SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Baixar para ler offline
www.fee.rs.gov.br
Indicadores do
agronegócio
gaúcho
Núcleo de Estudos do
Agronegócio
NEA/FEE
www.fee.rs.gov.br
 A FEE está divulgando pela primeira vez as estatísticas do emprego
formal celetista e das exportações do agronegócio do Brasil e do
Rio Grande do Sul.
 Mensalmente as estatísticas serão atualizadas e publicadas no site da
instituição.
 Trimestralmente ocorrerá a apresentação dos resultados para a
imprensa e demais interessados.
INTRODUÇÃO
www.fee.rs.gov.br
 A produção das estatísticas da FEE é inspirada no conceito do
agronegócio, que, além da agropecuária, abrange:
a. as atividades de produção de insumos e de bens de capital para a
agropecuária (fertilizantes, defensivos, máquinas agrícolas);
b. as atividades da indústria de transformação que se utilizam de matéria-
prima agropecuária (alimentos, biocombustíveis, fumo);
c. as atividades especializadas na oferta de serviços agropecuários e na
armazenagem e distribuição dos produtos do agronegócio.
INTRODUÇÃO
www.fee.rs.gov.br
www.fee.rs.gov.br
 Tanto as estatísticas de emprego formal, quanto as de exportações, são
calculadas em dois níveis de abrangência:
a. Agronegócio – versão ampla: abrange as atividades produtivas do
núcleo do agronegócio e das atividades interdependentes a montante
(segmento “antes da porteira”) e a jusante (segmento “depois da
porteira”).
b. Agronegócio – versão restrita: no segmento “depois da porteira”,
contempla apenas as atividades que se ocupam da primeira e da
segunda transformações da matéria-prima agropecuária.
 Os resultados apresentados na sequência referem-se à versão restrita
do agronegócio.
INTRODUÇÃO
www.fee.rs.gov.br
 O detalhamento dos procedimentos metodológicos adotados para a
produção das estatísticas está disponível no site da FEE:
 Nota metodológica – Emprego formal celetista do
agronegócio
 Nota metodológica – Exportações do agronegócio
www.fee.rs.gov.br/indicadores/agronegocio
INTRODUÇÃO
www.fee.rs.gov.brEXPORTAÇÕES
EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO
 O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e o Centro de
Estudos Avançados em Economia Aplicada divulgam periodicamente
estatísticas de exportações do setor no Brasil.
 Porém, essas estatísticas restringem-se aos produtos da agropecuária
(“dentro da porteira”) e da agroindústria (“depois da porteira”).
 A percepção dessa limitação foi decisiva para que a FEE passasse a
calcular e divulgar estatísticas e indicadores de exportação do agronegócio
brasileiro e gaúcho.
www.fee.rs.gov.br
INSUMOS, MÁQUINAS
E EQUIPAMENTOS DE
USO AGROPECUÁRIO
(4,2%)
PRODUTOS DE
ORIGEM ANIMAL
(23,1%)
PRODUTOS DE
ORIGEM VEGETAL
(72,7%)
EXPORTAÇÕES
EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS
2015
FONTE: NEA/FEE
Descrição
2014 2015 Variação Variação
(%)(US$) (US$) (US$)
Insumos, máquinas e equipamentos de uso
agropecuário
718.388.051 492.077.224 -226.310.827 -31,5
Produtos de origem animal 3.013.635.895 2.696.954.403 -316.681.492 -10,5
Produtos de origem vegetal 8.686.910.085 8.475.687.133 -211.222.952 -2,4
TOTAL 12.418.934.031 11.664.718.760 -754.215.271 -6,1
www.fee.rs.gov.brEXPORTAÇÕES
EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS
FONTE: NEA/FEE
11.0
13.4 12.4 11.7
6.4
11.7
6.3
5.9
63.1%
53.4%
66.4% 66.6%
0%
10%
20%
30%
40%
50%
60%
70%
0
5
10
15
20
25
30
2012 2013 2014 2015
US$bilhões
Agronegócio Demais setores Participação do agronegócio
www.fee.rs.gov.brEXPORTAÇÕES
0
200
400
600
800
1,000
1,200
1,400
1,600
1,800
2,000
Jan./2012
Abr./2012
Jul./2012
Out./2012
Jan./2013
Abr./2013
Jul./2013
Out./2013
Jan./2014
Abr./2014
Jul./2014
Out./2014
Jan./2015
Abr./2015
Jul./2015
Out./2015
US$milhões
Insumos, máquinas e
equipamentos d euso
agropecuário
Produtos de origem
animal
Produtos de origem
vegetal
Total agronegócio
Média abril-setembro
FONTE: NEA/FEE
EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS
www.fee.rs.gov.brEXPORTAÇÕES
FONTE: BCB
EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS
Evolução da taxa de câmbio (R$/US$) – comercial (venda)
2.25
3.31
2.00
2.50
3.00
3.50
4.00
4.50
www.fee.rs.gov.brEXPORTAÇÕES
EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS
Macrossetor “Insumos, máquinas e equipamentos de uso agropecuário”
Descrição
2014 2015 Variação Variação Contribuição
(US$) (US$) (US$) (%) (%)
INSUMOS, MÁQUINAS E
EQUIPAMENTOS DE USO
AGROPECUÁRIO
718.388.051 492.077.224 -226.310.827 -31,5 -30,0
Sementes e mudas 16.514.588 7.779.961 -8.734.627 -52,9 -1,2
Adubos e fertilizantes 78.080.160 63.139.783 -14.940.377 -19,1 -2,0
Silos e equipamentos para secagem,
limpeza e seleção de grãos
39.570.903 22.008.545 -17.562.358 -44,4 -2,3
Máquinas e implementos agrícolas 477.923.126 283.864.982 -194.058.144 -40,6 -25,7
Tratores agrícolas 254.515.092 179.979.106 -74.535.986 -29,3 -9,9
Colheitadeiras 109.167.079 39.445.754 -69.721.325 -63,9 -9,2
Semeadeiras e plantadeiras 69.983.800 27.670.369 -42.313.431 -60,5 -5,6
Outros 106.299.274 115.283.953 8.984.679 8,5 1,2
FONTE: NEA/FEE
www.fee.rs.gov.br
Sementes e mudas
(1,6%)
Adubos e
fertilizantes
(12,8%)
Defensivos agrícolas
(0,6%)
Medicamentos
veterinários
(0,0%)
Rações
(1,4%) Silos e equipamentos
para secagem,
limpeza e seleção de
grãos (4,5%)
Máquinas e
implementos
agrícolas
(57,7%)
Máquinas e
equipamentos para a
produção animal
(0,7%)
Demais máquinas e
equipamentos
agropecuários e
suas partes (20,7%)
EXPORTAÇÕES
EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS
Macrossetor “Insumos, máquinas e equipamentos de uso agropecuário” - 2015
FONTE: NEA/FEE
www.fee.rs.gov.brEXPORTAÇÕES
EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS
Macrossetor “Produtos de origem animal”
Descrição
2014 2015 Variação Variação Contribuição
(US$) (US$) (US$) (%) (%)
PRODUTOS DE ORIGEM
ANIMAL
3.013.635.895 2.696.954.403 -316.681.492 -10,5 -42,0
Carnes 2.241.464.203 1.981.569.512 -259.894.691 -11,6 -34,5
Carne bovina 228.566.729 212.329.805 -16.236.924 -7,1 -2,2
Carne suína 460.360.921 428.183.517 -32.177.404 -7,0 -4,3
Carne de frango 1.388.664.410 1.231.251.874 -157.412.536 -11,3 -20,9
Carne de peru 54.653.793 41.022.555 -13.631.238 -24,9 -1,8
Lácteos 38.471.492 89.782.000 51.310.508 133,4 6,8
Leite em pó 30.220.729 87.822.919 57.602.190 190,6 7,6
Couros e peleteria 603.581.833 493.029.474 -110.552.359 -18,3 -14,7
Couros e peles 603.407.221 492.906.486 -110.500.735 -18,3 -14,7
Outros 130.118.367 132.573.417 2.455.050 1,9 0,3
FONTE: NEA/FEE
www.fee.rs.gov.br
Animais vivos (exceto
pescados) (0,3%)
Carnes
(73,5%)
Pescados
(0,8%)
Lácteos
(3,3%)
Ovos e gemas
(0,4%)
Produtos apícolas
(0,1%)
Couros e peleteria
(18,3%)
Gorduras e óleos de
origem animal
(0,1%)
Albumina, gelatinas e
outras substâncias
proteicas
(1,2%)
Demais produtos de
origem animal
(2,0%)
EXPORTAÇÕES
EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS
Macrossetor “Produtos de origem animal” - 2015
FONTE: NEA/FEE
www.fee.rs.gov.brEXPORTAÇÕES
Descrição
2014 2015 Variação Variação Contribuição
(US$) (US$) (US$) (%) (%)
PRODUTOS DE ORIGEM
VEGETAL
8.686.910.085 8.475.687.133 -211.222.952 -2,4 -28,0
Cereais, farinhas e
preparações
713.264.866 727.747.899 14.483.033 2,0 1,9
Cereais 703.800.884 718.649.785 14.848.901 2,1 2,0
Trigo 97.521.212 309.840.317 212.319.105 217,7 28,2
Milho 234.735.754 65.120.280 -169.615.474 -72,3 -22,5
Arroz 370.081.082 338.735.099 -31.345.983 -8,5 -4,2
Soja 5.374.308.735 5.286.979.244 -87.329.491 -1,6 -11,6
Soja em grão 3.985.547.562 4.094.411.549 108.863.987 2,7 14,4
Farelo de soja 1.158.207.171 980.181.438 -178.025.733 -15,4 -23,6
Óleo de soja 230.554.002 212.386.257 -18.167.745 -7,9 -2,4
Fumo e seus produtos 1.901.338.149 1.607.206.808 -294.131.341 -15,5 -39,0
Fumo não manufaturado 1.772.762.743 1.495.137.520 -277.625.223 -15,7 -36,8
Produtos florestais 267.105.050 456.680.679 189.575.629 71,0 25,1
Celulose 129.510.573 305.681.235 176.170.662 136,0 23,4
Biocombustíveis 22.678.288 519.944 -22.158.344 -97,7 -2,9
Biodiesel 22.510.831 28.427 -22.482.404 -99,9 -3,0
Outros 252.426.755 248.558.809 -3.867.946 -1,5 -0,5
EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS
Macrossetor “Produtos de origem vegetal” - 2015
FONTE: NEA/FEE
www.fee.rs.gov.br
Soja
(62,4%)
Fumo e seus
produtos
(19,0%)
Cereais, farinhas e
preparações
(8,6%)
Produtos florestais
(5,4%)
Demais produtos de
origem vegetal
(1,3%)
Chá, mate e
especiarias
(0,9%)Outros
(2,5%)
EXPORTAÇÕES
EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS
Macrossetor “Produtos de origem vegetal” - 2015
FONTE: NEA/FEE
www.fee.rs.gov.br
Market share das exportações do agronegócio gaúcho (2015)
China, 36.5%
Vietnã, 3.8%
Coreia do Sul, 3.6%
Venezuela, 3.4%
Rússia, 3.0%
Estados Unidos,
3.0%
Arábia Saudita,
2.7%
Bélgica, 2.5%
Holanda; 2,4%
Demais países;
39,1%
EXPORTAÇÕES
EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS
FONTE: NEA/FEE
www.fee.rs.gov.br
Exportações do agronegócio gaúcho em janeiro de 2016
EXPORTAÇÕES
EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS
FONTE: NEA/FEE
Descrição Jan./2015 Dez./2015 Jan./2016
Participa-
ção (%)
Var. %
jan.16-
jan.15
Var. %
jan.16-
dez.15
INSUMOS, MÁQUINAS E
EQUIPAMENTOS DE USO
AGROPECUÁRIO
40.346.057 41.319.979 18.006.565 3,7 -55,4 -56,4
Máquinas e implementos agrícolas 26.702.719 24.456.874 9.270.967 1,9 -65,3 -62,1
PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL 166.855.543 232.390.880 163.373.507 33,5 -2,1 -29,7
Carnes 121.117.657 165.931.501 120.481.773 24,7 -0,5 -27,4
Couros e peleteria 31.280.292 47.782.543 29.596.906 6,1 -5,4 -38,1
PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL 399.571.357 352.810.131 305.834.740 62,8 -23,5 -13,3
Produtos florestais 8.509.418 54.125.356 92.959.762 19,1 992,4 71,7
Soja 152.552.007 97.472.813 84.088.214 17,3 -44,9 -13,7
Fumo e seus produtos 91.610.513 71.540.911 58.711.797 12,1 -35,9 -17,9
Cereais, farinhas e preparações 118.619.237 93.437.288 46.545.857 9,6 -60,8 -50,2
TOTAL 606.772.957 626.520.990 487.214.812 100,0 -19,7 -22,2
(em US$ FOB)
www.fee.rs.gov.br
 A ausência de informações que permitam o acompanhamento conjuntural
do mercado de trabalho no agronegócio brasileiro motivou a produção das
estatísticas de emprego formal celetista do setor.
 Sabe-se que uma parcela significativa da população ocupada na
agropecuária brasileira não possui vínculo formal de trabalho, sendo
constituída de pessoas com laço de parentesco com o responsável pela
unidade de produção (familiar ou não familiar).
 Nos últimos anos, simultaneamente à expansão da produção rural
brasileira, verificou-se a gradativa elevação no número de trabalhadores
formais no setor agropecuário, principalmente nas Regiões Norte e Centro-
Oeste.
EMPREGO FORMAL CELETISTA DO AGRONEGÓCIO
EMPREGO FORMAL
www.fee.rs.gov.br
 A agropecuária responde por cerca de 3% dos vínculos ativos formais de
trabalho no Brasil (1,49 milhão de empregos).
 Esse contingente de trabalhadores, ainda que não seja representativo da
ocupação total na agropecuária, já justificaria sua análise e seu
acompanhamento periódicos.
 Além disso, há um amplo conjunto de atividades industriais e de serviços
especializados, conectados a montante e a jusante da agropecuária, que
responde por uma parcela expressiva do emprego formal no Brasil (~10%).
EMPREGO FORMAL CELETISTA DO AGRONEGÓCIO
EMPREGO FORMAL
www.fee.rs.gov.br
-14,039
-608,878
-8,374
-416,959
-218,650 -276,054
-9,238
9,821
-700,000
-600,000
-500,000
-400,000
-300,000
-200,000
-100,000
0
100,000
ExtrativaMineral
Indústriade
Transformação
ServiçosIndustriais
deUtilidadePública
ConstruçãoCivil
Comércio
Serviços
Administração
Pública
Agropecuária
Saldo do emprego formal celetista no Brasil em 2015 - atividades
econômicas
FONTE: CAGED
No ano de 2015, houve perda de mais de 1,5 milhão de postos de trabalho no Brasil
EMPREGO FORMAL
BRASIL
www.fee.rs.gov.br
Evolução do estoque de emprego formal celetista no agronegócio do Brasil
BRASIL
EMPREGO FORMAL
FONTE: NEA/FEE
3,467
3,649 3,733 3,791 3,909
4,086 4,066 4,181 4,224 4,178
0
500
1,000
1,500
2,000
2,500
3,000
3,500
4,000
4,500
2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015
Em milhares de vínculos
O agronegócio brasileiro perdeu 46.078 postos de trabalho em 2015, o que representa uma
queda estimada de 1,1% no estoque.
www.fee.rs.gov.br
BRASIL
EMPREGO FORMAL
66,875
-11,362
18,176
60,061
16,971
494 1,623
14,854
-46,078
10,136
-8,881
-47,333
Agronegócio - total Segmento "dentro da
porteira"
Segmento "antes da
porteira"
Segmento "depois da
porteira"
2013 2014 2015
FONTE: NEA/FEE
Saldo do emprego formal celetista no agronegócio do Brasil – 2013-15
www.fee.rs.gov.br
BRASIL
EMPREGO FORMAL
SEGMENTOS E SETORES
Estoque
Participação
(%)
Variação
(%)
Influência
(p. p.)
2014 2015 2015 2014-15 2015
Segmento "dentro da porteira" 1.475.998 1.486.134 35,6 0,7 0,2
Pecuária 510.234 518.672 12,4 1,7 0,2
Segmento "antes da porteira" 262.306 253.425 6,1 -3,4 -0,2
Fabricação de tratores, máquinas e
equipamentos agropecuários
79.331 68.762 1,6 -13,3 -0,3
Segmento "depois da porteira" 2.485.768 2.438.435 58,4 -1,9 -1,1
Abate e fabricação de produtos de carne 460.581 463.838 11,1 0,7 0,1
Fabricação de produtos de panificação 117.401 120.470 2,9 2,6 0,1
Fabricação de produtos intermediários de
madeira
116.297 108.841 2,6 -6,4 -0,2
Fabricação de produtos têxteis (naturais) 70.573 62.833 1,5 -11,0 -0,2
Fabricação de biocombustíveis 120.662 110.160 2,6 -8,7 -0,2
Fabricação e refino de açúcar 303.555 284.129 6,8 -6,4 -0,5
TOTAL 4.224.072 4.177.994 100,0 -1,1 -1,1
FONTE: NEA/FEE
Emprego formal celetista nos setores do agronegócio do Brasil – 2014-15
www.fee.rs.gov.br
BRASIL
EMPREGO FORMAL
UNIDADES DA FEDERAÇÃO
Saldo Estoque
Participação
(%)
Variação
(%)
Influência
(p. p.)
2014 2015 2014 2015 2015 2014-15 2015
São Paulo -13.510 -3.356 999.747 996.391 23,8 -0,3 -0,1
Minas Gerais 2.738 -4.431 534.430 529.999 12,7 -0,8 -0,1
Paraná 7.541 899 422.643 423.542 10,1 0,2 0,0
Rio Grande do Sul 2.350 -3.983 318.676 314.693 7,5 -1,2 -0,1
Santa Catarina 6.151 -1.959 233.449 231.490 5,5 -0,8 0,0
Goiás 2.482 -3.084 224.984 221.900 5,3 -1,4 -0,1
Mato Grosso 112 -3.830 193.214 189.384 4,5 -2,0 -0,1
Bahia 1.547 -3.882 175.959 172.077 4,1 -2,2 -0,1
Pernambuco 2.918 -6.837 167.233 160.396 3,8 -4,1 -0,2
Mato Grosso do Sul 1.811 -419 138.065 137.646 3,3 -0,3 0,0
Rio de Janeiro 1.978 -796 116.399 115.603 2,8 -0,7 0,0
Pará 2.756 -4.049 117.330 113.281 2,7 -3,5 -0,1
TOTAL 16.971 -46.078 4.224.072 4.177.994 100,0 -1,1 -1,1
Emprego formal celetista no agronegócio do Brasil – 2014-15
FONTE: NEA/FEE
www.fee.rs.gov.br
252,991
268,932 275,774 279,873
296,941 305,949 305,476
316,084 318,676 314,693
0
50,000
100,000
150,000
200,000
250,000
300,000
350,000
2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015*
Evolução do estoque de emprego formal celetista no agronegócio do RS
RS
EMPREGO FORMAL
FONTE: NEA/FEE
O agronegócio gaúcho perdeu 3.983 postos de trabalho em 2015, o que representa uma
queda estimada de 1,2% no estoque.
www.fee.rs.gov.br
RS
EMPREGO FORMAL
10,542
1,481
4,753 4,308
2,350
1,326
-2,753
3,777
-3,983
944
-3,695
-1,232
Agronegócio - total Segmento "dentro da
porteira"
Segmento "antes da
porteira"
Segmento "depois da
porteira"
2013 2014 2015
FONTE: NEA/FEE
Saldo do emprego formal celetista no agronegócio do RS – 2013-15
www.fee.rs.gov.br
RS
EMPREGO FORMAL
SEGMENTOS E SETORES
ESTOQUE
PARTICIPAÇÃO
%
VARIAÇÃO %
INFLUÊNCIA
(p.p.)
2014 2015 2015 2014-15 2014-15
Segmento "dentro da porteira" 81.421 82.365 26,2 1,2 0,3
Lavouras temporárias 32.469 32.738 10,4 0,8 0,1
Pecuária 24.272 25.012 7,9 3,0 0,2
Apoio à agropecuária e à produção
florestal
9.820 10.617 3,4 8,1 0,3
Segmento "antes da porteira" 43.575 39.880 12,7 -8,5 -1,2
Fabricação de tratores, máquinas e
equipamentos agropecuários
28.256 23.514 7,5 -16,8 -1,5
Segmento "depois da porteira" 193.680 192.448 61,2 -0,6 -0,4
Abate e fabricação de produtos de carne 57.872 58.813 18,7 1,6 0,3
Moagem e fabricação de produtos
amiláceos
14.732 15.015 4,8 1,9 0,1
Fabricação de produtos de panificação 10.249 10.306 3,3 0,6 0,0
Curtimento e preparações de couro 10.209 9.719 3,1 -4,8 -0,2
Comércio atacadista de produtos
agropecuários e agroindustriais
38.631 38.645 12,3 0,0 0,0
TOTAL 318.676 314.693 100,0 -1,2 -1,2
[U1]A unidade de medida vai sempre entre parênteses?
FONTE: NEA/FEE
Emprego formal celetista nos setores do agronegócio do RS – 2014-15
www.fee.rs.gov.br
RS
EMPREGO FORMAL
RANKING SETORES
SEGMENTO DO
AGRONEGÓCIO
SALDO
EM
2015
VAR. %
ESTOQUE
2014-15
1.º
Fabricação de tratores, máquinas e
equipamentos agropecuários
Antes da porteira -4.742 -16,8
2.º Produção de lavouras permanentes Dentro da porteira -1.031 -12,3
3.º
Fabricação de produtos
intermediários de madeira
Depois da porteira -816 -8,4
4.º Fabricação de conservas Depois da porteira -767 -21,9
5.º Curtimento e preparações de couro Depois da porteira -490 -4,8
Setores com maior perda de empregos no agronegócio gaúcho em 2015
FONTE: NEA/FEE
www.fee.rs.gov.br
RS
EMPREGO FORMAL
Setores com maior ganho de empregos no agronegócio gaúcho em 2015
FONTE: NEA/FEE
RANKING SETORES
SEGMENTO DO
AGRONEGÓCIO
SALDO
EM
2015
VAR. %
ESTOQUE
2014-15
1.º Abate e fabricação de produtos de carne Depois da porteira 941 1,6
2.º
Apoio à agropecuária e à produção
florestal
Dentro da porteira 797 8,1
3.º Pecuária Dentro da porteira 740 3,0
4.º Fabricação de rações Depois da porteira 728 17,6
5.º
Moagem e fabricação de produtos
amiláceos
Depois da porteira 283 1,9
www.fee.rs.gov.brEMPREGO FORMAL
FONTE: NEA/FEE
www.fee.rs.gov.br
Fundação de Economia e Estatística
Siegfried Emanuel Heuser
Diretoria
Presidente: Igor Alexandre Clemente de Morais
Diretor Técnico: Martinho Roberto Lazzari
Diretora Administrativa: Nóra Angela Gundlach Kraemer
Rua Duque de Caxias, 1691
Centro Histórico, Porto Alegre
CEP: 90010-283
(51) 3216.9000
Núcleo de Estudos do Agronegócio
NEA/FEE
Apresentadores:
Rodrigo Feix
(Economista/FEE)
Sérgio Leusin Jr
(Economista/FEE)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024Revista Cafeicultura
 
Agrocafé Runos do Agronegócio Brasileiro - palestra Roberto Rodrigues
Agrocafé  Runos do Agronegócio Brasileiro - palestra Roberto RodriguesAgrocafé  Runos do Agronegócio Brasileiro - palestra Roberto Rodrigues
Agrocafé Runos do Agronegócio Brasileiro - palestra Roberto RodriguesRevista Cafeicultura
 
Julio Britto - Ações e Políticas Públicas
Julio Britto - Ações e Políticas PúblicasJulio Britto - Ações e Políticas Públicas
Julio Britto - Ações e Políticas PúblicasApiculturaeAgricultura
 
Cenários Para Agronegócio 2016-2026
Cenários Para Agronegócio 2016-2026Cenários Para Agronegócio 2016-2026
Cenários Para Agronegócio 2016-2026Sistema FARSUL
 
Situação em 2009 e Perspectivas da Agricultura no Brasil para 2010
Situação em 2009 e Perspectivas da Agricultura no Brasil para 2010Situação em 2009 e Perspectivas da Agricultura no Brasil para 2010
Situação em 2009 e Perspectivas da Agricultura no Brasil para 2010iicabrasil
 
Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.
Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.
Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.Revista Cafeicultura
 
As perspectivas das commodities agrícolas no mercado globalizado
As perspectivas das commodities agrícolas no mercado globalizadoAs perspectivas das commodities agrícolas no mercado globalizado
As perspectivas das commodities agrícolas no mercado globalizadoAgriculturaSustentavel
 
1 introdução ao agronegócio 04 03
1 introdução ao agronegócio 04 031 introdução ao agronegócio 04 03
1 introdução ao agronegócio 04 03Agronegócios
 
Marketing no Agronegócio - estratégia e comprometimento para o futuro - Paulo...
Marketing no Agronegócio - estratégia e comprometimento para o futuro - Paulo...Marketing no Agronegócio - estratégia e comprometimento para o futuro - Paulo...
Marketing no Agronegócio - estratégia e comprometimento para o futuro - Paulo...Paulo Henrique Leme
 
Projeções do agronegócio 2016-2017 a 2026-2027 (versão preliminar)
Projeções do agronegócio 2016-2017 a 2026-2027 (versão preliminar)Projeções do agronegócio 2016-2017 a 2026-2027 (versão preliminar)
Projeções do agronegócio 2016-2017 a 2026-2027 (versão preliminar)Luiz Valeriano
 
Mercado e comercialização na ovinocultura de corte no Brasil
Mercado e comercialização na ovinocultura de corte no BrasilMercado e comercialização na ovinocultura de corte no Brasil
Mercado e comercialização na ovinocultura de corte no BrasilJuan Ferelli
 
Panorama da avicultura
Panorama da aviculturaPanorama da avicultura
Panorama da aviculturaMarília Gomes
 
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2018Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2018Luiz Valeriano
 
Políticas Públicas que Impactam o Agronegócio
Políticas Públicas que Impactam o AgronegócioPolíticas Públicas que Impactam o Agronegócio
Políticas Públicas que Impactam o AgronegócioANCP Ribeirão Preto
 
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundoPanorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundoMarília Gomes
 

Mais procurados (20)

Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
 
Agrocafé Runos do Agronegócio Brasileiro - palestra Roberto Rodrigues
Agrocafé  Runos do Agronegócio Brasileiro - palestra Roberto RodriguesAgrocafé  Runos do Agronegócio Brasileiro - palestra Roberto Rodrigues
Agrocafé Runos do Agronegócio Brasileiro - palestra Roberto Rodrigues
 
Julio Britto - Ações e Políticas Públicas
Julio Britto - Ações e Políticas PúblicasJulio Britto - Ações e Políticas Públicas
Julio Britto - Ações e Políticas Públicas
 
Cenários Para Agronegócio 2016-2026
Cenários Para Agronegócio 2016-2026Cenários Para Agronegócio 2016-2026
Cenários Para Agronegócio 2016-2026
 
Situação em 2009 e Perspectivas da Agricultura no Brasil para 2010
Situação em 2009 e Perspectivas da Agricultura no Brasil para 2010Situação em 2009 e Perspectivas da Agricultura no Brasil para 2010
Situação em 2009 e Perspectivas da Agricultura no Brasil para 2010
 
suinocultura
suinoculturasuinocultura
suinocultura
 
Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.
Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.
Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.
 
O Agronegócio Brasileiro
O Agronegócio BrasileiroO Agronegócio Brasileiro
O Agronegócio Brasileiro
 
Indicadores do Agronegócio do RS - 2º trimestre de 2016
Indicadores do Agronegócio do RS -  2º trimestre de 2016Indicadores do Agronegócio do RS -  2º trimestre de 2016
Indicadores do Agronegócio do RS - 2º trimestre de 2016
 
As perspectivas das commodities agrícolas no mercado globalizado
As perspectivas das commodities agrícolas no mercado globalizadoAs perspectivas das commodities agrícolas no mercado globalizado
As perspectivas das commodities agrícolas no mercado globalizado
 
Lacteos Mc 2011 V Envio
Lacteos Mc 2011 V EnvioLacteos Mc 2011 V Envio
Lacteos Mc 2011 V Envio
 
1 introdução ao agronegócio 04 03
1 introdução ao agronegócio 04 031 introdução ao agronegócio 04 03
1 introdução ao agronegócio 04 03
 
Marketing no Agronegócio - estratégia e comprometimento para o futuro - Paulo...
Marketing no Agronegócio - estratégia e comprometimento para o futuro - Paulo...Marketing no Agronegócio - estratégia e comprometimento para o futuro - Paulo...
Marketing no Agronegócio - estratégia e comprometimento para o futuro - Paulo...
 
Projeções do agronegócio 2016-2017 a 2026-2027 (versão preliminar)
Projeções do agronegócio 2016-2017 a 2026-2027 (versão preliminar)Projeções do agronegócio 2016-2017 a 2026-2027 (versão preliminar)
Projeções do agronegócio 2016-2017 a 2026-2027 (versão preliminar)
 
Mercado e comercialização na ovinocultura de corte no Brasil
Mercado e comercialização na ovinocultura de corte no BrasilMercado e comercialização na ovinocultura de corte no Brasil
Mercado e comercialização na ovinocultura de corte no Brasil
 
Panorama da avicultura
Panorama da aviculturaPanorama da avicultura
Panorama da avicultura
 
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2018Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 2º Levantamento - Maio 2018
 
Perfil do Produtor Agropecuário Brasileiro
Perfil do Produtor Agropecuário BrasileiroPerfil do Produtor Agropecuário Brasileiro
Perfil do Produtor Agropecuário Brasileiro
 
Políticas Públicas que Impactam o Agronegócio
Políticas Públicas que Impactam o AgronegócioPolíticas Públicas que Impactam o Agronegócio
Políticas Públicas que Impactam o Agronegócio
 
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundoPanorama da suinocultura no Brasil e no mundo
Panorama da suinocultura no Brasil e no mundo
 

Destaque

O espaço agrário mundial
O espaço agrário mundialO espaço agrário mundial
O espaço agrário mundialArtur Lara
 
Painel 3 - Cenários para o mercado de commodities - André Pessoa
Painel 3 - Cenários para o mercado de commodities - André PessoaPainel 3 - Cenários para o mercado de commodities - André Pessoa
Painel 3 - Cenários para o mercado de commodities - André Pessoa24x7 COMUNICAÇÃO
 
(Coffee & Dinner 2015 - Cecafé) Painel: Panorama Econômico Mundial
(Coffee & Dinner 2015 - Cecafé) Painel: Panorama Econômico Mundial(Coffee & Dinner 2015 - Cecafé) Painel: Panorama Econômico Mundial
(Coffee & Dinner 2015 - Cecafé) Painel: Panorama Econômico MundialLuiz Valeriano
 
Apresentação do Ministro Antônio Andrade na solenidade de lançamento do Plano...
Apresentação do Ministro Antônio Andrade na solenidade de lançamento do Plano...Apresentação do Ministro Antônio Andrade na solenidade de lançamento do Plano...
Apresentação do Ministro Antônio Andrade na solenidade de lançamento do Plano...Portal Canal Rural
 
Agência Nacional de Tecnologia e Assistência Técnica Rural
Agência Nacional de Tecnologia e Assistência Técnica RuralAgência Nacional de Tecnologia e Assistência Técnica Rural
Agência Nacional de Tecnologia e Assistência Técnica RuralPalácio do Planalto
 
Agronegócio.
Agronegócio.Agronegócio.
Agronegócio.Zeca B.
 
Agroenergia
AgroenergiaAgroenergia
AgroenergiaZeca B.
 
Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12Juliano Hoffmann
 
A micro e pequena empresa exportadora no Brasil – desafios e oportunidades - ...
A micro e pequena empresa exportadora no Brasil – desafios e oportunidades - ...A micro e pequena empresa exportadora no Brasil – desafios e oportunidades - ...
A micro e pequena empresa exportadora no Brasil – desafios e oportunidades - ...24x7 COMUNICAÇÃO
 
Gestão profissional AgroNégocios
Gestão profissional AgroNégociosGestão profissional AgroNégocios
Gestão profissional AgroNégociosCompanyWeb
 
Apresentação prodix BI Agro
Apresentação prodix BI AgroApresentação prodix BI Agro
Apresentação prodix BI AgroClaudecir Santos
 
Palestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto Rodrigues
Palestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto RodriguesPalestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto Rodrigues
Palestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto Rodrigues24x7 COMUNICAÇÃO
 
Inovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do Leite
Inovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do LeiteInovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do Leite
Inovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do LeiteInovatec JF
 
Marketing e qualidade desafios do novo agronegócio brasileiro - versão 2013...
Marketing e qualidade   desafios do novo agronegócio brasileiro - versão 2013...Marketing e qualidade   desafios do novo agronegócio brasileiro - versão 2013...
Marketing e qualidade desafios do novo agronegócio brasileiro - versão 2013...Paulo Henrique Leme
 
ICONE/FIESP: Previsões Agronegócio Brasil 2022 - mai/2012
ICONE/FIESP: Previsões Agronegócio Brasil 2022 - mai/2012ICONE/FIESP: Previsões Agronegócio Brasil 2022 - mai/2012
ICONE/FIESP: Previsões Agronegócio Brasil 2022 - mai/2012AgroTalento
 
Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.
Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.
Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.Revista Cafeicultura
 
Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17
Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17
Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17Palácio do Planalto
 
Marketing e qualidade - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...
Marketing e qualidade  - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...Marketing e qualidade  - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...
Marketing e qualidade - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...Paulo Henrique Leme
 

Destaque (20)

O espaço agrário mundial
O espaço agrário mundialO espaço agrário mundial
O espaço agrário mundial
 
Painel 3 - Cenários para o mercado de commodities - André Pessoa
Painel 3 - Cenários para o mercado de commodities - André PessoaPainel 3 - Cenários para o mercado de commodities - André Pessoa
Painel 3 - Cenários para o mercado de commodities - André Pessoa
 
(Coffee & Dinner 2015 - Cecafé) Painel: Panorama Econômico Mundial
(Coffee & Dinner 2015 - Cecafé) Painel: Panorama Econômico Mundial(Coffee & Dinner 2015 - Cecafé) Painel: Panorama Econômico Mundial
(Coffee & Dinner 2015 - Cecafé) Painel: Panorama Econômico Mundial
 
Apresentação do Ministro Antônio Andrade na solenidade de lançamento do Plano...
Apresentação do Ministro Antônio Andrade na solenidade de lançamento do Plano...Apresentação do Ministro Antônio Andrade na solenidade de lançamento do Plano...
Apresentação do Ministro Antônio Andrade na solenidade de lançamento do Plano...
 
Agência Nacional de Tecnologia e Assistência Técnica Rural
Agência Nacional de Tecnologia e Assistência Técnica RuralAgência Nacional de Tecnologia e Assistência Técnica Rural
Agência Nacional de Tecnologia e Assistência Técnica Rural
 
Agronegócio.
Agronegócio.Agronegócio.
Agronegócio.
 
Agroenergia
AgroenergiaAgroenergia
Agroenergia
 
Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
 
A micro e pequena empresa exportadora no Brasil – desafios e oportunidades - ...
A micro e pequena empresa exportadora no Brasil – desafios e oportunidades - ...A micro e pequena empresa exportadora no Brasil – desafios e oportunidades - ...
A micro e pequena empresa exportadora no Brasil – desafios e oportunidades - ...
 
Gestão profissional AgroNégocios
Gestão profissional AgroNégociosGestão profissional AgroNégocios
Gestão profissional AgroNégocios
 
Apresentação prodix BI Agro
Apresentação prodix BI AgroApresentação prodix BI Agro
Apresentação prodix BI Agro
 
Gestão de agronegócios
Gestão de agronegóciosGestão de agronegócios
Gestão de agronegócios
 
Palestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto Rodrigues
Palestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto RodriguesPalestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto Rodrigues
Palestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto Rodrigues
 
Inovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do Leite
Inovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do LeiteInovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do Leite
Inovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do Leite
 
6ª Aula do Curso de Administração Empresarial
6ª Aula do Curso de Administração Empresarial6ª Aula do Curso de Administração Empresarial
6ª Aula do Curso de Administração Empresarial
 
Marketing e qualidade desafios do novo agronegócio brasileiro - versão 2013...
Marketing e qualidade   desafios do novo agronegócio brasileiro - versão 2013...Marketing e qualidade   desafios do novo agronegócio brasileiro - versão 2013...
Marketing e qualidade desafios do novo agronegócio brasileiro - versão 2013...
 
ICONE/FIESP: Previsões Agronegócio Brasil 2022 - mai/2012
ICONE/FIESP: Previsões Agronegócio Brasil 2022 - mai/2012ICONE/FIESP: Previsões Agronegócio Brasil 2022 - mai/2012
ICONE/FIESP: Previsões Agronegócio Brasil 2022 - mai/2012
 
Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.
Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.
Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.
 
Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17
Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17
Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17
 
Marketing e qualidade - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...
Marketing e qualidade  - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...Marketing e qualidade  - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...
Marketing e qualidade - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...
 

Semelhante a Indicadores agro RS

Situação Plano de Defesa Agropecuária de Goiás - ENFISA 2016
Situação Plano de Defesa Agropecuária de Goiás - ENFISA 2016Situação Plano de Defesa Agropecuária de Goiás - ENFISA 2016
Situação Plano de Defesa Agropecuária de Goiás - ENFISA 2016Oxya Agro e Biociências
 
Conjuntura Econômica - Uma Visão do PIB e VBP em Mato Grosso
Conjuntura Econômica - Uma Visão do PIB e VBP em Mato GrossoConjuntura Econômica - Uma Visão do PIB e VBP em Mato Grosso
Conjuntura Econômica - Uma Visão do PIB e VBP em Mato GrossoSistema Famato
 
Arquivo 120911124456
Arquivo 120911124456Arquivo 120911124456
Arquivo 120911124456Julio Iacia
 
Relatório Carlos Cogo - 9 de julho
Relatório Carlos Cogo - 9 de julhoRelatório Carlos Cogo - 9 de julho
Relatório Carlos Cogo - 9 de julhoJosé Florentino
 
Agua para a Agricultura no Brasil. AIBA Zanella
Agua para a Agricultura no Brasil. AIBA ZanellaAgua para a Agricultura no Brasil. AIBA Zanella
Agua para a Agricultura no Brasil. AIBA Zanellaequipeagroplus
 
Desafios E Estrat Desenvolvimento Amazonia Completa
Desafios E Estrat Desenvolvimento   Amazonia  CompletaDesafios E Estrat Desenvolvimento   Amazonia  Completa
Desafios E Estrat Desenvolvimento Amazonia CompletaAdagenor Ribeiro
 
Relatório Carlos Cogo - 13 de julho
Relatório Carlos Cogo - 13 de julhoRelatório Carlos Cogo - 13 de julho
Relatório Carlos Cogo - 13 de julhoJosé Florentino
 
Relatório Carlos Cogo - 13 de agosto
Relatório Carlos Cogo - 13 de agostoRelatório Carlos Cogo - 13 de agosto
Relatório Carlos Cogo - 13 de agostoJosé Florentino
 
Relatório diário Cogo Inteligência em Agronegócio
Relatório diário Cogo Inteligência em AgronegócioRelatório diário Cogo Inteligência em Agronegócio
Relatório diário Cogo Inteligência em AgronegócioLuisRobertoToledo
 
Relatório Coronavírus - 3 de junho
Relatório Coronavírus - 3 de junhoRelatório Coronavírus - 3 de junho
Relatório Coronavírus - 3 de junhoJosé Florentino
 
Estudo sobre comércio exterior do agronegócio 2012 - Ministerio da Agricultura
Estudo sobre comércio exterior do agronegócio 2012 - Ministerio da AgriculturaEstudo sobre comércio exterior do agronegócio 2012 - Ministerio da Agricultura
Estudo sobre comércio exterior do agronegócio 2012 - Ministerio da AgriculturaRevista Cafeicultura
 

Semelhante a Indicadores agro RS (20)

Ibco agronegócio 20150626 3
Ibco   agronegócio 20150626 3Ibco   agronegócio 20150626 3
Ibco agronegócio 20150626 3
 
Situação Plano de Defesa Agropecuária de Goiás - ENFISA 2016
Situação Plano de Defesa Agropecuária de Goiás - ENFISA 2016Situação Plano de Defesa Agropecuária de Goiás - ENFISA 2016
Situação Plano de Defesa Agropecuária de Goiás - ENFISA 2016
 
Características da Economia Gaúcha
Características da Economia GaúchaCaracterísticas da Economia Gaúcha
Características da Economia Gaúcha
 
Índice das Exportações - 3º trimestre/2015
Índice das Exportações - 3º trimestre/2015Índice das Exportações - 3º trimestre/2015
Índice das Exportações - 3º trimestre/2015
 
Farsul
FarsulFarsul
Farsul
 
Indicadores agronegócio 3º trimestre de 2016
Indicadores agronegócio 3º trimestre de 2016Indicadores agronegócio 3º trimestre de 2016
Indicadores agronegócio 3º trimestre de 2016
 
Conjuntura Econômica - Uma Visão do PIB e VBP em Mato Grosso
Conjuntura Econômica - Uma Visão do PIB e VBP em Mato GrossoConjuntura Econômica - Uma Visão do PIB e VBP em Mato Grosso
Conjuntura Econômica - Uma Visão do PIB e VBP em Mato Grosso
 
Desempenho das Exportações de 2015
Desempenho das Exportações de 2015Desempenho das Exportações de 2015
Desempenho das Exportações de 2015
 
Perfil Exportador Paulista - 2014
Perfil Exportador Paulista - 2014Perfil Exportador Paulista - 2014
Perfil Exportador Paulista - 2014
 
Minas Pecuária
Minas PecuáriaMinas Pecuária
Minas Pecuária
 
arquivo_120911124456.ppt
arquivo_120911124456.pptarquivo_120911124456.ppt
arquivo_120911124456.ppt
 
Arquivo 120911124456
Arquivo 120911124456Arquivo 120911124456
Arquivo 120911124456
 
Relatório Carlos Cogo - 9 de julho
Relatório Carlos Cogo - 9 de julhoRelatório Carlos Cogo - 9 de julho
Relatório Carlos Cogo - 9 de julho
 
Agua para a Agricultura no Brasil. AIBA Zanella
Agua para a Agricultura no Brasil. AIBA ZanellaAgua para a Agricultura no Brasil. AIBA Zanella
Agua para a Agricultura no Brasil. AIBA Zanella
 
Desafios E Estrat Desenvolvimento Amazonia Completa
Desafios E Estrat Desenvolvimento   Amazonia  CompletaDesafios E Estrat Desenvolvimento   Amazonia  Completa
Desafios E Estrat Desenvolvimento Amazonia Completa
 
Relatório Carlos Cogo - 13 de julho
Relatório Carlos Cogo - 13 de julhoRelatório Carlos Cogo - 13 de julho
Relatório Carlos Cogo - 13 de julho
 
Relatório Carlos Cogo - 13 de agosto
Relatório Carlos Cogo - 13 de agostoRelatório Carlos Cogo - 13 de agosto
Relatório Carlos Cogo - 13 de agosto
 
Relatório diário Cogo Inteligência em Agronegócio
Relatório diário Cogo Inteligência em AgronegócioRelatório diário Cogo Inteligência em Agronegócio
Relatório diário Cogo Inteligência em Agronegócio
 
Relatório Coronavírus - 3 de junho
Relatório Coronavírus - 3 de junhoRelatório Coronavírus - 3 de junho
Relatório Coronavírus - 3 de junho
 
Estudo sobre comércio exterior do agronegócio 2012 - Ministerio da Agricultura
Estudo sobre comércio exterior do agronegócio 2012 - Ministerio da AgriculturaEstudo sobre comércio exterior do agronegócio 2012 - Ministerio da Agricultura
Estudo sobre comércio exterior do agronegócio 2012 - Ministerio da Agricultura
 

Mais de Fundação de Economia e Estatística

Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15
Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15
Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15Fundação de Economia e Estatística
 
Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017
Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017
Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017Fundação de Economia e Estatística
 
Desempenho do mercado de trabalho da Região Metropolitana de Porto Alegre e...
Desempenho do mercado de trabalho  da Região Metropolitana de  Porto Alegre e...Desempenho do mercado de trabalho  da Região Metropolitana de  Porto Alegre e...
Desempenho do mercado de trabalho da Região Metropolitana de Porto Alegre e...Fundação de Economia e Estatística
 
A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...
A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...
A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...Fundação de Economia e Estatística
 
O Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília Hoff
O Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília HoffO Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília Hoff
O Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília HoffFundação de Economia e Estatística
 

Mais de Fundação de Economia e Estatística (20)

Idese 2015
Idese 2015Idese 2015
Idese 2015
 
O significado da retomada do crescimento em 2017
O significado da retomada do crescimento em 2017O significado da retomada do crescimento em 2017
O significado da retomada do crescimento em 2017
 
Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15
Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15
Evolução estrutural da indústria de transformação do RS — 2007-15
 
Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017
Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017
Condições do mercado de trabalho foram mais severas para as mulheres em 2017
 
Desempenho do mercado de trabalho da Região Metropolitana de Porto Alegre e...
Desempenho do mercado de trabalho  da Região Metropolitana de  Porto Alegre e...Desempenho do mercado de trabalho  da Região Metropolitana de  Porto Alegre e...
Desempenho do mercado de trabalho da Região Metropolitana de Porto Alegre e...
 
Expectativas inflacionárias e política monetária
Expectativas inflacionárias e política monetáriaExpectativas inflacionárias e política monetária
Expectativas inflacionárias e política monetária
 
Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%
Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%
Taxa de desistência no ensino superior gaúcho atinge 64,1%
 
Estimativas para a população flutuante do Litoral Norte do RS
Estimativas para a população flutuante do Litoral Norte do RSEstimativas para a população flutuante do Litoral Norte do RS
Estimativas para a população flutuante do Litoral Norte do RS
 
Desaceleração cíclica ou estrutural no comércio mundial?
Desaceleração cíclica ou estrutural no comércio mundial?Desaceleração cíclica ou estrutural no comércio mundial?
Desaceleração cíclica ou estrutural no comércio mundial?
 
PIB dos municípios do RS em 2015
PIB dos municípios do RS em 2015PIB dos municípios do RS em 2015
PIB dos municípios do RS em 2015
 
PIB TRIMESTRAL DO RS 3.° trim./2017
PIB TRIMESTRAL DO RS 3.° trim./2017PIB TRIMESTRAL DO RS 3.° trim./2017
PIB TRIMESTRAL DO RS 3.° trim./2017
 
Informe PED-RMPA (Novembro/2017)
Informe PED-RMPA (Novembro/2017)Informe PED-RMPA (Novembro/2017)
Informe PED-RMPA (Novembro/2017)
 
Mercado formal de trabalho do RS estagna após forte retração
Mercado formal de trabalho do RS estagna após forte retraçãoMercado formal de trabalho do RS estagna após forte retração
Mercado formal de trabalho do RS estagna após forte retração
 
PIB Trimestral do RS 2º trimestre 2017
PIB Trimestral do RS 2º trimestre 2017PIB Trimestral do RS 2º trimestre 2017
PIB Trimestral do RS 2º trimestre 2017
 
Elevação do nível ocupacional reduz a taxa de desemprego
Elevação do nível ocupacional reduz a taxa de desempregoElevação do nível ocupacional reduz a taxa de desemprego
Elevação do nível ocupacional reduz a taxa de desemprego
 
FEDERALISMO E A QUESTÃO REGIONAL DO RS - Tomás Fiori
FEDERALISMO E A QUESTÃO  REGIONAL DO RS - Tomás FioriFEDERALISMO E A QUESTÃO  REGIONAL DO RS - Tomás Fiori
FEDERALISMO E A QUESTÃO REGIONAL DO RS - Tomás Fiori
 
A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...
A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...
A economia do RS no atual ciclo recessivo: já chegamos ao fundo do poço? - Je...
 
O Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília Hoff
O Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília HoffO Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília Hoff
O Rio Grande do Sul no cenário nacional: há perda de dinamismo? - Cecília Hoff
 
Principais atividades no Valor Adicionado dos municípios do RS
Principais atividades no Valor Adicionado dos municípios do RSPrincipais atividades no Valor Adicionado dos municípios do RS
Principais atividades no Valor Adicionado dos municípios do RS
 
As barreiras e os novos desafios para inovar
As barreiras e os novos desafios para inovarAs barreiras e os novos desafios para inovar
As barreiras e os novos desafios para inovar
 

Indicadores agro RS

  • 2. www.fee.rs.gov.br  A FEE está divulgando pela primeira vez as estatísticas do emprego formal celetista e das exportações do agronegócio do Brasil e do Rio Grande do Sul.  Mensalmente as estatísticas serão atualizadas e publicadas no site da instituição.  Trimestralmente ocorrerá a apresentação dos resultados para a imprensa e demais interessados. INTRODUÇÃO
  • 3. www.fee.rs.gov.br  A produção das estatísticas da FEE é inspirada no conceito do agronegócio, que, além da agropecuária, abrange: a. as atividades de produção de insumos e de bens de capital para a agropecuária (fertilizantes, defensivos, máquinas agrícolas); b. as atividades da indústria de transformação que se utilizam de matéria- prima agropecuária (alimentos, biocombustíveis, fumo); c. as atividades especializadas na oferta de serviços agropecuários e na armazenagem e distribuição dos produtos do agronegócio. INTRODUÇÃO
  • 5. www.fee.rs.gov.br  Tanto as estatísticas de emprego formal, quanto as de exportações, são calculadas em dois níveis de abrangência: a. Agronegócio – versão ampla: abrange as atividades produtivas do núcleo do agronegócio e das atividades interdependentes a montante (segmento “antes da porteira”) e a jusante (segmento “depois da porteira”). b. Agronegócio – versão restrita: no segmento “depois da porteira”, contempla apenas as atividades que se ocupam da primeira e da segunda transformações da matéria-prima agropecuária.  Os resultados apresentados na sequência referem-se à versão restrita do agronegócio. INTRODUÇÃO
  • 6. www.fee.rs.gov.br  O detalhamento dos procedimentos metodológicos adotados para a produção das estatísticas está disponível no site da FEE:  Nota metodológica – Emprego formal celetista do agronegócio  Nota metodológica – Exportações do agronegócio www.fee.rs.gov.br/indicadores/agronegocio INTRODUÇÃO
  • 7. www.fee.rs.gov.brEXPORTAÇÕES EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO  O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada divulgam periodicamente estatísticas de exportações do setor no Brasil.  Porém, essas estatísticas restringem-se aos produtos da agropecuária (“dentro da porteira”) e da agroindústria (“depois da porteira”).  A percepção dessa limitação foi decisiva para que a FEE passasse a calcular e divulgar estatísticas e indicadores de exportação do agronegócio brasileiro e gaúcho.
  • 8. www.fee.rs.gov.br INSUMOS, MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS DE USO AGROPECUÁRIO (4,2%) PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL (23,1%) PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL (72,7%) EXPORTAÇÕES EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS 2015 FONTE: NEA/FEE Descrição 2014 2015 Variação Variação (%)(US$) (US$) (US$) Insumos, máquinas e equipamentos de uso agropecuário 718.388.051 492.077.224 -226.310.827 -31,5 Produtos de origem animal 3.013.635.895 2.696.954.403 -316.681.492 -10,5 Produtos de origem vegetal 8.686.910.085 8.475.687.133 -211.222.952 -2,4 TOTAL 12.418.934.031 11.664.718.760 -754.215.271 -6,1
  • 9. www.fee.rs.gov.brEXPORTAÇÕES EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS FONTE: NEA/FEE 11.0 13.4 12.4 11.7 6.4 11.7 6.3 5.9 63.1% 53.4% 66.4% 66.6% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 0 5 10 15 20 25 30 2012 2013 2014 2015 US$bilhões Agronegócio Demais setores Participação do agronegócio
  • 11. www.fee.rs.gov.brEXPORTAÇÕES FONTE: BCB EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS Evolução da taxa de câmbio (R$/US$) – comercial (venda) 2.25 3.31 2.00 2.50 3.00 3.50 4.00 4.50
  • 12. www.fee.rs.gov.brEXPORTAÇÕES EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS Macrossetor “Insumos, máquinas e equipamentos de uso agropecuário” Descrição 2014 2015 Variação Variação Contribuição (US$) (US$) (US$) (%) (%) INSUMOS, MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS DE USO AGROPECUÁRIO 718.388.051 492.077.224 -226.310.827 -31,5 -30,0 Sementes e mudas 16.514.588 7.779.961 -8.734.627 -52,9 -1,2 Adubos e fertilizantes 78.080.160 63.139.783 -14.940.377 -19,1 -2,0 Silos e equipamentos para secagem, limpeza e seleção de grãos 39.570.903 22.008.545 -17.562.358 -44,4 -2,3 Máquinas e implementos agrícolas 477.923.126 283.864.982 -194.058.144 -40,6 -25,7 Tratores agrícolas 254.515.092 179.979.106 -74.535.986 -29,3 -9,9 Colheitadeiras 109.167.079 39.445.754 -69.721.325 -63,9 -9,2 Semeadeiras e plantadeiras 69.983.800 27.670.369 -42.313.431 -60,5 -5,6 Outros 106.299.274 115.283.953 8.984.679 8,5 1,2 FONTE: NEA/FEE
  • 13. www.fee.rs.gov.br Sementes e mudas (1,6%) Adubos e fertilizantes (12,8%) Defensivos agrícolas (0,6%) Medicamentos veterinários (0,0%) Rações (1,4%) Silos e equipamentos para secagem, limpeza e seleção de grãos (4,5%) Máquinas e implementos agrícolas (57,7%) Máquinas e equipamentos para a produção animal (0,7%) Demais máquinas e equipamentos agropecuários e suas partes (20,7%) EXPORTAÇÕES EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS Macrossetor “Insumos, máquinas e equipamentos de uso agropecuário” - 2015 FONTE: NEA/FEE
  • 14. www.fee.rs.gov.brEXPORTAÇÕES EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS Macrossetor “Produtos de origem animal” Descrição 2014 2015 Variação Variação Contribuição (US$) (US$) (US$) (%) (%) PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL 3.013.635.895 2.696.954.403 -316.681.492 -10,5 -42,0 Carnes 2.241.464.203 1.981.569.512 -259.894.691 -11,6 -34,5 Carne bovina 228.566.729 212.329.805 -16.236.924 -7,1 -2,2 Carne suína 460.360.921 428.183.517 -32.177.404 -7,0 -4,3 Carne de frango 1.388.664.410 1.231.251.874 -157.412.536 -11,3 -20,9 Carne de peru 54.653.793 41.022.555 -13.631.238 -24,9 -1,8 Lácteos 38.471.492 89.782.000 51.310.508 133,4 6,8 Leite em pó 30.220.729 87.822.919 57.602.190 190,6 7,6 Couros e peleteria 603.581.833 493.029.474 -110.552.359 -18,3 -14,7 Couros e peles 603.407.221 492.906.486 -110.500.735 -18,3 -14,7 Outros 130.118.367 132.573.417 2.455.050 1,9 0,3 FONTE: NEA/FEE
  • 15. www.fee.rs.gov.br Animais vivos (exceto pescados) (0,3%) Carnes (73,5%) Pescados (0,8%) Lácteos (3,3%) Ovos e gemas (0,4%) Produtos apícolas (0,1%) Couros e peleteria (18,3%) Gorduras e óleos de origem animal (0,1%) Albumina, gelatinas e outras substâncias proteicas (1,2%) Demais produtos de origem animal (2,0%) EXPORTAÇÕES EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS Macrossetor “Produtos de origem animal” - 2015 FONTE: NEA/FEE
  • 16. www.fee.rs.gov.brEXPORTAÇÕES Descrição 2014 2015 Variação Variação Contribuição (US$) (US$) (US$) (%) (%) PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL 8.686.910.085 8.475.687.133 -211.222.952 -2,4 -28,0 Cereais, farinhas e preparações 713.264.866 727.747.899 14.483.033 2,0 1,9 Cereais 703.800.884 718.649.785 14.848.901 2,1 2,0 Trigo 97.521.212 309.840.317 212.319.105 217,7 28,2 Milho 234.735.754 65.120.280 -169.615.474 -72,3 -22,5 Arroz 370.081.082 338.735.099 -31.345.983 -8,5 -4,2 Soja 5.374.308.735 5.286.979.244 -87.329.491 -1,6 -11,6 Soja em grão 3.985.547.562 4.094.411.549 108.863.987 2,7 14,4 Farelo de soja 1.158.207.171 980.181.438 -178.025.733 -15,4 -23,6 Óleo de soja 230.554.002 212.386.257 -18.167.745 -7,9 -2,4 Fumo e seus produtos 1.901.338.149 1.607.206.808 -294.131.341 -15,5 -39,0 Fumo não manufaturado 1.772.762.743 1.495.137.520 -277.625.223 -15,7 -36,8 Produtos florestais 267.105.050 456.680.679 189.575.629 71,0 25,1 Celulose 129.510.573 305.681.235 176.170.662 136,0 23,4 Biocombustíveis 22.678.288 519.944 -22.158.344 -97,7 -2,9 Biodiesel 22.510.831 28.427 -22.482.404 -99,9 -3,0 Outros 252.426.755 248.558.809 -3.867.946 -1,5 -0,5 EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS Macrossetor “Produtos de origem vegetal” - 2015 FONTE: NEA/FEE
  • 17. www.fee.rs.gov.br Soja (62,4%) Fumo e seus produtos (19,0%) Cereais, farinhas e preparações (8,6%) Produtos florestais (5,4%) Demais produtos de origem vegetal (1,3%) Chá, mate e especiarias (0,9%)Outros (2,5%) EXPORTAÇÕES EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS Macrossetor “Produtos de origem vegetal” - 2015 FONTE: NEA/FEE
  • 18. www.fee.rs.gov.br Market share das exportações do agronegócio gaúcho (2015) China, 36.5% Vietnã, 3.8% Coreia do Sul, 3.6% Venezuela, 3.4% Rússia, 3.0% Estados Unidos, 3.0% Arábia Saudita, 2.7% Bélgica, 2.5% Holanda; 2,4% Demais países; 39,1% EXPORTAÇÕES EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS FONTE: NEA/FEE
  • 19. www.fee.rs.gov.br Exportações do agronegócio gaúcho em janeiro de 2016 EXPORTAÇÕES EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO DO RS FONTE: NEA/FEE Descrição Jan./2015 Dez./2015 Jan./2016 Participa- ção (%) Var. % jan.16- jan.15 Var. % jan.16- dez.15 INSUMOS, MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS DE USO AGROPECUÁRIO 40.346.057 41.319.979 18.006.565 3,7 -55,4 -56,4 Máquinas e implementos agrícolas 26.702.719 24.456.874 9.270.967 1,9 -65,3 -62,1 PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL 166.855.543 232.390.880 163.373.507 33,5 -2,1 -29,7 Carnes 121.117.657 165.931.501 120.481.773 24,7 -0,5 -27,4 Couros e peleteria 31.280.292 47.782.543 29.596.906 6,1 -5,4 -38,1 PRODUTOS DE ORIGEM VEGETAL 399.571.357 352.810.131 305.834.740 62,8 -23,5 -13,3 Produtos florestais 8.509.418 54.125.356 92.959.762 19,1 992,4 71,7 Soja 152.552.007 97.472.813 84.088.214 17,3 -44,9 -13,7 Fumo e seus produtos 91.610.513 71.540.911 58.711.797 12,1 -35,9 -17,9 Cereais, farinhas e preparações 118.619.237 93.437.288 46.545.857 9,6 -60,8 -50,2 TOTAL 606.772.957 626.520.990 487.214.812 100,0 -19,7 -22,2 (em US$ FOB)
  • 20. www.fee.rs.gov.br  A ausência de informações que permitam o acompanhamento conjuntural do mercado de trabalho no agronegócio brasileiro motivou a produção das estatísticas de emprego formal celetista do setor.  Sabe-se que uma parcela significativa da população ocupada na agropecuária brasileira não possui vínculo formal de trabalho, sendo constituída de pessoas com laço de parentesco com o responsável pela unidade de produção (familiar ou não familiar).  Nos últimos anos, simultaneamente à expansão da produção rural brasileira, verificou-se a gradativa elevação no número de trabalhadores formais no setor agropecuário, principalmente nas Regiões Norte e Centro- Oeste. EMPREGO FORMAL CELETISTA DO AGRONEGÓCIO EMPREGO FORMAL
  • 21. www.fee.rs.gov.br  A agropecuária responde por cerca de 3% dos vínculos ativos formais de trabalho no Brasil (1,49 milhão de empregos).  Esse contingente de trabalhadores, ainda que não seja representativo da ocupação total na agropecuária, já justificaria sua análise e seu acompanhamento periódicos.  Além disso, há um amplo conjunto de atividades industriais e de serviços especializados, conectados a montante e a jusante da agropecuária, que responde por uma parcela expressiva do emprego formal no Brasil (~10%). EMPREGO FORMAL CELETISTA DO AGRONEGÓCIO EMPREGO FORMAL
  • 23. www.fee.rs.gov.br Evolução do estoque de emprego formal celetista no agronegócio do Brasil BRASIL EMPREGO FORMAL FONTE: NEA/FEE 3,467 3,649 3,733 3,791 3,909 4,086 4,066 4,181 4,224 4,178 0 500 1,000 1,500 2,000 2,500 3,000 3,500 4,000 4,500 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Em milhares de vínculos O agronegócio brasileiro perdeu 46.078 postos de trabalho em 2015, o que representa uma queda estimada de 1,1% no estoque.
  • 24. www.fee.rs.gov.br BRASIL EMPREGO FORMAL 66,875 -11,362 18,176 60,061 16,971 494 1,623 14,854 -46,078 10,136 -8,881 -47,333 Agronegócio - total Segmento "dentro da porteira" Segmento "antes da porteira" Segmento "depois da porteira" 2013 2014 2015 FONTE: NEA/FEE Saldo do emprego formal celetista no agronegócio do Brasil – 2013-15
  • 25. www.fee.rs.gov.br BRASIL EMPREGO FORMAL SEGMENTOS E SETORES Estoque Participação (%) Variação (%) Influência (p. p.) 2014 2015 2015 2014-15 2015 Segmento "dentro da porteira" 1.475.998 1.486.134 35,6 0,7 0,2 Pecuária 510.234 518.672 12,4 1,7 0,2 Segmento "antes da porteira" 262.306 253.425 6,1 -3,4 -0,2 Fabricação de tratores, máquinas e equipamentos agropecuários 79.331 68.762 1,6 -13,3 -0,3 Segmento "depois da porteira" 2.485.768 2.438.435 58,4 -1,9 -1,1 Abate e fabricação de produtos de carne 460.581 463.838 11,1 0,7 0,1 Fabricação de produtos de panificação 117.401 120.470 2,9 2,6 0,1 Fabricação de produtos intermediários de madeira 116.297 108.841 2,6 -6,4 -0,2 Fabricação de produtos têxteis (naturais) 70.573 62.833 1,5 -11,0 -0,2 Fabricação de biocombustíveis 120.662 110.160 2,6 -8,7 -0,2 Fabricação e refino de açúcar 303.555 284.129 6,8 -6,4 -0,5 TOTAL 4.224.072 4.177.994 100,0 -1,1 -1,1 FONTE: NEA/FEE Emprego formal celetista nos setores do agronegócio do Brasil – 2014-15
  • 26. www.fee.rs.gov.br BRASIL EMPREGO FORMAL UNIDADES DA FEDERAÇÃO Saldo Estoque Participação (%) Variação (%) Influência (p. p.) 2014 2015 2014 2015 2015 2014-15 2015 São Paulo -13.510 -3.356 999.747 996.391 23,8 -0,3 -0,1 Minas Gerais 2.738 -4.431 534.430 529.999 12,7 -0,8 -0,1 Paraná 7.541 899 422.643 423.542 10,1 0,2 0,0 Rio Grande do Sul 2.350 -3.983 318.676 314.693 7,5 -1,2 -0,1 Santa Catarina 6.151 -1.959 233.449 231.490 5,5 -0,8 0,0 Goiás 2.482 -3.084 224.984 221.900 5,3 -1,4 -0,1 Mato Grosso 112 -3.830 193.214 189.384 4,5 -2,0 -0,1 Bahia 1.547 -3.882 175.959 172.077 4,1 -2,2 -0,1 Pernambuco 2.918 -6.837 167.233 160.396 3,8 -4,1 -0,2 Mato Grosso do Sul 1.811 -419 138.065 137.646 3,3 -0,3 0,0 Rio de Janeiro 1.978 -796 116.399 115.603 2,8 -0,7 0,0 Pará 2.756 -4.049 117.330 113.281 2,7 -3,5 -0,1 TOTAL 16.971 -46.078 4.224.072 4.177.994 100,0 -1,1 -1,1 Emprego formal celetista no agronegócio do Brasil – 2014-15 FONTE: NEA/FEE
  • 27. www.fee.rs.gov.br 252,991 268,932 275,774 279,873 296,941 305,949 305,476 316,084 318,676 314,693 0 50,000 100,000 150,000 200,000 250,000 300,000 350,000 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015* Evolução do estoque de emprego formal celetista no agronegócio do RS RS EMPREGO FORMAL FONTE: NEA/FEE O agronegócio gaúcho perdeu 3.983 postos de trabalho em 2015, o que representa uma queda estimada de 1,2% no estoque.
  • 28. www.fee.rs.gov.br RS EMPREGO FORMAL 10,542 1,481 4,753 4,308 2,350 1,326 -2,753 3,777 -3,983 944 -3,695 -1,232 Agronegócio - total Segmento "dentro da porteira" Segmento "antes da porteira" Segmento "depois da porteira" 2013 2014 2015 FONTE: NEA/FEE Saldo do emprego formal celetista no agronegócio do RS – 2013-15
  • 29. www.fee.rs.gov.br RS EMPREGO FORMAL SEGMENTOS E SETORES ESTOQUE PARTICIPAÇÃO % VARIAÇÃO % INFLUÊNCIA (p.p.) 2014 2015 2015 2014-15 2014-15 Segmento "dentro da porteira" 81.421 82.365 26,2 1,2 0,3 Lavouras temporárias 32.469 32.738 10,4 0,8 0,1 Pecuária 24.272 25.012 7,9 3,0 0,2 Apoio à agropecuária e à produção florestal 9.820 10.617 3,4 8,1 0,3 Segmento "antes da porteira" 43.575 39.880 12,7 -8,5 -1,2 Fabricação de tratores, máquinas e equipamentos agropecuários 28.256 23.514 7,5 -16,8 -1,5 Segmento "depois da porteira" 193.680 192.448 61,2 -0,6 -0,4 Abate e fabricação de produtos de carne 57.872 58.813 18,7 1,6 0,3 Moagem e fabricação de produtos amiláceos 14.732 15.015 4,8 1,9 0,1 Fabricação de produtos de panificação 10.249 10.306 3,3 0,6 0,0 Curtimento e preparações de couro 10.209 9.719 3,1 -4,8 -0,2 Comércio atacadista de produtos agropecuários e agroindustriais 38.631 38.645 12,3 0,0 0,0 TOTAL 318.676 314.693 100,0 -1,2 -1,2 [U1]A unidade de medida vai sempre entre parênteses? FONTE: NEA/FEE Emprego formal celetista nos setores do agronegócio do RS – 2014-15
  • 30. www.fee.rs.gov.br RS EMPREGO FORMAL RANKING SETORES SEGMENTO DO AGRONEGÓCIO SALDO EM 2015 VAR. % ESTOQUE 2014-15 1.º Fabricação de tratores, máquinas e equipamentos agropecuários Antes da porteira -4.742 -16,8 2.º Produção de lavouras permanentes Dentro da porteira -1.031 -12,3 3.º Fabricação de produtos intermediários de madeira Depois da porteira -816 -8,4 4.º Fabricação de conservas Depois da porteira -767 -21,9 5.º Curtimento e preparações de couro Depois da porteira -490 -4,8 Setores com maior perda de empregos no agronegócio gaúcho em 2015 FONTE: NEA/FEE
  • 31. www.fee.rs.gov.br RS EMPREGO FORMAL Setores com maior ganho de empregos no agronegócio gaúcho em 2015 FONTE: NEA/FEE RANKING SETORES SEGMENTO DO AGRONEGÓCIO SALDO EM 2015 VAR. % ESTOQUE 2014-15 1.º Abate e fabricação de produtos de carne Depois da porteira 941 1,6 2.º Apoio à agropecuária e à produção florestal Dentro da porteira 797 8,1 3.º Pecuária Dentro da porteira 740 3,0 4.º Fabricação de rações Depois da porteira 728 17,6 5.º Moagem e fabricação de produtos amiláceos Depois da porteira 283 1,9
  • 33. www.fee.rs.gov.br Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser Diretoria Presidente: Igor Alexandre Clemente de Morais Diretor Técnico: Martinho Roberto Lazzari Diretora Administrativa: Nóra Angela Gundlach Kraemer Rua Duque de Caxias, 1691 Centro Histórico, Porto Alegre CEP: 90010-283 (51) 3216.9000 Núcleo de Estudos do Agronegócio NEA/FEE Apresentadores: Rodrigo Feix (Economista/FEE) Sérgio Leusin Jr (Economista/FEE)