Para Um Mundo Que Poderia Ser, Mas Não É
“Há constantes no fluxo das metamorfoses. Descobrir
essas constantes é o supremo dever do intelecto.
Entreler metamorfoses...
1
	Kairós, Deus grego do Instante, Aquele que atua no momento
preciso, nos pontos cardeais que definem os caminhos, nas De...
Fé x Medo
Diálogo no século XVI entre um cacique Tupinambá e
um capitão francês, em Paranapuã, atual Rio de Janeiro
Por qu...
O Arbítrio do Livre-Espírito
“No momento em que realmente
nos decidimos, então o universo
começa a agir também.
Todo tipo ...
Alugam-Se Nomes Para Travessias Terrestes • Homem de Neanderthal no Jardim das Delícias • A Morte Pediu Passagem, mas o Ac...
Rogério Reis
+55 61 9104 4400
roger.melo.reis@gmail.com
SQSW 103 bloco H apt 604 cep 70670-308 Brasília-DF
Contato
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Manifesto Morfoses

128 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
128
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Manifesto Morfoses

  1. 1. Para Um Mundo Que Poderia Ser, Mas Não É
  2. 2. “Há constantes no fluxo das metamorfoses. Descobrir essas constantes é o supremo dever do intelecto. Entreler metamorfoses: o ser de Parmênides (constantes, tendências, estabilidades) no ígneo turbilhão de Heráclito (o fogo, a guerra, a transformação, a mudança). Essências, metamorfoses: essas as matérias-primas com que trabalha o tão estável e instável espírito humano”. Paulo Leminski No Universo, na Natureza, tudo existe. O Universo se expan- de, estrelas e galáxias se organizam e desorganizam num movimento contínuo; os corpos celestes percorrem órbitas, movimentam-se por si só. Neste exato instante este planeta está em movimento, assim como os quase-infinitos astros que gravitam no universo físico. As biologias e os ecossistemas nascem, transformam-se e morrem. Tudo está pulsando e tudo está em eterna mutação. Lavoisier: “na Natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”. A Natureza exige de todo organismo vivo um fim. O nascer implica necessariamente uma direção para a morte; o viver, o processo, exige transformações, metamorfoses. Neste percur- so existe o instante em que algo se percebe outro. É o ponto de mutação: são as Morfoses – membranas em estado poten- cial que dividem ou conectam pontos de passagem. São limi- tes do devir – instantes que moldam o todo. Como a gota que transborda o copo, este instante é também o longo processo que o gerou. Este “momento indefinível” é como o instante do nascimento ou da morte. É o ponto de mutação que separa a evolução de cada espécie. É o Início e o Fim; É o Nada e o Tudo. Na natureza essencial da constituição da matéria, as relações de limite e continuidade são como uma ilusão para a cognição hu- mana. No mundo (subatômico) não existe separação como ve- mos. As pessoas, paredes, terra, vácuo, luz - tudo o que compõe o Universo é um único bloco infinito onde estamos todos imer- sos. Há uma força que gravita em tudo, como uma universal Teoria de Gaia, onde todos os corpos afetam todos os outros. Este infinito de potência não é um ente inteiramente à parte da nossa existência. Somos fragmentos do Todo e como tal ema- namos um tipo de gravidade. Há um conluio entre o mundo e as profundezas do nosso ser. Nesta pespectiva, as Morfoses são janelas dos instantes em que o Destino se transforma. O movimento de vida de cada qual. As formas e possibilidades que o nosso espírito pode ser moldado. A semente da Árvore dos possíveis. O longo per- curso e a trajetória de uma existência. Aquilo que verdadeira- mente somos: nossos desejos, mitos, sonhos e ilusões. A linha tênue que divide estes mundos. Os seres que principiaram todo tipo de vida neste planeta e os rumos que tomaram estas biologias. Toda a multiplicidade de cores, formas, texturas, tudo: a biodiversidade da evolução das espécies descrita por Darwin. Os nós, os pontos de mutação de cada passagem: As Morfoses. Morfose: o molde de um espírito, o perfil de uma essência. Há em nós, em nossa intimidade, as questões fundamen- tais que pairam sob nossas cabeças sem nem percebermos. O inconsciente é ainda um vasto universo desconhecido. As questões existenciais permeiam nosso cotidiano - são Morfoses que acompanham nosso Destino e estarão sem- pre lá. O cotidiano, o nosso ir e vir é uma superfície. A pas- sagem do tempo e o desenrolar do destino não são fatores, capazes por si só de romper um estado. A rotura de dimen- são é sempre um abalo, uma tomada de consciência, uma catarse. Quando ocorre a metamorfose, os valores mudam e o mundo torna-se outro. Transportamo-nos para outro mundo. Rompemos a membrana da Morfose, passamos para o outro lado. A dificuldade, a força para se superar, para se metamorfosear: Para se conseguir superar a matéria é preciso dar asas ao pensamento, é preciso voar mais que as próprias asas Manoel de Barros Limite e Devir
  3. 3. 1 Kairós, Deus grego do Instante, Aquele que atua no momento preciso, nos pontos cardeais que definem os caminhos, nas Decisões que moldam o Destino. 2 Local sagrado, usado pelos generais antes da guerra, para definição do momento exato para agir. Hesíodo o define como uma serpente alada de muitas cabeças. 3 Instante da conexão entre a consciência e o Absoluto. É o Illuminatio de Santo Agostinho. 4 O Eterno encapsulado no Instante. A eternidade só é possível no agora. O Eterno está e é cada instante, como um Big Bang às avessas. 5 O Real, o aqui e agora - o instante que separa ou conecta o passado do futuro. O Real é uma operação temporal - o que se passou não é mais o Real, nem tão pouco o que virá. O presente é, paradoxalmente, uma membrana de tempo nulo. 6 O fio condutor que cria o Real - a Árvore dos Possíveis, que conecta o solo ao cosmos, a terra ao céu, o Eu ao inconsciente, a consciência ao Paraíso Perdido. 7 O elo perdido entre os Homens e os Deuses. *Guarani = o Guerreiro de Si * Tribo indígena fundamental na formação do povo brasileiro A grande tarefa existencial de todo Guarani é conseguir vencer Ara pyaú - tempo material. Espírito de 4 cabeças que habita os pontos cardeais. É uma divindade canibal que rege o mundo do meio, o mundo da matéria. Alimenta-se das roupas das almas, deixando apenas os ossos dos seres (morte). Nos rituais Ele é a própria dança dos mundos, das estrelas. Mas só se consegue vencê-lo, compreendendo como Ele se movimenta, para conseguir dançar com Ele a Dança da Vida - e tornar-se novamente Diaguapenundé - os adornados primeiros e voltar para Ara yma - tempo imemorial onde eram seres-pássaros, alma-pássaros. Este, o motivo pelo qual os Guaranis usam os cocares em suas cabeças, para nunca se esquecerem do Tempo Verdadeiro de onde vieram. Cosmogonia Guarani por Kaká Werá Jacupé *Simbologia africana que significa Força, Terra, Caminhos, Arbítrio, Escolha. *Simbologia indígena Guarani que significa O Grande Mistério, O Imanifestado, Infinito, Eterno
  4. 4. Fé x Medo Diálogo no século XVI entre um cacique Tupinambá e um capitão francês, em Paranapuã, atual Rio de Janeiro Por que vindes vós outros, Maírs e Perôs (franceses e portugueses), buscar lenha de tão longe para vos aquecer? Não tendes madeira em vossa terra? ...E por que fazeis tantas fogueiras? - Não são para fogueiras. São para tingir tecidos como vosso povo faz. De onde viemos uma nau carregada de pau- -brasil faz rico um homem de tal forma que sua riqueza se estende por mais de 3 gerações. Forma estranha de viver essa de vocês. Usam a Natureza com medo do amanhã. Vejo agora que vós Maírs sois grandes loucos, pois atravessais o mar e sofreis grandes incômodos, como dizeis quando aqui chegais, e trabalhais tanto para amontoar riquezas para vossos filhos ou para aqueles que vos sobrevivem. Nós aqui pensamos somente no agora. Não será a terra que vos nutriu suficiente para alimentá-los também? Temos pais, mães e filhos a quem amamos, mas estamos certos de que depois de nossa morte a terra que nos nutriu também os nutrirá, por isso descansamos sem maiores cuidados (...)”. “A fé é, definitivamente, um modo de existir. E esse modo me põe imediatamente em relação com o absurdo e o paradoxo. A fé reúne a reflexão e o êxtase, a procura infindável e a visão instantânea da Verdade; as decisões humanas não se ordenam por conceitos, mas por alternativas e saltos.” Kierkegaard Árvore dos Possíveis
  5. 5. O Arbítrio do Livre-Espírito “No momento em que realmente nos decidimos, então o universo começa a agir também. Todo tipo de coisa começa a ocorrer, coisas que não ocorreriam normalmente, mas que acontecem porque você tomou a decisão (...). Coragem tem dentro de si inteligência, poder e magia. Então comece agora” Goethe “Torna-te Quem És” Zaratustra, NietzscheXamã Yaqui em Viagem a Ixtlan, C. Castañeda Fio Condutor do Destino “Os Atos têm Poder”
  6. 6. Alugam-Se Nomes Para Travessias Terrestes • Homem de Neanderthal no Jardim das Delícias • A Morte Pediu Passagem, mas o Acaso não Cedeu • Picasso Refletindo e Cagando Na ‘Privada’ de Duchamp • Excesso de Gravidade no Grande Sonho da Humanidade • Penélope Entrando no Lexotan • Peões da Luxúria no Tabuleiro das Coisas Vivas • Frutos de Vertigem na Árvore dos Possíveis • Siga-Se • Afeto Profundo no Horizonte de Horror • Perto do Mar, Longe da Cruz • Os Inocentes São os Incendiários! • Desvio para o Vazio • Jerusalém 3 X 0 Babilônia • Rituais Sagrados no Matadouro Mecanizado • O Fragmento Gaia • O Funeral dos Deuses sob a tua Testa, Infeliz! • Laboratório de Sentimentos nos Dias que se Vão • A Vitória do Homem Sobre a Crueldade do Mundo • Arquitetura Futurista de Dédalo • Rimbaud Engravatado Sabotando a Rainha das Corporações • Minotauro na Fila do Inss • Petróleo Compondo Natureza Morta • A Função do Orgasmo dos Sacerdotes • Combustível Fóssil para Outra Dimensão • Chronos Devorando o Mundo e Cagando a Pedra Filosofal • Tabela Periódica Psíquica • Sinapses Futuristas no Olhar de Che • Excomunhão dos Cristos na Terra dos Infiéis • Realidade Ancorada no Sonho • O Instante do Crepúsculo • Vã Filosofia • O Libertino Pregador • O Rio Heráclito • Retocando o Real na Sala de Espelhos Cubista • Transcendendo a Evidência • Darwin Desvendando a Macieira • Ponto Zero do Círculo • Genealogia do Paraíso • Borges Passeando no Labirinto Mental de Sua Biblioteca • Serpente Devorando sua Cauda no Eterno Retorno • O Funeral da Última Esperança* • Santo Nietzsche • Protagonista do Absurdo na Cena Principal • Entre o Rochedo e o Mar • Hibernação de Cianureto para Sonhos Arianos • Signo Conhecido Hasteado na Terra-Com-Males • Objetos Imemoriais • Cartas Anônimas Navegando nos Oceanos da Linguagem • Reveillon de Puritanos Na Noite De Cristais • Bússula do Além • Adubo do Pó-Eterno Erguendo a Árvore dos Possíveis • Separando o Trigo e o Ouro no Profundo Consciente • Herói Domesticado na Catacumba da Velha Psicanalítica • Ex-Revoltado Pilotando o Império dos Conformados • Descontrole Entre o Carbono e o Desejo • La Ternura Endurecida • O Inferno Visível de Adam Smith • A Consciência Zeitgeist • O Matemático Reverendo • O Paraíso se Perdeu • O Olho que Tudo Vê Encarando Medusa • Acaso, o Ventre Divino • Consciência de Sofia na Cova dos Leões • Ruflar de Asas dos Sonhos que Virão • A Gênese do Infinito • Um Pouco Além do Limite do Fim • Sob o Signo do Carcará • Revoada de Colibris Sobre a Floresta das Ervas Daninhas • O Óbvio Buñuel • O Fim do Mundo, ao Fim de sua Vida • A Verdade Irrefutável na Atmosfera do Impossível • Entorpecente atemporal indicado para Utópicos • Imperial Devir • O Eterno Embalsamado no Real • Favor devorar a Esfinge com a Boca Fechada! Temas
  7. 7. Rogério Reis +55 61 9104 4400 roger.melo.reis@gmail.com SQSW 103 bloco H apt 604 cep 70670-308 Brasília-DF Contato

×