A praça no espaço urbano.compressed

575 visualizações

Publicada em

monografia especialização.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
575
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A praça no espaço urbano.compressed

  1. 1. E d u a r d o R o c h a A PRAÇA NO ESPAÇO URBAN O Limites, caminhos e centralidade no desenho das cidades da região sul do Rio Grande do Sul MEC – UFPel – ILA
  2. 2. E d u a r d o R o c h a A PRAÇA NO ESPAÇO URBANO Limites, caminhos e centralidade no desenho das cidades da região sul do Rio Grande do Sul Monografia apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Artes (PGA), Especialização em Patrimônio Cultural: Conservação de Artefatos, do Instituto de Letras e Artes (ILA) da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), como requisito parcial à obtenção do título de Especialista em Patrimônio Cultural. Orientador: Prof. Dr. Gilberto Sarkis Yunes Universidade Federal de Pelotas Co-orientadora: Arq. Esp. Aline Montagna da Silveira Mestranda em Educação na Universidade Federal de Pelotas MEC – UFPel – ILA Pelotas, setembro de 2000.
  3. 3. AGRADECIMENTOS Aos acadêmicos e amigos, Adriana Monteiro, Ana Paula Régio, Denise Brito, Fernanda Ferreira da Cunha, Mateus Szomorovzky, Michele Rosa da Silva, Paulo Roberto da Silveira Filho (o tuca), Renata Mattos e Tatiana Maragalhoni, pelo incansável trabalho na coleta de dados. A professora Ana Lúcia Oliveira pelo material acessível do Núcleo de Estudos da Arquitetura Brasileira (NEAB). À Maria Cristina Leonardo e Eunice Osório, pela solidariedade, assim como aos demais colegas do PGA. À Laura Azevedo e Marta Amaral, pela amizade e constante discussão de partes do trabalho. Aos professores Carlos Alberto Ávila Santos, Sylvio Jantzen, Neiva Bohns e Júlio Marchand. Ao professor D. Arthuro, que doou seu acervo pessoal à Biblioteca Central da UCPel, e, indiretamente, contribuiu para o desenvolvimento do trabalho. À Aline Montagna da Silveira, pelo acompanhamento amigo, grande colaboração e pela possibilidade de troca. Ao professor Gilberto Yunes, pela orientação, pelas críticas e conversas, e sobretudo pelo incentivo. À minha mãe, a quem dedico, reconhecidamente, este “trabalho que não acaba nunca”, pelo companheirismo.
  4. 4. FOTO: LAURA AZEVEDO “O modo de representarmos o ambiente em que vivemos não é uma simples cópia da realidade, mas contém em si a própria possibilidade de articularmos livremente essa representação.” (LEACH, 1985:77).
  5. 5. SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS..................................................................................... 6 INTRODUÇÃO................................................................................................. 13 1 APRAÇA UM ESPAÇO PÚBLICO...................................................... 17 1.1 O SURGIMENTO DO ESPAÇO PÚBLICO.................................................... 18 1.2 NA IDADE MÉDIA: A PRAÇA COMO INSTITUIÇÃO............................... 22 1.3 SÉCULO XV: A PRAÇA NO SENTIDO ATUAL.......................................... 24 1.4 A PRAÇA NO BRASIL.................................................................................... 30 2 APRAÇA NA CIDADE GAÚCHA....................................................... 35 2.1 O CASO EM ESTUDO: AS CIDADES DA REGIÃO SUL ........................... 35 2.2 A PRAÇAS GAÚCHAS E SUAS PREEXISTÊNCIAS................................... 42 2.3 SÉCULO XX: A CONSOLIDAÇÃO DO ESPAÇO PRAÇA.......................... 52 3 UMA LEITURA ATRAVÉS DE TRÊS ELEMENTOS................... 54 3.1 UM OLHAR FENOMENOLÓGICO............................................................... 54 3.2 ESPAÇO EXISTENCIAL E ARQUITETÔNICO............................................ 56 3.3 OS NÍVEIS DO ESPAÇO E SEUS ELEMENTOS.......................................... 59 3.4 LIMITES............................................................................................................ 62 3.5 CAMINHOS...................................................................................................... 67 3.6 CENTRALIDADE............................................................................................. 75 CONSIDERAÇÕES FINAIS........................................................................ 78 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS........................................................ 84
  6. 6. ANEXOS............................................................................................................ 88 A – Arroio Grande: PRAÇA MANECA MACIEL................................................. 89 B – Bagé: PRAÇA CARLOS TELLES................................................................... 91 C – Canguçu: PRAÇA DR. CARLOS SANTOS.................................................... 93 D – Dom Pedrito: PRAÇA GENERAL OSÓRIO................................................... 95 E – Herval do Sul: PRAÇA MARQUÊS DE HERVAL......................................... 97 F – Jaguarão: PRAÇA DR. ALCIDES MARQUES................................................ 99 G – Pelotas: PRAÇA CORONEL PEDRO OSÓRIO.............................................. 101 H – Pinheiro Machado: PRAÇA ANGELINO GOULART.................................... 103 I – Piratini: PRAÇA DAS ALEGRIAS................................................................... 105 J – Rio Grande: PRAÇA ANTÔNIO XAVIER FERREIRA.................................. 107 K – Santa Isabel do Sul: PRAÇA DA ALIANÇA................................................... 109 L – Santa Vitória do Palmar: PRAÇA MARECHAL SOARES ANDREA............ 111 M – São José do Norte: PRAÇA INTENDENTE FRANCISCO JOSÉ PEREIRA 113 N –São Lourenço do Sul: PRAÇA DEDE SERPA................................................. 115 O – Outras Praças.................................................................................................... 117
  7. 7. LISTA DE FIGURAS Capa - Imagens das praças referentes ao caso em estudo. Diagramação e tratamento das imagens: Eduardo Rocha. Epígrafe - Detalhe chafariz da praça Coronel Pedro Osório, Pelotas. Foto: Laura Azevedo............ 3 1- Conjunto de cabanas de neve, iglulike, a. C. 1920. Fonte: CORNELL, 1998:6........................... 19 2- Reconstituição do plano de Atenas como era nos anos 400 antes do nosso tempo. Fonte: ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL, 1999:59............................................................ 21 3- Monpazier, cidade colonial inglesa na França, fim do século XIII. Fonte: CORNEL, 1998:61.. 23 4- Vista da Piazza de San Marco, Veneza. Fonte: ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL, 1999:5248................................................................................................................................... 25 5- Piazza de São Pedro, Roma. Fonte: CHING, 1998:124................................................................ 26 6- Reconstituição do plano de Atenas como era nos anos 400 antes do nosso tempo. Fonte: ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL, 1999:59............................................................ 27 7- Vista parcial da Place de la Concorde. Fonte: ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL, 1999:1546................................................................................................................................... 28 8- Cours La Reine em Paris, em gravura de Aveline. Fonte: SEGAWA, 1996:41........................... 29 9- Cartão postal – Praça do Comércio / Lisboa / 1905. Fonte: PASSOS, 1990:31........................... 30 10- Cartão postal – Praça do Rossio / Lisboa / 1905. Fonte: PASSOS, 1990:55.............................. 31 11- Planta do Passeio Público, sem data (anterior a 1862), desenhada por J. A. Andrade. Acervo da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Fonte: SEGAWA, 1996:86..................................... 32 12- Mapa dos municípios existentes em 1900, no Rio Grande do Sul, com demarcação do limite dos municípios da região sul, desmembrados de Rio Grande. Fonte: F.E.E., 1981:99.............. 35 13- Organograma da criação dos municípios estudados, na coluna da esquerda vemos a data em que o mesmo foi considerado como vila e sede de município. As linhas de interligação mostram o sistema de desmembramento adotado. Fonte de dados: F.E.E., 1981...................... 37 14- Planta da Missão de São Nicolau, com demarcação da área destinada a praça. Fonte: LA SALVIA, 1992: 32...................................................................................................................... 39 15- Vista aérea do prédio da Alfândega da cidade de Rio Grande. Foto: Adriana Monteiro, 2000.. 41 16- Perspectiva aérea do tipo de praça implantada na região sul do Rio Grande do Sul. Desenho: Eduardo Rocha, 2000.................................................................................................................. 41 17- Praça Marquês do Herval / Herval do Sul. Fonte: COSTA, 1922:65.......................................... 43 18- Praça Angelino Goulart / Pinheiro Machado. Fonte: COSTA, 1922:123................................... 44 19- Praça Dr. Francisco Carlos dos Santos / Canguçu. Fonte: COSTA, 1922:81............................ 45 20- Praça da Aliança / Santa Isabel do Sul. Fonte: NEAB,1994...................................................... 45 21- Praça Carlos Telles / Bagé. Fonte: COSTA, 1922:495.............................................................. 46 22- Prefeitura Municipal de Dom Pedrito. Fonte: Acervo Museu municipal, 2000......................... 47 23- Praça Dede Serpa / São Lourenço do Sul. Fonte: COSTA, 1922:495........................................ 47 24- Praça Antônio Xavier Ferreira / Rio Grande. Fonte: COSTA, 1922:17..................................... 47 25- Praça Coronel Pedro Osório / Pelotas. Fonte: COSTA, 1922:25............................................... 48 26- Praça Marechal Soares Andrea / Santa Vitória do Palmar. Fonte: COSTA, 1922:42................ 48 27- Praça Maneca Maciel / Arroio Grande. Fonte: COSTA, 1922: 61............................................. 48 28- Praça Antônio Xavier Ferreira / Rio Grande. Foto: Adriana Monteiro, 2000............................ 49
  8. 8. 29- Interior da Praça Alcides Marques / Jaguarão. Foto: Michele Rosa da Silva, 2000................... 51 30- Reservatório / Praça General Osório / Dom Pedrito. Fonte: Acervo Museu Municipal, 2000. 51 31- Praça Coronel Pedro Osório / Pelotas. Foto: Laura Azevedo..................................................... 51 32- Praça Antônio Xavier Ferreira / Rio Grande. Foto: Adriana Monteiro...................................... 51 33- Tabela comparativa entre o espaço existencial e arquitetônico. Autor: Eduardo Rocha............ 58 34- Vista aérea da Praça Dr. Carlos Santos/Canguçu. Observamos limites (fachadas), caminhos e centralidade definidos. Fonte: Acervo Casa da Cultura........................................................... 60 35- Plantas esquemáticas das 14 praças estudadas. A – Arroio Grande: Pr. Maneca Maciel / B – Bagé: Pr. Carlos Telles / C – Canguçu: Pr. Dr. Carlos Santos / D – Dom Pedrito: Pr. General Osório / E – Herval do Sul: Pr. Marquês de Herval / F – Jaguarão: Pr. Alcides Marques / G – Pelotas: Pr. Coronel Pedro Osório / H – Pinheiro Machado: Pr. Angelino Goulart / I – Piratini: Pr. das Alegrias / J – Rio Grande: Pr. Antônio Xavier Ferreira / K – Santa Isabel do Sul: Pr. da Aliança / L – Santa Vitória do Palmar: Pr. Marechal Soares Andrea / M – São José do norte: Praça Intend. Francisco José Pereira / N – São Lourenço do Sul: Praça Dede Serpa. Desenho: Eduardo Rocha................................................................................................ 61 36- Vista aérea da Praça Maneca Maciel/Arroio Grande. Observamos limites formados pelas fachadas dos quarteirões. Foto: Denise Brito, 1999................................................................... 63 37- Vista do limite natural feito pelo rio São Gonçalo no espaço público da vila de Santa Isabel do Sul. Fonte: NEAB, 1994........................................................................................................ 63 38- Vista da igreja, na Praça Angelino Goulart de Pinheiro Machado. Foto: Paulo Roberto da Silveira Filho, 2000.................................................................................................................... 63 39- Vista onde pode-se observar à esquerda a Secretaria de Finanças, ao centro o Mercado Central e à direita a Prefeitura. Foto: Laura Azevedo............................................................... 63 40- Vista do Teatro 7 de Abril. Ambas da Praça Coronel Pedro Osório em Pelotas. Foto: Laura Azevedo...................................................................................................................................... 63 41- Esquema da limitação do espaço da praça nos quatro lados. Desenho: Eduardo Rocha............ 63 42- Esquema da limitação do espaço da praça com abertura. Desenho: Eduardo Rocha................. 63 43- Planta esquemática da Praça Marechal Soares Andrea de Santa Vitória, com seus limites demarcados. Fonte: Tatiana Maragalhoni................................................................................... 64 44- Vista de uma abertura temporária (muro) na Praça Marechal Soares Andrea de Santa Vitória. Foto: Tatiana Maragalhoni, 2000.................................................................................. 65 45- Vista aérea da Praça Marquês de Herval, em Herval do Sul. Observamos os recuos laterais na implantação da igreja ao fundo. Fonte: acervo do Museu Municipal.................................... 65 46- A esquina como elemento que marca o acesso ao espaço da praça. Praça Angelino Goulart, de Pinheiro Machado. Foto: Paulo Roberto da Silveira Filho, 2000......................................... 65 47- Planta esquemática da Praça Dr. Carlos Santos / Canguçu, onde está demarcada a área de abertura. Fonte: Charles Ferreira................................................................................................ 66 48- À esquerda observamos a abertura provocada pela Praça de Esportes Dr. Jaime de Farias na Praça Dr. Carlos Santos. Foto: Eduardo Rocha, 2000................................................................ 66 49- Desenho esquemático do plano horizontal atravessado por um eixo vertical. Desenho: Eduardo Rocha........................................................................................................................... 68 50- Planta esquemática da Praça Carlos Telles de Bagé, com seu eixo principal demarcado. Fonte: Renata Mattos.................................................................................................................. 69 51- Planta esquemática da Praça Dr. Carlos Santos de Canguçu, com seu eixo principal demarcado. Fonte: Charles Ferreira........................................................................................... 69
  9. 9. 52- Planta esquemática da Praça Antônio Xavier Ferreira de Rio Grande, com o eixo principal demarcado. Fonte: Adriana Monteiro........................................................................................ 69 53- Planta esquemática da Praça Coronel Pedro Osório em Pelotas, destacando-se a circulação fechada característica das ruas que a circundam. Fonte: Eduardo Rocha.................................. 70 54- Vista do Largo das Bandeiras. Foto: Michele Rosa da Silva, 2000........................................... 71 55- Planta esquemática demarcando à esquerda, o largo ocupado por edifícios e, à direita o Largo das Bandeiras. Praça Alcides Marques de Jaguarão. Fonte: Michele Rosa da Silva....... 71 56- Vista do Lago, a partir do Clube do Comércio. Foto: Adriana Monteiro, 2000......................... 71 57- Planta esquemática demarcando, à esquerda largo em frente a Prefeitura Municipal e, à direita, o Lago. Praça Antônio Xavier Ferreira. Fonte: Adriana Monteiro................................ 71 58- Vista da rua fechada entre a praça e a Igreja de Piratini. Foto: Ana Paula Régio, 2000.......... 71 59- Planta esquemática demarcando a ligação entre a Praça da Alegria e a Igreja, em Piratini. Fonte: Ana Paula Régio.............................................................................................................. 71 60- Vista da rua fechada por calçadão. Foto: Adriana Monteiro, 2000............................................ 71 61- Planta esquemática do calçadão existente na Praça Intendente Francisco José Pereira de São José do Norte. Fonte: Adriana Monteiro.................................................................................... 71 62- Cruz grega. Desenho: Eduardo Rocha........................................................................................ 73 63- Cruz latina. Desenho: Eduardo Rocha........................................................................................ 73 64- Estrela (sobreposição de cruzes). Desenho: Eduardo Rocha...................................................... 73 65- Planta esquemática com demarcação dos caminhos principais. Fonte: Paulo Roberto Silveira Filho............................................................................................................................................ 73 66- Vista da entrada de um dos caminhos principais. Praça Angelino Goulart de Pinheiro Machado. Foto: Paulo Roberto Silveira Filho, 2000.................................................................. 73 67- Planta esquemática com demarcação dos caminhos principais. Fonte: Fernanda Ferreira da Cunha.......................................................................................................................................... 73 68- Vista da entrada de um dos caminhos principais. Praça General Osório, da cidade de Dom Pedrito. Foto: Fernanda Ferreira da Cunha, 2000...................................................................... 73 69- Planta esquemática com demarcação do caminho em retícula. Fonte: Mateus Szomorovzky... 74 70- Vista interna do cruzamento dos caminhos. Praça Dede Serpa de São Lourenço do Sul. Foto: Mateus Szomorovzky, 2000.............................................................................................. 74 71- Planta esquemática com demarcação dos caminhos lineares. Fonte: Adriana Monteiro........... 74 72- Vista dos caminhos secundários. Praça Antônio Xavier Ferreira de Rio Grande. Foto: Adriana Monteiro, 2000............................................................................................................. 74 73- Planta esquemática com demarcação do caminho linear principal. Fonte: Ana Paula Régio.... 74 74- Vista do caminho linear principal. Praça das Alegrias de Piratini. Foto: Ana Paula Régio, 2000............................................................................................................................................ 74 75- Vistas dos elementos centrais das 14 praças estudadas. A – Pelotas: Pr. Coronel Pedro Osório / B – Canguçu: Pr. Dr. Carlos Santos / C – Jaguarão: Pr. Alcides Marques / D – Bagé: Pr. Carlos Telles / E – Arroio Grande: Pr. Maneca Maciel / F – Pinheiro Machado: Pr. Angelino Goulart / G – São Lourenço do Sul: Praça Dede Serpa / H – Dom Pedrito: Pr. General Osório / I – Santa Vitória do Palmar: Pr. Marechal Soares Andrea / J – Santa Isabel do Sul: Pr. da Aliança / K – São José do Norte: Praça Intend. Francisco José Pereira / L – Herval do Sul: Pr. Marquês de Herval / M – Rio Grande: Pr. Antônio Xavier Ferreira / N – Piratini: Pr. das Alegrias. Foto: ver anexos................................................................................ 77 76- Vista aérea de Santa Vitória do Palmar, onde observa-se o espaço da praça, na estrutura urbana reticulada da cidade .Foto: Tatiana Maragalhoni, 2000.................................................. 80
  10. 10. 77- Corte esquemático da praça, ressaltando os diferentes efeitos visuais que os elementos massa de vegetação e a altura dos limites podem representar para a imagem urbana. Desenho: Eduardo Rocha........................................................................................................................... 81 78- Corte esquemático da praça. Ressaltando os diferentes efeitos visuais que o elemento massa de vegetação e a altura dos limites podem representar para a imagem urbana. Desenho: Eduardo Rocha........................................................................................................................... 81 79- Vista do monumento e altar da pátria que obstrui a circulação natural em cruz da praça. Foto: Eduardo Rocha, 2000........................................................................................................ 82 80- Planta esquemática da praça demarcando o monumento. Fonte: Charles de Almeida Ferreira........................................................................................................................................ 82 81- Vista posterior da edificação destinada a sanitários na praça de São José do Norte. Foto: Adriana Monteiro, 2000............................................................................................................. 82 82- Planta esquemática da praça demarcando o prédio destinado aos sanitários. Fonte: Adriana Monteiro..................................................................................................................................... 82 83- Planta esquemática Praça Maneca Maciel de Arroio Grande. Fonte: Denise Brito. Desenho: Eduardo Rocha........................................................................................................................... 89 84- Praça Maneca Maciel, a principal da localidade. Fonte: COSTA, 1922:61............................... 89 85- A / Vista aérea. Fonte: Denise Brito........................................................................................... 90 86- B / Vista central da praça. Fonte: Denise Brito......................................................................... 90 87- Planta esquemática da Praça Coronel Carlos Telles de Bagé. Fonte: Renata Mattos. Desenho: Eduardo Rocha........................................................................................................... 91 88- Aspecto central da cidade, apanhado da torre da matriz, vendo-se a praça Coronel Carlos Telles. Fonte: COSTA, 1922:495............................................................................................... 91 89- A/ Vista da igreja matriz. Foto: Renata Mattos, 2000................................................................ 92 90- B/ Vista de um dos caminhos principais. Foto: Renata Mattos, 2000........................................ 92 91- C/ Vista de uma das vias circundantes. Foto: Renata Mattos, 2000........................................... 92 92- D/ Vista de limite formado por edificações . Foto: Renata Mattos, 2000.................................. 92 93- E/ Vista do elemento central da praça . Foto: Renata Mattos, 2000........................................... 92 94- F/ Vista da matriz . Foto: Renata Mattos, 2000.......................................................................... 92 95- Planta esquemática da Praça Dr. Carlos Santos de Canguçu. Fonte: Charles de Almeida Ferreira. Desenho: Eduardo Rocha............................................................................................. 93 96- Praça Marechal Floriano e trecho da Rua General Osório. Fonte: COSTA, 1922:99................ 93 97- A / Vista aérea da Praça . Fonte: Casa da Cultura...................................................................... 94 98- B/ Vista do interior da Praça. Fonte: Casa da Cultura................................................................ 94 99- C/ Vista do altar da pátria. Foto: Eduardo Rocha, 2000............................................................. 94 100- D/ Vista da igreja apartir da Praça. Foto: Eduardo Rocha, 2000............................................. 94 101- E/ Vista do limite formado por muro de arrimo. Foto: Eduardo Rocha, 2000........................ 94 102- F/ Vista da via circundante. Foto: Eduardo Rocha, 2000........................................................ 94 103- G/ Vista do elemento central. Foto: Eduardo Rocha, 2000..................................................... 94 104- H/ Vista do casarão onde hoje funciona a Casa da Cultura. Fonte: Casa da Cultura.............. 94 105- Planta esquemática da Praça General Osório de Dom Pedrito. Fonte: Fernanda Ferreira da Cunha. Desenho: Eduardo Rocha............................................................................................... 95 106- Praça General Osório, a principal da cidade. Fonte: COSTA, 1922:442................................ 95 107- A/ Vista aérea da praça. Fonte: Museu Municipal................................................................... 96 108- B/ Vista da igreja apartir da praça. Fonte: Museu Municipal.................................................. 96 109- C/ Vista do calçadão. Fonte: Museu Municipal....................................................................... 96
  11. 11. 110- D/ Vista do prédio da Prefeitura Municipal. Fonte: Museu Municipal................................... 96 111- E/ Reservatório no centro da praça. Fonte: Museu Municipal................................................. 96 112- F/ Vista aérea da praça, ao fundo a esquerda o Clube Comercial. Fonte: Museu Municipal.. 96 113- G/ Vista do centro da praça apartir de um de seus caminhos principais. Foto: Fernanda Ferreira da Silva, 2000................................................................................................................ 96 114- Planta Esquemática da Praça Marquês de Herval de Herval do Sul. Fonte: Prefeitura Municipal. Desenho: Eduardo Rocha......................................................................................... 97 115- Praça Marquês do Herval, a principal da Vila. Fonte: COSTA, 1922:65................................ 97 116- A/ Vista aérea da praça. Fonte: Museu Municipal................................................................... 98 117- B/ Vista do busto que serve como elemento central. Fonte: Museu Municipal...................... 98 118- C/ Vista da igreja apartir da praça. Fonte: Museu Municipal.................................................. 98 119- D/ Vista de um dos monumentos circundantes. Fonte: Museu Municipal.............................. 98 120- E/ Vista da área central da praça. Fonte: Museu Municipal.................................................... 98 121- F/ Vista igreja. Fonte: Museu Municipal................................................................................. 98 122- Planta esquemática da Praça Dr. Alcides Marques de Jaguarão. Fonte: Michele Rosa da Silva. Desenho: Eduardo Rocha................................................................................................. 99 123- Aspectos da bela cidade de Jaguarão, acima a direita Praça 13 de maio, vendo-se a estátua da liberdade. Fonte: COSTA, 1922:50....................................................................................... 99 124- A/ Vista aérea da praça, ao centro a Estátua da Liberdade. Foto: Michele Rosa da Silva, 2000............................................................................................................................................ 100 125- B/ Vista aérea da praça. Foto: Michele Rosa da Silva, 2000................................................... 100 126- C/ Vista do interior da praça. Foto: Michele Rosa da Silva, 2000........................................... 100 127- D/ Vista de um dos monumentos circundantes. Foto: Michele Rosa da Silva, 2000.............. 100 128- E/ Vista do interior da praça. Foto: Michele Rosa da Silva, 2000........................................... 100 129- H/ Vista de um dos caminhos principais. Foto: Michele Rosa da Silva, 2000........................ 100 130- G/ Vista do largo da matriz. Foto: Michele Rosa da Silva, 2000............................................ 100 131- H/ Vista do largo ocupado por edificações. Foto: Michele Rosa da Silva, 2000.................... 100 132- Planta esquemática da Praça Coronel Pedro Osório de Pelotas. Fonte: Prefeitura Municipal. Desenho: Eduardo Rocha......................................................................................... 101 133- Vista geral da Praça Coronel Pedro Osório. Fonte: COSTA, 1922:44.................................... 101 134- A/ Vista do chafariz central. Foto: Laura Azevedo, 1998....................................................... 102 135- B/ Vista da Rua Marechal Floriano, Teatro 7 de Abril. Foto: Laura Azevedo, 1998.............. 102 136- C/ Vista da praça apartir da Rua Marechal Floriano. Foto: Laura Azevedo, 1998.................. 102 137- D/ Ao findo no centro o Mercado Público, a direita a Prefeitura Municipal e a esquerda a Secretaria de Finanças. Foto: Laura Azevedo, 1998.................................................................. 102 138- E/ Vista geral da praça, ao fundo Mercado Público. Foto: Laura Azevedo, 1998................... 102 139- Planta esquemática da Praça Angelino Goulart de Pinheiro Machado. Fonte: Paulo Roberto da Silveira Filho. Desenho: Eduardo Rocha............................................................................... 103 140- Trecho da rua e praça principais da vila de Pinheiro Machado. Fonte: COSTA, 1922:123.... 103 141- A/ A praça vista de uma das ruas. Foto: Paulo Roberto da Silveira Filho, 2000.................... 104 142- B/ A praça vista de uma das ruas. Foto: Paulo Roberto da Silveira Filho, 2000.................... 104 143- C/ Vista da praça, a direita o altar da pátria. Foto: Paulo Roberto da Silveira Filho, 2000..... 104 144- D/ Vista de um dos caminhos principais. Foto: Paulo Roberto da Silveira Filho, 2000......... 104 145- E/ Vista de um dos caminhos principais. Foto: Paulo Roberto da Silveira Filho, 2000.......... 104 146- F/ Vista de uma das entradas da praça. Foto: Paulo Roberto da Silveira Filho, 2000............. 104 147- G/ Vista da igreja apartir da praça. Foto: Paulo Roberto da Silveira Filho, 2000................... 104
  12. 12. 148- Planta esquemática da Praça das Alegrias de Piratini. Fonte: Ana Paula Pereira Régio. Desenho: Eduardo Rocha........................................................................................................... 105 149- Praça e rua principais da cidade de Piratini. Fonte: COSTA, 1922:118.................................. 105 150- A/ Vista geral da praça. Foto: Ana Paula Régio, 2000............................................................ 106 151- B/ Vista dos prédios limites da praça. Foto: Ana Paula Régio, 2000...................................... 106 152- C/ Vista dos canteiros da praça. Foto: Ana Paula Régio, 2000............................................... 106 153- D/ Vista de um dos caminhos principais. Foto: Ana Paula Régio, 2000................................. 106 154- E/ Vista do eixo principal. Foto: Ana Paula Régio, 2000........................................................ 106 155- F/ Um dos recantos da praça . Foto: Ana Paula Régio, 2000................................................. 106 156- G/ O lago da matriz . Foto: Ana Paula Régio, 2000............................................................... 106 157- H/ Vista posterior da igreja matriz. Foto: Ana Paula Régio, 2000......................................... 106 158- Planta esquemática da Praça Antônio Xavier Ferreira de Rio Grande. Fonte: Adriana Monteiro. Desenho: Eduardo Rocha.......................................................................................... 107 159- Um aspecto da bela praça. COSTA, 1922:11.......................................................................... 107 160- A/ Vista de uma das entradas da praça. Foto: Adriana Monteiro, 2000.................................. 108 161- B/ Vista aérea da praça. Foto: Adriana Monteiro, 2000.......................................................... 108 162- C/ Um dos caminhos da praça, ao centro a coluna da liberdade. Foto: Adriana Monteiro, 2000............................................................................................................................................ 108 163- D/ Lago visto apartir do Clube do Comércio. Foto: Adriana Monteiro, 2000......................... 108 164- E/ Chafariz central. Foto: Adriana Monteiro, 2000................................................................. 108 165- F/ Caminho e eixo principal. Foto: Adriana Monteiro, 2000.................................................. 108 166- G/ Vista do interior da praça. Foto: Adriana Monteiro, 2000.................................................. 108 167- H/ Vista de um dos limites ao fundo a abertura para o canal. Foto: Adriana Monteiro, 2000............................................................................................................................................ 108 168- Planta esquemática. Fonte : NEAB , 1994. Desenho: Eduardo Rocha.................................... 109 169- A/ Vista posterior da capela. Fonte: NEAB, 1994................................................................... 110 170- B/ Vista de uma das vias da vila. Fonte: NEAB, 1994............................................................ 110 171- C/ Equipamento existente na praça. Fonte: NEAB, 1994........................................................ 110 172- D/ Vista do rio São Gonçalo. Fonte: NEAB, 1994.................................................................. 110 173- E/ Vista da praça da Aliança, vendo-se ao fundo a capela local. Fonte: NEAB, 1994........... 110 174- F/ Vista frontal da capela, vendo-se ao fundo a praça. Fonte: NEAB, 1994........................... 110 175- Planta esquemática da Praça General Andrea de Santa Vitória do Palmar. Fonte: Tatiana da Costa Maragalhoni. Desenho: Eduardo Rocha...................................................................... 111 176- Um aspecto da bela praça General Andréa, a principal da cidade de Santa Vitória . Fonte: COSTA, 1922:42........................................................................................................................ 111 177- A/ Vista aérea da cidade de Santa Vitória. Foto: Tatiana Maragalhoni, 2000......................... 112 178- B/ Vista de uma das ruas que circundam. Foto: Tatiana Maragalhoni, 2000.......................... 112 179- C/ Vista geral da praça. Foto: Tatiana Maragalhoni, 2000...................................................... 112 180- D/ Vista de uma abertura temporária. Foto: Tatiana Maragalhoni, 2000................................ 112 181- E/ Vista parcial da praça. Foto: Tatiana Maragalhoni, 2000................................................... 112 182- F/ Rosa dos ventos no centro da praça. Foto: Tatiana Maragalhoni, 2000.............................. 112 183- G/ Vista de um dos caminhos principais, apartir do centro. Foto: Tatiana Maragalhoni, 2000............................................................................................................................................ 112 184- H/ Um dos caminhos principais. Foto: Tatiana Maragalhoni, 2000........................................ 112 185- Planta esquemática da Praça Intendente Francisco José Pereira. Fonte: Adriana Monteiro. Desenho: Eduardo Rocha........................................................................................................... 113
  13. 13. 186- Matriz de Nossa Senhora dos Navegantes. Fonte: COSTA, 1922:37...................................... 113 187- A/ Vista do chafariz central. Foto: Adriana Monteiro, 2000................................................... 114 188- B/ Vista da abertura para o canal. Foto: Adriana Monteiro, 2000........................................... 114 189- C/ Vista do calçadão. Foto: Adriana Monteiro, 2000.............................................................. 114 190- D/ Um dos caminhos externos. Foto: Adriana Monteiro, 2000.............................................. 114 191- E/ Vista do trailer existente em uma das extremidades. Foto: Adriana Monteiro, 2000......... 114 192- F/ Vista de uma das vias. Foto: Adriana Monteiro, 2000........................................................ 114 193- G/ Vista geral da praça, apartir da igreja. Foto: Adriana Monteiro, 2000............................... 114 194- Planta esquemática da Praça Dede Serpa de São Lourenço do Sul. Fonte: Mateus Szomorovzky. Desenho: Eduardo Rocha................................................................................... 115 195- Vista da praça principal da cidade. Fonte: COSTA, 1922: 103............................................... 115 196- A/ Vista do chafariz no centro da praça. Foto: Mateus Szomorovzky, 2000.......................... 116 197- B/ Caminho interior secundário. Foto: Mateus Szomorovzky, 2000...................................... 116 198- C/ Vista externa. Foto: Mateus Szomorovzky, 2000............................................................... 116 199- D/ Vista de uma das esquinas da praça. Foto: Mateus Szomorovzky, 2000........................... 116 200- E/ Vista do play-ground. Foto: Mateus Szomorovzky, 2000................................................... 116 201- F/ Ao centro monumento a Zumbi. Foto: Mateus Szomorovzky, 2000.................................. 116 202- Praça XV de novembro. Santiago. Fonte: COSTA, 1922: 268............................................... 117 203- Trecho da Rua do Comércio e Praça General Firmino. Cruz Alta. Santiago. Fonte: COSTA, 1922: 226..................................................................................................................... 117 204- Um aspecto da vila, vendo-se a Praça Júlio de Castilhos e trecho Rua XV de Novembro as principais da sede do município. Encruzilhada do Sul. Fonte: COSTA, 1922: 131................... 117 205- A bela Praça José Bonifácio, antiga das Palmeiras. Cachoeira do Sul. Fonte: COSTA, 1922: 194.................................................................................................................................... 117 206- Praça Marechal Floriano, a principal da vila. Júlio de Castilhos. Fonte: COSTA, 1922: 217.............................................................................................................................................. 118 207- Cidade de Passo Fundo. Aspectos da Avenida Brasil e Praça da República, as principais da localidade. Fonte: COSTA, 1922: 235................................................................................... 118 208- Praça principal da vila. Ijui. Fonte: COSTA, 1922: 263.......................................................... 118 209- Vista da Praça XV de Novembro, a principal da vila. Camaquã. Fonte: COSTA, 1922: 142.............................................................................................................................................. 118 Contra capa - Imagens das praças referentes ao caso em estudo. Diagramação e tratamento das imagens: Eduardo Rocha.
  14. 14. INTRODUÇÃO Esta monografia parte da premissa da permanência do espaço das praças no cenário urbano das cidades, utilizando como objeto de estudo as cidades da região sul do Rio Grande do Sul. Essas localidades têm em comum o fato de terem sido consideradas até o ano de 1900 vilas e sedes de municípios. O objetivo do trabalho é realizar uma leitura do espaço urbano através de três itens: limites, caminhos e centralidade, contribuindo para o entendimento da praça como fenômeno, e através deste possibilite-se a manutenção de sua essência1 , não se tratando de propor a conservação de elementos isolados, mas o seu conjunto. “[...] o que está em jogo de fato, não é a organização de uma zona espacial e privilegiada na cidade, mas uma forma de conceber toda a cidade futura, de modo que possa verdadeiramente ser chamada de cidade moderna.” (BENEVOLO,1998:78). As cidades são compostas por uma mistura de edificações e espaços públicos de diversas épocas. Esta é a nossa realidade possível. Devemos, contudo, ter o cuidado de direcionar de forma correta as questões relativas à cidade. São palavras chave no mundo atual: qualidade, valor, símbolo e significado2 . (NORBERG- SCHULZ,1975:48). Isso implica na idéia de que o mundo, através de seu meio ambiente construído, tem uma certa estrutura projetada, construída pelo homem. Quando falamos em manutenção desta estrutura essencial, visamos a conservação3 da praça como patrimônio cultural4 , colocamos a estratégia de análise 1 Essência, Etim.: lat. Essentia, essência, natureza de uma coisa, de esse, ser; termo criado para traduzir a palavra grega ousia, essência, substância, ser. In: RUSS, 1994:92. 2 Qualidade são as interferências realizadas em um mundo científico considerado hipoteticamente perfeito. Valor são aqueles pressupostos que influenciam nossas escolhas de alternativas e fazem com que nossas ações sejam intencionadas. Símbolo são formas que expressam algo completamente diferente de uma ingênua representação. Significado é aquilo que transcende o aspecto. In: NORBERG-SCHULZ, 1975:48-49. 3 Conservar, v. tr. dir. Manter em seu lugar ou no estado atual; preservar; continuar a Ter; lembrar-se de; perseverar em: conservar o rumo, a direção; guardar cuidadosamente; fazer durar. (Do lat. Conservare). In: FERNANDES, 1993: 245. 4 O patrimônio cultural trata-se de tudo aquilo que traduz a arte de um povo. In: PRUDÊNCIO, 1998: 215.
  15. 15. 14 utilizada como fenomenológica. Foi Edmund Husserl (1859-1938) que desenvolveu a redução fenomenológica5 como noção de intencionalidade à qual iremos nos deter. Husserl aplicou a fenomenologia em diversos áreas, e teve alguns seguidores, entre eles, Heidegger, Sartre, Merleau-Ponty e Dufrenne. (SILVEIRA,1999:12). Com relação às aplicações no desenho urbano, a fenomenologia ganhou entre os anos 60 e 70, um maior número de trabalhos. Entre eles os estudos de Norberg- Schulz e Aldo Rossi. Podemos dizer que a fenomenologia, como postura teórica de leitura da cidade, utiliza-se de duas categorias básicas do desenho urbano: a morfologia e a percepção. Essa utilização ocorre de maneira a não distingui-las, mas sim utilizá-las como elucidação para um método mais abrangente de compreensão do ambiente urbano. “Neste sentido, destacam-se na arquitetura, os trabalhos de Norberg-Schulz (1965, 1971, 1979), que desenvolvem conceitos importantíssimos como espaço existencial e genius loci; uma qualidade holística que expressa a identidade, o caráter e a qualidade do lugar.” (DEL RIO,1990:68). Utilizaremos as obras6 de Norberg-Schulz como referencial teórico no desenvolvimento desta análise. Estas baseiam-se em conceitos como espaço existencial, onde sobressaem as funções psíquicas básicas de orientação e identidade da psicologia da Gestalt7 , e no pensamento de Heidegger, para demonstrar que a arquitetura deve visualizar o genius loci, ou o espírito do lugar. Dentro dessa linha de pensamento podemos dizer que existe uma tendência à analise morfológica do espaço, por utilizar metodologias e conceitos da forma urbana como lógica evolutiva, mostrando-se extremamente válida para o estudo da cidade como um conjunto coerente de elementos. (DEL RIO,1990:12). Essa tendência confere hoje a morfologia não só os conceitos de forma e volume, mas o de um espaço que tem significado. 5 Redução fenomenológica ou epoke (em grego, suspensão do juízo), consiste em pôr entre parênteses o mundo objetivo e suspender toda adesão ingênua em relação a ele, de maneira a liberar o acesso ao eu transcendental, definido como o sujeito último atingido no fim da redução fenomenológica. In: RUSS, 1994:342. 6 NORBERG-SCHULZ, Christian. Existencia, Espacio y Arquitectura. Barcelona: Editorial Blume, 1975 e Intenciones en Arquitectura. 2 ed. Barcelona: Gustavo Gili, 1998. 7 Gestald, termo alemão que significa forma, aspecto. Forma exterior, estrutura. Percepção absorvida como uma totalidade pelo indivíduo, mais do que como uma justaposição de partes. In: RUSS, 1994:123.
  16. 16. 15 “A descrição da forma constitui o conjunto dos dados empíricos do nosso estudo e pode ser realizada mediante termos de observação. Em parte, é isso que entendemos por morfologia urbana – a descrição das formas de um fato urbano - , mas ela não é mais que um momento, um instrumento.” (ROSSI,1995:17). Dessa compreensão parte a estratégia de nossa análise. Em primeiro lugar, buscamos definir o termo praça no decorrer da história para, em seguida, concebê-la como um fato urbano. Utilizar a praça como área de estudo significa reconhecer a essa parte da cidade características precisas, que lhe conferem uma qualidade diferente das demais. Um trecho como a praça pode nos levar a identificar a cidade através de seus diversos momentos como uma grande obra. (ROSSI,1995:66). Baseamo-nos na conceituação de Aldo Rossi sobre as permanências no espaço urbano, não da função mas da forma. Enquanto a forma permanece a função pode adquirir as mais variadas configurações. “Para Rossi, com base em Poete e Levedan, as persistências se mostram não só através dos monumentos, como signos físicos do passado, mas também através da persistência dos traçados e do plano, ou seja, da estrutura urbana básica.” (RODRIGUES,1986:71). É neste lugar, a praça, com suas permanências e transformações, que podemos resumir desde a pequena história de um bairro até a manutenção de aspectos da vida passada de uma cidade, com suas qualidades de complexidade e conflitividade. Num segundo momento, traremos a tona um pouco da história das cidades da região sul do Rio Grande do Sul, objeto utilizado para desenvolver nosso estudo. Para tanto nos centraremos nas praças de treze cidades8 desmembradas do município sede de Rio Grande, que foram elevadas à categoria de vilas e sedes de município até o ano de 1900. Mostraremos através de imagens do passado as várias preexistências das praças em dois momentos distintos. O primeiro será por meio de imagens registradas 8 Arroio Grande, Bagé, Canguçu, Dom Pedrito, Herval do Sul, Jaguarão, Pelotas, Pinheiro Machado, Piratini, Rio Grande, Santa Vitória do Palmar, São José do Norte e São Lourenço do Sul, além da vila de Santa Isabel do Sul.
  17. 17. 16 em 19229 em comparação com o registro das atuais, utilizando a história como um auxiliar na documentação do tempo que existiu naquele lugar. “Para o quando, serve a limitação temporal de examinar o significado da cidade na época moderna ou contemporânea sabendo que, por sua vez, é o resultado de significados anteriores, aceites, como tendo existido e não como existentes.” (AYMONINO,1981:9). Chegamos então a terceira parte de nossa estratégia, quando explicitaremos as idéias principais do referencial teórico, as diferenças entre espaço arquitetônico e existencial, os níveis do espaço e os elementos principais da análise: limites, caminhos e centralidade. Esses elementos escolhidos baseiam-se em esquemas topologicos utilizados na teoria da Gestalt. “Se desejamos interpretar os resultados básicos da psicologia da percepção, em termos gerais, podemos dizer que os esquemas elementares de organização consistem no estabelecimento de centros ou lugares (proximidade), direções ou caminhos (continuidade) e áreas ou regiões (fechamentos ou cercamentos).” (NORBERG-SCHULZ,1975:20). Elementos esses que serão analisados em suas semelhanças e diferenças, e onde utilizaremos o entendimento do passado histórico para analisar o existente. Um espaço não pode ser representado em sua totalidade por desenhos de esquemas e fotografias. Por isso, como complemento, a coleta de dados foi feita sempre que possível por colaboradores que vivem nas cidades estudadas ou tem laços fortes de ligação com elas. Para Rossi um fato urbano sempre será diferente e melhor entendido para quem o vive. (ROSSI,1995:18). Por fim, a última parte apresenta as considerações finais do trabalho, buscando uma verificação de como as relações entre os elementos do espaço da praça e a sociedade podem auxiliar na qualidade urbana. 9 In: COSTA, Alfredo R. da. O Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Barcellos, Bertaso & Cia, 1922.
  18. 18. 1 A PRAÇA UM ESPAÇO PÚBLICO Lugar privilegiado delimitando um espaço civil, militar ou religioso; a praça significa para o homem, um lugar de recreação, de descanso, de notícias e intercâmbios. A praça é, por excelência, o lugar onde os povos manifestam suas alegrias e se solidarizam. É o lugar que mais participa e se nutre das vivências cotidianas: homens e mulheres, velhos e crianças se encontram, conversam, passeiam, discutem e até protestam, cada qual com a sua diversidade própria, mas todos unidos por um idioma, un sentir e um destino comum. Praça e espaço público são conceitos que ao mesmo tempo se confundem e se distinguem em seu significado e origens. “Seguramente a praça é a primeira criação humana de um espaço urbano. Resulta do agrupamento de casas ao redor de um espaço livre”. (KRIER, 1981:18). No Dicionário da Arquitetura Brasileira de Corona e Lemos encontramos o seguinte verbete: Praça10 – lugar público, cercado de edifícios e de ruas por todos os lados. Largo. Em outro sentido às vezes, designa mercado, circo. Também, vila ou cidades fortificadas. Raras vezes entre nós já designou a cidade, principalmente a capital. A praça é o centro da vida comunitária essencial no ser humano que, pela sua natureza, é um ser eminentemente social. Como um do principais elementos estruturadores do espaço urbano, não pode ser pensada nem limitada apenas ao seu espaço físico e ao traçado planimétrico. Todos os elementos tridimensionais em seu interior e em sua envolvente fazem parte indissociável e determinante da visão geral que completa o lugar intencionalmente produzido. “A configuração de uma praça não se metamorfoseia com alenta deterioração de uma de suas edificações ou com sua demolição parcial e reconstrução de outra com aparência similar. É necessário que a aparência de todas seja alterada, assim como o seu desenho, paisagem, mobiliário.” (CÂMARA, 199X:17). 10 In: CORONA, LEMOS, 1972:387.
  19. 19. 18 A praça é um fato urbano, que apresenta uma forma de arquitetura própria, vista através de um passado que ainda experimentamos. É uma permanência detectável através de sinais físicos do tempo, mas também através de sua história de vida, de suas transformações, de sua alma. (ROSSI, 1995:52). A praça, finalmente, é o elemento mais distinto da estrutura urbana. Como lugar claramente delimitado, é mais fácil imaginá-lo e representa uma meta para o movimento. (NORBERG-SCHULZ, 1975:102). É determinada pelos mesmos fatores formais que a rua (história, topografia, perspectiva, caráter, etc.), com a diferença que os edifícios devem formar uma continuidade ao redor do espaço, fazendo com que ao entrar nele, o indivíduo sinta-se em lugar diferente do restante da estrutura da cidade É a partir de tais definições que se criam instrumentos para o entendimento do desenvolvimento adotado no trabalho, mas para isso é necessário desenvolver algumas idéias sobre a praça e o espaço público, desde seu surgimento até os dias de hoje. 1.1 O SURGIMENTO DO ESPAÇO PÚBLICO Desde as primeiras culturas11 , vemos que as maneiras de dispor cada casa podem variar de lugar para lugar, mas seguem, de um modo geral, costumes bem definidos. Podem variar segundo aspectos sociais, naturais, geográficos e estéticos. “Pode tratar-se de distâncias e de disposição, do posicionamento em relação ao terreno, ao sol, ao clima e aos cursos d’água. Talvez, também, em função da consideração da dignidade atribuída a mães, pais e tios. Podem variar quanto ao ritmo segundo antigos e coesos modelos.” (CORNELL,1998:3). Como base do nosso entendimento faz parte a idéia da existência de instituições em qualquer lugar onde existam sociedades humanas. Estas instituições devido a sua importância social tem espaço próprio, uma forma de assentamento reunindo as pessoas e o conjunto de casas existentes. 11 Entende-se como primeiras culturas, na seguinte ordem: catadores, coletores ou caçadores e camponeses.
  20. 20. 19 As primeiras culturas As redes de caminhos e lugares de reunião formam as primeiras instituições humanas. Para os catadores existe um lugar de reunião estabelecido, que pode ser uma beira de praia, ou outro tipo de lugar reservado e pisoteado, onde o povo se encontra, atraca barcos, reparte alimentos coletados, faz conselhos, desempenha cerimônias e ritos. (CORNELL,1998:3). Um dos povos caçadores, os esquimós, organiza os iglus (Fig.1) conectados uns aos outros de forma que algumas construções tem função coletiva, que pode ser de passagem, de reunião ou de proteção, mas antes de tudo são construções institucionais. Algumas tribos mantêm rígidas regras sobre como configurar seus assentamentos. Os cheyennes no século XIX ordenavam suas tipi em grandes e rigorosos círculos, seguindo tradições sociais, com um grande lugar aberto no meio para convivência coletiva. A partir disto os hábitos de planejamento são formalizados, como tantos outros, com funções muito mais rituais do que estéticas. No Brasil tribos de lavradores, como os bororós, erguem suas casas num círculo que no centro possui uma casa de uso coletivo para convivência e um espaço aberto destinado a danças. Com o surgimento dos primeiros camponeses, na Ásia ocidental, a mais de dez mil anos, uma nova e firme base de desenvolvimento e conformação de casas Figura 1 – Conjunto de cabanas de neve, iglulike, a.C. 1920. Fonte: CORNELL, 1998:6.
  21. 21. 20 surgiu, caracterizada pela perenidade dos espaços. Isto possibilitou que as novas formas de implantação permitissem questões a longo prazo, como as ampliações e as preservações. Nas culturas camponesas acontece o agrupamento de casas em torno de um lugar aberto ou alguma instituição. Os pátios entre as casas desenvolvem-se para um espaço central de uso público. “Um espaço central respeitado e acatado, palco de eventos grandes e pequenos, o desenrolar da vida através da seqüência de gerações.” (CORNELL,1998:16). Como entre as primeiras culturas, a dos camponeses também contempla o plano social segundo rígidos padrões. Os lugares tem funções específicas e os povoados refletem as diferenças entre dominados e dominantes, entre poderosos e destituídos, mas ambos participantes de uma comunidade. A cidade e o campo Os camponeses recriaram a paisagem, implantando aldeias que concentravam todas as formas de atividade (sítios, palácios, templos) e serviços (artesãos, artistas, soldados). Aos poucos o local complementa-se com lugares para feiras e comércio. “Juntos, todas as casas, sítios e instituições formam um assentamento que não é mais uma aldeia. É uma cidade.” (CORNELL,1998:3). Em sua multiplicidade, as cidades ficam mais parecidas entre si do que foram as aldeias, com todas as suas tradições e diferenças locais. Mesmo com as diferentes formas de construir as cidades, as configurações urbanas possuem princípios (essência) iguais em todo o mundo. As cidades são a expressão aumentada e modificada da aldeia que lhes deu origem, às vezes, construídas umas sobrepostas as outras. Uma das cidades mais antigas que se tem conhecimento é denominada Debaixo de Jericó12 , local onde os arqueólogos escavaram os restos de uma aldeia camponesa. A praça e o lugar dos conselhos foram os locais menos modificados . As cidades passam a ser projetadas e configuradas em retículas, quando os regentes se cercaram de artesãos que acumularam conhecimentos através de experiências profissionais. Os agrimensores passam a usar instrumentos, modelos 12 O sítio antigo de Jericó, está próximo a cidade moderna. A primeira instalação remonta aproximadamente 8000 a.C. Jericó s.m. (De Jericó, n.pr.) Jardinzinho, quintal. In: ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL, 1999:3330.
  22. 22. 21 reduzidos e desenhos. Os sacerdotes e reis, estendem suas pretensões de planejadores sobre todo um grupo de instituições. Dividem as cidades em lotes, à semelhança do campo, subjugando a isso suas praças, ruas, conjuntos e outras partes. “Em muitos países, a configuração da totalidade urbana é a nítida expressão do poder do imperador. O sistema foi aplicado na Ásia Ocidental, no Egito, no vale do rio Indo, na Índia, no Camboja, na China, no Japão, no México, no Peru, na Grécia, no Império Romano e finalmente no chamado mundo ocidental.” (CORNELL,1998:22). Na Grécia, em 2000 a.C., na área da acrópole13 (Fig.2), as autoridades ganharam o poder de construir inúmeras instituições, principalmente em torno da praça, a ágora14 . A transformação rumo aos ideais clássicos gregos desencadearam mudanças no assentamento das cidades. Mileto, século V, na costa voltada para a Ásia, foi lançada 13 Acrópole s.f. (Do gr. akropolis). 1. Colina fortificada das antigas cidades gregas que abrigava o palácio real (Micenas) e depois a sede da vida política (a Cadméia de Tebas) ou a religiosa (Atenas). – 2. Toda a cidade proto-histórica fortificada sobre uma colina. In: ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL, 1999:59. 14 Ágora s.f. (Do gr. agora) 1. Na época clássica, o lugar público, centro administrativo, religioso e comercial da cidade. – 2. Praça pública onde se realizavam as assembléias políticas na Grécia antiga. In: ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL, 1999:114. Figura 2 – Reconstituição do plano de Atenas como era nos anos 400 antes do nosso tempo. Fonte: ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL, 1999:59.
  23. 23. 22 com quarteirões quadrados em duas áreas principais, a partir de um centro com duas praças e instituições. Na mesma época, no Império Romano, as cidades tinham planos que lembravam muito as antigas cidades gregas. Ao analisarmos as cidades romanas podemos entender o significado real e simbólico que as instituições, como templos, fóruns, teatros e praças, tiveram. 1.2 NA IDADE MÉDIA: A PRAÇA COMO INSTITUIÇÃO A maior parte da cultura da Idade Média15 foi construída em terras de camponeses, pastores, pescadores e caçadores. Na Europa Ocidental, a partir do século IX, iniciou-se a criação de cidades originadas do desenvolvimento das aldeias de trabalhadores. Na maioria dos casos os regentes doavam terras a grupos de profissionais que se estabeleciam para trabalhar. Esses terrenos eram locais comunitários, onde praças, portos, igreja, fórum e outros prédios públicos deveriam ser erguidos. As regras para a construção das cidades medievais eram fixadas em pergaminhos . Uma estrada atravessava o povoado, passando pela praça, cruzando ruas transversais que muitas vezes tinham caráter próprio e que raramente se cruzavam. “A praça com sua vida, sua localização e sua configuração traz- nos de muitas formas a chave para compreender toda a cultura de cidade e campo. Era nela que a cada semana, talvez cada dia, cidadãos e camponeses encontravam-se para negociar. Lá, os pescadores, os camponeses, os artesãos e os comerciantes da cidade armavam suas barracas com a mesma freqüência que os habitantes do campo. Na praça realizavam-se, também, festas e apresentações de tipos os mais diversos.” (CORNELL,1998:54). Na Idade Média, portanto, é que a praça ganha a forma de instituição. Foi um dos principais interesses da cidade e para ela reservou-se lugar junto às outras 15 A Idade Média, é o período da história da Europa, que tradicionalmente se situa entre a data da queda do último imperador romano do Ocidente (476) e da descoberta da América (1492). Essas datas são discutíveis. Para o final da Idade Média, tem-se proposto também a queda de Constantinopla (1453), ou ainda as Guerras de Religião. In: ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL, 1999:3061.
  24. 24. 23 instituições. Geralmente, o espaço da praça era dividido em dois, de forma a dar à igreja um pátio anterior e próprio. A praça medieval pode ser classificada morfologicamente nas seguintes categorias: praças de mercado, praças de entrada da cidade, praça como centro da cidade, adro de igreja e variações destas praças que podiam estar agrupadas (SEGAWA,1996:32). Com o desenvolvimento, as cidades medievais foram ampliadas, perdendo algumas de suas características de planejamento. Foram poucas as cidades inteiramente novas. Durante o século XIII, uma das cidades implantadas que rompeu com o traçado medieval, deu-se na França, no lugar chamado Monpazier (Fig.3). Assentada como uma série de quadras entre ruas em ângulo reto, dentro de um retângulo formado pelos muros da cidade. No centro reservaram lugar para a praça, abrindo as construções em volta com arcadas ogivais. A multiplicidade, até então presente na cidade medieval passou a não ser mais aceita pelas elites renascentistas16 . Praças, ruas, pátios, salas e moradias foram subjugados à perspectiva prevista pelos projetistas. 16 Renascentista: que pertenceu a época da Renascença. Movimento de renovação cultural e artística que nasceu na Itália durante o século XV e espalhou-se por toda a Europa no século XVI. In: ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL, 1999:4986. Figura 3 – Monpazier, cidade colonial inglesa na França, fim do século XII. Fonte: CORNELL, 1998:61.
  25. 25. 24 “A maneira era passar a desenhar muito mais do que antes, e o instrumento principal adotado foi a perspectiva. A perspectiva presta-se tanto para retratar o mundo como para construir novos cenários”. (CORNELL,1998:66). As cidades deveriam ser substituídas por novas cidades planificadas de acordo com um desenho racional. A Cidade Ideal de Leon Battista Alberti (1407-1472) apresentava um esquema em círculos concêntricos, como uma cidade dentro da outra, cada uma abrigando uma classe social ou política. Alberti transforma o arquiteto em um regulador e coordenador das atividades acontecidas na cidade (SEGAWA,1996:34-35). “Enquanto a cidade do medievo era ideal na medida em que concretizava uma imagem divina (civitas dei), a renascentista o é na medida em que concretiza um ideal estético-formal geométrico, predefinido no projeto. O ideal renascentista concentra-se na forma geométrica e deve, sempre que possível, projetar as cidades a partir do círculo, do quadrado ou de um polígono regular [...] cortado por uma rede geométrica (ruas e caminhos), que enfatiza o ponto central ocupado pela praça e pela sede do poder.” (BRANDÃO,1999:77). 1.3 SÉCULO XV: A PRAÇA NO SENTIDO ATUAL Com a ascensão das cidades barrocas17 , no sentido formal alterou-se. Essas cidades eram constituídas de um sítio central, em forma de círculos ou praças abertas, dominados por monumentos rodeados simetricamente por edifícios públicos. “Ao contrário da cidade medieval, através da qual se deve caminhar lentamente, para apreciar suas incessantes transformações de massa e silhueta, seus detalhes complicados e surpreendentes, pode-se perceber toda uma cidade barroca quase de um só olhar. Mesmo aquilo que não se vê pode-se facilmente introduzir na imaginação, uma vez estabelecidas as linhas de orientação.” (MUNFORD,1991:423). 17 Barroco, estilo que predominou nos vários setores da arte européia e da América Latina de meados do século XVI ao século XVII. Dava prioridade a sensibilidade, em oposição ao classicismo. In: ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL, 1999:662.
  26. 26. 25 Portanto isto implica em um espaço que é voltado para o homem, onde este interpreta os ideais clássicos a sua maneira, caracterizado pela subjetividade que o século XVII buscou afirmar. (BRANDÃO,1999:136). O edifício barroco, em especial as igrejas italianas e as praças e palácios franceses, deveriam ser os centros que representassem as particularidades e dogmas aos quais os indivíduos estivessem vinculados. Os princípios urbanos barrocos (romano e francês) são a centralização, a continuidade e extensão, como um espírito de síntese. “[...] em primeiro, objetiva-se construir centros focais hierárquicos, representativos do poder absoluto (centralização); em seguida, viabiliza-se a propagação da mensagem destes edifícios por toda a cidade, através de um conveniente planejamento urbano que enfatize aqueles monumentos diretores (continuidade); por último, permite-se que os monumentos não só estruturem o entorno urbano edificado, mas também a própria paisagem natural que se vê dominada, e as demais cidades que a capital deve se subordinar (extensão).” (BRANDÃO,1999:144). A partir desta nova idéia de cidade, vamos nos referir à Piazza italiana, à Plaza Mayor espanhola, à Place Royale francesa e a inclusão da natureza organizada no espaço público, como idéias ancestrais de praça que se confundem com o própria origem do conceito ocidental de urbano. Figura 4 – Vista da Piazza de San Marco, Veneza. Fonte: ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL, 1999:5248.
  27. 27. 26 Piazza italiana No inicio do século XV, em Florença, o arquiteto Filippo Brunelleschi, recebeu como incumbência construir a Piazza di SS. Annunziata (1409). Essa deveria ser uma praça fechada, a curta distância do centro da cidade. Ao contrário da verticalidade gótica da época, concebe uma faixa de parede horizontal que descansa sobre uma série de arcos plenos, que se apóia em pilares, constituindo um lugar independente da configuração urbana existente. “Trata-se do início da implantação de praças no sentido atual do termo, o primeiro lugar urbano significativo. Com seu posicionamento exclusivo, Brunelleschi ao mesmo tempo valoriza a tradição de sua cidade, põe-se a serviço de sua necessidade e fama. O orfanato liga à praça, salienta o espirito público da república burguesa que, aliás, em Florença vinha sendo reprimida na época.” (CORNELL,1998:69). Outros exemplos da Piazza italiana são a Piazza Ducale em Vigevano (reforma de 1492) e a Piazza de San Marco em Veneza (modificações 1536-1640) (Fig.4). Uma das mais significativas contribuições para a nossa concepção atual de praça é a Piazza Obliqua de São Pedro de Roma (1647-1651) (Fig.5). Essa obra de autoria de Lorenzo Bernini (1598-1680), foi o primeiro grande espaço aberto europeu e caracterizou-se como um marco na ruptura da escala renascentista de praça. Figura 5 – Piazza de São Pedro, Roma. Fonte: CHING, 1998:124.
  28. 28. 27 Plaza Mayor espanhola Na Espanha a Plaza Mayor de Madri (1617-1621) (Fig.6), a de Segóvia (projeto de 1609-1624), a de León (1677) e a de Córdoba (1683), eram concebidas como um cenário para festas e cerimônias reais, transformando a plaza mayor medieval, aberta, em um espaço fechado e reduzido, como se fosse um grande teatro. Conforma-se como local onde se unificam as diversas vias que a circundam. Possui distintas funções, como o mercado, as festas reais, a canonizações e os jogos. A sua unidade espacial manifestava-se tanto em sua planta como nas fachadas uniformes e regulares. Place Royale francesa As places royales francesas constituem um importante modelo no século XVII. São formadas por um enquadramento, formado pelas construções que têm o objetivo de destacar a monumental estátua do rei (geralmente eqüestre), localizada no centro do espaço. A Place des Voges de Paris, iniciada por Henrique IV entre 1605 e 1612, é considerada como um modelo das places royales. É constituída por um quadrilátero regular que organiza um recinto isolado do tráfego intenso – um conjunto de construções repetidas de três pavimentos com pórticos, formando como que um pátio, com a entrada camuflada nas fachadas uniformes (SEGAWA,1996:37). Nesse local aconteceram diversos espetáculos reais, entre eles o casamento de Luís XIII. Figura 6 – Um aspecto da Plaza Mayor de Madri. Fonte: ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL, 1999:3726.
  29. 29. 28 Após foram construídas diversas praças em homenagem a Luís XIV (1638- 1715), que definiam a tipologia adotada nas Place des Victories e Place Vendôme em Paris, e a Luís XV (1710-1774) nas cidades de Bordeaux, Valenciennes, Rennes, Nancy, Reims e a de Paris (atual Place de la Concorde) (Fig.7). A Arborização dos Espaços Públicos O plantio de árvores nas praças não era usual no período renascentista. A natureza era explorada em forma de jardins e parques privados. Os jardins de Versalhes (1661-1668), a remodelação das Tulherias (1664), assim como os jardins de Luxemburgo, do Arsenal e o Jardin des Plantes, são modelos de jardins franceses do século XVII. Esses jardins eram reservados somente ao rei e à nobreza e só foram abertos à população no reinado de Luís XV, como espaço público cotidiano na Europa (SEGAWA,1996:38). Quanto ao cultivo de árvores no espaço público, sabe-se que os belgas de Antuérpia, durante o século XVI (1569), tinham na lateral de sua catedral uma área ornamentada com árvores. Este espaço ficou conhecido com o nome inédito para a época de Place Verte ou Groenplaats. Na Antuérpia18 o conselho municipal, em 1578, determinou o plantio de três linhas de árvores nos passeios. 18 Antuérpia, porto da Bélgica, na margem esquerda do Escalda, capital de província homônima. In: In: ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL, 1999:351. Figura 7 – Vista parcial da Place de la Concorde. Fonte: ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL, 1999:1546.
  30. 30. 29 Também em Paris, por volta de 1597, começam a ser implantados campos de pallamaglio19 , esporte de origem italiana, praticado no verão sob a sombra das árvores. Outra influência italiana para Paris foi o Cours la Reine (1616), uma espécie de recinto cercado e isolado por fossos, ao longo de um quilômetro e meio entre o Sena e a futura área do Champs Élysées,. Era destinado a caminhadas ou passeios em carruagens sob a sombra das árvores, pela elite parisiense. Em meados de seiscentos nas áreas de expansão encontravam-se grandes avenidas arborizadas. Em 1670 criava-se o Champs Élyssés (na época denominado de Grand Cours), no eixo do Jardim das Tulherias, paralelamente ao Cours la Reine (Fig.8). “Martin Lister, viajante inglês em visita a Paris em 1698, impressionava-se com a diversão dos parisienses, principalmente em teatros, jogos, caminhadas e passeios de carruagens e que não havia gente mais apaixonada em reunir-se, para ver e ser vista.” (SEGAWA,1996:45). 19 Pallamaglio, de origem italiana tendo o críquete como uma de suas variações modernas. In: SEGAWA, 1996:39. Figura 8 – Cours La Reine em Paris, em gravura de Aveline. Fonte: SEGAWA, 1996:41.
  31. 31. 30 1.4 A PRAÇA NO BRASIL Como conseqüência da ascensão do modelo barroco de cidade, que se abriu e sempre que possível determinou eixos de simetria entre seus monumentos, temos uma formalização de todo o desenho urbano e suas edificações, por toda a Europa e suas colônias, que aumentou no século XVI e atingiu maior abrangência entre os séculos XVII e XIX. A reconstrução de Portugal O terremoto de 1775, em Lisboa, fez com que os grandes estragos causados criassem um novo desenho urbano na cidade. O Terreiro do Paço20 reaparece como Praça do Comércio (Fig.9), um palco aberto ao Tejo define todo o plano de reconstrução. A planta de Eugénio dos Santos cobre a parte central da cidade, definindo-se entre o Terreiro do Passo e o Rossio (Fig.10), regularizando as duas praças tradicionais e criando, de uma para outra, uma malha de ruas longitudinais e transversais, cruzando-se em ângulos retos. 20 Definido pela primeira vez no inicio do século XVI, quando D. Manoel abandonou o castelo medieval e construiu um palácio. In: PASSOS, 1990:27. Figura 9 – Cartão postal – Praça do Comércio / Lisboa / 1905. Fonte: PASSOS, 1990:31.
  32. 32. 31 “De todos os elementos do tecido urbano, é a praça ou o largo o lugar de reunião por excelência, que revela o princípio de organização social. Contudo a importância da praça não advém só da sua utilização como lugar privilegiado de reunião dos seus habitantes, mas também como entrada do aglomerado urbano – é o primeiro contato que o visitante tem com a localidade visitada.” (PASSOS,1990:19). Muitas vezes, são nestas praças da Lisboa do século XVIII que encontramos as típicas formas e funções das praças coloniais brasileiras. O passeio público do Rio de Janeiro Seguindo as idéias de ver e ser visto dos jardins europeus e as rudimentares noções de salubrinismo21 que se difundiam na Europa, toma forma no Brasil do século XVIII, o Passeio Público22 do Rio de Janeiro (Fig.11), influenciado pelos ideais do Iluminismo23 . Diferente dos espaços abertos do urbanismo colonial, não era um símbolo da autoridade portuguesa, nem servia para emoldurar um monumento, era um monumento a vegetação, à natureza. 21 Salubridade não é a mesma coisa que saúde, mas o estado das coisas, do meio e seus elementos constitutivos, que permitem a melhor saúde possível. In: SEGAWA, 1996:67. 22 Passeio Público – lugar onde se passeia; praça, largo, jardim, etc., destinados aos passeios. Parte lateral das ruas destinada ao trânsito de pedestres; calçada. In: ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL, 1999:4479. 23 Iluminismo: movimento intelectual que caracterizou o pensamento do século XVIII; pregava a valorização do homem e suas idéias, com base científica e não religiosa. GIL, 1999. (Anotações de aula). Figura 10 – Cartão postal – Praça do Rossio / Lisboa / 1905. Fonte: PASSOS, 1990:55.
  33. 33. 32 Sua execução ocorreu entre 1779 e 1783, por ordem do vice-rei D. Luís de Vasconcelos, que encarregou o importante arquiteto e urbanista do Rio de Janeiro, Mestre Valentim, de projetá-lo. Não se conhece nenhuma comemoração de inauguração do Passeio Público. Em 1786 o recinto foi palco das comemorações do casamento do príncipe D. João VI com a princesa D. Carlota Joaquina, acontecido em Portugal. Após o fim da administração de D. Luís, entrou em decadência, até a vinda da família real para o Brasil. Século XIX: Família Real no Brasil Cercado entre duas hipóteses desastrosas (romper com um antigo e poderoso aliado – Inglaterra, ou desafiar seus aguerridos vizinhos – França e Espanha) D. João VI, a família real e seus 350 lacaios embarcaram para o para o Brasil, em 1808. No Brasil instalaram-se no Paço do Vice-Rei, na cidade do Rio de Janeiro e, em seguida, na Quinta da Boa Vista. Logo deram início as obras de remodelamento da cidade; ruas e calçadas foram ampliadas, novos e suntuosos bairros foram criados, formados passeios e jardins públicos. (BUENO,1998:91). Figura 11 – Planta do Passeio Público, sem data (anterior a 1862), desenhada por J. A. Andrade. Acervo da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Fonte: SEGAWA, 1996:86
  34. 34. 33 Em 1816, com a chegada da Missão Francesa24 , a cidade do Rio de Janeiro adquiriu ares imperiais. Foram trazidos pintores, escultores, gravadores e arquitetos franceses com a finalidade de desenvolver atividades artísticas e fundar a Academia de Belas Artes, introduzindo o Neoclassicismo no Brasil. Efetivamente, nos anos imediatos após a instalação da família real, sinalizava-se a política do final dos anos setecentos, de implementação de recintos botânicos (praças, jardins ou passeios) desta vez intensivamente do outro lado do Atlântico. “A resolução de 27 de julho de 1809 prometia prêmios e privilégios aos interessados que aclimatassem no Brasil plantas e especiarias orientais ou que promovessem a cultura de outros vegetais nativos ou exóticos que fossem úteis as artes.” (SEGAWA,1996:147). Cabe ressaltar que os Jardins Botânicos25 não visavam o usufruto do público, mas sim o acesso aos interessados no conhecimento científico cultural. Porém as características físicas do recinto botânico influenciaram outras formas de ver a natureza e de usar do espaço público, como o plantio de espécimes exóticas nos recintos de praça e passeios públicos. Já em 1825, Grandjean de Montigny, arquiteto que fez parte da Missão Francesa, projetou melhorias no chamado Campo de Santana, por ordem de D. Pedro I, equiparando-o a uma place royale francesa. O projeto para a praça de Grandjean de Montigny tinha dimensões de 360 por 190,80 metros, equivalente a reunião das três maiores praças de Paris. “Uma enorme superfície regular, o centro ocupado por uma estátua eqüestre do imperador mais quarto chafarizes de repuxo balizando os cantos, com os edifícios de dois pavimentos mais o porticado no térreo emoldurando o ambiente, vazado em quatro entradas principais.” (SEGAWA,1996:1964). 24 Fizeram parte da Missão Artística Francesa (1816): Joaquim Lebreton, Nicolas Antoine Taunay (1821), Jean Baptiste Debret (1830), Auguste Maric Taunay, Felix Emille Taunay, Auguste Saint-Hilaire e Grandjean de Montigny. SANTOS, 1999. (Anotações de aula). 25 Jardim– espaço ordinariamente fechado, onde se cultivam árvores, flores, plantas ornamentais. Jardim Botânico, parque onde são cultivadas espécies vegetais, munidas de cartazes ou etiquetas onde constam seus nomes científicos. In: ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL, 1999:3318.
  35. 35. 34 As medidas originais do Campo de Santana foram reduzidas proporcionalmente em largura e comprimento para quase a metade das dimensões propostas, não se configurando como uma place royale. Ao longo da história , desde as primeiras culturas, passando pela ágora grega, a Idade Média e o Renascimento até os nossos dias, a praça tem sido um lugar de contato e diálogo humano. Nesse trabalho iremos estudar a praça como espaço público a partir do caso das praças da região sul do Rio Grande do Sul.
  36. 36. 2 A PRAÇA NA CIDADE GAÚCHA 2.1 O CASO EM ESTUDO: AS CIDADES DA REGIÃO SUL As cidades analisadas no desenvolvimento do trabalho são as desmembradas do município de Rio Grande, até o ano de 1900 (Fig. 12), quando foram transformadas em vilas e sedes de município. Nesse momento é autorizado o funcionamento de órgãos públicos, como intendências, câmaras, agências bancárias, entre outros, que possibilitam grandes melhorias na estrutura urbana das cidades e, consequentemente, de suas praças. Figura 12 – Mapa dos municípios existentes em 1900, no Rio Grande do Sul, com demarcação do limite dos municípios da região sul, desmembrados de Rio Grande. Fonte: Fundação de Economia e Estatística, 1981:99.
  37. 37. 36 A divisão territorial A partir da Provisão de 7 de outubro de 1809, quando foram criadas as quatro primeiras vilas rio-grandenses (Porto Alegre, Rio Grande, Rio Pardo e Santo Antônio da Patrulha), configurou-se a primeira estrutura administrativa do Estado. Rio Grande, ponto de partida para o entendimento do caso em estudo, devido a sua posição estratégica junto ao mar, conseguia ser um centro político, econômico, social e cultural do Estado, diferente dos outros que ainda se apresentavam como pequenas vilas, com baixa população e inexpressivo desenvolvimento comercial. (BORGHETTI, 1999:28). “A cidade estendia-se outrora bem para o lado oeste. As areias encobriam, entretanto, ruas estreitas [...] Não resta dúvida de que esta cidade apenas começou a florescer depois da insurreição das colônias espanholas, datando daí a edificação da maioria das casas mais importantes que ainda se vêem [...] Mas depois da guerra, Rio Grande tornou-se centro desse comércio – carne seca, de couro, sebo e trigo produzido na Capitania. Esse progresso estampava-se com soberba evidência: negociantes ricos os há em quantidade; o mobiliário das casas e a aparência dos homens demostram a abastança.” (SAINT-HILARE, 1974:32). A constante evolução da Província, estimulada pela presença de imigrantes, favoreceu o desdobramento do município de Rio Grande. A origem de novas vilas facilitava as ações administrativas da Província e proporcionava uma melhor distribuição da população crescente. Em 1835, início da Revolução Farroupilha, a Província já registrava como sedes de municípios as vilas de Pelotas (1830), Piratini (1830), São José do Norte (1831) e Jaguarão (1832). (F.E.E., 1981:34). Com o progresso crescente pós-Revolução (1845), iniciou-se um incremento da produção agrícola e da pecuária; como decorrência, são desmembrados de Piratini as vilas de Bagé (1846) e Canguçu (1857) . No final do Período Imperial (1889), impulsionado pela expansão das imigrações alemãs e italianas, para a região sul do Rio Grande do Sul, em 1900, são criadas as vilas: Santa Vitória do Palmar (1872), Dom Pedrito (1872), Arroio Grande (1873), Pinheiro Machado (1878), Herval do Sul (1881), Santa Isabel do Sul (1882- 1893) e São Lourenço do Sul (1890).
  38. 38. 37 26 26 O município de Santa Isabel do Sul, ou Santa Isabel dos Canutos, foi elevado a vila e sede de município pela Lei No . 1368, de 9 de maio de 1882 e extinto pelo Ato No . 11, de 16 de janeiro de 1893. In: F.E.E., 1981: 23. RIO GRANDE1747 1830 1831 1832 1846 1857 1872 1873 PIRATINIPELOTAS SÃO JOSÉ DO NORTE JAGUARÃO BAGÉ CANGUÇU DOM PEDRITO STA VITÓRIA DO PALMAR ARROIO GRANDE 1878 PINHEIRO MACHADO 1881 HERVAL DO SUL 1882 STA ISABEL DO SUL 1890 S. LOUREN. DO SUL Figura 13 – Organograma da criação dos municípios estudados, na coluna da esquerda vemos a data em que o mesmo foi considerado como vila e sede de município. As linhas de interligação mostram o sistema de desmembramento adotado. Fonte de dados: F.E.E., 1981.
  39. 39. 38 No sul do Brasil: a provisão real de 1747 Após diversas ordenações Espanholas e Portuguesas, em 9 de agosto de 1747 é encaminhada aos brasileiros uma orientação específica quanto às disposições urbanas, com o título de Provisão Real. (YUNES,1995:26). Inicialmente dirigida aos colonos de Santa Catarina, vindos das ilhas dos Açores, enunciava: “Para o centro e logradouro público de cada lugar se destinará meia légua em quadro, e as demarcações destas porções de terra se fará por onde melhor o mostrar e permitir a comodidade do terreno não importando que fiquem em quadrados, contando que a quantidade de terra seja a que fica dita. No sítio destinado para o lugar se assinalará um quadrado para a praça de quinhentos palmos de face, e em um dos lados se porá a Igreja, a rua ou as ruas se demarcarão ao cordel com a largura ao menos de quarenta palmos, e por elas e nos lados da praça se porão as moradas com boa ordem, deixando umas e outras e para trás lugar suficiente e repartido para quintais atendendo assim ao cômodo presente como a poderem ampliar-se as casas para o futuro.” (CABRAL,1951:94). Pode-se dizer que estes preceitos são semelhantes aos ditados pelas Leis das Índias, no início da fundação das cidades hispano-americanas. São instruções bem detalhadas para o desenvolvimento urbano local e, posteriormente, regional. Mesmo não acompanhando totalmente o regimento de 1747, as vilas recentemente criadas no sul do Brasil, adaptaram as novas formas urbanas as suas necessidades. Essas adaptações intensificaram-se principalmente em meados do século XIX. “As cidades vão ter os cuidados de modernização, predominantemente a partir da metade do século XIX. Seja nas expansões dos núcleos iniciais ou nas sedes de novas cidades, persistiu o uso da quadrícula e o agrupamento da igreja e dos edifícios institucionais ao redor da praça.” (YUNES, 1995:29) O resultado quanto ao traçado adotado pelas cidades, foi percebido através da regularização da implantação preexistente, utilizando um sistema de traçado
  40. 40. 39 reticular27 , uma trama muitas vezes não observada pelo usuário. Esse traçado tem como um de seus principais objetivos disciplinar seus usuários, facilitando o controle do Estado. A nossa praça portuguesa A origem portuguesa de nossas cidades é observada também em nossas praças. Essas têm como característica principal o fato de serem locais de passagem e de articulação da população, diferente das de origem hispânica, que eram concebidas como palcos para festas, abrigo de mercados, locais privilegiados para desfiles e procissões. (CÂMARA,199X:4). Por esse motivo, as praças da América portuguesa não são tão amplas quanto às de origem espanhola, o que podemos comprovar se as compararmos aos espaços públicos destinados as reduções jesuíticas28 (Fig. 14). Nestas, a praça proporcionalmente ao restante da implantação, os lotes destinados a habitação por exemplo, ocupa um grande espaço. 27 Sobre traçado reticular ver: Yunes, 1995. 28 Reduções Jesuíticas, no território riograndense compreendiam sete missões (São Nicolau, São Miguel, São Luiz, São Lourenço, São João Batista e Santo Ângelo) administradas por jesuítas espanhóis (membros da Companhia de Jesus) de 1626 a 1756, tinham como objetivo evangelizar os povos indígenas através do cristianismo do novo testamento. In: LA SALVIA, 1992. Figura 14 – Planta da Missão de São Nicolau, com a demarcação da área destinada a praça. Fonte: LA SALVIA, 1992:32.
  41. 41. 40 As praças aqui estudadas possuem diferenças e semelhanças, segundo suas origens, que podem ser identificadas como eclesiástica, civil ou militar. “Da observação dos antecedentes definidores do surgimento das principais povoações de traçado reticulado, estabelecidas durante o Séc. XIX e início do Séc. XX, no Rio Grande do Sul, quatro grupos definiram-se claramente para o interesse da análise: as cidades da defesa, as cidades das capelas, as cidades dos colonos imigrantes e as cidades das reduções.” (YUNES, 1995:50). O que se verifica pela constante presença de edificações características - igrejas, quartéis, casarões, entre outros - que remetem a origem histórica destes lugares. Este espaço muitas vezes é uma continuidade do desenho interior dos prédios públicos ou privados, que circundam a praça, uma tipologia chamada casa pátio29 (Fig. 15). Os quarteirões que a circundam são resultantes do traçado das vias, os edifícios construídos no alinhamento em contato direto com a rua, apresentando de um modo geral características medievais, tanto na forma como na implantação (Fig. 16). O entendimento do tipo histórico adotado pelas praças das cidades da região sul, desde o seu surgimento até os dias de hoje, ocasionou diferenças em suas preexistências, um ritmo evolutivo diferenciado, que pode ser evidenciado em seus diferentes usos com suas imagens de ambiência no decorrer da história. 29 Pátio, área a céu aberto, cercada em sua maior parte ou na totalidade por paredes ou edifícios. In: CHING, 1999:85.
  42. 42. 41 Figura 15 – Vista aérea do prédio da Alfândega da cidade de Rio Grande. Foto: Adriana Monteiro, 2000. Figura 16 – Perspectiva aérea do tipo de praça implantada na região sul do Rio Grande do Sul. Desenho: Eduardo Rocha, 2000.
  43. 43. 42 2.2 AS PRAÇAS GAÚCHAS E SUAS PREEXISTÊNCIAS Historicamente podemos classificar as preexistências do conjunto das praças em estudo em três tempos distintos, relativos ao seu uso: como logradouro público, como espaço para lazer e contemplação e como espaço de passagem. Os usos correspondem algumas vezes a imagens de ambiência com referência estética definida pelo momento histórico (colonial, eclético e moderno), que vai sobrepondo-se e modificando-se. Isso implica, em alguns casos, na falta de correspondência entre o uso e a imagem de ambiência. Esta expressa-se através dos diferentes fundamentos estilísticos distintos de cada época, aplicados nas fachadas dos prédios, nos equipamentos urbanos, nos monumentos, e, até mesmo, no desenho da praça. (CAMÂRA, 199X:10). Estes tempos aconteceram em épocas diferentes em cada uma das cidades estudadas; por isso, utilizaremos um registro de imagens do ano de 1922, onde conseguimos analisar algumas especificidades sobre o caso. 1º Tempo: logradouro público O logradouro30 público é um espaço caracterizado pelo vazio urbano da cidade, local para descanso dos viajantes e de suas montarias (cavalos e moares), um lugar público delimitado apenas pelos prédios que o circundam. “Teve várias utilizações ao longo das épocas, desde a horta ou quintal até a oficina, garagem ou anexo [...] O logradouro vai oferecendo solo às modificações e intensificações de usos acolhendo numerosas atividades que não encontram outro lugar na cidade.” (LAMAS, 1960:98). O lote colonial que limita a praça, segundo Provisão Real de 1747, seguia as antigas tradições urbanas de Portugal, onde as residências eram construídas sobre o alinhamento das vias públicas e as paredes laterais sobre os limites dos terrenos. (REIS FILHO, 1995:22). As ruas, com raras exceções, eram calçadas e serviam como elos de ligação entre os conjuntos de prédios. 30 Logradouro, s.m. Pastagem ou serventia comum ou pública; lugar público onde o povo pode espairecer; praça; parque; jardim; rossio. (Var.:logradoiro). In: FERNANDES, 1993:454.
  44. 44. 43 A vegetação existente no logradouro era a nativa da região e tinha o objetivo principal de proporcionar sombra aos viajantes. Quando plantadas, dava-se preferência a espécies frutíferas. Um aspecto a ser destacado, neste período é a existência de pelourinhos, geralmente localizados no centro das praças de cidades com maior concentração populacional e financeira, como Pelotas e Rio Grande, onde se encontravam um maior número de escravos. As habitações normalmente encontradas neste período eram o sobrado e a casa térrea, com tipos31 homogêneos, como o porta e janela, o porta e duas janelas e o em fita. A exceção eram as casas de esquina, que apresentavam algumas variações devido ao aproveitamento de duas fachadas. “As tipologias habitacionais urbanas, até o início do século, seguiram os códigos funcionais e formais do sistema colonial, quais sejam, edificação vinculada ao lote urbano, ocupando toda a testada, valorização maior da fachada, de acordo com o status social do proprietário, e um desenvolvimento longitudinal da planta ao longo do lote.” (CRUZ, 1992:123). Verifica-se através das imagens a seguir que ainda no início do século XX (1922) encontrávamos praças com a função de logradouro público. Podemos observar que em Herval do Sul (Fig. 17) a praça aproximava-se a um pomar público, as ruas 31 Tipo: certo número de coisas consideradas como a formar um grupo em razão de atributos ou características comuns. In: CHING, 1999:79. Figura 17 – Praça Marquês do Herval /Herval do Sul. Fonte: COSTA, 1922:65.
  45. 45. 44 limítrofes da praça não possuíam pavimentação e nenhum tipo de melhoria, como caminhos demarcados ou equipamentos urbanos são notados nas imagens. Essas características também podemos constatar na Praça Angelino Goulart, da cidade de Pinheiro Machado (Fig. 18). Em Canguçu (Fig. 19) podemos ver que a praça se assemelhava a um bosque com vegetação fechada. Na imagem contígua nota-se a existência de edificações com detalhes rebuscados nas fachadas e diversos sobrados. O que denota discordância entre o cuidado com a praça e os prédios que a circundam. “Antiga Praça Marechal Floriano, até o vilamento não possuía denominação. Apartir daí até a República denominou-se Praça Dom Pedro II. Por muitos anos ela permaneceu na situação de terreno baldio.”( BENTO,1983:32). O que é realmente característico nesses logradouros públicos é a inexistência de vida social no seu interior; apesar de nas imagens citadas anteriormente (Fig. 17/19) termos visto alguns grupos de pessoas, esses encontravam-se nas praças por motivo de fotografia ou de alguma comemoração local. Atualmente ainda encontramos praças com características de logradouros públicos, principalmente em pequenas comunidades rurais. Na região destacamos a vila de Santa Isabel do Sul, que já foi sede de município (1882-1893), com o mesmo nome, que após alguns anos foi extinto, um lugar que por esse motivo parou no tempo, e conserva em sua estrutura original a Praça da Aliança (Fig. 20). Figura 18 – Angelino Goulart/ Pinheiro Machado. Fonte: COSTA, 1922:123.
  46. 46. 45 Figura 19 – Praça Dr. Francisco Carlos dos Santos/Canguçu. E aspecto da rua principal da vila Fonte: COSTA, 1922:81. Figura 20 – Praça da Aliança/Santa Isabel do Sul. Fonte: NEAB, 1994.
  47. 47. 46 2º Tempo: espaço de lazer e contemplação No final do século XIX as praças começaram a ser valorizadas como passeios públicos, um lugar para passear e ser visto. A transição do trabalho escravo ao regime salariato contribuiu para esta nova imagem da praça, já que o poder aquisitivo da população trabalhadora aumenta, proporcionando aos mesmos atividades de lazer. Surge uma nova relação espaço-tempo para a praça, na qual os percursos não são mais limitados por espaços construídos, mas por uma geometria clássica. Esta relação seria enriquecida pela magnitude formal das edificações e pelo desenho dos caminhos nas praças. Na Praça Carlos Telles, da cidade de Bagé (Fig. 21), verificamos a delimitação dos caminhos com pavimentação, em forma de duas cruzes que se sobrepõem, formando um espaço central; a proposta possui nítida influência da simetria barroca32 . O ecletismo33 historicista34 , na região sul do Rio Grande do Sul, mostra-se no espaço das praças, tanto na construção dos edifícios que as delimitam (Fig. 22) como nos elementos que nela são inseridos. Os chafarizes, estátuas, vegetações exóticas, entre outros, nos demonstram a inserção de elementos renascentistas e barrocos no cotidiano urbano. 32 Ver mais sobre a simetria barroca, na parte 1.3 SÉCULO XV: A PRAÇA NO SENTIDO ATUAL. 33 Ecletismo, tendência da arquitetura e das artes decorativas para misturar livremente estilos históricos diversos com o propósito de combinar as virtudes de diferentes fontes, ou ampliar o conteúdo alusivo, particularmente durante a Segunda metade do século XIX na Europa e nos EUA. In: CHING, 1999:146. 34 Historicismo, na prática arquitetônica, busca de vários estilos do passado (noção próxima do ecletismo). In: ENCICLOPÉDIA LAROUSSE CULTURAL, 1999:2111. Figura 21 – Praça Carlos Telles/Bagé. Fonte: COSTA, 1922:495.
  48. 48. 47 “O ecletismo era a cultura arquitetônica própria de uma classe burguesa que dava primazia ao conforto, amava o progresso (especialmente quando melhorava suas condições de vida), amava as novidades, mas rebaixava a produção artística e arquitetônica ao nível da moda e do gosto.” (PATETTA, 1987:13). Através das imagens verifica-se a constante utilização de elementos de ferro, importados, (Art Nouveau35 ) como os de iluminação pública da Praça Dede Serpa (Fig. 23) em São Lourenço do Sul e de elementos em alvenaria, como a Coluna da Liberdade na Praça Antônio Xavier Ferreira em Rio Grande (Fig. 24). 35 Art Nouveau: estilo das artes plásticas e aplicadas corrente no final do século XIX e início do XX, caracterizado por motivos fluidos e ondulados, freqüentemente inspirados em formas naturais. In: CHING, 1999:146. Figura 22 – Prefeitura Municipal de Dom Pedrito. Fonte: Acervo Museu Municipal, 2000. Figura 23 – Acima Praça Dede Serpa/São Lourenço do Sul. Fonte: COSTA, 1922:495. Figura 24 – Ao lado Praça Antônio Xavier Ferreira. Fonte: COSTA, 1922:17.
  49. 49. 48 O tratamento realizado nas praças acrescenta ao formalismo barroco o pitoresco (Romantismo36 ), usando a assimetria do paisagismo inglês associada a elementos ecléticos da arquitetura do período. São formados bosques com grandes árvores, lagos, grutas, caramanchões, colunatas, bancos e outros elementos em alvenaria ou ferro. Podemos verificar estes aspectos na Praça Coronel Pedro Osório (Fig. 25), em Pelotas e na Praça Marechal Soares Andrea (Fig. 26), na cidade de Santa Vitória do Palmar. Uma das características desse período, que aparece de diversas formas, é o fechamento das praças através de elementos decorativos, com a finalidade de proteger o ambiente da depredação causada por animais circulantes na cidade, como podemos ver nas grades desenhadas da Praça Maneca Maciel, em Arroio Grande (Fig. 27). É um fechamento diferente daquele existente no logradouro público, que não possuía projeto específico nem a intenção de servir de cercamento para os animais. 36 Romantismo – atitude espiritual própria dos alemães na primeira metade do século XIX, que contrapõe às regras racionalistas do Neoclassicismo uma exaltação, com freqüência visionária, da natureza e do sentimento. In: KOCH, 1998:207. Figura 25 – Praça Coronel Pedro Osório/Pelotas. Fonte: COSTA, 1922:25. Figura 26 – Praça Marechal Soares Andrea/Santa Vitória do Palmar. Fonte: COSTA, 1922:42. Figura 27 – Praça Maneca Maciel/Arroio Grande. Fonte: COSTA, 1922:61.
  50. 50. 49 Esses cercamentos nos demonstram que se inicia na região sul a idéia de praça como um lugar de lazer das classes sociais dominantes, que cultuavam as idéias do salubrinismo europeu, uma importação de hábitos e costumes europeus, já adotados na corte do Rio de Janeiro. 3º Tempo: espaço de passagem O terceiro tempo detectado no processo de evolução da praça corresponde a um período de progressiva industrialização, que provoca a separação entre o local de trabalho e a habitação, que ocasiona a necessidade do desenvolvimento de novos meios de transporte e contribuiu para o crescimento da zona periférica da cidade. “Ao mesmo tempo, desenvolvem-se as atividades de serviço que tendem a localizar-se no centro, adquirindo uma importância predominante. Em contraposição, é cada vez mais intensa a busca de casas de moradia fora da cidade, no campo limítrofe.” (ROSSI:1995:248). Esta distância entre os bairros de moradia e as praças centrais fazem com que as pessoas adquiram o hábito de utilizar a praça como espaço de passagem, principalmente nas cidades de porte médio como Pelotas e Rio Grande (Fig. 28). Nas demais praças estudadas percebe-se que estão em uma fase transitória de transformação entre o 2º e o 3º tempo. Essa transição observa-se na quantidade de prédios residenciais que dão lugar a atividades comerciais. Dessa forma, muitos desses espaços encontram-se ainda como locais de descanso e lazer (Fig. 29) Figura 28 – Praça Antônio Xavier Ferreira/Rio Grande. Foto: Adriana Monteiro, 2000

×