SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 128
Baixar para ler offline
FICHA CATALOGRÁFICA
(Preparada na Editora)
Xavier, Francisco Cândido, 1910-2002.
X19p Preces e Orações/ Francisco Cândido Xavier,
Espíritos Diversos, 1ª edição, IDE, 2016.
128 p.
ISBN 978-85-7341-692-3
1. Espiritismo 2. Psicografia - Mensagens
I. Espíritos Diversos. II. Título.
CDD -133.9
-133.91
Índices para catálogo sistemático:
1. Espiritismo 133.9
2. Psicografia: Mensagens: Espiritismo 133.91
ISBN 978-85-7341-692-3
1ª edição - agosto/2016
Copyright © 2016,
Instituto de Difusão Espírita - IDE
Conselho Editorial:
Hércio Marcos Cintra Arantes
Doralice Scanavini Volk
Orson Peter Carrara
Wilson Frungilo Júnior
Coordenação:
Jairo Lorenzeti
Revisão de texto:
Mariana Frungilo Paraluppi
Capa:
Sílvia Bianca Borges Brandão
Diagramação:
Maria Isabel Estéfano Rissi
INSTITUTO DE DIFUSÃO ESPÍRITA - IDE
Av. Otto Barreto, 1067 - Cx. Postal 110
CEP 13600-970 - Araras/SP - Brasil
Fone (19) 3543-2400
CNPJ 44.220.101/0001-43
Inscrição Estadual 182.010.405.118
www.ideeditora.com.br
editorial@ideeditora.com.br
Todos os direitos reservados.
Nenhuma parte desta
publicação pode ser
reproduzida, armazenada
ou transmitida, total ou
parcialmente, por quaisquer
métodos ou processos, sem
autorização do detentor do
copyright.
Sumário
Apresentação .............................................................. 7
Prece - O LivrO dOs EspíritOs............................................. 13
Mensagens sobre a Prece
Profilaxia - Silêncio e Prece, André Luiz ...................... 19
Prece do esforço próprio, EmmAnuEL............................ 23
Oração e serviço, ALbinO tEixEirA.....................................29
Prece antes e depois, EmmAnuEL .....................................33
Preces e Orações
Oração do servo imperfeito, ALbinO tEixEirA .................. 39
Oração nossa, EmmAnuEL ................................................43
Prece em desobsessão, ALbinO tEixEirA ..........................47
Oração por paciência, EmmAnuEL.....................................51
Oração de hoje, AutA dE sOuzA.........................................55
Oração em serviço, EmmAnuEL.........................................59
Prece do jovem cristão, AirEs dE OLivEirA....................... 63
Prece de amor, schEiLLA .................................................67
Oração pelos entes queridos, EmmAnuEL ........................71
Prece ante o perdão, EmmAnuEL ..................................... 77
Oração diante da palavra, mEimEi..................................81
Prece por visão, EmmAnuEL.............................................. 85
Prece às mães, chicO xAviEr ...........................................89
Prece, chicO xAviEr ............................................................95
Apêndice
Pai Nosso.......................................................................99
Prece de Cáritas................................................................ 101
Prece para si mesmo.................................................. 105
Evangelho no Lar................................................................109
rEfErênciAs bibLiOgráficAs ............................................124
7
Apresentação
Esta obra se compõe de mensa-
gens espirituais, em forma de preces e
orações, transmitidas ao médium Fran-
cisco Cândido Xavier, em diversas épo-
cas, sendo as duas últimas de autoria
do próprio Chico quando entrevistado
em distintos programas televisivos dos
quais participou.
8
Abaixo, algumas transcrições
do O Evangelho Segundo o Espiritismo,
como forma de preparar o leitor para
tão edificantes leituras, que se se-
guirão no decorrer do presente livro.
(...) A forma não é nada, o pensa-
mento é tudo. Orai, cada um, segundo
as vossas convicções e o modo que
mais vos toca; um bom pensamento
vale mais que numerosas palavras es-
tranhas ao coração. (...)
(...) A prece é uma invocação; por
ela, um ser se coloca em comunicação
mental com outro ser ao qual se dirige.
9
Ela pode ter, por objeto, um pedido, um
agradecimento ou uma glorificação. Po-
de-se orar por si mesmo ou por outrem,
pelos vivos ou pelos mortos. (...)
(...) O Espiritismo faz compreen-
der a ação da prece, explicando o modo
de transmissão do pensamento, seja
quando o ser chamado vem ao nosso
apelo, seja quando nosso pensamento
o alcança.(...)
(...) Portanto, quando o pensa-
mento é dirigido a um ser qualquer, so-
bre a Terra ou no espaço, de encarnado
a desencarnado, ou de desencarnado a
10
encarnado, estabelece-se uma corren-
te fluídica de um para o outro, transmi-
tindo o pensamento, como o ar trans-
mite o som.
A energia da corrente está em ra-
zão do vigor do pensamento e da vonta-
de. Por isso, a prece é ouvida pelos Espí-
ritos, em qualquer lugar em que eles se
encontrem; os Espíritos se comunicam
entre si, transmitem-nos suas inspira-
ções, os intercâmbios se estabelecem,
à distância, entre os encarnados.
Esta explicação é, sobretudo,
para aqueles que não compreendem a
11
utilidade da prece puramente mística,
e não tem por objetivo materializar a
prece, mas tornar seu efeito inteligí-
vel, mostrando que pode ter uma ação
direta e efetiva. Ela, por isso, não fica
menos subordinada à vontade de Deus,
juiz supremo em todas as coisas, único
que pode tornar sua ação efetiva.
Pela prece, o homem chama para si
o concurso dos bons Espíritos, que vêm
sustentá-lo nas suas boas resoluções
e inspirar-lhe bons pensamentos; ad-
quire, assim, a força moral necessária
para vencer as dificuldades e reentrar
no caminho reto se dele se afastou,
12
assim como afastar de si os males que
atrai por sua própria falta. (...)”
Inicialmente, como abertura do
presente livro, transcrevemos algu-
mas orientações retiradas do O Livro
dos Espíritos sobre a prece. Em se-
guida, oferecemos mensagens dos
Espíritos Emmanuel, André Luiz e
Albino Teixeira, abordando sobre a
importância do esforço próprio e do
serviço aliado à oração sincera.
Os Editores
13
Prece
O Livro dos Espíritos
Cap. II , Livro Terceiro, Lei de Adoração.
659 –Qualéocarátergeraldaprece?
– A prece é um ato de adoração.
Orar a Deus é pensar Nele, aproximar-
se Dele e colocar-se em comunicação
com Ele. Pela prece pode-se propor três
coisas: louvar, pedir e agradecer.
14
660 – A prece torna o homem
melhor?
– Sim, porque aquele que ora com
fervor e confiança é mais forte contra as
tentações do mal e Deus lhe envia os bons
Espíritosparaoassistir.Éumsocorroque
nãoéjamaisrecusado,quandopedidocom
sinceridade.
– Como ocorre que certas pes-
soas que oram muito, sejam, malgra-
do isso, de um caráter muito mau,
invejosas, ciumentas, coléricas, ca-
rentes de benevolência e indulgência
e mesmo, algumas vezes, viciosas?
15
– O essencial não é orar muito,
mas orar bem. Essas pessoas creem
que todo o mérito está na extensão
da prece e fecham os olhos sobre seus
próprios defeitos. A prece, para elas, é
uma ocupação, um emprego de tempo,
mas não um estudo delas mesmas. Não
é o remédio que é ineficaz, mas a maneira
como é empregado.
661 – Pode-se utilmente pedir a
Deus que nos perdoe nossas faltas?
– Deus sabe discernir o bem e o
mal; a prece não oculta as faltas. Aquele
que pede a Deus o perdão de suas faltas
16
não o obtém senão mudando de condu-
ta. As boas ações são as melhores pre-
ces, porque os atos valem mais que as
palavras.
662 – Pode-se orar utilmente por
outrem?
– O Espírito daquele que ora age
por sua vontade de fazer o bem. Pela
prece, ele atrai para si os bons Espíritos
que se associam ao bem que quer fazer.
663 – As preces que fazemos
por nós mesmos podem mudar a
natureza de nossas provas e des-
viar-lhes o curso?
17
– Vossas provas estão entre as
mãos de Deus e há as que devem ser
suportadas até o fim, mas, então, Deus
tem sempre em conta a resignação. A
prece chama para vós...”
19
Profilaxia
Silêncio e Prece
André Luiz
Se a maledicência visita o seu
caminho, use o silêncio antes que a
lama revolvida se transforme em tó-
xicos letais.
Se a cólera explode ao seu lado,
use a prece, a fim de que o incêndio
não se comunique às regiões menos
abrigadas de sua alma.
20
Se a incompreensão lhe atira pe-
dradas, use o silêncio, em seu próprio
favor, imobilizando os monstros men-
tais que a crueldade desencadeia nas
almas frágeis e enfermiças.
Se a antipatia gratuita surpre-
ende as suas manifestações de amor,
use a prece, facilitando a obra da fra-
ternidade que o Mestre nos legou.
O silêncio e a prece são os antí-
dotos do mal, amparando o Reino do
Senhor, ainda nascente no mundo.
Se você pretende a paz no setor
de trabalho que Jesus lhe confiou, não
se esqueça dessa profilaxia da alma,
imprescindível à vitória sobre a treva
e sobre nós mesmos.
21
“A prece é um poderoso so-
corro em tudo; mas, crede
bem, não basta murmurar al-
gumas palavras para obter
o que se deseja. Deus assiste
aqueles que agem e não aque-
les que se limitam a pedir.”
O Livro dos Espíritos
Cap. IX, Livro Segundo,
Intervenção dos Espíritos
no Mundo Corporal, Ide Editora.
23
Prece
do esforço próprio
Emmanuel
É da lei do Senhor que a prece
do esforço próprio obtenha resposta
imediata da vida.
Educa a argila e a argila dar-te-
-á o vaso.
Guarda o vaso contra o lodo e o
vaso ser-te-á prestimoso servidor.
24
Trabalha a madeira bruta e a
madeira selvagem assegurar-te-á o
asilo doméstico.
Mantém a higiene em tua casa
e a casa abençoar-te-á a existência.
Ara o solo e terás a sementeira.
Auxilia a plantação e receberás
o privilégio da colheita.
Vale-te da fonte com respeito e
recolherás a água pura.
Cultiva a limpeza do líquido pre-
cioso e a água conferir-te-á equilíbrio
e saúde.
Agimos com o desejo.
25
Reage a vida com a realização.
Não há caridade sem gentileza.
Não há fé sem boa vontade.
Não há esperança sem paciência.
Não há paz sem trabalho digno.
Usemos a chave do esforço pró-
prio no bem de todos e o bem verda-
deiro conduzir-nos-á para a vitória
que nos propomos atingir.
O Criador responde à criatura,
através das próprias criaturas, até
que a criatura lhe possa, um dia, refle-
tir a Glória Sublime.
26
Articulemos incessantemente
a oração do serviço ao próximo, pela
ação constante no auxílio aos outros,
e estaremos marchando para a
felicidade indestrutível da comunhão
com Deus.
27
“(...) As boas ações são as
melhores preces, porque os
atos valem mais que as pa-
lavras.”
O Livro dos Espíritos
Cap. II, Livro Terceiro,
Lei de Adoração, Ide Editora.
29
Oração
e serviço
Albino Teixeira
Oração é requerimento da cria-
tura ao Criador.
Serviço é condição que a lei es-
tabelece para todas as criaturas, a
fim de que o Criador lhes responda.
Meditação estuda.
Trabalho realiza.
30
Observemos a propriedade do
asserto em quadros simples.
Semente nobre é pedido silen-
cioso da Natureza a que se faça ver-
dura e pão, mas se o cultivador não
desenvolve esforço conveniente, a sú-
plica viva desaparece.
Livro edificante é apelo sublime
do Espírito a que se ergam instrução
e cultura, mas, se o homem não lhe
perlustra as folhas no aprendizado, a
sábia rogativa fenece, em vão.
Música, ainda mesmo divina, se
mora exclusivamente na pauta, é me-
lodia que não nasceu.
31
Invenção sem experimento é ra-
ciocínio morto.
Oremos, meus irmãos, mas ore-
mos servindo.
Construção correta não se con-
cretiza sem planta adequada.
Mas a planta, por mais bela, sem
construção que lhe corresponda, será
sempre um sonho mumificado em tá-
buas de geometria.
33
Prece
antes e depois
Emmanuel
Antes de observar a presença
do mal, roga ao Senhor para que teus
olhos se habituem à fixação do bem, a
fim de que depois não se te converta a
oração em requerimento desesperado.
Antes de assinalar a frase ca-
luniosa ou irrefletida, pede ao Senhor
34
para que teus ouvidos saibam escutar
para o auxílio fraterno, a fim de que
depois não se te transforme a prece
em apelo sombrio.
Antes de caminhar na direção
do poço em que se adensam as águas
turvasdacrueldade,imploraaoSenhor
para que teus pés se mantenham na
movimentação do trabalho digno, a fim
de que depois não se te transfigure a
petição em grito blasfematório.
Antes de considerar a ofensa do
próximo, solicita ao Senhor te ilumine
o coração para que saibas exercer a
caridade genuína do entendimento e
35
do perdão sem reservas, a fim de que
depois não se te expresse a rogativa
por labéu de remorso e maldição.
Todos fazemos preces depois
que o sofrimento nos convoca à expia-
ção regenerativa, quando o processo
de nossas defecções morais já co-
agulou, em torno de nosso Espírito,
o cáustico da aflição com que have-
mos de purificar os tecidos da própria
alma.
Todavia, quão raras vezes ora-
mos antes da luta, vacinando o sen-
timento contra a sombra da tenta-
ção!...
36
Saibamos louvar a Bondade e a
Sabedoria de Deus, em todos os pas-
sos da vida, rendendo graças pela flor
e pelo espinho, pela facilidade e pelo
obstáculo, pela alegria e pela dor, pela
fartura e pela carência.
Agradecendo ao Céu as lições di-
minutas de cada instante da marcha,
aprenderemos a tecer, com as peque-
ninas vitórias de cada dia, o triunfo
sublime que, na grande angústia, er-
guer-nos-á para a alegria soberana
capaz de levantar-nos para sempre à
plena luz da imortalidade.
37
“A prece é sempre
agradável a Deus quando
é ditada pelo coração (...)”
O Livro dos Espíritos
Cap. II, Livro Terceiro,
Lei de Adoração, Ide Editora.
39
Oração
do servo imperfeito
Albino Teixeira
Senhor!...
Dura é a pedra, entretanto,
com a Tua sabedoria, temo-la em-
pregada em obras de segurança.
Violento é o fogo, todavia, sob
a Tua inspiração, foi ele posto em
disciplina, em auxílio da inteligência.
40
Agressiva é a lâmina, no entan-
to, ao influxo de Teu amparo, vemo-la
piedosa, na caridade da cirurgia.
Enfermiço é o pântano, contu-
do, sob Tua benevolência, encontra-
mo-lo convertido em celeiro de flores.
Eu também trago comigo a du-
reza da pedra, a violência do fogo, a
agressividade da lâmina e a enfermi-
dade do charco, mas, com a Tua bên-
ção de amor, posso desfrutar o pri-
vilégio de cooperar na construção do
Teu reino!... Para isso, porém, Senhor,
concede-me, por acréscimo de mise-
ricórdia, a felicidade de trabalhar e
ensina-me a receber o dom de servir.
41
“(...) A prece é agradável a
Deus quando é dita com fé,
fervor e sinceridade. (...)”
O Livro dos Espíritos
Cap. II, Livro Terceiro,
Lei de Adoração, Ide Editora
43
Oração
nossa
Emmanuel
Senhor, ensina-nos:
a orar sem esquecer o trabalho,
a dar sem olhar a quem,
a servir sem perguntar até quando,
a sofrer sem magoar seja a quem for,
a progredir sem perder a simplicidade,
a semear o bem sem pensar nos re-
sultados,
44
a desculpar sem condições,
a marchar para frente sem contar
os obstáculos,
a ver sem malícia,
a escutar sem corromper os as-
suntos,
a falar sem ferir,
a compreender o próximo sem exigir
entendimento,
a respeitar os semelhantes sem
reclamar consideração,
a dar o melhor de nós, além da exe-
cução do próprio dever, sem cobrar
taxas de reconhecimento.
45
Senhor, fortalece em nós a paciência
para com as dificuldades dos outros,
assim como precisamos da paciência
dos outros para com as nossas difi-
culdades.
Ajuda-nos para que a ninguém
façamos aquilo que não desejamos
para nós.
Auxilia-nos, sobretudo, a reconhe-
cer que a nossa felicidade mais alta
será, invariavelmente, aquela de cum-
prir-Te os desígnios onde e como quei-
ras, hoje, agora e sempre.
47
Prece
em desobsessão
Albino Teixeira
Deus de Infinita Bondade!
Na supressão dos conflitos, em
que nos inimizamos uns com os ou-
tros, induze-nos a ver, na condição
de perseguidos, se não temos sido
perseguidores.
Em colhendo aflições e lágri-
48
mas, faze-nos observar se não te-
mos semeado lágrimas e aflições
nas estradas alheias.
Ajuda-nos a receber ofensas por
medicação que nos cure as enfermida-
des do Espírito, e a acolher, em nossos
adversários, instrumentos da vida,
que nos experimentam a capacidade
de compreender e servir, conforme os
preceitos que Jesus exemplificou.
Não nos deixes, ó Pai de Mise-
ricórdia, identificar, nos companhei-
ros menos felizes que nos imponham
problemas, senão irmãos com quem
necessitamos recompor o próprio ca-
49
minho, em bases de fraternidade e de
paz.
Auxilia-nos a verificar que todo
processo de obsessão é comparti-
lhado pela vítima e pelo agressor; le-
va-nos a reconhecer que unicamente
com a luz do bem é que dissiparemos
a sombra do mal; e ensina-nos, ó Deus
de Infinita Sabedoria, que o amor –
e só o amor – é a tua vontade para
todas as criaturas, em toda parte e
para sempre.
Assim seja.
51
Oração
por paciência
Emmanuel
Senhor!
Fortalece-nos a fé para que a
paciência esteja conosco.
Por Tua paciência, vivemos.
Por Tua paciência, caminhamos.
Auxilia-nos, por misericórdia, a
52
aprender tolerância, a fim de que es-
tejamos em Tua paz.
É por Tua paciência que a espe-
rança nos ilumina e a compreensão se
nos levanta no íntimo da alma.
Agradecemos todos os dons de
que nos enriqueces a vida, mas Te ro-
gamos nos resguarde a paciência de
uns para com os outros, para que es-
tejamos contigo, tanto quanto estás
conosco, hoje e sempre.
53
“(...) Ajuda-te,
e o Céu te ajudará (...)”
O Livro dos Espíritos
Cap. II, Livro Terceiro,
Lei de Adoração, Ide Editora.
55
Oração
de hoje
Auta de Souza
Hoje, Senhor, resplende novo dia,
Que deveres e júbilos condensa,
Nova esperança luminosa e imensa
Renascendo da noite espessa e fria...
Dá-me trabalho por excelso guia,
Ensina-me a servir sem recompensa
E a fazer do amargor de cada ofensa
Uma prece de amor e de alegria.
56
Que eu Te veja na dor com que me elevas
Por flamejante sol, rompendo as trevas,
Ante a beleza do Celeste Abrigo!
E que eu possa seguir na caravana
Dos que procuram na bondade humana
A glória oculta de viver contigo.
57
“(...) Pela prece, Espíritos
melhores vêm esclarecê-lo,
consolá-lo e dar-lhe a es-
perança. (...)”
O Livro dos Espíritos
Cap. II, Livro Terceiro,
Lei de Adoração, Ide Editora.
59
Oração
em serviço
Emmanuel
Deus da Eterna Bondade,
Ensina-me a viver;
A doar do que eu tenha,
Sem contar o que faça;
A trabalhar servindo,
Sem exigir repouso;
A compreender os outros
60
Sem ferir a ninguém;
A nunca desertar
Dos deveres que assumo;
E a entender que nos dás
O que julgas melhor.
61
“Sabeis que não há fórmu-
la absoluta: Deus é muito
grande para dar mais im-
portância às palavras do
que ao pensamento. (...)”
Santo Agostinho
O Livro dos Médiuns
Cap. XXXI, Segunda Parte,
Dissertações Espíritas, Ide Editora.
63
Prece
do jovem cristão
Aires de Oliveira
Senhor, dá-nos
o amor puro,
o respeito à Tua lei,
a disciplina benéfica,
a assimilação dos bons exemplos,
o acatamento aos mais velhos,
64
a mente firme,
o raciocínio claro,
o sentimento elevado,
o coração terno,
o entendimento fraternal,
o pensamento resoluto,
os braços diligentes,
as mãos amigas,
os pés bem conduzidos,
os olhos compreensivos,
os ouvidos vigilantes,
a dedicação ao estudo e ao trabalho,
65
o devotamento ao bem,
os recursos da paz
e as ferramentas da boa vontade,
em todos os serviços que signifiquem
a Tua obra divina na Terra, hoje e sem-
pre.
Assim seja.
67
Prece
de amor
Scheilla
Amado Jesus!
Suplicando abençoes a nossa
casa de fraternidade, esperamos por
teu amparo, a fim de que saibamos co-
locar em ação o amor que nos deste.
Auxilia-nos a exercer a compai-
xão e o entendimento, ensinando-nos
68
a esquecer o mal e a cultivar o bem,
na paciência e na tolerância de uns
para com os outros.
Ajuda-nos a compreender e ser-
vir para que a nossa fé não seja inútil.
Faze-nos aceitar, na caridade,
o esquema de cada dia e induze-nos
os braços ao trabalho edificante para
que o nosso tempo não se torne vazio.
Sobretudo, Senhor, dá-nos humil-
dade, a fim de que a humildade nos faça
dóceis instrumentos nas tuas mãos.
E, agradecendo-te o privilégio do
trabalho, em nosso templo de oração,
louvamos a tua Infinita Bondade, hoje
e sempre.
69
“(...) Adorai sempre a Deus;
amai-o de todo o vosso co-
ração; sobretudo, rogai a ele,
rogai a ele, firmemente, aí
está o vosso sustentáculo
nesse mundo, a vossa espe-
rança, a vossa salvação.”
Emma Livry
O Céu e o Inferno
Cap. II, Segunda Parte,
Espíritos felizes, Ide Editora.
71
Oração
pelos entes queridos
Emmanuel
Senhor Jesus!
Concedeste-nos os entes que-
ridos por tesouros que nos empres-
tas.
Ensina-nos a considerá-los e
aceitá-los em sua verdadeira condição
de filhos de Deus, tanto quanto nós,
72
com necessidades e esperanças se-
melhantes às nossas.
Faze-nos, porém, observar que
aspiram a gêneros de felicidade di-
ferente da nossa e ajuda-nos a não
lhes violentar o sentimento em nome
do amor no propósito inconsciente
de escravizá-los aos nossos pon-
tos de vista. Quando tristes, trans-
forma-nos em bênçãos capazes de
apoiá-los na restauração da própria
segurança e, quando alegres ou triun-
fantes nos ideais que abraçam, não
nos deixes na sombra do egoísmo ou
da inveja, mas, sim, ilumina-nos o en-
73
tendimento para que lhes saibamos
acrescentar a paz e a esperança.
Conserva-nos no respeito que
lhes devemos, sem exigir-lhes tes-
temunhos de afeto ou de apreço, em
desacordo com os recursos de que
disponham.
Auxilia-nos a ser gratos pelo
bem que nos fazem, sem reclamar-
-lhes benefícios ou vantagens, home-
nagens ou gratificações que não nos
possam proporcionar.
Esclarece-nos para que lhes ve-
jamos unicamente as qualidades, aju-
dando-nos a nos determos nisso, en-
74
tendendo que os prováveis defeitos
de que se mostrem ainda portadores
desaparecerão no amparo de Tua
bênção.
E, se algum dia, viermos a sur-
preender alguns deles em experiên-
cias menos felizes, dá-nos a força
de compreender que não será repro-
vando ou condenando que lhes con-
quistaremos os corações, e sim en-
tregando-os a Ti, através da oração,
porque apenas Tu, Senhor, podes
sondar o íntimo de nossas almas e
guiar-nos o passo para o reequilíbrio
nas Leis de Deus.
75
“(...) a prece do coração é
tudo, a dos lábios não é
nada. (...)”
O Livro dos Espíritos
Cap. II, Livro Terceiro,
Lei de Adoração, Ide Editora.
77
Prece
ante o perdão
Emmanuel
Senhor Jesus!
Ensina-nos a perdoar conforme
nos perdoaste e nos perdoas, a cada
passo da vida.
Auxilia-nos a compreender que o
perdão é o poder capaz de extinguir o
mal.
78
Induze-nos a reconhecer, nos ir-
mãos que a treva infelicita, filhos de
Deus, tanto quanto nós, e que nos
cabe a obrigação de interpretá-los na
condição de doentes, necessitados de
assistência e de amor.
Senhor Jesus, sempre que nos
sintamos vítimas das atitudes de al-
guém, faze-nos entender que também
somos suscetíveis de erros e que, por
isso mesmo, as faltas alheias pode-
riam ser nossas.
Senhor, sabemos o que seja o
perdão das ofensas, mas compadece-
-Te de nós e ensina-nos a praticá-lo.
79
“Se ela (a prece) é ardente e
sincera, pode chamar em sua
ajuda os bons Espíritos, a
fim de sugerir-lhe bons pen-
samentos e dar-lhe a força
do corpo e da alma de que
necessita.”
O Livro dos Espíritos
Cap. II, Livro Terceiro,
Lei de Adoração, Ide Editora.
81
Oração
diante da palavra
Meimei
Senhor!
Deste-me a palavra por semente
de luz.
Auxilia-me a cultivá-la.
Não me permitas envolvê-la na
sombra que projeto.
Ensina-me a falar para que se
faça o melhor.
82
Ajuda-me a lembrar o que deve
ser dito e a lavar da memória tudo
aquilo que a Tua bondade espera se
lance no esquecimento.
Onde a irritação me procure, in-
duze-me ao silêncio, e, onde lavre o in-
cêndio da incompreensão ou do ódio,
dá que eu pronuncie a frase calmante
que possa apagar o fogo da ira.
Em qualquer conversação, inspi-
ra-me o conceito certo que se ajuste
à edificação do bem, no momento exa-
to, e faze-me vigilante para que o mal
não me use, em louvor da perturbação.
Não me deixes emudecer diante
83
da verdade, mas conserva-me em Tua
prudência, a fim de que eu saiba dosar
a verdade em amor, para que a com-
paixão e a esperança não esmoreçam,
junto de mim.
Traze-me o coração ao racio-
cínio, sincero sem aspereza, brando
sem preguiça, fraterno sem exigência
e deixa, Senhor, que a minha palavra
te obedeça a vontade, hoje e sempre.
85
Prece
por visão
Emmanuel
Senhor Jesus!
Todos sabemos que, em Tua infini-
ta misericórdia, nos aceitas por irmãos.
Entretanto, Senhor, reconhece-
mos que, por agora, somos apenas pe-
queninos servidores ou servos de Teus
servos.
86
Em vista disso, nós Te rogamos
nos auxilies a ser, no caminho em
que nos achamos, mais irmãos uns
dos outros, aprendendo paciência e
humildade, tolerância e perdão, bon-
dade e entendimento, paz e fraterni-
dade, a fim de que, no trabalho que
nos deste a fazer, possamos ser, um
dia, Teus irmãos para sempre, tanto
quanto já és nosso Mestre e Senhor.
Amado Jesus, sê, como sempre,
o nosso Amparo e Guia, em todas as
estradas que o mundo nos estende
para o encontro com Deus.
87
“(...) O que Deus concederá,
se se dirige a ele com confian-
ça, é a coragem, a paciência
e a resignação. O que conce-
derá, ainda, são os meios de
sair por si mesmo da dificul-
dade, com a ajuda das ideias
que são sugeridas pelos bons
Espíritos (...)”
O Evangelho Segundo o Espiritismo
Cap. XXVII, Pedi e Obtereis,
Ide Editora.
89
Prece
às mães
Chico Xavier
Amado Jesus, nosso Divino Mes-
tre e Senhor!
Já que nos achamos assisti-
dos pela presença de mães carinho-
sas, que nos rodeiam aqui, nós Te ro-
gamos para que todas elas tenham
bastante força para suportarem to-
90
dos os problemas que lhes possam
surgir, a fim de cumprirem a sagrada
missão de que foram investidas!
Recordamos aquelas que nos
deram o ser, que neste mundo ou
fora dele velam por nós. Nós Te pe-
dimos, Amado Jesus, abençoes a to-
das elas, as que nos deram a vida,
que se sacrificaram por nós, as que
esqueceram prazer, mocidade, conve-
niências e convenções para se faze-
rem nossas mães!
Nós Te rogamos por aquelas
que conseguiram realizar os seus
ideais e por todas as que sofreram
91
tremendas renúncias, para se ajus-
tarem aos encargos de que foram
investidas; por aquelas, Amado Mes-
tre, que muitas vezes trazem, sobre
o peito, cruzes de ouro, lembrando a
Tua Misericórdia, a trazerem o cora-
ção sob o peso das grandes cruzes
de lágrimas; por aquelas outras que
se encontram em penúria; por aque-
las que guardam os filhos queridos
nos sanatórios; por aquelas que se
viram desvinculadas do amor deles, a
golpes de violência, e que reclamam
serenidade e compreensão para se
reequilibrarem na vida; por aquelas
que se sentiram mães, com a deser-
92
ção dos companheiros aos quais se
confiavam; por aquelas, Senhor, que
trabalham, dia a dia, para buscarem
o pão dos próprios filhos; por aque-
las que amanhecem de coração ator-
mentado sem saberem como resolver
os problemas mais simples da vida, à
luz do cotidiano!
Pedimos-Te por todas elas, Se-
nhor, porque todas as mães são san-
tas diante de Ti!
Amado Mestre, abençoa aque-
las que nos amaram, que nos amam
e que nos amarão sempre; aquelas
em cujos corações colocaste um se-
93
gredo de amor que ninguém decifra;
aquelas que necessitam, cada vez
mais, de nosso apoio para nos digni-
ficarem, guardando-nos a civilização,
ajudando-nos a sermos nós mesmos!
Abençoa-nos, Senhor, e despe-
de-nos em Paz!
E que a Tua bondade, Amado
Senhor Jesus Cristo, possa estar
conosco, abençoando-nos, susten-
tando-nos, tolerando-nos e auxilian-
do-nos, hoje, agora e sempre!
Assim seja!
95
Prece
Chico Xavier
Senhor! Nesta hora em que to-
dos procuramos um caminho de paz
e amor para viver e conviver e tam-
bém para sobreviver às nossas pró-
prias dificuldades, nós Te rogamos
apoio.
Rogamos, Amado Jesus, que
96
nos abençoe e conserva-nos na fé
viva em Ti. Não nos deixes o coração
tresmalhado nas vacilações do ca-
minho terrestre ou na agressivida-
de exagerada que tantas vezes nos
surpreendem depois da infância e da
adolescência, nas quais aprendemos
a pedir-Te a bênção no colo de nos-
sas mães!
Disseste-nos que aqueles que
não se fizerem crianças não serão
dignos do Reino de Deus. Faze-nos,
pois, simples de coração! Ajuda-nos
a considerar que precisamos traba-
lhar uns pelos outros. Que todos so-
97
mos chamados para nos tolerarmos
reciprocamente em nossas dificulda-
des e problemas, a fim de que a nossa
vida possa produzir paz, luz, amor e
alegria, no progresso a que estamos
destinados por Ti, em nome do nosso
Pai Supremo!
Ampara-nos! Que nossos tem-
plos dedicados à Tua memória, seja
qual for a faixa de conhecimento e
veneração em que nos expressemos,
sejam preservados, agora e no futuro,
a fim de que, por eles e com eles, ve-
nhamos a construir, na Terra, a nossa
felicidade imortal.
Apêndice
99
Oração
Pai Nosso
Pai Nosso que estais nos Céus,
santificado seja o Vosso nome!
Venha o Vosso reino!
Seja feita a Vossa vontade, na
Terra, como no Céu!
Dai-nos o pão de cada dia.
Perdoai as nossas dívidas
100
como nós as perdoamos àqueles
que nos devem. Perdoai as nossas
ofensas, como perdoamos àqueles
que nos ofenderam.
Não nos abandoneis à tenta-
ção, mas livrai-nos do mal.
Assim seja.
101
Prece
de Cáritas*
Deus, nosso Pai, Vós que sois
todo poder e bondade, dai força àque-
le que passa pela provação. Dai a luz
àquele que procura a verdade, ponde
no coração do homem a compaixão e a
caridade. Deus, dai ao viajor a estrela
guia, ao aflito a consolação, ao doente
102
o repouso. Pai, dai ao culpado o arre-
pendimento, ao Espírito a verdade, à
criança o guia, ao órfão o pai.
Senhor, que Vossa bondade se
estenda sobre tudo o que criastes.
Piedade, Senhor, para aqueles
que não Vos conhecem, esperança
para aqueles que sofrem.
Que a Vossa bondade permita
aos Espíritos consoladores derrama-
rem por toda parte a paz, a esperan-
ça e a fé.
Deus, um raio, uma faísca do
Vosso amor pode abrasar a Terra.
103
Deixai-nos beber nas fontes dessa
bondade fecunda e infinita e todas as
lágrimas secarão, todas as dores se
acalmarão.
Uma só voz, um só coração, um
só pensamento subirá até Vós, como
um grito de reconhecimento e amor.
Como Moisés sobre a montanha,
nós lhe esperamos com os braços
abertos.
Oh! Poder, Oh! Bondade, Oh! Be-
leza, Oh! Perfeição.
E queremos, de alguma forma,
alcançar Vossa misericórdia.
104
Deus, dai-nos a força de ajudar
o progresso afim de subirmos até Vós.
Dai-nos a caridade pura.
Dai-nos a fé e a razão.
Dai-nos a simplicidade, que fará
de nossas almas um espelho onde se
refletirá a Vossa santa e misericor-
diosa imagem.
(*) OrigEm dA prEcE dE cáritAs:
A prece de Cáritas foi psicografada pela mé-
dium Madame W. Krell, na cidade de Bordeaux, na
França, durante a noite de Natal do ano de 1873.
Reunida a outras mensagens da médium, faz parte
do livro “Rayonnements de la Vie Spirituelle”, publi-
cado na França em 1875.
105
Prece
para si mesmo
Espíritos sábios e benevolentes,
mensageiros de Deus, cuja missão é
assistir os homens e conduzi-los no
bom caminho, sustentai-me nas pro-
vas desta vida; dai-me a força de su-
portá-las sem murmurar; desviai de
mim os maus pensamentos e fazei
106
com que eu não dê acesso a nenhum
dos maus Espíritos que tentarem me
induzir ao mal. Esclarecei minha cons-
ciência sobre meus defeitos e elevai,
de sobre meus olhos, o véu do orgulho
que poderia me impedir de os perceber
e confessá-los a mim mesmo.
Vós, sobretudo meu anjo guar-
dião, que velais mais particularmente
por mim, e vós, todos Espíritos pro-
tetores que vos interessais por mim,
fazei com que me torne digno da vos-
sa benevolência. Conheceis as minhas
necessidades, que elas sejam satis-
feitas segundo a vontade de Deus.
107
(Outra). – Meu Deus, permiti aos
bons Espíritos que me cercam virem
em minha ajuda quando estiver em difi-
culdade, e sustentar-me se vacilo. Fa-
zei, Senhor, que eles me inspirem a fé,
a esperança e a caridade; que sejam
para mim um apoio, uma esperança e
uma prova da Vossa misericórdia; fa-
zei, enfim, que eu encontre junto deles a
força que me falta nas provas da vida,
e, para resistir às sugestões do mal, a
fé que salva e o amor que consola.
(Outra). – Espíritos bem-amados,
anjos guardiães, vós a quem Deus, em
sua infinita misericórdia, permite velar
108
pelos homens, sede meus protetores
nas provas da minha vida terrestre.
Dai-me a força, a coragem e a resig-
nação; inspirai-me tudo o que é bom e
detende-me na inclinação do mal; que
vossa doce influência penetre minha
alma; fazei com que eu sinta que um
amigo devotado está perto de mim,
que vê meus sofrimentos e partilha
minhas alegrias.
E vós, meu bom anjo, não me
abandoneis; tenho necessidade de
toda a vossa proteção para suportar,
com fé e amor, as provas que aprouver
a Deus me enviar.
109
Evangelho
no Lar
A prática do Evangelho no Lar
constitui-se uma das mais importantes
atividades cuja base é a oração, a leitu-
ra e a reflexão do Evangelho de Jesus.
A seguir, elaboramos uma su-
gestão de roteiro e prática do Evan-
gelho no Lar.
110
Praticando
O Evangelho no Lar
O estudo de O Evangelho no Lar,
via de regra, é realizada pela família em
seu lar, iniciando-se com uma prece e,
após, uma leitura de um capítulo ou um
trecho de O Evangelho Segundo o Espiri-
tismo, de Allan Kardec, seguido de uma
interpretação de seus ensinamentos.
Deverá ser realizado com pon-
tualidade e em determinado dia da
semana, pois a disciplina acarretará
inúmeros benefícios, os quais citare-
mos a seguir:
111
• O entendimento dos ensina-
mentos de Jesus, em comunhão de pen-
samentos, em muito favorecerá que se
os pratique no ambiente doméstico.
• As lições do Mestre, apreendi-
das pelos familiares, trarão, com cer-
teza, a compreensão de que viverão
em maior harmonia, tendo em vista
que, no próprio estudo, poderão com-
preender e superar todos os desajus-
tes que porventura venham a existir,
despertando o sentimento de frater-
nidade e amor que deve coexistir entre
todos os familiares.
• Estimulando a presença das
112
crianças nessa reunião, permitindo que
elas participem, mesmo que seja ape-
nas como ouvintes ou oferecer a elas
uma explicação mais simplificada sobre
a leitura, com certeza essa prática ini-
ciará nelas um interesse pelos ensina-
mentos de Jesus, acarretando-lhes as
primeiras ideias sobre a moral cristã.
• A família aprenderá a conviver
melhor entre seus elementos e, por con-
sequência, com toda a família universal,
compreendendo que todos somos filhos
de um mesmo Pai e que cada um é um
Espírito distinto, com suas dificulda-
des, seus defeitos e suas virtudes. Na
113
compreensão disso, tudo se tornará
mais fácil, pela aquisição do raciocinado
estímulo à compreensão, à caridade, à
compaixão, e ao perdão, na certeza de
que todos somos irmãos e que depen-
demos uns dos outros para uma feliz
convivência nesta Terra bendita, onde
nos encontramos no atual momento.
• Quando essa prática obedecer
dia e horário preestabelecidos, Espí-
ritos protetores terão condições de
ali se reunirem, auxiliando Espíritos
de conduta inferior que porventura
se encontrem no lar, e, muitas vezes,
transformando esse local num pron-
114
to-socorro espiritual para diversos
trabalhos de esclarecimento e conso-
lo no verdadeiro plano da vida.
• Além de todos esses benefí-
cios, os participantes criarão propício
momento e condições para receberem
salutares e benéficas inspirações a
respeito de dificuldades que venham
a estar enfrentando. Enfim, o padrão
vibratório desses momentos de muita
paz será assimilado por todos, tra-
zendo-lhes um real equilíbrio na men-
te e no coração, facilitando-lhes uma
semana de felizes realizações, sempre
com Jesus.
115
Como fazer
1. Determinar um dia da semana e
um horário em que, pelo menos, a maio-
ria dos familiares possa participar.
2. Obedecer o horário e a presen-
ça sempre constante dos participan-
tes, a fim de que os Espíritos tenham
um ambiente propício às suas ativida-
des assistenciais nos dois plano da
vida.
3. É aconselhável que as pes-
soas se sentem ao redor de uma
mesa para que todos os presentes
possam efetivamente participar do
estudo e da consequente permuta de
116
impressões e esclarecimentos sobre
o texto enunciado.
4. Disponibilizar um copo com
água para cada participante, faci-
litando, assim, uma fluidificação da
água de acordo com as necessidades
de cada um.
5. A reunião deverá ser iniciada
com uma prece, em voz alta, por um
dos presentes, expressa de maneira
simples, sempre usando o coração,
sem a necessidade de frases rica-
mente elaboradas. Essa prece tem
a finalidade de preparar o equilíbrio
dos participantes, concorrendo a que
117
cada um se desligue dos problemas do
dia a dia e volte sua atenção para os
ensinamentos de Jesus.
6. Em seguida, iniciar a leitura
de O Evangelho Segundo o Espiritismo,
que poderá ser efetuada de duas ma-
neiras: a) leitura de maneira ordena-
da, pela qual o Evangelho deverá ser
lido em sequência, desde o primeiro
capítulo, a fim de que todos tomem
conhecimento do mesmo, na ordem
em que foi escrito; ou b) abrindo-se
uma página ao acaso, permitindo
que a Espiritualidade possa intera-
gir nesse processo, pelo qual a pági-
118
na escolhida esteja condizente com
as maiores necessidades do grupo.
Essa segunda maneira é aconselha-
da quando todos os integrantes já
tenham algum conhecimento sobre
os ensinamentos do Evangelho.
7. Ao abrir, escolher um trecho
do Evangelho que não seja longo de-
mais, podendo ser dividido para ler
uma outra parte na reunião seguinte.
E após a leitura, deixar a palavra livre,
numa sequência combinada, para que
os integrantes façam perguntas ou
comentem sua interpretação, sem-
pre no sentido de extrair-se o melhor
119
para a evolução de todos, numa me-
lhoria de seus atos no dia a dia.
8. Não é aconselhável manifes-
tações mediúnicas, tais como comu-
nicações orais de Espíritos, psico-
grafias ou passes, sendo que essas
atividades devem ser realizadas nos
Centros Espíritas.
9. Nas reuniões do Evangelho no
Lar, as atitudes de seus participan-
tes são muito importantes para que
o estudo transcorra em um clima de
muita paz e de suaves emanações
fluídicas. Por esse motivo, deve-se
evitar assuntos que encerrem cen-
120
suras, julgamentos, comentários da-
ninhos ou inferiores dirigidos a pes-
soas, a religiões ou qualquer outro
tipo de diálogo não edificante.
10. Nada impede que crianças
participem, mas, nesse caso, e con-
forme o assunto, adequá-lo ao en-
tendimento delas. E essa é uma boa
prática porque, aos poucos e grada-
tivamente, elas muito irão aprender.
11. Trinta minutos é o tempo
ideal para essa reunião, apesar de
não haver nada que a impeça de du-
rar mais algum tempo. De qualquer
maneira, sugerimos não ultrapassar
quarenta e cinco minutos.
121
12. Em caso de visitas repenti-
nas, estas deverão ser informadas
sobre a prática da reunião familiar em
torno do Evangelho de Jesus, e con-
vidá-las a participar. Se for o caso,
escolher algum assunto que não ve-
nha a constrangê-las, de preferência
um tema já estudado e comentado
por todos. Não devemos nos esque-
cer que, talvez, essa visita tenha sido
programada pela Espiritualidade, com
o propósito de que tome contato com
os ensinamentos de Jesus.
13. Muitas vezes, pode ocorrer de
algum integrante da família ter de se
122
ausentar. Caso isso ocorra, os demais
devem continuar a reunião, aprovei-
tando para emitir benéficas vibrações
mentais em torno do ausente.
14. Para encerrar a reunião, faça
uma rogativa a Deus, a Jesus e aos
Espíritos do Bem em favor da harmo-
nia do lar e dos familiares encarnados
e desencarnados, extensiva também à
paz entre os povos.
15. faça uma prece de encerra-
mento, agradecendo o amparo dos
Benfeitores Espirituais. Após a pre-
ce, sirva a água fluidificada a todos
os participantes.
123
Importante
Caso não encontre, entre os in-
tegrantes de sua família, alguém que
tenha o interesse em realizar o estu-
do do Evangelho, você pode realizá-lo
a sós, estudando e vibrando positi-
vamente pelos demais, num local da
casa onde não venha a ser interrom-
pido.
Baixe gratuitamente o Livreto completo do
Roteiro para Evangelho no Lar
www.ideeditora.com.br
Referências
Bibliográficas
KArdEc, A., O Céu e o Inferno, Ide Editora.
__________. O Evangelho Segundo o Espiritismo,
Ide Editora.
__________. O Livro dos Espíritos, Ide Editora.
__________. O Livro dos Médiuns, Ide Editora.
xAviEr, F. C., Auta de Souza, Ide Editora.
__________. Caminho Espírita, Ide Editora.
__________. Comandos do Amor, Ide Editora.
__________. Encontro de Paz, Ide Editora.
__________. Mãos Marcadas, Ide Editora.
__________. Mãos Unidas, Ide Editora.
__________. Passos da Vida, Ide Editora.
__________. Paz e Renovação, Ide Editora.
__________. Tempo de Luz, Ide Editora.
__________. Tesouro de Alegria, Ide Editora.
__________. Trilha de Luz, Ide Editora.
__________. Visão Nova, Ide Editora.
O Evangelho no Lar, Ide Editora.
N
o ano de 1963, Francisco Cândido
Xavier ofereceu, a um grupo de
voluntários, o entusiasmo e a tarefa de
fundarem um Anuário Espírita. Nascia, então, o
Instituto de Difusão Espírita - IDE, cujo nome e
sigla foram também sugeridos por ele.
A partir daí, muitos títulos foram sendo
editados, e o Instituto de Difusão Espírita, entidade
assistencial sem fins lucrativos, mantém-se fiel
à sua finalidade de divulgar a Doutrina Espírita através da IDE Editora,
tendo como foco principal as Obras Básicas da Codificação, sempre a preços
populares, além dos seus mais de 300 títulos em português e espanhol, muitos
psicografados por Chico Xavier.
O Instituto de Difusão Espírita conta também com outras frentes
de trabalho, voltadas à assistência e promoção social, como albergue
noturno, acolhimento de migrantes, itinerantes, pessoas em situação de rua,
acolhimento e fortalecimento de vínculos para mães e crianças, oficinas de
gestantes, confecção de enxovais para recém-nascidos, fraldas descartáveis
infantis e geriátricas, assistência à saúde e auxílio com cestas básicas, leite em
pó, leite longa vida, para as famílias em situação de vulnerabilidade social,
além dos trabalhos de evangelização infantil, mocidade espírita, artes (teatro,
música, dança, artes plásticas e literatura), cursos doutrinários e passes.
N
Instituto de Difusão Espírita - IDE, cujo nome e
sigla foram também sugeridos por ele.
editados, e o Instituto de Difusão Espírita, entidade
assistencial sem fins lucrativos, mantém-se fiel
à sua finalidade de divulgar a Doutrina Espírita através da IDE Editora,
Este e outros livros da
IDE Editora subsidiam a
manutenção do baixíssimo
preço das Obras Básicas,
de Allan Kardec, mais
notadamente, “O Evangelho
Segundo o Espiritismo”,
edição econômica.
1º Existência de Deus.
2º Demonstração da sobrevivência e
da imortalidade do Espírito.
3º O princípio da reencarnação, quer
dizer, um determinado número de
existências, através de vários nasci-
mentos, como uma ferramenta de
trabalho, porém, sempre o mesmo Es-
pírito, como único meio de alcançar a
evolução e o aperfeiçoamento.
4º Que cada um de nós é o autor de
seu próprio destino.
5º Que todos somos irmãos, em es-
pírito e origem, porém em diferentes
graus de evolução e conhecimento, de
acordo com o progresso espiritual de
cada um.
6º Admite a existência de outros mun-
dos habitados, inumeráveis em quan-
tidade e graus de progresso, e que se-
rão, também, nossa morada um dia,
quando tivermos avançado no cami-
nho do progresso moral.
7º Promove a caridade, a fraternida-
de e a solidariedade, como os meios
seguros de alcançar a felicidade real,
seguindo um dos ensinamentos de Je-
sus que diz que “somente pelo amor o
homem se salvará”.
8º Que o verdadeiro espírita é simples-
mente e principalmente conhecido por
sua transformação moral.
9º O Espiritismo é Filosofia, Ciência e
Religião, pois, além de ser uma filosofia
disciplinada, racional, e de experiência
científica, possui a garantia moral do
Evangelho de Jesus, a caminho do ver-
dadeiro objetivo da vida.
L
ógica e plena de critérios em seus princípios é a doutrina que responde
à necessidade da mente moderna, pois através de seus ensinamentos,
facilmente compreensíveis, atende plenamente a todos, sem imposições
dogmáticas, mas, sim, com ideias raciocinadas, claras e esclarecedoras.
Para conhecer mais sobre a Doutrina Espírita, leia as Obras Básicas, de Allan
Kardec: O Livro dos Espíritos, O Evangelho Segundo o Espiritismo, O Livro dos
Médiuns, O Céu e o Inferno e A Gênese.
Fundamentos do
Espiritismo
ideeditora.com.br
IDE Editora é apenas um nome fantasia utilizado pelo INSTITUTO
DE DIFUSÃO ESPÍRITA, entidade sem fins lucrativos, que promove
extenso programa de assistência social, e que detém os direitos
autorais desta obra.
Acesse e cadastre-se para receber
informações sobre nossos lançamentos.
twitter.com/ideeditora
facebook.com/ide.editora
editorial@ideeditora.com.br
ideeditora.com.br
i

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ritual da Iniciação Cristã de Adultos
Ritual da Iniciação Cristã de AdultosRitual da Iniciação Cristã de Adultos
Ritual da Iniciação Cristã de AdultosJoão Pereira
 
Encontro 001 vamos caminhar juntos - primeira eucaristia
Encontro 001   vamos caminhar juntos - primeira eucaristiaEncontro 001   vamos caminhar juntos - primeira eucaristia
Encontro 001 vamos caminhar juntos - primeira eucaristiaMayconAntonySilvaDia
 
Ser catequista antonio n s piedade
Ser catequista antonio n s piedadeSer catequista antonio n s piedade
Ser catequista antonio n s piedadeZé Vitor Rabelo
 
Discipulado lição 4 conhecendo a igreja
Discipulado lição 4 conhecendo a igrejaDiscipulado lição 4 conhecendo a igreja
Discipulado lição 4 conhecendo a igrejaJosue Lima
 
O sentido da vida na dimensão antropológica da formação
O sentido da vida na dimensão antropológica da   formaçãoO sentido da vida na dimensão antropológica da   formação
O sentido da vida na dimensão antropológica da formaçãoLiana Plentz
 
Discurso do papa francisco no congresso de catequese
Discurso do papa francisco no congresso de catequeseDiscurso do papa francisco no congresso de catequese
Discurso do papa francisco no congresso de catequeseLiana Plentz
 
03 paroquia gracas
03 paroquia gracas03 paroquia gracas
03 paroquia gracasJoão Melo
 
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da IgrejaLBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igrejaboasnovassena
 
Quaresma e campanha da fraternidade - Crisma
Quaresma e campanha da fraternidade - CrismaQuaresma e campanha da fraternidade - Crisma
Quaresma e campanha da fraternidade - CrismaMarcelly Alves
 
Itinerários do processo da iniciação a vida cristã
Itinerários do processo da iniciação a vida cristãItinerários do processo da iniciação a vida cristã
Itinerários do processo da iniciação a vida cristãlomes
 
Dez Dias de Oração e Jejum + Dez Horas de Oração e jejum
Dez Dias de Oração e Jejum + Dez Horas de Oração e jejumDez Dias de Oração e Jejum + Dez Horas de Oração e jejum
Dez Dias de Oração e Jejum + Dez Horas de Oração e jejumIasd Jardim Paulista
 

Mais procurados (20)

Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas  Encontro de Catequistas
Encontro de Catequistas
 
Círculos Bíblicos
Círculos BíblicosCírculos Bíblicos
Círculos Bíblicos
 
Ritual da Iniciação Cristã de Adultos
Ritual da Iniciação Cristã de AdultosRitual da Iniciação Cristã de Adultos
Ritual da Iniciação Cristã de Adultos
 
Encontro 001 vamos caminhar juntos - primeira eucaristia
Encontro 001   vamos caminhar juntos - primeira eucaristiaEncontro 001   vamos caminhar juntos - primeira eucaristia
Encontro 001 vamos caminhar juntos - primeira eucaristia
 
Ser catequista antonio n s piedade
Ser catequista antonio n s piedadeSer catequista antonio n s piedade
Ser catequista antonio n s piedade
 
Discipulado lição 4 conhecendo a igreja
Discipulado lição 4 conhecendo a igrejaDiscipulado lição 4 conhecendo a igreja
Discipulado lição 4 conhecendo a igreja
 
A pessoa do catequista
A pessoa do catequistaA pessoa do catequista
A pessoa do catequista
 
A palavra de Deus na liturgia
A palavra de Deus na liturgiaA palavra de Deus na liturgia
A palavra de Deus na liturgia
 
O sentido da vida na dimensão antropológica da formação
O sentido da vida na dimensão antropológica da   formaçãoO sentido da vida na dimensão antropológica da   formação
O sentido da vida na dimensão antropológica da formação
 
22 02 12
22 02 1222 02 12
22 02 12
 
Catequista
CatequistaCatequista
Catequista
 
Eucaristia - repartir unir
Eucaristia - repartir unirEucaristia - repartir unir
Eucaristia - repartir unir
 
Discurso do papa francisco no congresso de catequese
Discurso do papa francisco no congresso de catequeseDiscurso do papa francisco no congresso de catequese
Discurso do papa francisco no congresso de catequese
 
03 paroquia gracas
03 paroquia gracas03 paroquia gracas
03 paroquia gracas
 
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da IgrejaLBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
LBJ LIÇÃO 2 - O real proposito da Igreja
 
Quaresma e campanha da fraternidade - Crisma
Quaresma e campanha da fraternidade - CrismaQuaresma e campanha da fraternidade - Crisma
Quaresma e campanha da fraternidade - Crisma
 
402
402402
402
 
Formação para catequistas
Formação para catequistasFormação para catequistas
Formação para catequistas
 
Itinerários do processo da iniciação a vida cristã
Itinerários do processo da iniciação a vida cristãItinerários do processo da iniciação a vida cristã
Itinerários do processo da iniciação a vida cristã
 
Dez Dias de Oração e Jejum + Dez Horas de Oração e jejum
Dez Dias de Oração e Jejum + Dez Horas de Oração e jejumDez Dias de Oração e Jejum + Dez Horas de Oração e jejum
Dez Dias de Oração e Jejum + Dez Horas de Oração e jejum
 

Semelhante a Livro Preces E Orações

Livro Preces Espíritas
Livro Preces EspíritasLivro Preces Espíritas
Livro Preces EspíritasNilson Almeida
 
aula 7 - evangelho no lar.pdf - esde - G6
aula 7 - evangelho no lar.pdf - esde - G6aula 7 - evangelho no lar.pdf - esde - G6
aula 7 - evangelho no lar.pdf - esde - G6FilipeDuartedeBem
 
CB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o Espiritismo
CB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o EspiritismoCB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o Espiritismo
CB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o EspiritismoRoseli Lemes
 
Apostila 03 - prece (2)
Apostila   03 - prece (2)Apostila   03 - prece (2)
Apostila 03 - prece (2)Alice Lirio
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e açãoBruno Cechinel Filho
 
LE Q662 a 664 e ESE cap.6_item7
LE Q662 a 664 e ESE cap.6_item7LE Q662 a 664 e ESE cap.6_item7
LE Q662 a 664 e ESE cap.6_item7Patricia Farias
 
Perfeição moral: as virtudes e os vícios . ...
Perfeição moral: as virtudes e os vícios  .                                  ...Perfeição moral: as virtudes e os vícios  .                                  ...
Perfeição moral: as virtudes e os vícios . ...Therezinha Dinelli
 
Palestra Espirita - Prece
Palestra Espirita - PrecePalestra Espirita - Prece
Palestra Espirita - Precemanumino
 
Os pontos concretos de esforço meditação - instrumental
Os pontos concretos de esforço   meditação - instrumentalOs pontos concretos de esforço   meditação - instrumental
Os pontos concretos de esforço meditação - instrumentalRubens José Terra Campos
 
Os Pontos Concretos de Esforço - Meditação
Os Pontos Concretos de Esforço - MeditaçãoOs Pontos Concretos de Esforço - Meditação
Os Pontos Concretos de Esforço - MeditaçãoRubens José Terra Campos
 
EAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do CristãoEAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do CristãoPatiSousa1
 
João nunes maia miramez - filosofia espirita i
João nunes maia   miramez - filosofia espirita iJoão nunes maia   miramez - filosofia espirita i
João nunes maia miramez - filosofia espirita ihavatar
 

Semelhante a Livro Preces E Orações (20)

Pedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Pedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEMPedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
Pedi e obtereis-Marcelo do N. Rodrigues-CEM
 
Livro Preces Espíritas
Livro Preces EspíritasLivro Preces Espíritas
Livro Preces Espíritas
 
A Prece
A PreceA Prece
A Prece
 
Evangelho no lar
Evangelho no larEvangelho no lar
Evangelho no lar
 
aula 7 - evangelho no lar.pdf - esde - G6
aula 7 - evangelho no lar.pdf - esde - G6aula 7 - evangelho no lar.pdf - esde - G6
aula 7 - evangelho no lar.pdf - esde - G6
 
CB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o Espiritismo
CB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o EspiritismoCB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o Espiritismo
CB 16 Esboço do Livro O Evangelho Segundo o Espiritismo
 
Apostila 03 - prece (2)
Apostila   03 - prece (2)Apostila   03 - prece (2)
Apostila 03 - prece (2)
 
Pedi obtereis
Pedi obtereis    Pedi obtereis
Pedi obtereis
 
Jornal Cáritas abril 2013
Jornal Cáritas abril 2013Jornal Cáritas abril 2013
Jornal Cáritas abril 2013
 
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2   a prece = importância, eficácia e açãoRoteiro 2   a prece = importância, eficácia e ação
Roteiro 2 a prece = importância, eficácia e ação
 
LE Q662 a 664 e ESE cap.6_item7
LE Q662 a 664 e ESE cap.6_item7LE Q662 a 664 e ESE cap.6_item7
LE Q662 a 664 e ESE cap.6_item7
 
Conduta Espírita
Conduta EspíritaConduta Espírita
Conduta Espírita
 
Perfeição moral: as virtudes e os vícios . ...
Perfeição moral: as virtudes e os vícios  .                                  ...Perfeição moral: as virtudes e os vícios  .                                  ...
Perfeição moral: as virtudes e os vícios . ...
 
Meus esboços 1
Meus esboços 1Meus esboços 1
Meus esboços 1
 
Palestra Espirita - Prece
Palestra Espirita - PrecePalestra Espirita - Prece
Palestra Espirita - Prece
 
Os pontos concretos de esforço meditação - instrumental
Os pontos concretos de esforço   meditação - instrumentalOs pontos concretos de esforço   meditação - instrumental
Os pontos concretos de esforço meditação - instrumental
 
Os Pontos Concretos de Esforço - Meditação
Os Pontos Concretos de Esforço - MeditaçãoOs Pontos Concretos de Esforço - Meditação
Os Pontos Concretos de Esforço - Meditação
 
EAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do CristãoEAE Os recursos do Cristão
EAE Os recursos do Cristão
 
Soul Detox - Desintoxicando a Alma
Soul Detox - Desintoxicando a AlmaSoul Detox - Desintoxicando a Alma
Soul Detox - Desintoxicando a Alma
 
João nunes maia miramez - filosofia espirita i
João nunes maia   miramez - filosofia espirita iJoão nunes maia   miramez - filosofia espirita i
João nunes maia miramez - filosofia espirita i
 

Mais de Nilson Almeida

Oração Alma De Cristo
Oração Alma De CristoOração Alma De Cristo
Oração Alma De CristoNilson Almeida
 
Orações Católicas Pelos Doentes
Orações Católicas Pelos DoentesOrações Católicas Pelos Doentes
Orações Católicas Pelos DoentesNilson Almeida
 
Orações Poderosas Para Enfrentar Desafios E Atrair Positividade
Orações Poderosas Para Enfrentar Desafios E Atrair PositividadeOrações Poderosas Para Enfrentar Desafios E Atrair Positividade
Orações Poderosas Para Enfrentar Desafios E Atrair PositividadeNilson Almeida
 
Oração Do Jovem Adolescente
Oração Do Jovem AdolescenteOração Do Jovem Adolescente
Oração Do Jovem AdolescenteNilson Almeida
 
Oração Do Vendedor Por Intercessão De São José
Oração Do Vendedor Por Intercessão De São JoséOração Do Vendedor Por Intercessão De São José
Oração Do Vendedor Por Intercessão De São JoséNilson Almeida
 
Oração Pelos Sacerdotes
Oração Pelos SacerdotesOração Pelos Sacerdotes
Oração Pelos SacerdotesNilson Almeida
 
Oração Pelas Vocações
Oração Pelas VocaçõesOração Pelas Vocações
Oração Pelas VocaçõesNilson Almeida
 
Oração Pelas Pessoas Desaparecidas
Oração Pelas Pessoas DesaparecidasOração Pelas Pessoas Desaparecidas
Oração Pelas Pessoas DesaparecidasNilson Almeida
 
Oração Da Semana Do Migrante 2023
Oração Da Semana Do Migrante 2023Oração Da Semana Do Migrante 2023
Oração Da Semana Do Migrante 2023Nilson Almeida
 
Livro De Oração Comum Brasileiro
Livro De Oração Comum BrasileiroLivro De Oração Comum Brasileiro
Livro De Oração Comum BrasileiroNilson Almeida
 
Afirmações Do ''Eu Sou'' Por Saint Germain
Afirmações Do ''Eu Sou'' Por Saint GermainAfirmações Do ''Eu Sou'' Por Saint Germain
Afirmações Do ''Eu Sou'' Por Saint GermainNilson Almeida
 
Oração Pela Benção Do Ambiente De Trabalho
Oração Pela Benção Do Ambiente De TrabalhoOração Pela Benção Do Ambiente De Trabalho
Oração Pela Benção Do Ambiente De TrabalhoNilson Almeida
 
Coletânea De Orações Ao Santo Anjo Da Guarda
Coletânea De Orações Ao Santo Anjo Da GuardaColetânea De Orações Ao Santo Anjo Da Guarda
Coletânea De Orações Ao Santo Anjo Da GuardaNilson Almeida
 
Novena A Nossa Senhora Do Perpétuo Socorro
Novena A Nossa Senhora Do Perpétuo SocorroNovena A Nossa Senhora Do Perpétuo Socorro
Novena A Nossa Senhora Do Perpétuo SocorroNilson Almeida
 

Mais de Nilson Almeida (20)

Oração Alma De Cristo
Oração Alma De CristoOração Alma De Cristo
Oração Alma De Cristo
 
Orações Católicas Pelos Doentes
Orações Católicas Pelos DoentesOrações Católicas Pelos Doentes
Orações Católicas Pelos Doentes
 
Orações Poderosas Para Enfrentar Desafios E Atrair Positividade
Orações Poderosas Para Enfrentar Desafios E Atrair PositividadeOrações Poderosas Para Enfrentar Desafios E Atrair Positividade
Orações Poderosas Para Enfrentar Desafios E Atrair Positividade
 
Oração Do Jovem Adolescente
Oração Do Jovem AdolescenteOração Do Jovem Adolescente
Oração Do Jovem Adolescente
 
Oração Do Vendedor Por Intercessão De São José
Oração Do Vendedor Por Intercessão De São JoséOração Do Vendedor Por Intercessão De São José
Oração Do Vendedor Por Intercessão De São José
 
Oração Do Professor
Oração Do ProfessorOração Do Professor
Oração Do Professor
 
Oração Pelos Sacerdotes
Oração Pelos SacerdotesOração Pelos Sacerdotes
Oração Pelos Sacerdotes
 
Oração Pelas Vocações
Oração Pelas VocaçõesOração Pelas Vocações
Oração Pelas Vocações
 
Oração Pelas Pessoas Desaparecidas
Oração Pelas Pessoas DesaparecidasOração Pelas Pessoas Desaparecidas
Oração Pelas Pessoas Desaparecidas
 
Prece Para O Natal
Prece Para O NatalPrece Para O Natal
Prece Para O Natal
 
Oração Da Semana Do Migrante 2023
Oração Da Semana Do Migrante 2023Oração Da Semana Do Migrante 2023
Oração Da Semana Do Migrante 2023
 
Oração Pelo Brasil
Oração Pelo BrasilOração Pelo Brasil
Oração Pelo Brasil
 
Oração Do Motorista
Oração Do MotoristaOração Do Motorista
Oração Do Motorista
 
Oração Do Médico
Oração Do MédicoOração Do Médico
Oração Do Médico
 
Livro De Oração Comum Brasileiro
Livro De Oração Comum BrasileiroLivro De Oração Comum Brasileiro
Livro De Oração Comum Brasileiro
 
Afirmações Do ''Eu Sou'' Por Saint Germain
Afirmações Do ''Eu Sou'' Por Saint GermainAfirmações Do ''Eu Sou'' Por Saint Germain
Afirmações Do ''Eu Sou'' Por Saint Germain
 
Oração Pela Benção Do Ambiente De Trabalho
Oração Pela Benção Do Ambiente De TrabalhoOração Pela Benção Do Ambiente De Trabalho
Oração Pela Benção Do Ambiente De Trabalho
 
Coletânea De Orações Ao Santo Anjo Da Guarda
Coletânea De Orações Ao Santo Anjo Da GuardaColetânea De Orações Ao Santo Anjo Da Guarda
Coletânea De Orações Ao Santo Anjo Da Guarda
 
Oração Do Enfermo
Oração Do EnfermoOração Do Enfermo
Oração Do Enfermo
 
Novena A Nossa Senhora Do Perpétuo Socorro
Novena A Nossa Senhora Do Perpétuo SocorroNovena A Nossa Senhora Do Perpétuo Socorro
Novena A Nossa Senhora Do Perpétuo Socorro
 

Último

O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiamaysa997520
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaFranklinOliveira30
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoInsituto Propósitos de Ensino
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxCelso Napoleon
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoInsituto Propósitos de Ensino
 

Último (11)

O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarística
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
 
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
 

Livro Preces E Orações

  • 1.
  • 2. FICHA CATALOGRÁFICA (Preparada na Editora) Xavier, Francisco Cândido, 1910-2002. X19p Preces e Orações/ Francisco Cândido Xavier, Espíritos Diversos, 1ª edição, IDE, 2016. 128 p. ISBN 978-85-7341-692-3 1. Espiritismo 2. Psicografia - Mensagens I. Espíritos Diversos. II. Título. CDD -133.9 -133.91 Índices para catálogo sistemático: 1. Espiritismo 133.9 2. Psicografia: Mensagens: Espiritismo 133.91
  • 3.
  • 4. ISBN 978-85-7341-692-3 1ª edição - agosto/2016 Copyright © 2016, Instituto de Difusão Espírita - IDE Conselho Editorial: Hércio Marcos Cintra Arantes Doralice Scanavini Volk Orson Peter Carrara Wilson Frungilo Júnior Coordenação: Jairo Lorenzeti Revisão de texto: Mariana Frungilo Paraluppi Capa: Sílvia Bianca Borges Brandão Diagramação: Maria Isabel Estéfano Rissi INSTITUTO DE DIFUSÃO ESPÍRITA - IDE Av. Otto Barreto, 1067 - Cx. Postal 110 CEP 13600-970 - Araras/SP - Brasil Fone (19) 3543-2400 CNPJ 44.220.101/0001-43 Inscrição Estadual 182.010.405.118 www.ideeditora.com.br editorial@ideeditora.com.br Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida, armazenada ou transmitida, total ou parcialmente, por quaisquer métodos ou processos, sem autorização do detentor do copyright.
  • 5. Sumário Apresentação .............................................................. 7 Prece - O LivrO dOs EspíritOs............................................. 13 Mensagens sobre a Prece Profilaxia - Silêncio e Prece, André Luiz ...................... 19 Prece do esforço próprio, EmmAnuEL............................ 23 Oração e serviço, ALbinO tEixEirA.....................................29 Prece antes e depois, EmmAnuEL .....................................33 Preces e Orações Oração do servo imperfeito, ALbinO tEixEirA .................. 39 Oração nossa, EmmAnuEL ................................................43
  • 6. Prece em desobsessão, ALbinO tEixEirA ..........................47 Oração por paciência, EmmAnuEL.....................................51 Oração de hoje, AutA dE sOuzA.........................................55 Oração em serviço, EmmAnuEL.........................................59 Prece do jovem cristão, AirEs dE OLivEirA....................... 63 Prece de amor, schEiLLA .................................................67 Oração pelos entes queridos, EmmAnuEL ........................71 Prece ante o perdão, EmmAnuEL ..................................... 77 Oração diante da palavra, mEimEi..................................81 Prece por visão, EmmAnuEL.............................................. 85 Prece às mães, chicO xAviEr ...........................................89 Prece, chicO xAviEr ............................................................95 Apêndice Pai Nosso.......................................................................99 Prece de Cáritas................................................................ 101 Prece para si mesmo.................................................. 105 Evangelho no Lar................................................................109 rEfErênciAs bibLiOgráficAs ............................................124
  • 7. 7 Apresentação Esta obra se compõe de mensa- gens espirituais, em forma de preces e orações, transmitidas ao médium Fran- cisco Cândido Xavier, em diversas épo- cas, sendo as duas últimas de autoria do próprio Chico quando entrevistado em distintos programas televisivos dos quais participou.
  • 8. 8 Abaixo, algumas transcrições do O Evangelho Segundo o Espiritismo, como forma de preparar o leitor para tão edificantes leituras, que se se- guirão no decorrer do presente livro. (...) A forma não é nada, o pensa- mento é tudo. Orai, cada um, segundo as vossas convicções e o modo que mais vos toca; um bom pensamento vale mais que numerosas palavras es- tranhas ao coração. (...) (...) A prece é uma invocação; por ela, um ser se coloca em comunicação mental com outro ser ao qual se dirige.
  • 9. 9 Ela pode ter, por objeto, um pedido, um agradecimento ou uma glorificação. Po- de-se orar por si mesmo ou por outrem, pelos vivos ou pelos mortos. (...) (...) O Espiritismo faz compreen- der a ação da prece, explicando o modo de transmissão do pensamento, seja quando o ser chamado vem ao nosso apelo, seja quando nosso pensamento o alcança.(...) (...) Portanto, quando o pensa- mento é dirigido a um ser qualquer, so- bre a Terra ou no espaço, de encarnado a desencarnado, ou de desencarnado a
  • 10. 10 encarnado, estabelece-se uma corren- te fluídica de um para o outro, transmi- tindo o pensamento, como o ar trans- mite o som. A energia da corrente está em ra- zão do vigor do pensamento e da vonta- de. Por isso, a prece é ouvida pelos Espí- ritos, em qualquer lugar em que eles se encontrem; os Espíritos se comunicam entre si, transmitem-nos suas inspira- ções, os intercâmbios se estabelecem, à distância, entre os encarnados. Esta explicação é, sobretudo, para aqueles que não compreendem a
  • 11. 11 utilidade da prece puramente mística, e não tem por objetivo materializar a prece, mas tornar seu efeito inteligí- vel, mostrando que pode ter uma ação direta e efetiva. Ela, por isso, não fica menos subordinada à vontade de Deus, juiz supremo em todas as coisas, único que pode tornar sua ação efetiva. Pela prece, o homem chama para si o concurso dos bons Espíritos, que vêm sustentá-lo nas suas boas resoluções e inspirar-lhe bons pensamentos; ad- quire, assim, a força moral necessária para vencer as dificuldades e reentrar no caminho reto se dele se afastou,
  • 12. 12 assim como afastar de si os males que atrai por sua própria falta. (...)” Inicialmente, como abertura do presente livro, transcrevemos algu- mas orientações retiradas do O Livro dos Espíritos sobre a prece. Em se- guida, oferecemos mensagens dos Espíritos Emmanuel, André Luiz e Albino Teixeira, abordando sobre a importância do esforço próprio e do serviço aliado à oração sincera. Os Editores
  • 13. 13 Prece O Livro dos Espíritos Cap. II , Livro Terceiro, Lei de Adoração. 659 –Qualéocarátergeraldaprece? – A prece é um ato de adoração. Orar a Deus é pensar Nele, aproximar- se Dele e colocar-se em comunicação com Ele. Pela prece pode-se propor três coisas: louvar, pedir e agradecer.
  • 14. 14 660 – A prece torna o homem melhor? – Sim, porque aquele que ora com fervor e confiança é mais forte contra as tentações do mal e Deus lhe envia os bons Espíritosparaoassistir.Éumsocorroque nãoéjamaisrecusado,quandopedidocom sinceridade. – Como ocorre que certas pes- soas que oram muito, sejam, malgra- do isso, de um caráter muito mau, invejosas, ciumentas, coléricas, ca- rentes de benevolência e indulgência e mesmo, algumas vezes, viciosas?
  • 15. 15 – O essencial não é orar muito, mas orar bem. Essas pessoas creem que todo o mérito está na extensão da prece e fecham os olhos sobre seus próprios defeitos. A prece, para elas, é uma ocupação, um emprego de tempo, mas não um estudo delas mesmas. Não é o remédio que é ineficaz, mas a maneira como é empregado. 661 – Pode-se utilmente pedir a Deus que nos perdoe nossas faltas? – Deus sabe discernir o bem e o mal; a prece não oculta as faltas. Aquele que pede a Deus o perdão de suas faltas
  • 16. 16 não o obtém senão mudando de condu- ta. As boas ações são as melhores pre- ces, porque os atos valem mais que as palavras. 662 – Pode-se orar utilmente por outrem? – O Espírito daquele que ora age por sua vontade de fazer o bem. Pela prece, ele atrai para si os bons Espíritos que se associam ao bem que quer fazer. 663 – As preces que fazemos por nós mesmos podem mudar a natureza de nossas provas e des- viar-lhes o curso?
  • 17. 17 – Vossas provas estão entre as mãos de Deus e há as que devem ser suportadas até o fim, mas, então, Deus tem sempre em conta a resignação. A prece chama para vós...”
  • 18.
  • 19. 19 Profilaxia Silêncio e Prece André Luiz Se a maledicência visita o seu caminho, use o silêncio antes que a lama revolvida se transforme em tó- xicos letais. Se a cólera explode ao seu lado, use a prece, a fim de que o incêndio não se comunique às regiões menos abrigadas de sua alma.
  • 20. 20 Se a incompreensão lhe atira pe- dradas, use o silêncio, em seu próprio favor, imobilizando os monstros men- tais que a crueldade desencadeia nas almas frágeis e enfermiças. Se a antipatia gratuita surpre- ende as suas manifestações de amor, use a prece, facilitando a obra da fra- ternidade que o Mestre nos legou. O silêncio e a prece são os antí- dotos do mal, amparando o Reino do Senhor, ainda nascente no mundo. Se você pretende a paz no setor de trabalho que Jesus lhe confiou, não se esqueça dessa profilaxia da alma, imprescindível à vitória sobre a treva e sobre nós mesmos.
  • 21. 21 “A prece é um poderoso so- corro em tudo; mas, crede bem, não basta murmurar al- gumas palavras para obter o que se deseja. Deus assiste aqueles que agem e não aque- les que se limitam a pedir.” O Livro dos Espíritos Cap. IX, Livro Segundo, Intervenção dos Espíritos no Mundo Corporal, Ide Editora.
  • 22.
  • 23. 23 Prece do esforço próprio Emmanuel É da lei do Senhor que a prece do esforço próprio obtenha resposta imediata da vida. Educa a argila e a argila dar-te- -á o vaso. Guarda o vaso contra o lodo e o vaso ser-te-á prestimoso servidor.
  • 24. 24 Trabalha a madeira bruta e a madeira selvagem assegurar-te-á o asilo doméstico. Mantém a higiene em tua casa e a casa abençoar-te-á a existência. Ara o solo e terás a sementeira. Auxilia a plantação e receberás o privilégio da colheita. Vale-te da fonte com respeito e recolherás a água pura. Cultiva a limpeza do líquido pre- cioso e a água conferir-te-á equilíbrio e saúde. Agimos com o desejo.
  • 25. 25 Reage a vida com a realização. Não há caridade sem gentileza. Não há fé sem boa vontade. Não há esperança sem paciência. Não há paz sem trabalho digno. Usemos a chave do esforço pró- prio no bem de todos e o bem verda- deiro conduzir-nos-á para a vitória que nos propomos atingir. O Criador responde à criatura, através das próprias criaturas, até que a criatura lhe possa, um dia, refle- tir a Glória Sublime.
  • 26. 26 Articulemos incessantemente a oração do serviço ao próximo, pela ação constante no auxílio aos outros, e estaremos marchando para a felicidade indestrutível da comunhão com Deus.
  • 27. 27 “(...) As boas ações são as melhores preces, porque os atos valem mais que as pa- lavras.” O Livro dos Espíritos Cap. II, Livro Terceiro, Lei de Adoração, Ide Editora.
  • 28.
  • 29. 29 Oração e serviço Albino Teixeira Oração é requerimento da cria- tura ao Criador. Serviço é condição que a lei es- tabelece para todas as criaturas, a fim de que o Criador lhes responda. Meditação estuda. Trabalho realiza.
  • 30. 30 Observemos a propriedade do asserto em quadros simples. Semente nobre é pedido silen- cioso da Natureza a que se faça ver- dura e pão, mas se o cultivador não desenvolve esforço conveniente, a sú- plica viva desaparece. Livro edificante é apelo sublime do Espírito a que se ergam instrução e cultura, mas, se o homem não lhe perlustra as folhas no aprendizado, a sábia rogativa fenece, em vão. Música, ainda mesmo divina, se mora exclusivamente na pauta, é me- lodia que não nasceu.
  • 31. 31 Invenção sem experimento é ra- ciocínio morto. Oremos, meus irmãos, mas ore- mos servindo. Construção correta não se con- cretiza sem planta adequada. Mas a planta, por mais bela, sem construção que lhe corresponda, será sempre um sonho mumificado em tá- buas de geometria.
  • 32.
  • 33. 33 Prece antes e depois Emmanuel Antes de observar a presença do mal, roga ao Senhor para que teus olhos se habituem à fixação do bem, a fim de que depois não se te converta a oração em requerimento desesperado. Antes de assinalar a frase ca- luniosa ou irrefletida, pede ao Senhor
  • 34. 34 para que teus ouvidos saibam escutar para o auxílio fraterno, a fim de que depois não se te transforme a prece em apelo sombrio. Antes de caminhar na direção do poço em que se adensam as águas turvasdacrueldade,imploraaoSenhor para que teus pés se mantenham na movimentação do trabalho digno, a fim de que depois não se te transfigure a petição em grito blasfematório. Antes de considerar a ofensa do próximo, solicita ao Senhor te ilumine o coração para que saibas exercer a caridade genuína do entendimento e
  • 35. 35 do perdão sem reservas, a fim de que depois não se te expresse a rogativa por labéu de remorso e maldição. Todos fazemos preces depois que o sofrimento nos convoca à expia- ção regenerativa, quando o processo de nossas defecções morais já co- agulou, em torno de nosso Espírito, o cáustico da aflição com que have- mos de purificar os tecidos da própria alma. Todavia, quão raras vezes ora- mos antes da luta, vacinando o sen- timento contra a sombra da tenta- ção!...
  • 36. 36 Saibamos louvar a Bondade e a Sabedoria de Deus, em todos os pas- sos da vida, rendendo graças pela flor e pelo espinho, pela facilidade e pelo obstáculo, pela alegria e pela dor, pela fartura e pela carência. Agradecendo ao Céu as lições di- minutas de cada instante da marcha, aprenderemos a tecer, com as peque- ninas vitórias de cada dia, o triunfo sublime que, na grande angústia, er- guer-nos-á para a alegria soberana capaz de levantar-nos para sempre à plena luz da imortalidade.
  • 37. 37 “A prece é sempre agradável a Deus quando é ditada pelo coração (...)” O Livro dos Espíritos Cap. II, Livro Terceiro, Lei de Adoração, Ide Editora.
  • 38.
  • 39. 39 Oração do servo imperfeito Albino Teixeira Senhor!... Dura é a pedra, entretanto, com a Tua sabedoria, temo-la em- pregada em obras de segurança. Violento é o fogo, todavia, sob a Tua inspiração, foi ele posto em disciplina, em auxílio da inteligência.
  • 40. 40 Agressiva é a lâmina, no entan- to, ao influxo de Teu amparo, vemo-la piedosa, na caridade da cirurgia. Enfermiço é o pântano, contu- do, sob Tua benevolência, encontra- mo-lo convertido em celeiro de flores. Eu também trago comigo a du- reza da pedra, a violência do fogo, a agressividade da lâmina e a enfermi- dade do charco, mas, com a Tua bên- ção de amor, posso desfrutar o pri- vilégio de cooperar na construção do Teu reino!... Para isso, porém, Senhor, concede-me, por acréscimo de mise- ricórdia, a felicidade de trabalhar e ensina-me a receber o dom de servir.
  • 41. 41 “(...) A prece é agradável a Deus quando é dita com fé, fervor e sinceridade. (...)” O Livro dos Espíritos Cap. II, Livro Terceiro, Lei de Adoração, Ide Editora
  • 42.
  • 43. 43 Oração nossa Emmanuel Senhor, ensina-nos: a orar sem esquecer o trabalho, a dar sem olhar a quem, a servir sem perguntar até quando, a sofrer sem magoar seja a quem for, a progredir sem perder a simplicidade, a semear o bem sem pensar nos re- sultados,
  • 44. 44 a desculpar sem condições, a marchar para frente sem contar os obstáculos, a ver sem malícia, a escutar sem corromper os as- suntos, a falar sem ferir, a compreender o próximo sem exigir entendimento, a respeitar os semelhantes sem reclamar consideração, a dar o melhor de nós, além da exe- cução do próprio dever, sem cobrar taxas de reconhecimento.
  • 45. 45 Senhor, fortalece em nós a paciência para com as dificuldades dos outros, assim como precisamos da paciência dos outros para com as nossas difi- culdades. Ajuda-nos para que a ninguém façamos aquilo que não desejamos para nós. Auxilia-nos, sobretudo, a reconhe- cer que a nossa felicidade mais alta será, invariavelmente, aquela de cum- prir-Te os desígnios onde e como quei- ras, hoje, agora e sempre.
  • 46.
  • 47. 47 Prece em desobsessão Albino Teixeira Deus de Infinita Bondade! Na supressão dos conflitos, em que nos inimizamos uns com os ou- tros, induze-nos a ver, na condição de perseguidos, se não temos sido perseguidores. Em colhendo aflições e lágri-
  • 48. 48 mas, faze-nos observar se não te- mos semeado lágrimas e aflições nas estradas alheias. Ajuda-nos a receber ofensas por medicação que nos cure as enfermida- des do Espírito, e a acolher, em nossos adversários, instrumentos da vida, que nos experimentam a capacidade de compreender e servir, conforme os preceitos que Jesus exemplificou. Não nos deixes, ó Pai de Mise- ricórdia, identificar, nos companhei- ros menos felizes que nos imponham problemas, senão irmãos com quem necessitamos recompor o próprio ca-
  • 49. 49 minho, em bases de fraternidade e de paz. Auxilia-nos a verificar que todo processo de obsessão é comparti- lhado pela vítima e pelo agressor; le- va-nos a reconhecer que unicamente com a luz do bem é que dissiparemos a sombra do mal; e ensina-nos, ó Deus de Infinita Sabedoria, que o amor – e só o amor – é a tua vontade para todas as criaturas, em toda parte e para sempre. Assim seja.
  • 50.
  • 51. 51 Oração por paciência Emmanuel Senhor! Fortalece-nos a fé para que a paciência esteja conosco. Por Tua paciência, vivemos. Por Tua paciência, caminhamos. Auxilia-nos, por misericórdia, a
  • 52. 52 aprender tolerância, a fim de que es- tejamos em Tua paz. É por Tua paciência que a espe- rança nos ilumina e a compreensão se nos levanta no íntimo da alma. Agradecemos todos os dons de que nos enriqueces a vida, mas Te ro- gamos nos resguarde a paciência de uns para com os outros, para que es- tejamos contigo, tanto quanto estás conosco, hoje e sempre.
  • 53. 53 “(...) Ajuda-te, e o Céu te ajudará (...)” O Livro dos Espíritos Cap. II, Livro Terceiro, Lei de Adoração, Ide Editora.
  • 54.
  • 55. 55 Oração de hoje Auta de Souza Hoje, Senhor, resplende novo dia, Que deveres e júbilos condensa, Nova esperança luminosa e imensa Renascendo da noite espessa e fria... Dá-me trabalho por excelso guia, Ensina-me a servir sem recompensa E a fazer do amargor de cada ofensa Uma prece de amor e de alegria.
  • 56. 56 Que eu Te veja na dor com que me elevas Por flamejante sol, rompendo as trevas, Ante a beleza do Celeste Abrigo! E que eu possa seguir na caravana Dos que procuram na bondade humana A glória oculta de viver contigo.
  • 57. 57 “(...) Pela prece, Espíritos melhores vêm esclarecê-lo, consolá-lo e dar-lhe a es- perança. (...)” O Livro dos Espíritos Cap. II, Livro Terceiro, Lei de Adoração, Ide Editora.
  • 58.
  • 59. 59 Oração em serviço Emmanuel Deus da Eterna Bondade, Ensina-me a viver; A doar do que eu tenha, Sem contar o que faça; A trabalhar servindo, Sem exigir repouso; A compreender os outros
  • 60. 60 Sem ferir a ninguém; A nunca desertar Dos deveres que assumo; E a entender que nos dás O que julgas melhor.
  • 61. 61 “Sabeis que não há fórmu- la absoluta: Deus é muito grande para dar mais im- portância às palavras do que ao pensamento. (...)” Santo Agostinho O Livro dos Médiuns Cap. XXXI, Segunda Parte, Dissertações Espíritas, Ide Editora.
  • 62.
  • 63. 63 Prece do jovem cristão Aires de Oliveira Senhor, dá-nos o amor puro, o respeito à Tua lei, a disciplina benéfica, a assimilação dos bons exemplos, o acatamento aos mais velhos,
  • 64. 64 a mente firme, o raciocínio claro, o sentimento elevado, o coração terno, o entendimento fraternal, o pensamento resoluto, os braços diligentes, as mãos amigas, os pés bem conduzidos, os olhos compreensivos, os ouvidos vigilantes, a dedicação ao estudo e ao trabalho,
  • 65. 65 o devotamento ao bem, os recursos da paz e as ferramentas da boa vontade, em todos os serviços que signifiquem a Tua obra divina na Terra, hoje e sem- pre. Assim seja.
  • 66.
  • 67. 67 Prece de amor Scheilla Amado Jesus! Suplicando abençoes a nossa casa de fraternidade, esperamos por teu amparo, a fim de que saibamos co- locar em ação o amor que nos deste. Auxilia-nos a exercer a compai- xão e o entendimento, ensinando-nos
  • 68. 68 a esquecer o mal e a cultivar o bem, na paciência e na tolerância de uns para com os outros. Ajuda-nos a compreender e ser- vir para que a nossa fé não seja inútil. Faze-nos aceitar, na caridade, o esquema de cada dia e induze-nos os braços ao trabalho edificante para que o nosso tempo não se torne vazio. Sobretudo, Senhor, dá-nos humil- dade, a fim de que a humildade nos faça dóceis instrumentos nas tuas mãos. E, agradecendo-te o privilégio do trabalho, em nosso templo de oração, louvamos a tua Infinita Bondade, hoje e sempre.
  • 69. 69 “(...) Adorai sempre a Deus; amai-o de todo o vosso co- ração; sobretudo, rogai a ele, rogai a ele, firmemente, aí está o vosso sustentáculo nesse mundo, a vossa espe- rança, a vossa salvação.” Emma Livry O Céu e o Inferno Cap. II, Segunda Parte, Espíritos felizes, Ide Editora.
  • 70.
  • 71. 71 Oração pelos entes queridos Emmanuel Senhor Jesus! Concedeste-nos os entes que- ridos por tesouros que nos empres- tas. Ensina-nos a considerá-los e aceitá-los em sua verdadeira condição de filhos de Deus, tanto quanto nós,
  • 72. 72 com necessidades e esperanças se- melhantes às nossas. Faze-nos, porém, observar que aspiram a gêneros de felicidade di- ferente da nossa e ajuda-nos a não lhes violentar o sentimento em nome do amor no propósito inconsciente de escravizá-los aos nossos pon- tos de vista. Quando tristes, trans- forma-nos em bênçãos capazes de apoiá-los na restauração da própria segurança e, quando alegres ou triun- fantes nos ideais que abraçam, não nos deixes na sombra do egoísmo ou da inveja, mas, sim, ilumina-nos o en-
  • 73. 73 tendimento para que lhes saibamos acrescentar a paz e a esperança. Conserva-nos no respeito que lhes devemos, sem exigir-lhes tes- temunhos de afeto ou de apreço, em desacordo com os recursos de que disponham. Auxilia-nos a ser gratos pelo bem que nos fazem, sem reclamar- -lhes benefícios ou vantagens, home- nagens ou gratificações que não nos possam proporcionar. Esclarece-nos para que lhes ve- jamos unicamente as qualidades, aju- dando-nos a nos determos nisso, en-
  • 74. 74 tendendo que os prováveis defeitos de que se mostrem ainda portadores desaparecerão no amparo de Tua bênção. E, se algum dia, viermos a sur- preender alguns deles em experiên- cias menos felizes, dá-nos a força de compreender que não será repro- vando ou condenando que lhes con- quistaremos os corações, e sim en- tregando-os a Ti, através da oração, porque apenas Tu, Senhor, podes sondar o íntimo de nossas almas e guiar-nos o passo para o reequilíbrio nas Leis de Deus.
  • 75. 75 “(...) a prece do coração é tudo, a dos lábios não é nada. (...)” O Livro dos Espíritos Cap. II, Livro Terceiro, Lei de Adoração, Ide Editora.
  • 76.
  • 77. 77 Prece ante o perdão Emmanuel Senhor Jesus! Ensina-nos a perdoar conforme nos perdoaste e nos perdoas, a cada passo da vida. Auxilia-nos a compreender que o perdão é o poder capaz de extinguir o mal.
  • 78. 78 Induze-nos a reconhecer, nos ir- mãos que a treva infelicita, filhos de Deus, tanto quanto nós, e que nos cabe a obrigação de interpretá-los na condição de doentes, necessitados de assistência e de amor. Senhor Jesus, sempre que nos sintamos vítimas das atitudes de al- guém, faze-nos entender que também somos suscetíveis de erros e que, por isso mesmo, as faltas alheias pode- riam ser nossas. Senhor, sabemos o que seja o perdão das ofensas, mas compadece- -Te de nós e ensina-nos a praticá-lo.
  • 79. 79 “Se ela (a prece) é ardente e sincera, pode chamar em sua ajuda os bons Espíritos, a fim de sugerir-lhe bons pen- samentos e dar-lhe a força do corpo e da alma de que necessita.” O Livro dos Espíritos Cap. II, Livro Terceiro, Lei de Adoração, Ide Editora.
  • 80.
  • 81. 81 Oração diante da palavra Meimei Senhor! Deste-me a palavra por semente de luz. Auxilia-me a cultivá-la. Não me permitas envolvê-la na sombra que projeto. Ensina-me a falar para que se faça o melhor.
  • 82. 82 Ajuda-me a lembrar o que deve ser dito e a lavar da memória tudo aquilo que a Tua bondade espera se lance no esquecimento. Onde a irritação me procure, in- duze-me ao silêncio, e, onde lavre o in- cêndio da incompreensão ou do ódio, dá que eu pronuncie a frase calmante que possa apagar o fogo da ira. Em qualquer conversação, inspi- ra-me o conceito certo que se ajuste à edificação do bem, no momento exa- to, e faze-me vigilante para que o mal não me use, em louvor da perturbação. Não me deixes emudecer diante
  • 83. 83 da verdade, mas conserva-me em Tua prudência, a fim de que eu saiba dosar a verdade em amor, para que a com- paixão e a esperança não esmoreçam, junto de mim. Traze-me o coração ao racio- cínio, sincero sem aspereza, brando sem preguiça, fraterno sem exigência e deixa, Senhor, que a minha palavra te obedeça a vontade, hoje e sempre.
  • 84.
  • 85. 85 Prece por visão Emmanuel Senhor Jesus! Todos sabemos que, em Tua infini- ta misericórdia, nos aceitas por irmãos. Entretanto, Senhor, reconhece- mos que, por agora, somos apenas pe- queninos servidores ou servos de Teus servos.
  • 86. 86 Em vista disso, nós Te rogamos nos auxilies a ser, no caminho em que nos achamos, mais irmãos uns dos outros, aprendendo paciência e humildade, tolerância e perdão, bon- dade e entendimento, paz e fraterni- dade, a fim de que, no trabalho que nos deste a fazer, possamos ser, um dia, Teus irmãos para sempre, tanto quanto já és nosso Mestre e Senhor. Amado Jesus, sê, como sempre, o nosso Amparo e Guia, em todas as estradas que o mundo nos estende para o encontro com Deus.
  • 87. 87 “(...) O que Deus concederá, se se dirige a ele com confian- ça, é a coragem, a paciência e a resignação. O que conce- derá, ainda, são os meios de sair por si mesmo da dificul- dade, com a ajuda das ideias que são sugeridas pelos bons Espíritos (...)” O Evangelho Segundo o Espiritismo Cap. XXVII, Pedi e Obtereis, Ide Editora.
  • 88.
  • 89. 89 Prece às mães Chico Xavier Amado Jesus, nosso Divino Mes- tre e Senhor! Já que nos achamos assisti- dos pela presença de mães carinho- sas, que nos rodeiam aqui, nós Te ro- gamos para que todas elas tenham bastante força para suportarem to-
  • 90. 90 dos os problemas que lhes possam surgir, a fim de cumprirem a sagrada missão de que foram investidas! Recordamos aquelas que nos deram o ser, que neste mundo ou fora dele velam por nós. Nós Te pe- dimos, Amado Jesus, abençoes a to- das elas, as que nos deram a vida, que se sacrificaram por nós, as que esqueceram prazer, mocidade, conve- niências e convenções para se faze- rem nossas mães! Nós Te rogamos por aquelas que conseguiram realizar os seus ideais e por todas as que sofreram
  • 91. 91 tremendas renúncias, para se ajus- tarem aos encargos de que foram investidas; por aquelas, Amado Mes- tre, que muitas vezes trazem, sobre o peito, cruzes de ouro, lembrando a Tua Misericórdia, a trazerem o cora- ção sob o peso das grandes cruzes de lágrimas; por aquelas outras que se encontram em penúria; por aque- las que guardam os filhos queridos nos sanatórios; por aquelas que se viram desvinculadas do amor deles, a golpes de violência, e que reclamam serenidade e compreensão para se reequilibrarem na vida; por aquelas que se sentiram mães, com a deser-
  • 92. 92 ção dos companheiros aos quais se confiavam; por aquelas, Senhor, que trabalham, dia a dia, para buscarem o pão dos próprios filhos; por aque- las que amanhecem de coração ator- mentado sem saberem como resolver os problemas mais simples da vida, à luz do cotidiano! Pedimos-Te por todas elas, Se- nhor, porque todas as mães são san- tas diante de Ti! Amado Mestre, abençoa aque- las que nos amaram, que nos amam e que nos amarão sempre; aquelas em cujos corações colocaste um se-
  • 93. 93 gredo de amor que ninguém decifra; aquelas que necessitam, cada vez mais, de nosso apoio para nos digni- ficarem, guardando-nos a civilização, ajudando-nos a sermos nós mesmos! Abençoa-nos, Senhor, e despe- de-nos em Paz! E que a Tua bondade, Amado Senhor Jesus Cristo, possa estar conosco, abençoando-nos, susten- tando-nos, tolerando-nos e auxilian- do-nos, hoje, agora e sempre! Assim seja!
  • 94.
  • 95. 95 Prece Chico Xavier Senhor! Nesta hora em que to- dos procuramos um caminho de paz e amor para viver e conviver e tam- bém para sobreviver às nossas pró- prias dificuldades, nós Te rogamos apoio. Rogamos, Amado Jesus, que
  • 96. 96 nos abençoe e conserva-nos na fé viva em Ti. Não nos deixes o coração tresmalhado nas vacilações do ca- minho terrestre ou na agressivida- de exagerada que tantas vezes nos surpreendem depois da infância e da adolescência, nas quais aprendemos a pedir-Te a bênção no colo de nos- sas mães! Disseste-nos que aqueles que não se fizerem crianças não serão dignos do Reino de Deus. Faze-nos, pois, simples de coração! Ajuda-nos a considerar que precisamos traba- lhar uns pelos outros. Que todos so-
  • 97. 97 mos chamados para nos tolerarmos reciprocamente em nossas dificulda- des e problemas, a fim de que a nossa vida possa produzir paz, luz, amor e alegria, no progresso a que estamos destinados por Ti, em nome do nosso Pai Supremo! Ampara-nos! Que nossos tem- plos dedicados à Tua memória, seja qual for a faixa de conhecimento e veneração em que nos expressemos, sejam preservados, agora e no futuro, a fim de que, por eles e com eles, ve- nhamos a construir, na Terra, a nossa felicidade imortal.
  • 99. 99 Oração Pai Nosso Pai Nosso que estais nos Céus, santificado seja o Vosso nome! Venha o Vosso reino! Seja feita a Vossa vontade, na Terra, como no Céu! Dai-nos o pão de cada dia. Perdoai as nossas dívidas
  • 100. 100 como nós as perdoamos àqueles que nos devem. Perdoai as nossas ofensas, como perdoamos àqueles que nos ofenderam. Não nos abandoneis à tenta- ção, mas livrai-nos do mal. Assim seja.
  • 101. 101 Prece de Cáritas* Deus, nosso Pai, Vós que sois todo poder e bondade, dai força àque- le que passa pela provação. Dai a luz àquele que procura a verdade, ponde no coração do homem a compaixão e a caridade. Deus, dai ao viajor a estrela guia, ao aflito a consolação, ao doente
  • 102. 102 o repouso. Pai, dai ao culpado o arre- pendimento, ao Espírito a verdade, à criança o guia, ao órfão o pai. Senhor, que Vossa bondade se estenda sobre tudo o que criastes. Piedade, Senhor, para aqueles que não Vos conhecem, esperança para aqueles que sofrem. Que a Vossa bondade permita aos Espíritos consoladores derrama- rem por toda parte a paz, a esperan- ça e a fé. Deus, um raio, uma faísca do Vosso amor pode abrasar a Terra.
  • 103. 103 Deixai-nos beber nas fontes dessa bondade fecunda e infinita e todas as lágrimas secarão, todas as dores se acalmarão. Uma só voz, um só coração, um só pensamento subirá até Vós, como um grito de reconhecimento e amor. Como Moisés sobre a montanha, nós lhe esperamos com os braços abertos. Oh! Poder, Oh! Bondade, Oh! Be- leza, Oh! Perfeição. E queremos, de alguma forma, alcançar Vossa misericórdia.
  • 104. 104 Deus, dai-nos a força de ajudar o progresso afim de subirmos até Vós. Dai-nos a caridade pura. Dai-nos a fé e a razão. Dai-nos a simplicidade, que fará de nossas almas um espelho onde se refletirá a Vossa santa e misericor- diosa imagem. (*) OrigEm dA prEcE dE cáritAs: A prece de Cáritas foi psicografada pela mé- dium Madame W. Krell, na cidade de Bordeaux, na França, durante a noite de Natal do ano de 1873. Reunida a outras mensagens da médium, faz parte do livro “Rayonnements de la Vie Spirituelle”, publi- cado na França em 1875.
  • 105. 105 Prece para si mesmo Espíritos sábios e benevolentes, mensageiros de Deus, cuja missão é assistir os homens e conduzi-los no bom caminho, sustentai-me nas pro- vas desta vida; dai-me a força de su- portá-las sem murmurar; desviai de mim os maus pensamentos e fazei
  • 106. 106 com que eu não dê acesso a nenhum dos maus Espíritos que tentarem me induzir ao mal. Esclarecei minha cons- ciência sobre meus defeitos e elevai, de sobre meus olhos, o véu do orgulho que poderia me impedir de os perceber e confessá-los a mim mesmo. Vós, sobretudo meu anjo guar- dião, que velais mais particularmente por mim, e vós, todos Espíritos pro- tetores que vos interessais por mim, fazei com que me torne digno da vos- sa benevolência. Conheceis as minhas necessidades, que elas sejam satis- feitas segundo a vontade de Deus.
  • 107. 107 (Outra). – Meu Deus, permiti aos bons Espíritos que me cercam virem em minha ajuda quando estiver em difi- culdade, e sustentar-me se vacilo. Fa- zei, Senhor, que eles me inspirem a fé, a esperança e a caridade; que sejam para mim um apoio, uma esperança e uma prova da Vossa misericórdia; fa- zei, enfim, que eu encontre junto deles a força que me falta nas provas da vida, e, para resistir às sugestões do mal, a fé que salva e o amor que consola. (Outra). – Espíritos bem-amados, anjos guardiães, vós a quem Deus, em sua infinita misericórdia, permite velar
  • 108. 108 pelos homens, sede meus protetores nas provas da minha vida terrestre. Dai-me a força, a coragem e a resig- nação; inspirai-me tudo o que é bom e detende-me na inclinação do mal; que vossa doce influência penetre minha alma; fazei com que eu sinta que um amigo devotado está perto de mim, que vê meus sofrimentos e partilha minhas alegrias. E vós, meu bom anjo, não me abandoneis; tenho necessidade de toda a vossa proteção para suportar, com fé e amor, as provas que aprouver a Deus me enviar.
  • 109. 109 Evangelho no Lar A prática do Evangelho no Lar constitui-se uma das mais importantes atividades cuja base é a oração, a leitu- ra e a reflexão do Evangelho de Jesus. A seguir, elaboramos uma su- gestão de roteiro e prática do Evan- gelho no Lar.
  • 110. 110 Praticando O Evangelho no Lar O estudo de O Evangelho no Lar, via de regra, é realizada pela família em seu lar, iniciando-se com uma prece e, após, uma leitura de um capítulo ou um trecho de O Evangelho Segundo o Espiri- tismo, de Allan Kardec, seguido de uma interpretação de seus ensinamentos. Deverá ser realizado com pon- tualidade e em determinado dia da semana, pois a disciplina acarretará inúmeros benefícios, os quais citare- mos a seguir:
  • 111. 111 • O entendimento dos ensina- mentos de Jesus, em comunhão de pen- samentos, em muito favorecerá que se os pratique no ambiente doméstico. • As lições do Mestre, apreendi- das pelos familiares, trarão, com cer- teza, a compreensão de que viverão em maior harmonia, tendo em vista que, no próprio estudo, poderão com- preender e superar todos os desajus- tes que porventura venham a existir, despertando o sentimento de frater- nidade e amor que deve coexistir entre todos os familiares. • Estimulando a presença das
  • 112. 112 crianças nessa reunião, permitindo que elas participem, mesmo que seja ape- nas como ouvintes ou oferecer a elas uma explicação mais simplificada sobre a leitura, com certeza essa prática ini- ciará nelas um interesse pelos ensina- mentos de Jesus, acarretando-lhes as primeiras ideias sobre a moral cristã. • A família aprenderá a conviver melhor entre seus elementos e, por con- sequência, com toda a família universal, compreendendo que todos somos filhos de um mesmo Pai e que cada um é um Espírito distinto, com suas dificulda- des, seus defeitos e suas virtudes. Na
  • 113. 113 compreensão disso, tudo se tornará mais fácil, pela aquisição do raciocinado estímulo à compreensão, à caridade, à compaixão, e ao perdão, na certeza de que todos somos irmãos e que depen- demos uns dos outros para uma feliz convivência nesta Terra bendita, onde nos encontramos no atual momento. • Quando essa prática obedecer dia e horário preestabelecidos, Espí- ritos protetores terão condições de ali se reunirem, auxiliando Espíritos de conduta inferior que porventura se encontrem no lar, e, muitas vezes, transformando esse local num pron-
  • 114. 114 to-socorro espiritual para diversos trabalhos de esclarecimento e conso- lo no verdadeiro plano da vida. • Além de todos esses benefí- cios, os participantes criarão propício momento e condições para receberem salutares e benéficas inspirações a respeito de dificuldades que venham a estar enfrentando. Enfim, o padrão vibratório desses momentos de muita paz será assimilado por todos, tra- zendo-lhes um real equilíbrio na men- te e no coração, facilitando-lhes uma semana de felizes realizações, sempre com Jesus.
  • 115. 115 Como fazer 1. Determinar um dia da semana e um horário em que, pelo menos, a maio- ria dos familiares possa participar. 2. Obedecer o horário e a presen- ça sempre constante dos participan- tes, a fim de que os Espíritos tenham um ambiente propício às suas ativida- des assistenciais nos dois plano da vida. 3. É aconselhável que as pes- soas se sentem ao redor de uma mesa para que todos os presentes possam efetivamente participar do estudo e da consequente permuta de
  • 116. 116 impressões e esclarecimentos sobre o texto enunciado. 4. Disponibilizar um copo com água para cada participante, faci- litando, assim, uma fluidificação da água de acordo com as necessidades de cada um. 5. A reunião deverá ser iniciada com uma prece, em voz alta, por um dos presentes, expressa de maneira simples, sempre usando o coração, sem a necessidade de frases rica- mente elaboradas. Essa prece tem a finalidade de preparar o equilíbrio dos participantes, concorrendo a que
  • 117. 117 cada um se desligue dos problemas do dia a dia e volte sua atenção para os ensinamentos de Jesus. 6. Em seguida, iniciar a leitura de O Evangelho Segundo o Espiritismo, que poderá ser efetuada de duas ma- neiras: a) leitura de maneira ordena- da, pela qual o Evangelho deverá ser lido em sequência, desde o primeiro capítulo, a fim de que todos tomem conhecimento do mesmo, na ordem em que foi escrito; ou b) abrindo-se uma página ao acaso, permitindo que a Espiritualidade possa intera- gir nesse processo, pelo qual a pági-
  • 118. 118 na escolhida esteja condizente com as maiores necessidades do grupo. Essa segunda maneira é aconselha- da quando todos os integrantes já tenham algum conhecimento sobre os ensinamentos do Evangelho. 7. Ao abrir, escolher um trecho do Evangelho que não seja longo de- mais, podendo ser dividido para ler uma outra parte na reunião seguinte. E após a leitura, deixar a palavra livre, numa sequência combinada, para que os integrantes façam perguntas ou comentem sua interpretação, sem- pre no sentido de extrair-se o melhor
  • 119. 119 para a evolução de todos, numa me- lhoria de seus atos no dia a dia. 8. Não é aconselhável manifes- tações mediúnicas, tais como comu- nicações orais de Espíritos, psico- grafias ou passes, sendo que essas atividades devem ser realizadas nos Centros Espíritas. 9. Nas reuniões do Evangelho no Lar, as atitudes de seus participan- tes são muito importantes para que o estudo transcorra em um clima de muita paz e de suaves emanações fluídicas. Por esse motivo, deve-se evitar assuntos que encerrem cen-
  • 120. 120 suras, julgamentos, comentários da- ninhos ou inferiores dirigidos a pes- soas, a religiões ou qualquer outro tipo de diálogo não edificante. 10. Nada impede que crianças participem, mas, nesse caso, e con- forme o assunto, adequá-lo ao en- tendimento delas. E essa é uma boa prática porque, aos poucos e grada- tivamente, elas muito irão aprender. 11. Trinta minutos é o tempo ideal para essa reunião, apesar de não haver nada que a impeça de du- rar mais algum tempo. De qualquer maneira, sugerimos não ultrapassar quarenta e cinco minutos.
  • 121. 121 12. Em caso de visitas repenti- nas, estas deverão ser informadas sobre a prática da reunião familiar em torno do Evangelho de Jesus, e con- vidá-las a participar. Se for o caso, escolher algum assunto que não ve- nha a constrangê-las, de preferência um tema já estudado e comentado por todos. Não devemos nos esque- cer que, talvez, essa visita tenha sido programada pela Espiritualidade, com o propósito de que tome contato com os ensinamentos de Jesus. 13. Muitas vezes, pode ocorrer de algum integrante da família ter de se
  • 122. 122 ausentar. Caso isso ocorra, os demais devem continuar a reunião, aprovei- tando para emitir benéficas vibrações mentais em torno do ausente. 14. Para encerrar a reunião, faça uma rogativa a Deus, a Jesus e aos Espíritos do Bem em favor da harmo- nia do lar e dos familiares encarnados e desencarnados, extensiva também à paz entre os povos. 15. faça uma prece de encerra- mento, agradecendo o amparo dos Benfeitores Espirituais. Após a pre- ce, sirva a água fluidificada a todos os participantes.
  • 123. 123 Importante Caso não encontre, entre os in- tegrantes de sua família, alguém que tenha o interesse em realizar o estu- do do Evangelho, você pode realizá-lo a sós, estudando e vibrando positi- vamente pelos demais, num local da casa onde não venha a ser interrom- pido. Baixe gratuitamente o Livreto completo do Roteiro para Evangelho no Lar www.ideeditora.com.br
  • 124. Referências Bibliográficas KArdEc, A., O Céu e o Inferno, Ide Editora. __________. O Evangelho Segundo o Espiritismo, Ide Editora. __________. O Livro dos Espíritos, Ide Editora. __________. O Livro dos Médiuns, Ide Editora. xAviEr, F. C., Auta de Souza, Ide Editora. __________. Caminho Espírita, Ide Editora. __________. Comandos do Amor, Ide Editora. __________. Encontro de Paz, Ide Editora. __________. Mãos Marcadas, Ide Editora. __________. Mãos Unidas, Ide Editora. __________. Passos da Vida, Ide Editora. __________. Paz e Renovação, Ide Editora. __________. Tempo de Luz, Ide Editora. __________. Tesouro de Alegria, Ide Editora. __________. Trilha de Luz, Ide Editora. __________. Visão Nova, Ide Editora. O Evangelho no Lar, Ide Editora.
  • 125. N o ano de 1963, Francisco Cândido Xavier ofereceu, a um grupo de voluntários, o entusiasmo e a tarefa de fundarem um Anuário Espírita. Nascia, então, o Instituto de Difusão Espírita - IDE, cujo nome e sigla foram também sugeridos por ele. A partir daí, muitos títulos foram sendo editados, e o Instituto de Difusão Espírita, entidade assistencial sem fins lucrativos, mantém-se fiel à sua finalidade de divulgar a Doutrina Espírita através da IDE Editora, tendo como foco principal as Obras Básicas da Codificação, sempre a preços populares, além dos seus mais de 300 títulos em português e espanhol, muitos psicografados por Chico Xavier. O Instituto de Difusão Espírita conta também com outras frentes de trabalho, voltadas à assistência e promoção social, como albergue noturno, acolhimento de migrantes, itinerantes, pessoas em situação de rua, acolhimento e fortalecimento de vínculos para mães e crianças, oficinas de gestantes, confecção de enxovais para recém-nascidos, fraldas descartáveis infantis e geriátricas, assistência à saúde e auxílio com cestas básicas, leite em pó, leite longa vida, para as famílias em situação de vulnerabilidade social, além dos trabalhos de evangelização infantil, mocidade espírita, artes (teatro, música, dança, artes plásticas e literatura), cursos doutrinários e passes. N Instituto de Difusão Espírita - IDE, cujo nome e sigla foram também sugeridos por ele. editados, e o Instituto de Difusão Espírita, entidade assistencial sem fins lucrativos, mantém-se fiel à sua finalidade de divulgar a Doutrina Espírita através da IDE Editora, Este e outros livros da IDE Editora subsidiam a manutenção do baixíssimo preço das Obras Básicas, de Allan Kardec, mais notadamente, “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, edição econômica.
  • 126. 1º Existência de Deus. 2º Demonstração da sobrevivência e da imortalidade do Espírito. 3º O princípio da reencarnação, quer dizer, um determinado número de existências, através de vários nasci- mentos, como uma ferramenta de trabalho, porém, sempre o mesmo Es- pírito, como único meio de alcançar a evolução e o aperfeiçoamento. 4º Que cada um de nós é o autor de seu próprio destino. 5º Que todos somos irmãos, em es- pírito e origem, porém em diferentes graus de evolução e conhecimento, de acordo com o progresso espiritual de cada um. 6º Admite a existência de outros mun- dos habitados, inumeráveis em quan- tidade e graus de progresso, e que se- rão, também, nossa morada um dia, quando tivermos avançado no cami- nho do progresso moral. 7º Promove a caridade, a fraternida- de e a solidariedade, como os meios seguros de alcançar a felicidade real, seguindo um dos ensinamentos de Je- sus que diz que “somente pelo amor o homem se salvará”. 8º Que o verdadeiro espírita é simples- mente e principalmente conhecido por sua transformação moral. 9º O Espiritismo é Filosofia, Ciência e Religião, pois, além de ser uma filosofia disciplinada, racional, e de experiência científica, possui a garantia moral do Evangelho de Jesus, a caminho do ver- dadeiro objetivo da vida. L ógica e plena de critérios em seus princípios é a doutrina que responde à necessidade da mente moderna, pois através de seus ensinamentos, facilmente compreensíveis, atende plenamente a todos, sem imposições dogmáticas, mas, sim, com ideias raciocinadas, claras e esclarecedoras. Para conhecer mais sobre a Doutrina Espírita, leia as Obras Básicas, de Allan Kardec: O Livro dos Espíritos, O Evangelho Segundo o Espiritismo, O Livro dos Médiuns, O Céu e o Inferno e A Gênese. Fundamentos do Espiritismo ideeditora.com.br
  • 127.
  • 128. IDE Editora é apenas um nome fantasia utilizado pelo INSTITUTO DE DIFUSÃO ESPÍRITA, entidade sem fins lucrativos, que promove extenso programa de assistência social, e que detém os direitos autorais desta obra. Acesse e cadastre-se para receber informações sobre nossos lançamentos. twitter.com/ideeditora facebook.com/ide.editora editorial@ideeditora.com.br ideeditora.com.br i