SlideShare uma empresa Scribd logo
O MERCADO DA CARNE BOVINA NO BRASIL
The market of the Brazilian cattle flesh
Felipe Pohl Souza
MédicoVeterinário,MestreemCiênciasVeterinárias,ProfessoradjuntoIdaPontifíciaUniversidadeCatólicadoParaná,Curitiba,
PR - Brasil, e-mail: felipe.pohl@pucpr.br
Resumo
O presente tema objetiva dar uma visão do mercado da carne no Brasil, estabelecendo algumas relações com
o mercado externo desta commodity. Coloca-se em evidência a evolução das exportações brasileiras de carne
bovina para o mundo globalizado, tomando-se como base a produção de carne com baixos custos. Alguns
obstáculos, contudo são destacados, contracenando-se a aquilo que poderia parecer uma situação tranquila à
exportação. A sanidade destaca-se como um dos grandes entraves. Contudo, os países compradores exigem
um sério processo da rastreabilidade além da exigência da qualidade do produto adquirido. Além desses
aspectos, alguns países fazem várias exigências em função da não agressão ao meio ambiente, referindo-se
principalmenteàFlorestaAmazônica.OBrasiltemenfrentadoduraconcorrênciadeoutrospaísesexportadores,
os quais podem produzir carne a um baixo custo, destacando a Índia e os países do leste europeu, que estão
se organizando e têm a vantagem da proximidade do mercado consumidor. Contudo, o Brasil permanece
como um grande potencial para os negócios com a carne bovina. Exige-se dos produtores dessa commodity
uma exemplar organização, de modo a equacionar as questões sanitárias, ambientais e estratégicas.
Palavras-chave: Carne bovina; Mercado; Brasil; Exportação.
Abstract
The aim this review is to give an overall view about the market-flesh in Brazil and in the world.
An economic analysis about the Brazilian flesh-exportation and evolution is done. Several
problems are explained. The health condition is the major commercial difficulty. The rastreability
and the quality of the Brazilian flesh are required too, besides of no-aggression against the
environment, mainly with respect to the Amazon Forest. Brazil had a hard concurrence from
other countries, mainly India and the East European Countries. However Brazil remains with a
great potential to the flesh business in the world. This depends mainly of the union of Brazilian
flesh producers, to improve the questions like sanitary aspect, environment and other strategies.
Keywords: Bovine flesh; Market; Brazil; Exportation.
Rev. Acad., Ciênc. Agrár. Ambient., Curitiba, v. 6, n. 3, p. 427-434, jul./set. 2008
428
INTRODUÇÃO
No final do século XVIII, a carne bovina e o couro eram importantes produtos de exportação,
sendo responsáveis pelo grande desenvolvimento do Rio Grande do Sul, que abastecia o Sudeste e o
Nordeste brasileiro, e também alguns países da América Central. No ano de 1797, a capitania do Rio
Grande do Sul, já exportava 13 mil arrobas de charque (BRASIL ESCOLA, 2007)
Três séculos depois, a pecuária nacional vive novo ciclo da carne bovina, principalmente
com a conquista do mercado internacional, tornando o Brasil o maior exportador do mundo. Essa
participação no mercado internacional teve início em 2001, sendo que em 2003 o valor das exportações
ultrapassou a casa do bilhão de dólares com mais de um milhão de toneladas do produto sendo
exportada, conforme se pode observar na Figura 1.
SOUZA, F. P.
Rev. Acad., Ciênc. Agrár. Ambient., Curitiba, v. 6, n. 3, p. 427-434, jul./set. 2008
Esse aumento expressivo deveu-se a problemas dos tradicionais fornecedores internacionais.
Na Figura 2 pode-se observar os principais exportadores no ano de 2000 e 2005, verificando-se o
incremento da participação do Brasil, ao duplicar suas exportações em cinco anos; pode-se ainda observar
a significativa retração dos Estados Unidos e da Comunidade Europeia, que na figura aparece como outros.
FIGURA 1 - Evolução das exportações brasileiras de carne de 1995 a 2007
Figure 1 - Evolution of the Brazilian cattle flesh export from 1995 to 2007
*2007 até setembro
Fonte: ABIEC, 2007.
429
A diminuição da participação americana deveu-se aos casos de encefalopatia espongiforme
bovina - EEB (vaca louca), diagnosticados em 2003 e 2005, enquanto a Argentina e a Inglaterra tiveram
problemas com febre aftosa.
Esses eventos sanitários, mais o aumento da demanda mundial, pela elevação da renda nos
países emergentes, colocaram o Brasil na posição que ocupa hoje. O Brasil não estava plenamente
preparado para esse aumento, mas a indústria da carne conseguiu rapidamente adequar-se aos novos
tempos e vem ocupando todos os espaços possíveis no mercado mundial. Por outro lado, os produtores
ainda estão se adaptando aos novos tempos.
Atualmente, o Brasil exporta para mais de 150 países, mas não atingiu os compradores mais
exigentes e, consequentemente, os que melhor remuneram o produto, como é o caso do Japão e da Coreia,
são atendidos pela Austrália e Nova Zelândia, países tradicionais pela excelência do produto (ABIEC, 2007).
A indústria frigorífica brasileira tem tratado a carne bovina como uma “commodity”, onde o
importante é o volume de venda com preço baixo e margem pequena de lucro. Essa posição está
mudando o cenário da pecuária nacional, que está se adaptando a essa nova realidade. Um exemplo disso
são os grandes projetos de confinamento que estão surgindo no Centro-Oeste brasileiro.
A derrubada das altas taxas inflacionárias impostas pelo “Plano Real”, a partir de 1994, deu
início às grandes modificações no setor primário brasileiro, particularmente na atividade pecuária, que
por muito tempo obteve seus lucros pela elevada desvalorização da moeda. Esse novo momento exigiu
que as propriedades rurais se tornassem empresas eficientes, o que fez com que os índices produtivos
se elevassem consideravelmente. Não se pode perder de vista que, mesmo as pequenas modificações em
índices produtivos, representam um acréscimo considerável de animais e carne no mercado, em
consequência do tamanho do rebanho brasileiro. Felizmente para os produtores, esse aumento de
produção coincidiu com o aumento das exportações, que hoje são responsáveis pelo consumo de
aproximadamente 25% da produção nacional. Isso demonstra a importância dos negócios internacionais
para a manutenção dos preços do boi e da carne no Brasil, pois, se este volume, que hoje é exportado,
ficasse no mercado interno ter-se-ia uma queda significativa dos preços, pelo excesso de oferta,
O mercado da carne bovina no Brasil
Rev. Acad., Ciênc. Agrár. Ambient., Curitiba, v. 6, n. 3, p. 427-434, jul./set. 2008
FIGURA 2 - Retração das exportações americanas e europeias em função da encefalopatia espongiforme bovina -
EEB (vaca louca) e febre aftosa, respectivamente, diagnosticados em 2003 e 2005
Figure 2 - American and European exports retraction due to encephalopathy spongiform bovine and aftosa fever respectively, in 2003
and 2005
Fonte: ABIEC, 2007.
430
considerando que a população não tem renda para aumentar o consumo, muito além dos atuais 36 quilos
“per capita”. Portanto, a participação do Brasil no mercado internacional é vital para que a pecuária
continue sendo uma atividade viável.
O cenário internacional é propício para a pecuária brasileira, principalmente no que diz
respeito às demandas internacionais. A entrada de novos consumidores como a Rússia e a China, assim
como melhoria da economia de países emergentes da África e Ásia, determinaram maior demanda por
carne bovina, demanda esta que está sendo atendida principalmente com a carne brasileira. Outra
vantagem do Brasil é o enorme potencial de aumento de produtividade, seja pela melhoria da eficiência
das áreas de pastagem já existentes ou pela abertura de novas áreas, algo em torno de 330 milhões de
hectares, segundo dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, 2007.
Observando-se apenas esses aspectos, tem-se a impressão de que o Brasil se apresenta
atualmente com os mercados garantidos, mas a situação não é tão tranquila, pois alguns aspectos
importantes devem ser considerados:
Sanidade. Esse talvez seja o maior entrave da pecuária brasileira, pois, apesar de alguns
avanços, não se conseguiu ainda controlar de maneira eficiente a Febre Aftosa, doença que caracteriza
subdesenvolvimento brasileiro nos aspectos de saúde animal. O programa de erradicação dessa doença
no cone sul está saindo do papel, depois dos últimos focos no Mato Grosso do Sul e no Paraná. O Brasil
terá que tomar a frente e provavelmente arcar com os maiores custos desse processo, pois é aqui que
está o maior rebanho comercial do mundo e, também, as maiores perspectivas de lucro com a atividade
pecuária. Não se pode esperar que países com rebanhos muito menores tomem essa iniciativa.
Outro entrave é a morosidade com que o Programa Nacional de Controle e Erradicação de
Brucelose e Tuberculose – PNCEBT, 2007, do MAPA, está sendo implantado. Certamente, depois da
febre aftosa, essas duas enfermidades serão as próximas exigências dos compradores internacionais,
principalmente da Comunidade Europeia (CE). Esse programa foi um grande avanço nas relações entre
iniciativa privada e os órgãos oficiais, permitindo uma divisão de responsabilidades, deixando a
execução por conta dos veterinários privados e a regulamentação e fiscalização por conta dos
veterinários oficiais. Mas, apesar dessa nova perspectiva, o programa não conseguiu a adesão nem dos
produtores nem dos médicos veterinários, o que é lamentável.
Esses são apenas alguns exemplos das dificuldades que ainda se tem para contornar os
aspectos sanitários, para se poder garantir produtos seguros para nossos clientes e se conseguir
conquistar mercados mais exigentes e melhores pagadores.
Rastreabilidade. Depois da ocorrência dos casos de vaca louca na Inglaterra e sua provável
relação com a Doença de Creutzfeld-Jakob Variante, que foi responsável por aproximadamente 150
óbitos humanos, principalmente na Europa, uma preocupação surgiu, a de que é necessário rastrear os
animais e os produtos para poder controlar e prevenir problemas como esse. Assim, o Regulamento (CE)
1760/2000 lançou as bases para o sistema de rastreabilidade e rotulagem de carne na União Europeia,
que obrigou a todos os Estados Membros da CE a criarem seus sistemas de identificação e registro de
bovinos. Os negócios internacionais são arbitrados pela Organização Internacional do Comércio –
OMC, permitindo que um país exija de seus fornecedores os mesmos padrões que adota internamente
(conhecido como reciprocidade); sendo assim, o Brasil foi obrigado a implantar em 2002 o seu programa
de rastreabilidade, para que pudesse continuar exportando para os Países membros da CE. O SISBOV
(Serviço de Rastreabilidade da Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos) foi implantado pela Instrução
Normativa (IN) nº 1 de 9 de janeiro de 2002, estabelecendo uma meta extremamente ousada, qual seja,
todo o rebanho nacional rastreado até 2007. Essa IN foi revogada pela IN nº 1 de 21 de janeiro de 2005,
pela impossibilidade de cumprimento e pelas dificuldades encontradas. Mas a meta inicial provavelmente
foi uma das causas do fracasso do SISBOV. Uma nova IN, nº 17 de 13 de julho de 2006 fez mais algumas
modificações, mas, ainda assim, o sistema mostrou-se falho e não foi assimilado pelos pecuaristas e
técnicos. O sistema só funcionará quando os produtores compreenderem que a rastreabilidade é um
importante instrumento gerencial e, portanto, deve ser feito em todos os animais desde o nascimento
SOUZA, F. P.
Rev. Acad., Ciênc. Agrár. Ambient., Curitiba, v. 6, n. 3, p. 427-434, jul./set. 2008
431
até o abate. O gerenciamento das informações será um grande instrumento de avaliação de rebanhos e
propriedades. Nosso sistema de rastreabilidade tem sido questionado, particularmente pelos pecuaristas
irlandeses, que são os mais prejudicados pela concorrência da carne brasileira. Uma missão não oficial
da CE, realizada no primeiro semestre de 2007, levantou uma série de falhas, principalmente no controle
do transporte de animais. Essas falhas foram comprovadas por uma missão de técnicos da CE, em
novembro de 2007. Esses problemas culminaram com a “crise” no início de 2008, onde o CE exigiu do
MAPA, uma relação de 300 propriedades aptas a exportar, que depois de muitas idas e vindas ficou
restrita a 86 fazendas. Essa situação demonstra a importância da adoção de um programa sério e
eficiente de rastreabilidade brasileira (MUSTEFAGA, 2006).
Qualidade de produto. Esse é um item bastante polêmico, mas as exportações brasileiras não
atingiram os países mais exigentes e ainda não se conseguiu atingir o chamado HORECA (hotéis, restaurantes
e cantinas), dentro da Europa. Esse segmento de mercado, que paga preços mais elevados, exige qualidade
de produto, sendo a Argentina o grande fornecedor desse segmento na América do Sul. Portanto, tem-se ainda
um grande trabalho para se poder colocar a carne brasileira nesses seletos nichos de mercado.
Integração da Cadeia. Um dos grandes problemas da bovinocultura de corte brasileira é que
não há uma relação de confiança entre as partes, principalmente entre os pecuaristas e a indústria. Essa
falta de confiança não permite o estabelecimento de compromissos com qualidade, volume e constância
do produto, que é fundamental, principalmente para fidelização de clientes e criação de marcas.
Valor de venda. O Brasil se tornou o maior exportador de carne bovina do mundo, porque
tem um produto barato e este é o grande trunfo dos exportadores para conquista de novos mercados,
tornando-se uma “commodity”, o que fez com que alguns grupos de frigoríficos se tornassem verdadeiros
conglomerados, sendo muitos já com atuação internacional. Isso dificulta ainda mais a relação entre as
grandes indústrias e os produtores, exigindo cada vez mais que se busque produzir grandes volumes a
custos baixos, com uma lucratividade por cabeça cada vez menor. A Figura 3 mostra a evolução dos
preços desde a década de 70, onde se pode entender a correlação entre o aumento de produção e a
redução dos valores da arroba.
FIGURA 3 - Evolução de preços por arroba 1970 a 2006, deflacionados
pelo IGP-DI (FGV)
Figure 3 - Prices evolution from 1970 to 2006, deflation made by IGP-DI (FGV)
Fonte: VILA et al., 2007.
O mercado da carne bovina no Brasil
Rev. Acad., Ciênc. Agrár. Ambient., Curitiba, v. 6, n. 3, p. 427-434, jul./set. 2008
432
Meio ambiente. Esse é outro assunto bastante polêmico, pois o Brasil tem sido
sistematicamente acusado, particularmente pelos irlandeses, de produzir carne às custas da destruição
da floresta amazônica e, consequentemente, de ser responsável pelas queimadas e, por extensão, pelo
efeito estufa. Infelizmente essa afirmação não é incorreta pois, com a diminuição do resultado financeiro
por cabeça, há a necessidade de volumes cada vez maiores, determinando a abertura de novas fronteiras
pecuárias. Sendo economicamente inviável utilizar-se de terras de agricultura para a pecuária, novas
áreas estão sendo abertas na região Norte, para o estabelecimento de projetos economicamente
sustentáveis. Portanto, esse é um ponto que deve ser observado e discutido. Talvez haja a necessidade
de se impor um limite na ocupação da Amazônia e exigir das propriedades certificação de responsabilidade
ambiental. Deve-se igualmente trabalhar na recuperação das áreas degradadas, aumentando seu
potencial de produção e diminuindo a necessidade de desmatamento. Outro ponto importante é mostrar
que boa parte da produção de carne bovina brasileira é realizada em propriedades, que estão se
adequando às obrigações ambientais, ou seja, mantendo as áreas de reserva legal, o que tem resultado
em avanços significativos na preservação da biodiversidade.
Volume de produção. O Brasil está produzindo cada vez mais animais e, consequentemente,
mais carne, acreditando que os mercados são infinitos, mas que talvez seja hora de uma boa avaliação
do potencial dos mercados interno e internacional, para que um planejamento de crescimento controlado
possa garantir preços razoáveis, tanto para os pecuaristas como para as indústrias, pois, como já foi
comentado, existe dependência do mercado internacional e quanto mais for produzido, maior o risco de
uma quebra de preços. A Figura 4 mostra o aumento vertiginoso da produção, que caso assim continue,
pode não ter para onde ser escoada.
FIGURA 4 - Abates bovinos em milhões de cabeça
Figure 4 - Bovine slaughter (million)
Fonte: Scot Consultoria 2007.
SOUZA, F. P.
Rev. Acad., Ciênc. Agrár. Ambient., Curitiba, v. 6, n. 3, p. 427-434, jul./set. 2008
433
Concorrência. O Brasil tem uma situação realmente privilegiada no que diz respeito ao
potencial e custos de produção, mas que não se pode imaginar que outros países não queiram participar
deste mercado. Não são com os produtores tradicionais, com os quais deve haver a preocupação
(Austrália, Nova Zelândia e Argentina), mesmo porque por hora não se tem colocado em risco as
posições desses países, pois eles atuam em mercados inacessíveis para a carne brasileira. A preocupação
procede dos países que possuem grandes rebanhos e potencial de produzir a custo baixo como a Índia,
que nos últimos cinco anos teve um aumento de aproximadamente 80% no volume de exportação,
ficando atrás apenas do Brasil e do Uruguai, conforme a Tabela 1. O produto indiano é de baixa
qualidade, mas de custos pouco elevados, e que, portanto, é uma ameaça para a “commodity” carne
bovina brasileira. Outra preocupação deve existir com os países do leste europeu, que estão se
organizando para atender aos países da CE e tem a vantagem da proximidade.
TABELA 1 - Exportações mundiais de carne bovina (em mil toneladas equivalente carcaça)
Table 1 - World exports of bovine flesh (in thousands tons carcass)
País 2002 2003 2004 2005 2006* 2007** Var. (2006/2002)
Brasil¹ 1.006 1.301 1.854 2.198 2.200 2.420 118,69%
Austrália 1.366 1.264 1.394 1.413 1.420 1.495 3,95%
Índia² 417 439 499 627 750 800 79,86%
Estados Unidos 1.100 1.142 209 317 523 680 -52,88%
Argentina 348 386 623 762 500 600 43,68%
Nova Zelândia 486 558 606 589 540 570 11,11%
Uruguai 262 325 410 487 510 520 94,66%
Canadá 609 383 557 551 455 440 -25,29%
União Européia³ 485 388 358 255 200 200 -58,76%
Outros países 310 279 212 224 153 164 -50,65%
TOTAL 6.399 6.465 6.722 7.423 7.251 7.889 13,31%
FONTE: USADA, (2006);
¹Fórum Nacional Permanente de Pecuária de Corte;
²Inclui búfalo;
³U.E – 25.
Previsão. Bem-Estar Animal. Esse é outro aspecto que vem criando barreiras aos produtos
de origem animal, tornando os consumidores mais exigentes.
Pelo exposto, pode-se perceber que há um significativo potencial para os negócios da carne
bovina no Brasil. Há igualmente muito a ser feito, para que a cadeia produtiva da carne bovina funcione
de maneira eficiente e justa em todos os níveis. Provavelmente o ponto mais importante nesse contexto
todo, seja a tomada de consciência brasileira dos pecuaristas, onde a exportação destaque-se como um
ponto fundamental, para que haja a estabilidade da cadeia da carne bovina, objetivando o atendimento
às exigências dos compradores. Isso se caracteriza como uma obrigação de todos os envolvidos. Se isso
for compreendido as questões sanitárias, ambientais, estratégicas e de segurança alimentar, certamente
serão equacionadas de maneira eficiente e todos se beneficiarão disso, tornando a carne bovina brasileira
um produto, saudável, seguro e social e ambientalmente corretos.
O mercado da carne bovina no Brasil
Rev. Acad., Ciênc. Agrár. Ambient., Curitiba, v. 6, n. 3, p. 427-434, jul./set. 2008
434
REFERÊNCIAS
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNE – ABIEC.
Evolução da exportação de carne pelo Brasil, 2007. Disponível em: <http://www.abiec.com.br/
estatisticas_relatorios.asp>. Acesso em: 10 out. 2007.
BRASIL ESCOLA » HISTÓRIA DO BRASIL » BRASIL REGIONAL. Charqueadas. Disponível
em: <http://www.brasilescola.com/historiab/charqueadas.htm>. Acesso em: 12 dez. 2007.
MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO – MAPA. Cenário
internacional para a pecuária brasileira, 2007. Disponível em: <www.agricultura.gov.br>. Acesso
em: 10 nov. 2007.
MUSTEFAGA, P. S. Princípios da rastreabilidade na produção animal. Nota Técnica n. 5 – CNA.
Brasília, 3 abr. 2006. Disponível em: <www.cna.org.br/site/down_anexo.php?q=E15_14776NT+5.pdf>.
acesso em: 12 dez. 2007.
PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA BRUCELOSE E DA
TUBERCULOSE ANIMAL – PNCEBT. Disponível em: <http://www.agricultura.gov.br>. Acesso
em 15 out. 2007.
SCOT CONSULTORIA. Pecuária de Corte, 2007. Disponível em: <www.scotconsultoria.com.br>.
Acesso em: 05 nov. 2007.
VILA, F.; YASSU, F.; FRANCO, M. Drible no arrocho. DBO, ano 26, n. 324, p. 48-58, 2007.
Recebido: 06/05/2008
Received: 05/06/2008
Aprovado: 14/05/2008
Approved: 05/14/2008
SOUZA, F. P.
Rev. Acad., Ciênc. Agrár. Ambient., Curitiba, v. 6, n. 3, p. 427-434, jul./set. 2008

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
Revista Cafeicultura
 
Clipping cnc 09042018
Clipping cnc 09042018Clipping cnc 09042018
Clipping cnc 09042018
Paulo André Colucci Kawasaki
 
MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026
MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026
MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026
Rural Pecuária
 
Agroneg ov nutrir
Agroneg ov nutrirAgroneg ov nutrir
Agroneg ov nutrirWallaceZOO
 
Clipping cnc 16062015 versão de impressão
Clipping cnc 16062015   versão de impressãoClipping cnc 16062015   versão de impressão
Clipping cnc 16062015 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025
Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025
Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025
Rural Pecuária
 
Tabelas brasileiras para aves e suínos
Tabelas brasileiras para aves e suínosTabelas brasileiras para aves e suínos
Tabelas brasileiras para aves e suínos
milenawolff
 
Brasil vai bater recorde de exportação de grãos em 2016 motomco group
Brasil vai bater recorde de exportação de grãos em 2016   motomco groupBrasil vai bater recorde de exportação de grãos em 2016   motomco group
Brasil vai bater recorde de exportação de grãos em 2016 motomco group
Diego de almeida Mota
 
Clipping cnc 22012018 versão de impressão
Clipping cnc 22012018   versão de impressãoClipping cnc 22012018   versão de impressão
Clipping cnc 22012018 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Covid-19: veja o relatório atualizado de impactos no agronegócio da consultor...
Covid-19: veja o relatório atualizado de impactos no agronegócio da consultor...Covid-19: veja o relatório atualizado de impactos no agronegócio da consultor...
Covid-19: veja o relatório atualizado de impactos no agronegócio da consultor...
José Florentino
 
A produção de carnes de aves em 2021
A produção de carnes de aves em 2021A produção de carnes de aves em 2021
A produção de carnes de aves em 2021Osler Desouzart
 
eco aula 3 - TEORIA DA DEMANDA DO CONSUMIDOR E FUNCIONAMENTO DE MERCADO
eco aula 3 - TEORIA DA DEMANDA DO CONSUMIDOR E FUNCIONAMENTO DE MERCADOeco aula 3 - TEORIA DA DEMANDA DO CONSUMIDOR E FUNCIONAMENTO DE MERCADO
eco aula 3 - TEORIA DA DEMANDA DO CONSUMIDOR E FUNCIONAMENTO DE MERCADO
Carol Castro
 
Indicadores Econômicos do Agronegócio (02/2016)
Indicadores Econômicos do Agronegócio (02/2016)Indicadores Econômicos do Agronegócio (02/2016)
Indicadores Econômicos do Agronegócio (02/2016)
Fundação de Economia e Estatística
 
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundoPanorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Marília Gomes
 
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 3º Levantamento - Setembro 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 3º Levantamento - Setembro 2018Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 3º Levantamento - Setembro 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 3º Levantamento - Setembro 2018
Luiz Valeriano
 

Mais procurados (17)

Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
 
Clipping cnc 09042018
Clipping cnc 09042018Clipping cnc 09042018
Clipping cnc 09042018
 
MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026
MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026
MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026
 
Agroneg ov nutrir
Agroneg ov nutrirAgroneg ov nutrir
Agroneg ov nutrir
 
Clipping cnc 16062015 versão de impressão
Clipping cnc 16062015   versão de impressãoClipping cnc 16062015   versão de impressão
Clipping cnc 16062015 versão de impressão
 
Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025
Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025
Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025
 
Tabelas brasileiras para aves e suínos
Tabelas brasileiras para aves e suínosTabelas brasileiras para aves e suínos
Tabelas brasileiras para aves e suínos
 
Brasil vai bater recorde de exportação de grãos em 2016 motomco group
Brasil vai bater recorde de exportação de grãos em 2016   motomco groupBrasil vai bater recorde de exportação de grãos em 2016   motomco group
Brasil vai bater recorde de exportação de grãos em 2016 motomco group
 
Clipping cnc 22052014 versao de impressao
Clipping cnc 22052014   versao de impressaoClipping cnc 22052014   versao de impressao
Clipping cnc 22052014 versao de impressao
 
Clipping cnc 22012018 versão de impressão
Clipping cnc 22012018   versão de impressãoClipping cnc 22012018   versão de impressão
Clipping cnc 22012018 versão de impressão
 
Covid-19: veja o relatório atualizado de impactos no agronegócio da consultor...
Covid-19: veja o relatório atualizado de impactos no agronegócio da consultor...Covid-19: veja o relatório atualizado de impactos no agronegócio da consultor...
Covid-19: veja o relatório atualizado de impactos no agronegócio da consultor...
 
A produção de carnes de aves em 2021
A produção de carnes de aves em 2021A produção de carnes de aves em 2021
A produção de carnes de aves em 2021
 
eco aula 3 - TEORIA DA DEMANDA DO CONSUMIDOR E FUNCIONAMENTO DE MERCADO
eco aula 3 - TEORIA DA DEMANDA DO CONSUMIDOR E FUNCIONAMENTO DE MERCADOeco aula 3 - TEORIA DA DEMANDA DO CONSUMIDOR E FUNCIONAMENTO DE MERCADO
eco aula 3 - TEORIA DA DEMANDA DO CONSUMIDOR E FUNCIONAMENTO DE MERCADO
 
Indicadores Econômicos do Agronegócio (02/2016)
Indicadores Econômicos do Agronegócio (02/2016)Indicadores Econômicos do Agronegócio (02/2016)
Indicadores Econômicos do Agronegócio (02/2016)
 
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundoPanorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundo
 
Appa
AppaAppa
Appa
 
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 3º Levantamento - Setembro 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 3º Levantamento - Setembro 2018Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 3º Levantamento - Setembro 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 3º Levantamento - Setembro 2018
 

Destaque

Cap. 1 dez princípios da economia
Cap. 1   dez princípios da economiaCap. 1   dez princípios da economia
Cap. 1 dez princípios da economia
WallaceZOO
 
Documentos técnicos y científicos
Documentos técnicos y científicosDocumentos técnicos y científicos
Documentos técnicos y científicosMaosz
 
Educación secundaria comunitaria productiva campos de sabere
Educación secundaria comunitaria productiva campos de sabereEducación secundaria comunitaria productiva campos de sabere
Educación secundaria comunitaria productiva campos de sabereFDTEUSC
 
Resume Kathleen Patrick June 1st
Resume Kathleen Patrick June 1stResume Kathleen Patrick June 1st
Resume Kathleen Patrick June 1stKathleen Patrick
 
Capítulo 01
Capítulo 01Capítulo 01
Capítulo 01
WallaceZOO
 
Proyecto knowman
Proyecto knowmanProyecto knowman
Proyecto knowman
Agencia IDEA
 
Attestato Giovanni Zanoli
Attestato Giovanni ZanoliAttestato Giovanni Zanoli
Attestato Giovanni ZanoliGiovanni Zanoli
 
Tema 12 midiendo el ingreso de una nación
Tema 12 midiendo el ingreso de una naciónTema 12 midiendo el ingreso de una nación
Tema 12 midiendo el ingreso de una nación
zamalunxho
 
Reading Impressions "Mind Time"
Reading Impressions "Mind Time"Reading Impressions "Mind Time"
Reading Impressions "Mind Time"
Yoshi Kawano
 
Practica 6
Practica 6Practica 6
Practica 6
Israel Guerra
 

Destaque (14)

Cap. 1 dez princípios da economia
Cap. 1   dez princípios da economiaCap. 1   dez princípios da economia
Cap. 1 dez princípios da economia
 
Documentos técnicos y científicos
Documentos técnicos y científicosDocumentos técnicos y científicos
Documentos técnicos y científicos
 
Educación secundaria comunitaria productiva campos de sabere
Educación secundaria comunitaria productiva campos de sabereEducación secundaria comunitaria productiva campos de sabere
Educación secundaria comunitaria productiva campos de sabere
 
Resume Kathleen Patrick June 1st
Resume Kathleen Patrick June 1stResume Kathleen Patrick June 1st
Resume Kathleen Patrick June 1st
 
Capítulo 01
Capítulo 01Capítulo 01
Capítulo 01
 
Proyecto knowman
Proyecto knowmanProyecto knowman
Proyecto knowman
 
Cuadro informatica
Cuadro informaticaCuadro informatica
Cuadro informatica
 
Attestato Giovanni Zanoli
Attestato Giovanni ZanoliAttestato Giovanni Zanoli
Attestato Giovanni Zanoli
 
Estudio comparativo
Estudio comparativoEstudio comparativo
Estudio comparativo
 
Tema 12 midiendo el ingreso de una nación
Tema 12 midiendo el ingreso de una naciónTema 12 midiendo el ingreso de una nación
Tema 12 midiendo el ingreso de una nación
 
Reading Impressions "Mind Time"
Reading Impressions "Mind Time"Reading Impressions "Mind Time"
Reading Impressions "Mind Time"
 
Attique Mahmood_CV
Attique Mahmood_CVAttique Mahmood_CV
Attique Mahmood_CV
 
HR Watch
HR WatchHR Watch
HR Watch
 
Practica 6
Practica 6Practica 6
Practica 6
 

Semelhante a Academica 2569

Informativo Wolf 07
Informativo Wolf 07Informativo Wolf 07
Informativo Wolf 07
Pablo Henrique Batista Souza
 
Anuário 2010 visão preliminar do segmento avícola internacional em 2010
Anuário 2010 visão preliminar do segmento avícola internacional em 2010Anuário 2010 visão preliminar do segmento avícola internacional em 2010
Anuário 2010 visão preliminar do segmento avícola internacional em 2010
Osler Desouzart
 
O Mercado de Carne Suína – Prognósticos de 2009 e Previsões para 2010
O Mercado de Carne Suína – Prognósticos de 2009 e Previsões para 2010O Mercado de Carne Suína – Prognósticos de 2009 e Previsões para 2010
O Mercado de Carne Suína – Prognósticos de 2009 e Previsões para 2010
Osler Desouzart
 
Slide pecuaria brasileira
Slide pecuaria brasileiraSlide pecuaria brasileira
Slide pecuaria brasileiraDiego Vieira
 
CFM Informa fevereiro 2014
CFM Informa fevereiro 2014CFM Informa fevereiro 2014
CFM Informa fevereiro 2014
agrocfm
 
Boletim MarkEsalq Ano 2 Nº5/Abril 2014 - Carne II
Boletim MarkEsalq Ano 2 Nº5/Abril 2014 - Carne IIBoletim MarkEsalq Ano 2 Nº5/Abril 2014 - Carne II
Boletim MarkEsalq Ano 2 Nº5/Abril 2014 - Carne II
MarkEsalq
 
A evolução da produtividade do frango em diferentes países do mundo
A evolução da produtividade do frango em diferentes países do mundoA evolução da produtividade do frango em diferentes países do mundo
A evolução da produtividade do frango em diferentes países do mundo
Osler Desouzart
 
Boletim MarkEsalq Ano 1 Nº4/Novembro 2013 - Carne I
Boletim MarkEsalq Ano 1 Nº4/Novembro 2013 - Carne IBoletim MarkEsalq Ano 1 Nº4/Novembro 2013 - Carne I
Boletim MarkEsalq Ano 1 Nº4/Novembro 2013 - Carne I
MarkEsalq
 
A empresa glocal
A empresa glocalA empresa glocal
A empresa glocal
Osler Desouzart
 
Relatório Covid-19
Relatório Covid-19Relatório Covid-19
Relatório Covid-19
José Florentino
 
O mercado de carnes tendências - Osler Desousart
O mercado de carnes tendências - Osler DesousartO mercado de carnes tendências - Osler Desousart
O mercado de carnes tendências - Osler DesousartNFT Alliance
 
Relatório trimestral sobre o mercado de carne bovina do Rabobank 4T13
Relatório trimestral sobre o mercado de carne bovina do Rabobank 4T13Relatório trimestral sobre o mercado de carne bovina do Rabobank 4T13
Relatório trimestral sobre o mercado de carne bovina do Rabobank 4T13
AgroTalento
 
slidepecuariabrasileira-
slidepecuariabrasileira-slidepecuariabrasileira-
slidepecuariabrasileira-
JulioGarcia972475
 
Mercado e comercialização na ovinocultura de corte no Brasil
Mercado e comercialização na ovinocultura de corte no BrasilMercado e comercialização na ovinocultura de corte no Brasil
Mercado e comercialização na ovinocultura de corte no Brasil
Juan Ferelli
 
Relatório Coronavírus - 30 de abril
Relatório Coronavírus - 30 de abrilRelatório Coronavírus - 30 de abril
Relatório Coronavírus - 30 de abril
José Florentino
 
Relatório Coronavírus - 19 de maio
Relatório Coronavírus - 19 de maioRelatório Coronavírus - 19 de maio
Relatório Coronavírus - 19 de maio
José Florentino
 
Tempus fugit
Tempus fugitTempus fugit
Tempus fugit
Osler Desouzart
 
Estudo de-mercado-embutidos
Estudo de-mercado-embutidosEstudo de-mercado-embutidos
Estudo de-mercado-embutidosHeraldo Gouveia
 

Semelhante a Academica 2569 (20)

Informativo Wolf 07
Informativo Wolf 07Informativo Wolf 07
Informativo Wolf 07
 
Anuário 2010 visão preliminar do segmento avícola internacional em 2010
Anuário 2010 visão preliminar do segmento avícola internacional em 2010Anuário 2010 visão preliminar do segmento avícola internacional em 2010
Anuário 2010 visão preliminar do segmento avícola internacional em 2010
 
O Mercado de Carne Suína – Prognósticos de 2009 e Previsões para 2010
O Mercado de Carne Suína – Prognósticos de 2009 e Previsões para 2010O Mercado de Carne Suína – Prognósticos de 2009 e Previsões para 2010
O Mercado de Carne Suína – Prognósticos de 2009 e Previsões para 2010
 
Slide pecuaria brasileira
Slide pecuaria brasileiraSlide pecuaria brasileira
Slide pecuaria brasileira
 
CFM Informa fevereiro 2014
CFM Informa fevereiro 2014CFM Informa fevereiro 2014
CFM Informa fevereiro 2014
 
Boletim MarkEsalq Ano 2 Nº5/Abril 2014 - Carne II
Boletim MarkEsalq Ano 2 Nº5/Abril 2014 - Carne IIBoletim MarkEsalq Ano 2 Nº5/Abril 2014 - Carne II
Boletim MarkEsalq Ano 2 Nº5/Abril 2014 - Carne II
 
A evolução da produtividade do frango em diferentes países do mundo
A evolução da produtividade do frango em diferentes países do mundoA evolução da produtividade do frango em diferentes países do mundo
A evolução da produtividade do frango em diferentes países do mundo
 
Boletim MarkEsalq Ano 1 Nº4/Novembro 2013 - Carne I
Boletim MarkEsalq Ano 1 Nº4/Novembro 2013 - Carne IBoletim MarkEsalq Ano 1 Nº4/Novembro 2013 - Carne I
Boletim MarkEsalq Ano 1 Nº4/Novembro 2013 - Carne I
 
A empresa glocal
A empresa glocalA empresa glocal
A empresa glocal
 
Relatório Covid-19
Relatório Covid-19Relatório Covid-19
Relatório Covid-19
 
O mercado de carnes tendências - Osler Desousart
O mercado de carnes tendências - Osler DesousartO mercado de carnes tendências - Osler Desousart
O mercado de carnes tendências - Osler Desousart
 
Relatório trimestral sobre o mercado de carne bovina do Rabobank 4T13
Relatório trimestral sobre o mercado de carne bovina do Rabobank 4T13Relatório trimestral sobre o mercado de carne bovina do Rabobank 4T13
Relatório trimestral sobre o mercado de carne bovina do Rabobank 4T13
 
slidepecuariabrasileira-
slidepecuariabrasileira-slidepecuariabrasileira-
slidepecuariabrasileira-
 
Mercado e comercialização na ovinocultura de corte no Brasil
Mercado e comercialização na ovinocultura de corte no BrasilMercado e comercialização na ovinocultura de corte no Brasil
Mercado e comercialização na ovinocultura de corte no Brasil
 
Relatório Coronavírus - 30 de abril
Relatório Coronavírus - 30 de abrilRelatório Coronavírus - 30 de abril
Relatório Coronavírus - 30 de abril
 
Relatório Coronavírus - 19 de maio
Relatório Coronavírus - 19 de maioRelatório Coronavírus - 19 de maio
Relatório Coronavírus - 19 de maio
 
Tempus fugit
Tempus fugitTempus fugit
Tempus fugit
 
RoyalLog.pptx ajuste1 (5).pptx - Monica
RoyalLog.pptx ajuste1 (5).pptx - MonicaRoyalLog.pptx ajuste1 (5).pptx - Monica
RoyalLog.pptx ajuste1 (5).pptx - Monica
 
Estudo de-mercado-embutidos
Estudo de-mercado-embutidosEstudo de-mercado-embutidos
Estudo de-mercado-embutidos
 
Lacteos Mc 2011 V Envio
Lacteos Mc 2011 V EnvioLacteos Mc 2011 V Envio
Lacteos Mc 2011 V Envio
 

Último

Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Jonathas Muniz
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 

Último (7)

Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 

Academica 2569

  • 1. O MERCADO DA CARNE BOVINA NO BRASIL The market of the Brazilian cattle flesh Felipe Pohl Souza MédicoVeterinário,MestreemCiênciasVeterinárias,ProfessoradjuntoIdaPontifíciaUniversidadeCatólicadoParaná,Curitiba, PR - Brasil, e-mail: felipe.pohl@pucpr.br Resumo O presente tema objetiva dar uma visão do mercado da carne no Brasil, estabelecendo algumas relações com o mercado externo desta commodity. Coloca-se em evidência a evolução das exportações brasileiras de carne bovina para o mundo globalizado, tomando-se como base a produção de carne com baixos custos. Alguns obstáculos, contudo são destacados, contracenando-se a aquilo que poderia parecer uma situação tranquila à exportação. A sanidade destaca-se como um dos grandes entraves. Contudo, os países compradores exigem um sério processo da rastreabilidade além da exigência da qualidade do produto adquirido. Além desses aspectos, alguns países fazem várias exigências em função da não agressão ao meio ambiente, referindo-se principalmenteàFlorestaAmazônica.OBrasiltemenfrentadoduraconcorrênciadeoutrospaísesexportadores, os quais podem produzir carne a um baixo custo, destacando a Índia e os países do leste europeu, que estão se organizando e têm a vantagem da proximidade do mercado consumidor. Contudo, o Brasil permanece como um grande potencial para os negócios com a carne bovina. Exige-se dos produtores dessa commodity uma exemplar organização, de modo a equacionar as questões sanitárias, ambientais e estratégicas. Palavras-chave: Carne bovina; Mercado; Brasil; Exportação. Abstract The aim this review is to give an overall view about the market-flesh in Brazil and in the world. An economic analysis about the Brazilian flesh-exportation and evolution is done. Several problems are explained. The health condition is the major commercial difficulty. The rastreability and the quality of the Brazilian flesh are required too, besides of no-aggression against the environment, mainly with respect to the Amazon Forest. Brazil had a hard concurrence from other countries, mainly India and the East European Countries. However Brazil remains with a great potential to the flesh business in the world. This depends mainly of the union of Brazilian flesh producers, to improve the questions like sanitary aspect, environment and other strategies. Keywords: Bovine flesh; Market; Brazil; Exportation. Rev. Acad., Ciênc. Agrár. Ambient., Curitiba, v. 6, n. 3, p. 427-434, jul./set. 2008
  • 2. 428 INTRODUÇÃO No final do século XVIII, a carne bovina e o couro eram importantes produtos de exportação, sendo responsáveis pelo grande desenvolvimento do Rio Grande do Sul, que abastecia o Sudeste e o Nordeste brasileiro, e também alguns países da América Central. No ano de 1797, a capitania do Rio Grande do Sul, já exportava 13 mil arrobas de charque (BRASIL ESCOLA, 2007) Três séculos depois, a pecuária nacional vive novo ciclo da carne bovina, principalmente com a conquista do mercado internacional, tornando o Brasil o maior exportador do mundo. Essa participação no mercado internacional teve início em 2001, sendo que em 2003 o valor das exportações ultrapassou a casa do bilhão de dólares com mais de um milhão de toneladas do produto sendo exportada, conforme se pode observar na Figura 1. SOUZA, F. P. Rev. Acad., Ciênc. Agrár. Ambient., Curitiba, v. 6, n. 3, p. 427-434, jul./set. 2008 Esse aumento expressivo deveu-se a problemas dos tradicionais fornecedores internacionais. Na Figura 2 pode-se observar os principais exportadores no ano de 2000 e 2005, verificando-se o incremento da participação do Brasil, ao duplicar suas exportações em cinco anos; pode-se ainda observar a significativa retração dos Estados Unidos e da Comunidade Europeia, que na figura aparece como outros. FIGURA 1 - Evolução das exportações brasileiras de carne de 1995 a 2007 Figure 1 - Evolution of the Brazilian cattle flesh export from 1995 to 2007 *2007 até setembro Fonte: ABIEC, 2007.
  • 3. 429 A diminuição da participação americana deveu-se aos casos de encefalopatia espongiforme bovina - EEB (vaca louca), diagnosticados em 2003 e 2005, enquanto a Argentina e a Inglaterra tiveram problemas com febre aftosa. Esses eventos sanitários, mais o aumento da demanda mundial, pela elevação da renda nos países emergentes, colocaram o Brasil na posição que ocupa hoje. O Brasil não estava plenamente preparado para esse aumento, mas a indústria da carne conseguiu rapidamente adequar-se aos novos tempos e vem ocupando todos os espaços possíveis no mercado mundial. Por outro lado, os produtores ainda estão se adaptando aos novos tempos. Atualmente, o Brasil exporta para mais de 150 países, mas não atingiu os compradores mais exigentes e, consequentemente, os que melhor remuneram o produto, como é o caso do Japão e da Coreia, são atendidos pela Austrália e Nova Zelândia, países tradicionais pela excelência do produto (ABIEC, 2007). A indústria frigorífica brasileira tem tratado a carne bovina como uma “commodity”, onde o importante é o volume de venda com preço baixo e margem pequena de lucro. Essa posição está mudando o cenário da pecuária nacional, que está se adaptando a essa nova realidade. Um exemplo disso são os grandes projetos de confinamento que estão surgindo no Centro-Oeste brasileiro. A derrubada das altas taxas inflacionárias impostas pelo “Plano Real”, a partir de 1994, deu início às grandes modificações no setor primário brasileiro, particularmente na atividade pecuária, que por muito tempo obteve seus lucros pela elevada desvalorização da moeda. Esse novo momento exigiu que as propriedades rurais se tornassem empresas eficientes, o que fez com que os índices produtivos se elevassem consideravelmente. Não se pode perder de vista que, mesmo as pequenas modificações em índices produtivos, representam um acréscimo considerável de animais e carne no mercado, em consequência do tamanho do rebanho brasileiro. Felizmente para os produtores, esse aumento de produção coincidiu com o aumento das exportações, que hoje são responsáveis pelo consumo de aproximadamente 25% da produção nacional. Isso demonstra a importância dos negócios internacionais para a manutenção dos preços do boi e da carne no Brasil, pois, se este volume, que hoje é exportado, ficasse no mercado interno ter-se-ia uma queda significativa dos preços, pelo excesso de oferta, O mercado da carne bovina no Brasil Rev. Acad., Ciênc. Agrár. Ambient., Curitiba, v. 6, n. 3, p. 427-434, jul./set. 2008 FIGURA 2 - Retração das exportações americanas e europeias em função da encefalopatia espongiforme bovina - EEB (vaca louca) e febre aftosa, respectivamente, diagnosticados em 2003 e 2005 Figure 2 - American and European exports retraction due to encephalopathy spongiform bovine and aftosa fever respectively, in 2003 and 2005 Fonte: ABIEC, 2007.
  • 4. 430 considerando que a população não tem renda para aumentar o consumo, muito além dos atuais 36 quilos “per capita”. Portanto, a participação do Brasil no mercado internacional é vital para que a pecuária continue sendo uma atividade viável. O cenário internacional é propício para a pecuária brasileira, principalmente no que diz respeito às demandas internacionais. A entrada de novos consumidores como a Rússia e a China, assim como melhoria da economia de países emergentes da África e Ásia, determinaram maior demanda por carne bovina, demanda esta que está sendo atendida principalmente com a carne brasileira. Outra vantagem do Brasil é o enorme potencial de aumento de produtividade, seja pela melhoria da eficiência das áreas de pastagem já existentes ou pela abertura de novas áreas, algo em torno de 330 milhões de hectares, segundo dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA, 2007. Observando-se apenas esses aspectos, tem-se a impressão de que o Brasil se apresenta atualmente com os mercados garantidos, mas a situação não é tão tranquila, pois alguns aspectos importantes devem ser considerados: Sanidade. Esse talvez seja o maior entrave da pecuária brasileira, pois, apesar de alguns avanços, não se conseguiu ainda controlar de maneira eficiente a Febre Aftosa, doença que caracteriza subdesenvolvimento brasileiro nos aspectos de saúde animal. O programa de erradicação dessa doença no cone sul está saindo do papel, depois dos últimos focos no Mato Grosso do Sul e no Paraná. O Brasil terá que tomar a frente e provavelmente arcar com os maiores custos desse processo, pois é aqui que está o maior rebanho comercial do mundo e, também, as maiores perspectivas de lucro com a atividade pecuária. Não se pode esperar que países com rebanhos muito menores tomem essa iniciativa. Outro entrave é a morosidade com que o Programa Nacional de Controle e Erradicação de Brucelose e Tuberculose – PNCEBT, 2007, do MAPA, está sendo implantado. Certamente, depois da febre aftosa, essas duas enfermidades serão as próximas exigências dos compradores internacionais, principalmente da Comunidade Europeia (CE). Esse programa foi um grande avanço nas relações entre iniciativa privada e os órgãos oficiais, permitindo uma divisão de responsabilidades, deixando a execução por conta dos veterinários privados e a regulamentação e fiscalização por conta dos veterinários oficiais. Mas, apesar dessa nova perspectiva, o programa não conseguiu a adesão nem dos produtores nem dos médicos veterinários, o que é lamentável. Esses são apenas alguns exemplos das dificuldades que ainda se tem para contornar os aspectos sanitários, para se poder garantir produtos seguros para nossos clientes e se conseguir conquistar mercados mais exigentes e melhores pagadores. Rastreabilidade. Depois da ocorrência dos casos de vaca louca na Inglaterra e sua provável relação com a Doença de Creutzfeld-Jakob Variante, que foi responsável por aproximadamente 150 óbitos humanos, principalmente na Europa, uma preocupação surgiu, a de que é necessário rastrear os animais e os produtos para poder controlar e prevenir problemas como esse. Assim, o Regulamento (CE) 1760/2000 lançou as bases para o sistema de rastreabilidade e rotulagem de carne na União Europeia, que obrigou a todos os Estados Membros da CE a criarem seus sistemas de identificação e registro de bovinos. Os negócios internacionais são arbitrados pela Organização Internacional do Comércio – OMC, permitindo que um país exija de seus fornecedores os mesmos padrões que adota internamente (conhecido como reciprocidade); sendo assim, o Brasil foi obrigado a implantar em 2002 o seu programa de rastreabilidade, para que pudesse continuar exportando para os Países membros da CE. O SISBOV (Serviço de Rastreabilidade da Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos) foi implantado pela Instrução Normativa (IN) nº 1 de 9 de janeiro de 2002, estabelecendo uma meta extremamente ousada, qual seja, todo o rebanho nacional rastreado até 2007. Essa IN foi revogada pela IN nº 1 de 21 de janeiro de 2005, pela impossibilidade de cumprimento e pelas dificuldades encontradas. Mas a meta inicial provavelmente foi uma das causas do fracasso do SISBOV. Uma nova IN, nº 17 de 13 de julho de 2006 fez mais algumas modificações, mas, ainda assim, o sistema mostrou-se falho e não foi assimilado pelos pecuaristas e técnicos. O sistema só funcionará quando os produtores compreenderem que a rastreabilidade é um importante instrumento gerencial e, portanto, deve ser feito em todos os animais desde o nascimento SOUZA, F. P. Rev. Acad., Ciênc. Agrár. Ambient., Curitiba, v. 6, n. 3, p. 427-434, jul./set. 2008
  • 5. 431 até o abate. O gerenciamento das informações será um grande instrumento de avaliação de rebanhos e propriedades. Nosso sistema de rastreabilidade tem sido questionado, particularmente pelos pecuaristas irlandeses, que são os mais prejudicados pela concorrência da carne brasileira. Uma missão não oficial da CE, realizada no primeiro semestre de 2007, levantou uma série de falhas, principalmente no controle do transporte de animais. Essas falhas foram comprovadas por uma missão de técnicos da CE, em novembro de 2007. Esses problemas culminaram com a “crise” no início de 2008, onde o CE exigiu do MAPA, uma relação de 300 propriedades aptas a exportar, que depois de muitas idas e vindas ficou restrita a 86 fazendas. Essa situação demonstra a importância da adoção de um programa sério e eficiente de rastreabilidade brasileira (MUSTEFAGA, 2006). Qualidade de produto. Esse é um item bastante polêmico, mas as exportações brasileiras não atingiram os países mais exigentes e ainda não se conseguiu atingir o chamado HORECA (hotéis, restaurantes e cantinas), dentro da Europa. Esse segmento de mercado, que paga preços mais elevados, exige qualidade de produto, sendo a Argentina o grande fornecedor desse segmento na América do Sul. Portanto, tem-se ainda um grande trabalho para se poder colocar a carne brasileira nesses seletos nichos de mercado. Integração da Cadeia. Um dos grandes problemas da bovinocultura de corte brasileira é que não há uma relação de confiança entre as partes, principalmente entre os pecuaristas e a indústria. Essa falta de confiança não permite o estabelecimento de compromissos com qualidade, volume e constância do produto, que é fundamental, principalmente para fidelização de clientes e criação de marcas. Valor de venda. O Brasil se tornou o maior exportador de carne bovina do mundo, porque tem um produto barato e este é o grande trunfo dos exportadores para conquista de novos mercados, tornando-se uma “commodity”, o que fez com que alguns grupos de frigoríficos se tornassem verdadeiros conglomerados, sendo muitos já com atuação internacional. Isso dificulta ainda mais a relação entre as grandes indústrias e os produtores, exigindo cada vez mais que se busque produzir grandes volumes a custos baixos, com uma lucratividade por cabeça cada vez menor. A Figura 3 mostra a evolução dos preços desde a década de 70, onde se pode entender a correlação entre o aumento de produção e a redução dos valores da arroba. FIGURA 3 - Evolução de preços por arroba 1970 a 2006, deflacionados pelo IGP-DI (FGV) Figure 3 - Prices evolution from 1970 to 2006, deflation made by IGP-DI (FGV) Fonte: VILA et al., 2007. O mercado da carne bovina no Brasil Rev. Acad., Ciênc. Agrár. Ambient., Curitiba, v. 6, n. 3, p. 427-434, jul./set. 2008
  • 6. 432 Meio ambiente. Esse é outro assunto bastante polêmico, pois o Brasil tem sido sistematicamente acusado, particularmente pelos irlandeses, de produzir carne às custas da destruição da floresta amazônica e, consequentemente, de ser responsável pelas queimadas e, por extensão, pelo efeito estufa. Infelizmente essa afirmação não é incorreta pois, com a diminuição do resultado financeiro por cabeça, há a necessidade de volumes cada vez maiores, determinando a abertura de novas fronteiras pecuárias. Sendo economicamente inviável utilizar-se de terras de agricultura para a pecuária, novas áreas estão sendo abertas na região Norte, para o estabelecimento de projetos economicamente sustentáveis. Portanto, esse é um ponto que deve ser observado e discutido. Talvez haja a necessidade de se impor um limite na ocupação da Amazônia e exigir das propriedades certificação de responsabilidade ambiental. Deve-se igualmente trabalhar na recuperação das áreas degradadas, aumentando seu potencial de produção e diminuindo a necessidade de desmatamento. Outro ponto importante é mostrar que boa parte da produção de carne bovina brasileira é realizada em propriedades, que estão se adequando às obrigações ambientais, ou seja, mantendo as áreas de reserva legal, o que tem resultado em avanços significativos na preservação da biodiversidade. Volume de produção. O Brasil está produzindo cada vez mais animais e, consequentemente, mais carne, acreditando que os mercados são infinitos, mas que talvez seja hora de uma boa avaliação do potencial dos mercados interno e internacional, para que um planejamento de crescimento controlado possa garantir preços razoáveis, tanto para os pecuaristas como para as indústrias, pois, como já foi comentado, existe dependência do mercado internacional e quanto mais for produzido, maior o risco de uma quebra de preços. A Figura 4 mostra o aumento vertiginoso da produção, que caso assim continue, pode não ter para onde ser escoada. FIGURA 4 - Abates bovinos em milhões de cabeça Figure 4 - Bovine slaughter (million) Fonte: Scot Consultoria 2007. SOUZA, F. P. Rev. Acad., Ciênc. Agrár. Ambient., Curitiba, v. 6, n. 3, p. 427-434, jul./set. 2008
  • 7. 433 Concorrência. O Brasil tem uma situação realmente privilegiada no que diz respeito ao potencial e custos de produção, mas que não se pode imaginar que outros países não queiram participar deste mercado. Não são com os produtores tradicionais, com os quais deve haver a preocupação (Austrália, Nova Zelândia e Argentina), mesmo porque por hora não se tem colocado em risco as posições desses países, pois eles atuam em mercados inacessíveis para a carne brasileira. A preocupação procede dos países que possuem grandes rebanhos e potencial de produzir a custo baixo como a Índia, que nos últimos cinco anos teve um aumento de aproximadamente 80% no volume de exportação, ficando atrás apenas do Brasil e do Uruguai, conforme a Tabela 1. O produto indiano é de baixa qualidade, mas de custos pouco elevados, e que, portanto, é uma ameaça para a “commodity” carne bovina brasileira. Outra preocupação deve existir com os países do leste europeu, que estão se organizando para atender aos países da CE e tem a vantagem da proximidade. TABELA 1 - Exportações mundiais de carne bovina (em mil toneladas equivalente carcaça) Table 1 - World exports of bovine flesh (in thousands tons carcass) País 2002 2003 2004 2005 2006* 2007** Var. (2006/2002) Brasil¹ 1.006 1.301 1.854 2.198 2.200 2.420 118,69% Austrália 1.366 1.264 1.394 1.413 1.420 1.495 3,95% Índia² 417 439 499 627 750 800 79,86% Estados Unidos 1.100 1.142 209 317 523 680 -52,88% Argentina 348 386 623 762 500 600 43,68% Nova Zelândia 486 558 606 589 540 570 11,11% Uruguai 262 325 410 487 510 520 94,66% Canadá 609 383 557 551 455 440 -25,29% União Européia³ 485 388 358 255 200 200 -58,76% Outros países 310 279 212 224 153 164 -50,65% TOTAL 6.399 6.465 6.722 7.423 7.251 7.889 13,31% FONTE: USADA, (2006); ¹Fórum Nacional Permanente de Pecuária de Corte; ²Inclui búfalo; ³U.E – 25. Previsão. Bem-Estar Animal. Esse é outro aspecto que vem criando barreiras aos produtos de origem animal, tornando os consumidores mais exigentes. Pelo exposto, pode-se perceber que há um significativo potencial para os negócios da carne bovina no Brasil. Há igualmente muito a ser feito, para que a cadeia produtiva da carne bovina funcione de maneira eficiente e justa em todos os níveis. Provavelmente o ponto mais importante nesse contexto todo, seja a tomada de consciência brasileira dos pecuaristas, onde a exportação destaque-se como um ponto fundamental, para que haja a estabilidade da cadeia da carne bovina, objetivando o atendimento às exigências dos compradores. Isso se caracteriza como uma obrigação de todos os envolvidos. Se isso for compreendido as questões sanitárias, ambientais, estratégicas e de segurança alimentar, certamente serão equacionadas de maneira eficiente e todos se beneficiarão disso, tornando a carne bovina brasileira um produto, saudável, seguro e social e ambientalmente corretos. O mercado da carne bovina no Brasil Rev. Acad., Ciênc. Agrár. Ambient., Curitiba, v. 6, n. 3, p. 427-434, jul./set. 2008
  • 8. 434 REFERÊNCIAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNE – ABIEC. Evolução da exportação de carne pelo Brasil, 2007. Disponível em: <http://www.abiec.com.br/ estatisticas_relatorios.asp>. Acesso em: 10 out. 2007. BRASIL ESCOLA » HISTÓRIA DO BRASIL » BRASIL REGIONAL. Charqueadas. Disponível em: <http://www.brasilescola.com/historiab/charqueadas.htm>. Acesso em: 12 dez. 2007. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO – MAPA. Cenário internacional para a pecuária brasileira, 2007. Disponível em: <www.agricultura.gov.br>. Acesso em: 10 nov. 2007. MUSTEFAGA, P. S. Princípios da rastreabilidade na produção animal. Nota Técnica n. 5 – CNA. Brasília, 3 abr. 2006. Disponível em: <www.cna.org.br/site/down_anexo.php?q=E15_14776NT+5.pdf>. acesso em: 12 dez. 2007. PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE E ERRADICAÇÃO DA BRUCELOSE E DA TUBERCULOSE ANIMAL – PNCEBT. Disponível em: <http://www.agricultura.gov.br>. Acesso em 15 out. 2007. SCOT CONSULTORIA. Pecuária de Corte, 2007. Disponível em: <www.scotconsultoria.com.br>. Acesso em: 05 nov. 2007. VILA, F.; YASSU, F.; FRANCO, M. Drible no arrocho. DBO, ano 26, n. 324, p. 48-58, 2007. Recebido: 06/05/2008 Received: 05/06/2008 Aprovado: 14/05/2008 Approved: 05/14/2008 SOUZA, F. P. Rev. Acad., Ciênc. Agrár. Ambient., Curitiba, v. 6, n. 3, p. 427-434, jul./set. 2008