12016 Maio Ed. 36
2 2016 Maio Ed. 36
32016 Maio Ed. 36
4 2016 Maio Ed. 36
Editorial
Caro leitor,
Trazemos nesta edição a segunda parte do tema - Supervisão em Coaching.
Temos ci...
52016 Maio Ed. 36
Expediente
Revista Coaching Brasil
Publicação mensal da
Editora Saraswati
ano III – num. 36 – Maio 2016
...
26 2016 Maio Ed. 36
Sou Coach e quando estou fa-
zendo supervisão de coaching,
tenho a chance de examinar
meus próprios pa...
272016 Maio Ed. 36
de nos tornarmos mais auto-
conscientes, de modo que pos-
samos ter um relacionamento
de adulto para ad...
28 2016 Maio Ed. 36
Vejamos um exemplo:
Jill é o supervisor de Coaching de Juan, um Coach
interno. Juan tem sofrido com um...
292016 Maio Ed. 36
Por exemplo, o outro lado de ser um persegui-
dor é encontrar uma maneira de ser mais as-
sertivo com r...
12015 Março Ed. 22
Gostou deste artigo
?
Assine a
Revista Coaching Brasil
em nosso site e tenha
acesso a muito mais....
ww...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Revista Coaching Brasil - Ed 36 - Lily Seto

52 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Revista Coaching Brasil - Ed 36 - Lily Seto

  1. 1. 12016 Maio Ed. 36
  2. 2. 2 2016 Maio Ed. 36
  3. 3. 32016 Maio Ed. 36
  4. 4. 4 2016 Maio Ed. 36 Editorial Caro leitor, Trazemos nesta edição a segunda parte do tema - Supervisão em Coaching. Temos cinco artigos muito ricos em nosso dossiê, que somados aos três da edição anterior, somam oito artigos sobre Supervisão, trazendo múltiplas perspectivas sobre o tema. A supervisão está ganhando tamanha importância e respeito que no Reino Unido, é comum que organizações que contratam coaches externos peçam que o coach apresente uma carta de seu supervisor como um dos critérios de homologação de coaches. A supervisão, como mostra Maria Angélica em seu artigo, nasceu na psiquiatria, na época de Freud, da discussão e reflexões práticas de pequenos grupos. De lá para cá, ela foi se sofisticando, passando a constituir um ramo de atuação que exige estudo, prática e, sobretudo uma ampliação de visão muito além do normal. Adorei a frase de Maria Angélica: “Supervisão é a reflexão sobre a ação, na verdade, a reflexão em ação, onde no presente consideramos o passado para influenciar uma ação de futuro”. Eva Hirsh fala sobre a atenção que devemos prestar aos processos paralelos que ocorrem em um processo de coaching. Ela mostra como a dinâmica relacional Coach-Coachee muitas vezes pode espelhar na dinâmica Coach-Supervisor. Ana Pliopas mostra como o uso de metáforas pode ajudar a mapear o território da supervisão de coaching. Você sabe o que é “l’esprit de l’escalie” descrita pelo iluminista Diderot? Descubra em seu artigo. Cláudia Gonçalves, que já escreveu por várias edições em nossa seção “Um outro olhar”, traz a visão, a riqueza e as possibilidades que as constelações sistêmicas podem trazer ao processo de supervisão. Em suas palavras, a constelação faz emergir o campo de informações que existe em todos os sistemas relacionais. O Triângulo Dramático de Karpman nos é apresentado por Lily Seto, uma Coach e Supervisora que mora na simpática cidade de Victória, no Canadá. Lily, que gentilmente aceitou o convite para escrever um artigo exclusivo, traz esta ferramenta que tem suas bases na análise transacional. Temos ainda um excelente artigo de nossa estimada Rosa Krausz que reforça mais uma vez, e com profundidade, a importância da formulação de um contrato apropriado ao processo de Coaching Executivo que, ao mesmo tempo em que aclara condições, limpa e explicita expectativas. E temos ainda mais nesta edição. Com um beijo no coração da cada mãe, neste mês de maio, tenha uma excelente leitura, Luciano Lannes Editor Luciano Lannes Editor
  5. 5. 52016 Maio Ed. 36 Expediente Revista Coaching Brasil Publicação mensal da Editora Saraswati ano III – num. 36 – Maio 2016 Diretor Editorial Luciano S. Lannes lannes@revistacoachingbrasil.com.br Diretor Operacional Marcelo Costa Projeto gráfico e editoração Estúdio Mulata danilo@estudiomulata.com.br www.estudiomulata.com.br Projeto de Site Mind Design marcelo@minddesign.com.br Editora Saraswati www.editorasaraswati.com.br Todas as edições da Revista Coaching Brasil estarão disponíveis no site para acesso exclusivo dos assinantes. O conteúdo dos anúncios publicados é de responsabilidade dos anunciantes. A responsabilidade pelos artigos assinados é dos autores. A Revista é um veiculo aberto para a expres- são de idéias e conceitos. Fale conosco Publisher lannes@revistacoachingbrasil.com.br Administrativo costa@revistacoachingbrasil.com.br Editorial contato@revistacoachingbrasil.com.br Publicidade midia@revistacoachingbrasil.com.br 6 Um Outro Olhar - Maria Angélica Carneiro 8 Papo Rápido - Tenho vergonha de falar que sou Coach- Flávia Ld Lippi 10 Dossiê - Processos Paralelos na Supervisão de Coaching - Eva Hirsch Pontes, PCC 14 Dossiê - Metáforas para supervisão de coaching - Ana Pliopas, PCC 18 Dossiê - SUPERVISÃO SISTÊMICA: APRENDA A OLHAR O INVISÍVEL - Claudia Miranda Gonçalves 22 Dossiê - O QUE É SUPERVISÃO ? - Maria Angélica Carneiro 26 Dossiê - Percorrendo o Triângulo Dramático de Karpman - Lily Seto 30 Coaching Executivo - Coaching Executivo e Empresarial: Uma intervenção diferenciada - Rosa R. Krausz 34 Coaching de Carreira - Trabalhando as Habilidades do seu Coachee - Maurício Sampaio 36 Eu, cada vez melhor - Conexão de corações, a essência de ser mãe, Gisele Fessore 38 Como comecei - Flavia Saab 40 Para mim foi assim - Davi Andrade
  6. 6. 26 2016 Maio Ed. 36 Sou Coach e quando estou fa- zendo supervisão de coaching, tenho a chance de examinar meus próprios padrões e pon- tos cegos, e como estes po- dem influenciar o meu modo de fazer Coaching e os meus clientes. Como Coach e envolvida com supervisão, reflito a respeito de quem eu sou, como estou levando meus processos e como isso impacta o meu clien- te. Seria como se a supervisão de Coaching segurasse um es- pelho para me ajudar a ver mi- nhas experiências de maneira mais clara. Para que isso seja alcançado, existem muitas ferramentas e modelos que podem nos ajudar. Uma abordagem que eu venho experimentando é o Triângu- lo Dramático de Karpman que tem como base a análise tran- sacional. Análise Transacional (AT) é descrito como “uma teoria de personalidade e uma psicote- rapia sistemática para o cres- cimento pessoal e mudança” (Associação Internacional de Análise Transacional - ITAA). AT parte do princípio que to- das as pessoas estão bem, que podem tomar suas próprias decisões e que estão interes- sadas em crescer e se desen- volver. AT e o Triângulo Dramático de Karpman, são maneiras com as quais um supervisor de Coa- ching pode ajudar-nos a escla- recer e compreender relacio- namentos, para que possamos estar conscientes de nossos pontos cegos e ter o potencial de tomar decisões diferentes. Desenvolvido por Stephen Karpman, MD, o modelo do “Triângulo Dramático” pressu- põe que muitas vezes pode- mos cair em um dos três pa- péis. Supostamente cada um de nós pode atuar em um, ou mais, desses papéis em deter- minada situação. Queremos ter a percepção e o potencial Dossiê Percorrendo o Triângulo Dramático de Karpman. Lily Seto MA, CEC, AOCS, é Coach Executiva certificada (PCC), que também trabalha como Supervisora de Coaching. Tem formação pela Aca- demia Supervisão de Coaching e vive em Victoria BC, Canadá. Lily recebeu em 2016 o prestigiado prêmio da University Leader- ship Excellent Through Coaching and Mentoring. lilyseto@telus.net
  7. 7. 272016 Maio Ed. 36 de nos tornarmos mais auto- conscientes, de modo que pos- samos ter um relacionamento de adulto para adulto. Uma re- lação entre adultos soa muito direta. O que sugerimos tendo como base a TA, é que estejamos trabalhando no “aqui e agora” e nos comunicando de uma forma a partir do estado de “eu estou bem e você está bem”. Quando nos comunicamos do papel de vítima, do perseguidor, ou do socorrista, não estamos no estado de comunicação adulta. Vamos ver cada uma dessas posi- ções no modelo: a vítima, o per- seguidor e o socorrista. A Vítima assume a atitude “po- bre de mim”, acreditando que não têm controle da situação e que alguém, outros ou o mundo, está conspirando contra eles. Como Coaches, somos encora- jados a perceber o linguajar de “vítima” em nossos clientes e de- safiá-los no pressuposto de que eles são vítimas das circunstân- cias, e encontrar uma forma de ajudá-los a ver outras escolhas. O Perseguidor é aquele que cul- pa os outros, fica irritado com os outros e age de forma agres- siva contra os outros, e que, está à procura de vítimas para controlar. Como Coaches, isso se apresenta quando culpamos o cliente quando não concluem o plano de ação, somos duros com os clientes ou possivelmen- te procuramos alguém para cul- par pelo que está acontecendo na sessão de Coaching. O Salvador quer salvar a vítima do perseguidor, mantendo a vítima no papel de vítima, em vez de aprender a lidar com o perseguidor ou a situação. Atra- vés de supervisão de Coaching, tenho notado que, às vezes, nós Coaches, podemos cair no modo salvador. Isto pode pare- cer querer salvar o cliente em conluio com o cliente contra a organização, ou outra pessoa, e talvez, dizendo coisas como “pobre X”, e deixando por várias razões, que o ciente, não enfren- te as suas dificul- dades ou lutar pelo cliente.
  8. 8. 28 2016 Maio Ed. 36 Vejamos um exemplo: Jill é o supervisor de Coaching de Juan, um Coach interno. Juan tem sofrido com um cliente interno. Juan diz a Jill. “Meu cliente, André, está sendo pressionado por seu chefe, e veio me pedir ajuda. Devo admitir que eu quero ajudá-lo a resistir contra as investidas do seu supervisor. É frustrante para mim ver que André não está disposto a enfrentá-lo. Eu tenho o impulso de falar ao André para se man- ter firme e resistir as investidas do seu supervisor”. Então, quem está jogando qual papel no triângulo? Bem, parece que André pode ser a vítima do seu che- fe (perseguidor), se tomarmos o valor das palavras. Também podemos reconhecer que Juan pode estar se movendo para o modo socorrista quando afirma que ele quer ajudar André. Podemos também reconhecer que Juan pode estar se movendo para o modo de perseguidor quando diz que tem o impulso de falar para o André se manter firme e resistir as investidas de seu supervisor. Como podemos tomar o outro lado de moeda de cada um dos papéis do triângulo dramático e mover- -se como um adulto para uma posição adulta.
  9. 9. 292016 Maio Ed. 36 Por exemplo, o outro lado de ser um persegui- dor é encontrar uma maneira de ser mais as- sertivo com relação a seus limites e fazer uma escolha consciente para enfrentar qualquer coisa que não esteja funcionando para você de maneira assertiva e construtiva. O outro lado de ser um salvador é fazer parce- ria com outras pessoas e apoiá-los naquilo que eles querem conseguir sem se sentir responsá- vel pelo outro. O outro lado de ser uma vítima é determinar o que está dentro do seu controle e que você irá escolher para fazer a respeito disso. Então, reflita consigo mesmo! Quando você cai num desses papéis e o quanto isso é bom para você? Quais são os seus pontos cegos nesses papéis que todos atuamos? Talvez você possa examinar dois de seus clien- tes, para determinar se você cai em algum des- ses papéis, e se você tem algum padrão ou “pa- péis favoritos”! Caso seja um salvador, o quanto isso é bom para você ou seus clientes? Como indica a teoria do Triângulo Dramático de Karpman, todos nós caímos nesses papéis em situações diferentes. A supervisão de Coaching desvenda os nossos pontos cegos e nos faz ver quando caímos num desses papéis e escolher uma relação de adulto para adulto. Como Co- aches, esse é valor da supervisão de Coaching trabalhando para nós. Qual é o seu ponto cego dentro do Triângulo Dramático de Karpman?
  10. 10. 12015 Março Ed. 22 Gostou deste artigo ? Assine a Revista Coaching Brasil em nosso site e tenha acesso a muito mais.... www.revistacoachingbrasil.com.br

×