O Espiritismo e o Dia das Mães

1.825 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.825
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
111
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
77
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Espiritismo e o Dia das Mães

  1. 1. Retirado do site http://www.espiritoimortal.com.br/O espiritismo e o Dia das MãesEdição EspEcialsobrE o dia das MãEsEspiritismo OnlineRegina BittencourtAutoria de Morel Felipe Wilkon.
  2. 2. Reencarnamos para aprender a amar.Precisamos aprender a disciplina, adquirirconhecimentos e fortalecer experiências.Mas tudo, no final das contas, se resumeno Amor. O Universo foi feito do Amor deDeus. Deus é Amor. Difícil de entender?Para nos facilitar o entendimento é quereencarnamos, para praticar na matéria oAmor de que somos capazes.SOM
  3. 3. Nosso estágio evolutivo não permite grandesvoos filosóficos. A ideia que fazemos de Deus éo máximo que podemos alcançar. E paralembrarmos que Deus é Amor nascemos damulher. Se Deus é a ideia mais alta quepodemos alcançar, a Mãe é a primeira prova deAmor com que nos deparamos a cada mergulhona matéria.
  4. 4. Em mundos mais adiantados não existe areprodução como a conhecemos, e talveznão exista por lá a figura materna. Paraeles pode parecer muito estranhomudarmos de plano por meio de outro ser.Mudamos do plano astral para o planofísico por intermédio de um ser que jáesteja no plano físico. Somos plantadosdentro deste ser e germinamos no seuventre. E no seu ventre crescemos, nosdesenvolvemos, damos forma ao nossocorpo físico utilizando os recursosmateriais que chegam até nós pela Mãe,este ser que nos abriga, sustenta e protege.
  5. 5. E quando inauguramos nosso diminutoinvólucro de carne na reencarnação que seinicia, contamos com a Mãe para nosnutrir, agasalhar, zelar, velar, desvelar.Contamos com o seu amor, mais do quecom o simples instinto ou senso deresponsabilidade.
  6. 6. A Mãe é quem nos recepciona e orienta nesteplano de que não temos lembrança quando aquichegamos. É quem nos passa as primeirasinformações de como a coisas funcionam poraqui. E se for uma Mãe como se espera queseja, vai nos lembrar valores que estãoadormecidos dentro de nós, e que precisam serreativados para que possamos utilizá-los. E vaiperceber e corrigir desvios de caráter de queainda não nos livramos, e que trazemos juntocom o resto de nossa bagagem milenar.
  7. 7. Estranho ser, este, chamado Mãe. Se apegatanto aos seres que reencarnaram por seuintermédio que nem sempre sabe quando éo momento de deixar que eles caminhemcom seus próprios pés, e que caiam de vezem quando para que aprendam a selevantar. Leva tão a sério o seu papel derecepcionista e instrutora do ser quebrotou dentro dela, que custa a perceber eaceitar que este ser já existia há muitotempo, que não pertence a ela, que é umser único, individual, um ser de ninguém.Filho de Deus, como todo mundo.
  8. 8. Quando eu era criança, aprendi na escolasobre a origem do Dia das Mães. Foi ainiciativa de uma moça que amava muito asua mãe e que sentiu muito a sua faltaquando ela desencarnou. Ficou deprimidamas teve ânimo de aceitar a ideia de suasamigas de homenagear a memória da suamãe com uma festa. Isso a empolgou, e elaachou que esta festa, esta homenagem,devia ser direcionada a todas as mães,encarnadas e desencarnadas. A ideia foi sedesenvolvendo como uma maneira de todasas crianças lembrarem e homenagearem assuas mães, valorizando os laços familiarese o amor e o respeito pelos pais. Iniciouuma campanha que durou uns três anos ese sagrou vitoriosa com a adoção de umdia dedicado às mães nos Estados Unidosda América
  9. 9. Muitos países aderiram àcomemoração, inclusive o Brasil,onde foi introduzida porintermédio da ACM de PortoAlegre. Logo a ideia simples edespretensiosa se tornou maisuma data comercial. Hoje, noBrasil, o Dia das Mães só perdepara o Natal em apelo comercial.
  10. 10. A literatura espírita é cheia de exemplos demães que zelam durante séculos por seus filhos,no astral. A obra de André Luiz traz exemplosmuito interessantes de mães bastante evoluídasespiritualmente que deixaram de desfrutar dosplanos a que teriam direito para não seafastarem daqueles a quem permanecemamando como filhos do seu coração.
  11. 11. A todas as mães, a todos os pais, tios,tias, padrinhos, madrinhas quedesenvolvem o amor e o papel de Mãe,nesta sociedade em que os papéis já nãosão estáticos como antes, feliz Dia dasMães!

×