SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 36
Baixar para ler offline
PARÁBOLAS III
(VIDA RURAL)
EAE A035
ESCOLADEAPRENDIZESDOEVANGELHO
São José dos Campos, SP – 27 de setembro de 2018 – Daniel de Melo
www.espirito.online
confira todas as aulas no site
PARÁBOLAS III (VIDA RURAL)
AULA 035 (O REDENTOR CAP. 34)
O semeador − Mateus 13: 1-23 / Marcos 4:1-20 / Lucas 8:4-15
O trigo e o joio − Mateus 13:24-30
O grão de mostarda − Mateus 13:31-32
A figueira estéril − Lucas 13:6-9
Obreiros da vinha − Mateus 20: 1-16
Lavradores maus − Mateus 21: 33-41 / Marcos 12: 1-12
A ovelha desgarrada − Lucas 15: 3-7
A figueira que secou − Mateus 21: 18-22 / Marcos 11: 12-14
A semente que brota − Marcos 4: 26-29
O bom pastor − João 10: 1-16
Entendendo as Parábolas
Jesus usava de um método para falar das
coisas do mundo espiritual e das qualidades
morais sem ter que explicar a filosofia e a
ciência que só seriam conhecidas pelos
encarnados quase dois milênios depois, através
das revelações do Consolador Prometido
Ele fez o uso das Parábolas, também utilizadas
por profetas e sacerdotes em outros momentos
para criar o ambiente propício ao
entendimento da Leis Universais.
PARÁBOLAS III
(VIDA RURAL)
“
”
O Semeador (Mt 13.1-9; Mc 4.1-9; Lc 8.4-8)
3Jesus usou parábolas para ensinar muitas coisas. Ele disse:
— Escutem! Certo homem saiu para semear. 4Quando estava
espalhando as sementes, algumas caíram na beira do caminho, e
os passarinhos comeram tudo. 5Outra parte das sementes caiu
num lugar onde havia muitas pedras e pouca terra.
“
”
O Semeador (Mt 13.1-9; Mc 4.1-9; Lc 8.4-8)
As sementes brotaram logo porque a terra não era funda. 6Mas,
quando o sol apareceu, queimou as plantas, e elas secaram
porque não tinham raízes. 7Outras sementes caíram no meio de
espinhos, que cresceram e sufocaram as plantas. 8Mas as
sementes que caíram em terra boa produziram na base de cem,
de sessenta e de trinta grãos por um.
“
”
O Semeador (Mt 13.1-9; Mc 4.1-9; Lc 8.4-8)
9E Jesus terminou, dizendo:
— Se vocês têm ouvidos para ouvir, então ouçam.
“
”
O Joio (Mt 13.24-30)
24Jesus contou outra parábola. Ele disse ao povo:
— O Reino do Céu é como um homem que semeou sementes
boas nas suas terras. 25Certa noite, quando todos estavam
dormindo, veio um inimigo, semeou no meio do trigo uma erva
ruim, chamada joio, e depois foi embora. 26Quando as plantas
cresceram, e se formaram as espigas, o joio apareceu. 27Aí os
empregados do dono das terras chegaram e disseram: “Patrão, o
senhor semeou sementes boas nas suas terras. De onde será que
veio este joio?”
“
”
O Joio (Mt 13.24-30)
28 — “Foi algum inimigo que fez isso!”, respondeu ele.
— E eles perguntaram: “O senhor quer que a gente arranque o
joio?”
29 — “Não”, respondeu ele, “porque, quando vocês forem tirar o
joio, poderão arrancar também o trigo. 30Deixem o trigo e o joio
crescerem juntos até o tempo da colheita. Então eu direi aos
trabalhadores que vão fazer a colheita: ‘Arranquem primeiro o
joio e amarrem em feixes para ser queimado. Depois colham o
trigo e ponham no meu depósito.’ ”
“
”
A semente de mostarda (Mt 13.31-32)
31Jesus contou outra parábola. Ele disse ao povo:
— O Reino do Céu é como uma semente de mostarda, que um
homem pega e semeia na sua terra. 32Ela é a menor de todas as
sementes; mas, quando cresce, torna-se a maior de todas as
plantas. Ela até chega a ser uma árvore, de modo que os
passarinhos vêm e fazem ninhos nos seus ramos.
“
”
A figueira sem figos (Lc 13.6-9)
6Então Jesus contou esta parábola:
— Certo homem tinha uma figueira na sua plantação de uvas. E,
quando foi procurar figos, não encontrou nenhum. 7Aí disse ao
homem que tomava conta da plantação: “Olhe! Já faz três anos
seguidos que venho buscar figos nesta figueira e não encontro
nenhum. Corte esta figueira! Por que deixá-la continuar tirando a
força da terra sem produzir nada?” 8Mas o empregado
respondeu: “Patrão, deixe a figueira ficar mais este ano. Eu vou
afofar a terra em volta dela e pôr bastante adubo. 9Se no ano que
vem ela der figos, muito bem. Se não der, então mande cortá-la.”
“
”
Os trabalhadores da plantação de uvas (Mt 20.1-16)
1Jesus disse:
— O Reino do Céu é como o dono de uma plantação de uvas que
saiu de manhã bem cedo para contratar trabalhadores para a sua
plantação. 2Ele combinou com eles o salário de costume, isto é,
uma moeda de prata por dia, e mandou que fossem trabalhar na
sua plantação. 3Às nove horas, saiu outra vez, foi até a praça do
mercado e viu ali alguns homens que não estavam fazendo nada.
4Então disse: “Vão vocês também trabalhar na minha plantação
de uvas, e eu pagarei o que for justo.”
“
”
Os trabalhadores da plantação de uvas (Mt 20.1-16)
5 — E eles foram. Ao meio-dia e às três horas da tarde o dono da
plantação fez a mesma coisa com outros trabalhadores. 6Eram
quase cinco horas da tarde quando ele voltou à praça. Viu outros
homens que ainda estavam ali e perguntou: “Por que vocês estão
o dia todo aqui sem fazer nada?”
“
”
Os trabalhadores da plantação de uvas (Mt 20.1-16)
7 — “É porque ninguém nos contratou!” — responderam eles.
— Então ele disse: “Vão vocês também trabalhar na minha
plantação.”
8 — No fim do dia, ele disse ao administrador: “Chame os
trabalhadores e faça o pagamento, começando com os que foram
contratados por último e terminando pelos primeiros.”
“
”
Os trabalhadores da plantação de uvas (Mt 20.1-16)
9 — Os homens que começaram a trabalhar às cinco horas da
tarde receberam uma moeda de prata cada um. 10Então os
primeiros que tinham sido contratados pensaram que iam
receber mais; porém eles também receberam uma moeda de
prata cada um. 11Pegaram o dinheiro e começaram a resmungar
contra o patrão, 12dizendo: “Estes homens que foram contratados
por último trabalharam somente uma hora, mas nós aguentamos
o dia todo debaixo deste sol quente. No entanto, o pagamento
deles foi igual ao nosso!”
“
”
Os trabalhadores da plantação de uvas (Mt 20.1-16)
13 — Aí o dono disse a um deles: “Escute, amigo! Eu não fui
injusto com você. Você não concordou em trabalhar o dia todo
por uma moeda de prata? 14Pegue o seu pagamento e vá
embora. Pois eu quero dar a este homem, que foi contratado por
último, o mesmo que dei a você. 15Por acaso não tenho o direito
de fazer o que quero com o meu próprio dinheiro? Ou você está
com inveja somente porque fui bom para ele?”
16E Jesus terminou, dizendo:
— Assim, aqueles que são os primeiros serão os últimos, e os
últimos serão os primeiros.
“
”
Os lavradores maus (Mt 21.33-41; Mc 12.1-12; Lc 20.9-19)
33Jesus disse:
— Escutem outra parábola: certo agricultor fez uma plantação de
uvas e pôs uma cerca em volta dela. Construiu um tanque para
pisar as uvas e fazer vinho e construiu uma torre para o vigia. Em
seguida, arrendou a plantação para alguns lavradores e foi viajar.
34Quando chegou o tempo da colheita, o dono mandou alguns
empregados a fim de receber a parte dele. 35Mas os lavradores
agarraram os empregados, bateram num, assassinaram outro e
mataram ainda outro a pedradas.
“
”
Os lavradores maus (Mt 21.33-41; Mc 12.1-12; Lc 20.9-19)
36Aí o dono mandou mais empregados do que da primeira vez. E
os lavradores fizeram a mesma coisa. 37Depois de tudo isso, ele
mandou o seu próprio filho, pensando: “O meu filho eles vão
respeitar.” 38Mas, quando os lavradores viram o filho, disseram
uns aos outros: “Este é o filho do dono; ele vai herdar a
plantação. Vamos matá-lo, e a plantação será nossa.”
“
”
Os lavradores maus (Mt 21.33-41; Mc 12.1-12; Lc 20.9-19)
39 — Então agarraram o filho, e o jogaram para fora da plantação,
e o mataram.
40Aí Jesus perguntou:
— E agora, quando o dono da plantação voltar, o que é que ele
vai fazer com aqueles lavradores?
41Eles responderam:
— Com certeza ele vai matar aqueles lavradores maus e vai
arrendar a plantação a outros. E estes lhe darão a parte da
colheita no tempo certo.
“
”
A ovelha perdida (Lc 15.3-7; Mt 18.10-14)
3Então Jesus contou esta parábola:
4 — Se algum de vocês tem cem ovelhas e perde uma, por acaso
não vai procurá-la? Assim, deixa no campo as outras noventa e
nove e vai procurar a ovelha perdida até achá-la. 5Quando a
encontra, fica muito contente e volta com ela nos ombros.
6Chegando à sua casa, chama os amigos e vizinhos e diz:
“Alegrem-se comigo porque achei a minha ovelha perdida.”
7 — Pois eu lhes digo que assim também vai haver mais alegria
no céu por um pecador que se arrepende dos seus pecados do
que por noventa e nove pessoas boas que não precisam se
arrepender.
“
”
Jesus e a figueira (Mt 21.18-22; Mc 11.12-14, 20-25)
18No dia seguinte, quando estava voltando para a cidade, Jesus
teve fome. 19Ele viu uma figueira na beira da estrada e foi até lá,
mas não encontrou nada; só folhas. Aí disse para a figueira:
— Nunca mais dê figos!
E na mesma hora a figueira secou. 20Os discípulos viram isso,
ficaram muito admirados e disseram:
— Como a figueira secou depressa!
“
”
Jesus e a figueira (Mt 21.18-22; Mc 11.12-14, 20-25)
21Então Jesus disse:
— Eu afirmo a vocês que isto é verdade: se tiverem fé e não
duvidarem, vocês poderão fazer a mesma coisa que eu fiz com
esta figueira. E não somente isso, mas vocês poderão dizer a este
monte: “Levante-se e jogue-se no mar”, e isso acontecerá. 22Se
crerem, receberão tudo o que pedirem em oração.
“
”
A semente (Mc 4.26-29)
26Jesus disse:
— O Reino de Deus é como um homem que joga a semente na
terra. 27Quer ele esteja acordado, quer esteja dormindo, ela brota
e cresce, sem ele saber como isso acontece. 28É a própria terra
que dá o seu fruto: primeiro aparece a planta, depois a espiga, e,
mais tarde, os grãos que enchem a espiga. 29Quando as espigas
ficam maduras, o homem começa a cortá-las com a foice, pois
chegou o tempo da colheita.
“
”
Jesus, o bom pastor (Jo 10.1-16)
1Jesus disse:
— Eu afirmo a vocês que isto é verdade: quem não entra no
curral das ovelhas pela porta, mas pula o muro é um ladrão e
bandido. 2Mas quem entra pela porta é o pastor do rebanho. 3O
porteiro abre a porta para ele. As ovelhas reconhecem a sua voz
quando ele as chama pelo nome, e ele as leva para fora do curral.
4Quando todas estão do lado de fora, ele vai na frente delas, e
elas o seguem porque conhecem a voz dele. 5Mas de jeito
nenhum seguirão um estranho! Pelo contrário, elas fugirão, pois
não conhecem a voz de estranhos.
“
”
Jesus, o bom pastor (Jo 10.1-16)
6Jesus fez esta comparação, mas ninguém entendeu o que ele
queria dizer.
J
“
”
Jesus, o bom pastor (Jo 10.1-16)
7Então Jesus continuou:
— Eu afirmo a vocês que isto é verdade: eu sou a porta por onde
as ovelhas passam. 8Todos os que vieram antes de mim são
ladrões e bandidos, mas as ovelhas não deram atenção à voz
deles. 9Eu sou a porta. Quem entrar por mim será salvo; poderá
entrar e sair e achará comida. 10O ladrão só vem para roubar,
matar e destruir; mas eu vim para que as ovelhas tenham vida, a
vida completa.
J
“
”
Jesus, o bom pastor (Jo 10.1-16)
11 — Eu sou o bom pastor; o bom pastor dá a vida pelas ovelhas.
12Um empregado trabalha somente por dinheiro; ele não é
pastor, e as ovelhas não são dele. Por isso, quando vê um lobo
chegando, ele abandona as ovelhas e foge. Então o lobo ataca e
espalha as ovelhas. 13O empregado foge porque trabalha
somente por dinheiro e não se importa com as ovelhas. 14-15Eu
sou o bom pastor. Assim como o Pai me conhece, e eu conheço o
Pai, assim também conheço as minhas ovelhas, e elas me
conhecem. E estou pronto para morrer por elas. 16Tenho outras
ovelhas que não estão neste curral. Eu preciso trazer essas
também, e elas ouvirão a minha voz. Então elas se tornarão um
só rebanho com um só pastor.
J
Reflexão...
Cabe a cada Ser estudar, interpretar e
divulgar as palavras do Cristo, mas
principalmente, aprender como vivenciá-las.
Obrigado!
Daniel de Melo
www.espirito.online/aulas/eae035
Bibliografia
• O Redentor, Edgard Armond - Aliança, 2010.
• Sabedoria das Parábolas, Huberto Rohden - Martin Claret, 2016.
• Bíblia Sagrada (NTLH/ARC 2), acessível em: https://www.bible.com/pt/bible/.
• O Evangelho por Emmanuel, Comentários ao Evangelho Segundo Mateus - FEB, 2015.
• O Evangelho por Emmanuel, Comentários ao Evangelho Segundo Marcos - FEB, 2014.
• Ilustrações diversas do Google Imagens, acessível em: http://www.google.com/imghp?hl=pt-BR/.
Citações e Referências a esta aula
Caro Expositor/Dirigente,
Este material é livre para utilização, mas não deixe de citar a fonte nas suas referências:
REFERÊNCIAS
ESPÍRITO ONLINE. Aula 035 da Escola de Aprendizes do Evangelho. Disponível em:
https://www.espirito.online/aulas/eae035. Acesso em: 26 jun. 2020.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Eade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceia
Eade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceiaEade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceia
Eade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceia
JoyAlbanez
 
Eae 55 Ascensão
Eae 55 AscensãoEae 55 Ascensão
Eae 55 Ascensão
PatiSousa1
 

Mais procurados (20)

Eade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceia
Eade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceiaEade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceia
Eade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceia
 
Eae 71 o apocalipse de joão - mat did
Eae   71 o apocalipse de joão - mat didEae   71 o apocalipse de joão - mat did
Eae 71 o apocalipse de joão - mat did
 
Eae 55 Ascensão
Eae 55 AscensãoEae 55 Ascensão
Eae 55 Ascensão
 
A033 EAE DM - O QUADRO DOS DISCÍPULOS 20170908
A033 EAE DM - O QUADRO DOS DISCÍPULOS 20170908A033 EAE DM - O QUADRO DOS DISCÍPULOS 20170908
A033 EAE DM - O QUADRO DOS DISCÍPULOS 20170908
 
Aula 27. Parábolas de Jesus. Usos e Costumes Sociais
Aula 27. Parábolas de Jesus. Usos e Costumes SociaisAula 27. Parábolas de Jesus. Usos e Costumes Sociais
Aula 27. Parábolas de Jesus. Usos e Costumes Sociais
 
Eae 68 - vícios e defeitos - roteiro da aula
Eae   68 - vícios e defeitos - roteiro da aulaEae   68 - vícios e defeitos - roteiro da aula
Eae 68 - vícios e defeitos - roteiro da aula
 
Parábola dos Talentos - Propósito
Parábola dos Talentos - PropósitoParábola dos Talentos - Propósito
Parábola dos Talentos - Propósito
 
A027 EAE DM - PARÁBOLAS I - USOS E COSTUMES SOCIAIS - 20200626v3
A027 EAE DM - PARÁBOLAS I - USOS E COSTUMES SOCIAIS - 20200626v3A027 EAE DM - PARÁBOLAS I - USOS E COSTUMES SOCIAIS - 20200626v3
A027 EAE DM - PARÁBOLAS I - USOS E COSTUMES SOCIAIS - 20200626v3
 
Escola de Aprendizes do Evangelho - 1a
Escola de Aprendizes do Evangelho - 1aEscola de Aprendizes do Evangelho - 1a
Escola de Aprendizes do Evangelho - 1a
 
Eae 28 Pregações e curas
Eae 28 Pregações e curasEae 28 Pregações e curas
Eae 28 Pregações e curas
 
Eae aula 2 - a criação
Eae   aula 2 - a criaçãoEae   aula 2 - a criação
Eae aula 2 - a criação
 
A054 EAE DM - FUNDACAO DA IGREJA CRISTA
A054 EAE DM - FUNDACAO DA IGREJA CRISTAA054 EAE DM - FUNDACAO DA IGREJA CRISTA
A054 EAE DM - FUNDACAO DA IGREJA CRISTA
 
A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104
A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104
A014 EAE DM - NASCIMENTO DO MESSIAS - CONTROVÉRSIAS DOUTRINÁRIAS 20171104
 
curso básico de espiritismo 14
curso básico de espiritismo 14curso básico de espiritismo 14
curso básico de espiritismo 14
 
CB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o Espiritismo
CB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o EspiritismoCB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o Espiritismo
CB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o Espiritismo
 
Meu amigo euripedes barsanulfo
Meu amigo euripedes barsanulfoMeu amigo euripedes barsanulfo
Meu amigo euripedes barsanulfo
 
Estranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIIIEstranha moral ESE Cap XXIII
Estranha moral ESE Cap XXIII
 
Jesus na casa de zaqueu
Jesus na casa de zaqueuJesus na casa de zaqueu
Jesus na casa de zaqueu
 
Parábola do Mau Rico
Parábola do Mau RicoParábola do Mau Rico
Parábola do Mau Rico
 
REFORMA ÍNTIMA
REFORMA ÍNTIMAREFORMA ÍNTIMA
REFORMA ÍNTIMA
 

Mais de Daniel de Melo

Mais de Daniel de Melo (20)

AULA 112 EAE DM - ESTUDO DO PERISPÍRITO E DOS CENTROS DE FORÇA - 20210709v1
AULA 112 EAE DM - ESTUDO DO PERISPÍRITO E DOS CENTROS DE FORÇA - 20210709v1AULA 112 EAE DM - ESTUDO DO PERISPÍRITO E DOS CENTROS DE FORÇA - 20210709v1
AULA 112 EAE DM - ESTUDO DO PERISPÍRITO E DOS CENTROS DE FORÇA - 20210709v1
 
A034 EAE DM - CONSAGRAÇÃO E EXCURSÕES AO ESTRANGEIRO 20190628v4
A034 EAE DM - CONSAGRAÇÃO E EXCURSÕES AO ESTRANGEIRO 20190628v4A034 EAE DM - CONSAGRAÇÃO E EXCURSÕES AO ESTRANGEIRO 20190628v4
A034 EAE DM - CONSAGRAÇÃO E EXCURSÕES AO ESTRANGEIRO 20190628v4
 
A109 EAE DM - RECURSOS DO CRISTÃO - 20200604v2
A109 EAE DM - RECURSOS DO CRISTÃO - 20200604v2A109 EAE DM - RECURSOS DO CRISTÃO - 20200604v2
A109 EAE DM - RECURSOS DO CRISTÃO - 20200604v2
 
A054 EAE DM - FUNDAÇÃO DA IGREJA CRISTÃ - 20190327V5
A054 EAE DM - FUNDAÇÃO DA IGREJA CRISTÃ - 20190327V5A054 EAE DM - FUNDAÇÃO DA IGREJA CRISTÃ - 20190327V5
A054 EAE DM - FUNDAÇÃO DA IGREJA CRISTÃ - 20190327V5
 
A066 EAE DM - JUSTIFICAÇÃO DOS PECADOS - 2018092
A066 EAE DM - JUSTIFICAÇÃO DOS PECADOS - 2018092A066 EAE DM - JUSTIFICAÇÃO DOS PECADOS - 2018092
A066 EAE DM - JUSTIFICAÇÃO DOS PECADOS - 2018092
 
AULA 042 EAE DM - TRIBUNAL JUDAICO - 20180805
AULA 042 EAE DM - TRIBUNAL JUDAICO - 20180805AULA 042 EAE DM - TRIBUNAL JUDAICO - 20180805
AULA 042 EAE DM - TRIBUNAL JUDAICO - 20180805
 
A075 EAE DM - PENSAMENTO E VONTADE - 20180805
A075 EAE DM - PENSAMENTO E VONTADE - 20180805A075 EAE DM - PENSAMENTO E VONTADE - 20180805
A075 EAE DM - PENSAMENTO E VONTADE - 20180805
 
AULA 17 CBE DM - A VIDA MORAL COM BASE NO EVANGELHO DE JESUS - 20180722
AULA 17 CBE DM - A VIDA MORAL COM BASE NO EVANGELHO DE JESUS - 20180722AULA 17 CBE DM - A VIDA MORAL COM BASE NO EVANGELHO DE JESUS - 20180722
AULA 17 CBE DM - A VIDA MORAL COM BASE NO EVANGELHO DE JESUS - 20180722
 
AULA 078 EAE DM - MEDICINA PSICOSSOMÁTICA - 20180727
AULA 078 EAE DM - MEDICINA PSICOSSOMÁTICA - 20180727AULA 078 EAE DM - MEDICINA PSICOSSOMÁTICA - 20180727
AULA 078 EAE DM - MEDICINA PSICOSSOMÁTICA - 20180727
 
A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606
A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606
A019 EAE DM - A FRATERNIDADE ESSÊNIA - 20180606
 
A06 CBE DM - DIFERENÇAS ENTRE ESPIRITISMO UMBANDA E RELIGIÕES AFRO - 20180318
A06 CBE DM - DIFERENÇAS ENTRE ESPIRITISMO UMBANDA E RELIGIÕES AFRO - 20180318A06 CBE DM - DIFERENÇAS ENTRE ESPIRITISMO UMBANDA E RELIGIÕES AFRO - 20180318
A06 CBE DM - DIFERENÇAS ENTRE ESPIRITISMO UMBANDA E RELIGIÕES AFRO - 20180318
 
A113 EAE DM - REGRAS DE CONDUTA 20171123
A113 EAE DM - REGRAS DE CONDUTA 20171123A113 EAE DM - REGRAS DE CONDUTA 20171123
A113 EAE DM - REGRAS DE CONDUTA 20171123
 
A12 CBE DM - AS LEIS DA REENCARNAÇÃO E DO CARMA - A EVOLUÇÃO DO ESPÍRITO - 20...
A12 CBE DM - AS LEIS DA REENCARNAÇÃO E DO CARMA - A EVOLUÇÃO DO ESPÍRITO - 20...A12 CBE DM - AS LEIS DA REENCARNAÇÃO E DO CARMA - A EVOLUÇÃO DO ESPÍRITO - 20...
A12 CBE DM - AS LEIS DA REENCARNAÇÃO E DO CARMA - A EVOLUÇÃO DO ESPÍRITO - 20...
 
A010 EAE DM - GOVERNO DOS JUÍZES, REIS ATÉ SALOMÃO 20170826
A010 EAE DM - GOVERNO DOS JUÍZES, REIS ATÉ SALOMÃO 20170826A010 EAE DM - GOVERNO DOS JUÍZES, REIS ATÉ SALOMÃO 20170826
A010 EAE DM - GOVERNO DOS JUÍZES, REIS ATÉ SALOMÃO 20170826
 
A01 CBE DM - O QUE É O ESPIRITISMO - 20170803
A01 CBE DM - O QUE É O ESPIRITISMO - 20170803A01 CBE DM - O QUE É O ESPIRITISMO - 20170803
A01 CBE DM - O QUE É O ESPIRITISMO - 20170803
 
A044 EAE DM - PARA O CALVÁRIO 20170628
A044 EAE DM - PARA O CALVÁRIO 20170628A044 EAE DM - PARA O CALVÁRIO 20170628
A044 EAE DM - PARA O CALVÁRIO 20170628
 
AULA 015 EAE DM - OS REIS MAGOS - EXÍLIO NO ESTRANGEIRO 20170621
AULA 015 EAE DM - OS REIS MAGOS - EXÍLIO NO ESTRANGEIRO 20170621AULA 015 EAE DM - OS REIS MAGOS - EXÍLIO NO ESTRANGEIRO 20170621
AULA 015 EAE DM - OS REIS MAGOS - EXÍLIO NO ESTRANGEIRO 20170621
 
A089 EAE DM - AMOR A DEUS, AO PRÓXIMO E AOS INIMIGOS 20170615
A089 EAE DM - AMOR A DEUS, AO PRÓXIMO E AOS INIMIGOS 20170615A089 EAE DM - AMOR A DEUS, AO PRÓXIMO E AOS INIMIGOS 20170615
A089 EAE DM - AMOR A DEUS, AO PRÓXIMO E AOS INIMIGOS 20170615
 
A020 EAE DM - O PRECURSOR 20170604
A020 EAE DM - O PRECURSOR 20170604A020 EAE DM - O PRECURSOR 20170604
A020 EAE DM - O PRECURSOR 20170604
 
A086 EAE DM - O PLANO DIVINO - A LEI DA EVOLUÇÃO 20170525
A086 EAE DM - O PLANO DIVINO - A LEI DA EVOLUÇÃO 20170525A086 EAE DM - O PLANO DIVINO - A LEI DA EVOLUÇÃO 20170525
A086 EAE DM - O PLANO DIVINO - A LEI DA EVOLUÇÃO 20170525
 

Último

Último (7)

Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
Coletânea De Orações Cristãs Parte 2
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
 
pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptx
pregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptxpregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptx
pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptx
 

A035 EAE DM - PARÁBOLAS III - VIDA RURAL 20180927

  • 1. PARÁBOLAS III (VIDA RURAL) EAE A035 ESCOLADEAPRENDIZESDOEVANGELHO São José dos Campos, SP – 27 de setembro de 2018 – Daniel de Melo
  • 3.
  • 4. PARÁBOLAS III (VIDA RURAL) AULA 035 (O REDENTOR CAP. 34) O semeador − Mateus 13: 1-23 / Marcos 4:1-20 / Lucas 8:4-15 O trigo e o joio − Mateus 13:24-30 O grão de mostarda − Mateus 13:31-32 A figueira estéril − Lucas 13:6-9 Obreiros da vinha − Mateus 20: 1-16 Lavradores maus − Mateus 21: 33-41 / Marcos 12: 1-12 A ovelha desgarrada − Lucas 15: 3-7 A figueira que secou − Mateus 21: 18-22 / Marcos 11: 12-14 A semente que brota − Marcos 4: 26-29 O bom pastor − João 10: 1-16
  • 6. Jesus usava de um método para falar das coisas do mundo espiritual e das qualidades morais sem ter que explicar a filosofia e a ciência que só seriam conhecidas pelos encarnados quase dois milênios depois, através das revelações do Consolador Prometido
  • 7. Ele fez o uso das Parábolas, também utilizadas por profetas e sacerdotes em outros momentos para criar o ambiente propício ao entendimento da Leis Universais.
  • 9. “ ” O Semeador (Mt 13.1-9; Mc 4.1-9; Lc 8.4-8) 3Jesus usou parábolas para ensinar muitas coisas. Ele disse: — Escutem! Certo homem saiu para semear. 4Quando estava espalhando as sementes, algumas caíram na beira do caminho, e os passarinhos comeram tudo. 5Outra parte das sementes caiu num lugar onde havia muitas pedras e pouca terra.
  • 10. “ ” O Semeador (Mt 13.1-9; Mc 4.1-9; Lc 8.4-8) As sementes brotaram logo porque a terra não era funda. 6Mas, quando o sol apareceu, queimou as plantas, e elas secaram porque não tinham raízes. 7Outras sementes caíram no meio de espinhos, que cresceram e sufocaram as plantas. 8Mas as sementes que caíram em terra boa produziram na base de cem, de sessenta e de trinta grãos por um.
  • 11. “ ” O Semeador (Mt 13.1-9; Mc 4.1-9; Lc 8.4-8) 9E Jesus terminou, dizendo: — Se vocês têm ouvidos para ouvir, então ouçam.
  • 12. “ ” O Joio (Mt 13.24-30) 24Jesus contou outra parábola. Ele disse ao povo: — O Reino do Céu é como um homem que semeou sementes boas nas suas terras. 25Certa noite, quando todos estavam dormindo, veio um inimigo, semeou no meio do trigo uma erva ruim, chamada joio, e depois foi embora. 26Quando as plantas cresceram, e se formaram as espigas, o joio apareceu. 27Aí os empregados do dono das terras chegaram e disseram: “Patrão, o senhor semeou sementes boas nas suas terras. De onde será que veio este joio?”
  • 13. “ ” O Joio (Mt 13.24-30) 28 — “Foi algum inimigo que fez isso!”, respondeu ele. — E eles perguntaram: “O senhor quer que a gente arranque o joio?” 29 — “Não”, respondeu ele, “porque, quando vocês forem tirar o joio, poderão arrancar também o trigo. 30Deixem o trigo e o joio crescerem juntos até o tempo da colheita. Então eu direi aos trabalhadores que vão fazer a colheita: ‘Arranquem primeiro o joio e amarrem em feixes para ser queimado. Depois colham o trigo e ponham no meu depósito.’ ”
  • 14. “ ” A semente de mostarda (Mt 13.31-32) 31Jesus contou outra parábola. Ele disse ao povo: — O Reino do Céu é como uma semente de mostarda, que um homem pega e semeia na sua terra. 32Ela é a menor de todas as sementes; mas, quando cresce, torna-se a maior de todas as plantas. Ela até chega a ser uma árvore, de modo que os passarinhos vêm e fazem ninhos nos seus ramos.
  • 15. “ ” A figueira sem figos (Lc 13.6-9) 6Então Jesus contou esta parábola: — Certo homem tinha uma figueira na sua plantação de uvas. E, quando foi procurar figos, não encontrou nenhum. 7Aí disse ao homem que tomava conta da plantação: “Olhe! Já faz três anos seguidos que venho buscar figos nesta figueira e não encontro nenhum. Corte esta figueira! Por que deixá-la continuar tirando a força da terra sem produzir nada?” 8Mas o empregado respondeu: “Patrão, deixe a figueira ficar mais este ano. Eu vou afofar a terra em volta dela e pôr bastante adubo. 9Se no ano que vem ela der figos, muito bem. Se não der, então mande cortá-la.”
  • 16. “ ” Os trabalhadores da plantação de uvas (Mt 20.1-16) 1Jesus disse: — O Reino do Céu é como o dono de uma plantação de uvas que saiu de manhã bem cedo para contratar trabalhadores para a sua plantação. 2Ele combinou com eles o salário de costume, isto é, uma moeda de prata por dia, e mandou que fossem trabalhar na sua plantação. 3Às nove horas, saiu outra vez, foi até a praça do mercado e viu ali alguns homens que não estavam fazendo nada. 4Então disse: “Vão vocês também trabalhar na minha plantação de uvas, e eu pagarei o que for justo.”
  • 17. “ ” Os trabalhadores da plantação de uvas (Mt 20.1-16) 5 — E eles foram. Ao meio-dia e às três horas da tarde o dono da plantação fez a mesma coisa com outros trabalhadores. 6Eram quase cinco horas da tarde quando ele voltou à praça. Viu outros homens que ainda estavam ali e perguntou: “Por que vocês estão o dia todo aqui sem fazer nada?”
  • 18. “ ” Os trabalhadores da plantação de uvas (Mt 20.1-16) 7 — “É porque ninguém nos contratou!” — responderam eles. — Então ele disse: “Vão vocês também trabalhar na minha plantação.” 8 — No fim do dia, ele disse ao administrador: “Chame os trabalhadores e faça o pagamento, começando com os que foram contratados por último e terminando pelos primeiros.”
  • 19. “ ” Os trabalhadores da plantação de uvas (Mt 20.1-16) 9 — Os homens que começaram a trabalhar às cinco horas da tarde receberam uma moeda de prata cada um. 10Então os primeiros que tinham sido contratados pensaram que iam receber mais; porém eles também receberam uma moeda de prata cada um. 11Pegaram o dinheiro e começaram a resmungar contra o patrão, 12dizendo: “Estes homens que foram contratados por último trabalharam somente uma hora, mas nós aguentamos o dia todo debaixo deste sol quente. No entanto, o pagamento deles foi igual ao nosso!”
  • 20. “ ” Os trabalhadores da plantação de uvas (Mt 20.1-16) 13 — Aí o dono disse a um deles: “Escute, amigo! Eu não fui injusto com você. Você não concordou em trabalhar o dia todo por uma moeda de prata? 14Pegue o seu pagamento e vá embora. Pois eu quero dar a este homem, que foi contratado por último, o mesmo que dei a você. 15Por acaso não tenho o direito de fazer o que quero com o meu próprio dinheiro? Ou você está com inveja somente porque fui bom para ele?” 16E Jesus terminou, dizendo: — Assim, aqueles que são os primeiros serão os últimos, e os últimos serão os primeiros.
  • 21. “ ” Os lavradores maus (Mt 21.33-41; Mc 12.1-12; Lc 20.9-19) 33Jesus disse: — Escutem outra parábola: certo agricultor fez uma plantação de uvas e pôs uma cerca em volta dela. Construiu um tanque para pisar as uvas e fazer vinho e construiu uma torre para o vigia. Em seguida, arrendou a plantação para alguns lavradores e foi viajar. 34Quando chegou o tempo da colheita, o dono mandou alguns empregados a fim de receber a parte dele. 35Mas os lavradores agarraram os empregados, bateram num, assassinaram outro e mataram ainda outro a pedradas.
  • 22. “ ” Os lavradores maus (Mt 21.33-41; Mc 12.1-12; Lc 20.9-19) 36Aí o dono mandou mais empregados do que da primeira vez. E os lavradores fizeram a mesma coisa. 37Depois de tudo isso, ele mandou o seu próprio filho, pensando: “O meu filho eles vão respeitar.” 38Mas, quando os lavradores viram o filho, disseram uns aos outros: “Este é o filho do dono; ele vai herdar a plantação. Vamos matá-lo, e a plantação será nossa.”
  • 23. “ ” Os lavradores maus (Mt 21.33-41; Mc 12.1-12; Lc 20.9-19) 39 — Então agarraram o filho, e o jogaram para fora da plantação, e o mataram. 40Aí Jesus perguntou: — E agora, quando o dono da plantação voltar, o que é que ele vai fazer com aqueles lavradores? 41Eles responderam: — Com certeza ele vai matar aqueles lavradores maus e vai arrendar a plantação a outros. E estes lhe darão a parte da colheita no tempo certo.
  • 24. “ ” A ovelha perdida (Lc 15.3-7; Mt 18.10-14) 3Então Jesus contou esta parábola: 4 — Se algum de vocês tem cem ovelhas e perde uma, por acaso não vai procurá-la? Assim, deixa no campo as outras noventa e nove e vai procurar a ovelha perdida até achá-la. 5Quando a encontra, fica muito contente e volta com ela nos ombros. 6Chegando à sua casa, chama os amigos e vizinhos e diz: “Alegrem-se comigo porque achei a minha ovelha perdida.” 7 — Pois eu lhes digo que assim também vai haver mais alegria no céu por um pecador que se arrepende dos seus pecados do que por noventa e nove pessoas boas que não precisam se arrepender.
  • 25. “ ” Jesus e a figueira (Mt 21.18-22; Mc 11.12-14, 20-25) 18No dia seguinte, quando estava voltando para a cidade, Jesus teve fome. 19Ele viu uma figueira na beira da estrada e foi até lá, mas não encontrou nada; só folhas. Aí disse para a figueira: — Nunca mais dê figos! E na mesma hora a figueira secou. 20Os discípulos viram isso, ficaram muito admirados e disseram: — Como a figueira secou depressa!
  • 26. “ ” Jesus e a figueira (Mt 21.18-22; Mc 11.12-14, 20-25) 21Então Jesus disse: — Eu afirmo a vocês que isto é verdade: se tiverem fé e não duvidarem, vocês poderão fazer a mesma coisa que eu fiz com esta figueira. E não somente isso, mas vocês poderão dizer a este monte: “Levante-se e jogue-se no mar”, e isso acontecerá. 22Se crerem, receberão tudo o que pedirem em oração.
  • 27. “ ” A semente (Mc 4.26-29) 26Jesus disse: — O Reino de Deus é como um homem que joga a semente na terra. 27Quer ele esteja acordado, quer esteja dormindo, ela brota e cresce, sem ele saber como isso acontece. 28É a própria terra que dá o seu fruto: primeiro aparece a planta, depois a espiga, e, mais tarde, os grãos que enchem a espiga. 29Quando as espigas ficam maduras, o homem começa a cortá-las com a foice, pois chegou o tempo da colheita.
  • 28. “ ” Jesus, o bom pastor (Jo 10.1-16) 1Jesus disse: — Eu afirmo a vocês que isto é verdade: quem não entra no curral das ovelhas pela porta, mas pula o muro é um ladrão e bandido. 2Mas quem entra pela porta é o pastor do rebanho. 3O porteiro abre a porta para ele. As ovelhas reconhecem a sua voz quando ele as chama pelo nome, e ele as leva para fora do curral. 4Quando todas estão do lado de fora, ele vai na frente delas, e elas o seguem porque conhecem a voz dele. 5Mas de jeito nenhum seguirão um estranho! Pelo contrário, elas fugirão, pois não conhecem a voz de estranhos.
  • 29. “ ” Jesus, o bom pastor (Jo 10.1-16) 6Jesus fez esta comparação, mas ninguém entendeu o que ele queria dizer. J
  • 30. “ ” Jesus, o bom pastor (Jo 10.1-16) 7Então Jesus continuou: — Eu afirmo a vocês que isto é verdade: eu sou a porta por onde as ovelhas passam. 8Todos os que vieram antes de mim são ladrões e bandidos, mas as ovelhas não deram atenção à voz deles. 9Eu sou a porta. Quem entrar por mim será salvo; poderá entrar e sair e achará comida. 10O ladrão só vem para roubar, matar e destruir; mas eu vim para que as ovelhas tenham vida, a vida completa. J
  • 31. “ ” Jesus, o bom pastor (Jo 10.1-16) 11 — Eu sou o bom pastor; o bom pastor dá a vida pelas ovelhas. 12Um empregado trabalha somente por dinheiro; ele não é pastor, e as ovelhas não são dele. Por isso, quando vê um lobo chegando, ele abandona as ovelhas e foge. Então o lobo ataca e espalha as ovelhas. 13O empregado foge porque trabalha somente por dinheiro e não se importa com as ovelhas. 14-15Eu sou o bom pastor. Assim como o Pai me conhece, e eu conheço o Pai, assim também conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem. E estou pronto para morrer por elas. 16Tenho outras ovelhas que não estão neste curral. Eu preciso trazer essas também, e elas ouvirão a minha voz. Então elas se tornarão um só rebanho com um só pastor. J
  • 33. Cabe a cada Ser estudar, interpretar e divulgar as palavras do Cristo, mas principalmente, aprender como vivenciá-las.
  • 35. Bibliografia • O Redentor, Edgard Armond - Aliança, 2010. • Sabedoria das Parábolas, Huberto Rohden - Martin Claret, 2016. • Bíblia Sagrada (NTLH/ARC 2), acessível em: https://www.bible.com/pt/bible/. • O Evangelho por Emmanuel, Comentários ao Evangelho Segundo Mateus - FEB, 2015. • O Evangelho por Emmanuel, Comentários ao Evangelho Segundo Marcos - FEB, 2014. • Ilustrações diversas do Google Imagens, acessível em: http://www.google.com/imghp?hl=pt-BR/.
  • 36. Citações e Referências a esta aula Caro Expositor/Dirigente, Este material é livre para utilização, mas não deixe de citar a fonte nas suas referências: REFERÊNCIAS ESPÍRITO ONLINE. Aula 035 da Escola de Aprendizes do Evangelho. Disponível em: https://www.espirito.online/aulas/eae035. Acesso em: 26 jun. 2020.