SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
OCEANOGRAFIA BIOLÓGICA
Conceitos Básicos
O ambiente marinho pode ser dividido em dois grandes domínios:
Domínio pelágico: refere-se à coluna d’água.
Domínio bentônico: refere-se aos fundos oceânicos. O substrato pode ser
consolidado (ex: rochas) ou inconsolidado (ex: sedimentos arenosos).
O ambiente pelágico, por sua vez, pode ser dividido em zona ou província nerítica
(coluna d’água sobre a plataforma continental, influenciada pela presença de
compostos de origem terrígena e ocorrência de luz ao longo de toda a sua
extensão) e província oceânica (demais áreas). A província oceânica pode ser
sub-dividida em:
Zona epipelágia: corresponde a zona eufótica;
Zona mesopelágica: estende-se do limite inferior da z. epipelágica até a
isoterma de 10°C;
Zona infrapelágica: corresponde a zona disfótica, onde a intensidade luminosa
apesar de perceptível ao olho humano encontra-se abaixo do ponto de
compensação

fotossintético.

Verifica-se notável

redução

da

biomassa

planctônica;
Zona batipelágica: estende-se até a isoterma de 4°C;
Zona abissopelágica: caracterizada pela estabilidade térmica;
Zona hadopelágica: caracterizada pela presença exclusiva de espécies
endêmicas;
No ambiente pelágico são encontrados dois grupos de organismos, classificados
de acordo com a capacidade de locomoção em plâncton e nécton.
Plâncton são organismos que possuem capacidade natatória inferior as forças
das marés e correntes marinhas, dispersando-se, portanto, sempre na mesma
direção

destas.

Podem

ser

tanto

vegetais

(fitoplâncton)

como

animais

(zooplâncton).
Nécton são organismos que nadam ativamente, vencendo as forças cinéticas do
meio.
Os organismos que vivem associados aos fundos marinhos (ambiente bentônico)
são chamados de bentos.
O bentos marinho pode ser classificados em:
1. Categorias tróficas: fitobentos (vegetais) e zoobentos (animais);
2. Quanto à relação com o substrato: epifauna/epiflora (organismos que vivem
sobre o substrato) e infauna (os que vivem entre os sedimentos; ocorrem
apenas em substratos inconsolidados);
3. Quanto a locomoção: sésseis e pivotantes (vivem aderidos a superfície de
substratos), sedentários (baixo poder de locomoção, vivem restritos a uma
pequena área), cavadores (locomovem-se entre os sedimentos, construindo ou
não galerias) e vágeis (possuem locomoção eficiente, podem migrar longas
distâncias);
4. Quanto a alimentação: omnívoros (dieta alimentar bastante variada, adaptamse aos recursos mais facilmente disponíveis), comedores de depósito
(alimentam-se indiscriminadamente de sedimentos, fazendo a seleção dos
compostos

nutritivos

internamente)

suspensívoros

(alimentam-se

de

compostos orgânicos em suspensão na coluna d’água), herbívoros, carnívoros,
detritívoros

(compostos

(organismos mortos).

orgânicos

em

decomposição)

e

necrófagos
Teia Alimentar Marinha
Os diferentes grupos marinhos (plâncton, nécton e bentos) se inter-relacionam
através de cadeias alimentares. Esse termo se refere ao conjunto de relações
tróficas que ocorrem entre os organismos vivos que compõem um ecossistema,
mediante as quais a energia adquirida através dos alimentos é transferida. A base
de uma cadeia alimentar são os organismos produtores (capazes de realizar
fotossíntese ou quimiossíntese; ex: microalgas e bactérias), em seguida temos os
consumidores primários, secundários, e assim por diante. Dá-se o nome de teia
alimentar

ao conjunto de cadeias

alimentares interconectadas de uma

comunidade.

GLOSSÁRIO
Bioluminescência: emissão de luz fria por organismos.
Biomassa: somatória de massa orgânica viva existente em uma determinada área
ou volume, num intervalo de tempo.
Comunidade: conjunto de populações co-ocorrentes e que usualmente interagem
de forma organizada.
Diversidade: parâmetro ou índice ecológico que descreve a combinação entre o
número de espécies e a proporção de indivíduos existentes em uma comunidade.
Estenobionte: organismo que apresenta pouca tolerância às variáveis ambientais.
Euribionte: organismo que apresenta amplo espectro de tolerância às variáveis
ambientais.
População: conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que ocupam o mesmo
habitat.
Produtividade primária: produção de material orgânico (compostos de carbono)
por organismos fotossintetizantes ou quimiossintetizantes; comumente expressas
em gramas de carbono por metro quadrado por ano.
Riqueza: parâmetro ou índice ecológico que descreve o número de espécies
presentes em uma comunidade.
Substrato: meio físico, químico ou biológico onde se desenvolvem organismos.
OCEANOGRAFIA BIOLÓGICA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A terra e os seus subsistemas em interacção
A terra e os seus subsistemas em interacçãoA terra e os seus subsistemas em interacção
A terra e os seus subsistemas em interacção
Isabel Lopes
 
A Geologia, os Geólogos e os seus métodos
A Geologia, os Geólogos e os seus métodosA Geologia, os Geólogos e os seus métodos
A Geologia, os Geólogos e os seus métodos
guestdbe434
 
Geologia 12 - tema 1
Geologia 12 - tema 1Geologia 12 - tema 1
Geologia 12 - tema 1
geologia 12
 
Terra Como Sistema
Terra Como SistemaTerra Como Sistema
Terra Como Sistema
Tânia Reis
 
67926953 dicionario-geologico-e-geomorfologico
67926953 dicionario-geologico-e-geomorfologico67926953 dicionario-geologico-e-geomorfologico
67926953 dicionario-geologico-e-geomorfologico
Hildegna Eufrasio Pereira
 
A terra como um sistema
A terra como um sistemaA terra como um sistema
A terra como um sistema
hugo dias
 
TectóNica De Placas Iii
TectóNica De Placas   IiiTectóNica De Placas   Iii
TectóNica De Placas Iii
Nuno Correia
 
Aula 2 O Solo Como Corpo Natural
Aula 2   O Solo Como Corpo NaturalAula 2   O Solo Como Corpo Natural
Aula 2 O Solo Como Corpo Natural
kelvilyn franco
 

Mais procurados (20)

A terra e os seus subsistemas em interacção
A terra e os seus subsistemas em interacçãoA terra e os seus subsistemas em interacção
A terra e os seus subsistemas em interacção
 
Sucessão Ecológica
Sucessão EcológicaSucessão Ecológica
Sucessão Ecológica
 
Geologia 12 movimentos horizontais
Geologia 12   movimentos horizontaisGeologia 12   movimentos horizontais
Geologia 12 movimentos horizontais
 
Estruturas e formas de relevo
Estruturas e formas de relevoEstruturas e formas de relevo
Estruturas e formas de relevo
 
1 a terra e os subsistemas terrestres
1   a terra e os subsistemas terrestres1   a terra e os subsistemas terrestres
1 a terra e os subsistemas terrestres
 
Geoquímica Distribuição dos elementos químicos
Geoquímica   Distribuição dos elementos químicosGeoquímica   Distribuição dos elementos químicos
Geoquímica Distribuição dos elementos químicos
 
A Geologia, os Geólogos e os seus métodos
A Geologia, os Geólogos e os seus métodosA Geologia, os Geólogos e os seus métodos
A Geologia, os Geólogos e os seus métodos
 
Resumo geologia (1)
Resumo geologia (1)Resumo geologia (1)
Resumo geologia (1)
 
Geoquímica do solo aula 5
Geoquímica do solo   aula 5Geoquímica do solo   aula 5
Geoquímica do solo aula 5
 
Geologia 12 - tema 1
Geologia 12 - tema 1Geologia 12 - tema 1
Geologia 12 - tema 1
 
Hidrogeologia de Meios Cársticos
Hidrogeologia de Meios CársticosHidrogeologia de Meios Cársticos
Hidrogeologia de Meios Cársticos
 
Terra Como Sistema
Terra Como SistemaTerra Como Sistema
Terra Como Sistema
 
67926953 dicionario-geologico-e-geomorfologico
67926953 dicionario-geologico-e-geomorfologico67926953 dicionario-geologico-e-geomorfologico
67926953 dicionario-geologico-e-geomorfologico
 
Mobilismo Geológico
Mobilismo Geológico Mobilismo Geológico
Mobilismo Geológico
 
7º 4.2.
7º 4.2. 7º 4.2.
7º 4.2.
 
A terra como um sistema
A terra como um sistemaA terra como um sistema
A terra como um sistema
 
TectóNica De Placas Iii
TectóNica De Placas   IiiTectóNica De Placas   Iii
TectóNica De Placas Iii
 
Geoquímica - Dispersão Geoquímica
Geoquímica - Dispersão GeoquímicaGeoquímica - Dispersão Geoquímica
Geoquímica - Dispersão Geoquímica
 
agentes de transporte
agentes de transporteagentes de transporte
agentes de transporte
 
Aula 2 O Solo Como Corpo Natural
Aula 2   O Solo Como Corpo NaturalAula 2   O Solo Como Corpo Natural
Aula 2 O Solo Como Corpo Natural
 

Destaque

Mecanismos Básicos da Genética Molecular
Mecanismos Básicos da Genética MolecularMecanismos Básicos da Genética Molecular
Mecanismos Básicos da Genética Molecular
Gregorio Leal da Silva
 
Antibigrama
AntibigramaAntibigrama
Antibigrama
mukunaje
 
Bioinformática Apostila de Introdução
 Bioinformática Apostila de Introdução Bioinformática Apostila de Introdução
Bioinformática Apostila de Introdução
Gregorio Leal da Silva
 
APOSTILA DE AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
APOSTILA  DE  AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA APOSTILA  DE  AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
APOSTILA DE AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
Gregorio Leal da Silva
 
Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - Embrapa
Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - EmbrapaConceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - Embrapa
Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - Embrapa
Gregorio Leal da Silva
 
O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica
O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica
O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica
Gregorio Leal da Silva
 
Biotecnologia: cultivo de células vegetais
Biotecnologia: cultivo de células vegetais Biotecnologia: cultivo de células vegetais
Biotecnologia: cultivo de células vegetais
Gregorio Leal da Silva
 
APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...
APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...
APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...
Gregorio Leal da Silva
 
Manual de bacteriologia
Manual de bacteriologiaManual de bacteriologia
Manual de bacteriologia
Tiagohc
 
Toma de muestras microbiología clínica
Toma de muestras microbiología clínicaToma de muestras microbiología clínica
Toma de muestras microbiología clínica
TPorta
 

Destaque (20)

Mecanismos Básicos da Genética Molecular
Mecanismos Básicos da Genética MolecularMecanismos Básicos da Genética Molecular
Mecanismos Básicos da Genética Molecular
 
Antibigrama
AntibigramaAntibigrama
Antibigrama
 
Apostila Básica de Entomologia
Apostila Básica de Entomologia Apostila Básica de Entomologia
Apostila Básica de Entomologia
 
Ornitologia Básica
Ornitologia Básica Ornitologia Básica
Ornitologia Básica
 
APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA
APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA
APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA
 
Bioinformática Apostila de Introdução
 Bioinformática Apostila de Introdução Bioinformática Apostila de Introdução
Bioinformática Apostila de Introdução
 
APOSTILA DE AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
APOSTILA  DE  AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA APOSTILA  DE  AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
APOSTILA DE AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
 
Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - Embrapa
Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - EmbrapaConceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - Embrapa
Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - Embrapa
 
O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica
O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica
O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica
 
Biotecnologia: cultivo de células vegetais
Biotecnologia: cultivo de células vegetais Biotecnologia: cultivo de células vegetais
Biotecnologia: cultivo de células vegetais
 
APOSTILA DE HISTOLOGIA BÁSICA
APOSTILA DE HISTOLOGIA BÁSICA APOSTILA DE HISTOLOGIA BÁSICA
APOSTILA DE HISTOLOGIA BÁSICA
 
APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...
APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...
APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...
 
Bacteriología
BacteriologíaBacteriología
Bacteriología
 
FARMACOLOGIA CLÍNICA VOLUME V TOMO III 3a. REEDIÇÃO 2014 PROFESSOR CESAR VENA...
FARMACOLOGIA CLÍNICA VOLUME V TOMO III 3a. REEDIÇÃO 2014 PROFESSOR CESAR VENA...FARMACOLOGIA CLÍNICA VOLUME V TOMO III 3a. REEDIÇÃO 2014 PROFESSOR CESAR VENA...
FARMACOLOGIA CLÍNICA VOLUME V TOMO III 3a. REEDIÇÃO 2014 PROFESSOR CESAR VENA...
 
Meio ambiente, sociedade e educação
Meio ambiente, sociedade e educaçãoMeio ambiente, sociedade e educação
Meio ambiente, sociedade e educação
 
Manual de bacteriologia
Manual de bacteriologiaManual de bacteriologia
Manual de bacteriologia
 
Manual de bacteriologia
Manual de bacteriologia Manual de bacteriologia
Manual de bacteriologia
 
Microbiologia Básica - Bactérias
Microbiologia Básica -  BactériasMicrobiologia Básica -  Bactérias
Microbiologia Básica - Bactérias
 
Toma de muestras microbiología clínica
Toma de muestras microbiología clínicaToma de muestras microbiología clínica
Toma de muestras microbiología clínica
 
Microbiologia
MicrobiologiaMicrobiologia
Microbiologia
 

Semelhante a OCEANOGRAFIA BIOLÓGICA (20)

Ambiente marinho
Ambiente marinhoAmbiente marinho
Ambiente marinho
 
Ecomarinho 110508162057-phpapp01
Ecomarinho 110508162057-phpapp01Ecomarinho 110508162057-phpapp01
Ecomarinho 110508162057-phpapp01
 
Eco marinho
Eco marinhoEco marinho
Eco marinho
 
Ecossistemas aquáticos
Ecossistemas aquáticosEcossistemas aquáticos
Ecossistemas aquáticos
 
Texto complementar ecossistema(1)
Texto complementar ecossistema(1)Texto complementar ecossistema(1)
Texto complementar ecossistema(1)
 
Texto complementar ecossistema(1)
Texto complementar ecossistema(1)Texto complementar ecossistema(1)
Texto complementar ecossistema(1)
 
Ambiente aquático marinho
Ambiente aquático marinhoAmbiente aquático marinho
Ambiente aquático marinho
 
Bioma Maritmo Costeiro
Bioma   Maritmo CosteiroBioma   Maritmo Costeiro
Bioma Maritmo Costeiro
 
Bioma Maritmo Costeiro
Bioma   Maritmo CosteiroBioma   Maritmo Costeiro
Bioma Maritmo Costeiro
 
Aula Ecologia Ciclos BiogeoquíMicos 2009
Aula  Ecologia Ciclos BiogeoquíMicos 2009Aula  Ecologia Ciclos BiogeoquíMicos 2009
Aula Ecologia Ciclos BiogeoquíMicos 2009
 
Limnociclo
LimnocicloLimnociclo
Limnociclo
 
Ecologia
Ecologia Ecologia
Ecologia
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
bioma Abrolhos
bioma Abrolhosbioma Abrolhos
bioma Abrolhos
 
abrolhos
abrolhosabrolhos
abrolhos
 
Ecologia - conceitos básicos
Ecologia - conceitos básicosEcologia - conceitos básicos
Ecologia - conceitos básicos
 
Trabalho de grupo a terra como sistema
Trabalho de grupo   a terra como sistemaTrabalho de grupo   a terra como sistema
Trabalho de grupo a terra como sistema
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 

Mais de Gregorio Leal da Silva (9)

apostila de embriologia
apostila de embriologiaapostila de embriologia
apostila de embriologia
 
Noções de Paleontologia
Noções de PaleontologiaNoções de Paleontologia
Noções de Paleontologia
 
Imunologia
Imunologia Imunologia
Imunologia
 
Poligrafo1
Poligrafo1Poligrafo1
Poligrafo1
 
APOSTILA ZOOLOGIA DOS VERTEBRADOS
APOSTILA ZOOLOGIA DOS  VERTEBRADOSAPOSTILA ZOOLOGIA DOS  VERTEBRADOS
APOSTILA ZOOLOGIA DOS VERTEBRADOS
 
ACIDENTES OFÍDICOS
ACIDENTES OFÍDICOS ACIDENTES OFÍDICOS
ACIDENTES OFÍDICOS
 
FUNDAMENTOS DE BIOQUIMICA
FUNDAMENTOS DE  BIOQUIMICAFUNDAMENTOS DE  BIOQUIMICA
FUNDAMENTOS DE BIOQUIMICA
 
APOSTILA DE MORFOLOGIA EXTERNA VEGETAL
APOSTILA DE MORFOLOGIA EXTERNA VEGETALAPOSTILA DE MORFOLOGIA EXTERNA VEGETAL
APOSTILA DE MORFOLOGIA EXTERNA VEGETAL
 
Exercícios sobre Divisão Celular
Exercícios sobre Divisão Celular Exercícios sobre Divisão Celular
Exercícios sobre Divisão Celular
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 

OCEANOGRAFIA BIOLÓGICA

  • 1. OCEANOGRAFIA BIOLÓGICA Conceitos Básicos O ambiente marinho pode ser dividido em dois grandes domínios: Domínio pelágico: refere-se à coluna d’água. Domínio bentônico: refere-se aos fundos oceânicos. O substrato pode ser consolidado (ex: rochas) ou inconsolidado (ex: sedimentos arenosos). O ambiente pelágico, por sua vez, pode ser dividido em zona ou província nerítica (coluna d’água sobre a plataforma continental, influenciada pela presença de compostos de origem terrígena e ocorrência de luz ao longo de toda a sua extensão) e província oceânica (demais áreas). A província oceânica pode ser sub-dividida em: Zona epipelágia: corresponde a zona eufótica; Zona mesopelágica: estende-se do limite inferior da z. epipelágica até a isoterma de 10°C; Zona infrapelágica: corresponde a zona disfótica, onde a intensidade luminosa apesar de perceptível ao olho humano encontra-se abaixo do ponto de compensação fotossintético. Verifica-se notável redução da biomassa planctônica; Zona batipelágica: estende-se até a isoterma de 4°C; Zona abissopelágica: caracterizada pela estabilidade térmica; Zona hadopelágica: caracterizada pela presença exclusiva de espécies endêmicas; No ambiente pelágico são encontrados dois grupos de organismos, classificados de acordo com a capacidade de locomoção em plâncton e nécton.
  • 2. Plâncton são organismos que possuem capacidade natatória inferior as forças das marés e correntes marinhas, dispersando-se, portanto, sempre na mesma direção destas. Podem ser tanto vegetais (fitoplâncton) como animais (zooplâncton). Nécton são organismos que nadam ativamente, vencendo as forças cinéticas do meio. Os organismos que vivem associados aos fundos marinhos (ambiente bentônico) são chamados de bentos. O bentos marinho pode ser classificados em: 1. Categorias tróficas: fitobentos (vegetais) e zoobentos (animais); 2. Quanto à relação com o substrato: epifauna/epiflora (organismos que vivem sobre o substrato) e infauna (os que vivem entre os sedimentos; ocorrem apenas em substratos inconsolidados); 3. Quanto a locomoção: sésseis e pivotantes (vivem aderidos a superfície de substratos), sedentários (baixo poder de locomoção, vivem restritos a uma pequena área), cavadores (locomovem-se entre os sedimentos, construindo ou não galerias) e vágeis (possuem locomoção eficiente, podem migrar longas distâncias); 4. Quanto a alimentação: omnívoros (dieta alimentar bastante variada, adaptamse aos recursos mais facilmente disponíveis), comedores de depósito (alimentam-se indiscriminadamente de sedimentos, fazendo a seleção dos compostos nutritivos internamente) suspensívoros (alimentam-se de compostos orgânicos em suspensão na coluna d’água), herbívoros, carnívoros, detritívoros (compostos (organismos mortos). orgânicos em decomposição) e necrófagos
  • 3. Teia Alimentar Marinha Os diferentes grupos marinhos (plâncton, nécton e bentos) se inter-relacionam através de cadeias alimentares. Esse termo se refere ao conjunto de relações tróficas que ocorrem entre os organismos vivos que compõem um ecossistema, mediante as quais a energia adquirida através dos alimentos é transferida. A base de uma cadeia alimentar são os organismos produtores (capazes de realizar fotossíntese ou quimiossíntese; ex: microalgas e bactérias), em seguida temos os consumidores primários, secundários, e assim por diante. Dá-se o nome de teia alimentar ao conjunto de cadeias alimentares interconectadas de uma comunidade. GLOSSÁRIO Bioluminescência: emissão de luz fria por organismos. Biomassa: somatória de massa orgânica viva existente em uma determinada área ou volume, num intervalo de tempo. Comunidade: conjunto de populações co-ocorrentes e que usualmente interagem de forma organizada. Diversidade: parâmetro ou índice ecológico que descreve a combinação entre o número de espécies e a proporção de indivíduos existentes em uma comunidade. Estenobionte: organismo que apresenta pouca tolerância às variáveis ambientais. Euribionte: organismo que apresenta amplo espectro de tolerância às variáveis ambientais. População: conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que ocupam o mesmo habitat.
  • 4. Produtividade primária: produção de material orgânico (compostos de carbono) por organismos fotossintetizantes ou quimiossintetizantes; comumente expressas em gramas de carbono por metro quadrado por ano. Riqueza: parâmetro ou índice ecológico que descreve o número de espécies presentes em uma comunidade. Substrato: meio físico, químico ou biológico onde se desenvolvem organismos.