SlideShare uma empresa Scribd logo
Filosofia-1s-3b-EM CN Versão 2 para o aplicativo.pdf
Governo do Estado do Rio de Janeiro
Secretaria de Estado de Educação
Comte Bittencourt
Secretário de Estado de Educação
Andrea Marinho de Souza Franco
Subsecretária de Gestão de Ensino
Elizângela Lima
Superintendente Pedagógica
Maria Claudia Chantre
Coordenadoria de Área de conhecimento
Assistentes
Carla Lopes
Fabiano Farias de Souza
Roberto Farias
Texto e conteúdo
Prof. Alexandre Botelho José
CIEP 394 Cândido Augusto Ribeiro Neto
Prof. Vitor Dantas de Moraes
C.E. Irineu José Ferreira
Profª. Joana da Costa Macedo
C.E. Professora Luiza Marinho
Capa
Luciano Cunha
Revisão de texto
Prof.ª Andreia Cristina Jacurú Belletti
Prof.ª Andreza Amorim de Oliveira Pacheco
Prof.ª Cristiane Ramos da Costa
Prof.ª Deolinda da Paz Gadelha
Prof.ª Elizabete Costa Malheiros
Prof.ª Karla Menezes Lopes Niels
Prof.ª Kassia Fernandes da Cunha
Prof. Marcos Giacometti
Prof. Mário Matias de Andrade Júnior
Prof. Paulo Roberto Ferrari Freitas
Prof.ª Regina Simões Alves
Prof. Sammy Cardozo Dias
Prof. Thiago Serpa Gomes da Rocha
Esse documento é uma curadoria de materiais que estão disponíveis na internet, somados à
experiência autoral dos professores, sob a intenção de sistematizar conteúdos na forma de uma
orientação de estudos.
© 2021 - Secretaria de Estado de Educação. Todos os direitos reservados.
Filosofia – Orientação de Estudos
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO.................................................................................................. 6
2. AULA 1: Hora do vídeo!.................................................................................... 7
3. AULA 2: Valores, Moral e Ética? ...................................................................... 7
3.1. Como construímos os nossos valores?..................................................... 8
3.2. Qual a diferença entre Moral e Ética? ..................................................... 10
4. AULA 3: #Papo de Filósofo: José Ortega y Gasset ........................................ 13
4.1. Política e ética ......................................................................................... 13
4.2. Vamos refletir: ......................................................................................... 14
5. AULA 4: Questões éticas atuais ..................................................................... 15
5.1. O uso correto das tecnologias................................................................. 15
5.2. A contribuição tecnológica para o comportamento ético ......................... 16
6. AULA 5: O “Enem” sabia disso?..................................................................... 17
7. CONSIDERAÇÕES FINAIS............................................................................ 19
7.1. Leitura Sugerida: ..................................................................................... 20
8. RESUMO........................................................................................................ 20
9. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ............................................................... 21
5
DISCIPLINA: Filosofia.
ORIENTAÇÕES DE ESTUDOS PARA FILOSOFIA
3º Bimestre de 2020 – 1ª Série do Ensino Médio do Curso Normal
Prof. Alexandre Botelho José e Profa. Joana da Costa Macedo
META:
Apresentar algumas questões trazidas pelo desenvolvimento tecnológico e
identificar alguns dilemas éticos surgidos por conta do mundo tecnológico.
OBJETIVOS:
Ao final destas Orientações de Estudos, você deverá ser capaz de:
 Identificar os campos da ética e da política: arte do bem viver.
6
1. INTRODUÇÃO
Caros alunos,
Vocês já se perguntaram como nossas vidas mudam e são impactadas
pelas tecnologias? Muitas vezes é difícil ter a real noção desse impacto, não é
mesmo?
Nessa Orientação de Estudos nós vamos problematizar e compreender
como o desenvolvimento da tecnologia e a sua consequente introdução em
nossas vidas mudaram nossa forma de viver, de pensar o mundo e se relacionar
uns com os outros. É justamente por causa desses relacionamentos que
acabamos por repensar as nossas próprias atitudes e atos morais.
Esses atos são fundamentais para nossa vida em sociedade e para o
modo como nos orientamos como indivíduos. Esta autonomia do sujeito moral é
fundamental para que vocês comecem a pensar a partir dos seus próprios
parâmetros. Tenham em mente que a busca pela felicidade é uma preocupação
primordial nas relações humanas e, por isso, a moralidade, a justiça e outros
conceitos fazem parte do nosso cotidiano.
Dessa forma, sempre que isso ocorre, estamos diante de uma decisão
que envolve julgamento moral e temos que decidir com base no que
consideramos bom, justo ou moralmente correto. Com certeza você já deve ter
ouvido as palavras “ética” e “moral”, mas será que elas têm o mesmo significado?
Vamos tentar desvendar essa dúvida?
Bons estudos!
7
2. AULA 1: Hora do vídeo!
No vídeo abaixo, o professor Leandro Vieira fala sobre os conceitos
éticos e morais, como eles são construídos e como podemos utilizá-los junto aos
valores que aprendemos no decorrer da vida. Vamos lá?
Acesse:
https://youtu.be/T0ZdMP3DVos
3. AULA 2: Valores, Moral e Ética?
Caro aluno,
Como dissemos, os seres humanos agem de maneira consciente, e cada
um de nós é responsável pela sua própria vida e, consequentemente, pelas
decisões que toma. Mas como decidimos o quê fazer? Você já pensou como tomar
as decisões sobre o que fazer em determinada situação? Você age
impulsivamente, fazendo “o que der na telha” ou analisa cuidadosamente as
possibilidades e as consequências, para somente para depois decidir o que fazer?
Essas são questões filosóficas, e a Filosofia pode nos ajudar a pensar
sobre a nossa própria vida. Essa área da Filosofia se chama “Ética” e é ela que
se dedica a pensar as ações humanas, seus fundamentos e análise das
consequências. Um dos primeiros filósofos a pensar a ética foi nosso amigo
Aristóteles, que viveu na Grécia no século IV a.C. Ele ensinava numa escola à
qual deu o nome de Liceu, e muitas de suas obras são resultado das anotações
que os discípulos faziam de suas aulas. As explicações sobre a ética foram
anotadas pelo filho de Aristóteles chamado Nicômaco, e, por isso, esse livro é
conhecido por nós com o título de Ética a Nicômaco.
8
Em suas aulas, Aristóteles fez uma análise do agir humano que marcou
decisivamente o modo de pensar ocidental. Ele ensinava que todo o
conhecimento e todo trabalho visa a algum bem. O bem é a finalidade de toda
ação. A busca do bem é o diferente, é o que difere a ação humana da de todos
os outros animais. E você, tem buscado o “bem” como finalidade de toda ação?
Cabe, ainda, destacar que, para Aristóteles, esse “bem” seria o mais
precioso e é a maior busca do ser humano, ou seja, a “felicidade”. Mas, o que é
felicidade? Essa pergunta não é respondida igualmente por todos, pois cada um
de nós responde de uma forma diferente, de forma singular. Essa singularidade
na resposta é partilhada por outros indivíduos com os quais convivemos.
Portanto, no processo de nossa educação familiar, religiosa e escolar
aprendemos a identificar o ser feliz com os valores que sustentam nossas ações.
Para entendermos melhor como essas questões funcionam em nossas
vidas, precisamos compreender como construímos os nossos valores, o que é
ética e como a moral atua em nossas vidas.
3.1. Como construímos os nossos valores?
Você já deve ter percebido que, desde a infância, estamos sujeitos à
influência do meio social por intermédio da família, da escola, dos amigos e dos
meios de comunicação de massa (principalmente a televisão e a internet). Assim,
todos nós vamos adquirindo aos poucos princípios morais. Portanto, ao nascer,
cada um de nós nos deparamos com um conjunto de normas já estabelecidas e
aceitas pelo meio social. Consegue perceber que já recebemos tudo isso “pronto”
e que só mais tarde vamos (re)construindo esses valores? Esse é chamado
aspecto social da moral.
Mas a moral não se limita ao aspecto social, pois à medida que o
indivíduo desenvolve a reflexão crítica, a Filosofia, os valores herdados passam a
ser colocados em questão. Você mesmo pode perceber, que das muitas coisas
que lhe ensinaram, hoje você já adquiriu outro olhar. A Filosofia ajuda na reflexão
sobre as normas e decide aceitá-las ou negá-las. A decisão de acatar uma norma
é fruto de uma reflexão pessoal consciente que podemos chamar de
“interiorização”. Essa interiorização da norma é que qualifica o ato como moral.
9
Caso não seja interiorizado, o ato não é considerado moral, é apenas um
comportamento determinado pelos instintos, pelos hábitos ou pelos costumes.
Temos que entender que a maneira como a consciência individual vai
reagir diante das normas depende de muitos fatores, alguns são pessoais
(formação familiar, caráter, temperamento), mas outros são oriundos de
instituições sociais (regime político, organização social, instituição religiosa,
sistema econômico, instituições culturais, meios de comunicação em massa) que
podem criar possibilidades ou impor obstáculos à criticidade e também à
construção da moral.
Vamos pegar um exemplo corriqueiro para entendermos como o conceito
de interiorização funciona. Imagine um condutor de um veículo, em uma via
urbana, parar antes da faixa de segurança de maneira espontânea e permitir que
os pedestres atravessem a rua. Ele estará respeitando as pessoas e o Código de
Trânsito Brasileiro, sendo, portanto, um comportamento moralmente correto.
Entretanto, se ele parar o veículo
pelo simples fato de ter receio de
receber uma multa, seu
comportamento se limita a um ato
mecânico e sem reflexão crítica, ou
seja, ele apenas o fez pelo
comprimento da lei. Na charge do
Arionauro vemos o cúmulo da falta
de interiorização, em que, além de
parar na faixa de pedestre, em frente a uma escola, o motorista ainda estava
utilizando o celular. Por isso, multa nele, seu guarda! Conseguiram compreender
a diferença?
Para entender melhor. Quando falamos de moral, temos que ter em mente
que a pessoa sabe aquilo que precisa ser feito, sem precisar interiorizar, acontece
de forma natural, independentemente das vantagens ou prejuízos que possa vir a
acontecer. Mas não confunda ato moral com um ato acima de contestações. Isso
porque, quando você pratica um ato moral, também está sujeito a sofrer
consequências negativas, pois o que é moral para uns pode ser amoral ou imoral
para outros, ou seja, um sujeito amoral é aquele que desconsidera ou não se
10
importa com as regras ou normas morais, já o sujeito imoral é aquele que conhece
as regras ou normas, mas é completamente contra elas.
Vejamos algumas questões que norteiam o vasto campo da moral. Estas
são as perguntas fundamentais que nos ajudam a refletir e a interiorizar:
● O que devo fazer para ser justo?
● Quais valores devo escolher para guiar minha vida?
● Há uma hierarquia de valores que deve ser seguida?
● Que tipo de ser humano devo ser nas minhas relações comigo
mesmo, com meus semelhantes e com a natureza?
● Que tipo de atitudes devo praticar como pessoa e cidadão?
3.2. Qual a diferença entre Moral e Ética?
A palavra moral deriva das palavras, em latim, moralis e mor que
significam costume. E, como você pode perceber, nossa vida é orientada por
diversos costumes. Temos costumes que regulam praticamente tudo em nossas
vidas: as roupas que vestimos (se vamos a uma igreja, por exemplo, os nossos
costumes sociais não nos permitem usar sunga de banho), as palavras que
usamos em diversas ocasiões (se estamos conversando com um amigo, não o
chamamos de “meritíssimo” ou “meu senhor”), os nossos gestos (muitas pessoas
fazem o sinal da cruz quando passam em frente a uma igreja), até nas redes
Valor (lat. valor) Literalmente, em seu sentido original. “valor” significa coragem,
bravura, o caráter do homem, daí por extensão significar aquilo que dá a algo um caráter
positivo.
Do ponto de vista ético, os valores são os fundamentos da moral, das normas e regras
que prescrevem a conduta correta. No entanto, a própria definição desses valores varia
em diferentes doutrinas filosóficas. Para algumas concepções, é um valor tudo aquilo que
traz a felicidade do homem. Mas trata-se igualmente de uma noção difícil de se
caracterizar e sujeita a divergências quanto à sua definição. Alguns filósofos consideram
também que os valores se caracterizam por relação aos fins que se pretendem obter, a
partir dos quais algo se define como bom ou mau. Outros defendem a ideia de que algo é
um valor em si mesmo. Discute-se assim se os valores podem ser definidos intrínseca ou
extrinsecamente. Há ainda várias outras questões envolvidas na discussão filosófica
sobre os valores, p. ex., se os valores são relativos ou absolutos, se são inerentes à
natureza humana ou se são adquiridos etc.
JAPIASSÚ, H. Dicionário Básico de Filosofia. 5 ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.
11
sociais temos nossos costumes, para isso criou-se até uma “netiqueta” que são
as regras de comportamento quando estamos no mundo virtual, além de muitos
outros comportamentos que usamos no dia a dia.
Mas para você entender melhor, a
moral se refere a outro tipo de costume.
Trata-se de costume que diz respeito aos
valores que já comentamos e que estão
ligados ao sentido de bem e mal. Esses
valores fundamentais estruturam outros,
como: justo/injusto, certo/errado,
digno/indigno, dentre outros. Costumes
morais são aqueles que se relacionam com os modelos de bem e mal da nossa
sociedade, ou seja, estão ligados também ao tempo, ao momento, à cultura, a
uma época etc. Por isso, todos os dias emitimos julgamentos morais em relação
aos nossos comportamentos, e aos comportamentos dos outros, a partir do
nosso ponto de vista, daquilo em que acreditamos. Em outras palavras, estamos
sempre avaliando os nossos atos e os atos dos outros segundo os valores de
bem e mal da nossa sociedade e de nosso meio. Cabe aqui destacar que nem
sempre nós concordamos com os padrões morais da nossa sociedade. Em
alguns casos, nem devemos mesmo, pois a crítica deve fazer parte da nossa
vida. Por isso, nós confrontamos e criamos valores morais diferentes dos nossos
e dos outros. Isso mostra que a moral está presente em dois setores da vida
humana: no âmbito individual e pessoal, e no âmbito social, isto é, na sociedade.
Mais que isso! Pode-se dizer que há uma moral individual e uma moral social.
Mas como podemos refletir sobre a moral e termos a certeza de que
tomamos as decisões mais acertadas? Apesar de todos os indivíduos agirem
moralmente, alguns refletem filosoficamente sobre a moral e outros não, assim
como os amorais e os imorais, que já vimos. Mas, por que alguns
comportamentos são considerados morais e outros não? Quando é que nós
podemos dizer que alguém está sendo imoral? E, se nos forçarem a fazer algo
que não queremos, estamos agindo moralmente? Quais valores morais de uma
sociedade podem ser preservados e quais devem ser mudados? Quando a
Filosofia estuda a moral é que surge a Ética. Vamos deixar uma coisa clara:
Fonte: https://medium.com/@lucasdemelo274/ética-no-dia-
a-dia-das-relações-pessoais-e-profissionais-8babeb86598e
12
Ética não é a mesma coisa que a moral. Ética é a reflexão filosófica sobre a
moral humana. Ela reflete sobre os conceitos de bem e mal, sobre as condições
que fazem com que um ato possa ser considerado moral e propõe criticamente
normas morais. Como os valores morais são históricos (eles mudam com a
história das sociedades), a ética é também histórica. A Filosofia refletiu de
diversas formas a experiência moral do homem ocidental. Por isso, existem
diversas éticas, ao longo da história. Assim, o objetivo da ética é entender os
conflitos existentes entre as pessoas, buscando suas razões, como resultado
direto de suas crenças e valores, e, com base nisto, estabelecer tipos de
comportamentos que permitam a convivência em sociedade.
Fonte: https://www.proenem.com.br/Fenem/Ffilosofia/Fetica-e-moral
# Curiosidade Filosófica:
Como um ramo da Filosofia, a Ética a influenciou e foi por ela influenciada.
Na ética normativa, distinguem-se dois grupos principais de filósofos:
 Deontologistas (do grego déontos: “de obrigação”); e
 Teleologistas (do grego teléios: “no fim”, “final”, causa última).
Os deontologistas têm, como conceitos básicos, o direito e o dever, e assumem que
as definições de moral derivam desses conceitos fundamentais.
Os teleologistas têm, na bondade e no valor, os conceitos axiológicos básicos que
detectam de onde vem a preponderância da bondade intrínseca. Enfatizam o cálculo das
consequências de cada ação.
Os axiologistas (do grego axíos, “digno”, “’util”) acham que certas ações são corretas
por causa do valor da bondade que eles inerentemente contêm, como a alegria ou prazer.
A Ética constitui uma relação social que pode ser visualizada como uma relação de
poder. É a razão pela qual não se pode falar unicamente em “ética em geral”, mas de
morais específicas, pertencentes a sociedades históricas determinadas.
GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Ética e Cidadania Organizacional. Escola Estadual de
Educação Profissional – EEEP. Curso Técnico em Comércio. Fortaleza: SEDUC, 2012.
13
4. AULA 3: #Papo de Filósofo: José Ortega y Gasset
No seu livro A Desumanização da Arte, o Prof.
José Ortega y Gasset reflete o grau de distanciamento e
proximidade que temos com os acontecimentos que
ocorrem nas nossas vidas. O fragmento exposto abaixo
apresenta uma explicação a respeito da política como
ética. Leia o fragmento abaixo e responda às perguntas
logo após o texto.
4.1. Política e ética
O pesar inevitável desta análise ficaria compensado se nos permitisse falar com
clareza de uma escala de distâncias espirituais entre a realidade e nós. Nessa escala os
graus de proximidade equivalem a graus de participação sentimental nos
acontecimentos; os graus de distanciamento, pelo contrário, significam graus de
libertação em que objetivamos o acontecimento real, transformando-o em puro tema de
contemplação. Situados num dos extremos, nos encontramos com um aspecto do
mundo – pessoas, coisas, situações – que é a realidade “vivida”; do outro extremo, em
contrapartida, vemos tudo em seu aspecto de realidade “contemplada”. Ao chegarmos
aqui, temos que fazer uma advertência essencial para a estética, sem a qual não é fácil
penetrar na fisiologia da arte, tanto a velha como a nova.
Entre esses diversos aspectos da realidade que correspondem aos vários
pontos de vista, há um do qual derivam todos os demais e que em todos os outros está
suposto: da realidade vivida. Se não houvesse alguém que vivesse em pura entrega e
frenesi a agonia de um homem, o médico não se preocuparia com ela, os leitores não
entenderiam os gestos patéticos do jornalista que descreve o fato, e o quadro no qual o
pintor representa um homem no leito rodeado de figuras condoídas nos seria ininteligível.
O mesmo poderíamos dizer de qualquer outro objeto, seja pessoa ou coisa. A forma
primitiva de uma maçã é a que esta possui quando nos dispomos a comê-la. Em todas
as demais formas possíveis que adote - por exemplo, a que um artista de 1600 lhe deu,
combinando-a em um barroco ornamento, a que apresenta uma adega de Cézanne ou
na metáfora elementar que faz dela um pomo de mulher - conserva mais ou menos
aquele aspecto original. Um quadro, uma poesia onde não restasse nada das formas
vividas seriam ininteligíveis, ou seja, não seriam nada, como nada seria um discurso
onde de cada palavra se tivesse extirpado a significação habitual.
ORTEGA Y GASSET
Fonte:
https://brasil.elpais.com/brasil/20
14/06/26/opinion/1403792634_8
28231.htmlimportance-of-
14
Quer dizer que, na escala das realidades, corresponde à realidade vivida uma
peculiar primazia que nos obriga a considerá-la como “a” realidade por excelência. Em
vez de realidade vivida, poderíamos dizer realidade humana. O pintor que presencia
impassível a cena da agonia parece “inumano”. Digamos, pois, que o ponto de vista
humano é aquele em que “vivemos” as situações, as pessoas, as coisas. E, vice-versa,
são humanas todas as realidades – mulher, paisagem, peripécias – quando oferecem o
aspecto sob o qual costumam ser vividas.
Um exemplo, cuja importância observa o leitor mais adiante: entre as realidades
que integram o mundo se acham as nossas ideias. Utilizamo-las “humanamente” quando
com elas pensamos as coisas, ou seja, que, ao pensar em Napoleão, o normal é que
consideremos exclusivamente o grande homem assim chamado. Ao contrário, o
psicólogo, adotando um ponto de vista anormal, “inumano”, desconsidera Napoleão e,
vendo seu próprio interesse, procura analisar sua ideia de Napoleão como tal ideia.
Trata-se, pois, de uma perspectiva oposta à que usamos na vida espontânea. Em vez de
ser a ideia instrumento com que pensamos um objeto, fazemos dela objeto e termo do
nosso pensamento. Logo veremos o uso inesperado que a nova arte faz dessa inversão
inumana.
ORTEGA Y GASSET, J. A desumanização da arte. São Paulo: Ed. Cortez, 2001.
4.2. Vamos refletir:
1. Com base na leitura do texto acima, como podemos entender a realidade
pesada pelo autor?
2. Tendo em vista a discussão da realidade acima, como podemos explicar
a mensagem da charge abaixo?
Fonte: https://domtotal.com/charge.php?chaId=2410
15
5. AULA 4: Questões éticas atuais
Ao longo das aulas de Filosofia do Ensino Médio, estudamos
constantemente a questão da moral e da ética. Nessa última parte, daremos
ênfase a alguns dilemas e impasses concernentes à sociedade atual.
5.1. O uso correto das tecnologias
As novas relações virtuais também podem produzir um espaço virtual de
complementaridade com as relações do espaço real, além de conectar-nos com
uma nova forma de tempo e de espaço. Isso se dá pelo fato de que o manuseio
das máquinas tecnológicas, e, portanto, a forma como sua utilização será
realizada, depende do significado e das práticas concernentes às relações
sociais.
No que concerne à educação, a questão central é a ênfase dada à
questão de tornar o sujeito ativo, e principalmente, crítico e não passivo da ação
político-social, em um contexto de desenvolvimento local. Nesse sentido, a
tecnologia seria um instrumento complementar ao processo de aprendizagem, ao
tentar formar uma educação relacional, reflexiva e criativa, além de o
desenvolvimento social ser formado, não só por condições materiais, como
também por imateriais, através da produção de novas subjetividades, tais como a
informação e a criatividade.
Hoje em dia podemos perceber o quão presente se tornou o ensino
remoto, e este ensino só é possível de ser realizado por conta da existência dos
dispositivos eletrônicos e da tecnologia.
Fonte: http://webquestfacil.com.br/webquest.php?pg=tarefa&wq=11534
16
Isso dá margem para pensar a cidade como um produto social dos atores
nela envolvidos, posto que as tecnologias e o computador representam uma nova
concepção sobre as práticas sociais. Ao perceber o computador como um espaço
de representação no qual a prática espacial se funde com a prática da vivência,
este se torna um prolongamento de uma trajetória – trajetória da totalidade do
espaço social da humanidade.
5.2. A contribuição tecnológica para o comportamento ético
Ao longo do tempo a
nossa sociedade mudou
bastante, não foi? Uma das
mudanças mais fortes foi
justamente a inclusão das
tecnologias nas nossas
vidas. O fenômeno da
globalização propiciou isso.
O mundo tecnológico é
bastante abrangente e isso
permite que uma infinidade
de informações circule pelo
espaço cibernético. Infelizmente, não se pode controlar se todas as pessoas irão
utilizar a internet de forma correta. Quando isso acontece espalha-se a
desinformação, as chamadas fake news são representativas desse cenário.
A tecnologia seria uma ferramenta para o exercício da democracia, em
seu sentido mais amplo, uma vez que permitiria a todos os cidadãos ter acesso à
informação e diminuir a desigualdade digital suscitada por esse novo contexto. A
igualdade de informação favoreceria o desenvolvimento humano,
compreendendo o econômico, o social, o cultural e o político, já que essa seria
um dos elementos primordiais para, por exemplo, a empregabilidade futura, a
divulgação de qualquer tipo, a busca por informações diversas, bem como
permitir que se constituísse uma condição na qual os cidadãos possam ter a
mesma oportunidade de acesso a essas mesmas informações.
Fonte: https://www.humorpolitico.com.br/author/cazo/
17
Além disso, o uso das tecnologias precisa ser pautado em um
comportamento ético no qual a responsabilidade cívica e o interesse público
imperem. Nesse sentido, acredito que acontece um processo dual, ou seja, a
inclusão deve ser feita dos cidadãos em interação com a tecnologia e a inclusão
da tecnologia na vida cotidiana dos cidadãos.
#Parasabermais:
https://www.infoescola.com/informatica/tecnologia-da-
informacao-e-comunicacao/
6. AULA 5: O “Enem” sabia disso?
1. ENEM 2019
A importância do conhecimento está em seu uso, em nosso domínio ativo sobre ele,
quero dizer, reside na sabedoria. É convencional falar em mero conhecimento, separado
da sabedoria, como capaz de incutir uma dignidade peculiar a seu possuidor. Não
compartilho dessa reverência pelo conhecimento como tal. Tudo depende de quem
possui o conhecimento e do uso que faz dele.
WHITHEHEAD, A. N. Os fins da educação e outros ensaios. São Paulo: Edusp, 1969.
No trecho, o autor considera que o conhecimento traz possibilidades de progresso
material e moral quando:
a) prioriza o rigor conceitual.
b) valoriza seus dogmas.
c) avalia sua aplicabilidade.
d) busca a inovação tecnológica.
e) instaura uma perspectiva científica.
2. ENEM 2013
Os produtos e seu consumo constituem a meta declarada do empreendimento
tecnológico. Essa meta foi proposta pela primeira vez no início da Modernidade, como
expectativa de que o homem poderia dominar a natureza. No entanto, essa expectativa,
convertida em programa anunciado por pensadores como Descartes e Bacon e
impulsionado pelo Iluminismo, não surgiu “de um prazer de poder”, “de um mero
18
imperialismo humano, mas da aspiração de libertar o homem e de enriquecer sua vida,
física e culturalmente”.
CUPANI, A. A tecnologia como problema filosófico três enfoques. Scientiae Studia. São
Paulo, v. 2, n. 4. 2004 (adaptado).
Autores da filosofia moderna, notadamente Descartes e Bacon, e o projeto
iluminista concebem a ciência como uma forma de saber que almeja libertar o
homem das intempéries da natureza. Nesse contexto, a investigação científica
consiste em:
a) expor a essência da verdade e resolver definitivamente as disputas teóricas ainda
existentes.
b) oferecer a última palavra acerca das coisas que existem e ocupar o lugar outrora foi
da filosofia.
c) ser a expressão da razão e servir de modelos para outras áreas do saber que
almejam o progresso.
d) explicitar as leis gerais que permitem interpretar a natureza e eliminar os discursos
éticos e religiosos.
e) explicar a dinâmica presente entre os fenômenos naturais e impor limites aos debates
acadêmicos.
3. (Enem/2010)
A ética precisa ser compreendida como um empreendimento coletivo a ser
constantemente retomado e rediscutido, porque é produto da relação interpessoal e
social. A ética supõe ainda que cada grupo social se organize sentindo-se responsável
por todos e que crie condições para o exercício de um pensar e agir autônomos. A
relação entre ética e política é também uma questão de educação e luta pela soberania
dos povos. É necessária uma ética renovada, que se construa a partir da natureza dos
valores sociais para organizar também uma nova prática política.
CORDI et al. Para filosofar. São Paulo: Scipione, 2007 (adaptado).
O Século XX teve de repensar a ética para enfrentar novos problemas oriundos de
diferentes crises sociais, conflitos ideológicos e contradições da realidade. Sob
esse enfoque e a partir do texto, a ética pode ser compreendida como
a) instrumento de garantia da cidadania, porque através dela os cidadãos passam a
pensar e agir de acordo com valores coletivos.
b) mecanismo de criação de direitos humanos, porque é da natureza do homem ser ético
e virtuoso.
c) meio para resolver os conflitos sociais no cenário da globalização, pois a partir do
entendimento do que é efetivamente a ética, a política internacional se realiza.
d) parâmetro para assegurar o exercício político primando pelos interesses e ação
privada dos cidadãos.
e) aceitação de valores universais implícitos numa sociedade que busca dimensionar sua
vinculação à outras sociedades.
4. ENEM 2018
Quando analisamos nossos pensamentos ou ideias, por mais complexos e sublimes que
sejam, sempre descobrimos que se resolvem em ideias simples que são cópias de uma
sensação ou sentimento anterior. Mesmo as ideias que, à primeira vista, parecem mais
afastadas dessa origem mostram, a um exame mais atento, ser derivadas dela.
19
HUME, D. Investigação sobre o entendimento humano. São Paulo: Abril Cultural, 1973.
Depreende-se deste excerto da obra de Hume que o conhecimento tem a sua
gênese na:
a) convicção inata.
b) dimensão apriorística.
c) elaboração do intelecto.
d) percepção dos sentidos.
e) realidade transcendental.
Fonte: https://www.qconcursos.com/
7. CONSIDERAÇÕES FINAIS
Chegamos ao final do bimestre, pessoal!
Como você deve ter percebido, o limiar do ético e moral não é tão
simples, e encontram pelo caminho inúmeras dificuldades, principalmente
aquelas que são impostas pela própria sociedade e suas regras pré-
determinadas, que visam justamente à manutenção do status quo, que é o
“estado das coisas”, ou a manutenção do que já está implementado.
O que precisamos mudar são as formas como enxergamos o mundo, a
vida e nós mesmos, pois a moral pode ser aprendida e modificada, uma vez que
somos pessoas que se humanizam na medida em que nos relacionamos e dois
preceitos são básicos: o de educar para a cidadania e o de educar eticamente.
Por fim, refletimos sobre alguns impasses trazidos por essas tecnologias.
Vimos, primeiro, que a inclusão digital é um fator importante, justamente porque
precisamos da tecnologia nosso cotidiano e até na educação com o
aparecimento do ensino remoto. Além disso, discutimos que o espaço
cibernético, por sua aparente infinitude, deu espaço a práticas de desinformação
que precisam ser revistas. Assim, a tecnologia pode ser capaz de construir uma
sociedade democrática que possa ser eticamente orientada.
Parabéns!
20
7.1. Leitura Sugerida:
- Consumidores e Cidadãos
Autor: Nestor Garcia Canclini. Editora: UFRJ.
Resumo: O livro do autor Nestor Canclini apresenta uma
reflexão aprofundada sobre o desenvolvimento do mundo
contemporâneo no que diz respeito ao contexto de surgimento
da tecnologia. O autor reflete sobre como as relações sociais
mudam com as novas tecnologias, transformando, sobretudo, a perspectiva na
qual os indivíduos se inserem no mundo e são por ele interpretados.
- Textos básicos de ética: de Platão a Foucault
Autor: Danilo Marcondes. Editora: Zahar.
Resumo: Essa antologia de textos sobre ética tem como objetivo
pôr o estudante em contato direto com as ideias dos grandes
pensadores. Em vez de o aluno “ouvir falar” ou “ler sobre” o que
os filósofos pensam sobre o tema, terá oportunidade de lidar
diretamente com os textos de Platão a Foucault. Elaborado para utilização
didática, o volume está organizado com uma introdução para cada filósofo; um
comentário que situa cada trecho escolhido no contexto da obra original,
destacando sua importância e indicando seu enfoque central; finalizando cada
seção, uma série de questões e temas para discussão em sala de aula, e
indicação de leituras complementares. Inclui 35 textos comentados dos grandes
filósofos: Platão, Aristóteles, Santo Agostinho, São Tomás de Aquino, Descartes,
Spinoza, Hume, Kant, Kierkegaard, Nietzsche, Stuart Mill, Weber, Freud,
Foucault.
8. RESUMO
Nestas Orientações de Estudos 3º Bimestre de 2020, Filosofia – 1ª série,
você aprendeu:
 Nos vídeos propostos podemos ver como a ética e a moral fazem parte
da nossa vida e como construímos os valores que fazem parte de quem
21
somos, bem como ampliamos a discussão sobre impacto que o
desenvolvimento da tecnologia tem nas nossas vidas;
 O que são valores impostos e adquiridos. Como eles chegam para nós e
nos fazem decidir sobre as questões mais básicas da vida;
 Compreendemos a diferença entre moral e ética, entendendo que moral
são os atos baseados nos costumes e que precisamos lapidar conforme
nos (re)construímos como indivíduos;
 Vimos que a ética é uma parte da Filosofia que nos ajuda a pensar sobre
a moral, o certo e errado, nos ajudando a refletir sobre as decisões que
afetam não só o indivíduo, mas todos ao seu redor;
 O prof. Ortega y Gasset reflete sobre a realidade vivida e a experiência
que conseguimos ter na vida;
 Entendemos alguns impactos da tecnologia na esfera social,
especialmente na educação;
 Alguns impasses trazidos pela introdução da tecnologia no mundo como
a inclusão digital e as fake news;
 Por fim, alguns exercícios do Enem para praticarmos as questões de
Filosofia relacionadas aos temas abordadas ao longo dessa OE.
9. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ARANHA, M. L. A.; MARTINS, M. H. P. Filosofando. Introdução à Filosofia. 6 ed.
São Paulo: Moderna, 2016.
BAUMAN, Z. Amor Líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de
Janeiro: Jorge Zahar Editor; 2004.
BOBBIO, N. Dicionário de Política. Brasília: Ed. UnB, 2004.
BUCKINGHAM, W. Livro da Filosofia. São Paulo: Globo, 2011.
BOURDIEU P. Remarques provisoires sur la perception sociale du corps. In:
Actes de la recherche en sciences sociales. Vol. 14, Présentation et
représentation du corps. pp. 51-54, abril 1977 [Tradução de Sônia Giacomini].
CHAUI, M. Convite à Filosofia. São Paulo: Ed. Ática, 2000.
22
COTRIM, G. Fundamentos de filosofia: história e grandes temas. 15. ed. São
Paulo, 2002.
CYRINO, H.; PENHA, C. Filosofia hoje. 2. ed. Campinas: Papirus, 1992.
DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.
GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Ética e Cidadania Organizacional.
Escola Estadual de Educação Profissional – EEEP. Curso Técnico em Comércio.
Fortaleza: SEDUC, 2012.
JAPIASSÚ, H. Dicionário Básico de Filosofia. 5 ed. Rio de Janeiro: Jorge
Zahar, 2008.
KANT, I. Crítica da faculdade do juízo. Trad. Valério Rohden e António
Marques. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.
LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: O futuro do pensamento na era da
informática. Trad. Carlos Irineu da Costa, Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.
MARASCHIN, C. Redes de conversão como operadoras de mudanças estruturais
na convivência. In: PELLANDA, N. M. C.; SCHLÜNZEN, E. T. M.; SCHLÜNZEN
JUNIOR, K. (Orgs.). Inclusão Digital: Tecendo redes afetivas/cognitivas. Rio de
Janeiro: Editora DP&A. 2005.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Filosofia-1s-3b-EM CN Versão 2 para o aplicativo.pdf

Grupo 5
Grupo 5Grupo 5
Ética e o profissional da educação
Ética e o profissional da educaçãoÉtica e o profissional da educação
Ética e o profissional da educação
Gerisval Pessoa
 
TRABALHO DE FILOSOFIA 3º A ( ÉTICA NA ESCOLA).
TRABALHO DE FILOSOFIA 3º A ( ÉTICA NA ESCOLA).TRABALHO DE FILOSOFIA 3º A ( ÉTICA NA ESCOLA).
TRABALHO DE FILOSOFIA 3º A ( ÉTICA NA ESCOLA).
Josilene Braga
 
Módulo IV Aula 8
Módulo IV Aula 8Módulo IV Aula 8
Módulo IV Aula 8
CETUR
 
Etica na educacao formatacao atualizada
Etica na educacao   formatacao atualizadaEtica na educacao   formatacao atualizada
Etica na educacao formatacao atualizada
Juliana Pena
 
ETICA
ETICAETICA
Especialização em mídias na educação slades
Especialização em mídias na educação sladesEspecialização em mídias na educação slades
Especialização em mídias na educação slades
elozania
 
Especialização em mídias na educação
Especialização em mídias na educaçãoEspecialização em mídias na educação
Especialização em mídias na educação
elozania
 
I mostra do spe nas escolas 1
I mostra do spe nas escolas 1I mostra do spe nas escolas 1
I mostra do spe nas escolas 1
Solange Cartaxo
 
I mostra do spe nas escolas 1
I mostra do spe nas escolas 1I mostra do spe nas escolas 1
I mostra do spe nas escolas 1
Solange Cartaxo
 
Etica Pro[1]..
Etica Pro[1]..Etica Pro[1]..
Etica Pro[1]..
Julio Costa
 
Aula 05 07 valores e escolhas
Aula 05 07 valores e escolhasAula 05 07 valores e escolhas
Aula 05 07 valores e escolhas
Alessandra Bertão Ribas
 
Conceitos sobre Ética e moral e cidadania .ppsx
Conceitos sobre Ética e moral e cidadania .ppsxConceitos sobre Ética e moral e cidadania .ppsx
Conceitos sobre Ética e moral e cidadania .ppsx
Rosana Minillo
 
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Daniela Matos
 
Aula filosofia sobre os valores e escolhasptx
Aula filosofia sobre os valores e escolhasptxAula filosofia sobre os valores e escolhasptx
Aula filosofia sobre os valores e escolhasptx
AlessandraRibas7
 
Corpo bonito e corpo saudável – a aparência projeto maio 2011
Corpo bonito e corpo saudável – a aparência projeto maio 2011Corpo bonito e corpo saudável – a aparência projeto maio 2011
Corpo bonito e corpo saudável – a aparência projeto maio 2011
Daniela Nahr
 
Aula ética ambiental.pptx
Aula ética ambiental.pptxAula ética ambiental.pptx
Aula ética ambiental.pptx
daniel936004
 
Aula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptx
Aula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptxAula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptx
Aula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptx
ssuser132405
 
1 slide de apresentação - unidade iii
1   slide de apresentação - unidade iii1   slide de apresentação - unidade iii
1 slide de apresentação - unidade iii
Formação Professores Coxim
 
Ética e Moral
Ética e Moral   Ética e Moral
Ética e Moral
Mary Alvarenga
 

Semelhante a Filosofia-1s-3b-EM CN Versão 2 para o aplicativo.pdf (20)

Grupo 5
Grupo 5Grupo 5
Grupo 5
 
Ética e o profissional da educação
Ética e o profissional da educaçãoÉtica e o profissional da educação
Ética e o profissional da educação
 
TRABALHO DE FILOSOFIA 3º A ( ÉTICA NA ESCOLA).
TRABALHO DE FILOSOFIA 3º A ( ÉTICA NA ESCOLA).TRABALHO DE FILOSOFIA 3º A ( ÉTICA NA ESCOLA).
TRABALHO DE FILOSOFIA 3º A ( ÉTICA NA ESCOLA).
 
Módulo IV Aula 8
Módulo IV Aula 8Módulo IV Aula 8
Módulo IV Aula 8
 
Etica na educacao formatacao atualizada
Etica na educacao   formatacao atualizadaEtica na educacao   formatacao atualizada
Etica na educacao formatacao atualizada
 
ETICA
ETICAETICA
ETICA
 
Especialização em mídias na educação slades
Especialização em mídias na educação sladesEspecialização em mídias na educação slades
Especialização em mídias na educação slades
 
Especialização em mídias na educação
Especialização em mídias na educaçãoEspecialização em mídias na educação
Especialização em mídias na educação
 
I mostra do spe nas escolas 1
I mostra do spe nas escolas 1I mostra do spe nas escolas 1
I mostra do spe nas escolas 1
 
I mostra do spe nas escolas 1
I mostra do spe nas escolas 1I mostra do spe nas escolas 1
I mostra do spe nas escolas 1
 
Etica Pro[1]..
Etica Pro[1]..Etica Pro[1]..
Etica Pro[1]..
 
Aula 05 07 valores e escolhas
Aula 05 07 valores e escolhasAula 05 07 valores e escolhas
Aula 05 07 valores e escolhas
 
Conceitos sobre Ética e moral e cidadania .ppsx
Conceitos sobre Ética e moral e cidadania .ppsxConceitos sobre Ética e moral e cidadania .ppsx
Conceitos sobre Ética e moral e cidadania .ppsx
 
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
Filosofia comunicação e ética unidade ii(1)
 
Aula filosofia sobre os valores e escolhasptx
Aula filosofia sobre os valores e escolhasptxAula filosofia sobre os valores e escolhasptx
Aula filosofia sobre os valores e escolhasptx
 
Corpo bonito e corpo saudável – a aparência projeto maio 2011
Corpo bonito e corpo saudável – a aparência projeto maio 2011Corpo bonito e corpo saudável – a aparência projeto maio 2011
Corpo bonito e corpo saudável – a aparência projeto maio 2011
 
Aula ética ambiental.pptx
Aula ética ambiental.pptxAula ética ambiental.pptx
Aula ética ambiental.pptx
 
Aula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptx
Aula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptxAula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptx
Aula-5-processo-de-socializacao-e-instituicoes-sociais.pptx
 
1 slide de apresentação - unidade iii
1   slide de apresentação - unidade iii1   slide de apresentação - unidade iii
1 slide de apresentação - unidade iii
 
Ética e Moral
Ética e Moral   Ética e Moral
Ética e Moral
 

Último

Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
IsaiasJohaneSimango
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
Faga1939
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LucliaMartins5
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 

Último (20)

Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdfLEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
LEMBRANCINHA Para-MENSAGEM de -FERIAS.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 

Filosofia-1s-3b-EM CN Versão 2 para o aplicativo.pdf

  • 2. Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Educação Comte Bittencourt Secretário de Estado de Educação Andrea Marinho de Souza Franco Subsecretária de Gestão de Ensino Elizângela Lima Superintendente Pedagógica Maria Claudia Chantre Coordenadoria de Área de conhecimento Assistentes Carla Lopes Fabiano Farias de Souza Roberto Farias Texto e conteúdo Prof. Alexandre Botelho José CIEP 394 Cândido Augusto Ribeiro Neto Prof. Vitor Dantas de Moraes C.E. Irineu José Ferreira Profª. Joana da Costa Macedo C.E. Professora Luiza Marinho Capa Luciano Cunha
  • 3. Revisão de texto Prof.ª Andreia Cristina Jacurú Belletti Prof.ª Andreza Amorim de Oliveira Pacheco Prof.ª Cristiane Ramos da Costa Prof.ª Deolinda da Paz Gadelha Prof.ª Elizabete Costa Malheiros Prof.ª Karla Menezes Lopes Niels Prof.ª Kassia Fernandes da Cunha Prof. Marcos Giacometti Prof. Mário Matias de Andrade Júnior Prof. Paulo Roberto Ferrari Freitas Prof.ª Regina Simões Alves Prof. Sammy Cardozo Dias Prof. Thiago Serpa Gomes da Rocha Esse documento é uma curadoria de materiais que estão disponíveis na internet, somados à experiência autoral dos professores, sob a intenção de sistematizar conteúdos na forma de uma orientação de estudos. © 2021 - Secretaria de Estado de Educação. Todos os direitos reservados.
  • 4. Filosofia – Orientação de Estudos SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO.................................................................................................. 6 2. AULA 1: Hora do vídeo!.................................................................................... 7 3. AULA 2: Valores, Moral e Ética? ...................................................................... 7 3.1. Como construímos os nossos valores?..................................................... 8 3.2. Qual a diferença entre Moral e Ética? ..................................................... 10 4. AULA 3: #Papo de Filósofo: José Ortega y Gasset ........................................ 13 4.1. Política e ética ......................................................................................... 13 4.2. Vamos refletir: ......................................................................................... 14 5. AULA 4: Questões éticas atuais ..................................................................... 15 5.1. O uso correto das tecnologias................................................................. 15 5.2. A contribuição tecnológica para o comportamento ético ......................... 16 6. AULA 5: O “Enem” sabia disso?..................................................................... 17 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS............................................................................ 19 7.1. Leitura Sugerida: ..................................................................................... 20 8. RESUMO........................................................................................................ 20 9. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ............................................................... 21
  • 5. 5 DISCIPLINA: Filosofia. ORIENTAÇÕES DE ESTUDOS PARA FILOSOFIA 3º Bimestre de 2020 – 1ª Série do Ensino Médio do Curso Normal Prof. Alexandre Botelho José e Profa. Joana da Costa Macedo META: Apresentar algumas questões trazidas pelo desenvolvimento tecnológico e identificar alguns dilemas éticos surgidos por conta do mundo tecnológico. OBJETIVOS: Ao final destas Orientações de Estudos, você deverá ser capaz de:  Identificar os campos da ética e da política: arte do bem viver.
  • 6. 6 1. INTRODUÇÃO Caros alunos, Vocês já se perguntaram como nossas vidas mudam e são impactadas pelas tecnologias? Muitas vezes é difícil ter a real noção desse impacto, não é mesmo? Nessa Orientação de Estudos nós vamos problematizar e compreender como o desenvolvimento da tecnologia e a sua consequente introdução em nossas vidas mudaram nossa forma de viver, de pensar o mundo e se relacionar uns com os outros. É justamente por causa desses relacionamentos que acabamos por repensar as nossas próprias atitudes e atos morais. Esses atos são fundamentais para nossa vida em sociedade e para o modo como nos orientamos como indivíduos. Esta autonomia do sujeito moral é fundamental para que vocês comecem a pensar a partir dos seus próprios parâmetros. Tenham em mente que a busca pela felicidade é uma preocupação primordial nas relações humanas e, por isso, a moralidade, a justiça e outros conceitos fazem parte do nosso cotidiano. Dessa forma, sempre que isso ocorre, estamos diante de uma decisão que envolve julgamento moral e temos que decidir com base no que consideramos bom, justo ou moralmente correto. Com certeza você já deve ter ouvido as palavras “ética” e “moral”, mas será que elas têm o mesmo significado? Vamos tentar desvendar essa dúvida? Bons estudos!
  • 7. 7 2. AULA 1: Hora do vídeo! No vídeo abaixo, o professor Leandro Vieira fala sobre os conceitos éticos e morais, como eles são construídos e como podemos utilizá-los junto aos valores que aprendemos no decorrer da vida. Vamos lá? Acesse: https://youtu.be/T0ZdMP3DVos 3. AULA 2: Valores, Moral e Ética? Caro aluno, Como dissemos, os seres humanos agem de maneira consciente, e cada um de nós é responsável pela sua própria vida e, consequentemente, pelas decisões que toma. Mas como decidimos o quê fazer? Você já pensou como tomar as decisões sobre o que fazer em determinada situação? Você age impulsivamente, fazendo “o que der na telha” ou analisa cuidadosamente as possibilidades e as consequências, para somente para depois decidir o que fazer? Essas são questões filosóficas, e a Filosofia pode nos ajudar a pensar sobre a nossa própria vida. Essa área da Filosofia se chama “Ética” e é ela que se dedica a pensar as ações humanas, seus fundamentos e análise das consequências. Um dos primeiros filósofos a pensar a ética foi nosso amigo Aristóteles, que viveu na Grécia no século IV a.C. Ele ensinava numa escola à qual deu o nome de Liceu, e muitas de suas obras são resultado das anotações que os discípulos faziam de suas aulas. As explicações sobre a ética foram anotadas pelo filho de Aristóteles chamado Nicômaco, e, por isso, esse livro é conhecido por nós com o título de Ética a Nicômaco.
  • 8. 8 Em suas aulas, Aristóteles fez uma análise do agir humano que marcou decisivamente o modo de pensar ocidental. Ele ensinava que todo o conhecimento e todo trabalho visa a algum bem. O bem é a finalidade de toda ação. A busca do bem é o diferente, é o que difere a ação humana da de todos os outros animais. E você, tem buscado o “bem” como finalidade de toda ação? Cabe, ainda, destacar que, para Aristóteles, esse “bem” seria o mais precioso e é a maior busca do ser humano, ou seja, a “felicidade”. Mas, o que é felicidade? Essa pergunta não é respondida igualmente por todos, pois cada um de nós responde de uma forma diferente, de forma singular. Essa singularidade na resposta é partilhada por outros indivíduos com os quais convivemos. Portanto, no processo de nossa educação familiar, religiosa e escolar aprendemos a identificar o ser feliz com os valores que sustentam nossas ações. Para entendermos melhor como essas questões funcionam em nossas vidas, precisamos compreender como construímos os nossos valores, o que é ética e como a moral atua em nossas vidas. 3.1. Como construímos os nossos valores? Você já deve ter percebido que, desde a infância, estamos sujeitos à influência do meio social por intermédio da família, da escola, dos amigos e dos meios de comunicação de massa (principalmente a televisão e a internet). Assim, todos nós vamos adquirindo aos poucos princípios morais. Portanto, ao nascer, cada um de nós nos deparamos com um conjunto de normas já estabelecidas e aceitas pelo meio social. Consegue perceber que já recebemos tudo isso “pronto” e que só mais tarde vamos (re)construindo esses valores? Esse é chamado aspecto social da moral. Mas a moral não se limita ao aspecto social, pois à medida que o indivíduo desenvolve a reflexão crítica, a Filosofia, os valores herdados passam a ser colocados em questão. Você mesmo pode perceber, que das muitas coisas que lhe ensinaram, hoje você já adquiriu outro olhar. A Filosofia ajuda na reflexão sobre as normas e decide aceitá-las ou negá-las. A decisão de acatar uma norma é fruto de uma reflexão pessoal consciente que podemos chamar de “interiorização”. Essa interiorização da norma é que qualifica o ato como moral.
  • 9. 9 Caso não seja interiorizado, o ato não é considerado moral, é apenas um comportamento determinado pelos instintos, pelos hábitos ou pelos costumes. Temos que entender que a maneira como a consciência individual vai reagir diante das normas depende de muitos fatores, alguns são pessoais (formação familiar, caráter, temperamento), mas outros são oriundos de instituições sociais (regime político, organização social, instituição religiosa, sistema econômico, instituições culturais, meios de comunicação em massa) que podem criar possibilidades ou impor obstáculos à criticidade e também à construção da moral. Vamos pegar um exemplo corriqueiro para entendermos como o conceito de interiorização funciona. Imagine um condutor de um veículo, em uma via urbana, parar antes da faixa de segurança de maneira espontânea e permitir que os pedestres atravessem a rua. Ele estará respeitando as pessoas e o Código de Trânsito Brasileiro, sendo, portanto, um comportamento moralmente correto. Entretanto, se ele parar o veículo pelo simples fato de ter receio de receber uma multa, seu comportamento se limita a um ato mecânico e sem reflexão crítica, ou seja, ele apenas o fez pelo comprimento da lei. Na charge do Arionauro vemos o cúmulo da falta de interiorização, em que, além de parar na faixa de pedestre, em frente a uma escola, o motorista ainda estava utilizando o celular. Por isso, multa nele, seu guarda! Conseguiram compreender a diferença? Para entender melhor. Quando falamos de moral, temos que ter em mente que a pessoa sabe aquilo que precisa ser feito, sem precisar interiorizar, acontece de forma natural, independentemente das vantagens ou prejuízos que possa vir a acontecer. Mas não confunda ato moral com um ato acima de contestações. Isso porque, quando você pratica um ato moral, também está sujeito a sofrer consequências negativas, pois o que é moral para uns pode ser amoral ou imoral para outros, ou seja, um sujeito amoral é aquele que desconsidera ou não se
  • 10. 10 importa com as regras ou normas morais, já o sujeito imoral é aquele que conhece as regras ou normas, mas é completamente contra elas. Vejamos algumas questões que norteiam o vasto campo da moral. Estas são as perguntas fundamentais que nos ajudam a refletir e a interiorizar: ● O que devo fazer para ser justo? ● Quais valores devo escolher para guiar minha vida? ● Há uma hierarquia de valores que deve ser seguida? ● Que tipo de ser humano devo ser nas minhas relações comigo mesmo, com meus semelhantes e com a natureza? ● Que tipo de atitudes devo praticar como pessoa e cidadão? 3.2. Qual a diferença entre Moral e Ética? A palavra moral deriva das palavras, em latim, moralis e mor que significam costume. E, como você pode perceber, nossa vida é orientada por diversos costumes. Temos costumes que regulam praticamente tudo em nossas vidas: as roupas que vestimos (se vamos a uma igreja, por exemplo, os nossos costumes sociais não nos permitem usar sunga de banho), as palavras que usamos em diversas ocasiões (se estamos conversando com um amigo, não o chamamos de “meritíssimo” ou “meu senhor”), os nossos gestos (muitas pessoas fazem o sinal da cruz quando passam em frente a uma igreja), até nas redes Valor (lat. valor) Literalmente, em seu sentido original. “valor” significa coragem, bravura, o caráter do homem, daí por extensão significar aquilo que dá a algo um caráter positivo. Do ponto de vista ético, os valores são os fundamentos da moral, das normas e regras que prescrevem a conduta correta. No entanto, a própria definição desses valores varia em diferentes doutrinas filosóficas. Para algumas concepções, é um valor tudo aquilo que traz a felicidade do homem. Mas trata-se igualmente de uma noção difícil de se caracterizar e sujeita a divergências quanto à sua definição. Alguns filósofos consideram também que os valores se caracterizam por relação aos fins que se pretendem obter, a partir dos quais algo se define como bom ou mau. Outros defendem a ideia de que algo é um valor em si mesmo. Discute-se assim se os valores podem ser definidos intrínseca ou extrinsecamente. Há ainda várias outras questões envolvidas na discussão filosófica sobre os valores, p. ex., se os valores são relativos ou absolutos, se são inerentes à natureza humana ou se são adquiridos etc. JAPIASSÚ, H. Dicionário Básico de Filosofia. 5 ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.
  • 11. 11 sociais temos nossos costumes, para isso criou-se até uma “netiqueta” que são as regras de comportamento quando estamos no mundo virtual, além de muitos outros comportamentos que usamos no dia a dia. Mas para você entender melhor, a moral se refere a outro tipo de costume. Trata-se de costume que diz respeito aos valores que já comentamos e que estão ligados ao sentido de bem e mal. Esses valores fundamentais estruturam outros, como: justo/injusto, certo/errado, digno/indigno, dentre outros. Costumes morais são aqueles que se relacionam com os modelos de bem e mal da nossa sociedade, ou seja, estão ligados também ao tempo, ao momento, à cultura, a uma época etc. Por isso, todos os dias emitimos julgamentos morais em relação aos nossos comportamentos, e aos comportamentos dos outros, a partir do nosso ponto de vista, daquilo em que acreditamos. Em outras palavras, estamos sempre avaliando os nossos atos e os atos dos outros segundo os valores de bem e mal da nossa sociedade e de nosso meio. Cabe aqui destacar que nem sempre nós concordamos com os padrões morais da nossa sociedade. Em alguns casos, nem devemos mesmo, pois a crítica deve fazer parte da nossa vida. Por isso, nós confrontamos e criamos valores morais diferentes dos nossos e dos outros. Isso mostra que a moral está presente em dois setores da vida humana: no âmbito individual e pessoal, e no âmbito social, isto é, na sociedade. Mais que isso! Pode-se dizer que há uma moral individual e uma moral social. Mas como podemos refletir sobre a moral e termos a certeza de que tomamos as decisões mais acertadas? Apesar de todos os indivíduos agirem moralmente, alguns refletem filosoficamente sobre a moral e outros não, assim como os amorais e os imorais, que já vimos. Mas, por que alguns comportamentos são considerados morais e outros não? Quando é que nós podemos dizer que alguém está sendo imoral? E, se nos forçarem a fazer algo que não queremos, estamos agindo moralmente? Quais valores morais de uma sociedade podem ser preservados e quais devem ser mudados? Quando a Filosofia estuda a moral é que surge a Ética. Vamos deixar uma coisa clara: Fonte: https://medium.com/@lucasdemelo274/ética-no-dia- a-dia-das-relações-pessoais-e-profissionais-8babeb86598e
  • 12. 12 Ética não é a mesma coisa que a moral. Ética é a reflexão filosófica sobre a moral humana. Ela reflete sobre os conceitos de bem e mal, sobre as condições que fazem com que um ato possa ser considerado moral e propõe criticamente normas morais. Como os valores morais são históricos (eles mudam com a história das sociedades), a ética é também histórica. A Filosofia refletiu de diversas formas a experiência moral do homem ocidental. Por isso, existem diversas éticas, ao longo da história. Assim, o objetivo da ética é entender os conflitos existentes entre as pessoas, buscando suas razões, como resultado direto de suas crenças e valores, e, com base nisto, estabelecer tipos de comportamentos que permitam a convivência em sociedade. Fonte: https://www.proenem.com.br/Fenem/Ffilosofia/Fetica-e-moral # Curiosidade Filosófica: Como um ramo da Filosofia, a Ética a influenciou e foi por ela influenciada. Na ética normativa, distinguem-se dois grupos principais de filósofos:  Deontologistas (do grego déontos: “de obrigação”); e  Teleologistas (do grego teléios: “no fim”, “final”, causa última). Os deontologistas têm, como conceitos básicos, o direito e o dever, e assumem que as definições de moral derivam desses conceitos fundamentais. Os teleologistas têm, na bondade e no valor, os conceitos axiológicos básicos que detectam de onde vem a preponderância da bondade intrínseca. Enfatizam o cálculo das consequências de cada ação. Os axiologistas (do grego axíos, “digno”, “’util”) acham que certas ações são corretas por causa do valor da bondade que eles inerentemente contêm, como a alegria ou prazer. A Ética constitui uma relação social que pode ser visualizada como uma relação de poder. É a razão pela qual não se pode falar unicamente em “ética em geral”, mas de morais específicas, pertencentes a sociedades históricas determinadas. GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Ética e Cidadania Organizacional. Escola Estadual de Educação Profissional – EEEP. Curso Técnico em Comércio. Fortaleza: SEDUC, 2012.
  • 13. 13 4. AULA 3: #Papo de Filósofo: José Ortega y Gasset No seu livro A Desumanização da Arte, o Prof. José Ortega y Gasset reflete o grau de distanciamento e proximidade que temos com os acontecimentos que ocorrem nas nossas vidas. O fragmento exposto abaixo apresenta uma explicação a respeito da política como ética. Leia o fragmento abaixo e responda às perguntas logo após o texto. 4.1. Política e ética O pesar inevitável desta análise ficaria compensado se nos permitisse falar com clareza de uma escala de distâncias espirituais entre a realidade e nós. Nessa escala os graus de proximidade equivalem a graus de participação sentimental nos acontecimentos; os graus de distanciamento, pelo contrário, significam graus de libertação em que objetivamos o acontecimento real, transformando-o em puro tema de contemplação. Situados num dos extremos, nos encontramos com um aspecto do mundo – pessoas, coisas, situações – que é a realidade “vivida”; do outro extremo, em contrapartida, vemos tudo em seu aspecto de realidade “contemplada”. Ao chegarmos aqui, temos que fazer uma advertência essencial para a estética, sem a qual não é fácil penetrar na fisiologia da arte, tanto a velha como a nova. Entre esses diversos aspectos da realidade que correspondem aos vários pontos de vista, há um do qual derivam todos os demais e que em todos os outros está suposto: da realidade vivida. Se não houvesse alguém que vivesse em pura entrega e frenesi a agonia de um homem, o médico não se preocuparia com ela, os leitores não entenderiam os gestos patéticos do jornalista que descreve o fato, e o quadro no qual o pintor representa um homem no leito rodeado de figuras condoídas nos seria ininteligível. O mesmo poderíamos dizer de qualquer outro objeto, seja pessoa ou coisa. A forma primitiva de uma maçã é a que esta possui quando nos dispomos a comê-la. Em todas as demais formas possíveis que adote - por exemplo, a que um artista de 1600 lhe deu, combinando-a em um barroco ornamento, a que apresenta uma adega de Cézanne ou na metáfora elementar que faz dela um pomo de mulher - conserva mais ou menos aquele aspecto original. Um quadro, uma poesia onde não restasse nada das formas vividas seriam ininteligíveis, ou seja, não seriam nada, como nada seria um discurso onde de cada palavra se tivesse extirpado a significação habitual. ORTEGA Y GASSET Fonte: https://brasil.elpais.com/brasil/20 14/06/26/opinion/1403792634_8 28231.htmlimportance-of-
  • 14. 14 Quer dizer que, na escala das realidades, corresponde à realidade vivida uma peculiar primazia que nos obriga a considerá-la como “a” realidade por excelência. Em vez de realidade vivida, poderíamos dizer realidade humana. O pintor que presencia impassível a cena da agonia parece “inumano”. Digamos, pois, que o ponto de vista humano é aquele em que “vivemos” as situações, as pessoas, as coisas. E, vice-versa, são humanas todas as realidades – mulher, paisagem, peripécias – quando oferecem o aspecto sob o qual costumam ser vividas. Um exemplo, cuja importância observa o leitor mais adiante: entre as realidades que integram o mundo se acham as nossas ideias. Utilizamo-las “humanamente” quando com elas pensamos as coisas, ou seja, que, ao pensar em Napoleão, o normal é que consideremos exclusivamente o grande homem assim chamado. Ao contrário, o psicólogo, adotando um ponto de vista anormal, “inumano”, desconsidera Napoleão e, vendo seu próprio interesse, procura analisar sua ideia de Napoleão como tal ideia. Trata-se, pois, de uma perspectiva oposta à que usamos na vida espontânea. Em vez de ser a ideia instrumento com que pensamos um objeto, fazemos dela objeto e termo do nosso pensamento. Logo veremos o uso inesperado que a nova arte faz dessa inversão inumana. ORTEGA Y GASSET, J. A desumanização da arte. São Paulo: Ed. Cortez, 2001. 4.2. Vamos refletir: 1. Com base na leitura do texto acima, como podemos entender a realidade pesada pelo autor? 2. Tendo em vista a discussão da realidade acima, como podemos explicar a mensagem da charge abaixo? Fonte: https://domtotal.com/charge.php?chaId=2410
  • 15. 15 5. AULA 4: Questões éticas atuais Ao longo das aulas de Filosofia do Ensino Médio, estudamos constantemente a questão da moral e da ética. Nessa última parte, daremos ênfase a alguns dilemas e impasses concernentes à sociedade atual. 5.1. O uso correto das tecnologias As novas relações virtuais também podem produzir um espaço virtual de complementaridade com as relações do espaço real, além de conectar-nos com uma nova forma de tempo e de espaço. Isso se dá pelo fato de que o manuseio das máquinas tecnológicas, e, portanto, a forma como sua utilização será realizada, depende do significado e das práticas concernentes às relações sociais. No que concerne à educação, a questão central é a ênfase dada à questão de tornar o sujeito ativo, e principalmente, crítico e não passivo da ação político-social, em um contexto de desenvolvimento local. Nesse sentido, a tecnologia seria um instrumento complementar ao processo de aprendizagem, ao tentar formar uma educação relacional, reflexiva e criativa, além de o desenvolvimento social ser formado, não só por condições materiais, como também por imateriais, através da produção de novas subjetividades, tais como a informação e a criatividade. Hoje em dia podemos perceber o quão presente se tornou o ensino remoto, e este ensino só é possível de ser realizado por conta da existência dos dispositivos eletrônicos e da tecnologia. Fonte: http://webquestfacil.com.br/webquest.php?pg=tarefa&wq=11534
  • 16. 16 Isso dá margem para pensar a cidade como um produto social dos atores nela envolvidos, posto que as tecnologias e o computador representam uma nova concepção sobre as práticas sociais. Ao perceber o computador como um espaço de representação no qual a prática espacial se funde com a prática da vivência, este se torna um prolongamento de uma trajetória – trajetória da totalidade do espaço social da humanidade. 5.2. A contribuição tecnológica para o comportamento ético Ao longo do tempo a nossa sociedade mudou bastante, não foi? Uma das mudanças mais fortes foi justamente a inclusão das tecnologias nas nossas vidas. O fenômeno da globalização propiciou isso. O mundo tecnológico é bastante abrangente e isso permite que uma infinidade de informações circule pelo espaço cibernético. Infelizmente, não se pode controlar se todas as pessoas irão utilizar a internet de forma correta. Quando isso acontece espalha-se a desinformação, as chamadas fake news são representativas desse cenário. A tecnologia seria uma ferramenta para o exercício da democracia, em seu sentido mais amplo, uma vez que permitiria a todos os cidadãos ter acesso à informação e diminuir a desigualdade digital suscitada por esse novo contexto. A igualdade de informação favoreceria o desenvolvimento humano, compreendendo o econômico, o social, o cultural e o político, já que essa seria um dos elementos primordiais para, por exemplo, a empregabilidade futura, a divulgação de qualquer tipo, a busca por informações diversas, bem como permitir que se constituísse uma condição na qual os cidadãos possam ter a mesma oportunidade de acesso a essas mesmas informações. Fonte: https://www.humorpolitico.com.br/author/cazo/
  • 17. 17 Além disso, o uso das tecnologias precisa ser pautado em um comportamento ético no qual a responsabilidade cívica e o interesse público imperem. Nesse sentido, acredito que acontece um processo dual, ou seja, a inclusão deve ser feita dos cidadãos em interação com a tecnologia e a inclusão da tecnologia na vida cotidiana dos cidadãos. #Parasabermais: https://www.infoescola.com/informatica/tecnologia-da- informacao-e-comunicacao/ 6. AULA 5: O “Enem” sabia disso? 1. ENEM 2019 A importância do conhecimento está em seu uso, em nosso domínio ativo sobre ele, quero dizer, reside na sabedoria. É convencional falar em mero conhecimento, separado da sabedoria, como capaz de incutir uma dignidade peculiar a seu possuidor. Não compartilho dessa reverência pelo conhecimento como tal. Tudo depende de quem possui o conhecimento e do uso que faz dele. WHITHEHEAD, A. N. Os fins da educação e outros ensaios. São Paulo: Edusp, 1969. No trecho, o autor considera que o conhecimento traz possibilidades de progresso material e moral quando: a) prioriza o rigor conceitual. b) valoriza seus dogmas. c) avalia sua aplicabilidade. d) busca a inovação tecnológica. e) instaura uma perspectiva científica. 2. ENEM 2013 Os produtos e seu consumo constituem a meta declarada do empreendimento tecnológico. Essa meta foi proposta pela primeira vez no início da Modernidade, como expectativa de que o homem poderia dominar a natureza. No entanto, essa expectativa, convertida em programa anunciado por pensadores como Descartes e Bacon e impulsionado pelo Iluminismo, não surgiu “de um prazer de poder”, “de um mero
  • 18. 18 imperialismo humano, mas da aspiração de libertar o homem e de enriquecer sua vida, física e culturalmente”. CUPANI, A. A tecnologia como problema filosófico três enfoques. Scientiae Studia. São Paulo, v. 2, n. 4. 2004 (adaptado). Autores da filosofia moderna, notadamente Descartes e Bacon, e o projeto iluminista concebem a ciência como uma forma de saber que almeja libertar o homem das intempéries da natureza. Nesse contexto, a investigação científica consiste em: a) expor a essência da verdade e resolver definitivamente as disputas teóricas ainda existentes. b) oferecer a última palavra acerca das coisas que existem e ocupar o lugar outrora foi da filosofia. c) ser a expressão da razão e servir de modelos para outras áreas do saber que almejam o progresso. d) explicitar as leis gerais que permitem interpretar a natureza e eliminar os discursos éticos e religiosos. e) explicar a dinâmica presente entre os fenômenos naturais e impor limites aos debates acadêmicos. 3. (Enem/2010) A ética precisa ser compreendida como um empreendimento coletivo a ser constantemente retomado e rediscutido, porque é produto da relação interpessoal e social. A ética supõe ainda que cada grupo social se organize sentindo-se responsável por todos e que crie condições para o exercício de um pensar e agir autônomos. A relação entre ética e política é também uma questão de educação e luta pela soberania dos povos. É necessária uma ética renovada, que se construa a partir da natureza dos valores sociais para organizar também uma nova prática política. CORDI et al. Para filosofar. São Paulo: Scipione, 2007 (adaptado). O Século XX teve de repensar a ética para enfrentar novos problemas oriundos de diferentes crises sociais, conflitos ideológicos e contradições da realidade. Sob esse enfoque e a partir do texto, a ética pode ser compreendida como a) instrumento de garantia da cidadania, porque através dela os cidadãos passam a pensar e agir de acordo com valores coletivos. b) mecanismo de criação de direitos humanos, porque é da natureza do homem ser ético e virtuoso. c) meio para resolver os conflitos sociais no cenário da globalização, pois a partir do entendimento do que é efetivamente a ética, a política internacional se realiza. d) parâmetro para assegurar o exercício político primando pelos interesses e ação privada dos cidadãos. e) aceitação de valores universais implícitos numa sociedade que busca dimensionar sua vinculação à outras sociedades. 4. ENEM 2018 Quando analisamos nossos pensamentos ou ideias, por mais complexos e sublimes que sejam, sempre descobrimos que se resolvem em ideias simples que são cópias de uma sensação ou sentimento anterior. Mesmo as ideias que, à primeira vista, parecem mais afastadas dessa origem mostram, a um exame mais atento, ser derivadas dela.
  • 19. 19 HUME, D. Investigação sobre o entendimento humano. São Paulo: Abril Cultural, 1973. Depreende-se deste excerto da obra de Hume que o conhecimento tem a sua gênese na: a) convicção inata. b) dimensão apriorística. c) elaboração do intelecto. d) percepção dos sentidos. e) realidade transcendental. Fonte: https://www.qconcursos.com/ 7. CONSIDERAÇÕES FINAIS Chegamos ao final do bimestre, pessoal! Como você deve ter percebido, o limiar do ético e moral não é tão simples, e encontram pelo caminho inúmeras dificuldades, principalmente aquelas que são impostas pela própria sociedade e suas regras pré- determinadas, que visam justamente à manutenção do status quo, que é o “estado das coisas”, ou a manutenção do que já está implementado. O que precisamos mudar são as formas como enxergamos o mundo, a vida e nós mesmos, pois a moral pode ser aprendida e modificada, uma vez que somos pessoas que se humanizam na medida em que nos relacionamos e dois preceitos são básicos: o de educar para a cidadania e o de educar eticamente. Por fim, refletimos sobre alguns impasses trazidos por essas tecnologias. Vimos, primeiro, que a inclusão digital é um fator importante, justamente porque precisamos da tecnologia nosso cotidiano e até na educação com o aparecimento do ensino remoto. Além disso, discutimos que o espaço cibernético, por sua aparente infinitude, deu espaço a práticas de desinformação que precisam ser revistas. Assim, a tecnologia pode ser capaz de construir uma sociedade democrática que possa ser eticamente orientada. Parabéns!
  • 20. 20 7.1. Leitura Sugerida: - Consumidores e Cidadãos Autor: Nestor Garcia Canclini. Editora: UFRJ. Resumo: O livro do autor Nestor Canclini apresenta uma reflexão aprofundada sobre o desenvolvimento do mundo contemporâneo no que diz respeito ao contexto de surgimento da tecnologia. O autor reflete sobre como as relações sociais mudam com as novas tecnologias, transformando, sobretudo, a perspectiva na qual os indivíduos se inserem no mundo e são por ele interpretados. - Textos básicos de ética: de Platão a Foucault Autor: Danilo Marcondes. Editora: Zahar. Resumo: Essa antologia de textos sobre ética tem como objetivo pôr o estudante em contato direto com as ideias dos grandes pensadores. Em vez de o aluno “ouvir falar” ou “ler sobre” o que os filósofos pensam sobre o tema, terá oportunidade de lidar diretamente com os textos de Platão a Foucault. Elaborado para utilização didática, o volume está organizado com uma introdução para cada filósofo; um comentário que situa cada trecho escolhido no contexto da obra original, destacando sua importância e indicando seu enfoque central; finalizando cada seção, uma série de questões e temas para discussão em sala de aula, e indicação de leituras complementares. Inclui 35 textos comentados dos grandes filósofos: Platão, Aristóteles, Santo Agostinho, São Tomás de Aquino, Descartes, Spinoza, Hume, Kant, Kierkegaard, Nietzsche, Stuart Mill, Weber, Freud, Foucault. 8. RESUMO Nestas Orientações de Estudos 3º Bimestre de 2020, Filosofia – 1ª série, você aprendeu:  Nos vídeos propostos podemos ver como a ética e a moral fazem parte da nossa vida e como construímos os valores que fazem parte de quem
  • 21. 21 somos, bem como ampliamos a discussão sobre impacto que o desenvolvimento da tecnologia tem nas nossas vidas;  O que são valores impostos e adquiridos. Como eles chegam para nós e nos fazem decidir sobre as questões mais básicas da vida;  Compreendemos a diferença entre moral e ética, entendendo que moral são os atos baseados nos costumes e que precisamos lapidar conforme nos (re)construímos como indivíduos;  Vimos que a ética é uma parte da Filosofia que nos ajuda a pensar sobre a moral, o certo e errado, nos ajudando a refletir sobre as decisões que afetam não só o indivíduo, mas todos ao seu redor;  O prof. Ortega y Gasset reflete sobre a realidade vivida e a experiência que conseguimos ter na vida;  Entendemos alguns impactos da tecnologia na esfera social, especialmente na educação;  Alguns impasses trazidos pela introdução da tecnologia no mundo como a inclusão digital e as fake news;  Por fim, alguns exercícios do Enem para praticarmos as questões de Filosofia relacionadas aos temas abordadas ao longo dessa OE. 9. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARANHA, M. L. A.; MARTINS, M. H. P. Filosofando. Introdução à Filosofia. 6 ed. São Paulo: Moderna, 2016. BAUMAN, Z. Amor Líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor; 2004. BOBBIO, N. Dicionário de Política. Brasília: Ed. UnB, 2004. BUCKINGHAM, W. Livro da Filosofia. São Paulo: Globo, 2011. BOURDIEU P. Remarques provisoires sur la perception sociale du corps. In: Actes de la recherche en sciences sociales. Vol. 14, Présentation et représentation du corps. pp. 51-54, abril 1977 [Tradução de Sônia Giacomini]. CHAUI, M. Convite à Filosofia. São Paulo: Ed. Ática, 2000.
  • 22. 22 COTRIM, G. Fundamentos de filosofia: história e grandes temas. 15. ed. São Paulo, 2002. CYRINO, H.; PENHA, C. Filosofia hoje. 2. ed. Campinas: Papirus, 1992. DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997. GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Ética e Cidadania Organizacional. Escola Estadual de Educação Profissional – EEEP. Curso Técnico em Comércio. Fortaleza: SEDUC, 2012. JAPIASSÚ, H. Dicionário Básico de Filosofia. 5 ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008. KANT, I. Crítica da faculdade do juízo. Trad. Valério Rohden e António Marques. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: O futuro do pensamento na era da informática. Trad. Carlos Irineu da Costa, Rio de Janeiro: Editora 34, 1993. MARASCHIN, C. Redes de conversão como operadoras de mudanças estruturais na convivência. In: PELLANDA, N. M. C.; SCHLÜNZEN, E. T. M.; SCHLÜNZEN JUNIOR, K. (Orgs.). Inclusão Digital: Tecendo redes afetivas/cognitivas. Rio de Janeiro: Editora DP&A. 2005.