SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
Detecção de Cianobactérias nos
    reservatórios da Cemig
       Marcela David de Carvalho




              CBH-DOCE
         Governador Valadares
              29.05.2012
A Cemig e as Cianobactérias


• As cianobactérias não são responsáveis pela deterioração da qualidade da
  água, e sim um indicador da degradação do corpo hídrico.

• A Cemig monitora as cianobactérias rotineiramente em seus reservatórios
  (monitoramento Limnológico) com o objetivo de controlar possíveis efeitos no
  meio ambiente e aos usuários dos reservatórios causados pela floração desses
  organismos.

• O monitoramento e realizado por empresas especializadas contratadas, a
  Cemig não possui laboratórios próprios.

• A Cemig realiza campanhas e palestras educativas sobre o tema.
Hipóteses para a dominância de cianobactérias em sistemas
           eutróficos e hipereutróficos (Shapiro, 1990)

• Temperatura da água: As cianobactérias tem em geral temperaturas ótimas de
  desenvolvimento mais altas comparado aos outros grupos do fitoplâncton

• Luz: Tem requerimentos luminosos mais baixos (presença de pigmentos
  acessórios como as ficoblilinas)

• Relação NT/PT: são favorecidas por baixas taxas (fixam N2)

• Flutuabilidade: regulam sua flutuabilidade otimizando a atividade fotossintética
  relacionada à disponibilização vertical de nutrientes e energia luminosa

• Pastagem pelo zooplâncton: alimenta-se preferencialmente do fitoplâncton
  competidor

• Dióxido de carbono/pH: as cianobactérias tem constantes baixas de saturação
  de CO2.
Conama 357 – Classificação de Corpos d água

Classe 1 – 20.000 cel/mL ou 2 mm3/L
• a) ao abastecimento para consumo humano, apos tratamento simplificado;
• c) a recreacao de contato primario,
Classe2 – 50.000 cel/mL ou 5 mm3/L
• a) ao abastecimento para consumo humano, apos tratamento convencional;
• c) a recreação de contato primário,
Classe 3 – 50.000 cel/ml, ou 5mm3/L (dessedntacao de animais) ou 100.000 cel/mL
  ou 10 mm3/L
• a) ao abastecimento para consumo humano, apos tratamento convencional ou
  avancado;
• d) a recreação de contato secundário;
Classe 4 - …
• a) a navegação; e
• b) a harmonia paisagística
Fonte:
http://www.ons.org.br/conheca_sistema/mapas_sin.aspx#
(modificada em: 28/05/2012)
Monitoramento Cemig – Sá Carvalho
Monitoramento Cemig – Salto Grande
Siságua   www.cemig.com.br/sag
Projetos de pesquisa Cemig


• P&D GT346 - Desenvolvimento de novas metodologias para
  avaliação da distribuição espaço-temporal de Cianobactérias e
  cianotoxinas e seus efeitos deletérios em peixes e população
  humana no reservatório de Volta Grande. UFMG – Professora
  Alessandra Giani
marcela.david@cemig.com.br
       31 3506 45 35

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aspectos fundamentais da microbiologia analítica da água
Aspectos fundamentais da microbiologia analítica da águaAspectos fundamentais da microbiologia analítica da água
Aspectos fundamentais da microbiologia analítica da águaDenyse Cruz
 
Uso de Bioindicadores de Qualidade Ambiental
Uso de Bioindicadores de Qualidade AmbientalUso de Bioindicadores de Qualidade Ambiental
Uso de Bioindicadores de Qualidade AmbientalWilliam Rodrigues
 
IlzoCostaPessoa
IlzoCostaPessoaIlzoCostaPessoa
IlzoCostaPessoaIFRR
 
Eco ii micorbiologia da água. indicadores2010
Eco ii micorbiologia da água. indicadores2010Eco ii micorbiologia da água. indicadores2010
Eco ii micorbiologia da água. indicadores2010Professora Karla Ribeiro
 
Aula 11 qualidade de água
Aula 11   qualidade de águaAula 11   qualidade de água
Aula 11 qualidade de águaSuely Machado
 
Efluentes domésticos e industriais
Efluentes domésticos e industriaisEfluentes domésticos e industriais
Efluentes domésticos e industriaisRafael Luis Tembo
 
Qualidade de água
Qualidade de água Qualidade de água
Qualidade de água LCGRH UFC
 
Microbiologia aplicada aula10 água
Microbiologia aplicada aula10 águaMicrobiologia aplicada aula10 água
Microbiologia aplicada aula10 águaAmanda Fraga
 
Alfabetiza_Energia&Materia_agua
Alfabetiza_Energia&Materia_aguaAlfabetiza_Energia&Materia_agua
Alfabetiza_Energia&Materia_aguacasifufrgs
 
Jardim filtrante –_o_que_é_e_como_funciona_–_wilson
Jardim filtrante –_o_que_é_e_como_funciona_–_wilsonJardim filtrante –_o_que_é_e_como_funciona_–_wilson
Jardim filtrante –_o_que_é_e_como_funciona_–_wilsonJoão Siqueira da Mata
 
E se um bloom de cianobactérias batesse à tua porta?
E se um bloom de cianobactérias batesse à tua porta?E se um bloom de cianobactérias batesse à tua porta?
E se um bloom de cianobactérias batesse à tua porta?José Augusto
 
Tratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgotoTratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgotoGrazi Grazi
 

Mais procurados (20)

Aspectos fundamentais da microbiologia analítica da água
Aspectos fundamentais da microbiologia analítica da águaAspectos fundamentais da microbiologia analítica da água
Aspectos fundamentais da microbiologia analítica da água
 
Qualidade da Água
Qualidade da ÁguaQualidade da Água
Qualidade da Água
 
parametros qualidade agua
parametros qualidade aguaparametros qualidade agua
parametros qualidade agua
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
Uso de Bioindicadores de Qualidade Ambiental
Uso de Bioindicadores de Qualidade AmbientalUso de Bioindicadores de Qualidade Ambiental
Uso de Bioindicadores de Qualidade Ambiental
 
Qualidade da água
Qualidade da águaQualidade da água
Qualidade da água
 
Efluentes
EfluentesEfluentes
Efluentes
 
IlzoCostaPessoa
IlzoCostaPessoaIlzoCostaPessoa
IlzoCostaPessoa
 
Eco ii micorbiologia da água. indicadores2010
Eco ii micorbiologia da água. indicadores2010Eco ii micorbiologia da água. indicadores2010
Eco ii micorbiologia da água. indicadores2010
 
Aula 11 qualidade de água
Aula 11   qualidade de águaAula 11   qualidade de água
Aula 11 qualidade de água
 
Efluentes domésticos e industriais
Efluentes domésticos e industriaisEfluentes domésticos e industriais
Efluentes domésticos e industriais
 
corpos de agua
corpos de aguacorpos de agua
corpos de agua
 
Qualidade de água
Qualidade de água Qualidade de água
Qualidade de água
 
Aula 05
Aula 05Aula 05
Aula 05
 
Microbiologia aplicada aula10 água
Microbiologia aplicada aula10 águaMicrobiologia aplicada aula10 água
Microbiologia aplicada aula10 água
 
Phytoplankton
PhytoplanktonPhytoplankton
Phytoplankton
 
Alfabetiza_Energia&Materia_agua
Alfabetiza_Energia&Materia_aguaAlfabetiza_Energia&Materia_agua
Alfabetiza_Energia&Materia_agua
 
Jardim filtrante –_o_que_é_e_como_funciona_–_wilson
Jardim filtrante –_o_que_é_e_como_funciona_–_wilsonJardim filtrante –_o_que_é_e_como_funciona_–_wilson
Jardim filtrante –_o_que_é_e_como_funciona_–_wilson
 
E se um bloom de cianobactérias batesse à tua porta?
E se um bloom de cianobactérias batesse à tua porta?E se um bloom de cianobactérias batesse à tua porta?
E se um bloom de cianobactérias batesse à tua porta?
 
Tratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgotoTratamento de água e esgoto
Tratamento de água e esgoto
 

Destaque

Ciclo Do NitrogêNio
Ciclo Do NitrogêNioCiclo Do NitrogêNio
Ciclo Do NitrogêNioecsette
 
CICLO DO NITROGENIO
CICLO DO NITROGENIOCICLO DO NITROGENIO
CICLO DO NITROGENIOClara Souza
 
REINO MONERA - ASSUNTO DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO
REINO MONERA - ASSUNTO DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIOREINO MONERA - ASSUNTO DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO
REINO MONERA - ASSUNTO DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIOgbast3
 

Destaque (9)

Apresentação CPRM - 23ª Reunião Extraordinária CBH Doce - Estiagem Bacia do R...
Apresentação CPRM - 23ª Reunião Extraordinária CBH Doce - Estiagem Bacia do R...Apresentação CPRM - 23ª Reunião Extraordinária CBH Doce - Estiagem Bacia do R...
Apresentação CPRM - 23ª Reunião Extraordinária CBH Doce - Estiagem Bacia do R...
 
7 monera
7 monera7 monera
7 monera
 
Cianobacterias
CianobacteriasCianobacterias
Cianobacterias
 
Cyanobacteria
CyanobacteriaCyanobacteria
Cyanobacteria
 
Ciclo do Nitrogênio
Ciclo do NitrogênioCiclo do Nitrogênio
Ciclo do Nitrogênio
 
Ciclo Do NitrogêNio
Ciclo Do NitrogêNioCiclo Do NitrogêNio
Ciclo Do NitrogêNio
 
CICLO DO NITROGENIO
CICLO DO NITROGENIOCICLO DO NITROGENIO
CICLO DO NITROGENIO
 
REINO MONERA - ASSUNTO DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO
REINO MONERA - ASSUNTO DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIOREINO MONERA - ASSUNTO DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO
REINO MONERA - ASSUNTO DO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 

Semelhante a Cianobacterias cbh doce 29 05 2012 final

Manual analise agua_2ed
Manual analise agua_2edManual analise agua_2ed
Manual analise agua_2edBruno Monteiro
 
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade rural
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade ruralÁgua Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade rural
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade ruralmarcelo otenio
 
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...Samuel J. Tacuana
 
Qualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticínioQualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticíniomarcelo otenio
 
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...tgandr
 
As estações de tratamento de água.ppt
As estações de tratamento de água.pptAs estações de tratamento de água.ppt
As estações de tratamento de água.pptssuser46216d
 
Ciencias as estacoes de tratamento de agua
Ciencias   as estacoes de tratamento de aguaCiencias   as estacoes de tratamento de agua
Ciencias as estacoes de tratamento de aguaGustavo Soares
 
Caixas d'água cryptosporidium
Caixas d'água cryptosporidiumCaixas d'água cryptosporidium
Caixas d'água cryptosporidiumTatiana Machado
 

Semelhante a Cianobacterias cbh doce 29 05 2012 final (20)

Apresentação josinei valdir dos santos - seminário cianobactérias
Apresentação   josinei valdir dos santos - seminário cianobactériasApresentação   josinei valdir dos santos - seminário cianobactérias
Apresentação josinei valdir dos santos - seminário cianobactérias
 
Saneamento Basico.pptx
Saneamento Basico.pptxSaneamento Basico.pptx
Saneamento Basico.pptx
 
O cultivo com bioflocos
O cultivo com bioflocosO cultivo com bioflocos
O cultivo com bioflocos
 
Aquários feira
Aquários feiraAquários feira
Aquários feira
 
Manual analise agua
Manual analise aguaManual analise agua
Manual analise agua
 
Manual analise agua_2ed
Manual analise agua_2edManual analise agua_2ed
Manual analise agua_2ed
 
Manual de Analise de Agua 2ªed
Manual de Analise de Agua 2ªedManual de Analise de Agua 2ªed
Manual de Analise de Agua 2ªed
 
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade rural
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade ruralÁgua Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade rural
Água Na Propriedade Rural - Tratamento de água e esgoto na propriedade rural
 
Palestra ana
Palestra anaPalestra ana
Palestra ana
 
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
Macroinvertebrados Aquáticos como Bioindicadores da Avaliação da Qualidade de...
 
Qualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticínioQualidade de água em Industria de laticínio
Qualidade de água em Industria de laticínio
 
Aula pratica 02
Aula pratica 02Aula pratica 02
Aula pratica 02
 
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
Bioflocos autotróficos (ABFT) usando Chlorella vulgaris e Scenedesmus obliquu...
 
As estações de tratamento de água.ppt
As estações de tratamento de água.pptAs estações de tratamento de água.ppt
As estações de tratamento de água.ppt
 
Ciencias as estacoes de tratamento de agua
Ciencias   as estacoes de tratamento de aguaCiencias   as estacoes de tratamento de agua
Ciencias as estacoes de tratamento de agua
 
Tema I.pptx
Tema I.pptxTema I.pptx
Tema I.pptx
 
Tema I.pptx
Tema I.pptxTema I.pptx
Tema I.pptx
 
Violaceína
ViolaceínaViolaceína
Violaceína
 
Caixas d'água cryptosporidium
Caixas d'água cryptosporidiumCaixas d'água cryptosporidium
Caixas d'água cryptosporidium
 
S7 lamabri em bft
S7 lamabri em bftS7 lamabri em bft
S7 lamabri em bft
 

Mais de Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Doce - CBH-Doce

Mais de Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Doce - CBH-Doce (20)

Ofício Circular n°11/2015/ANA - PRODES 2015
Ofício Circular n°11/2015/ANA - PRODES 2015Ofício Circular n°11/2015/ANA - PRODES 2015
Ofício Circular n°11/2015/ANA - PRODES 2015
 
Ofício Circular n°11/2015/ANA - PRODES 2015
Ofício Circular n°11/2015/ANA - PRODES 2015Ofício Circular n°11/2015/ANA - PRODES 2015
Ofício Circular n°11/2015/ANA - PRODES 2015
 
Apresentação Daniel Araújo - Barraginhas e caixa seca - Modelo Colatina ES
Apresentação Daniel Araújo - Barraginhas e caixa seca - Modelo Colatina ESApresentação Daniel Araújo - Barraginhas e caixa seca - Modelo Colatina ES
Apresentação Daniel Araújo - Barraginhas e caixa seca - Modelo Colatina ES
 
Apresentação GT P.22 e P.52 - CBH Suaçuí 14 05 2015
Apresentação GT P.22 e P.52 - CBH Suaçuí 14 05 2015Apresentação GT P.22 e P.52 - CBH Suaçuí 14 05 2015
Apresentação GT P.22 e P.52 - CBH Suaçuí 14 05 2015
 
Publicacao pacuera pch_fortuna_ii
Publicacao pacuera pch_fortuna_iiPublicacao pacuera pch_fortuna_ii
Publicacao pacuera pch_fortuna_ii
 
Bma gen pcaexe_for_pac_01_rev03
Bma gen pcaexe_for_pac_01_rev03Bma gen pcaexe_for_pac_01_rev03
Bma gen pcaexe_for_pac_01_rev03
 
Apresentação Lúcio IBIO AGB Doce - Dn 46/2014 - CERH- Diárias de viagem
Apresentação Lúcio IBIO AGB Doce - Dn 46/2014 - CERH- Diárias de viagemApresentação Lúcio IBIO AGB Doce - Dn 46/2014 - CERH- Diárias de viagem
Apresentação Lúcio IBIO AGB Doce - Dn 46/2014 - CERH- Diárias de viagem
 
Apresentação IGAM - 23ª Reunião Extraordinária CBH Doce - Plano Emergencial d...
Apresentação IGAM - 23ª Reunião Extraordinária CBH Doce - Plano Emergencial d...Apresentação IGAM - 23ª Reunião Extraordinária CBH Doce - Plano Emergencial d...
Apresentação IGAM - 23ª Reunião Extraordinária CBH Doce - Plano Emergencial d...
 
Apresentação IGAM - 23ª Reunião Extraordinária CBH Doce - Estiagem Bacia do R...
Apresentação IGAM - 23ª Reunião Extraordinária CBH Doce - Estiagem Bacia do R...Apresentação IGAM - 23ª Reunião Extraordinária CBH Doce - Estiagem Bacia do R...
Apresentação IGAM - 23ª Reunião Extraordinária CBH Doce - Estiagem Bacia do R...
 
18_03 - tarde - Mesa 4\3_Rossini Matos Sena - ANA
18_03 - tarde - Mesa 4\3_Rossini Matos Sena - ANA18_03 - tarde - Mesa 4\3_Rossini Matos Sena - ANA
18_03 - tarde - Mesa 4\3_Rossini Matos Sena - ANA
 
18_03 - tarde - Mesa 4\2_Geraldo Silvio de Oliveira -DMAE- Uberlândia
18_03 - tarde - Mesa 4\2_Geraldo Silvio de Oliveira -DMAE- Uberlândia18_03 - tarde - Mesa 4\2_Geraldo Silvio de Oliveira -DMAE- Uberlândia
18_03 - tarde - Mesa 4\2_Geraldo Silvio de Oliveira -DMAE- Uberlândia
 
18_03 - tarde - Mesa 4\1_Domingos José D’Amico
18_03 - tarde - Mesa 4\1_Domingos José D’Amico18_03 - tarde - Mesa 4\1_Domingos José D’Amico
18_03 - tarde - Mesa 4\1_Domingos José D’Amico
 
18/03 - manhã - Mesa 3\6_Suelena Carneiro Jayme
18/03 - manhã - Mesa 3\6_Suelena Carneiro Jayme18/03 - manhã - Mesa 3\6_Suelena Carneiro Jayme
18/03 - manhã - Mesa 3\6_Suelena Carneiro Jayme
 
Abc 17.03.2015
Abc   17.03.2015Abc   17.03.2015
Abc 17.03.2015
 
18_03 - manhã - Mesa 3\4_Ana Maria R. Borro Macedo
18_03 - manhã - Mesa 3\4_Ana Maria R. Borro Macedo18_03 - manhã - Mesa 3\4_Ana Maria R. Borro Macedo
18_03 - manhã - Mesa 3\4_Ana Maria R. Borro Macedo
 
Produtor de água brasilia 2015
Produtor de água brasilia 2015Produtor de água brasilia 2015
Produtor de água brasilia 2015
 
Seminário ana 18mar15 tnc
Seminário ana 18mar15   tncSeminário ana 18mar15   tnc
Seminário ana 18mar15 tnc
 
18_03 - manhã - Mesa 3\1_Carolina Ximenes de Macedo
18_03 - manhã - Mesa 3\1_Carolina Ximenes de Macedo18_03 - manhã - Mesa 3\1_Carolina Ximenes de Macedo
18_03 - manhã - Mesa 3\1_Carolina Ximenes de Macedo
 
17/03 - Tarde - Mesa 2- Rinaldo de Oliveira Calheiros
17/03 - Tarde - Mesa 2- Rinaldo de Oliveira Calheiros17/03 - Tarde - Mesa 2- Rinaldo de Oliveira Calheiros
17/03 - Tarde - Mesa 2- Rinaldo de Oliveira Calheiros
 
17/03 - tarde-Mesa 2 - Eileen Acosta
17/03 - tarde-Mesa 2 - Eileen Acosta17/03 - tarde-Mesa 2 - Eileen Acosta
17/03 - tarde-Mesa 2 - Eileen Acosta
 

Cianobacterias cbh doce 29 05 2012 final

  • 1. Detecção de Cianobactérias nos reservatórios da Cemig Marcela David de Carvalho CBH-DOCE Governador Valadares 29.05.2012
  • 2. A Cemig e as Cianobactérias • As cianobactérias não são responsáveis pela deterioração da qualidade da água, e sim um indicador da degradação do corpo hídrico. • A Cemig monitora as cianobactérias rotineiramente em seus reservatórios (monitoramento Limnológico) com o objetivo de controlar possíveis efeitos no meio ambiente e aos usuários dos reservatórios causados pela floração desses organismos. • O monitoramento e realizado por empresas especializadas contratadas, a Cemig não possui laboratórios próprios. • A Cemig realiza campanhas e palestras educativas sobre o tema.
  • 3. Hipóteses para a dominância de cianobactérias em sistemas eutróficos e hipereutróficos (Shapiro, 1990) • Temperatura da água: As cianobactérias tem em geral temperaturas ótimas de desenvolvimento mais altas comparado aos outros grupos do fitoplâncton • Luz: Tem requerimentos luminosos mais baixos (presença de pigmentos acessórios como as ficoblilinas) • Relação NT/PT: são favorecidas por baixas taxas (fixam N2) • Flutuabilidade: regulam sua flutuabilidade otimizando a atividade fotossintética relacionada à disponibilização vertical de nutrientes e energia luminosa • Pastagem pelo zooplâncton: alimenta-se preferencialmente do fitoplâncton competidor • Dióxido de carbono/pH: as cianobactérias tem constantes baixas de saturação de CO2.
  • 4. Conama 357 – Classificação de Corpos d água Classe 1 – 20.000 cel/mL ou 2 mm3/L • a) ao abastecimento para consumo humano, apos tratamento simplificado; • c) a recreacao de contato primario, Classe2 – 50.000 cel/mL ou 5 mm3/L • a) ao abastecimento para consumo humano, apos tratamento convencional; • c) a recreação de contato primário, Classe 3 – 50.000 cel/ml, ou 5mm3/L (dessedntacao de animais) ou 100.000 cel/mL ou 10 mm3/L • a) ao abastecimento para consumo humano, apos tratamento convencional ou avancado; • d) a recreação de contato secundário; Classe 4 - … • a) a navegação; e • b) a harmonia paisagística
  • 6. Monitoramento Cemig – Sá Carvalho
  • 7. Monitoramento Cemig – Salto Grande
  • 8. Siságua www.cemig.com.br/sag
  • 9. Projetos de pesquisa Cemig • P&D GT346 - Desenvolvimento de novas metodologias para avaliação da distribuição espaço-temporal de Cianobactérias e cianotoxinas e seus efeitos deletérios em peixes e população humana no reservatório de Volta Grande. UFMG – Professora Alessandra Giani
  • 10. marcela.david@cemig.com.br 31 3506 45 35