Zoot. Paulo de Tarso
                      Paulo de Tarso dos Santos Martins

Informativo

                           zoot...
Zoot. Paulo de Tarso
                      Paulo de Tarso dos Santos Martins

Informativo
Situação Atual

Neste contexto g...
Zoot. Paulo de Tarso
                      Paulo de Tarso dos Santos Martins

Informativo
México, Canadá e União Européia....
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Mercado de carne ovina

2.759 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.759
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mercado de carne ovina

  1. 1. Zoot. Paulo de Tarso Paulo de Tarso dos Santos Martins Informativo zootpaulodetarso@gmail.com O que ocorre com a carne ovina no mundo - visão do Uruguai O mercado de ovinos está vivendo um momento sem precedentes. Os preços de todas as categorias são ajustados a cada semana, impulsionado por uma indústria de exportação que parece não ter freios a realização de novos negócios. Na base são fatores estruturais que confirmam a possibilidade de um item que enfrenta desafios significativos. Base estrutural As perspectivas para o comércio de carne de ovinos são promissoras no médio prazo. A oferta exportável, liderado em grande parte pela Nova Zelândia e Austrália, não vai se recuperar tão cedo, mas os bons preços vão incentivar os criadores de ovinos a reinvestir em seus rebanhos na Oceania. Na Austrália, o ABARE (Australian Bureau of Statistics) estima que o estoque de ovinos laneiros se manterá em um patamar de 68 milhões de cabeças este ano, para em seguida, começar uma lenta recuperação, alcançando 72 milhões de cabeças em 2015. Na Nova Zelândia, o MAF (Ministério da Agricultura e Florestas) está planejando algo semelhante para os próximos cinco anos, após ter atingido um mínimo de 33 milhões de cabeças no presente exercício. Cerca de 90% do mercado mundial de carne ovina concentra-se nestes dois países, de modo que qualquer variação nos volumes de produção podem afetar significativamente o mercado. Para dar um exemplo, devido aos bons preços do cordeiro e melhoria das condições meteorológicas, a Nova Zelândia prevê exportar cerca de um milhão de cordeiros a mais neste ano, passando de 22,5 para 23,5 milhões, o equivalente a toda a produção do Uruguai. Da mesma forma, a redução dos volumes de exportação da Austrália, nas categorias adulto (começa a reconstituir o rebanho e reduzir o abate de ovelhas), corresponde a um déficit de 2 a 3 milhões de adultos no mercado para os próximos três ou quatro anos, em relação ao que tem sido a oferta disponível nos últimos anos. Quanto à outra parte da demanda do mercado mundial, continua forte e deve continuar nesta linha. A União Européia (UE), um dos mais importantes, tem um declínio lento mas firme no seu rebanho ovino, levando a maiores requisitos de importação ante um consumo que tem se mantido estável. Mas o melhor exemplo de um cenário favorável para o mercado de carne de ovinos é a chegada de duas empresas de primeira linha da Nova Zelândia para o Uruguai (Silver Fern Fazendas e Alliance Group), buscando fontes de cordeiro e/ou inseridos no sistema de produção para aumentar a disponibilidade do produto.
  2. 2. Zoot. Paulo de Tarso Paulo de Tarso dos Santos Martins Informativo Situação Atual Neste contexto global de demanda firme e os preços subindo, o Uruguai enfrenta uma situação particular. Quebrando o domínio histórico do Brasil e da UE como destino exclusivo de produtos uruguaios, as exportações de carne de ovelha tem agora como principal cliente o Oriente Médio. Esta região representa 40% do que foi exportado em dólares até este período de 2010, e seus maiores compradores são da Arábia Saudita (18%) e Emirados Árabes Unidos (9%). O engenheiro agrônomo Juan Lema, diretor de Tacuarembó comercial/Marfrig Group, destacou para o El País Agropecuário que há apenas um ano atrás não havia demanda por carne de ovino em muitos mercados. Além disso, para destinos tradicionais como o Brasil e a UE, Lema nota que não só os países árabes estão ativos, mas também a Rússia e a China, vêm comprando do Uruguai e que exigem um bom nível de carne de ovina. Esta demanda internacional coincide com um momento em que não há oferta de cordeiros em nosso país. Quanto aos países árabes, Lema disse que, em geral, as compras do produto são sazonais, e que aumentam no mês do Ramadã, que este ano começa no início de agosto. Nesse sentido, ele ressaltou que a Arábia foi um dos mercados que ficou desassistido pela Oceania, uma vez que havendo queda na produção eles decidiram reorientar as suas vendas a clientes de melhor preço (da UE e EUA, principalmente), e/ou relações de taxa de câmbio mais favorável. Lembre-se que a valorização do dólar australiano e da Nova Zelândia no ano passado atingiu 50%, o que reduziu a competitividade do produto em vários destinos. Os preços, as oportunidades e ameaças Os preços atuais para os cordeiros pesados são quase o dobro das do ano passado e claramente superior ao máximo de 2008. Rompendo com sazonalidade característica de nosso país, o surgimento de um bom negócio e a falta de abastecimento desencadeia a fase atual. É uma mudança importante para o negócio da carne ovina e o Uruguai que acabou por ser reduzido ao cumprimento da quota européia na segunda metade do ano e algo mais que se destinava ao Brasil. Mas um aspecto marcante é a relação de preços existente entre as categorias adulto e cordeiros. Não há nenhuma diferença entre um castrado e uma ovelha, com o preço do cordeiro (5% a 10% no máximo). É a relação histórica do nosso país e não o de mercados desenvolvidos, como Nova Zelândia e Austrália, onde os cordeiros são dignos de pelo menos 50% mais que os adultos. Durante algum tempo, sabemos que eles são mercados diferentes, o cordeiro, para mercados de alto valor e preços premium de carne, enquanto a carne de carneiro (categoria adulto), para mercados tradicionais de consumo popular. O vácuo que deixou a Austrália no Oriente Médio, está pressionando fortemente o preço dos adultos no mercado local, alavancado ainda mais por relações de troca favoráveis em dólares para o nosso produto. Além disso, as restrições ao comércio para o cordeiro uruguaio permanecem inalterados. Esta explosão no preço dos ovinos ocorreu enquanto ainda temos acesso, com osso, aos EUA,
  3. 3. Zoot. Paulo de Tarso Paulo de Tarso dos Santos Martins Informativo México, Canadá e União Européia. O preço do cordeiro pode ser ainda maior no futuro não muito distante, o que mudaria a relação de preços com os animais adultos a termos mais normais. Mas além do preço está a estratégia de produção. Como mencionado, as projeções para a Austrália indicam que a exportação de ovinos deve permanecer estável nos próximos anos, enquanto para a Nova Zelândia deverá aumentar este ano. Em compensação, o fornecimento de animais adultos para exportação será reduzido de forma significativa nos próximos anos, principalmente devido à retenção de matrizes na Austrália. Este cenário pode causar articulações como esta, com a tentação de vender ovelhas em nosso país, a preços nunca antes vistos. Temos de avançar na comercialização e produção de cordeiros para ter acesso a novos mercados, de modo a incentivar a manutenção de matrizes e de sua produtividade até então subaproveitado por conta de uma produção baseada na lã pelos produtores locais. O artigo é de Pablo Jimenez Aréchaga para o El País Digital, resumida e adaptada pela Equipe FarmPoint. Fonte: Zoot. Paulo de Tarso CRMV-Z 070MT 65 3682 1346 65 8119 7168

×