SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Baixar para ler offline
COMANDOS
ELÉTRICOS
M Ó D U L O 3
M A R I N A B R A N D Ã O
É nas quedas que o rio cria energia.
Hermógenes
M A R I N A B R A N D Ã O
SUMÁRIO
CHAVES DE PARTIDA
Chave de Partida Direta
Chave de Partida Compensadora
Chave de Partida Estrela Triângulo
DIAGRAMA DE COMANDOS ELÉTRICOS
LEGISLAÇÃO
04
04
09
13
15
27
São soluções para acionamento de motores
elétricos monofásicos e trifásicos, elas
permitem aos usuários manobras de
acionamento on/off proporcionando proteção
ao circuito e motor.
CHAVES DE PARTIDA
04
São comandos elétricos utilizados para
partidas e proteção de motores elétricos. Elas
podem ser utilizadas em motores trifásicos ou
monofásicos.
CHAVE DE PARTIDA DIRETA
05
Essas chaves são montadas em caixas
termoplásticas ou metálicas, possuindo um alto
grau de proteção, e fabricada de forma bem
compacta para fácil instalação em maquinas,
equipamentos e instalações elétricas
industriais.
Seu funcionamento ocorre através de
dispositivos elétricos que podem contar com:
disjuntores, fusíveis, contatores de potência e
relés termo-magnéticos de proteção. Esse
circuito é interligado eletricamente e conta
com um circuito de comando básico para
acionamento e proteção.
Essas chaves realizam um acionamento
através de partida direta, principalmente em
motores trifásicos, assim, um motor quando
acionado por uma chave de partida direta gera
picos de corrente, que pode chegar a cerca de
13X mais que a corrente de trabalho.
Este efeito é denominado de pico de corrente
de partida, este fenômeno acontece devido ao
esforço do rotor, pois no momento da partida o
mesmo exige muita energia induzida, o estator
absorve a mesma demanda de energia da rede,
isso ocorre até que o rotor consiga romper a
inercia de partida.
06
Essa energia da rede é consumida em corrente
induzida no rotor que busca chegar à
velocidade síncrona do campo magnético
girante.
As bruscas oscilações de corrente geradas nas
partidas dos motores podem gerar surtos na
rede de alimentação, causando muitas vezes
queda de tensão, prejudicando outros
equipamentos e instalações físicas como cabos
elétricos e componentes do circuito.
A potência das chaves de partidas diretas está
limitada a motores de menor potência, até
10CV, normalmente se limita a motores que
não possuem um alto conjugado de partida,
também não exigem elevado torque dos
motores.
Utilizamos as chaves principalmente em
indústrias, residenciais e áreas rurais para
acionamento de pequenos motores, sistemas de
irrigação e bombeamento, máquinas e
equipamentos, ventiladores e exaustores,
piscinas e pequenos moto vibradores.
07
Partida direta trifásica e monofásica:
Consiste em uma simples partida direta
que dispõe de um relé térmico para
proteção do circuito.
Partida direta trifásica com fusível: Dispõe
de três fusíveis NH e um relé térmico para
proteção do circuito e moto;
Partida direta trifásica e monofásica
motobombas: Consiste em uma simples
partida direta que dispõe de um relé
térmico para proteção do circuito, foi
projetada especificamente para utilização
em motobombas, possuindo um controle de
nível dentro do seu circuito de comando;
Partida direta trifásica com comutação
manual para 2 motores: Possui uma
simples partida direta para motores
trifásicos, dispõe de um relé térmico para
proteção do circuito, porém podem acionar
dois motores de forma individual.
Tipos chaves de partida
Os principais tipos de acionamento através de
chaves de partida são:
08
Partida direta trifásica com proteção
contra falta de fase: Essa chave de partida
trifásica dispõe de um relé térmico para
proteção do circuito e também conta com
um relé para detecção de falta de fase que
monitora a rede, protegendo o circuito e
evitando queimas do motor por falta de
fase.
Partida reversora trifásica: Essa chave de
partida trifásica dispõe de dois contatores,
que são acionados individualmente, para
realizar a inversão das fases e assim
possibilitar a partida sentido anti-horário e
horário.
Partida direta com disjuntor-motor: Este
tipo de chave de partida trifásica dispõe de
disjuntor motor para proteção contra
sobrecargas e curto circuito.
As aplicações da chaves de partida diretas são
amplas, porém limitadas pelos efeitos da
corrente de partida, característica deste tipo
de acionamento, desta forma a potência do
motor a ser acionado está limitada a pequenos
motores de potência máxima a 10CV
(consumidores rede secundária).
Ao acionar a partida do motor elétrico, a
corrente elétrica pode alcançar valores de até
dez vezes maiores do que a corrente nominal
do motor elétrico, o que chamamos de
“corrente de pico”.
Para resolver este problema, existem formas
alternativas de partir o motor elétrico, como a
partida estrela-triângulo, a partida eletrônica
(usando um soft starter) e a partida com chave
compensadora.
Na partida com chave compensadora é
utilizado um autotransformador para fornecer
uma tensão reduzida nas bobinas do motor. A
primeira Lei de Ohm, defini que ao diminuir o
valor de tensão em um circuito, o valor de
corrente também será diminuído.
Na partida com chave compensadora são
utilizados dois contatores a mais do que seria
utilizado em uma partida direta.
O segundo contator liga as fases da rede nos
terminais do autotransformador, eles são
chamados de TAPs, e cada conjunto de três
TAPs indica uma porcentagem de tensão que
será entregue ao motor.
09
CHAVE DE PARTIDA
COMPENSADORA
O terceiro contator liga as fases que saem do
auto transformador ao motor. Quando o
operador do circuito aperta o botão para
colocar o circuito em funcionamento, a bobina
do segundo e do terceiro contator são
energizadas.
O motor parte com a tensão reduzida, que sai
do autotransformador, o relé temporizador
começa a contar e quando chega no tempo pré-
determinado, este temporizador desativa o
segundo e o terceiro contator, ativando o
primeiro que faz com que o motor receba a
tensão da rede, como em uma partida direta.
O tempo que o relé temporizador leva para
desativar os dois contatores é justamente o
tempo que o motor leva para alcançar a sua
velocidade nominal.
10
Compatível com qualquer motor trifásico;
Utiliza somente três fios do motor:
O motor permanece energizado em todo o
momento:
Redução na corrente de partida;
A partida do motor pode ser com carga.
Custo mais caro devido à utilização do
auto transformador;
Ocupa um espaço maior devido à utilização
do auto transformador;
Baixo número de partidas devido à
utilização do auto transformador.
Vantagens da partida compensadora:
Desvantagens da partida compensadora:
11
Partida Compensadora com Reversão
Algumas situações existe a necessidade de
utilizar a partida compensadora é
acompanhada pela necessidade de inverter o
sentido de rotação do motor elétrico.
Para isso, é utilizada a chave compensadora
com reversão. A reversão do sentido de
rotação do motor na partida compensadora é
utilizado mais dois contatores.
Um contator inverte a posição das fases para
que o sentido de rotação do motor seja
invertido e o outro faz o fechamento dos
terminais do auto transformador. Ela necessita
do uso de um temporizador para seu
funcionamento.
12
Realiza a partida de motores trifásico com
fechamento estrela e logo após alguns
segundos ao ser acionado, o sistema irá mudar
para o fechamento triângulo. O objetivo dessa
partida é reduzir o valor da corrente de pico no
instante da partida dos motores trifásicos.
Esse fechamento é fundamental que o motor
utilizado possua no mínimo seis terminais de
conexão em sua caixa de ligação, pois o
fechamento das bobinas será realizado com o
auxílio dos contatores.
A ligação estrela não é presente apenas nos
motores elétricos trifásicos, mas também em
transformadores de alta tensão que é de onde
surge o fio neutro.
Essa partida não é diferente da partida
indireta, pois possui o intuito de reduzir o
valor da corrente de pico no momento da
partida do motor, isso faz a partida ser o mais
suave possível, sendo viável para a maioria
das aplicações.
13
CHAVE DE PARTIDA
ESTRELA TRIÂNGULO
É executada em duas etapas, pois o motor está
apto a receber até dois níveis de tensão, que
normalmente são 220V e 380V.
Este tipo de ligação permite que o motor
receba máxima tensão de alimentação para a
qual foi projetado, em um motor que possui a
tensão de alimentação 220/380V este
fechamento em estrela permite que ele receba
uma tensão no valor de 380V.
14
A padronização dos projetos que envolvem
comandos elétricos é imprescindível para o
trabalho em elétrica. Existe dois tipos de
diagramas, o diagrama multifilar e o
diagrama unifilar.
DIAGRAMA DE COMANDOS
ELÉTRICOS
15
Diagrama Unifilar
Diagrama Multifilar
A padronização dos projetos que envolvem
comandos elétricos é imprescindível para o
trabalho em elétrica. Existe dois tipos de
diagramas, o diagrama multifilar e o
diagrama unifilar.
O diagrama multifilar é mais detalhado,
mostrando todos os condutores que compõem o
circuito, deixando o diagrama muito carregado
de informação caso o projeto seja complexo.
O diagrama unifilar, simplifica a
representação, já que num único fio é possível
a identificar todos os condutores envolvidos
em determinada ligação.
Existe uma convenção para nomear cada
componente do diagrama, segundo a NBR
5280. Segue abaixo:
F Dispositivo de Proteção
H Dispositivo de Sinalização
K Contadores
M Motores
Q Dispositivos de Manobra para
Circuitos de Potência
16
S Dispositivos de Manobra, Seletores
Auxiliares
1, 3 e 5 Entrada do Circuito (linha)
2, 4 e 6 Circuito de Saída (terminal)
1 e 2 Entrada e Saída do Contato
Normalmente Fechado- NF (Auxiliares)
3 e 4 Entrada e Saída do Contato
Normalmente Aberto- NA (Auxiliares)
A1 e A2 Relés e Contatores
(Terminais da Bobina)
17
Primeiro dígito: indica o número do
contato;
Segundo dígito: indica se o contato é do
tipo NF (1 e 2) ou NA (3 e 4).
Os contatos auxiliares de um contator seguem
um tipo especial de numeração, onde o número
é composto por dois dígitos:
A elaboração de diagramas elétricos não é
uma tarefa fácil, por isso é necessário
conhecimento para que você entenda e
diferencie os tipos de diagramas elétricos
existentes, que são basicamente quatro tipos,
sendo o multifilar, funcional, unifilar e trifilar.
Para começar o projeto reúna o máximo de
informações possível: tipos de cargas ou
motores a serem usados, qual a finalidade do
circuito elétrico, tensão de rede fornecida, o
que o cliente exige no circuito, tudo com o
máximo de detalhes e tipos de materiais a
serem usados.
Diagramas que se referem a comandos
elétricos são necessários dois tipos: para as
cargas e o outro para comandos.
18
Diagrama de cargas: Como o próprio nome já
diz o diagrama de cargas é responsável por
conter todas as ligações e informações
referentes às cargas, que geralmente são os
motores.
As informações que deverão ser contidas nesse
diagrama são indicações dos barramentos de
alimentação, nível de tensão, capacidade de
corrente dos barramentos, informações sobre
os tipos de componentes de proteção,
contatores, informações sobre características
das cargas e legenda com informações carimbo
da empresa.
Diagrama de comandos: Os diagramas de
comando, são responsáveis por conter
informações dos equipamentos de acionamento
das cargas e/ou motores, como: temporização,
acionamento por contatores, informações
sobre proteção, botoeiras, sinalizadores, fonte
de energia, contatos, se serão fechados ou
aberto, temporizadores, CLP, soft starter,
inversores de frequência, relés de proteção,
bornes de entrada e saída.
19
Principais Símbolos Encontrados em
Diagramas Elétricos
Os diagramas elétricos são um conjunto de
símbolos gráficos, que são capazes de
representar uma instalação elétrica ou parte
de uma da instalação, garantindo uma
linguagem comum a qualquer profissional em
qualquer parte do mundo.
Os principais símbolos encontrados em
diagramas elétricos são:
Eletrodutos: São responsáveis por comportar
os condutores elétricos pelas paredes e teto da
edificação, eles são essenciais em uma
instalação elétrica, embora não necessitem de
eletricidade.
20
Eletroduto embutido
no teto
Eletroduto embutido
no piso
Eletroduto que sobe
Eletroduto que desce
Condutores
São utilizados para interligarmos os
componentes e dispositivos elétricos. São
responsáveis por conduzir a energia elétrica.
Os condutores devem ser representados
devidamente nos diagramas, para sabermos
corretamente a quantidade de cabos que será
passado pelo eletroduto.
Existe representação para todos os tipos de
condutores, como: fase, neutro, terra, positivo,
negativo e todos os tipos de retorno.
O diâmetro dos eletrodutos pode ser
expressado tanto em milímetro quanto em
polegadas.
21
Condutor Fase Dentro do
Eletroduto
Condutor Neutro Dentro
do Eletroduto
Caixas de Passagem
São usadas para facilitar a passagem de cabos
por longas distâncias, ou locais que contém
muitas curvas, que acaba dificultando a
passagem destes cabos.
As caixas de passagem são como pontos de
derivação para os eletrodutos. A simbologia
das caixas passagem contém a letra” P”,
sendo usadas apenas para derivação, não
possuindo nenhuma tomada ou interruptor.
22
Condutor Retorno Dentro
do Eletroduto
Condutor Terra Dentro do
Eletroduto
Caixa de Passagem no
Piso
Caixa de Passagem no
Teto
Caixa de Passagem na
Parede
Quadro de Distribuição
É o centro de toda instalação elétrica, uma das
partes mais importantes, ele recebe os
condutores do medidor e realiza a divisão dos
circuitos, além de ser no quadro de
distribuição o local onde se encontra grande
parte dos dispositivos de proteção de uma
instalação.
23
Quadro Terminal de Luz e
Força Aparente
Quadro Terminal de Luz e
Força Embutido
Quadro Geral de Luz e
Força Aparente
Quadro Geral de Luz e
Força Embutido
Caixa de Telefone
Interruptores
São dispositivos de comandos, usados para
ligar e desligar um determinado circuito,
principalmente pontos de iluminação, além de
campainhas.
24
Interruptor de uma Seção
Interruptor de Duas Seções
Interruptor de Três Seções
Luminárias
São componentes responsáveis de comportar
as lâmpadas, na simbologia das luminárias
contém diversas informações, como o circuito
que a luminária pertence, potência e
quantidade de lâmpadas.
25
Ponto de Luz Incandescente
no Teto
Ponto de Luz Incandescente
na Parede (arandela)
Ponto de Luz Incandescente
no Teto (embutido)
Ponto de Luz Fluorescente
no Teto
Ponto de Luz Fluorescente
na Parede
Ponto de Luz Fluorescente
no Teto (embutido)
Tomadas
As tomadas elétricas são ponto de conexão
capazes de fornecer energia elétrica, existem
diversos tipos de tomadas, com padrões
distintos, porém este fator não é relevante em
projeto elétrico. No projeto elétrico precisa
especificar, a altura que o ponto de tomada
está instalado, qual o circuito que ela pertence
e qual a sua potência, caso não seja uma
tomada de uso especial a sua potência deve ser
indicada.
26
Tomada Baixa na Parede
(300 mm do piso acabado)
Tomada Média na Parede
(1300 mm do piso acabado)
Tomada Alta na Parede
(2000 mm do piso acabado)
Tomada no Piso
LEGISLAÇÃO
27
São duas normas que devem ser observadas ao
trabalhar com comandos elétricos, a NR 10
(segurança em instalações e serviços em
eletricidade) e a NR 12 (segurança no
trabalho em máquinas e equipamentos).
A NR 10 estabelece os requisitos e condições
mínimas que objetivam a implementação de
medidas de controle e sistemas preventivos, de
forma a garantir a segurança e saúde dos
trabalhadores que, direta ou indiretamente,
interajam em instalações elétricas e serviços
com eletricidade.
Enquanto a NR 12 e seus anexos definem
referências técnicas, princípios fundamentais e
medidas de proteção para garantir a saúde e a
integridade física dos trabalhadores e,
estabelece requisitos mínimos para a
prevenção de acidentes e doenças do trabalho
nas fases de projeto e de utilização de
máquinas e equipamentos de todos os tipos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Construção de Redes de Distribuição
Construção de Redes de DistribuiçãoConstrução de Redes de Distribuição
Construção de Redes de DistribuiçãoMoisés Gomes de Lima
 
Pdf slides das aulas dispositivos utilizados em comandos elétricos
Pdf slides das aulas dispositivos utilizados em comandos elétricosPdf slides das aulas dispositivos utilizados em comandos elétricos
Pdf slides das aulas dispositivos utilizados em comandos elétricosJadson Caetano
 
Apresentação de motores e servomecanismos slideshare
Apresentação de motores e servomecanismos slideshareApresentação de motores e servomecanismos slideshare
Apresentação de motores e servomecanismos slideshareWatson Oliveira
 
Redes e Subestação de Energia Iª PARTE
Redes e Subestação de Energia Iª PARTERedes e Subestação de Energia Iª PARTE
Redes e Subestação de Energia Iª PARTEAdão manuel Gonga
 
Apostila com 20 comandos elétricos fáceis de fazer
Apostila com 20 comandos elétricos fáceis de fazerApostila com 20 comandos elétricos fáceis de fazer
Apostila com 20 comandos elétricos fáceis de fazerClaudio Arkan
 
Manual do inversor de frequência danfoss
Manual do inversor de frequência danfossManual do inversor de frequência danfoss
Manual do inversor de frequência danfossClaudio Arkan
 
Circuitos elétricos industriais_2014
Circuitos elétricos industriais_2014Circuitos elétricos industriais_2014
Circuitos elétricos industriais_2014Marcio Oliani
 
3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)
3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)
3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)Sala da Elétrica
 
inversor de frequencia
inversor de frequenciainversor de frequencia
inversor de frequenciaRenato Amorim
 
Instalações elétricas prática - SENAI
Instalações elétricas   prática - SENAIInstalações elétricas   prática - SENAI
Instalações elétricas prática - SENAILeonardo Chaves
 
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas Elétricos
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas ElétricosCurso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas Elétricos
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas ElétricosSala da Elétrica
 
Simbologia elétrica
Simbologia elétricaSimbologia elétrica
Simbologia elétricaluizbraz
 

Mais procurados (20)

Apostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricosApostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricos
 
Construção de Redes de Distribuição
Construção de Redes de DistribuiçãoConstrução de Redes de Distribuição
Construção de Redes de Distribuição
 
Pdf slides das aulas dispositivos utilizados em comandos elétricos
Pdf slides das aulas dispositivos utilizados em comandos elétricosPdf slides das aulas dispositivos utilizados em comandos elétricos
Pdf slides das aulas dispositivos utilizados em comandos elétricos
 
Apresentação de motores e servomecanismos slideshare
Apresentação de motores e servomecanismos slideshareApresentação de motores e servomecanismos slideshare
Apresentação de motores e servomecanismos slideshare
 
Redes e Subestação de Energia Iª PARTE
Redes e Subestação de Energia Iª PARTERedes e Subestação de Energia Iª PARTE
Redes e Subestação de Energia Iª PARTE
 
Apostila com 20 comandos elétricos fáceis de fazer
Apostila com 20 comandos elétricos fáceis de fazerApostila com 20 comandos elétricos fáceis de fazer
Apostila com 20 comandos elétricos fáceis de fazer
 
Manual do inversor de frequência danfoss
Manual do inversor de frequência danfossManual do inversor de frequência danfoss
Manual do inversor de frequência danfoss
 
Curso de comandos elétricos
Curso de comandos elétricosCurso de comandos elétricos
Curso de comandos elétricos
 
Circuitos elétricos industriais_2014
Circuitos elétricos industriais_2014Circuitos elétricos industriais_2014
Circuitos elétricos industriais_2014
 
3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)
3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)
3 Métodos para calcular a corrente de curto circuito (1) (7)
 
inversor de frequencia
inversor de frequenciainversor de frequencia
inversor de frequencia
 
Guia do eletricista
Guia do eletricistaGuia do eletricista
Guia do eletricista
 
Instalações elétricas prática - SENAI
Instalações elétricas   prática - SENAIInstalações elétricas   prática - SENAI
Instalações elétricas prática - SENAI
 
Comandos elétricos
Comandos elétricosComandos elétricos
Comandos elétricos
 
Instalacoes eletricas 1
Instalacoes eletricas 1Instalacoes eletricas 1
Instalacoes eletricas 1
 
Aula 1(1)
Aula 1(1)Aula 1(1)
Aula 1(1)
 
Aterramento
AterramentoAterramento
Aterramento
 
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas Elétricos
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas ElétricosCurso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas Elétricos
Curso LIDE - Leitura e Interpretação de Diagramas Elétricos
 
COMANDOS ELETRICOS.ppt
COMANDOS ELETRICOS.pptCOMANDOS ELETRICOS.ppt
COMANDOS ELETRICOS.ppt
 
Simbologia elétrica
Simbologia elétricaSimbologia elétrica
Simbologia elétrica
 

Semelhante a [E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf

Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02Miguel Eletricista
 
Frenagem por corrente continua
Frenagem por corrente continuaFrenagem por corrente continua
Frenagem por corrente continuaheltonpz
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Keila Guedes
 
Apostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricosApostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricosMarcelo Pozati
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1andydurdem
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1andydurdem
 
Mec variadores velocidade
Mec variadores velocidadeMec variadores velocidade
Mec variadores velocidadeJoaquim Pedro
 
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemias
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemiasApostila acionamentos eletricos 2008_neemias
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemiasSamuel de Alencastro
 
Alimentação da injeção eletrônica e seus defeitos
Alimentação da injeção eletrônica e seus defeitosAlimentação da injeção eletrônica e seus defeitos
Alimentação da injeção eletrônica e seus defeitosFabio Silva Oliveira
 
06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)
06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)
06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)andydurdem
 
1323531540 componentes-eletricos-do-refrigerador
1323531540 componentes-eletricos-do-refrigerador1323531540 componentes-eletricos-do-refrigerador
1323531540 componentes-eletricos-do-refrigeradorMauro Luiz Costa
 
Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)
Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)
Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)Adailton Brito
 
Sistemas de carga e arranque - Alternador
Sistemas de carga e arranque - AlternadorSistemas de carga e arranque - Alternador
Sistemas de carga e arranque - AlternadorMiguelFernandes123576
 
Curso avançado do sistema Invertex para 830E-AC .ppt
Curso avançado do sistema Invertex para 830E-AC .pptCurso avançado do sistema Invertex para 830E-AC .ppt
Curso avançado do sistema Invertex para 830E-AC .pptIgorAlexandre48
 
gerador sincrono aula 1.pdf
gerador sincrono aula 1.pdfgerador sincrono aula 1.pdf
gerador sincrono aula 1.pdfvasco74
 

Semelhante a [E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf (20)

Guia do eletricista
Guia do eletricistaGuia do eletricista
Guia do eletricista
 
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
 
Siemens guia do eletricista (192)
Siemens   guia do eletricista (192)Siemens   guia do eletricista (192)
Siemens guia do eletricista (192)
 
Frenagem por corrente continua
Frenagem por corrente continuaFrenagem por corrente continua
Frenagem por corrente continua
 
Motor
MotorMotor
Motor
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1
 
Apostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricosApostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricos
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1
 
Softstarter
SoftstarterSoftstarter
Softstarter
 
Mec variadores velocidade
Mec variadores velocidadeMec variadores velocidade
Mec variadores velocidade
 
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemias
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemiasApostila acionamentos eletricos 2008_neemias
Apostila acionamentos eletricos 2008_neemias
 
Alimentação da injeção eletrônica e seus defeitos
Alimentação da injeção eletrônica e seus defeitosAlimentação da injeção eletrônica e seus defeitos
Alimentação da injeção eletrônica e seus defeitos
 
06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)
06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)
06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)
 
1323531540 componentes-eletricos-do-refrigerador
1323531540 componentes-eletricos-do-refrigerador1323531540 componentes-eletricos-do-refrigerador
1323531540 componentes-eletricos-do-refrigerador
 
Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)
Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)
Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)
 
Sistemas de carga e arranque - Alternador
Sistemas de carga e arranque - AlternadorSistemas de carga e arranque - Alternador
Sistemas de carga e arranque - Alternador
 
Comandos elétricos
Comandos elétricosComandos elétricos
Comandos elétricos
 
Curso avançado do sistema Invertex para 830E-AC .ppt
Curso avançado do sistema Invertex para 830E-AC .pptCurso avançado do sistema Invertex para 830E-AC .ppt
Curso avançado do sistema Invertex para 830E-AC .ppt
 
gerador sincrono aula 1.pdf
gerador sincrono aula 1.pdfgerador sincrono aula 1.pdf
gerador sincrono aula 1.pdf
 

Último

apostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheiroapostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheirossuserd390f8
 
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxmarketing18485
 
pgr programa de gerenciamento de risco posto de gasolina
pgr programa de gerenciamento de risco posto  de gasolinapgr programa de gerenciamento de risco posto  de gasolina
pgr programa de gerenciamento de risco posto de gasolinamikhaelbaptista
 
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdfPlanejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdfssusercc9a5f
 
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxavaseg
 
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdfNormas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdfAlexsandroRocha22
 
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADECONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADEssusercc9a5f
 
Análise de Risco na Construcao Civil.pdf
Análise de Risco na Construcao Civil.pdfAnálise de Risco na Construcao Civil.pdf
Análise de Risco na Construcao Civil.pdfMarcoAntonioRSiqueir
 
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VF
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VFST 2024 Statum Apresentação Comercial - VF
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VFmarketing18485
 

Último (9)

apostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheiroapostila de eletricidade básica Werther serralheiro
apostila de eletricidade básica Werther serralheiro
 
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
 
pgr programa de gerenciamento de risco posto de gasolina
pgr programa de gerenciamento de risco posto  de gasolinapgr programa de gerenciamento de risco posto  de gasolina
pgr programa de gerenciamento de risco posto de gasolina
 
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdfPlanejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
 
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
 
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdfNormas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
 
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADECONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
 
Análise de Risco na Construcao Civil.pdf
Análise de Risco na Construcao Civil.pdfAnálise de Risco na Construcao Civil.pdf
Análise de Risco na Construcao Civil.pdf
 
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VF
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VFST 2024 Statum Apresentação Comercial - VF
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VF
 

[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf

  • 2. M A R I N A B R A N D Ã O É nas quedas que o rio cria energia. Hermógenes
  • 3. M A R I N A B R A N D Ã O SUMÁRIO CHAVES DE PARTIDA Chave de Partida Direta Chave de Partida Compensadora Chave de Partida Estrela Triângulo DIAGRAMA DE COMANDOS ELÉTRICOS LEGISLAÇÃO 04 04 09 13 15 27
  • 4. São soluções para acionamento de motores elétricos monofásicos e trifásicos, elas permitem aos usuários manobras de acionamento on/off proporcionando proteção ao circuito e motor. CHAVES DE PARTIDA 04 São comandos elétricos utilizados para partidas e proteção de motores elétricos. Elas podem ser utilizadas em motores trifásicos ou monofásicos. CHAVE DE PARTIDA DIRETA
  • 5. 05 Essas chaves são montadas em caixas termoplásticas ou metálicas, possuindo um alto grau de proteção, e fabricada de forma bem compacta para fácil instalação em maquinas, equipamentos e instalações elétricas industriais. Seu funcionamento ocorre através de dispositivos elétricos que podem contar com: disjuntores, fusíveis, contatores de potência e relés termo-magnéticos de proteção. Esse circuito é interligado eletricamente e conta com um circuito de comando básico para acionamento e proteção. Essas chaves realizam um acionamento através de partida direta, principalmente em motores trifásicos, assim, um motor quando acionado por uma chave de partida direta gera picos de corrente, que pode chegar a cerca de 13X mais que a corrente de trabalho. Este efeito é denominado de pico de corrente de partida, este fenômeno acontece devido ao esforço do rotor, pois no momento da partida o mesmo exige muita energia induzida, o estator absorve a mesma demanda de energia da rede, isso ocorre até que o rotor consiga romper a inercia de partida.
  • 6. 06 Essa energia da rede é consumida em corrente induzida no rotor que busca chegar à velocidade síncrona do campo magnético girante. As bruscas oscilações de corrente geradas nas partidas dos motores podem gerar surtos na rede de alimentação, causando muitas vezes queda de tensão, prejudicando outros equipamentos e instalações físicas como cabos elétricos e componentes do circuito. A potência das chaves de partidas diretas está limitada a motores de menor potência, até 10CV, normalmente se limita a motores que não possuem um alto conjugado de partida, também não exigem elevado torque dos motores. Utilizamos as chaves principalmente em indústrias, residenciais e áreas rurais para acionamento de pequenos motores, sistemas de irrigação e bombeamento, máquinas e equipamentos, ventiladores e exaustores, piscinas e pequenos moto vibradores.
  • 7. 07 Partida direta trifásica e monofásica: Consiste em uma simples partida direta que dispõe de um relé térmico para proteção do circuito. Partida direta trifásica com fusível: Dispõe de três fusíveis NH e um relé térmico para proteção do circuito e moto; Partida direta trifásica e monofásica motobombas: Consiste em uma simples partida direta que dispõe de um relé térmico para proteção do circuito, foi projetada especificamente para utilização em motobombas, possuindo um controle de nível dentro do seu circuito de comando; Partida direta trifásica com comutação manual para 2 motores: Possui uma simples partida direta para motores trifásicos, dispõe de um relé térmico para proteção do circuito, porém podem acionar dois motores de forma individual. Tipos chaves de partida Os principais tipos de acionamento através de chaves de partida são:
  • 8. 08 Partida direta trifásica com proteção contra falta de fase: Essa chave de partida trifásica dispõe de um relé térmico para proteção do circuito e também conta com um relé para detecção de falta de fase que monitora a rede, protegendo o circuito e evitando queimas do motor por falta de fase. Partida reversora trifásica: Essa chave de partida trifásica dispõe de dois contatores, que são acionados individualmente, para realizar a inversão das fases e assim possibilitar a partida sentido anti-horário e horário. Partida direta com disjuntor-motor: Este tipo de chave de partida trifásica dispõe de disjuntor motor para proteção contra sobrecargas e curto circuito. As aplicações da chaves de partida diretas são amplas, porém limitadas pelos efeitos da corrente de partida, característica deste tipo de acionamento, desta forma a potência do motor a ser acionado está limitada a pequenos motores de potência máxima a 10CV (consumidores rede secundária).
  • 9. Ao acionar a partida do motor elétrico, a corrente elétrica pode alcançar valores de até dez vezes maiores do que a corrente nominal do motor elétrico, o que chamamos de “corrente de pico”. Para resolver este problema, existem formas alternativas de partir o motor elétrico, como a partida estrela-triângulo, a partida eletrônica (usando um soft starter) e a partida com chave compensadora. Na partida com chave compensadora é utilizado um autotransformador para fornecer uma tensão reduzida nas bobinas do motor. A primeira Lei de Ohm, defini que ao diminuir o valor de tensão em um circuito, o valor de corrente também será diminuído. Na partida com chave compensadora são utilizados dois contatores a mais do que seria utilizado em uma partida direta. O segundo contator liga as fases da rede nos terminais do autotransformador, eles são chamados de TAPs, e cada conjunto de três TAPs indica uma porcentagem de tensão que será entregue ao motor. 09 CHAVE DE PARTIDA COMPENSADORA
  • 10. O terceiro contator liga as fases que saem do auto transformador ao motor. Quando o operador do circuito aperta o botão para colocar o circuito em funcionamento, a bobina do segundo e do terceiro contator são energizadas. O motor parte com a tensão reduzida, que sai do autotransformador, o relé temporizador começa a contar e quando chega no tempo pré- determinado, este temporizador desativa o segundo e o terceiro contator, ativando o primeiro que faz com que o motor receba a tensão da rede, como em uma partida direta. O tempo que o relé temporizador leva para desativar os dois contatores é justamente o tempo que o motor leva para alcançar a sua velocidade nominal. 10
  • 11. Compatível com qualquer motor trifásico; Utiliza somente três fios do motor: O motor permanece energizado em todo o momento: Redução na corrente de partida; A partida do motor pode ser com carga. Custo mais caro devido à utilização do auto transformador; Ocupa um espaço maior devido à utilização do auto transformador; Baixo número de partidas devido à utilização do auto transformador. Vantagens da partida compensadora: Desvantagens da partida compensadora: 11
  • 12. Partida Compensadora com Reversão Algumas situações existe a necessidade de utilizar a partida compensadora é acompanhada pela necessidade de inverter o sentido de rotação do motor elétrico. Para isso, é utilizada a chave compensadora com reversão. A reversão do sentido de rotação do motor na partida compensadora é utilizado mais dois contatores. Um contator inverte a posição das fases para que o sentido de rotação do motor seja invertido e o outro faz o fechamento dos terminais do auto transformador. Ela necessita do uso de um temporizador para seu funcionamento. 12
  • 13. Realiza a partida de motores trifásico com fechamento estrela e logo após alguns segundos ao ser acionado, o sistema irá mudar para o fechamento triângulo. O objetivo dessa partida é reduzir o valor da corrente de pico no instante da partida dos motores trifásicos. Esse fechamento é fundamental que o motor utilizado possua no mínimo seis terminais de conexão em sua caixa de ligação, pois o fechamento das bobinas será realizado com o auxílio dos contatores. A ligação estrela não é presente apenas nos motores elétricos trifásicos, mas também em transformadores de alta tensão que é de onde surge o fio neutro. Essa partida não é diferente da partida indireta, pois possui o intuito de reduzir o valor da corrente de pico no momento da partida do motor, isso faz a partida ser o mais suave possível, sendo viável para a maioria das aplicações. 13 CHAVE DE PARTIDA ESTRELA TRIÂNGULO
  • 14. É executada em duas etapas, pois o motor está apto a receber até dois níveis de tensão, que normalmente são 220V e 380V. Este tipo de ligação permite que o motor receba máxima tensão de alimentação para a qual foi projetado, em um motor que possui a tensão de alimentação 220/380V este fechamento em estrela permite que ele receba uma tensão no valor de 380V. 14
  • 15. A padronização dos projetos que envolvem comandos elétricos é imprescindível para o trabalho em elétrica. Existe dois tipos de diagramas, o diagrama multifilar e o diagrama unifilar. DIAGRAMA DE COMANDOS ELÉTRICOS 15 Diagrama Unifilar Diagrama Multifilar
  • 16. A padronização dos projetos que envolvem comandos elétricos é imprescindível para o trabalho em elétrica. Existe dois tipos de diagramas, o diagrama multifilar e o diagrama unifilar. O diagrama multifilar é mais detalhado, mostrando todos os condutores que compõem o circuito, deixando o diagrama muito carregado de informação caso o projeto seja complexo. O diagrama unifilar, simplifica a representação, já que num único fio é possível a identificar todos os condutores envolvidos em determinada ligação. Existe uma convenção para nomear cada componente do diagrama, segundo a NBR 5280. Segue abaixo: F Dispositivo de Proteção H Dispositivo de Sinalização K Contadores M Motores Q Dispositivos de Manobra para Circuitos de Potência 16
  • 17. S Dispositivos de Manobra, Seletores Auxiliares 1, 3 e 5 Entrada do Circuito (linha) 2, 4 e 6 Circuito de Saída (terminal) 1 e 2 Entrada e Saída do Contato Normalmente Fechado- NF (Auxiliares) 3 e 4 Entrada e Saída do Contato Normalmente Aberto- NA (Auxiliares) A1 e A2 Relés e Contatores (Terminais da Bobina) 17 Primeiro dígito: indica o número do contato; Segundo dígito: indica se o contato é do tipo NF (1 e 2) ou NA (3 e 4). Os contatos auxiliares de um contator seguem um tipo especial de numeração, onde o número é composto por dois dígitos:
  • 18. A elaboração de diagramas elétricos não é uma tarefa fácil, por isso é necessário conhecimento para que você entenda e diferencie os tipos de diagramas elétricos existentes, que são basicamente quatro tipos, sendo o multifilar, funcional, unifilar e trifilar. Para começar o projeto reúna o máximo de informações possível: tipos de cargas ou motores a serem usados, qual a finalidade do circuito elétrico, tensão de rede fornecida, o que o cliente exige no circuito, tudo com o máximo de detalhes e tipos de materiais a serem usados. Diagramas que se referem a comandos elétricos são necessários dois tipos: para as cargas e o outro para comandos. 18
  • 19. Diagrama de cargas: Como o próprio nome já diz o diagrama de cargas é responsável por conter todas as ligações e informações referentes às cargas, que geralmente são os motores. As informações que deverão ser contidas nesse diagrama são indicações dos barramentos de alimentação, nível de tensão, capacidade de corrente dos barramentos, informações sobre os tipos de componentes de proteção, contatores, informações sobre características das cargas e legenda com informações carimbo da empresa. Diagrama de comandos: Os diagramas de comando, são responsáveis por conter informações dos equipamentos de acionamento das cargas e/ou motores, como: temporização, acionamento por contatores, informações sobre proteção, botoeiras, sinalizadores, fonte de energia, contatos, se serão fechados ou aberto, temporizadores, CLP, soft starter, inversores de frequência, relés de proteção, bornes de entrada e saída. 19
  • 20. Principais Símbolos Encontrados em Diagramas Elétricos Os diagramas elétricos são um conjunto de símbolos gráficos, que são capazes de representar uma instalação elétrica ou parte de uma da instalação, garantindo uma linguagem comum a qualquer profissional em qualquer parte do mundo. Os principais símbolos encontrados em diagramas elétricos são: Eletrodutos: São responsáveis por comportar os condutores elétricos pelas paredes e teto da edificação, eles são essenciais em uma instalação elétrica, embora não necessitem de eletricidade. 20 Eletroduto embutido no teto Eletroduto embutido no piso Eletroduto que sobe Eletroduto que desce
  • 21. Condutores São utilizados para interligarmos os componentes e dispositivos elétricos. São responsáveis por conduzir a energia elétrica. Os condutores devem ser representados devidamente nos diagramas, para sabermos corretamente a quantidade de cabos que será passado pelo eletroduto. Existe representação para todos os tipos de condutores, como: fase, neutro, terra, positivo, negativo e todos os tipos de retorno. O diâmetro dos eletrodutos pode ser expressado tanto em milímetro quanto em polegadas. 21 Condutor Fase Dentro do Eletroduto Condutor Neutro Dentro do Eletroduto
  • 22. Caixas de Passagem São usadas para facilitar a passagem de cabos por longas distâncias, ou locais que contém muitas curvas, que acaba dificultando a passagem destes cabos. As caixas de passagem são como pontos de derivação para os eletrodutos. A simbologia das caixas passagem contém a letra” P”, sendo usadas apenas para derivação, não possuindo nenhuma tomada ou interruptor. 22 Condutor Retorno Dentro do Eletroduto Condutor Terra Dentro do Eletroduto Caixa de Passagem no Piso Caixa de Passagem no Teto Caixa de Passagem na Parede
  • 23. Quadro de Distribuição É o centro de toda instalação elétrica, uma das partes mais importantes, ele recebe os condutores do medidor e realiza a divisão dos circuitos, além de ser no quadro de distribuição o local onde se encontra grande parte dos dispositivos de proteção de uma instalação. 23 Quadro Terminal de Luz e Força Aparente Quadro Terminal de Luz e Força Embutido Quadro Geral de Luz e Força Aparente Quadro Geral de Luz e Força Embutido Caixa de Telefone
  • 24. Interruptores São dispositivos de comandos, usados para ligar e desligar um determinado circuito, principalmente pontos de iluminação, além de campainhas. 24 Interruptor de uma Seção Interruptor de Duas Seções Interruptor de Três Seções
  • 25. Luminárias São componentes responsáveis de comportar as lâmpadas, na simbologia das luminárias contém diversas informações, como o circuito que a luminária pertence, potência e quantidade de lâmpadas. 25 Ponto de Luz Incandescente no Teto Ponto de Luz Incandescente na Parede (arandela) Ponto de Luz Incandescente no Teto (embutido) Ponto de Luz Fluorescente no Teto Ponto de Luz Fluorescente na Parede Ponto de Luz Fluorescente no Teto (embutido)
  • 26. Tomadas As tomadas elétricas são ponto de conexão capazes de fornecer energia elétrica, existem diversos tipos de tomadas, com padrões distintos, porém este fator não é relevante em projeto elétrico. No projeto elétrico precisa especificar, a altura que o ponto de tomada está instalado, qual o circuito que ela pertence e qual a sua potência, caso não seja uma tomada de uso especial a sua potência deve ser indicada. 26 Tomada Baixa na Parede (300 mm do piso acabado) Tomada Média na Parede (1300 mm do piso acabado) Tomada Alta na Parede (2000 mm do piso acabado) Tomada no Piso
  • 27. LEGISLAÇÃO 27 São duas normas que devem ser observadas ao trabalhar com comandos elétricos, a NR 10 (segurança em instalações e serviços em eletricidade) e a NR 12 (segurança no trabalho em máquinas e equipamentos). A NR 10 estabelece os requisitos e condições mínimas que objetivam a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, de forma a garantir a segurança e saúde dos trabalhadores que, direta ou indiretamente, interajam em instalações elétricas e serviços com eletricidade. Enquanto a NR 12 e seus anexos definem referências técnicas, princípios fundamentais e medidas de proteção para garantir a saúde e a integridade física dos trabalhadores e, estabelece requisitos mínimos para a prevenção de acidentes e doenças do trabalho nas fases de projeto e de utilização de máquinas e equipamentos de todos os tipos.