Analise comparativa the english patient - pibic

106 visualizações

Publicada em

a literatura canadense vai ao cinema

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
106
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Analise comparativa the english patient - pibic

  1. 1. A LITERATURA CANADENSE VAI AO CINEMA: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE TEXTOS LITERÁRIOS E ADAPTAÇÕES FÍLMICAS. The English Patient Orientadora: Prof. Dr. Maria do Socorro Baptista Barbosa Bolsista: Mara Rute de Souza Nunes.
  2. 2. Introdução Desde seus primeiros dias, o filme teve um interesse em várias formas e 'Materiais' oferecidos pela literatura. Como um modo de representação que envolve o eixo temporal parece de fato lógico para começar a 'contar histórias' por meio do cinema, como na ficção e teatro. Desde então cineastas começaram a desenhar em literatura um "elevado" para as suas histórias, adaptações cinematográficas de obras literárias têm sido um meio amplamente utilizado para adquirir material narrativo, lucrando com a popularidade ou o prestígio de um livro bem conhecido, ou expressando valorização do cineasta e leitura pessoal da obra. Mesmo se o objetivo é o de'fielmente preservar' conteúdo e significado da fonte literária, a mudança de médio, inevitavelmente, envolve mudanças em muitos níveis e em diferentes graus. Para Linda Hutcheon, o recurso especial de adaptação encontra-se nesta mesma ambiguidade: "Não é só uma copia em qualquer modalidade de reprodução, mecânica ou de outra forma. É a repetição, mas sem replicação, que reúne o conforto de ritual e reconhecimento com o de surpresa e novidade. Como adaptação, que envolve tanto a memória e mudança, persistência e variação "(Hutcheon 173). Uma adaptação bem feita de um livro conhecido pode assim proporcionar o gozo de ceder em cenas familiares, personagens e citações, e de descobrir novos aspectos e uma leitura alternativa.
  3. 3. Objetivos: • Geral: Mostrar de que maneira as linguagens literárias e cinematográficas se complementam ou se contrapõem a partir de uma análise comparativa entre textos literários e suas versões para o cinema. • Específicos: 1. Verificar como os elementos narrativos se entrelaçam em um texto literário e em sua adaptação para o cinema a partir de uma análise comparativa; 2. Analisar de que forma as narrativas interferem ou não na construção identitária de protagonistas tanto de textos literários como de textos fílmicos.
  4. 4. Material e Métodos • 1. Foram feitas leitura de textos sobre literatura e cinema para elaboração do referencial teórico que serviu de base para o relatório final da pesquisa, bem como para a redação de diferentes artigos sobre a relação entre literatura e cinema; • 2. Leitura dos textos literários; • 3. Após a leitura, foram vistos os filmes produzidos a partir de uma adaptação dos texto; • 4. Foi feita uma análise comparativa entre o textos literário e o texto fílmico; • 5. Redação de artigos acerca da comparação estabelecida. • 6. Apresentação dos artigos em eventos nacionais, em especial no evento promovido pela UESPI para este fim.
  5. 5. Resultados e Discussões • Essa analise compara o romance “O Paciente Inglês” de Michael Ondaatje (1992), com sua adaptação para o cinema (1996, roteiro / diretor: Anthony Minghella). A parte teórica é dividido em dois sub-capítulos. A primeira lida com a "linguagem" do filme, dando uma visão geral dos principais aspectos e técnicas de expressão fílmica e das maneiras que podem ser utilizados a fim de produzir certos efeitos. A segunda diz respeito à adaptação cinematográfica de literatura como tal. Os dois princípios centrais na comparação de filmes com as suas fontes literárias são discutidas, nomeadamente a fidelidade ao texto de origem, por um lado, e a especificidade da película média sobre a outra. A análise compara o filme e o livro em relação a determinados aspectos. A memoria e lembrança - também em relação à estrutura narrativa - desempenham um papel importante em ambas as obras, este tópico é dada muita atenção nos primeiros subcapítulos da seção analítica, que olham para as diferentes estruturas de frame, a estrutura narrativa geral, a conexão entre os níveis de narrativa e a função do corpo como um local de memória e de identidade.
  6. 6. Resultados e Discussões • Torna-se evidente que o filme se concentra fortemente na história de amor dos personagens Almásy e Katharine, que é contada em flashbacks. Por exemplo, uma cena a partir deste nível narrativa é usado como uma moldura no início e no final do filme, o que não é o caso no livro. Exceto para o enquadramento, a estrutura narrativa fragmentária, não-linear do livro foi suavizada para o filme. Isto pode ser explicado com a pressão mais forte narrativa de recepção da película. Como resultado, no entanto, no passado como ele aparece ao sujeito lembrado, parece ser clara, fixa, e acessível, O que contrasta com o conceito de memória expressa . O livro mostra conexões frequentes entre o presente e o passado, por exemplo, por meios linguísticos, motivos recorrentes ou constelações de caracteres paralelas.
  7. 7. Conclusão Para concluir, remetendo para a cotação desde o início deste papel, tornou-se evidente na comparação que "forma de traduções e ênfase "(Ondaatje 1997: viii) são inevitáveis ​​e necessárias em qualquer adaptação a um meio diferente. Como Forshey observa, filmes normalmente exigem uma narrativa central, caracteres com claras intenções e imagens para comunicar as idéias e competências no âmbito da sua história - as coisas que no livro O Paciente Inglês não tem. O ato de adaptação é tanto o da imaginação como o ato de imaginar uma nova história. Minghella tomou uma narrativa central, adicionando, subtraindo-se e reorganizando, deu ao seu público uma experiência nova. (Forshey 97-98) Uma adaptação se torna especial, por decisão de seus produtores, dependente dos leitores do livro e as circunstâncias e objetivos da produção, e se vale a pena assistir depende do gosto pessoal dos telespectadores. A comparação das duas "versões" pode, no entanto, servir para destacar os meios específicos de cinema, para narrar, significar, e se envolver. Ela também pode nos dizer algo sobre o grau de romance em uma obra literária especifica. Uma adaptação de um livro caracterizado por uma linguagem tão complicada e poética e a uma estrutura tão complexa como a do O Paciente Inglês, pode, ao que parece, dificilmente alcançar resultados comparáveis.
  8. 8. Referências BARBOUR, Douglas (1993) Michael Ondaatje. New York: Twayne Publishers. BRITTAN, Alice (2006) “War and the Book: The Diarist, the Cryptographer, and The English Patient.” PMLA: Publications of the Modern Language Association of America 121.1: 200-13. CAHIR, Linda Constanzo (2006) Literature into Film: Theory and Practical Approach. Jefferson: McFarland. FORSHEY, Gerald E. (1997) “The English Patient: From Novel to Screenplay.” Creative Screenwriting 4.2: 91-98. HILGER, Stephanie M. (2005) “Ondaatje’s The English Patient and Rewriting History.” Comparative Cultural Studies and Michael Ondaatje’s Writing. Ed. Steven Tötösy de Zepetnek. West Lafayette: Purdue UP, 38-48. ONDAATJE, Michael (1993) The English Patient [1992]. London: Picador. Ondaatje, Michael (1997) “Foreword.” In MINGHELLA 1997a: vii-x. Ondaatje, Michael (2002) The Conversations: Walter Murch and the Art of Editing Film. New York: Alfred A. Knopf. PAECH, Joachim (1997) Literatur und Film. 2nd ed. Stuttgart & Weimar: Metzler. PENNER, Tom (2000) “Four Characters in Search of an Author-Function: Foucault, Ondaatje, and the ‘Eternally Dying’ Author in The English Patient.” Canadian Literature 165: 78-93. PESCH, Josef (1997) “Post-Apocalyptical War Histories: Michael Ondaatje’s The English Patient.” ARIEL: A Review of International English Literature 28.2: 117-39.
  9. 9. Thank you! Obrigada!

×