SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
O valor estratégico do selo “MADE IN BRAZIL”


                                                      Por Laércio Bruno Filho
Cenário Brasileiro
No final do ano passado o Brasil anunciou metas para reduzir as emissões dos
gases efeito estufa (gee) entre 36% e 39 %, tendo como base as emissões
lançadas no em 2005, até o ano limite de 2020.

Semanas atrás o governo divulgou noticia de que em breve haverá o
desdobramento pragmático destas metas sendo que alguns setores da
economia receberão tetos para emissão de gee.
Ou seja, já se vislumbra o controle nacional das emissões de carbono via
estabelecimento de limites setoriais. Primeiros os setores da economia e
depois empresas deverão receber limites de emissões a serem cumpridos.

Naturalmente todo este cenário pressupõe a operacionalização de um
sofisticado e inovador mecanismo de mercado dotado de instrumentos
econômicos, jurídicos e tributários que proporcione, sobretudo, parâmetros
confiáveis e seguros para as operações mercantis que ocorrerão. Tanto para
compradores nacionais quanto internacionais.

Será o Mercado Voluntário Brasileiro com operações comerciais de créditos de
carbono “intra” e “entre” as empresas nacionais e multinacionais.

É esperado que haja uma dinâmica de negócios similar ao sistema europeu,o
EU- ETS, de forma a agilizar a cumprimento das metas e motivar o aspecto
econômico-financeiro de mercado.


Sistema Europeu
No sistema europeu as nações recebem cotas de emissões que são
desdobradas em metas entre alguns segmentos da economia como produção
de cimento, geração de energia ou o setor de transportes, apenas para citar
alguns.
Quando estes limites pré-estabelecidos não são cumpridos há a possibilidade
de complementá-las com a aquisição de créditos de carbono para a
compensação do limite excedido.

Na prática as corporações que ultrapassam seus limites de emissão podem
adquirir créditos de carbono gerados em outros países, como o Brasil, Índia ou
China, e assim cumprirem suas metas. Outra possibilidade são empresas que
em posição “superavitária” em relação às suas metas, podem ofertar seu
excedente de carbono ao mercado.
Importante enfatizar que este mecanismo favorece o planeta, reduzindo sim
as emissões globais dos gee e gera divisas ao países geradores dos créditos de
carbono. O Brasil já exportou quase U$ 500 milhões em créditos de carbono



Economia de baixo carbono
Já hoje se fala que os países estabelecerão barreiras alfandegárias
protecionistas relacionadas às emissões de carbono.

Mecanismos de gestão e controle passarão a avaliar a intensidade de carbono
emitido durante os processos produtivos dos bens. Sobretudo o quesito
ambiental será o mais exigido por conta dos resultados nefastos que provoca
no clima e por conseqüência os prejuízos generalizados às economias.

Indicadores que controlam a quantidade de toneladas de carbono emitidas por
tonelada produzida passarão a ser os “Indicadores Críticos de Performance”.
Quanto maior for a quantidade de carbono emitida por tonelada produzida
mais sobretaxado será o bem produzido.

A “pegada ambiental” representará um indicador de competitividade. Pegada
ambiental significa o impacto negativo imposto à biodiversidade para se
produzir determinado produto ou serviço.
Quanto mais “pesada” a pegada ambiental, menor valor e menos
competitividade terá o item produzido.
Mais carbono emitido, mais valor destruído.
Na economia de baixo - carbono a quantidade de emissões de gee se tornará
fator crítico para o sucesso das empresas, setores e países.


Porque será mandatório
Viver em uma sociedade de baixo-carbono já está de tornando uma exigência
nos países mais desenvolvidos.
Europa e Escandinávia discutem como sobretaxar suas emissões e as
respectivas populações diariamente são provocadas por campanhas de
conscientização fazendo alusão ao tema. E a tendência é que este
comportamento estenda-se por todo o planeta.

Hoje a maioria da comunidade cientifica e parte da sociedade converge para a
opinião de que catástrofes climáticas são decorrentes das ações do homem e,
portanto ele é o responsável pelo aquecimento do planeta.
É corrente encontrar afirmações de que quanto maior o aquecimento global,
piores serão as conseqüências climáticas. E ninguém em sã consciência deseja
contribuir para isto.
Além disso, os países ricos não desejam continuar reféns dos combustíveis
fósseis e seus derivados, cujos produtores encontram-se majoritamente
localizado em regiões politicamente instáveis, com alto risco de cartelização
e pressão constante para elevação de preço.

Os países desenvolvidos procuram ser menos carbono-intensivos penalizando o
uso do combustível fóssil e promovendo energias alternativas, mais limpas.

Vantagem comparativa
No Brasil a matriz energética de origem hidrológica é limpa e renovável em
sua maior parte. As emissões de gases de efeito estufa decorrentes para
produção de energia são baixas quando comparadas á maioria dos outros
países.

Adicione-se à questão da matriz energética o modelo do etanol brasileiro.
Parte significativa da frota nacional opera com um combustível renovável,
que emite pouco carbono, considerado o balanço entre produção e uso.
Além disso, existe a co-geração de energia que é gerada pela queima do
bagaço e responde por 12,6 % de toda a energia gerada no país (balanço
energético 2009).

A questão das florestas vem complementar. A extensa área florestal
representa um gigantesco sumidouro de dióxido de carbono além de estocar
bilhões de toneladas de carbono em suas arvores.

No contexto global, o Brasil está classificado como o quarto grande emissor de
gases de efeito estufa, mas isto acontece por conta do desmatamento e
queimadas para produção agropecuária. E há de se convir que controlar
emissões por desmatamento e queimada não é tão critico quanto controlar
emissões para geração de energia, como nos países europeus e asiáticos.

Na Ásia, Europa e America do Norte a geração da energia é primordialmente
baseada no combustível fóssil.
Estabelecer controle sobre as emissões de carbono significa impacto direto no
crescimento econômico e entre outros aspectos, no conforto do cidadão, pois
boa parte da energia gerada serve para aquecer residências e prédios durante
os invernos. Daí a polemica em como controlar as emissões e em que
patamares as reduções seriam aceitáveis. Sob este contexto a gestão do
carbono tomou proporções muito maiores e mais complexas para estes países.


Competitividade Intrínseca
É nesta conjuntura global que os produtos brasileiros competem e já partem
com um grande diferencial competitivo original, intrínseco. Feitos os cálculos
apresentam baixa intensidade de carbono, podendo reduzir ainda mais com as
metas assumidas pelo governo.

Vale lembrar que hoje o principal direcionador de valor, no mundo todo,
ainda é Preço, uma vez que a questão da Qualidade está praticamente
nivelada.
Mas isto está começando a mudar. Os aspectos socioambientais estão
ganhando espaço e cada vez mais serão considerados como os “verdadeiros
diferenciais” no momento da escolha e aquisição de um determinado item
pelo cidadão-consumidor.

É o momento de se pensar num grande inventário da biodiversidade em nível
internacional.
Reconhecido e chancelado pela comunidade cientifica, classificando a
competitividade dos países pela pegada ambiental gerada na produção de seu
PIB e pela preservação de seus estoques de recursos naturais.

Agora é o momento adequado para criação do selo “MADE IN BRAZIL”.

Laércio Bruno Filho
Professor do MBA da ESALQ/USP para a disciplina Agronegócios; Coordenador
e Relator do Subgrupo Florestas da FIESP/ABNT, Coordenador do Grupo de
Estudos sobre Gestão da Sustentabilidade do GESTEC/Business School São
Paulo. Diretor de Novos Negócios Socioambientais e coordenador da Gestão
Técnica de Programas de Sustentabilidade Empresarial e de Desenvolvimento
Sustentável para Municipios pela empresa eSENSE Consultoria em
Competitividade e Sustentabilidade Empresarial.
Site: http://sendosustentavel.blogspot.com/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Crescimento sustentado pós-pandemia: os desafios da recuperação verde - Joaqu...
Crescimento sustentado pós-pandemia: os desafios da recuperação verde - Joaqu...Crescimento sustentado pós-pandemia: os desafios da recuperação verde - Joaqu...
Crescimento sustentado pós-pandemia: os desafios da recuperação verde - Joaqu...
Fundação Fernando Henrique Cardoso
 
Cooperativismo como ferramenta para a economia de baixo carbono
Cooperativismo como ferramenta para a economia de baixo carbonoCooperativismo como ferramenta para a economia de baixo carbono
Cooperativismo como ferramenta para a economia de baixo carbono
FAIR PLAY AD / @VeronicaRRSouza
 
etanol3_000g7gq2cz702wx5ok0wtedt3xdrmftk.pdf
etanol3_000g7gq2cz702wx5ok0wtedt3xdrmftk.pdfetanol3_000g7gq2cz702wx5ok0wtedt3xdrmftk.pdf
etanol3_000g7gq2cz702wx5ok0wtedt3xdrmftk.pdf
SpinemaxPeas
 
2008 06 - apresentação seqüestro de carbono
2008 06 - apresentação seqüestro de carbono2008 06 - apresentação seqüestro de carbono
2008 06 - apresentação seqüestro de carbono
Delcídio do Amaral
 
Apresentação energia+nuclear
Apresentação energia+nuclearApresentação energia+nuclear
Apresentação energia+nuclear
thegregsz
 

Mais procurados (12)

Crescimento sustentado pós-pandemia: os desafios da recuperação verde - Joaqu...
Crescimento sustentado pós-pandemia: os desafios da recuperação verde - Joaqu...Crescimento sustentado pós-pandemia: os desafios da recuperação verde - Joaqu...
Crescimento sustentado pós-pandemia: os desafios da recuperação verde - Joaqu...
 
Importância do acordo entre EUA e China para diminuição da emissão de gases e...
Importância do acordo entre EUA e China para diminuição da emissão de gases e...Importância do acordo entre EUA e China para diminuição da emissão de gases e...
Importância do acordo entre EUA e China para diminuição da emissão de gases e...
 
Apresentação da EDP no Brasil
Apresentação da EDP no BrasilApresentação da EDP no Brasil
Apresentação da EDP no Brasil
 
Instituto ethos - Carta Mudanças Climáticas
Instituto ethos -  Carta Mudanças ClimáticasInstituto ethos -  Carta Mudanças Climáticas
Instituto ethos - Carta Mudanças Climáticas
 
Cooperativismo como ferramenta para a economia de baixo carbono
Cooperativismo como ferramenta para a economia de baixo carbonoCooperativismo como ferramenta para a economia de baixo carbono
Cooperativismo como ferramenta para a economia de baixo carbono
 
etanol3_000g7gq2cz702wx5ok0wtedt3xdrmftk.pdf
etanol3_000g7gq2cz702wx5ok0wtedt3xdrmftk.pdfetanol3_000g7gq2cz702wx5ok0wtedt3xdrmftk.pdf
etanol3_000g7gq2cz702wx5ok0wtedt3xdrmftk.pdf
 
Resenha do Primeiro Relatório de Avaliação Nacional Volume 3. Mitigação à Mud...
Resenha do Primeiro Relatório de Avaliação Nacional Volume 3. Mitigação à Mud...Resenha do Primeiro Relatório de Avaliação Nacional Volume 3. Mitigação à Mud...
Resenha do Primeiro Relatório de Avaliação Nacional Volume 3. Mitigação à Mud...
 
Perspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbono
Perspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbonoPerspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbono
Perspectivas para o setor de petróleo e gás numa economia de baixo carbono
 
Apresentacao groupbusiness 1201
Apresentacao groupbusiness 1201Apresentacao groupbusiness 1201
Apresentacao groupbusiness 1201
 
2008 06 - apresentação seqüestro de carbono
2008 06 - apresentação seqüestro de carbono2008 06 - apresentação seqüestro de carbono
2008 06 - apresentação seqüestro de carbono
 
Apresentação 47 OAB - mercado carbono
Apresentação 47 OAB - mercado carbonoApresentação 47 OAB - mercado carbono
Apresentação 47 OAB - mercado carbono
 
Apresentação energia+nuclear
Apresentação energia+nuclearApresentação energia+nuclear
Apresentação energia+nuclear
 

Destaque

A relação dos transportes pela membrana, com a regualação da taxa glicemica d...
A relação dos transportes pela membrana, com a regualação da taxa glicemica d...A relação dos transportes pela membrana, com a regualação da taxa glicemica d...
A relação dos transportes pela membrana, com a regualação da taxa glicemica d...
Rodrigoazul
 
Sete Motivos Para Um Professor Criar Um Blog Neide
Sete Motivos Para Um Professor Criar Um Blog NeideSete Motivos Para Um Professor Criar Um Blog Neide
Sete Motivos Para Um Professor Criar Um Blog Neide
guestf2a8b2
 
Plan plurianual 2012 2015 giraldo
Plan plurianual 2012 2015 giraldoPlan plurianual 2012 2015 giraldo
Plan plurianual 2012 2015 giraldo
OmarUsuga
 
Necesito un abrazo
Necesito un abrazoNecesito un abrazo
Necesito un abrazo
nsconsuelo
 
Fernando placencia
Fernando placenciaFernando placencia
Fernando placencia
ferplacencia
 
Presentación Amplus Negocio.
Presentación Amplus Negocio.Presentación Amplus Negocio.
Presentación Amplus Negocio.
amplus
 
Historia de internet sin video
Historia de internet sin videoHistoria de internet sin video
Historia de internet sin video
pedrogrrez
 

Destaque (20)

Sabó
SabóSabó
Sabó
 
Erros Historicos
Erros HistoricosErros Historicos
Erros Historicos
 
WebShoppers 20ª Edição
WebShoppers 20ª EdiçãoWebShoppers 20ª Edição
WebShoppers 20ª Edição
 
Carencia
CarenciaCarencia
Carencia
 
Revista On-line
Revista On-lineRevista On-line
Revista On-line
 
meu slide
meu slidemeu slide
meu slide
 
A relação dos transportes pela membrana, com a regualação da taxa glicemica d...
A relação dos transportes pela membrana, com a regualação da taxa glicemica d...A relação dos transportes pela membrana, com a regualação da taxa glicemica d...
A relação dos transportes pela membrana, com a regualação da taxa glicemica d...
 
Sete Motivos Para Um Professor Criar Um Blog Neide
Sete Motivos Para Um Professor Criar Um Blog NeideSete Motivos Para Um Professor Criar Um Blog Neide
Sete Motivos Para Um Professor Criar Um Blog Neide
 
PLANO URBANIZAÇÃO AZINHEIRA BARROS
PLANO URBANIZAÇÃO AZINHEIRA BARROSPLANO URBANIZAÇÃO AZINHEIRA BARROS
PLANO URBANIZAÇÃO AZINHEIRA BARROS
 
Cuestionario
CuestionarioCuestionario
Cuestionario
 
Deber
DeberDeber
Deber
 
Plan plurianual 2012 2015 giraldo
Plan plurianual 2012 2015 giraldoPlan plurianual 2012 2015 giraldo
Plan plurianual 2012 2015 giraldo
 
Necesito un abrazo
Necesito un abrazoNecesito un abrazo
Necesito un abrazo
 
Fernando placencia
Fernando placenciaFernando placencia
Fernando placencia
 
Apresentação do evento do sintese
Apresentação do evento do sinteseApresentação do evento do sintese
Apresentação do evento do sintese
 
Presentación Amplus Negocio.
Presentación Amplus Negocio.Presentación Amplus Negocio.
Presentación Amplus Negocio.
 
La extraña pareja_el infantilismo_y_la_falta_de_inteligencia_institutucional_...
La extraña pareja_el infantilismo_y_la_falta_de_inteligencia_institutucional_...La extraña pareja_el infantilismo_y_la_falta_de_inteligencia_institutucional_...
La extraña pareja_el infantilismo_y_la_falta_de_inteligencia_institutucional_...
 
Historia de internet sin video
Historia de internet sin videoHistoria de internet sin video
Historia de internet sin video
 
Taller Info y Doc. BELLEZA
Taller Info y Doc. BELLEZA Taller Info y Doc. BELLEZA
Taller Info y Doc. BELLEZA
 
ClearComm CCDP-602-1-S2
ClearComm CCDP-602-1-S2ClearComm CCDP-602-1-S2
ClearComm CCDP-602-1-S2
 

Semelhante a O valor Estratégico do selo Made In Brazil

Entrevista sobre Guaraqueçaba
Entrevista sobre GuaraqueçabaEntrevista sobre Guaraqueçaba
Entrevista sobre Guaraqueçaba
Pedro Bentancourt
 
Os combustíveis alternativos no brasil
Os combustíveis alternativos no brasilOs combustíveis alternativos no brasil
Os combustíveis alternativos no brasil
ggmota93
 
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...
Bruno Oliveira
 
Apresentacao_PTE de Transição Energetica
Apresentacao_PTE de Transição EnergeticaApresentacao_PTE de Transição Energetica
Apresentacao_PTE de Transição Energetica
figura8888
 
Release Aliança Brasileira Pelo Clima
Release Aliança Brasileira Pelo ClimaRelease Aliança Brasileira Pelo Clima
Release Aliança Brasileira Pelo Clima
Laercio Bruno
 
As Oportunidades de Negócio com Projetos de Carbono no Brasil
As Oportunidades de Negócio com Projetos de Carbono no BrasilAs Oportunidades de Negócio com Projetos de Carbono no Brasil
As Oportunidades de Negócio com Projetos de Carbono no Brasil
Laercio Bruno
 
DESENVOLVIMENTO & SUSTENTABILIDADE
DESENVOLVIMENTO & SUSTENTABILIDADE  DESENVOLVIMENTO & SUSTENTABILIDADE
DESENVOLVIMENTO & SUSTENTABILIDADE
Laercio Bruno
 
Ecodesign daceia produtiva
Ecodesign daceia produtivaEcodesign daceia produtiva
Ecodesign daceia produtiva
Eduardo Garcia
 

Semelhante a O valor Estratégico do selo Made In Brazil (20)

Mudanças Climáticas
Mudanças Climáticas Mudanças Climáticas
Mudanças Climáticas
 
Mercado voluntário de carbono tem potencial gigantesco no Brasil _ McKinsey.pdf
Mercado voluntário de carbono tem potencial gigantesco no Brasil _ McKinsey.pdfMercado voluntário de carbono tem potencial gigantesco no Brasil _ McKinsey.pdf
Mercado voluntário de carbono tem potencial gigantesco no Brasil _ McKinsey.pdf
 
Oportunidade de Negócios no Mercado de Carbono no Brasil
Oportunidade de Negócios no Mercado de Carbono no BrasilOportunidade de Negócios no Mercado de Carbono no Brasil
Oportunidade de Negócios no Mercado de Carbono no Brasil
 
Entrevista sobre Guaraqueçaba
Entrevista sobre GuaraqueçabaEntrevista sobre Guaraqueçaba
Entrevista sobre Guaraqueçaba
 
Palestra Green It Blog
Palestra Green It BlogPalestra Green It Blog
Palestra Green It Blog
 
Caminhos para uma baixa economia de carbono
Caminhos para uma baixa economia de carbonoCaminhos para uma baixa economia de carbono
Caminhos para uma baixa economia de carbono
 
Os combustíveis alternativos no brasil
Os combustíveis alternativos no brasilOs combustíveis alternativos no brasil
Os combustíveis alternativos no brasil
 
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...
Área: Sociedade, Tecnologia e Ciência NÚCLEO GERADOR 2: SISTEMAS AMBIENTAIS D...
 
Green IT - Beneficios Tangíveis e Intangíveis para Empresas
Green IT - Beneficios Tangíveis e Intangíveis para EmpresasGreen IT - Beneficios Tangíveis e Intangíveis para Empresas
Green IT - Beneficios Tangíveis e Intangíveis para Empresas
 
Apresentacao_PTE de Transição Energetica
Apresentacao_PTE de Transição EnergeticaApresentacao_PTE de Transição Energetica
Apresentacao_PTE de Transição Energetica
 
TCC_2010_REDD+
TCC_2010_REDD+TCC_2010_REDD+
TCC_2010_REDD+
 
Release Aliança Brasileira Pelo Clima
Release Aliança Brasileira Pelo ClimaRelease Aliança Brasileira Pelo Clima
Release Aliança Brasileira Pelo Clima
 
As empresas e as mudanças climáticas (Prof. Roberto Precci Lopes)
As empresas e as mudanças climáticas (Prof. Roberto Precci Lopes)As empresas e as mudanças climáticas (Prof. Roberto Precci Lopes)
As empresas e as mudanças climáticas (Prof. Roberto Precci Lopes)
 
A cop 21 em paris e o clima futuro do planeta terra
A cop 21 em paris e o clima futuro do planeta terraA cop 21 em paris e o clima futuro do planeta terra
A cop 21 em paris e o clima futuro do planeta terra
 
As Oportunidades de Negócio com Projetos de Carbono no Brasil
As Oportunidades de Negócio com Projetos de Carbono no BrasilAs Oportunidades de Negócio com Projetos de Carbono no Brasil
As Oportunidades de Negócio com Projetos de Carbono no Brasil
 
DESENVOLVIMENTO & SUSTENTABILIDADE
DESENVOLVIMENTO & SUSTENTABILIDADE  DESENVOLVIMENTO & SUSTENTABILIDADE
DESENVOLVIMENTO & SUSTENTABILIDADE
 
Meio Ambiente E PolíTica Internacional
Meio Ambiente E PolíTica InternacionalMeio Ambiente E PolíTica Internacional
Meio Ambiente E PolíTica Internacional
 
Ecodesign daceia produtiva
Ecodesign daceia produtivaEcodesign daceia produtiva
Ecodesign daceia produtiva
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Relatório de Sustentabilidade - Ecometano
Relatório de Sustentabilidade - EcometanoRelatório de Sustentabilidade - Ecometano
Relatório de Sustentabilidade - Ecometano
 

Mais de Laercio Bruno (7)

In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"
In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"
In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"
 
O Brasil e a Questão Climatica
O Brasil e a Questão ClimaticaO Brasil e a Questão Climatica
O Brasil e a Questão Climatica
 
Onde EstãO As Oportunidades De NegóCio No Mercado De Carbono No Brasil Ligth
Onde EstãO As Oportunidades De NegóCio No Mercado De Carbono No Brasil LigthOnde EstãO As Oportunidades De NegóCio No Mercado De Carbono No Brasil Ligth
Onde EstãO As Oportunidades De NegóCio No Mercado De Carbono No Brasil Ligth
 
Estudo de Caso em Green IT
Estudo de Caso em Green ITEstudo de Caso em Green IT
Estudo de Caso em Green IT
 
A Arquitetura Da Sustentabilidade Out 2009
A Arquitetura Da Sustentabilidade Out 2009A Arquitetura Da Sustentabilidade Out 2009
A Arquitetura Da Sustentabilidade Out 2009
 
Posicionamento Aliança Brasileira Pelo Clima
Posicionamento Aliança Brasileira Pelo ClimaPosicionamento Aliança Brasileira Pelo Clima
Posicionamento Aliança Brasileira Pelo Clima
 
The Architecture Of Sustainable Business
The Architecture Of Sustainable BusinessThe Architecture Of Sustainable Business
The Architecture Of Sustainable Business
 

O valor Estratégico do selo Made In Brazil

  • 1. O valor estratégico do selo “MADE IN BRAZIL” Por Laércio Bruno Filho Cenário Brasileiro No final do ano passado o Brasil anunciou metas para reduzir as emissões dos gases efeito estufa (gee) entre 36% e 39 %, tendo como base as emissões lançadas no em 2005, até o ano limite de 2020. Semanas atrás o governo divulgou noticia de que em breve haverá o desdobramento pragmático destas metas sendo que alguns setores da economia receberão tetos para emissão de gee. Ou seja, já se vislumbra o controle nacional das emissões de carbono via estabelecimento de limites setoriais. Primeiros os setores da economia e depois empresas deverão receber limites de emissões a serem cumpridos. Naturalmente todo este cenário pressupõe a operacionalização de um sofisticado e inovador mecanismo de mercado dotado de instrumentos econômicos, jurídicos e tributários que proporcione, sobretudo, parâmetros confiáveis e seguros para as operações mercantis que ocorrerão. Tanto para compradores nacionais quanto internacionais. Será o Mercado Voluntário Brasileiro com operações comerciais de créditos de carbono “intra” e “entre” as empresas nacionais e multinacionais. É esperado que haja uma dinâmica de negócios similar ao sistema europeu,o EU- ETS, de forma a agilizar a cumprimento das metas e motivar o aspecto econômico-financeiro de mercado. Sistema Europeu No sistema europeu as nações recebem cotas de emissões que são desdobradas em metas entre alguns segmentos da economia como produção de cimento, geração de energia ou o setor de transportes, apenas para citar alguns. Quando estes limites pré-estabelecidos não são cumpridos há a possibilidade de complementá-las com a aquisição de créditos de carbono para a compensação do limite excedido. Na prática as corporações que ultrapassam seus limites de emissão podem adquirir créditos de carbono gerados em outros países, como o Brasil, Índia ou China, e assim cumprirem suas metas. Outra possibilidade são empresas que em posição “superavitária” em relação às suas metas, podem ofertar seu excedente de carbono ao mercado.
  • 2. Importante enfatizar que este mecanismo favorece o planeta, reduzindo sim as emissões globais dos gee e gera divisas ao países geradores dos créditos de carbono. O Brasil já exportou quase U$ 500 milhões em créditos de carbono Economia de baixo carbono Já hoje se fala que os países estabelecerão barreiras alfandegárias protecionistas relacionadas às emissões de carbono. Mecanismos de gestão e controle passarão a avaliar a intensidade de carbono emitido durante os processos produtivos dos bens. Sobretudo o quesito ambiental será o mais exigido por conta dos resultados nefastos que provoca no clima e por conseqüência os prejuízos generalizados às economias. Indicadores que controlam a quantidade de toneladas de carbono emitidas por tonelada produzida passarão a ser os “Indicadores Críticos de Performance”. Quanto maior for a quantidade de carbono emitida por tonelada produzida mais sobretaxado será o bem produzido. A “pegada ambiental” representará um indicador de competitividade. Pegada ambiental significa o impacto negativo imposto à biodiversidade para se produzir determinado produto ou serviço. Quanto mais “pesada” a pegada ambiental, menor valor e menos competitividade terá o item produzido. Mais carbono emitido, mais valor destruído. Na economia de baixo - carbono a quantidade de emissões de gee se tornará fator crítico para o sucesso das empresas, setores e países. Porque será mandatório Viver em uma sociedade de baixo-carbono já está de tornando uma exigência nos países mais desenvolvidos. Europa e Escandinávia discutem como sobretaxar suas emissões e as respectivas populações diariamente são provocadas por campanhas de conscientização fazendo alusão ao tema. E a tendência é que este comportamento estenda-se por todo o planeta. Hoje a maioria da comunidade cientifica e parte da sociedade converge para a opinião de que catástrofes climáticas são decorrentes das ações do homem e, portanto ele é o responsável pelo aquecimento do planeta. É corrente encontrar afirmações de que quanto maior o aquecimento global, piores serão as conseqüências climáticas. E ninguém em sã consciência deseja contribuir para isto.
  • 3. Além disso, os países ricos não desejam continuar reféns dos combustíveis fósseis e seus derivados, cujos produtores encontram-se majoritamente localizado em regiões politicamente instáveis, com alto risco de cartelização e pressão constante para elevação de preço. Os países desenvolvidos procuram ser menos carbono-intensivos penalizando o uso do combustível fóssil e promovendo energias alternativas, mais limpas. Vantagem comparativa No Brasil a matriz energética de origem hidrológica é limpa e renovável em sua maior parte. As emissões de gases de efeito estufa decorrentes para produção de energia são baixas quando comparadas á maioria dos outros países. Adicione-se à questão da matriz energética o modelo do etanol brasileiro. Parte significativa da frota nacional opera com um combustível renovável, que emite pouco carbono, considerado o balanço entre produção e uso. Além disso, existe a co-geração de energia que é gerada pela queima do bagaço e responde por 12,6 % de toda a energia gerada no país (balanço energético 2009). A questão das florestas vem complementar. A extensa área florestal representa um gigantesco sumidouro de dióxido de carbono além de estocar bilhões de toneladas de carbono em suas arvores. No contexto global, o Brasil está classificado como o quarto grande emissor de gases de efeito estufa, mas isto acontece por conta do desmatamento e queimadas para produção agropecuária. E há de se convir que controlar emissões por desmatamento e queimada não é tão critico quanto controlar emissões para geração de energia, como nos países europeus e asiáticos. Na Ásia, Europa e America do Norte a geração da energia é primordialmente baseada no combustível fóssil. Estabelecer controle sobre as emissões de carbono significa impacto direto no crescimento econômico e entre outros aspectos, no conforto do cidadão, pois boa parte da energia gerada serve para aquecer residências e prédios durante os invernos. Daí a polemica em como controlar as emissões e em que patamares as reduções seriam aceitáveis. Sob este contexto a gestão do carbono tomou proporções muito maiores e mais complexas para estes países. Competitividade Intrínseca É nesta conjuntura global que os produtos brasileiros competem e já partem com um grande diferencial competitivo original, intrínseco. Feitos os cálculos
  • 4. apresentam baixa intensidade de carbono, podendo reduzir ainda mais com as metas assumidas pelo governo. Vale lembrar que hoje o principal direcionador de valor, no mundo todo, ainda é Preço, uma vez que a questão da Qualidade está praticamente nivelada. Mas isto está começando a mudar. Os aspectos socioambientais estão ganhando espaço e cada vez mais serão considerados como os “verdadeiros diferenciais” no momento da escolha e aquisição de um determinado item pelo cidadão-consumidor. É o momento de se pensar num grande inventário da biodiversidade em nível internacional. Reconhecido e chancelado pela comunidade cientifica, classificando a competitividade dos países pela pegada ambiental gerada na produção de seu PIB e pela preservação de seus estoques de recursos naturais. Agora é o momento adequado para criação do selo “MADE IN BRAZIL”. Laércio Bruno Filho Professor do MBA da ESALQ/USP para a disciplina Agronegócios; Coordenador e Relator do Subgrupo Florestas da FIESP/ABNT, Coordenador do Grupo de Estudos sobre Gestão da Sustentabilidade do GESTEC/Business School São Paulo. Diretor de Novos Negócios Socioambientais e coordenador da Gestão Técnica de Programas de Sustentabilidade Empresarial e de Desenvolvimento Sustentável para Municipios pela empresa eSENSE Consultoria em Competitividade e Sustentabilidade Empresarial. Site: http://sendosustentavel.blogspot.com/