SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 60
Baixar para ler offline
PORTUGUÊS: Ortografia oficial. Acentuação gráfica. Flexão nominal e verbal.
  Pronomes: emprego, formas de tratamento e colocação. Emprego de tempos e
  modos verbais. Vozes do verbo. Concordância nominal e verbal. Regência nominal e
  verbal. Ocorrência de crase. Pontuação. Redação (confronto e reconhecimento de
  frases corretas e incorretas). Intelecção de texto.

   1. ORTOGRAFIA OFICIAL

EMPREGO DE LETRAS
As letras S, J e Z mantêm-se nas palavras derivadas de outras em   camisa – camiseta
que elas aparecem                                                  laranja – laranjeira
                                                                   cruz – cruzar
O sufixo EZA (ou EZ) é usado em substantivos abstratos derivados   nobre – nobreza
de adjetivos.                                                      pálido – palidez
O sufixo ESA (ou ISA) é usado na formação de feminino.             barão – baronesa
                                                                   poeta – poetisa
Depois de EN usa-se X, e não CH.                                   enxoval, enxergar,
São exceções:                                                      enxuto
a) O verbo encher e derivados.
b) A palavra enchova (variante de anchova)
c) As palavras derivadas de outras grafadas com ch (enchumbar,
encharcar etc.)
Depois de ditongo usa-se S, X e Ç, e não Z, CH e SS.               coisa, lousa, pausa
São exceções:                                                      eixo, faixa, queixo
a) A palavra caucho e derivadas.                                   eleição, afeição,
b) Diminutivos com a consoante de ligação Z (papeizinhos,          rejeição
aneizinhos etc.)
Depois de ME usa-se X, e não CH.                                   mexer, mexerico,
São exceções mecha (de cabelo), mechar (derivado de mecha) e       mexilhão
mechoação.
O sufixo IZAR é usado em verbos derivados de nomes.                canalizar – de canal
Observações:                                                       concretizar – de
    a) Se já houver S no radical, essa letra se conserva. Ex.:     concreto
       pesquisar – de pesquisa ; analisar – de análise             suavizar – de suave
    b) Catequese dá origem a catequizar, com a redução do
       radical. Se a palavra fosse catequesar, seria,
       evidentemente, com s.
Escrevem-se com S os sufixos OSE e OSO.                            psicose, hematose,
                                                                   formoso, carinhoso
Os derivados do verbo TER formam palavras com Ç.                   deter – detenção
                                                                   reter – retenção
Grafam-se com SS as palavras derivadas de verbos terminados em     emitir – emissão
TIR, quando essa terminação desaparece.                            omitir – omissão
                                                                   Permitir – permissão
Palavras derivadas de verbos, quando mantêm a vogal temática       salvar – salvação
deles, grafam-se                                                   partir – partição
com Ç.
Palavra que se deriva de outra com T no radical grafa-se com Ç.    cantar – canção
                                                                   optar – opção
Quando o radical do verbo termina por ND, RG ou RT, suas           compreender –
derivadas se grafam com S.                                         compreensão
                                                                   aspergir – aspersão
                                                                   converter – conversão
                                                                   Ascender – ascensão
Quando o radical do verbo termina em CED, GRED, PRIM ou MET,       conceder – concessão
suas derivadas se grafam com SS.                                   regredir – regressão
                                                                   comprimir –
Cuidado! EXCEÇÃO é derivado de EXCETUAR – e não de EXCEDER         compressão
                                                                   remeter – remessa
Observações
a) Cuidado especial com as palavras derivadas que seguem.
tórax – torácico (e não toráxico)
fêmur – femoral (e não femural)
estender – extensão (e não estensão)
discreto – discrição (e não discreção)
b) Em português há muitas formas variantes legítimas, às vezes quase desconhecidas.
Veja algumas importantes.
aluguel ou aluguer - assobiar ou assoviar - bêbado ou bêbedo - cãibra ou câimbra -
champanha ou champanhe - chimpanzé ou chipanzé - quociente ou cociente - coisa ou cousa
- flauta ou frauta - flecha ou frecha - floco ou froco - germe ou gérmen - louro ou loiro -
marimbondo ou maribondo - neblina ou nebrina - percentagem ou porcentagem - quatorze ou
catorze - quota ou cota - quotidiano ou cotidiano - rastro ou rasto - registrar ou registar -
taberna ou taverna
c) Veja a grafia correta de determinadas palavras. Não se trata de formas variantes.
caramanchão e não carramanchão
disenteria e não desinteria
empecilho e não impecilho
estrambótico e não estrambólico
meteorologia e não metereologia
muçulmano e não mulçumano
privilégio e não previlégio

SEPARAÇÃO SILÁBICA – Curiosidades
Separam-se as letras r e s dos prefixos quando a palavra a que eles se ligam começa por
vogal.
Ex.: su-pe-ra-bun-dan-te, bi-sa-vô
Mas: su-per-mer-ca-do, bis-ne-to
Separa-se a letra b do prefixo sub quando a palavra a que ele se liga começa por vogal.
Ex.: su-ba-é-reo, su-bo-fi-ci-al
Mas: sub-se-ção, sub-te-nen-te
Na palavra sublinhar, sub está seguido da consoante l. Há uma tendência a pronunciar bl,
tendência essa que leva a pessoa a não separar o grupo, o que é errado, pois l é consoante.
Veja a separação: sub-li-nhar.
A palavra abrupto (e derivados) deveria ter hífen, pela regra ortográfica: ab-rupto. Se assim
fosse, o hífen se manteria na divisão silábica. Em virtude dessa anomalia, o falante passou a
pronunciar bru, o que leva a erro de divisão silábica. Veja a separação da palavra: ab-rup-to.
Sendo essa, na realidade, a pronúncia adequada.
Nos grupos do tipo ia, io, ua, uo etc. (primeiro o i ou o u), se um dos elementos vocálicos for
tônico, separa-se, pois se trata de hiato; caso contrário, temos ditongo, que é inseparável. É o
caso de secretária e secretaria.

PALAVRAS PRIMITIVAS
A palavra derivada costuma conservar a grafia da palavra primitiva
Quando a primitiva já apresenta a letra s ela é mantida na derivada
Ex.: pai – paizinho; país – paisinho
Descendente – verbo descender (ligação com verbo descer) – Ex.: Trajetório descendente
(que desce, decresce)
Exceções: estender – extensão, catequese – catequizar; dispêndio - despender
Normalmente se usa x após en                  Exceção: encher – primitiva: cheio
Ex.: enxuto, enxovalhar.                      encharcado – primitiva: charco
Discricionário                                Discricionariedade ou Discricionaridade
Sério                                         Seriedade
Solidário                                     Solidariedade
Sócio                                         Sociedade
Sóbrio                                        Sobriedade
Homogêneo                                     Homogeneidade
Corpóreo                                      Corporeidade
Idôneo                                        Idoneidade
Contemporâneo                                 Contemporaneidade
Instantâneo                                   Instantaneidade
Espontâneo                                    Espontaneidade
PARÔNIMOS
são palavras parecidas na grafia ou na pronúncia, mas com significados diferentes.
absolver (perdoar, inocentar)                  absorver (sorver, aspirar)
Aferir (medir)                                 Auferir (ganhar, obter)
arrear (pôr arreios)                           amar (descer, cair)
cavaleiro (que cavalga)                        cavalheiro (saudação)
comprimento (extensão)                         cumprimento (saudação)
descrição (ato de descrever)                   discrição (reserva, prudência)
descriminar (tirar a culpa, inocentar, retirar discriminar (segregar, separar, distinguir,
a criminalidade)                               discernir, distinguir)
despensa (onde se guardam mantimentos) dispensa (ato de dispensar)
emigrar (deixar um país)                       imigrar (entrar num país)
eminente (elevado)                             iminente (prestes a ocorrer)
esbaforido (ofegante, apressado)               espavorido (apavorado)
estada (permanência de pessoal)                estadia (permanência de veículos)
espectador (é o que vê ou testemunha           expectador (é o que está na expectativa)
certos atos (ou programas de televisão))
flagrante (evidente)                           fragrante (perfumado)
fusível (o que funde)                          fuzil (arma)
imergir (afundar)                              emergir (vir a tona)
inflação (alta de preços)                      infração (violação)
infligir (aplicar pena)                        infringir (violar, desrespeitar)
mandado (ordem judicial)                       mandato (procuração)
Ratificar (confirmar)                          Retificar (corrigir)
recrear (divertir, alegrar)                    recriar (criar novamente)
sortir (abastecer)                             surtir (produzir efeito)
tráfego (trânsito)                             tráfico (comércio ilegal)
vadear (atravessar a vau)                      vadiar (andar ociosamente)
vultoso (volumoso)                             vultuoso (atacado de congestão na face)

HOMÔNIMOS
são palavras que têm a mesma pronúncia, mas significados diferentes.
acender (pôr fogo)                          ascender (subir
acento (símbolo gráfico)                    assento (lugar onde se senta)
apreçar (ajustar o preço)                   apressar (tornar rápido)
bucho (estômago)                            buxo (arbusto)
caçar (capturar animal)                     cassar (tornar sem efeito)
cela (pequeno quarto)                       sela (arreio)
censo (recenseamento)                       senso (entendimento, juízo)
cerrar (fechar)                             serrar (cortar)
chá (bebida)                                xá (antigo soberano do irã)
cheque (ordem de pagamento)                 xeque (lance de jogo de xadrez)
concertar (ajustar, combinar)               consertar (corrigir, reparar)
Contenção (Ato de Contender (lutar, brigar, Contensão (esforço ou tensão consideráveis)
...) ou ato ou efeito de conter (com mais
esforço para conter despesas
improdutivas)
coser (costurar)                            cozer (preparar alimentos)
esperto (inteligente, perspicaz)            experto (experiente, perito)
estrato (camada)                            extrato (o que se extrai de )
incerto (impreciso)                         inserto (introduzido, inserido)
incipiente (principiante)                   insipiente (ignorante)
ruço (pardacento, grisalho)                 russo (natural da rússia)
são (sadio, adjetivo)                       são (verbo, ser)
tachar (atribuir defeito a)                 taxar (fixar taxa)
EMPREGO DE CERTAS PALAVRAS
PORQUE   Usado em motivos, causas e explicações.       Pafúncia não foi à aula porque
         (= pois)                                      estava doente.
         Obs.: Trata-se da conjunção subordinativa     Acertou todas as questões porque é
         causal (primeiro exemplo) ou da               muito inteligente. (Acertou todas as
         conjunção coordenativa explicativa            questões pois é muito inteligente)
         (segundo exemplo).
         = PARA QUE                                    Procurou ajuda porque o vizinho fosse
         Obs.: Trata-se da conjunção subordinativa     salvo. (Procurou ajuda para que o
         final, pouco usada hoje em dia.               vizinho fosse salvo)
PORQUÊ   Geralmente precedido de artigo,               Não sei o porquê de ela não ter ido à
         pronome, etc...                               aula.
         Obs.: Trata-se de um substantivo.
POR QUÊ = POR QUE RAZÃO (final de frase ou             Ela não foi à aula por quê?
         oração).
POR QUE Equivalente a pelo(s) qual(is), pela(s)        Esta é a estrada por que passam
         qual(is), por qual.                           cinco mil carros todos os dias.
         Obs.: Trata-se do pronome relativo que        A causa por que lutávamos era justa.
         antecedido pela preposição por, que o         (A causa pela qual lutávamos era
         verbo exige.                                  justa)
         Equivalente a por que motivo, por que         Quero saber por que Pafúncia não foi
         razão. No início ou meio da frase             à aula.
         Obs.: Trata-se de um advérbio                 Não sei por que a casa está suja.
         interrogativo de causa.                       (Não sei por que motivo a casa está
                                                       suja)
           Quando a oração começada pelo que           Ansiava por que todos se
           pode ser substituída por isto.              entendessem. (Ansiava por isto)
           Obs.: Trata-se da conjunção integrante
           que antecedida pela preposição por,
           exigida pelo verbo da primeira oração.
A fim de   Com vontade
Afim       Afinidade, grau de parentesco
Cerca de   aproximadamente
Há cerca   indicação de tempo decorrido  “há          Não o vejo há cerca de (há
de         aproximadamente”, sendo esse há o           aproximadamente) dois meses.
           verbo haver indicando tempo ou              Aqui há cerca de (há/existem
           significando existir.                       aproximadamente) cem pessoas.
A cerca    a preposição “a” precede a expressão        O homem ficou a cerca de (a
de         por indicar distância, ou tempo futuro      aproximadamente) duzentos metros.
           aproximado  “a aproximadamente”
acerca     “Sobre”, “a respeito de”, “relativamente”    Não conversavam acerca (a respeito)
de                                                      de religião.
“Eles saíram de casa há cerca de (tempo) uma hora em direção à fazenda que fica a cerca
de (distância) 30 km de São Paulo. Tenho minhas dúvidas acerca do (sobre) tempo que
levarão para chegar lá, já que a estrada está em péssimas condições.”
Tampouc Equivale a “também não”.                        Não canta, tampouco (também não)
o                                                       faz poesia.
tão          Trata-se do advérbio tão mais o            Estudou tão pouco que nada
pouco        advérbio ou pronome pouco.                 aprendeu.
                                                        Ganhou tão pouco dinheiro que
                                                        acabou desistindo.
Mau          O contrário de bom.                        Era um mau negócio. (Era um bom
                                                        negócio)
Mal          Em todos os outros casos:                - Ele canta mal. (Ele canta bem)
                 - Antônimo de bem.                   - Mal (Assim que) começou a chuva,
                 - Sinônimo de assim que                eles entraram.
                 - Sinônimo de quase não.             - Está tão fraco que mal (quase não)
                                                        dá para ficar em pé.
Mais            -   Antônimo de menos.            -        Tem mais (menos) recursos que
                -   Sentido aproximado de jamais.          você.
                                                  -        Não quero mais (jamais) falar sobre
                                                           isso.
Mas             -   Sinônimo de porém.                 -   Foi à cidade, mas (porém) não
                -   Na correlação não       só...mas       resolveu o problema.
                    também = e.                        -   Não só trabalha, mas também se
                                                           diverte. (Trabalha e se diverte).
Más             -   Antônimo de boas.                  -   Não     andava     em     más   (boas)
                                                           companhias.
Sob             -   Embaixo de                         -   O cachorro ficou sob a mesa.
                -   Na dependência de autoridade       -   Estávamos       sob    uma     terrível
                -   De acordo com                          ditadura.
                -   A partir de                        -   Só usa roupas sob medida.
                -   Envolvido, influenciado            -   Analisei o caso sob novo ângulo.
                -   Durante                            -   Vivia sob grande tensão.
                                                       -   Tudo se passou sob o governo de D.
                                                           Pedro II.
Sobre           -   Acima de                           -   A escova estava sobre uma cadeira.
                -   A respeito de                      -   Naquela época, não se conversava
                -   De encontro a                          sobre política.
                -   Além de                            -   A luz incidiu sobre a parede.
                -   Por causa de                       -   Já estava sobre os cinqüenta anos.
                -   Em relação de dominância           -   Orgulhava-se sobre sua vida de
                -   Após                                   conquistas.
                                                           Exerce influência benigna sobre os
                                                           jovens.
                                                           Subiu a escadaria degrau sobre
                                                           degrau.
Há              -   É o verbo haver.                   -   Há pessoas na sala. (existem)
                -   Idéia de existir                   -   Ele saiu há pouco. (faz; idéia de
                -   Idéia de tempo decorrido – faz         tempo decorrido)
A               -   Como       preposição,   costuma   -   Daqui a pouco, sairei. (não equivale
                    confundir-se com o verbo haver         a faz; é idéia de futuro)
                    (há)
À               -   Fusão da preposição a com outro    - Irei à feira. (Irei a a feira)
                    a (artigo ou pronome).

ARTIGO “a” X PREPOSIÇÃO ”a”
O artigo sempre acompanha o substantivo. O artigo feminino “A” só pode existir, portanto,
antes de um substantivo feminino singular (expresso ou elíptico). Em todos os demais casos,
o A será preposição:
Entreguei A carta A ela, que se pôs A chorar.

CONSOANTES MUDAS
CUIDADO! com algumas palavras especiais:
   - AFICIONADO (tem apenas um “c” – formalmente, não existe “aficcionado”)
   - ABRUPTO , OPTAR (cuidado na conjugação do verbo, em que a letra “p” é muda – eu
      opto, tu optas...)
   - Outras (e suas derivadas) facultam a colocação da letra muda – CONTA(C)TO,
      INFE(C)ÇÃO, CORRU(P)ÇÃO,
   - A(C)CESSÍVEL (com o “c” dobrado, pronuncia-se <cs>), como o “x” de táxi).
   - Outra palavra perigosa é “CARÁTER”. O plural correspondente busca em sua origem
      latina a grafia CARACTERES (“Aquele rapaz é um mau caráter. Aqueles rapazes são
      uns maus caracteres”).

TREMA – NOVA ORTOGRAFIA
Não se usa mais trema quando o u for pronunciado, exceto em palavras estrageiras, por
exemplo, Müller

HIFEN – NOVA ORTOGRAFIA
COM HIFEN – palavras que iniciam       Anti-higiênico, anti-horário, mini-hotel, sobre-humano,
com h                                  super-homem, ultra-humano
COM HIFEN – terminado por vogal        Contra-ataque, re-escrever, anti-inflamatório, semi-
+ vogal igual                          integral, micro-ondas, auto-observação, extra-abdominal
SEM HIFEN – terminado por vogal        Autoestrada, agroindustrial, anteontem, extraoficial,
+ vogal diferente                      coautor, infraestrutura, semianalfabeto
SEM HIFEN –terminado em vogal          Antessala, contrassenso, minissaia, ultrassom,
+ S ou R, duplica-se a consoante       antissocial, antirracista, antirrugas, sobressaia,
                                       contrarregras
COM HIFEN – terminado com              Inter-racial, hiper-resistente, super-romântico, sub-
consoante + mesma consoante            bibliotecário
SEM HIFEN – nos demais casos           Hipermercado, intermunicipal, superinteressante
COM HIFEN – prefixo, CIRCUM ou         Circum-adjacente, circum-navegação, pan-americano,
PAN + vogal M, N                       pan-europeu
SEM HIFEN – terminado por              Hiperativo, interescolar, hipereconômico,
consoante + vogal                      supereconômico, superaquecimento, interação
COM HIFEN – palavras com               Sem-terra, recém,nascido, sem-vergonha, pré-datado,
pseudo prefixos  RECÉM, ALÉM,         pós-graduado, ex-presidente, recém-casados, pré-
AQUÉM, SEM, PÓS, PRÉ, EX, VICE         vestibular
SEM HIFEN – quando não se tem a        Madressilva, girassol, mandachuva, paraquedas,
noção de que a palavra é               paravento
composta
COM HIFEN – para ligar                 Ponte Rio-Niterói, Eixo Rio-São Paulo, Relação Professor-
encadeamentos vocabulares              aluno, Distância Porto Alegre-Brasília
COM HIFEN – advérbio NÃO +             Não-comparecimento, não-presença, não-pagamento
substantivo, (quando for igual a
IN)
COM HIFEN – BEM ou MAL + Vogal Bem-estar, bem-aventurado, bem-humorado, mal-estar,
ou h                                   mal-aventurado, mal-humorado
Para clareza, se no final da linha a partição de uma palavra ou combinação de palavras
coincidir com o hífen, ele deve ser repetido na linha seguinte.

   2. ACENTUAÇÃO GRÁFICA

Monossílabas    Terminadas em a(s), e(s), o(s)         Cá, pé, pó, rés, pás
Oxítonas        Terminadas em a(s), e(s), o(s) em      Café, refém, reféns, sabiá
                (ens)
Paroxítonas     Não terminadas em a(s), e(s), o(s)     Hífen, hifens, biquíni, fácil, fênix
                em (ens)
                Terminadas em Ditongo                  Glória, indivíduos, sábia, concordância
                Crescente
Proparoxíton    Todas são acentuadas                   Fósforo, matemática
as
Hiato             “i” e “u” sozinhos ou com s, não    Piauí, raízes, juízes, fluído (verbo fluir),
                  seguido de nh. (VER EXCEÇÃO NA fluido
                  NOVA ORT)
OBS.: Segundo o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (V.O.L.P.), que tem força de
lei no Brasil, a acentuação dos ditongos é classificada na regra dos proparoxítonos (sé-ri-e /
vi-tó-ri-a) e os monossílabos são classificados na mesma regra dos oxítonos.

NOVA ORTOGRAFIA – ACENTUAÇÃO
Não se usa mais o acento dos ditongos abertos éi e ói       Estreio, geleia, heroico, ideia,
das palavras paroxítonas (palavras que têm acento           jiboia, joia, odisseia
tônico na penúltima sílaba).
Atenção: essa regra é válida somente para palavras paroxítonas. Assim, continuam a ser
acentuadas as palavras oxítonas e os monossílabos tônicos terminados em éis e ói(s).
Exemplos: papéis, herói, heróis, dói (verbo doer), sóis etc.
Nas palavras paroxítonas, não se usa mais o acento no Baiuca, bocaiuva, cauila, feiura
i e no u tônicos quando vierem depois de um ditongo
decrescente.
Atenção:
1) se a palavra for oxítona e o i ou o u estiverem em posição final (ou seguidos de s), o
acento permanece. Exemplos: tuiuiú, tuiuiús, Piauí;
2) se o i ou o u forem precedidos de ditongo crescente, o acento permanece. Exemplos:
guaíba, Guaíra.
Não se usa mais o acento das        Abençoo, (verbo crer) creem, (verbo dar) deem, (verbo
palavras terminadas em êem e doar) dôo, enjoo, (verbo ler) leem
ôo(s).
Não se usa mais o acento            pára/para, péla(s)/ pela(s), pêlo(s)/pelo(s), pólo(s)/polo(s) e
diferencial nas seguintes           pêra/pera.
palavras:
Atenção!
• Permanece o acento diferencial em pôde/pode. Pôde é a forma do passado do verbo poder
(pretérito perfeito do indicativo), na 3.ª pessoa do singular. Pode é a forma do presente do
indicativo, na 3.ª pessoa do singular.
Exemplo: Ontem, ele não pôde sair mais cedo, mas hoje ele pode.
• Permanece o acento diferencial em pôr/por. Pôr é verbo. Por é preposição.
Exemplo: Vou pôr o livro na estante que foi feita por mim.
• Permanecem os acentos que diferenciam o singular do plural dos verbos
ter e vir, assim como de seus derivados (manter, deter, reter, conter, convir, intervir, advir
etc.).
Exemplos: Ele tem dois carros. / Eles têm dois carros.
Ele vem de Sorocaba. / Eles vêm de Sorocaba.
Ele mantém a palavra. / Eles mantêm a palavra.
Ele convém aos estudantes. / Eles convêm aos estudantes.
Ele detém o poder. / Eles detêm o poder.
Ele intervém em todas as aulas. / Eles intervêm em todas as aulas.
• É facultativo o uso do acento circunflexo para diferenciar as palavras forma/ fôrma. Em
alguns casos, o uso do
acento deixa a frase mais clara. Veja este exemplo: Qual é a forma da fôrma do bolo?
5. Não se usa mais o acento agudo no u tônico das formas (tu) arguis, (ele) argui, (eles)
arguem, do presente do indicativo do verbo arguir. O mesmo vale para o seu composto
redarguir.
6. Há uma variação na pronúncia dos verbos terminados em guar, quar e quir, como aguar,
averiguar, apaziguar, desaguar, enxaguar, obliquar, delinquir etc. Esses verbos admitem
duas pronúncias em algumas formas do presente do indicativo, do presente do subjuntivo e
também do imperativo.
Veja:
a) se forem pronunciadas com a ou i tônicos, essas formas devem ser acentuadas. Exemplos
• verbo enxaguar: enxáguo, enxáguas, enxágua, enxáguam; enxágue, enxágues, enxáguem.
• verbo delinquir: delínquo, delínques, delínque, delínquem; delínqua, delínquas, delínquam.
b) se forem pronunciadas com u tônico, essas formas deixam de ser acentuadas.
Exemplos (a vogal sublinhada é tônica, isto é, deve ser pronunciada mais fortemente que as
outras):
• verbo enxaguar: enxaguo, enxaguas, enxagua, enxaguam; enxague, enxagues, enxaguem.
• verbo delinquir: delinquo, delinques, delinque, delinquem; delinqua, delinquas, delinquam.
Atenção: no Brasil, a pronúncia mais corrente é a primeira, aquela com a e i tônicos.

CLASSES DE PALAVRAS E SEU EMPREGO
CLASSES DE PALAVRAS
Palavras variáveis (tem flexão)                 Palavras invariáveis (não têm flexão)
substantivos                                    Advérbios
adjetivos                                       Preposições
artigos                                         Conjunções
verbos                                          interjeições
pronomes
numerais
1) Classes básicas: substantivo e verbo.
2) Classes dependentes:
    - do substantivo: artigo, pronome adjetivo, numeral e adjetivo.
    - do verbo: advérbio.
3) Palavras de ligação: preposição (ligam palavras) e conjunção (ligam orações)
4) Interjeição
SUBSTANTIVOS
Definição tradicional (e suas falhas):
Tradicionalmente, o substantivo é definido como vocábulo que designa os seres (pessoas,
animais ou coisas): TIJOLO, FLORESTA, PINGÜIM, etc. Contudo, também pode designar
QUALIDADE (honradez, lealdade) ou AÇÕES (subtração, viagem, assessoramento). Ora, isso
leva muitos alunos a confundirem esses substantivos de qualidades com o ADJETIVO
(“palavra que exprime qualidade”) e os de ação com os VERBOS (“palavra que designa
ação”). Nesse caso, você deverá ficar atento para as características que vamos examinar no
quadro a seguir.
Características Flexionais:
    a) flexionam-se em gênero e número: PROFESSOR/ PROFESSORA ; PROFESSORES/
       PROFESSORAS
    b) flexionam-se apenas em número: CASA/ CASAS ; ANIMAL/ ANIMAIS
    c) apresentam uma única forma (muito raros): PIRES – LÁPIS – ALFERES – ÓCULOS

ADJETIVO
FUNÇÃO: Todo adjetivo exprime uma qualidade ATRIBUÍVEL a um SUBSTANTIVO: pacote
PESADO, besouro VERDE, gado GORDO, voz TERRÍVEL, etc.
POSIÇÃO: Por isso mesmo, sua posição habitual (mas não obrigatória) é À DIREITA DE UM
SUBSTANTIVO.
Características Flexionais
O adjetivo é obrigado a concordar em gênero (masc. ou fem.) e número (sing. ou plural) com
o substantivo a que se refere.
(a) adjetivos quadriformes (marcam o gênero e o número)
livro MODERNO - livros MODERNOS ; obra MODERNA - obras MODERNAS
(b) adjetivos biformes (só marcam o número)
olhar / voz } DOCE - olhares / vozes } DOCES
(c) adjetivos uniformes
problema / problemas } SIMPLES ; questão / questões } SIMPLES
Características Morfológicas
Se examinarmos os advérbios em – MENTE, veremos que todos eles são formados com a
seguinte fórmula:
ADJETIVOS + MENTE
Estranha
Solene          + MENTE
Fraternal
Bela
Esse fato pode ser útil como uma forma de testagem, nos casos em que houver dúvida se um
vocábulo é adjetivo ou substantivo. Experimente.
LOCUÇÃO ADJETIVA
Grupo de palavras com valor de um adjetivo.
Ex.: dia de festa = festivo - amor de mãe = materno - água da chuva = pluvial -
formato de círculo = circular
PALAVRA DE VALOR ADJETIVO
Não é adjetivo, classe gramatical. Ter valor adjetivo é, simplesmente, acompanhar
substantivo.
Ex.: O animal. Meu livro. Segunda prestação. Bom menino.
As quatro palavras destacadas têm valor adjetivo, porque acompanham substantivos. Porém
só bom é adjetivo. As outras são, respectivamente, artigo, pronome, numeral.

Vocábulos substantivados
Um importante mecanismo em nossa língua é a possibilidade de transformar em substantivo
qualquer vocábulo das outras nove classes:

Adjetivo: Um estudioso em assuntos estratégicos.
Numeral: Neste baralho faltam os noves.
Verbo: No romper da aurora.
Pronome: O que queres dizer com este nós?
Advérbio: O que nos reserva o amanhã?

E assim por diante. Essa substantivação é assinalada por vocábulos especiais, que
             costumam ficar à esquerda de um substantivo:
Vocábulos Substantivadores
1 – os artigos: o, um.
2 – os numerais: dois, três,...
3 – os pronomes possessivos: meu, teu, seu,...
4 – alguns pronomes demonstrativos: este, esse, aquele.
5 – alguns pronomes indefinidos: todo, outro, cada, muito.


PRONOMES
Pronomes   são os que, sozinhos, podem representar funções sintáticas desempenhadas
           pelos substantivos (sujeito, objeto, etc.). Ele tem as mesmas funções
           sintáticas do substantivo.
                - Alguém chamou. Nada aconteceu. Já descobri tudo.
Pronomes   São os que não podem ser empregados sozinhos; sempre deverão
           acompanhar um substantivo, com o qual, muitas vezes, concordam em gênero
           e número.
           Ele é sempre um adjunto adnominal, como se vê na análise sintática.
                - Esta casa. Outros alunos. Muita gente. Quaisquer pessoas
Pronomes   I) Retos: os que atuam como sujeito ou, mais raramente, predicativo (eu, tu,
           ele, ela, nós, vós, eles, elas). Ex.: Ele fez a prova.
São sempre Obs.: Somente eu e tu são sempre retos. Os outros podem ser retos ou
           oblíquos.
           II) Oblíquos: os que atuam como objetos ou adjuntos. Podem ser:
                 átonos: os que não são precedidos de preposição (me, te, o, a, lhe, nos
                    e vos);
                 tônicos: os precedidos de preposição (mim, comigo, ti, contigo, ele, ela,
                    nós, conosco, vós, convosco).
                 reflexivos: os que indicam que o sujeito pratica e sofre a ação verbal
                    (me, te, se, si, consigo, nos e vos). Se, si e consigo são sempre
                    reflexivos; os outros podem ser simples pronomes átonos.
                - Ela conversou com a colega. (pronome pessoal reto)
                - Falei com ela sobre isso. (pronome pessoal oblíquo tônico)
                - Disseram-me a verdade. (pronome pessoal oblíquo átono)
                - Eu me machuquei. (pronome pessoal oblíquo reflexivo)

Pronomes       III) De tratamento: são pronomes especiais usados no relacionamento social,
               de acordo com as circunstâncias e necessidades. Eis os mais importantes:
São sempre     Vossa Alteza (V.A) − para príncipes, duques e arquiduques.
pronomes       Vossa Eminência (V.Emª) − para cardeais.
substantivos   Vossa Excelência (V.Exª) − para autoridades do governo; altas patentes
               militares; bispos e arcebispos.
               Vossa Magnificência (V.Magª) − para reitores de universidades.
               Vossa Majestade (V.M.) − para reis.
               Vossa Santidade (V.S.) − para os papas
               Vossa Senhoria (V.Sª) − para oficiais até coronel; funcionários graduados; na
               linguagem comercial.

Observações
a) Às vezes, aparece Sua, no lugar de Vossa. Com Sua, a referência é a alguém de quem se
está falando; com Vossa, à própria pessoa com quem se fala.
Ex.: Sua Excelência, o prefeito, estará presente.
Vossa Excelência tem uma reunião marcada para amanhã.
b) O pronome oblíquo o (e flexões) pode sofrer alterações gráficas e fonéticas. Isso ocorre em
duas situações:
I) Quando o verbo termina em r, s ou z: o pronome passa a lo, com a queda dessas letras.
Ex.: vender + o = vendê-lo - amemos + o = amemo-lo - fiz + o = fi-lo
II) Quando o verbo termina em m ou ditongo nasal: o pronome passa a no. Ex.: alugaram +
o = alugaram-no - dão + o = dão-no
Pronomes      meu, teu, seu, nosso, vosso, minha, tua, sua, nossa, vossa (mais a flexão de
possessivos   plural: meus, minhas etc.). São sempre pronomes possessivos, com exceção
              de nossa, que pode aparecer como interjeição: nossa! Vossa e sua podem
              também fazer parte de pronomes de tratamento: Vossa Senhoria, Sua
              Excelência.
                   - Meu amigo está confiante.
                   - Encontrei nossa mãe no supermercado.
Pronomes      este, esse, aquele, esta, essa, aquela (e as formas do plural). Além desses,
demonstrati que são os tradicionais, podem ser demonstrativos o, a, tal, semelhante,
vos           mesmo e próprio.
                   - O que falei estava correto. (aquilo)
                   - Tal idéia me desagrada. (essa)
                   - Não entendi semelhante proposta (esta)
              Obs.: Podem ser considerados demonstrativos os pronomes mesmo e
              próprio que aparecem em frases do tipo “Ela mesma fez a comida” e “Ela fez
              a mesma comida”.
Pronomes      I) Variáveis: algum, nenhum, muito, pouco, todo, certo, bastante etc.
indefinidos        - Algum dia lhe contarei.
                   - Tive muitas oportunidades.
              Obs.: Na parte dos advérbios, veremos que várias palavras, como muito e
              bastante, podem ser advérbios de intensidade ou pronomes indefinidos,
              dependendo da frase.
              II) Invariáveis: alguém, ninguém, tudo, nada, outrem, cada etc.
                   - Encontrei alguém naquela casa.
              Tudo já foi esquecido.
Pronomes      Fundamentais para quem faz concursos públicos. São pronomes que têm um
Relativos     antecedente (normalmente substantivo ou pronome substantivo), que eles
              substituem em sua oração.
              I) São sempre relativos: o qual (e flexões) e cujo (e flexões).
                   - Meu pai, o qual me ensinou muito, é meu grande amigo.
                   - O livro cujo autor conheci ontem está esgotado.
              II) Podem ser relativos (quando equivalem a o qual e flexões): que, quem,
              onde, como,
              quando e quanto.
                   - Perdi o caderno que me deste. (o qual me deste)
                   - A rua onde nos conhecemos é arborizada. (na qual nos conhecemos)
                   - A pessoa a quem pedi ajuda seguiu adiante.(à qual pedi ajuda)
              Obs.: No terceiro exemplo, aparece, antes do quem, a preposição a, exigida
              pelo verbo pedi. É um problema de regência, o qual estudaremos na lição
              correspondente.
Pronomes      quem?, que? (ou o que?), qual?, quanto?
                   - Qual foi o resultado?
                   - Não sei qual foi o resultado.
              Na primeira frase, temos uma interrogação direta (com o ponto de
              interrogação presente); na segunda, uma interrogação indireta. Note que o
              qual é o mesmo, apenas, na segunda, apareceu antes dele um verbo, o que
              tornou a frase uma afirmação. Nas duas situações, qual é considerado
              pronome interrogativo.
Locução pronominal
Duas ou mais palavras com valor de pronome.
   - Cada um fará sua parte.
   - Pedirei a cada qual uma opinião.
Nos dois exemplos, temos locuções pronominais indefinidas.

ADVÉRBIO
O advérbio é um modificador do verbo, exprimindo circunstâncias em que a ação ocorre
(tempo, lugar, modo, etc.). Ex.: Ele escreveu ONTEM. - Deixei o livro AQUI.
Os advérbios de intensidade podem, também, reforçar o sentido de um adjetivo ou mesmo de
um outro advérbio.
O vento era MUITO forte. - Ele nada MUITO bem.
De tempo      ontem, hoje, amanhã, antes, logo, depois, agora, cedo, tarde, outrora, etc.
De lugar      aqui, ali, lá, longe, perto, distante, além, atrás, fora, etc.
De            muito, pouco, bastante, mais, menos, demais, etc
        int
        ens
        ida
        de
De            sim, certamente, realmente, deveras, etc.
afirmação
De            não, nunca, jamais.
negação
De dúvida     talvez, quiçá, provavelmente, acaso, etc.
De modo       bem, mal, devagar, depressa e muitos outros com o sufixo – mente:
              educadamente, raramente, brevemente, etc.

ADVÉRBIOS INTERROGATIVOS
De lugar: onde?          Onde está o material? Ignoro onde está o material.
De tempo: quando?        Quando virá o cientista? Não sei quando virá o cientista.
De modo: como?           Como aconteceu o acidente? Desconhecemos como aconteceu o
                         acidente.
De preço ou valor:       Quanto custa o aparelho? Não me disseram quanto custa o
quanto?                  aparelho.
De causa: por que?       Por que ele faltou? Explique-me por que ele faltou.
Observações
a) Nos quatro exemplos, aparecem interrogações diretas e indiretas. Veja o que foi dito no
item “pronomes interrogativos”.
b) Por que, na realidade, é uma locução adverbial de causa.

LOCUÇÃO ADVERBIAL
Duas ou mais palavras com valor de um advérbio. Os sete advérbios estudados podem vir em
forma de locução.
    - Estudaram à noite. (locução adverbial de tempo)
    - Ficaram atrás da porta. (locução adverbial de lugar)
Mas existem locuções que nunca se expressam por um único advérbio. Vejamos as mais
importantes.
De causa                                                Tremia de frio
De meio                                                 Iremos de navio.
De instrumento                                          Cortou-se com a lâmina.
De condição                                             As feras não vivem sem carne.
De concessão                                            Foi à praia apesar do temporal.
Obs.: Ocorre quando há uma oposição em relação ao
verbo. Não se vai, normalmente, à praia em dia de
temporal.
De conformidade                                         Agiu conforme a situação.
Ex.: Ocorre quando há uma idéia de acordo.
De assunto                                              Conversaram sobre a situação.
De fim ou finalidade                                    Sempre viveu para o estudo.
De companhia                                            Saiu com o pai.
Observações
a) Muito, pouco, bastante, tanto, mais, menos e outros podem ser advérbios de
intensidade ou pronomes indefinidos.
I) São advérbios quando modificam um verbo, um adjetivo ou outro advérbio.
     - Eles falavam bastante.
II) São pronome indefinidos quando acompanham substantivos.
     - Tenho bastantes livros.
     - Recebi muito apoio.
     - Ganhei mais revistas do que ele.
As palavras bastantes, muito e mais são pronomes adjetivos indefinidos, porque
acompanham os substantivos livros, apoio e revistas.
b) A palavra bem pode ser advérbio de intensidade ou de modo.
     - Ele fala bem. (advérbio de modo)
     - Ele está bem cansado. (advérbio de intensidade)
c) As palavras derivadas terminadas em mente são sempre advérbios.
     - Antigamente se lia menos. (advérbio de tempo)
     - Andavam tranqüilamente pela praia. (advérbio de modo)
     - Irei certamente à noite. (advérbio de afirmação)
d) Nunca e jamais são advérbios de tempo.
Ex.: Jamais farei isso. (Em momento algum farei isso.)

ADJETIVOS X ADVÉRBIOS
É comum usarmos o adjetivo MASCULINO como um advérbio. Ex.: Ele fala ALTO. - Ele chuta
FORTE.
É fácil distingui-lo do verdadeiro adjetivo, se você recordar sempre este princípio:
- ADJETIVOS SÃO PALAVRAS VARIÁVEIS
- ADVÉRBIOS SÃO PALAVRAS INVARIÁVEIS
Flexionando as demais palavras da frase, você vai poder verificar se o termo é ou não
adjetivo:
- Ele fala ALTO. Eles falam ALTO. } ADVÉRBIO
- Ele é ALTO. Eles são ALTOS. } ADJETIVO

VERBO - Palavra que exprime ação, estado ou fenômeno e admite flexão de tempo, modo,
pessoa, número e voz.
Ex.: andar: ando, andei, andassem; ser: sou, era, fomos; chover: chovia, chovera, choverá
Classific Regular: o que não sofre alteração no         cantar − radical: cant
ação                    radical e nas terminações.      canto, cantas, canta; cantei, cantaste,
                                                        cantou
            Irregular o que sofre alterações.           dizer − radical: diz
                                                        digo, dizes, diz; disse, disseste, disse
            Principal o mais importante da locução Estou trabalhando
                        verbal; é sempre o último do    Quero trabalhar.
                        grupo
            Auxiliar o que ajuda o principal a ser      Temos estudado.
                        conjugado; é sempre o           Quero sair.
                        primeiro
            Defectiv o que não se conjuga em todas as pessoas, tempos ou modos.
            o           Veja, a seguir, alguns verbos defectivos importantes para concursos.
            abolir, colorir, banir, extorquir, demolir: Pres. ind.: aboles, abole, abolimos,
            não possuem a 1ª p.s. do presente do        abolis, abolem
            indicativo; não se conjugam no presente Pres. subj.: não há
            do subjuntivo.                              Obs.: São completos em todas as
                                                        formas do passado e do futuro.
            reaver, precaver-se, falir, remir,          Pres. ind.: reavemos, reaveis
            adequar: só possuem a 1ª e a 2ª             Pres. subj.: não há
            pessoas do plural do presente do            Obs.: São completos em todas as
            indicativo; não se conjugam no presente formas do passado e do futuro.
            do subjuntivo.
            acontecer, ocorrer, doer, prazer: só        dói, doem; doía, doíam; doesse,
            possuem a 3ª pessoa, tanto do singular doessem; doa, doam
            como do
            plural, em todos os tempos, inclusive no
            presente do subjuntivo.
Abundan o que possui duas ou mais formas equivalente, quase sempre no
           te           particípio.
                        São abundantes:
           a) No particípio                           b) No presente do indicativo
           acender − acendido e aceso                 haver − havemos (ou hemos), haveis
           fritar − fritado e frito                   (ou heis)
           expulsar − expulsado e expulso             construir (e destruir) − construis (ou
           matar − matado e morto                     constróis), construi (ou constrói),
           pagar – pagado e pago                      construem (ou constroem)
           aceitar − aceitado, aceito e aceite        entupir (e desentupir) − entupes (ou
           ganhar − ganhado e ganho                   entopes), entupe (ou entope), entupem
                                                      (ou entopem)
           Anômalo verbo formado por mais de          ser: sou, és, fui
                        um radical; só há dois verbos ir: vou, fui
                        anômalos: ser e
                        ir.

Formas nominais
São o infinitivo, o gerúndio e o particípio. Recebem esse nome porque equivalem, em certas
circunstâncias, respectivamente, ao substantivo, ao advérbio e ao adjetivo.
Ex.: Formas nominais de cantar:
infinitivo − cantar
gerúndio − cantando
particípio − cantado
Formas rizotônica e arrizotônica
1) Rizotônica: quando a vogal tônica está no radical.
Ex.: choro, precisas, gritam
2) Arrizotônica: quando a vogal tônica está fora do radical.
Ex.: lutamos, chegassem, corrermos

Conjugações
São três as conjugações, dependendo da vogal do infinitivo, chamada temática.
1) Primeira conjugação: quando a vogal temática é a. -- Ex.: louvar
2) Segunda conjugação: quando a vogal temática é e. -- Ex.: chover
3) Terceira conjugação: quando a vogal temática é i. -- Ex.: sorrir
Obs.: O verbo pôr (e derivados) pertence á segunda conjugação, mas sua vogal temática não
aparece no infinitivo; apresenta-se, como ocorre com todos os verbos, durante sua
conjugação. Ex.: pões, pusesse, puser

PREPOSIÇÃO
É a palavra que liga duas outras na frase.
Ex.: Preciso de ajuda.
Preposições simples ou essenciais
a, ante, após, até, com, contra, de, desde, em, entre, para, perante, por, sem, sob, sobre e
trás.
    - Ele foi até a fonte. Ficamos em Petrópolis. Estava sob o balcão.
Observações
a) A palavra a pode ser várias coisas.
    - A camisa está limpa. (artigo definido)
    - Deixei-a ali. (pronome pessoal oblíquo átono)
    - A que ele fez é bem melhor. (pronome demonstrativo)
    - Referiu-se a ela. (preposição)
b) Trás parece em raras expressões.
    - Ano trás ano, continuava confiante.
c) Algumas preposições podem se unir a outras palavras, constituindo combinações ou
contrações.
    - Morava na casa da frente. ( na − preposição em + artigo definido a.) (da −
        preposição de + artigo definido a.)
    - Esqueceu-se do que fora fazer ali. ( do − preposição de mais pronome demonstrativo
        o.)
    - Donde vens? (donde − preposição de mais advérbio onde.)
- Naquela tarde, tudo estava calmo. (naquela − preposição em mais pronome demonstrativo
aquela.)
d) Algumas preposições podem introduzir orações reduzidas, que são aquelas que não
apresentam conjunção e têm o verbo numa forma nominal.
    - Apresentou-se para trabalhar.
    - Estava certo de ser aprovado.

Preposições acidentais
Palavras de outras classes que, em situações especiais, funcionam como preposições.
    - Tenho que sair.
Outras preposições acidentais: durante, conforme, segundo, como, salvo, fora etc.
Locuções prepositivas
Grupos de palavras que funcionam como preposições. Terminam por uma preposição simples.
    - Estava à beira de um precipício.
Outras locuções prepositivas: à frente de, à procura de, a respeito de, à mercê de, à sombra
de, a par de, apesar de, graças a, de acordo com etc.

CONJUNÇÃO
Palavra que liga duas orações. As conjunções podem ser:
1) coordenativas: quando ligam duas orações coordenadas.
    - Saí cedo e visitei meus avós.
2) subordinativas: quando ligam uma subordinada à sua principal.
    - Espero que não haja problemas.
Locução conjuntiva
Duas ou mais palavras com valor de conjunção.
    - Seremos felizes à proporção que nos tornarmos melhores.
Observações
a) As conjunções e, ou e nem podem, em certos casos, ligar duas palavras.
    - Comprarei uma casa ou um apartamento.
b) Estudaremos com detalhes as conjunções na lição sobre classificação das orações.

INTERJEIÇÃO
Palavra com que transmitimos, geralmente de maneira espontânea, as nossas emoções.
    - Ai! Queimei o dedo!
Outras interjeições: puxa!, bis!, oh!, caramba!, nossa!
Locuções interjectivas
Duas ou mais palavras com valor de interjeição.
    - Ora bolas! Você não deu o recado?!

PALAVRA DENOTATIVA
Há palavras semelhantes aos advérbios, mas que não constituem circunstâncias verbais. São
as chamadas palavras denotativas. Veja algumas importantes.
1) De designação: eis.
2) De exclusão: exceto, salvo, menos, só, somente, apenas, exclusive etc.
3) De explicação: a saber, por exemplo etc.
4) De inclusão: além disso, até, também, inclusive, ainda etc.
5) De retificação: aliás, ou melhor, isto é etc.

Observações finais
a) São considerados invariáveis os advérbios, as conjunções, as preposições e as interjeições.
No entanto, como veremos em concordância nominal, alguns advérbios admitem flexão.
b) As preposições, as conjunções e as interjeições, bem como as palavras denotativas, não
desempenham função sintática.
c) Existem classificações gramaticais especiais como partícula apassivadora, parte
integrante do verbo etc., que veremos em outras lições.

   3. FLEXÃO NOMINAL
Flexão de número
Os nomes (substantivo, adjetivo etc.), de modo geral, admitem a flexão de número: singular e
plural.
Ex.: animal − animais
Palavras simples
1) Na maioria das vezes, acrescenta-se S.                 Ex.: ponte − pontes
                                                          bonito − bonitos
2) Palavras terminadas em R ou Z: acrescenta-se ES.       Ex.: éter − éteres
Obs.: O pronome qualquer faz o plural no meio:            avestruz − avestruzes
quaisquer.
3) Palavras oxítonas terminadas em S: acrescenta-se ES. Ex.: ananás − ananases,
Obs.: As paroxítonas e as proparoxítonas são invariáveis.
Ex.: o pires − os pires, o ônibus − os ônibus
4) Palavras terminadas em IL:
    a) átono: trocam IL por EIS.                          Ex.: fóssil − fósseis
    b) tônico: trocam L por S.                            Ex.: funil − funis
5) Palavras terminadas em EL:
    a) átono: plural em EIS.                              Ex.: nível − níveis
    b) tônico: plural em ÉIS.                             Ex.: carretel − carretéis
6) Palavras terminadas em X são invariáveis.              Ex.: o clímax − os clímax
7) Há palavras cuja sílaba tônica avança.                 Ex.: júnior − juniores; caráter −
Obs.: A palavra caracteres é plural tanto de caractere caracteres
quanto de caráter.
8) Palavras terminadas em ÃO                              - ões: balões, corações, grilhões,
Fazem o plural em ÃOS, ÃES e ÕES.                         melões, gaviões.
                                                          - ãs: pagãos, cristãos, cidadãos,
                                                          bênçãos, órgãos.
                                                          Obs.: Os paroxítonos, como os dois
                                                          últimos, sempre fazem o plural em
                                                          ÃOS.
                                                          - ães: escrivães, tabeliães,
                                                          capelães, capitães, alemães
                                                          - õs ou ãos: corrimões/corrimãos,
                                                          verões/verãos, anões/anãos
                                                          - ões ou ães: charlatões/charlatães,
                                                          guardiões/guardiães,
                                                          cirugiões/cirurgiães
                                                          - ões, ãos ou ães:
                                                          anciões/anciãos/anciães,
                                                          ermitões/ermitãos/ermitães
9) Plural dos diminutivos com a letra z                   Ex.: coraçãozinho
Coloca-se a palavra no plural, corta-se o s e acrescenta- corações → coraçõe →
se zinhos (ou zinhas).                                    coraçõezinhos
                                                          azulzinha
                                                          azuis → azui → azuizinhas
10) Plural com metafonia (ô → ó)                          Com metafonia  singular (ô)
Algumas palavras, quando vão ao plural, abrem o timbre plural (ó):
da vogal o; outras, não.                                  coro coros ; corvo corvos ; destroço
                                                          destroços ; forno fornos ; fosso
                                                          fossos ; poço poços ; rogo rogos ;
                                                          tremoço tremoços ; troco trocos
                                                          Sem metafonia  singular (ô)
                                                          plural (ô):
                                                          adorno adornos ; bolso bolsos ;
                                                          endosso endossos ; esgoto
                                                          esgotos ; estojo estojos ; gosto
                                                          gostos ; gozo gozos ; toldo toldos ;
                                                          transtorno transtornos
11) Casos especiais:                                      aval − avales e avais
                                                          cal − cales e cais
                                                          cós − coses e cós
                                                          fel − feles e féis
                                                          mal e cônsul − males e cônsules
Palavras compostas
1) Os dois elementos          Quando os compostos são formados por substantivo mais
variam.                       palavra variável (adjetivo, substantivo, numeral, pronome).Ex.:
                              amor-perfeito − amores-perfeitos
                              couve-flor − couves-flores
                              segunda-feira − segundas-feiras
2) Só o primeiro elemento Quando há preposição no composto, mesmo que oculta.
                          a)
varia.                        Ex.: pé-de-moleque − pés-de-moleque ; cavalo-vapor − cavalos-
                              vapor (de ou a vapor)
                              b) Quando o segundo substantivo determina o primeiro (fim ou
                              semelhança).
                              Ex.: banana-maçã −bananas-maçã (semelhante a maçã) ; navio-
                              escola −navios-escola (a finalidade é a escola)
Observações
    a) Alguns autores admitem a flexão dos dois elementos. É uma situação polêmica. Ex.:
        mangas-espada (preferível) ou mangas-espadas
    b) Quando dizemos (e isso vai ocorrer outras vezes) que é uma situação polêmica,
        discutível, convém ter em mente que a questão do concurso deve ser resolvida por
        eliminação, ou seja, analisando bem as outras opções.
3) Apenas o último                a) Quando os elementos são adjetivos. Obs.: A exceção é
elemento varia.                       surdo-mudo, em que os dois adjetivos se flexionam:
                                      surdos-mudos.
                              Ex.: hispano-americano − hispano-americanos
                                  b) Nos compostos em que aparecem os adjetivos GRÃO, GRÃ
                                      e BEL.
                              Ex.: grão-duque − grão-duques ; grã-cruz − grã-cruzes ; bel-
                              prazer − bel-prazeres
                                  c) Quando o composto é formado por verbo ou qualquer
                                      elemento invariável (advérbio, interjeição, prefixo etc.)
                                      mais substantivo ou adjetivo.
                              Ex.: arranha-céu − arranha-céus ; sempre-viva − sempre-vivas ;
                              super-homem − super-homens
                                  d) Quando os elementos são repetidos ou onomatopaicos
                                      (representam sons).
                              Ex.: reco-reco − reco-recos ; pingue-pongue − pingue-pongues ;
                              bem-te-vi − bem-te-vis
Observações
    a) Como se vê pelo segundo exemplo, pode haver alguma alteração nos elementos, ou
        seja, não serem iguais.
    b) Se forem verbos repetidos, admite-se também pôr os dois no plural.
Ex.: pisca-pisca − pisca-piscas ou piscas-piscas
4) Nenhum elemento varia. a) Quando há verbo mais palavra invariável.
                              Ex.: O cola-tudo − os cola-tudo
                              b) Quando há dois verbos de sentido oposto.
                              Ex.: o perde-ganha − os perde-ganha
                              c) Nas frases substantivas (frases que se transformam em
                              substantivos).
                              Ex.: O maria-vai-com-as-outras − os maria-vai-com-as-outras
Observações
    a) São invariáveis arco-íris, louva-a-deus, sem-vergonha, sem-teto e sem-terra.
    - Os sem-terra apreciavam os arco-íris.
    b) Admitem mais de um plural:
- pai-nosso − pais-nossos ou pai-nossos ; padre-nosso − padres-nossos ou padre-nossos ;
terra-nova − terras-novas ou terra-novas ; salvo-conduto − salvos-condutos ou salvo-
condutos ; xeque-mate − xeques-mates ou xeques-mate ; fruta-pão − frutas-pães ou frutas-
pão ; guarda-marinha − guardas-marinhas ou guardas-marinha
    c) Casos especiais: palavras que não se encaixam nas regras.
- o bem-me-quer − os bem-me-queres ; o joão-ninguém − os joões-ninguém ; o lugar-tenente
− os lugar-tenentes ; o mapa-múndi − os mapas-múndi

Flexão de gênero
Os substantivos e as palavras que o acompanham na frase admitem a flexão de gênero:
masculino e feminino.
    - Meu amigo diretor recebeu o primeiro salário.
    - Minha amiga diretora recebeu a primeira prestação.
A flexão de feminino pode ocorrer de duas maneiras.
1) Com a troca de o ou e por a.                  lobo − loba ; mestre − mestra
2) Por meio de diferentes sufixos nominais de ateu − atéia ; bispo − episcopisa ; conde −
gênero, muitas vezes com alterações do           condessa ; duque − duquesa ; frade − freira ;
radical.                                         ilhéu − ilhoa ; judeu − judia ; marajá −
Veja alguns femininos importantes.               marani ; monje − monja ; pigmeu − pigméia ;
                                                 píton − pitonisa ; sandeu − sandia
                                                 sultão − sultana
Alguns substantivos são uniformes quanto ao gênero, ou seja, possuem uma única forma para
masculino e feminino. Podem ser:
1) Sobrecomuns: admitem apenas um artigo, Ex.: a pessoa, o cônjuge, a testemunha
podendo designar os dois sexos.
2) Comuns de dois gêneros: admitem os dois Ex.: o estudante − a estudante, o cientista −
artigos, podendo então ser masculinos ou         a cientista, o patriota − a patriota
femininos.
3) Epicenos: admitem apenas um artigo,           Ex.: O jacaré, a cobra, o polvo
designando os animais.
Observações
a) O feminino de elefante é elefanta, e não elefoa. Aliá é correto, mas designa apenas
uma espécie de elefanta.
b) Mamão, para alguns gramáticos, deve ser considerado epiceno. É algo discutível.
c) Há substantivos de gênero duvidoso, que as pessoas costumam trocar. Veja alguns que
convém gravar.
Masculinos: champanha ; dó ; eclipse ; formicida ; grama (peso) ; milhar ; plasma ; soprano ;
suéter ; telefonema
Femininos: aguardente ; alface ; cal ; cataplasma ; grafite ; libido ; omoplata ; musse ; preá
d) Existem substantivos que admitem os dois gêneros.
Ex.: diabetes (ou diabete), laringe, usucapião etc.

Flexão de grau
Por razões meramente didáticas, incluo, aqui, o grau entre os processos de flexão.
Alguns autores também o fazem, talvez pelo mesmo motivo.
Grau do         1) Normal ou          Ex.: chapéu
substantivo     positivo: sem
                nenhuma alteração.
                2) Aumentativo        a) sintético: chapelão
                                      b) analítico: chapéu grande, chapéu enorme etc.
                3) Diminutivo         a) sintético: chapeuzinho
                                      b) analítico: chapéu pequeno, chapéu reduzido etc.
                                      Obs.: Um grau é sintético quando formado por sufixo;
                                      analítico, por meio de outras palavras.
Grau do         1) Normal ou          João
adjetivo        positivo:             é forte.
2) Comparativo          a) de superioridade: João é mais forte que André. (ou
                                        do que)
                                        b) de inferioridade: João é menos forte que André.
                                        (ou do que)
                                        c) de igualdade: João é tão forte quanto André. (ou
                                        como)
                3) Superlativo          a) absoluto
                                            - sintético: João é fortíssimo.
                                            - analítico: João é muito forte. (bastante forte,
                                                forte demais etc.)
                                        b) relativo
                                            - de superioridade: João é o mais forte da
                                                turma.
                                            - de inferioridade: João é o menos forte da
                                                turma.
Observações
    a) O grau superlativo absoluto corresponde a um aumento do adjetivo. Pode ser expresso
       por um sufixo (íssimo, érrimo ou imo) ou uma palavra de apoio, como muito,
       bastante, demasiadamente, enorme etc.
    b) As palavras maior, menor, melhor e pior constituem sempre graus de
       superioridade.
    - O carro é menor que o ônibus.  menor (mais pequeno): comparativo de
       superioridade.
    - Ele é o pior do grupo.  pior (mais mau): superlativo relativo de superioridade.
    c) Alguns superlativos absolutos sintéticos que podem apresentar dúvidas.
- acre − acérrimo ; amargo − amaríssimo ; amigo − amicíssimo ; antigo − antiqüíssimo ; cruel
− crudelíssimo ; doce − dulcíssimo ; fácil − facílimo ; feroz − ferocíssimo ; fiel − fidelíssimo ;
geral − generalíssimo ; humilde − humílimo ; magro − macérrimo ; negro − nigérrimo ; pobre
− paupérrimo ; sagrado − sacratíssimo ; sério − seriíssimo ; soberbo − superbíssimo

ANÁLISE SINTÁTICA

CONCEITOS:
Frase: Todo enunciado com sentido completo. Inicia-se com maiúscula e só termina com
       algum tipo de ponto.
       a) Fogo!
       b) Silêncio!
       c) Ontem à noite, Virgulino atirou-se de uma ponte.
Oraçã Todo enunciado com verbo.
o:     a) Fredolino matou sua mulher com um rolo de massa.
       b) Quero a aprovação no Concurso do INSS.
Perío Todo enunciado com sentido completo e com oração. Inicia-se com maiúscula e só
do:    termina com algum tipo de ponto.
       a) Virgulino quer que Maria Bonita se case com ele.
       b) Quero que Pafúncia venha almoçar comigo.

ESTRUTURA DA ORAÇÃO
A oração é uma estrutura que pode ser analisada através de cinco diferentes padrões frasais.
São esses padrões que orientam a análise dos termos de qualquer frase declarativa.
PF     Casa 1     Casa 2                        Casa 3               Casa 4
I      Sujeito    Verbo Intransitivo            -                    (Adjunto Adverbial)
II     Sujeito    Verbo Transitivo Direto       Objeto Direto        (Adjunto Adverbial)
III    Sujeito    Verbo Transitivo Indireto     Objeto Indireto      (Adjunto Adverbial)
IV     Sujeito    Verbo Transitivo Direto E     Objetos Direto E     (Adjunto Adverbial)
                  Indireto                      Indireto
V      Sujeito    Verbo De Ligação              Predicativo          (Adjunto Adverbial)

PADRÕES FRASAIS
Padrão O VERBO É INTRANSITIVO, ou seja, NÃO NECESSITA DE COMPLEMENTO.
frasal I Ex.: A gaivota voa lindamente
                          VI
Padrão     o VERBO É TRANSITIVO, ou seja, necessita de complemento, e DIRETO, ou seja, não
frasal II  requer o uso de preposição.
           Ex. Eu sem você não tenho porquê.
                                  VTD     OD
Padrão o VERBO É TRANSITIVO e INDIRETO, ou seja, necessita de um complemento COM
frasal III PREPOSIÇÃO
           Ex.: Necessitamos de auxiliar de escritório com experiência.
                   VTI                       OI
Padrão Esse padrão é formado por verbos que possuem duas transitividades: uma, com
frasal IV preposição; outra, sem
           Ex.: Maria deu a rosquinha a seu namorado.
                       VTDI     OD             OI
Padrão é constituído de VERBO DE LIGAÇÃO. Nesse caso, não há complemento verbal, mas
frasal V sim predicativo do sujeito.
           Ex.: Essa mulher é mesmo uma lambisgóia.
                             VL         Predicativo do Sujeito

  LEMBRANDO...          As preposições essenciais são:
  A      CONTRA         POR        SOBRE
  ANTE   DE             PARA       TRÁS
  APÓS   DESDE          PERANTE
  ATÉ    EM             SEM
  COM    ENTRE          SOB

ADJUNTO ADVERBIAL
O adjunto adverbial ocupa a casa 4 nos padrões frasais. Não é um elemento não de primeira
necessidade para a estrutura e para o significado da frase e, geralmente, indica TEMPO,
MODO ou LUGAR.

PREDICADO VERBO-NOMINAL
Apresenta dois núcleos: o verbo com significado (podendo ser transitivo ou intransitivo) e o
predicativo (do sujeito ou do objeto).
- A aluna chegou cansada à aula.
        Predicado verbo-nominal

SUJEITO
Apesar do que muitas gramáticas preceituam, o sujeito nem sempre é o que pratica a ação ou
o ser sobre o qual se declara algo. Portanto, a melhor definição sintática para o sujeito é:
SUJEITO É O TERMO DA ORAÇÃO QUE CONCORDA EM NÚMERO E PESSOA COM O
          VERBO
Sujeito      é aquele que possui um único núcleo.
          s Ex.: Existe, no Brasil, muita miséria.
          i                          núcleo
          m
          p
          l
          e
          s
Sujeito      é o que possui dois ou mais núcleos.
          c Ex.: Restaram, após tantos anos, a amargura e a indiferença.
          o                                            núcleo 1   núcleo 2
          m
          p
          o
          s
          t
          o
Sujeito      elipse significa, para a gramática, apagamento. O sujeito elíptico é aquele que
          e ocupa a casa 1 sem, no entanto, estar explícito.
          lí Ex.: Após (nós) nos amarmos, (nós) fomos comer uma buchada de bode.
          p             elíptico              elíptico
          t Em se tratando de um texto, o sujeito elíptico é aquele que, além de ser
          i designado pela desinência verbal, também pode ser retomado pelo contexto.
          c Ex.: Os deputados (Suj. simples) foram em massa a Brasília na semana
          o passada. Em uma negociata com o governo, eles (Suj. simples) votaram
             vários projetos. Ø (Suj. elíptico) Aprovaram a Reforma Administrativa.
Sujeito      nesse caso, a oração possui um sujeito, mas ignora-se qual o elemento que
          i ocupará a casa 1, concordando com o verbo. Note a diferença entre a
          n seguinte oração, descontextualizada, e a anterior
          d Ex.: ? Aprovaram a reforma administrativa.
          e      Suj. indeterminado
          t ATENÇÃO!!!
          e Alguém aprovou a reforma administrativa.
          r Suj. simples
          m Nesse caso, o sujeito não é indeterminado, mas sim o termo ALGUÉM, o qual
          i concorda com o verbo APROVOU.
          n
          a
          d
          o
Oração sem é aquela cuja casa do sujeito permanece vazia, pois não há elemento que
          s concorde com o verbo. Existem alguns casos em que isso ocorre:
          u HAVER = Havia (Existiam) sinais de revolta na fila do Banco.
          j FAZER ou Or. sem sujeito            objeto direto
          e EXISTIR        Havia (Fazia) muito tempo que não encontrava Ermengarda.
          i                Or. sem sujeito        objeto direto
          t                Note que, em ambos os casos, o verbo HAVER permanece no
          o                singular, já que não há sujeito.
          ( FAZER =        Ex.: Faz oito meses que estou desempregado.
          S TEMPO          Or. sem sujeito         objeto direto
          u                Também nesse caso o verbo permanece no singular.
          j SER/ESTA Ex.: São três horas.
          e R=             Ex.: É primavera.
          i TEMPO          Ex.: Está frio.
          t                Esse é o único caso em que o verbo vai para o plural,
          o                concordando com o predicado.
i   FENÔMEN    Ex.: Choveu a noite toda.
            n   OS DA      Ex.: Nevará esta noite na Inglaterra.
            e   NATUREZ    Os verbos das orações sem sujeito são chamados também de
            x   A          impessoais.
            i
            s
            t
            e
            n
            t
            e
            )
            :

COMPLEMENTO NOMINAL
É o termo que se liga a um substantivo, adjetivo ou advérbio, através de uma preposição,
com a função de completar algum destes termos. O complemento nominal tem sempre
sentido passivo.
Ex.: Naziazeno sentia, naquele momento, necessidade de um café bem forte.
                                                         Complemento nominal

TERMOS ACESSÓRIOS
Além dos termos integrantes, podem ocorrer nas orações também outros, chamados de
acessórios.
Vocativ é utilizado para realizar invocações, chamados. Deve ser colocado sempre entre
o:         vírgulas, no caso de aparecer no meio da oração, e seguido ou antecedido de
           vírgula, caso ocorra no início ou no fim de uma oração.
           Ex.:
           Acelera, Brasil.
           Não quero, meus amigos, causar-lhes estranheza.
Aposto: termo que restringe, explica, especifica ou determina outro da oração. Deve ser
           sempre colocado entre vírgulas.
           Ex.:
           A CIA, Central de Inteligência dos EUA, não conseguiu prever os atentados de
           11 de setembro.
Adjunto tem como função determinar e/ou caracterizar um substantivo. Tem sentido ativo
adnomi quando introduzido por uma preposição
nal:       Ex.:
           A atitude do Congresso surpreendeu o Governo..

   4. FLEXÃO VERBAL
O verbo pode indicar ação, estado, fenômeno, existência e mesmo qualidades.
Pessoa O verbo possui três pessoas diretamente relacionadas com a pessoa gramatical que
        lhe serve de sujeito: 1ª, 2ª e 3ª.
                           Pronomes
          Pessoa
                           Singular        Plural
          1ª               Eu              Nós
          2ª               Tu              Vós
          3ª               Ele/Ela         Eles/Elas
Númer Como as outras palavras variáveis, o verbo tem dois números: singular, quando se
o       refere a uma só pessoa gramatical (eu, tu, ele, ela, você) e plural, quando se refere
        a mais de uma pessoa (nós, vós, eles, elas, vocês).
Modo    Traduz a maneira particular de apresentar a ação ou o estado expressos pelo verbo.
        INDICATIVO: idéia de certeza.                Ele sabe fazer muitas coisas.
                                                     Ontem choveu muito
                                                     Na próxima semana, iremos a São Paulo.
        SUBJUNTIVO: idéia de dúvida,                 Desejo que meu filho seja o que eu não
        possibilidade.                               pude ser.
                                                     Temia que ele não viesse ao encontro.
                                                     Quando ele perceber o erro, mudará de
                                                     atitude.
IMPERATIVO: ordens, pedidos, conselhos.    Sai daí imediatamente!
                                                    Não saias sob esta chuva!
         FORMAS NOMINAIS:                           particípio, infinitivo, gerúndio.

CLASSIFICAÇÃO
Regulares seguem o modelo de conjugação verbal, o radical se mantém em todas as
            formas e as terminações são as mesmas do paradigma (modelo de conjugação).
            Ex.: comprar, vender, dormir.
Irregulares apresentam alterações no radical e/ou nas desinências.
Defectivos são de conjugação incompleta, ou seja, não apresentam algumas formas. Ex.:
            falir, abolir.

VERBOS COM DOIS PARTICÍPIOS (ABUNDANTES)
Nesses verbos, o particípio regular, invariável e arrizotônico (acentuado na terminação),
emprega-se com os verbos auxiliares ter e haver para formar os tempos compostos. Ex.:
A assembléia tinha aceitado as novas leis.
Enquanto que o particípio irregular, variável e rizotônico (acentuado no radical), é utilizado
com o auxiliar ser ou estar. Ex.:
As novas leis foram aceitas pela Assembléia.
PRINCIPAIS PARTICÍPIOS ABUNDANTES
        INFINITIVO                 PARTICÍPIO REGULAR             PARTICÍPIO IRREGULAR
            aceitar                         aceitado                        aceito
           entregar                       entregado                       entregue
           enxugar                         enxugado                        enxuto
          expressar                      expressado                       expresso
           expulsar                       expulsado                        expulso
            ganhar                         ganhado*                         ganho
             gastar                        gastado*                          gasto
            isentar                         isentado                        isento
            libertar                       libertado                        liberto
             limpar                          limpado                         limpo
             matar                           matado                         morto
              pagar                         pagado*                           pago
             salvar                          salvado                         salvo
              soltar                          soltado                         solto
           acender                         acendido                          aceso
             eleger                           elegido                        eleito
            morrer                           morrido                        morto
            prender                        prendido                          preso
          suspender                      suspendido                      suspenso
            emergir                        emergido                        emerso
            expelir                         expelido                       expulso
           exprimir                        exprimido                      expresso
           extinguir                      extinguido                       extinto
            imergir                        imergido                        imerso
           imprimir                       imprimido                       impresso
             incluir                         incluído                      incluso
             inserir                         inserido                      inserto
*em desuso

VERBOS DE UM ÚNICO       PARTICÍPIO IRREGULAR
Infinitiv Particípi       Infinitiv Particípi
o         o               o         o
dizer     dito            pôr       posto
escrever escrito          abrir     aberto
fazer     feito           cobrir    coberto
ver       visto           vir       vindo
DICA!!!
O tempo verbal FUTURO DO PRETÉRITO (desinência – RIA) é quase sempre utilizado
            junto com o PRETÉRITO IMPERFEITO DO SUBJUNTIVO (desinência – SSE).
RIA + SSE = RIASSE

DIFICULDADES NA CONJUGAÇÃO VERBAL
1 – A Formação do Imperativo
O Imperativo é a forma pela qual damos uma ordem, um conselho ou fazemos um
convite. Atualmente está quase em extinção na língua falada. Para o vestibular, contudo,
você deve demonstrar que domina o seu emprego apenas em duas pessoas: a 2ª do sing.
(TU) e a 3ª do sing. (VOCÊ, O SENHOR, VOSSA SENHORIA, etc.).

AFIRMATIVO
TU: Sai da 2ª pessoa do singular do Presente do Indicativo, menos o S final. Ex.:Come logo
teu mondongo.
VOCÊ: Sai da 3ª pessoa do singular do Presente do Subjuntivo. Ex.: Coma logo seu
mondongo.

NEGATIVO (não, nunca, jamais)
TU: Sai da 2ª pessoa do singular do Presente do Subjuntivo. Ex.:Não aceites a ajuda de
estranhos.
VOCÊ: Sai da 3ª pessoa do singular do Presente do Subjuntivo. Ex.: Não aceite a ajuda de
estranhos.
2 – Verbos Derivados
Os verbos derivados de outros verbos pelo acréscimo de prefixos seguem exatamente a
conjugação de seu primitivo. Suprima o prefixo e conjugue apenas o verbo primitivo. Esse
princípio, embora pareça elementar, é, contudo, esquecido na prática. Os falantes tendem a
encarar os verbos derivados como regulares, criando formas inaceitáveis na língua culta
formal:

ERRADO           Ele interviu na discussão.                   CERTO        Ele interveio na
discussão.
ERRADO           Quando ele rever a obra, encontrará erros.  CERTO         Quando ele revir
a obra, encontrará erros.

OS DERIVADOS DE PÔR – TER – VER – VIR
Devemos ter especial atenção com os verbos derivados de pôr, ter, ver e vir, que são
verbos irregulares.
PÔR – propor, supor, antepor, impor, etc. (todos os verbos que apresentam a vogal o no
infinitivo são derivados de pôr).
TER – entreter, conter, deter, manter, suster, etc.
VER – antever, prever, rever, etc.
VIR – avir, advir, intervir, provir, sobrevir, etc.
3 – Problemas Ortográficos ligados à Conjugação Verbal
3.1. O duplo “E” na 3ª pessoa do plural.
A 3ª pessoa do plural do PRESENTE só tem E duplo quando a 3ª pessoa do singular termina
em E.
Ex.: Ele vê – Eles vêm ; ele crê – eles crêem ; ele lê – eles lêem ; ele dê – eles dêem
Ele vem – eles vêm ; ele tem – eles têm
3.2. O acento nos derivados de TER e VIR.
A 2ª e 3ª pessoas do singular dos verbos derivados de TER e VIR são acentuadas pela regra
das oxítonas terminadas em EM, ENS; a 3ª pessoa do plural recebe o circunflexo diferencial.
Tu conténs, ele contém, eles contêm - tu intervéns, ele intervém, eles intervêm

   5. PRONOMES: EMPREGO, FORMAS DE TRATAMENTO E COLOCAÇÃO.
EMPREGO DE PRONOMES
CONOSCO/ Usa-se conosco e convosco com verbos que peçam a preposição com.
         CO Ex.: Ele saiu conosco. Passearemos convosco por aquelas praias.
         M     Usa-se com nós e com vós com verbos que peçam a preposição com, porém
         NÓ apenas quando estiverem reforçados por palavras como dois, mesmos,
         S     próprios etc.
               Ex.: Falarão com nós dois amanhã.
CONVOSCO Estarei com vós mesmos ao entardecer.
         /     Obs.: É errado dizer “Falarão com nós amanhã” e “Estarei com vós ao
         CO entardecer”.
         M
         VÓ
         S
CONTIGO/C Contigo é usado quando o tratamento é de segunda pessoa do singular (tu).
         OM Ex.: Sairei contigo, se isso não te trouxer algum contratempo.
         VO Com você é empregado quando o tratamento é de terceira pessoa do singular
         CÊ (você).
               Ex.: Sairei com você, se isso não lhe trouxer algum contratempo.
               Obs.: Compare as duas frases. Na primeira emprega-se contigo, por causa do
               tratamento tu, evidenciado pelo pronome te. Na segunda, usa-se com você,
               porque o tratamento é
               de terceira pessoa, o que se verifica no emprego de lhe.
CONSIGO        Significa com você mesmo, com ele mesmo; é, portanto, reflexivo, sempre
               se
               referindo ao sujeito da oração.
               Ex.: Você trouxe consigo o material?
               Carlos trará consigo os discos.
               Obs.: Está errada uma frase do tipo “Preciso conversar consigo”, tão ao gosto
               do povo.
               O certo é “Preciso conversar contigo” ou “Preciso conversar com você”.
LHE            Com verbos ou nomes que peçam a preposição a (ou para).
               Ex.: Disse a verdade ao amigo.
               Disse-lhe a verdade.
Observações
a) Não se usa lhe com verbos que peçam outras preposições.
Ex.: Eu lhe gosto muito. (errado)
Gosto muito de você. (certo)
Gosto muito dele. (certo)
Eu sempre lhe confiei. (errado)
Eu sempre confiei em você. (certo)
Eu sempre confiei nele. (certo)
b) Como vimos em outra lição, o pronome lhe é empregado como objeto indireto (ou
complemento nominal); o pronome o, como objeto direto.
Ex.: Ofereci-lhe ajuda. (Oferecer alguma coisa a alguém)
Estudei-o ainda de manhã. (Estudar alguma coisa)
PRONOME Pronomes com a palavra Vossa (Vossa Senhoria, Vossa Excelência etc.).
         DE São empregados quando se conversa com a pessoa.
         TR Ex.: Vossa Excelência será entrevistado à noite.
         AT
         AM
         EN
         TO
               Pronomes com a palavra Sua (Sua Senhoria, Sua Excelência etc.).
               São empregados quando se fala a respeito da pessoa.
               Ex.: Sua Excelência, o governador, vai inaugurar aquela usina.
Observações
a) Ao pronome de tratamento Vossa Excelência corresponde o adjetivo excelentíssimo.
Ao pronome Vossa Senhoria, o adjetivo ilustríssimo.
Ex.: Excelentíssimo senhor prefeito, solicito a V.Exª que reexamine a minha situação.
Ilustríssimo senhor diretor, solicito a V.Sª que reexamine a minha situação.
b) Não se abrevia o pronome de tratamento Vossa Excelência (ou Sua Excelência) quando
usado em relação ao presidente da República.
Ex.: Vossa Excelência, senhor presidente, naturalmente será convidado. (E não V.Exª)

EU/ MIM         os pronomes eu e tu são empregados na função de
TU / TI         sujeito; ti e mim, na de complementos.
                Ex.: Deixou a revista para mim.
                Deixei a revista para ti.
                Deixou a revista para eu ler. (eu é sujeito de ler)
                Deixei a revista para tu leres. (tu é sujeito de leres)
                Tudo está calmo entre mim e ti.
                Tudo está calmo entre ti e mim.
                Obs.: Com preposição acidental, usa-se eu e tu.
                Ex..: Exceto eu, todos deram gargalhadas.
Transforma Lo (e flexões)
         çõe Empregado quando o verbo termina em r, s ou z, com a queda dessas letras.
         s      Ex.: Vamos pedir um lápis.
         do     Vamos pedi-lo.
         pro Estudemos a proposta.
         no     Estudemo-la.
         me Fiz os relatórios.
         o (e Fi-los.
         flex No (e flexões)
         ões Empregado quando o verbo termina em m ou ditongo nasal.
         )      Ex.: Ouviram o programa.
                Ouviram-no.
                Dão a revista.
                Dão-na.
Observações
a) Emprega-se o (e flexões) em todos os outros casos.
Ex.: Espero seu amigo lá fora.
Espero-o.
Mostrei a publicidade.
Mostrei-a.
b) Lo e no são alterações de o. Portanto, empregam-se com verbos transitivos diretos.
8) Pleonasmo
Os pronomes pessoais oblíquos muitas vezes são reforçados por outro pronome, de mesma
pessoa.
Ex.: A mim, disseram-me que haveria aula.
A ti, não te explicaram tudo.
Este          / Este (esta, estes, estas)
         ess Indica proximidade máxima, no espaço e no tempo
         e / Ex.: Veja esta flor. (a flor está na mão do falante)
         aqu Este ano é especial. (o ano atual)
         ele Esse (essa, esses, essas)
         (e     Indica proximidade relativa, no espaço e no tempo.
         flex Ex.: Veja essa flor. (a flor está com quem o falante conversa, ou perto dos dois)
         ões Esse ano foi especial. (um ano já passado, mas próximo)
         )      Aquele (aquela, aqueles, aquelas)
                Indica afastamento maior.
                Ex.: Veja aquela flor. (a flor está afastada do falante e da pessoa com quem ele
                conversa)
                Aquele ano foi especial. (um ano bem afastado)
Observações
a) Tudo o que se disse vale para os pronomes invariáveis isto, isso, aquilo.
b) Os pronomes demonstrativos podem, num processo de coesão, ligar-se a palavras ou
expressões no texto.
- Esse, essa, isso
Referem-se ao que passou no texto. Diz-se que têm função anafórica.
Ex.: Ele fez declarações importantes. Isso acalmou a sociedade.
- Este, esta, isto
Referem-se a algo que ainda vai aparecer no texto. Diz-se que têm função catafórica.
Ex.: Este conselho lhes dou: não se preocupem excessivamente com os obstáculos.
Obs.: Há uma tendência, hoje em dia, a relaxar um pouco o emprego de tais pronomes.
Em termos de prova, convém ficar atento a eles.
c) Quando se quer evitar a repetição de dois termos passados, usam-se os pronomes isto e
este (e flexões) para designar o substantivo mais próximo; aquilo e aquele (e flexões), para
o mais afastado.
Ex.: O homem e a mulher conversaram na empresa. Aquele é um conhecido professor; esta,
uma dedicada enfermeira.
Vimos, no zoológico, uma raposa e um lobo. Este uivava sem parar; aquela andava de um
lado para o outro.
Cujo         (e Equivale a um possessivo e não admite artigo, nem antes, nem depois.
          flex Ex.: Encontramos o técnico em cujo trabalho realmente confiamos.
          ões Entenda-se: “Encontramos o técnico. Confiamos em seu trabalho”.
          )      Obs.: Não aceite construções como cujo o, cuja a, cujos os e cujas as;
                 também estão
                 sempre errados ao cujo e à cuja.

COLOCAÇÃO PRONOMINAL
antes do verbo (próclise)           Ex.: Nada o preocupava.
                                    Diz-se que o pronome o está proclítico ou em próclise.

no meio do verbo (mesóclise,        Mandar-te-ei os documentos.
que só ocorre com verbos no         Diz-se que o pronome te está mesoclítico ou em
futuro do presente e no futuro do   mesóclise.
pretérito do indicativo)
após o verbo (ênclise).             Pediram-me ajuda.
                                    Diz-se que o pronome me está enclítico ou em ênclise.
Observações
a) Existem situações de próclise obrigatória que estudaremos a seguir. A ênclise e a
mesóclise só são empregadas quando não há obrigatoriedade de próclise. Digamos, então,
que “quem manda” é a próclise.
b) A mesóclise, diferentemente da próclise e da ênclise, exige que o verbo esteja num
determinado tempo, no caso o futuro do indicativo (do presente ou do pretérito).
A fim de facilitar, resumimos todas as regras de colocação pronominal a três:
1) REGRA GERAL:
Segundo a norma culta, a regra é a ênclise, usando próclise em situações excepcionais,
que são:
    - Palavras invariáveis (advérbios, alguns pronomes, conjunção) atraem o pronome. Por
        “palavras invariáveis”, entendemos os advérbios, as conjunções, alguns pronomes
        que não se flexionam, como o pronome relativo que, os pronomes indefinidos
        quanto/como, os pronomes demonstrativos isso, aquilo, isto.
    - Exemplos: “Ele não se encontrou com a namorada.” – próclise obrigatória por força do
        advérbio de negação. “Quando se encontra com a namorada, ele fica muito feliz.” –
        próclise obrigatória por força da conjunção;
    - Orações exclamativas (“Vou te matar!”) ou que expressam desejo, chamadas de
        optativas (“Que Deus o abençoe!”) – próclise obrigatória.
    - Orações subordinadas – (“... e é por isso que nele se acentua o pensador político” –
        uma oração subordinada causal, como a da questão, exige a próclise.).
2) EMPREGO PROIBIDO:
    - Iniciar período com pronome (a forma correta é: Dá-me um copo d’água. / Permita-me
        fazer uma observação);
    - Após verbo no particípio, no futuro do presente e no futuro do pretérito. Com essas
        formas verbais, usa-se a próclise (desde que não caia na proibição acima), modifica-se
a estrutura (troca o “me” por “a mim”) ou, no caso dos futuros, emprega-se o
       pronome em mesóclise.
   -   Exemplos: “Concedida a mim a licença, pude começar a trabalhar.” (Não poderia ser
       “concedida-me” – após particípio é proibido - nem “me concedida” – iniciar período
       com pronome é proibido). “Recolher-me-ei à minha insignificância” (Não poderia ser
       “recolherei-me” nem “Me recolherei”).

3) EMPREGO FACULTATIVO:
    - Com o verbo no infinitivo, mesmo que haja uma palavra “atrativa”, a colocação do
         verbo pode ser enclítica (após o verbo) ou proclítica (antes do verbo). Exemplo: “Para
         não me colocar em situação ruim, encerrei a conversa.” “Para não colocar-me em
         situação ruim, encerrei a conversa.” Assim, com infinitivo está sempre certa a
         colocação, desde que não caia em um caso de proibição (começar período).
NÃO CONFUNDA INFINITIVO COM FUTURO DO SUBJUNTIVO – Na maior parte dos
verbos, essas formas são iguais (para comprar/quando comprar). Contudo, a regra da
colocação pronominal só se aplica ao infinitivo. Se o verbo estiver no futuro do subjuntivo,
aplica-se a regra geral. Para ter certeza de que é o infinitivo mesmo e não o futuro do
subjuntivo, troque o verbo por um que apresente formas diferentes, como o verbo trazer
(para trazer / quando trouxer), fazer (para fazer/ quando fizer), pôr (para pôr/ quando
puser), e tire a prova dos noves. Se for infinitivo, pode colocar o pronome antes ou depois,
tanto faz. De qualquer jeito, estará certo, mesmo que haja uma palavra atrativa (invariável).
Observação importante: quando houver DUAS palavras invariáveis, o pronome poderá ser
colocado entre elas. A esse fenômeno dá-se o nome de APOSSÍNCLESE.
Exemplo: “Para não levar-me a mal, irei apresentar minhas desculpas.” – como vimos, com
infinitivo está sempre certa a colocação (caso facultativo), mesmo que haja uma palavra
invariável (no caso, são duas – para e não).
COLOCAÇÕES IGUALMENTE POSSÍVEIS:
(1) “Para não me levar a mal, ...”- O pronome foi atraído pelo advérbio.
(2) “Para me não levar a mal, ...” – O pronome foi atraído pelo pronome.

COM AS FORMAS VERBAIS SIMPLES
1) Próclise
Com advérbios que não peçam             - Ali se trabalha bastante.
pausa.
Obs.: Se for usada a vírgula, que o advérbio permite, não caberá mais a próclise. Ex.: Ali,
trabalha-se bastante.
Com pronomes indefinidos,               - Ninguém se machucou. (ninguém é pronome
relativos e interrogativos.                indefinido)
                                        - Não entendi o recado que me deram. (que é
                                           pronome relativo)
                                        - Quem nos explicará o caso? (quem é pronome
                                           interrogativo)
Com as conjunções                       - - Ele disse que me avisaria. (que é conjunção
subordinativas.                            subordinativa integrante)
                                        - Correram quando nos aproximamos. (quando é
                                           conjunção subordinativa temporal)
Com o gerúndio precedido de             - Em se colocando as coisas dessa forma, não há
em.                                        dúvidas.
Com as frases optativas.                - Deus te proteja!
Obs.: Frase optativa é aquela que exprime um desejo do falante. Normalmente, tem
ponto de exclamação.
Com qualquer palavra negativa           - Não me explicaram o problema
geralmente advérbios e
pronomes indefinidos, que já
vimos que exigem próclise).
2) Ênclise
No início do período.                   - Disseram-lhe tudo.
Obs.: Quando se inicia a frase com o verbo, não há palavra atrativa para que se empregue a
próclise. Por isso se diz que não se começa frase com pronome átono.
Com verbo no imperativo                 - Pedro, levante-se!
afirmativo.                             - Levante-se!
Observações
a) Quando o verbo está no imperativo afirmativo, ou se usa o vocativo (Pedro), ou se inicia a
frase com o verbo. No primeiro caso, haverá a vírgula, que vai impedir a próclise; no segundo,
o verbo estará iniciando a frase, o que também pedirá ênclise.
b) O imperativo negativo pede próclise, já que apresenta a palavra não.
Ex.: Paulo, não se levante!
Com determinadas orações                - O professor adiou a prova, deixando-nos menos
reduzidas de gerúndio, que                 preocupados.
pedem pausa.
3) Mesóclise
Ocorre quando o verbo está no           - Mandar-lhe-ei a intimação.
futuro do presente ou no futuro         - Escrever-te-ia uma nova carta.
do pretérito.

Observações
  a) Não se esqueça de que, havendo palavra atrativa, a preferência é da próclise.
  - Nunca lhe mandarei a intimação. (correto)
  - Nunca mandar-lhe-ei a intimação. (errado)
  b) Futuro do subjuntivo exige próclise, por causa da conjunção subordinativa ou do
     pronome relativo.
  - Quando te pedirem algo, procura atender.
  - Analisarei o projeto que me mandarem.

Próclise facultativa
Há casos em que se pode usar indiferentemente próclise ou ênclise, próclise ou mesóclise. É o
que se entende por próclise facultativa ou optativa.
Com os substantivos.                                - O garoto se machucou.
                                                    - O garoto machucou-se.
                                                    - O garoto se machucará.
                                                    - O garoto machucar-se-á.
Com os pronomes pessoais e os pronomes              - Ele me agradou.
demonstrativos.                                     - Ele agradou-me.
                                                    - Ele me agradará.
                                                    - Ele agradar-me-á.
                                                    - Isto me agrada.
                                                    - Isto agrada-me.
                                                    - Isto me agradará.
                                                    - Isto agradar-me-á
Com as conjunções coordenativas.                    - Falou pouco, mas se cansou.
                                                    - Falou pouco, mas cansou-se.
                                                    - Falará pouco, mas se cansará.
                                                    - Falará pouco, mas cansar-se-á.
Com o infinitivo pessoal precedido de palavra       - Esforcei-me para não o magoar.
negativa.                                           - Esforcei-me para não magoá-lo.
Observações
   a) Como se viu nos três primeiros casos de próclise facultativa, se o verbo estiver no
       presente ou no passado, pode-se usar a próclise ou a ênclise; no futuro do indicativo, a
       próclise ou a mesóclise.
   b) O último caso é perigosíssimo, pois existe a palavra não, que normalmente exige
       próclise. Mas isso não ocorre quando ela antecede o infinitivo pessoal.

COLOCAÇÃO NAS LOCUÇÕES VERBAIS
Como vimos ao estudar os verbos, a locução verbal é a união de um verbo auxiliar e um
verbo principal. O principal, que é sempre o último, encontra-se numa forma nominal:
infinitivo, gerúndio ou particípio. Vejamos, então.
1) Com o infinitivo ou o gerúndio.               Veja, abaixo, as frases consideradas perfeitas.
                                                    - Quero mostrar-lhe o resultado.
                                                    - Estou mostrando-lhe o resultado.
                                                    - Quero-lhe mostrar o resultado.
                                                    - Estou-lhe mostrando o resultado.
Observações
    a) Com palavra atrativa, não será possível a ênclise ao verbo auxiliar.
    - Não quero mostrar-lhe o resultado. (certo)
    - Não lhe quero mostrar o resultado. (certo)
    - Não estou mostrando-lhe o resultado. (certo)
    - Não lhe estou mostrando o resultado. (certo)
    - Não quero-lhe mostrar o resultado. (errado)
    - Não estou-lhe mostrando o resultado. (errado)
    b) Se o pronome estiver solto entre os dois verbos (sem hífen), teremos uma situação
       polêmica. Para alguns gramáticos, é correto, para outros não. Convém fazer a questão
       por eliminação.
    - Quero lhe mandar o resultado. (certo ou errado)
    - Estou lhe mandando o resultado. (certo ou errado)
Pode parecer estranho o que estou dizendo, mas é a realidade da língua portuguesa. Numa
redação, peço-lhe que não use o pronome solto entre os dois verbos.
2) Com o particípio                                  - Tenho-lhe mostrado o resultado.
Quando o verbo principal é o particípio, há          - Nunca lhe tenho mostrado o resultado.
uma limitação maior. Só duas colocações são
rigorosamente corretas, uma delas com
palavra atrativa.
Observações finais
    a) O particípio, diferentemente do infinitivo e do gerúndio, não admite ênclise.
    - Tenho mostrado-lhe o resultado. (errado)
    - Nunca tenho mostrado-lhe o resultado. (errado)
    b) Com o pronome solto entre os dois verbos, como vimos anteriormente, a situação é
       polêmica. Resolva por eliminação.
- Tenho lhe mostrado o resultado. (certo ou errado).
    c) Veja, a seguir, como se deve agir quando há uma frase com pronome solto entre os
       dois verbos.
Assinale o erro de colocação pronominal.
a) Alguém me falou sobre o jogo.
b) Vou lhe contar algo.
c) Mostrá-lo-ei.
d) Me deixaram feliz.
A alternativa b pode ser considerada correta ou errada pela banca do concurso. Assim,
observe as outras opções. A última traz uma frase começada por pronome átono. Isso é, já o
dissemos, inaceitável. Assim, deduz-se que a banca considerou correta a opção b. O gabarito
só pode ser a letra d.
    d) Às vezes o pronome átono fica entre duas palavras atrativas. É uma situação especial
       de próclise conhecida como apossínclise.
    - Talvez me não peçam nada.
    - É claro que fica mais agradável dizer “Talvez não me peçam nada. Contudo, ambas as
       construções são corretas.
    e) A palavra atrativa pode estar antes de uma expressão entre vírgulas.
    - Ele garantiu que, se não chovesse, se apresentaria logo.
A conjunção que atrai o pronome átono me.

   6. EMPREGO DE TEMPOS E MODOS VERBAIS

MODO VERBAL
Indicativo                    Subjuntivo                      Imperativo
Um fato                       Uma hipótese                    Um pedido
um fato real, que pode        um fato hipotético, duvidoso,   expressa idéias de ordem,
pertencer ao presente, ao     provável ou possível.           pedido, desejo, convite.
passado ou ao futuro          Situar o fato no campo da
                              probabilidade
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues
53980896 1-portugues

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conferência AO Lisboa Editora
Conferência AO Lisboa EditoraConferência AO Lisboa Editora
Conferência AO Lisboa Editorapaulasalvador
 
Apresentacao1 Slides Acordo Ortogr
Apresentacao1 Slides Acordo OrtogrApresentacao1 Slides Acordo Ortogr
Apresentacao1 Slides Acordo Ortogrguest709bd8
 
Português
PortuguêsPortuguês
Portuguêspoypoymc
 
Aula 10 sintaxe de regência
Aula 10   sintaxe de regênciaAula 10   sintaxe de regência
Aula 10 sintaxe de regênciaJonatas Carlos
 
Lpclassesgramaticais
LpclassesgramaticaisLpclassesgramaticais
Lpclassesgramaticaismarcobatista
 
Gramática aula 14 - concordância nominal i
Gramática   aula 14 - concordância nominal iGramática   aula 14 - concordância nominal i
Gramática aula 14 - concordância nominal imfmpafatima
 
Exercícios sobre estrutura e formação de palavras
Exercícios sobre estrutura e formação de palavrasExercícios sobre estrutura e formação de palavras
Exercícios sobre estrutura e formação de palavrasma.no.el.ne.ves
 
Acordo ortografico márcia
Acordo ortografico márciaAcordo ortografico márcia
Acordo ortografico márciamrpagane
 
Figuras de sintaxe
Figuras de sintaxeFiguras de sintaxe
Figuras de sintaxeEdson Alves
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 87
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 87Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 87
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 87luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 102
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 102Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 102
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 102luisprista
 
Gramática aula 16 - colocação pronominal
Gramática   aula 16 - colocação pronominalGramática   aula 16 - colocação pronominal
Gramática aula 16 - colocação pronominalmfmpafatima
 

Mais procurados (19)

Conferência AO Lisboa Editora
Conferência AO Lisboa EditoraConferência AO Lisboa Editora
Conferência AO Lisboa Editora
 
Formacao acordoortografico pt_final[1]
Formacao acordoortografico pt_final[1]Formacao acordoortografico pt_final[1]
Formacao acordoortografico pt_final[1]
 
Apresentacao1 Slides Acordo Ortogr
Apresentacao1 Slides Acordo OrtogrApresentacao1 Slides Acordo Ortogr
Apresentacao1 Slides Acordo Ortogr
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
 
Coordenadas
CoordenadasCoordenadas
Coordenadas
 
Aula 10 sintaxe de regência
Aula 10   sintaxe de regênciaAula 10   sintaxe de regência
Aula 10 sintaxe de regência
 
Acentuação Gráfica
Acentuação GráficaAcentuação Gráfica
Acentuação Gráfica
 
Conhecendo o novo acordo ortográfico módulo ii
Conhecendo o novo acordo ortográfico   módulo iiConhecendo o novo acordo ortográfico   módulo ii
Conhecendo o novo acordo ortográfico módulo ii
 
Lpclassesgramaticais
LpclassesgramaticaisLpclassesgramaticais
Lpclassesgramaticais
 
Ortografia
OrtografiaOrtografia
Ortografia
 
Gramática aula 14 - concordância nominal i
Gramática   aula 14 - concordância nominal iGramática   aula 14 - concordância nominal i
Gramática aula 14 - concordância nominal i
 
Exercícios sobre estrutura e formação de palavras
Exercícios sobre estrutura e formação de palavrasExercícios sobre estrutura e formação de palavras
Exercícios sobre estrutura e formação de palavras
 
Acordo ortografico márcia
Acordo ortografico márciaAcordo ortografico márcia
Acordo ortografico márcia
 
Figuras de sintaxe
Figuras de sintaxeFiguras de sintaxe
Figuras de sintaxe
 
Portugues (1)
Portugues (1)Portugues (1)
Portugues (1)
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 87
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 87Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 87
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 87
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 102
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 102Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 102
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 102
 
Classe de palavras verbos
Classe de palavras   verbosClasse de palavras   verbos
Classe de palavras verbos
 
Gramática aula 16 - colocação pronominal
Gramática   aula 16 - colocação pronominalGramática   aula 16 - colocação pronominal
Gramática aula 16 - colocação pronominal
 

Semelhante a 53980896 1-portugues

Acentuação gráfica. regras de acentuação gráfica
Acentuação gráfica. regras de acentuação gráficaAcentuação gráfica. regras de acentuação gráfica
Acentuação gráfica. regras de acentuação gráficaGrasiellePardinhoRod1
 
Apostila De Portugues Especifico Concurso
Apostila De Portugues Especifico ConcursoApostila De Portugues Especifico Concurso
Apostila De Portugues Especifico Concursomauricio souza
 
Linguagem corporal
Linguagem corporalLinguagem corporal
Linguagem corporalPaula Arena
 
Ortografia e acentuação
Ortografia e acentuaçãoOrtografia e acentuação
Ortografia e acentuaçãoSolange Mendes
 
Slide port.
Slide   port.Slide   port.
Slide port.cepmaio
 
Slide port.
Slide   port.Slide   port.
Slide port.cepmaio
 
Slide port.
Slide   port.Slide   port.
Slide port.cepmaio
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoEvandro Souto
 
Estrutura das palavras
Estrutura das palavrasEstrutura das palavras
Estrutura das palavrasSeduc/AM
 
LISTA DE PALAVRAS PARÓNIMAS.docx
LISTA DE PALAVRAS PARÓNIMAS.docxLISTA DE PALAVRAS PARÓNIMAS.docx
LISTA DE PALAVRAS PARÓNIMAS.docxSilas Rodrigues
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36luisprista
 
regras de ortografia.docx
regras de ortografia.docxregras de ortografia.docx
regras de ortografia.docxFernandoMarcia1
 
regras de ortografia.docx
regras de ortografia.docxregras de ortografia.docx
regras de ortografia.docxFernandoMarcia1
 

Semelhante a 53980896 1-portugues (20)

Acentuação gráfica. regras de acentuação gráfica
Acentuação gráfica. regras de acentuação gráficaAcentuação gráfica. regras de acentuação gráfica
Acentuação gráfica. regras de acentuação gráfica
 
Apostila De Portugues Especifico Concurso
Apostila De Portugues Especifico ConcursoApostila De Portugues Especifico Concurso
Apostila De Portugues Especifico Concurso
 
Linguagem corporal
Linguagem corporalLinguagem corporal
Linguagem corporal
 
Ortografia e acentuação
Ortografia e acentuaçãoOrtografia e acentuação
Ortografia e acentuação
 
Slide port.
Slide   port.Slide   port.
Slide port.
 
Slide port.
Slide   port.Slide   port.
Slide port.
 
Slide port.
Slide   port.Slide   port.
Slide port.
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Reforma
ReformaReforma
Reforma
 
Resumão de português
Resumão de portuguêsResumão de português
Resumão de português
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
 
Acentuacao grafica
Acentuacao graficaAcentuacao grafica
Acentuacao grafica
 
Revisão português.ppt
Revisão português.pptRevisão português.ppt
Revisão português.ppt
 
Estrutura das palavras
Estrutura das palavrasEstrutura das palavras
Estrutura das palavras
 
LISTA DE PALAVRAS PARÓNIMAS.docx
LISTA DE PALAVRAS PARÓNIMAS.docxLISTA DE PALAVRAS PARÓNIMAS.docx
LISTA DE PALAVRAS PARÓNIMAS.docx
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Aula01 saudeaprovacao
Aula01 saudeaprovacaoAula01 saudeaprovacao
Aula01 saudeaprovacao
 
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
Apresentação para décimo ano de 2017 8, aula 35-36
 
regras de ortografia.docx
regras de ortografia.docxregras de ortografia.docx
regras de ortografia.docx
 
regras de ortografia.docx
regras de ortografia.docxregras de ortografia.docx
regras de ortografia.docx
 

Último

"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfAntonio Barros
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024azulassessoria9
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarDouglasVasconcelosMa
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 

Último (20)

"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 

53980896 1-portugues

  • 1. PORTUGUÊS: Ortografia oficial. Acentuação gráfica. Flexão nominal e verbal. Pronomes: emprego, formas de tratamento e colocação. Emprego de tempos e modos verbais. Vozes do verbo. Concordância nominal e verbal. Regência nominal e verbal. Ocorrência de crase. Pontuação. Redação (confronto e reconhecimento de frases corretas e incorretas). Intelecção de texto. 1. ORTOGRAFIA OFICIAL EMPREGO DE LETRAS As letras S, J e Z mantêm-se nas palavras derivadas de outras em camisa – camiseta que elas aparecem laranja – laranjeira cruz – cruzar O sufixo EZA (ou EZ) é usado em substantivos abstratos derivados nobre – nobreza de adjetivos. pálido – palidez O sufixo ESA (ou ISA) é usado na formação de feminino. barão – baronesa poeta – poetisa Depois de EN usa-se X, e não CH. enxoval, enxergar, São exceções: enxuto a) O verbo encher e derivados. b) A palavra enchova (variante de anchova) c) As palavras derivadas de outras grafadas com ch (enchumbar, encharcar etc.) Depois de ditongo usa-se S, X e Ç, e não Z, CH e SS. coisa, lousa, pausa São exceções: eixo, faixa, queixo a) A palavra caucho e derivadas. eleição, afeição, b) Diminutivos com a consoante de ligação Z (papeizinhos, rejeição aneizinhos etc.) Depois de ME usa-se X, e não CH. mexer, mexerico, São exceções mecha (de cabelo), mechar (derivado de mecha) e mexilhão mechoação. O sufixo IZAR é usado em verbos derivados de nomes. canalizar – de canal Observações: concretizar – de a) Se já houver S no radical, essa letra se conserva. Ex.: concreto pesquisar – de pesquisa ; analisar – de análise suavizar – de suave b) Catequese dá origem a catequizar, com a redução do radical. Se a palavra fosse catequesar, seria, evidentemente, com s. Escrevem-se com S os sufixos OSE e OSO. psicose, hematose, formoso, carinhoso Os derivados do verbo TER formam palavras com Ç. deter – detenção reter – retenção Grafam-se com SS as palavras derivadas de verbos terminados em emitir – emissão TIR, quando essa terminação desaparece. omitir – omissão Permitir – permissão Palavras derivadas de verbos, quando mantêm a vogal temática salvar – salvação deles, grafam-se partir – partição com Ç. Palavra que se deriva de outra com T no radical grafa-se com Ç. cantar – canção optar – opção Quando o radical do verbo termina por ND, RG ou RT, suas compreender – derivadas se grafam com S. compreensão aspergir – aspersão converter – conversão Ascender – ascensão Quando o radical do verbo termina em CED, GRED, PRIM ou MET, conceder – concessão suas derivadas se grafam com SS. regredir – regressão comprimir – Cuidado! EXCEÇÃO é derivado de EXCETUAR – e não de EXCEDER compressão remeter – remessa
  • 2. Observações a) Cuidado especial com as palavras derivadas que seguem. tórax – torácico (e não toráxico) fêmur – femoral (e não femural) estender – extensão (e não estensão) discreto – discrição (e não discreção) b) Em português há muitas formas variantes legítimas, às vezes quase desconhecidas. Veja algumas importantes. aluguel ou aluguer - assobiar ou assoviar - bêbado ou bêbedo - cãibra ou câimbra - champanha ou champanhe - chimpanzé ou chipanzé - quociente ou cociente - coisa ou cousa - flauta ou frauta - flecha ou frecha - floco ou froco - germe ou gérmen - louro ou loiro - marimbondo ou maribondo - neblina ou nebrina - percentagem ou porcentagem - quatorze ou catorze - quota ou cota - quotidiano ou cotidiano - rastro ou rasto - registrar ou registar - taberna ou taverna c) Veja a grafia correta de determinadas palavras. Não se trata de formas variantes. caramanchão e não carramanchão disenteria e não desinteria empecilho e não impecilho estrambótico e não estrambólico meteorologia e não metereologia muçulmano e não mulçumano privilégio e não previlégio SEPARAÇÃO SILÁBICA – Curiosidades Separam-se as letras r e s dos prefixos quando a palavra a que eles se ligam começa por vogal. Ex.: su-pe-ra-bun-dan-te, bi-sa-vô Mas: su-per-mer-ca-do, bis-ne-to Separa-se a letra b do prefixo sub quando a palavra a que ele se liga começa por vogal. Ex.: su-ba-é-reo, su-bo-fi-ci-al Mas: sub-se-ção, sub-te-nen-te Na palavra sublinhar, sub está seguido da consoante l. Há uma tendência a pronunciar bl, tendência essa que leva a pessoa a não separar o grupo, o que é errado, pois l é consoante. Veja a separação: sub-li-nhar. A palavra abrupto (e derivados) deveria ter hífen, pela regra ortográfica: ab-rupto. Se assim fosse, o hífen se manteria na divisão silábica. Em virtude dessa anomalia, o falante passou a pronunciar bru, o que leva a erro de divisão silábica. Veja a separação da palavra: ab-rup-to. Sendo essa, na realidade, a pronúncia adequada. Nos grupos do tipo ia, io, ua, uo etc. (primeiro o i ou o u), se um dos elementos vocálicos for tônico, separa-se, pois se trata de hiato; caso contrário, temos ditongo, que é inseparável. É o caso de secretária e secretaria. PALAVRAS PRIMITIVAS A palavra derivada costuma conservar a grafia da palavra primitiva Quando a primitiva já apresenta a letra s ela é mantida na derivada Ex.: pai – paizinho; país – paisinho Descendente – verbo descender (ligação com verbo descer) – Ex.: Trajetório descendente (que desce, decresce) Exceções: estender – extensão, catequese – catequizar; dispêndio - despender Normalmente se usa x após en Exceção: encher – primitiva: cheio Ex.: enxuto, enxovalhar. encharcado – primitiva: charco Discricionário Discricionariedade ou Discricionaridade Sério Seriedade Solidário Solidariedade Sócio Sociedade Sóbrio Sobriedade Homogêneo Homogeneidade Corpóreo Corporeidade Idôneo Idoneidade Contemporâneo Contemporaneidade Instantâneo Instantaneidade Espontâneo Espontaneidade
  • 3. PARÔNIMOS são palavras parecidas na grafia ou na pronúncia, mas com significados diferentes. absolver (perdoar, inocentar) absorver (sorver, aspirar) Aferir (medir) Auferir (ganhar, obter) arrear (pôr arreios) amar (descer, cair) cavaleiro (que cavalga) cavalheiro (saudação) comprimento (extensão) cumprimento (saudação) descrição (ato de descrever) discrição (reserva, prudência) descriminar (tirar a culpa, inocentar, retirar discriminar (segregar, separar, distinguir, a criminalidade) discernir, distinguir) despensa (onde se guardam mantimentos) dispensa (ato de dispensar) emigrar (deixar um país) imigrar (entrar num país) eminente (elevado) iminente (prestes a ocorrer) esbaforido (ofegante, apressado) espavorido (apavorado) estada (permanência de pessoal) estadia (permanência de veículos) espectador (é o que vê ou testemunha expectador (é o que está na expectativa) certos atos (ou programas de televisão)) flagrante (evidente) fragrante (perfumado) fusível (o que funde) fuzil (arma) imergir (afundar) emergir (vir a tona) inflação (alta de preços) infração (violação) infligir (aplicar pena) infringir (violar, desrespeitar) mandado (ordem judicial) mandato (procuração) Ratificar (confirmar) Retificar (corrigir) recrear (divertir, alegrar) recriar (criar novamente) sortir (abastecer) surtir (produzir efeito) tráfego (trânsito) tráfico (comércio ilegal) vadear (atravessar a vau) vadiar (andar ociosamente) vultoso (volumoso) vultuoso (atacado de congestão na face) HOMÔNIMOS são palavras que têm a mesma pronúncia, mas significados diferentes. acender (pôr fogo) ascender (subir acento (símbolo gráfico) assento (lugar onde se senta) apreçar (ajustar o preço) apressar (tornar rápido) bucho (estômago) buxo (arbusto) caçar (capturar animal) cassar (tornar sem efeito) cela (pequeno quarto) sela (arreio) censo (recenseamento) senso (entendimento, juízo) cerrar (fechar) serrar (cortar) chá (bebida) xá (antigo soberano do irã) cheque (ordem de pagamento) xeque (lance de jogo de xadrez) concertar (ajustar, combinar) consertar (corrigir, reparar) Contenção (Ato de Contender (lutar, brigar, Contensão (esforço ou tensão consideráveis) ...) ou ato ou efeito de conter (com mais esforço para conter despesas improdutivas) coser (costurar) cozer (preparar alimentos) esperto (inteligente, perspicaz) experto (experiente, perito) estrato (camada) extrato (o que se extrai de ) incerto (impreciso) inserto (introduzido, inserido) incipiente (principiante) insipiente (ignorante) ruço (pardacento, grisalho) russo (natural da rússia) são (sadio, adjetivo) são (verbo, ser) tachar (atribuir defeito a) taxar (fixar taxa)
  • 4. EMPREGO DE CERTAS PALAVRAS PORQUE Usado em motivos, causas e explicações. Pafúncia não foi à aula porque (= pois) estava doente. Obs.: Trata-se da conjunção subordinativa Acertou todas as questões porque é causal (primeiro exemplo) ou da muito inteligente. (Acertou todas as conjunção coordenativa explicativa questões pois é muito inteligente) (segundo exemplo). = PARA QUE Procurou ajuda porque o vizinho fosse Obs.: Trata-se da conjunção subordinativa salvo. (Procurou ajuda para que o final, pouco usada hoje em dia. vizinho fosse salvo) PORQUÊ Geralmente precedido de artigo, Não sei o porquê de ela não ter ido à pronome, etc... aula. Obs.: Trata-se de um substantivo. POR QUÊ = POR QUE RAZÃO (final de frase ou Ela não foi à aula por quê? oração). POR QUE Equivalente a pelo(s) qual(is), pela(s) Esta é a estrada por que passam qual(is), por qual. cinco mil carros todos os dias. Obs.: Trata-se do pronome relativo que A causa por que lutávamos era justa. antecedido pela preposição por, que o (A causa pela qual lutávamos era verbo exige. justa) Equivalente a por que motivo, por que Quero saber por que Pafúncia não foi razão. No início ou meio da frase à aula. Obs.: Trata-se de um advérbio Não sei por que a casa está suja. interrogativo de causa. (Não sei por que motivo a casa está suja) Quando a oração começada pelo que Ansiava por que todos se pode ser substituída por isto. entendessem. (Ansiava por isto) Obs.: Trata-se da conjunção integrante que antecedida pela preposição por, exigida pelo verbo da primeira oração. A fim de Com vontade Afim Afinidade, grau de parentesco Cerca de aproximadamente Há cerca indicação de tempo decorrido  “há Não o vejo há cerca de (há de aproximadamente”, sendo esse há o aproximadamente) dois meses. verbo haver indicando tempo ou Aqui há cerca de (há/existem significando existir. aproximadamente) cem pessoas. A cerca a preposição “a” precede a expressão O homem ficou a cerca de (a de por indicar distância, ou tempo futuro aproximadamente) duzentos metros. aproximado  “a aproximadamente” acerca “Sobre”, “a respeito de”, “relativamente” Não conversavam acerca (a respeito) de de religião. “Eles saíram de casa há cerca de (tempo) uma hora em direção à fazenda que fica a cerca de (distância) 30 km de São Paulo. Tenho minhas dúvidas acerca do (sobre) tempo que levarão para chegar lá, já que a estrada está em péssimas condições.” Tampouc Equivale a “também não”. Não canta, tampouco (também não) o faz poesia. tão Trata-se do advérbio tão mais o Estudou tão pouco que nada pouco advérbio ou pronome pouco. aprendeu. Ganhou tão pouco dinheiro que acabou desistindo. Mau O contrário de bom. Era um mau negócio. (Era um bom negócio) Mal Em todos os outros casos: - Ele canta mal. (Ele canta bem) - Antônimo de bem. - Mal (Assim que) começou a chuva, - Sinônimo de assim que eles entraram. - Sinônimo de quase não. - Está tão fraco que mal (quase não) dá para ficar em pé.
  • 5. Mais - Antônimo de menos. - Tem mais (menos) recursos que - Sentido aproximado de jamais. você. - Não quero mais (jamais) falar sobre isso. Mas - Sinônimo de porém. - Foi à cidade, mas (porém) não - Na correlação não só...mas resolveu o problema. também = e. - Não só trabalha, mas também se diverte. (Trabalha e se diverte). Más - Antônimo de boas. - Não andava em más (boas) companhias. Sob - Embaixo de - O cachorro ficou sob a mesa. - Na dependência de autoridade - Estávamos sob uma terrível - De acordo com ditadura. - A partir de - Só usa roupas sob medida. - Envolvido, influenciado - Analisei o caso sob novo ângulo. - Durante - Vivia sob grande tensão. - Tudo se passou sob o governo de D. Pedro II. Sobre - Acima de - A escova estava sobre uma cadeira. - A respeito de - Naquela época, não se conversava - De encontro a sobre política. - Além de - A luz incidiu sobre a parede. - Por causa de - Já estava sobre os cinqüenta anos. - Em relação de dominância - Orgulhava-se sobre sua vida de - Após conquistas. Exerce influência benigna sobre os jovens. Subiu a escadaria degrau sobre degrau. Há - É o verbo haver. - Há pessoas na sala. (existem) - Idéia de existir - Ele saiu há pouco. (faz; idéia de - Idéia de tempo decorrido – faz tempo decorrido) A - Como preposição, costuma - Daqui a pouco, sairei. (não equivale confundir-se com o verbo haver a faz; é idéia de futuro) (há) À - Fusão da preposição a com outro - Irei à feira. (Irei a a feira) a (artigo ou pronome). ARTIGO “a” X PREPOSIÇÃO ”a” O artigo sempre acompanha o substantivo. O artigo feminino “A” só pode existir, portanto, antes de um substantivo feminino singular (expresso ou elíptico). Em todos os demais casos, o A será preposição: Entreguei A carta A ela, que se pôs A chorar. CONSOANTES MUDAS CUIDADO! com algumas palavras especiais: - AFICIONADO (tem apenas um “c” – formalmente, não existe “aficcionado”) - ABRUPTO , OPTAR (cuidado na conjugação do verbo, em que a letra “p” é muda – eu opto, tu optas...) - Outras (e suas derivadas) facultam a colocação da letra muda – CONTA(C)TO, INFE(C)ÇÃO, CORRU(P)ÇÃO, - A(C)CESSÍVEL (com o “c” dobrado, pronuncia-se <cs>), como o “x” de táxi). - Outra palavra perigosa é “CARÁTER”. O plural correspondente busca em sua origem latina a grafia CARACTERES (“Aquele rapaz é um mau caráter. Aqueles rapazes são uns maus caracteres”). TREMA – NOVA ORTOGRAFIA Não se usa mais trema quando o u for pronunciado, exceto em palavras estrageiras, por exemplo, Müller HIFEN – NOVA ORTOGRAFIA
  • 6. COM HIFEN – palavras que iniciam Anti-higiênico, anti-horário, mini-hotel, sobre-humano, com h super-homem, ultra-humano COM HIFEN – terminado por vogal Contra-ataque, re-escrever, anti-inflamatório, semi- + vogal igual integral, micro-ondas, auto-observação, extra-abdominal SEM HIFEN – terminado por vogal Autoestrada, agroindustrial, anteontem, extraoficial, + vogal diferente coautor, infraestrutura, semianalfabeto SEM HIFEN –terminado em vogal Antessala, contrassenso, minissaia, ultrassom, + S ou R, duplica-se a consoante antissocial, antirracista, antirrugas, sobressaia, contrarregras COM HIFEN – terminado com Inter-racial, hiper-resistente, super-romântico, sub- consoante + mesma consoante bibliotecário SEM HIFEN – nos demais casos Hipermercado, intermunicipal, superinteressante COM HIFEN – prefixo, CIRCUM ou Circum-adjacente, circum-navegação, pan-americano, PAN + vogal M, N pan-europeu SEM HIFEN – terminado por Hiperativo, interescolar, hipereconômico, consoante + vogal supereconômico, superaquecimento, interação COM HIFEN – palavras com Sem-terra, recém,nascido, sem-vergonha, pré-datado, pseudo prefixos  RECÉM, ALÉM, pós-graduado, ex-presidente, recém-casados, pré- AQUÉM, SEM, PÓS, PRÉ, EX, VICE vestibular SEM HIFEN – quando não se tem a Madressilva, girassol, mandachuva, paraquedas, noção de que a palavra é paravento composta COM HIFEN – para ligar Ponte Rio-Niterói, Eixo Rio-São Paulo, Relação Professor- encadeamentos vocabulares aluno, Distância Porto Alegre-Brasília COM HIFEN – advérbio NÃO + Não-comparecimento, não-presença, não-pagamento substantivo, (quando for igual a IN) COM HIFEN – BEM ou MAL + Vogal Bem-estar, bem-aventurado, bem-humorado, mal-estar, ou h mal-aventurado, mal-humorado Para clareza, se no final da linha a partição de uma palavra ou combinação de palavras coincidir com o hífen, ele deve ser repetido na linha seguinte. 2. ACENTUAÇÃO GRÁFICA Monossílabas Terminadas em a(s), e(s), o(s) Cá, pé, pó, rés, pás Oxítonas Terminadas em a(s), e(s), o(s) em Café, refém, reféns, sabiá (ens) Paroxítonas Não terminadas em a(s), e(s), o(s) Hífen, hifens, biquíni, fácil, fênix em (ens) Terminadas em Ditongo Glória, indivíduos, sábia, concordância Crescente Proparoxíton Todas são acentuadas Fósforo, matemática as Hiato “i” e “u” sozinhos ou com s, não Piauí, raízes, juízes, fluído (verbo fluir), seguido de nh. (VER EXCEÇÃO NA fluido NOVA ORT) OBS.: Segundo o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (V.O.L.P.), que tem força de lei no Brasil, a acentuação dos ditongos é classificada na regra dos proparoxítonos (sé-ri-e / vi-tó-ri-a) e os monossílabos são classificados na mesma regra dos oxítonos. NOVA ORTOGRAFIA – ACENTUAÇÃO Não se usa mais o acento dos ditongos abertos éi e ói Estreio, geleia, heroico, ideia, das palavras paroxítonas (palavras que têm acento jiboia, joia, odisseia tônico na penúltima sílaba). Atenção: essa regra é válida somente para palavras paroxítonas. Assim, continuam a ser acentuadas as palavras oxítonas e os monossílabos tônicos terminados em éis e ói(s). Exemplos: papéis, herói, heróis, dói (verbo doer), sóis etc. Nas palavras paroxítonas, não se usa mais o acento no Baiuca, bocaiuva, cauila, feiura i e no u tônicos quando vierem depois de um ditongo decrescente. Atenção: 1) se a palavra for oxítona e o i ou o u estiverem em posição final (ou seguidos de s), o
  • 7. acento permanece. Exemplos: tuiuiú, tuiuiús, Piauí; 2) se o i ou o u forem precedidos de ditongo crescente, o acento permanece. Exemplos: guaíba, Guaíra. Não se usa mais o acento das Abençoo, (verbo crer) creem, (verbo dar) deem, (verbo palavras terminadas em êem e doar) dôo, enjoo, (verbo ler) leem ôo(s). Não se usa mais o acento pára/para, péla(s)/ pela(s), pêlo(s)/pelo(s), pólo(s)/polo(s) e diferencial nas seguintes pêra/pera. palavras: Atenção! • Permanece o acento diferencial em pôde/pode. Pôde é a forma do passado do verbo poder (pretérito perfeito do indicativo), na 3.ª pessoa do singular. Pode é a forma do presente do indicativo, na 3.ª pessoa do singular. Exemplo: Ontem, ele não pôde sair mais cedo, mas hoje ele pode. • Permanece o acento diferencial em pôr/por. Pôr é verbo. Por é preposição. Exemplo: Vou pôr o livro na estante que foi feita por mim. • Permanecem os acentos que diferenciam o singular do plural dos verbos ter e vir, assim como de seus derivados (manter, deter, reter, conter, convir, intervir, advir etc.). Exemplos: Ele tem dois carros. / Eles têm dois carros. Ele vem de Sorocaba. / Eles vêm de Sorocaba. Ele mantém a palavra. / Eles mantêm a palavra. Ele convém aos estudantes. / Eles convêm aos estudantes. Ele detém o poder. / Eles detêm o poder. Ele intervém em todas as aulas. / Eles intervêm em todas as aulas. • É facultativo o uso do acento circunflexo para diferenciar as palavras forma/ fôrma. Em alguns casos, o uso do acento deixa a frase mais clara. Veja este exemplo: Qual é a forma da fôrma do bolo? 5. Não se usa mais o acento agudo no u tônico das formas (tu) arguis, (ele) argui, (eles) arguem, do presente do indicativo do verbo arguir. O mesmo vale para o seu composto redarguir. 6. Há uma variação na pronúncia dos verbos terminados em guar, quar e quir, como aguar, averiguar, apaziguar, desaguar, enxaguar, obliquar, delinquir etc. Esses verbos admitem duas pronúncias em algumas formas do presente do indicativo, do presente do subjuntivo e também do imperativo. Veja: a) se forem pronunciadas com a ou i tônicos, essas formas devem ser acentuadas. Exemplos • verbo enxaguar: enxáguo, enxáguas, enxágua, enxáguam; enxágue, enxágues, enxáguem. • verbo delinquir: delínquo, delínques, delínque, delínquem; delínqua, delínquas, delínquam. b) se forem pronunciadas com u tônico, essas formas deixam de ser acentuadas. Exemplos (a vogal sublinhada é tônica, isto é, deve ser pronunciada mais fortemente que as outras): • verbo enxaguar: enxaguo, enxaguas, enxagua, enxaguam; enxague, enxagues, enxaguem. • verbo delinquir: delinquo, delinques, delinque, delinquem; delinqua, delinquas, delinquam. Atenção: no Brasil, a pronúncia mais corrente é a primeira, aquela com a e i tônicos. CLASSES DE PALAVRAS E SEU EMPREGO CLASSES DE PALAVRAS Palavras variáveis (tem flexão) Palavras invariáveis (não têm flexão) substantivos Advérbios adjetivos Preposições artigos Conjunções verbos interjeições pronomes numerais 1) Classes básicas: substantivo e verbo. 2) Classes dependentes: - do substantivo: artigo, pronome adjetivo, numeral e adjetivo. - do verbo: advérbio. 3) Palavras de ligação: preposição (ligam palavras) e conjunção (ligam orações) 4) Interjeição
  • 8. SUBSTANTIVOS Definição tradicional (e suas falhas): Tradicionalmente, o substantivo é definido como vocábulo que designa os seres (pessoas, animais ou coisas): TIJOLO, FLORESTA, PINGÜIM, etc. Contudo, também pode designar QUALIDADE (honradez, lealdade) ou AÇÕES (subtração, viagem, assessoramento). Ora, isso leva muitos alunos a confundirem esses substantivos de qualidades com o ADJETIVO (“palavra que exprime qualidade”) e os de ação com os VERBOS (“palavra que designa ação”). Nesse caso, você deverá ficar atento para as características que vamos examinar no quadro a seguir. Características Flexionais: a) flexionam-se em gênero e número: PROFESSOR/ PROFESSORA ; PROFESSORES/ PROFESSORAS b) flexionam-se apenas em número: CASA/ CASAS ; ANIMAL/ ANIMAIS c) apresentam uma única forma (muito raros): PIRES – LÁPIS – ALFERES – ÓCULOS ADJETIVO FUNÇÃO: Todo adjetivo exprime uma qualidade ATRIBUÍVEL a um SUBSTANTIVO: pacote PESADO, besouro VERDE, gado GORDO, voz TERRÍVEL, etc. POSIÇÃO: Por isso mesmo, sua posição habitual (mas não obrigatória) é À DIREITA DE UM SUBSTANTIVO. Características Flexionais O adjetivo é obrigado a concordar em gênero (masc. ou fem.) e número (sing. ou plural) com o substantivo a que se refere. (a) adjetivos quadriformes (marcam o gênero e o número) livro MODERNO - livros MODERNOS ; obra MODERNA - obras MODERNAS (b) adjetivos biformes (só marcam o número) olhar / voz } DOCE - olhares / vozes } DOCES (c) adjetivos uniformes problema / problemas } SIMPLES ; questão / questões } SIMPLES Características Morfológicas Se examinarmos os advérbios em – MENTE, veremos que todos eles são formados com a seguinte fórmula: ADJETIVOS + MENTE Estranha Solene + MENTE Fraternal Bela Esse fato pode ser útil como uma forma de testagem, nos casos em que houver dúvida se um vocábulo é adjetivo ou substantivo. Experimente. LOCUÇÃO ADJETIVA Grupo de palavras com valor de um adjetivo. Ex.: dia de festa = festivo - amor de mãe = materno - água da chuva = pluvial - formato de círculo = circular PALAVRA DE VALOR ADJETIVO Não é adjetivo, classe gramatical. Ter valor adjetivo é, simplesmente, acompanhar substantivo. Ex.: O animal. Meu livro. Segunda prestação. Bom menino. As quatro palavras destacadas têm valor adjetivo, porque acompanham substantivos. Porém só bom é adjetivo. As outras são, respectivamente, artigo, pronome, numeral. Vocábulos substantivados Um importante mecanismo em nossa língua é a possibilidade de transformar em substantivo qualquer vocábulo das outras nove classes: Adjetivo: Um estudioso em assuntos estratégicos. Numeral: Neste baralho faltam os noves. Verbo: No romper da aurora. Pronome: O que queres dizer com este nós? Advérbio: O que nos reserva o amanhã? E assim por diante. Essa substantivação é assinalada por vocábulos especiais, que costumam ficar à esquerda de um substantivo:
  • 9. Vocábulos Substantivadores 1 – os artigos: o, um. 2 – os numerais: dois, três,... 3 – os pronomes possessivos: meu, teu, seu,... 4 – alguns pronomes demonstrativos: este, esse, aquele. 5 – alguns pronomes indefinidos: todo, outro, cada, muito. PRONOMES Pronomes são os que, sozinhos, podem representar funções sintáticas desempenhadas pelos substantivos (sujeito, objeto, etc.). Ele tem as mesmas funções sintáticas do substantivo. - Alguém chamou. Nada aconteceu. Já descobri tudo. Pronomes São os que não podem ser empregados sozinhos; sempre deverão acompanhar um substantivo, com o qual, muitas vezes, concordam em gênero e número. Ele é sempre um adjunto adnominal, como se vê na análise sintática. - Esta casa. Outros alunos. Muita gente. Quaisquer pessoas Pronomes I) Retos: os que atuam como sujeito ou, mais raramente, predicativo (eu, tu, ele, ela, nós, vós, eles, elas). Ex.: Ele fez a prova. São sempre Obs.: Somente eu e tu são sempre retos. Os outros podem ser retos ou oblíquos. II) Oblíquos: os que atuam como objetos ou adjuntos. Podem ser:  átonos: os que não são precedidos de preposição (me, te, o, a, lhe, nos e vos);  tônicos: os precedidos de preposição (mim, comigo, ti, contigo, ele, ela, nós, conosco, vós, convosco).  reflexivos: os que indicam que o sujeito pratica e sofre a ação verbal (me, te, se, si, consigo, nos e vos). Se, si e consigo são sempre reflexivos; os outros podem ser simples pronomes átonos. - Ela conversou com a colega. (pronome pessoal reto) - Falei com ela sobre isso. (pronome pessoal oblíquo tônico) - Disseram-me a verdade. (pronome pessoal oblíquo átono) - Eu me machuquei. (pronome pessoal oblíquo reflexivo) Pronomes III) De tratamento: são pronomes especiais usados no relacionamento social, de acordo com as circunstâncias e necessidades. Eis os mais importantes: São sempre Vossa Alteza (V.A) − para príncipes, duques e arquiduques. pronomes Vossa Eminência (V.Emª) − para cardeais. substantivos Vossa Excelência (V.Exª) − para autoridades do governo; altas patentes militares; bispos e arcebispos. Vossa Magnificência (V.Magª) − para reitores de universidades. Vossa Majestade (V.M.) − para reis. Vossa Santidade (V.S.) − para os papas Vossa Senhoria (V.Sª) − para oficiais até coronel; funcionários graduados; na linguagem comercial. Observações a) Às vezes, aparece Sua, no lugar de Vossa. Com Sua, a referência é a alguém de quem se está falando; com Vossa, à própria pessoa com quem se fala. Ex.: Sua Excelência, o prefeito, estará presente. Vossa Excelência tem uma reunião marcada para amanhã. b) O pronome oblíquo o (e flexões) pode sofrer alterações gráficas e fonéticas. Isso ocorre em duas situações: I) Quando o verbo termina em r, s ou z: o pronome passa a lo, com a queda dessas letras. Ex.: vender + o = vendê-lo - amemos + o = amemo-lo - fiz + o = fi-lo II) Quando o verbo termina em m ou ditongo nasal: o pronome passa a no. Ex.: alugaram + o = alugaram-no - dão + o = dão-no
  • 10. Pronomes meu, teu, seu, nosso, vosso, minha, tua, sua, nossa, vossa (mais a flexão de possessivos plural: meus, minhas etc.). São sempre pronomes possessivos, com exceção de nossa, que pode aparecer como interjeição: nossa! Vossa e sua podem também fazer parte de pronomes de tratamento: Vossa Senhoria, Sua Excelência. - Meu amigo está confiante. - Encontrei nossa mãe no supermercado. Pronomes este, esse, aquele, esta, essa, aquela (e as formas do plural). Além desses, demonstrati que são os tradicionais, podem ser demonstrativos o, a, tal, semelhante, vos mesmo e próprio. - O que falei estava correto. (aquilo) - Tal idéia me desagrada. (essa) - Não entendi semelhante proposta (esta) Obs.: Podem ser considerados demonstrativos os pronomes mesmo e próprio que aparecem em frases do tipo “Ela mesma fez a comida” e “Ela fez a mesma comida”. Pronomes I) Variáveis: algum, nenhum, muito, pouco, todo, certo, bastante etc. indefinidos - Algum dia lhe contarei. - Tive muitas oportunidades. Obs.: Na parte dos advérbios, veremos que várias palavras, como muito e bastante, podem ser advérbios de intensidade ou pronomes indefinidos, dependendo da frase. II) Invariáveis: alguém, ninguém, tudo, nada, outrem, cada etc. - Encontrei alguém naquela casa. Tudo já foi esquecido. Pronomes Fundamentais para quem faz concursos públicos. São pronomes que têm um Relativos antecedente (normalmente substantivo ou pronome substantivo), que eles substituem em sua oração. I) São sempre relativos: o qual (e flexões) e cujo (e flexões). - Meu pai, o qual me ensinou muito, é meu grande amigo. - O livro cujo autor conheci ontem está esgotado. II) Podem ser relativos (quando equivalem a o qual e flexões): que, quem, onde, como, quando e quanto. - Perdi o caderno que me deste. (o qual me deste) - A rua onde nos conhecemos é arborizada. (na qual nos conhecemos) - A pessoa a quem pedi ajuda seguiu adiante.(à qual pedi ajuda) Obs.: No terceiro exemplo, aparece, antes do quem, a preposição a, exigida pelo verbo pedi. É um problema de regência, o qual estudaremos na lição correspondente. Pronomes quem?, que? (ou o que?), qual?, quanto? - Qual foi o resultado? - Não sei qual foi o resultado. Na primeira frase, temos uma interrogação direta (com o ponto de interrogação presente); na segunda, uma interrogação indireta. Note que o qual é o mesmo, apenas, na segunda, apareceu antes dele um verbo, o que tornou a frase uma afirmação. Nas duas situações, qual é considerado pronome interrogativo. Locução pronominal Duas ou mais palavras com valor de pronome. - Cada um fará sua parte. - Pedirei a cada qual uma opinião. Nos dois exemplos, temos locuções pronominais indefinidas. ADVÉRBIO O advérbio é um modificador do verbo, exprimindo circunstâncias em que a ação ocorre (tempo, lugar, modo, etc.). Ex.: Ele escreveu ONTEM. - Deixei o livro AQUI. Os advérbios de intensidade podem, também, reforçar o sentido de um adjetivo ou mesmo de um outro advérbio. O vento era MUITO forte. - Ele nada MUITO bem. De tempo ontem, hoje, amanhã, antes, logo, depois, agora, cedo, tarde, outrora, etc. De lugar aqui, ali, lá, longe, perto, distante, além, atrás, fora, etc.
  • 11. De muito, pouco, bastante, mais, menos, demais, etc int ens ida de De sim, certamente, realmente, deveras, etc. afirmação De não, nunca, jamais. negação De dúvida talvez, quiçá, provavelmente, acaso, etc. De modo bem, mal, devagar, depressa e muitos outros com o sufixo – mente: educadamente, raramente, brevemente, etc. ADVÉRBIOS INTERROGATIVOS De lugar: onde? Onde está o material? Ignoro onde está o material. De tempo: quando? Quando virá o cientista? Não sei quando virá o cientista. De modo: como? Como aconteceu o acidente? Desconhecemos como aconteceu o acidente. De preço ou valor: Quanto custa o aparelho? Não me disseram quanto custa o quanto? aparelho. De causa: por que? Por que ele faltou? Explique-me por que ele faltou. Observações a) Nos quatro exemplos, aparecem interrogações diretas e indiretas. Veja o que foi dito no item “pronomes interrogativos”. b) Por que, na realidade, é uma locução adverbial de causa. LOCUÇÃO ADVERBIAL Duas ou mais palavras com valor de um advérbio. Os sete advérbios estudados podem vir em forma de locução. - Estudaram à noite. (locução adverbial de tempo) - Ficaram atrás da porta. (locução adverbial de lugar) Mas existem locuções que nunca se expressam por um único advérbio. Vejamos as mais importantes. De causa Tremia de frio De meio Iremos de navio. De instrumento Cortou-se com a lâmina. De condição As feras não vivem sem carne. De concessão Foi à praia apesar do temporal. Obs.: Ocorre quando há uma oposição em relação ao verbo. Não se vai, normalmente, à praia em dia de temporal. De conformidade Agiu conforme a situação. Ex.: Ocorre quando há uma idéia de acordo. De assunto Conversaram sobre a situação. De fim ou finalidade Sempre viveu para o estudo. De companhia Saiu com o pai. Observações
  • 12. a) Muito, pouco, bastante, tanto, mais, menos e outros podem ser advérbios de intensidade ou pronomes indefinidos. I) São advérbios quando modificam um verbo, um adjetivo ou outro advérbio. - Eles falavam bastante. II) São pronome indefinidos quando acompanham substantivos. - Tenho bastantes livros. - Recebi muito apoio. - Ganhei mais revistas do que ele. As palavras bastantes, muito e mais são pronomes adjetivos indefinidos, porque acompanham os substantivos livros, apoio e revistas. b) A palavra bem pode ser advérbio de intensidade ou de modo. - Ele fala bem. (advérbio de modo) - Ele está bem cansado. (advérbio de intensidade) c) As palavras derivadas terminadas em mente são sempre advérbios. - Antigamente se lia menos. (advérbio de tempo) - Andavam tranqüilamente pela praia. (advérbio de modo) - Irei certamente à noite. (advérbio de afirmação) d) Nunca e jamais são advérbios de tempo. Ex.: Jamais farei isso. (Em momento algum farei isso.) ADJETIVOS X ADVÉRBIOS É comum usarmos o adjetivo MASCULINO como um advérbio. Ex.: Ele fala ALTO. - Ele chuta FORTE. É fácil distingui-lo do verdadeiro adjetivo, se você recordar sempre este princípio: - ADJETIVOS SÃO PALAVRAS VARIÁVEIS - ADVÉRBIOS SÃO PALAVRAS INVARIÁVEIS Flexionando as demais palavras da frase, você vai poder verificar se o termo é ou não adjetivo: - Ele fala ALTO. Eles falam ALTO. } ADVÉRBIO - Ele é ALTO. Eles são ALTOS. } ADJETIVO VERBO - Palavra que exprime ação, estado ou fenômeno e admite flexão de tempo, modo, pessoa, número e voz. Ex.: andar: ando, andei, andassem; ser: sou, era, fomos; chover: chovia, chovera, choverá Classific Regular: o que não sofre alteração no cantar − radical: cant ação radical e nas terminações. canto, cantas, canta; cantei, cantaste, cantou Irregular o que sofre alterações. dizer − radical: diz digo, dizes, diz; disse, disseste, disse Principal o mais importante da locução Estou trabalhando verbal; é sempre o último do Quero trabalhar. grupo Auxiliar o que ajuda o principal a ser Temos estudado. conjugado; é sempre o Quero sair. primeiro Defectiv o que não se conjuga em todas as pessoas, tempos ou modos. o Veja, a seguir, alguns verbos defectivos importantes para concursos. abolir, colorir, banir, extorquir, demolir: Pres. ind.: aboles, abole, abolimos, não possuem a 1ª p.s. do presente do abolis, abolem indicativo; não se conjugam no presente Pres. subj.: não há do subjuntivo. Obs.: São completos em todas as formas do passado e do futuro. reaver, precaver-se, falir, remir, Pres. ind.: reavemos, reaveis adequar: só possuem a 1ª e a 2ª Pres. subj.: não há pessoas do plural do presente do Obs.: São completos em todas as indicativo; não se conjugam no presente formas do passado e do futuro. do subjuntivo. acontecer, ocorrer, doer, prazer: só dói, doem; doía, doíam; doesse, possuem a 3ª pessoa, tanto do singular doessem; doa, doam como do plural, em todos os tempos, inclusive no presente do subjuntivo.
  • 13. Abundan o que possui duas ou mais formas equivalente, quase sempre no te particípio. São abundantes: a) No particípio b) No presente do indicativo acender − acendido e aceso haver − havemos (ou hemos), haveis fritar − fritado e frito (ou heis) expulsar − expulsado e expulso construir (e destruir) − construis (ou matar − matado e morto constróis), construi (ou constrói), pagar – pagado e pago construem (ou constroem) aceitar − aceitado, aceito e aceite entupir (e desentupir) − entupes (ou ganhar − ganhado e ganho entopes), entupe (ou entope), entupem (ou entopem) Anômalo verbo formado por mais de ser: sou, és, fui um radical; só há dois verbos ir: vou, fui anômalos: ser e ir. Formas nominais São o infinitivo, o gerúndio e o particípio. Recebem esse nome porque equivalem, em certas circunstâncias, respectivamente, ao substantivo, ao advérbio e ao adjetivo. Ex.: Formas nominais de cantar: infinitivo − cantar gerúndio − cantando particípio − cantado Formas rizotônica e arrizotônica 1) Rizotônica: quando a vogal tônica está no radical. Ex.: choro, precisas, gritam 2) Arrizotônica: quando a vogal tônica está fora do radical. Ex.: lutamos, chegassem, corrermos Conjugações São três as conjugações, dependendo da vogal do infinitivo, chamada temática. 1) Primeira conjugação: quando a vogal temática é a. -- Ex.: louvar 2) Segunda conjugação: quando a vogal temática é e. -- Ex.: chover 3) Terceira conjugação: quando a vogal temática é i. -- Ex.: sorrir Obs.: O verbo pôr (e derivados) pertence á segunda conjugação, mas sua vogal temática não aparece no infinitivo; apresenta-se, como ocorre com todos os verbos, durante sua conjugação. Ex.: pões, pusesse, puser PREPOSIÇÃO É a palavra que liga duas outras na frase. Ex.: Preciso de ajuda. Preposições simples ou essenciais a, ante, após, até, com, contra, de, desde, em, entre, para, perante, por, sem, sob, sobre e trás. - Ele foi até a fonte. Ficamos em Petrópolis. Estava sob o balcão. Observações a) A palavra a pode ser várias coisas. - A camisa está limpa. (artigo definido) - Deixei-a ali. (pronome pessoal oblíquo átono) - A que ele fez é bem melhor. (pronome demonstrativo) - Referiu-se a ela. (preposição) b) Trás parece em raras expressões. - Ano trás ano, continuava confiante. c) Algumas preposições podem se unir a outras palavras, constituindo combinações ou contrações. - Morava na casa da frente. ( na − preposição em + artigo definido a.) (da − preposição de + artigo definido a.) - Esqueceu-se do que fora fazer ali. ( do − preposição de mais pronome demonstrativo o.) - Donde vens? (donde − preposição de mais advérbio onde.) - Naquela tarde, tudo estava calmo. (naquela − preposição em mais pronome demonstrativo
  • 14. aquela.) d) Algumas preposições podem introduzir orações reduzidas, que são aquelas que não apresentam conjunção e têm o verbo numa forma nominal. - Apresentou-se para trabalhar. - Estava certo de ser aprovado. Preposições acidentais Palavras de outras classes que, em situações especiais, funcionam como preposições. - Tenho que sair. Outras preposições acidentais: durante, conforme, segundo, como, salvo, fora etc. Locuções prepositivas Grupos de palavras que funcionam como preposições. Terminam por uma preposição simples. - Estava à beira de um precipício. Outras locuções prepositivas: à frente de, à procura de, a respeito de, à mercê de, à sombra de, a par de, apesar de, graças a, de acordo com etc. CONJUNÇÃO Palavra que liga duas orações. As conjunções podem ser: 1) coordenativas: quando ligam duas orações coordenadas. - Saí cedo e visitei meus avós. 2) subordinativas: quando ligam uma subordinada à sua principal. - Espero que não haja problemas. Locução conjuntiva Duas ou mais palavras com valor de conjunção. - Seremos felizes à proporção que nos tornarmos melhores. Observações a) As conjunções e, ou e nem podem, em certos casos, ligar duas palavras. - Comprarei uma casa ou um apartamento. b) Estudaremos com detalhes as conjunções na lição sobre classificação das orações. INTERJEIÇÃO Palavra com que transmitimos, geralmente de maneira espontânea, as nossas emoções. - Ai! Queimei o dedo! Outras interjeições: puxa!, bis!, oh!, caramba!, nossa! Locuções interjectivas Duas ou mais palavras com valor de interjeição. - Ora bolas! Você não deu o recado?! PALAVRA DENOTATIVA Há palavras semelhantes aos advérbios, mas que não constituem circunstâncias verbais. São as chamadas palavras denotativas. Veja algumas importantes. 1) De designação: eis. 2) De exclusão: exceto, salvo, menos, só, somente, apenas, exclusive etc. 3) De explicação: a saber, por exemplo etc. 4) De inclusão: além disso, até, também, inclusive, ainda etc. 5) De retificação: aliás, ou melhor, isto é etc. Observações finais a) São considerados invariáveis os advérbios, as conjunções, as preposições e as interjeições. No entanto, como veremos em concordância nominal, alguns advérbios admitem flexão. b) As preposições, as conjunções e as interjeições, bem como as palavras denotativas, não desempenham função sintática. c) Existem classificações gramaticais especiais como partícula apassivadora, parte integrante do verbo etc., que veremos em outras lições. 3. FLEXÃO NOMINAL
  • 15. Flexão de número Os nomes (substantivo, adjetivo etc.), de modo geral, admitem a flexão de número: singular e plural. Ex.: animal − animais Palavras simples 1) Na maioria das vezes, acrescenta-se S. Ex.: ponte − pontes bonito − bonitos 2) Palavras terminadas em R ou Z: acrescenta-se ES. Ex.: éter − éteres Obs.: O pronome qualquer faz o plural no meio: avestruz − avestruzes quaisquer. 3) Palavras oxítonas terminadas em S: acrescenta-se ES. Ex.: ananás − ananases, Obs.: As paroxítonas e as proparoxítonas são invariáveis. Ex.: o pires − os pires, o ônibus − os ônibus 4) Palavras terminadas em IL: a) átono: trocam IL por EIS. Ex.: fóssil − fósseis b) tônico: trocam L por S. Ex.: funil − funis 5) Palavras terminadas em EL: a) átono: plural em EIS. Ex.: nível − níveis b) tônico: plural em ÉIS. Ex.: carretel − carretéis 6) Palavras terminadas em X são invariáveis. Ex.: o clímax − os clímax 7) Há palavras cuja sílaba tônica avança. Ex.: júnior − juniores; caráter − Obs.: A palavra caracteres é plural tanto de caractere caracteres quanto de caráter. 8) Palavras terminadas em ÃO - ões: balões, corações, grilhões, Fazem o plural em ÃOS, ÃES e ÕES. melões, gaviões. - ãs: pagãos, cristãos, cidadãos, bênçãos, órgãos. Obs.: Os paroxítonos, como os dois últimos, sempre fazem o plural em ÃOS. - ães: escrivães, tabeliães, capelães, capitães, alemães - õs ou ãos: corrimões/corrimãos, verões/verãos, anões/anãos - ões ou ães: charlatões/charlatães, guardiões/guardiães, cirugiões/cirurgiães - ões, ãos ou ães: anciões/anciãos/anciães, ermitões/ermitãos/ermitães 9) Plural dos diminutivos com a letra z Ex.: coraçãozinho Coloca-se a palavra no plural, corta-se o s e acrescenta- corações → coraçõe → se zinhos (ou zinhas). coraçõezinhos azulzinha azuis → azui → azuizinhas 10) Plural com metafonia (ô → ó) Com metafonia  singular (ô) Algumas palavras, quando vão ao plural, abrem o timbre plural (ó): da vogal o; outras, não. coro coros ; corvo corvos ; destroço destroços ; forno fornos ; fosso fossos ; poço poços ; rogo rogos ; tremoço tremoços ; troco trocos Sem metafonia  singular (ô) plural (ô): adorno adornos ; bolso bolsos ; endosso endossos ; esgoto esgotos ; estojo estojos ; gosto gostos ; gozo gozos ; toldo toldos ; transtorno transtornos
  • 16. 11) Casos especiais: aval − avales e avais cal − cales e cais cós − coses e cós fel − feles e féis mal e cônsul − males e cônsules Palavras compostas 1) Os dois elementos Quando os compostos são formados por substantivo mais variam. palavra variável (adjetivo, substantivo, numeral, pronome).Ex.: amor-perfeito − amores-perfeitos couve-flor − couves-flores segunda-feira − segundas-feiras 2) Só o primeiro elemento Quando há preposição no composto, mesmo que oculta. a) varia. Ex.: pé-de-moleque − pés-de-moleque ; cavalo-vapor − cavalos- vapor (de ou a vapor) b) Quando o segundo substantivo determina o primeiro (fim ou semelhança). Ex.: banana-maçã −bananas-maçã (semelhante a maçã) ; navio- escola −navios-escola (a finalidade é a escola) Observações a) Alguns autores admitem a flexão dos dois elementos. É uma situação polêmica. Ex.: mangas-espada (preferível) ou mangas-espadas b) Quando dizemos (e isso vai ocorrer outras vezes) que é uma situação polêmica, discutível, convém ter em mente que a questão do concurso deve ser resolvida por eliminação, ou seja, analisando bem as outras opções. 3) Apenas o último a) Quando os elementos são adjetivos. Obs.: A exceção é elemento varia. surdo-mudo, em que os dois adjetivos se flexionam: surdos-mudos. Ex.: hispano-americano − hispano-americanos b) Nos compostos em que aparecem os adjetivos GRÃO, GRÃ e BEL. Ex.: grão-duque − grão-duques ; grã-cruz − grã-cruzes ; bel- prazer − bel-prazeres c) Quando o composto é formado por verbo ou qualquer elemento invariável (advérbio, interjeição, prefixo etc.) mais substantivo ou adjetivo. Ex.: arranha-céu − arranha-céus ; sempre-viva − sempre-vivas ; super-homem − super-homens d) Quando os elementos são repetidos ou onomatopaicos (representam sons). Ex.: reco-reco − reco-recos ; pingue-pongue − pingue-pongues ; bem-te-vi − bem-te-vis Observações a) Como se vê pelo segundo exemplo, pode haver alguma alteração nos elementos, ou seja, não serem iguais. b) Se forem verbos repetidos, admite-se também pôr os dois no plural. Ex.: pisca-pisca − pisca-piscas ou piscas-piscas 4) Nenhum elemento varia. a) Quando há verbo mais palavra invariável. Ex.: O cola-tudo − os cola-tudo b) Quando há dois verbos de sentido oposto. Ex.: o perde-ganha − os perde-ganha c) Nas frases substantivas (frases que se transformam em substantivos). Ex.: O maria-vai-com-as-outras − os maria-vai-com-as-outras
  • 17. Observações a) São invariáveis arco-íris, louva-a-deus, sem-vergonha, sem-teto e sem-terra. - Os sem-terra apreciavam os arco-íris. b) Admitem mais de um plural: - pai-nosso − pais-nossos ou pai-nossos ; padre-nosso − padres-nossos ou padre-nossos ; terra-nova − terras-novas ou terra-novas ; salvo-conduto − salvos-condutos ou salvo- condutos ; xeque-mate − xeques-mates ou xeques-mate ; fruta-pão − frutas-pães ou frutas- pão ; guarda-marinha − guardas-marinhas ou guardas-marinha c) Casos especiais: palavras que não se encaixam nas regras. - o bem-me-quer − os bem-me-queres ; o joão-ninguém − os joões-ninguém ; o lugar-tenente − os lugar-tenentes ; o mapa-múndi − os mapas-múndi Flexão de gênero Os substantivos e as palavras que o acompanham na frase admitem a flexão de gênero: masculino e feminino. - Meu amigo diretor recebeu o primeiro salário. - Minha amiga diretora recebeu a primeira prestação. A flexão de feminino pode ocorrer de duas maneiras. 1) Com a troca de o ou e por a. lobo − loba ; mestre − mestra 2) Por meio de diferentes sufixos nominais de ateu − atéia ; bispo − episcopisa ; conde − gênero, muitas vezes com alterações do condessa ; duque − duquesa ; frade − freira ; radical. ilhéu − ilhoa ; judeu − judia ; marajá − Veja alguns femininos importantes. marani ; monje − monja ; pigmeu − pigméia ; píton − pitonisa ; sandeu − sandia sultão − sultana Alguns substantivos são uniformes quanto ao gênero, ou seja, possuem uma única forma para masculino e feminino. Podem ser: 1) Sobrecomuns: admitem apenas um artigo, Ex.: a pessoa, o cônjuge, a testemunha podendo designar os dois sexos. 2) Comuns de dois gêneros: admitem os dois Ex.: o estudante − a estudante, o cientista − artigos, podendo então ser masculinos ou a cientista, o patriota − a patriota femininos. 3) Epicenos: admitem apenas um artigo, Ex.: O jacaré, a cobra, o polvo designando os animais. Observações a) O feminino de elefante é elefanta, e não elefoa. Aliá é correto, mas designa apenas uma espécie de elefanta. b) Mamão, para alguns gramáticos, deve ser considerado epiceno. É algo discutível. c) Há substantivos de gênero duvidoso, que as pessoas costumam trocar. Veja alguns que convém gravar. Masculinos: champanha ; dó ; eclipse ; formicida ; grama (peso) ; milhar ; plasma ; soprano ; suéter ; telefonema Femininos: aguardente ; alface ; cal ; cataplasma ; grafite ; libido ; omoplata ; musse ; preá d) Existem substantivos que admitem os dois gêneros. Ex.: diabetes (ou diabete), laringe, usucapião etc. Flexão de grau Por razões meramente didáticas, incluo, aqui, o grau entre os processos de flexão. Alguns autores também o fazem, talvez pelo mesmo motivo. Grau do 1) Normal ou Ex.: chapéu substantivo positivo: sem nenhuma alteração. 2) Aumentativo a) sintético: chapelão b) analítico: chapéu grande, chapéu enorme etc. 3) Diminutivo a) sintético: chapeuzinho b) analítico: chapéu pequeno, chapéu reduzido etc. Obs.: Um grau é sintético quando formado por sufixo; analítico, por meio de outras palavras. Grau do 1) Normal ou João adjetivo positivo: é forte.
  • 18. 2) Comparativo a) de superioridade: João é mais forte que André. (ou do que) b) de inferioridade: João é menos forte que André. (ou do que) c) de igualdade: João é tão forte quanto André. (ou como) 3) Superlativo a) absoluto - sintético: João é fortíssimo. - analítico: João é muito forte. (bastante forte, forte demais etc.) b) relativo - de superioridade: João é o mais forte da turma. - de inferioridade: João é o menos forte da turma. Observações a) O grau superlativo absoluto corresponde a um aumento do adjetivo. Pode ser expresso por um sufixo (íssimo, érrimo ou imo) ou uma palavra de apoio, como muito, bastante, demasiadamente, enorme etc. b) As palavras maior, menor, melhor e pior constituem sempre graus de superioridade. - O carro é menor que o ônibus.  menor (mais pequeno): comparativo de superioridade. - Ele é o pior do grupo.  pior (mais mau): superlativo relativo de superioridade. c) Alguns superlativos absolutos sintéticos que podem apresentar dúvidas. - acre − acérrimo ; amargo − amaríssimo ; amigo − amicíssimo ; antigo − antiqüíssimo ; cruel − crudelíssimo ; doce − dulcíssimo ; fácil − facílimo ; feroz − ferocíssimo ; fiel − fidelíssimo ; geral − generalíssimo ; humilde − humílimo ; magro − macérrimo ; negro − nigérrimo ; pobre − paupérrimo ; sagrado − sacratíssimo ; sério − seriíssimo ; soberbo − superbíssimo ANÁLISE SINTÁTICA CONCEITOS: Frase: Todo enunciado com sentido completo. Inicia-se com maiúscula e só termina com algum tipo de ponto. a) Fogo! b) Silêncio! c) Ontem à noite, Virgulino atirou-se de uma ponte. Oraçã Todo enunciado com verbo. o: a) Fredolino matou sua mulher com um rolo de massa. b) Quero a aprovação no Concurso do INSS. Perío Todo enunciado com sentido completo e com oração. Inicia-se com maiúscula e só do: termina com algum tipo de ponto. a) Virgulino quer que Maria Bonita se case com ele. b) Quero que Pafúncia venha almoçar comigo. ESTRUTURA DA ORAÇÃO A oração é uma estrutura que pode ser analisada através de cinco diferentes padrões frasais. São esses padrões que orientam a análise dos termos de qualquer frase declarativa. PF Casa 1 Casa 2 Casa 3 Casa 4 I Sujeito Verbo Intransitivo - (Adjunto Adverbial) II Sujeito Verbo Transitivo Direto Objeto Direto (Adjunto Adverbial) III Sujeito Verbo Transitivo Indireto Objeto Indireto (Adjunto Adverbial) IV Sujeito Verbo Transitivo Direto E Objetos Direto E (Adjunto Adverbial) Indireto Indireto V Sujeito Verbo De Ligação Predicativo (Adjunto Adverbial) PADRÕES FRASAIS Padrão O VERBO É INTRANSITIVO, ou seja, NÃO NECESSITA DE COMPLEMENTO. frasal I Ex.: A gaivota voa lindamente VI
  • 19. Padrão o VERBO É TRANSITIVO, ou seja, necessita de complemento, e DIRETO, ou seja, não frasal II requer o uso de preposição. Ex. Eu sem você não tenho porquê. VTD OD Padrão o VERBO É TRANSITIVO e INDIRETO, ou seja, necessita de um complemento COM frasal III PREPOSIÇÃO Ex.: Necessitamos de auxiliar de escritório com experiência. VTI OI Padrão Esse padrão é formado por verbos que possuem duas transitividades: uma, com frasal IV preposição; outra, sem Ex.: Maria deu a rosquinha a seu namorado. VTDI OD OI Padrão é constituído de VERBO DE LIGAÇÃO. Nesse caso, não há complemento verbal, mas frasal V sim predicativo do sujeito. Ex.: Essa mulher é mesmo uma lambisgóia. VL Predicativo do Sujeito LEMBRANDO... As preposições essenciais são: A CONTRA POR SOBRE ANTE DE PARA TRÁS APÓS DESDE PERANTE ATÉ EM SEM COM ENTRE SOB ADJUNTO ADVERBIAL O adjunto adverbial ocupa a casa 4 nos padrões frasais. Não é um elemento não de primeira necessidade para a estrutura e para o significado da frase e, geralmente, indica TEMPO, MODO ou LUGAR. PREDICADO VERBO-NOMINAL Apresenta dois núcleos: o verbo com significado (podendo ser transitivo ou intransitivo) e o predicativo (do sujeito ou do objeto). - A aluna chegou cansada à aula. Predicado verbo-nominal SUJEITO Apesar do que muitas gramáticas preceituam, o sujeito nem sempre é o que pratica a ação ou o ser sobre o qual se declara algo. Portanto, a melhor definição sintática para o sujeito é:
  • 20. SUJEITO É O TERMO DA ORAÇÃO QUE CONCORDA EM NÚMERO E PESSOA COM O VERBO Sujeito é aquele que possui um único núcleo. s Ex.: Existe, no Brasil, muita miséria. i núcleo m p l e s Sujeito é o que possui dois ou mais núcleos. c Ex.: Restaram, após tantos anos, a amargura e a indiferença. o núcleo 1 núcleo 2 m p o s t o Sujeito elipse significa, para a gramática, apagamento. O sujeito elíptico é aquele que e ocupa a casa 1 sem, no entanto, estar explícito. lí Ex.: Após (nós) nos amarmos, (nós) fomos comer uma buchada de bode. p elíptico elíptico t Em se tratando de um texto, o sujeito elíptico é aquele que, além de ser i designado pela desinência verbal, também pode ser retomado pelo contexto. c Ex.: Os deputados (Suj. simples) foram em massa a Brasília na semana o passada. Em uma negociata com o governo, eles (Suj. simples) votaram vários projetos. Ø (Suj. elíptico) Aprovaram a Reforma Administrativa. Sujeito nesse caso, a oração possui um sujeito, mas ignora-se qual o elemento que i ocupará a casa 1, concordando com o verbo. Note a diferença entre a n seguinte oração, descontextualizada, e a anterior d Ex.: ? Aprovaram a reforma administrativa. e Suj. indeterminado t ATENÇÃO!!! e Alguém aprovou a reforma administrativa. r Suj. simples m Nesse caso, o sujeito não é indeterminado, mas sim o termo ALGUÉM, o qual i concorda com o verbo APROVOU. n a d o Oração sem é aquela cuja casa do sujeito permanece vazia, pois não há elemento que s concorde com o verbo. Existem alguns casos em que isso ocorre: u HAVER = Havia (Existiam) sinais de revolta na fila do Banco. j FAZER ou Or. sem sujeito objeto direto e EXISTIR Havia (Fazia) muito tempo que não encontrava Ermengarda. i Or. sem sujeito objeto direto t Note que, em ambos os casos, o verbo HAVER permanece no o singular, já que não há sujeito. ( FAZER = Ex.: Faz oito meses que estou desempregado. S TEMPO Or. sem sujeito objeto direto u Também nesse caso o verbo permanece no singular. j SER/ESTA Ex.: São três horas. e R= Ex.: É primavera. i TEMPO Ex.: Está frio. t Esse é o único caso em que o verbo vai para o plural, o concordando com o predicado.
  • 21. i FENÔMEN Ex.: Choveu a noite toda. n OS DA Ex.: Nevará esta noite na Inglaterra. e NATUREZ Os verbos das orações sem sujeito são chamados também de x A impessoais. i s t e n t e ) : COMPLEMENTO NOMINAL É o termo que se liga a um substantivo, adjetivo ou advérbio, através de uma preposição, com a função de completar algum destes termos. O complemento nominal tem sempre sentido passivo. Ex.: Naziazeno sentia, naquele momento, necessidade de um café bem forte. Complemento nominal TERMOS ACESSÓRIOS Além dos termos integrantes, podem ocorrer nas orações também outros, chamados de acessórios. Vocativ é utilizado para realizar invocações, chamados. Deve ser colocado sempre entre o: vírgulas, no caso de aparecer no meio da oração, e seguido ou antecedido de vírgula, caso ocorra no início ou no fim de uma oração. Ex.: Acelera, Brasil. Não quero, meus amigos, causar-lhes estranheza. Aposto: termo que restringe, explica, especifica ou determina outro da oração. Deve ser sempre colocado entre vírgulas. Ex.: A CIA, Central de Inteligência dos EUA, não conseguiu prever os atentados de 11 de setembro. Adjunto tem como função determinar e/ou caracterizar um substantivo. Tem sentido ativo adnomi quando introduzido por uma preposição nal: Ex.: A atitude do Congresso surpreendeu o Governo.. 4. FLEXÃO VERBAL O verbo pode indicar ação, estado, fenômeno, existência e mesmo qualidades. Pessoa O verbo possui três pessoas diretamente relacionadas com a pessoa gramatical que lhe serve de sujeito: 1ª, 2ª e 3ª. Pronomes Pessoa Singular Plural 1ª Eu Nós 2ª Tu Vós 3ª Ele/Ela Eles/Elas Númer Como as outras palavras variáveis, o verbo tem dois números: singular, quando se o refere a uma só pessoa gramatical (eu, tu, ele, ela, você) e plural, quando se refere a mais de uma pessoa (nós, vós, eles, elas, vocês). Modo Traduz a maneira particular de apresentar a ação ou o estado expressos pelo verbo. INDICATIVO: idéia de certeza. Ele sabe fazer muitas coisas. Ontem choveu muito Na próxima semana, iremos a São Paulo. SUBJUNTIVO: idéia de dúvida, Desejo que meu filho seja o que eu não possibilidade. pude ser. Temia que ele não viesse ao encontro. Quando ele perceber o erro, mudará de atitude.
  • 22. IMPERATIVO: ordens, pedidos, conselhos. Sai daí imediatamente! Não saias sob esta chuva! FORMAS NOMINAIS: particípio, infinitivo, gerúndio. CLASSIFICAÇÃO Regulares seguem o modelo de conjugação verbal, o radical se mantém em todas as formas e as terminações são as mesmas do paradigma (modelo de conjugação). Ex.: comprar, vender, dormir. Irregulares apresentam alterações no radical e/ou nas desinências. Defectivos são de conjugação incompleta, ou seja, não apresentam algumas formas. Ex.: falir, abolir. VERBOS COM DOIS PARTICÍPIOS (ABUNDANTES) Nesses verbos, o particípio regular, invariável e arrizotônico (acentuado na terminação), emprega-se com os verbos auxiliares ter e haver para formar os tempos compostos. Ex.: A assembléia tinha aceitado as novas leis. Enquanto que o particípio irregular, variável e rizotônico (acentuado no radical), é utilizado com o auxiliar ser ou estar. Ex.: As novas leis foram aceitas pela Assembléia. PRINCIPAIS PARTICÍPIOS ABUNDANTES INFINITIVO PARTICÍPIO REGULAR PARTICÍPIO IRREGULAR aceitar aceitado aceito entregar entregado entregue enxugar enxugado enxuto expressar expressado expresso expulsar expulsado expulso ganhar ganhado* ganho gastar gastado* gasto isentar isentado isento libertar libertado liberto limpar limpado limpo matar matado morto pagar pagado* pago salvar salvado salvo soltar soltado solto acender acendido aceso eleger elegido eleito morrer morrido morto prender prendido preso suspender suspendido suspenso emergir emergido emerso expelir expelido expulso exprimir exprimido expresso extinguir extinguido extinto imergir imergido imerso imprimir imprimido impresso incluir incluído incluso inserir inserido inserto *em desuso VERBOS DE UM ÚNICO PARTICÍPIO IRREGULAR Infinitiv Particípi Infinitiv Particípi o o o o dizer dito pôr posto escrever escrito abrir aberto fazer feito cobrir coberto ver visto vir vindo
  • 23. DICA!!! O tempo verbal FUTURO DO PRETÉRITO (desinência – RIA) é quase sempre utilizado junto com o PRETÉRITO IMPERFEITO DO SUBJUNTIVO (desinência – SSE). RIA + SSE = RIASSE DIFICULDADES NA CONJUGAÇÃO VERBAL 1 – A Formação do Imperativo O Imperativo é a forma pela qual damos uma ordem, um conselho ou fazemos um convite. Atualmente está quase em extinção na língua falada. Para o vestibular, contudo, você deve demonstrar que domina o seu emprego apenas em duas pessoas: a 2ª do sing. (TU) e a 3ª do sing. (VOCÊ, O SENHOR, VOSSA SENHORIA, etc.). AFIRMATIVO TU: Sai da 2ª pessoa do singular do Presente do Indicativo, menos o S final. Ex.:Come logo teu mondongo. VOCÊ: Sai da 3ª pessoa do singular do Presente do Subjuntivo. Ex.: Coma logo seu mondongo. NEGATIVO (não, nunca, jamais) TU: Sai da 2ª pessoa do singular do Presente do Subjuntivo. Ex.:Não aceites a ajuda de estranhos. VOCÊ: Sai da 3ª pessoa do singular do Presente do Subjuntivo. Ex.: Não aceite a ajuda de estranhos. 2 – Verbos Derivados Os verbos derivados de outros verbos pelo acréscimo de prefixos seguem exatamente a conjugação de seu primitivo. Suprima o prefixo e conjugue apenas o verbo primitivo. Esse princípio, embora pareça elementar, é, contudo, esquecido na prática. Os falantes tendem a encarar os verbos derivados como regulares, criando formas inaceitáveis na língua culta formal: ERRADO Ele interviu na discussão.  CERTO Ele interveio na discussão. ERRADO Quando ele rever a obra, encontrará erros.  CERTO Quando ele revir a obra, encontrará erros. OS DERIVADOS DE PÔR – TER – VER – VIR Devemos ter especial atenção com os verbos derivados de pôr, ter, ver e vir, que são verbos irregulares. PÔR – propor, supor, antepor, impor, etc. (todos os verbos que apresentam a vogal o no infinitivo são derivados de pôr). TER – entreter, conter, deter, manter, suster, etc. VER – antever, prever, rever, etc. VIR – avir, advir, intervir, provir, sobrevir, etc. 3 – Problemas Ortográficos ligados à Conjugação Verbal 3.1. O duplo “E” na 3ª pessoa do plural. A 3ª pessoa do plural do PRESENTE só tem E duplo quando a 3ª pessoa do singular termina em E. Ex.: Ele vê – Eles vêm ; ele crê – eles crêem ; ele lê – eles lêem ; ele dê – eles dêem Ele vem – eles vêm ; ele tem – eles têm 3.2. O acento nos derivados de TER e VIR. A 2ª e 3ª pessoas do singular dos verbos derivados de TER e VIR são acentuadas pela regra das oxítonas terminadas em EM, ENS; a 3ª pessoa do plural recebe o circunflexo diferencial. Tu conténs, ele contém, eles contêm - tu intervéns, ele intervém, eles intervêm 5. PRONOMES: EMPREGO, FORMAS DE TRATAMENTO E COLOCAÇÃO.
  • 24. EMPREGO DE PRONOMES CONOSCO/ Usa-se conosco e convosco com verbos que peçam a preposição com. CO Ex.: Ele saiu conosco. Passearemos convosco por aquelas praias. M Usa-se com nós e com vós com verbos que peçam a preposição com, porém NÓ apenas quando estiverem reforçados por palavras como dois, mesmos, S próprios etc. Ex.: Falarão com nós dois amanhã. CONVOSCO Estarei com vós mesmos ao entardecer. / Obs.: É errado dizer “Falarão com nós amanhã” e “Estarei com vós ao CO entardecer”. M VÓ S CONTIGO/C Contigo é usado quando o tratamento é de segunda pessoa do singular (tu). OM Ex.: Sairei contigo, se isso não te trouxer algum contratempo. VO Com você é empregado quando o tratamento é de terceira pessoa do singular CÊ (você). Ex.: Sairei com você, se isso não lhe trouxer algum contratempo. Obs.: Compare as duas frases. Na primeira emprega-se contigo, por causa do tratamento tu, evidenciado pelo pronome te. Na segunda, usa-se com você, porque o tratamento é de terceira pessoa, o que se verifica no emprego de lhe. CONSIGO Significa com você mesmo, com ele mesmo; é, portanto, reflexivo, sempre se referindo ao sujeito da oração. Ex.: Você trouxe consigo o material? Carlos trará consigo os discos. Obs.: Está errada uma frase do tipo “Preciso conversar consigo”, tão ao gosto do povo. O certo é “Preciso conversar contigo” ou “Preciso conversar com você”. LHE Com verbos ou nomes que peçam a preposição a (ou para). Ex.: Disse a verdade ao amigo. Disse-lhe a verdade. Observações a) Não se usa lhe com verbos que peçam outras preposições. Ex.: Eu lhe gosto muito. (errado) Gosto muito de você. (certo) Gosto muito dele. (certo) Eu sempre lhe confiei. (errado) Eu sempre confiei em você. (certo) Eu sempre confiei nele. (certo) b) Como vimos em outra lição, o pronome lhe é empregado como objeto indireto (ou complemento nominal); o pronome o, como objeto direto. Ex.: Ofereci-lhe ajuda. (Oferecer alguma coisa a alguém) Estudei-o ainda de manhã. (Estudar alguma coisa) PRONOME Pronomes com a palavra Vossa (Vossa Senhoria, Vossa Excelência etc.). DE São empregados quando se conversa com a pessoa. TR Ex.: Vossa Excelência será entrevistado à noite. AT AM EN TO Pronomes com a palavra Sua (Sua Senhoria, Sua Excelência etc.). São empregados quando se fala a respeito da pessoa. Ex.: Sua Excelência, o governador, vai inaugurar aquela usina.
  • 25. Observações a) Ao pronome de tratamento Vossa Excelência corresponde o adjetivo excelentíssimo. Ao pronome Vossa Senhoria, o adjetivo ilustríssimo. Ex.: Excelentíssimo senhor prefeito, solicito a V.Exª que reexamine a minha situação. Ilustríssimo senhor diretor, solicito a V.Sª que reexamine a minha situação. b) Não se abrevia o pronome de tratamento Vossa Excelência (ou Sua Excelência) quando usado em relação ao presidente da República. Ex.: Vossa Excelência, senhor presidente, naturalmente será convidado. (E não V.Exª) EU/ MIM os pronomes eu e tu são empregados na função de TU / TI sujeito; ti e mim, na de complementos. Ex.: Deixou a revista para mim. Deixei a revista para ti. Deixou a revista para eu ler. (eu é sujeito de ler) Deixei a revista para tu leres. (tu é sujeito de leres) Tudo está calmo entre mim e ti. Tudo está calmo entre ti e mim. Obs.: Com preposição acidental, usa-se eu e tu. Ex..: Exceto eu, todos deram gargalhadas. Transforma Lo (e flexões) çõe Empregado quando o verbo termina em r, s ou z, com a queda dessas letras. s Ex.: Vamos pedir um lápis. do Vamos pedi-lo. pro Estudemos a proposta. no Estudemo-la. me Fiz os relatórios. o (e Fi-los. flex No (e flexões) ões Empregado quando o verbo termina em m ou ditongo nasal. ) Ex.: Ouviram o programa. Ouviram-no. Dão a revista. Dão-na. Observações a) Emprega-se o (e flexões) em todos os outros casos. Ex.: Espero seu amigo lá fora. Espero-o. Mostrei a publicidade. Mostrei-a. b) Lo e no são alterações de o. Portanto, empregam-se com verbos transitivos diretos. 8) Pleonasmo Os pronomes pessoais oblíquos muitas vezes são reforçados por outro pronome, de mesma pessoa. Ex.: A mim, disseram-me que haveria aula. A ti, não te explicaram tudo. Este / Este (esta, estes, estas) ess Indica proximidade máxima, no espaço e no tempo e / Ex.: Veja esta flor. (a flor está na mão do falante) aqu Este ano é especial. (o ano atual) ele Esse (essa, esses, essas) (e Indica proximidade relativa, no espaço e no tempo. flex Ex.: Veja essa flor. (a flor está com quem o falante conversa, ou perto dos dois) ões Esse ano foi especial. (um ano já passado, mas próximo) ) Aquele (aquela, aqueles, aquelas) Indica afastamento maior. Ex.: Veja aquela flor. (a flor está afastada do falante e da pessoa com quem ele conversa) Aquele ano foi especial. (um ano bem afastado)
  • 26. Observações a) Tudo o que se disse vale para os pronomes invariáveis isto, isso, aquilo. b) Os pronomes demonstrativos podem, num processo de coesão, ligar-se a palavras ou expressões no texto. - Esse, essa, isso Referem-se ao que passou no texto. Diz-se que têm função anafórica. Ex.: Ele fez declarações importantes. Isso acalmou a sociedade. - Este, esta, isto Referem-se a algo que ainda vai aparecer no texto. Diz-se que têm função catafórica. Ex.: Este conselho lhes dou: não se preocupem excessivamente com os obstáculos. Obs.: Há uma tendência, hoje em dia, a relaxar um pouco o emprego de tais pronomes. Em termos de prova, convém ficar atento a eles. c) Quando se quer evitar a repetição de dois termos passados, usam-se os pronomes isto e este (e flexões) para designar o substantivo mais próximo; aquilo e aquele (e flexões), para o mais afastado. Ex.: O homem e a mulher conversaram na empresa. Aquele é um conhecido professor; esta, uma dedicada enfermeira. Vimos, no zoológico, uma raposa e um lobo. Este uivava sem parar; aquela andava de um lado para o outro. Cujo (e Equivale a um possessivo e não admite artigo, nem antes, nem depois. flex Ex.: Encontramos o técnico em cujo trabalho realmente confiamos. ões Entenda-se: “Encontramos o técnico. Confiamos em seu trabalho”. ) Obs.: Não aceite construções como cujo o, cuja a, cujos os e cujas as; também estão sempre errados ao cujo e à cuja. COLOCAÇÃO PRONOMINAL antes do verbo (próclise) Ex.: Nada o preocupava. Diz-se que o pronome o está proclítico ou em próclise. no meio do verbo (mesóclise, Mandar-te-ei os documentos. que só ocorre com verbos no Diz-se que o pronome te está mesoclítico ou em futuro do presente e no futuro do mesóclise. pretérito do indicativo) após o verbo (ênclise). Pediram-me ajuda. Diz-se que o pronome me está enclítico ou em ênclise. Observações a) Existem situações de próclise obrigatória que estudaremos a seguir. A ênclise e a mesóclise só são empregadas quando não há obrigatoriedade de próclise. Digamos, então, que “quem manda” é a próclise. b) A mesóclise, diferentemente da próclise e da ênclise, exige que o verbo esteja num determinado tempo, no caso o futuro do indicativo (do presente ou do pretérito). A fim de facilitar, resumimos todas as regras de colocação pronominal a três: 1) REGRA GERAL: Segundo a norma culta, a regra é a ênclise, usando próclise em situações excepcionais, que são: - Palavras invariáveis (advérbios, alguns pronomes, conjunção) atraem o pronome. Por “palavras invariáveis”, entendemos os advérbios, as conjunções, alguns pronomes que não se flexionam, como o pronome relativo que, os pronomes indefinidos quanto/como, os pronomes demonstrativos isso, aquilo, isto. - Exemplos: “Ele não se encontrou com a namorada.” – próclise obrigatória por força do advérbio de negação. “Quando se encontra com a namorada, ele fica muito feliz.” – próclise obrigatória por força da conjunção; - Orações exclamativas (“Vou te matar!”) ou que expressam desejo, chamadas de optativas (“Que Deus o abençoe!”) – próclise obrigatória. - Orações subordinadas – (“... e é por isso que nele se acentua o pensador político” – uma oração subordinada causal, como a da questão, exige a próclise.). 2) EMPREGO PROIBIDO: - Iniciar período com pronome (a forma correta é: Dá-me um copo d’água. / Permita-me fazer uma observação); - Após verbo no particípio, no futuro do presente e no futuro do pretérito. Com essas formas verbais, usa-se a próclise (desde que não caia na proibição acima), modifica-se
  • 27. a estrutura (troca o “me” por “a mim”) ou, no caso dos futuros, emprega-se o pronome em mesóclise. - Exemplos: “Concedida a mim a licença, pude começar a trabalhar.” (Não poderia ser “concedida-me” – após particípio é proibido - nem “me concedida” – iniciar período com pronome é proibido). “Recolher-me-ei à minha insignificância” (Não poderia ser “recolherei-me” nem “Me recolherei”). 3) EMPREGO FACULTATIVO: - Com o verbo no infinitivo, mesmo que haja uma palavra “atrativa”, a colocação do verbo pode ser enclítica (após o verbo) ou proclítica (antes do verbo). Exemplo: “Para não me colocar em situação ruim, encerrei a conversa.” “Para não colocar-me em situação ruim, encerrei a conversa.” Assim, com infinitivo está sempre certa a colocação, desde que não caia em um caso de proibição (começar período). NÃO CONFUNDA INFINITIVO COM FUTURO DO SUBJUNTIVO – Na maior parte dos verbos, essas formas são iguais (para comprar/quando comprar). Contudo, a regra da colocação pronominal só se aplica ao infinitivo. Se o verbo estiver no futuro do subjuntivo, aplica-se a regra geral. Para ter certeza de que é o infinitivo mesmo e não o futuro do subjuntivo, troque o verbo por um que apresente formas diferentes, como o verbo trazer (para trazer / quando trouxer), fazer (para fazer/ quando fizer), pôr (para pôr/ quando puser), e tire a prova dos noves. Se for infinitivo, pode colocar o pronome antes ou depois, tanto faz. De qualquer jeito, estará certo, mesmo que haja uma palavra atrativa (invariável). Observação importante: quando houver DUAS palavras invariáveis, o pronome poderá ser colocado entre elas. A esse fenômeno dá-se o nome de APOSSÍNCLESE. Exemplo: “Para não levar-me a mal, irei apresentar minhas desculpas.” – como vimos, com infinitivo está sempre certa a colocação (caso facultativo), mesmo que haja uma palavra invariável (no caso, são duas – para e não). COLOCAÇÕES IGUALMENTE POSSÍVEIS: (1) “Para não me levar a mal, ...”- O pronome foi atraído pelo advérbio. (2) “Para me não levar a mal, ...” – O pronome foi atraído pelo pronome. COM AS FORMAS VERBAIS SIMPLES 1) Próclise Com advérbios que não peçam - Ali se trabalha bastante. pausa. Obs.: Se for usada a vírgula, que o advérbio permite, não caberá mais a próclise. Ex.: Ali, trabalha-se bastante. Com pronomes indefinidos, - Ninguém se machucou. (ninguém é pronome relativos e interrogativos. indefinido) - Não entendi o recado que me deram. (que é pronome relativo) - Quem nos explicará o caso? (quem é pronome interrogativo) Com as conjunções - - Ele disse que me avisaria. (que é conjunção subordinativas. subordinativa integrante) - Correram quando nos aproximamos. (quando é conjunção subordinativa temporal) Com o gerúndio precedido de - Em se colocando as coisas dessa forma, não há em. dúvidas. Com as frases optativas. - Deus te proteja! Obs.: Frase optativa é aquela que exprime um desejo do falante. Normalmente, tem ponto de exclamação. Com qualquer palavra negativa - Não me explicaram o problema geralmente advérbios e pronomes indefinidos, que já vimos que exigem próclise). 2) Ênclise No início do período. - Disseram-lhe tudo. Obs.: Quando se inicia a frase com o verbo, não há palavra atrativa para que se empregue a próclise. Por isso se diz que não se começa frase com pronome átono. Com verbo no imperativo - Pedro, levante-se! afirmativo. - Levante-se!
  • 28. Observações a) Quando o verbo está no imperativo afirmativo, ou se usa o vocativo (Pedro), ou se inicia a frase com o verbo. No primeiro caso, haverá a vírgula, que vai impedir a próclise; no segundo, o verbo estará iniciando a frase, o que também pedirá ênclise. b) O imperativo negativo pede próclise, já que apresenta a palavra não. Ex.: Paulo, não se levante! Com determinadas orações - O professor adiou a prova, deixando-nos menos reduzidas de gerúndio, que preocupados. pedem pausa. 3) Mesóclise Ocorre quando o verbo está no - Mandar-lhe-ei a intimação. futuro do presente ou no futuro - Escrever-te-ia uma nova carta. do pretérito. Observações a) Não se esqueça de que, havendo palavra atrativa, a preferência é da próclise. - Nunca lhe mandarei a intimação. (correto) - Nunca mandar-lhe-ei a intimação. (errado) b) Futuro do subjuntivo exige próclise, por causa da conjunção subordinativa ou do pronome relativo. - Quando te pedirem algo, procura atender. - Analisarei o projeto que me mandarem. Próclise facultativa Há casos em que se pode usar indiferentemente próclise ou ênclise, próclise ou mesóclise. É o que se entende por próclise facultativa ou optativa. Com os substantivos. - O garoto se machucou. - O garoto machucou-se. - O garoto se machucará. - O garoto machucar-se-á. Com os pronomes pessoais e os pronomes - Ele me agradou. demonstrativos. - Ele agradou-me. - Ele me agradará. - Ele agradar-me-á. - Isto me agrada. - Isto agrada-me. - Isto me agradará. - Isto agradar-me-á Com as conjunções coordenativas. - Falou pouco, mas se cansou. - Falou pouco, mas cansou-se. - Falará pouco, mas se cansará. - Falará pouco, mas cansar-se-á. Com o infinitivo pessoal precedido de palavra - Esforcei-me para não o magoar. negativa. - Esforcei-me para não magoá-lo. Observações a) Como se viu nos três primeiros casos de próclise facultativa, se o verbo estiver no presente ou no passado, pode-se usar a próclise ou a ênclise; no futuro do indicativo, a próclise ou a mesóclise. b) O último caso é perigosíssimo, pois existe a palavra não, que normalmente exige próclise. Mas isso não ocorre quando ela antecede o infinitivo pessoal. COLOCAÇÃO NAS LOCUÇÕES VERBAIS Como vimos ao estudar os verbos, a locução verbal é a união de um verbo auxiliar e um verbo principal. O principal, que é sempre o último, encontra-se numa forma nominal: infinitivo, gerúndio ou particípio. Vejamos, então. 1) Com o infinitivo ou o gerúndio. Veja, abaixo, as frases consideradas perfeitas. - Quero mostrar-lhe o resultado. - Estou mostrando-lhe o resultado. - Quero-lhe mostrar o resultado. - Estou-lhe mostrando o resultado.
  • 29. Observações a) Com palavra atrativa, não será possível a ênclise ao verbo auxiliar. - Não quero mostrar-lhe o resultado. (certo) - Não lhe quero mostrar o resultado. (certo) - Não estou mostrando-lhe o resultado. (certo) - Não lhe estou mostrando o resultado. (certo) - Não quero-lhe mostrar o resultado. (errado) - Não estou-lhe mostrando o resultado. (errado) b) Se o pronome estiver solto entre os dois verbos (sem hífen), teremos uma situação polêmica. Para alguns gramáticos, é correto, para outros não. Convém fazer a questão por eliminação. - Quero lhe mandar o resultado. (certo ou errado) - Estou lhe mandando o resultado. (certo ou errado) Pode parecer estranho o que estou dizendo, mas é a realidade da língua portuguesa. Numa redação, peço-lhe que não use o pronome solto entre os dois verbos. 2) Com o particípio - Tenho-lhe mostrado o resultado. Quando o verbo principal é o particípio, há - Nunca lhe tenho mostrado o resultado. uma limitação maior. Só duas colocações são rigorosamente corretas, uma delas com palavra atrativa. Observações finais a) O particípio, diferentemente do infinitivo e do gerúndio, não admite ênclise. - Tenho mostrado-lhe o resultado. (errado) - Nunca tenho mostrado-lhe o resultado. (errado) b) Com o pronome solto entre os dois verbos, como vimos anteriormente, a situação é polêmica. Resolva por eliminação. - Tenho lhe mostrado o resultado. (certo ou errado). c) Veja, a seguir, como se deve agir quando há uma frase com pronome solto entre os dois verbos. Assinale o erro de colocação pronominal. a) Alguém me falou sobre o jogo. b) Vou lhe contar algo. c) Mostrá-lo-ei. d) Me deixaram feliz. A alternativa b pode ser considerada correta ou errada pela banca do concurso. Assim, observe as outras opções. A última traz uma frase começada por pronome átono. Isso é, já o dissemos, inaceitável. Assim, deduz-se que a banca considerou correta a opção b. O gabarito só pode ser a letra d. d) Às vezes o pronome átono fica entre duas palavras atrativas. É uma situação especial de próclise conhecida como apossínclise. - Talvez me não peçam nada. - É claro que fica mais agradável dizer “Talvez não me peçam nada. Contudo, ambas as construções são corretas. e) A palavra atrativa pode estar antes de uma expressão entre vírgulas. - Ele garantiu que, se não chovesse, se apresentaria logo. A conjunção que atrai o pronome átono me. 6. EMPREGO DE TEMPOS E MODOS VERBAIS MODO VERBAL Indicativo Subjuntivo Imperativo Um fato Uma hipótese Um pedido um fato real, que pode um fato hipotético, duvidoso, expressa idéias de ordem, pertencer ao presente, ao provável ou possível. pedido, desejo, convite. passado ou ao futuro Situar o fato no campo da probabilidade