SlideShare uma empresa Scribd logo
Refração Prof. Thiago Nobre Vivas Refração da luz ao passar do ar para a água
Definição  A refração luminosa ocorre quando a luz passa de um meio transparente e homogêneo , para outro meio também transparente e homogêneo mudando sua direção.
Exemplos de refração no cotidiano  Quando uma lanterna é apontada para uma piscina ou quando observamos o caule de uma flor dentro de um jarro transparente com água e observamos um desvio do seu trajeto natural fora d’agua, estamos presenciando a refração
A natureza da luz e a refração  A refração é um fenômeno estritamente ondulatório, como a luz também apresenta esta propriedade, podemos concluir que para refração a luz se comporta como onda.
Consequências do caráter ondulatório da luz   Como a luz ,para a refração, se comporta como onda terá velocidades diferentes em meios diferentes.
Consequências do caráter ondulatório da luz Sólido Líquido Gasoso Distância Pequena Velocidade Pequena Distância Média Velocidade Media Distância Grande Velocidade grande
Refração da luz A velocidade da onda luminosa depende da densidade do meio. Quanto maior a densidade de um meio, menor a velocidade de propagação da onda nesse meio.
Dióptro plano   Dióptro plano é a superfície (interface) entre dois meios de materiais distintos. Quando a luz passa de um material para outro ocorre a refração.
Dióptro plano Um dióptro plane deve ser homogêneo (feito do mesmo material), transparente (permite a passagem regular da luz) e isotrópico (só permite um sentido de refração)
Dióptro plano Há materiais que são birrefringentes, ou seja, o feixe luminoso é dividido em dois, formando-se assim duas imagens. Este não é um meio isotrópico
Índice de refringência Para um dado meio transparente, n depende da cor da luz. nVERM.< nALAR. < nAM < nVERDE < nAZU < nANIL< nVIOLETA
Leis de refração   i =   Ângulo de incidência  r = Ângulo de refração N = Normal Atenção:  i ≠ r ^ r N
Nomenclatura: N   : normal à superfície no ponto de incidência  i   : ângulo de incidência (ângulo formado pelo raio incidente e a normal) r  : ângulo de refração (ângulo formado pelo raio refratado e a normal) V i   e   i  : velocidade e comprimento de onda da onda incidente V r   e   r   : velocidade e comprimento de onda da onda refratada Refração de ondas na superfície de Líquidos
Leis da Refração Primeira Lei: O raio incidente, a normal e o raio refratado são coplanares ; Segunda Lei: Lei de Snell-Descartes
Refração da luz Obs.: A refração sempre vem acompanhada da reflexão
Refração da luz Refringência: resistência que o meio oferece a passagem da luz.
Refração da luz - Representação Normal Raio incidente Raio refratado Luz passando do meio menos para o meio mais refringente: Neste caso podemos dizer que o raio refratado aproxima-se da normal I R i r
Refração da luz – Representação com frentes de onda Normal Frente de onda incidente Frente de onda refratada Obs.: Nesta figura não representaremos a reflexão I R  r  i
Refração da luz - Representação Normal Raio incidente Raio refratado Neste caso podemos dizer que o raio refratado afasta-se da normal Luz passando do meio mais para o meio menos refringente: I R i r
Refração da luz – Representação com frentes de onda Normal Frente de onda incidente Frente de onda refratada Obs.: Nesta figura não representaremos a reflexão I R  i  r
Refração da luz - Representação Normal i=0º r=0º Raio refratado Neste caso tivemos uma refração sem desvio Luz passando do meio mais para o meio menos refringente: Raio incidente I R
Refração da Luz Desvio angular do raio refratado Normal Normal i r  i r 
Índice de Refração absoluto de um meio Definição: é a razão entre a velocidade da luz no vácuo e a velocidade da luz no meio considerado. O índice de refração depende da densidade do meio, do material e da freqüência utilizada para medi-lo.
Índice de Refração - Observações
Leis da Refração O raio refratado,  o raio incidente e a normal são coplanares. Lei de Snell: V I  =  velocidade da onda incidente V R  =  velocidade da onda refratada  I  =  comprimento de onda da onda incidente  R  =  comprimento de onda da onda refratada N I  =  índice de refração do meio de incidência N R  =  índice de refração do meio de refração
Ângulo Limite de Incidência Normal Raio incidente Raio refratado O ângulo de incidência é chamado de ângulo limite ( L ) se o ângulo de refração for igual a 90 o . n N i= L r=  90º
Ângulo Limite de Refração Normal Raio incidente Raio refratado O ângulo de refração é chamado de ângulo limite se o ângulo de incidência for igual a 90 o . N n i=90 o r= L
Reflexão Total da Luz Condições para que ocorra reflexão total: i=0 o r=0 o Neste caso tivemos uma reflexão total N n N i < L N i = L i > L N
REFLEXÃO TOTAL DA LUZ – ÂNGULO LIMITE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Princípios da Óptica Geométrica
Princípios da Óptica GeométricaPrincípios da Óptica Geométrica
Princípios da Óptica Geométrica
laizdiniz
 
Espelhos
Espelhos Espelhos
Espelhos
Piedade Alves
 
Slides de Óptica Geométrica
Slides de Óptica GeométricaSlides de Óptica Geométrica
Slides de Óptica Geométrica
frenaspa
 
Refração da Luz
Refração da LuzRefração da Luz
Refração da Luz
Marco Antonio Sanches
 
Luz cores - sombra e penumbra - resumo
Luz   cores - sombra e penumbra - resumoLuz   cores - sombra e penumbra - resumo
Luz cores - sombra e penumbra - resumo
NS Aulas Particulares
 
Luz
LuzLuz
Lentes convergentes e divergentes
Lentes convergentes e divergentesLentes convergentes e divergentes
Lentes convergentes e divergentes
Felipe Dias Guimarães
 
O Que SãO Corpos Luminosos
O Que SãO Corpos LuminososO Que SãO Corpos Luminosos
O Que SãO Corpos Luminosos
guest1c17c6f
 
Lentes esféricas
Lentes esféricasLentes esféricas
Lentes esféricas
Natasha Esteves
 
Fenômenos Ópticos
Fenômenos ÓpticosFenômenos Ópticos
Fenômenos Ópticos
Wellington Sampaio
 
Física optica
Física opticaFísica optica
Física optica
Adrianne Mendonça
 
As ondas e o som
As ondas e o somAs ondas e o som
As ondas e o som
João Paulo Luna
 
Reflexão da luz espelhos planos
Reflexão da luz espelhos planosReflexão da luz espelhos planos
Reflexão da luz espelhos planos
Gilvandenys Leite Sales
 
Fenômenos Ondulatórios
Fenômenos OndulatóriosFenômenos Ondulatórios
Fenômenos Ondulatórios
Wellington Sampaio
 
Reflexão da luz
Reflexão da luzReflexão da luz
Reflexão da luz
O mundo da FÍSICA
 
Optica
OpticaOptica
2 física - fenômenos ondulatórios e ondas estacionárias - cordas vibrantes
2   física - fenômenos ondulatórios e ondas estacionárias  - cordas vibrantes2   física - fenômenos ondulatórios e ondas estacionárias  - cordas vibrantes
2 física - fenômenos ondulatórios e ondas estacionárias - cordas vibrantes
Mário Siqueira
 
Luz e Cor
Luz e CorLuz e Cor
Luz e Cor
Piedade Alves
 
Óptica introdução
Óptica introduçãoÓptica introdução
Óptica introdução
O mundo da FÍSICA
 
Ondulatoria
OndulatoriaOndulatoria
Ondulatoria
Rildo Borges
 

Mais procurados (20)

Princípios da Óptica Geométrica
Princípios da Óptica GeométricaPrincípios da Óptica Geométrica
Princípios da Óptica Geométrica
 
Espelhos
Espelhos Espelhos
Espelhos
 
Slides de Óptica Geométrica
Slides de Óptica GeométricaSlides de Óptica Geométrica
Slides de Óptica Geométrica
 
Refração da Luz
Refração da LuzRefração da Luz
Refração da Luz
 
Luz cores - sombra e penumbra - resumo
Luz   cores - sombra e penumbra - resumoLuz   cores - sombra e penumbra - resumo
Luz cores - sombra e penumbra - resumo
 
Luz
LuzLuz
Luz
 
Lentes convergentes e divergentes
Lentes convergentes e divergentesLentes convergentes e divergentes
Lentes convergentes e divergentes
 
O Que SãO Corpos Luminosos
O Que SãO Corpos LuminososO Que SãO Corpos Luminosos
O Que SãO Corpos Luminosos
 
Lentes esféricas
Lentes esféricasLentes esféricas
Lentes esféricas
 
Fenômenos Ópticos
Fenômenos ÓpticosFenômenos Ópticos
Fenômenos Ópticos
 
Física optica
Física opticaFísica optica
Física optica
 
As ondas e o som
As ondas e o somAs ondas e o som
As ondas e o som
 
Reflexão da luz espelhos planos
Reflexão da luz espelhos planosReflexão da luz espelhos planos
Reflexão da luz espelhos planos
 
Fenômenos Ondulatórios
Fenômenos OndulatóriosFenômenos Ondulatórios
Fenômenos Ondulatórios
 
Reflexão da luz
Reflexão da luzReflexão da luz
Reflexão da luz
 
Optica
OpticaOptica
Optica
 
2 física - fenômenos ondulatórios e ondas estacionárias - cordas vibrantes
2   física - fenômenos ondulatórios e ondas estacionárias  - cordas vibrantes2   física - fenômenos ondulatórios e ondas estacionárias  - cordas vibrantes
2 física - fenômenos ondulatórios e ondas estacionárias - cordas vibrantes
 
Luz e Cor
Luz e CorLuz e Cor
Luz e Cor
 
Óptica introdução
Óptica introduçãoÓptica introdução
Óptica introdução
 
Ondulatoria
OndulatoriaOndulatoria
Ondulatoria
 

Semelhante a Refração

Refração da luz
Refração da luzRefração da luz
Refração da luz
Agnobel Silva
 
Refração
RefraçãoRefração
Refração
Camila Aguiar
 
Refração da luz 3º ano sandiego 001
Refração da luz 3º ano sandiego 001Refração da luz 3º ano sandiego 001
Refração da luz 3º ano sandiego 001
andré vitor
 
Optica geométrica (estágio i) ppt
Optica geométrica (estágio i) pptOptica geométrica (estágio i) ppt
Optica geométrica (estágio i) ppt
Isabella Silva
 
Refração luminosa
Refração luminosaRefração luminosa
Refração luminosa
Chris x-MS
 
Refração da luz
Refração da luzRefração da luz
Refração da luz
paramore146
 
5 luz
5 luz5 luz
Aula de Introdução-à-Ondulatória-e-Óptica.ppt
Aula de Introdução-à-Ondulatória-e-Óptica.pptAula de Introdução-à-Ondulatória-e-Óptica.ppt
Aula de Introdução-à-Ondulatória-e-Óptica.ppt
AlessandroLucena1
 
13 reflexao e refracao da luz
13  reflexao e refracao da luz13  reflexao e refracao da luz
13 reflexao e refracao da luz
daniela pinto
 
óptica - Física - Ensino médio - técnico
óptica - Física - Ensino médio - técnicoóptica - Física - Ensino médio - técnico
óptica - Física - Ensino médio - técnico
AntonioAlbericoOlive
 
Óptica geométrica
Óptica geométricaÓptica geométrica
Óptica geométrica
Isabella Silva
 
Óptica geométrica
Óptica geométrica Óptica geométrica
Óptica geométrica
Isabella Silva
 
Optica geométrica revisão geral marista ppt
Optica geométrica revisão geral marista pptOptica geométrica revisão geral marista ppt
Optica geométrica revisão geral marista ppt
Isabella Silva
 
Optica geométrica revisão geral ppt
Optica geométrica revisão geral  pptOptica geométrica revisão geral  ppt
Optica geométrica revisão geral ppt
Isabella Silva
 
Optica geométrica revisão geral ppt
Optica geométrica revisão geral  pptOptica geométrica revisão geral  ppt
Optica geométrica revisão geral ppt
Isabella Silva
 
Refração
RefraçãoRefração
Refração
Ana Garcez
 
Física: Refração da Luz e Lentes Esféricas - IFAL
Física: Refração da Luz e Lentes Esféricas - IFALFísica: Refração da Luz e Lentes Esféricas - IFAL
Física: Refração da Luz e Lentes Esféricas - IFAL
Carlos Arroxelas
 
Optica geométrica revisão geral sem ppt
Optica geométrica revisão geral sem pptOptica geométrica revisão geral sem ppt
Optica geométrica revisão geral sem ppt
Isabella Silva
 
Reflexao e refracao
Reflexao e refracaoReflexao e refracao
Reflexao e refracao
PauloMaiaCampos
 
Refração
RefraçãoRefração
Refração
Bruno Guilherme
 

Semelhante a Refração (20)

Refração da luz
Refração da luzRefração da luz
Refração da luz
 
Refração
RefraçãoRefração
Refração
 
Refração da luz 3º ano sandiego 001
Refração da luz 3º ano sandiego 001Refração da luz 3º ano sandiego 001
Refração da luz 3º ano sandiego 001
 
Optica geométrica (estágio i) ppt
Optica geométrica (estágio i) pptOptica geométrica (estágio i) ppt
Optica geométrica (estágio i) ppt
 
Refração luminosa
Refração luminosaRefração luminosa
Refração luminosa
 
Refração da luz
Refração da luzRefração da luz
Refração da luz
 
5 luz
5 luz5 luz
5 luz
 
Aula de Introdução-à-Ondulatória-e-Óptica.ppt
Aula de Introdução-à-Ondulatória-e-Óptica.pptAula de Introdução-à-Ondulatória-e-Óptica.ppt
Aula de Introdução-à-Ondulatória-e-Óptica.ppt
 
13 reflexao e refracao da luz
13  reflexao e refracao da luz13  reflexao e refracao da luz
13 reflexao e refracao da luz
 
óptica - Física - Ensino médio - técnico
óptica - Física - Ensino médio - técnicoóptica - Física - Ensino médio - técnico
óptica - Física - Ensino médio - técnico
 
Óptica geométrica
Óptica geométricaÓptica geométrica
Óptica geométrica
 
Óptica geométrica
Óptica geométrica Óptica geométrica
Óptica geométrica
 
Optica geométrica revisão geral marista ppt
Optica geométrica revisão geral marista pptOptica geométrica revisão geral marista ppt
Optica geométrica revisão geral marista ppt
 
Optica geométrica revisão geral ppt
Optica geométrica revisão geral  pptOptica geométrica revisão geral  ppt
Optica geométrica revisão geral ppt
 
Optica geométrica revisão geral ppt
Optica geométrica revisão geral  pptOptica geométrica revisão geral  ppt
Optica geométrica revisão geral ppt
 
Refração
RefraçãoRefração
Refração
 
Física: Refração da Luz e Lentes Esféricas - IFAL
Física: Refração da Luz e Lentes Esféricas - IFALFísica: Refração da Luz e Lentes Esféricas - IFAL
Física: Refração da Luz e Lentes Esféricas - IFAL
 
Optica geométrica revisão geral sem ppt
Optica geométrica revisão geral sem pptOptica geométrica revisão geral sem ppt
Optica geométrica revisão geral sem ppt
 
Reflexao e refracao
Reflexao e refracaoReflexao e refracao
Reflexao e refracao
 
Refração
RefraçãoRefração
Refração
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LucliaMartins5
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
menesabi
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 

Refração

  • 1. Refração Prof. Thiago Nobre Vivas Refração da luz ao passar do ar para a água
  • 2. Definição A refração luminosa ocorre quando a luz passa de um meio transparente e homogêneo , para outro meio também transparente e homogêneo mudando sua direção.
  • 3. Exemplos de refração no cotidiano Quando uma lanterna é apontada para uma piscina ou quando observamos o caule de uma flor dentro de um jarro transparente com água e observamos um desvio do seu trajeto natural fora d’agua, estamos presenciando a refração
  • 4. A natureza da luz e a refração A refração é um fenômeno estritamente ondulatório, como a luz também apresenta esta propriedade, podemos concluir que para refração a luz se comporta como onda.
  • 5. Consequências do caráter ondulatório da luz Como a luz ,para a refração, se comporta como onda terá velocidades diferentes em meios diferentes.
  • 6. Consequências do caráter ondulatório da luz Sólido Líquido Gasoso Distância Pequena Velocidade Pequena Distância Média Velocidade Media Distância Grande Velocidade grande
  • 7. Refração da luz A velocidade da onda luminosa depende da densidade do meio. Quanto maior a densidade de um meio, menor a velocidade de propagação da onda nesse meio.
  • 8. Dióptro plano Dióptro plano é a superfície (interface) entre dois meios de materiais distintos. Quando a luz passa de um material para outro ocorre a refração.
  • 9. Dióptro plano Um dióptro plane deve ser homogêneo (feito do mesmo material), transparente (permite a passagem regular da luz) e isotrópico (só permite um sentido de refração)
  • 10. Dióptro plano Há materiais que são birrefringentes, ou seja, o feixe luminoso é dividido em dois, formando-se assim duas imagens. Este não é um meio isotrópico
  • 11. Índice de refringência Para um dado meio transparente, n depende da cor da luz. nVERM.< nALAR. < nAM < nVERDE < nAZU < nANIL< nVIOLETA
  • 12. Leis de refração i = Ângulo de incidência r = Ângulo de refração N = Normal Atenção: i ≠ r ^ r N
  • 13. Nomenclatura: N : normal à superfície no ponto de incidência i : ângulo de incidência (ângulo formado pelo raio incidente e a normal) r : ângulo de refração (ângulo formado pelo raio refratado e a normal) V i e  i : velocidade e comprimento de onda da onda incidente V r e  r : velocidade e comprimento de onda da onda refratada Refração de ondas na superfície de Líquidos
  • 14. Leis da Refração Primeira Lei: O raio incidente, a normal e o raio refratado são coplanares ; Segunda Lei: Lei de Snell-Descartes
  • 15. Refração da luz Obs.: A refração sempre vem acompanhada da reflexão
  • 16. Refração da luz Refringência: resistência que o meio oferece a passagem da luz.
  • 17. Refração da luz - Representação Normal Raio incidente Raio refratado Luz passando do meio menos para o meio mais refringente: Neste caso podemos dizer que o raio refratado aproxima-se da normal I R i r
  • 18. Refração da luz – Representação com frentes de onda Normal Frente de onda incidente Frente de onda refratada Obs.: Nesta figura não representaremos a reflexão I R  r  i
  • 19. Refração da luz - Representação Normal Raio incidente Raio refratado Neste caso podemos dizer que o raio refratado afasta-se da normal Luz passando do meio mais para o meio menos refringente: I R i r
  • 20. Refração da luz – Representação com frentes de onda Normal Frente de onda incidente Frente de onda refratada Obs.: Nesta figura não representaremos a reflexão I R  i  r
  • 21. Refração da luz - Representação Normal i=0º r=0º Raio refratado Neste caso tivemos uma refração sem desvio Luz passando do meio mais para o meio menos refringente: Raio incidente I R
  • 22. Refração da Luz Desvio angular do raio refratado Normal Normal i r  i r 
  • 23. Índice de Refração absoluto de um meio Definição: é a razão entre a velocidade da luz no vácuo e a velocidade da luz no meio considerado. O índice de refração depende da densidade do meio, do material e da freqüência utilizada para medi-lo.
  • 24. Índice de Refração - Observações
  • 25. Leis da Refração O raio refratado, o raio incidente e a normal são coplanares. Lei de Snell: V I = velocidade da onda incidente V R = velocidade da onda refratada  I = comprimento de onda da onda incidente  R = comprimento de onda da onda refratada N I = índice de refração do meio de incidência N R = índice de refração do meio de refração
  • 26. Ângulo Limite de Incidência Normal Raio incidente Raio refratado O ângulo de incidência é chamado de ângulo limite ( L ) se o ângulo de refração for igual a 90 o . n N i= L r= 90º
  • 27. Ângulo Limite de Refração Normal Raio incidente Raio refratado O ângulo de refração é chamado de ângulo limite se o ângulo de incidência for igual a 90 o . N n i=90 o r= L
  • 28. Reflexão Total da Luz Condições para que ocorra reflexão total: i=0 o r=0 o Neste caso tivemos uma reflexão total N n N i < L N i = L i > L N
  • 29. REFLEXÃO TOTAL DA LUZ – ÂNGULO LIMITE