Slides auditoria crepaldi

9.068 visualizações

Publicada em

slides

Publicada em: Dados e análise
0 comentários
29 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.068
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
28
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
938
Comentários
0
Gostaram
29
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slides auditoria crepaldi

  1. 1. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 1 CAPA
  2. 2. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 2 A sociedade deseja a apresentação de demonstrações contábeis e divulgações adequadas e esclarecedoras à opinião pública.
  3. 3. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 3 O parecer dos auditores é o elemento fundamental na extensão que se traduz em sinônimo de confiabilidade às informações prestadas.
  4. 4. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 4 INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS:  Recursos gerados e aplicados;  Resultado operacional;  Variação patrimonial; Obedeceram a padrões usuais de medição?
  5. 5. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 5 RESPONSABILIDADE DA ADMINISTRAÇÃO  Analisar eventos e transações.  Medir e registrar dados de transações.  Classificar e resumir dados registrados.  Preparar demonstrações contábeis de acordo com os Princípios Fundamentais de Contabilidade.  Distribuir as demonstrações contábeis e parecer de auditor aos acionistas anualmente.
  6. 6. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 6 IMPORTÂNCIA DA AUDITORIA Valendo-se de normas e padrões de natureza técnica e ética, a auditoria torna- se um elemento fundamental:  no sistema de informações;  na medição de desempenho;  na prestação de contas da administração.
  7. 7. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 7 CONCEITO DE AUDITORIA CONTÁBIL O levantamento, estudo e avaliação sistemática das transações, procedimentos, operações, rotinas das demonstrações financeiras.  Objetiva mensurar a exatidão dos registros e das demonstrações contábeis.  Consiste em controlar áreas-chaves a fim de evitar situações que propiciem fraudes, desfalques e subornos.
  8. 8. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 8 APLICAÇÃO DA AUDITORIA CONTÁBIL Somente as empresas de auditoria contábil ou auditores contábeis independentes, registrados na Comissão de Valores Mobiliários poderão auditar as demonstrações financeiras de companhias abertas e das instituições, sociedades ou empresas que integram o sistema de distribuição e intermediação de valores mobiliários, art. 26, Lei 6.385/76. Também, terá sua demonstração auditada regularmente a empresa que:  Faturar mais que R$ 300 milhões por ano;  Possuir ativos superiores a R$ 240 milhões, Lei 11.638/2007.
  9. 9. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 9 REFLEXOS DA AUDITORIA SOBRE A RIQUEZA PATRIMONIAL  sob o aspecto administrativo: contribui para a redução de ineficiência, negligência, incapacidade e improbidade de empregados e administradores;  sob o aspecto patrimonial: possibilita melhor controle dos bens, direitos e obrigações que constituem o patrimônio;  sob o aspecto fiscal: é fator de mais rigoroso cumprimento das obrigações fiscais, resguardando o patrimônio contra multas;
  10. 10. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 10  sob o aspecto técnico: contribui para mais adequada utilização das contas, maior eficiência dos serviços contábeis, maior precisão das informações;  sob o aspecto financeiro: resguarda créditos de terceiros contra possíveis fraudes e dilapidações do patrimônio, permitindo maior controle dos recursos para fazer face a esses compromissos;  sob o aspecto econômico: assegura maior exatidão dos custos e veracidade dos resultados, na defesa do interesse dos investidores e titulares do patrimônio.
  11. 11. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 11 FILOSOFIA DA AUDITORIA Avaliar a política de sistema da empresa, em termos da adequação, comunicação, aceitação, aplicação e controle,  se é necessária na situação;  se contribui para atingir os objetivos da empresa;  se permite assegurar a correta utilização dos recursos da empresa, tanto de natureza financeira como, econômica e humana.
  12. 12. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 12 PAPEL DA AUDITORIA Ser útil tanto à empresa quanto aos investidores, que, por meio da análise das demonstrações financeiras, devidamente acompanhadas do parecer do auditor independente, podem eleger seguramente as empresas nas quais efetuarão aplicações de sua poupança pessoal em ações.
  13. 13. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 13 Abrange os seguintes aspectos:  Assessoria no planejamento tributário;  Controle das atividades e do patrimônio;  Atualização de executivos;  Avaliação de sistemas de informação;  Assessoria na área de controle;  Planos de reorganização;  Expansão de atividades.
  14. 14. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 14 NATUREZA DA AUDITORIA Determinar se as demonstrações e respectivos registros contábeis merecem ou não confiança, isto é, verificar se refletem, ou não, a situação patrimonial, assim como os resultados das operações que estão sendo examinadas.
  15. 15. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 15 PROCESSO DE ABORDAGEM  Determinar exatamente o que o conjunto de demonstrações pode representar.  Decidir os procedimentos aplicáveis para verificar a fidelidade dessas afirmações. A seleção das técnicas a serem aplicadas e dos procedimentos a serem seguidos é definida com o desenvolvimento de um programa.
  16. 16. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 16 A continuidade normal das atividades da entidade auditada compreende o período de 1 ano após a data das demonstrações contábeis.
  17. 17. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 17 A escolha do Auditor Independente nas Sociedades Anônimas é de competência do Conselho de Administração.
  18. 18. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 18 ASPECTOS ADMINISTRATIVOS E DE CONTROLE VANTAGENS PARA A ADMINISTRAÇÃO: Fiscaliza a eficiência dos controles internos; Assegura melhor correção dos registros contábeis; Opina sobre a adequação das demonstrações; Dificulta desvios de bens patrimoniais e pagamentos indevidos; Possibilita apuração de omissões no registro de receitas; Aponta falhas na organização administrativa e nos controles internos.
  19. 19. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 19 VANTAGENS PARA OS INVESTIDORES:  Contribui para maior exatidão das demonstrações contábeis;  Possibilita melhores informações sobre a real situação econômica, patrimonial e financeira das empresas;  Assegura maior exatidão dos resultados apurados.
  20. 20. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 20 VANTAGENS PARA O FISCO:  Permite maior exatidão das demonstrações contábeis;  Assegura maior exatidão dos resultados apurados;  Contribui para maior observância das leis fiscais.
  21. 21. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 21 MÉTODOS DE AUDITORIA Os métodos aplicados são: Pela retrospecção verificam-se os fatos passados já vividos, em fatos patrimoniais já sucedidos. A análise é o fator predominante, o que realmente caracteriza o método de realização do trabalho.
  22. 22. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 22 TIPOS DE AUDITORIA AUDITORIA DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. É o exame das demonstrações financeiras por um profissional independente com a finalidade de emitir parecer técnico sobre a sua finalidade.
  23. 23. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 23 AUDITORIA OPERACIONAL OU DE GESTÃO Consiste em revisões metódicas de:  programas,  organizações,  atividades ou segmentos operacionais dos setores público ou privado, com a finalidade de avaliar e comunicar se os recursos da organização estão sendo usados eficientemente e se estão sendo alcançados os objetivos operacionais.
  24. 24. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 24 Auditoria Tributária Objetiva:  o exame e a avaliação de planejamento tributário;  a eficiência e eficácia dos procedimentos e controles adotados para a operação;  pagamento e recuperação de impostos;  taxas e quaisquer outros ônus de natureza fisco-tributária que incidam nas operações, bens e documentos da empresa.
  25. 25. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 25 Auditoria de Sistemas Informatizados Compreende o exame e avaliação dos processos de planejamento, desenvolvimento, teste e sistemas aplicativos. Visa, também, ao exame e avaliação das estruturas lógica, física, ambiental, organizacional, de controle, segurança e proteção de determinados ativos, sistemas aplicativos, software e, notadamente, as informações, visando à qualidade de controles internos sistêmicos e de sua observância em todos os níveis gerenciais.
  26. 26. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 26 Auditoria de Compliance Quando se objetiva determinar se certas atividades financeiras ou operacionais de uma entidade obedecem às regras ou regulamentos que a elas se aplicam. A função de Compliance atua mais na fase de definições ou estabelecimento das normas, divulgação e treinamento e no acompanhamento das transações no dia a dia.
  27. 27. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 27 Auditorias Especiais Abrange a realização de trabalhos especiais de auditoria, não compreendidos na programação normativa da área, solicitados pelos membros dos Conselhos Administrativos, Fiscal, Diretoria ou determinados em legislação específica.
  28. 28. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 28 FUNÇÕES CONTÁBEIS Tanto os usuários externos quanto os internos necessitam de informações fidedignas, exatas, apresentadas honestamente e isentas de distorções. Para se ter essa confiabilidade, as informações devem ser examinadas por pessoas devidamente capacitadas, que não a encarregada de prepará-las, portanto, um Auditor.
  29. 29. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 29 De acordo com a Instrução CVM 308/99, a rotatividade na prestação de serviços de auditoria de demonstrações contábeis para a mesma entidade realizada por auditor independente deve ocorrer, no máximo, a cada cinco anos consecutivos, com intervalo mínimo de três anos para a sua recontratação.
  30. 30. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 30 OBRIGADO !
  31. 31. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 31
  32. 32. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 32 Existem duas classes fundamentais de auditoria, quanto ao processo indagativo:  Auditoria geral ou sintética – é a Auditoria Financeira, aplicada mais na auditoria de balanços.  Auditoria detalhada ou analítica – abrange o exame de todas as transações.
  33. 33. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 33 Outra classificação da auditoria é relativa à forma de intervenção, a qual pode ser:  Interna;  Externa. Operam no mesmo campo e têm interesse na verificação da existência de:  um sistema efetivo de controle interno para salvaguardar o patrimônio;  um sistema contábil capaz de refletir a posição contábil e o resultado das operações.
  34. 34. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 34 AUDITORIA INTERNA A Auditoria Interna compreende:  os exames,  análise,  avaliações,  levantamentos,  comprovações, metodologicamente estruturados para a avaliação da: • integridade, • adequação, • eficácia, • eficiência, • economicidade dos processos, dos sistemas de informações e de controles internos integrados ao ambiente e de gerenciamento de riscos, com vistas a assistir à administração da entidade no cumprimento de seus objetivos.
  35. 35. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 35 • É uma avaliação independente; • É executada por um profissional da empresa; • É ligada à direção da empresa; • É contratada pela CLT.
  36. 36. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 36 AS SUAS RESPONSABILIDADES SÃO:  Informar e assessorar a administração;  Coordenar suas atividades com a de outros, de modo a atingir com mais facilidade os objetivos da auditoria em benefício das atividades da empresa.
  37. 37. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 37 Redução de custos;  Normas de auditoria interna: • assegurar qualidade de auditoria; • normas de auditoria operacional; • aplicação das normas; • requisitos profissionais do mercado.
  38. 38. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 38 SÍNTESE DO TRABALHO DA AUDITORIA INTERNA  Revisão de Sistemas Contábeis e de Controle Interno.  Exame de informações financeiras e operacionais.  Revisão da economia, eficiência, eficácia das operações.  Revisão do cumprimento de leis, regulamentos.  Exigências externas e internas.  Diretivas e políticas administrativas.
  39. 39. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 39 USO DO TRABALHO DA AUDITORIA INTERNA Quando o auditor externo procura o trabalho da auditoria interna, não significa que o pessoal da Auditoria Interna ajudará na execução de procedimentos de Auditoria Externa, mas apenas nas atividades relevantes para a auditoria de Demonstrações Contábeis.
  40. 40. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 40 AUDITORIA EXTERNA É o conjunto de procedimentos técnicos que tem por objetivo a emissão do parecer sobre a adequação e como estes representam a posição patrimonial e financeira, o resultado das operações, as mutações do patrimônio líquido, a demonstração dos fluxos de caixa e dos valores adicionados da entidade auditada consoante às normas brasileiras de Contabilidade.
  41. 41. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 41 A responsabilidade do Auditor Independente sobre as demonstrações contábeis é até o último dia de serviço da equipe em campo.
  42. 42. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 42 DIFERENÇAS DAS AUDITORIAS ELEMENTOS EXTERNA INTERNA Sujeito Profissional independente Funcionário da empresa Ação e objetivo Exame das demonstrações financeiras Exames dos controles operacionais Finalidade Opinar sobre as demonstrações financeiras Promover melhorias nos controles operacionais
  43. 43. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 43 ELEMENTOS EXTERNA INTERNA Relatório principal Parecer Recomendaçõe s de controle interno e eficiência administrativa Grau de independência Mais amplo Menos amplo Interessados no trabalho A empresa e o público em geral A empresa
  44. 44. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 44 ELEMENTOS EXTERNA INTERNA Responsabilidade Profissional, civil e criminal Trabalhista Número de áreas cobertas pelo exame durante um período Maior Menor Intensidade dos trabalhos em cada área Menor Maior Continuidade Periódico Contínuo
  45. 45. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 45 AUDITORES INTERNOS E INDEPENDENTES: INTEGRAÇÃO A integração do trabalho entre auditores internos e independentes se dá normalmente na auditoria permanente (demonstrações contábeis que abrangem exames em áreas operacionais) e na auditoria do balanço (exclusivamente demonstrações contábeis).
  46. 46. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 46 A utilização do trabalho dos auditores internos pelos independentes deve seguir alguns critérios pelo IFAC – International Federation of Accoutants: - Segregação organizacional – o auditor interno deve ser livre para se comunicar irrestritamente com o auditor independente.
  47. 47. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 47 - Alcance da função – o auditor independente deve verificar a natureza e profundidade da cobertura das tarefas que o auditor interno executa para a administração.
  48. 48. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 48 - Competência técnica – o auditor independente deve certificar-se de que o trabalho de auditoria interna é executado por pessoas que tenham adequado treinamento técnico e proficiência como auditores.
  49. 49. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 49 - Devido cuidado profissional – o auditor independente deve certificar-se de que o trabalho de auditoria interna parece ser devidamente planejado, supervisionado, revisado e documentado.
  50. 50. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 50 TÉCNICA E PROFISSIONALISMO Outro ponto importante é a responsabilidade profissional dos auditores independentes quando utilizam o trabalho dos auditores internos.
  51. 51. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 51 Os requisitos técnicos para integração dos trabalhos, usando mais uma vez o Guia do IFAC, são:  metodologias compatíveis;  alcance do trabalho;  compatibilização de cronogramas de trabalho;  troca de informações;  ação conjunta.
  52. 52. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 52 PRESSUPOSIÇÃO E OBJETIVOS O trabalho deve seguir as Normas de Auditoria Independente, deve cobrir todas as áreas da entidade em determinado período e também promover a racionalização de custos, tempo e esforços.
  53. 53. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 53 É preciso aumentar a eficácia gerencial por meio de recomendações compatíveis, aplicáveis e inovadoras, aumentar a eficácia e eficiência do processo auditorial e trazer benefícios efetivos para a entidade auditada.
  54. 54. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 54 A FUNÇÃO ESTRATÉGICA AUDITORIA INTERNA A Auditoria Interna, como elemento-chave no processo de avaliação contínua dos processos e atividades das empresas, deve estar adequadamente sincronizada com o mercado.
  55. 55. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 55 A Auditoria Interna deve assumir uma participação pró-ativa no suporte à gestão empresarial sendo responsável não só por assegurar a qualidade e efetividade da estrutura de controle interno, como, também, propor recomendações de valor agregado às atividades e aos negócios da empresa.
  56. 56. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 56 OBRIGADO !
  57. 57. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 57
  58. 58. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 58 ORGANIZAÇÕES PROFISSIONAIS  AICPA – American Institute of Certified Public Accountants – exerce considerável autoridade sobre seus membros e sobre a profissão;  AUDIBRA – Associação Brasileira de Auditoria;  IBRACON – Instituto de Auditores Independentes do Brasil.
  59. 59. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 59 COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS A Lei 6.385/1976, que dispõe sobre o mercado de valores mobiliários e cria a CVM, a qual determina no Artigo 26 que somente Empresas de Auditoria Contábil ou Auditores Contábeis Independentes registrados na CVM poderão auditar as demonstrações financeiras de companhias abertas e de instituições, sociedades ou empresas que integram o sistema de distribuição e intermediação de valores mobiliários.
  60. 60. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 60 Também, dispõe sobre o registro e o exercício da atividade de auditoria independente, define os deveres e responsabilidades, bem como os casos em que o registro pode ser recusado, suspenso ou cancelado.
  61. 61. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 61 CADASTRO NACIONAL DE AUDITORES INDEPENDENTES - CNAI A Resolução CFC 1.109/2007 dispõe sobre o Cadastro Nacional de Auditores Independentes do Conselho Federal de Contabilidade, determinando que o Contador regularmente registrado no Conselho Regional de Contabilidade (CRC), independente do tempo de inscrição, tendo sido aprovado no Exame de Qualificação Técnica, terá direito ao registro no Cadastro Nacional de Auditores Independentes (CNAI) do Conselho Federal de Contabilidade.
  62. 62. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 62 INSTRUÇÕES PERIÓDICAS O auditor independente – pessoa física ou jurídica – deverá remeter anualmente, até o mês de abril, as seguintes informações: relação nominal das entidades registradas na CVM para as quais presta serviços.
  63. 63. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 63 RESPONSABILIDADE DO AUDITOR  Entender do negócio do cliente e o setor em que o negócio se situa.  Obter e avaliar evidência referente às demonstrações contábeis.  Verificar se demonstrações contábeis estão apresentadas de acordo com Princípios Fundamentais de Contabilidade.
  64. 64. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 64  Emitir parecer no relatório de auditoria.  Entregar parecer de auditoria ao cliente.  Apresentar recomendações que agreguem valor para a companhia, a administração e o conselho de administração.
  65. 65. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 65 PENALIDADES ADMINISTRATIVAS Os auditores independentes poderão ser advertidos, multados, ou ter seu registro na CVM suspenso, cancelado, sem prejuízo de outras sanções legais cabíveis quando:  atuarem em desacordo com as normas legais;  realizarem auditoria inepta ou fraudulenta, falsearem dados ou informações;  utilizarem, benefício próprio ou de terceiros, informações a que tenham tido acesso em decorrência do exercício da auditoria.
  66. 66. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 66 FORMAS DE EXERCÍCIO DA AUDITORIA Quanto às formas de exercício da atividade do auditor independente, distinguem-se as seguintes:  Individualmente – o contador age sob sua responsabilidade e em nome individual.  Em participação com outros profissionais – divide a responsabilidade com outros colegas, participando nos trabalhos.  Por meio de organização que congregue vários profissionais – constitui empresa de prestação de serviços de auditoria.
  67. 67. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 67 QUADRO DE PESSOAL TÉCNICO Nas grandes firmas de auditoria, esses cargos estão divididos genericamente da seguinte forma: Assistente – durante 2 (dois) anos analisa várias contas, verifica a documentação suporte, as contagens de caixa e de itens de estoque, a verificação de preços, de prazos e a confirmação de contas a receber; Sênior – faz pequenas auditorias e encarega-se de segmentos importantes de trabalhos maiores, necessitando pouca ou nenhuma supervisão e a incumbência de orientar o trabalho de assistentes.
  68. 68. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 68 Supervisor ou gerente – demonstram qualidades de liderança e de análise, além de terem muitos anos de experiência. Depois de se especializarem em algum campo, recebem a incumbêmcia de dirigir vários trabalhos ao mesmo tempo: no setor fiscal ou no de serviços a pequenas empresas. Sócios – assumem responsabilidade total pelo exercício da auditoria. Dedicam às relações públicas e aos contratos profissionais. Examinam as versões finais dos relatórios. Emitem os pareceres.
  69. 69. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 69 AUDITORIA x FORMAÇÃO PROFISSIONAL AUDITOR CONTADOR ECONOMISTA ENGENHEIRO ADMINISTRADOR MÉDICO ATUÁRIO AGRÔNOMO
  70. 70. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 70 TREINAMENTO DE PESSOAL Muitas firmas exigem que os recém-contratados passem por um programa de treinamento formal. Esses programas às vezes versam exclusivamente sobre a política da empresa, outras vezes sobre pormenores dos procedimentos de auditoria. À medida que progridem, os auditores passam por outros programas de treinamento, sobre assuntos mais difíceis e elevados ou sobre questões correntes, mais comuns.
  71. 71. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 71
  72. 72. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 72 ÉTICA PROFISSIONAL NA AUDITORIA A ética profissional é de grande valia em todas as profissões, notadamente na de auditor, que tem em suas mãos grande responsabilidade, mediante seu serviço. É possível conhecer todas as irregularidades, erros, falhas dentro do Grupo de empresas, conhecendo o responsável hierárquico e executores das rotinas, que originam estas informações.
  73. 73. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 73 EXIGÊNCIAS DO CÓDIGO DE ÉTICA: • Subordinação hierárquica dentro da empresa; • Modo de trabalho; • Envolvimento em política interna, tráfico de influência, que reduz sensivelmente a performance e o desempenho de rotinas e controles; • Discrição; • Observância dos regulamentos internos, normas, instruções, leis etc. • Comportamento pessoal.
  74. 74. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 74 PADRÕES DE CONDUTA Tais padrões constituem a ética do exercício profissional. Como padrões éticos do auditor cumpre destacar:  Bom senso no procedimento de revisão e sugestão – caracterizados por: tolerância, abandono de detalhes que prejudiquem a finalidade, acomodação desde que beneficie os fins, equilíbrio e serenidade e ausência completa de paixão.
  75. 75. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 75 Autoconfiança – é a geradora de normas positivas de condutas. Sigilo profissional – o auditor deve ser um bom ouvinte. Discrição profissional – evitar ostensividade nos exames e no plano de trabalho que se executa. Capacidade prática – é a execução perfeita do conhecimento.
  76. 76. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 76  Sentido objetivo – não se deve crer que é o detalhe exagerado que enriquece a técnica do auditor.  Liberdade de pensamento e ação – deve ser assegurada como igualmente defendida pelo auditor.  Meticulosidade e correção – certificar-se bem a respeito de um fato, colhendo todos os dados necessários e buscando a correção, é ser escrupuloso.
  77. 77. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 77 BALANÇO DE FIRMA DE AUDITORIA SERÁ AUDITADO Quem audita o auditor? Se havia dúvidas, agora não há mais: são os auditores. As grandes firmas de auditoria, conhecidas como as “Big Four” vão ter que ter suas contas checadas por um concorrente.
  78. 78. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 78 A Lei 11.638/2007 em um artigo, que não está relacionado à convergência às normas internacionais, obriga as sociedades de grande porte limitadas – nacionais e estrangeiras – a elaborar demonstrações financeiras anuais segundo a lei brasileira, o que inclui a auditoria externa.
  79. 79. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 79 Firmas de auditoria e consultoria como PricewaterhouseCoopers, Deloitte, KPMG e Ernest & Young são grandes beneficiadas com a mudança da lei, por conta do grande volume de trabalho que está sendo demandado pelas empresas abertas para a adaptação à regras internacionais. Além disso, a auditoria das companhias limitadas abriu um novo campo para serviços de auditoria e consultoria.
  80. 80. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 80 O único problema é que a lei também se aplica às grandes auditorias, já que considera empresa de grande porte “sociedade ou conjunto de sociedades sob controle comum” com ativo total superior a R$ 240 milhões e receita bruta anual superior a R$ 300 milhões.
  81. 81. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 81 OBRIGADO !
  82. 82. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 82
  83. 83. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 83 De acordo com a NBC PA 01 – que executam exames de auditoria e revisões de informação contábil histórica e outros trabalhos de asseguração e de serviços correlatos, a firma tem por obrigação estabelecer e manter sistema de controle de qualidade para obter segurança razoável que: • a firma e seu pessoal cumprem com as normas profissionais e técnicas e as exigências legais e regulatórias; aplicáveis; e • os relatórios emitidos pela firma ou pelos sócios do trabalho são apropriados nas circunstâncias.
  84. 84. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 84 SUPERVISÃO E CONTROLE DE QUALIDADE Os auditores independentes – empresas ou profissionais autônomos – devem implantar e manter regras e procedimentos de supervisão e controle interno de qualidade, que garantam a qualidade dos serviços executados.
  85. 85. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 85 Vários fatores devem ser levados em consideração na definição das regras e dos procedimentos de controle interno de qualidade, principalmente aqueles relacionados à estrutura da equipe técnica do auditor, ao porte, à cultura, à organização e à complexidade dos serviços que realizar.
  86. 86. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 86 Na supervisão dos trabalhos da equipe técnica durante a execução da auditoria, o auditor deve: •avaliar o cumprimento do planejamento e do programa de trabalho; •avaliar se as tarefas distribuídas à equipe técnica estão sendo cumpridas no grau de competência exigido;
  87. 87. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 87 • resolver questões significativas quanto à aplicação dos Princípios Fundamentais de Contabilidade e das Normas Brasileiras de Contabilidade; • avaliar se os trabalhos foram, adequadamente, documentados e os objetivos dos procedimentos técnicos alcançados; e • avaliar se as conclusões obtidas são resultantes dos trabalhos executados e permitem ao auditor fundamentar sua opinião sobre as Demonstrações Contábeis.
  88. 88. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 88 Os requisitos que o auditor deve adotar para o controle da qualidade dos seus serviços são os que seguem: • o pessoal designado deve ter a competência e a habilidade profissionais compatíveis com o requerido no trabalho realizado; • o pessoal designado deve ter o nível de independência e demais atributos definidos nas Normas Profissionais de Auditor Independente para ter uma conduta profissional inquestionável;
  89. 89. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 89 • o trabalho de auditoria deve ser realizado por pessoal que tenha um nível de treinamento e de experiência profissional compatível com o grau de complexidade das atividades da entidade auditada; e • o auditor deve planejar, supervisionar e revisar o trabalho em todas as suas etapas, de modo a garantir aos usuários de seus serviços a certeza razoável de que o trabalho seja realizado de acordo com as normas de controle de qualidade requeridas nas circunstâncias.
  90. 90. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 90 O controle de qualidade do auditor inclui a avaliação permanente da carteira dos clientes, quanto aos seguintes aspectos: • capacidade de atendimento ao cliente, em face da estrutura existente; • grau de independência existente; e • integridade dos administradores do cliente.
  91. 91. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 91 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS O auditor deve manter procedimentos visando à confirmação de que seu pessoal atingiu e mantém as qualificações técnicas e a competência necessárias para cumprir as suas responsabilidades profissionais. Para atingir tal objetivo, o auditor deve adotar procedimentos formais para contratação, treinamento, desenvolvimento e promoção do seu pessoal.
  92. 92. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 92 EXECUÇÃO DOS TRABALHOS DE AUDITORIA INDEPENDENTE O auditor deve ter política de documentação dos trabalhos executados e das informações obtidas na fase de aceitação ou retenção do cliente, em especial, quanto: • ao planejamento preliminar com base nos julgamentos e nas informações obtidos; e • à habilitação legal para o exercício profissional, inclusive quanto à habilidade e à competência da equipe técnica, com evidenciação por trabalho de auditoria independente dos profissionais envolvidos quanto a suas atribuições.
  93. 93. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 93 AVALIAÇÃO PERMANENTE DA CARTEIRA DE CLIENTES Para os clientes que envolvam maiores riscos, o auditor deve indicar mais de um responsável técnico quando da aceitação ou da retenção dos mesmos, da revisão do planejamento, da discussão dos assuntos críticos durante a fase de execução dos trabalhos e quando do seu encerramento, em especial relativos ao relatório. No caso de ser um único profissional prestador dos serviços de auditoria independente, estes procedimentos devem ser executados com a participação de outro profissional habilitado.
  94. 94. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 94 CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO Deve ser executada a avaliação de clientes recorrentes a cada contratação ou quando houver mudança relevante nas condições do mesmo ou no seu mercado de atuação. Um programa de verificação periódica da qualidade deve ser aplicado anualmente, incluindo: • a seleção de amostra de serviços prestados a clientes e a aplicação de um programa de verificação do atendimento às Normas de Auditoria Independente, profissional e técnica; e • aplicação, sobre a amostra selecionada, de um programa de verificação do atendimento às Normas Brasileiras de Contabilidade.
  95. 95. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 95 Os Programas de Educação Continuada cumprem o papel de elevar a qualidade do perfil do profissional contábil. Os profissionais têm se preocupado muito mais com a busca de informações intelectuais e humanísticas do que informações burocráticas. É por essa razão que a Contabilidade está sendo valorizada e reconhecida junto à sociedade.
  96. 96. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 96 PLANO DE CONTROLE DE QUALIDADE Controle Externo - Art. 33, Instrução CVM No 308/1999 Os auditores independentes deverão, a cada quatro anos, submeter-se à revisão de seu controle de qualidade, segundo as diretrizes emanadas do CFC e do IBRACON, que será realizada por outro auditor independente, também registrado na CVM, cuja escolha deverá ser comunicada previamente a esta autarquia.
  97. 97. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 97 A CVM editou a Instrução no 509, que altera a Instrução no 308/1999 e a Instrução no 480/2009. A Instrução CVM no 509 é resultado da Audiência Pública SNC no 10/2011.
  98. 98. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 98 A Instrução estabelece que as companhias que instalarem e mantiverem (CAE) nas condições exigidas pela Instrução poderão contratar Auditor Independente para a prestação de serviços de auditoria por até .
  99. 99. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 99 O CAE tem as seguintes atribuições: • opinar sobre a contratação e destituição do Auditor Independente para a elaboração de auditoria externa independente ou para qualquer outro serviço; • supervisionar e avaliar as atividades dos auditores independentes; • monitorar a qualidade e integridade dos mecanismos de controles internos e das demonstrações financeiras da companhia; • avaliar e monitorar as exposições de risco da companhia.
  100. 100. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 100 REVISÃO EXTERNA DE QUALIDADE CONCEITO Constitui-se em um processo educacional, de acompanhamento e de fiscalização, que visa alcançar desempenho profissional da mais alta qualidade.
  101. 101. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 101 OBJETIVO É a avaliação dos procedimentos adotados pelos Contadores e Auditores com vistas a assegurar a qualidade dos trabalhos desenvolvidos. A qualidade é medida pelo atendimento das normas técnicas e profissionais estabelecidas pelo CFC, pelos pronunciamentos do IBRACON – Instituto de Auditores Independentes do Brasil e pelas normas emitidas por órgãos reguladores.
  102. 102. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 102 ADMINISTRAÇÃO DO PROGRAMA DE REVISÃO As partes envolvidas são as seguintes:  Comitê Administrador do Programa (CRE);  O Auditor responsável pela realização das revisões individuais;  A firma ou o auditor, objeto da revisão.
  103. 103. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 103 RELATÓRIOS DE REVISÃO Terminada cada revisão, o auditor-revisor deve emitir relatório com suas conclusões, que deverá ser encaminhado ao CRE, que poderá requerer os esclarecimentos que considere necessários para um correto entendimento e tomada de decisões quanto aos resultados reportados. A apresentação deverá ser objeto de reunião específica, para garantir a adequada comunicação entre o comitê e o auditor-revisor.
  104. 104. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 104 CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA CONFIDENCIALIDADE Aplicam-se a este programa as mesmas normas sobre confidencialidade, aplicáveis a qualquer trabalho de auditoria independente, conforme definido pelo CFC. Neste contexto, os membros do CRE e das equipes revisoras ficam impedidos de divulgar qualquer informação obtida durante a participação no programa de revisão.
  105. 105. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 105 INDEPENDÊNCIA O auditor-revisor e os membros da equipe revisora devem ser independentes do auditor- revisado, de acordo com as definições previstas nas normas profissionais e, se aplicáveis, nas normas de órgãos reguladores.
  106. 106. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 106 O auditor-revisor e os seus membros podem possuir investimentos ou familiares nos clientes do auditor revisado. Porém, os membros da equipe revisora não podem revisar trabalhos realizados em entidades nas quais possuam tais relacionamentos. São proibidas as revisões recíprocas entre firmas de auditores.
  107. 107. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 107 CONFLITOS DE INTERESSES Nem o auditor-revisor nem os membros da equipe revisora ou profissionais envolvidos na administração do programa de revisão pelos pares podem ter qualquer conflito de interesses com relação ao auditor-revisado e aos clientes selecionados para a revisão.
  108. 108. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 108 COMPETÊNCIA A equipe revisora deve possuir estrutura compatível com a revisão a ser realizada. A compatibilidade refere- se, principalmente, à experiência dos revisores em trabalhos de auditoria de similar complexidade.
  109. 109. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 109 ORGANIZAÇÃO DOS TRABALHOS A seleção do auditor-revisor cabe ao auditor a ser revbisado, tanto no caso de auditor pessoa física quanto de firma de auditoria. A equipe revisora será formada por uma ou mais pessoas, dependendo das dimensões e da natureza do auditor a ser revisado.
  110. 110. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 110 REALIZAÇÃO DA REVISÃO PELOS PARES OBJETIVOS A revisão deverá ser organizada para permitir que o auditor-revisor emita opinião sobre se, durante o período coberto pela revisão:  o sistema de controle de qualidade, incluindo a estrutura organizacional e a metodologia de auditoria, estabelecido pelo auditor-revisado para os trabalhos de auditoria atende às normas profissionais estabelecidas, independentemente de o auditor-revisado ter realizado trabalho com emissão de parecer de auditoria no período sob revisão; e  se os procedimentos de controle de qualidade definidos foram efetivamente adotados.
  111. 111. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 111 PROCEDIMENTOS A revisão deve abranger, exclusivamente, aspectos de atendimento às normas profissionais, sem a inclusão de quaisquer questões relativas a negócios. O processo da revisão externa de qualidade será desenvolvido conforme procedimentos a serem detalhados pelo CRE, que considerarão o seguinte: a) obtenção, análise e avaliação das políticas e procedimentos de controle de qualidade estabelecidas pelo auditor-revisado;
  112. 112. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 112 b) análise da adequação da informação recebida nas entrevistas com pessoas do auditor-revisado, em diferentes níveis de experiência; c) confirmação da estrutura de controle interno mediante confronto com os papéis de trabalho, de uma amostra de trabalhos; d) discussão com o auditor-revisado sobre os aspectos identificados, apresentação das eventuais falhas e respectivas recomendações; e) elaboração do relatório de revisões de qualidade; f) preparação da documentação de discussões com os revisados.
  113. 113. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 113 RELATÓRIOS CONTEÚDO O relatório do auditor-revisor deverá incluir os seguintes elementos: a) escopo da revisão e eventuais limitações; b) se está sendo emitida carta de recomendação; c) descrição sumária das principais características das políticas e procedimentos de controle de qualidade; e d) conclusão sobre se essas políticas e procedimentos de controle de qualidade atendem às normas aplicáveis e se elas foram observadas no período sob revisão.
  114. 114. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 114 PRAZO A emissão do relatório deve ocorrer no prazo máximo de 45 dias após a finalização da revisão em campo e sua data será a do encerramento da revisão.
  115. 115. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 115 TIPOS DE RELATÓRIOS O relatório emitido poderá ser de quatro tipos: a) sem ressalvas, quando o auditor-revisor concluir positivamente sobre os trabalhos realizados; a) com ressalvas, o auditor-revisor encontrou falhas relevantes que, porém, não requeiram a emissão de opinião adversa. Neste caso, é obrigatória a emissão de carta de recomendações; ou, for imposta alguma limitação no escopo da revisão que impeça o auditor-revisor de aplicar um ou mais procedimentos requeridos. Neste caso, a emissão de carta de recomendações pode não ser requerida, dependendo das causas das limitações no escopo da revisão;
  116. 116. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 116 c) com conclusão adversa, quando a magnitude das falhas identificadas for tão relevante que evidencie que as políticas e procedimentos de qualidade não estão de acordo com as normas profissionais; e d) com abstenção de conclusão, quando as limitações impostas ao trabalho forem tão relevantes que os auditores- revisores não tenham condições de concluir sobre a revisão.
  117. 117. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 117 OBRIGADO !
  118. 118. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 118
  119. 119. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 119 ORIGEM DA AUDITORIA INTERNA No Exterior Worshipful Pewters Co. – 1854 – nomeou membros para examinar suas contas (auditoria interna contábil) e o desempenho dos demais na extração, transporte e venda de minério (auditoria interna operacional).
  120. 120. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 120 Após 1941  Como um controle administrativo, cuja função é medir e avaliar a eficácia de outros controles.  Fundação em New York – The Institute of Internal Auditors, tendo como lema: progress through sharing (progresso pelo intercâmbio).
  121. 121. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 121 NO BRASIL  A versão do lema: Progresso pelo intercâmbio foi adotada em 1967 pelo Instituto dos Auditores Internos do Brasil.  Com o desenvolvimento da indústria e do comércio, verificou-se que os auditores internos tinham, na realidade, funções mais amplas como ser os olhos e ouvidos da Administração, para obterem controles internos funcionais.
  122. 122. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 122 CAUSAS DO SURGIMENTO DA AUDITORIA INTERNA  A necessidade de dar maior ênfase às normas ou procedimentos internos.  A necessidade de uma auditoria periódica, com maior grau de profundidade e visando também a outras áreas não relacionadas com contabilidade. Surge o auditor interno, como uma ramificação da profissão de auditor externo.
  123. 123. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 123 ORIGEM DA AUDITORIA EXTERNA NO EXTERIOR  O primeiro auditor provavelmente foi um proficiente guarda-livros.  Século XIII na Inglaterra – termo auditar.  Funções de auditoria – conselhos londrinos, 1310; tribunal de contas, 1640 em Paris e a Academia dei Ragionieri, 1658 em Milão e Bolonha.
  124. 124. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 124  O reconhecimento da escrituração contábil, 1581 em Veneza.  A Revolução Industrial, na Inglaterra, quando a demanda de capital e a expansão das atividades, naturalmente criaram problemas contábeis mais complexos.
  125. 125. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 125  Railway Companies Consolidation Act, 1845, que obrigava a verificação anual dos balanços por auditores.  Com a expansão do mercado e o acirramento da concorrência, houve a necessidade de ampliar suas instalações fabris e administrativas, investir no desenvolvimento tecnológico e aprimorar os controles internos.
  126. 126. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 126  Captação de recursos junto a terceiros e a abertura do capital social para novos acionistas.
  127. 127. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 127 NO BRASIL  Tem origem inglesa.  Clarkson & Cross, 1903, primeiro parecer de auditoria.  MCauliffe Davis Bell & Co, atualmente Arthur Andersen S/C, já mantinha escritório no Rio de Janeiro, desde 1909.
  128. 128. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 128 Em 1915, a Price Waterhouse já mantinha escritório no Rio de Janeiro.  Instituto dos Contadores Públicos do Brasil, em 1957.  Banco Central do Brasil, em 1968 reconhece a auditoria oficialmente.
  129. 129. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 129  Em 1972, por regulamentação do Banco Central do Brasil, do Conselho Federal de Contabilidade e pela formação de ubm órgão nacional – o Instituto dos Auditores Independentes do Brasil.
  130. 130. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 130 CAUSAS DO SURGIMENTO DA AUDITORIA EXTERNA  Da necessidade de confirmação dos registros contábeis.  Desenvolvimento econômico, que tem na confirmação dos registros contábeis a proteção a seu patrimônio.  Auditoria das Contas Públicas, 1314, na Inglaterra.
  131. 131. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 131  Associações de Contadores Públicos.  A grandeza econômica e comercial da Inglaterra e da Holanda, bem como dos Estados Unidos.
  132. 132. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 132 EVOLUÇÃO DA AUDITORIA  Crescimento das Sociedades Anônimas que têm na confirmação dos registros contábeis a proteção do seu patrimônio.  A exportação de capitais, por parte das nações economicamente mais evoluídas.
  133. 133. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 133 DESENVOLVIMENTO HISTÓRICO  A partir de 1900, a profissão do Auditor tomou maior impulso por meio do desenvolvimento do capitalismo.  Em 1934, com a criação do Security and Exchange Comission – SEC, a profissão de Auditor criou novo estímulo com a obrigação da auditoria pelas empresas.
  134. 134. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 134 No Brasil, o desenvolvimento da Auditoria teve influência de:  filiais e subsidiárias de firmas estrangeiras;  financiamento de empresas brasileiras;  crescimento das empresas brasileiras;  diversificação de suas atividades econômicas;  evolução do mercado de capitais;  criação das normas de auditoria, 1972;  criação da CVM e da Lei das Sociedades por Ações, em 1976.
  135. 135. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 135 DESENVOLVIMENTO DAS TÉCNICAS Existe realmente a necessidade do auditor examinar todos os lançamentos contábeis?  O auditor deve se preocupar com os erros que, individualmente ou cumulativamente, possam levar os leitores das demonstrações contábeis a terem uma interpretação errônea sobre estas.  Normalmente a empresa já tem um conjunto de procedimentos internos com o objetivo de evitar a ocorrência de erros.
  136. 136. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 136 FATORES QUE EXIGEM A ATUAÇÃO DO AUDITOR Sua atuação interessa principalmente às seguintes pessoas e/ou órgãos:  Executivos de empresas;  Investidores;  Financiadores e Fornecedores;  O Fisco;  O Poder Público.
  137. 137. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 137 NECESSIDADE DA REVISÃO E ATUALIZAÇÃO DAS NORMAS DE AUDITORIA Um dos passos mais importantes foi dado em 1991, quando, num trabalho conjunto, o CFC, o IBRACON, a CVM e o BACEN unificaram as Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis. Atualmente as big four são: PricewaterhouseCoopers, Ernst & Young, KPMG, Deloitte Touche Tohmatsu. Arthur Andersen.
  138. 138. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 138 PERSPECTIVAS DA AUDITORIA O mercado da Auditoria Independente tem crescido bastante nos últimos anos e tem um amplo espaço a crescer. Basta verificar algumas áreas em que a atuação do auditor independente é muito pequena ou mesmo inexistente:
  139. 139. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 139  Administração Direta;  Prefeituras;  Universidades, Faculdades isoladas;  Clubes Sociais e Esportivos;  Fundações e Associações sem fins lucrativos;  Hospitais;  Estatais Estaduais.
  140. 140. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 140 TENDÊNCIAS DA AUDITORIA É necessário analisar uma série de fatores relacionados principalmente com:  Aspectos conjunturais – minimização de custos, otimização de mão de obra, destinação de recursos, mercado investidor – qual produto o auditor deve oferecer a essa comunidade; o que essa comunidade necessita para seu benefício.
  141. 141. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 141  Cenário do conhecimento – cultural, acadêmico e profissional – deve passar por uma enorme e radical transformação.  Cenário técnico – transformações e reformulações de padrões – o que resultará na mudança do enfoque e estratégia do auditor.
  142. 142. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 142  Cenário disciplinar – a formação acadêmica passará por uma modificação substancial – é um erro admitir que, por ser contador, um profissional pode ser auditor.  Cenário ético – aquele que não seguir ou atender aos padrões de ética estará completamente alijado da comunidade.
  143. 143. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 143 Cenário Pessoal – a versatilidade será um atributo importante para o auditor, baseado na visão de conjunto cultural- profissional.
  144. 144. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 144  Expectativas técnicas – o importante será expressar o que está certo e o que está errado, o quanto o investidor está perdendo ou deixando de ganhar, bem como as perspectivas da entidade, de maneira direta e objetiva.
  145. 145. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 145 Auditoria Independente no Brasil nos últimos anos e o mercado atual Os escândalos contábeis que atingiram gigantes como Enron e Parmalat têm ajudado pequenas e médias auditorias a conquistar uma fatia de mercado que antes pertencia às grandes do setor, as chamadas “Big Four” (Deloitte, Price, Ernst & Young e KPMG).
  146. 146. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 146 O segmento de pequenas e médias empresas também representa um importante filão para as auditorias. Essas empresas perceberam que auditoria não é só para apontar problemas. Elas ajudam a fazer a empresa crescer. São cerca de 8.000 potenciais clientes.
  147. 147. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 147 OBRIGADO !
  148. 148. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 148
  149. 149. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 149  as normas são para controlar a qualidade do exame e do relatório;  os procedimentos de auditoria descrevem as tarefas realmente cumpridas pelo auditor, na realização do exame.
  150. 150. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 150 CONCEITO São as regras estabelecidas pelos órgãos regulares da profissão contábil, em todos os países, com o objetivo de regulamentar o exercício da função de auditor, estabelecendo orientação de diretrizes a serem seguidas por esses profissionais no exercício de suas funções.
  151. 151. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 151 Normas Gerais (Pessoa) – referem-se, primordialmente, ao caráter, atitudes e treinamento de auditores e são também conhecidas como normas pessoais. Dizem respeito: • ao treinamento técnico e competência do auditor; • experiência; • zelo profissional; • atitude de independência mental.
  152. 152. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 152 Normas de Execução dos Trabalhos – os auditores têm que examinar evidências suficientes, tiradas dos registros contábeis e financeiros do cliente, e os dados que as fundamentam, para justificarem a emissão do parecer.
  153. 153. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 153 Normas de Parecer – é de extrema importância que se faça o relatório de modo profissional e que servem de orientação global para a preparação do relatório.
  154. 154. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 154 IMPORTÂNCIA DAS NORMAS DE AUDITORIA As normas de auditoria, juntamente com os procedimentos para sua implementação, estabelecem a ordem e a disciplina na realização do trabalho. A observância dessas normas leva à realização de auditorias completas e objetivas, com resultados e recomendações palpáveis, fundamentos possíveis de serem justificados.
  155. 155. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 155 FRAUDE E ERRO FRAUDE – ato intencional de omissão ou manipulação de transações, adulteração de documentos, registros e demonstrações contábeis.
  156. 156. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 156 A fraude pode ser caracterizada por:  manipulação, falsificação ou alteração de registros ou documentos, de modo a modificar os registros de ativos, passivos e resultados;  apropriação indébita de ativos;  supressão ou omissão de transações nos registros contábeis;  registro de transações sem comprovação; e  aplicação de práticas contábeis indevidas.
  157. 157. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 157 ERRO – ato não intencional resultante de omissão, desatenção ou má interpretação de fatos na elaboração de registros e demontrações contábeis.
  158. 158. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 158 Tipos de Erros:  erros aritméticos na escrituração contábil ou nas demonstrações contábeis;  aplicação incorreta das normas contábeis;  interpretação errada das variações patrimoniais.
  159. 159. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 159 RESPONSABILIDADE DO AUDITOR X DIRIGENTES DA EMPRESA A empresa, por meio de seus dirigentes, é responsável:  pelo estabelecimento de diretrizes contábeis adequadas;  pela proteção de ativos;  pelo planejamento e manutenção de um sistema de controle interno que possa assegurar a apresentação adequada das demonstrações financeiras.
  160. 160. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 160 A responsabilidade do auditor limita-se à emissão do parecer sobre as demonstrações executadas.
  161. 161. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 161 NORMAS GERAIS OU RELATIVAS À PESSOA DO AUDITOR COMPETÊNCIA TÉCNICO-PROFISSIONAL O contador, na função de auditor independente, deve manter seu nível de competência profissional pelo conhecimento atualizado das Normas Brasileiras de Contabilidade, das técnicas contábeis, especialmente na área de auditoria, da legislação inerente à profissão, dos conceitos e técnicas administrativas e da legislação específica aplicável à entidade auditada.
  162. 162. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 162 O auditor deve recusar os serviços sempre que reconhecer não estar adequadamente capacitado para desenvolvê-los, contemplada a utilização de especialistas noutras áreas, face à especialização requerida e aos objetivos do contratante.
  163. 163. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 163 Independência É a capacidade que a entidade de auditoria tem de julgar e atuar com integridade e objetividade, permitindo a emissão de relatórios ou pareceres imparciais em relação à entidade auditada, aos acionistas, aos sócios, aos quotistas, aos cooperados e a todas as demais partes que possam estar relacionadas com o seu trabalho.
  164. 164. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 164 A independência exige: independência de pensamento –agir com integridade, objetividade e ceticismo profissional; aparência de independência – evitar fatos e circunstâncias significativas a ponto que um terceiro bem informado, reconheça que suas atitudes estão comprometidas.
  165. 165. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 165 A independência pode ser afetada por:  ameaça de interesse próprio ocorre quando uma entidade de auditoria ou um membro da equipe de auditoria poderia auferir benefícios de um interesse financeiro na entidade auditada, ou outro conflito de interesse próprio com essa entidade auditada;  ameaça de autorrevisão ocorre quando o resultado de um trabalho anterior precisa ser reanalisado ao serem tiradas conclusões sobre o trabalho de auditoria ou quando um membro da equipe de auditoria era, anteriormente, administrador ou diretor da entidade auditada, ou era um funcionário cujo cargo lhe permitia exercer influência direta e importante sobre o objeto do trabalho de auditoria;
  166. 166. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 166  ameaça de defesa de interesses da entidade auditada ocorre quando a entidade de auditoria ou um membro da equipe de auditoria defendem ou parecem defender a posição ou a opinião da entidade auditada, a ponto de poderem comprometer ou darem a impressão de comprometer a objetividade;  ameaça de familiaridade ocorre quando, em virtude de um relacionamento estreito com uma entidade auditada, com seus administradores, com diretores ou com funcionários, uma entidade de auditoria ou membro da equipe de auditoria passam a se identificar, demasiadamente, com os interesses da entidade auditada;  ameaça de intimidação ocorre quando um membro da equipe de auditoria encontra obstáculos para agir, objetivamente, e com ceticismo profissional devido a ameaças, reais ou percebidas, por parte de administradores, diretores ou funcionários de uma entidade auditada.
  167. 167. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 167 Perda de Independência Determinadas situações caracterizam a perda de independência da entidade de auditoria em relação à entidade auditada. Sendo:  Interesses financeiros são a propriedade de títulos e valores mobiliários e quaisquer outros tipos de investimentos adquiridos ou mantidos pela entidade de auditoria, seus sócios, membros da equipe de auditoria ou membros imediatos da família destas pessoas, relativamente à entidade auditada, suas controladas ou integrantes de um mesmo grupo econômico, dividindo-se em diretos e indiretos.  Interesses financeiros diretos são aqueles sobre os quais o detentor tem controle, seja em ações, debêntures ou em outros títulos e valores mobiliários;
  168. 168. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 168 Interesses financeiros indiretos são aqueles sobre os quais o detentor não tem controle algum, ou seja, são interesses em empresas ou outras entidades, mantidas por titular beneficiário mediante um plano de investimento global, sucessão, fideicomisso, fundo comum de investimento ou entidade financeira sobre os quais a pessoa não detém o controle nem exerce influência significativa. Um interesse financeiro indireto é considerado relevante se seu valor for superior a 5% do patrimônio líquido da pessoa. Para esse fim, deve ser adicionado o patrimônio líquido dos membros imediatos da família.
  169. 169. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 169 Relacionamentos Comerciais com a Entidade Auditada As transações comerciais da entidade de auditoria, de sócios e membros da equipe de auditoria com uma entidade auditada devem ser feitas dentro do curso normal de negócios e na mesma condição com terceiros. Relacionamentos comerciais em condições diferenciadas, privilegiadas e relevantes com entidades auditadas afetam a independência do auditor e, nesses casos, deve ser adotada uma das seguintes ações:  terminar o relacionamento comercial;  substituir o membro da equipe que tenha relacionamento comercial;  recusar a realização do trabalho de auditoria.
  170. 170. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 170 Rotação dos Líderes de Equipe de Auditoria Visando possibilitar contínua renovação da objetividade e do ceticismo do auditor, necessários na auditoria, é requerida a rotação dos responsáveis técnicos pelos trabalhos na entidade auditada. Podem influenciar a objetividade e o ceticismo do auditor:  tempo que o profissional faz parte da equipe de auditoria. O risco de perda da objetividade e do ceticismo pode ocorrer com o passar dos anos;  função do profissional na equipe de auditoria. Neste aspecto, entende-se que as demais funções da equipe de auditoria, ou seja, as funções de gerente, sênior ou encarregado e assistentes dedicam-se a realizar os trabalhos de auditoria e não a tomar decisões-chave.
  171. 171. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 171 Prestação de Outros Serviços As entidades de auditoria prestam, usualmente, outros serviços para as entidades auditadas, compatíveis com seu nível de conhecimento e capacitação. As entidades auditadas valorizam os serviços proporcionados por essas entidades de auditoria quando estas possuem um bom entendimento do negócio e contribuem com conhecimento e capacitação em outras áreas.
  172. 172. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 172 A prestação desses outros serviços, entretanto, não pode criar ameaças à independência da entidade de auditoria ou de membros da equipe de auditoria. Os princípios básicos que devem fundamentar qualquer regra de independência do auditor são:  o auditor não deve auditar o seu próprio trabalho;  o auditor não deve exercer funções gerenciais na entidade auditada;  o auditor não deve promover interesses da entidade auditada.
  173. 173. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 173 Presentes e Brindes Aceitar presentes, brindes ou outros benefícios de uma entidade auditada pode criar conflitos de interesse e, por conseguinte, perda de independência. Quando uma entidade de auditoria ou um membro de equipe aceitam presentes, brindes ou outros benefícios cujo valor não seja claramente insignificante, a perda de independência é caracterizada, não sendo possível a aplicação de qualquer salvaguarda.
  174. 174. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 174 GUARDA DA DOCUMENTAÇÃO O auditor deve conservar em boa guarda, pelo prazo de cinco anos a partir da data de emissão de seu parecer, toda a documentação, correspondência, papéis de trabalho, relatórios e pareceres relacionados com os serviços realizados.
  175. 175. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 175 Incompatibilidade ou Inconsistência do Valor dos Honorários Os Honorários Profissionais, não devem ser praticados por gerar conflitos de interesses e, por consequência, perda de independência e, dessa forma, a entidade de auditoria não deve estabelecer honorários contingenciais relacionados a serviços de auditoria prestados para a entidade auditada, suas coligadas, controladas, controladoras ou integrantes do mesmo grupo econômico.
  176. 176. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 176 Quando os honorários de auditoria forem de valor, substancialmente, inferior ao estabelecido para os outros serviços que a entidade de auditoria realize para a entidade auditada, pode se estabelecer o conflito de interesses, por razões de dependência financeira e, por conseguinte, a perda de independência.
  177. 177. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 177 Sigilo É a obrigatoriedade do Auditor Independente de não revelar, em nenhuma hipótese, as informações que obteve e tem conhecimento em função de seu trabalho na entidade auditada.
  178. 178. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 178 Dever do Sigilo Deve ser observado nas seguintes circunstâncias:  na relação entre o Auditor Independente e a entidade auditada;  na relação entre os Auditores Independentes;  na relação entre o Auditor Independente e os organismos reguladores e fiscalizadores;  na relação entre o Auditor Independente e demais terceiros.
  179. 179. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 179 Utilização de Trabalhos de Especialistas Existem condições e procedimentos para utilização de especialistas, pelo , como parte da evidência de seus trabalhos de auditoria das demonstrações contábeis. Ao utilizar-se de trabalhos executados por outros especialistas legalmente habilitados, o deve obter evidência suficiente de que tais trabalhos são adequados para fins de sua auditoria.
  180. 180. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 180 Referência ao Especialista no Parecer do Auditor A responsabilidade do auditor fica restrita à sua competência profissional. Em se tratando de um parecer sem ressalva, o não pode fazer referência do trabalho de especialista no seu parecer. Em situações onde especialista legalmente habilitado for contratado pela entidade auditada, sem vínculo empregatício, para executar serviços que tenham efeitos relevantes nas demonstrações contábeis, este fato deve ser divulgado nas demonstrações contábeis e o auditor, ao emitir o parecer de forma diferente do parecer sem ressalvas, pode fazer referência ao trabalho do especialista.
  181. 181. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 181 PLANEJAMENTO E SUPERVISÃO O auditor deve planejar seu trabalho consoante as Normas Profissionais de Auditor Independente as Normas Brasileiras de Contabilidade e de acordo com os prazos e demais compromissos contratualmente assumidos com a entidade.
  182. 182. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 182 RELEVÂNCIA Os exames de auditoria devem ser planejados e executados na expectativa de que os eventos relevantes relacionados com as demonstrações contábeis sejam identificados.
  183. 183. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 183 É a possibilidade de o auditor vir a sobre as demonstrações contábeis significativamente incorretas.
  184. 184. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 184 A análise dos riscos de auditoria deve ser feita na fase de , considerando a relevância de: , considerando as demonstrações contábeis, bem como as atividades, qualidade de administração, avaliação do sistema contábil e de controles internos e a situação econômica e financeira; , relativos ao saldo das contas ou naturezas e volume de transações.
  185. 185. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 185 – é o risco de , por ser o exame efetuado em base de testes. – é o risco de que os sistemas contábeis e de controle interno . – é o risco de que o saldo de uma conta ou classe de transações tenha uma distorção que poderia ser relevante, .
  186. 186. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 186 O auditor deve efetuar o estudo e avaliação do sistema contábil e dos controles internos da entidade, com base para determinar a natureza, , considerando:
  187. 187. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 187  o tamanho e complexidade das atividades da entidade;  os sistemas de informação contábil, para efeitos tanto internos quanto externos;  as áreas de risco de auditoria;
  188. 188. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 188  a natureza da documentação, em face dos sistemas de informatização adotados pela entidade;  o grau de descentralização de decisão adotado pela administração da entidade;  o grau de , se existente.
  189. 189. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 189 O Parecer dos Auditores Independentes é o documento mediante o qual , de forma clara e objetiva, sobre as demonstrações contábeis nele indicadas.
  190. 190. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 190 Considerando que o auditor, ao expressar sua opinião, , é indispensável que tal documento obedeça às características intrínsecas e extrínsecas, sendo:
  191. 191. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 191  o parecer é aos acionistas, cotistas, ou sócios, ao conselho de administração ou à diretoria da entidade;  o parecer as demonstrações contábeis sobre as quais o auditor está expressando sua opinião;
  192. 192. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 192  o parecer deve ser , e conter seu número de registro no CRC – Conselho Regional de Contabilidade;  caso o trabalho tenha sido realizado por , o nome e o número de registro cadastral no CRC;
  193. 193. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 193  a data do parecer deve corresponder ao ;  o parecer deve expressar clara e objetivamente, se as demonstrações contábeis auditadas, em todos os aspectos relevantes, , .
  194. 194. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 194 As informações que serviram de base para o último parecer sobre as demonstrações contábeis emitido pelo que tenha sido precedido podem ser divulgadas para o , desde que a entidade auditada autorize previamente, por escrito.
  195. 195. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 195 Modelo de relatório do auditor independente - NBC TA 700 (Destinatário apropriado) Examinamos as demonstrações contábeis da Companhia ABC (companhia), que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 20X1 e as respectivas demonstrações do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas.
  196. 196. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 196 Responsabilidade da administração sobre as demonstrações contábeis A administração da Companhia é responsável pela elaboração e adequada apresentação dessas demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro.
  197. 197. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 197 Responsabilidade dos auditores independentes Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis estão livres de distorção relevante.
  198. 198. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 198 Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações contábeis. Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis da companhia para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da companhia.
  199. 199. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 199 Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião.
  200. 200. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 200 Opinião Em nossa opinião, as demonstrações contábeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Companhia ABC em 31 de dezembro de 20X1, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Local (localidade do escritório de auditoria que emitiu o relatório) e data do relatório do auditor independente Nome do auditor independente (pessoa física ou jurídica) Nome do profissional (sócio ou responsável técnico, no caso de o auditor ser pessoa jurídica) Números de registro no CRC da firma de auditoria e do profissional que assina o relatório Assinatura do auditor independente
  201. 201. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 201 O auditor deve emitir parecer sem ressalva quando existir qualquer das circunstâncias seguintes, que, na sua opinião, tenham efeitos relevantes para as demonstrações contábeis:
  202. 202. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 202 a respeito do conteúdo e/ou forma de apresentação das demonstrações contábeis; ou .
  203. 203. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 203 Essas informações devem ser apresentadas em do parecer, e, se for caso, fazer referência a uma divulgação mais ampla pela entidade em nota explicativa às demonstrações contábeis.
  204. 204. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 204 Quando o auditor conclui que o não é de tal magnitude que requeira parecer adverso ou abstenção de opinião.
  205. 205. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 205 Deve obedecer ao modelo do parecer sem ressalva, com a utilização das expressões referindo-se aos efeitos do assunto objeto da ressalva.
  206. 206. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 206 O auditor emite opinião de que as demonstrações contábeis , nas datas e períodos indicados.
  207. 207. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 207 O auditor deve emitir parecer adverso quando verificar que as demonstrações contábeis estão , em tal magnitude que impossibilite a emissão do parecer com ressalva.
  208. 208. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 208 É aquele em que , por não ter obtido comprovação suficiente para fundamentá-la.
  209. 209. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 209 Quando ocorrer incerteza em relação a fato relevante, , bem como o resultado das suas operações, deve o auditor adicionar um , após o parágrafo de opinião, fazendo referência à nota explicativa da administração, que deve descrever de forma mais extensa, a natureza e, quando possível, o efeito da incerteza.
  210. 210. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 210 Na hipótese do emprego de , o parecer .
  211. 211. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 211 Se o auditor concluir que a matéria envolvendo não está adequadamente divulgada nas demonstrações contábeis, o seu , pela omissão ou inadequação da divulgação.
  212. 212. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 212 O auditor deve incluir no seu parecer informações consideradas relevantes , ainda que divulgadas pela entidade.
  213. 213. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 213 Se, após a emissão do parecer, o auditor tomar , existente na data da emissão do parecer que, se conhecido na ocasião, poderia ter gerado a modificação do seu parecer final, nesse caso o procedimento a ser efetuado pelo auditor será com sobre as demonstrações contábeis revisadas.
  214. 214. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 214 Quando houver de outros auditores independentes no exame das demonstrações contábeis das controladas e/ou coligadas, relevantes, o auditor da controladora e/ou investidora .
  215. 215. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 215 O auditor pode expressar opinião sobre demonstrações contábeis apresentadas de forma condensada, desde que tenha sobre as demonstrações contábeis originais.
  216. 216. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 216 Toda , relacionada com ressalva, parecer adverso, parecer com abstenção de opinião e/ou ênfase, constante do parecer do auditor sobre demonstrações contábeis originais, .
  217. 217. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 217 Sempre que o nome do Auditor estiver, de alguma forma, associado com demonstrações ou informações contábeis que , estas devem ser claramente identificadas como em cada folha do conjunto.
  218. 218. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 218 Podem ser , elaborados de forma escrita e sujeitos a determinadas normas, muitas das quais estão contidas nas próprias normas de auditoria, existindo ainda os , que geralmente não consubstanciam a forma escrita, mas compreendem apenas informações verbais, transmitidas aos administradores da entidade auditada ou a seus subordinados, e que envolvem assuntos não relevantes, que podem ser corrigidos sem que precisem constar de relatórios formais.
  219. 219. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 219 Entre os , podemos distinguir os seguintes tipos principais: – também conhecido por Parecer do Auditor. – poderão ser bastante analíticos, quanto à descrição dos trabalhos realizados, mas poderão não conter uma opinião final e formal do auditor.
  220. 220. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 220 OBRIGADO !
  221. 221. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 221
  222. 222. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 222 Os Testes em Auditoria constituem o processo pelo qual o auditor reúne elementos comprobatórios. Pode-se aplicar os testes a todas as transações ou a uma amostra representativa adequada. É o procedimento por meio do qual o auditor consegue examinar uma quantidade menor que o total de um conjunto de dados, a fim de emitir uma conclusão sobre o mesmo.
  223. 223. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 223 O problema fundamental do auditor é a maneira de determinar a natureza e a extensão da verificação necessária: • até onde se deve chegar, • quanto é necessário investigar, • quais são as variáveis a considerar, para se ter a certeza de que as condições testadas referem-se também às que não foram e, com isso, formar uma opinião definitiva sobre as áreas auditadas.
  224. 224. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 224 PROCEDIMENTOS São o conjunto de técnicas que permitem ao auditor obter evidências ou provas suficientes e adequadas para fundamentar sua opinião sobre as demonstrações contábeis auditadas e abrangem testes de observância e testes substantivos.
  225. 225. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 225 CLASSIFICAÇÃO DAS EVIDÊNCIAS Durante todo o processo de formação de uma opinião independente, o auditor vai recolhendo evidências acerca da fidedignidade das demonstrações contábeis tomadas em conjunto.
  226. 226. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 226 Para melhor conhecer os diferentes tipos de evidências, os auditores classificam-nas inicialmente em: • evidências quanto à finalidade, • evidências quanto à natureza.
  227. 227. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 227 Evidências quanto à FINALIDADE SOBRE A CONTINUIDADE A continuidade normal das atividades deve merecer especial atenção do Auditor, quando do planejamento dos seus trabalhos, ao analisar os riscos de auditoria, e deve ser complementada quando da execução de seus exames.
  228. 228. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 228 SOBRE O SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS Os auditores reconhecem que grande parte da fidedignidade das demonstrações contábeis é assegurada pela qualidade do sistema de controles internos em uso.
  229. 229. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 229 EVIDÊNCIAS BÁSICAS Ao auditor cabe julgar a veracidade das informações, como essência de seu trabalho. Existem, dessa forma, duas questões capitais, faz-se mister assegurar-se:  de que todas as transações realizadas foram, de fato, registradas de acordo com os Princípios Fundamentais de Contabilidade; e  de que essas transações são legítimas.
  230. 230. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 230 2) Evidências quanto à NATUREZA  Existência Física;  Declaração de fontes consultadas: - escritas, - verbais.
  231. 231. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 231 Documentação comprobatória:  documentos externos;  documentos internos com circularização externa; e  documentos internos sem circularização externas.  Repetição de Cálculos;  Procedimentos de controle interno;  Acontecimentos posteriores.
  232. 232. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 232 TÉCNICAS DE AUDITORIA São o conjunto de investigações empregadas pelo auditor para reunir as evidências. As técnicas não são provas em si, mas devem proporcionar a obtenção das provas necessárias para emitir o parecer fundamentado.
  233. 233. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 233 As técnicas mais usuais são as seguintes: EXAME E CONTAGEM FÍSICA Este procedimento é utilizado para as contas do ativo e consiste em identificar fisicamente o bem. O exame físico deve conter as seguintes caracterísitcas básicas: quantidade, existência física, identificação, autenticidade e qualidade.
  234. 234. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 234 CIRCULARIZAÇÃO  Positiva – é aquela em que o auditor sempre espera receber uma resposta, confirmando, ou não, o saldo ou posição demonstrada.  Negativa – somente prevê resposta em caso de discordância da fonte externa em relação ao saldo ou posição informada.
  235. 235. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 235 CONFERÊNCIA DE CÁLCULOS: • cálculo de valores de estoques; • cálculos de amortização de despesas antecipadas; • cálculos de depreciações dos bens do ativo imobilizado; • cálculos dos juros provisionados.
  236. 236. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 236 Inspeção dos documentos: Averiguação: Fazer perguntas ao pessoal do cliente sobre quaisquer aspectos ou questões acerca dos quais o auditor tenha dúvida ou queira simplesmente confirmar seu pensamento. Correlação: É o relacionamento harmônico do sistema contábil de partidas dobradas. A uniformidade das contas que se relacionam, constitui certamente alguma prova de que elas estão livres de, pelo menos, erros mecânicos.
  237. 237. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 237 TESTES DE AUDITORIA Testes de Observância (cumprimento de normas internas dos controles chaves). São os procedimentos empregados, a fim de determinar se cumprem corretamente certos procedimentos de controle interno, estabelecidos pelo sistema de empresa.
  238. 238. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 238 Para entender o funcionamento do sistema de controles internos o auditor entrevista os funcionários, colhendo informações acerca de como as transações são processadas.
  239. 239. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 239 Após esse entendimento, é necessário: • verificar se o sistema funciona consistentemente conforme descrito pelos funcionários da empresa; e • determinar a natureza e a quantidade de erros que possam ter ocorrido na aplicação dos procedimentos de controle previstos no sistema.
  240. 240. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 240 Testes Substantivos (comprobatórios de transações) São aqueles empregados com a finalidade de obter provas suficientes e convincentes sobre as transações, saldo e divulgações nas demonstrações financeiras, que proporcionem fundamentação razoável para a emissão do relatório.
  241. 241. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 241 O objetivo é certificar-se da correção de um ou mais dos seguintes pontos:  existência: se o componente patrimonial existe em certa data;  direitos e obrigações: se efetivamente existentes em certa data;  ocorrência: se a transação de fato ocorreu;
  242. 242. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 242  abrangência: se todas as transações estão registradas; e  mensuração, apresentação e divulgação: se os itens estão avaliados, divulgados, classificados e descritos de acordo com os Princípios Fundamentais de Contabilidade e as Normas Brasileiras de Contabilidade.
  243. 243. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 243 Testes Substantivos Subdividem-se em:  testes das transações e saldos;  procedimentos de revisão analítica.
  244. 244. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 244 Testes Substantivos GLOBAIS Em alguns casos, o auditor pode convencer-se de que o saldo total é razoável, sem serem necessários testes detalhados. Exemplo: Dados relativos ao ativo imobilizado e amortização; lucros de títulos de renda; folha de pagamento ou salários de empregados de uma organização pequena.
  245. 245. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 245 Testes Substantivos de PROCEDIMENTOS DE REVISÃO ANALÍTICA Correspondem a uma modalidade de testes substantivos de elementos econômico- financeiros por meio de análise e comparação do relacionamento entre eles. Poderá indicar a necessidade de procedimentos adicionais ou, contrariamente, a extensão a que outros poderão ser reduzidos.
  246. 246. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 246 APLICAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA Deve ser realizada, em razão da complexidade e volume das operações, por meio de provas seletivas, testes e amostragens, cabendo ao auditor, com base na análise de riscos de auditoria e outros elementos de que dispuser, determinar a amplitude dos exames necessários à obtenção dos elementos de convicção que sejam válidos para o todo.
  247. 247. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 247 Na prática dos testes de observância e substantivos, o auditor deve considerar os seguintes procedimentos técnicos básicos: a) Inspeção – exame dos registros, documentos e de ativos tangíveis; b) Observação – acompanhamento de processo ou procedimento quando de sua execução;
  248. 248. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 248 c) Investigação e Confirmação – obtenção de informações junto a pessoas ou entidades conhecedoras da transação, dentro ou fora da entidade; d) Cálculo – conferência da exatidão aritmética de documentos comprobatórios, registros e demonstrações contábeis e outras circunstâncias; e e) Revisão Analítica – verificação do comportamento de valores significativos, mediante índices, quocientes, quantidades absolutas ou outros meios, com vistas à identificação de situação ou tendências atípicas.
  249. 249. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 249 COMBINAÇÃO DE TESTES DE OBSERVÂNCIA E SUBSTANTIVOS O equilíbrio a ser atingido na combinação dos testes depende de diversos fatores e circunstâncias, sendo:  se os controles internos são fortes, a combinação dos procedimentos normalmente deve favorecer os testes de observância e os testes substantivos analíticos;
  250. 250. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 250  se os controles internos são fracos, a combinação dos procedimentos deve normalmente favorecer os testes substantivos mais extensos, tanto os analíticos como os de detalhes;  o tamanho da amostragem de todos os testes normalmente deve ser maior quando os controles internos são fracos.
  251. 251. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 251 DIREÇÃO DOS TESTES O saldo de uma conta do balanço patrimonial ou da demonstração do resultado pode estar errado para mais (superavaliado) ou para menos (subavaliado). A experiência tem demonstrado que é mais prático dirigir os testes principais de superavaliação para as contas devedoras e os de subavaliação para as contas credoras.
  252. 252. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 252 TESTES PARA SUPERAVALIAÇÃO O auditor parte do valor registrado no razão geral para o documento- suporte da transação. Razão geral -> registro final -> registro intermediário -> registro inicial -> documento.
  253. 253. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 253 TESTES PARA SUBAVALIAÇÃO O auditor parte do documento para o razão geral, agindo de forma contrária ao do teste de superavaliação.
  254. 254. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 254 AMOSTRAGEM ESTATÍSTICA Ao determinar a extensão de um teste de auditoria ou método de seleção de itens a testar, o auditor pode empregar técnicas de amostragem. Amostragem é a utilização de um processo para obtenção de dados aplicáveis a um conjunto, denominado universo ou população, por meio do exame de uma parte deste conjunto denominada amostra.
  255. 255. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 255 Ao planejar e determinar a amostra de auditoria, o auditor deve levar em consideração os seguintes aspectos: • os objetivos específicos da auditoria; • a população da qual o auditor deseja extrair a amostra; • a estratificação da população; • o tamanho da amostra; • o risco da amostragem; • o erro tolerável; e • o erro esperado.
  256. 256. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 256 O risco de amostragem surge da possibilidade de que a conclusão do auditor, com base em uma amostra, possa ser diferente da conclusão que seria alcançada se toda a população estivesse sujeita ao mesmo procedimento de auditoria.
  257. 257. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 257 O auditor está sujeito ao risco de amostragem nos testes de observância e testes substantivos, sendo: 1) Testes de Observância: • Risco de subavaliação da confiabilidade: é o risco de que, embora o resultado da aplicação de procedimentos de auditoria sobre a amostra não seja satisfatório, o restante da população possua menor nível de erro do que aquele detectado na amostra.
  258. 258. AUDITORIA CONTÁBIL Auditoria Contábil Silvio Aparecido Crepaldi 258 • Risco de superavaliação da confiabilidade: é o risco de que, embora o resultado da aplicação de procedimentos de auditoria sobre a amostra seja satisfatório, o restante da população possua maior nível de erro do que aquele detectado na amostra.

×