SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 49
Baixar para ler offline
WEB
A EVOLUÇÃO DA INTERFACE
O QUE O DESIGN TEM A VER COM ISSO?
A EVOLUÇÃO DA INTERFACE




Os objetos em geral, vão, ao longo do tempo, se aprimorando em
funcionalidade e interatividade,
o que altera completamente
a relação entre usuário e produto.




Até um Camaro precisou evoluir!!
A EVOLUÇÃO DA INTERFACE




E o Design participa dessa evolução?
A EVOLUÇÃO DA INTERFACE




Claro que sim!

O Design atua no aprimoramento da experiência do usuário
A EVOLUÇÃO DA INTERFACE



User Experience,

ou UX, é um campo de estudo multidisciplinar que visa enriquecer a
experiência de do usuário, propondo “algo mais” além da eficácia e da
eficiência de uso.



“   The first requirement for an exemplary user experience is to meet the exact needs
    of the customer, without fuss or bother.
    Next comes simplicity and elegance that produce products
    that are a joy to own, a joy to use.”
                                                         Nielsen Norman Group
A EVOLUÇÃO DA INTERFACE


A Apple é a empresa que mais investe (e lucra*) com UX.
A EVOLUÇÃO DA INTERFACE


A Apple é a empresa que mais investe (e lucra*) com UX.
A EVOLUÇÃO DA INTERFACE


Com a Web, não
poderia ser diferente.
A EVOLUÇÃO DA INTERFACE


Dos anos 90 pra cá,
muitos paradigmas de uso
foram alterados.
A EVOLUÇÃO DA INTERFACE


Novos elementos de interação
surgiram e estes foram
chamados de RIA
(Rich Internet Application)
A EVOLUÇÃO DA INTERFACE




    RIA é uma extensão do HTML comum, para se
apresentar nas aplicações web com elementos ricos
         em interação, como nos sistemas desktop.
A EVOLUÇÃO DA INTERFACE




     Tecnologias como Flash, Silverlight além das
bibliotecas Javascript contribuíram muito para o
                crescimento vertiginoso das RIA.
A EVOLUÇÃO DA INTERFACE




    Nos últimos 4 anos, novos produtos e
 serviços mudaram definitivamente nossa
experiência de uso na web, levando-nos a
           uma nova maneira de interagir.
A EVOLUÇÃO DA INTERFACE




 Os sites deixaram de ser meras “páginas” para
se tornarem verdadeiros ambientes interativos.
A EVOLUÇÃO DA INTERFACE




Mas nem todos foram convidados.
A EVOLUÇÃO DA INTERFACE




      O uso intensivo de Flash, Ajax e outros
           componentes JavaScript, acabou
prejudicando a acessibilidade nas interfaces.
COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE

 DIRETRIZES - web




 “Sonho para minha invenção, a World Wide Web, um espaço
 de uso comunitário onde compartilha-se informações de
 trabalho, lazer e socialização (The World Wide Web, A very
 short personal history). Como desenvolvedores Web criando
 sites corporativos, sociais e educacionais, nós transformamos
 este sonho em realidade.”

                      Tim Berners-Lee – o criador do conceito de Web
COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE

 DIRETRIZES - web




 A WEB É UMA REDE DE PESSOAS
 “Sonho para minha invenção, a World Wide Web, um espaço
 de uso comunitário onde compartilha-se informações de
 trabalho, lazer e socialização (The World Wide Web, A very
 short personal history). Como desenvolvedores Web criando
 sites corporativos, sociais e educacionais, nós transformamos
 este sonho em realidade.”

                      Tim Berners-Lee – o criador do conceito de Web
COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE
 DIRETRIZES - web
COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE
 DIRETRIZES – web


 LIXO DIGITAL
COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE
 DIRETRIZES – web      WaSP
 Foi por esse período (1998) que surgiu o WaSP (Web Standards Project), que é um
 movimento para difundir os Web Standards.
      Nesta época de crescimento avassalador, a Web necessita de orientação para desenvolver
      seu pleno potencial.

 Esse grupo teve um papel muito importante na divulgação dos Padrões.
 Hoje, o desenvolvedor tem mais liberdade de desenvolvimento do que a 5 anos atrás.
COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE
 DIRETRIZES – web   WaSP

 Construção em camadas

                    Conteúdo




        Design                 Comportamento
COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE
 DIRETRIZES – web   WaSP

 Construção em camadas

                    xHTML




                             JavaScript
         CSS
                            PHP, Phyton...
COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE
 DIRETRIZES – web

 Quem precisa de acessibilidade?
COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE
 DIRETRIZES – web

 Quem precisa de acessibilidade?

 Você consegue ler isto?




 Ridículo até no nome:
 CAPTCHA:
 Completely Automated Public Turing test to tell Computers and Humans Apart
COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE
 DIRETRIZES – web

 E tem mais...
COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE
 DIRETRIZES – web

 Acessibilidade pra quem?
•Pessoas com deficiência visual;
•Pessoas com deficiência motora;
•Pessoas com deficiência de aprendizado;
•Computadores com conexão lenta;
•Dispositivos móveis;
•TV digital;
•Futuras plataformas.
COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE
 DIRETRIZES – web

 Acessibilidade pra quem?
•Pessoas com deficiência visual;
•Pessoas com deficiência motora;
•Pessoas com deficiência de aprendizado;
•Computadores com conexão lenta;
•Dispositivos móveis;
•TV digital;
•Futuras plataformas.
COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE
 DIRETRIZES – web

 Recomendações

 WCAG 1.0 -      Web Content Accessibility Guidelines
 W3C / WAI (Web Accessibility Initiative)




 e-MAG
 Ministério do Planejamento Departamento de Governo Eletrônico (DGE)
 ww.governoeletronico.gov.br
O FUTURO DA WEB
Há muito tempo eu escuto esse papo furado. Dizendo
que o samba acabou. Só se foi quando o dia clareou ...
A Web morreu mesmo?
Vamos aos fatos
Vamos aos fatos
PS.: Nem vou comentar que, em 1997, a Wired já havia anunciado a morte da
     web (e dos navegadores) com um argumento parecido para a época.
                           Leia com seus próprios olhos:
              http://www.wired.com/wired/archive/5.03/ff_push_pr.html
O polêmico gráfico mostrado pela Wired
De fato, entre 1995 e 2006, o montante total do tráfego na web passou
de cerca de 10 terabytes por mês para 1.000.000 terabytes
(ou 1 exabyte). Segundo a Cisco, a mesma fonte usada pela Wired
para suas projeções, o tráfego da Internet total aumentou depois de
cerca de 1   exabyte para 7 ​exabytes entre 2005 e 2010.
Ao contrário da análise da Wired, a Web ainda
    cresce, mesmo que mais lentamente.

    AH!! Lembrem-se de que grande parte do
    tráfego de vídeos sob demanda ( ou V.O.D.
    como o Youtube, Vimeo etc.), acontece nos sites
    dos provedores desses vídeos e, também nos
    sites de notícias, blogs etc.




Fonte: Cisco.
Portanto, se a Web já
morreu alguma vez...
Ela deve ter 7 vidas
Algumas minhocas para
            vossas cabeças


Tim Berners-Lee e a próxima Web

http://www.ted.com/talks/lang/por_br/tim_berners_lee_on_the_next_web.html
O FUTURO




                     HTML5
O HTML5 não é:
•Um substituto do HTML4;
   Apesar de ser uma evolução da linguagem.
•Um substituto do Javascript;
   Apesar de dispensar vários de seus componentes de interface.
•Um substituto do Flash;
   Apesar de possuir recursos de animação, de áudio e de vídeo.
•Mais uma coisa bacana que não roda no I.Explorer.
   Apesar de... Ok, não funciona mesmo!
ALGUNS EXEMPLOS
http://www.alanvasconcelos.com/aria/exemplos/exemplos-html5.html
HEIN?!?!?
            ?
VALEU!




ALAN VASCONCELOS – www.alanvasconcelos.com

Mais conteúdo relacionado

Destaque (6)

Marinilde versaofinal
Marinilde versaofinalMarinilde versaofinal
Marinilde versaofinal
 
Curso Recomendações de Usabilidade - 29/07/2011
Curso Recomendações de Usabilidade - 29/07/2011Curso Recomendações de Usabilidade - 29/07/2011
Curso Recomendações de Usabilidade - 29/07/2011
 
Nevera Electrolux EN3486MOW
Nevera  Electrolux EN3486MOW Nevera  Electrolux EN3486MOW
Nevera Electrolux EN3486MOW
 
Manual instalacion usuario_termostato
Manual instalacion usuario_termostatoManual instalacion usuario_termostato
Manual instalacion usuario_termostato
 
Eficiência Na Aprendizagem
Eficiência Na AprendizagemEficiência Na Aprendizagem
Eficiência Na Aprendizagem
 
Electrolux - Freezer vertical ffe24 manual de instruções
Electrolux - Freezer vertical ffe24   manual de instruçõesElectrolux - Freezer vertical ffe24   manual de instruções
Electrolux - Freezer vertical ffe24 manual de instruções
 

Semelhante a Aula 07 - Web

Atec cursowebdesign aula01
Atec cursowebdesign aula01Atec cursowebdesign aula01
Atec cursowebdesign aula01
Wcre8tive
 
Artigo Entrevista W3C 2011
Artigo Entrevista W3C 2011Artigo Entrevista W3C 2011
Artigo Entrevista W3C 2011
Ronei Pasquetto
 
Conceitos históricos e evolução dos websites
Conceitos históricos e evolução dos websitesConceitos históricos e evolução dos websites
Conceitos históricos e evolução dos websites
Luciano Crecente
 

Semelhante a Aula 07 - Web (20)

Design para a web - da interface ao branding
Design para a web - da interface ao brandingDesign para a web - da interface ao branding
Design para a web - da interface ao branding
 
Web Standards
Web StandardsWeb Standards
Web Standards
 
Web 2.0 + Foco no Usuário
Web 2.0 + Foco no UsuárioWeb 2.0 + Foco no Usuário
Web 2.0 + Foco no Usuário
 
Atec cursowebdesign aula01
Atec cursowebdesign aula01Atec cursowebdesign aula01
Atec cursowebdesign aula01
 
Atec cursowebdesign aula01
Atec cursowebdesign aula01Atec cursowebdesign aula01
Atec cursowebdesign aula01
 
Web_2.0 Web Standards Web Semântica
Web_2.0 Web Standards Web SemânticaWeb_2.0 Web Standards Web Semântica
Web_2.0 Web Standards Web Semântica
 
Apostila html para-iniciantes
Apostila html para-iniciantesApostila html para-iniciantes
Apostila html para-iniciantes
 
Workshop Ferramentas Web para Serviços educativos
Workshop Ferramentas Web para Serviços educativosWorkshop Ferramentas Web para Serviços educativos
Workshop Ferramentas Web para Serviços educativos
 
Artigo Entrevista W3C 2011
Artigo Entrevista W3C 2011Artigo Entrevista W3C 2011
Artigo Entrevista W3C 2011
 
3ª Conferência Web W3C Brasil - 2011
3ª Conferência Web W3C Brasil - 20113ª Conferência Web W3C Brasil - 2011
3ª Conferência Web W3C Brasil - 2011
 
Apostila webdesign
Apostila webdesignApostila webdesign
Apostila webdesign
 
Criatividade Publicitária - Comunicação Digital - New World
Criatividade Publicitária - Comunicação Digital - New WorldCriatividade Publicitária - Comunicação Digital - New World
Criatividade Publicitária - Comunicação Digital - New World
 
Daw slide 01
Daw slide 01Daw slide 01
Daw slide 01
 
Palestra - Na quebrada da Web
Palestra - Na quebrada da WebPalestra - Na quebrada da Web
Palestra - Na quebrada da Web
 
O que e web 20
O que e web 20O que e web 20
O que e web 20
 
Web Design Responsivo - Melhorando interfaces e a experiência do usuário na n...
Web Design Responsivo - Melhorando interfaces e a experiência do usuário na n...Web Design Responsivo - Melhorando interfaces e a experiência do usuário na n...
Web Design Responsivo - Melhorando interfaces e a experiência do usuário na n...
 
Rascunho do Seminário sobre Acessibilidade na Web
Rascunho do Seminário sobre Acessibilidade na WebRascunho do Seminário sobre Acessibilidade na Web
Rascunho do Seminário sobre Acessibilidade na Web
 
Curso Marketing Digital Ana Paula Coelho
Curso Marketing Digital Ana Paula CoelhoCurso Marketing Digital Ana Paula Coelho
Curso Marketing Digital Ana Paula Coelho
 
Conceitos históricos e evolução dos websites
Conceitos históricos e evolução dos websitesConceitos históricos e evolução dos websites
Conceitos históricos e evolução dos websites
 
Web 2.0
Web 2.0Web 2.0
Web 2.0
 

Mais de Alan Vasconcelos

MPP-III - Aula 08 - Usabilidade
MPP-III - Aula 08 - UsabilidadeMPP-III - Aula 08 - Usabilidade
MPP-III - Aula 08 - Usabilidade
Alan Vasconcelos
 
Mta1 aula-06 - Design Universal
Mta1 aula-06 - Design UniversalMta1 aula-06 - Design Universal
Mta1 aula-06 - Design Universal
Alan Vasconcelos
 
Mta1 aula-05 Avaliação Heurística
Mta1 aula-05 Avaliação HeurísticaMta1 aula-05 Avaliação Heurística
Mta1 aula-05 Avaliação Heurística
Alan Vasconcelos
 
Mta1 aula-04 Framework DECIDE
Mta1 aula-04 Framework DECIDEMta1 aula-04 Framework DECIDE
Mta1 aula-04 Framework DECIDE
Alan Vasconcelos
 
MTA1 Aula-02. Acessibilidade
MTA1 Aula-02. AcessibilidadeMTA1 Aula-02. Acessibilidade
MTA1 Aula-02. Acessibilidade
Alan Vasconcelos
 
MTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. IntroduçãoMTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. Introdução
Alan Vasconcelos
 
Usabilidade Aula-06. Processos: User Stories
Usabilidade Aula-06. Processos: User StoriesUsabilidade Aula-06. Processos: User Stories
Usabilidade Aula-06. Processos: User Stories
Alan Vasconcelos
 
Usabilidade aula-04. Processos: Personas
Usabilidade aula-04. Processos: PersonasUsabilidade aula-04. Processos: Personas
Usabilidade aula-04. Processos: Personas
Alan Vasconcelos
 
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informaçãoUsabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Alan Vasconcelos
 
Usabilidade aula-02. Metas e princípios
Usabilidade aula-02. Metas e princípiosUsabilidade aula-02. Metas e princípios
Usabilidade aula-02. Metas e princípios
Alan Vasconcelos
 
Aula 03 - elementos-basicos
Aula 03 - elementos-basicosAula 03 - elementos-basicos
Aula 03 - elementos-basicos
Alan Vasconcelos
 

Mais de Alan Vasconcelos (20)

Design Universal - Os 7 Principios
Design Universal - Os 7 PrincipiosDesign Universal - Os 7 Principios
Design Universal - Os 7 Principios
 
Design Universal e arquitetura hostil
Design Universal e arquitetura hostilDesign Universal e arquitetura hostil
Design Universal e arquitetura hostil
 
Cibercultura
CiberculturaCibercultura
Cibercultura
 
MPP-III - Aula 08 - Usabilidade
MPP-III - Aula 08 - UsabilidadeMPP-III - Aula 08 - Usabilidade
MPP-III - Aula 08 - Usabilidade
 
Ergo2 aula-14 Avaliação Heurística
Ergo2 aula-14 Avaliação HeurísticaErgo2 aula-14 Avaliação Heurística
Ergo2 aula-14 Avaliação Heurística
 
Mta1 aula-06 - Design Universal
Mta1 aula-06 - Design UniversalMta1 aula-06 - Design Universal
Mta1 aula-06 - Design Universal
 
Mta1 aula-05 Avaliação Heurística
Mta1 aula-05 Avaliação HeurísticaMta1 aula-05 Avaliação Heurística
Mta1 aula-05 Avaliação Heurística
 
Mta1 aula-04 Framework DECIDE
Mta1 aula-04 Framework DECIDEMta1 aula-04 Framework DECIDE
Mta1 aula-04 Framework DECIDE
 
MTA1 Aula-02. Acessibilidade
MTA1 Aula-02. AcessibilidadeMTA1 Aula-02. Acessibilidade
MTA1 Aula-02. Acessibilidade
 
MTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. IntroduçãoMTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. Introdução
 
Usabilidade Aula-06. Processos: User Stories
Usabilidade Aula-06. Processos: User StoriesUsabilidade Aula-06. Processos: User Stories
Usabilidade Aula-06. Processos: User Stories
 
Usabilidade Aula-05. Processos: heuristicas
Usabilidade Aula-05. Processos: heuristicasUsabilidade Aula-05. Processos: heuristicas
Usabilidade Aula-05. Processos: heuristicas
 
Usabilidade aula-04. Processos: Personas
Usabilidade aula-04. Processos: PersonasUsabilidade aula-04. Processos: Personas
Usabilidade aula-04. Processos: Personas
 
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informaçãoUsabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
Usabilidade aula-03. Processos: Arquitetura de informação
 
Usabilidade aula-02. Metas e princípios
Usabilidade aula-02. Metas e princípiosUsabilidade aula-02. Metas e princípios
Usabilidade aula-02. Metas e princípios
 
Usabilidade aula-01 Introdução
Usabilidade aula-01 IntroduçãoUsabilidade aula-01 Introdução
Usabilidade aula-01 Introdução
 
Aula 10--revisao
Aula 10--revisaoAula 10--revisao
Aula 10--revisao
 
Aula 04 - Prototipação
Aula 04 - PrototipaçãoAula 04 - Prototipação
Aula 04 - Prototipação
 
Aula 06 - variabilidade
Aula 06 - variabilidadeAula 06 - variabilidade
Aula 06 - variabilidade
 
Aula 03 - elementos-basicos
Aula 03 - elementos-basicosAula 03 - elementos-basicos
Aula 03 - elementos-basicos
 

Aula 07 - Web

  • 2. O QUE O DESIGN TEM A VER COM ISSO?
  • 3. A EVOLUÇÃO DA INTERFACE Os objetos em geral, vão, ao longo do tempo, se aprimorando em funcionalidade e interatividade, o que altera completamente a relação entre usuário e produto. Até um Camaro precisou evoluir!!
  • 4. A EVOLUÇÃO DA INTERFACE E o Design participa dessa evolução?
  • 5. A EVOLUÇÃO DA INTERFACE Claro que sim! O Design atua no aprimoramento da experiência do usuário
  • 6. A EVOLUÇÃO DA INTERFACE User Experience, ou UX, é um campo de estudo multidisciplinar que visa enriquecer a experiência de do usuário, propondo “algo mais” além da eficácia e da eficiência de uso. “ The first requirement for an exemplary user experience is to meet the exact needs of the customer, without fuss or bother. Next comes simplicity and elegance that produce products that are a joy to own, a joy to use.” Nielsen Norman Group
  • 7. A EVOLUÇÃO DA INTERFACE A Apple é a empresa que mais investe (e lucra*) com UX.
  • 8. A EVOLUÇÃO DA INTERFACE A Apple é a empresa que mais investe (e lucra*) com UX.
  • 9. A EVOLUÇÃO DA INTERFACE Com a Web, não poderia ser diferente.
  • 10. A EVOLUÇÃO DA INTERFACE Dos anos 90 pra cá, muitos paradigmas de uso foram alterados.
  • 11. A EVOLUÇÃO DA INTERFACE Novos elementos de interação surgiram e estes foram chamados de RIA (Rich Internet Application)
  • 12. A EVOLUÇÃO DA INTERFACE RIA é uma extensão do HTML comum, para se apresentar nas aplicações web com elementos ricos em interação, como nos sistemas desktop.
  • 13. A EVOLUÇÃO DA INTERFACE Tecnologias como Flash, Silverlight além das bibliotecas Javascript contribuíram muito para o crescimento vertiginoso das RIA.
  • 14. A EVOLUÇÃO DA INTERFACE Nos últimos 4 anos, novos produtos e serviços mudaram definitivamente nossa experiência de uso na web, levando-nos a uma nova maneira de interagir.
  • 15. A EVOLUÇÃO DA INTERFACE Os sites deixaram de ser meras “páginas” para se tornarem verdadeiros ambientes interativos.
  • 16. A EVOLUÇÃO DA INTERFACE Mas nem todos foram convidados.
  • 17. A EVOLUÇÃO DA INTERFACE O uso intensivo de Flash, Ajax e outros componentes JavaScript, acabou prejudicando a acessibilidade nas interfaces.
  • 18. COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE DIRETRIZES - web “Sonho para minha invenção, a World Wide Web, um espaço de uso comunitário onde compartilha-se informações de trabalho, lazer e socialização (The World Wide Web, A very short personal history). Como desenvolvedores Web criando sites corporativos, sociais e educacionais, nós transformamos este sonho em realidade.” Tim Berners-Lee – o criador do conceito de Web
  • 19. COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE DIRETRIZES - web A WEB É UMA REDE DE PESSOAS “Sonho para minha invenção, a World Wide Web, um espaço de uso comunitário onde compartilha-se informações de trabalho, lazer e socialização (The World Wide Web, A very short personal history). Como desenvolvedores Web criando sites corporativos, sociais e educacionais, nós transformamos este sonho em realidade.” Tim Berners-Lee – o criador do conceito de Web
  • 20. COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE DIRETRIZES - web
  • 21.
  • 22. COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE DIRETRIZES – web LIXO DIGITAL
  • 23. COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE DIRETRIZES – web WaSP Foi por esse período (1998) que surgiu o WaSP (Web Standards Project), que é um movimento para difundir os Web Standards. Nesta época de crescimento avassalador, a Web necessita de orientação para desenvolver seu pleno potencial. Esse grupo teve um papel muito importante na divulgação dos Padrões. Hoje, o desenvolvedor tem mais liberdade de desenvolvimento do que a 5 anos atrás.
  • 24.
  • 25.
  • 26. COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE DIRETRIZES – web WaSP Construção em camadas Conteúdo Design Comportamento
  • 27. COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE DIRETRIZES – web WaSP Construção em camadas xHTML JavaScript CSS PHP, Phyton...
  • 28. COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE DIRETRIZES – web Quem precisa de acessibilidade?
  • 29. COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE DIRETRIZES – web Quem precisa de acessibilidade? Você consegue ler isto? Ridículo até no nome: CAPTCHA: Completely Automated Public Turing test to tell Computers and Humans Apart
  • 30. COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE DIRETRIZES – web E tem mais...
  • 31. COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE DIRETRIZES – web Acessibilidade pra quem? •Pessoas com deficiência visual; •Pessoas com deficiência motora; •Pessoas com deficiência de aprendizado; •Computadores com conexão lenta; •Dispositivos móveis; •TV digital; •Futuras plataformas.
  • 32. COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE DIRETRIZES – web Acessibilidade pra quem? •Pessoas com deficiência visual; •Pessoas com deficiência motora; •Pessoas com deficiência de aprendizado; •Computadores com conexão lenta; •Dispositivos móveis; •TV digital; •Futuras plataformas.
  • 33. COMO PROMOVER A ACESSIBILIDADE DIRETRIZES – web Recomendações WCAG 1.0 - Web Content Accessibility Guidelines W3C / WAI (Web Accessibility Initiative) e-MAG Ministério do Planejamento Departamento de Governo Eletrônico (DGE) ww.governoeletronico.gov.br
  • 34. O FUTURO DA WEB Há muito tempo eu escuto esse papo furado. Dizendo que o samba acabou. Só se foi quando o dia clareou ...
  • 35.
  • 36. A Web morreu mesmo?
  • 38. Vamos aos fatos PS.: Nem vou comentar que, em 1997, a Wired já havia anunciado a morte da web (e dos navegadores) com um argumento parecido para a época. Leia com seus próprios olhos: http://www.wired.com/wired/archive/5.03/ff_push_pr.html
  • 39. O polêmico gráfico mostrado pela Wired
  • 40. De fato, entre 1995 e 2006, o montante total do tráfego na web passou de cerca de 10 terabytes por mês para 1.000.000 terabytes (ou 1 exabyte). Segundo a Cisco, a mesma fonte usada pela Wired para suas projeções, o tráfego da Internet total aumentou depois de cerca de 1 exabyte para 7 ​exabytes entre 2005 e 2010.
  • 41. Ao contrário da análise da Wired, a Web ainda cresce, mesmo que mais lentamente. AH!! Lembrem-se de que grande parte do tráfego de vídeos sob demanda ( ou V.O.D. como o Youtube, Vimeo etc.), acontece nos sites dos provedores desses vídeos e, também nos sites de notícias, blogs etc. Fonte: Cisco.
  • 42. Portanto, se a Web já morreu alguma vez...
  • 43. Ela deve ter 7 vidas
  • 44. Algumas minhocas para vossas cabeças Tim Berners-Lee e a próxima Web http://www.ted.com/talks/lang/por_br/tim_berners_lee_on_the_next_web.html
  • 45.
  • 46. O FUTURO HTML5 O HTML5 não é: •Um substituto do HTML4; Apesar de ser uma evolução da linguagem. •Um substituto do Javascript; Apesar de dispensar vários de seus componentes de interface. •Um substituto do Flash; Apesar de possuir recursos de animação, de áudio e de vídeo. •Mais uma coisa bacana que não roda no I.Explorer. Apesar de... Ok, não funciona mesmo!
  • 49. VALEU! ALAN VASCONCELOS – www.alanvasconcelos.com