PREÂMBULO DE AA   ALCOÓLICOS ANÔNIMOS é uma irmandade de homens e     mulheres que compartilham suas experiências, forças ...
PRECE DA SERENIDADE   Concedei-nos, Senhor,  a Serenidade necessária    para aceitar as coisasque não podemos modificar,  ...
Reflexão do dia 16 de MarçoCOMO NÓS O ENTENDEMOS• Meu amigo, então, sugeriu o que me pareceu  uma idéia original ... "Por ...
• Lembro-me das vezes que olhava para o céu e refletia  sobre quem e como começou tudo isso. Quando  cheguei em A.A., um e...
"Para ser membro de A.A., o únicorequisito é o desejo de parar de beber. "
Nós sempre dizemos para aquele que chega e que possa ter problema com a bebida:• Você será um membro de AA se assim o quis...
No começo o AA era muito frágil.• Estabelecer esse princípio de filiação foi obra de muitos  anos de experiência sofrida.•...
• O escritório da nossa Fundação “pediu a cada  grupo que enviasse sua lista de regras  protetoras’. A lista total era qui...
“Construímos uma cerca de malha fina          em torno de AA.”• De modo então que os  mendigos, vadios, débeis  mentais, e...
Isto agora talvez pareça cômico.• "Talvez pensem que nós, os velhos, éramos  deveras intolerantes. Garanto-  lhes, porém, ...
A visão do futuro• Como poderíamos então adivinhar que todos  aqueles temores não teriam fundamentos?• Como poderíamos sab...
• Poderia então alguém imaginar uma sociedade  incluindo todos os tipos possíveis de pessoas e  superando todas as barreir...
A resposta, evidenciada agora na TerceiraTradição, é a simplicidade propriamente dita.• A experiência ensinou-nos afinal q...
Primeira história• No segundo ano de AA. um estranho apareceu  num dos grupos (existiam dois), bateu à porta e  pediu para...
Lá estava o dilema. O que deveria fazer o                 grupo?• O membro mais antigo convocou dois colegas  (consciência...
• A princípio os veteranos só viam objeções. disseram  eles: "Só lidamos com alcoólicos. Não seria o caso de  sacrificarmo...
• Exultante, o recém-chegado entregou-se às  tarefas do Décimo Segundo Passo.  Incansavelmente, apresentou a mensagem de  ...
Segunda história• Um grupo recebeu em seu seio um vendedor que aqui  chamaremos de Ed. Tratava-se de um indivíduo ativo e ...
• Chegou afinal o momento em que deveria falar  numa reunião. Trememos todos, pois sabíamos o  que estava por vir. Ed rend...
• Os veteranos disseram-lhe reservadamente com firmeza:  "Você não pode falar dessa maneira à nossa gente. Pare ou vá  emb...
• Bem mais tarde, Ed conseguiu um emprego de vendedor  que o obrigou a sair da cidade. Depois de poucos dias surgiu  a nov...
• Ed havia permanecido num hotel barato de um Estado  vizinho. Ignorados todos os seus pedidos de ajuda, estas  palavras c...
PARA REFLEXÃO     O que dizer hoje de nossas ações e     conduta, seja como membro de AA         individual ou em Grupo?• ...
• Pela discriminação- aparência física, sexo, saúde e  higiene• Cor• Etnia• Condição sócio cultural• Condição sócio financ...
•   Lá fora•   Na chegada•   Aqui dentro•   E depois
• Não usamos filtro.• Muito pelo contrário, nos empenhamos em  esclarecer toda dúvida que exista na mente do  alcoólico e ...
• Quando qualquer um, seja onde for....
• Não devíamos!
• Não deveria...
Qual a importância dele para nós?• Se estivéssemos Lá fora, poderíamos estar  igual ou pior que ele.• Isso se ainda estivé...
• Só existiríamos nos livros de história.
• O AA não é só para nós, o AA é para o outro  também.• Aquele que vai chegar, é aquele que vai abrir a  porta do Grupo am...
Entre em contato conosco e venha nos visitar.        grupodeaaaracas@gmail.com         w w w. g r u p o d e a a a r a c a ...
LITERÁRIA - TERCEIRA TRADIÇÃO
LITERÁRIA - TERCEIRA TRADIÇÃO
LITERÁRIA - TERCEIRA TRADIÇÃO
LITERÁRIA - TERCEIRA TRADIÇÃO
LITERÁRIA - TERCEIRA TRADIÇÃO
LITERÁRIA - TERCEIRA TRADIÇÃO
LITERÁRIA - TERCEIRA TRADIÇÃO
LITERÁRIA - TERCEIRA TRADIÇÃO
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

LITERÁRIA - TERCEIRA TRADIÇÃO

1.723 visualizações

Publicada em

"Para ser membro de A.A., o único requisito é o desejo de parar de beber. "
Esta tradição é plena de significado.

Nós sempre dizemos para aquele que chega e que possa ter problema com a bebida:
• Você será um membro de AA se assim o quiser.
• Você pode declarar-se dentro da Irmandade; ninguém poderá mantê-lo de fora.
• Quem quer que você seja, por mais baixo que tenha chegado, por mais graves que sejam as suas complicações emocionais - até mesmo os seus crimes - não poderemos negar-lhe A.A.
• Não queremos que fique de fora.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.723
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
82
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

LITERÁRIA - TERCEIRA TRADIÇÃO

  1. 1. PREÂMBULO DE AA ALCOÓLICOS ANÔNIMOS é uma irmandade de homens e mulheres que compartilham suas experiências, forças e esperanças a fim de resolver o seu problema comum e ajudarem outros a se recuperarem do alcoolismo.O único requisito para se tornar membro é o desejo de parar de beber. Para ser membro de AA não há necessidade de se pagar taxas nem mensalidades somos auto-suficientes graças às nossas próprias contribuições. AA não esta ligado a nenhuma seita ou religião, nenhum movimento político, nenhuma organização ou instituição não deseja entrar em qualquer controvérsia; não apóia nem combate quaisquer causas. Nosso propósito primordial é mantermo-nos sóbrios e ajudar outros alcoólicos a alcançarem a sobriedade."
  2. 2. PRECE DA SERENIDADE Concedei-nos, Senhor, a Serenidade necessária para aceitar as coisasque não podemos modificar, Coragem para modificar aquelas que podemos, e Sabedoria para distinguir umas das outras.
  3. 3. Reflexão do dia 16 de MarçoCOMO NÓS O ENTENDEMOS• Meu amigo, então, sugeriu o que me pareceu uma idéia original ... "Por que não escolhes teu próprio conceito de Deus?" Esta pergunta atingiu- me fortemente. Derreteu a montanha de gelo intelectual, à sombra da qual eu havia vivido durante muitos anos. Enfim, ergueria o rosto para o sol! Era só me dispor a crer em um Poder Superior a mim. Para começar, aquilo bastava. • ALCOÓLICOS ANÔNIMOS PG. 35
  4. 4. • Lembro-me das vezes que olhava para o céu e refletia sobre quem e como começou tudo isso. Quando cheguei em A.A., um entendimento da dimensão espiritual tornou-se um auxilio necessário para uma sobriedade estável. Após ler sobre a grande explosão (big bang), optei para a simplicidade e supondo que o Deus do meu entendimento foi o Grande Poder que tornou a explosão possível. Com a vastidão do universo sob Seu comando. Ele seria, sem dúvida, capaz de guiar meu pensamento e ações se eu estivesse preparado para aceitar a Sua orientação. Mas não posso esperar ajuda, se virar as costas a esta ajuda e continuar à minha própria maneira. Tornei-me disposto a acreditar e já tenho 26 anos de sobriedade estável e satisfatória.
  5. 5. "Para ser membro de A.A., o únicorequisito é o desejo de parar de beber. "
  6. 6. Nós sempre dizemos para aquele que chega e que possa ter problema com a bebida:• Você será um membro de AA se assim o quiser.• Você pode declarar-se dentro da Irmandade; ninguém poderá mantê-lo de fora.• Quem quer que você seja, por mais baixo que tenha chegado, por mais graves que sejam as suas complicações emocionais - até mesmo os seus crimes - não poderemos negar-lhe A.A.• Não queremos que fique de fora.• Não tememos nem um pouco que você nos faça mal, por mais perverso e violento que você seja.• Queremos apenas ter certeza de que você terá a mesma oportunidade de chegar à sobriedade que nós tivemos.• De modo que você será um membro de Alcoólicos Anônimos no instante em que assim se declarar.
  7. 7. No começo o AA era muito frágil.• Estabelecer esse princípio de filiação foi obra de muitos anos de experiência sofrida.• Dificilmente um alcoólico por nós abordado, dava-nos qualquer atenção; aqueles que se juntavam a nós eram como que velas resistindo aos ventos. Suas chamas incertas se apagavam (recaiam) e não podiam mais ser acesas. Nosso pensamento constante era: "Qual dentre nós será o próximo?"• Em dada época, cada grupo de AA tinha numerosas regras de ingresso. Todos temiam que alguém ou alguma coisa fizesse virar o barco, fazendo todos voltarem a beber.
  8. 8. • O escritório da nossa Fundação “pediu a cada grupo que enviasse sua lista de regras protetoras’. A lista total era quilométrica. Se todas aquelas regras vigorassem realmente em toda parte, ninguém teria conseguido ingressar em AA, tamanha era a nossa ansiedade e os nossos temores.”• Estávamos decididos a admitir a entrada em AA de apenas aquelas pessoas a quem chamávamos "alcoólicos puros" que bebem exageradamente com suas lamentáveis consequências, não podiam os alcoólicos ter outras complicações.
  9. 9. “Construímos uma cerca de malha fina em torno de AA.”• De modo então que os mendigos, vadios, débeis mentais, encarcerados, homossexuais, adoida dos e as mulheres decaídas, decididamente não tinham lugar em AA.• Sim, senhores, cuidávamos apenas dos alcoólicos puros e respeitáveis! Quaisquer outros seriam destruição certa para nós. Ademais, se admitíssemos essa gente indefinida, que diriam de nós as pessoas de bem?
  10. 10. Isto agora talvez pareça cômico.• "Talvez pensem que nós, os velhos, éramos deveras intolerantes. Garanto- lhes, porém, que naquele tempo a situação não era nada engraçada. Éramos impiedosos porque percebíamos que nossas vidas e nossos lares estavam ameaçados. Intolerantes, dirão? Bem, tínhamos medo. Naturalmente começáramos a agir como a maior parte das pessoas quando têm medo. Afinal, não será o temor a verdadeira base da intolerância?
  11. 11. A visão do futuro• Como poderíamos então adivinhar que todos aqueles temores não teriam fundamentos?• Como poderíamos saber que milhares daquelas pessoas por vezes assustadoras teriam espantosas recuperações e se transformariam em nossos maiores colaboradores e mais íntimos amigos?• Seria acreditável que A.A. fosse apresentar uma incidência de divórcios bem abaixo da média? (reestabelecimento da família)• Poderíamos àquela altura prever que indivíduos perturbadores se tornariam nossos principais mestres na arte da paciência e da tolerância?
  12. 12. • Poderia então alguém imaginar uma sociedade incluindo todos os tipos possíveis de pessoas e superando todas as barreiras raciais, religiosas, políticas e linguísticas com facilidade?• Por que terá afinal AA abandonado todas as suas regras de afiliação?• Por que deixamos a cada recém-chegado a tarefa de decidir por si mesmo se era um alcoólico e deveria juntar-se a nós?• Por que ousamos dizer que não puniríamos nem cancelaríamos a inscrição de qualquer membro de AA?• Que jamais deveríamos obrigar alguém a pagar o que quer que seja, acreditar no que quer que seja ou aceitar o que quer que seja?
  13. 13. A resposta, evidenciada agora na TerceiraTradição, é a simplicidade propriamente dita.• A experiência ensinou-nos afinal que privar o alcoólico de uma plena oportunidade, equivale por vezes a pronunciar a sua sentença de morte e, amiúde, a condená-lo a um estado de interminável miséria.• Quem se atreveria a ser o juiz, o júri e o carrasco do seu irmão doente?• Enquanto cada vez mais grupos foram dando-se conta destas possibilidades, as regras de ingresso foram deixadas de lado. Sucessivas experiências dramáticas firmaram tal resolução até que ela se transformou em nossa tradição universal.
  14. 14. Primeira história• No segundo ano de AA. um estranho apareceu num dos grupos (existiam dois), bateu à porta e pediu para entrar. Falou francamente ao membro mais velho daquele grupo. Provou que o seu caso era desesperador e que, acima de tudo, queria ficar bom. Mas, perguntou ele, "o senhor permitirá que eu faça parte do seu grupo? Sou vítima de outra dependência ainda mais estigmatizante do que o próprio alcoolismo e o senhor poderá não me querer entre os seus."
  15. 15. Lá estava o dilema. O que deveria fazer o grupo?• O membro mais antigo convocou dois colegas (consciência coletiva) e, confidencialmente, colocou-lhes nas mãos aquela carga explosiva, dizendo: "Bem, e agora? Se recusarmos este homem, ele cedo morrerá. Se permitirmos que entre, só Deus sabe os problemas que irá criar. Que resposta lhe daremos - sim ou não?"
  16. 16. • A princípio os veteranos só viam objeções. disseram eles: "Só lidamos com alcoólicos. Não seria o caso de sacrificarmos esta pessoa em benefício das demais?" E a discussão se prolongava enquanto o destino do recém-chegado ficava pendente na balança. Afinal, um dos três falou com entonação diferente, disse: "Aquilo que realmente tememos é a perda da nossa reputação. Temos muito mais receio dos comentários que poderiam surgir do que dos problemas que este bêbado poderá trazer. Ao longo desta nossa conversa, quatro palavrinhas me passaram pela mente. Algo não cessa de repetir para mim: O que faria o Mestre? Não se disse mais nada. Na verdade, o que mais se poderia dizer?
  17. 17. • Exultante, o recém-chegado entregou-se às tarefas do Décimo Segundo Passo. Incansavelmente, apresentou a mensagem de AA a dezenas de pessoas. Como se tratava de um grupo bem antigo, essas dezenas de pessoas hoje ascendem à casa dos milhares. Ele jamais incomodou quem quer que fosse com o seu outro problema. AA tinha dado o primeiro passo no sentido da formulação da Terceira Tradição.
  18. 18. Segunda história• Um grupo recebeu em seu seio um vendedor que aqui chamaremos de Ed. Tratava-se de um indivíduo ativo e petulante, como costumam ser os vendedores. Ele tinha pelo menos uma ideia por minuto de como “melhorar” o AA. Tais ideias ele as vendia aos colegas com o mesmo entusiasmo que punha na venda de cera para polimento de automóveis. Mas uma de suas ideias não era muito vendável. Ed era ateu. Sua obsessão predileta era a de que A.A. poderia funcionar muito melhor sem aquela "tolice de Deus". Ele incomodava a todos e a expectativa geral era de que logo se embebedaria pois na ocasião, entenda-se, A.A. era um antro de carolice. Deveria haver, dizia-se, um pesado castigo para os blasfemos. Para decepção geral, Ed manteve-se sóbrio.
  19. 19. • Chegou afinal o momento em que deveria falar numa reunião. Trememos todos, pois sabíamos o que estava por vir. Ed rendeu tributo à Irmandade, contou como a sua família se havia reencontrado, exaltou a virtude da honestidade, relembrou os prazeres do trabalho do Décimo Segundo Passo e, por fim, soltou em altos brados: "Não tolero essa história de Deus! Não passa de uma tolice de gente fraca. Nosso grupo não precisa disso. Não quero saber dessa história! Chega dessa bobagem!"• Uma grande onda de revolta apossou-se dos presentes e todos foram levados conjuntamente a esta resolução: "Fora com ele!"
  20. 20. • Os veteranos disseram-lhe reservadamente com firmeza: "Você não pode falar dessa maneira à nossa gente. Pare ou vá embora." Com grande sarcasmo, Ed voltou à carga: "Bem, digam-me: É assim mesmo?" Esticou o braço e apanhou numa prateleira um maço de papéis. No topo estava o prólogo do livro Alcoólicos Anônimos, então em preparação. A seguir leu em voz alta: "A única exigência para o ingresso em A.A. é o desejo de parar de beber." Sem dar tréguas, prosseguiu: "Quando escreveram essa frase, vocês estavam ou não sendo sinceros?"• Desanimados, os mentores se entreolharam, pois sabiam ter sido apanhados desprevenidos. O resultado é que Ed ficou.• Ed não apenas ficou, mas permaneceu sóbrio durante longos meses. Quanto mais tempo ficava a seco, tanto mais vociferava contra Deus. O grupo ficou de tal forma angustiado que toda a caridade fraterna desapareceu. Comentavam entre si os homens: "Quando, meu Deus, quando, esse sujeito irá encher a cara?"
  21. 21. • Bem mais tarde, Ed conseguiu um emprego de vendedor que o obrigou a sair da cidade. Depois de poucos dias surgiu a novidade. Ele tinha mandado um telegrama pedindo dinheiro e todos sabiam o que aquilo significava! A seguir fez um chamado telefônico. Naquela época, costumávamos ir onde quer que fosse para executar um trabalho do Décimo Segundo Passo, por piores que fossem as perspectivas. Desta vez, porém, ninguém se mexeu. "Que fique sozinho! Que tente fazer as coisas por si; talvez aprenda uma lição!"• Cerca de duas semanas mais tarde, Ed penetrou, à noite, na casa de um dos membros de A.A. e, sem que a família soubesse, meteu-se na cama. Ao amanhecer o dono da casa e outro amigo estavam a tomar o café matinal. Ouviu-se um barulho nas escadas. Para consternação de ambos, Ed apareceu. Com um sorriso enigmático nos lábios ele perguntou: "Vocês já fizeram a sua meditação desta manhã?" Súbito, os dois deram-se conta de que ele falava sério. Em fragmentos, a história lhes foi contada.
  22. 22. • Ed havia permanecido num hotel barato de um Estado vizinho. Ignorados todos os seus pedidos de ajuda, estas palavras começaram a assaltar-lhe a mente febril: "Eles me abandonaram. Fui abandonado pelos meus iguais. É o fim ... nada mais resta." Ao virar-se na cama, batera com a mão na escrivaninha ao lado e tocara num livro. Ed abriu e leu o livro. Era uma Bíblia de Gedeão. Nunca mais ele tornou a confessar o que viu e sentiu naquele quarto de hotel. Foi no ano de 1938. Jamais Ed voltou a beber. Hoje em dia, quando os membros antigos que conhecem Ed. se reúnem, eles exclamam:• “Se tivéssemos conseguido expulsar Ed por causa de suas blasfêmias, que teria sucedido a ele e a todos que ele ajudou posteriormente?"• Foi assim que a mão da Providência muito cedo nos deu a entender que qualquer alcoólico é um membro da nossa Irmandade, desde o momento em que ele assim o afirme.
  23. 23. PARA REFLEXÃO O que dizer hoje de nossas ações e conduta, seja como membro de AA individual ou em Grupo?• Quais formas de peneirar (selecionar) os alcoólicos?• Quando acontece a seleção?• Usamos qualquer espécie de peneira?• Que tipo de alcoólico queremos em nosso meio?• Estamos discriminando algum tipo alcoólico?• Quanto à sua origem, ele nos incomoda?• Qual a importância dele para nós?• Teríamos sobrevivido 77 anos se usássemos algum tipo de peneira?• O que dizer das futuras gerações?
  24. 24. • Pela discriminação- aparência física, sexo, saúde e higiene• Cor• Etnia• Condição sócio cultural• Condição sócio financeira• Atuação/crença Religiosa• Idade• outros problemas além do álcool
  25. 25. • Lá fora• Na chegada• Aqui dentro• E depois
  26. 26. • Não usamos filtro.• Muito pelo contrário, nos empenhamos em esclarecer toda dúvida que exista na mente do alcoólico e estabelecer uma relação de confiança.• Procuramos fazer da vinda dele aqui uma verdadeira oportunidade de pratica dos nossos princípios• É importante salientar que não forçamos ninguém a nada!
  27. 27. • Quando qualquer um, seja onde for....
  28. 28. • Não devíamos!
  29. 29. • Não deveria...
  30. 30. Qual a importância dele para nós?• Se estivéssemos Lá fora, poderíamos estar igual ou pior que ele.• Isso se ainda estivéssemos lá fora!• Se descuidarmos do programa de ação podemos se juntar a eles de novo.
  31. 31. • Só existiríamos nos livros de história.
  32. 32. • O AA não é só para nós, o AA é para o outro também.• Aquele que vai chegar, é aquele que vai abrir a porta do Grupo amanhã.• Confiaremos a ele a chave e a manutenção do Grupo.• Apadrinharemos ele como se fosse nosso filho querido.
  33. 33. Entre em contato conosco e venha nos visitar. grupodeaaaracas@gmail.com w w w. g r u p o d e a a a r a c a s . b l o g s p o t . c o m GRUPO ALCOÓLICOS ANÔNIMOS EM ARAÇÁS RUA: CARACAS, 103 - ARAÇAS, VILA VELHA – ES CEP: 29103-019 (PRÓXIMO AO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO MADERAUTO)REUNIÕES: SEGUNDA, TERÇA, QUARTA E SEXTA ÀS 19:30h.

×