Torno mecanico-Tecnologia

1.434 visualizações

Publicada em

Básico de torno

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.434
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
82
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Torno mecanico-Tecnologia

  1. 1. 1 TORNO MECANICO I Tecnologia I
  2. 2. μ ACABAMENTO 2
  3. 3. 3
  4. 4. Para executar o torneamento, são necessários três movimentos relativos entre a peça e a ferramenta. São eles: 1) Movimento de rotação: movimento principal que permite cortar o material. O movimento é rotativo e realizado pela peça. 2) Movimento de avanço: movimento que desloca a ferramenta ao longo da superfície da peça. 3) Movimento de penetração: movimento que determina a profundidade de corte ao empurrar a ferramenta em direção ao interior da peça e assim regular a profundidade do passe e espessura da apara. 4
  5. 5. 1 – Movimento de rotação 2 – Movimento de avanço 3 – Movimento de penetração 1 2 3 5
  6. 6. Parâmetros geométricos Ângulos da ferramenta de corte 6 G - Angulo de Saída: Quando o ângulo de saída diminui, aumenta o esforço cisalhante e a potencia necessária ao corte. B - Angulo de Cunha: depende do tipo de material, da peça, da ferramenta e do tipo de serviço. Para materiais de grande resistência ou serviços de desbaste aumenta-se o ângulo de cunha. A - Angulo de Folga ou incidência: depende do material a ser usinado. É menor para os materiais duros e frágeis e, maior para os materiais dúcteis.
  7. 7. Os ângulos de saída podem ser divididos em três tipos: negativo, neutro e positivo. 7
  8. 8. Ângulos de saída de cavaco. Na usinagem de materiais duros, difíceis de usinar, devem ser utilizados ângulos de saída pequenos ou negativos, para que haja uma maior dissipação do calor. Em materiais macios os ângulos devem ser maiores para facilitar seu movimento de saída. 8
  9. 9. ângulo p/ Ferramentas de Aço Rápido α β γ Λ Aço 1020 8 55 27 0 a -4 Aço 1045 8 62 20 0 a -4 Aço 1060 8 68 14 -4 Aço Ferramenta 0,9% C 6 a 8 72 a 78 14 a18 -4 Aço Inox 8 a 10 62 a 68 14 a 18 -4 FoFo 8 76 a 82 0 a 6 0 a -4 FoFo Maleável Ferrítico 8 64 a 68 14 a 18 0 a -4 FoFo Maleável Ferrítico 8 72 10 0 a -4 Cobre, Latão, Bronze (macio) 8 55 27 4 Latão e Bronze (quebradiço) 8 79 a 82 0 a 3 4 Bronze para Bucha 8 75 7 0 a 4 Alumínio 8 30 a 35 45 a 48 4 Duro-Alumínio 8 35 a 45 37 a 45 0 a 4 Celeron, Baquelite 10 80 a 90 5 4 Ebonite 15 75 0 4 Fibra 10 55 25 4 PVC 10 75 5 4 Acrílico 10 80 a 90 0 0 Teflon 8 82 0 4 Nylon 12 75 3 4 Gabarito dos ângulos 9
  10. 10. VELOCIDADE DE CORTE È a velocidade ideal para que uma ferramenta corte o material através de um movimento circular. Mede-se em metros por minuto e o valor correto se consegue fazendo com que o torno gire nas rotações adequadas. A velocidade de corte depende, entre outros, dos seguintes fatores: 1) Material a tornear. 2) Diâmetro desse material. 3) Material da ferramenta. 4) Operação a ser executada. Conhecidos esses fatores, tabelas como a do exemplo abaixo permitem determinar a velocidade de corte para cada caso. Com isso pode-se encontrar a velocidade de rotação adequada. 10
  11. 11. Velocidade de corte Avanço Tempo de corte 11
  12. 12. 12
  13. 13. As figuras abaixo apresentam as possíveis operações que podem ser executadas num torno. 13
  14. 14. ALINHAMENTO DA FERRAMENTA 14
  15. 15. Tipos de ferramentas de corte As ferramentas possuem uma variedade de perfis, variam de acordo com a necessidade do trabalho. Assim sendo, podemos falar em ferramenta de perfil quadrado, redondo, trapezoidal, triangular, côncavo, convexo, etc. 15
  16. 16. 16
  17. 17. Torneamento Interno As ferramentas utilizadas para tornear internamente podem ser de corpo único, com pontas montadas ou com insertos. Podemos adotá-las nas operações de desbaste ou de acabamento,variando os ângulos de corte e a forma da ponta. Elas recebem o nome de bedame 17
  18. 18. Cones A execução de peças cônicas no torno mecânico pode ser feita por diferentes processos. O mais usual consiste em orientar as guias do carro superior (espera) de forma, que a ferramenta de corte ao deslocar-se forma um ângulo qualquer, com o eixo do torno. 18
  19. 19. Este sistema pode ser utilizado tanto no torneamento de cones exteriores como interiores com qualquer conicidade, sempre que o comprimento a tornear não exceda o curso do carro superior. O ângulo de inclinação com que se regula o carro superior é igual à metade do ângulo de conicidade seja o ângulo do cone. Sendo o ângulo de conicidade, o ângulo de inclinação será a/2. 19
  20. 20. Como o movimento do carro superior é feito manualmente, convém fazer girar o respectivo manípulo o mais uniformemente possível afim de garantir um bom acabamento superficial. 20
  21. 21. Através deste método são construídos troncos de cones longos e de pequena inclinação, este método se processa desviando o cabeçote móvel. Permite trabalhar com avanços automáticos e manuais. A peça devera ser trabalhada entre pontos, só cones externos de pouca conicidade o pouca inclinação. 21
  22. 22. Os copiadores para cones podem ser simples ou telescópicos. I) Simples– Quando precisamos usá-lo é necessário desligar o avanço transversal, o que se consegue desapertando o parafuso que prende a porca do fuso do carro transversal. II) Telescópico – Difere do simples por possuir o parafuso telescópico transversal, que elimina a necessidade de desligar o avanço transversal. 22
  23. 23. Recartilhamento Processo de acabamento superficial que visa obter uma superfície texturizada através do contato sob pressão de uma recartilha com a peça. 23
  24. 24. Os tipos de roletes ou roldanas mais utilizadas nas recartilhas são os de passos paralelos e cruzados. 24
  25. 25. Método de execução: Recartilha cruzada, montar na torreta porta ferramentas do torno a recartilha de forma que o seu eixo coincida com o eixo da peça. Entre pontos a peça a recartilhar, sejam 2 o 3 mm, aplicar a recartilha com forte pressão, logo que as estrias estão gravadas e adquiriram a profundidade desejada, embrear o movimento mecânico do carro transversal, utilizar uma rotação moderada de 20-25rpm e um avanço muito baixo. Refrigerar abundantemente salvo nos ferros fundido e bronzes. 25
  26. 26. Classificação de roscas. De acordo a forma do filete: Triangular, Quadrada, Trapezoidal, Dente de Serra, Redonda, Rosca quadrada. 26
  27. 27. 27 Roscas a direita e Roscas a esquerda. Rosca de uma entrada e Rosca de varias entradas (1,2 e 3 determinadas pelo passo).
  28. 28. ROSCA MÉTRICA 28
  29. 29. 29
  30. 30. ROSCA WHITHWORTH 30
  31. 31. 31
  32. 32. 32
  33. 33. 33
  34. 34. 34
  35. 35. 35
  36. 36. 36 FIM Juan Carlos Garcia Urrutia- 20/03/2014

×