SlideShare uma empresa Scribd logo
COMPONENTES ELÉTRICOS
I - DESCRIÇÃO DOS COMPONENTES ELÉTRICOS
1 - MOTOR ELÉTRICO DO COMPRESSOR
2 - RELÊS DE PARTIDA
3 - PROTETOR TÉRMICO
4 - CAPACITOR
II - TESTES DE VERIFICAÇÃO DO CIRCUITO
1 - MOTORES COM TORQUE NORMAL DE PARTIDA - RSIR
2 - MOTORES COM TORQUE NORMAL DE PARTIDA - PSC
3 - MOTORES COM TORQUE NORMAL DE PARTIDA - PTCSIR
4 - MOTORES COM TORQUE NORMAL DE PARTIDA - PTCSCR
5 - MOTORES COM ALTO TORQUE DE PARTIDA - CSIR
6 - MOTORES COM ALTO TORQUE DE PARTIDA - CSR
7 - MOTORES COM ALTO TORQUE DE PARTIDA - CSIR
III - CODIGOS DE TENSÕES E FAIXAS DE OPERAÇÃO
FOTOS
COMPONENTES ELÉTRICOS
Os componentes elétricos são desenvolvidos e testados nos laboratórios da Tecumseh, sendo específicos para cada modelo de
compressor e de acordo com sua aplicação. Neste boletim técnico, vamos conhecer os componentes elétricos mais comuns, os
esquemas de ligação e maneiras práticas de testá-los, determinando assim procedimentos básicos de detecção de falhas nesses
componentes.
Quando um sistema de refrigeração não está operando adequadamente, deve-se determinar a causa do mau funcionamento
antes de realizar qualquer manutenção. Todo o sistema de refrigeração deve ser checado para detectar vazamentos,
entupimentos, umidade, carga adequada de gás, atuação do termostato e demais características. Porém, se depois de todos
estes itens checados, o compressor não parte, ou parte e desliga depois de pouco tempo de funcionamento, o problema poderá
estar no compressor, ou nos seus componentes elétricos.
Com o propósito de fornecer subsídios para um diagnóstico seguro, traçamos a seguir um procedimento básico para testar cada
esquema de ligação de compressores monofásicos e seus componentes elétricos.
Antes de se iniciar os testes, as seguintes recomendações devem ser observadas:
- Utilizar equipamentos de teste (voltímetro/ohmímetro) adequados e confiáveis.
- Verificar a tensão de linha ( tensão que alimenta o compressor); Esta tensão deverá estar entre os valores
especificados para o modelo do compressor conforme tabela I. Se a tensão de linha estiver fora da faixa
operacional do compressor, causará superaquecimento, além de falha nos capacitores e/ou relê de partida,
ocasionando a parada do motor e atuação do protetor térmico. Esta tensão deve ser medida em rotor travado
da seguinte maneira: ligue o produto e deixe-o funcionar por alguns minutos. Desligue e ligue-o em seguida. O
compressor não deve partir. A tensão deve ser medida entre os terminais C e R do compressor antes do
protetor atuar.
- Verificar as especificações dos componentes elétricos instalados no compressor; quando estes componentes
não são os componentes especificados para o mesmo, podem não operar adequadamente, ocasionando falha ou
mesmo queima do compressor com a perda imediata da garantia.
- Realizar os testes na sequência descrita.
ATENCÃO !!
AS CONEXÕES ELÉTRICAS DO COMPRESSOR NÃO DEVEM
SER MANUSEADAS COM O PRODUTO ENERGIZADO
I - DESCRIÇÃO DOS COMPONENTES ELÉTRICOS
Para compreender melhor os esquemas de ligação dos compressores, descrevemos a seguir cada componente que os compõe.
1 - MOTOR ELÉTRICO DO COMPRESSOR
Elemento que transforma energia elétrica em movimento mecânico rotativo, é composto por um rotor e um
estator, fixados diretamente no eixo e no corpo da bomba do compressor. No estator, existem duas bobinas de
fio de cobre esmaltado denominadas: bobina de marcha (RUN) e bobina de partida (START).
A bobina de marcha é responsável pelo funcionamento contínuo do motor e é considerada a bobina principal do
motor.
A bobina de partida, atua por alguns instantes durante a partida do motor e é responsável pela determinação
do sentido de rotação e pelo torque de partida necessário para o rotor começar a girar.
As conexões elétricas do motor são feitas através de três terminais fixos na carcaça do compressor
identificados conforme segue:
C - Terminal comum às duas bobinas
S - Terminal da bobina de partida
R - Terminal da bobina de marcha
2 - RELÊS DE PARTIDA
O relê de partida do compressor hermético é um dispositivo que energiza a bobina de partida do motor e
desconecta esta bobina após o motor ter alcançado a rotação normal de funcionamento.
2.1 - Relê Amperométrico
Possui os contatos normalmente abertos. Quando o motor do compressor é energizado, a
corrente que passa pela bobina do relê cria um campo magnético que atrai a armadura para
cima proporcionando o fechamento dos contatos e energizando a bobina de partida do motor.
Quando o motor do compressor alcança a rotação de marcha, a corrente diminui até o ponto em
que o campo magnético não tem força para manter a armadura para cima. Dessa forma a
armadura desce pela força da gravidade abrindo os contatos e consequentemente desconectando
a bobina de partida do motor.
Para o funcionamento correto do relê, deve-se montá-lo na posição vertical e com a bobina
para baixo para que os contatos permaneçam abertos enquanto a bobina do relê estiver
desenergizada.
2.2 - Relê PTC
O relê PTC é formado por uma pastilha de material cerâmico. Este material possui a
propriedade de aumentar a resistência elétrica quando aquecido pela corrente que passa através
dele. Durante a partida do motor, o PTC está frio, e com uma resistência elétrica baixa,
consequentemente, conduz corrente através da bobina de partida, fazendo o motor girar. Esta
corrente vai aquecê-lo fazendo com que a resistência aumente e a corrente diminua através da
bobina de partida até se tornar praticamente zero.
Seu uso é recomendado para freezers e refrigeradores domésticos, onde o tempo entre os ciclos
de operação é suficiente para o PTC esfriar e estar pronto para uma nova partida.
2.3 - Relê Voltimétrico
Usado normalmente em aplicações comerciais de médio porte onde estão presentes capacitores
de partida e de marcha no esquema de ligação do motor. O relê voltimétrico possui os contatos
normalmente fechados. A bobina do relê é ligada em paralelo com a bobina de partida do
compressor.
A tensão na bobina de partida aumenta quando aumenta a velocidade do motor até atingir o
valor específico de pickup, neste ponto a armadura do relê é atraída abrindo os seus contatos e
desconectando o capacitor de partida do circuito. Após a abertura, há tensão induzida na bobina
de partida suficiente para continuar atraindo a armadura e manter os contatos do relê abertos.
3 - PROTETOR TÉRMICO
Este componente é ligado em série com o circuito que alimenta o motor. É fixo encostado à carcaça do
compressor e atua abrindo o circuito e desligando o compressor rapidamente se houver qualquer aumento
anormal de temperatura ou de corrente ocasionado por problemas mecânicos, elétricos ou por aplicação
inadequada.
Um disco bimetálico dentro do protetor, sensível a excesso de temperatura e/ou corrente, flexiona afastando
seus contatos e abre o circuito. Alguns protetores possuem uma resistência em série com o disco que com o
seu aquecimento, auxilia a abertura dos contatos em situações de aumento excessivo da corrente elétrica.
4 - CAPACITOR
4.1 - Capacitor de Partida
Em caso de exigência de torque de partida maior (sistema não auto equalizado - esquema de
ligação CSIR), utiliza-se um capacitor em série com a bobina de partida, o qual aumenta a
corrente na bobina de partida, consequentemente aumenta o torque. Atua somente na partida
sendo desconectado pelo relê quando o motor atinge rotação normal de funcionamento.
4.2 - Capacitor de Marcha ou Capacitor Permanente
O capacitor de marcha, é projetado para atuar continuamente em série com a bobina de partida
(ligação PSC),melhorando o torque de partida e de trabalho e a eficiência elétrica do motor.
Neste esquema de ligação não é usado relê e é aplicado em sistemas auto-equalizados devido
ao torque de partida normal.
NOTA: Em caso de substituição de capacitores, devem ser seguidas as mesmas especificações
dos capacitores originais ou seja, a capacitância (microfarad-mF) e tensão de isolação (VAC).
Se a capacitância do capacitor de reposição for inferior, a eficiência do motor e a capacidade
de partida diminuirão. Se for superior, as correntes e temperaturas do motor aumentarão
A tensão de isolação deve ser igual ou maior que a especificada, pois se for menor, o capacitor
queimará.
II - TESTES DE VERIFICAÇÃO DO CIRCUITO ELÉTRICO DO COMPRESSOR
1 - MOTORES COM TORQUE NORMAL DE PARTIDA - RSIR
Figura 1 - Esquema Elétrico - RSIR
Usando ohmímetro, cheque a continuidade/resistência ôhmica (com a unidade não energizada e com circuito do motoventilador
aberto, se utilizado) entre os pontos relacionados a seguir:
a) L1 e o terminal 3 do protetor e entre L2 e o terminal 1 do relê: Deve haver continuidade. Se não houver
continuidade, verifique a fiação do produto.
b) Terminais 3 e 1 do protetor: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, o protetor pode ter
atuado e ainda não reconectou. Espere 5 minutos e cheque novamente. Se ainda assim não houver
continuidade, então o protetor térmico está com defeito. Substitua-o por outro de mesma especificação.
c) Retire o relê do compressor, mantenha-o na posição de montagem (na vertical com a bobina para baixo) e
meça a continuidade entre os terminais 1 e S: Não deve haver continuidade. Se houver continuidade, os
contatos do relê estão fechados e este deve ser substituído por outro de mesma especificação.
d) Medindo ainda entre os terminais 1 e S do relê, vire-o de cabeça para baixo: Nesta posição deve haver
continuidade. Se não houver continuidade, os contatos estão danificados e o relê deve ser substituído.
e) Terminais 1 e M do relê (bobina) Deve haver continuidade. Se não houver continuidade - substitua o relê
por outro de mesma especificação.
f) Terminais C e R e entre C e S do compressor: Deve-se obter o valor da resistência conforme tabela de
resistência ohmica do modelo do compressor. Se a resistência lida não estiver conforme o especificado,
substitua o compressor. Faça esta medida sempre a 25oC de temperatura ambiente.
g) Terminal C e carcaça do compressor: Não deve haver continuidade. Se houver continuidade, o motor está
em massa, o compressor deve ser substituído.
Se após realizar todos os testes acima, nenhum defeito for detectado, substitua o relê e o protetor térmico por outros novos e
de mesmas especificações, pois estes testes não são capazes de detectar se suas características de funcionamento estão
alteradas.
Se mesmo assim o resultado não for positivo, a falha pode ser na parte mecânica do compressor e este deve ser substituído.
2 - MOTORES COM TORQUE NORMAL DE PARTIDA - PSC
Figura 2 - Esquema Elétrico - PSC
Desconecte o capacitor de marcha dos terminais S e R. Usando um ohmímetro, cheque a continuidade/resistência ôhmica (com
a unidade não energizada e com circuito do motoventilador aberto, se utilizado) entre os pontos relacionados abaixo:
a) L1 e o terminal 3 do protetor e entre L2 e o terminal R do compressor :Deve haver continuidade. Se não
houver continuidade, verifique a fiação do produto.
b) Terminais 3 e 1 do protetor: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, o protetor pode ter
atuado e ainda não reconectou. Espere 5 minutos e cheque novamente. Se ainda assim não houver
continuidade, então o protetor térmico está com defeito. Substitua-o por outro de mesma especificação.
c) Terminais C e R e entre C e S do compressor: Deve-se obter o valor da resistência conforme tabela de
resistência ohmica do modelo do compressor. Se a resistência lida não estiver conforme o especificado,
substitua o compressor. Faça esta medida sempre a 25oC de temperatura ambiente.
d) Terminal C e carcaça do compressor: Não deve haver continuidade. Se houver continuidade, o motor está
em massa, o compressor deve ser substituído.
e) Com ohmímetro ajustado na menor escala, meça entre os terminais do capacitor: Se houver continuidade
é porque o capacitor está em curto, substitua-o por outro de mesma especificação.
f) Com um ohmímetro “analógico” ajustado na maior escala, meça entre os terminais do capacitor: O
ponteiro do ohmímetro deve indicar momentaneamente uma resistência baixa e em seguida estabilizar em
resistência infinita. Este teste pode ser repetido invertendo-se a polaridade do capacitor. Se o ponteiro do
ohmímetro não se mexer, mesmo invertendo a polaridade do capacitor, é porque o capacitor está aberto e
deve ser substituído.
Se após realizar todos os testes acima, nenhum defeito for detectado, substitua o protetor térmico e o capacitor por outros
novos e de mesmas especificações, pois estes testes não são capazes de detectar se suas características de funcionamento
estão alteradas. Pode-se ainda mudar o esquema de ligação para CSR usando um relê e um capacitor de partida adequados,
com a intenção de aumentar o torque de partida.
Se mesmo assim o resultado não for positivo, a falha pode ser na parte mecânica do compressor e este deve ser substituído.
3 - MOTORES COM TORQUE NORMAL DE PARTIDA - PTCSIR
Figura 3 - Esquema Elétrico - PTCSIR
Usando ohmímetro, cheque a continuidade/resistência ôhmica (com a unidade não energizada e com circuito do motoventilador
aberto, se utilizado) entre os pontos relacionados abaixo:
a) L1 e o terminal 3 do protetor e entre L2 e o terminal R do compressor: Deve haver continuidade. Se não
houver continuidade, verifique a fiação do produto.
b) Terminais 3 e 1 do protetor: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, o protetor pode ter
atuado e ainda não reconectou. Espere 5 minutos e cheque novamente. Se ainda assim não houver
continuidade, então o protetor térmico está com defeito. Substitua-o por outro de mesma especificação.
c) Retire o relê PTC do compressor, e meça a continuidade entre os terminais que estavam conectados aos
terminais S e R do compressor: Se não houver continuidade, substitua-o por outro de mesma especificação.
Este teste deve ser realizado com o PTC frio.
d) Terminais C e R e entre C e S do compressor: Deve-se obter o valor da resistência conforme tabela de
resistência ohmica do modelo do compressor. Se a resistência lida não estiver conforme o especificado,
substitua o compressor. Faça esta medida sempre a 25oC de temperatura ambiente.
e) Terminal C e carcaça do compressor: Não deve haver continuidade. Se houver continuidade, o motor está
em massa, o compressor deve ser substituído.
Se após realizar todos os testes acima, nenhum defeito for detectado, substitua o relê PTC e o protetor térmico por outros
novos e de mesmas especificações, pois estes testes não são capazes de detectar se suas características de funcionamento
estão alteradas.
Se mesmo assim o resultado não for positivo, a falha pode ser na parte mecânica do compressor e este deve ser substituído.
4 - MOTORES COM TORQUE NORMAL DE PARTIDA - PTCSCR
Figura 4 - Esquema Elétrico - PTCSCR
Desconecte o capacitor de marcha dos terminais do relê PTC. Usando um ohmímetro, cheque a continuidade/resistência ôhmica
(com a unidade não energizada e com circuito do motoventilador aberto, se utilizado) entre os pontos relacionados a seguir:
a) L1 e o terminal 3 do protetor e entre L2 e o terminal R do compressor: Deve haver continuidade. Se não
houver continuidade, verifique a fiação do produto.
b) Terminais 3 e 1 do protetor: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, o protetor pode ter
atuado e ainda não reconectou. Espere 5 minutos e cheque novamente. Se ainda assim não houver
continuidade, então o protetor térmico está com defeito. Substitua-o por outro de mesma especificação.
c) Retire o relê PTC do compressor, e meça a continuidade entre os terminais que estavam conectados aos
terminais S e R do compressor: Se não houver continuidade, substitua-o por outro de mesma especificação.
Este teste deve ser realizado com o PTC frio.
d) Terminais C e R e entre C e S do compressor: Deve-se obter o valor da resistência conforme tabela de
resistência ohmica do modelo do compressor. Se a resistência lida não estiver conforme o especificado,
substitua o compressor. Faça esta medida sempre a 25oC de temperatura ambiente.
e) Terminal C e carcaça do compressor: Não deve haver continuidade. Se houver continuidade, o motor está
em massa, o compressor deve ser substituído.
f) Com ohmímetro ajustado na menor escala, meça entre os terminais do capacitor: Se houver continuidade é
porque o capacitor está em curto, substitua-o por outro de mesma especificação.
g) Com um ohmímetro “analógico” ajustado na maior escala, meça entre os terminais do capacitor: O
ponteiro do ohmímetro deve indicar momentaneamente uma resistência baixa e em seguida estabilizar em
resistência infinita. Este teste pode ser repetido invertendo-se a polaridade do capacitor. Se o ponteiro do
ohmímetro não se mexer, mesmo invertendo a polaridade do capacitor, é porque o capacitor está aberto e
deve ser substituído.
Se após realizar todos os testes acima, nenhum defeito for detectado, substitua o relê PTC, o protetor térmico e o capacitor
por outros novos e de mesmas especificações, pois estes testes não são capazes de detectar se suas características de
funcionamento estão alteradas.
Se mesmo assim o resultado não for positivo, a falha pode ser na parte mecânica do compressor e este deve ser substituído.
5 - MOTORES CO M ALTO TORQUE DE PARTIDA - CSIR ( relê amperométrico)
Figura 5 - Esquema Elétrico - CSIR
Desconecte o capacitor de partida do circuito. Usando um ohmímetro, cheque a continuidade/resistência ôhmica (com a
unidade não energizada e com circuito do motoventilador aberto, se utilizado) entre os pontos relacionados abaixo:
a) L1 e o terminal 3 do protetor e entre L2 e o terminal 2 do relê: Deve haver continuidade. Se não houver
continuidade, verifique a fiação do produto.
b) Terminais 3 e 1 do protetor: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, o protetor pode ter
atuado e ainda não reconectou. Espere 5 minutos e cheque novamente. Se ainda assim não houver
continuidade, então o protetor térmico está com defeito. Substitua-o por outro de mesma especificação.
c) Retire o relê do compressor, mantenha-o na posição de montagem (na vertical com a bobina para baixo) e
meça a continuidade entre os terminais 1 e S: Não deve haver continuidade. Se houver continuidade, os
contatos do relê estão fechados e este deve ser substituído por outro de mesma especificação.
d) Medindo ainda entre os terminais 1 e S do relê, vire-o de cabeça para baixo: Nesta posição deve haver
continuidade. Se não houver continuidade, os contatos estão danificados e o relê deve ser substituído.
e) Terminais 2 e M do relê (bobina): Deve haver continuidade. Se não houver continuidade - substitua o relê
por outro de mesma especificação.
f) Terminais C e R e entre C e S do compressor: Deve-se obter o valor da resistência conforme tabela de
resistência ohmica do modelo do compressor. Se a resistência lida não estiver conforme o especificado,
substitua o compressor. Faça esta medida sempre a 25oC de temperatura ambiente.
g) Terminal C e carcaça do compressor: Não deve haver continuidade. Se houver continuidade, o motor está
em massa, o compressor deve ser substituído.
h) Com ohmímetro ajustado na menor escala, meça entre os terminais do capacitor: Se houver continuidade
é porque o capacitor está em curto, substitua-o por outro de mesma especificação.
i) Com um ohmímetro “analógico” ajustado na maior escala, meça entre os terminais do capacitor: O
ponteiro do ohmímetro deve indicar momentaneamente uma resistência baixa e em seguida estabilizar em
resistência infinita. Este teste pode ser repetido invertendo-se a polaridade do capacitor. Se o ponteiro do
ohmímetro não se mexer, mesmo invertendo a polaridade do capacitor, é porque o capacitor está aberto e
deve ser substituído.
Se após realizar todos os testes acima, nenhum defeito for detectado, substitua o relê, o protetor térmico e o capacitor por
outros novos e de mesmas especificações, pois estes testes não são capazes de detectar se suas características de
funcionamento estão alteradas.
Se mesmo assim o resultado não for positivo, a falha pode ser na parte mecânica do compressor e este deve ser substituído.
6 - MOTORES CO M ALTO TORQUE DE PARTIDA - CSR
Figura 6 - Esquema Elétrico - CSR
Desconecte as ligações entre os terminais 2 e 4 do relê voltimétrico e os terminais R e S do compressor. Usando um
ohmímetro, cheque a continuidade/resistência ôhmica (com a unidade não energizada e com circuito do motoventilador aberto,
se utilizado) entre os pontos relacionados a seguir:
a) L1 e o terminal 5 do relê, entre L2 e o terminal 4 do relê e demais ligações entre relê, protetor e
compressor: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, verifique a fiação do produto.
b) Terminais 3 e 1 do protetor: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, o protetor pode ter
atuado e ainda não reconectou. Espere 5 minutos e cheque novamente. Se ainda assim não houver
continuidade, então o protetor térmico está com defeito. Substitua-o por outro de mesma especificação.
c) Retire o relê voltimétrico do circuito e meça a continuidade entre os terminais 1 e 2: Deve haver
continuidade. Se não houver continuidade, os contatos do relê estão danificados e este deve ser substituído por
outro de mesma especificação.
d) Terminais 5 e 2 do relê (bobina): Deve haver continuidade. Se não houver continuidade substitua o relê por
outro de mesma especificação.
e) Terminais C e R e entre C e S do compressor: Deve-se obter o valor da resistência conforme tabela de
resistência ohmica do modelo do compressor. Se a resistência lida não estiver conforme o especificado,
substitua o compressor. Faça esta medida sempre a 25oC de temperatura ambiente.
f) Terminal C e carcaça do compressor: Não deve haver continuidade. Se houver continuidade, o motor está
em massa, o compressor deve ser substituído.
g) Com ohmímetro ajustado na menor escala, meça entre os terminais do capacitor de marcha: Se houver
continuidade é porque o capacitor está em curto, substitua-o por outro de mesma especificação.
h) Com um ohmímetro “analógico” ajustado na maior escala, meça entre os terminais do capacitor: O
ponteiro do ohmímetro deve indicar momentaneamente uma resistência baixa e em seguida estabilizar em
resistência infinita. Este teste pode ser repetido invertendo-se a polaridade do capacitor. Se o ponteiro do
ohmímetro não se mexer, mesmo invertendo a polaridade do capacitor, é porque o capacitor está aberto e
deve ser substituído.
i) Repita os itens “g” e “h” para o capacitor de partida.
Se após realizar todos os testes acima, nenhum defeito for detectado, substitua o relê, o protetor térmico e os capacitores por
outros novos e de mesmas especificações, pois estes testes não são capazes de detectar se suas características de
funcionamento estão alteradas.
Se mesmo assim o resultado não for positivo, a falha pode ser na parte mecânica do compressor e este deve ser substituído.
7 - MOTORES CO M ALTO TORQUE DE PARTIDA - CSIR (relê voltimétrico)
Figura 7 - Esquema Elétrico - CSIR
Desconecte as ligações entre os terminais 2 e 4 do relê voltimétrico e os terminais R e S do compressor. Usando um
ohmímetro, cheque a continuidade/resistência ôhmica (com a unidade não energizada e com circuito do motoventilador aberto,
se utilizado) entre os pontos relacionados abaixo:
a) L1 e o terminal 5 do relê, entre L2 e o terminal 4 do relê e demais ligações entre relê, protetor e
compressor: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, verifique a fiação do produto.
b) Terminais 3 e 1 do protetor: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, o protetor pode ter
atuado e ainda não reconectou. Espere 5 minutos e cheque novamente. Se ainda assim não houver
continuidade, então o protetor térmico está com defeito. Substitua-o por outro de mesma especificação.
c) Retire o relê voltimétrico do circuito e meça a continuidade entre os terminais 1 e 2: Deve haver
continuidade. Se não houver continuidade, os contatos do relê estão danificados e este deve ser substituído por
outro de mesma especificação.
d) Terminais 5 e 2 do relê (bobina): Deve haver continuidade. Se não houver continuidade - substitua o relê
por outro de mesma especificação.
e) Terminais C e R e entre C e S do compressor: Deve-se obter o valor da resistência conforme tabela de
resistência ohmica do modelo do compressor. Se a resistência lida não estiver conforme o especificado,
substitua o compressor. Faça esta medida sempre a 25oC de temperatura ambiente.
f) Terminal C e carcaça do compressor: Não deve haver continuidade. Se houver continuidade, o motor está
em massa, o compressor deve ser substituído.
g) Com ohmímetro ajustado na menor escala, meça entre os terminais do capacitor de partida: Se houver
continuidade é porque o capacitor está em curto, substitua-o por outro de mesma especificação.
h) Com um ohmímetro “analógico” ajustado na maior escala, meça entre os terminais do capacitor: O
ponteiro do ohmímetro deve indicar momentaneamente uma resistência baixa e em seguida estabilizar em
resistência infinita. Este teste pode ser repetido invertendo-se a polaridade do capacitor. Se o ponteiro do
ohmímetro não se mexer, mesmo invertendo a polaridade do capacitor, é porque o capacitor está aberto e
deve ser substituído
Se após realizar todos os testes acima, nenhum defeito for detectado, substitua o relê, o protetor térmico e o capacitor por
outros novos e de mesmas especificações, pois estes testes não são capazes de detectar se suas características de
funcionamento estão alteradas.
Se mesmo assim o resultado não for positivo, a falha pode ser na parte mecânica do compressor e este deve ser substituído.
Disposição dos Terminais:
AE AK AZ/TP/TH/TW RK/RG
C - Terminal comum às duas bobinas
S - Terminal da bobina de partida
R - Terminal da bobina de marcha
III - CODIGOS DE TENSÕES E FAIXAS DE OPERAÇÃO
A tensão e a frequência de operação de um compressor Tecumseh são identificadas através de uma letra que compõe o código
da lista de materiais do compressor, por exemplo: AE 150 DS .
A Letra “D”, conforme tabela abaixo, indica que este compressor deve operar em 115-127V / 60 Hz.
Para códigos de tensão/freqüência não listados, entrar em contato com a Tecumseh do Brasil.
Tabela I
Código de
Tensão
Modelo Tensão Nominal/ Frequência Tensão Mín. Tensão Máx.
A AE 115V / 60HZ 98 127
A RG, RK, TH, TP 115V / 60HZ 103 127
A AZ, AE, TH, TP, TW 115 - 127V / 60HZ 100 140
D AE, AK, AZ, TP, TH, TW 115 - 127V / 60HZ 100 140
E AE, AK, AZ, TP, TH, TW, RG, RK 220V / 60HZ 187 242
F AE, AK 220V / 50HZ 187 242
F AZ, TH, TW 220V / 50HZ 180 242
G AZ, AE, TH, TP, TW 220V / 50-60HZ 180 242
H TP 230V / 50HZ 160 260
J AE, AZ, TH, TP, TW 220 - 240V / 50HZ 195 253
K AZ, AE, AK, TP, TW 220 - 240V / 50HZ 195 253
L AE, TP, TW 115V / 60HZ 92 127
L AZ 220 - 240V / 50HZ 195 253
N AZ 220 - 240V / 50HZ 195 253
P AZ, TP 100V / 50-60HZ 90 110
Q AZ, TP 100V / 50-60HZ 90 110
R AZ, TH, TP, TW 220V / 60HZ 187 242
T AZ, TH 115V / 60HZ 92 127
U AZ 115V / 60HZ 92 127
Fotos
Capacitor de Marcha Capacitor de Partida
Relê Amperométrico Relê PTC
Relê Voltimétrico Protetor Térmico
As informações contidas neste catálogo estão sujeitas à alterações sem prévio aviso.
Tecumseh do Brasil Ltda. Todos os Direitos Reservados.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

M6 eficiência energética
M6   eficiência energéticaM6   eficiência energética
M6 eficiência energética
confidencial
 
introducao a lubrificacao e mancais
 introducao a lubrificacao e mancais introducao a lubrificacao e mancais
introducao a lubrificacao e mancais
Bruno Vilas Boas
 
Maquinas eletricas
Maquinas eletricasMaquinas eletricas
Maquinas eletricas
Francisco Costa
 
Apresentação motores de indução
Apresentação motores de induçãoApresentação motores de indução
Apresentação motores de indução
Luiz Carlos Farkas
 
Curso de comandos elétricos
Curso de comandos elétricosCurso de comandos elétricos
Curso de comandos elétricos
Ezsilvasilva Silva
 
Ce aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina ccCe aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina cc
Igor Fortal
 
Manual de instruções das bombas e motobombas
Manual de instruções das bombas e motobombasManual de instruções das bombas e motobombas
Manual de instruções das bombas e motobombas
Pool Shop Piscinas Ltda
 
Construção de Redes de Distribuição
Construção de Redes de DistribuiçãoConstrução de Redes de Distribuição
Construção de Redes de Distribuição
Moisés Gomes de Lima
 
Como mudar um pneu?
Como mudar um pneu?Como mudar um pneu?
Como mudar um pneu?
Ana Espada
 
Relatório ensaios em transformadores
Relatório ensaios em transformadoresRelatório ensaios em transformadores
Relatório ensaios em transformadores
Victor Said
 
Manual de serviço cg150 titan ks es esd partida
Manual de serviço cg150 titan ks es esd partidaManual de serviço cg150 titan ks es esd partida
Manual de serviço cg150 titan ks es esd partida
Thiago Huari
 
Teoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativasTeoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativas
Rodrigo Prado
 
Manual de serviço cg125 cg125 ml (1983) lubrific
Manual de serviço cg125 cg125 ml (1983) lubrificManual de serviço cg125 cg125 ml (1983) lubrific
Manual de serviço cg125 cg125 ml (1983) lubrific
Thiago Huari
 
Transformadores
TransformadoresTransformadores
Transformadores
Pablyne RC
 
Materiais Piezoeletricos
Materiais PiezoeletricosMateriais Piezoeletricos
Materiais Piezoeletricos
Leonardo Vilarinho
 
Capacidade de condução de corrente de condutores em eletrodutos e diâmetro do...
Capacidade de condução de corrente de condutores em eletrodutos e diâmetro do...Capacidade de condução de corrente de condutores em eletrodutos e diâmetro do...
Capacidade de condução de corrente de condutores em eletrodutos e diâmetro do...
Planalto Engenharia e Automação
 
Compressores e Reservatórios de Ar
Compressores e Reservatórios de ArCompressores e Reservatórios de Ar
Compressores e Reservatórios de Ar
Renato Pagel
 
Elementos de subestação
Elementos de subestaçãoElementos de subestação
Elementos de subestação
Rafael Silveira
 
Nbr 14039 instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)
Nbr 14039   instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)Nbr 14039   instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)
Nbr 14039 instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)
mjmcreatore
 
Acionamentos elétricos chaves de partida
Acionamentos elétricos   chaves de partidaAcionamentos elétricos   chaves de partida
Acionamentos elétricos chaves de partida
Angelo Hafner
 

Mais procurados (20)

M6 eficiência energética
M6   eficiência energéticaM6   eficiência energética
M6 eficiência energética
 
introducao a lubrificacao e mancais
 introducao a lubrificacao e mancais introducao a lubrificacao e mancais
introducao a lubrificacao e mancais
 
Maquinas eletricas
Maquinas eletricasMaquinas eletricas
Maquinas eletricas
 
Apresentação motores de indução
Apresentação motores de induçãoApresentação motores de indução
Apresentação motores de indução
 
Curso de comandos elétricos
Curso de comandos elétricosCurso de comandos elétricos
Curso de comandos elétricos
 
Ce aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina ccCe aula 05 máquina cc
Ce aula 05 máquina cc
 
Manual de instruções das bombas e motobombas
Manual de instruções das bombas e motobombasManual de instruções das bombas e motobombas
Manual de instruções das bombas e motobombas
 
Construção de Redes de Distribuição
Construção de Redes de DistribuiçãoConstrução de Redes de Distribuição
Construção de Redes de Distribuição
 
Como mudar um pneu?
Como mudar um pneu?Como mudar um pneu?
Como mudar um pneu?
 
Relatório ensaios em transformadores
Relatório ensaios em transformadoresRelatório ensaios em transformadores
Relatório ensaios em transformadores
 
Manual de serviço cg150 titan ks es esd partida
Manual de serviço cg150 titan ks es esd partidaManual de serviço cg150 titan ks es esd partida
Manual de serviço cg150 titan ks es esd partida
 
Teoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativasTeoria básica de máquinas rotativas
Teoria básica de máquinas rotativas
 
Manual de serviço cg125 cg125 ml (1983) lubrific
Manual de serviço cg125 cg125 ml (1983) lubrificManual de serviço cg125 cg125 ml (1983) lubrific
Manual de serviço cg125 cg125 ml (1983) lubrific
 
Transformadores
TransformadoresTransformadores
Transformadores
 
Materiais Piezoeletricos
Materiais PiezoeletricosMateriais Piezoeletricos
Materiais Piezoeletricos
 
Capacidade de condução de corrente de condutores em eletrodutos e diâmetro do...
Capacidade de condução de corrente de condutores em eletrodutos e diâmetro do...Capacidade de condução de corrente de condutores em eletrodutos e diâmetro do...
Capacidade de condução de corrente de condutores em eletrodutos e diâmetro do...
 
Compressores e Reservatórios de Ar
Compressores e Reservatórios de ArCompressores e Reservatórios de Ar
Compressores e Reservatórios de Ar
 
Elementos de subestação
Elementos de subestaçãoElementos de subestação
Elementos de subestação
 
Nbr 14039 instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)
Nbr 14039   instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)Nbr 14039   instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)
Nbr 14039 instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)
 
Acionamentos elétricos chaves de partida
Acionamentos elétricos   chaves de partidaAcionamentos elétricos   chaves de partida
Acionamentos elétricos chaves de partida
 

Destaque

Manual tecnico hussmann_arl570
Manual tecnico hussmann_arl570Manual tecnico hussmann_arl570
Manual tecnico hussmann_arl570
Valfrido Silva
 
06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)
06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)
06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)
andydurdem
 
Manual de aplicação de compressores EMBRACO
Manual de aplicação de compressores EMBRACOManual de aplicação de compressores EMBRACO
Manual de aplicação de compressores EMBRACO
assistecrefrigeracao
 
Manual embraco
Manual embracoManual embraco
Manual embraco
antonio florido
 
Electrolux - Freezer vertical fe18 fe22-fe26 - manual de instruções
Electrolux - Freezer vertical fe18 fe22-fe26 - manual de instruçõesElectrolux - Freezer vertical fe18 fe22-fe26 - manual de instruções
Electrolux - Freezer vertical fe18 fe22-fe26 - manual de instruções
Guilherme Gugelmin
 
Manual do tecnico_em_refrigeracao
Manual do tecnico_em_refrigeracaoManual do tecnico_em_refrigeracao
Manual do tecnico_em_refrigeracao
Cyrus Yuri
 
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
Miguel Eletricista
 
Acessoexclusivohomeoffice arcondicionado condicionador de ar mai_2011_autorizada
Acessoexclusivohomeoffice arcondicionado condicionador de ar mai_2011_autorizadaAcessoexclusivohomeoffice arcondicionado condicionador de ar mai_2011_autorizada
Acessoexclusivohomeoffice arcondicionado condicionador de ar mai_2011_autorizadaAgassis Rodrigues
 
Compressores elgin
Compressores elginCompressores elgin
Compressores elgin
manodorosa
 
Gree split bee - tabela comparativa
Gree   split bee - tabela comparativaGree   split bee - tabela comparativa
Gree split bee - tabela comparativa
Guilherme Gugelmin
 
02 mecânico de refrigeração domiciliar i
02 mecânico de refrigeração domiciliar i02 mecânico de refrigeração domiciliar i
02 mecânico de refrigeração domiciliar i
andydurdem
 
Tabela de aplicaçao_variado_es_kgm
Tabela de aplicaçao_variado_es_kgmTabela de aplicaçao_variado_es_kgm
Tabela de aplicaçao_variado_es_kgm
gegusilva
 
Electrolux - Freezer horizontal h160 h210 - manual de instruções
Electrolux - Freezer horizontal h160 h210 - manual de instruçõesElectrolux - Freezer horizontal h160 h210 - manual de instruções
Electrolux - Freezer horizontal h160 h210 - manual de instruções
Guilherme Gugelmin
 
Electrolux - Freezer horizontal h400 h500 - manual de instruções
Electrolux - Freezer horizontal h400 h500 - manual de instruçõesElectrolux - Freezer horizontal h400 h500 - manual de instruções
Electrolux - Freezer horizontal h400 h500 - manual de instruções
Guilherme Gugelmin
 
Como consertar uma geladeira
Como consertar uma geladeiraComo consertar uma geladeira
Como consertar uma geladeira
Fabio Ester Guto Mendes
 
[Apostila] boas práticas de refrigeração senai (44 pág, br)
[Apostila] boas práticas de refrigeração   senai (44 pág, br)[Apostila] boas práticas de refrigeração   senai (44 pág, br)
[Apostila] boas práticas de refrigeração senai (44 pág, br)
Sergio Fonseca
 
Eletronica automotiva-01-2-º-modulo
Eletronica automotiva-01-2-º-moduloEletronica automotiva-01-2-º-modulo
Eletronica automotiva-01-2-º-modulo
Hamilton Conceição
 
Apostila refrigeracao domestica
Apostila refrigeracao domesticaApostila refrigeracao domestica
Apostila refrigeracao domestica
roaugustus2010
 

Destaque (18)

Manual tecnico hussmann_arl570
Manual tecnico hussmann_arl570Manual tecnico hussmann_arl570
Manual tecnico hussmann_arl570
 
06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)
06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)
06 componentes eletricos do refrigerador (manual tecumseh)
 
Manual de aplicação de compressores EMBRACO
Manual de aplicação de compressores EMBRACOManual de aplicação de compressores EMBRACO
Manual de aplicação de compressores EMBRACO
 
Manual embraco
Manual embracoManual embraco
Manual embraco
 
Electrolux - Freezer vertical fe18 fe22-fe26 - manual de instruções
Electrolux - Freezer vertical fe18 fe22-fe26 - manual de instruçõesElectrolux - Freezer vertical fe18 fe22-fe26 - manual de instruções
Electrolux - Freezer vertical fe18 fe22-fe26 - manual de instruções
 
Manual do tecnico_em_refrigeracao
Manual do tecnico_em_refrigeracaoManual do tecnico_em_refrigeracao
Manual do tecnico_em_refrigeracao
 
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
Manualdoeletricista 120321090924-phpapp02
 
Acessoexclusivohomeoffice arcondicionado condicionador de ar mai_2011_autorizada
Acessoexclusivohomeoffice arcondicionado condicionador de ar mai_2011_autorizadaAcessoexclusivohomeoffice arcondicionado condicionador de ar mai_2011_autorizada
Acessoexclusivohomeoffice arcondicionado condicionador de ar mai_2011_autorizada
 
Compressores elgin
Compressores elginCompressores elgin
Compressores elgin
 
Gree split bee - tabela comparativa
Gree   split bee - tabela comparativaGree   split bee - tabela comparativa
Gree split bee - tabela comparativa
 
02 mecânico de refrigeração domiciliar i
02 mecânico de refrigeração domiciliar i02 mecânico de refrigeração domiciliar i
02 mecânico de refrigeração domiciliar i
 
Tabela de aplicaçao_variado_es_kgm
Tabela de aplicaçao_variado_es_kgmTabela de aplicaçao_variado_es_kgm
Tabela de aplicaçao_variado_es_kgm
 
Electrolux - Freezer horizontal h160 h210 - manual de instruções
Electrolux - Freezer horizontal h160 h210 - manual de instruçõesElectrolux - Freezer horizontal h160 h210 - manual de instruções
Electrolux - Freezer horizontal h160 h210 - manual de instruções
 
Electrolux - Freezer horizontal h400 h500 - manual de instruções
Electrolux - Freezer horizontal h400 h500 - manual de instruçõesElectrolux - Freezer horizontal h400 h500 - manual de instruções
Electrolux - Freezer horizontal h400 h500 - manual de instruções
 
Como consertar uma geladeira
Como consertar uma geladeiraComo consertar uma geladeira
Como consertar uma geladeira
 
[Apostila] boas práticas de refrigeração senai (44 pág, br)
[Apostila] boas práticas de refrigeração   senai (44 pág, br)[Apostila] boas práticas de refrigeração   senai (44 pág, br)
[Apostila] boas práticas de refrigeração senai (44 pág, br)
 
Eletronica automotiva-01-2-º-modulo
Eletronica automotiva-01-2-º-moduloEletronica automotiva-01-2-º-modulo
Eletronica automotiva-01-2-º-modulo
 
Apostila refrigeracao domestica
Apostila refrigeracao domesticaApostila refrigeracao domestica
Apostila refrigeracao domestica
 

Semelhante a 1323531540 componentes-eletricos-do-refrigerador

Dimensionamento partida direta de motores
Dimensionamento partida direta de motoresDimensionamento partida direta de motores
Dimensionamento partida direta de motores
jccabral
 
[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf
[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf
[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf
LucasEduardoSilva7
 
Siemens guia do eletricista (192)
Siemens   guia do eletricista (192)Siemens   guia do eletricista (192)
Siemens guia do eletricista (192)
Marcellus Figueiredo
 
gerador sincrono aula 1.pdf
gerador sincrono aula 1.pdfgerador sincrono aula 1.pdf
gerador sincrono aula 1.pdf
vasco74
 
Placa identificadora do motor elétrico
Placa identificadora do motor elétricoPlaca identificadora do motor elétrico
Placa identificadora do motor elétrico
Mauricio Machado Concalves
 
Guia do eletricista
Guia do eletricistaGuia do eletricista
Guia do eletricista
Milton Menezes
 
Dimensionamento de Sistemas elétricos.pdf
Dimensionamento de Sistemas elétricos.pdfDimensionamento de Sistemas elétricos.pdf
Dimensionamento de Sistemas elétricos.pdf
GleibsonHenrique
 
Alimentação da injeção eletrônica e seus defeitos
Alimentação da injeção eletrônica e seus defeitosAlimentação da injeção eletrônica e seus defeitos
Alimentação da injeção eletrônica e seus defeitos
Fabio Silva Oliveira
 
Cat169 pratica 2
Cat169 pratica 2Cat169 pratica 2
Cat169 pratica 2
Rodolfo Navarro
 
Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)
Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)
Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)
Adailton Brito
 
Comandos elétricos
Comandos elétricosComandos elétricos
Comandos elétricos
rodolfovilanova
 
Curso avançado do sistema Invertex para 830E-AC .ppt
Curso avançado do sistema Invertex para 830E-AC .pptCurso avançado do sistema Invertex para 830E-AC .ppt
Curso avançado do sistema Invertex para 830E-AC .ppt
IgorAlexandre48
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1
Keila Guedes
 
Apostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricosApostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricos
Marcelo Pozati
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1
andydurdem
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1
andydurdem
 
Motores elétricos de ca
Motores elétricos de caMotores elétricos de ca
Motores elétricos de ca
Claudio Queiroz Nascimento
 
04 instrumentos do motor
04 instrumentos do motor04 instrumentos do motor
04 instrumentos do motor
Evanildo Leal
 
Frenagem por corrente continua
Frenagem por corrente continuaFrenagem por corrente continua
Frenagem por corrente continua
heltonpz
 
Manaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) bateria
Manaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) bateriaManaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) bateria
Manaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) bateria
Thiago Huari
 

Semelhante a 1323531540 componentes-eletricos-do-refrigerador (20)

Dimensionamento partida direta de motores
Dimensionamento partida direta de motoresDimensionamento partida direta de motores
Dimensionamento partida direta de motores
 
[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf
[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf
[E-BOOK 3] - Comandos Elétricos 3.pdf
 
Siemens guia do eletricista (192)
Siemens   guia do eletricista (192)Siemens   guia do eletricista (192)
Siemens guia do eletricista (192)
 
gerador sincrono aula 1.pdf
gerador sincrono aula 1.pdfgerador sincrono aula 1.pdf
gerador sincrono aula 1.pdf
 
Placa identificadora do motor elétrico
Placa identificadora do motor elétricoPlaca identificadora do motor elétrico
Placa identificadora do motor elétrico
 
Guia do eletricista
Guia do eletricistaGuia do eletricista
Guia do eletricista
 
Dimensionamento de Sistemas elétricos.pdf
Dimensionamento de Sistemas elétricos.pdfDimensionamento de Sistemas elétricos.pdf
Dimensionamento de Sistemas elétricos.pdf
 
Alimentação da injeção eletrônica e seus defeitos
Alimentação da injeção eletrônica e seus defeitosAlimentação da injeção eletrônica e seus defeitos
Alimentação da injeção eletrônica e seus defeitos
 
Cat169 pratica 2
Cat169 pratica 2Cat169 pratica 2
Cat169 pratica 2
 
Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)
Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)
Aula 2 __comandos_eletricos___ligacao_de_motores___imprimir (1)
 
Comandos elétricos
Comandos elétricosComandos elétricos
Comandos elétricos
 
Curso avançado do sistema Invertex para 830E-AC .ppt
Curso avançado do sistema Invertex para 830E-AC .pptCurso avançado do sistema Invertex para 830E-AC .ppt
Curso avançado do sistema Invertex para 830E-AC .ppt
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1
 
Apostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricosApostila comandos eletricos
Apostila comandos eletricos
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1
 
Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1Apostila comandos eletricos1
Apostila comandos eletricos1
 
Motores elétricos de ca
Motores elétricos de caMotores elétricos de ca
Motores elétricos de ca
 
04 instrumentos do motor
04 instrumentos do motor04 instrumentos do motor
04 instrumentos do motor
 
Frenagem por corrente continua
Frenagem por corrente continuaFrenagem por corrente continua
Frenagem por corrente continua
 
Manaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) bateria
Manaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) bateriaManaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) bateria
Manaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) bateria
 

Último

PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Jonathas Muniz
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 

Último (7)

PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
Guardioes Digitais em ação: Como criar senhas seguras!
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 

1323531540 componentes-eletricos-do-refrigerador

  • 1. COMPONENTES ELÉTRICOS I - DESCRIÇÃO DOS COMPONENTES ELÉTRICOS 1 - MOTOR ELÉTRICO DO COMPRESSOR 2 - RELÊS DE PARTIDA 3 - PROTETOR TÉRMICO 4 - CAPACITOR II - TESTES DE VERIFICAÇÃO DO CIRCUITO 1 - MOTORES COM TORQUE NORMAL DE PARTIDA - RSIR 2 - MOTORES COM TORQUE NORMAL DE PARTIDA - PSC 3 - MOTORES COM TORQUE NORMAL DE PARTIDA - PTCSIR 4 - MOTORES COM TORQUE NORMAL DE PARTIDA - PTCSCR 5 - MOTORES COM ALTO TORQUE DE PARTIDA - CSIR 6 - MOTORES COM ALTO TORQUE DE PARTIDA - CSR 7 - MOTORES COM ALTO TORQUE DE PARTIDA - CSIR III - CODIGOS DE TENSÕES E FAIXAS DE OPERAÇÃO FOTOS COMPONENTES ELÉTRICOS Os componentes elétricos são desenvolvidos e testados nos laboratórios da Tecumseh, sendo específicos para cada modelo de compressor e de acordo com sua aplicação. Neste boletim técnico, vamos conhecer os componentes elétricos mais comuns, os esquemas de ligação e maneiras práticas de testá-los, determinando assim procedimentos básicos de detecção de falhas nesses componentes. Quando um sistema de refrigeração não está operando adequadamente, deve-se determinar a causa do mau funcionamento antes de realizar qualquer manutenção. Todo o sistema de refrigeração deve ser checado para detectar vazamentos, entupimentos, umidade, carga adequada de gás, atuação do termostato e demais características. Porém, se depois de todos estes itens checados, o compressor não parte, ou parte e desliga depois de pouco tempo de funcionamento, o problema poderá estar no compressor, ou nos seus componentes elétricos. Com o propósito de fornecer subsídios para um diagnóstico seguro, traçamos a seguir um procedimento básico para testar cada esquema de ligação de compressores monofásicos e seus componentes elétricos. Antes de se iniciar os testes, as seguintes recomendações devem ser observadas: - Utilizar equipamentos de teste (voltímetro/ohmímetro) adequados e confiáveis. - Verificar a tensão de linha ( tensão que alimenta o compressor); Esta tensão deverá estar entre os valores especificados para o modelo do compressor conforme tabela I. Se a tensão de linha estiver fora da faixa operacional do compressor, causará superaquecimento, além de falha nos capacitores e/ou relê de partida, ocasionando a parada do motor e atuação do protetor térmico. Esta tensão deve ser medida em rotor travado da seguinte maneira: ligue o produto e deixe-o funcionar por alguns minutos. Desligue e ligue-o em seguida. O compressor não deve partir. A tensão deve ser medida entre os terminais C e R do compressor antes do protetor atuar. - Verificar as especificações dos componentes elétricos instalados no compressor; quando estes componentes não são os componentes especificados para o mesmo, podem não operar adequadamente, ocasionando falha ou mesmo queima do compressor com a perda imediata da garantia. - Realizar os testes na sequência descrita. ATENCÃO !! AS CONEXÕES ELÉTRICAS DO COMPRESSOR NÃO DEVEM SER MANUSEADAS COM O PRODUTO ENERGIZADO I - DESCRIÇÃO DOS COMPONENTES ELÉTRICOS Para compreender melhor os esquemas de ligação dos compressores, descrevemos a seguir cada componente que os compõe.
  • 2. 1 - MOTOR ELÉTRICO DO COMPRESSOR Elemento que transforma energia elétrica em movimento mecânico rotativo, é composto por um rotor e um estator, fixados diretamente no eixo e no corpo da bomba do compressor. No estator, existem duas bobinas de fio de cobre esmaltado denominadas: bobina de marcha (RUN) e bobina de partida (START). A bobina de marcha é responsável pelo funcionamento contínuo do motor e é considerada a bobina principal do motor. A bobina de partida, atua por alguns instantes durante a partida do motor e é responsável pela determinação do sentido de rotação e pelo torque de partida necessário para o rotor começar a girar. As conexões elétricas do motor são feitas através de três terminais fixos na carcaça do compressor identificados conforme segue: C - Terminal comum às duas bobinas S - Terminal da bobina de partida R - Terminal da bobina de marcha 2 - RELÊS DE PARTIDA O relê de partida do compressor hermético é um dispositivo que energiza a bobina de partida do motor e desconecta esta bobina após o motor ter alcançado a rotação normal de funcionamento. 2.1 - Relê Amperométrico Possui os contatos normalmente abertos. Quando o motor do compressor é energizado, a corrente que passa pela bobina do relê cria um campo magnético que atrai a armadura para cima proporcionando o fechamento dos contatos e energizando a bobina de partida do motor. Quando o motor do compressor alcança a rotação de marcha, a corrente diminui até o ponto em que o campo magnético não tem força para manter a armadura para cima. Dessa forma a armadura desce pela força da gravidade abrindo os contatos e consequentemente desconectando a bobina de partida do motor. Para o funcionamento correto do relê, deve-se montá-lo na posição vertical e com a bobina para baixo para que os contatos permaneçam abertos enquanto a bobina do relê estiver desenergizada. 2.2 - Relê PTC O relê PTC é formado por uma pastilha de material cerâmico. Este material possui a propriedade de aumentar a resistência elétrica quando aquecido pela corrente que passa através dele. Durante a partida do motor, o PTC está frio, e com uma resistência elétrica baixa, consequentemente, conduz corrente através da bobina de partida, fazendo o motor girar. Esta corrente vai aquecê-lo fazendo com que a resistência aumente e a corrente diminua através da bobina de partida até se tornar praticamente zero. Seu uso é recomendado para freezers e refrigeradores domésticos, onde o tempo entre os ciclos de operação é suficiente para o PTC esfriar e estar pronto para uma nova partida. 2.3 - Relê Voltimétrico Usado normalmente em aplicações comerciais de médio porte onde estão presentes capacitores de partida e de marcha no esquema de ligação do motor. O relê voltimétrico possui os contatos normalmente fechados. A bobina do relê é ligada em paralelo com a bobina de partida do compressor. A tensão na bobina de partida aumenta quando aumenta a velocidade do motor até atingir o valor específico de pickup, neste ponto a armadura do relê é atraída abrindo os seus contatos e desconectando o capacitor de partida do circuito. Após a abertura, há tensão induzida na bobina de partida suficiente para continuar atraindo a armadura e manter os contatos do relê abertos. 3 - PROTETOR TÉRMICO Este componente é ligado em série com o circuito que alimenta o motor. É fixo encostado à carcaça do compressor e atua abrindo o circuito e desligando o compressor rapidamente se houver qualquer aumento anormal de temperatura ou de corrente ocasionado por problemas mecânicos, elétricos ou por aplicação inadequada. Um disco bimetálico dentro do protetor, sensível a excesso de temperatura e/ou corrente, flexiona afastando seus contatos e abre o circuito. Alguns protetores possuem uma resistência em série com o disco que com o seu aquecimento, auxilia a abertura dos contatos em situações de aumento excessivo da corrente elétrica. 4 - CAPACITOR
  • 3. 4.1 - Capacitor de Partida Em caso de exigência de torque de partida maior (sistema não auto equalizado - esquema de ligação CSIR), utiliza-se um capacitor em série com a bobina de partida, o qual aumenta a corrente na bobina de partida, consequentemente aumenta o torque. Atua somente na partida sendo desconectado pelo relê quando o motor atinge rotação normal de funcionamento. 4.2 - Capacitor de Marcha ou Capacitor Permanente O capacitor de marcha, é projetado para atuar continuamente em série com a bobina de partida (ligação PSC),melhorando o torque de partida e de trabalho e a eficiência elétrica do motor. Neste esquema de ligação não é usado relê e é aplicado em sistemas auto-equalizados devido ao torque de partida normal. NOTA: Em caso de substituição de capacitores, devem ser seguidas as mesmas especificações dos capacitores originais ou seja, a capacitância (microfarad-mF) e tensão de isolação (VAC). Se a capacitância do capacitor de reposição for inferior, a eficiência do motor e a capacidade de partida diminuirão. Se for superior, as correntes e temperaturas do motor aumentarão A tensão de isolação deve ser igual ou maior que a especificada, pois se for menor, o capacitor queimará. II - TESTES DE VERIFICAÇÃO DO CIRCUITO ELÉTRICO DO COMPRESSOR 1 - MOTORES COM TORQUE NORMAL DE PARTIDA - RSIR Figura 1 - Esquema Elétrico - RSIR Usando ohmímetro, cheque a continuidade/resistência ôhmica (com a unidade não energizada e com circuito do motoventilador aberto, se utilizado) entre os pontos relacionados a seguir: a) L1 e o terminal 3 do protetor e entre L2 e o terminal 1 do relê: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, verifique a fiação do produto. b) Terminais 3 e 1 do protetor: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, o protetor pode ter atuado e ainda não reconectou. Espere 5 minutos e cheque novamente. Se ainda assim não houver continuidade, então o protetor térmico está com defeito. Substitua-o por outro de mesma especificação. c) Retire o relê do compressor, mantenha-o na posição de montagem (na vertical com a bobina para baixo) e meça a continuidade entre os terminais 1 e S: Não deve haver continuidade. Se houver continuidade, os contatos do relê estão fechados e este deve ser substituído por outro de mesma especificação. d) Medindo ainda entre os terminais 1 e S do relê, vire-o de cabeça para baixo: Nesta posição deve haver continuidade. Se não houver continuidade, os contatos estão danificados e o relê deve ser substituído. e) Terminais 1 e M do relê (bobina) Deve haver continuidade. Se não houver continuidade - substitua o relê por outro de mesma especificação. f) Terminais C e R e entre C e S do compressor: Deve-se obter o valor da resistência conforme tabela de resistência ohmica do modelo do compressor. Se a resistência lida não estiver conforme o especificado,
  • 4. substitua o compressor. Faça esta medida sempre a 25oC de temperatura ambiente. g) Terminal C e carcaça do compressor: Não deve haver continuidade. Se houver continuidade, o motor está em massa, o compressor deve ser substituído. Se após realizar todos os testes acima, nenhum defeito for detectado, substitua o relê e o protetor térmico por outros novos e de mesmas especificações, pois estes testes não são capazes de detectar se suas características de funcionamento estão alteradas. Se mesmo assim o resultado não for positivo, a falha pode ser na parte mecânica do compressor e este deve ser substituído. 2 - MOTORES COM TORQUE NORMAL DE PARTIDA - PSC Figura 2 - Esquema Elétrico - PSC Desconecte o capacitor de marcha dos terminais S e R. Usando um ohmímetro, cheque a continuidade/resistência ôhmica (com a unidade não energizada e com circuito do motoventilador aberto, se utilizado) entre os pontos relacionados abaixo: a) L1 e o terminal 3 do protetor e entre L2 e o terminal R do compressor :Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, verifique a fiação do produto. b) Terminais 3 e 1 do protetor: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, o protetor pode ter atuado e ainda não reconectou. Espere 5 minutos e cheque novamente. Se ainda assim não houver continuidade, então o protetor térmico está com defeito. Substitua-o por outro de mesma especificação. c) Terminais C e R e entre C e S do compressor: Deve-se obter o valor da resistência conforme tabela de resistência ohmica do modelo do compressor. Se a resistência lida não estiver conforme o especificado, substitua o compressor. Faça esta medida sempre a 25oC de temperatura ambiente. d) Terminal C e carcaça do compressor: Não deve haver continuidade. Se houver continuidade, o motor está em massa, o compressor deve ser substituído. e) Com ohmímetro ajustado na menor escala, meça entre os terminais do capacitor: Se houver continuidade é porque o capacitor está em curto, substitua-o por outro de mesma especificação. f) Com um ohmímetro “analógico” ajustado na maior escala, meça entre os terminais do capacitor: O ponteiro do ohmímetro deve indicar momentaneamente uma resistência baixa e em seguida estabilizar em resistência infinita. Este teste pode ser repetido invertendo-se a polaridade do capacitor. Se o ponteiro do ohmímetro não se mexer, mesmo invertendo a polaridade do capacitor, é porque o capacitor está aberto e deve ser substituído. Se após realizar todos os testes acima, nenhum defeito for detectado, substitua o protetor térmico e o capacitor por outros novos e de mesmas especificações, pois estes testes não são capazes de detectar se suas características de funcionamento estão alteradas. Pode-se ainda mudar o esquema de ligação para CSR usando um relê e um capacitor de partida adequados, com a intenção de aumentar o torque de partida. Se mesmo assim o resultado não for positivo, a falha pode ser na parte mecânica do compressor e este deve ser substituído. 3 - MOTORES COM TORQUE NORMAL DE PARTIDA - PTCSIR
  • 5. Figura 3 - Esquema Elétrico - PTCSIR Usando ohmímetro, cheque a continuidade/resistência ôhmica (com a unidade não energizada e com circuito do motoventilador aberto, se utilizado) entre os pontos relacionados abaixo: a) L1 e o terminal 3 do protetor e entre L2 e o terminal R do compressor: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, verifique a fiação do produto. b) Terminais 3 e 1 do protetor: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, o protetor pode ter atuado e ainda não reconectou. Espere 5 minutos e cheque novamente. Se ainda assim não houver continuidade, então o protetor térmico está com defeito. Substitua-o por outro de mesma especificação. c) Retire o relê PTC do compressor, e meça a continuidade entre os terminais que estavam conectados aos terminais S e R do compressor: Se não houver continuidade, substitua-o por outro de mesma especificação. Este teste deve ser realizado com o PTC frio. d) Terminais C e R e entre C e S do compressor: Deve-se obter o valor da resistência conforme tabela de resistência ohmica do modelo do compressor. Se a resistência lida não estiver conforme o especificado, substitua o compressor. Faça esta medida sempre a 25oC de temperatura ambiente. e) Terminal C e carcaça do compressor: Não deve haver continuidade. Se houver continuidade, o motor está em massa, o compressor deve ser substituído. Se após realizar todos os testes acima, nenhum defeito for detectado, substitua o relê PTC e o protetor térmico por outros novos e de mesmas especificações, pois estes testes não são capazes de detectar se suas características de funcionamento estão alteradas. Se mesmo assim o resultado não for positivo, a falha pode ser na parte mecânica do compressor e este deve ser substituído. 4 - MOTORES COM TORQUE NORMAL DE PARTIDA - PTCSCR Figura 4 - Esquema Elétrico - PTCSCR Desconecte o capacitor de marcha dos terminais do relê PTC. Usando um ohmímetro, cheque a continuidade/resistência ôhmica (com a unidade não energizada e com circuito do motoventilador aberto, se utilizado) entre os pontos relacionados a seguir: a) L1 e o terminal 3 do protetor e entre L2 e o terminal R do compressor: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, verifique a fiação do produto. b) Terminais 3 e 1 do protetor: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, o protetor pode ter atuado e ainda não reconectou. Espere 5 minutos e cheque novamente. Se ainda assim não houver continuidade, então o protetor térmico está com defeito. Substitua-o por outro de mesma especificação.
  • 6. c) Retire o relê PTC do compressor, e meça a continuidade entre os terminais que estavam conectados aos terminais S e R do compressor: Se não houver continuidade, substitua-o por outro de mesma especificação. Este teste deve ser realizado com o PTC frio. d) Terminais C e R e entre C e S do compressor: Deve-se obter o valor da resistência conforme tabela de resistência ohmica do modelo do compressor. Se a resistência lida não estiver conforme o especificado, substitua o compressor. Faça esta medida sempre a 25oC de temperatura ambiente. e) Terminal C e carcaça do compressor: Não deve haver continuidade. Se houver continuidade, o motor está em massa, o compressor deve ser substituído. f) Com ohmímetro ajustado na menor escala, meça entre os terminais do capacitor: Se houver continuidade é porque o capacitor está em curto, substitua-o por outro de mesma especificação. g) Com um ohmímetro “analógico” ajustado na maior escala, meça entre os terminais do capacitor: O ponteiro do ohmímetro deve indicar momentaneamente uma resistência baixa e em seguida estabilizar em resistência infinita. Este teste pode ser repetido invertendo-se a polaridade do capacitor. Se o ponteiro do ohmímetro não se mexer, mesmo invertendo a polaridade do capacitor, é porque o capacitor está aberto e deve ser substituído. Se após realizar todos os testes acima, nenhum defeito for detectado, substitua o relê PTC, o protetor térmico e o capacitor por outros novos e de mesmas especificações, pois estes testes não são capazes de detectar se suas características de funcionamento estão alteradas. Se mesmo assim o resultado não for positivo, a falha pode ser na parte mecânica do compressor e este deve ser substituído. 5 - MOTORES CO M ALTO TORQUE DE PARTIDA - CSIR ( relê amperométrico) Figura 5 - Esquema Elétrico - CSIR Desconecte o capacitor de partida do circuito. Usando um ohmímetro, cheque a continuidade/resistência ôhmica (com a unidade não energizada e com circuito do motoventilador aberto, se utilizado) entre os pontos relacionados abaixo: a) L1 e o terminal 3 do protetor e entre L2 e o terminal 2 do relê: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, verifique a fiação do produto. b) Terminais 3 e 1 do protetor: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, o protetor pode ter atuado e ainda não reconectou. Espere 5 minutos e cheque novamente. Se ainda assim não houver continuidade, então o protetor térmico está com defeito. Substitua-o por outro de mesma especificação. c) Retire o relê do compressor, mantenha-o na posição de montagem (na vertical com a bobina para baixo) e meça a continuidade entre os terminais 1 e S: Não deve haver continuidade. Se houver continuidade, os contatos do relê estão fechados e este deve ser substituído por outro de mesma especificação. d) Medindo ainda entre os terminais 1 e S do relê, vire-o de cabeça para baixo: Nesta posição deve haver continuidade. Se não houver continuidade, os contatos estão danificados e o relê deve ser substituído. e) Terminais 2 e M do relê (bobina): Deve haver continuidade. Se não houver continuidade - substitua o relê por outro de mesma especificação. f) Terminais C e R e entre C e S do compressor: Deve-se obter o valor da resistência conforme tabela de resistência ohmica do modelo do compressor. Se a resistência lida não estiver conforme o especificado, substitua o compressor. Faça esta medida sempre a 25oC de temperatura ambiente. g) Terminal C e carcaça do compressor: Não deve haver continuidade. Se houver continuidade, o motor está em massa, o compressor deve ser substituído. h) Com ohmímetro ajustado na menor escala, meça entre os terminais do capacitor: Se houver continuidade é porque o capacitor está em curto, substitua-o por outro de mesma especificação. i) Com um ohmímetro “analógico” ajustado na maior escala, meça entre os terminais do capacitor: O ponteiro do ohmímetro deve indicar momentaneamente uma resistência baixa e em seguida estabilizar em resistência infinita. Este teste pode ser repetido invertendo-se a polaridade do capacitor. Se o ponteiro do ohmímetro não se mexer, mesmo invertendo a polaridade do capacitor, é porque o capacitor está aberto e deve ser substituído.
  • 7. Se após realizar todos os testes acima, nenhum defeito for detectado, substitua o relê, o protetor térmico e o capacitor por outros novos e de mesmas especificações, pois estes testes não são capazes de detectar se suas características de funcionamento estão alteradas. Se mesmo assim o resultado não for positivo, a falha pode ser na parte mecânica do compressor e este deve ser substituído. 6 - MOTORES CO M ALTO TORQUE DE PARTIDA - CSR Figura 6 - Esquema Elétrico - CSR Desconecte as ligações entre os terminais 2 e 4 do relê voltimétrico e os terminais R e S do compressor. Usando um ohmímetro, cheque a continuidade/resistência ôhmica (com a unidade não energizada e com circuito do motoventilador aberto, se utilizado) entre os pontos relacionados a seguir: a) L1 e o terminal 5 do relê, entre L2 e o terminal 4 do relê e demais ligações entre relê, protetor e compressor: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, verifique a fiação do produto. b) Terminais 3 e 1 do protetor: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, o protetor pode ter atuado e ainda não reconectou. Espere 5 minutos e cheque novamente. Se ainda assim não houver continuidade, então o protetor térmico está com defeito. Substitua-o por outro de mesma especificação. c) Retire o relê voltimétrico do circuito e meça a continuidade entre os terminais 1 e 2: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, os contatos do relê estão danificados e este deve ser substituído por outro de mesma especificação. d) Terminais 5 e 2 do relê (bobina): Deve haver continuidade. Se não houver continuidade substitua o relê por outro de mesma especificação. e) Terminais C e R e entre C e S do compressor: Deve-se obter o valor da resistência conforme tabela de resistência ohmica do modelo do compressor. Se a resistência lida não estiver conforme o especificado, substitua o compressor. Faça esta medida sempre a 25oC de temperatura ambiente. f) Terminal C e carcaça do compressor: Não deve haver continuidade. Se houver continuidade, o motor está em massa, o compressor deve ser substituído. g) Com ohmímetro ajustado na menor escala, meça entre os terminais do capacitor de marcha: Se houver continuidade é porque o capacitor está em curto, substitua-o por outro de mesma especificação. h) Com um ohmímetro “analógico” ajustado na maior escala, meça entre os terminais do capacitor: O ponteiro do ohmímetro deve indicar momentaneamente uma resistência baixa e em seguida estabilizar em resistência infinita. Este teste pode ser repetido invertendo-se a polaridade do capacitor. Se o ponteiro do ohmímetro não se mexer, mesmo invertendo a polaridade do capacitor, é porque o capacitor está aberto e deve ser substituído. i) Repita os itens “g” e “h” para o capacitor de partida. Se após realizar todos os testes acima, nenhum defeito for detectado, substitua o relê, o protetor térmico e os capacitores por outros novos e de mesmas especificações, pois estes testes não são capazes de detectar se suas características de funcionamento estão alteradas. Se mesmo assim o resultado não for positivo, a falha pode ser na parte mecânica do compressor e este deve ser substituído. 7 - MOTORES CO M ALTO TORQUE DE PARTIDA - CSIR (relê voltimétrico)
  • 8. Figura 7 - Esquema Elétrico - CSIR Desconecte as ligações entre os terminais 2 e 4 do relê voltimétrico e os terminais R e S do compressor. Usando um ohmímetro, cheque a continuidade/resistência ôhmica (com a unidade não energizada e com circuito do motoventilador aberto, se utilizado) entre os pontos relacionados abaixo: a) L1 e o terminal 5 do relê, entre L2 e o terminal 4 do relê e demais ligações entre relê, protetor e compressor: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, verifique a fiação do produto. b) Terminais 3 e 1 do protetor: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, o protetor pode ter atuado e ainda não reconectou. Espere 5 minutos e cheque novamente. Se ainda assim não houver continuidade, então o protetor térmico está com defeito. Substitua-o por outro de mesma especificação. c) Retire o relê voltimétrico do circuito e meça a continuidade entre os terminais 1 e 2: Deve haver continuidade. Se não houver continuidade, os contatos do relê estão danificados e este deve ser substituído por outro de mesma especificação. d) Terminais 5 e 2 do relê (bobina): Deve haver continuidade. Se não houver continuidade - substitua o relê por outro de mesma especificação. e) Terminais C e R e entre C e S do compressor: Deve-se obter o valor da resistência conforme tabela de resistência ohmica do modelo do compressor. Se a resistência lida não estiver conforme o especificado, substitua o compressor. Faça esta medida sempre a 25oC de temperatura ambiente. f) Terminal C e carcaça do compressor: Não deve haver continuidade. Se houver continuidade, o motor está em massa, o compressor deve ser substituído. g) Com ohmímetro ajustado na menor escala, meça entre os terminais do capacitor de partida: Se houver continuidade é porque o capacitor está em curto, substitua-o por outro de mesma especificação. h) Com um ohmímetro “analógico” ajustado na maior escala, meça entre os terminais do capacitor: O ponteiro do ohmímetro deve indicar momentaneamente uma resistência baixa e em seguida estabilizar em resistência infinita. Este teste pode ser repetido invertendo-se a polaridade do capacitor. Se o ponteiro do ohmímetro não se mexer, mesmo invertendo a polaridade do capacitor, é porque o capacitor está aberto e deve ser substituído Se após realizar todos os testes acima, nenhum defeito for detectado, substitua o relê, o protetor térmico e o capacitor por outros novos e de mesmas especificações, pois estes testes não são capazes de detectar se suas características de funcionamento estão alteradas. Se mesmo assim o resultado não for positivo, a falha pode ser na parte mecânica do compressor e este deve ser substituído. Disposição dos Terminais: AE AK AZ/TP/TH/TW RK/RG
  • 9. C - Terminal comum às duas bobinas S - Terminal da bobina de partida R - Terminal da bobina de marcha III - CODIGOS DE TENSÕES E FAIXAS DE OPERAÇÃO A tensão e a frequência de operação de um compressor Tecumseh são identificadas através de uma letra que compõe o código da lista de materiais do compressor, por exemplo: AE 150 DS . A Letra “D”, conforme tabela abaixo, indica que este compressor deve operar em 115-127V / 60 Hz. Para códigos de tensão/freqüência não listados, entrar em contato com a Tecumseh do Brasil. Tabela I Código de Tensão Modelo Tensão Nominal/ Frequência Tensão Mín. Tensão Máx. A AE 115V / 60HZ 98 127 A RG, RK, TH, TP 115V / 60HZ 103 127 A AZ, AE, TH, TP, TW 115 - 127V / 60HZ 100 140 D AE, AK, AZ, TP, TH, TW 115 - 127V / 60HZ 100 140 E AE, AK, AZ, TP, TH, TW, RG, RK 220V / 60HZ 187 242 F AE, AK 220V / 50HZ 187 242 F AZ, TH, TW 220V / 50HZ 180 242 G AZ, AE, TH, TP, TW 220V / 50-60HZ 180 242 H TP 230V / 50HZ 160 260 J AE, AZ, TH, TP, TW 220 - 240V / 50HZ 195 253 K AZ, AE, AK, TP, TW 220 - 240V / 50HZ 195 253 L AE, TP, TW 115V / 60HZ 92 127 L AZ 220 - 240V / 50HZ 195 253 N AZ 220 - 240V / 50HZ 195 253 P AZ, TP 100V / 50-60HZ 90 110 Q AZ, TP 100V / 50-60HZ 90 110 R AZ, TH, TP, TW 220V / 60HZ 187 242 T AZ, TH 115V / 60HZ 92 127 U AZ 115V / 60HZ 92 127 Fotos Capacitor de Marcha Capacitor de Partida
  • 10. Relê Amperométrico Relê PTC Relê Voltimétrico Protetor Térmico As informações contidas neste catálogo estão sujeitas à alterações sem prévio aviso. Tecumseh do Brasil Ltda. Todos os Direitos Reservados.