Jardim filtrante –_o_que_é_e_como_funciona_–_wilson

6.355 visualizações

Publicada em

Palestra apresentada durante o primeiro curso de saneamento básico rural, na Embrapa Instrumentação, São Carlos - SP, outubro de 2013

Disponível em : http://saneamento.cnpdia.embrapa.br/programacao.html

Publicada em: Educação
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.355
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
756
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
267
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jardim filtrante –_o_que_é_e_como_funciona_–_wilson

  1. 1. JARDIM FILTRANTE O QUE É E COMO FUNCIONA
  2. 2. ÁREAS ALAGADAS NATURAIS
  3. 3. Várzea / Brejo
  4. 4. Pântano
  5. 5. Manguezal
  6. 6. As áreas alagadas exercem um importante papel nos ecosistemas, por meio da depuração fisico-química e reciclagem de nutrientes dos sistemas aquáticos
  7. 7. Plantas macróficas • As macrófitas aquáticas são plantas aquáticas que vivem em brejos até ambientes verdadeiramente aquáticos (incluindo os corpos de água doce, salobra e salgada). Incluem vegetais desde microalgas até angiospermas. São caracterizados como vegetais que durante sua evolução retornaram do ambiente terrestre para o aquático, apresentando várias características de vegetais terrestres
  8. 8. Macrófitas Aquáticas
  9. 9. Macrófitas flutuantes E. crassipes (Aguapé) Salvinia molesta
  10. 10. Macrófitas submersas com folhas enraizadas Victoria amazonica (Vitória Regia)
  11. 11. Macrófitas submersas Aponogeton crispus
  12. 12. Macrófitas submersas com folhas flutuantes Eleocharis calva Taboa (Typha domingensis)
  13. 13. Áreas alagadas artificiais (Jardins Filtrantes, wetlands, etc.) • Simulam áreas alagadas naturais • São utilizadas no tratamento de esgoto • Plantas e microorganismos trabalham juntas na depuração da água
  14. 14. Jardim filtrante no saneamento básico rural proposto • É colocado como uma forma complementar à Bossa Séptica Biodigestora • A Fossa Séptica Biodigestora trata a “água negra” (vaso sanitário) e o Jardim Filtrante trata a “água cinza” (Pia, chuveiro, tanque, etc.) • Efluente da Fossa Séptica Biodigestora que não for utilizado na agricultura também será desviado para o Jardim Filtrante.
  15. 15. Jardim Filtrante Esquema representativo do sistema de tratamento de esgoto proposto.
  16. 16. Jardim Filtrante Esquema de um corte da proposta de jardim filtrante com macrófitas emergentes. Esquema: Valentim Monzane
  17. 17. Detalhes do jardim filtrante • A areia e a brita agem como filtros físicos para material particulado. • Usa-se areia grossa e brita número 2 ou 3. • Antes da entrada no jardim filtrante, colocar uma caixa de gordura. • O nível da água deve ser ligeiramente abaixo do nível da areia, para evitar a proliferação de mosquitos e odores.
  18. 18. Detalhes do jardim filtrante • O local deve ser impermeabilizado com uma geomembrana (PVC, EPDM, etc.) • As plantas agem como absorventes de nutrientes e contaminantes • As plantas escolhidas devem ser preferencialmente nativas da região onde o sistema está instalado. • Escolher também plantas que produzam flores para que o ambiente seja visualmente agradável.
  19. 19. Detalhes do jardim filtrante • A área superficial do jardim filtrante mínima é de 1 m2 / habitante • O manejo das plantas deve ser feito para minimizar se reproduzam desenfreadamente e saturem o sistema. • A água que sai do sistema pode ser descartada ou reutilizada na limpeza de galpões.
  20. 20. Detalhes do jardim filtrante
  21. 21. Detalhes do jardim filtrante Proposta de dimensões do Jardim Filtrante
  22. 22. Jardim Filtrante
  23. 23. Jardim Filtrante Detalhe da entrada do líquido no Jardim Filtrante
  24. 24. Jardim Filtrante Caixa de gordura para a água cinza antes de entrar no jardim filtrante
  25. 25. Jardim Filtrante
  26. 26. Jardim Filtrante
  27. 27. Jardim Filtrante
  28. 28. Jardim Filtrante
  29. 29. Jardim Filtrante
  30. 30. Jardim Filtrante
  31. 31. Jardim Filtrante
  32. 32. Jardim Filtrante Controlador de nível da água do jardim filtrante (monge)
  33. 33. Jardim Filtrante Detalhe da saída do efluente com o sistema de controle do nível da água do jardim filtrante
  34. 34. Jardim Filtrante
  35. 35. Jardim Filtrante
  36. 36. Jardim Filtrante
  37. 37. Fauna e flora microscópica (400x) do jardim filtrante – Sítio São João, 24 de abril de 2013 Consumidores primários Produtores primários e bactérias Algas diatomáceas Algas euglenóides Algas cianofíceas e bactérias Fonte: Sandra Protter
  38. 38. Jardim Filtrante / Wetland
  39. 39. Aspecto visual das amostras do Jardim Filtrante, nos pontos de amostragem P1: caixa de retenção de sólidos, antes do jardim filtrante; P2: saída do efluente do jardim filtrante e P3: saída do filtro adicional.
  40. 40. Variação de turbidez nos pontos de amostragem, em cada coleta 640 600 560 520 480 Turbidez (FTU) 440 400 360 320 P1 280 P2 240 P3 200 160 120 80 40 0 1 2 3 Coletas 4 5
  41. 41. Coliformes - Jardim Filtrante Jardim Totais Termotolerantes P1 3,6 x 10E6 13 P2 2,1 x 10E6 7 Remoção (%) 41,7 46,1
  42. 42. Agradecimentos
  43. 43. wilson.lopes-silva@embrapa.br

×