetação e deposita quando ocorre a saturação; Suspensão: silte e argila Carga de fundo: areia e cascalhos com movimentos de saltação, rolamento ou arrasto;
  58. 58. A capacidade de carga da corrente de um rio é o transporte de detritos em suspensão e carga de fundo. Competência; Cargas de transporte de um rio
  59. 59. Depósitos de carga sedimentar de um rio Deltas: perde a capacidade de transporte devido a diminuição da declividade; Cones de dejeção ou leque aluvial: depósito em canais efêmeros em terrenos de alta declividade;
  60. 60. Tipos de leitos Fluviais
  61. 61. Tipos de Canais Fluviais conforme o Arranjo Espacial Meandrante; Anastomosado; Reticulado; Ramificado; Reto
  62. 62. Evolução da vida de um rio Juventude; Maturidade; Senelenidade.
  63. 63. Bacias hidrográficas. Uma bacia hidrográfica é a área drenada por um rio ou uma rede de drenagem.
  64. 64. Classificação de Bacias Hidrográficas. Exorréica: quando o escoamento das águas se faz de modo contínuo até o mar ou oceano, isto é, as bacias desembocam diretamente no nível marinho; Endorréicas: quando as drenagens são internas e não possuem escoamento até o mar, desembocando em lagos ou dissipando-se nas areias do deserto, ou perdendo-se nas depressões cársticas;
  65. 65. Arréicas: quando não há nenhuma estruturação em bacias hidrográficas, como nas áreas desérticas onde a precipitação é negligenciável e a atividade de formação de dunas é intensa obscurecendo as linhas e os padrões de drenagem; Criptorréicas: quando as bacias são subterrâneas, como nas áreas cársicas. A drenagem subterrânea acaba por surgir em fontes ou integrar-se em rios superficiais.” (Christofoletti, 1980) Classificação de Bacias Hidrográficas.
  66. 66. A análise geométrica das formas de relevo e da drenagem fluvial: morfometria e topologia de bacias fluviais. Morfometria Fluvial
  67. 67. Rede fluvial ou rede de canais: é o padrão que inter-relaciona o drenagem formado por um conjunto de rios em determinada área, a partir de qualquer número de fontes até a desembocadura da referida rede; Fonte ou nascente de um rio: é o lugar onde o canal se inicia (nos mapas é representado pelo começo da linha azul), e desembocadura é o ponto final, a jusante, de toda a rede; Morfometria Fluvial
  68. 68. Confluência ou junção: é onde dois canais se encontram. Na análise morfométrica e topológica não são permitidas junções tríplices; Segmento fluvial: é o trecho do rio ou canal ao longo do qual a ordem (Strahler ) que lhe é associada permanece constante; Morfometria Fluvial
  69. 69. Ligações são trechos de/ou segmentos de canais que não recebem afluentes, estendendo-se entre uma fonte e a primeira confluência, a jusante, entre duas junções consecutivas, ou entre a desembocadura e a primeira confluência a montante. As ligações que se estendem de uma nascente até a primeira confluência são denominados de ligações exteriores, enquanto os demais são denominados de ligações interiores. O numero de ligações exteriores será igual ao número de nascentes, ou de segmentos de primeira ordem. O numero de ligações interiores será igual ao número de nascentes (n) menos um (n-1), e o total dos ligações em determinada rede é igual a 2n-1. Morfometria Fluvial
  70. 70. O processo de se estabelecer a classificação de determinado curso de água (ou da área drenada que lhe pertence) no conjunto total da bacia hidrográfica na qual se encontra, Determinação da hierarquia por Horton (Robert 1945 ) e Strahler (1952) Hierarquia Fluvial
  71. 71. Análise da rede hidrográfica. A relação de bifurcação proposto por Horton (1945) consiste do número total de segmentos de uma certa ordem ao número total dos de ordem imediatamente superior. Rb = Nu/Nu+1 Rb= relação de bifurcação; Nm= numero de segmentos de determinada ordem; Nm+1= número de segmentos da ordem imediatamente superior.
  72. 72. Ordem do Rio (m) Segmentos do Rio (Nm) Relação da Bifurcação, Rb 1 139 3,02 2 36 4,18 3 11 3,66 4 3 3,00 5 1 Análise da rede hidrográfica. A relação de bifurcação tende a se manter constante se em uma região o clima a litologia e estado de desenvolvimento uniforme forem também constante. Os valores desta relação oscilam entre 3 e 5 e, são características dos sistemas fluviais.
  73. 73. Análise da rede hidrográfica.
  74. 74. Ordem do Segmento, u NúmerodeSegmentos,N
  75. 75. O número de segmentos de ordem sucessivamente inferiores de uma bacia tende a formar uma progressão geométrica, que começa com o único segmento de ordem mais elevada e cresce segundo uma relação constante de bifurcação. (Horton 1945) Lei do número de canais
  76. 76. Podemos expressar matematicamente através da seguinte fórmula: Nu = Rb (k-u) k = ordem do canal principal O número total de segmentos de canal de uma bacia inteira pode ser expressa como: SNu = Rb k-1/Rb-1 SNu é a soma dos segmentos de cada ordem. Lei do número de canais
  77. 77. Análise Alométrica das Bacias Fluviais Relação do comprimento dos canais: A definição de relação do comprimento dos canais que se assemelha com a relação de bifurcação RL = Lm/Lm-1 onde: RL = Relação de comprimento Lm = SLm/Nm SLm= é a soma dos comprimentos de todos os segmentos do canal de ordem m
  78. 78. “Em uma bacia determinada, os comprimentos médios (acumulativos) dos canais de cada ordem ordenam-se segundo uma série geométrica direta, cujo primeiro termo é o comprimento médio dos canais de primeira ordem, e a razão é a relação entre os comprimentos” (Horton) A relação entre o índice do comprimento médio e o índice de bifurcação: quando esta relação se modifica relaciona-se à fatores hidrológicos, morfológicos e geológicos ou climáticos que se alteraram. Regra do Comprimento dos Canais
  79. 79. A regra de Horton relacionado ao comprimento dos canais se expressa matematicamente com a seguinte equação Lu=L1*RL (m-1) Onde: L1= é o comprimento médio dos segmentos de primeira ordem Regra do Comprimento dos Canais
  80. 80. O comprimento do rio principal pode ser estabelecido por vários critérios: O critério de Horton, pois o canal de ordem mais elevada corresponde ao rio principal; Em cada bifurcação, a partir da desembocadura, optando pela ligação de maior magnitude; Em cada confluência, a partir da desembocadura, seguir o canal fluvial montante situado em posição altimétrica mais baixa, no conjunto da bacia; O curso de água mais longo, da desembocadura da bacia até determinada nascente, medido como a soma dos comprimentos dos seus ligamentos.
  81. 81. Relação de áreas das bacias de ordem sucessivas: Ra = Am/Am-1 Au = área média das bacias de ordem m A regra de Horton para o comprimento dos canais pode converter-se em uma regra de área das bacias trocando algumas palavras: Em uma bacia hidrográfica determinada, a área média das bacias de drenagem dos canais de cada ordem ordena-se aproximadamente segundo uma série geométrica direta, na qual o primeiro termo é a área média das bacias de primeira ordem
  82. 82. Por analogia com a regra do comprimento dos canais, a regra da área das bacias pode ser expressada como: Au = A1 * R L (u-1) A1 = área média das bacias de primeira ordem. Deve-se lembrar que a propriedade altimétrica também é válida para a declividade média dos canais Relação entre a área média da bacia e o comprimento médio do rio ( acumulativo): Relação de áreas das bacias de ordem sucessivas:
  83. 83. Análise Areal das Bacias Hidrográficas: Área: Toda a área drenada pelo conjunto do sistema fluvial, projetada em plano horizontal Comprimento: podem ser definidos como Distância medida em linha reta entre a foz e determinado ponto do perímetro eu assinala eqüidistância no comprimento do perímetro entre a foz e ele. O ponto mencionado representa, então, a metade da distância correspondente ao comprimento total do perímetro; Maior distância medida em linha reta, entre a foz e determinado ponto ou o ponto mais alto situado ao longo do perímetro;
  84. 84. Densidade dos cursos de água: é o numero de cursos de água por Km2 D= N/A D= densidade dos cursos d’água N= número total de cursos ou canais de água (Horton) A= área da bacia considerada Densidade de drenagem: correlaciona o comprimento total dos canis de escoamento com a área da bacia hidrográfica Dd=L/A Dd= densidade de drenagem L = comprimento total dos canais A= área da bacia Análise Areal das Bacias Hidrográficas:

×