Reflexao e refracao

5.531 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.531
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
333
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
152
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Reflexao e refracao

  1. 1. Fenómenos Ondulatórios (1ª Parte)
  2. 2. Reflexão e Refração
  3. 3. Raio luminoso• Raio de luz - é uma linha orientada que representa graficamente a direção e o sentido de propagação da luz.• Feixe luminoso - é um conjunto de raios luminosos que tem origem na mesma fonte luminosa.
  4. 4. Meios• Um meio transparente é aquele que permite a propagação da luz através de si por distâncias consideráveis, isto é, permite a visualização nítida de objetos através dele. Exemplo: Água, vidro, ar, etc.• O meio translúcido é aquele que permite a propagação da luz através de si, mas espalha-a, de modo que os objetos vistos através dele não podem ser identificados, isto é, não permite a visualização nítida. Exemplo: Vidro fosco, papel de seda, etc.• O meio opaco é aquele que impede a propagação da luz através de si, não permitindo a visualização dos objetos. Por exemplo: madeira, parede de cimento, etc.
  5. 5. Reflexão• é o fenómeno que consiste na propagação da luz no mesmo meio de origem, após incidência numa superfície.
  6. 6. Leis da Reflexão (leis de Snell) NOTA: Os ângulos são em relação à normal à superfície no ponto de incidência.• 1ª O raio incidente, a normal ao plano no ponto de incidência e o raio refletido estão situados no mesmo plano (plano de incidência).• 2ª O ângulo de incidência é igual ao ângulo de reflexão (Ɵ i = Ɵ r)
  7. 7. Reflexão regular• A reflexão regular ocorre quando um feixe de raios paralelos incide sobre uma superfície polida (espelho) e volta ao meio inicial, mantendo o paralelismo entre os raios refletidos.
  8. 8. Reflexão Difusa• A reflexão difusa ocorre quando um feixe de raios paralelos incide sobre uma superfície não polida (parede pintada folha de um livro) e volta ao meio inicial, com os raios refletidos espalhados em diversas direções.
  9. 9. Refração da luz• é a passagem da luz de um meio transparente para um meio transparente diferente. A refração modifica a velocidade da luz.
  10. 10. Índice de Refração (n)
  11. 11. Índice de Refração (n)
  12. 12. Índice de Refração relativoO índice de refração do meio 2 emrelação ao meio 1 n2,1 é dado por.
  13. 13. Leis da Refração (leis de Snell - Descartes) NOTA: Os ângulos são em relação à normal à superfície no ponto de incidência.
  14. 14. Leis da Refração (leis de Snell) NOTA: Os ângulos são em relação à normal à superfície no ponto de incidência.
  15. 15. Refração (exemplos)
  16. 16. Reflexão totalNa passagem de um meio mais refrangente (maioríndice de refração) para um meio menosrefrangente, se o ângulo de incidência for superiorao ângulo limite, dá-se o fenómeno da reflexãototal.
  17. 17. Cálculo do ângulo limite (ƟL) =>
  18. 18. Reflexão total (algumas aplicações)Propagação das Aparelhos óticos Endoscópiosondas de rádio Fibras óticas
  19. 19. Fibras óticas Diferentes geraçõesCaracterísticas principais:
  20. 20. Fibras óticas (algumas vantagens) Em Virtude das suas características, as fibras óticas apresentam muitas vantagens sobre os sistemas elétricos:• Dimensões Reduzidas• Capacidade para transportar grandes quantidades de informação• Atenuação muito baixa (que permite grandes espaçamentos entre repetidores)• Imunidade às interferências eletromagnéticas;• Matéria-prima muito abundante.
  21. 21. Fibras óticas (algumas desvantagens)• Custo ainda elevado de compra e manutenção• Fragilidade das fibras óticas sem encapsulamento• Dificuldade de conexões das fibras óticas• Impossibilidade de alimentação remota de repetidores• Falta de padronização dos componentes óticos

×