SlideShare uma empresa Scribd logo
Auditoria Contábil
Auditoria Contábil
Auditoria Contábil
Prof. André Corrêa
Auditoria Contábil
EXAME DE SUFICIÊNCIA - 2017.1 - FBC
(Fundação Brasileira de Contabilidade)
Auditoria Contábil
De acordo com a NBC TA 530 - AMOSTRAGEM EM
AUDITORIA, em relação ao efeito de alguns fatores no
tamanho da amostra para testes de detalhes, julgue os
itens a seguir como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em
seguida, assinale a opção CORRETA.
1ª QUESTÃO - Exame 2017.1 (45)
Auditoria Contábil
I. Quanto mais o auditor confia em outros procedimentos substantivos
para reduzir a um nível aceitável o risco de detecção relacionado
com uma população em particular, mais segurança o auditor precisa
da amostragem e, portanto, maior deve ser o tamanho da amostra.
II. Quanto maior for o valor da distorção que o auditor espera
encontrar na população, maior deve ser o tamanho da amostra para
se fazer uma estimativa razoável do valor real de distorção na
população
III. Quanto menor for a distorção tolerável, maior precisa ser o tamanho
da amostra.
Auditoria Contábil
NBC TA 530 - Amostragem em Auditoria
REQUISITOS:
Definição da amostra: considera a finalidade do procedimento e as
características da população.
Tamanho da amostra: deve ser suficiente para reduzir o risco de
amostragem a um nível mínimo razoável.
Seleção dos itens: de modo que cada unidade de amostragem da
população tenha a mesma chance de ser selecionada.
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
Auditoria Contábil
NBC TA 530 - Amostragem em Auditoria
TAMANHO DA AMOSTRA:
“O nível de risco de amostragem que o auditor está disposto a
aceitar afeta o tamanho da amostra exigido. Quanto menor o
risco que o auditor está disposto a aceitar, maior deve ser o
tamanho da amostra.”
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
Auditoria Contábil
Apêndice 3 da NBC TA 530 - Amostragem em Auditoria: Exemplos de fatores
que influenciam o tamanho da amostra para os testes de detalhes.
FATOR: Aumento no uso de outros procedimentos substantivos direcionados à
mesma afirmação.
EFEITO NO TAMANHO DA AMOSTRA: Redução
“Quanto mais o auditor confia em outros procedimentos substantivos (testes de
detalhes ou procedimentos analíticos substantivos) para reduzir a um nível
aceitábel o risco de detecção relacionado com uma população em particular,
menos segurança precisa da amostragem e, portanto, menor pode ser o
tamanho da amostra.”
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
Auditoria Contábil
FATOR: Aumento na distorção tolerável (materialidade)
EFEITO NO TAMANHO DA AMOSTRA: Redução
“Quanto menor for a distorção tolerável, maior o tamanho da amostra…”
FATOR: Aumento no valor da distorção que o auditor espera encontrar
EFEITO NO TAMANHO DA AMOSTRA: Aumento
“Quanto maior for o valor da distorção que o auditor espera encontrar na
população, maior deve ser o tamanho da amostra para se fazer uma estimativa
razoável do valor real de distorção na população. Os fatores relevantes para a
consideração do auditor… incluem… os resultados de outras avaliações (de riscos,
testes de controles, avaliações de anos anteriores, procedimentos substantivos…)”
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
Auditoria Contábil
GABARITO:
A sequência CORRETA é:
a) F, F, F.
b) F, V, V.
c) V, F, F.
d) V, V, V.
Auditoria Contábil
Considerando-se a NBC TA 700 - FORMAÇÃO DA OPINIÃO E EMISSÃO
DO RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE SOBRE AS
DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS e ainda o disposto na NBC TA 705 -
MODIFICAÇÕES NA OPINIÃO DO AUDITOR INDEPENDENTE, quando o
auditor concluir que as demonstrações contábeis foram elaboradas,
em todos os aspectos relevantes, de acordo com a estrutura de
relatório financeiro aplicável, ele deve:
2ª QUESTÃO - Exame 2017.1 (46)
Auditoria Contábil
a) modificar sua opinião.
b) abster-se de emitir opinião.
c) emitir opinião com ressalva.
d) expressar uma opinião não modificada.
Auditoria Contábil
NBC TA 700 - FORMAÇÃO DA OPINIÃO E EMISSÃO DO RELATÓRIO
“Estrutura de relatório financeiro para fins gerais é a estrutura de relatório
financeiro elaborada para satisfazer às necessidades de informações
financeiras comuns de ampla gama de usuários. A estrutura de relatório
financeiro pode ser uma estrutura de apresentação adequada ou uma estrutura
de conformidade.”
“Opinião não modificada é a opinião expressa pelo auditor quando ele conclui
que as demonstrações contábeis são elaboradas, em todos os aspectos
relevantes, de acordo com a estrutura de relatório financeiro aplicável...”
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
Auditoria Contábil
O auditor deve expressar uma opinião não modificada quando concluir
que as demonstrações contábeis são elaboradas, em todos os aspectos
relevantes, de acordo com a estrutura de relatório financeiro aplicável.
O auditor deve modificar sua opinião, de acordo com a NBC TA 705, se:
(a) concluir, com base em evidência de auditoria obtida, que as
demonstrações contábeis tomadas em conjunto apresentam distorções
relevantes; ou (b) não conseguir obter evidência de auditoria apropriada
e suficiente para concluir que as demonstrações contábeis tomadas em
conjunto não apresentam distorções relevantes.
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
Auditoria Contábil
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
Opinião
Não
modificada
Modificada
Com
ressalva
Adversa
Abstenção
de opinião
Opinião não modificada:
quando conclui que as
demonstrações contábeis são
elaboradas, em todos os
aspectos relevantes, de
acordo...
Auditoria Contábil
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
No caso de Modificação:
Auditoria Contábil
GABARITO:
a) modificar sua opinião.
b) abster-se de emitir opinião.
c) emitir opinião com ressalva.
d) expressar uma opinião não modificada.
Auditoria Contábil
EXAME DE SUFICIÊNCIA - 2016.2 - FBC
(Fundação Brasileira de Contabilidade)
Auditoria Contábil
O Departamento Jurídico de uma Sociedade Empresária
forneceu ao Departamento de Contabilidade a relação dos
processos em julgamento, conforme tabela a seguir.
3ª QUESTÃO - Exame 2016.2 (4)
Auditoria Contábil
Considerando-se apenas as condições estabelecidas na NBC TG 25 (R1) -
PROVISÕES, PASSIVOS CONTINGENTES E ATIVOS CONTINGENTES e os dados da
tabela apresentada, a Sociedade Empresária irá reconhecer como provisão, na
contabilidade:
a) os processos relativos a Insalubridade, a Hora Extra, a Danos Materiais e a
Discussão da Constitucionalidade da Cofins, que totalizam R$5.520.000,00.
b) os processos relativos a Insalubridade, a Hora Extra e a Discussão da
constitucionalidade da Cofins, que totalizam R$4.820.000,00.
c) os processos relativos a Hora Extra e a Discussão da Constitucionalidade da
Cofins, que totalizam R$3.320.000,00.
d) os processos relativos a Insalubridade e a Danos Materiais, que totalizam
R$2.200.000,00
Auditoria Contábil
Provisão é um passivo de prazo ou de valor incertos.
Passivo é uma obrigação presente da entidade, derivada de
eventos já ocorridos, cuja liquidação se espera que resulte em
saída de recursos da entidade...
Ativo contingente é um ativo possível que resulta de eventos
passados e cuja existência será confirmada apenas pela
ocorrência ou não de um ou mais eventos futuros incertos não
totalmente sob controle da entidade.
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA (CPC 25):
Auditoria Contábil
Passivo contingente é:
(a) uma obrigação possível que resulta de eventos passados e cuja existência
será confirmada apenas pela ocorrência ou não de um ou mais eventos
futuros incertos não totalmente sob controle da entidade; ou
(b) uma obrigação presente que resulta de eventos passados, mas que não é
reconhecida porque: (i) não é provável que uma saída de recursos que
incorporam benefícios econômicos seja exigida para liquidar a obrigação;
ou (ii) o valor da obrigação não pode ser mensurado com suficiente
confiabilidade.
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA (CPC 25):
Auditoria Contábil
Uma provisão deve ser reconhecida quando:
(a) a entidade tem uma obrigação presente (legal ou não formalizada)
como resultado de evento passado;
(b) seja provável que será necessária uma saída de recursos que
incorporam benefícios econômicos para liquidar a obrigação;
(c) possa ser feita uma estimativa confiável do valor da obrigação.
Se essas condições não forem satisfeitas, nenhuma provisão deve ser
reconhecida.
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA (CPC 25):
Auditoria Contábil
Em casos raros não é claro se existe ou não uma obrigação presente.
Nesses casos, presume-se que um evento passado dá origem a uma
obrigação presente se, levando em consideração toda a evidência
disponível, é mais provável que sim do que não que existe uma
obrigação presente na data do balanço.
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA (CPC 25):
Classificação:
Probabilidade %: 0% 100%
Possível
50%
ProvávelRemota
+ provável que sim do que não
Auditoria Contábil
GABARITO:
c) os processos relativos a Hora Extra e a Discussão da
Constitucionalidade da Cofins, que totalizam R$3.320.000,00.
Auditoria Contábil
Uma equipe de Profissionais de Auditoria Independente foi contratada
para auditar as Demonstrações Contábeis de uma Sociedade
Empresária cuja atividade é a compra e venda de mercadorias.
Ao realizar os procedimentos de auditoria no estoque de mercadorias,
os Profissionais de Auditoria confeccionaram o seguinte papel de
trabalho:
4ª QUESTÃO - Exame 2016.2 (44)
Auditoria Contábil
A quantidade inventariada corresponde exatamente à quantidade de
mercadorias constantes no sistema informatizado de controle de
estoques.
Auditoria Contábil
Após avaliar as informações evidenciadas no papel de trabalho e considerando-
se que a empresa não havia realizado nenhum ajuste, os Profissionais de
Auditoria devem requerer à Sociedade Empresária que faça um:
a) ajuste equivalente ao aumento no montante de R$4.500,00, referente ao
saldo do estoque da Mercadoria IV.
b) ajuste equivalente à redução no montante de R$360,00, referente ao
saldo do estoque da Mercadoria III.
c) ajuste equivalente à redução no montante de R$300,00, referente ao
saldo do estoque da Mercadoria II.
d) ajuste equivalente ao aumento no montante de R$2.000,00, referente ao
saldo do estoque da Mercadoria I.
Auditoria Contábil
Mensuração de estoque - conforme NBC TG 16 (R1) - Estoques
Os estoques objeto deste Pronunciamento devem ser mensurados pelo
valor de custo ou pelo valor realizável líquido, dos dois o menor.
Valor realizável líquido é o preço de venda estimado no curso normal
dos negócios deduzido dos custos estimados para sua conclusão e dos
gastos estimados necessários para se concretizar a venda.
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA (CPC 16 (R1)):
Auditoria Contábil
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
Os estoques objeto deste Pronunciamento devem ser mensurados pelo
valor de custo ou pelo valor realizável líquido, dos dois o menor.
(A) (B) (B) - (A)
Item Qtd. Custo Unit. Custo Total Valor Real. Líq. Diferenças Ajuste Aud.
I 80 x 100,00R$ = 8.000,00R$ 10.000,00R$ R$ 2.000,00
II 15 x 120,00R$ = 1.800,00R$ 1.500,00R$ (R$ 300,00) (R$ 300,00)
III 23 x 180,00R$ = 4.140,00R$ 4.500,00R$ R$ 360,00
IV 42 x 250,00R$ = 10.500,00R$ 15.000,00R$ R$ 4.500,00
Auditoria Contábil
GABARITO:
c) ajuste equivalente à redução no montante de R$300,00, referente
ao saldo do estoque da Mercadoria II.
Auditoria Contábil
Um auditor realizou trabalhos de auditoria contábil e obteve evidência
de auditoria apropriada e suficiente. Detectou, todavia, que a
entidade auditada não houvera conduzido os testes para
determinação do Valor Realizável Líquido em seus Estoques, de acordo
com o determinado pela NBC TG 16 (R1) - ESTOQUES.
Apesar de seus questionamentos, os referidos testes seguiram sem
realização. A sua análise o conduziu a concluir que a distorção é
relevante, mas não generalizada nas Demonstrações Contábeis.
5ª QUESTÃO - Exame 2016.2 (45)
Auditoria Contábil
Quanto aos demais itens examinados, concluiu que, em todos os
aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira, o desempenho
de suas operações e os seus fluxos de caixa, bem como o desempenho
consolidado de suas operações e os seus fluxos de caixa consolidados
para o exercício findo estavam de acordo com as práticas contábeis
adotadas no Brasil e as Normas Internacionais de Relatório Financeiro
- IFRS emitidas pelo International Accounting Standards Board - IASB.
Auditoria Contábil
Diante apenas das informações apresentadas e de acordo com a NBC TA
700 - FORMAÇÃO DA OPINIÃO E EMISSÃO DO RELATÓRIO DO AUDITOR
INDEPENDENTE SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS e com a NBC
TA 705 - MODIFICAÇÕES NA OPINIÃO DO AUDITOR INDEPENDENTE,
deve o auditor:
a) expressar uma opinião não modificada.
b) expressar uma opinião com ressalva.
c) expressar uma opinião adversa.
d) abster-se de expressar uma opinião.
Auditoria Contábil
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
Opinião
Não
modificada
Modificada
Com
ressalva
Adversa
Abstenção
de opinião
Opinião não modificada:
quando conclui que as
demonstrações contábeis são
elaboradas, em todos os
aspectos relevantes, de
acordo...
Auditoria Contábil
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
No caso de Modificação (NBC TA 705):
Auditoria Contábil
GABARITO:
b) expressar uma opinião com ressalva.
Auditoria Contábil
Uma Sociedade Empresária que atua no ramo de distribuição de
bebidas efetua vendas aos seus clientes com a utilização de cobrança
bancária para as vendas a prazo e recebimento das vendas à vista em
dinheiro em sua sede.
Os Auditores Independentes contratados para prestar os serviços de
auditoria nessa Sociedade Empresária realizaram Teste de Controle no
primeiro dia de trabalho, efetuando a contagem física do Caixa, e
confeccionaram o seguinte papel de trabalho:
6ª QUESTÃO - Exame 2016.2 (46)
Auditoria Contábil
Auditoria Contábil
Considerando-se a NBC TA 330 - RESPOSTA DO AUDITOR AOS RISCOS
AVALIADOS e aplicação do Teste de Controle, o resultado apurado foi:
a) falta de Caixa no montante de R$11.500,00.
b) sobra de Caixa no montante de R$16.500,00.
c) falta de Caixa no montante de R$20.000,00.
d) sobra de Caixa no montante de R$36.500,00.
Auditoria Contábil
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
Teste de
inspeção:
R$8.500
Teste de
reexecu-
ção:
R$20.000
Auditoria Contábil
GABARITO:
a) falta de Caixa no montante de R$11.500,00.
Auditoria Contábil
EXAME DE SUFICIÊNCIA - 2012.2 - FBC
(Fundação Brasileira de Contabilidade)
Auditoria Contábil
Em relação ao papel e à época do planejamento de Auditoria
estabelecido na NBC TA 300 - Planejamento da Auditoria de
Demonstrações Contábeis, a etapa de planejamento deve
considerar diversos fatos, EXCETO que:
7ª QUESTÃO - Exame 2012.2 (43)
Auditoria Contábil
a) a natureza e a extensão das atividades de planejamento variam
conforme o porte e a complexidade da entidade.
b) o auditor pode optar por discutir alguns elementos do
planejamento da auditoria especificado na norma de auditoria com
a administração da entidade, de forma a facilitar a condução e o
gerenciamento do trabalho de auditoria.
c) o planejamento como atividade principal é uma fase inicial e isolada
da auditoria e que inicia e termina no início da auditoria.
d) o planejamento inclui a consideração da época de certas atividades
e procedimentos de auditoria que devem ser concluídos antes da
realização de procedimentos adicionais de auditoria.
Auditoria Contábil
A seção de “Aplicação e outros materiais explicativos” da NBC TA 300 -
Planejamento da Auditoria de Demonstrações Contábeis, diz:
A1. A natureza e a extensão das atividades de planejamento variam conforme o
porte e a complexidade da entidade...
A2. Planejamento não é uma fase isolada da auditoria, mas um processo
contínuo e iterativo, que muitas vezes começa logo após (ou em conexão com)
a conclusão da auditoria anterior, continuando até a conclusão do trabalho de
auditoria atual.
A3. O auditor pode optar por discutir esses elementos do planejamento com a
administração da entidade, de forma a facilitar a condução e o gerenciamento
do trabalho de auditoria... (desde que não comprometa o processo)
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
Auditoria Contábil
GABARITO:
c) o planejamento como atividade principal é uma fase inicial e
isolada da auditoria e que inicia e termina no início da
auditoria.
Auditoria Contábil
De acordo com a NBC TA 530 - Amostragem em Auditoria, em relação
à definição da amostra, tamanho e seleção dos itens para teste em
Auditoria Independente, é INCORRETO afirmar que:
8ª QUESTÃO - Exame 2012.2 (44)
Auditoria Contábil
a) a amostragem de auditoria permite que o auditor obtenha e avalie a
evidência de auditoria em relação a algumas características dos
itens selecionados de modo a concluir, ou ajudar a concluir sobre a
população da qual a amostra é retirada.
b) ao definir uma amostra de auditoria, o auditor deve considerar a
finalidade do procedimento de auditoria e as características da
população da qual será retirada a amostra.
Auditoria Contábil
c) o auditor deve selecionar itens para a amostragem, de forma que
cada unidade de amostragem da população tenha a mesma chance
de ser selecionada.
d) o nível de risco de amostragem que o auditor está disposto a aceitar
é afetado pelo tamanho da amostra exigido. Quanto maior o risco
que o auditor está disposto a aceitar, maior deve ser o tamanho da
amostra a ser efetuada.
Auditoria Contábil
NBC TA 530 - Amostragem em Auditoria
REQUISITOS:
Definição da amostra: considera a finalidade do procedimento e as
características da população.
Tamanho da amostra: deve ser suficiente para reduzir o risco de
amostragem a um nível mínimo razoável.
Seleção dos itens: de modo que cada unidade de amostragem da
população tenha a mesma chance de ser selecionada.
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
Auditoria Contábil
NBC TA 530 - Amostragem em Auditoria
TAMANHO DA AMOSTRA:
“O nível de risco de amostragem que o auditor está disposto a aceitar
afeta o tamanho da amostra exigido. Quanto menor o risco que o
auditor está disposto a aceitar, maior deve ser o tamanho da amostra.”
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
Auditoria Contábil
GABARITO:
d) o nível de risco de amostragem que o auditor está disposto a
aceitar é afetado pelo tamanho da amostra exigido. Quanto
maior o risco que o auditor está disposto a aceitar, maior deve
ser o tamanho da amostra a ser efetuada.
Auditoria Contábil
De acordo com a NBC TA 706 - Parágrafos de Ênfase e Parágrafos de
Outros Assuntos, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou
Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA.
9ª QUESTÃO - Exame 2012.2 (45)
Auditoria Contábil
I. O auditor deverá incluir o parágrafo de ênfase antes do parágrafo
de opinião em seu relatório.
II. Ao incluir parágrafo de ênfase, o auditor deverá usar o título
“Ênfase” ou outro título apropriado.
III. O auditor deverá incluir no parágrafo de ênfase uma referência
clara ao assunto enfatizado e à nota explicativa que descreva de
forma completa o assunto nas demonstrações contábeis.
Auditoria Contábil
NBC TA 706 - PARÁGRAFOS DE ÊNFASE E PARÁGRAFOS DE OUTROS ASSUNTOS
NO RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE
Parágrafo de ênfase é o parágrafo incluído no relatório do auditor referente a um
assunto apropriadamente apresentado ou divulgado nas demonstrações
contábeis que, de acordo com o julgamento do auditor, é de tal importância que é
fundamental para o entendimento pelos usuários das demonstrações contábeis.
Parágrafo de outros assuntos é o parágrafo incluído no relatório do auditor que
se refere a um assunto não apresentado ou não divulgado nas demonstrações
contábeis e que, de acordo com o julgamento do auditor, é relevante para os
usuários entenderem a auditoria, as responsabilidades do auditor ou o seu
relatório.
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
Auditoria Contábil
Quando o auditor incluir um parágrafo de ênfase no seu relatório, ele deve:
(a) incluir o parágrafo em seção separada do relatório do auditor, com título
apropriado que inclua o termo “Ênfase”;
(b) incluir no parágrafo uma referência clara ao assunto enfatizado e à nota
explicativa que descreva de forma completa o assunto nas demonstrações
contábeis. Tal parágrafo deve referir-se apenas a informações
apresentadas ou divulgadas nas demonstrações contábeis; e
(c) indicar que a opinião do auditor não se modifica no que diz respeito ao
assunto enfatizado.
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
Auditoria Contábil
A localização do parágrafo de ênfase ou do parágrafo de outros assuntos no
relatório do auditor depende da natureza das informações a serem comunicadas
e do julgamento do auditor sobre a relevância dessas informações para os
usuários previstos em comparação com outros elementos que devam ser
incluídos no relatório, de acordo com a NBC TA 700. Por exemplo (Ênfase):
Quando o parágrafo de ênfase se refere à estrutura de relatório financeiro
aplicável, incluindo circunstâncias em que o auditor determina que a estrutura de
relatório financeiro prescrita por lei ou regulamento seria de outra forma
inaceitável, o auditor pode considerar necessário incluir o parágrafo
imediatamente após a seção “Base para opinião” para fornecer o contexto
apropriado à opinião do auditor.
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
Auditoria Contábil
Quando a seção “Principais assuntos de auditoria” é apresentada no relatório do
auditor, um parágrafo de ênfase pode ser apresentado antes ou depois dessa
seção, com base no julgamento do auditor quanto a relevância dessas
informações incluídas no parágrafo de ênfase. O auditor pode também adicionar
algum contexto ao título “Ênfase”, como “Ênfase – Evento subsequente”, para
diferenciar o parágrafo de ênfase dos assuntos individuais descritos na seção
“Principais assuntos de auditoria”.
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
Auditoria Contábil
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
Estrutura do relatório do auditor independente (NBC TA 700 e NBC TA 706)
Título
Destinatário
Opinião do auditor
A primeira seção do relatório do auditor deve incluir a opinião do auditor independente.
Base para opinião
Continuidade operacional (se aplicável)
Ênfase (se aplicável)
Principais assuntos de auditoria (se aplicável)
Outros assuntos (se aplicável)
Outras informações que acompanham as demonstrações contábeis e o relatório do auditor (se aplicável)
Responsabilidades da administração e da governança pelas demonstrações contábeis
Responsabilidades do auditor pela auditoria das demonstrações contábeis
Auditoria Contábil
GABARITO:
A sequência CORRETA é:
a) F, F, V.
b) F, V, F.
c) F, V, V.
d) V, V, V.
Auditoria Contábil
EXAME DE SUFICIÊNCIA - 2013.1 - FBC
(Fundação Brasileira de Contabilidade)
Auditoria Contábil
O Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações
Financeiras de uma empresa apresentou o seguinte parágrafo:
Conforme descrito na nota explicativa 2.1, as demonstrações financeiras
individuais foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis
adotadas no Brasil. No caso da Empresa, essas práticas diferem das IFRS,
aplicáveis às demonstrações financeiras separadas, somente no que se
refere à avaliação dos investimentos em controladas e associadas pelo
método de equivalência patrimonial, enquanto que para fins de IFRS
seria custo ou valor justo. Nossa opinião não está ressalvada em função
desse assunto.
10ª QUESTÃO - Exame 2013.1 (39)
Auditoria Contábil
O texto apresentado pode ser identificado, de acordo com as Normas
Brasileiras de Contabilidade aplicadas à Auditoria, como parágrafo de:
a) Ênfase.
b) Opinião com ressalva.
c) Opinião.
d) Outros assuntos.
Auditoria Contábil
Conforme descrito na NBC TA 700: a opinião do auditor deve estar na
primeira seção do relatório do auditor.
A seção “Opinião” do relatório do auditor também deve: (a) identificar
a entidade cujas demonstrações contábeis foram auditadas; (b)
afirmar que as demonstrações contábeis foram auditadas; (c)
identificar o título de cada demonstração que compõe as
demonstrações contábeis; (d) fazer referência às notas explicativas,
incluindo o resumo das principais políticas contábeis; e (e) especificar a
data ou o período de cada demonstração que compõe as
demonstrações contábeis.
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
Auditoria Contábil
NBC TA 706 - PARÁGRAFOS DE ÊNFASE E PARÁGRAFOS DE OUTROS ASSUNTOS
NO RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE
Parágrafo de ênfase é o parágrafo incluído no relatório do auditor referente a um
assunto apropriadamente apresentado ou divulgado nas demonstrações
contábeis que, de acordo com o julgamento do auditor, é de tal importância que é
fundamental para o entendimento pelos usuários das demonstrações contábeis.
Parágrafo de outros assuntos é o parágrafo incluído no relatório do auditor que
se refere a um assunto não apresentado ou não divulgado nas demonstrações
contábeis e que, de acordo com o julgamento do auditor, é relevante para os
usuários entenderem a auditoria, as responsabilidades do auditor ou o seu
relatório.
COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
Auditoria Contábil
OBRIGADO!
Auditoria Contábil
GABARITO:
a) Ênfase.
b) Opinião com ressalva.
c) Opinião.
d) Outros assuntos.
Auditoria Contábil
Acesse o portal para rever esta aula.
http://portal.estacio.br/qualifica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila
ApostilaApostila
Apostila
Marina Hilst
 
EXAME-PARTE-II
EXAME-PARTE-IIEXAME-PARTE-II
EXAME-PARTE-II
Neon Online
 
Contabilidade i exercicio 01 conceitos bens direitos obrigações
Contabilidade i   exercicio 01 conceitos bens direitos obrigaçõesContabilidade i   exercicio 01 conceitos bens direitos obrigações
Contabilidade i exercicio 01 conceitos bens direitos obrigações
apostilacontabil
 
exame suficiência bacharel ciências contábeis
exame suficiência bacharel ciências contábeisexame suficiência bacharel ciências contábeis
exame suficiência bacharel ciências contábeis
Neon Online
 
1000 exercicios de contabilidade com gabarito
1000 exercicios de contabilidade com gabarito1000 exercicios de contabilidade com gabarito
1000 exercicios de contabilidade com gabarito
Silvano Oliveira
 
200 questões comentadas contabilidade geral fcc
200 questões comentadas contabilidade geral   fcc200 questões comentadas contabilidade geral   fcc
200 questões comentadas contabilidade geral fcc
Higor Silva
 
Caderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-iiCaderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-ii
Daniele Lopes de Souza
 
6033 questoes objetivas
6033 questoes objetivas6033 questoes objetivas
6033 questoes objetivas
Marcello Noronha
 
Exercicios contabeis 03
Exercicios contabeis 03Exercicios contabeis 03
Exercicios contabeis 03
zeramento contabil
 
Classifique os custos 05
Classifique os custos 05Classifique os custos 05
Classifique os custos 05
zeramento contabil
 
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Princípios de Contabilidade e NBC
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Princípios de Contabilidade e NBCTurma Qualifica CFC 2017.2 - Princípios de Contabilidade e NBC
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Princípios de Contabilidade e NBC
Marta Chaves
 
Apostila contabilidade mod.i
Apostila contabilidade mod.iApostila contabilidade mod.i
Apostila contabilidade mod.i
simuladocontabil
 
Apostila contabilidade geral 133 exercicios resolvidos
Apostila contabilidade geral 133 exercicios resolvidosApostila contabilidade geral 133 exercicios resolvidos
Apostila contabilidade geral 133 exercicios resolvidos
dudu_rosa
 
Contabilidade topicos avançados 10
Contabilidade topicos avançados 10Contabilidade topicos avançados 10
Contabilidade topicos avançados 10
J M
 
Apostila contabilidade exercicios
Apostila contabilidade exerciciosApostila contabilidade exercicios
Apostila contabilidade exercicios
apostilacontabil
 
Balancetes e razonetes cap 05
Balancetes e razonetes cap 05Balancetes e razonetes cap 05
Balancetes e razonetes cap 05
zeramento contabil
 
Exercicios contabilidade exercicioscap 1
Exercicios contabilidade exercicioscap 1Exercicios contabilidade exercicioscap 1
Exercicios contabilidade exercicioscap 1
capitulocontabil
 
Contabilidade geral ii exercicios cap 1_depreciacao
Contabilidade geral ii exercicios cap 1_depreciacaoContabilidade geral ii exercicios cap 1_depreciacao
Contabilidade geral ii exercicios cap 1_depreciacao
capitulocontabil
 
Contabilidade geral i cap 11 gabarito - pfc
Contabilidade geral i cap 11   gabarito - pfcContabilidade geral i cap 11   gabarito - pfc
Contabilidade geral i cap 11 gabarito - pfc
gabaritocontabil
 
Prova Comentada Contabilidade Geral TCE-CE
Prova Comentada Contabilidade Geral TCE-CEProva Comentada Contabilidade Geral TCE-CE
Prova Comentada Contabilidade Geral TCE-CE
Estratégia Concursos
 

Mais procurados (20)

Apostila
ApostilaApostila
Apostila
 
EXAME-PARTE-II
EXAME-PARTE-IIEXAME-PARTE-II
EXAME-PARTE-II
 
Contabilidade i exercicio 01 conceitos bens direitos obrigações
Contabilidade i   exercicio 01 conceitos bens direitos obrigaçõesContabilidade i   exercicio 01 conceitos bens direitos obrigações
Contabilidade i exercicio 01 conceitos bens direitos obrigações
 
exame suficiência bacharel ciências contábeis
exame suficiência bacharel ciências contábeisexame suficiência bacharel ciências contábeis
exame suficiência bacharel ciências contábeis
 
1000 exercicios de contabilidade com gabarito
1000 exercicios de contabilidade com gabarito1000 exercicios de contabilidade com gabarito
1000 exercicios de contabilidade com gabarito
 
200 questões comentadas contabilidade geral fcc
200 questões comentadas contabilidade geral   fcc200 questões comentadas contabilidade geral   fcc
200 questões comentadas contabilidade geral fcc
 
Caderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-iiCaderno de-exercicios-contab-ii
Caderno de-exercicios-contab-ii
 
6033 questoes objetivas
6033 questoes objetivas6033 questoes objetivas
6033 questoes objetivas
 
Exercicios contabeis 03
Exercicios contabeis 03Exercicios contabeis 03
Exercicios contabeis 03
 
Classifique os custos 05
Classifique os custos 05Classifique os custos 05
Classifique os custos 05
 
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Princípios de Contabilidade e NBC
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Princípios de Contabilidade e NBCTurma Qualifica CFC 2017.2 - Princípios de Contabilidade e NBC
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Princípios de Contabilidade e NBC
 
Apostila contabilidade mod.i
Apostila contabilidade mod.iApostila contabilidade mod.i
Apostila contabilidade mod.i
 
Apostila contabilidade geral 133 exercicios resolvidos
Apostila contabilidade geral 133 exercicios resolvidosApostila contabilidade geral 133 exercicios resolvidos
Apostila contabilidade geral 133 exercicios resolvidos
 
Contabilidade topicos avançados 10
Contabilidade topicos avançados 10Contabilidade topicos avançados 10
Contabilidade topicos avançados 10
 
Apostila contabilidade exercicios
Apostila contabilidade exerciciosApostila contabilidade exercicios
Apostila contabilidade exercicios
 
Balancetes e razonetes cap 05
Balancetes e razonetes cap 05Balancetes e razonetes cap 05
Balancetes e razonetes cap 05
 
Exercicios contabilidade exercicioscap 1
Exercicios contabilidade exercicioscap 1Exercicios contabilidade exercicioscap 1
Exercicios contabilidade exercicioscap 1
 
Contabilidade geral ii exercicios cap 1_depreciacao
Contabilidade geral ii exercicios cap 1_depreciacaoContabilidade geral ii exercicios cap 1_depreciacao
Contabilidade geral ii exercicios cap 1_depreciacao
 
Contabilidade geral i cap 11 gabarito - pfc
Contabilidade geral i cap 11   gabarito - pfcContabilidade geral i cap 11   gabarito - pfc
Contabilidade geral i cap 11 gabarito - pfc
 
Prova Comentada Contabilidade Geral TCE-CE
Prova Comentada Contabilidade Geral TCE-CEProva Comentada Contabilidade Geral TCE-CE
Prova Comentada Contabilidade Geral TCE-CE
 

Semelhante a Qualifica CFC Estácio Auditoria

153021281 auditoria-aulas-pdf
153021281 auditoria-aulas-pdf153021281 auditoria-aulas-pdf
153021281 auditoria-aulas-pdf
Lucas Ferreira
 
Auditoria atualizado
Auditoria atualizadoAuditoria atualizado
Auditoria atualizado
fontouramail
 
Apresentacao auditoria em destaque
Apresentacao auditoria em destaqueApresentacao auditoria em destaque
Apresentacao auditoria em destaque
Siqueira & Associados Auditores Independentes
 
Nbc 320
Nbc 320Nbc 320
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
Ptx Bsb
 
Prova Bacharel 2 semestre 2015
Prova Bacharel 2 semestre 2015Prova Bacharel 2 semestre 2015
Prova Bacharel 2 semestre 2015
Oscar Lopes da Silva
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 15 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 15 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 15 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 15 cathedra
cathedracontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 15 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 15 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 15 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 15 cathedra
contacontabil
 
Auditoria Contábil
Auditoria ContábilAuditoria Contábil
Auditoria Contábil
Antonio Quirino
 
Demonstrações Contábeis ChildFund Brasil 2016
Demonstrações Contábeis ChildFund Brasil 2016Demonstrações Contábeis ChildFund Brasil 2016
Demonstrações Contábeis ChildFund Brasil 2016
ChildFund Brasil - Fundo para Crianças
 
A auditoria
A auditoriaA auditoria
A auditoria
Ricardo Grião
 
Cbc,+xii congresso artigo_0298 (1)
Cbc,+xii congresso artigo_0298 (1)Cbc,+xii congresso artigo_0298 (1)
Cbc,+xii congresso artigo_0298 (1)
AlmiroBoavidaNhancal
 
01 fundamentos de auditoria - 1
01   fundamentos de auditoria - 101   fundamentos de auditoria - 1
01 fundamentos de auditoria - 1
jsrodolfo
 
Dicionário de Auditoria
Dicionário de AuditoriaDicionário de Auditoria
Dicionário de Auditoria
Superprovas Software
 
NBC TR 2410 - Revisão de Informações Intermediárias Executada pelo Auditor
NBC TR 2410 - Revisão de Informações Intermediárias Executada pelo AuditorNBC TR 2410 - Revisão de Informações Intermediárias Executada pelo Auditor
NBC TR 2410 - Revisão de Informações Intermediárias Executada pelo Auditor
Moore Stephens Brasil
 
Técnicas E Procedimentos De Auditoria
Técnicas E Procedimentos De AuditoriaTécnicas E Procedimentos De Auditoria
Técnicas E Procedimentos De Auditoria
Marlon de Freitas
 
Auditoria por ahmed_sameer
Auditoria por ahmed_sameerAuditoria por ahmed_sameer
Auditoria por ahmed_sameer
Cornélio Khim Come
 
Contabilidade decifrada 08
Contabilidade decifrada 08Contabilidade decifrada 08
Contabilidade decifrada 08
simuladocontabil
 
Auditoria Fase I do BDPO - Vitor Pêgo Hottum
Auditoria Fase I do BDPO - Vitor Pêgo HottumAuditoria Fase I do BDPO - Vitor Pêgo Hottum
Auditoria Fase I do BDPO - Vitor Pêgo Hottum
CNseg
 
Slides auditoria crepaldi
Slides auditoria   crepaldiSlides auditoria   crepaldi
Slides auditoria crepaldi
Percione B V Soares
 

Semelhante a Qualifica CFC Estácio Auditoria (20)

153021281 auditoria-aulas-pdf
153021281 auditoria-aulas-pdf153021281 auditoria-aulas-pdf
153021281 auditoria-aulas-pdf
 
Auditoria atualizado
Auditoria atualizadoAuditoria atualizado
Auditoria atualizado
 
Apresentacao auditoria em destaque
Apresentacao auditoria em destaqueApresentacao auditoria em destaque
Apresentacao auditoria em destaque
 
Nbc 320
Nbc 320Nbc 320
Nbc 320
 
Auditoria
AuditoriaAuditoria
Auditoria
 
Prova Bacharel 2 semestre 2015
Prova Bacharel 2 semestre 2015Prova Bacharel 2 semestre 2015
Prova Bacharel 2 semestre 2015
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 15 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 15 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 15 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 15 cathedra
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 15 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 15 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 15 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 15 cathedra
 
Auditoria Contábil
Auditoria ContábilAuditoria Contábil
Auditoria Contábil
 
Demonstrações Contábeis ChildFund Brasil 2016
Demonstrações Contábeis ChildFund Brasil 2016Demonstrações Contábeis ChildFund Brasil 2016
Demonstrações Contábeis ChildFund Brasil 2016
 
A auditoria
A auditoriaA auditoria
A auditoria
 
Cbc,+xii congresso artigo_0298 (1)
Cbc,+xii congresso artigo_0298 (1)Cbc,+xii congresso artigo_0298 (1)
Cbc,+xii congresso artigo_0298 (1)
 
01 fundamentos de auditoria - 1
01   fundamentos de auditoria - 101   fundamentos de auditoria - 1
01 fundamentos de auditoria - 1
 
Dicionário de Auditoria
Dicionário de AuditoriaDicionário de Auditoria
Dicionário de Auditoria
 
NBC TR 2410 - Revisão de Informações Intermediárias Executada pelo Auditor
NBC TR 2410 - Revisão de Informações Intermediárias Executada pelo AuditorNBC TR 2410 - Revisão de Informações Intermediárias Executada pelo Auditor
NBC TR 2410 - Revisão de Informações Intermediárias Executada pelo Auditor
 
Técnicas E Procedimentos De Auditoria
Técnicas E Procedimentos De AuditoriaTécnicas E Procedimentos De Auditoria
Técnicas E Procedimentos De Auditoria
 
Auditoria por ahmed_sameer
Auditoria por ahmed_sameerAuditoria por ahmed_sameer
Auditoria por ahmed_sameer
 
Contabilidade decifrada 08
Contabilidade decifrada 08Contabilidade decifrada 08
Contabilidade decifrada 08
 
Auditoria Fase I do BDPO - Vitor Pêgo Hottum
Auditoria Fase I do BDPO - Vitor Pêgo HottumAuditoria Fase I do BDPO - Vitor Pêgo Hottum
Auditoria Fase I do BDPO - Vitor Pêgo Hottum
 
Slides auditoria crepaldi
Slides auditoria   crepaldiSlides auditoria   crepaldi
Slides auditoria crepaldi
 

Mais de Marta Chaves

Qualifica CFC Estácio Tópicos Contemporâneos em Contabilidade
Qualifica CFC Estácio Tópicos Contemporâneos em ContabilidadeQualifica CFC Estácio Tópicos Contemporâneos em Contabilidade
Qualifica CFC Estácio Tópicos Contemporâneos em Contabilidade
Marta Chaves
 
Qualifica CFC Estácio Controladoria
Qualifica CFC Estácio ControladoriaQualifica CFC Estácio Controladoria
Qualifica CFC Estácio Controladoria
Marta Chaves
 
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade de Custos
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade de CustosTurma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade de Custos
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade de Custos
Marta Chaves
 
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Métodos Quantitativos aplicados a Contabilidade
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Métodos Quantitativos aplicados a ContabilidadeTurma Qualifica CFC 2017.2 - Métodos Quantitativos aplicados a Contabilidade
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Métodos Quantitativos aplicados a Contabilidade
Marta Chaves
 
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade Geral
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade GeralTurma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade Geral
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade Geral
Marta Chaves
 
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Legislação e Ética Profissional
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Legislação e Ética ProfissionalTurma Qualifica CFC 2017.2 - Legislação e Ética Profissional
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Legislação e Ética Profissional
Marta Chaves
 
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Matemática Financeira
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Matemática FinanceiraQualifica CFC 2017.2 Estácio - Matemática Financeira
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Matemática Financeira
Marta Chaves
 
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Teoria da Contabilidade
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Teoria da ContabilidadeQualifica CFC 2017.2 Estácio - Teoria da Contabilidade
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Teoria da Contabilidade
Marta Chaves
 
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Noções de Direito
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Noções de DireitoQualifica CFC 2017.2 Estácio - Noções de Direito
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Noções de Direito
Marta Chaves
 
Qualifica CFC 2017.2 Estácio Língua portuguesa
Qualifica CFC 2017.2 Estácio Língua portuguesaQualifica CFC 2017.2 Estácio Língua portuguesa
Qualifica CFC 2017.2 Estácio Língua portuguesa
Marta Chaves
 
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Perícia
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Perícia Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Perícia
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Perícia
Marta Chaves
 

Mais de Marta Chaves (11)

Qualifica CFC Estácio Tópicos Contemporâneos em Contabilidade
Qualifica CFC Estácio Tópicos Contemporâneos em ContabilidadeQualifica CFC Estácio Tópicos Contemporâneos em Contabilidade
Qualifica CFC Estácio Tópicos Contemporâneos em Contabilidade
 
Qualifica CFC Estácio Controladoria
Qualifica CFC Estácio ControladoriaQualifica CFC Estácio Controladoria
Qualifica CFC Estácio Controladoria
 
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade de Custos
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade de CustosTurma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade de Custos
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade de Custos
 
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Métodos Quantitativos aplicados a Contabilidade
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Métodos Quantitativos aplicados a ContabilidadeTurma Qualifica CFC 2017.2 - Métodos Quantitativos aplicados a Contabilidade
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Métodos Quantitativos aplicados a Contabilidade
 
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade Geral
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade GeralTurma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade Geral
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Contabilidade Geral
 
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Legislação e Ética Profissional
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Legislação e Ética ProfissionalTurma Qualifica CFC 2017.2 - Legislação e Ética Profissional
Turma Qualifica CFC 2017.2 - Legislação e Ética Profissional
 
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Matemática Financeira
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Matemática FinanceiraQualifica CFC 2017.2 Estácio - Matemática Financeira
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Matemática Financeira
 
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Teoria da Contabilidade
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Teoria da ContabilidadeQualifica CFC 2017.2 Estácio - Teoria da Contabilidade
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Teoria da Contabilidade
 
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Noções de Direito
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Noções de DireitoQualifica CFC 2017.2 Estácio - Noções de Direito
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Noções de Direito
 
Qualifica CFC 2017.2 Estácio Língua portuguesa
Qualifica CFC 2017.2 Estácio Língua portuguesaQualifica CFC 2017.2 Estácio Língua portuguesa
Qualifica CFC 2017.2 Estácio Língua portuguesa
 
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Perícia
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Perícia Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Perícia
Qualifica CFC 2017.2 Estácio - Perícia
 

Último

Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 

Qualifica CFC Estácio Auditoria

  • 3. Auditoria Contábil EXAME DE SUFICIÊNCIA - 2017.1 - FBC (Fundação Brasileira de Contabilidade)
  • 4. Auditoria Contábil De acordo com a NBC TA 530 - AMOSTRAGEM EM AUDITORIA, em relação ao efeito de alguns fatores no tamanho da amostra para testes de detalhes, julgue os itens a seguir como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 1ª QUESTÃO - Exame 2017.1 (45)
  • 5. Auditoria Contábil I. Quanto mais o auditor confia em outros procedimentos substantivos para reduzir a um nível aceitável o risco de detecção relacionado com uma população em particular, mais segurança o auditor precisa da amostragem e, portanto, maior deve ser o tamanho da amostra. II. Quanto maior for o valor da distorção que o auditor espera encontrar na população, maior deve ser o tamanho da amostra para se fazer uma estimativa razoável do valor real de distorção na população III. Quanto menor for a distorção tolerável, maior precisa ser o tamanho da amostra.
  • 6. Auditoria Contábil NBC TA 530 - Amostragem em Auditoria REQUISITOS: Definição da amostra: considera a finalidade do procedimento e as características da população. Tamanho da amostra: deve ser suficiente para reduzir o risco de amostragem a um nível mínimo razoável. Seleção dos itens: de modo que cada unidade de amostragem da população tenha a mesma chance de ser selecionada. COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
  • 7. Auditoria Contábil NBC TA 530 - Amostragem em Auditoria TAMANHO DA AMOSTRA: “O nível de risco de amostragem que o auditor está disposto a aceitar afeta o tamanho da amostra exigido. Quanto menor o risco que o auditor está disposto a aceitar, maior deve ser o tamanho da amostra.” COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
  • 8. Auditoria Contábil Apêndice 3 da NBC TA 530 - Amostragem em Auditoria: Exemplos de fatores que influenciam o tamanho da amostra para os testes de detalhes. FATOR: Aumento no uso de outros procedimentos substantivos direcionados à mesma afirmação. EFEITO NO TAMANHO DA AMOSTRA: Redução “Quanto mais o auditor confia em outros procedimentos substantivos (testes de detalhes ou procedimentos analíticos substantivos) para reduzir a um nível aceitábel o risco de detecção relacionado com uma população em particular, menos segurança precisa da amostragem e, portanto, menor pode ser o tamanho da amostra.” COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
  • 9. Auditoria Contábil FATOR: Aumento na distorção tolerável (materialidade) EFEITO NO TAMANHO DA AMOSTRA: Redução “Quanto menor for a distorção tolerável, maior o tamanho da amostra…” FATOR: Aumento no valor da distorção que o auditor espera encontrar EFEITO NO TAMANHO DA AMOSTRA: Aumento “Quanto maior for o valor da distorção que o auditor espera encontrar na população, maior deve ser o tamanho da amostra para se fazer uma estimativa razoável do valor real de distorção na população. Os fatores relevantes para a consideração do auditor… incluem… os resultados de outras avaliações (de riscos, testes de controles, avaliações de anos anteriores, procedimentos substantivos…)” COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
  • 10. Auditoria Contábil GABARITO: A sequência CORRETA é: a) F, F, F. b) F, V, V. c) V, F, F. d) V, V, V.
  • 11. Auditoria Contábil Considerando-se a NBC TA 700 - FORMAÇÃO DA OPINIÃO E EMISSÃO DO RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS e ainda o disposto na NBC TA 705 - MODIFICAÇÕES NA OPINIÃO DO AUDITOR INDEPENDENTE, quando o auditor concluir que as demonstrações contábeis foram elaboradas, em todos os aspectos relevantes, de acordo com a estrutura de relatório financeiro aplicável, ele deve: 2ª QUESTÃO - Exame 2017.1 (46)
  • 12. Auditoria Contábil a) modificar sua opinião. b) abster-se de emitir opinião. c) emitir opinião com ressalva. d) expressar uma opinião não modificada.
  • 13. Auditoria Contábil NBC TA 700 - FORMAÇÃO DA OPINIÃO E EMISSÃO DO RELATÓRIO “Estrutura de relatório financeiro para fins gerais é a estrutura de relatório financeiro elaborada para satisfazer às necessidades de informações financeiras comuns de ampla gama de usuários. A estrutura de relatório financeiro pode ser uma estrutura de apresentação adequada ou uma estrutura de conformidade.” “Opinião não modificada é a opinião expressa pelo auditor quando ele conclui que as demonstrações contábeis são elaboradas, em todos os aspectos relevantes, de acordo com a estrutura de relatório financeiro aplicável...” COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
  • 14. Auditoria Contábil O auditor deve expressar uma opinião não modificada quando concluir que as demonstrações contábeis são elaboradas, em todos os aspectos relevantes, de acordo com a estrutura de relatório financeiro aplicável. O auditor deve modificar sua opinião, de acordo com a NBC TA 705, se: (a) concluir, com base em evidência de auditoria obtida, que as demonstrações contábeis tomadas em conjunto apresentam distorções relevantes; ou (b) não conseguir obter evidência de auditoria apropriada e suficiente para concluir que as demonstrações contábeis tomadas em conjunto não apresentam distorções relevantes. COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
  • 15. Auditoria Contábil COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA: Opinião Não modificada Modificada Com ressalva Adversa Abstenção de opinião Opinião não modificada: quando conclui que as demonstrações contábeis são elaboradas, em todos os aspectos relevantes, de acordo...
  • 16. Auditoria Contábil COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA: No caso de Modificação:
  • 17. Auditoria Contábil GABARITO: a) modificar sua opinião. b) abster-se de emitir opinião. c) emitir opinião com ressalva. d) expressar uma opinião não modificada.
  • 18. Auditoria Contábil EXAME DE SUFICIÊNCIA - 2016.2 - FBC (Fundação Brasileira de Contabilidade)
  • 19. Auditoria Contábil O Departamento Jurídico de uma Sociedade Empresária forneceu ao Departamento de Contabilidade a relação dos processos em julgamento, conforme tabela a seguir. 3ª QUESTÃO - Exame 2016.2 (4)
  • 20. Auditoria Contábil Considerando-se apenas as condições estabelecidas na NBC TG 25 (R1) - PROVISÕES, PASSIVOS CONTINGENTES E ATIVOS CONTINGENTES e os dados da tabela apresentada, a Sociedade Empresária irá reconhecer como provisão, na contabilidade: a) os processos relativos a Insalubridade, a Hora Extra, a Danos Materiais e a Discussão da Constitucionalidade da Cofins, que totalizam R$5.520.000,00. b) os processos relativos a Insalubridade, a Hora Extra e a Discussão da constitucionalidade da Cofins, que totalizam R$4.820.000,00. c) os processos relativos a Hora Extra e a Discussão da Constitucionalidade da Cofins, que totalizam R$3.320.000,00. d) os processos relativos a Insalubridade e a Danos Materiais, que totalizam R$2.200.000,00
  • 21. Auditoria Contábil Provisão é um passivo de prazo ou de valor incertos. Passivo é uma obrigação presente da entidade, derivada de eventos já ocorridos, cuja liquidação se espera que resulte em saída de recursos da entidade... Ativo contingente é um ativo possível que resulta de eventos passados e cuja existência será confirmada apenas pela ocorrência ou não de um ou mais eventos futuros incertos não totalmente sob controle da entidade. COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA (CPC 25):
  • 22. Auditoria Contábil Passivo contingente é: (a) uma obrigação possível que resulta de eventos passados e cuja existência será confirmada apenas pela ocorrência ou não de um ou mais eventos futuros incertos não totalmente sob controle da entidade; ou (b) uma obrigação presente que resulta de eventos passados, mas que não é reconhecida porque: (i) não é provável que uma saída de recursos que incorporam benefícios econômicos seja exigida para liquidar a obrigação; ou (ii) o valor da obrigação não pode ser mensurado com suficiente confiabilidade. COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA (CPC 25):
  • 23. Auditoria Contábil Uma provisão deve ser reconhecida quando: (a) a entidade tem uma obrigação presente (legal ou não formalizada) como resultado de evento passado; (b) seja provável que será necessária uma saída de recursos que incorporam benefícios econômicos para liquidar a obrigação; (c) possa ser feita uma estimativa confiável do valor da obrigação. Se essas condições não forem satisfeitas, nenhuma provisão deve ser reconhecida. COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA (CPC 25):
  • 24. Auditoria Contábil Em casos raros não é claro se existe ou não uma obrigação presente. Nesses casos, presume-se que um evento passado dá origem a uma obrigação presente se, levando em consideração toda a evidência disponível, é mais provável que sim do que não que existe uma obrigação presente na data do balanço. COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA (CPC 25): Classificação: Probabilidade %: 0% 100% Possível 50% ProvávelRemota + provável que sim do que não
  • 25. Auditoria Contábil GABARITO: c) os processos relativos a Hora Extra e a Discussão da Constitucionalidade da Cofins, que totalizam R$3.320.000,00.
  • 26. Auditoria Contábil Uma equipe de Profissionais de Auditoria Independente foi contratada para auditar as Demonstrações Contábeis de uma Sociedade Empresária cuja atividade é a compra e venda de mercadorias. Ao realizar os procedimentos de auditoria no estoque de mercadorias, os Profissionais de Auditoria confeccionaram o seguinte papel de trabalho: 4ª QUESTÃO - Exame 2016.2 (44)
  • 27. Auditoria Contábil A quantidade inventariada corresponde exatamente à quantidade de mercadorias constantes no sistema informatizado de controle de estoques.
  • 28. Auditoria Contábil Após avaliar as informações evidenciadas no papel de trabalho e considerando- se que a empresa não havia realizado nenhum ajuste, os Profissionais de Auditoria devem requerer à Sociedade Empresária que faça um: a) ajuste equivalente ao aumento no montante de R$4.500,00, referente ao saldo do estoque da Mercadoria IV. b) ajuste equivalente à redução no montante de R$360,00, referente ao saldo do estoque da Mercadoria III. c) ajuste equivalente à redução no montante de R$300,00, referente ao saldo do estoque da Mercadoria II. d) ajuste equivalente ao aumento no montante de R$2.000,00, referente ao saldo do estoque da Mercadoria I.
  • 29. Auditoria Contábil Mensuração de estoque - conforme NBC TG 16 (R1) - Estoques Os estoques objeto deste Pronunciamento devem ser mensurados pelo valor de custo ou pelo valor realizável líquido, dos dois o menor. Valor realizável líquido é o preço de venda estimado no curso normal dos negócios deduzido dos custos estimados para sua conclusão e dos gastos estimados necessários para se concretizar a venda. COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA (CPC 16 (R1)):
  • 30. Auditoria Contábil COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA: Os estoques objeto deste Pronunciamento devem ser mensurados pelo valor de custo ou pelo valor realizável líquido, dos dois o menor. (A) (B) (B) - (A) Item Qtd. Custo Unit. Custo Total Valor Real. Líq. Diferenças Ajuste Aud. I 80 x 100,00R$ = 8.000,00R$ 10.000,00R$ R$ 2.000,00 II 15 x 120,00R$ = 1.800,00R$ 1.500,00R$ (R$ 300,00) (R$ 300,00) III 23 x 180,00R$ = 4.140,00R$ 4.500,00R$ R$ 360,00 IV 42 x 250,00R$ = 10.500,00R$ 15.000,00R$ R$ 4.500,00
  • 31. Auditoria Contábil GABARITO: c) ajuste equivalente à redução no montante de R$300,00, referente ao saldo do estoque da Mercadoria II.
  • 32. Auditoria Contábil Um auditor realizou trabalhos de auditoria contábil e obteve evidência de auditoria apropriada e suficiente. Detectou, todavia, que a entidade auditada não houvera conduzido os testes para determinação do Valor Realizável Líquido em seus Estoques, de acordo com o determinado pela NBC TG 16 (R1) - ESTOQUES. Apesar de seus questionamentos, os referidos testes seguiram sem realização. A sua análise o conduziu a concluir que a distorção é relevante, mas não generalizada nas Demonstrações Contábeis. 5ª QUESTÃO - Exame 2016.2 (45)
  • 33. Auditoria Contábil Quanto aos demais itens examinados, concluiu que, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa, bem como o desempenho consolidado de suas operações e os seus fluxos de caixa consolidados para o exercício findo estavam de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e as Normas Internacionais de Relatório Financeiro - IFRS emitidas pelo International Accounting Standards Board - IASB.
  • 34. Auditoria Contábil Diante apenas das informações apresentadas e de acordo com a NBC TA 700 - FORMAÇÃO DA OPINIÃO E EMISSÃO DO RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS e com a NBC TA 705 - MODIFICAÇÕES NA OPINIÃO DO AUDITOR INDEPENDENTE, deve o auditor: a) expressar uma opinião não modificada. b) expressar uma opinião com ressalva. c) expressar uma opinião adversa. d) abster-se de expressar uma opinião.
  • 35. Auditoria Contábil COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA: Opinião Não modificada Modificada Com ressalva Adversa Abstenção de opinião Opinião não modificada: quando conclui que as demonstrações contábeis são elaboradas, em todos os aspectos relevantes, de acordo...
  • 36. Auditoria Contábil COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA: No caso de Modificação (NBC TA 705):
  • 37. Auditoria Contábil GABARITO: b) expressar uma opinião com ressalva.
  • 38. Auditoria Contábil Uma Sociedade Empresária que atua no ramo de distribuição de bebidas efetua vendas aos seus clientes com a utilização de cobrança bancária para as vendas a prazo e recebimento das vendas à vista em dinheiro em sua sede. Os Auditores Independentes contratados para prestar os serviços de auditoria nessa Sociedade Empresária realizaram Teste de Controle no primeiro dia de trabalho, efetuando a contagem física do Caixa, e confeccionaram o seguinte papel de trabalho: 6ª QUESTÃO - Exame 2016.2 (46)
  • 40. Auditoria Contábil Considerando-se a NBC TA 330 - RESPOSTA DO AUDITOR AOS RISCOS AVALIADOS e aplicação do Teste de Controle, o resultado apurado foi: a) falta de Caixa no montante de R$11.500,00. b) sobra de Caixa no montante de R$16.500,00. c) falta de Caixa no montante de R$20.000,00. d) sobra de Caixa no montante de R$36.500,00.
  • 41. Auditoria Contábil COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA: Teste de inspeção: R$8.500 Teste de reexecu- ção: R$20.000
  • 42. Auditoria Contábil GABARITO: a) falta de Caixa no montante de R$11.500,00.
  • 43. Auditoria Contábil EXAME DE SUFICIÊNCIA - 2012.2 - FBC (Fundação Brasileira de Contabilidade)
  • 44. Auditoria Contábil Em relação ao papel e à época do planejamento de Auditoria estabelecido na NBC TA 300 - Planejamento da Auditoria de Demonstrações Contábeis, a etapa de planejamento deve considerar diversos fatos, EXCETO que: 7ª QUESTÃO - Exame 2012.2 (43)
  • 45. Auditoria Contábil a) a natureza e a extensão das atividades de planejamento variam conforme o porte e a complexidade da entidade. b) o auditor pode optar por discutir alguns elementos do planejamento da auditoria especificado na norma de auditoria com a administração da entidade, de forma a facilitar a condução e o gerenciamento do trabalho de auditoria. c) o planejamento como atividade principal é uma fase inicial e isolada da auditoria e que inicia e termina no início da auditoria. d) o planejamento inclui a consideração da época de certas atividades e procedimentos de auditoria que devem ser concluídos antes da realização de procedimentos adicionais de auditoria.
  • 46. Auditoria Contábil A seção de “Aplicação e outros materiais explicativos” da NBC TA 300 - Planejamento da Auditoria de Demonstrações Contábeis, diz: A1. A natureza e a extensão das atividades de planejamento variam conforme o porte e a complexidade da entidade... A2. Planejamento não é uma fase isolada da auditoria, mas um processo contínuo e iterativo, que muitas vezes começa logo após (ou em conexão com) a conclusão da auditoria anterior, continuando até a conclusão do trabalho de auditoria atual. A3. O auditor pode optar por discutir esses elementos do planejamento com a administração da entidade, de forma a facilitar a condução e o gerenciamento do trabalho de auditoria... (desde que não comprometa o processo) COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
  • 47. Auditoria Contábil GABARITO: c) o planejamento como atividade principal é uma fase inicial e isolada da auditoria e que inicia e termina no início da auditoria.
  • 48. Auditoria Contábil De acordo com a NBC TA 530 - Amostragem em Auditoria, em relação à definição da amostra, tamanho e seleção dos itens para teste em Auditoria Independente, é INCORRETO afirmar que: 8ª QUESTÃO - Exame 2012.2 (44)
  • 49. Auditoria Contábil a) a amostragem de auditoria permite que o auditor obtenha e avalie a evidência de auditoria em relação a algumas características dos itens selecionados de modo a concluir, ou ajudar a concluir sobre a população da qual a amostra é retirada. b) ao definir uma amostra de auditoria, o auditor deve considerar a finalidade do procedimento de auditoria e as características da população da qual será retirada a amostra.
  • 50. Auditoria Contábil c) o auditor deve selecionar itens para a amostragem, de forma que cada unidade de amostragem da população tenha a mesma chance de ser selecionada. d) o nível de risco de amostragem que o auditor está disposto a aceitar é afetado pelo tamanho da amostra exigido. Quanto maior o risco que o auditor está disposto a aceitar, maior deve ser o tamanho da amostra a ser efetuada.
  • 51. Auditoria Contábil NBC TA 530 - Amostragem em Auditoria REQUISITOS: Definição da amostra: considera a finalidade do procedimento e as características da população. Tamanho da amostra: deve ser suficiente para reduzir o risco de amostragem a um nível mínimo razoável. Seleção dos itens: de modo que cada unidade de amostragem da população tenha a mesma chance de ser selecionada. COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
  • 52. Auditoria Contábil NBC TA 530 - Amostragem em Auditoria TAMANHO DA AMOSTRA: “O nível de risco de amostragem que o auditor está disposto a aceitar afeta o tamanho da amostra exigido. Quanto menor o risco que o auditor está disposto a aceitar, maior deve ser o tamanho da amostra.” COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
  • 53. Auditoria Contábil GABARITO: d) o nível de risco de amostragem que o auditor está disposto a aceitar é afetado pelo tamanho da amostra exigido. Quanto maior o risco que o auditor está disposto a aceitar, maior deve ser o tamanho da amostra a ser efetuada.
  • 54. Auditoria Contábil De acordo com a NBC TA 706 - Parágrafos de Ênfase e Parágrafos de Outros Assuntos, julgue os itens abaixo como Verdadeiros (V) ou Falsos (F) e, em seguida, assinale a opção CORRETA. 9ª QUESTÃO - Exame 2012.2 (45)
  • 55. Auditoria Contábil I. O auditor deverá incluir o parágrafo de ênfase antes do parágrafo de opinião em seu relatório. II. Ao incluir parágrafo de ênfase, o auditor deverá usar o título “Ênfase” ou outro título apropriado. III. O auditor deverá incluir no parágrafo de ênfase uma referência clara ao assunto enfatizado e à nota explicativa que descreva de forma completa o assunto nas demonstrações contábeis.
  • 56. Auditoria Contábil NBC TA 706 - PARÁGRAFOS DE ÊNFASE E PARÁGRAFOS DE OUTROS ASSUNTOS NO RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE Parágrafo de ênfase é o parágrafo incluído no relatório do auditor referente a um assunto apropriadamente apresentado ou divulgado nas demonstrações contábeis que, de acordo com o julgamento do auditor, é de tal importância que é fundamental para o entendimento pelos usuários das demonstrações contábeis. Parágrafo de outros assuntos é o parágrafo incluído no relatório do auditor que se refere a um assunto não apresentado ou não divulgado nas demonstrações contábeis e que, de acordo com o julgamento do auditor, é relevante para os usuários entenderem a auditoria, as responsabilidades do auditor ou o seu relatório. COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
  • 57. Auditoria Contábil Quando o auditor incluir um parágrafo de ênfase no seu relatório, ele deve: (a) incluir o parágrafo em seção separada do relatório do auditor, com título apropriado que inclua o termo “Ênfase”; (b) incluir no parágrafo uma referência clara ao assunto enfatizado e à nota explicativa que descreva de forma completa o assunto nas demonstrações contábeis. Tal parágrafo deve referir-se apenas a informações apresentadas ou divulgadas nas demonstrações contábeis; e (c) indicar que a opinião do auditor não se modifica no que diz respeito ao assunto enfatizado. COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
  • 58. Auditoria Contábil A localização do parágrafo de ênfase ou do parágrafo de outros assuntos no relatório do auditor depende da natureza das informações a serem comunicadas e do julgamento do auditor sobre a relevância dessas informações para os usuários previstos em comparação com outros elementos que devam ser incluídos no relatório, de acordo com a NBC TA 700. Por exemplo (Ênfase): Quando o parágrafo de ênfase se refere à estrutura de relatório financeiro aplicável, incluindo circunstâncias em que o auditor determina que a estrutura de relatório financeiro prescrita por lei ou regulamento seria de outra forma inaceitável, o auditor pode considerar necessário incluir o parágrafo imediatamente após a seção “Base para opinião” para fornecer o contexto apropriado à opinião do auditor. COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
  • 59. Auditoria Contábil Quando a seção “Principais assuntos de auditoria” é apresentada no relatório do auditor, um parágrafo de ênfase pode ser apresentado antes ou depois dessa seção, com base no julgamento do auditor quanto a relevância dessas informações incluídas no parágrafo de ênfase. O auditor pode também adicionar algum contexto ao título “Ênfase”, como “Ênfase – Evento subsequente”, para diferenciar o parágrafo de ênfase dos assuntos individuais descritos na seção “Principais assuntos de auditoria”. COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
  • 60. Auditoria Contábil COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA: Estrutura do relatório do auditor independente (NBC TA 700 e NBC TA 706) Título Destinatário Opinião do auditor A primeira seção do relatório do auditor deve incluir a opinião do auditor independente. Base para opinião Continuidade operacional (se aplicável) Ênfase (se aplicável) Principais assuntos de auditoria (se aplicável) Outros assuntos (se aplicável) Outras informações que acompanham as demonstrações contábeis e o relatório do auditor (se aplicável) Responsabilidades da administração e da governança pelas demonstrações contábeis Responsabilidades do auditor pela auditoria das demonstrações contábeis
  • 61. Auditoria Contábil GABARITO: A sequência CORRETA é: a) F, F, V. b) F, V, F. c) F, V, V. d) V, V, V.
  • 62. Auditoria Contábil EXAME DE SUFICIÊNCIA - 2013.1 - FBC (Fundação Brasileira de Contabilidade)
  • 63. Auditoria Contábil O Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras de uma empresa apresentou o seguinte parágrafo: Conforme descrito na nota explicativa 2.1, as demonstrações financeiras individuais foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. No caso da Empresa, essas práticas diferem das IFRS, aplicáveis às demonstrações financeiras separadas, somente no que se refere à avaliação dos investimentos em controladas e associadas pelo método de equivalência patrimonial, enquanto que para fins de IFRS seria custo ou valor justo. Nossa opinião não está ressalvada em função desse assunto. 10ª QUESTÃO - Exame 2013.1 (39)
  • 64. Auditoria Contábil O texto apresentado pode ser identificado, de acordo com as Normas Brasileiras de Contabilidade aplicadas à Auditoria, como parágrafo de: a) Ênfase. b) Opinião com ressalva. c) Opinião. d) Outros assuntos.
  • 65. Auditoria Contábil Conforme descrito na NBC TA 700: a opinião do auditor deve estar na primeira seção do relatório do auditor. A seção “Opinião” do relatório do auditor também deve: (a) identificar a entidade cujas demonstrações contábeis foram auditadas; (b) afirmar que as demonstrações contábeis foram auditadas; (c) identificar o título de cada demonstração que compõe as demonstrações contábeis; (d) fazer referência às notas explicativas, incluindo o resumo das principais políticas contábeis; e (e) especificar a data ou o período de cada demonstração que compõe as demonstrações contábeis. COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
  • 66. Auditoria Contábil NBC TA 706 - PARÁGRAFOS DE ÊNFASE E PARÁGRAFOS DE OUTROS ASSUNTOS NO RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE Parágrafo de ênfase é o parágrafo incluído no relatório do auditor referente a um assunto apropriadamente apresentado ou divulgado nas demonstrações contábeis que, de acordo com o julgamento do auditor, é de tal importância que é fundamental para o entendimento pelos usuários das demonstrações contábeis. Parágrafo de outros assuntos é o parágrafo incluído no relatório do auditor que se refere a um assunto não apresentado ou não divulgado nas demonstrações contábeis e que, de acordo com o julgamento do auditor, é relevante para os usuários entenderem a auditoria, as responsabilidades do auditor ou o seu relatório. COMENTÁRIOS SOBRE O TEMA:
  • 68. Auditoria Contábil GABARITO: a) Ênfase. b) Opinião com ressalva. c) Opinião. d) Outros assuntos.
  • 69. Auditoria Contábil Acesse o portal para rever esta aula. http://portal.estacio.br/qualifica