Desenvolvimento, capital social, redes sociais e sustentabilidade

3.935 visualizações

Publicada em

O conteúdo de minhas palestras no período 2003-2005

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.935
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
19
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
136
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Desenvolvimento, capital social, redes sociais e sustentabilidade

  1. 1. Desenvolvimento, capital social, redes sociais e sustentabilidade O conteúdo das minhas palestras no período 2003-2005 AUGUSTO DE FRANCO Carta Capital Social 93 (01/09/2005) Carta Capital Social era uma comunicação pessoal de Augusto de Franco enviada quinzenalmente, desde 2001, para milhares de agentes de desenvolvimento e outras pessoas interessadas no assunto, do Brasil e de alguns países de língua portuguesa e espanhola. A Carta Capital Social - originalmente chamada Carta DLIS - passou a se chamar, a partir de 2006, Carta Rede Social. A penúltima Carta Rede Social, de número 209, foi enviada para 10 mil destinatários em 28/02/2010. A última carta – Carta Rede Social 210 – ainda será enviada, explicando os motivos pelos quais o autor abandonou esse tipo de mídia (e-mail) um-para-muitos. Nosso tema nestas cartas é o desenvolvimento; quer dizer, a sustentabilidade. Vou tentar resumir, nesta ‘Carta Capital Social 93’, de modo bastante simplificado, o que venho dizendo sobre o assunto, em aulas e palestras que tenho ministrado em vários lugares do Brasil, nos últimos dois anos (2003-2005). A DIFERENÇA ENTRE DESENVOLVIMENTO E CRESCIMENTO ECONÔMICO Começo dizendo que desenvolvimento não é a mesma coisa que crescimento econômico. Mostro que a velha implicação – ‘Crescimento => Desenvolvimento’ – não está correta. Para ilustrar essa desconstrução da velha cartilha economicista cito freqüentemente o exemplo do Brasil, que foi campeão de crescimento econômico, sobretudo no período que vai de 1850 a 1980. Digo que quando chegamos no início dos anos 80, do século passado, éramos a oitava economia do mundo (medida pelo valor do PIB, que não é uma 1
  2. 2. medida de prosperidade econômica) e também éramos o país do mundo onde se verificava o maior hiato, o maior distanciamento, o maior abismo, entre o valor do PIB e os índices de desenvolvimento social. Assinalo que o Brasil jamais foi o país com piores índices de desenvolvimento social do planeta, mas considerando o tamanho de nossa economia nenhum país do mundo apresentou tamanha defasagem entre crescimento e desenvolvimento. Assinalo, de passagem, que todo desenvolvimento é desenvolvimento social (de vez que o conceito de desenvolvimento se aplica a sociedades humanas) e que, assim, não pode haver nenhum tipo de desenvolvimento se não houver desenvolvimento social. Reafirmo que fomos os campeões não apenas da desigualdade de renda, mas da disparidade entre os macronúmeros da economia e a qualidade de vida e de convivência social. Concluo dizendo que, se é assim, temos a obrigação de investigar as relações entre crescimento e desenvolvimento. A EQUAÇÃO COMPLEXA DO DESENVOLVIMENTO Bom, essa é a introdução. Vem então a primeira parte, na qual começo a investigar o que é o desenvolvimento, tentando mostrar quais os fatores que comparecem na equação do desenvolvimento. Mostro que temos os fatores – ou variáveis – propriamente econômicos, como a renda (o produto) e a riqueza (a propriedade produtiva). Em outras palavras, temos, no mundo das variáveis econômicas, dois capitais propriamente ditos: o capital financeiro e o capital físico (compreendendo o que se chama de capital produtivo ou capital empresarial). Evidencio a diferença entre renda e riqueza. Mostro que a concentração de renda no Brasil, que é espantosa, não é acompanhada de números menos espantosos sobre a concentração de riqueza. Feito isso, mostro que a equação “não fecha” se não considerarmos também vários fatores extra-econômicos, que funcionam como se fossem outros tipos de capital. O primeiro desses fatores – considerados em geral como externalidades pelo pensamento econômico – é o chamado capital natural (e a palavra capital é empregada aqui em sentido metafórico, para chamar a atenção de que o meio ambiente natural, os recursos naturais herdados, funcionam também como um tipo de capital, embora não o sejam stricto sensu). O capital natural (não com esse nome, mas como “meio ambiente” ou “meio ambiente natural”) é o primeiro fator extra-econômico porque foi o primeiro a ser levado em consideração 2
  3. 3. pelos estudiosos do desenvolvimento, pelos economistas, pelos policymakers, pelas instituições de apoio e fomento ao desenvolvimento. O ar atmosférico, a água, sobretudo a água doce, os recursos minerais, a fauna e a flora, os ecossistemas, os biomas, enfim, todos esses recursos são “capitais”, no sentido de que são fatores que comparecem na equação do desenvolvimento. Em seguida, na ordem cronológica das descobertas, veio o chamado capital humano. Ele é uma espécie de medida do desenvolvimento humano e tem a ver com as condições necessárias para a reprodução da vida humana e para a realização das potencialidades dos indivíduos. Saúde, educação, segurança alimentar e nutricional e outros fatores (como o empreendedorismo individual, como capacidade de sonhar e correr atrás dos próprios sonhos) entram na composição do capital humano. Advirto que o capital humano torna- se um fator particularmente importante na transição, que estamos vivendo, para uma sociedade do conhecimento. Do ponto de vista do desenvolvimento, no século 21, o conhecimento é, sem dúvida, o elemento mais importante na composição desse capital humano. Por último, apresento um fator que só passou a ser considerado nos últimos quinze anos: o chamado capital social. Digo que se o capital humano é um conceito de fácil apreensão, quase intuitiva, o capital social é uma idéia mais difícil de compreender. Antes de qualquer coisa porquanto reina a confusão entre as realidades humana e social. As pessoas imaginam que a sociedade é um conjunto de elementos humanos e que sua dinâmica pode ser captada ou inferida das características dos seres humanos que a compõem. Mas saliento que não é assim. Digo que o social tem a ver com o que ocorre ‘entre’ as pessoas e não propriamente ‘nas’ pessoas. Ao invés de apresentar uma definição formal de capital social, conto então uma história, a história (ou melhor, a pré-história) do conceito de capital social, antes que a expressão fosse cunhada – com o sentido com que hoje a empregamos – no início dos anos 60 do século passado, por Jane Jacobs. TOCQUEVILLE E O CONCEITO SEMINAL DE ‘GOVERNO CIVIL’ Começo na primeira metade do século 19, com a célebre viagem de Aléxis de Tocqueville à América. Tocqueville estava interessado em observar a efervescência democrática da sociedade americana daquela época. Faço um alerta que aquilo que chamou a atenção de Tocqueville no final dos anos 20 do século 19 deveria ser alguma muito diferente do que temos hoje nos Estados Unidos da Era Bush. 3
  4. 4. Mas vou em frente, dizendo que o que mais chamou a atenção de Tocqueville naquela velha e notável América (que havia realizado um processo também notável de independência), sobretudo na região da Nova Inglaterra, foi o espírito de associação, o vigor associacionista bastante generalizado. Os americanos se associavam para fazer quase tudo, em um grau jamais visto no velho mundo. Inclusive as crianças se juntavam para brincar com as instituições republicanas, encenando réplicas de parlamentos ao invés de forjarem espadas de madeira para brincadeiras de cavaleiros e reinados. Reafirmo que o interesse de Tocqueville era pela democracia à americana e que o resultado de suas observações de viagem foram publicados em um clássico da literatura política chamado “A Democracia na América”, que veio à luz na segunda metade da década de 1830. Mas aí paro para contar um caso particular narrado pelo viajante. Estava ele andando pela rua quando, de repente, coube-lhe presenciar um acidente de trânsito, o abalroamento de duas carroças. Brinco que carroças, quando são muitas, também trombam e não apenas os nossos velozes automóveis atuais. Aliás, lembro (dando o devido crédito ao autor, Ladislau Dowbor, da PUC de São Paulo) que a velocidade média das carroças deve ser mais ou menos uns 14 Km por hora, justamente a velocidade média dos nossos carros na cidade de São Paulo, o que é um excelente motivo para a reflexão sobre o que chamamos de progresso. Bom, mas aí as carroças se chocaram, uma delas virou, derramando a mercadoria que levava e coisa e tal. Então Tocqueville ficou lá observando o que ia acontecer em seguida ao tumulto. Ficou esperando que alguém fosse chamar um policial ou, quem sabe, até um juiz, para resolver aquela questão, aquele dilema da ação coletiva. Qual nada! O que Tocqueville observou foi coisa muito diferente. Os circunstantes se reuniram espontaneamente em uma espécie de comitê e chamaram os dois condutores das carroças, deram a palavra a cada um deles, ouviram e sopesaram suas razões e, depois de breve discussão, chegaram a um veredicto (que deve ter implicado algum tipo de indenização do responsável pelo acidente, não me lembro se o autor entra em tais detalhes). Resultado: todos aceitaram a decisão coletiva, a aglomeração se desfez e a rua voltou ao seu ritmo normal. Tocqueville ficou tão impressionado com o fato, que cunhou uma expressão para caracterizar aquele inédito comportamento coletivo. Disse algo mais ou menos assim: “- Mas isso é o governo civil!”. Então concluo a minha história dizendo que essa expressão “governo 4
  5. 5. civil” (que não foi tão valorizada pelos leitores e estudiosos de Tocqueville) é o antepassado, em linha direta, do conceito de capital social. Assinalo ainda que a expressão “governo civil” foi cunhada por Tocqueville para designar a capacidade da sociedade humana de gerar ordem espontaneamente a partir da cooperação. Mostro que as pessoas que se juntaram para resolver o problema, ao invés de apelarem para alguma entidade superior, para um terceiro supostamente desinteressado ao qual caberia desempatar aquele dilema, tomaram, elas mesmas, em suas mãos, a tarefa de buscar uma saída. Reafirmo que isso significa auto-organização, ordem emergente. Às vezes, quando tenho tempo, mostro que Tocqueville não apenas cunhou uma nova expressão senão que abriu uma linha de pensamento sobre a sociedade civil, que na sua observação está contida uma nova visão sobre a sociedade civil, diferente daquela de Locke, de Hegel e de Gramsci e mais próxima daquela de John Stuart Mill. Uma sociedade que subsiste por si mesma, que não é um epifenômeno e que, portanto, isso também abre pistas para uma teoria não-hobbesiana do Estado (de vez que, para Hobbes, sem um terceiro supostamente desinteressado que tivesse, pelo monopólio do uso da força, a tarefa de desempatar os dilemas da ação coletiva, os seres humanos, deixados à sua própria sorte, não seriam capazes de ordenar o seu comportamento e a sociedade acabaria se transformando em palco de uma guerra de todos contra todos). JANE JACOBS E O CONCEITO DE CAPITAL SOCIAL COMO REDE Continuo então minha reconstrução histórica, pulando para os anos 50 do século 20. Falo do interesse de Jane Jacobs em explicar porque certas cidades americanas pareciam vivas, florescentes, enquanto que outras pareciam que estavam morrendo, fenecendo. Digo que o interesse de Jacobs, embora ela não usasse, à época, a expressão, era o desenvolvimento (visto como desenvolvimento urbano). Digo ainda que Jacobs, a pensadora, ainda está viva, atualmente morando no Canadá, bem velhinha mas ainda produzindo coisas bastante interessantes sobre desenvolvimento sustentável. Jacobs então vai fazer uma pesquisa empírica para tentar desvendar o segredo da vitalidade das cidades. E descobre que naquelas cidades que pareciam entidades vivas, efervescentes, com alto dinamismo social, existiam, nos seus bairros e distritos, pessoas conectando-se com pessoas, horizontalmente, voluntariamente, para discutir os 5
  6. 6. problemas comuns, as questões coletivas relacionadas com o bem- estar geral. E que, naquelas cidades que pareciam estar morrendo, não se observava a ocorrência desse fenômeno. Conto que Jacobs explicou a questão dizendo que essas redes sociais são o capital social indispensável à vivificação (hoje diríamos, ao desenvolvimento) das localidades. E assinalo que Jacobs, no início da década de 60 do século passado, foi à primeira pessoa que empregou a expressão capital social com esse sentido contemporâneo. Evidencio que ela foi uma visionária. Quando muito pouca gente falava em rede social, ela define um capital – quer dizer, um fator do desenvolvimento – como rede. Não que a rede produzisse capital social, não foi isso que ela disse. Para ela a rede era ‘o’ capital social. Além disso, Jacobs teve uma intuição poderosa. Ela estimou que bastavam 100 pessoas fazendo isso (quer dizer, se conectando horizontalmente em rede para tratar dos assuntos comuns), para que o efeito “vivificador” de sua atuação se fizesse sentir em uma localidade mil vezes maior. Observo que Jacobs errou apenas por um zero, porque não tinha ainda o instrumental conceitual, sobretudo as ferramentas matemáticas, para justificar o seu insight. Não havia ainda a Social Network Analysis, não havia a teoria dos grafos e não havia os estudos de Duncan Watts sobre o “small world network” e sobre a “refiação” em redes P2P. Muito bem. Jacobs deu essa enorme contribuição, mas ela não a traduziu em uma nova visão do desenvolvimento, capaz de afetar as interpretações correntes, até o início da década de 1990. Em 1989, com um célebre artigo de Coleman – que apenas menciono, sem entrar no seu conteúdo – teve início a nova disciplina, vamos dizer assim, do capital social. Nessa época um cientista político americano, chamado Robert Putnam, já estava concluindo a sua pesquisa na Itália. A INVESTIGAÇÃO TOCQUEVILLIANA DE ROBERT PUTNAM NA ITÁLIA Conto então a história de Putnam, ou melhor, da viagem tocquevilliana de Putnam, que, ao contrário do famoso viajante francês, saiu do novo mundo em direção ao velho, para tentar explicar porque certas localidades italianas tinham boa governança e prosperidade econômica enquanto que outras não. Putnam queria entender por que Milão é tão diferente de Cosenza, por que Bologna é tão diferente de Palermo ou por que uma cidade qualquer do Veneto recente é tão diferente de Salerno ao sul de Nápoles. 6
  7. 7. Então, auxiliado por alguns acadêmicos italianos, Putnam se entrega a uma pesquisa de campo exaustiva, que dura mais de década. E descobre que, naquelas cidades italianas com prosperidade econômica e boa governança (hoje diríamos, com bons índices de desenvolvimento), havia uma história de organização da sociedade civil. E descobre que naquelas localidades com baixos índices de desenvolvimento, onde a sociedade civil foi menos ativa, menos vibrante (talvez ele, Putnam, tenha dito menos organizada, porém resisto bastante em usar tal expressão, preferiria dizer menos conectada – embora o autor não tenha dito isso), tal fenômeno não ocorria. Mas o fato é que Putnam descobriu que sua constatação não era fortuita, não se tratava de coincidência nem de uma constante introduzida pelo modo de olhar. A presença de uma sociedade civil forte era realmente um fator que acompanhava o nível de desenvolvimento. Conto que Putnam, no sexto capítulo do livro em que divulga a pesquisa (o livro, lançado em 1993, tinha como título “Para que a democracia funcione” e foi traduzido no Brasil, três anos depois, com o título “Comunidade e democracia: a experiência da Itália moderna”), mas dizia então que no sexto capítulo do seu livro Putnam lança mão da hipótese do capital social (à época já se construíam as primeiras teorias do capital social) para explicar por que uma sociedade civil forte – uma cultura cívica e cidadã – é fator indispensável à prosperidade econômica e à boa governança. Altos níveis de desenvolvimento correspondem, assim, a um alto estoque de capital social. Baixos níveis de desenvolvimento significam baixo estoque de capital social. Aí então explico que prosperidade econômica não é a mesma coisa que crescimento econômico. Pode-se ter crescimento econômico com baixo estoque de capital social, mas não desenvolvimento econômico, o qual implica prosperidade econômica, quer dizer, diversidade de empreendimentos, efervescência dos mercados, circulação de mercadorias (de moeda inclusive), dinamização da vida econômica como um todo. Assinalo que Putnam, pelo menos até àquela época, não foi o criador de nenhuma teoria do capital social, porém foi o principal divulgador do conceito. A partir de sua pesquisa, “a ficha caiu” na cabeça de economistas, policymakers, governantes, empresários e agentes de organizações de apoio e fomento ao desenvolvimento. Pela primeira vez de modo científico, se puder falar assim, aparecia um nexo entre desenvolvimento (inclusive em termos econômicos) e organização da 7
  8. 8. sociedade civil. O CAPITAL SOCIAL, O ESTADO, O MERCADO E A SOCIEDADE CIVIL Mas por quê? O que a sociedade civil tem a ver com o chamado capital social? Explico então que o capital social se refere aos laços fracos (não hierárquicos, não funcionais, não parentais ou consangüíneos) entre pessoas, em conexões voluntárias, baseadas em reciprocidade, cooperação, solidariedade. E esse fenômeno se manifesta na sociedade civil em maior intensidade do que aquela se verifica nas outras esferas da realidade social ou nos outros tipos de agenciamento, como o Estado e o mercado. Exponho assim o chamado esquema trinário de interpretação da realidade social: primeiro setor (Estado), segundo setor (mercado) e terceiro setor (sociedade civil). Argumento para mostrar que cada um desses setores é caracterizado por uma “lógica” ou por uma racionalidade própria: o Estado é normativo, o mercado é competitivo e a sociedade civil é cooperativa – sempre chamando a atenção para o fato de que esse é um esquema interpretativo e que, na realidade, as coisas estão misturadas. Ora, capital social é cooperação ampliada socialmente. Nada mais do que isso. Mas a cooperação também ocorre dentro do Estado e dentro dos entes de mercado. Assim, todos os setores produzem capital social; nenhum deles, entretanto, no volume produzido pela sociedade civil. Adianto que o Estado pode induzir à formação de capital social (sobretudo se fizer parcerias com a sociedade) mas também pode – como ocorre freqüentemente – exterminar capital social. Aproveito então para falar das quatro formas mais eficazes de exterminação de capital social: o assistencialismo, o clientelismo, a centralização e a introdução de uma dinâmica adversarial na base da sociedade, explicando as características principais desses quatro exterminadores. Em seguida falo que o mercado produz capital social, porém consome mais do que produz. Advirto que, em geral, um bom mercado competitivo deve ter como ambiente adequado uma sociedade cooperativa. Que quem tem que ser de mercado é a economia e não a sociedade. E que a tão falada competitividade sistêmica depende de alguma coisa como uma cooperatividade sistêmica. 8
  9. 9. Usando o exemplo de Fukuyama, tento mostrar por que os keiretsu japoneses tiveram dificuldade de concorrer – em número de inovações por segundo, vamos dizer assim – com o Vale do Silício. Explico que no Vale do Silício, embora se tenha menos densidade de capital humano, existe mais capital social, porquanto existem mais conexões, as pessoas almoçam juntas, estabelecem laços fracos e gratuitos de amizade e camaradagem, constroem canais por onde trafegam informações etc. Assim, digo, empresas imersas em ambientes sociais com baixo nível de capital social têm mais dificuldades para sobreviver e competir. Seus custos de transação são maiores, assim como são maiores as margens de incerteza no que tange aos investimentos. CAPITAL SOCIAL, EMPODERAMENTO E REDE SOCIAL Continuo investigando o conceito de capital social. Mostro que, apesar do nome conter a palavra ‘capital’ não é um conceito econômico. E que apesar de conter a palavra ‘social’, não é um conceito sociológico. Capital social é um conceito político porque significa um outro tipo de poder, o poder de fazer, de empreender, de inovar e não o poder de mandar em alguém. Mostro que esse poder é, na verdade, um empoderamento, quer dizer, um encorajamento que flui da sociedade para o indivíduo. É a rede social que empodera os seus nodos. Fora da rede os nodos não poderiam ser empoderados. Uso em geral um exemplo físico para mostrar isso: é como um celular funcionando sem bateria. Isso é possível, desde que esse celular estivesse imerso em um campo eletromagnético que induz uma corrente elétrica (supondo que o celular tivesse, no lugar da bateria, uma bobina capaz de “converter” o campo em corrente elétrica). Dou então outro exemplo, agora bastante prático. O exemplo de dois pequenos empreendedores que resolvem montar uma fábrica de doces em uma cidade do interior do Brasil e nos arredores da cidade de Verona, nos dias atuais. O que acontece no primeiro caso, do empreendedor brasileiro? Ele sonha em produzir doces e começa a trabalhar para tornar esse sonho realidade. Constrói um galpão no fundo do seu quintal, faz um curso prático sobre o assunto e estuda os manuais. Todo empolgado, vai contar a novidade aos seus amigos, no bar da praça da sua cidade. Os amigos então perguntam onde ele arrumará o dinheiro parar adquirir os equipamentos necessários. Ele responde que pegará 9
  10. 10. um empréstimo no banco tal, numa linha de financiamento que foi aberta para estimular os pequenos negócios. Os amigos então retrucam: “– Cuidado, fulano! Olha que você ficará pendurado no banco, igualzinho ao beltrano, que acabou perdendo até a casa”. Continuo contando o caso fictício. O que acontece com o segundo empreendedor, o italiano, na Verona dos dias atuais? A mesma coisa. O que muda é a resposta dos amigos: “– Fantástico, fulano! O beltrano está pensando a mesma coisa. Quem sabe vocês não poderiam trocar idéias e, talvez, até se associar etc. etc.” Então faço o comentário final. Não há diferença entre os empreendedores. Eles têm o mesmo sonho. Eles deram os mesmos passos. No caso do brasileiro, porém, ele foi desencorajado pelo ambiente social, enquanto que, no caso do italiano, ele foi encorajado. A diferença, portanto, está no ambiente social. O primeiro desempodera, o segundo empodera. Por quê? Ora, porque o nível do capital social da cidade onde vive o primeiro é baixo, enquanto, na cidade onde vive o segundo, é alto. Mesmo depois de comentar esse exemplo e alguns outros, as pessoas ainda revelam grande dificuldade de entender a diferença entre capital humano e capital social. Pudera! Tudo ou quase tudo o que é chamado de ‘social’ se refere, na verdade, ao fator ‘humano’. Até mesmo as chamadas políticas sociais são, na verdade, políticas humanas, de investimento em capital humano. Saúde, educação, segurança alimentar e nutricional – tudo isso “cuida” do capital humano. O que se poderia propriamente chamar de uma política social, em geral não é considerado assim. Por exemplo, um programa de instalação de telecentros comunitários é uma política de investimento em capital social, é uma política social stricto sensu, quer dizer, de desenvolvimento social. Porque influi diretamente na rede social. Mas um programa como esse não é tratado assim porquanto as pessoas, os especialistas, os governos, não entenderam ainda a diferença entre capital humano e capital social. Conto então uma outra história fictícia, na verdade uma experiência de pensamento para mostrar a diferença entre capital humano e capital social. É mais ou menos assim. Imaginem uma família com altíssimo capital humano, por exemplo, a família do sultão de Brunei. Essa família tem alto nível educacional (escolaridade alta), alto nível de atenção à saúde (e expectativa de vida ao nascer também bastante alta). Renda média familiar, nem se fala. Quer dizer, essa família tem altíssimo nível de desenvolvimento humano. Agora imaginem uma 10
  11. 11. nova localidade criada pelo assentamento, em um mesmo território, de duas mil famílias do sultão de Brunei. Pergunta: o nível de desenvolvimento social dessa nova localidade será, necessariamente, tão alto quanto o nível de desenvolvimento humano das famílias que a compõem? Esse é o exercício. Se as pessoas respondem: “- Sim!”, então não há necessidade de considerar o conceito de capital social. Aliás, se as respostas forem afirmativas, não precisamos nem do conceito de sociedade. Pois, se alguém diz sim está pensando o que acontece na coletividade não é mais do que a soma – ou a conseqüência – do que acontece nas suas unidades (as famílias ou os indivíduos). Geralmente algumas pessoas respondem: “– Não”. É sinal de que, na cabeça dessas pessoas, “caiu a ficha”. Quando elas dizem “– Não”, em geral é porque se perguntam se as duas mil famílias do sultão de Brunei conviveriam bem na nova localidade que foi criada. Bingo! É sinal de que elas entenderam a diferença entre capital humano e capital social. CAPITAL SOCIAL E DESENVOLVIMENTO Pois bem. Introduzido dessa maneira o conceito de capital social, volto à equação complexa do desenvolvimento. Mostro que renda, riqueza, meio ambiente, conhecimento e poder (ou empoderamento), ou melhor, capital financeiro, capital físico (ou produtivo, ou empresarial), capital natural, capital humano e capital social, não devem crescer isoladamente para produzir o fenômeno que interpretamos como desenvolvimento. Trata-se, o desenvolvimento, na verdade, de uma combinação sinérgica de todos esses elementos. O padrão aqui não é o crescimento ilimitado de cada variável per se e sim a sua interação. Para haver desenvolvimento – ou seja, sustentabilidade – é necessário que todas essas variáveis, esses cinco “capitais”, flutuem em torno de valores ótimos. Mas os valores ótimos de cada variável dependem dos valores das outras variáveis. Cito então alguns exemplos. A Argentina tem mais capital humano que o Brasil e, no entanto, não pode ser julgada uma nação mais desenvolvida. Por que? Não será por causa do seu capital natural, que também é altíssimo (o pampa argentino é a segunda terra mais fértil do mundo). Não será por causa da sua renda per capita, que também supera a nossa. Só pode ser porque o seu capital social é bem menor do que o nosso (por razões que não vem ao caso investigar agora, como o predomínio de uma política justicialista por 11
  12. 12. décadas a fio). Ou seja, os níveis de confiança social na Argentina são menores do que os do Brasil. Cingapura tem menos capital natural que o Brasil e, no entanto, está muito à frente em termos de desenvolvimento econômico. Por que? Porque tem altíssimo nível de capital humano, concentrado em um pequeno território, o que leva à uma sociedade altamente conectada. Assim, os níveis do capital social em Cingapura devem ser incomparavelmente maiores do que os do Brasil. Explico que, na equação complexa do desenvolvimento, baixos valores de uma variável podem ser compensados por altos valores de outras variáveis. No entanto, se os valores do capital social forem muito baixos, não pode haver compensação. O capital social é diferente dos demais “capitais”, não porque determine os demais (papel que se creditava ao capital propriamente dito,quer dizer, ao fator econômico) e sim porque é um “fator ambiental” em termos sociais. É a própria rede social, a identidade de uma particular sociedade, que se expressa por meio da idéia de capital social. CAPITAL SOCIAL, REDE E SUSTENTABILIDADE Para concluir, retomo o tema da sustentabilidade. Digo que não há qualquer diferença entre desenvolvimento (tomado nesta nova concepção) e sustentabilidade. Sustentabilidade é a capacidade de mudar de acordo com a mudança das circunstâncias. Para isso, é necessário estar conectado a uma rede de relações, criando canais pelos quais fluem recursos de toda ordem, possibilitando que as variáveis do desenvolvimento de uma organização mudem de valor em uma congruência múltipla e recíproca com o meio. É por isso que somente redes podem ser sustentáveis. Nenhum organismo ou organização isolada pode ser sustentável. Dou então alguns exemplos de redes. O cérebro humano (a rede neural, que não funciona, como se acreditava, como uma CPU de computador) e um ecossistema (a teia da vida). A rede é sustentável porquanto consegue conservar a sua adaptação. Na rede existem nodos que, em relação com os outros nodos, têm a capacidade de exercer funções de nodos que porventura tenham desaparecido. É o que acontece, em muitos casos, nos cérebros afetados por acidentes. Quando uma região sofre uma lesão, que destrói alguns neurônios, a rede permite que outros neurônios 12
  13. 13. compensem aquela falta. É o que acontece com um ecossistema, quando uma intervenção antrópica, desarmonizante, altera o equilíbrio natural. Dependendo do tamanho da intervenção, o ecossistema se recupera, redirecionando o papel de seus vários elementos até conseguir restabelecer o equilíbrio. Explico que tudo isso só pode acontecer em razão do padrão de organização desses conjuntos de muitos organismos, de organismos ou de partes de organismos, ser um padrão de rede. Ora – digo – se é assim, então temos uma espécie de “modelo” para uma organização ou localidade que quer ser sustentável, quer dizer, que quer se desenvolver. Uma empresa, por exemplo. Se a empresa quiser ser sustentável ela deve estabelecer o maior número possível de conexões com seus stakeholders e, inclusive, com outras empresas e outras organizações, do Estado e da sociedade civil. Por meio desses canais podem fluir, para dentro, o capital humano e o capital social de que ela necessita e também podem fluir, para fora, as quantidades desses recursos que estão sobrando. Só assim a rede toda pode adquirir as características de um sistema complexo estável. Concluo, enfim, dizendo que só redes podem ser sustentáveis. Dependendo do público e dos objetivos do curso ou palestra, começo, a partir desse ponto, a tratar do desenvolvimento de um ponto de vista mais teórico, comparando os modelos transformacional e variacional com o modelo regulacional. É isso. Imaginei que poderia ser útil reproduzir em linhas gerais o conteúdo do que venho dizendo em minhas aulas e palestras pelo Brasil a fora. Este texto foi escrito e publicado em 01 de setembro de 2005. De lá para cá (junho de 2010) as investigações sobre redes sociais progrediram bastante, assim como minhas próprias explorações sobre as relações entre desenvolvimento, capital social, redes sociais e sustentabilidade. Esse ulterior desenvolvimento do arcabouço teórico com o qual trabalhava exigiu uma nova abordagem do desenvolvimento, sobretudo dos processos de indução do desenvolvimento local ou comunitário. De certo modo deixei de trabalhar com o conceito de capital social (uma metáfora, urdida do ponto de vista dos recursos para o desenvolvimento, para designar nada mais e nada menos do que a rede social). Descobri que a fenomenologia da rede era função da sua topologia e que, assim, o que queríamos conotar com a idéia de ‘capital social’ depende, fundamentalmente, dos graus de distribuição-conectividade ou de interatividade da rede social. 13

×