SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 54
CAMPUS CEDRO




   PROFESSOR TECNÓLOGO MOISÉS GOMES DE LIMA




APOSTILA DE CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO




                    CEDRO
2011




       2
Índice

1. Introdução............................................................................................................     3
1.1 Tipos de Redes de Energia Elétrica...................................................................                     3
1.1.1 Linhas de Transmissão.................................................................................                  3
1.1.2 Linhas de Distribuição.................................................................................                 4
2. Terminologia........................................................................................................       5
3. Estruturas de redes de distribuição.......................................................................                 13
3.1 Postes.................................................................................................................   13
3.2 Isoladores...........................................................................................................     17
3.2.1 Isoladores de BT.............................................................................................           17
3.2.2 Isoladores de MT............................................................................................            18
3.3 Condutores.........................................................................................................       19
3.4 Outras estruturas................................................................................................         21
3.4.1 Estruturas Primárias (de MT) .........................................................................                  21
3.4.2 Estruturas Secundárias (de BT) ......................................................................                   25
4. Equipamentos de redes de distribuição................................................................                      28
4.1 Transformadores................................................................................................           28
4.2 Chave Fusível.....................................................................................................        31
4.3 Chave Seccionadora...........................................................................................             32
4.4 Pára-raios...........................................................................................................     32
5. Construção de Redes de Distribuição..................................................................                      33
5.1 Materiais de Segurança......................................................................................              33
5.2 Ferramentas e Equipamentos.............................................................................                   40
5.3 Recomendações sobre cuidados dos equipamentos...........................................                                  45
5.4 Turmas e equipes de construção........................................................................                    45
5.4.1 Turma de duas pessoas....................................................................................               45
5.4.2 Turma de quatro pessoas.................................................................................                46
5.4.3 Turma de sete pessoas.....................................................................................              46
5.5 Passos para execução de construção de redes....................................................                           47
5.6 As Cinco Regras de Ouro...................................................................................                47
5.7 Procedimentos de execução...............................................................................                  48
6. Bibliografia..........................................................................................................     51




                                                                                                                                   3
1. Introdução
Nos últimos anos os investimentos para construção de redes em todo o país têm crescido
com o apoio do Poder Público e das concessionárias de energia elétrica fazendo com
que quantidades significativas de famílias tenham sido beneficiadas. No entanto, ainda
há muitos sem tal beneficio e, portanto, ainda há muito que se construir de redes
elétricas. Já as redes construídas por sua vez necessitarão ser mantidas para garantir o
uso de tal benefício, onde entra o papel da manutenção que tem por objetivo eliminar
anomalias e defeitos das redes para garantir a continuidade do serviço.
A energia elétrica que utilizamos em nossas casas chega até nós de uma fonte geradora
geralmente distante e que para transmiti-la se faz necessária a construção de redes. Estas
redes têm características diferentes umas das outras de acordo com a quantidade de
energia que ela transporta e são divididas basicamente em dois tipos:
    • Redes de Transmissão
    • Redes de Distribuição
Neste material procuraremos demonstrar aspectos da construção e manutenção de Redes
de Distribuição. Adotaremos os padrões vigentes da concessionária de distribuição de
energia elétrica do Ceará, nosso Estado.


1.1 Tipos de Redes de Energia Elétrica
1.1.1 Linhas de Transmissão
As linhas de transmissão transportam grandes blocos de energia em uma elevada tensão
para uma subestação onde estes níveis de energia serão rebaixados. Falando de um jeito
bem simples e como o próprio nome diz, elas “transmitem” a energia das hidrelétricas
para as subestações das concessionárias de energia.




Imagem 1 – Linhas de Transmissão de 230kV e 500kV.




                                                                                        4
Imagem 2 – Linha de subtransmissão em 69kV.

1.1.2 Linhas de Distribuição
Estas são as linhas que geralmente vemos passar diante de nossas casas e que nos
trazem energia elétrica. Elas recebem a energia transmitida pelas linhas de transmissão
para as subestações e espalham para os consumidores. Também falando de um jeito
simples elas “distribuem” a energia das subestações para nós consumidores.
Como dito anteriormente, serão nestas redes que vamos focar nosso estudo.




Imagem 3 – Rede de distribuição.




                                                                                     5
2. Terminologia
A seguir apresentamos alguns termos utilizados nesta área e seus significados para
melhor nos familiarizarmos com o que vamos estudar.

ALIMENTADOR DE DISTRIBUIÇÃO
Componente de uma rede de Média Tensão que alimenta, diretamente ou por intermédio
de seus ramais, transformadores de distribuição e/ou consumidores.




Imagem 4 – Alimentador SNP01N4 que parte da cidade de Senador Pompeu para Piquet Carneiro.
Em destaque no canto superior direito o Distrito de Mulungu, Piquet Carneiro.




Imagem 5 – Saída do alimentador ICH01I3 na cidade de Icó/CE.



                                                                                        6
ATERRAMENTO
Ligação à terra de todas as partes metálicas não energizadas de uma instalação,
incluindo o NEUTRO da rede e da instalação.

BAIXA TENSÃO - BT
Tensão nominal até o limite de 1.000 volts.

CABO COCÊNTRICO
Cabo bipolar, formado por um condutor central isolado, rodeado concentricamente por
um conjunto de fios de cobre nu, dispostos de forma helicoidal e com uma cobertura
isolante, resistente a ação de intempéries.

CABO MULTIPLEXADO OU PRÉ-REUNIDO
Cabo formado por um, dois ou três condutores isolados, utilizados como condutores
fase, dispostos helicoidalmente em torno de um condutor neutro de sustentação,
constituído normalmente de material diferente (liga de alumínio ou cobre duro ou semi-
duro) diferente do condutor fase, de maneira que possua mais resistência mecânica para
sustentar os outros pré-reunidos em sua volta.




Imagem 6 – Detalhe de cabo multiplexado.

CAIXA DE DERIVAÇÃO
Caixa em policarbonato liga de alumínio ou aço pintado, fixada no poste ou suspensa
(somente em policarbonato) nos condutores de Baixa Tensão isolados (pré-reunido),
equipada com barramento para derivação dos ramais de ligação das unidades
consumidoras, com uso de cabos concêntricos 4mm² até 10mm², furo de 5mm² para
saídas e 6mm² para entrada para uso de cabos pré-reunido de 16mm².




                                                                                    7
Imagem 7 – Caixa de derivação

CAIXA DE MEDIÇÃO
Caixa lacrável, destinada a instalação do medidor e seus acessórios. Esta caixa deve
abrigar somente os equipamentos de medição e a proteção geral.

CAIXA DE PROTEÇÃO
Caixa em policarbonato, liga de alumínio ou aço pintado, fixação em poste, destinada à
instalação do disjuntor de BT para proteção da rede secundária, montada na estrutura do
transformador. O material usado deve ser compatível com a área de utilização, ou seja,
caixas de aço nas áreas de corrosão não agressiva e alumínio nas áreas de corrosão
agressiva e policarbonato em ambas as áreas.

CALÇADA OU PASSEIO
Parte da via pública destinada à circulação de pedestres, quase sempre mais alta que a
parte destinada aos veículos e geralmente limitada pelo meio fio.

CARGA INSTALADA
É a soma das potências nominais de todos os aparelhos, equipamentos e dispositivos
instalados nas dependências das unidades consumidoras, os quais, em qualquer tempo,
podem consumir energia elétrica.

CERCA ELETRIFICADA
São cercas energizadas por meio de um equipamento denominado eletrificador, que
emite pulsos elétricos pré-determinados, com intensidade inofensiva ao homem e aos
animais.

CONECTOR PERFURANTE
Conector destinado a fazer a conexão entre condutores isolados sem a necessidade de se
remover a isolação dos cabos. A conexão elétrica é obtida através de dentes de cobre ou
alumínio, que perfuram a isolação do condutor.

CONSUMIDOR
Pessoa física ou jurídica, ou comunhão de fato ou de direito, legalmente representada,
que solicitar a Coelce o fornecimento de energia elétrica e assumir a responsabilidade
pelo pagamento das faturas e pelas demais obrigações fixadas em normas e
regulamentos da ANEEL.

DISJUNTOR TERMOMAGNETICO



                                                                                     8
Dispositivo de proteção e manobra destinado a proteger os condutores e demais
equipamentos da unidade consumidora contra sobrecarga e curto-circuito.

DISJUNTOR TERMOMAGNÉTICO DIFERENCIAL RESIDUAL
É o equipamento destinado a proteção de pessoas contra choques elétricos e as
instalações elétricas contra incêndio, corrente de fuga e curto-circuito nas condições
descritas pela NBR 5410.
Deve ter os seguintes disparadores:
a) disparador magnético (instantâneo) que atua a partir de sobre-correntes e garante a
proteção dos condutores contra correntes de curto-circuito;
b) disparador diferencial (instantâneo) com sensibilidade que garanta a preservação da
vida de uma pessoa que toque acidentalmente uma parte sob tensão.

DESMATAMENTO
Compreende o corte e retirada da vegetação que se encontra na faixa de passagem da
rede aérea a ser construída, com largura total de 6,0 metros para rede de Média Tensão e
de 3,0 metros para rede de Baixa Tensão, observando o disposto no Desenho 01.04.

FAIXA DE SERVIDÃO
Corresponde a faixa do terreno onde passa a rede aérea, em toda a sua extensão e cuja
largura é determinada pela classe de tensão e estruturas utilizadas. A faixa de servidão
das redes rurais da COELCE corresponde a 3,0 metros para redes de BT e 6,0 metros
para redes de MT, sendo 1,5 metros e 3,0 metros para cada lado do eixo das redes de BT
e de MT respectivamente. Em casos excepcionais esta faixa poderá ser alterada. Na área
urbana, na maioria das situações, a faixa se confunde com o arruamento já definido,
devendo, no entanto, serem atendidas as prescrições mínimas de distância dos
condutores aos obstáculos.




Ilustração 1 – Limites da faixa de servidão.

MAPA CHAVE
É a planta plani-altimétrica da área a ser atendida, reduzida para a escala 1:5000.




                                                                                      9
Ilustração 2 – Mapa Chave de uma extensão de MT.



MÉDIA TENSÃO - MT
Limite de tensão nominal acima de 1.000 V e abaixo de 69 kV. No sistema COELCE a
Média Tensão é de 13,8 kV.

NÚCLEO POPULACIONAL RURAL
São aglomerados populacionais com número inferior a 20 unidades de construção,
ocupando uma área contínua, formando ou não arruamentos regulares.

PERFIL PLANI-ALTIMÉTRICO
Representação plani-altimétrica do terreno da área específica do projeto de uma Rede de
Distribuição Aérea Rural.




Ilustração 3 – Perfil plani-altimétrico de uma extensão de MT.

PLANTA CADASTRAL
É uma planta na escala 1:1000 contendo todas os detalhes físicos e elétricos necessários
ao cálculo do projeto da Rede de Distribuição.

PLANTA DE SITUAÇÃO
É um desenho em escala adequada, com indicação do norte magnético e de pontos de
referência que permitam identificar o local onde será construída, ampliada ou reformada
a Rede de Distribuição. Esta planta deve apresentar pelo menos um ponto da rede da
COELCE.


                                                                                     10
PONTO DE LIGAÇÃO
Ponto da Rede de Distribuição do qual deriva um ramal de ligação.




Ilustração 4 – Ponto de ligação em BT com pontalete e caixa de medição




Imagem 8 – Ponto de ligação em MT

PONTALETE
Suporte instalado em estrutura situada no terreno do consumidor, no limite da via
pública, às suas expensas. A finalidade do pontalete é fixar, elevar ou desviar o ramal de
ligação aéreo e o ponto de entrega.

POSTE AUXILIAR
Poste instalado nos limites da propriedade do consumidor com a via pública às suas
expensas, com a finalidade de fixar, elevar, desviar o ramal de ligação, ou fixar o ponto
de entrega.



                                                                                       11
RAMAL DE ALIMENTADOR
Componente de um Alimentador de Distribuição que deriva diretamente de um tronco
de alimentador.

RAMAL DE LIGAÇÃO
É o trecho do circuito aéreo compreendido entre a Rede de Distribuição de MT ou de
BT da COELCE e o ponto de entrega.

REDE DE BAIXA TENSÃO
Parte da Rede de Distribuição derivada do secundário dos transformadores de
distribuição indo até os pontos de ligação dos diversos consumidores. Também
denominada rede secundária.




Imagem 9 – Redes de MT (na parte superior em três condutores) e BT (na parte inferior em cinco
condutores).

REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL – RDR
É um conjunto de linhas elétricas, com os equipamentos e materiais diretamente
associados, destinado à distribuição rural de energia elétrica.

REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA - RDU
É a parte integrante do Sistema de Distribuição implantado dentro do perímetro urbano
das cidades, distritos, vilas e povoados.

REDE DE MÉDIA TENSÃO
Parte de uma Rede de Distribuição que alimenta transformadores de distribuição e/ou
pontos de entrega sob a mesma tensão primária nominal. Também denominada rede
primária.

SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO
É a parte do sistema de potência destinado ao transporte de energia elétrica, em média
ou baixa tensão a partir do barramento secundário de uma subestação (onde termina a
transmissão ou sub-transmissão), até os pontos de consumo.

SOBRECARGA


                                                                                           12
Incremento de carga adicional sobre o valor nominal, que pode ser imposto a um
determinado equipamento ou circuito.

TRONCO ALIMENTADOR
Componente de um Alimentador de Distribuição que transporta a parcela principal da
carga total.

UNIDADE CONSUMIDORA
Conjunto de instalações e equipamentos elétricos caracterizado pelo recebimento de
energia elétrica em um só ponto de entrega, com medição individualizada e
correspondente a um único consumidor.

VIA PÚBLICA
Via de livre acesso para circulação. Nas áreas urbanas compreende a calçada ou passeio
e a parte destinada a circulação de veículos. Nas áreas rurais compreende as rodovias,
estradas e caminhos.




                                                                                   13
3. Estruturas de redes de distribuição
As três principais e mais conhecidas estruturas de qualquer rede de energia elétrica são
os postes, isoladores e os condutores. Os postes servem para dar sustentação à rede e
logicamente mantê-la distante da terra. Já os isoladores impedem que os condutores que
os postes sustentam entrem em contato com eles impedindo que a energia elétrica
transmitida “vaze” para a terra. Existem vários tipos de postes e também de isoladores e
condutores de acordo com o uso que eles terão. Por exemplo, um poste mais alto e mais
grosso serve para elevar uma rede a uma altura maior que de um poste menos alto e
fino, como na travessia de uma estrada.

3.1 Postes
Os postes são classificados ou nomeados de acordo com sua capacidade e altura,
também podem ser fabricados de diversos materiais, os mais comuns são madeira e
concreto. Na Coelce os postes a serem utilizados em redes de distribuição são de
concreto armado do tipo duplo “T”.
Na tabela abaixo nós temos os principais utilizados pela concessionária aqui do Ceará:




                                                                                     14
Tabela 1 – Postes duplo “T” padronizados e sua utilização

O esforço de cada poste é indicado em daN, que é uma unidade de força, mas pode
muito facilmente ser entendido como kg. Por exemplo:



                                                                            15
1) O projetista de uma rede elétrica calculou que a implantação de um poste em
determinado ponto deveria ser do tipo 600/12. O que isso significa?
Significa que o projetista solicitou um poste com 12m de altura e que suporta um
esforço de 600 kg (ou 600daN) para aquele local.

De acordo com a tabela acima podemos então fazer uma lista de postes disponíveis para
serem utilizados pelos projetistas: 150/9, 300/9, 600/9, 150/10,5, 300/10,5, 600/10,5,
1000/10,5, 2000/10,5, 300/12, 600/12, 1000/12, 2000/12, 3000/12. Na tabela 7 mais
adiante podemos identificar melhor como são dimensionados os esforços dos postes.
Existem também nas redes mais antigas postes que não estão listados acima por já não
serem utilizados pela empresa, como por exemplo, o 150/10 e 300/11, ou seja, postes de
10m e 11m, que são postes fora de padrão.
As duas faces lisas do poste são os lados de maior esforço e as duas faces vazadas são
os lados de menor esforço. Os vasos recebem o nome de gavetas.

Engastamento
O engastamento é a profundidade de instalação do poste, ou seja, a profundidade do
buraco onde o poste será instalado. O comprimento do buraco dependerá do tamanho do
poste, quanto maior o poste mais profundo será o buraco, e quanto maior o esforço do
poste, mais largo será o buraco, pois logicamente será um poste mais grosso.
Para se calcular esta profundidade deve-se multiplicar a altura do poste por 0,1 e depois
somar 0,6m (ou 60cm), ou seja:
E=0,1xL + 0,6m
Onde:
E profundidade do buraco;
L altura do poste.
Há ainda uma regra que diz que o engastamento (profundidade) de um poste deve ser de
no mínimo um metro e meio (1,5m).




                                                                                      16
Ilustração 5 - Exemplo de engastamento (a) e modelo de identificação de poste duplo “T”

Exemplo:
1) Com qual profundidade deve ser escavado o buraco para implantação de um poste
300/10,5?
Neste caso L=10,5m, portanto:
E=0,1x10,5 + 0,6
E=1,05 + 0,6
E=1,65m
Ou seja, deverá se escavar um buraco com um metro e sessenta e cinco centímetros de
profundidade.

Respeitada a profundidade do buraco, este também deverá ter dimensões corretas de
largura e comprimento, que são indicadas na tabela abaixo:



                                                                                          17
Tabela 2 – Dimensões de escavações de postes.

3.2 Isoladores
Todo material apresenta uma capacidade de conduzir corrente elétrica. Dependendo do
material, esta capacidade pode ser muito grande ou muito pequena. Os materiais que
têm pouca capacidade de conduzir corrente elétrica são os isolantes, e os que têm alta
capacidade são os condutores.
Os isoladores são fabricados com materiais isolantes e podem ser divididos de acordo
com:
   • A capacidade de isolamento;
   • O tipo de material isolante;
   • O formato do isolador.
Nas redes de distribuição da Coelce os condutores trabalham em tensões entre
220V/380V (para redes de BT) e 15000V (ou 15kV – para redes de MT) e os isoladores
devem ter, para MT, um nível de isolamento de 95kV.


3.2.1 Isoladores de BT
Isolador Castanha
Isolador mais utilizado em ramais de ligação ou em estais onde os condutores são
ligados na extremidade dos mesmos.




                                                                                   18
Imagem 10 – Isolador castanha

Isolador Roldana ou Estribo
Como o próprio nome diz, tem forma de roldana com um furo axial onde é fixado em
uma armação. Comumente também chamado de estribo.




Imagem 11 – Isolador Roldana e isolador roldana em armação.



3.2.2 Isoladores de MT
Isolador de Pino
Isolador projetado para ser instalado rigidamente em um pino que penetra o seu corpo
isolante.




                                                                                 19
Imagem 12 – Isolador de Pino e Isolador de Pino com o pino.

Isolador de Disco
Isolador de cadeia em forma de disco com ferragens em suas extremidades.




Imagem 13 – Isolador de Disco e Isoladores de Disco em cadeia.

Isolador polimérico
São isoladores fabricados com compostos poliméricos e podem ser utilizados tanto
como isoladores de pino quanto como de discos, de acordo com o seu formato.




Imagem 14 – Isolador de Pino Polimérico e Isolador de “disco” Polimérico.

3.3 Condutores
É o principal e mais importante componente em uma rede de distribuição, pois são
responsáveis por “conduzir” a energia elétrica. São utilizados condutores de alumínio
onde não há corrosão salina (interior do estado) e condutores de cobre onde a corrosão é
mais severa (região litorânea do estado).
No interior do estado os cabos a serem utilizados em MT são os de alumínio com alma
de aço (CAA) e podem ter as seguintes características:




                                                                                     20
Tabela 3 – Características dos Cabos de Alumínio com Alma de Aço – CAA.

Onde a corrosão salina é maior os condutores e serem utilizados na MT são:




Tabela 4 – Características dos Cabos de Cobre Nu – CCN.

Já para a BT onda não há influência do mar, no interior, os condutores a serem
utilizados são cabos pré-reunidos de alumínio com as seguintes características:




Tabela 5 – características dos cabos pré-reunidos de alumínio para BT.

Onde há corrosão os cabos a serem utilizados são de cobre de acordo com a tabela
abaixo:




Tabela 6 – características dos cabos pré-reunidos de cobre para BT.




                                                                             21
O uso e aplicação de cada um dos condutores acima dependem de cálculos e projetos
efetuados por eletrotécnicos e engenheiros que são devidamente expostos nos projetos
de construção de rede e seu uso deve ser fielmente seguido.


3.4 Outras estruturas
Alem das estruturas vistas acima citadas existem mais outras que são utilizadas na
sustentação dos condutores entre os postes e isoladores. Há tanto estruturas para a
Média Tensão quanto para a Baixa Tensão. As estruturas utilizadas em MT são
chamadas de estruturas primárias e as utilizadas em BT são as estruturas secundárias.
Suas características variam de acordo com a aplicação de cada uma.


3.4.1 Estruturas Primárias (de MT)
Podem ser estruturas trifásicas, monofásicas ou ainda monofilares (ou MRT –
monofásica com retorno por terra). As estruturas trifásicas e monofásicas ainda podem
ser subdivididas pelos tipos de cruzetas: cruzeta normal (N); cruzeta meio-beco (M);
cruzeta beco (B). Já as monofilares não apresentam necessidade de cruzetas e são
designadas pela letra “U”.
Devido a diversidade de estruturas foram formados códigos para melhorar sua
identificação de acordo com o explicado abaixo:
a) primeira letra
        N – estrutura com cruzeta normal
        M – estrutura com cruzeta meio-beco
        B – estrutura com cruzeta beco
b) segunda letra
        M – indica estruturas monofásicas
c) últimas letras da estrutura
        CF – estruturas com chaves fusíveis
        CS – estruturas com chaves seccionadoras
        PR – estruturas com para-raio
        TM – transformadores monofásicos
        TMB – transformadores monobuchas (MRT)
        TT – transformadores trifásicos
d) estruturas especiais
        RE1 – rural especial em um poste
        RE2 – rural especial em dois postes
Exemplo de nomenclatura:




A seguir a simbologia básica das estruturas com cruzetas:




                                                                                  22
Ilustração 6 – Estruturas Monofásicas (onde a segunda letra “M” indica que a rede é monofásica).




                                                                                               23
Ilustração 7 – Estruturas Trifásicas.

Note que a diferença entre as cruzetas está exatamente no local onde as mesmas são
afixadas no poste, e estas características são aproveitas para diferentes situações.
Cada estrutura (N1, N2, N3, N4, etc.) suporta um ângulo e um vão de cabo de acordo
com sua construção que são identificadas na tabela abaixo.



                                                                                 24
Tabela 7 – Dimensionamento de postes e estruturas para rede de distribuição rural.

Da tabela acima podemos concluir, por exemplo, que construindo uma rede de MT
trifásica onde seja necessário fazer um ângulo de 20º devemos utilizar uma estrutura do
tipo N2, que suporta um vão máximo de 200m desde que seja utilizado um poste com
esforço de 300daN e mais um estai.

As estruturas monofilares, ou MRT, são um caso a parte e têm um padrão de estruturas
único. Sua principal característica é que é composto de apenas um fio, e por isso não
necessita de cruzetas. As principais são expostas a seguir:




                                                                                     25
Tangente U1




Pequena deflexão U2




Ancoragem U3




Grande deflexão U3.3




Encabeçamento U4
Ilustração 8 – Principais estruturas MRT.



3.4.2 Estruturas Secundárias (de BT)
Estas estruturas sustentam os condutores que saem dos transformadores e são levados
até nossas casas e são constituídas por isoladores e armações que os sustentam, além de
caixas de proteção e distribuição, alças e laços, etc.


                                                                                    26
As estruturas compostas de isoladores são nomeadas iniciando com a letra “S”
indicando secundário, depois um número que indica a quantidade de isoladores roldana
que existe na armação, e por ultimo uma letra que indica o tipo de parafuso que
sustentará esta armação no poste. Por exemplo, na imagem 09 podemos ver em um
poste além de uma estrutura de MT do tipo N1 também uma estrutura de BT do tipo
S5N, ou seja, uma estrutura secundária com cinco estribos (isoladores roldana) e com
um parafuso do tipo N.
Para os parafusos temos as seguintes letras que os identificam:
       N – parafuso de 200mm (ou 20cm);
       A – parafuso de 250mm (ou 25cm);
       B – parafuso de 300mm (ou 30cm);
       C – estrutura complementar sem parafuso.




Imagem 15 – Parafusos de 200, 250 e 300mm.

Há também as caixas de derivação que servem para ligação de ramais de ligação e
também são identificadas por CXDM para caixas de derivação monofásicas e CXDT
para caixas trifásicas.




Imagem 16 – Aplicação de uma CXDM – Caixa de derivação monofásica.

Estruturas como estas levam outros pequenos materiais, como alças, laços e conectores,
que podem ser consultados no final deste trabalho onde são listados detalhadamente.




                                                                                   27
Imagem 17 – Alça e laço em detalhe. Conector tipo cunha utilizado em cabos não isolados.

1) Por exemplo, vamos identificar as estruturas existentes na ilustração abaixo.




Imagem 18 – Estrutura de BT e MT.

De cima pra baixo podemos identificar uma estrutura de MT do tipo N4 com pára-raios,
portanto uma N4PR, já na BT temos quatro estribos armados de um lado do poste e
aproveitando os parafusos desta armação mais dois estribos do outro lado do poste, logo
teremos uma S4, provavelmente com parafusos de 250mm, portanto S4A, e uma S2 sem
parafusos, ou seja uma S2C, além de uma CXDT logo abaixo. Poderíamos também
identificar as duas luminárias no poste com as letras IP (de iluminação pública). O
poste, apesar de não poder se identificar na imagem é provavelmente um 300/10,5.
Teríamos então a seguinte estrutura: 300/10,5 N4PR S4A S2C CXDT IP




                                                                                           28
4. Equipamentos de redes de distribuição
Além das estruturas vistas nos tópicos anteriores outros dispositivos também têm sua
importância nas redes de distribuição e não poderiam passar em branco neste estudo.
Dentre muitos dos equipamentos utilizados abordaremos os mais utilizados nas
extensões de redes que são os transformadores, as chaves fusíveis e seccionadoras e os
pára-raios. Há ainda os equipamentos especiais, como banco de reguladores e
capacitores, mas não será objeto do nosso estudo. Será apenas uma abordagem
superficial.


4.1 Transformadores
Transformam MT em BT, reduzindo o nível de tensão de 13800V para 380/220V e são
um dos principais equipamentos na transmissão e distribuição de energia elétrica.
Existem muitos tipos de transformadores, mas os utilizados na distribuição de energia
são denominados de transformadores de potência e podem ser trifásicos ou
monofásicos, e há também os MRT’s ou monobuchas. A seguir exemplos de cada um.

Transformadores Trifásicos




                                                                                   29
Imagem 19 – Transformadores trifásicos.

Transformadores Monofásicos




                                          30
Imagem 20 – Transformadores monofásicos.

Transformadores MRT




                                           31
Imagem 21 – Transformadores MRT.

4.2 Chave Fusível
São dispositivos que permitem proteger a rede e seus equipamentos de altas correntes,
rompendo um fusível quando esta corrente a percorre e fazendo com que a chave abra
interrompendo a circulação da corrente.




Imagem 22 – Chave Fusível.



                                                                                  32
4.3 Chave Seccionadora
Este equipamento é utilizado para desligar e manobrar a rede permitindo que
determinados trechos sejam desligados.




Imagem 23 – Chave Seccionadora.

4.4 Pára-raios
Protegem as redes de surtos de tensões causados por descargas atmosféricas (raios), ou
mesmo de manobras realizadas na rede, limitando os níveis de tensão aos suportáveis
pela rede. São instalados geralmente em transformadores e outros equipamentos.




Imagem 24 – Para-raio do tipo polimérico.




                                                                                   33
5. Construção de Redes de Distribuição
Tomando conhecimento dos principais equipamentos, estruturas, terminologias e tipos
de redes de distribuição passaremos agora a conhecer os procedimentos para execução
da construção de redes de distribuição.
Esta é uma atividade que envolve muitos riscos, pois lida com um componente
“invisível” que é a eletricidade, bem como com alturas elevadas e materiais pesados,
tornando indispensáveis materiais de segurança bem como ferramentas adequadas,
pessoal treinado e capacitado para seguir todos os procedimentos.

5.1 Materiais de Segurança
Os materiais de segurança protegem o pessoal envolvido na construção de redes dos
riscos aos quais estão submetidos. Os principais são listados abaixo:

Botas de segurança




Imagem 25 – Botas de segurança. A primeira sem condições de uso por estar rasgada.

As botas protegem os pés de objetos e também de tensões de até 1000V.

Botas de borracha




Imagem 26 – Bota de borracha.
As botas de borracha devem proteger os pés em ambientes alagadiços.

Capa de chuva
Protegem o trabalhador nos dias chuvosos.

Capacete aba total


                                                                                     34
Imagem 27 – Capacete aba total com suspensão e jugular.

Protege a cabeça contra impactos acidentais e contatos acidentais de até 1000V.

Kit “EPI” (cinturão/talabarte/trava-quedas)
Consiste no kit individual para eletricistas que escalem o topo do poste protegendo-o de
quedas, deslizes, etc.
O cinturão é tipo pára-quedista, o talabarte envolve a cintura do escalador e a trava-
quedas é ligada a uma linha de vida que impede a queda.




Imagem 28 – Exemplo de aplicação do Kit “EPI”.




Imagem 29 – Trava-quedas que é ligada á linha de vida.


                                                                                     35
Imagem 30 – Talabarte.




Imagem 31 – Cinturão pára-quedista.

Kit “EPC” (Linha de vida/fita-poste/agulhão/ICC)
São dispositivos utilizados para escalação do poste.




Imagem 32 – Linha de vida e fita-poste.




                                                       36
Imagem 33 – Agulhão e ICC.

Espora para poste de concreto duplo “T”
Auxiliam o eletricista na escalada do poste quando não é obrigatório o uso de escadas.




Imagem 34 – Esporas.

Fardamento retarda-chama
Protege o eletricista contra os efeitos do arco-elétrico.




Imagem 35 – Fardamento retarda-chama.

Luvas isolantes de borracha
Deve constar de um par de luvas isolantes Classe 0 que isola a tensões de até 1.000V e
outro par Classe “2” que isola tensões de até 17.000V. São utilizadas quando do contato
com a rede elétrica energizada ou não.




                                                                                     37
Imagem 36 – Luva isolante de BT (tarja vermelha).




Imagem 37 – Luva isolante de MT (tarja amarela).

Estas luvas só podem ser utilizadas com luvas de cobertura que as protegem de
desgastes, mantendo assim a sua segurança e qualidade.

Luvas de vaqueta
Protegem a mão contra farpas, terra, esforços e etc. para uso geral.




Imagem 38 – Luvas de vaqueta.

Mangas de borracha
Protegem os ombros e braços do eletricista contra contatos em redes energizadas em até
1.000V.




                                                                                   38
Imagem 39 – Mangas de borracha.

Protetor facial e óculos de proteção
Protegem os olhos e face do eletricista contra fragmentos e outros que possam ocasionar
acidente a esta região do corpo.




Imagem 40 – Protetor facial e óculos de proteção.

Cones para sinalização
Delimitam e sinalizam a área de trabalho impedindo que terceiros transitem por ela.




Imagem 41 – Exemplo de aplicação dos cones.

Conjuntos de aterramento
São utilizados para aterrarem redes desenergizadas para que em uma energização
acidental a corrente elétrica não circule pelas pessoas que estejam em contato com a
rede e escoe para a terra. Há o específico de BT e o de MT.




                                                                                      39
Imagem 42 – Conjunto de aterramento e BT e conjunto de aterramento de MT.

Detectores de tensão
Quando da desenergização da rede são utilizados para detectar a ausência de tensão.
Caso ainda exista energia na rede este detector alarma indicando.




Imagem 43 – Detector de tensão de MT




Imagem 44 – Detector de tensão de BT




                                                                                40
Imagem 45 – Detector de tensão para residências

Estojo de primeiro socorros
Deve conter todo o material necessário para prestação de primeiros socorros em caso de
acidentes.




Imagem 46 – Kit primeiros socorros



5.2 Ferramentas e Equipamentos
Conheceremos agora os principais equipamentos e ferramentas utilizadas na construção
de redes assim como a aplicabilidade e correta utilização dos mesmos.

Alicate universal isolado para 1000 Volts: amarrações e cortar condutores;




Imagem 47 – Alicate universal com cabo isolado.

Capacete aba total: proteger a cabeça contra impactos e agentes agressivos;
Canivete: retirar isolamento dos condutores ou cortes eventuais;
Chave de fenda: apertar e desapertar parafusos dotados de fenda;




                                                                                   41
Imagem 48 – Jogo chave de fenda com cabo isolado.

Caixa de ferramentas: acondicionar para transporte as ferramentas de turma;
Chave inglesa 300 mm, ajustável: apertar e desapertar parafusos e porcas de várias
bitolas;




Imagem 49 – Chave inglesa com cabo isolado.

Óculos de segurança: proteger os olhos;
Garra para escalar poste duplo – T: escalar poste duplo T;
Gancho para içar ferramentas: içar ferramentas com cordas;
Maleta de couro p/ ferramentas: acondicionar e transportar ferramentas;
Marreta: cravar peças, quebrar calçadas;
Luva protetora: proteger a luva isolante, contra possíveis perfurações ou cortes;
Alavanca de aço sextavada: deslocar peças e escavação do solo;
Alicate de compressão mecânica: efetuar compressão mecânica de luva de emenda e
conectores;
Arco de serra ajustável: serrar peças metálicas;
Bolsa para luva de borracha: acondicionar e proteger luvas isolantes;
Bastão universal com acessórios (vara de manobra): executar manobras,
desligamentos, e troca de fusíveis em redes aéreas de distribuição;
Conjunto de Aterramento temporário: proteger contra choques elétricos acidentais
nos trabalhos em redes desenergizadas;
Chave de boca combinada: apertar e desapertar porcas e parafusos de cabeça quadrada
ou sextavada;




Imagem 50 - Jogo de chaves de boca e de roda com cabos isolados.

Chave de grifo: apertar e desapertar canos, eletrodutos e outras peças cilíndricas;
Cavadeira: abrir cavas em terrenos normais;




                                                                                      42
Imagem 51 – Cavadeira.

Caixa de primeiros socorros: acondicionar medicamentos;
Cone de sinalização: orientar e dirigir o tráfego;
Detector de tensão: testar a linha quanto a sua energização;
Dinamômetro: medir tração de cabos em montagens de rede;
Enxada: capinar, mexer argamassa, remover terras, etc;
Esticador: prender condutor/cabo para tracionamento;




Imagem 52 – Esticador mordente ligado a moitão.

Escada extensível: executar serviços até o topo do poste;




Imagem 53 – Escada dupla extensível.

Facão: abrir picadas e limpar faixas;
Foice: cortar vegetação rasteira;
Fita para levantar poste: levantar poste;
Gancho para virar poste: girar poste para posição adequada;
Luva de borracha classe 2: proteger as mãos e parte do antebraço contra choques
elétricos até tensões de 20 KV;
Machado: cortar tora de madeira, desmatamento;
Moitão com corda: tracionar condutores e estais;
Medidor de resistência de terra: medir a resistência de terra;

                                                                            43
Martelo unha: bater, quebrar e, especialmente cravar pregos;
Pá manual: cavar terrenos macios e remover terra;
Picareta: escavar terra, arrancar pedras, etc;
Prumo: colocar peças e postes na posição vertical;
Placa de sinalização: “NÃO OPERE ESTE EQUIPAMENTO”: sinalizar equipamento
com operação temporariamente interditada;
Roldana para lançamento de condutor: auxiliar, suportar e proteger condutores
facilitando o deslocamento dos mesmos, durante o lançamento;
Malho: compactar terreno (socador);
Sacola para acondicionamento de bastão universal: acondicionar e proteger o bastão
universal (vara de manobra);
Talhadeira: cortar pequenas peças de aço;
Tesourão: cortar cabos;




Imagem 54 – Tesourão.

Trena fibra de vidro: medir vãos de rede;
Talha tipo tifór: levantar e deslocar cargas e nivelamento de condutores;
Talha de catraca/corrente: para tencionamento de cabos de aço;
Bainha para alicate: acondicionar, proteger e transportar alicate;
Calça conforme especificação Coelce em vigor: peça do uniforme;
Camisa conforme especificação Coelce em vigor: peça do uniforme;
Calçado de segurança: proteger os pés e as pernas;
Cinto de segurança com talabarte: fixar o eletricista no poste, com segurança,
evitando quedas;
Luva de proteção de raspa: possibilitar o trabalho de operação de redes
desenergizadas;
Sacola para içamento: içar, arriar ferramentas e peças de pequeno porte;
Corda de sisal ou nylon: puxar condutores, içar/arriar ferramentas e materiais;
Bandeirola de sinalização: sinalizar locais de trabalho;
Garrafa térmica para 5 litros: acondicionamento de água para beber;
Lâmina de arco de serra: componente do arco de serra e serve para serrar peças
metálicas;
Prancha de madeira: proteger a parede da cava no levantamento manual de poste;
Encerado lonado: proteger materiais e equipamentos do sol, vento e chuva;
Cepo de madeira: apoiar o pé do guindauto;
Alicate bomba d’água: Aplicação do conector tipo cunha;




                                                                               44
Imagem 55 - Alicate bomba d’água.

Extrator de conector tipo cunha: Utilizado para retirar conector;
Alicate Volt-amperímetro: Utilizado para efetuar leituras de corrente e tensão nos
equipamentos;




Imagem 56 – Alicate volt-amperímetro.

Tripé: Auxiliar no fincamento de postes em terreno de difícil acesso;
Loadbuster: Equipamento de extinção de arco elétrico durante a operação de aberturas
de chaves com carga;




Imagem 57 – Load-Buster.



                                                                                 45
Ferramenta ampact (pistola): Utilizada para instalação e retirada de conector tipo
cunha.




Imagem 58 – Ferramenta ampact

Manga de borracha: Proteção do braço e antebraço contra choque Elétrico;
Termômetro: Para medir temperatura ambiente no ato do tencionamento do condutor;
GPS: Levantamento de coordenadas Geo-referenciadas;

5.3 Recomendações sobre cuidados dos equipamentos
As ferramentas utilizadas para Construção de Redes de distribuição devem ser mantidas
em perfeitas condições de uso, ou seja, limpas, lubrificadas e afiadas;
As luvas de borracha deverão ser lavadas após execução dos serviços diários, com água
e sabão neutro, secar a sombra e receber aplicação de talco industrial;
Os medidores de resistência de terra e dinamômetro devem estar sempre aferidos;
Os conjuntos de aterramento temporário devem ser freqüentemente inspecionados;
Os detectores de tensão deverão ser testados obrigatoriamente antes de sua utilização;
Load-buster deverá ser acondicionado em maleta apropriada, e inspecionado
periodicamente, de conformidade com o estabelecido pelo fabricante. (Deverá ser
sempre acompanhado de um registro do número de operações);

5.4 Turmas e equipes de construção
As turmas de construção devem ser formadas de no mínimo dois componentes não
tendo um limite máximo de componentes, no entanto para as construções de redes da
Coelce geralmente se usam turmas de sete pessoas. O serviço que estas turmas podem
executar dependem da quantidade e diversidade de componentes das mesmas.

5.4.1 Turma de duas pessoas
Composição:
01 motorista / eletricista
01 eletricista
 Viatura:
Pick-up de cabine simples equipada com porta-escada ou escada extensível ou cesta
aérea
Serviços que poderão ser executados:


                                                                                   46
Instalação de luminárias com braço curto (Equipe com treinamento também em PEX-
06)
Instalação de cobertura em cabos de BT (Rede Desenergizada)
Fechamento de jumps de BT e MT
Instalações de medidores e ramais de ligação (Obras Luz Para Todos)
Instalações internas nas residências (Obras Luz Para Todos)
Troca de medição de monofásica para trifásica (Rede Desenergizada)
Instalação de caixa de derivação

5.4.2 Turma de quatro pessoas
Composição
01 motorista / eletricista;
01 eletricista;
01 auxiliar de serviço;
01 chefe de turma.
Viatura
Pick-up ou F- 4000 de cabine dupla equipada com porta escada
Serviços que poderão ser executados:
Troca de cruzetas de MT;
Instalação de cobertura em cabos de MT;
Interligação de obras de MT ou BT;
Ampliação ou substituição de fases de MT ou BT de até três vãos;
Instalação ou substituição de transformador (*) – Equipe com treinamento também em
PEX-10;
Instalação de luminárias com braço longo (*) – Equipe com treinamento também em
PEX-06;
Interligação de obras com implantação ou substituição de poste (*);
Construção de obra de MT ou BT de até três postes (*);
Instalação de equipamentos tipo: banco de capacitores, seccionador ou religador (*);
Instalação de chaves fusíveis e seccionadoras.

5.4.3 Turma de sete pessoas
Composição
01 motorista / operador de guindauto
02 eletricistas
02 montadores
01 auxiliar de serviço
01 chefe de turma
Viatura
Caminhão de cabine dupla, equipado com guindauto de capacidade de no mínimo seis
toneladas, ou caminhão de cabine simples equipado com guindauto de no mínimo seis
toneladas e de um veículo de apoio (carro ou pick-up de cabine dupla), para o transporte
do pessoal.
Serviços que poderão ser executados
Os demais serviços
Fardamento retardante a chama
*
 Os serviços indicados em (*) somente poderão ser realizados com o auxílio de uma equipe de
apoio composta de um motorista / operador de guindauto e dois auxiliares de serviço, tendo
como viatura um caminhão de cabine simples equipado com guindauto de no mínimo seis
toneladas de capacidade.


                                                                                        47
Os montadores e auxiliares não podem executar serviços de construção ou reforma da
rede elétrica dentro da zona controlada ou em partes do sistema elétrico com
possibilidade de energização acidental, portanto, estão dispensados do uso do
fardamento retardante a chama.

5.5 Passos para execução de construção de redes
Os principais passos a serem seguidos na construção de redes são os seguintes:
 Interpretação do Projeto;
 Planejamento de Execução de Obras;
 Transporte de Equipamentos e Materiais;
 Transporte de Pessoal;
 Posicionamento do Veículo na Área de Trabalho;
 Sinalização da Área de Trabalho;
 Locação de RDU;
 Locação de RDR;
 Abertura de cavas;
 Distribuição de postes;
 Fincamento de postes e montagem de estruturas;
 Estaiamento;
 Lançamento, Nivelamento, Tencionamento e Conexão de condutores;
 Instalação de equipamentos;
 Aterramentos;
 Revisão de rede;
 Desligamento e Religamento;
 Interligação da rede;
 Devolução de materiais.

5.6 As cinco Regras de Ouro
Para que sejam executados trabalhos em redes elétricas desenergizadas deve-se sempre
se adotar as denominadas “Cinco Regras de Ouro”, as quais devem ser seguidas na
seguinte ordem:
Primeira Regra de Ouro:
Identificar a instalação na qual se vai trabalhar e abrir com corte visível todas as
possíveis fontes de tensão através de dispositivos de corte efetivo.
Segunda Regra de Ouro:
Realizar sempre que possível o bloqueio dos equipamentos de abertura dos circuitos e
instalar obrigatoriamente a sinalização de “ATENÇÃO – Não Opere este Equipamento”
em local bem visível e junto a estes dispositivos.
Terceira Regra de Ouro:
Comprovar a ausência de tensão nos locais de abertura dos circuitos elétricos bem como
no local de trabalho, empregando para isto, o detector de tensão adequado para o nível
de tensão nominal de cada circuito. Nota: Antes do uso, testar o funcionamento do
detector de tensão através de seu auto-teste.
Quarta Regra de Ouro:
Instalar os conjuntos de aterramento temporários quantos forem necessários. Em toda
instalação elétrica desenergizada para que sejam realizados quaisquer trabalhos devem
ser bem definidas as Zonas de Desligamento, Zonas de Proteção e Zonas de Trabalho.
Quinta Regra de Ouro:


                                                                                   48
Sinalizar e Delimitar a área de trabalho através de equipamentos apropriados. Sinalizar
os dispositivos de corte visível e efetivo que foram abertos através da instalação de
Placas de Advertência “ATENÇÃO – Não Opere este Equipamento” em local bem
visível e junto a estes dispositivos.

5.7 Procedimentos de execução
Quanto à segurança:
 Durante o lançamento dos condutores ou tencionamento (com utilização de talha
  tifor ou corrente, moitão), não é permitido que nenhum membro da turma esteja sobre
  os postes e/ou cruzetas;
 No caso de utilização da talha de corrente deverá ser utilizado cesta aérea;
 É terminantemente proibida a utilização de equipamento mecânico de lançamento de
  cabos sobre os postes, salvo se este equipamento for devidamente aprovado pela
  engenharia e segurança da Coelce;
 O chefe de turma responsável pelo serviço deve orientar o pessoal de suas
  responsabilidades para o cumprimento das práticas de segurança tanto de natureza
  técnica como comportamental;
 Não é permitida a realização de tarefas com a utilização de ferramentas ou
  equipamentos defeituosos ou fora sua finalidade;
 Antes de iniciar qualquer serviço o chefe de turma deverá fazer uma programação
  do trabalho a ser executado, buscando identificar e controlar todos os riscos de
  possíveis acidentes, inclusive com terceiros;
 O chefe de turma deverá analisar as condições do local de trabalho, avaliar as
  situações de risco do local, reunir seu pessoal e explicar as tarefas a ser efetuada e
  distribuí-las com a equipe, deixando aquelas mais difíceis e mais complexas para
  aqueles que reunirem melhores condições para executá-las, (conversa ao pé do
  poste);
 Durante o estacionamento ou posicionamento da viatura, no local do trabalho, um
  componente da equipe deverá auxiliar ao motorista até a conclusão total das
  manobras, inclusive a sinalização e calço das rodas;
 O chefe de turma deverá orientar o isolamento da área de trabalho, sinalizando-a
  através de cordas e cones de segurança, não permitindo a presença de terceiros;
 O chefe de turma deverá supervisionar os materiais, ferramentas e equipamentos
  necessários à execução dos serviços, verificando as suas condições de uso;
 O chefe de turma deverá obedecer aos valores de tencionamento dos condutores
  estabelecidos no projeto, através da utilização do dinamômetro;
 O chefe de turma deverá lembrar a equipe que durante a execução das tarefas, cada
  integrante deverá zelar pela segurança de todos, inclusive terceiros;
 No momento do desligamento, o chefe de turma deverá observar o seguinte:
        Solicitar autorização ao centro de operações para desligar a rede, após receber
        autorização, e efetuar a abertura das chaves;
        Registrar no pedido de desligamento via palmtop o horário do início do
        desligamento;
        Após a abertura das chaves fusíveis retirar os seus cartuchos Após a abertura das
        chaves seccionadoras, colocar invólucros de proteção nas lâminas das chaves;
        Desconectar todas as gambiarras existentes no trecho da obra em execução;
        Testar a ausência de tensão na Baixa e na Média Tensão, colocar a placa de
        advertência, a uma altura mínima de 3,5 m;



                                                                                      49
Fazer aplicação dos conjuntos de aterramento do trecho desenergizado de modo
      que a área de trabalho fique totalmente protegida;
      Delimitar e sinalizar a área de trabalho, colocar as placas “NÃO OPERE ESTE
      EQUIPAMENTO” em todas as chaves de fronteira (ou seja, todas as chaves de
      encontro de alimentadores que fizer fronteira com a área desligada), que
      permitam a energização da área desligada, só então a rede pode ser liberada para
      os serviços;
      Abrir todas as chaves de trafos ou ramais que ficarem localizadas dentro da área
      de trabalho, não sendo necessária a retirada dos cartuchos ou colocação de
      invólucros;
   Após a conclusão dos trabalhos, o chefe de turma deverá observar o seguinte:
      Conferir os serviços executados;
      Comunicar a todos os membros da equipe, que foi iniciado o processo de
      religação da linha, proibindo qualquer intervenção no circuito em questão;
      Retirar os aterramentos provisórios e placas de advertência;
      Recolocar os cartuchos das chaves fusíveis e/ou retirar os invólucros de proteção
      das lâminas das chaves seccionadoras;
      Solicitar autorização ao centro de controle para religação da rede, após receber
      autorização, efetuar o fechamento das chaves;
      Registrar no pedido de desligamento via palmtop o horário do fim do
      desligamento;
      Observar se o sistema foi normalizado, caso não seja identificado nenhuma
      anomalia, a equipe estará liberada.

Quanto a execução de serviços pela equipe:
 O trabalho deve ser executado com calma, coordenação e habilidade, por elementos
  treinados e considerados aptos, físico e psicologicamente para a tarefa;
 A equipe deverá seguir as normas e orientação para o uso dos equipamentos e
  ferramentas necessárias e verificando o seu estado de conservação;
 Qualquer imprevisto que exija a alteração da programação deverá ser comunicado
  de imediato, ao chefe de turma para as devidas providências/soluções;
 Não permitir o uso de qualquer equipamento ou ferramenta inadequada durante a
  execução das tarefas;
 Verificar a existência de cães, cobras, maribondos ou abelhas na área de trabalho e
  providenciar a retirada por meios mais práticos e seguros;
 Cada componente da turma deverá inspecionar seu equipamento de proteção
  individual – EPI, antes do início dos trabalhos;
 O CHEFE DE TURMA deverá inspecionar e manter seus equipamentos de proteção
  coletiva EPCs em perfeita condição de uso, inclusive o estojo de primeiros socorros;
 As viaturas devem ser posicionadas e estacionadas de maneira a oferecer a melhor
  condição para execução dos serviços. Sempre que possível protegendo a área de
  trabalho;
 Após o estacionamento a viatura deverá estar com o freio de mão acionado, as rodas
  dianteiras direcionadas para a calçada e todas devidamente cepadas;
 Na execução de qualquer tarefa, deverão ser observadas as condições
  meteorológicas e
 tomadas as seguintes decisões:
 Com tempestade ou chuva forte, a tarefa não deverá ser iniciada e as operações em
  andamento serão interrompidas ou suspensas;


                                                                                    50
  Com chuva fina ou neblina verificar se esta condição impõe uma situação de risco,
  caso afirmativo, não iniciar ou paralisar as atividades até que se tenha condição
  segura para execução do trabalho;
 Com vento, forte verificar se a situação permite a execução ou continuidade do
  serviço, caso contrário também paralisar ou suspender os mesmos.




                                                                                 51
6. Bibliografia

COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Padrão de estrutura PE031 revisão

R03: Rede Primária de Distribuição Aérea de Energia Elétrica Urbana e Rural. 2004


COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Padrão de estrutura PE035 revisão

R00: Rede Primária de Distribuição Aérea Rural Monofilar. 2008



COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Padrão de estrutura PE038 revisão

R01: Rede Secundária de Distribuição Aérea 380/220V. 2005



COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Procedimento de Execução PEX014

revisão R16: Construção de Redes Aéreas de MT e BT Desenergizadas. 2008



COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Procedimento de Segurança do

Trabalho PRST004 revisão R10: Procedimento de Segurança do Trabalho para

Serviços Elétricos. 2010




                                                                                    52
6. Bibliografia

COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Padrão de estrutura PE031 revisão

R03: Rede Primária de Distribuição Aérea de Energia Elétrica Urbana e Rural. 2004


COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Padrão de estrutura PE035 revisão

R00: Rede Primária de Distribuição Aérea Rural Monofilar. 2008



COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Padrão de estrutura PE038 revisão

R01: Rede Secundária de Distribuição Aérea 380/220V. 2005



COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Procedimento de Execução PEX014

revisão R16: Construção de Redes Aéreas de MT e BT Desenergizadas. 2008



COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Procedimento de Segurança do

Trabalho PRST004 revisão R10: Procedimento de Segurança do Trabalho para

Serviços Elétricos. 2010




                                                                                    52
6. Bibliografia

COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Padrão de estrutura PE031 revisão

R03: Rede Primária de Distribuição Aérea de Energia Elétrica Urbana e Rural. 2004


COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Padrão de estrutura PE035 revisão

R00: Rede Primária de Distribuição Aérea Rural Monofilar. 2008



COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Padrão de estrutura PE038 revisão

R01: Rede Secundária de Distribuição Aérea 380/220V. 2005



COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Procedimento de Execução PEX014

revisão R16: Construção de Redes Aéreas de MT e BT Desenergizadas. 2008



COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Procedimento de Segurança do

Trabalho PRST004 revisão R10: Procedimento de Segurança do Trabalho para

Serviços Elétricos. 2010




                                                                                    52

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila CEFET - Instalações Elétricas
Apostila CEFET - Instalações ElétricasApostila CEFET - Instalações Elétricas
Apostila CEFET - Instalações ElétricasFermi Xalegre
 
AULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptx
AULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptxAULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptx
AULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptxVander Bernardi
 
Apostila de comandos elétricos (senai sp)
Apostila de comandos elétricos (senai   sp)Apostila de comandos elétricos (senai   sp)
Apostila de comandos elétricos (senai sp)Antonio Carlos
 
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2ragrellos
 
Projeto de instalação elétrica residencial
Projeto de instalação elétrica residencialProjeto de instalação elétrica residencial
Projeto de instalação elétrica residencialLuiz Avelar
 
Apostilada instalações elétricas prediais
Apostilada instalações elétricas prediaisApostilada instalações elétricas prediais
Apostilada instalações elétricas prediaisWillyam Pinheiro Baptista
 
Projeto instalações predial sapres projeto instalacoes. pdf
Projeto  instalações predial sapres projeto instalacoes. pdfProjeto  instalações predial sapres projeto instalacoes. pdf
Projeto instalações predial sapres projeto instalacoes. pdfMa Dos Anjos Pacheco
 
Elementos de subestação
Elementos de subestaçãoElementos de subestação
Elementos de subestaçãoRafael Silveira
 
Projetos elétricos residenciais - Completo
Projetos elétricos residenciais  - CompletoProjetos elétricos residenciais  - Completo
Projetos elétricos residenciais - CompletoSala da Elétrica
 
Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis cerejn
 
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardoEletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardoCarlos Melo
 
E cap 8- dimensionamento de eletrodutos
E cap 8- dimensionamento de eletrodutosE cap 8- dimensionamento de eletrodutos
E cap 8- dimensionamento de eletrodutosAndré Felipe
 
Dicas instalações elétricas prediais - residenciais
Dicas   instalações elétricas prediais - residenciaisDicas   instalações elétricas prediais - residenciais
Dicas instalações elétricas prediais - residenciaisFermi Xalegre
 
Apresentação motores de indução
Apresentação motores de induçãoApresentação motores de indução
Apresentação motores de induçãoLuiz Carlos Farkas
 
Porque raiz 3 nos circuitos trifasicos
Porque raiz 3 nos circuitos trifasicosPorque raiz 3 nos circuitos trifasicos
Porque raiz 3 nos circuitos trifasicosAlex Davoglio
 
M6 eficiência energética
M6   eficiência energéticaM6   eficiência energética
M6 eficiência energéticaconfidencial
 
Proteção sistemas elétricos_noções básicas (3)
Proteção sistemas elétricos_noções básicas (3)Proteção sistemas elétricos_noções básicas (3)
Proteção sistemas elétricos_noções básicas (3)Tuane Paixão
 

Mais procurados (20)

Apostila CEFET - Instalações Elétricas
Apostila CEFET - Instalações ElétricasApostila CEFET - Instalações Elétricas
Apostila CEFET - Instalações Elétricas
 
TP e TCs
TP e TCsTP e TCs
TP e TCs
 
AULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptx
AULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptxAULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptx
AULA 9 FUSÍVEIS E DISJUNTORES.pptx
 
Apostila de comandos elétricos (senai sp)
Apostila de comandos elétricos (senai   sp)Apostila de comandos elétricos (senai   sp)
Apostila de comandos elétricos (senai sp)
 
Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2Eletrica.ppt 2
Eletrica.ppt 2
 
Projeto de instalação elétrica residencial
Projeto de instalação elétrica residencialProjeto de instalação elétrica residencial
Projeto de instalação elétrica residencial
 
Apostilada instalações elétricas prediais
Apostilada instalações elétricas prediaisApostilada instalações elétricas prediais
Apostilada instalações elétricas prediais
 
Projeto instalações predial sapres projeto instalacoes. pdf
Projeto  instalações predial sapres projeto instalacoes. pdfProjeto  instalações predial sapres projeto instalacoes. pdf
Projeto instalações predial sapres projeto instalacoes. pdf
 
Elementos de subestação
Elementos de subestaçãoElementos de subestação
Elementos de subestação
 
Projetos elétricos residenciais - Completo
Projetos elétricos residenciais  - CompletoProjetos elétricos residenciais  - Completo
Projetos elétricos residenciais - Completo
 
Apostila predial 2
Apostila predial 2Apostila predial 2
Apostila predial 2
 
Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis Disjuntores e fuzíveis
Disjuntores e fuzíveis
 
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardoEletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
Eletricista predial previsão de carga-carlos eduardo
 
Aula disjuntor
Aula disjuntorAula disjuntor
Aula disjuntor
 
E cap 8- dimensionamento de eletrodutos
E cap 8- dimensionamento de eletrodutosE cap 8- dimensionamento de eletrodutos
E cap 8- dimensionamento de eletrodutos
 
Dicas instalações elétricas prediais - residenciais
Dicas   instalações elétricas prediais - residenciaisDicas   instalações elétricas prediais - residenciais
Dicas instalações elétricas prediais - residenciais
 
Apresentação motores de indução
Apresentação motores de induçãoApresentação motores de indução
Apresentação motores de indução
 
Porque raiz 3 nos circuitos trifasicos
Porque raiz 3 nos circuitos trifasicosPorque raiz 3 nos circuitos trifasicos
Porque raiz 3 nos circuitos trifasicos
 
M6 eficiência energética
M6   eficiência energéticaM6   eficiência energética
M6 eficiência energética
 
Proteção sistemas elétricos_noções básicas (3)
Proteção sistemas elétricos_noções básicas (3)Proteção sistemas elétricos_noções básicas (3)
Proteção sistemas elétricos_noções básicas (3)
 

Destaque

Geração de Energia Elétrica - Introdução
Geração de Energia Elétrica - IntroduçãoGeração de Energia Elétrica - Introdução
Geração de Energia Elétrica - IntroduçãoJim Naturesa
 
Redes e Subestação de Energia Iª PARTE
Redes e Subestação de Energia Iª PARTERedes e Subestação de Energia Iª PARTE
Redes e Subestação de Energia Iª PARTEAdão manuel Gonga
 
17.ago safira 14.30_345_taesa
17.ago safira 14.30_345_taesa17.ago safira 14.30_345_taesa
17.ago safira 14.30_345_taesaitgfiles
 
17.ago ametista 11.35_230_cemig-d
17.ago ametista 11.35_230_cemig-d17.ago ametista 11.35_230_cemig-d
17.ago ametista 11.35_230_cemig-ditgfiles
 
18.ago ouro i 11.30_469_copel-d
18.ago ouro i 11.30_469_copel-d18.ago ouro i 11.30_469_copel-d
18.ago ouro i 11.30_469_copel-ditgfiles
 
Apostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacaoApostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacaoKeila Guedes
 
Nbr 5422 nb 182 projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletrica
Nbr 5422 nb 182   projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletricaNbr 5422 nb 182   projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletrica
Nbr 5422 nb 182 projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletricaFrederico_Koch
 
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara narajoiramara
 

Destaque (10)

Geração de Energia Elétrica - Introdução
Geração de Energia Elétrica - IntroduçãoGeração de Energia Elétrica - Introdução
Geração de Energia Elétrica - Introdução
 
Redes e Subestação de Energia Iª PARTE
Redes e Subestação de Energia Iª PARTERedes e Subestação de Energia Iª PARTE
Redes e Subestação de Energia Iª PARTE
 
17.ago safira 14.30_345_taesa
17.ago safira 14.30_345_taesa17.ago safira 14.30_345_taesa
17.ago safira 14.30_345_taesa
 
17.ago ametista 11.35_230_cemig-d
17.ago ametista 11.35_230_cemig-d17.ago ametista 11.35_230_cemig-d
17.ago ametista 11.35_230_cemig-d
 
Isolador em fiberglass de alta tensao
Isolador em fiberglass de alta tensaoIsolador em fiberglass de alta tensao
Isolador em fiberglass de alta tensao
 
Treinamento de força
Treinamento de força Treinamento de força
Treinamento de força
 
18.ago ouro i 11.30_469_copel-d
18.ago ouro i 11.30_469_copel-d18.ago ouro i 11.30_469_copel-d
18.ago ouro i 11.30_469_copel-d
 
Apostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacaoApostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacao
 
Nbr 5422 nb 182 projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletrica
Nbr 5422 nb 182   projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletricaNbr 5422 nb 182   projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletrica
Nbr 5422 nb 182 projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletrica
 
Meu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara naraMeu pré projeto joiara nara
Meu pré projeto joiara nara
 

Semelhante a Construção de redes de distribuição de energia elétrica

Manual de instalações elétricas Pirelli
Manual de instalações elétricas PirelliManual de instalações elétricas Pirelli
Manual de instalações elétricas PirelliEmerson Tranquilino
 
Instalações elétricas apostila pirelli - parte 1
Instalações elétricas   apostila pirelli - parte 1Instalações elétricas   apostila pirelli - parte 1
Instalações elétricas apostila pirelli - parte 1Debora Souza
 
Apostila instalações elétricas residenciais parte 1
Apostila instalações elétricas residenciais parte 1Apostila instalações elétricas residenciais parte 1
Apostila instalações elétricas residenciais parte 1Rodrigo Peralta
 
Instalações elétricas residenciais parte 1
Instalações elétricas residenciais parte 1Instalações elétricas residenciais parte 1
Instalações elétricas residenciais parte 1estevao
 
Elec 002 - eletricasa parte i
Elec 002 - eletricasa parte iElec 002 - eletricasa parte i
Elec 002 - eletricasa parte iReginaldo Carmo
 
INSTALA%C3%87%C3%95ES EL%C3%89TRICAS RESIDENCIAIS PARTE 1.pdf
INSTALA%C3%87%C3%95ES EL%C3%89TRICAS RESIDENCIAIS PARTE 1.pdfINSTALA%C3%87%C3%95ES EL%C3%89TRICAS RESIDENCIAIS PARTE 1.pdf
INSTALA%C3%87%C3%95ES EL%C3%89TRICAS RESIDENCIAIS PARTE 1.pdfCristianoNardesPause1
 
Manual de Instalações elétricas
Manual de Instalações elétricas Manual de Instalações elétricas
Manual de Instalações elétricas victorlss
 
Eletricidade aplicada notas_de_aula
Eletricidade aplicada notas_de_aulaEletricidade aplicada notas_de_aula
Eletricidade aplicada notas_de_aulajcjaneiro
 
Instalações elétricas residenciais parte 1 (ng)
Instalações elétricas residenciais parte 1 (ng)Instalações elétricas residenciais parte 1 (ng)
Instalações elétricas residenciais parte 1 (ng)Reginaldo Steinhardt
 

Semelhante a Construção de redes de distribuição de energia elétrica (20)

02_apostila-130129144100-phpapp01.pdf
02_apostila-130129144100-phpapp01.pdf02_apostila-130129144100-phpapp01.pdf
02_apostila-130129144100-phpapp01.pdf
 
Manual de instalações elétricas Pirelli
Manual de instalações elétricas PirelliManual de instalações elétricas Pirelli
Manual de instalações elétricas Pirelli
 
instalacao residencial
instalacao residencialinstalacao residencial
instalacao residencial
 
leis
leis leis
leis
 
Ie parte1
Ie parte1Ie parte1
Ie parte1
 
Apostila ie fat
Apostila ie fatApostila ie fat
Apostila ie fat
 
Manual de instalações eletricas
Manual de instalações eletricasManual de instalações eletricas
Manual de instalações eletricas
 
Ie parte1
Ie parte1Ie parte1
Ie parte1
 
Ie parte1
Ie parte1Ie parte1
Ie parte1
 
Instalações elétricas apostila pirelli - parte 1
Instalações elétricas   apostila pirelli - parte 1Instalações elétricas   apostila pirelli - parte 1
Instalações elétricas apostila pirelli - parte 1
 
Apostila instalações elétricas residenciais parte 1
Apostila instalações elétricas residenciais parte 1Apostila instalações elétricas residenciais parte 1
Apostila instalações elétricas residenciais parte 1
 
Ie parte1
Ie parte1Ie parte1
Ie parte1
 
Instalações elétricas residenciais parte 1
Instalações elétricas residenciais parte 1Instalações elétricas residenciais parte 1
Instalações elétricas residenciais parte 1
 
Elec 002 - eletricasa parte i
Elec 002 - eletricasa parte iElec 002 - eletricasa parte i
Elec 002 - eletricasa parte i
 
INSTALA%C3%87%C3%95ES EL%C3%89TRICAS RESIDENCIAIS PARTE 1.pdf
INSTALA%C3%87%C3%95ES EL%C3%89TRICAS RESIDENCIAIS PARTE 1.pdfINSTALA%C3%87%C3%95ES EL%C3%89TRICAS RESIDENCIAIS PARTE 1.pdf
INSTALA%C3%87%C3%95ES EL%C3%89TRICAS RESIDENCIAIS PARTE 1.pdf
 
Manual pirelli_Parte_1.pdf
Manual pirelli_Parte_1.pdfManual pirelli_Parte_1.pdf
Manual pirelli_Parte_1.pdf
 
Apostila predial 1
Apostila predial 1Apostila predial 1
Apostila predial 1
 
Manual de Instalações elétricas
Manual de Instalações elétricas Manual de Instalações elétricas
Manual de Instalações elétricas
 
Eletricidade aplicada notas_de_aula
Eletricidade aplicada notas_de_aulaEletricidade aplicada notas_de_aula
Eletricidade aplicada notas_de_aula
 
Instalações elétricas residenciais parte 1 (ng)
Instalações elétricas residenciais parte 1 (ng)Instalações elétricas residenciais parte 1 (ng)
Instalações elétricas residenciais parte 1 (ng)
 

Último

Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 

Último (20)

Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 

Construção de redes de distribuição de energia elétrica

  • 1. CAMPUS CEDRO PROFESSOR TECNÓLOGO MOISÉS GOMES DE LIMA APOSTILA DE CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO CEDRO
  • 2. 2011 2
  • 3. Índice 1. Introdução............................................................................................................ 3 1.1 Tipos de Redes de Energia Elétrica................................................................... 3 1.1.1 Linhas de Transmissão................................................................................. 3 1.1.2 Linhas de Distribuição................................................................................. 4 2. Terminologia........................................................................................................ 5 3. Estruturas de redes de distribuição....................................................................... 13 3.1 Postes................................................................................................................. 13 3.2 Isoladores........................................................................................................... 17 3.2.1 Isoladores de BT............................................................................................. 17 3.2.2 Isoladores de MT............................................................................................ 18 3.3 Condutores......................................................................................................... 19 3.4 Outras estruturas................................................................................................ 21 3.4.1 Estruturas Primárias (de MT) ......................................................................... 21 3.4.2 Estruturas Secundárias (de BT) ...................................................................... 25 4. Equipamentos de redes de distribuição................................................................ 28 4.1 Transformadores................................................................................................ 28 4.2 Chave Fusível..................................................................................................... 31 4.3 Chave Seccionadora........................................................................................... 32 4.4 Pára-raios........................................................................................................... 32 5. Construção de Redes de Distribuição.................................................................. 33 5.1 Materiais de Segurança...................................................................................... 33 5.2 Ferramentas e Equipamentos............................................................................. 40 5.3 Recomendações sobre cuidados dos equipamentos........................................... 45 5.4 Turmas e equipes de construção........................................................................ 45 5.4.1 Turma de duas pessoas.................................................................................... 45 5.4.2 Turma de quatro pessoas................................................................................. 46 5.4.3 Turma de sete pessoas..................................................................................... 46 5.5 Passos para execução de construção de redes.................................................... 47 5.6 As Cinco Regras de Ouro................................................................................... 47 5.7 Procedimentos de execução............................................................................... 48 6. Bibliografia.......................................................................................................... 51 3
  • 4. 1. Introdução Nos últimos anos os investimentos para construção de redes em todo o país têm crescido com o apoio do Poder Público e das concessionárias de energia elétrica fazendo com que quantidades significativas de famílias tenham sido beneficiadas. No entanto, ainda há muitos sem tal beneficio e, portanto, ainda há muito que se construir de redes elétricas. Já as redes construídas por sua vez necessitarão ser mantidas para garantir o uso de tal benefício, onde entra o papel da manutenção que tem por objetivo eliminar anomalias e defeitos das redes para garantir a continuidade do serviço. A energia elétrica que utilizamos em nossas casas chega até nós de uma fonte geradora geralmente distante e que para transmiti-la se faz necessária a construção de redes. Estas redes têm características diferentes umas das outras de acordo com a quantidade de energia que ela transporta e são divididas basicamente em dois tipos: • Redes de Transmissão • Redes de Distribuição Neste material procuraremos demonstrar aspectos da construção e manutenção de Redes de Distribuição. Adotaremos os padrões vigentes da concessionária de distribuição de energia elétrica do Ceará, nosso Estado. 1.1 Tipos de Redes de Energia Elétrica 1.1.1 Linhas de Transmissão As linhas de transmissão transportam grandes blocos de energia em uma elevada tensão para uma subestação onde estes níveis de energia serão rebaixados. Falando de um jeito bem simples e como o próprio nome diz, elas “transmitem” a energia das hidrelétricas para as subestações das concessionárias de energia. Imagem 1 – Linhas de Transmissão de 230kV e 500kV. 4
  • 5. Imagem 2 – Linha de subtransmissão em 69kV. 1.1.2 Linhas de Distribuição Estas são as linhas que geralmente vemos passar diante de nossas casas e que nos trazem energia elétrica. Elas recebem a energia transmitida pelas linhas de transmissão para as subestações e espalham para os consumidores. Também falando de um jeito simples elas “distribuem” a energia das subestações para nós consumidores. Como dito anteriormente, serão nestas redes que vamos focar nosso estudo. Imagem 3 – Rede de distribuição. 5
  • 6. 2. Terminologia A seguir apresentamos alguns termos utilizados nesta área e seus significados para melhor nos familiarizarmos com o que vamos estudar. ALIMENTADOR DE DISTRIBUIÇÃO Componente de uma rede de Média Tensão que alimenta, diretamente ou por intermédio de seus ramais, transformadores de distribuição e/ou consumidores. Imagem 4 – Alimentador SNP01N4 que parte da cidade de Senador Pompeu para Piquet Carneiro. Em destaque no canto superior direito o Distrito de Mulungu, Piquet Carneiro. Imagem 5 – Saída do alimentador ICH01I3 na cidade de Icó/CE. 6
  • 7. ATERRAMENTO Ligação à terra de todas as partes metálicas não energizadas de uma instalação, incluindo o NEUTRO da rede e da instalação. BAIXA TENSÃO - BT Tensão nominal até o limite de 1.000 volts. CABO COCÊNTRICO Cabo bipolar, formado por um condutor central isolado, rodeado concentricamente por um conjunto de fios de cobre nu, dispostos de forma helicoidal e com uma cobertura isolante, resistente a ação de intempéries. CABO MULTIPLEXADO OU PRÉ-REUNIDO Cabo formado por um, dois ou três condutores isolados, utilizados como condutores fase, dispostos helicoidalmente em torno de um condutor neutro de sustentação, constituído normalmente de material diferente (liga de alumínio ou cobre duro ou semi- duro) diferente do condutor fase, de maneira que possua mais resistência mecânica para sustentar os outros pré-reunidos em sua volta. Imagem 6 – Detalhe de cabo multiplexado. CAIXA DE DERIVAÇÃO Caixa em policarbonato liga de alumínio ou aço pintado, fixada no poste ou suspensa (somente em policarbonato) nos condutores de Baixa Tensão isolados (pré-reunido), equipada com barramento para derivação dos ramais de ligação das unidades consumidoras, com uso de cabos concêntricos 4mm² até 10mm², furo de 5mm² para saídas e 6mm² para entrada para uso de cabos pré-reunido de 16mm². 7
  • 8. Imagem 7 – Caixa de derivação CAIXA DE MEDIÇÃO Caixa lacrável, destinada a instalação do medidor e seus acessórios. Esta caixa deve abrigar somente os equipamentos de medição e a proteção geral. CAIXA DE PROTEÇÃO Caixa em policarbonato, liga de alumínio ou aço pintado, fixação em poste, destinada à instalação do disjuntor de BT para proteção da rede secundária, montada na estrutura do transformador. O material usado deve ser compatível com a área de utilização, ou seja, caixas de aço nas áreas de corrosão não agressiva e alumínio nas áreas de corrosão agressiva e policarbonato em ambas as áreas. CALÇADA OU PASSEIO Parte da via pública destinada à circulação de pedestres, quase sempre mais alta que a parte destinada aos veículos e geralmente limitada pelo meio fio. CARGA INSTALADA É a soma das potências nominais de todos os aparelhos, equipamentos e dispositivos instalados nas dependências das unidades consumidoras, os quais, em qualquer tempo, podem consumir energia elétrica. CERCA ELETRIFICADA São cercas energizadas por meio de um equipamento denominado eletrificador, que emite pulsos elétricos pré-determinados, com intensidade inofensiva ao homem e aos animais. CONECTOR PERFURANTE Conector destinado a fazer a conexão entre condutores isolados sem a necessidade de se remover a isolação dos cabos. A conexão elétrica é obtida através de dentes de cobre ou alumínio, que perfuram a isolação do condutor. CONSUMIDOR Pessoa física ou jurídica, ou comunhão de fato ou de direito, legalmente representada, que solicitar a Coelce o fornecimento de energia elétrica e assumir a responsabilidade pelo pagamento das faturas e pelas demais obrigações fixadas em normas e regulamentos da ANEEL. DISJUNTOR TERMOMAGNETICO 8
  • 9. Dispositivo de proteção e manobra destinado a proteger os condutores e demais equipamentos da unidade consumidora contra sobrecarga e curto-circuito. DISJUNTOR TERMOMAGNÉTICO DIFERENCIAL RESIDUAL É o equipamento destinado a proteção de pessoas contra choques elétricos e as instalações elétricas contra incêndio, corrente de fuga e curto-circuito nas condições descritas pela NBR 5410. Deve ter os seguintes disparadores: a) disparador magnético (instantâneo) que atua a partir de sobre-correntes e garante a proteção dos condutores contra correntes de curto-circuito; b) disparador diferencial (instantâneo) com sensibilidade que garanta a preservação da vida de uma pessoa que toque acidentalmente uma parte sob tensão. DESMATAMENTO Compreende o corte e retirada da vegetação que se encontra na faixa de passagem da rede aérea a ser construída, com largura total de 6,0 metros para rede de Média Tensão e de 3,0 metros para rede de Baixa Tensão, observando o disposto no Desenho 01.04. FAIXA DE SERVIDÃO Corresponde a faixa do terreno onde passa a rede aérea, em toda a sua extensão e cuja largura é determinada pela classe de tensão e estruturas utilizadas. A faixa de servidão das redes rurais da COELCE corresponde a 3,0 metros para redes de BT e 6,0 metros para redes de MT, sendo 1,5 metros e 3,0 metros para cada lado do eixo das redes de BT e de MT respectivamente. Em casos excepcionais esta faixa poderá ser alterada. Na área urbana, na maioria das situações, a faixa se confunde com o arruamento já definido, devendo, no entanto, serem atendidas as prescrições mínimas de distância dos condutores aos obstáculos. Ilustração 1 – Limites da faixa de servidão. MAPA CHAVE É a planta plani-altimétrica da área a ser atendida, reduzida para a escala 1:5000. 9
  • 10. Ilustração 2 – Mapa Chave de uma extensão de MT. MÉDIA TENSÃO - MT Limite de tensão nominal acima de 1.000 V e abaixo de 69 kV. No sistema COELCE a Média Tensão é de 13,8 kV. NÚCLEO POPULACIONAL RURAL São aglomerados populacionais com número inferior a 20 unidades de construção, ocupando uma área contínua, formando ou não arruamentos regulares. PERFIL PLANI-ALTIMÉTRICO Representação plani-altimétrica do terreno da área específica do projeto de uma Rede de Distribuição Aérea Rural. Ilustração 3 – Perfil plani-altimétrico de uma extensão de MT. PLANTA CADASTRAL É uma planta na escala 1:1000 contendo todas os detalhes físicos e elétricos necessários ao cálculo do projeto da Rede de Distribuição. PLANTA DE SITUAÇÃO É um desenho em escala adequada, com indicação do norte magnético e de pontos de referência que permitam identificar o local onde será construída, ampliada ou reformada a Rede de Distribuição. Esta planta deve apresentar pelo menos um ponto da rede da COELCE. 10
  • 11. PONTO DE LIGAÇÃO Ponto da Rede de Distribuição do qual deriva um ramal de ligação. Ilustração 4 – Ponto de ligação em BT com pontalete e caixa de medição Imagem 8 – Ponto de ligação em MT PONTALETE Suporte instalado em estrutura situada no terreno do consumidor, no limite da via pública, às suas expensas. A finalidade do pontalete é fixar, elevar ou desviar o ramal de ligação aéreo e o ponto de entrega. POSTE AUXILIAR Poste instalado nos limites da propriedade do consumidor com a via pública às suas expensas, com a finalidade de fixar, elevar, desviar o ramal de ligação, ou fixar o ponto de entrega. 11
  • 12. RAMAL DE ALIMENTADOR Componente de um Alimentador de Distribuição que deriva diretamente de um tronco de alimentador. RAMAL DE LIGAÇÃO É o trecho do circuito aéreo compreendido entre a Rede de Distribuição de MT ou de BT da COELCE e o ponto de entrega. REDE DE BAIXA TENSÃO Parte da Rede de Distribuição derivada do secundário dos transformadores de distribuição indo até os pontos de ligação dos diversos consumidores. Também denominada rede secundária. Imagem 9 – Redes de MT (na parte superior em três condutores) e BT (na parte inferior em cinco condutores). REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA RURAL – RDR É um conjunto de linhas elétricas, com os equipamentos e materiais diretamente associados, destinado à distribuição rural de energia elétrica. REDE DE DISTRIBUIÇÃO AÉREA URBANA - RDU É a parte integrante do Sistema de Distribuição implantado dentro do perímetro urbano das cidades, distritos, vilas e povoados. REDE DE MÉDIA TENSÃO Parte de uma Rede de Distribuição que alimenta transformadores de distribuição e/ou pontos de entrega sob a mesma tensão primária nominal. Também denominada rede primária. SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO É a parte do sistema de potência destinado ao transporte de energia elétrica, em média ou baixa tensão a partir do barramento secundário de uma subestação (onde termina a transmissão ou sub-transmissão), até os pontos de consumo. SOBRECARGA 12
  • 13. Incremento de carga adicional sobre o valor nominal, que pode ser imposto a um determinado equipamento ou circuito. TRONCO ALIMENTADOR Componente de um Alimentador de Distribuição que transporta a parcela principal da carga total. UNIDADE CONSUMIDORA Conjunto de instalações e equipamentos elétricos caracterizado pelo recebimento de energia elétrica em um só ponto de entrega, com medição individualizada e correspondente a um único consumidor. VIA PÚBLICA Via de livre acesso para circulação. Nas áreas urbanas compreende a calçada ou passeio e a parte destinada a circulação de veículos. Nas áreas rurais compreende as rodovias, estradas e caminhos. 13
  • 14. 3. Estruturas de redes de distribuição As três principais e mais conhecidas estruturas de qualquer rede de energia elétrica são os postes, isoladores e os condutores. Os postes servem para dar sustentação à rede e logicamente mantê-la distante da terra. Já os isoladores impedem que os condutores que os postes sustentam entrem em contato com eles impedindo que a energia elétrica transmitida “vaze” para a terra. Existem vários tipos de postes e também de isoladores e condutores de acordo com o uso que eles terão. Por exemplo, um poste mais alto e mais grosso serve para elevar uma rede a uma altura maior que de um poste menos alto e fino, como na travessia de uma estrada. 3.1 Postes Os postes são classificados ou nomeados de acordo com sua capacidade e altura, também podem ser fabricados de diversos materiais, os mais comuns são madeira e concreto. Na Coelce os postes a serem utilizados em redes de distribuição são de concreto armado do tipo duplo “T”. Na tabela abaixo nós temos os principais utilizados pela concessionária aqui do Ceará: 14
  • 15. Tabela 1 – Postes duplo “T” padronizados e sua utilização O esforço de cada poste é indicado em daN, que é uma unidade de força, mas pode muito facilmente ser entendido como kg. Por exemplo: 15
  • 16. 1) O projetista de uma rede elétrica calculou que a implantação de um poste em determinado ponto deveria ser do tipo 600/12. O que isso significa? Significa que o projetista solicitou um poste com 12m de altura e que suporta um esforço de 600 kg (ou 600daN) para aquele local. De acordo com a tabela acima podemos então fazer uma lista de postes disponíveis para serem utilizados pelos projetistas: 150/9, 300/9, 600/9, 150/10,5, 300/10,5, 600/10,5, 1000/10,5, 2000/10,5, 300/12, 600/12, 1000/12, 2000/12, 3000/12. Na tabela 7 mais adiante podemos identificar melhor como são dimensionados os esforços dos postes. Existem também nas redes mais antigas postes que não estão listados acima por já não serem utilizados pela empresa, como por exemplo, o 150/10 e 300/11, ou seja, postes de 10m e 11m, que são postes fora de padrão. As duas faces lisas do poste são os lados de maior esforço e as duas faces vazadas são os lados de menor esforço. Os vasos recebem o nome de gavetas. Engastamento O engastamento é a profundidade de instalação do poste, ou seja, a profundidade do buraco onde o poste será instalado. O comprimento do buraco dependerá do tamanho do poste, quanto maior o poste mais profundo será o buraco, e quanto maior o esforço do poste, mais largo será o buraco, pois logicamente será um poste mais grosso. Para se calcular esta profundidade deve-se multiplicar a altura do poste por 0,1 e depois somar 0,6m (ou 60cm), ou seja: E=0,1xL + 0,6m Onde: E profundidade do buraco; L altura do poste. Há ainda uma regra que diz que o engastamento (profundidade) de um poste deve ser de no mínimo um metro e meio (1,5m). 16
  • 17. Ilustração 5 - Exemplo de engastamento (a) e modelo de identificação de poste duplo “T” Exemplo: 1) Com qual profundidade deve ser escavado o buraco para implantação de um poste 300/10,5? Neste caso L=10,5m, portanto: E=0,1x10,5 + 0,6 E=1,05 + 0,6 E=1,65m Ou seja, deverá se escavar um buraco com um metro e sessenta e cinco centímetros de profundidade. Respeitada a profundidade do buraco, este também deverá ter dimensões corretas de largura e comprimento, que são indicadas na tabela abaixo: 17
  • 18. Tabela 2 – Dimensões de escavações de postes. 3.2 Isoladores Todo material apresenta uma capacidade de conduzir corrente elétrica. Dependendo do material, esta capacidade pode ser muito grande ou muito pequena. Os materiais que têm pouca capacidade de conduzir corrente elétrica são os isolantes, e os que têm alta capacidade são os condutores. Os isoladores são fabricados com materiais isolantes e podem ser divididos de acordo com: • A capacidade de isolamento; • O tipo de material isolante; • O formato do isolador. Nas redes de distribuição da Coelce os condutores trabalham em tensões entre 220V/380V (para redes de BT) e 15000V (ou 15kV – para redes de MT) e os isoladores devem ter, para MT, um nível de isolamento de 95kV. 3.2.1 Isoladores de BT Isolador Castanha Isolador mais utilizado em ramais de ligação ou em estais onde os condutores são ligados na extremidade dos mesmos. 18
  • 19. Imagem 10 – Isolador castanha Isolador Roldana ou Estribo Como o próprio nome diz, tem forma de roldana com um furo axial onde é fixado em uma armação. Comumente também chamado de estribo. Imagem 11 – Isolador Roldana e isolador roldana em armação. 3.2.2 Isoladores de MT Isolador de Pino Isolador projetado para ser instalado rigidamente em um pino que penetra o seu corpo isolante. 19
  • 20. Imagem 12 – Isolador de Pino e Isolador de Pino com o pino. Isolador de Disco Isolador de cadeia em forma de disco com ferragens em suas extremidades. Imagem 13 – Isolador de Disco e Isoladores de Disco em cadeia. Isolador polimérico São isoladores fabricados com compostos poliméricos e podem ser utilizados tanto como isoladores de pino quanto como de discos, de acordo com o seu formato. Imagem 14 – Isolador de Pino Polimérico e Isolador de “disco” Polimérico. 3.3 Condutores É o principal e mais importante componente em uma rede de distribuição, pois são responsáveis por “conduzir” a energia elétrica. São utilizados condutores de alumínio onde não há corrosão salina (interior do estado) e condutores de cobre onde a corrosão é mais severa (região litorânea do estado). No interior do estado os cabos a serem utilizados em MT são os de alumínio com alma de aço (CAA) e podem ter as seguintes características: 20
  • 21. Tabela 3 – Características dos Cabos de Alumínio com Alma de Aço – CAA. Onde a corrosão salina é maior os condutores e serem utilizados na MT são: Tabela 4 – Características dos Cabos de Cobre Nu – CCN. Já para a BT onda não há influência do mar, no interior, os condutores a serem utilizados são cabos pré-reunidos de alumínio com as seguintes características: Tabela 5 – características dos cabos pré-reunidos de alumínio para BT. Onde há corrosão os cabos a serem utilizados são de cobre de acordo com a tabela abaixo: Tabela 6 – características dos cabos pré-reunidos de cobre para BT. 21
  • 22. O uso e aplicação de cada um dos condutores acima dependem de cálculos e projetos efetuados por eletrotécnicos e engenheiros que são devidamente expostos nos projetos de construção de rede e seu uso deve ser fielmente seguido. 3.4 Outras estruturas Alem das estruturas vistas acima citadas existem mais outras que são utilizadas na sustentação dos condutores entre os postes e isoladores. Há tanto estruturas para a Média Tensão quanto para a Baixa Tensão. As estruturas utilizadas em MT são chamadas de estruturas primárias e as utilizadas em BT são as estruturas secundárias. Suas características variam de acordo com a aplicação de cada uma. 3.4.1 Estruturas Primárias (de MT) Podem ser estruturas trifásicas, monofásicas ou ainda monofilares (ou MRT – monofásica com retorno por terra). As estruturas trifásicas e monofásicas ainda podem ser subdivididas pelos tipos de cruzetas: cruzeta normal (N); cruzeta meio-beco (M); cruzeta beco (B). Já as monofilares não apresentam necessidade de cruzetas e são designadas pela letra “U”. Devido a diversidade de estruturas foram formados códigos para melhorar sua identificação de acordo com o explicado abaixo: a) primeira letra N – estrutura com cruzeta normal M – estrutura com cruzeta meio-beco B – estrutura com cruzeta beco b) segunda letra M – indica estruturas monofásicas c) últimas letras da estrutura CF – estruturas com chaves fusíveis CS – estruturas com chaves seccionadoras PR – estruturas com para-raio TM – transformadores monofásicos TMB – transformadores monobuchas (MRT) TT – transformadores trifásicos d) estruturas especiais RE1 – rural especial em um poste RE2 – rural especial em dois postes Exemplo de nomenclatura: A seguir a simbologia básica das estruturas com cruzetas: 22
  • 23. Ilustração 6 – Estruturas Monofásicas (onde a segunda letra “M” indica que a rede é monofásica). 23
  • 24. Ilustração 7 – Estruturas Trifásicas. Note que a diferença entre as cruzetas está exatamente no local onde as mesmas são afixadas no poste, e estas características são aproveitas para diferentes situações. Cada estrutura (N1, N2, N3, N4, etc.) suporta um ângulo e um vão de cabo de acordo com sua construção que são identificadas na tabela abaixo. 24
  • 25. Tabela 7 – Dimensionamento de postes e estruturas para rede de distribuição rural. Da tabela acima podemos concluir, por exemplo, que construindo uma rede de MT trifásica onde seja necessário fazer um ângulo de 20º devemos utilizar uma estrutura do tipo N2, que suporta um vão máximo de 200m desde que seja utilizado um poste com esforço de 300daN e mais um estai. As estruturas monofilares, ou MRT, são um caso a parte e têm um padrão de estruturas único. Sua principal característica é que é composto de apenas um fio, e por isso não necessita de cruzetas. As principais são expostas a seguir: 25
  • 26. Tangente U1 Pequena deflexão U2 Ancoragem U3 Grande deflexão U3.3 Encabeçamento U4 Ilustração 8 – Principais estruturas MRT. 3.4.2 Estruturas Secundárias (de BT) Estas estruturas sustentam os condutores que saem dos transformadores e são levados até nossas casas e são constituídas por isoladores e armações que os sustentam, além de caixas de proteção e distribuição, alças e laços, etc. 26
  • 27. As estruturas compostas de isoladores são nomeadas iniciando com a letra “S” indicando secundário, depois um número que indica a quantidade de isoladores roldana que existe na armação, e por ultimo uma letra que indica o tipo de parafuso que sustentará esta armação no poste. Por exemplo, na imagem 09 podemos ver em um poste além de uma estrutura de MT do tipo N1 também uma estrutura de BT do tipo S5N, ou seja, uma estrutura secundária com cinco estribos (isoladores roldana) e com um parafuso do tipo N. Para os parafusos temos as seguintes letras que os identificam: N – parafuso de 200mm (ou 20cm); A – parafuso de 250mm (ou 25cm); B – parafuso de 300mm (ou 30cm); C – estrutura complementar sem parafuso. Imagem 15 – Parafusos de 200, 250 e 300mm. Há também as caixas de derivação que servem para ligação de ramais de ligação e também são identificadas por CXDM para caixas de derivação monofásicas e CXDT para caixas trifásicas. Imagem 16 – Aplicação de uma CXDM – Caixa de derivação monofásica. Estruturas como estas levam outros pequenos materiais, como alças, laços e conectores, que podem ser consultados no final deste trabalho onde são listados detalhadamente. 27
  • 28. Imagem 17 – Alça e laço em detalhe. Conector tipo cunha utilizado em cabos não isolados. 1) Por exemplo, vamos identificar as estruturas existentes na ilustração abaixo. Imagem 18 – Estrutura de BT e MT. De cima pra baixo podemos identificar uma estrutura de MT do tipo N4 com pára-raios, portanto uma N4PR, já na BT temos quatro estribos armados de um lado do poste e aproveitando os parafusos desta armação mais dois estribos do outro lado do poste, logo teremos uma S4, provavelmente com parafusos de 250mm, portanto S4A, e uma S2 sem parafusos, ou seja uma S2C, além de uma CXDT logo abaixo. Poderíamos também identificar as duas luminárias no poste com as letras IP (de iluminação pública). O poste, apesar de não poder se identificar na imagem é provavelmente um 300/10,5. Teríamos então a seguinte estrutura: 300/10,5 N4PR S4A S2C CXDT IP 28
  • 29. 4. Equipamentos de redes de distribuição Além das estruturas vistas nos tópicos anteriores outros dispositivos também têm sua importância nas redes de distribuição e não poderiam passar em branco neste estudo. Dentre muitos dos equipamentos utilizados abordaremos os mais utilizados nas extensões de redes que são os transformadores, as chaves fusíveis e seccionadoras e os pára-raios. Há ainda os equipamentos especiais, como banco de reguladores e capacitores, mas não será objeto do nosso estudo. Será apenas uma abordagem superficial. 4.1 Transformadores Transformam MT em BT, reduzindo o nível de tensão de 13800V para 380/220V e são um dos principais equipamentos na transmissão e distribuição de energia elétrica. Existem muitos tipos de transformadores, mas os utilizados na distribuição de energia são denominados de transformadores de potência e podem ser trifásicos ou monofásicos, e há também os MRT’s ou monobuchas. A seguir exemplos de cada um. Transformadores Trifásicos 29
  • 30. Imagem 19 – Transformadores trifásicos. Transformadores Monofásicos 30
  • 31. Imagem 20 – Transformadores monofásicos. Transformadores MRT 31
  • 32. Imagem 21 – Transformadores MRT. 4.2 Chave Fusível São dispositivos que permitem proteger a rede e seus equipamentos de altas correntes, rompendo um fusível quando esta corrente a percorre e fazendo com que a chave abra interrompendo a circulação da corrente. Imagem 22 – Chave Fusível. 32
  • 33. 4.3 Chave Seccionadora Este equipamento é utilizado para desligar e manobrar a rede permitindo que determinados trechos sejam desligados. Imagem 23 – Chave Seccionadora. 4.4 Pára-raios Protegem as redes de surtos de tensões causados por descargas atmosféricas (raios), ou mesmo de manobras realizadas na rede, limitando os níveis de tensão aos suportáveis pela rede. São instalados geralmente em transformadores e outros equipamentos. Imagem 24 – Para-raio do tipo polimérico. 33
  • 34. 5. Construção de Redes de Distribuição Tomando conhecimento dos principais equipamentos, estruturas, terminologias e tipos de redes de distribuição passaremos agora a conhecer os procedimentos para execução da construção de redes de distribuição. Esta é uma atividade que envolve muitos riscos, pois lida com um componente “invisível” que é a eletricidade, bem como com alturas elevadas e materiais pesados, tornando indispensáveis materiais de segurança bem como ferramentas adequadas, pessoal treinado e capacitado para seguir todos os procedimentos. 5.1 Materiais de Segurança Os materiais de segurança protegem o pessoal envolvido na construção de redes dos riscos aos quais estão submetidos. Os principais são listados abaixo: Botas de segurança Imagem 25 – Botas de segurança. A primeira sem condições de uso por estar rasgada. As botas protegem os pés de objetos e também de tensões de até 1000V. Botas de borracha Imagem 26 – Bota de borracha. As botas de borracha devem proteger os pés em ambientes alagadiços. Capa de chuva Protegem o trabalhador nos dias chuvosos. Capacete aba total 34
  • 35. Imagem 27 – Capacete aba total com suspensão e jugular. Protege a cabeça contra impactos acidentais e contatos acidentais de até 1000V. Kit “EPI” (cinturão/talabarte/trava-quedas) Consiste no kit individual para eletricistas que escalem o topo do poste protegendo-o de quedas, deslizes, etc. O cinturão é tipo pára-quedista, o talabarte envolve a cintura do escalador e a trava- quedas é ligada a uma linha de vida que impede a queda. Imagem 28 – Exemplo de aplicação do Kit “EPI”. Imagem 29 – Trava-quedas que é ligada á linha de vida. 35
  • 36. Imagem 30 – Talabarte. Imagem 31 – Cinturão pára-quedista. Kit “EPC” (Linha de vida/fita-poste/agulhão/ICC) São dispositivos utilizados para escalação do poste. Imagem 32 – Linha de vida e fita-poste. 36
  • 37. Imagem 33 – Agulhão e ICC. Espora para poste de concreto duplo “T” Auxiliam o eletricista na escalada do poste quando não é obrigatório o uso de escadas. Imagem 34 – Esporas. Fardamento retarda-chama Protege o eletricista contra os efeitos do arco-elétrico. Imagem 35 – Fardamento retarda-chama. Luvas isolantes de borracha Deve constar de um par de luvas isolantes Classe 0 que isola a tensões de até 1.000V e outro par Classe “2” que isola tensões de até 17.000V. São utilizadas quando do contato com a rede elétrica energizada ou não. 37
  • 38. Imagem 36 – Luva isolante de BT (tarja vermelha). Imagem 37 – Luva isolante de MT (tarja amarela). Estas luvas só podem ser utilizadas com luvas de cobertura que as protegem de desgastes, mantendo assim a sua segurança e qualidade. Luvas de vaqueta Protegem a mão contra farpas, terra, esforços e etc. para uso geral. Imagem 38 – Luvas de vaqueta. Mangas de borracha Protegem os ombros e braços do eletricista contra contatos em redes energizadas em até 1.000V. 38
  • 39. Imagem 39 – Mangas de borracha. Protetor facial e óculos de proteção Protegem os olhos e face do eletricista contra fragmentos e outros que possam ocasionar acidente a esta região do corpo. Imagem 40 – Protetor facial e óculos de proteção. Cones para sinalização Delimitam e sinalizam a área de trabalho impedindo que terceiros transitem por ela. Imagem 41 – Exemplo de aplicação dos cones. Conjuntos de aterramento São utilizados para aterrarem redes desenergizadas para que em uma energização acidental a corrente elétrica não circule pelas pessoas que estejam em contato com a rede e escoe para a terra. Há o específico de BT e o de MT. 39
  • 40. Imagem 42 – Conjunto de aterramento e BT e conjunto de aterramento de MT. Detectores de tensão Quando da desenergização da rede são utilizados para detectar a ausência de tensão. Caso ainda exista energia na rede este detector alarma indicando. Imagem 43 – Detector de tensão de MT Imagem 44 – Detector de tensão de BT 40
  • 41. Imagem 45 – Detector de tensão para residências Estojo de primeiro socorros Deve conter todo o material necessário para prestação de primeiros socorros em caso de acidentes. Imagem 46 – Kit primeiros socorros 5.2 Ferramentas e Equipamentos Conheceremos agora os principais equipamentos e ferramentas utilizadas na construção de redes assim como a aplicabilidade e correta utilização dos mesmos. Alicate universal isolado para 1000 Volts: amarrações e cortar condutores; Imagem 47 – Alicate universal com cabo isolado. Capacete aba total: proteger a cabeça contra impactos e agentes agressivos; Canivete: retirar isolamento dos condutores ou cortes eventuais; Chave de fenda: apertar e desapertar parafusos dotados de fenda; 41
  • 42. Imagem 48 – Jogo chave de fenda com cabo isolado. Caixa de ferramentas: acondicionar para transporte as ferramentas de turma; Chave inglesa 300 mm, ajustável: apertar e desapertar parafusos e porcas de várias bitolas; Imagem 49 – Chave inglesa com cabo isolado. Óculos de segurança: proteger os olhos; Garra para escalar poste duplo – T: escalar poste duplo T; Gancho para içar ferramentas: içar ferramentas com cordas; Maleta de couro p/ ferramentas: acondicionar e transportar ferramentas; Marreta: cravar peças, quebrar calçadas; Luva protetora: proteger a luva isolante, contra possíveis perfurações ou cortes; Alavanca de aço sextavada: deslocar peças e escavação do solo; Alicate de compressão mecânica: efetuar compressão mecânica de luva de emenda e conectores; Arco de serra ajustável: serrar peças metálicas; Bolsa para luva de borracha: acondicionar e proteger luvas isolantes; Bastão universal com acessórios (vara de manobra): executar manobras, desligamentos, e troca de fusíveis em redes aéreas de distribuição; Conjunto de Aterramento temporário: proteger contra choques elétricos acidentais nos trabalhos em redes desenergizadas; Chave de boca combinada: apertar e desapertar porcas e parafusos de cabeça quadrada ou sextavada; Imagem 50 - Jogo de chaves de boca e de roda com cabos isolados. Chave de grifo: apertar e desapertar canos, eletrodutos e outras peças cilíndricas; Cavadeira: abrir cavas em terrenos normais; 42
  • 43. Imagem 51 – Cavadeira. Caixa de primeiros socorros: acondicionar medicamentos; Cone de sinalização: orientar e dirigir o tráfego; Detector de tensão: testar a linha quanto a sua energização; Dinamômetro: medir tração de cabos em montagens de rede; Enxada: capinar, mexer argamassa, remover terras, etc; Esticador: prender condutor/cabo para tracionamento; Imagem 52 – Esticador mordente ligado a moitão. Escada extensível: executar serviços até o topo do poste; Imagem 53 – Escada dupla extensível. Facão: abrir picadas e limpar faixas; Foice: cortar vegetação rasteira; Fita para levantar poste: levantar poste; Gancho para virar poste: girar poste para posição adequada; Luva de borracha classe 2: proteger as mãos e parte do antebraço contra choques elétricos até tensões de 20 KV; Machado: cortar tora de madeira, desmatamento; Moitão com corda: tracionar condutores e estais; Medidor de resistência de terra: medir a resistência de terra; 43
  • 44. Martelo unha: bater, quebrar e, especialmente cravar pregos; Pá manual: cavar terrenos macios e remover terra; Picareta: escavar terra, arrancar pedras, etc; Prumo: colocar peças e postes na posição vertical; Placa de sinalização: “NÃO OPERE ESTE EQUIPAMENTO”: sinalizar equipamento com operação temporariamente interditada; Roldana para lançamento de condutor: auxiliar, suportar e proteger condutores facilitando o deslocamento dos mesmos, durante o lançamento; Malho: compactar terreno (socador); Sacola para acondicionamento de bastão universal: acondicionar e proteger o bastão universal (vara de manobra); Talhadeira: cortar pequenas peças de aço; Tesourão: cortar cabos; Imagem 54 – Tesourão. Trena fibra de vidro: medir vãos de rede; Talha tipo tifór: levantar e deslocar cargas e nivelamento de condutores; Talha de catraca/corrente: para tencionamento de cabos de aço; Bainha para alicate: acondicionar, proteger e transportar alicate; Calça conforme especificação Coelce em vigor: peça do uniforme; Camisa conforme especificação Coelce em vigor: peça do uniforme; Calçado de segurança: proteger os pés e as pernas; Cinto de segurança com talabarte: fixar o eletricista no poste, com segurança, evitando quedas; Luva de proteção de raspa: possibilitar o trabalho de operação de redes desenergizadas; Sacola para içamento: içar, arriar ferramentas e peças de pequeno porte; Corda de sisal ou nylon: puxar condutores, içar/arriar ferramentas e materiais; Bandeirola de sinalização: sinalizar locais de trabalho; Garrafa térmica para 5 litros: acondicionamento de água para beber; Lâmina de arco de serra: componente do arco de serra e serve para serrar peças metálicas; Prancha de madeira: proteger a parede da cava no levantamento manual de poste; Encerado lonado: proteger materiais e equipamentos do sol, vento e chuva; Cepo de madeira: apoiar o pé do guindauto; Alicate bomba d’água: Aplicação do conector tipo cunha; 44
  • 45. Imagem 55 - Alicate bomba d’água. Extrator de conector tipo cunha: Utilizado para retirar conector; Alicate Volt-amperímetro: Utilizado para efetuar leituras de corrente e tensão nos equipamentos; Imagem 56 – Alicate volt-amperímetro. Tripé: Auxiliar no fincamento de postes em terreno de difícil acesso; Loadbuster: Equipamento de extinção de arco elétrico durante a operação de aberturas de chaves com carga; Imagem 57 – Load-Buster. 45
  • 46. Ferramenta ampact (pistola): Utilizada para instalação e retirada de conector tipo cunha. Imagem 58 – Ferramenta ampact Manga de borracha: Proteção do braço e antebraço contra choque Elétrico; Termômetro: Para medir temperatura ambiente no ato do tencionamento do condutor; GPS: Levantamento de coordenadas Geo-referenciadas; 5.3 Recomendações sobre cuidados dos equipamentos As ferramentas utilizadas para Construção de Redes de distribuição devem ser mantidas em perfeitas condições de uso, ou seja, limpas, lubrificadas e afiadas; As luvas de borracha deverão ser lavadas após execução dos serviços diários, com água e sabão neutro, secar a sombra e receber aplicação de talco industrial; Os medidores de resistência de terra e dinamômetro devem estar sempre aferidos; Os conjuntos de aterramento temporário devem ser freqüentemente inspecionados; Os detectores de tensão deverão ser testados obrigatoriamente antes de sua utilização; Load-buster deverá ser acondicionado em maleta apropriada, e inspecionado periodicamente, de conformidade com o estabelecido pelo fabricante. (Deverá ser sempre acompanhado de um registro do número de operações); 5.4 Turmas e equipes de construção As turmas de construção devem ser formadas de no mínimo dois componentes não tendo um limite máximo de componentes, no entanto para as construções de redes da Coelce geralmente se usam turmas de sete pessoas. O serviço que estas turmas podem executar dependem da quantidade e diversidade de componentes das mesmas. 5.4.1 Turma de duas pessoas Composição: 01 motorista / eletricista 01 eletricista Viatura: Pick-up de cabine simples equipada com porta-escada ou escada extensível ou cesta aérea Serviços que poderão ser executados: 46
  • 47. Instalação de luminárias com braço curto (Equipe com treinamento também em PEX- 06) Instalação de cobertura em cabos de BT (Rede Desenergizada) Fechamento de jumps de BT e MT Instalações de medidores e ramais de ligação (Obras Luz Para Todos) Instalações internas nas residências (Obras Luz Para Todos) Troca de medição de monofásica para trifásica (Rede Desenergizada) Instalação de caixa de derivação 5.4.2 Turma de quatro pessoas Composição 01 motorista / eletricista; 01 eletricista; 01 auxiliar de serviço; 01 chefe de turma. Viatura Pick-up ou F- 4000 de cabine dupla equipada com porta escada Serviços que poderão ser executados: Troca de cruzetas de MT; Instalação de cobertura em cabos de MT; Interligação de obras de MT ou BT; Ampliação ou substituição de fases de MT ou BT de até três vãos; Instalação ou substituição de transformador (*) – Equipe com treinamento também em PEX-10; Instalação de luminárias com braço longo (*) – Equipe com treinamento também em PEX-06; Interligação de obras com implantação ou substituição de poste (*); Construção de obra de MT ou BT de até três postes (*); Instalação de equipamentos tipo: banco de capacitores, seccionador ou religador (*); Instalação de chaves fusíveis e seccionadoras. 5.4.3 Turma de sete pessoas Composição 01 motorista / operador de guindauto 02 eletricistas 02 montadores 01 auxiliar de serviço 01 chefe de turma Viatura Caminhão de cabine dupla, equipado com guindauto de capacidade de no mínimo seis toneladas, ou caminhão de cabine simples equipado com guindauto de no mínimo seis toneladas e de um veículo de apoio (carro ou pick-up de cabine dupla), para o transporte do pessoal. Serviços que poderão ser executados Os demais serviços Fardamento retardante a chama * Os serviços indicados em (*) somente poderão ser realizados com o auxílio de uma equipe de apoio composta de um motorista / operador de guindauto e dois auxiliares de serviço, tendo como viatura um caminhão de cabine simples equipado com guindauto de no mínimo seis toneladas de capacidade. 47
  • 48. Os montadores e auxiliares não podem executar serviços de construção ou reforma da rede elétrica dentro da zona controlada ou em partes do sistema elétrico com possibilidade de energização acidental, portanto, estão dispensados do uso do fardamento retardante a chama. 5.5 Passos para execução de construção de redes Os principais passos a serem seguidos na construção de redes são os seguintes:  Interpretação do Projeto;  Planejamento de Execução de Obras;  Transporte de Equipamentos e Materiais;  Transporte de Pessoal;  Posicionamento do Veículo na Área de Trabalho;  Sinalização da Área de Trabalho;  Locação de RDU;  Locação de RDR;  Abertura de cavas;  Distribuição de postes;  Fincamento de postes e montagem de estruturas;  Estaiamento;  Lançamento, Nivelamento, Tencionamento e Conexão de condutores;  Instalação de equipamentos;  Aterramentos;  Revisão de rede;  Desligamento e Religamento;  Interligação da rede;  Devolução de materiais. 5.6 As cinco Regras de Ouro Para que sejam executados trabalhos em redes elétricas desenergizadas deve-se sempre se adotar as denominadas “Cinco Regras de Ouro”, as quais devem ser seguidas na seguinte ordem: Primeira Regra de Ouro: Identificar a instalação na qual se vai trabalhar e abrir com corte visível todas as possíveis fontes de tensão através de dispositivos de corte efetivo. Segunda Regra de Ouro: Realizar sempre que possível o bloqueio dos equipamentos de abertura dos circuitos e instalar obrigatoriamente a sinalização de “ATENÇÃO – Não Opere este Equipamento” em local bem visível e junto a estes dispositivos. Terceira Regra de Ouro: Comprovar a ausência de tensão nos locais de abertura dos circuitos elétricos bem como no local de trabalho, empregando para isto, o detector de tensão adequado para o nível de tensão nominal de cada circuito. Nota: Antes do uso, testar o funcionamento do detector de tensão através de seu auto-teste. Quarta Regra de Ouro: Instalar os conjuntos de aterramento temporários quantos forem necessários. Em toda instalação elétrica desenergizada para que sejam realizados quaisquer trabalhos devem ser bem definidas as Zonas de Desligamento, Zonas de Proteção e Zonas de Trabalho. Quinta Regra de Ouro: 48
  • 49. Sinalizar e Delimitar a área de trabalho através de equipamentos apropriados. Sinalizar os dispositivos de corte visível e efetivo que foram abertos através da instalação de Placas de Advertência “ATENÇÃO – Não Opere este Equipamento” em local bem visível e junto a estes dispositivos. 5.7 Procedimentos de execução Quanto à segurança:  Durante o lançamento dos condutores ou tencionamento (com utilização de talha tifor ou corrente, moitão), não é permitido que nenhum membro da turma esteja sobre os postes e/ou cruzetas;  No caso de utilização da talha de corrente deverá ser utilizado cesta aérea;  É terminantemente proibida a utilização de equipamento mecânico de lançamento de cabos sobre os postes, salvo se este equipamento for devidamente aprovado pela engenharia e segurança da Coelce;  O chefe de turma responsável pelo serviço deve orientar o pessoal de suas responsabilidades para o cumprimento das práticas de segurança tanto de natureza técnica como comportamental;  Não é permitida a realização de tarefas com a utilização de ferramentas ou equipamentos defeituosos ou fora sua finalidade;  Antes de iniciar qualquer serviço o chefe de turma deverá fazer uma programação do trabalho a ser executado, buscando identificar e controlar todos os riscos de possíveis acidentes, inclusive com terceiros;  O chefe de turma deverá analisar as condições do local de trabalho, avaliar as situações de risco do local, reunir seu pessoal e explicar as tarefas a ser efetuada e distribuí-las com a equipe, deixando aquelas mais difíceis e mais complexas para aqueles que reunirem melhores condições para executá-las, (conversa ao pé do poste);  Durante o estacionamento ou posicionamento da viatura, no local do trabalho, um componente da equipe deverá auxiliar ao motorista até a conclusão total das manobras, inclusive a sinalização e calço das rodas;  O chefe de turma deverá orientar o isolamento da área de trabalho, sinalizando-a através de cordas e cones de segurança, não permitindo a presença de terceiros;  O chefe de turma deverá supervisionar os materiais, ferramentas e equipamentos necessários à execução dos serviços, verificando as suas condições de uso;  O chefe de turma deverá obedecer aos valores de tencionamento dos condutores estabelecidos no projeto, através da utilização do dinamômetro;  O chefe de turma deverá lembrar a equipe que durante a execução das tarefas, cada integrante deverá zelar pela segurança de todos, inclusive terceiros;  No momento do desligamento, o chefe de turma deverá observar o seguinte: Solicitar autorização ao centro de operações para desligar a rede, após receber autorização, e efetuar a abertura das chaves; Registrar no pedido de desligamento via palmtop o horário do início do desligamento; Após a abertura das chaves fusíveis retirar os seus cartuchos Após a abertura das chaves seccionadoras, colocar invólucros de proteção nas lâminas das chaves; Desconectar todas as gambiarras existentes no trecho da obra em execução; Testar a ausência de tensão na Baixa e na Média Tensão, colocar a placa de advertência, a uma altura mínima de 3,5 m; 49
  • 50. Fazer aplicação dos conjuntos de aterramento do trecho desenergizado de modo que a área de trabalho fique totalmente protegida; Delimitar e sinalizar a área de trabalho, colocar as placas “NÃO OPERE ESTE EQUIPAMENTO” em todas as chaves de fronteira (ou seja, todas as chaves de encontro de alimentadores que fizer fronteira com a área desligada), que permitam a energização da área desligada, só então a rede pode ser liberada para os serviços; Abrir todas as chaves de trafos ou ramais que ficarem localizadas dentro da área de trabalho, não sendo necessária a retirada dos cartuchos ou colocação de invólucros;  Após a conclusão dos trabalhos, o chefe de turma deverá observar o seguinte: Conferir os serviços executados; Comunicar a todos os membros da equipe, que foi iniciado o processo de religação da linha, proibindo qualquer intervenção no circuito em questão; Retirar os aterramentos provisórios e placas de advertência; Recolocar os cartuchos das chaves fusíveis e/ou retirar os invólucros de proteção das lâminas das chaves seccionadoras; Solicitar autorização ao centro de controle para religação da rede, após receber autorização, efetuar o fechamento das chaves; Registrar no pedido de desligamento via palmtop o horário do fim do desligamento; Observar se o sistema foi normalizado, caso não seja identificado nenhuma anomalia, a equipe estará liberada. Quanto a execução de serviços pela equipe:  O trabalho deve ser executado com calma, coordenação e habilidade, por elementos treinados e considerados aptos, físico e psicologicamente para a tarefa;  A equipe deverá seguir as normas e orientação para o uso dos equipamentos e ferramentas necessárias e verificando o seu estado de conservação;  Qualquer imprevisto que exija a alteração da programação deverá ser comunicado de imediato, ao chefe de turma para as devidas providências/soluções;  Não permitir o uso de qualquer equipamento ou ferramenta inadequada durante a execução das tarefas;  Verificar a existência de cães, cobras, maribondos ou abelhas na área de trabalho e providenciar a retirada por meios mais práticos e seguros;  Cada componente da turma deverá inspecionar seu equipamento de proteção individual – EPI, antes do início dos trabalhos;  O CHEFE DE TURMA deverá inspecionar e manter seus equipamentos de proteção coletiva EPCs em perfeita condição de uso, inclusive o estojo de primeiros socorros;  As viaturas devem ser posicionadas e estacionadas de maneira a oferecer a melhor condição para execução dos serviços. Sempre que possível protegendo a área de trabalho;  Após o estacionamento a viatura deverá estar com o freio de mão acionado, as rodas dianteiras direcionadas para a calçada e todas devidamente cepadas;  Na execução de qualquer tarefa, deverão ser observadas as condições meteorológicas e  tomadas as seguintes decisões:  Com tempestade ou chuva forte, a tarefa não deverá ser iniciada e as operações em andamento serão interrompidas ou suspensas; 50
  • 51.  Com chuva fina ou neblina verificar se esta condição impõe uma situação de risco, caso afirmativo, não iniciar ou paralisar as atividades até que se tenha condição segura para execução do trabalho;  Com vento, forte verificar se a situação permite a execução ou continuidade do serviço, caso contrário também paralisar ou suspender os mesmos. 51
  • 52. 6. Bibliografia COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Padrão de estrutura PE031 revisão R03: Rede Primária de Distribuição Aérea de Energia Elétrica Urbana e Rural. 2004 COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Padrão de estrutura PE035 revisão R00: Rede Primária de Distribuição Aérea Rural Monofilar. 2008 COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Padrão de estrutura PE038 revisão R01: Rede Secundária de Distribuição Aérea 380/220V. 2005 COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Procedimento de Execução PEX014 revisão R16: Construção de Redes Aéreas de MT e BT Desenergizadas. 2008 COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Procedimento de Segurança do Trabalho PRST004 revisão R10: Procedimento de Segurança do Trabalho para Serviços Elétricos. 2010 52
  • 53. 6. Bibliografia COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Padrão de estrutura PE031 revisão R03: Rede Primária de Distribuição Aérea de Energia Elétrica Urbana e Rural. 2004 COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Padrão de estrutura PE035 revisão R00: Rede Primária de Distribuição Aérea Rural Monofilar. 2008 COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Padrão de estrutura PE038 revisão R01: Rede Secundária de Distribuição Aérea 380/220V. 2005 COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Procedimento de Execução PEX014 revisão R16: Construção de Redes Aéreas de MT e BT Desenergizadas. 2008 COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Procedimento de Segurança do Trabalho PRST004 revisão R10: Procedimento de Segurança do Trabalho para Serviços Elétricos. 2010 52
  • 54. 6. Bibliografia COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Padrão de estrutura PE031 revisão R03: Rede Primária de Distribuição Aérea de Energia Elétrica Urbana e Rural. 2004 COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Padrão de estrutura PE035 revisão R00: Rede Primária de Distribuição Aérea Rural Monofilar. 2008 COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Padrão de estrutura PE038 revisão R01: Rede Secundária de Distribuição Aérea 380/220V. 2005 COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Procedimento de Execução PEX014 revisão R16: Construção de Redes Aéreas de MT e BT Desenergizadas. 2008 COMPANHIA ENERGÉTICA DO CEARÁ. Procedimento de Segurança do Trabalho PRST004 revisão R10: Procedimento de Segurança do Trabalho para Serviços Elétricos. 2010 52