SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
Histologia Básica

DEMONSTRAÇÃO (PÁGINAS INICIAIS)
APOSTILA DE HISTOLOGIA BÁSICA

1ª edição – junho/2007
HISTOLOGIA BÁSICA

www.bioaula.com.br

APOSTILA DE HISTOLOGIA BÁSICA

SUMÁRIO
Sobre a Bio Aulas ........................................................................

02

Introdução à Histologia ..............................................................

03

Métodos de Estudos Histológicos.................................................

08

Introdução à Microscopia ...........................................................

16

Tecido Epitelial de Revestimento ................................................

25

Tecido Epitelial Glandular ...........................................................

31

Tecido Conjuntivo .......................................................................

39

Tecido Adiposo ...........................................................................

53

Tecido Cartilaginoso ...................................................................

56

Tecido Ósseo ..............................................................................

61

Tecido Muscular ..........................................................................

68

Tecido Nervoso ...........................................................................

82

-1-
HISTOLOGIA BÁSICA

www.bioaula.com.br

Sobre a Bio Aulas
A Bio Aulas tem por propósito aumentar a
produtividade de ensino e aprendizagem nas Áreas de
Ciências Biológicas e da Saúde, oferecendo materiais
digitais prontos, como apostilas e apresentações, de
qualidade e a preços acessíveis.
Os materiais disponíveis na Bio Aulas são elaborados
por mestres e doutores em diversas áreas do
conhecimento, os quais se preocupam com a didática e
objetividade de cada material didático.
Na Bio Aulas, você encontra materiais de Anatomia e
Fisiologia Humana, Anatomia e Fisiologia Comparada,
Citologia, Histologia, Embriologia, Biofísica, entre
outras áreas, e novos materiais disponibilizados
regularmente. Acesse www.bioaula.com.br e escolha
seu material didático!

-2-
HISTOLOGIA BÁSICA

www.bioaula.com.br

INTRODUÇÃO À HISTOLOGIA
Histologia
É definida como sendo a ciência, parte da biologia, que estuda os
tecidos. O termo histologia foi usado pela primeira vez em 1819 por Mayer,
que aproveitou o termo “tecido” que Bichat (anatomista francês) instituiu,
muito tempo antes (por volta de 1800), para descrever macroscopicamente
as diferentes texturas encontradas por ele no corpo animal. Mayer fez a
conjunção do termo histos = tecido e logos = estudo. E o que é tecido?
Tecido
Há vários conceitos para tecido. É possível encontrar alguns autores
que definem tecido como sendo um conjunto de células que apresentam
mesma forma, mesma função e mesma origem embrionária. Mas, este
conceito não possui muita sustentação histológica. Se analisarmos, por
exemplo, o sangue, veremos que a forma de uma hemácia (disco
bicôncavo, anucleado na maioria dos animais domésticos) é totalmente
diferente de um neutrófilo (ovóide, quando no sangue, com núcleo
lobulado). Quanto à função destas células: a hemácia transporta oxigênio e
gás carbono, enquanto o neutrófilo é uma célula fagocitadora. Portanto,
vemos que apesar de pertencerem ao mesmo tecido elas não têm a mesma
forma e tão pouco a mesma função. Ainda outro exemplo nos remete a
raciocinar: no tecido ósseo os osteócitos são células arredondadas cuja
função

é

contribuir

na

manutenção

da

matriz

óssea,

enquanto

os

osteoclastos são células cuja forma varia muito, pois se movem através da
emissão de “pseudópodes” e são responsáveis pela reabsorção óssea.
Portanto, nem possuem a mesma forma e muito menos a mesma função.
Poderíamos discorrer muito mais, mostrando inúmeros exemplos em que se
constata que a grande maioria dos tecidos é constituída por células que têm
funções e forma diferentes. Já quanto à afirmação de que as células de um
tecido apresentam mesma origem embrionária, de fato esta afirmação é
aplicável. As células que compõem um tecido normalmente apresentam
mesma origem embrionária. Assim, como conceituar tecido? Tecido é um

-3-
HISTOLOGIA BÁSICA

www.bioaula.com.br

conjunto de células que apresentam a mesma função geral e a mesma
origem embrionária. Diríamos a mesma função geral, pois um tecido
apresenta uma ou mais funções gerais. Por exemplo: os epitélios de forma
geral apresentam como função principal revestir as superfícies corpóreas,
assim sua função geral é revestir uma superfície. No epitélio, como, por
exemplo, o da traquéia, tem-se a células ciliadas e as células caliciformes.
Ambas apresentam formas e funções diferentes, mas as duas realizam a
função geral de revestir.
Origem Embrionária dos Tecidos
Neste ponto devemos começar do início: quando o espermatozóide
(gameta masculino) e o óvulo (gameta feminino), ambas as células
apresentando a metade do número de cromossomos (portanto haplóides)
de uma célula somática da espécie, encontram-se em ambiente propício –
que pode ser o útero ou em meio de cultura – ocorre a fecundação. As duas
células após a fecundação formam uma célula, o zigoto, que é uma célula
diplóide (como o mesmo número de cromossomos de qualquer célula
somática da espécie). Formado o zigoto ele passa a sofrer sucessivas
mitoses, processo denominado de clivagem. Uma célula forma duas, as
duas formam quatro, as quatro formam oito e assim sucessivamente. Por
volta do sétimo dia (na maioria dos animais domésticos) pós-fecundação o
que se vê é um amontoado de células envoltas por uma membrana
translúcida. Cada célula é chamada de blastômero, sendo células
totipotentes (ainda não diferenciadas e com a potencialidade de originar
qualquer uma das células do corpo animal), e a membrana envoltória é
chamada de zona pelúcida. Este estágio do embrião por se assemelhar
muito a uma amora é chamado de mórula. Os blastômeros sintetizam um
líquido, rico em ácido hialurônico, que vai se acumulando dentro do embrião
e por volta do oitavo/nono dia forma-se uma pequena cavidade no interior
do embrião, a blastocele. Neste momento o embrião passa a se chamar de
blástula ou blastocisto. Posteriormente, a cavidade aumenta e pela
expansão interna do embrião a mórula é rompida (blastocisto eclodido).
Esta massa celular começa a se dobrar para dentro de si mesma e aí se
forma uma cavidade central chamada de gastrocele, neste momento
forma-se a gástrula. Nesta fase é possível identificar os dois primeiros

-4-
HISTOLOGIA BÁSICA

www.bioaula.com.br

tecidos embrionários – ectoderma e endoderma. O ectoderma é folheto
embrionário externo e o endoderma o folheto embrionário interno. Um
pouco depois, a partir do endoderma forma-se o folheto médio, o
mesoderma. A partir daí começa haver diferenciação celular e formação
dos tecidos animais. Por exemplo: do ectoderma forma-se o tecido nervoso
e alguns epitélios de revestimento; já do mesoderma origina-se a maioria
dos tecidos conjuntivos e musculares; do endoderma alguns epitélios de
revestimento.
Os

tecidos

embrionários

são

três

(ectoderma,

mesoderma

e

endoderma) e deles se formam todos os tecidos do corpo animal, mas a
propósito quantos e quais são os tecidos encontrados no corpo animal?
Tecidos Fundamentais
Macroscopicamente Bichat, por volta de 1800, conseguiu identificar
21 diferentes tipos de tecidos. Mas com o advento do microscópio foi
possível identificar muitos outros tecidos (aproximadamente 41). Mas todos
estes tipos podem ser agrupados em quatro diferentes tecidos, chamados
de tecidos fundamentais: os tecidos epiteliais, os tecidos conjuntivos, os
tecidos musculares e o tecido nervoso.

-5-
HISTOLOGIA BÁSICA

www.bioaula.com.br

Classificação Geral dos Tecidos
1. Tecido Epitelial
1.1. Tecido Epitelial de Revestimento
Quanto ao número de camadas de células
1.1.1. Simples

Quanto à forma das células superficiais
1.1.1.1. Pavimentoso
1.1.1.2. Cúbico
1.1.1.3. Cilíndrico ou prismático

1.1.2. Pseudo-estratificado

1.1.2.1. Cilíndrico ciliado

1.1.3. Estratificado

1.1.3.1. Pavimentoso

1.1.3.1.1. Queratinizado
1.1.3.1.2. Não-queratinizado

1.1.3.2. Cúbico
1.1.3.3. Cilíndrico
1.1.3.4. De transição
1.2. Tecido Epitelial Glandular
Quanto à complexidade dos ductos

Quanto à forma da parte secretora
1.2.1.1.1. Reta
1.2.1.1. Tubular
1.2.1.1.2. Enovelada
1.2.1.1.3. Ramificada
1.2.1.2. Acinar ou Alveolar
1.2.1.3. Túbulo-acinar

1.2.1. Simples

1.2.2. Composta

1.2.2.1. Tubular
1.2.2.2. Acinar ou Alveolar
1.2.2.3. Túbulo-acinar

-6-
HISTOLOGIA BÁSICA

www.bioaula.com.br

2. Tecidos Conjuntivos
2.1. Propriamente dito de propriedades gerais
2.1.1. Tecido Conjuntivo Frouxo
2.1.2. Tecido Conjuntivo Denso
2.1.2.1. Modelado
2.1.2.2. Não-modelado
2.2. Propriamente dito de propriedades especiais
2.2.1. Elástico
2.2.2. Mucoso
2.2.3. Reticular
2.2.3.1. Linfóide
2.2.3.2. Mielóide
2.2.4. Adiposo
2.2.4.1. Branco ou Unilocular
2.2.4.2. Pardo ou Multilocular
2.3. De sustentação
2.3.1.1. Hialino
2.3.1. Cartilaginoso
2.3.1.2. Elástico
2.3.1.3. Fibroso
2.3.2. Ósseo
2.3.2.1. Compacto
2.3.2.2. Esponjoso
2.3.3. Cimento e Dentina
2.4. De Transporte
2.4.1 Sangue
2.4.2. Linfa
2.4. Tecido Muscular
2.4.1. Tecido muscular estriado esquelético
2.4.2. Tecido muscular estriado cardíaco
2.4.3. Tecido liso
2.5. Tecido Nervoso
2.5.1. Tecido Nervoso propriamente dito
2.5.2. Neuróglia

-7-
HISTOLOGIA BÁSICA

www.bioaula.com.br

MÉTODOS DE ESTUDOS HISTOLÓGICOS

Vários são os métodos de estudos dos tecidos, variando do estudo
dos tecidos in vivo até aqueles que utilizam os tecidos mortos. O método
mais utilizado em Histologia é o preparado histológico permanente (lâmina
histológica) estudado em microscópio óptico. A seguir descrevemos as
etapas de produção de uma lâmina histológica:
1ª Etapa: Coleta da Amostra
A primeira etapa de todo o processo de preparação de uma lâmina
histológica consiste em coletar a amostra, ou seja, obtê-la e isto pode ser
feito de cinco diferentes maneiras:
a) Biópsia cirúrgica – obtenção da amostra de tecido ou órgão através
de uma incisão cirúrgica;
b) Biópsia endoscópica – usada para órgãos ocos (estômago, intestino,
etc) através de endoscopia;
c) Biópsia por agulha – a amostra (cilindro) é obtida pela punção do
órgão (fígado, pulmão), sem precisar abrir a cavidade natural;
d) Cirurgias amplas (radicais) – a amostra corresponde a peças grandes
(ex. tumores) ou órgãos (ex. mama, útero);
e) Necrópsia – procedimento utilizado para estudo anatômico de todos
os órgãos ou tecidos, no animal morto.
As peças cirúrgicas grandes ou de autópsia devem ser clivadas
previamente para reduzir sua espessura permitindo a penetração fácil do
fixador. O princípio fundamental de clivagem é que o fragmento possua em
torno de 4 mm de espessura.
2ª Etapa: Fixação
A base de uma boa preparação histológica é a fixação que deve ser
completa e adequada. Para tanto é preciso tomar algumas precauções que
são obrigatórias:

8
HISTOLOGIA BÁSICA

www.bioaula.com.br

a) O material coletado deve ser imerso rapidamente no fixador;
b) O volume de fixador deve ser no mínimo dez vezes (10 X) maior que
o volume da peça coletada.
Os principais objetivos da fixação são:
a) Inibir ou parar a autólise tecidual;
b) Coagular ou endurecer o tecido e tornar difusíveis as substâncias
insolúveis;
c) Proteger, através do endurecimento, os tecidos moles no manuseio e
procedimentos técnicos posteriores;
d) Preservar os vários componentes celulares e tissulares;
e) Melhorar a diferenciação óptica dos tecidos;
f) Facilitar a subseqüente coloração.
A fixação pode ser física (utilizando-se o calor ou o frio) ou química.
A fixação em Histologia é quase exclusivamente química, onde substâncias
(fixadores) são utilizadas com a principal função de insolubilizar as
proteínas dos tecidos. Os fixadores podem agir precipitando as proteínas ou
as coagulando, assim temos como principais fixadores:
a) Que precipitam as proteínas: cloreto de mercúrio e ácido pícrico;
b) Que coagulam as proteínas: aldeído fórmico (o mais utilizado,
conhecido como fixador universal), tetróxido de ósmio e o aldeído
glutárico.
Com o intuito de se conseguir o fixador ideal, os histologistas
elaboraram diversas misturas fixadoras como, por exemplo, o líquido de
BOUIN e o líquido de HELLY.
O formol a 10% para microscopia óptica e o aldeído glutárico em
solução de 2 a 6% para microscopia eletrônica são os fixadores simples
mais comumente utilizados.
O tempo de fixação varia de acordo com o tamanho da peça,
constituição do tecido, poder de fixação do fixador, objetivos a pesquisar e
temperatura ambiente. No entanto, de forma geral, tendo o fragmento, a

9
HISTOLOGIA BÁSICA

www.bioaula.com.br

ser fixado, uma espessura de 4 mm o tempo mínimo de fixação é de doze
(12) horas.
Observação: Para que se possa examinar o tecido ósseo ou tecido com
áreas de calcificação, deve-se antes de processá-lo, incluí-lo e cortá-lo,
proceder à descalcificação que consiste na remoção dos sais de cálcio que
se encontram depositados nos tecidos orgânicos sem alteração da sua
estrutura celular.
Os ossos ou outros materiais calcificados devem ser cortados em
pequenos pedaços (cerca de 4 mm) com serra adequada, antes da fixação.
Depois

de

completada

descalcificadora.
descalcificadores
clorídrico,

a

fixação,

Geralmente
os

pícrico,

seguintes
EDTA,

coloca-se

são
ácidos:

o

material

empregados
nítrico,

sulfossalicílico.

Não

na

como

fórmico,
existe

solução
agentes

tricloacético,
uma

solução

descalcificadora ideal. A única diferença entre as várias soluções é que
umas agem mais rapidamente do que as outras. O ácido usado deve ser
completamente removido do tecido depois de terminada a descalcificação.
Isto é feito pela lavagem abundante e cuidadosa em água corrente ou
álcool, conforme o descalcificador empregado. Esta lavagem deve ser no
mínimo por quatro horas.
3ª etapa: Processamento
Após a preservação do tecido, a etapa seguinte consiste em preparálo para o exame microscópico. Com a finalidade de permitir que a luz o
atravesse, cortes muito delgados de tecido têm que ser feitos. Infelizmente,
embora o processo de fixação endureça o tecido, o material não se torna
suficientemente firme ou coeso para permitir cortes delgados perfeitos. Para
que esse grau de firmeza seja atingido, o tecido deve ser completamente
impregnado com algum meio de sustentação que manterá juntas as células
e as estruturas intercelulares. Os materiais de sustentação usados são
denominados materiais de inclusão.
Certos materiais de inclusão, tais como “Carbowax” e a gelatina são
solúveis em água e os tecidos não precisam ser desidratados antes do uso.
Os materiais mais comumente usados são substâncias semelhantes à

10
HISTOLOGIA BÁSICA

www.bioaula.com.br

parafina que não são miscíveis com água. Quando estas substâncias forem
utilizadas os tecidos terão que ser desidratados antes da inclusão.
4ª Etapa: Desidratação
Antes que um material de inclusão, tal como a parafina, possa
penetrar

no

desidratação

tecido
é

seu

levada

conteúdo
a

efeito

em

água

imergindo

deve
o

ser

bloco

removido.

de

tecido

A
em

concentrações crescentes de álcool etílico. O álcool é o agente mais
comumente

utilizado

crescente (70% -

neste

processo,

sendo

empregado

numa

série

80% - 90% - 100%) para se evitar a retração

pronunciada do tecido ocasionando lesões estruturais da célula de caráter
irreversível. O álcool tem a vantagem de endurecer mais o tecido. O volume
de álcool deverá ser 10 a 20 vezes maior que o volume da peça.
Várias são as substâncias utilizadas como agentes de desidratação:
álcoois etílico, butílico, metílico e isopropílico, a acetona, o éter, o
clorofórmio e o óxido propileno. O álcool etílico é o mais utilizado em
técnica de rotina.
5ª Etapa: Diafanização (Clarificação)
A impregnação do tecido com meio de inclusão é impossível nesse
estágio porque as substâncias semelhantes à parafina usadas para a
inclusão não se misturam com o álcool. O tecido deve, portanto, ser imerso
em um produto químico e que o álcool e a parafina sejam solúveis. Assim a
diafanização consiste na infiltração do tecido por um solvente da parafina
que seja ao mesmo tempo desalcolizante. A parafina não se mistura com
água e nem com álcool. Ambos devem ser completamente removidos para
que a parafina possa penetrar eficientemente no tecido. O xilol é
comumente utilizado. Tal produto químico é muitas vezes chamado de
agente clarificador

porque

torna

o

tecido

semi-translúcido,

quase

transparente. Entre os reagentes mais utilizados na fase de diafanização
podemos citar ainda: toluol, clorofórmio, óleo de cedro, benzol e salicilato
de metila.
A quantidade de xilol (substância mais empregada) utilizada deve ser
10 a 20 vezes o volume da peça. A duração da clarificação varia com as
dimensões, a constituição do material e a temperatura.

11
HISTOLOGIA BÁSICA

www.bioaula.com.br

6ª etapa: Inclusão (Impregnação)
A finalidade da impregnação é eliminar completamente o xilol contido
no material e a total penetração da parafina nos vazios deixados pela água
e gordura, antes existentes no tecido. Este processo serve também para
preparar

o

material

para

os

cortes,

removendo

o

clarificante

e

endurecendo-o suficientemente e dando-lhe a consistência adequada para
que possa ser cortado.
O tecido é passado em duas trocas de parafina para assegurar a
substituição de todo o agente clarificador pela parafina. Emprega-se a
parafina a uma temperatura de 56 a 60º C (parafina fundida). O bloco de
tecido permanecerá imerso na parafina fundida (em estufa) durante o
tempo necessário para a completa impregnação. Posteriormente serão
retirados da estufa e deixados à temperatura ambiente até que a parafina
endureça, após isto o bloco de parafina com o tecido será retirado da fôrma
e conduzido ao corte. Pode-se citar ainda como agentes de impregnação:
celoidina, goma arábica, parafina plástica, polietileno glicol e parafina
esterificada.
7ª etapa: Microtomia
Para se obter cortes de material incluído em parafina ou por
congelação é necessário um instrumento especial: o micrótomo. Os
micrótomos variam de acordo com os fabricantes e tem como fundamento
duas peças principais: o suporte ou mandril (onde é fixada a peça a cortar)
e a navalha. O suporte é sempre encaixado a um parafuso micrométrico ou
a uma espiral metálica que o faz adiantar segundo seu eixo, em medida
conhecida e que pode ser regulada à vontade. Esta medida tem como
unidade o micrômetro que corresponde à milésima parte do milímetro.
Normalmente um micrótomo faz cortes cuja espessura varia de 1 a 50
micrômetros, mas a espessura mais utilizada em microscopia óptica é de 4
a 6 micrômetros. Há vários tipos de micrótomos: rotativo, tipo Minot, de
congelação e o destinado a trabalhos de microscopia eletrônica.
8ª etapa: Colagem do Corte à Lâmina
As fitas de cortes de parafina são estiradas cuidadosamente e os
cortes individuais são separados por um bisturi. Na superfície de uma

12
HISTOLOGIA BÁSICA

www.bioaula.com.br

lâmina de vidro é feito um ponto de aderência (normalmente com albumina
de ovo) e o corte de parafina é colocado em banho-maria (água morna) de
forma que as dobras provocadas pelo corte no tecido desapareçam. Após o
que o corte é “pescado” com a lâmina, preparada com albumina, na qual se
adere.
9ª etapa: Coloração
É a técnica tintorial empregada para facilitar o estudo dos tecidos sob
microscopia. A coloração é de importância fundamental em histologia, pois
os tecidos não tratados têm pouca diferenciação óptica. As colorações de
um modo geral se efetuam por processos físico-químicos ou puramente
físicos e podem ser consideradas, segundo a modalidade, a ação, o caráter,
o grau de ação, o tempo, o número de corantes e a cromatização.
Quanto à cromatização, ou seja, de acordo com o número de cores
conferidas às estruturas pelas colorações simples ou combinadas, estas
tomam

a

denominação

de

colorações

monocrômicas

(uma

cor),

bicrômicas (duas cores), tricrômicas (três cores) e policrômicas (mais
de três cores).
Para se corar convenientemente a célula, deve-se recorrer a um
método de coloração sucessiva do núcleo e do citoplasma.
A combinação mais comum de corantes usada em Histologia e
Histopatologia é a Hematoxilina e Eosina (HE). A hematoxilina é um
corante natural obtido da casca de pau campeche. Ela não é realmente um
corante e deve ser oxidada em hemateína a fim de tornar-se um corante.
Ademais, o corante que resulta (hematoxilina-hemateína) não tem afinidade
para os tecidos. Deve ser usado um mordente, como o alumínio ou o ferro,
juntamente com a mistura de hematoxilina antes que ela possa corar os
tecidos. A mistura cora em azul-púrpura. A eosina é um corante sintético
e produz uma coloração vermelha.
Nas células coradas com HE os ácidos nucléicos presentes no núcleo
são corados pela hematoxilina, dando ao núcleo um tom azul-púrpura. A
eosina é atraída pelos elementos básicos da proteína do citoplasma da
célula, corando-o de róseo a vermelho. Os componentes dos tecidos que se
coram prontamente com os corantes básicos são chamados basófilos; os
que têm afinidade pelos corantes ácidos são chamados acidófilos. A

13
HISTOLOGIA BÁSICA

www.bioaula.com.br

hematoxilina comporta-se como um corante básico e, portanto, cora o
núcleo de modo basófilo. A eosina é um corante ácido e cora os elementos
básicos da proteína do citoplasma de maneira acidófila.
Certos corantes reagem com os componentes do tecido e os coram
com uma cor diferente da cor da solução corante. A mudança de cor do
corante chama-se metacromasia. O azul-de-metileno, o azul-de-toluidina
e a tionina são exemplos de corantes simples que exibem metacromasia.
Com os corantes azuis a cor muda para vermelho. A coloração dos
mastócitos com o azul-de-metileno constitui um bom exemplo. Os grânulos
do citoplasma coram-se em vermelho-púrpura, enquanto que o resto do
tecido fica azul. A causa da metacromasia não é totalmente compreendida,
porém tem sido sugerido que é devido à polimerização das moléculas do
corante.

Julga-se

que

a

presença

de

macromoléculas

com

radicais

eletronegativos no tecido facilita a polimerização e provoca a mudança de
cor.
Antes que o corte seja corado, a parafina em que ele foi incluído deve
ser removida. O corte, que já foi aderido à lâmina de vidro (pescagem em
banho-maria), é banhado no xilol para dissolver a parafina. Devido ao fato
de muitos corantes serem solúveis em água, torna-se necessário remover o
xilol do tecido e substituí-lo por água (hidratação). O corte é imerso em
uma série de concentrações decrescentes de álcool etílico até que esteja
hidratado. Depois que o corte estiver hidratado procede-se à coloração
propriamente dita. No caso da HE, o tecido é imerso primeiramente em
hematoxilina, lavado com água para retirada de excedente, depois imerso
em eosina e, após isto também se faz lavagem do tecido.
10ª etapa: Montagem
Depois que o corte tiver sido corado com a solução apropriada, ele é
passado através de concentrações crescentes de álcool para remover, de
novo, a água (desidratação). Objetiva-se com esta desidratação aumentar a
sobrevida do preparado histológico.
Finalmente, o corte é banhado em xilol antes de ser montado em um
meio solúvel em xilol, que é o meio de montagem (para os cortes de
parafina é usado o Bálsamo de Canadá). Uma gota do meio de montagem é
colocada sobre o corte e a lamínula é posicionada sobre o corte de forma

14
HISTOLOGIA BÁSICA

www.bioaula.com.br

delicada, de uma forma tal que o meio de montagem cubra completamente
o corte. Depois a lamínula é comprimida com firmeza sobre o corte e o meio
de montagem se espalha formando uma delgada película entre a lâmina e a
lamínula que posteriormente vão estar firmemente aderidas uma à outra
pela estabilização do meio de montagem.

15
HISTOLOGIA BÁSICA

www.bioaula.com.br

INTRODUÇÃO À MICROSCOPIA

O estudo da Histologia depende da utilização da microscopia. Na
realidade para se conhecer a “anatomia microscópica” dos tecidos e órgãos
é necessário fazer uso do microscópio. Portanto, o aluno de Histologia deve
necessariamente conhecer os fundamentos básicos da microscopia. Assim
sendo, passaremos à descrição mais detalhada de um microscópio óptico,
depois citaremos alguns conceitos ligados à microscopia óptica e finalizando
descreveremos outros tipos de microscópicos, além do microscópio óptico.
1. Microscópio Óptico
Um microscópio óptico pode ser simples ou composto: o microscópio
simples possui uma única lente e só fornece uma imagem moderadamente
aumentada do objeto que se está estudando; o microscópio composto
consiste de uma série de lentes e fornece um aumento muito maior.
Partes de um microscópio óptico composto
Um microscópio composto consiste de partes mecânicas e ópticas. A
parte mecânica tem uma base que estabiliza o microscópio, uma coluna ou
canhão que se estende da base para cima, e uma platina na qual é colocado
o objeto a ser examinado. As partes ópticas estão presas à coluna acima e
abaixo da platina e são elas: oculares, objetivas, condensador e espelho.
Em muitos microscópios o espelho e a lâmpada estão alojados, com
segurança, na base do instrumento.
A ocular consiste de uma combinação de lentes que estão embutidas
na extremidade superior do tubo do microscópio. O valor gravado tal como
12,5 x indica o aumento da ocular. As objetivas (pode haver três, quatro ou
cinco) são uma combinação de lentes presas à extremidade inferior do tubo
do microscópio. O valor gravado tal como 10x, indica o aumento da
objetiva. Uma objetiva 10x usada em combinação com uma ocular 12,5x dá
um aumento total de 125x. As diferentes objetivas atarraxam-se ao
revólver, que por sua vez está preso à extremidade inferior do tubo do
microscópio. Troca-se uma objetiva por uma outra pela rotação do revólver,
de modo que quando uma objetiva é substituída outra entra em seu lugar.

16
HISTOLOGIA BÁSICA

www.bioaula.com.br

O condensador é uma combinação de lentes situada abaixo da
platina. Ele projeta um cone de luz sobre o objeto que está sendo
observado. O condensador pode ser levantado ou abaixado por um
mecanismo de cremalheira, de sorte que a luz pode ser focalizada no
objeto. A passagem de raios marginais no condensador é impedida pelo
diafragma – íris.
O espelho que está situado abaixo do condensador reflete os raios
luminosos emanados da fonte de luz. Situado entre o espelho e o
condensador existe um porta-filtro móvel.
Como Funciona o Microscópio Óptico?
O objeto a ser estudado é montado em uma lâmina de vidro, que é
colocada na platina do microscópio. O objeto é posto em posição sob a
objetiva seja manualmente ou usando a platina mecânica. Faz-se o foco
correto do objeto levantando ou abaixando a platina e levantando ou
abaixando o tubo do microscópio, ao qual estão atarraxados a ocular e as
objetivas. Os raios luminosos aqui são defletidos e convergem para o
objeto. Então passam através das lentes da ocular e são novamente
defletidos. Emergindo da ocular, os raios luminosos são dirigidos para a
pupila do olho, após o que eles incidem sobre a retina. Se o olho está em
repouso, como na visão a longa distância, deve-se obter uma clara imagem
do objeto quando a objetiva estiver no foco exato. A posição das lentes do
microscópio em relação ao objeto pode ser mudada ajustando os focos fino
e grosso. A focalização grossa produz movimentos amplos, enquanto que a
fina é um mecanismo delicado que se faz com pequenos movimentos
(pequenos e grandes aumentos).
Um microscópio óptico composto é, assim, um sistema de aumento
em dois estágios. Primeiro o objeto é aumentado pelas lentes da objetiva e
depois novamente pelo segundo conjunto de lentes da ocular. O aumento
total é o produto dos aumentos da objetiva pelo da ocular. Um microscópio
composto

produz

uma

imagem

de

cabeça

para

baixo

e

invertida

lateralmente. A inversão é facilmente demonstrada: se o espécime é
movido para um lado, a imagem move-se no sentido contrário.

17

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As células
As célulasAs células
As célulasrukka
 
Citologia - o estudo da celula
Citologia - o estudo da celulaCitologia - o estudo da celula
Citologia - o estudo da celulagil junior
 
Aula citologia eja
Aula citologia ejaAula citologia eja
Aula citologia ejaFranciscaAto
 
1 o ser humano (cap 01)
1 o ser humano (cap 01)1 o ser humano (cap 01)
1 o ser humano (cap 01)Roberto2016
 
A célula
A célulaA célula
A célulaCatir
 
Ficha sobre a célula
Ficha sobre a célulaFicha sobre a célula
Ficha sobre a célulaMarta Espada
 
Aula 2 tecido epitelial
Aula 2  tecido epitelialAula 2  tecido epitelial
Aula 2 tecido epitelialReginaReiniger
 
Citologia 8º ano
Citologia   8º  ano Citologia   8º  ano
Citologia 8º ano Roseny90
 
Citologia 8º ano a
Citologia   8º  ano aCitologia   8º  ano a
Citologia 8º ano aRoseny90
 
1 planodeaula rejanesilva
1 planodeaula rejanesilva1 planodeaula rejanesilva
1 planodeaula rejanesilvafamiliaestagio
 
Visão geral da celula
Visão geral da celulaVisão geral da celula
Visão geral da celulaRafael Gomes
 
Teoria Celular
Teoria CelularTeoria Celular
Teoria CelularJorgelgl
 
Teoria Celular
Teoria CelularTeoria Celular
Teoria Celularfbsantos
 
Trabalho de biologia células.[1]
Trabalho de biologia   células.[1]Trabalho de biologia   células.[1]
Trabalho de biologia células.[1]Roberto Bagatini
 
Resumo teoria-celular
Resumo   teoria-celularResumo   teoria-celular
Resumo teoria-celularPelo Siro
 

Mais procurados (19)

As células
As célulasAs células
As células
 
Citologia - o estudo da celula
Citologia - o estudo da celulaCitologia - o estudo da celula
Citologia - o estudo da celula
 
Aula citologia eja
Aula citologia ejaAula citologia eja
Aula citologia eja
 
8º 3.
8º 3.8º 3.
8º 3.
 
1 o ser humano (cap 01)
1 o ser humano (cap 01)1 o ser humano (cap 01)
1 o ser humano (cap 01)
 
A CéLula
A  CéLulaA  CéLula
A CéLula
 
A célula
A célulaA célula
A célula
 
Ficha sobre a célula
Ficha sobre a célulaFicha sobre a célula
Ficha sobre a célula
 
Aula 2 tecido epitelial
Aula 2  tecido epitelialAula 2  tecido epitelial
Aula 2 tecido epitelial
 
Citologia 8º ano
Citologia   8º  ano Citologia   8º  ano
Citologia 8º ano
 
Teoria celular
Teoria celularTeoria celular
Teoria celular
 
Citologia 8º ano a
Citologia   8º  ano aCitologia   8º  ano a
Citologia 8º ano a
 
1 planodeaula rejanesilva
1 planodeaula rejanesilva1 planodeaula rejanesilva
1 planodeaula rejanesilva
 
Visão geral da celula
Visão geral da celulaVisão geral da celula
Visão geral da celula
 
A célula Trabalho Larissa
A célula Trabalho LarissaA célula Trabalho Larissa
A célula Trabalho Larissa
 
Teoria Celular
Teoria CelularTeoria Celular
Teoria Celular
 
Teoria Celular
Teoria CelularTeoria Celular
Teoria Celular
 
Trabalho de biologia células.[1]
Trabalho de biologia   células.[1]Trabalho de biologia   células.[1]
Trabalho de biologia células.[1]
 
Resumo teoria-celular
Resumo   teoria-celularResumo   teoria-celular
Resumo teoria-celular
 

Destaque

Atlas digital de histologia basica
Atlas digital de histologia basicaAtlas digital de histologia basica
Atlas digital de histologia basicaPatricia Ferreira
 
Monitoria – Lâminas Histológicas 03
Monitoria – Lâminas Histológicas 03Monitoria – Lâminas Histológicas 03
Monitoria – Lâminas Histológicas 03Luciano
 
F sistema muscular
F sistema muscularF sistema muscular
F sistema muscularcar_ortega
 
Apostila Sistema Circulatório-2016
Apostila Sistema Circulatório-2016Apostila Sistema Circulatório-2016
Apostila Sistema Circulatório-2016arn4ldo
 
Apostila Glândulas Endócrinas-2016
Apostila Glândulas Endócrinas-2016Apostila Glândulas Endócrinas-2016
Apostila Glândulas Endócrinas-2016arn4ldo
 
Apostila Sistema Genital-2016
Apostila Sistema Genital-2016Apostila Sistema Genital-2016
Apostila Sistema Genital-2016arn4ldo
 
Apostila Sistema Respiratório-2016
Apostila Sistema Respiratório-2016Apostila Sistema Respiratório-2016
Apostila Sistema Respiratório-2016arn4ldo
 
Apostila Sistema Digestório-2016
Apostila Sistema Digestório-2016Apostila Sistema Digestório-2016
Apostila Sistema Digestório-2016arn4ldo
 
HISTOLOGIA DE LA CELULA
HISTOLOGIA DE LA CELULAHISTOLOGIA DE LA CELULA
HISTOLOGIA DE LA CELULAARACELI RM
 
Resumen de histologia #2 - Por: Stênio Andrade
Resumen de histologia #2 - Por: Stênio AndradeResumen de histologia #2 - Por: Stênio Andrade
Resumen de histologia #2 - Por: Stênio AndradeStênio Andrade
 
Poligrafo 2014 histologia basica
Poligrafo 2014 histologia basicaPoligrafo 2014 histologia basica
Poligrafo 2014 histologia basicaReginaReiniger
 
11125835 apostila-anatomia-sistema-urinario
11125835 apostila-anatomia-sistema-urinario11125835 apostila-anatomia-sistema-urinario
11125835 apostila-anatomia-sistema-urinarioAlexsander Santiago
 
Apostila Sistema Nervoso-2016
Apostila Sistema Nervoso-2016Apostila Sistema Nervoso-2016
Apostila Sistema Nervoso-2016arn4ldo
 
Resumen de histologia #1 - Por: Stênio Andrade
Resumen de histologia #1 - Por: Stênio AndradeResumen de histologia #1 - Por: Stênio Andrade
Resumen de histologia #1 - Por: Stênio AndradeStênio Andrade
 

Destaque (20)

Atlas digital de histologia basica
Atlas digital de histologia basicaAtlas digital de histologia basica
Atlas digital de histologia basica
 
Monitoria – Lâminas Histológicas 03
Monitoria – Lâminas Histológicas 03Monitoria – Lâminas Histológicas 03
Monitoria – Lâminas Histológicas 03
 
F sistema muscular
F sistema muscularF sistema muscular
F sistema muscular
 
CELULA
CELULACELULA
CELULA
 
Apostila Sistema Circulatório-2016
Apostila Sistema Circulatório-2016Apostila Sistema Circulatório-2016
Apostila Sistema Circulatório-2016
 
Apostila Glândulas Endócrinas-2016
Apostila Glândulas Endócrinas-2016Apostila Glândulas Endócrinas-2016
Apostila Glândulas Endócrinas-2016
 
Histologia 2
Histologia 2Histologia 2
Histologia 2
 
Apostila Sistema Genital-2016
Apostila Sistema Genital-2016Apostila Sistema Genital-2016
Apostila Sistema Genital-2016
 
Apostila Sistema Respiratório-2016
Apostila Sistema Respiratório-2016Apostila Sistema Respiratório-2016
Apostila Sistema Respiratório-2016
 
2.tecido conjuntivo
2.tecido conjuntivo2.tecido conjuntivo
2.tecido conjuntivo
 
Apostila Sistema Digestório-2016
Apostila Sistema Digestório-2016Apostila Sistema Digestório-2016
Apostila Sistema Digestório-2016
 
HISTOLOGIA DE LA CELULA
HISTOLOGIA DE LA CELULAHISTOLOGIA DE LA CELULA
HISTOLOGIA DE LA CELULA
 
Resumen de histologia #2 - Por: Stênio Andrade
Resumen de histologia #2 - Por: Stênio AndradeResumen de histologia #2 - Por: Stênio Andrade
Resumen de histologia #2 - Por: Stênio Andrade
 
Poligrafo 2014 histologia basica
Poligrafo 2014 histologia basicaPoligrafo 2014 histologia basica
Poligrafo 2014 histologia basica
 
11125835 apostila-anatomia-sistema-urinario
11125835 apostila-anatomia-sistema-urinario11125835 apostila-anatomia-sistema-urinario
11125835 apostila-anatomia-sistema-urinario
 
Histologia os epitelios
Histologia os epiteliosHistologia os epitelios
Histologia os epitelios
 
Apostila Sistema Nervoso-2016
Apostila Sistema Nervoso-2016Apostila Sistema Nervoso-2016
Apostila Sistema Nervoso-2016
 
Citología HISTOLOGIA
Citología HISTOLOGIACitología HISTOLOGIA
Citología HISTOLOGIA
 
Histología - Citoplasma.
Histología - Citoplasma.Histología - Citoplasma.
Histología - Citoplasma.
 
Resumen de histologia #1 - Por: Stênio Andrade
Resumen de histologia #1 - Por: Stênio AndradeResumen de histologia #1 - Por: Stênio Andrade
Resumen de histologia #1 - Por: Stênio Andrade
 

Semelhante a APOSTILA DE HISTOLOGIA BÁSICA

Apostila histologia basica_(incompleta)
Apostila histologia basica_(incompleta)Apostila histologia basica_(incompleta)
Apostila histologia basica_(incompleta)Monique Colombo
 
Trabalho de faculdade celulas tronco
Trabalho de faculdade celulas troncoTrabalho de faculdade celulas tronco
Trabalho de faculdade celulas troncohudsonemerique
 
Apresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e biApresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e biRoberto Bagatini
 
Aulão 2° ano - Ensino Médio
Aulão 2° ano - Ensino MédioAulão 2° ano - Ensino Médio
Aulão 2° ano - Ensino MédioClécio Bubela
 
Introdução a Citologia
Introdução a CitologiaIntrodução a Citologia
Introdução a CitologiaBIOGERALDO
 
Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2letyap
 
Gastrulacao eneurulacao
Gastrulacao eneurulacaoGastrulacao eneurulacao
Gastrulacao eneurulacaoarturvalgas
 
4 ¬ aula - niveis de organiza+º+úo dos sers vivos
4 ¬ aula - niveis de organiza+º+úo dos sers vivos4 ¬ aula - niveis de organiza+º+úo dos sers vivos
4 ¬ aula - niveis de organiza+º+úo dos sers vivospreuniversitarioitab
 
(2) Divisão celular
(2) Divisão celular(2) Divisão celular
(2) Divisão celularHugo Martins
 

Semelhante a APOSTILA DE HISTOLOGIA BÁSICA (20)

Apostila histologia basica_(incompleta)
Apostila histologia basica_(incompleta)Apostila histologia basica_(incompleta)
Apostila histologia basica_(incompleta)
 
Trabalho de faculdade celulas tronco
Trabalho de faculdade celulas troncoTrabalho de faculdade celulas tronco
Trabalho de faculdade celulas tronco
 
Enfermagem
Enfermagem Enfermagem
Enfermagem
 
Medresumos 2016 cef
Medresumos 2016   cefMedresumos 2016   cef
Medresumos 2016 cef
 
Apresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e biApresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e bi
 
Apostila seres vivos-
Apostila seres vivos-Apostila seres vivos-
Apostila seres vivos-
 
Organelas celulares - parte 2
Organelas celulares - parte 2Organelas celulares - parte 2
Organelas celulares - parte 2
 
Embriologia cic damas
Embriologia cic damasEmbriologia cic damas
Embriologia cic damas
 
Resumão Citologia
Resumão CitologiaResumão Citologia
Resumão Citologia
 
Aulão 2° ano - Ensino Médio
Aulão 2° ano - Ensino MédioAulão 2° ano - Ensino Médio
Aulão 2° ano - Ensino Médio
 
3S- Resumo celulas tronco
3S- Resumo celulas  tronco3S- Resumo celulas  tronco
3S- Resumo celulas tronco
 
7) resumo cels tronco
7) resumo cels tronco7) resumo cels tronco
7) resumo cels tronco
 
Introdução a Citologia
Introdução a CitologiaIntrodução a Citologia
Introdução a Citologia
 
Embriologia animal
Embriologia animalEmbriologia animal
Embriologia animal
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2
 
Gastrulacao eneurulacao
Gastrulacao eneurulacaoGastrulacao eneurulacao
Gastrulacao eneurulacao
 
Plano de aula 1ano eja(2)
Plano de aula 1ano eja(2)Plano de aula 1ano eja(2)
Plano de aula 1ano eja(2)
 
4 ¬ aula - niveis de organiza+º+úo dos sers vivos
4 ¬ aula - niveis de organiza+º+úo dos sers vivos4 ¬ aula - niveis de organiza+º+úo dos sers vivos
4 ¬ aula - niveis de organiza+º+úo dos sers vivos
 
(2) Divisão celular
(2) Divisão celular(2) Divisão celular
(2) Divisão celular
 

Mais de Gregorio Leal da Silva

APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...
APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...
APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...Gregorio Leal da Silva
 
Bioinformática Apostila de Introdução
 Bioinformática Apostila de Introdução Bioinformática Apostila de Introdução
Bioinformática Apostila de IntroduçãoGregorio Leal da Silva
 
O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica
O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica
O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica Gregorio Leal da Silva
 
APOSTILA DE AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
APOSTILA  DE  AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA APOSTILA  DE  AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
APOSTILA DE AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA Gregorio Leal da Silva
 
Biotecnologia: cultivo de células vegetais
Biotecnologia: cultivo de células vegetais Biotecnologia: cultivo de células vegetais
Biotecnologia: cultivo de células vegetais Gregorio Leal da Silva
 
Mecanismos Básicos da Genética Molecular
Mecanismos Básicos da Genética MolecularMecanismos Básicos da Genética Molecular
Mecanismos Básicos da Genética MolecularGregorio Leal da Silva
 
Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - Embrapa
Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - EmbrapaConceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - Embrapa
Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - EmbrapaGregorio Leal da Silva
 
APOSTILA DE MORFOLOGIA EXTERNA VEGETAL
APOSTILA DE MORFOLOGIA EXTERNA VEGETALAPOSTILA DE MORFOLOGIA EXTERNA VEGETAL
APOSTILA DE MORFOLOGIA EXTERNA VEGETALGregorio Leal da Silva
 

Mais de Gregorio Leal da Silva (20)

APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...
APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...
APOSTILA DE FISIOLOGIA HUMANA – CTPAC – TÉC. ANÁLISES CLÍNICAS - Prof.ª DIANA...
 
Bioinformática Apostila de Introdução
 Bioinformática Apostila de Introdução Bioinformática Apostila de Introdução
Bioinformática Apostila de Introdução
 
apostila de embriologia
apostila de embriologiaapostila de embriologia
apostila de embriologia
 
Noções de Paleontologia
Noções de PaleontologiaNoções de Paleontologia
Noções de Paleontologia
 
Imunologia
Imunologia Imunologia
Imunologia
 
O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica
O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica
O dia-a-dia Hematológico na Patologia Clínica
 
OCEANOGRAFIA BIOLÓGICA
OCEANOGRAFIA BIOLÓGICA OCEANOGRAFIA BIOLÓGICA
OCEANOGRAFIA BIOLÓGICA
 
Poligrafo1
Poligrafo1Poligrafo1
Poligrafo1
 
APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA
APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA
APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA
 
APOSTILA DE AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
APOSTILA  DE  AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA APOSTILA  DE  AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
APOSTILA DE AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
 
Biotecnologia: cultivo de células vegetais
Biotecnologia: cultivo de células vegetais Biotecnologia: cultivo de células vegetais
Biotecnologia: cultivo de células vegetais
 
Meio ambiente, sociedade e educação
Meio ambiente, sociedade e educaçãoMeio ambiente, sociedade e educação
Meio ambiente, sociedade e educação
 
Mecanismos Básicos da Genética Molecular
Mecanismos Básicos da Genética MolecularMecanismos Básicos da Genética Molecular
Mecanismos Básicos da Genética Molecular
 
APOSTILA ZOOLOGIA DOS VERTEBRADOS
APOSTILA ZOOLOGIA DOS  VERTEBRADOSAPOSTILA ZOOLOGIA DOS  VERTEBRADOS
APOSTILA ZOOLOGIA DOS VERTEBRADOS
 
Ornitologia Básica
Ornitologia Básica Ornitologia Básica
Ornitologia Básica
 
ACIDENTES OFÍDICOS
ACIDENTES OFÍDICOS ACIDENTES OFÍDICOS
ACIDENTES OFÍDICOS
 
FUNDAMENTOS DE BIOQUIMICA
FUNDAMENTOS DE  BIOQUIMICAFUNDAMENTOS DE  BIOQUIMICA
FUNDAMENTOS DE BIOQUIMICA
 
Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - Embrapa
Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - EmbrapaConceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - Embrapa
Conceitos Básicos de Técnicas em Biologia Molecular - Embrapa
 
APOSTILA DE MORFOLOGIA EXTERNA VEGETAL
APOSTILA DE MORFOLOGIA EXTERNA VEGETALAPOSTILA DE MORFOLOGIA EXTERNA VEGETAL
APOSTILA DE MORFOLOGIA EXTERNA VEGETAL
 
Apostila Básica de Entomologia
Apostila Básica de Entomologia Apostila Básica de Entomologia
Apostila Básica de Entomologia
 

Último

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptElifabio Sobreira Pereira
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 

Último (20)

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.pptnocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
nocoes-basicas-de-hereditariedade 9º ano.ppt
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 

APOSTILA DE HISTOLOGIA BÁSICA

  • 1. Histologia Básica DEMONSTRAÇÃO (PÁGINAS INICIAIS) APOSTILA DE HISTOLOGIA BÁSICA 1ª edição – junho/2007
  • 2. HISTOLOGIA BÁSICA www.bioaula.com.br APOSTILA DE HISTOLOGIA BÁSICA SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas ........................................................................ 02 Introdução à Histologia .............................................................. 03 Métodos de Estudos Histológicos................................................. 08 Introdução à Microscopia ........................................................... 16 Tecido Epitelial de Revestimento ................................................ 25 Tecido Epitelial Glandular ........................................................... 31 Tecido Conjuntivo ....................................................................... 39 Tecido Adiposo ........................................................................... 53 Tecido Cartilaginoso ................................................................... 56 Tecido Ósseo .............................................................................. 61 Tecido Muscular .......................................................................... 68 Tecido Nervoso ........................................................................... 82 -1-
  • 3. HISTOLOGIA BÁSICA www.bioaula.com.br Sobre a Bio Aulas A Bio Aulas tem por propósito aumentar a produtividade de ensino e aprendizagem nas Áreas de Ciências Biológicas e da Saúde, oferecendo materiais digitais prontos, como apostilas e apresentações, de qualidade e a preços acessíveis. Os materiais disponíveis na Bio Aulas são elaborados por mestres e doutores em diversas áreas do conhecimento, os quais se preocupam com a didática e objetividade de cada material didático. Na Bio Aulas, você encontra materiais de Anatomia e Fisiologia Humana, Anatomia e Fisiologia Comparada, Citologia, Histologia, Embriologia, Biofísica, entre outras áreas, e novos materiais disponibilizados regularmente. Acesse www.bioaula.com.br e escolha seu material didático! -2-
  • 4. HISTOLOGIA BÁSICA www.bioaula.com.br INTRODUÇÃO À HISTOLOGIA Histologia É definida como sendo a ciência, parte da biologia, que estuda os tecidos. O termo histologia foi usado pela primeira vez em 1819 por Mayer, que aproveitou o termo “tecido” que Bichat (anatomista francês) instituiu, muito tempo antes (por volta de 1800), para descrever macroscopicamente as diferentes texturas encontradas por ele no corpo animal. Mayer fez a conjunção do termo histos = tecido e logos = estudo. E o que é tecido? Tecido Há vários conceitos para tecido. É possível encontrar alguns autores que definem tecido como sendo um conjunto de células que apresentam mesma forma, mesma função e mesma origem embrionária. Mas, este conceito não possui muita sustentação histológica. Se analisarmos, por exemplo, o sangue, veremos que a forma de uma hemácia (disco bicôncavo, anucleado na maioria dos animais domésticos) é totalmente diferente de um neutrófilo (ovóide, quando no sangue, com núcleo lobulado). Quanto à função destas células: a hemácia transporta oxigênio e gás carbono, enquanto o neutrófilo é uma célula fagocitadora. Portanto, vemos que apesar de pertencerem ao mesmo tecido elas não têm a mesma forma e tão pouco a mesma função. Ainda outro exemplo nos remete a raciocinar: no tecido ósseo os osteócitos são células arredondadas cuja função é contribuir na manutenção da matriz óssea, enquanto os osteoclastos são células cuja forma varia muito, pois se movem através da emissão de “pseudópodes” e são responsáveis pela reabsorção óssea. Portanto, nem possuem a mesma forma e muito menos a mesma função. Poderíamos discorrer muito mais, mostrando inúmeros exemplos em que se constata que a grande maioria dos tecidos é constituída por células que têm funções e forma diferentes. Já quanto à afirmação de que as células de um tecido apresentam mesma origem embrionária, de fato esta afirmação é aplicável. As células que compõem um tecido normalmente apresentam mesma origem embrionária. Assim, como conceituar tecido? Tecido é um -3-
  • 5. HISTOLOGIA BÁSICA www.bioaula.com.br conjunto de células que apresentam a mesma função geral e a mesma origem embrionária. Diríamos a mesma função geral, pois um tecido apresenta uma ou mais funções gerais. Por exemplo: os epitélios de forma geral apresentam como função principal revestir as superfícies corpóreas, assim sua função geral é revestir uma superfície. No epitélio, como, por exemplo, o da traquéia, tem-se a células ciliadas e as células caliciformes. Ambas apresentam formas e funções diferentes, mas as duas realizam a função geral de revestir. Origem Embrionária dos Tecidos Neste ponto devemos começar do início: quando o espermatozóide (gameta masculino) e o óvulo (gameta feminino), ambas as células apresentando a metade do número de cromossomos (portanto haplóides) de uma célula somática da espécie, encontram-se em ambiente propício – que pode ser o útero ou em meio de cultura – ocorre a fecundação. As duas células após a fecundação formam uma célula, o zigoto, que é uma célula diplóide (como o mesmo número de cromossomos de qualquer célula somática da espécie). Formado o zigoto ele passa a sofrer sucessivas mitoses, processo denominado de clivagem. Uma célula forma duas, as duas formam quatro, as quatro formam oito e assim sucessivamente. Por volta do sétimo dia (na maioria dos animais domésticos) pós-fecundação o que se vê é um amontoado de células envoltas por uma membrana translúcida. Cada célula é chamada de blastômero, sendo células totipotentes (ainda não diferenciadas e com a potencialidade de originar qualquer uma das células do corpo animal), e a membrana envoltória é chamada de zona pelúcida. Este estágio do embrião por se assemelhar muito a uma amora é chamado de mórula. Os blastômeros sintetizam um líquido, rico em ácido hialurônico, que vai se acumulando dentro do embrião e por volta do oitavo/nono dia forma-se uma pequena cavidade no interior do embrião, a blastocele. Neste momento o embrião passa a se chamar de blástula ou blastocisto. Posteriormente, a cavidade aumenta e pela expansão interna do embrião a mórula é rompida (blastocisto eclodido). Esta massa celular começa a se dobrar para dentro de si mesma e aí se forma uma cavidade central chamada de gastrocele, neste momento forma-se a gástrula. Nesta fase é possível identificar os dois primeiros -4-
  • 6. HISTOLOGIA BÁSICA www.bioaula.com.br tecidos embrionários – ectoderma e endoderma. O ectoderma é folheto embrionário externo e o endoderma o folheto embrionário interno. Um pouco depois, a partir do endoderma forma-se o folheto médio, o mesoderma. A partir daí começa haver diferenciação celular e formação dos tecidos animais. Por exemplo: do ectoderma forma-se o tecido nervoso e alguns epitélios de revestimento; já do mesoderma origina-se a maioria dos tecidos conjuntivos e musculares; do endoderma alguns epitélios de revestimento. Os tecidos embrionários são três (ectoderma, mesoderma e endoderma) e deles se formam todos os tecidos do corpo animal, mas a propósito quantos e quais são os tecidos encontrados no corpo animal? Tecidos Fundamentais Macroscopicamente Bichat, por volta de 1800, conseguiu identificar 21 diferentes tipos de tecidos. Mas com o advento do microscópio foi possível identificar muitos outros tecidos (aproximadamente 41). Mas todos estes tipos podem ser agrupados em quatro diferentes tecidos, chamados de tecidos fundamentais: os tecidos epiteliais, os tecidos conjuntivos, os tecidos musculares e o tecido nervoso. -5-
  • 7. HISTOLOGIA BÁSICA www.bioaula.com.br Classificação Geral dos Tecidos 1. Tecido Epitelial 1.1. Tecido Epitelial de Revestimento Quanto ao número de camadas de células 1.1.1. Simples Quanto à forma das células superficiais 1.1.1.1. Pavimentoso 1.1.1.2. Cúbico 1.1.1.3. Cilíndrico ou prismático 1.1.2. Pseudo-estratificado 1.1.2.1. Cilíndrico ciliado 1.1.3. Estratificado 1.1.3.1. Pavimentoso 1.1.3.1.1. Queratinizado 1.1.3.1.2. Não-queratinizado 1.1.3.2. Cúbico 1.1.3.3. Cilíndrico 1.1.3.4. De transição 1.2. Tecido Epitelial Glandular Quanto à complexidade dos ductos Quanto à forma da parte secretora 1.2.1.1.1. Reta 1.2.1.1. Tubular 1.2.1.1.2. Enovelada 1.2.1.1.3. Ramificada 1.2.1.2. Acinar ou Alveolar 1.2.1.3. Túbulo-acinar 1.2.1. Simples 1.2.2. Composta 1.2.2.1. Tubular 1.2.2.2. Acinar ou Alveolar 1.2.2.3. Túbulo-acinar -6-
  • 8. HISTOLOGIA BÁSICA www.bioaula.com.br 2. Tecidos Conjuntivos 2.1. Propriamente dito de propriedades gerais 2.1.1. Tecido Conjuntivo Frouxo 2.1.2. Tecido Conjuntivo Denso 2.1.2.1. Modelado 2.1.2.2. Não-modelado 2.2. Propriamente dito de propriedades especiais 2.2.1. Elástico 2.2.2. Mucoso 2.2.3. Reticular 2.2.3.1. Linfóide 2.2.3.2. Mielóide 2.2.4. Adiposo 2.2.4.1. Branco ou Unilocular 2.2.4.2. Pardo ou Multilocular 2.3. De sustentação 2.3.1.1. Hialino 2.3.1. Cartilaginoso 2.3.1.2. Elástico 2.3.1.3. Fibroso 2.3.2. Ósseo 2.3.2.1. Compacto 2.3.2.2. Esponjoso 2.3.3. Cimento e Dentina 2.4. De Transporte 2.4.1 Sangue 2.4.2. Linfa 2.4. Tecido Muscular 2.4.1. Tecido muscular estriado esquelético 2.4.2. Tecido muscular estriado cardíaco 2.4.3. Tecido liso 2.5. Tecido Nervoso 2.5.1. Tecido Nervoso propriamente dito 2.5.2. Neuróglia -7-
  • 9. HISTOLOGIA BÁSICA www.bioaula.com.br MÉTODOS DE ESTUDOS HISTOLÓGICOS Vários são os métodos de estudos dos tecidos, variando do estudo dos tecidos in vivo até aqueles que utilizam os tecidos mortos. O método mais utilizado em Histologia é o preparado histológico permanente (lâmina histológica) estudado em microscópio óptico. A seguir descrevemos as etapas de produção de uma lâmina histológica: 1ª Etapa: Coleta da Amostra A primeira etapa de todo o processo de preparação de uma lâmina histológica consiste em coletar a amostra, ou seja, obtê-la e isto pode ser feito de cinco diferentes maneiras: a) Biópsia cirúrgica – obtenção da amostra de tecido ou órgão através de uma incisão cirúrgica; b) Biópsia endoscópica – usada para órgãos ocos (estômago, intestino, etc) através de endoscopia; c) Biópsia por agulha – a amostra (cilindro) é obtida pela punção do órgão (fígado, pulmão), sem precisar abrir a cavidade natural; d) Cirurgias amplas (radicais) – a amostra corresponde a peças grandes (ex. tumores) ou órgãos (ex. mama, útero); e) Necrópsia – procedimento utilizado para estudo anatômico de todos os órgãos ou tecidos, no animal morto. As peças cirúrgicas grandes ou de autópsia devem ser clivadas previamente para reduzir sua espessura permitindo a penetração fácil do fixador. O princípio fundamental de clivagem é que o fragmento possua em torno de 4 mm de espessura. 2ª Etapa: Fixação A base de uma boa preparação histológica é a fixação que deve ser completa e adequada. Para tanto é preciso tomar algumas precauções que são obrigatórias: 8
  • 10. HISTOLOGIA BÁSICA www.bioaula.com.br a) O material coletado deve ser imerso rapidamente no fixador; b) O volume de fixador deve ser no mínimo dez vezes (10 X) maior que o volume da peça coletada. Os principais objetivos da fixação são: a) Inibir ou parar a autólise tecidual; b) Coagular ou endurecer o tecido e tornar difusíveis as substâncias insolúveis; c) Proteger, através do endurecimento, os tecidos moles no manuseio e procedimentos técnicos posteriores; d) Preservar os vários componentes celulares e tissulares; e) Melhorar a diferenciação óptica dos tecidos; f) Facilitar a subseqüente coloração. A fixação pode ser física (utilizando-se o calor ou o frio) ou química. A fixação em Histologia é quase exclusivamente química, onde substâncias (fixadores) são utilizadas com a principal função de insolubilizar as proteínas dos tecidos. Os fixadores podem agir precipitando as proteínas ou as coagulando, assim temos como principais fixadores: a) Que precipitam as proteínas: cloreto de mercúrio e ácido pícrico; b) Que coagulam as proteínas: aldeído fórmico (o mais utilizado, conhecido como fixador universal), tetróxido de ósmio e o aldeído glutárico. Com o intuito de se conseguir o fixador ideal, os histologistas elaboraram diversas misturas fixadoras como, por exemplo, o líquido de BOUIN e o líquido de HELLY. O formol a 10% para microscopia óptica e o aldeído glutárico em solução de 2 a 6% para microscopia eletrônica são os fixadores simples mais comumente utilizados. O tempo de fixação varia de acordo com o tamanho da peça, constituição do tecido, poder de fixação do fixador, objetivos a pesquisar e temperatura ambiente. No entanto, de forma geral, tendo o fragmento, a 9
  • 11. HISTOLOGIA BÁSICA www.bioaula.com.br ser fixado, uma espessura de 4 mm o tempo mínimo de fixação é de doze (12) horas. Observação: Para que se possa examinar o tecido ósseo ou tecido com áreas de calcificação, deve-se antes de processá-lo, incluí-lo e cortá-lo, proceder à descalcificação que consiste na remoção dos sais de cálcio que se encontram depositados nos tecidos orgânicos sem alteração da sua estrutura celular. Os ossos ou outros materiais calcificados devem ser cortados em pequenos pedaços (cerca de 4 mm) com serra adequada, antes da fixação. Depois de completada descalcificadora. descalcificadores clorídrico, a fixação, Geralmente os pícrico, seguintes EDTA, coloca-se são ácidos: o material empregados nítrico, sulfossalicílico. Não na como fórmico, existe solução agentes tricloacético, uma solução descalcificadora ideal. A única diferença entre as várias soluções é que umas agem mais rapidamente do que as outras. O ácido usado deve ser completamente removido do tecido depois de terminada a descalcificação. Isto é feito pela lavagem abundante e cuidadosa em água corrente ou álcool, conforme o descalcificador empregado. Esta lavagem deve ser no mínimo por quatro horas. 3ª etapa: Processamento Após a preservação do tecido, a etapa seguinte consiste em preparálo para o exame microscópico. Com a finalidade de permitir que a luz o atravesse, cortes muito delgados de tecido têm que ser feitos. Infelizmente, embora o processo de fixação endureça o tecido, o material não se torna suficientemente firme ou coeso para permitir cortes delgados perfeitos. Para que esse grau de firmeza seja atingido, o tecido deve ser completamente impregnado com algum meio de sustentação que manterá juntas as células e as estruturas intercelulares. Os materiais de sustentação usados são denominados materiais de inclusão. Certos materiais de inclusão, tais como “Carbowax” e a gelatina são solúveis em água e os tecidos não precisam ser desidratados antes do uso. Os materiais mais comumente usados são substâncias semelhantes à 10
  • 12. HISTOLOGIA BÁSICA www.bioaula.com.br parafina que não são miscíveis com água. Quando estas substâncias forem utilizadas os tecidos terão que ser desidratados antes da inclusão. 4ª Etapa: Desidratação Antes que um material de inclusão, tal como a parafina, possa penetrar no desidratação tecido é seu levada conteúdo a efeito em água imergindo deve o ser bloco removido. de tecido A em concentrações crescentes de álcool etílico. O álcool é o agente mais comumente utilizado crescente (70% - neste processo, sendo empregado numa série 80% - 90% - 100%) para se evitar a retração pronunciada do tecido ocasionando lesões estruturais da célula de caráter irreversível. O álcool tem a vantagem de endurecer mais o tecido. O volume de álcool deverá ser 10 a 20 vezes maior que o volume da peça. Várias são as substâncias utilizadas como agentes de desidratação: álcoois etílico, butílico, metílico e isopropílico, a acetona, o éter, o clorofórmio e o óxido propileno. O álcool etílico é o mais utilizado em técnica de rotina. 5ª Etapa: Diafanização (Clarificação) A impregnação do tecido com meio de inclusão é impossível nesse estágio porque as substâncias semelhantes à parafina usadas para a inclusão não se misturam com o álcool. O tecido deve, portanto, ser imerso em um produto químico e que o álcool e a parafina sejam solúveis. Assim a diafanização consiste na infiltração do tecido por um solvente da parafina que seja ao mesmo tempo desalcolizante. A parafina não se mistura com água e nem com álcool. Ambos devem ser completamente removidos para que a parafina possa penetrar eficientemente no tecido. O xilol é comumente utilizado. Tal produto químico é muitas vezes chamado de agente clarificador porque torna o tecido semi-translúcido, quase transparente. Entre os reagentes mais utilizados na fase de diafanização podemos citar ainda: toluol, clorofórmio, óleo de cedro, benzol e salicilato de metila. A quantidade de xilol (substância mais empregada) utilizada deve ser 10 a 20 vezes o volume da peça. A duração da clarificação varia com as dimensões, a constituição do material e a temperatura. 11
  • 13. HISTOLOGIA BÁSICA www.bioaula.com.br 6ª etapa: Inclusão (Impregnação) A finalidade da impregnação é eliminar completamente o xilol contido no material e a total penetração da parafina nos vazios deixados pela água e gordura, antes existentes no tecido. Este processo serve também para preparar o material para os cortes, removendo o clarificante e endurecendo-o suficientemente e dando-lhe a consistência adequada para que possa ser cortado. O tecido é passado em duas trocas de parafina para assegurar a substituição de todo o agente clarificador pela parafina. Emprega-se a parafina a uma temperatura de 56 a 60º C (parafina fundida). O bloco de tecido permanecerá imerso na parafina fundida (em estufa) durante o tempo necessário para a completa impregnação. Posteriormente serão retirados da estufa e deixados à temperatura ambiente até que a parafina endureça, após isto o bloco de parafina com o tecido será retirado da fôrma e conduzido ao corte. Pode-se citar ainda como agentes de impregnação: celoidina, goma arábica, parafina plástica, polietileno glicol e parafina esterificada. 7ª etapa: Microtomia Para se obter cortes de material incluído em parafina ou por congelação é necessário um instrumento especial: o micrótomo. Os micrótomos variam de acordo com os fabricantes e tem como fundamento duas peças principais: o suporte ou mandril (onde é fixada a peça a cortar) e a navalha. O suporte é sempre encaixado a um parafuso micrométrico ou a uma espiral metálica que o faz adiantar segundo seu eixo, em medida conhecida e que pode ser regulada à vontade. Esta medida tem como unidade o micrômetro que corresponde à milésima parte do milímetro. Normalmente um micrótomo faz cortes cuja espessura varia de 1 a 50 micrômetros, mas a espessura mais utilizada em microscopia óptica é de 4 a 6 micrômetros. Há vários tipos de micrótomos: rotativo, tipo Minot, de congelação e o destinado a trabalhos de microscopia eletrônica. 8ª etapa: Colagem do Corte à Lâmina As fitas de cortes de parafina são estiradas cuidadosamente e os cortes individuais são separados por um bisturi. Na superfície de uma 12
  • 14. HISTOLOGIA BÁSICA www.bioaula.com.br lâmina de vidro é feito um ponto de aderência (normalmente com albumina de ovo) e o corte de parafina é colocado em banho-maria (água morna) de forma que as dobras provocadas pelo corte no tecido desapareçam. Após o que o corte é “pescado” com a lâmina, preparada com albumina, na qual se adere. 9ª etapa: Coloração É a técnica tintorial empregada para facilitar o estudo dos tecidos sob microscopia. A coloração é de importância fundamental em histologia, pois os tecidos não tratados têm pouca diferenciação óptica. As colorações de um modo geral se efetuam por processos físico-químicos ou puramente físicos e podem ser consideradas, segundo a modalidade, a ação, o caráter, o grau de ação, o tempo, o número de corantes e a cromatização. Quanto à cromatização, ou seja, de acordo com o número de cores conferidas às estruturas pelas colorações simples ou combinadas, estas tomam a denominação de colorações monocrômicas (uma cor), bicrômicas (duas cores), tricrômicas (três cores) e policrômicas (mais de três cores). Para se corar convenientemente a célula, deve-se recorrer a um método de coloração sucessiva do núcleo e do citoplasma. A combinação mais comum de corantes usada em Histologia e Histopatologia é a Hematoxilina e Eosina (HE). A hematoxilina é um corante natural obtido da casca de pau campeche. Ela não é realmente um corante e deve ser oxidada em hemateína a fim de tornar-se um corante. Ademais, o corante que resulta (hematoxilina-hemateína) não tem afinidade para os tecidos. Deve ser usado um mordente, como o alumínio ou o ferro, juntamente com a mistura de hematoxilina antes que ela possa corar os tecidos. A mistura cora em azul-púrpura. A eosina é um corante sintético e produz uma coloração vermelha. Nas células coradas com HE os ácidos nucléicos presentes no núcleo são corados pela hematoxilina, dando ao núcleo um tom azul-púrpura. A eosina é atraída pelos elementos básicos da proteína do citoplasma da célula, corando-o de róseo a vermelho. Os componentes dos tecidos que se coram prontamente com os corantes básicos são chamados basófilos; os que têm afinidade pelos corantes ácidos são chamados acidófilos. A 13
  • 15. HISTOLOGIA BÁSICA www.bioaula.com.br hematoxilina comporta-se como um corante básico e, portanto, cora o núcleo de modo basófilo. A eosina é um corante ácido e cora os elementos básicos da proteína do citoplasma de maneira acidófila. Certos corantes reagem com os componentes do tecido e os coram com uma cor diferente da cor da solução corante. A mudança de cor do corante chama-se metacromasia. O azul-de-metileno, o azul-de-toluidina e a tionina são exemplos de corantes simples que exibem metacromasia. Com os corantes azuis a cor muda para vermelho. A coloração dos mastócitos com o azul-de-metileno constitui um bom exemplo. Os grânulos do citoplasma coram-se em vermelho-púrpura, enquanto que o resto do tecido fica azul. A causa da metacromasia não é totalmente compreendida, porém tem sido sugerido que é devido à polimerização das moléculas do corante. Julga-se que a presença de macromoléculas com radicais eletronegativos no tecido facilita a polimerização e provoca a mudança de cor. Antes que o corte seja corado, a parafina em que ele foi incluído deve ser removida. O corte, que já foi aderido à lâmina de vidro (pescagem em banho-maria), é banhado no xilol para dissolver a parafina. Devido ao fato de muitos corantes serem solúveis em água, torna-se necessário remover o xilol do tecido e substituí-lo por água (hidratação). O corte é imerso em uma série de concentrações decrescentes de álcool etílico até que esteja hidratado. Depois que o corte estiver hidratado procede-se à coloração propriamente dita. No caso da HE, o tecido é imerso primeiramente em hematoxilina, lavado com água para retirada de excedente, depois imerso em eosina e, após isto também se faz lavagem do tecido. 10ª etapa: Montagem Depois que o corte tiver sido corado com a solução apropriada, ele é passado através de concentrações crescentes de álcool para remover, de novo, a água (desidratação). Objetiva-se com esta desidratação aumentar a sobrevida do preparado histológico. Finalmente, o corte é banhado em xilol antes de ser montado em um meio solúvel em xilol, que é o meio de montagem (para os cortes de parafina é usado o Bálsamo de Canadá). Uma gota do meio de montagem é colocada sobre o corte e a lamínula é posicionada sobre o corte de forma 14
  • 16. HISTOLOGIA BÁSICA www.bioaula.com.br delicada, de uma forma tal que o meio de montagem cubra completamente o corte. Depois a lamínula é comprimida com firmeza sobre o corte e o meio de montagem se espalha formando uma delgada película entre a lâmina e a lamínula que posteriormente vão estar firmemente aderidas uma à outra pela estabilização do meio de montagem. 15
  • 17. HISTOLOGIA BÁSICA www.bioaula.com.br INTRODUÇÃO À MICROSCOPIA O estudo da Histologia depende da utilização da microscopia. Na realidade para se conhecer a “anatomia microscópica” dos tecidos e órgãos é necessário fazer uso do microscópio. Portanto, o aluno de Histologia deve necessariamente conhecer os fundamentos básicos da microscopia. Assim sendo, passaremos à descrição mais detalhada de um microscópio óptico, depois citaremos alguns conceitos ligados à microscopia óptica e finalizando descreveremos outros tipos de microscópicos, além do microscópio óptico. 1. Microscópio Óptico Um microscópio óptico pode ser simples ou composto: o microscópio simples possui uma única lente e só fornece uma imagem moderadamente aumentada do objeto que se está estudando; o microscópio composto consiste de uma série de lentes e fornece um aumento muito maior. Partes de um microscópio óptico composto Um microscópio composto consiste de partes mecânicas e ópticas. A parte mecânica tem uma base que estabiliza o microscópio, uma coluna ou canhão que se estende da base para cima, e uma platina na qual é colocado o objeto a ser examinado. As partes ópticas estão presas à coluna acima e abaixo da platina e são elas: oculares, objetivas, condensador e espelho. Em muitos microscópios o espelho e a lâmpada estão alojados, com segurança, na base do instrumento. A ocular consiste de uma combinação de lentes que estão embutidas na extremidade superior do tubo do microscópio. O valor gravado tal como 12,5 x indica o aumento da ocular. As objetivas (pode haver três, quatro ou cinco) são uma combinação de lentes presas à extremidade inferior do tubo do microscópio. O valor gravado tal como 10x, indica o aumento da objetiva. Uma objetiva 10x usada em combinação com uma ocular 12,5x dá um aumento total de 125x. As diferentes objetivas atarraxam-se ao revólver, que por sua vez está preso à extremidade inferior do tubo do microscópio. Troca-se uma objetiva por uma outra pela rotação do revólver, de modo que quando uma objetiva é substituída outra entra em seu lugar. 16
  • 18. HISTOLOGIA BÁSICA www.bioaula.com.br O condensador é uma combinação de lentes situada abaixo da platina. Ele projeta um cone de luz sobre o objeto que está sendo observado. O condensador pode ser levantado ou abaixado por um mecanismo de cremalheira, de sorte que a luz pode ser focalizada no objeto. A passagem de raios marginais no condensador é impedida pelo diafragma – íris. O espelho que está situado abaixo do condensador reflete os raios luminosos emanados da fonte de luz. Situado entre o espelho e o condensador existe um porta-filtro móvel. Como Funciona o Microscópio Óptico? O objeto a ser estudado é montado em uma lâmina de vidro, que é colocada na platina do microscópio. O objeto é posto em posição sob a objetiva seja manualmente ou usando a platina mecânica. Faz-se o foco correto do objeto levantando ou abaixando a platina e levantando ou abaixando o tubo do microscópio, ao qual estão atarraxados a ocular e as objetivas. Os raios luminosos aqui são defletidos e convergem para o objeto. Então passam através das lentes da ocular e são novamente defletidos. Emergindo da ocular, os raios luminosos são dirigidos para a pupila do olho, após o que eles incidem sobre a retina. Se o olho está em repouso, como na visão a longa distância, deve-se obter uma clara imagem do objeto quando a objetiva estiver no foco exato. A posição das lentes do microscópio em relação ao objeto pode ser mudada ajustando os focos fino e grosso. A focalização grossa produz movimentos amplos, enquanto que a fina é um mecanismo delicado que se faz com pequenos movimentos (pequenos e grandes aumentos). Um microscópio óptico composto é, assim, um sistema de aumento em dois estágios. Primeiro o objeto é aumentado pelas lentes da objetiva e depois novamente pelo segundo conjunto de lentes da ocular. O aumento total é o produto dos aumentos da objetiva pelo da ocular. Um microscópio composto produz uma imagem de cabeça para baixo e invertida lateralmente. A inversão é facilmente demonstrada: se o espécime é movido para um lado, a imagem move-se no sentido contrário. 17