SlideShare uma empresa Scribd logo

Perfil elisa bracher

1 de 1
Baixar para ler offline
4
.
    ●   SEGUNDO CADERNO                                                                                              O GLOBO                                                                          Sábado, 11 de fevereiro de 2012




“
                                                                                                                      PERFIL
                                                                                                                                                                                                                           Marcos Alves




Acho pobre
qualquer coisa que
fique restrita a um
único modo de
manifestação,
acredito na riqueza
das misturas, na
força das somas.
Eu me ressinto
de a arte estar
fechada em
galerias e museus
Elisa Bracher




                                                                 Fotos de divulgação




                                                                                          A arte do equilíbrio
“PONTO FINAL sem pausas” (2011): escultura monumental no MAM
                                                                                          de Elisa Bracher
          Audrey Furlaneto                     achá-lo fraco, optando por es-
                                               tudar Artes Plásticas na Fun-
                                                                                                                                                                    Autora da imensa instalação



Q
     segundocaderno@oglobo.com.br
                                               dação Armando Álvares Pen-
               uando teve a pri-               teado (Faap). Quando se insta-                                                                                       de chumbo que ocupa o MAM,
               meira aula de                   lou na Vila Leopoldina, apre-
               gravura, no fim                 sentou-se à comunidade ofere-
               dos anos 1980, a                cendo cursos de marcenaria                                                                                           paulistana lança livro, cria balé
               jovem Elisa Bra-                aos pequenos. Durante um
               cher se sentiu co-              ano, teve apenas sete alunos.
mo “uma criança diante de um                   Hoje, o ateliê não funciona                                                                                          e prepara dois filmes sobre
mágico”. Era como se o profes-                 mais lá: perdeu espaço para o
sor, o gravador Cláudio Muba-
rac, “tivesse tirado um coelho
                                               Acaia, instituto criado por Eli-
                                               sa que agora recebe 260 crian-
                                                                                                                                                                    experiências da escola que fundou
da cartola.” Elisa embrenhou-se                ças e 40 adultos diariamente.
em cursos de gravura e, pouco                     — Basicamente, eles vão ao                                                                                        há 15 anos em bairro pobre de SP
tempo depois, encantada dian-                  ateliê para construir possibilida-
te de algumas delas expostas                   des de vida saudável. Antes de             OBRA EM MADEIRA sem título (2005), no Largo do Arouche (SP)
no Museu de Arte Moderna                       tudo, é um lugar em que podem
(MAM) do Rio, pensou: “Quero                   simplesmente estar, olhar, ver,
fazer uma linha ficar de pé so-                sentir o sol, o vento. Mas as ofi-         O filme se passa entre São           Decidiu, enfim, construir seu
zinha. Vou fazer escultura”.                   cinas estão ali, à disposição pa-       Paulo e Londres. Na capital in-      ateliê num terreno que herdou
   Ao longo de 20 anos, Elisa, ho-             ra que, no tempo de cada um,            glesa, Elisa entrevistou corpo       do avô, também no Alto de Pi-
je com 46, experimentou diferen-               possam começar a construir —            docente e alunos da Barham           nheiros — bairro em que vive
tes materiais, do cobre à madei-               diz a artista, que coordena as          Primary School, escola públi-        hoje, com o marido, Pedro Fran-
ra, até chegar ao chumbo, que                  aulas de marcenaria, culinária,         ca em que as crianças, de vá-        ciosi, um dos sócios da editora
compõe a elogiada instalação                   pintura, desenho, tipografia, ca-       rias origens, falam 32 idiomas.      34, e os dois filhos, Paulo, 16
“Ponto final sem pausas”, expos-               poeira e, para os mais velhos, ví-      Com o título provisório “Que         anos, e Antônio, 14. O ateliê, por
ta no MAM até o dia 29 de feve-                deo, dança, costura e cerâmica.         língua você fala?”, o documen-       outro lado, não durou muito no
reiro. O trabalho inspirou um li-                 — Acho pobre qualquer coi-           tário deve ser finalizado no se-     local. Vizinhos se queixavam de
vro de mesmo título, que a artis-              sa que fique restrita a um único        gundo semestre. Até lá, Elisa        ruídos, e os caminhões que car-
ta lança no museu, no dia 28,                  modo de manifestação, acredi-           faz caminhar outro filme, so-        regavam obras não podiam cir-
com texto e entrevista ao cura-                to na riqueza das misturas, na          bre a mudança das comunida-          cular no bairro. Foi então que se
dor Luiz Camillo Osorio.                       força das somas. Eu me ressin-          des das favelas onde está o          mudou para a Vila Leopoldina.
                                               to de a arte estar fechada em           Acaia para outra área, por de-          Suas obras monumentais
               Ateliê social                   galerias e museus. Mesmo                cisão da prefeitura de São Pau-      parecem revelar, para o amigo
   A gigantesca escultura —                    quando está na rua é sempre             lo. A artista e sua escola foram     José Bechara, algo oposto à
são 23 toneladas de chumbo                     em um parque ou átrio, enfim,           convidadas a participar do           sua personalidade: Elisa é tí-          ESCULTURA EM MÁRMORE sem título (2002), na cidade de Avaré (SP)
suspensas no museu por gros-                   de alguma maneira protegida.            processo, que Elisa registra.        mida e não costuma divulgar
sos cabos de aço — dará ori-                   O Acaia foi e ainda é uma busca                                              seu trabalho social.
gem também a um balé em                        pela mistura, pela soma.                      ‘Estranhamente belas’             — Percebo nas obras dela          das. Em 2007, uma delas —            ção e extravasamento, entre re-
Londres, na companhia que o                       Na mistura de Elisa, em que             Ela, de certa forma, viveu al-    uma acumulação vigorosa e ri-        imensas toras de madeira             gularidade e vigor me parece o
b a i l a r i n o b r a s i l e i ro J e a n   convivem gravura, escultura e           gumas “expulsões”, como diz.         gorosa de experiências, de en-       equilibradas em pé com para-         elemento fundamental das es-
Abreu dirige na cidade. Elisa                  escola, cabe o cinema. Ela pre-         Quarta de cinco filhos do ban-       frentamentos no ateliê. Cada         fusos — foi destruída. Instala-      culturas de Elisa Bracher.”
imagina dançarinos passando                    para dois documentários que             queiro Fernão Bracher, Elisa —       artista tem suas características     da no Palácio do Planalto por           A artista planeja agora uma
pelos imensos lençóis de                       surgiram a partir de sua convi-         ou Licó, apelido que recebeu de      particulares, mas a Elisa tem        encomenda da primeira-dama           volta à gravura. Não gosta de
chumbo ou caminhando sobre                     vência com as comunidades no            um funcionário da família, Candi-    essa profundidade estranha.          Ruth Cardoso, foi retirada a         ficar marcada por nenhum ti-
a bola de oito toneladas. Ela                  Acaia. O primeiro, sobre lin-           do Santos, o Santão — deixou         Tenho enorme respeito por es-        pedido da sucessora, Marisa          po de produção.
vai adaptar a instalação do                    guagem, nasceu da constata-             aos 11 anos a casa em que vivia,     sas obras que vêm de áreas           Letícia. Na ocasião, Elisa es-          — Independentemente do
museu à coreografia.                           ção de que havia “dificuldade           no Alto de Pinheiros, em São         muito fundas do pensamento e         creveu: “Não me sinto desres-        resultado estético do trabalho
   Como o material de uma es-                  de compreensão e diálogo”.              Paulo, para morar em Brasília,       são de uma plasticidade arre-        peitada pelo fato de a nova pri-     ou do material, eu me pergun-
cultura, o equilíbrio está na ori-                — Essa dificuldade passava,          quando o pai foi trabalhar no        batadora — diz Bechara.              meira-dama ter um gosto di-          to: o que faz nascer uma obra?
gem de todos os trabalhos da                   é claro, por sotaque, vocabulá-         Banco Central. Bracher chegaria         Foi na primeira mostra dele,      verso do meu. Mas não se tra-        Acho que é sempre essa noção
artista paulistana. Dos 20 anos                rio e sintaxe, mas tinha algo           à presidência do órgão, no go-       no Museu Nacional de Belas           ta assim uma obra de arte.”          meio torta de equilíbrio e pe-
de carreira, quase 15 ela passou               mais, e comecei a tentar com-           verno José Sarney. De volta ao       Artes, em 1990, que o artista           No livro “Madeira sobre ma-       so, tanto nas gravuras quanto
dividindo seu ateliê com a esco-               preender qual era a grande di-          Alto de Pinheiros, já na Faap, te-   conheceu Elisa Bracher. Para         deira” (Cosac Naify), sobre o tra-   nas esculturas. Me distanciar
la que fundou na Vila Leopoldi-                ficuldade. Cheguei à conclu-            ve de deixar seu primeiro ateliê,    ele, ela é um “indivíduo muito       balho da artista, o crítico Rodri-   do resultado estético, e em al-
na, Zona Oeste de São Paulo, na                são de que não conhecemos               no Museu de Arte Contemporâ-         íntegro e realmente preocupa-        go Naves afirmou: “Os enormes        guns momentos achar que eu
entrada de duas favelas.                       quase nada da cultura desse             nea, porque sua obra “machuca-       do com o mundo em volta”.            barrotes de madeira seca con-        não sou artista, sempre me
   Elisa já desejava trabalhar                 grupo social e vice-versa. A            va a prensa”. No Museu Lasar Se-        Suas obras “estranhamente         têm ainda uma energia que não        deu segurança para perguntar:
com crianças — mas descar-                     forma de falar estampa clara-           gall e na USP, ficou até ser “con-   belas”, como avalia Bechara,         se exauriu e podem mesmo vol-        qual é a questão?
tou o curso de Pedagogia por                   mente essa distância cultural.          vidada a não continuar”.             nem sempre são compreendi-           tar a florir. Esse jogo de conten-      A resposta: “Equilíbrio”. ■

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

CEAL/Mac
CEAL/MacCEAL/Mac
CEAL/Macbethbal
 
Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00
Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00
Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00Projeto Oficina de Pintura
 
Apostila 1 de artes simone helen drumond
Apostila 1 de artes simone helen drumondApostila 1 de artes simone helen drumond
Apostila 1 de artes simone helen drumondSimoneHelenDrumond
 
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00Nuno Quaresma
 
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsilaDaniel Comparini
 
Voe25 fotografia
Voe25 fotografiaVoe25 fotografia
Voe25 fotografiacellesouza
 
Atividade releitura abaporu
Atividade   releitura abaporuAtividade   releitura abaporu
Atividade releitura abaporuNancihorta
 
ARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTE
ARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTEARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTE
ARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTEVis-UAB
 
EAV - Escola de Artes Visuais do Parque Lage
EAV - Escola de Artes Visuais do Parque LageEAV - Escola de Artes Visuais do Parque Lage
EAV - Escola de Artes Visuais do Parque LageFernanda Castelo Branco
 
Entrevista com Carlos Augusto de Figueiredo Monteiro
Entrevista com Carlos Augusto de Figueiredo MonteiroEntrevista com Carlos Augusto de Figueiredo Monteiro
Entrevista com Carlos Augusto de Figueiredo MonteiroLuana de Oliveira
 
Rui Castro visita o Agrupamento Febo Moniz
Rui Castro visita o Agrupamento Febo MonizRui Castro visita o Agrupamento Febo Moniz
Rui Castro visita o Agrupamento Febo MonizAna Pereira
 
7 (2009) - 14_nomundodosdesenhos
7 (2009) - 14_nomundodosdesenhos7 (2009) - 14_nomundodosdesenhos
7 (2009) - 14_nomundodosdesenhosleonardomeira
 

Mais procurados (13)

CEAL/Mac
CEAL/MacCEAL/Mac
CEAL/Mac
 
Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00
Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00
Proposta Fanzine Articentro Cabe Na Cabeca Edicao 00
 
Apostila 1 de artes simone helen drumond
Apostila 1 de artes simone helen drumondApostila 1 de artes simone helen drumond
Apostila 1 de artes simone helen drumond
 
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
 
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
 
Voe25 fotografia
Voe25 fotografiaVoe25 fotografia
Voe25 fotografia
 
Atividade releitura abaporu
Atividade   releitura abaporuAtividade   releitura abaporu
Atividade releitura abaporu
 
ARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTE
ARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTEARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTE
ARTES VISUAIS: LEITURA DE IMAGEM E A APURAÇÃO DO OLHAR PARA O ENSINO DA ARTE
 
EAV - Escola de Artes Visuais do Parque Lage
EAV - Escola de Artes Visuais do Parque LageEAV - Escola de Artes Visuais do Parque Lage
EAV - Escola de Artes Visuais do Parque Lage
 
Entrevista com Carlos Augusto de Figueiredo Monteiro
Entrevista com Carlos Augusto de Figueiredo MonteiroEntrevista com Carlos Augusto de Figueiredo Monteiro
Entrevista com Carlos Augusto de Figueiredo Monteiro
 
Rui Castro visita o Agrupamento Febo Moniz
Rui Castro visita o Agrupamento Febo MonizRui Castro visita o Agrupamento Febo Moniz
Rui Castro visita o Agrupamento Febo Moniz
 
Das charleswatson
Das charleswatsonDas charleswatson
Das charleswatson
 
7 (2009) - 14_nomundodosdesenhos
7 (2009) - 14_nomundodosdesenhos7 (2009) - 14_nomundodosdesenhos
7 (2009) - 14_nomundodosdesenhos
 

Semelhante a Perfil elisa bracher

Jornal cieja ano 2011 - 3ª edição
Jornal cieja   ano 2011 - 3ª ediçãoJornal cieja   ano 2011 - 3ª edição
Jornal cieja ano 2011 - 3ª ediçãociejafreguesia
 
Agenda cultural fevereiro
Agenda cultural fevereiroAgenda cultural fevereiro
Agenda cultural fevereirobecresforte
 
Chico Science é destaque em SP
Chico Science é destaque em SPChico Science é destaque em SP
Chico Science é destaque em SPJamildo Melo
 
Aula para eventual 2022
Aula para eventual 2022Aula para eventual 2022
Aula para eventual 2022ssuserb5a19b
 
Boletim da be
Boletim da beBoletim da be
Boletim da begracabib
 
Obras apresentam o universo de Laban
Obras apresentam o universo de LabanObras apresentam o universo de Laban
Obras apresentam o universo de LabanJuliana Ravelli
 
Line Dance
Line DanceLine Dance
Line DanceNalinixs
 
Deficientes auditivos e visuais educaçao inclusiva
Deficientes auditivos e visuais educaçao inclusivaDeficientes auditivos e visuais educaçao inclusiva
Deficientes auditivos e visuais educaçao inclusivaestudosacademicospedag
 
Páginas amarelas - ALINE E CAROL
Páginas amarelas - ALINE E CAROLPáginas amarelas - ALINE E CAROL
Páginas amarelas - ALINE E CAROLaghipertexto
 
03 chapeuzinho vermelho negra
03 chapeuzinho vermelho negra03 chapeuzinho vermelho negra
03 chapeuzinho vermelho negraprimeiraopcao
 
Espetáculo celebra a arte que nasceu no meio das ruas
Espetáculo celebra a arte que nasceu no meio das ruasEspetáculo celebra a arte que nasceu no meio das ruas
Espetáculo celebra a arte que nasceu no meio das ruasJuliana Ravelli
 
Alarido - Edição 2
Alarido - Edição 2Alarido - Edição 2
Alarido - Edição 2Tamyris Pacas
 
Ameopoema 0035 abril 2015 (sarau boca livre Bangu)
Ameopoema 0035 abril 2015 (sarau boca livre Bangu)Ameopoema 0035 abril 2015 (sarau boca livre Bangu)
Ameopoema 0035 abril 2015 (sarau boca livre Bangu)AMEOPOEMA Editora
 

Semelhante a Perfil elisa bracher (20)

Jornal cieja ano 2011 - 3ª edição
Jornal cieja   ano 2011 - 3ª ediçãoJornal cieja   ano 2011 - 3ª edição
Jornal cieja ano 2011 - 3ª edição
 
Sebos#2
Sebos#2Sebos#2
Sebos#2
 
Agenda cultural fevereiro
Agenda cultural fevereiroAgenda cultural fevereiro
Agenda cultural fevereiro
 
Chico Science é destaque em SP
Chico Science é destaque em SPChico Science é destaque em SP
Chico Science é destaque em SP
 
Aula para eventual 2022
Aula para eventual 2022Aula para eventual 2022
Aula para eventual 2022
 
Boletim da be
Boletim da beBoletim da be
Boletim da be
 
TEP
TEPTEP
TEP
 
Jornal de junho oficial
Jornal de junho oficialJornal de junho oficial
Jornal de junho oficial
 
Obras apresentam o universo de Laban
Obras apresentam o universo de LabanObras apresentam o universo de Laban
Obras apresentam o universo de Laban
 
Line Dance
Line DanceLine Dance
Line Dance
 
Deficientes auditivos e visuais educaçao inclusiva
Deficientes auditivos e visuais educaçao inclusivaDeficientes auditivos e visuais educaçao inclusiva
Deficientes auditivos e visuais educaçao inclusiva
 
Aldenir
Aldenir Aldenir
Aldenir
 
Páginas amarelas - ALINE E CAROL
Páginas amarelas - ALINE E CAROLPáginas amarelas - ALINE E CAROL
Páginas amarelas - ALINE E CAROL
 
03 chapeuzinho vermelho negra
03 chapeuzinho vermelho negra03 chapeuzinho vermelho negra
03 chapeuzinho vermelho negra
 
Espetáculo celebra a arte que nasceu no meio das ruas
Espetáculo celebra a arte que nasceu no meio das ruasEspetáculo celebra a arte que nasceu no meio das ruas
Espetáculo celebra a arte que nasceu no meio das ruas
 
Alarido - Edição 2
Alarido - Edição 2Alarido - Edição 2
Alarido - Edição 2
 
Solos Poéticos
Solos PoéticosSolos Poéticos
Solos Poéticos
 
Ameopoema edição 061
Ameopoema edição 061Ameopoema edição 061
Ameopoema edição 061
 
Ameopoema 0035 abril 2015 (sarau boca livre Bangu)
Ameopoema 0035 abril 2015 (sarau boca livre Bangu)Ameopoema 0035 abril 2015 (sarau boca livre Bangu)
Ameopoema 0035 abril 2015 (sarau boca livre Bangu)
 
Pagina 3-7
Pagina   3-7Pagina   3-7
Pagina 3-7
 

Mais de Sergyo Vitro

Mais de Sergyo Vitro (20)

A tarde13 de_agosto_de_2016_a_tardepag3
A tarde13 de_agosto_de_2016_a_tardepag3A tarde13 de_agosto_de_2016_a_tardepag3
A tarde13 de_agosto_de_2016_a_tardepag3
 
A tarde28 de_junho_de_2015_muitopag12
A tarde28 de_junho_de_2015_muitopag12A tarde28 de_junho_de_2015_muitopag12
A tarde28 de_junho_de_2015_muitopag12
 
Noticias de homofobia no brasil
Noticias de homofobia no brasilNoticias de homofobia no brasil
Noticias de homofobia no brasil
 
205447
205447205447
205447
 
205489
205489205489
205489
 
205420
205420205420
205420
 
204936
204936204936
204936
 
204824
204824204824
204824
 
Pagina 2-1
Pagina   2-1Pagina   2-1
Pagina 2-1
 
Pagina 1
Pagina   1Pagina   1
Pagina 1
 
Pagina 1
Pagina   1Pagina   1
Pagina 1
 
Ao som da Clarineta - Maria Esther Maciel
Ao som da Clarineta - Maria Esther Maciel Ao som da Clarineta - Maria Esther Maciel
Ao som da Clarineta - Maria Esther Maciel
 
145 jan 13 - noronha
145   jan 13 - noronha145   jan 13 - noronha
145 jan 13 - noronha
 
137 mai 12 - galinhos
137   mai 12 - galinhos137   mai 12 - galinhos
137 mai 12 - galinhos
 
36 43 dicionario ne
36 43 dicionario ne36 43 dicionario ne
36 43 dicionario ne
 
Pagina 1uzeda1
Pagina   1uzeda1Pagina   1uzeda1
Pagina 1uzeda1
 
Pagina 11
Pagina   11Pagina   11
Pagina 11
 
Pagina 9uzeda9
Pagina   9uzeda9Pagina   9uzeda9
Pagina 9uzeda9
 
Pagina 8uzeda8
Pagina   8uzeda8Pagina   8uzeda8
Pagina 8uzeda8
 
Pagina 7uzeda7
Pagina   7uzeda7Pagina   7uzeda7
Pagina 7uzeda7
 

Perfil elisa bracher

  • 1. 4 . ● SEGUNDO CADERNO O GLOBO Sábado, 11 de fevereiro de 2012 “ PERFIL Marcos Alves Acho pobre qualquer coisa que fique restrita a um único modo de manifestação, acredito na riqueza das misturas, na força das somas. Eu me ressinto de a arte estar fechada em galerias e museus Elisa Bracher Fotos de divulgação A arte do equilíbrio “PONTO FINAL sem pausas” (2011): escultura monumental no MAM de Elisa Bracher Audrey Furlaneto achá-lo fraco, optando por es- tudar Artes Plásticas na Fun- Autora da imensa instalação Q segundocaderno@oglobo.com.br dação Armando Álvares Pen- uando teve a pri- teado (Faap). Quando se insta- de chumbo que ocupa o MAM, meira aula de lou na Vila Leopoldina, apre- gravura, no fim sentou-se à comunidade ofere- dos anos 1980, a cendo cursos de marcenaria paulistana lança livro, cria balé jovem Elisa Bra- aos pequenos. Durante um cher se sentiu co- ano, teve apenas sete alunos. mo “uma criança diante de um Hoje, o ateliê não funciona e prepara dois filmes sobre mágico”. Era como se o profes- mais lá: perdeu espaço para o sor, o gravador Cláudio Muba- rac, “tivesse tirado um coelho Acaia, instituto criado por Eli- sa que agora recebe 260 crian- experiências da escola que fundou da cartola.” Elisa embrenhou-se ças e 40 adultos diariamente. em cursos de gravura e, pouco — Basicamente, eles vão ao há 15 anos em bairro pobre de SP tempo depois, encantada dian- ateliê para construir possibilida- te de algumas delas expostas des de vida saudável. Antes de OBRA EM MADEIRA sem título (2005), no Largo do Arouche (SP) no Museu de Arte Moderna tudo, é um lugar em que podem (MAM) do Rio, pensou: “Quero simplesmente estar, olhar, ver, fazer uma linha ficar de pé so- sentir o sol, o vento. Mas as ofi- O filme se passa entre São Decidiu, enfim, construir seu zinha. Vou fazer escultura”. cinas estão ali, à disposição pa- Paulo e Londres. Na capital in- ateliê num terreno que herdou Ao longo de 20 anos, Elisa, ho- ra que, no tempo de cada um, glesa, Elisa entrevistou corpo do avô, também no Alto de Pi- je com 46, experimentou diferen- possam começar a construir — docente e alunos da Barham nheiros — bairro em que vive tes materiais, do cobre à madei- diz a artista, que coordena as Primary School, escola públi- hoje, com o marido, Pedro Fran- ra, até chegar ao chumbo, que aulas de marcenaria, culinária, ca em que as crianças, de vá- ciosi, um dos sócios da editora compõe a elogiada instalação pintura, desenho, tipografia, ca- rias origens, falam 32 idiomas. 34, e os dois filhos, Paulo, 16 “Ponto final sem pausas”, expos- poeira e, para os mais velhos, ví- Com o título provisório “Que anos, e Antônio, 14. O ateliê, por ta no MAM até o dia 29 de feve- deo, dança, costura e cerâmica. língua você fala?”, o documen- outro lado, não durou muito no reiro. O trabalho inspirou um li- — Acho pobre qualquer coi- tário deve ser finalizado no se- local. Vizinhos se queixavam de vro de mesmo título, que a artis- sa que fique restrita a um único gundo semestre. Até lá, Elisa ruídos, e os caminhões que car- ta lança no museu, no dia 28, modo de manifestação, acredi- faz caminhar outro filme, so- regavam obras não podiam cir- com texto e entrevista ao cura- to na riqueza das misturas, na bre a mudança das comunida- cular no bairro. Foi então que se dor Luiz Camillo Osorio. força das somas. Eu me ressin- des das favelas onde está o mudou para a Vila Leopoldina. to de a arte estar fechada em Acaia para outra área, por de- Suas obras monumentais Ateliê social galerias e museus. Mesmo cisão da prefeitura de São Pau- parecem revelar, para o amigo A gigantesca escultura — quando está na rua é sempre lo. A artista e sua escola foram José Bechara, algo oposto à são 23 toneladas de chumbo em um parque ou átrio, enfim, convidadas a participar do sua personalidade: Elisa é tí- ESCULTURA EM MÁRMORE sem título (2002), na cidade de Avaré (SP) suspensas no museu por gros- de alguma maneira protegida. processo, que Elisa registra. mida e não costuma divulgar sos cabos de aço — dará ori- O Acaia foi e ainda é uma busca seu trabalho social. gem também a um balé em pela mistura, pela soma. ‘Estranhamente belas’ — Percebo nas obras dela das. Em 2007, uma delas — ção e extravasamento, entre re- Londres, na companhia que o Na mistura de Elisa, em que Ela, de certa forma, viveu al- uma acumulação vigorosa e ri- imensas toras de madeira gularidade e vigor me parece o b a i l a r i n o b r a s i l e i ro J e a n convivem gravura, escultura e gumas “expulsões”, como diz. gorosa de experiências, de en- equilibradas em pé com para- elemento fundamental das es- Abreu dirige na cidade. Elisa escola, cabe o cinema. Ela pre- Quarta de cinco filhos do ban- frentamentos no ateliê. Cada fusos — foi destruída. Instala- culturas de Elisa Bracher.” imagina dançarinos passando para dois documentários que queiro Fernão Bracher, Elisa — artista tem suas características da no Palácio do Planalto por A artista planeja agora uma pelos imensos lençóis de surgiram a partir de sua convi- ou Licó, apelido que recebeu de particulares, mas a Elisa tem encomenda da primeira-dama volta à gravura. Não gosta de chumbo ou caminhando sobre vência com as comunidades no um funcionário da família, Candi- essa profundidade estranha. Ruth Cardoso, foi retirada a ficar marcada por nenhum ti- a bola de oito toneladas. Ela Acaia. O primeiro, sobre lin- do Santos, o Santão — deixou Tenho enorme respeito por es- pedido da sucessora, Marisa po de produção. vai adaptar a instalação do guagem, nasceu da constata- aos 11 anos a casa em que vivia, sas obras que vêm de áreas Letícia. Na ocasião, Elisa es- — Independentemente do museu à coreografia. ção de que havia “dificuldade no Alto de Pinheiros, em São muito fundas do pensamento e creveu: “Não me sinto desres- resultado estético do trabalho Como o material de uma es- de compreensão e diálogo”. Paulo, para morar em Brasília, são de uma plasticidade arre- peitada pelo fato de a nova pri- ou do material, eu me pergun- cultura, o equilíbrio está na ori- — Essa dificuldade passava, quando o pai foi trabalhar no batadora — diz Bechara. meira-dama ter um gosto di- to: o que faz nascer uma obra? gem de todos os trabalhos da é claro, por sotaque, vocabulá- Banco Central. Bracher chegaria Foi na primeira mostra dele, verso do meu. Mas não se tra- Acho que é sempre essa noção artista paulistana. Dos 20 anos rio e sintaxe, mas tinha algo à presidência do órgão, no go- no Museu Nacional de Belas ta assim uma obra de arte.” meio torta de equilíbrio e pe- de carreira, quase 15 ela passou mais, e comecei a tentar com- verno José Sarney. De volta ao Artes, em 1990, que o artista No livro “Madeira sobre ma- so, tanto nas gravuras quanto dividindo seu ateliê com a esco- preender qual era a grande di- Alto de Pinheiros, já na Faap, te- conheceu Elisa Bracher. Para deira” (Cosac Naify), sobre o tra- nas esculturas. Me distanciar la que fundou na Vila Leopoldi- ficuldade. Cheguei à conclu- ve de deixar seu primeiro ateliê, ele, ela é um “indivíduo muito balho da artista, o crítico Rodri- do resultado estético, e em al- na, Zona Oeste de São Paulo, na são de que não conhecemos no Museu de Arte Contemporâ- íntegro e realmente preocupa- go Naves afirmou: “Os enormes guns momentos achar que eu entrada de duas favelas. quase nada da cultura desse nea, porque sua obra “machuca- do com o mundo em volta”. barrotes de madeira seca con- não sou artista, sempre me Elisa já desejava trabalhar grupo social e vice-versa. A va a prensa”. No Museu Lasar Se- Suas obras “estranhamente têm ainda uma energia que não deu segurança para perguntar: com crianças — mas descar- forma de falar estampa clara- gall e na USP, ficou até ser “con- belas”, como avalia Bechara, se exauriu e podem mesmo vol- qual é a questão? tou o curso de Pedagogia por mente essa distância cultural. vidada a não continuar”. nem sempre são compreendi- tar a florir. Esse jogo de conten- A resposta: “Equilíbrio”. ■