APRESENTAÇÃO CORPORATIVA       AGOSTO 2011Relações com Investidores / www.duratex.com.br                                  ...
CENÁRIO     2010                            2010    Superação da crise de 2009       Pressão de custos a partir do 2° seme...
CENÁRIO          CENÁRIO ECONÔMICO          TAXA DE DESEMPREGO NO BRASIL (%)                                              ...
CENÁRIO ECONÔMICO CENÁRIO      TAXA DE JUROS (% aa)                                                                       ...
CENÁRIO                                                     RECEITA LÍQUIDA DE CONSTRUTORAS NO BRASIL (em R$ milhões)     ...
CENÁRIOTAXA DE INFLAÇÃO GLOBAL                                                                                   INFLAÇÃO ...
CENÁRIO                 MERCADO DE PAINÉIS                                      CONSUMO TOTAL DE PAINÉIS NO BRASIL (Fonte ...
CENÁRIO                  MERCADO DA CONSTRUÇÃO CIVIL                                                                      ...
DESEMPENHO         RECONCILIAÇÃO DO ATIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO     ATIVO TOTAL      (em R$´000)    30/06/2011 31/03/2011  ...
DESEMPENHO                      ENDIVIDAMENTO                                 ALAVANCAGEM E CRONOGRAMA DE AMORTIZAÇÃO     ...
DESEMPENHO                        RECONCILIAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDOR$´000Após ajustes IFRS (R$´000)             2º tri/11    ...
DESEMPENHO                 RECEITA LÍQUIDA                                          RECEITA LÍQUIDA (em R$´000)           ...
DESEMPENHO                   RECONCILIAÇÃO DO EBITDA CONSOLIDADOApós ajustes IFRS (R$´000)R$´000                          ...
DESEMPENHO                 RECONCILIAÇÃO DO EBITDA CONSOLIDADOR$´000 aos ajustes IFRS R$´000Anterior                      ...
DESEMPENHO                   RECONCILIAÇÃO EBITDAApós ajustes IFRS (R$´000)R$´000                                         ...
DESEMPENHO                DESTAQUES DIVISÃO MADEIRA                                    CAPACIDADE INSTALADA e GRAU DE OCUP...
DESEMPENHO                   RECONCILIAÇÃO EBITDAApós ajustes IFRS (R$´000)R$´000                                         ...
DESEMPENHO                DESTAQUES DIVISÃO DECA                                          CAPACIDADE INSTALADA E GRAU DE O...
CAPEX       CONSOLIDADO                                           CAPEX (R$ milhões)                       R$ 2,9 Bi      ...
-20-
CAPEX         DIVISÃO DECA                                 EVOLUÇÃO DA CAPACIDADE NOMINAL (´000 peças/ano) e CAPEX        ...
SUSTENTABILIDADE                                PRÁTICAS             - Selo Verde (FSC): Primeira empresa na América Latin...
SUSTENTABILIDADE     Relatório Anual e de Sustentabilidade 2010 conforme GRI NÍVEL A (Global Report Initiative)           ...
GOVERNANÇA CORPORATIVA ESTRUTURA DE CAPITAL                                                PRINCIPAIS ACIONISTAS EM JUNHO ...
GOVERNANÇA CORPORATIVA CRIAÇÃO DE VALOR                                           DURATEX e IBOVESPA base 100 (19.06.2009 ...
DISCLAIMER          As informações aqui contidas foram preparadas pela Duratex S.A. e não constituimaterial de oferta para...
Relações com Investidores   www.duratex.com.br                            -27-
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Duratex - Apresentação Corporativa 2T11

586 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
586
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
29
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Duratex - Apresentação Corporativa 2T11

  1. 1. APRESENTAÇÃO CORPORATIVA AGOSTO 2011Relações com Investidores / www.duratex.com.br -1-
  2. 2. CENÁRIO 2010 2010 Superação da crise de 2009 Pressão de custos a partir do 2° semestre (mão de obra e cobre) Recuperação de preços de venda Recuperação de preços Custos em equilíbrio Isenção de IPI até março 2011 2011 Medidas macroprudenciais Pressão de custos (mão de obra e cobre) Aumento da taxa de juros Louças: Pressão de custos (resina) a) repasse nos preços Demanda nos níveis de 2010 b) start-up de novo forno em Recife c) incorporação das atividade da Deca Nordeste Metais: a) gestão de custos b) start-up de nova galvanoplastia -2-
  3. 3. CENÁRIO CENÁRIO ECONÔMICO TAXA DE DESEMPREGO NO BRASIL (%) SALÁRIO MÍNIMO (em R$) 545 510 465 415 380 350 ,4% 8,4 300 R 10 7,4 6,8 6,8 CAG 6,4 6,5 6,4 6,4 6,1 5,3 Junho´11 6,2% dez /06 dez /07 dez /08 dez /09 dez /10 jan/´11 fev /´11 m arç o/´11 abr/´11 m ai/´11 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Fonte: BACEN FONTE: IBGE MASSA SALARIAL (R$ milhões) RELAÇÃO CRÉDITO TOTAL x PIB (BRASIL, %) 419.593 432.407 373.340 385.6344 00000 48% 345.923 46,9% 328.204 47% 46,6% 46,5% 46,6% 309.671 46,3% 46,5% 46% % R 5,73 00000 45,0% CAG 45%2 00000 44% 43% 42%1 00000 40,8% 41% 40% 0 2005 2006 2007 2008 2009 2010 UDM até 2008 2009 2010 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 Fonte: IBGE Maio´11 Fonte: BACEN -3-
  4. 4. CENÁRIO ECONÔMICO CENÁRIO TAXA DE JUROS (% aa) ÍNDICE DE CONFIANÇA DO CONSUMIDOR NO BRASIL 13,25 13,75 12,5 12,00 12,25 11,25 11,25 11,75 125,4 10,75 122,5 121,6 122,6 121,7 121,8 8,75 120,1 120,8 120,1 118,7 118,2 118,0 115,4 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 2006 2007 2008 2009 2010 jan/11 mar/11 abr/11 jun/11 jul/11 Fonte: BACEN Fonte: FGV CESTA BÁSICA EM SP (R$) vs. SALÁRIO MINIMO (R$) 79,4% 71,4% 68,7% 66,2% 61,1% 56,5% 57,7% 52,0% 49,1% 52,0% 48,7% 50,2% 545,0 510,0 545,0 465,0 380,0 415,0 350,0 240,0 260,0 300,0 200,0 214,6 239,5 228,2 265,2 273,5 180,0 183,4 182,1 128,6 158,7 164,8 172,2 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 jun/11 Salário Minimo (R$) Cesta Básica em SP (R$) %Fonte: BACEN e DIEESE -4-
  5. 5. CENÁRIO RECEITA LÍQUIDA DE CONSTRUTORAS NO BRASIL (em R$ milhões) +21,5% 81.518 87.861 68.843 56.670 3E = 16% CAG R 10- 1 2.010 2011E 2012E 2013E LANÇAMENTOS (em R$ milhões) +21,7% 106.521 97.294 86.866 71.377 = 14% CAG R 10-13E 2.010 2011E 2012E 2013EFonte: Research Credit Suisse , Jun/11Empresas Selecionadas (PDG, MRV, Cyrela, Brookfield, Rossi, Gafisa, Tecnisa, Eeven, Direcional, Viver, CCDI) -5-
  6. 6. CENÁRIOTAXA DE INFLAÇÃO GLOBAL INFLAÇÃO NO BRASIL - SINAIS DE QUEDA Taxa de inflação Economias desenvolvidas Economias emergentes Ao consumidor Média Mensal: 0,33%Fontes: OECD, Haver Analy tic s. FONTE: BCB/ IBGENota: Dados referentes a maio/2011, exceto para a Coreia e Turquia (junho 2011). * Focus - Expectativa de mercado –mediana (24.06.2011) CENÁRIO INTERNACIONAL COMPLEXO BRASIL IPCA 6,15 IGPM 6,01 •Negoci ação do t eto d a dívid aFONTE: BCB/ BLOOMBERG/ RELATÓRIO FOCUS -6-
  7. 7. CENÁRIO MERCADO DE PAINÉIS CONSUMO TOTAL DE PAINÉIS NO BRASIL (Fonte ABIPA em ‘000 m³) 2.972MDF 2.263 2.352 2.037 1.861 ,4% +26 1.487,9 1.413,5 1.459,4 -1,9%Uso:Bordas arredondadas,superfícies usinadas e 2005 2006 2007 2008 2009 2010 1S10 1S11trabalhadas,Molduras MDF: CAPACIDADE EFETIVA DISPONIÍVEL: 3.660 MIL m³/ANO CAPACIDADE EFETIVA DA INDÚSTRIA: 4.080 MIL m³/ANO*MDP 2.633 2.885 2.548 2.431 2.102 2.186 +18,7% 1.449,6 1.443,3 =Uso:Partes planas, 2005 2006 2007 2008 2009 2010 1S10 1S11Laterais/ Divisórias/ Prateleiras MDP: CAPACIDADE EFETIVA DISPONÍVEL: 3.620 MIL m³/ANOBase Superior/ Inferior CAPACIDADE EFETIVA DA INDÚSTRIA: 4.000 MIL m³/ANO** Capacidade efetiva anual da indústria com base nas linhas já instaladas, após os periódos de ramp-up e investimentos periféricos -7-
  8. 8. CENÁRIO MERCADO DA CONSTRUÇÃO CIVIL 7,00% ** 5,00% 0,58% Mar Jul 1S Previsto 2011Fonte: Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Constr ução*Indicador mensal do desempenho das vendas da Indústria de Mater iais de Construção -8-
  9. 9. DESEMPENHO RECONCILIAÇÃO DO ATIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO ATIVO TOTAL (em R$´000) 30/06/2011 31/03/2011 30/06/2010 Antes ajustes IFRS 5.503.248 5.080.107 423.141 4.862.693 640.555 Combinação de Negócios 744.274 751.460 (7.186) 769.747 (25.473) Ativo Biológico 326.188 334.492 (8.304) 286.264 39.924 Benefício a Empregados 69.881 69.102 779 61.320 8.561 Demais ajustes 2.873 2.873 0 (14.785) 17.658 Após ajustes IFRS 6.646.464 6.238.034 408.430 5.965.239 681.225 Variação 1.143.216 1.157.927 (14.711) 1.102.546 40.670 PATRIMÔNIO LÍQUIDO (em R$´000) 30/06/2011 31/03/2011 30/06/2010 Antes ajustes IFRS 2.732.339 2.692.433 39.906 2.454.787 277.552 Combinação de Negócios 549.068 552.053 (2.985) 564.123 (15.055) Ativo Biológico 215.284 220.764 (5.480) 188.934 26.350 Benefício a Empregados 46.121 45.608 513 40.471 5.650 Demais ajustes 19.450 9.675 9.775 61.708 (42.258) Após ajustes IFRS 3.562.262 3.520.533 41.729 3.310.023 252.239 Variação 829.923 828.100 1.823 855.236 (25.313) -9-
  10. 10. DESEMPENHO ENDIVIDAMENTO ALAVANCAGEM E CRONOGRAMA DE AMORTIZAÇÃO ENDIVIDAMENTOR$´000 30/06/2011 31/03/2011 Variação 30/06/2010 VariaçãoEndividamento Curto Prazo 531.969 513.686 18.283 592.778 (60.809)Endividamento Longo Prazo 1.397.867 1.168.154 229.713 1.053.608 344.259Endividamento Total 1.929.836 1.681.840 247.996 1.646.386 283.450Disponibilidades 759.763 501.746 258.017 717.732 42.031Endividamento Líquido 1.170.073 1.180.094 (10.021) 928.654 241.419Endividamento Líquido / PL 32,8% 33,5% - 28,1% -Endividamento Líquido / EBITDA* 1,31 1,33 - 1,48 -* EBITDA nos últimos 12 meses ORIGEM DA DÍVIDA CRONOGRAMA DE AMORTIZAÇÃO (em R$ milhões) 1.929,8 264,1 Moeda Estrangeira 625,8 5,9% 342,5 759,8 321,6 375,8 Moeda Nacional Caixa Dívida 2011 2012 2013 2014 Após 94,1% Total 2014 -10-
  11. 11. DESEMPENHO RECONCILIAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDOR$´000Após ajustes IFRS (R$´000) 2º tri/11 1º tri/11 % 2º tri/10 % 1ºSem2011 1ºSem2010 %Receita Líquida Consolidada 751.181 659.865 13,8 712.303 5,5 1.411.046 1.318.883 7,0Lucro Bruto 253.856 225.018 12,8 284.716 (10,8) 478.874 506.439 (5,4)Lucro Operacional antes do 143.411 123.177 16,4 172.259 (16,7) 266.588 301.757 (11,7)Resultado FinanceiroLucro antes Impostos e Contribuição 111.287 94.091 18,3 149.128 (25,4) 205.378 251.839 (18,4)Lucro Líquido 100.383 76.876 30,6 102.720 (2,3) 177.259 171.357 3,4ROE 11,3% 8,8% - 12,6% - 10,1% 10,6% -Eventos Extraordinários * (9.284) 0 - 0 - (9.284) 0 -Lucro Líquido Recorrente 91.099 76.876 18,5 102.720 (11,3) 167.975 171.357 (2,0)ROE recorrente 10,3% 8,8% - 12,6% - 9,6% 10,6% -Reconciliação IFRS para BR GAAP 2º tri/11 1º tri/11 % 2º tri/10 % 1ºSem2011 1ºSem2010 %Lucro Líquido (Após ajustes IFRS) 100.383 76.876 30,6 102.720 (2,3) 177.259 171.357 3,4Combinação de Negócios 2.919 4.072 (28,3) 3.940 (25,9) 6.991 7.333 (4,7)Ativo Biológico 5.481 (1.536) (456,8) (6.131) (189,4) 3.945 (3.757) (205,0)Benefício a Empregados (515) (1.517) (66,1) (1.809) (71,5) (2.032) (3.618) (43,8)Demais Ajustes 0 0 - 13.086 - 0 21.178 -Lucro Líquido Anterior Ajustes IFRS 108.268 77.895 39,0 111.806 (3,2) 186.163 192.493 (3,3)ROE Anterior Ajustes IFRS 16,0% 11,7% - 18,5% - 13,9% 16,1% -Eventos Extraordinários * (9.284) 0 - 0 - (9.284) 0 -Lucro Líquido Recorrente 98.984 77.895 27,1 111.806 (11,5) 176.879 192.493 (8,1)ROE recorrente 14,6% 11,7% - 18,5% - 13,2% 16,1% -* Venda de Imóveis -11-
  12. 12. DESEMPENHO RECEITA LÍQUIDA RECEITA LÍQUIDA (em R$´000) 2º tri/11 1º tri/11 % 2º tri/10 % 1ºSem2011 1ºSem2010 %Receita Líquida Consolidada 751.181 659.865 13,8 712.303 5,5 1.411.046 1.318.883 7,0 Divisão Madeira 480.680 413.708 16,2 470.694 2,1 894.388 883.663 1,2 Divisão Deca 270.501 246.157 9,9 241.609 12,0 516.658 435.220 18,7 ORIGEM DA RECEITA LÍQUIDA NO 2T2011DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DAS VENDAS RECEITA LÍQUIDA CONSOLIDADA M DF /HDF /SDF / M DP MERCADO PISO LAM INADO 20,2% EXTERNO 34,7% 4% CHAPA DE FIBRA 8,6% COM PONENTES LOUÇAS 0,5% MERCADO SANITÁRIAS M ETAIS INTERNO 17,2% SANITÁRIOS 96% 18,8% -12-
  13. 13. DESEMPENHO RECONCILIAÇÃO DO EBITDA CONSOLIDADOApós ajustes IFRS (R$´000)R$´000 2º tri/11 1º tri/11 % 2º tri/10 % 1ºSem2011 1ºSem2010 %Receita Líquida Consolidada 751.181 659.865 13,8 712.303 5,5 1.411.046 1.318.883 7,0Lucro Operacional antes do Resultado 143.411 123.177 16,4 172.260 (16,7) 266.588 301.756 (11,7)FinanceiroDepreciação/Amortização/Exaustão 75.018 63.969 17,3 57.788 29,8 138.987 115.599 20,2Variação do Valor Justo do Ativo Biológico (27.693) (35.603) (22,2) (46.185) (40,0) (63.296) (76.902) (17,7)Parcela da Exaustão do Ativo Biológico 35.998 33.275 8,2 36.896 (2,4) 69.273 71.210 (2,7)Benefício a Empregados (780) (2.298) (66,1) (2.741) (71,5) (3.078) (5.482) (43,9)EBITDA 225.954 182.520 23,8 218.018 3,6 408.474 406.181 0,6Margem EBITDA 30,1% 27,7% - 30,6% - 28,9% 30,8% -Eventos Extraordinários* (14.068) 0 - 0 - (14.068) 0 -EBITDA Recorrente 211.886 182.520 16,1 218.018 (2,8) 394.406 406.181 (2,9)Margem EBITDA Recorrente 28,2% 27,7% - 30,6% - 28,0% 30,8% -EBITDA Recorrente por Divisão Madeira 145.846 110.249 32,3 146.444 (0,4) 256.095 275.339 (7,0) Deca 66.040 72.271 (8,6) 71.574 (7,7) 138.311 130.842 5,7* Venda de Imóveis -13-
  14. 14. DESEMPENHO RECONCILIAÇÃO DO EBITDA CONSOLIDADOR$´000 aos ajustes IFRS R$´000Anterior 2º tri/11 1º tri/11 % 2º tri/10 % 1ºSem2011 1ºSem2010 %Receita Líquida Consolidada 751.181 659.865 13,8 712.303 5,5 1.411.046 1.318.883 7,0Lucro Operacional antes do ResultadoFinanceiro 163.524 131.864 24,0 174.321 (6,2) 295.388 317.112 (6,9)Depreciação/Amortização/Exaustão 68.442 57.624 18,8 51.832 32,0 126.066 103.705 21,6EBIT DA 231.966 189.488 22,4 226.153 2,6 421.454 420.817 0,2Margem EBIT DA 30,9% 28,7% - 31,7% - 29,9% 31,9% -Eventos Extraordinários * (14.068) 0 - 0 - (14.068) 0 -EBIT DA Recorrente 217.898 189.488 15,0 226.153 (3,7) 407.386 420.817 (3,2)Margem EBIT DA Recorrente 29,0% 28,7% - 31,7% - 28,9% 31,9% -EBITDA Recorrente por Divisão Madeira 147.930 114.200 29,5 151.290 (2,2) 262.130 283.764 (7,6) Deca 69.968 75.288 (7,1) 74.863 (6,5) 145.256 137.053 6,0* Venda de Imóveis -14-
  15. 15. DESEMPENHO RECONCILIAÇÃO EBITDAApós ajustes IFRS (R$´000)R$´000 2º tri/11 1º tri/11 % 2º tri/10 % 1ºSem2011 1ºSem2010 %Expedição (em m³) 582.146 519.324 12,1 590.270 (1,4) 1.101.470 1.152.835 (4,5)Receita Líquida 480.680 413.708 16,2 470.694 2,1 894.388 883.663 1,2Lucro Operacional antes do Resultado 90.353 62.170 45,3 110.022 (17,9) 152.523 188.600 (19,1)FinanceiroVariação do Valor Justo do Ativo Biológico (27.693) (35.603) (22,2) (46.185) (40,0) (63.296) (76.902) (17,7)Parcela da Exaustão do Ativo Biológico 35.998 33.275 8,2 36.896 (2,4) 69.273 71.210 (2,7)Depreciação/Amortização/Exaustão 61.802 51.848 19,2 47.522 30,0 113.650 96.108 18,3Benefício a Empregados (546) (1.441) (62,1) (1.811) (69,9) (1.987) (3.677) (46,0)EBIT DA 159.914 110.249 45,0 146.444 9,2 270.163 275.339 (1,9)Margem EBIT DA 33,3% 26,6% - 31,1% - 30,2% 31,2% -Eventos Extraordinários * (14.068) 0 - 0 - (14.068) 0 -EBIT DA Recorrente 145.846 110.249 32,3 146.444 (0,4) 256.095 275.339 (7,0)Margem EBIT DA Recorrente 30,3% 26,6% - 31,1% - 28,6% 31,2% -Anterior ajustes IFRSEBIT DA Recorrente 147.930 114.200 29,5 151.290 (2,2) 262.130 283.764 (7,6)Margem EBIT DA Recorrente 30,8% 27,6% - 32,1% - 29,3% 32,1% -* Venda de Imóveis -15-
  16. 16. DESEMPENHO DESTAQUES DIVISÃO MADEIRA CAPACIDADE INSTALADA e GRAU DE OCUPAÇÃO 2T11 MDF 79% C AP AC IDADE ANUAL (e m ‘000 m ³) NOMINAL EFETIVA* DISPONÍVEL MDF 1.800 1.530 1.400 MDP 82% MDP 1.900 1.620 1.350 Chapa de Fibra 210 195 195 Total 3.910 3.345 2.945 CHAPA DE FIBRA 96% * Capacidade efetiva anual da Duratex com base nas linhas já instaladas, após os periódos de ramp-up e investimentos periféricos EXPEDIÇÕES (em ‘000 m³ ) LOCALIZAÇÃO DAS PLANTAS 1.152,8 1.101,5 5 planta s -4,5% 590,3 590,1 569,2 582,1 519,3 ,1% +12 2T10 3T10 4T10 1T11 2T11 1S10 1S11 -16-
  17. 17. DESEMPENHO RECONCILIAÇÃO EBITDAApós ajustes IFRS (R$´000)R$´000 2º tri/11 1º tri/11 % 2º tri/10 % 1ºSem2011 1ºSem2010 %Expedição (em 1.000 peças) 6.259 5.737 9,1 5.933 5,5 11.996 10.697 12,1Receita Líquida 270.501 246.157 9,9 241.609 12,0 516.658 435.220 18,7Lucro Operacional antes do Resultado 53.057 61.008 (13,0) 62.238 (14,8) 114.065 113.157 0,8FinanceiroDepreciação/Amortização/Exaustão 13.216 12.121 9,0 10.266 28,7 25.337 19.491 30,0Benefício a Empregados (233) (858) (72,8) (930) (74,9) (1.091) (1.805) (39,6)EBIT DA 66.040 72.271 (8,6) 71.574 (7,7) 138.311 130.843 5,7Margem EBIT DA 24,4% 29,4% - 29,6% - 26,8% 30,1% -Eventos Extraordinários 0 0 - 0 - 0 0 -EBIT DA Recorrente 66.040 72.271 (8,6) 71.574 (7,7) 138.311 130.843 5,7Margem EBIT DA Recorrente 24,4% 29,4% - 29,6% - 26,8% 30,1% -Anterior ajustes IFRSEBIT DA Recorrente 69.968 75.288 (7,1) 74.863 (6,5) 145.256 137.053 6,0Margem EBIT DA Recorrente 25,9% 30,6% - 31,0% - 28,1% 31,5% - -17-
  18. 18. DESEMPENHO DESTAQUES DIVISÃO DECA CAPACIDADE INSTALADA E GRAU DE OCUPAÇÃO 2T11 LOUÇAS 9.800 mil SANITÁRIAS 89% 9.800 mil peças/ano peças/ano METAIS SANITÁRIOS 93% 17.000 mil 17.000 mil peças/ano peças/anoEXPEDIÇÕES (em ‘000 peças) LOCALIZAÇÃO DAS PLANTAS 11.996 10.697 ,1% +12 5.933 6.259 5.529 5.413 5.737 % 9 p la n ta s +9,1 2T10 3T10 4T10 1T11 2T11 1S10 1S11 -18-
  19. 19. CAPEX CONSOLIDADO CAPEX (R$ milhões) R$ 2,9 Bi 891,2 CAPEX NO 1°NO 1S11 CAPEX SEM 2011 800,0 Estimado DECA FLORESTAL 456,4 Estimado 42% 18% 459,6 427,0 341,7 ADM 1% MADEIRA 343,6 Realizado no 1ST11 Realizado no 1° Sem 2011 39% 2007 2008 2009 2010 2011E -19-
  20. 20. -20-
  21. 21. CAPEX DIVISÃO DECA EVOLUÇÃO DA CAPACIDADE NOMINAL (´000 peças/ano) e CAPEX Investimentos R$ 430 milhões Louças Sanitárias % CAGR: 10,8 26.800 30.400 + 1,8 M pçs/ano: aquisição Elizabeth,PB (Fev/11) + 0,8 M pçs/ano: novo forno Cabo de Santo Agostinho,PE ( Abr/11) 21.800 23.000 23.000 12.200 (*)+ 2,4 M pçs/ano: reativação e expansão da unidade de Queimados ,RJ (2012)18.200 9.800 Metais 6.200 7.200 7.2003.800 +2,4 M pçs/ano (2011/2012) Centro robotizado de afinação 15.600 15.800 15.800 17.000 18.200 Máquina de usinagem14.440 Prensa de forjar Galvanoplastia 2007 2008 2009 2010 2011 2012 Metais Louças Sanitárias (*) Louças Queimados: PROJET O ORIGIN AL: CAPEX R$ 100 MM, Capacidade: 1.900 mil peças/ano PROJET O REVISADO: CAPEX R$ 130 MM, Capacidade: 2.400 mil peças/ano OBJETIVO: AUMENTO DE PRODUÇÃO NO SEGMENTO MÉDIO E ALTO Metais Sanitários Jundiaí - SP Metais Sanitários Jundiaí - SP Louças Sanitárias- PE -21-
  22. 22. SUSTENTABILIDADE PRÁTICAS - Selo Verde (FSC): Primeira empresa na América Latina a ser certificada (1995) - ISO 14001: viveiro de mudas e áreas florestais de Botucatu Projeto que visa encontrar meios mais eficientes de utilização dos recursos hídricos do planeta. A redução do consumo de água com a aplicação desta metodologia gira em torno de 30%. Após a avaliação de conformidade da LEED (Leadership in Energy and Environment Design) 9 linhas de produtos Deca receberam o selo Sustentax, com itens que reduzem até 80% do consumo de água. O GBC Brasil tem como missão desenvolver a indústria da construção sustentável no país.• 229 mil hectares de terras (próprias e arrendadas) Evolução da Produtividade em Novas Florestas Eucalipto• 160,9 mil hectares de florestas plantadas - São Paulo - +160%• 268 milhões de árvores plantadas 52• 56 árvores plantadas por minuto 60 48 51 IMA (m³/ha.ano) 50 44 44 45 40 40 30• Corte entre 6 e 7 anos 30 20 20• Baixa distância entre florestas e fábricas 10• Aumento da produtividade 0• Fomenta projetos de preservação de biodiversidade (flora e fauna) Anos Anos 2000 2005 2006 2007 2008 2009 2010 60 80 Ano base -22-
  23. 23. SUSTENTABILIDADE Relatório Anual e de Sustentabilidade 2010 conforme GRI NÍVEL A (Global Report Initiative) -23-
  24. 24. GOVERNANÇA CORPORATIVA ESTRUTURA DE CAPITAL PRINCIPAIS ACIONISTAS EM JUNHO 2011 27,4% 0,2% Total de ações emitidas: Grupo Itaúsa 550.035.331(1) Grupo Ligna (1) Ações em tesouraria: 1.199.486 12,7% Fundos de Pensão Fundos de Investimentos Investidores Estrangeiros Tesouraria 2,0% 39,9% 17,8%  100% ações ordinárias (Novo Mercado BM&FBovespa) (1 ação, 1 voto)  Free Float 42,6% ON  Política de dividendos: 30% do lucro líquido ajustado  Conselho de Administração: 9 Membros, sendo 3 Independentes -24-
  25. 25. GOVERNANÇA CORPORATIVA CRIAÇÃO DE VALOR DURATEX e IBOVESPA base 100 (19.06.2009 - 30.06.2011) VALOR DE MERCADO: R$ 7,3 Bi 300 +111,0 % 250 R$ 13,21 200 150 +21,3 % 62.337 100 50 0 9 0 0 1 9 09 0 10 10 11 9 0 0 0 1 1 9 0 1 09 10 t-0 r-1 t-1 r-1 0 1 -0 -1 -1 t-1 v-1 -1 -0 -1 -1 o- z- ai- o- z- ai- v- v- jun jan jun jun jul ar ar ou ab ou ab se fe ag de ag de no no m m m m DTEX Base 100 IBOV Base 100 -25-
  26. 26. DISCLAIMER As informações aqui contidas foram preparadas pela Duratex S.A. e não constituimaterial de oferta para a subscrição ou compra de valores mobiliários da Companhia. Estematerial contém informações gerais sobre a empresa e mercados em que se encontra inserida.Nenhuma representação ou garantia, de forma expressa ou inclusa, é feita acerca, e nenhumaconfiança deve ser depositada, na exatidão, justificação ou totalidade das informaçõesapresentadas. A Duratex não pode dar qualquer certeza quanto a realização das expectativasapresentadas. Agosto de 2011 -26-
  27. 27. Relações com Investidores www.duratex.com.br -27-

×