SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
Baixar para ler offline
Professora Fátima Comiotto
CARACTERISTICAS GERAIS
 REINO MONERA – Procariontes, unicelulares, autótrofos
 ou heterótrofos . Bactérias e Cianobactérias.

 REINO PROTISTA – Eucariontes, unicelulares,
 heterótrofos. Ameba

 REINO FUNGI – Eucariontes, unicelulares ou
 pluricelulares, heterótrofos por absorção. Cogumelo

 ALGAS UNICELULARES – Eucariontes, autótrofos.
 Diatomáceas.
Reino Monera
 São Unicelulares;
 São Procariontes – DNA (nucleoide) disperso no
    citoplasma;
   Possuem Plasmídios – são moléculas circulares de
    DNA;
   Apresentam ribossomos ;
   Apresentam parede celular – define a forma e a protege
    de agentes externos;
   Algumas bactérias podem apresentar flagelos.
Estrutura de
uma Bactéria
Cianobactérias
Reprodução
 Assexuada por divisão binária – a bactéria duplica o
    DNA e se divide ao meio, originando duas células
    idênticas;
   Esporulação – formação de endospóros (resistência a
    condições ambientais adversas);
   Transformação bacteriana – quando absorve
    fragmentos de DNA dispersos no meio;
   Transdução – recebe fragmento s de DNA de outras
    bactérias por meio de vírus bacteriófago.
   Conjugação – transferência direta de DNA entre duas
    bactérias por meio de uma estrutura de conexão.
DIVISÃO BINÁRIA

             Estrangulamento
  DNA        Citoplasmático




                               BACTÉRIAS
                                 FILHAS




BACTÉRIA
CONJUGAÇÃO
Transdução
TRANSFORMAÇÃO
ESPORULAÇÃO
MORFOLOGIA




Auxilia na produção de
penicilina
Importância das Bactérias
 Ação decompositora ;


 Fertilização do Solo – gênero Rhizobium – fixam o
 nitrogênio.

 Digestão da Celulose – bactérias que vivem no
 estômago de ruminantes.



.
 Indústria – bactéria do gênero Acetobacter –
  oxidam o álcool etílico transformando-o em
  vinagre; Lactobacillus – convertem a lactose em
  ácido lático.

 Controle Biológico – utilizadas contra espécies
  daninhas à agricultura. Exemplo – Bacillus
 thuringiensis (infestam larvas de insetos).

 Ação Patogênica – causam doenças.
DOENÇAS BACTERIANAS
CÓLERA
 Vibrio cholarae
 Transmissão – água contaminada.
 Sintomas          –         diarréia,           fezes
  esbranquiçadas, vômitos, cólicas intestinais, cãibras
  musculares, alterações na produção de urina.
 Prevenção – ingerir água tratada, fervida ou clorada;
  proteger os alimentos, inclusive os cozidos; evitar
  consumo de alimentos preparados em locais de
  higiene duvidosa; cuidados higiênicos pessoais; lavar
  bem frutas, verduras; comer frutos do mar bem
  cozidos.
Meningite meningocócica
 Neisseria meningitidis
 Processo de inflamação das meninges causada pela
  bactéria.
 Transmissão – contato das vias respiratórias por
  gotículas de saliva expelida por espirros, tosse ou fala;
  ou pelo contato de objetos contaminados.
 Sintomas – dores de cabeça e garganta, febre alta e
  rigidez na nuca.
 Tratamento e Prevenção – antibióticos; vacina
  específica.
TUBERCULOSE




Bacilo de Kock
Tuberculose
 Mycobacterium tuberculosis – Bacilo de Koch


 Tratamento - uso de antibióticos
 Prevenção – prevenção envolve a vacina de
 pessoas, especialmente crianças com BCG (Bacilo de
 Caçmette-Guérin)
Tétano
 Clostridium tetani – bacilo de Nicolaier.
 Vive no solo na forma de esporos;
 Quando instalado no organismo libera uma toxina
  neurotóxica, que se espalha pelo corpo.
 Sintomas: dor de cabeça, febre, rigidez
  muscular, pode levar o individuo a morte devido a
  paralisia dos músculos respiratórios.
 Prevenção: vacinação, aplicação de soro antitetânico
  em caso de suspeita de contágio
Lepra ou hanseníase

 É transmitida pelo bacilo de Hansen (Mycobacterium
 leprae) e causa lesões na pele e nas mucosas. Quando o
 tratamento é feito a tempo a recuperação é total.
COMO DIAGNOSTICAR A
          HANSENÍASE

Manchas de hanseníase
... podem ser avermelhadas ou da cor do
cobre
.. geralmente não doem
... podem ser lisas ou ter erupções na pele
... podem aparecer em qualquer parte do
corpo
...apresentam falta de sensibilidade ao
calor, toque ou dor
... não dão coceira.
Hospital Colônia de Itapuã:

 Fundado em maio de 1940 na área de uma fazenda junto à Lagoa Negra na
 região de Itapuã no município de Viamão, o lazareto é também conhecido
    como Leprosário Itapuã, pois foi construído com o objetivo de receber
 pacientes acometidos pelo Mal da Hansen (hanseníase) também chamado
de lepra, em uma época em que a ignorância sobre a doença fazia com que as
autoridades afastassem os leprosos do convívio em sociedade, mantendo-os
o mais longe o possível de pessoas sãs. Por essa razão, o Hospital Colônia de
 Itapuã lembra um pouco um daqueles campos de concentração na Europa
 da 2ª Guerra Mundial, com a diferença de que aqui não se exterminavam as
        pessoas. Elas eram apenas escondidas do resto da sociedade.

   De acordo com o site oficial da Secretaria da Saúde do Rio Grande do
   Sul, hoje há 122 pacientes-moradores no Hospital Colônia de Itapuã.
  Desses, 82 são pacientes com distúrbios psíquicos e 47 ex-portadores de
hanseníase que não conseguiram se reintegrar na sociedade. Ao longo de sua
                  trajetória, o HCI recebeu 1.454 pacientes.
Sífilis
 É uma doença infecciosa causada pela bactéria
 Treponema pallidum.

 A sífilis pode ser transmitida de uma pessoa para outra:
    durante o sexo sem camisinha com alguém infectado;
    por transfusão de sangue contaminado ou da mãe
     infectada para o bebê durante a gestação ou o parto.
 SINAIS E SINTOMAS – 3 ETAPA


 1. Pequenas feridas nos órgãos sexuais e caroços nas
 virilhas (ínguas), que surgem entre a 7 e 20 dias após o
 sexo desprotegido com alguém infectado. Mas a pessoa
 continua doente e a doença se desenvolve.

 2. Podem surgir manchas em várias partes do corpo
 (inclusive mãos e pés) e queda dos cabelos,as manchas
 também desaparecem, dando a ideia de melhora.

 3. Cegueira, paralisia, doença cerebral e problemas
 cardíacos, podendo, inclusive, levar à morte.
Sífilis congênita

 É a transmissão da doença de mãe para filho. A
 infecção é grave e pode causar má-formação do
 feto, aborto ou morte do bebê, quando este nasce
 gravemente doente. Por isso, é importante fazer o teste
 para detectar a sífilis durante o pré-natal e, quando o
 resultado é positivo, tratar corretamente a mulher e
 seu parceiro. Só assim se consegue evitar a transmissão
 da doença.
Treponema
pallidum.
REINO PROTISTA
 Eucariontes;
 Unicelulares;
 Heterótrofos;
 Vivem em superfícies úmidas, ambientes aquáticos;
 Podem ser parasitas de animais;
 Reprodução: Assexuada e Sexuada
CLASSIFICAÇÃO
  Rizopoda ou Sarcodina; Amebas

  Actinopoda – radiolários e heliozoários

  Foraminifera – foraminíferos

  Apicomplexa – esporozoários

  Zoomastigophora – flagelados

  Ciliophora - ciliados
Rizopoda ou Sarcodina
 Célula flexivel, sem estrutura de sustentação;
 Locomoção e captura de alimentos por meio de
  pseudopodes;
 Há espécies de vida livre – Ameba proteus




 Há espécies parasitas – Entanoeba histolytica
Actinopoda
 Apresentam pseudópodes afilados

 Radiolários – cápsula central de
 sustentação. São exclusivamente
 marinhos,

 Heliozoários - podem ser marinhos, de água doce ou
 habitantes de musgos. No meio aquático podem estar
 flutuando ou aderidos a rochas
 no fundo do mar, o que é mais
 comum de se ver.
Foraminifero
 Protozoários  dotados de carapaça externa com
  perfurações, através das quais se projetam finos
  pseudópodes, utilizados na captura de alimento.
 Maioria marinho.
Apicomplexa
 Exclusivamente parasitas
 Sem estruturas locomotoras
 Complexo apical – desempenha papel importante na
 penetração desses protozoários nas células hospedeiras.
   Plasmodium (malária), Toxoplasma gondii
Zoomastigophora

 Locomoção por meio de flagelos.
 Ocorrência: água doce ou salgada.
 Vida livre ou sésseis.
 Relações de mutualismo ou parasitismo.
    Espécies parasitas (Trypanosoma cruzi, Leishmania
     brasiliensis e Trichomonas vaginalis).
Giardia lamblia


Trypanosoma cruzi




                                   Leishmania
           Trichomonas vaginalis
Ciliophora

 Estruturas locomotoras – cílios
 Maioria de vida livre
 Poucas espécies parasitas
 Relação de mutualismo.
PROTOZOOSES
  Doença         Agente                Sintomas              Modo de Transmissão
                causador
Disenteria     Entanoeba      Diarréia com sangue e muco,   Ingestão de alimentos ou
amebiana ou    hystolitica    devidas as lesões na parede   água contaminada por
amebíase                      intestinal                    cistos do protozoário
Úlcera de      Leishmania     Ulcerações graves de pele,    Picada do mosquito-
Baúru ou       brasiliensis   principalmente no rosto,      palha. Também
leishmaniose                  braços e pernas               conhecido como birigui.
de pele
Doenças de     Trypanosom     Insuficiencia cardíaca, devida Fezes contaminada do
Chagas         a cruzi        a lesões na musculatura do     barbeiro, inseto do
                              coração                        gênero Triatoma .
Doença do      Trypanosom     Sonolência devido a lesões no Picada da mosca tsé-tsé.
sono           a gambiensis   sistema nervoso
Tricomoníase   Trichomonas    Corrimento e infecções        Relações sexuais com
               vaginalis      vaginais e uretrais           pessoas contaminadas e
                                                            instalações sanitárias ou
                                                            objetos contaminados
Doença      Agente causador        Sintomas          Modo de Transmissão
Giardíase     Giardia lamblia    Diarréia acompanhada Ingestão de alimentos ou
                                 de dores abdominais, água contaminados por
                                 devidas as lesões na cistos de protozoários
                                 parede intestinal
Malária ou    Plasmodium vivax   Febres e mal-estares   Picada do mosquito-
febre terçã                      cíclicos, devidos a    prego, pernilongo do
benigna                          substâncias tóxicas    gênero Anopheles.
                                 liberadas pelo
                                 protozoário no sangue.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

7º ano cap 5 vírus
7º ano cap 5   vírus7º ano cap 5   vírus
7º ano cap 5 vírusISJ
 
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º anoNíveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º anoMarcia Bantim
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protistaNelson Costa
 
I. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vidaI. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vidaRebeca Vale
 
II.4 Reino Fungi
II.4 Reino FungiII.4 Reino Fungi
II.4 Reino FungiRebeca Vale
 
Ecologia-Relações Ecológicas
Ecologia-Relações Ecológicas Ecologia-Relações Ecológicas
Ecologia-Relações Ecológicas Antonio Fernandes
 
Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresGabriela de Lima
 
Bactérias e Vírus
Bactérias e VírusBactérias e Vírus
Bactérias e VírusIsabel Lopes
 
1. introdução a química
1. introdução a química1. introdução a química
1. introdução a químicaRebeca Vale
 
Aula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosAula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosPlínio Gonçalves
 
8 ano GENÉTICA BÁSICA
8 ano GENÉTICA BÁSICA8 ano GENÉTICA BÁSICA
8 ano GENÉTICA BÁSICASarah Lemes
 
III.2 Da concepção ao nascimento
III.2 Da concepção ao nascimentoIII.2 Da concepção ao nascimento
III.2 Da concepção ao nascimentoRebeca Vale
 
Planetas do Sistema Solar
Planetas do Sistema SolarPlanetas do Sistema Solar
Planetas do Sistema SolarTânia Reis
 
Propriedades gerais e específicas da matéria, partindo do conceito de matéria...
Propriedades gerais e específicas da matéria, partindo do conceito de matéria...Propriedades gerais e específicas da matéria, partindo do conceito de matéria...
Propriedades gerais e específicas da matéria, partindo do conceito de matéria...sintiasousa3
 

Mais procurados (20)

7º ano cap 5 vírus
7º ano cap 5   vírus7º ano cap 5   vírus
7º ano cap 5 vírus
 
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º anoNíveis de organização - 2014 - 1º ano
Níveis de organização - 2014 - 1º ano
 
Reino Plantas
Reino PlantasReino Plantas
Reino Plantas
 
Aula completa reino protista
Aula completa reino protistaAula completa reino protista
Aula completa reino protista
 
I. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vidaI. 2 Origem da vida
I. 2 Origem da vida
 
Dst 8º ano
Dst   8º anoDst   8º ano
Dst 8º ano
 
Reino Animal
Reino AnimalReino Animal
Reino Animal
 
II.4 Reino Fungi
II.4 Reino FungiII.4 Reino Fungi
II.4 Reino Fungi
 
Ecologia-Relações Ecológicas
Ecologia-Relações Ecológicas Ecologia-Relações Ecológicas
Ecologia-Relações Ecológicas
 
Cadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentaresCadeia e teias alimentares
Cadeia e teias alimentares
 
Bactérias e Vírus
Bactérias e VírusBactérias e Vírus
Bactérias e Vírus
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 
1. introdução a química
1. introdução a química1. introdução a química
1. introdução a química
 
Aula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres VivosAula Classificação dos Seres Vivos
Aula Classificação dos Seres Vivos
 
8 ano GENÉTICA BÁSICA
8 ano GENÉTICA BÁSICA8 ano GENÉTICA BÁSICA
8 ano GENÉTICA BÁSICA
 
Fungos 2º ano
Fungos 2º anoFungos 2º ano
Fungos 2º ano
 
Animais Invertebrados
Animais InvertebradosAnimais Invertebrados
Animais Invertebrados
 
III.2 Da concepção ao nascimento
III.2 Da concepção ao nascimentoIII.2 Da concepção ao nascimento
III.2 Da concepção ao nascimento
 
Planetas do Sistema Solar
Planetas do Sistema SolarPlanetas do Sistema Solar
Planetas do Sistema Solar
 
Propriedades gerais e específicas da matéria, partindo do conceito de matéria...
Propriedades gerais e específicas da matéria, partindo do conceito de matéria...Propriedades gerais e específicas da matéria, partindo do conceito de matéria...
Propriedades gerais e específicas da matéria, partindo do conceito de matéria...
 

Semelhante a Reino monera, protista

Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans CutaneaAula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans CutaneaITPAC PORTO
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino ProtistaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino ProtistaTurma Olímpica
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistasISJ
 
Reino protista: protozoarios
Reino protista: protozoariosReino protista: protozoarios
Reino protista: protozoariosErnesto Silva
 
Correção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoáriosCorreção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoáriosRaquel Freiry
 
Microbio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoáriosMicrobio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoáriosEdnaMMA
 
Reino Protoctista
Reino ProtoctistaReino Protoctista
Reino Protoctistainfoeducp2
 
2.protozooses3m
2.protozooses3m2.protozooses3m
2.protozooses3mRodrigo
 
2.protozooses3m
2.protozooses3m2.protozooses3m
2.protozooses3mRodrigo
 
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdfAPOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdfProfFelipeSoaresQumi
 

Semelhante a Reino monera, protista (20)

Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans CutaneaAula 5   Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
Aula 5 Ancylostomidae E Larva Migrans Cutanea
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino ProtistaSlides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Reino Protista
 
7º ano cap 7 reino protoctistas
7º ano cap 7  reino protoctistas7º ano cap 7  reino protoctistas
7º ano cap 7 reino protoctistas
 
Reino protista: protozoarios
Reino protista: protozoariosReino protista: protozoarios
Reino protista: protozoarios
 
Correção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoáriosCorreção do estudo dirigido protozoários
Correção do estudo dirigido protozoários
 
Microbio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoáriosMicrobio reino protista_doenças_protozoários
Microbio reino protista_doenças_protozoários
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Reino protoctista
 
6 - parasitologia
6 - parasitologia6 - parasitologia
6 - parasitologia
 
Reino Protoctista
Reino ProtoctistaReino Protoctista
Reino Protoctista
 
2.protozooses3m
2.protozooses3m2.protozooses3m
2.protozooses3m
 
2.protozooses3m
2.protozooses3m2.protozooses3m
2.protozooses3m
 
Filo platyhelminthes e Nematoda
Filo platyhelminthes e NematodaFilo platyhelminthes e Nematoda
Filo platyhelminthes e Nematoda
 
Aula parasito
Aula parasitoAula parasito
Aula parasito
 
1ª protozoarios
 1ª protozoarios 1ª protozoarios
1ª protozoarios
 
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdfAPOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 

Mais de Fatima Comiotto

Mais de Fatima Comiotto (20)

Oficina_de_chimarrao.pptx
Oficina_de_chimarrao.pptxOficina_de_chimarrao.pptx
Oficina_de_chimarrao.pptx
 
Movimento uniforme
Movimento uniformeMovimento uniforme
Movimento uniforme
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
Biomembranas
BiomembranasBiomembranas
Biomembranas
 
Bases moleculares da vida 1
Bases moleculares da vida 1Bases moleculares da vida 1
Bases moleculares da vida 1
 
Divisão celular
Divisão celularDivisão celular
Divisão celular
 
Química orgânica
Química orgânicaQuímica orgânica
Química orgânica
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
08 col aiq-radiacao
08 col aiq-radiacao08 col aiq-radiacao
08 col aiq-radiacao
 
07 col aiq-natureza
07 col aiq-natureza07 col aiq-natureza
07 col aiq-natureza
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Níveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivosNíveis de organização dos seres vivos
Níveis de organização dos seres vivos
 
Herança ligada ao sexo
Herança ligada ao sexoHerança ligada ao sexo
Herança ligada ao sexo
 
Alelos múltiplos
Alelos múltiplosAlelos múltiplos
Alelos múltiplos
 
Diferenças entre monocotiledôneas e dicotiledôneas
Diferenças entre monocotiledôneas e dicotiledôneasDiferenças entre monocotiledôneas e dicotiledôneas
Diferenças entre monocotiledôneas e dicotiledôneas
 
Segunda Lei de Mendel
Segunda Lei de MendelSegunda Lei de Mendel
Segunda Lei de Mendel
 
Fundamentos de Genética
Fundamentos de GenéticaFundamentos de Genética
Fundamentos de Genética
 
Diferenças entre monocotiledôneas e dicotiledôneas
Diferenças entre monocotiledôneas e dicotiledôneasDiferenças entre monocotiledôneas e dicotiledôneas
Diferenças entre monocotiledôneas e dicotiledôneas
 
Reino animalia
Reino animaliaReino animalia
Reino animalia
 
Morfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermasMorfologia das angiospermas
Morfologia das angiospermas
 

Último

Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 

Último (20)

Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 

Reino monera, protista

  • 2. CARACTERISTICAS GERAIS  REINO MONERA – Procariontes, unicelulares, autótrofos ou heterótrofos . Bactérias e Cianobactérias.  REINO PROTISTA – Eucariontes, unicelulares, heterótrofos. Ameba  REINO FUNGI – Eucariontes, unicelulares ou pluricelulares, heterótrofos por absorção. Cogumelo  ALGAS UNICELULARES – Eucariontes, autótrofos. Diatomáceas.
  • 3. Reino Monera  São Unicelulares;  São Procariontes – DNA (nucleoide) disperso no citoplasma;  Possuem Plasmídios – são moléculas circulares de DNA;  Apresentam ribossomos ;  Apresentam parede celular – define a forma e a protege de agentes externos;  Algumas bactérias podem apresentar flagelos.
  • 6. Reprodução  Assexuada por divisão binária – a bactéria duplica o DNA e se divide ao meio, originando duas células idênticas;  Esporulação – formação de endospóros (resistência a condições ambientais adversas);  Transformação bacteriana – quando absorve fragmentos de DNA dispersos no meio;  Transdução – recebe fragmento s de DNA de outras bactérias por meio de vírus bacteriófago.  Conjugação – transferência direta de DNA entre duas bactérias por meio de uma estrutura de conexão.
  • 7. DIVISÃO BINÁRIA Estrangulamento DNA Citoplasmático BACTÉRIAS FILHAS BACTÉRIA
  • 13. Importância das Bactérias  Ação decompositora ;  Fertilização do Solo – gênero Rhizobium – fixam o nitrogênio.  Digestão da Celulose – bactérias que vivem no estômago de ruminantes. .
  • 14.  Indústria – bactéria do gênero Acetobacter – oxidam o álcool etílico transformando-o em vinagre; Lactobacillus – convertem a lactose em ácido lático.  Controle Biológico – utilizadas contra espécies daninhas à agricultura. Exemplo – Bacillus thuringiensis (infestam larvas de insetos).  Ação Patogênica – causam doenças.
  • 16. CÓLERA  Vibrio cholarae  Transmissão – água contaminada.  Sintomas – diarréia, fezes esbranquiçadas, vômitos, cólicas intestinais, cãibras musculares, alterações na produção de urina.  Prevenção – ingerir água tratada, fervida ou clorada; proteger os alimentos, inclusive os cozidos; evitar consumo de alimentos preparados em locais de higiene duvidosa; cuidados higiênicos pessoais; lavar bem frutas, verduras; comer frutos do mar bem cozidos.
  • 17.
  • 18. Meningite meningocócica  Neisseria meningitidis  Processo de inflamação das meninges causada pela bactéria.  Transmissão – contato das vias respiratórias por gotículas de saliva expelida por espirros, tosse ou fala; ou pelo contato de objetos contaminados.  Sintomas – dores de cabeça e garganta, febre alta e rigidez na nuca.  Tratamento e Prevenção – antibióticos; vacina específica.
  • 19.
  • 21. Tuberculose  Mycobacterium tuberculosis – Bacilo de Koch  Tratamento - uso de antibióticos  Prevenção – prevenção envolve a vacina de pessoas, especialmente crianças com BCG (Bacilo de Caçmette-Guérin)
  • 22. Tétano  Clostridium tetani – bacilo de Nicolaier.  Vive no solo na forma de esporos;  Quando instalado no organismo libera uma toxina neurotóxica, que se espalha pelo corpo.  Sintomas: dor de cabeça, febre, rigidez muscular, pode levar o individuo a morte devido a paralisia dos músculos respiratórios.  Prevenção: vacinação, aplicação de soro antitetânico em caso de suspeita de contágio
  • 23. Lepra ou hanseníase  É transmitida pelo bacilo de Hansen (Mycobacterium leprae) e causa lesões na pele e nas mucosas. Quando o tratamento é feito a tempo a recuperação é total.
  • 24. COMO DIAGNOSTICAR A HANSENÍASE Manchas de hanseníase ... podem ser avermelhadas ou da cor do cobre .. geralmente não doem ... podem ser lisas ou ter erupções na pele ... podem aparecer em qualquer parte do corpo ...apresentam falta de sensibilidade ao calor, toque ou dor ... não dão coceira.
  • 25. Hospital Colônia de Itapuã: Fundado em maio de 1940 na área de uma fazenda junto à Lagoa Negra na região de Itapuã no município de Viamão, o lazareto é também conhecido como Leprosário Itapuã, pois foi construído com o objetivo de receber pacientes acometidos pelo Mal da Hansen (hanseníase) também chamado de lepra, em uma época em que a ignorância sobre a doença fazia com que as autoridades afastassem os leprosos do convívio em sociedade, mantendo-os o mais longe o possível de pessoas sãs. Por essa razão, o Hospital Colônia de Itapuã lembra um pouco um daqueles campos de concentração na Europa da 2ª Guerra Mundial, com a diferença de que aqui não se exterminavam as pessoas. Elas eram apenas escondidas do resto da sociedade. De acordo com o site oficial da Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul, hoje há 122 pacientes-moradores no Hospital Colônia de Itapuã. Desses, 82 são pacientes com distúrbios psíquicos e 47 ex-portadores de hanseníase que não conseguiram se reintegrar na sociedade. Ao longo de sua trajetória, o HCI recebeu 1.454 pacientes.
  • 26.
  • 27. Sífilis  É uma doença infecciosa causada pela bactéria Treponema pallidum.  A sífilis pode ser transmitida de uma pessoa para outra:  durante o sexo sem camisinha com alguém infectado;  por transfusão de sangue contaminado ou da mãe infectada para o bebê durante a gestação ou o parto.
  • 28.  SINAIS E SINTOMAS – 3 ETAPA  1. Pequenas feridas nos órgãos sexuais e caroços nas virilhas (ínguas), que surgem entre a 7 e 20 dias após o sexo desprotegido com alguém infectado. Mas a pessoa continua doente e a doença se desenvolve.  2. Podem surgir manchas em várias partes do corpo (inclusive mãos e pés) e queda dos cabelos,as manchas também desaparecem, dando a ideia de melhora.  3. Cegueira, paralisia, doença cerebral e problemas cardíacos, podendo, inclusive, levar à morte.
  • 29. Sífilis congênita  É a transmissão da doença de mãe para filho. A infecção é grave e pode causar má-formação do feto, aborto ou morte do bebê, quando este nasce gravemente doente. Por isso, é importante fazer o teste para detectar a sífilis durante o pré-natal e, quando o resultado é positivo, tratar corretamente a mulher e seu parceiro. Só assim se consegue evitar a transmissão da doença.
  • 31.
  • 32. REINO PROTISTA  Eucariontes;  Unicelulares;  Heterótrofos;  Vivem em superfícies úmidas, ambientes aquáticos;  Podem ser parasitas de animais;  Reprodução: Assexuada e Sexuada
  • 33. CLASSIFICAÇÃO  Rizopoda ou Sarcodina; Amebas  Actinopoda – radiolários e heliozoários  Foraminifera – foraminíferos  Apicomplexa – esporozoários  Zoomastigophora – flagelados  Ciliophora - ciliados
  • 34. Rizopoda ou Sarcodina  Célula flexivel, sem estrutura de sustentação;  Locomoção e captura de alimentos por meio de pseudopodes;  Há espécies de vida livre – Ameba proteus  Há espécies parasitas – Entanoeba histolytica
  • 35. Actinopoda  Apresentam pseudópodes afilados  Radiolários – cápsula central de sustentação. São exclusivamente marinhos,  Heliozoários - podem ser marinhos, de água doce ou habitantes de musgos. No meio aquático podem estar flutuando ou aderidos a rochas no fundo do mar, o que é mais comum de se ver.
  • 36. Foraminifero  Protozoários dotados de carapaça externa com perfurações, através das quais se projetam finos pseudópodes, utilizados na captura de alimento.  Maioria marinho.
  • 37. Apicomplexa  Exclusivamente parasitas  Sem estruturas locomotoras  Complexo apical – desempenha papel importante na penetração desses protozoários nas células hospedeiras.  Plasmodium (malária), Toxoplasma gondii
  • 38. Zoomastigophora  Locomoção por meio de flagelos.  Ocorrência: água doce ou salgada.  Vida livre ou sésseis.  Relações de mutualismo ou parasitismo.  Espécies parasitas (Trypanosoma cruzi, Leishmania brasiliensis e Trichomonas vaginalis).
  • 39. Giardia lamblia Trypanosoma cruzi Leishmania Trichomonas vaginalis
  • 40. Ciliophora  Estruturas locomotoras – cílios  Maioria de vida livre  Poucas espécies parasitas  Relação de mutualismo.
  • 41. PROTOZOOSES Doença Agente Sintomas Modo de Transmissão causador Disenteria Entanoeba Diarréia com sangue e muco, Ingestão de alimentos ou amebiana ou hystolitica devidas as lesões na parede água contaminada por amebíase intestinal cistos do protozoário Úlcera de Leishmania Ulcerações graves de pele, Picada do mosquito- Baúru ou brasiliensis principalmente no rosto, palha. Também leishmaniose braços e pernas conhecido como birigui. de pele Doenças de Trypanosom Insuficiencia cardíaca, devida Fezes contaminada do Chagas a cruzi a lesões na musculatura do barbeiro, inseto do coração gênero Triatoma . Doença do Trypanosom Sonolência devido a lesões no Picada da mosca tsé-tsé. sono a gambiensis sistema nervoso Tricomoníase Trichomonas Corrimento e infecções Relações sexuais com vaginalis vaginais e uretrais pessoas contaminadas e instalações sanitárias ou objetos contaminados
  • 42. Doença Agente causador Sintomas Modo de Transmissão Giardíase Giardia lamblia Diarréia acompanhada Ingestão de alimentos ou de dores abdominais, água contaminados por devidas as lesões na cistos de protozoários parede intestinal Malária ou Plasmodium vivax Febres e mal-estares Picada do mosquito- febre terçã cíclicos, devidos a prego, pernilongo do benigna substâncias tóxicas gênero Anopheles. liberadas pelo protozoário no sangue.